__MAIN_TEXT__

Page 1

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AMADEO DE SOUZA-CARDOSO

Bibliotecas Escolares Amadeo Vila Caiz

Regimento

1


INTRODUÇÃO As bibliotecas escolares devem constituir recursos básicos do processo educativo, sendo-lhes atribuído papel central em domínios tão importantes como a aprendizagem da leitura, a literacia, a criação e o desenvolvimento do prazer de ler e a aquisição de hábitos de leitura, as competências de informação e o aprofundamento da cultura cívica, científica, tecnológica e artística.

Estudos sobre literacia têm vindo a demonstrar que existe uma relação estreita entre a acessibilidade a espaços e recursos de leitura e o nível de desempenho dos alunos. Verifica-se também que, nos países com tradição no domínio das bibliotecas escolares e das bibliotecas públicas, os hábitos de leitura se encontram mais enraizados, sendo também esses países que registam níveis mais elevados de desenvolvimento cultural e científico. Considera-se, portanto, que deverá ser entendida como um centro multimédia de livre acesso, afirmando-se como um conjunto de iniciativas inseridas na vida pedagógica da escola e aberto à comunidade local.

Nesta perspetiva, a BE deverá tornar-se um núcleo da vida da escola, atraente, acolhedor e estimulante, onde os alunos:  se sintam num ambiente que lhes pertence e se habituem a considerar o livro e a informação como necessidades do dia a dia e como fontes de prazer e de desenvolvimento pessoal;  tenham acesso à informação e ao conhecimento, através de grande diversidade de livros, jornais, revistas, materiais audiovisuais e tecnologias de informação;  possam descobrir e alimentar o prazer de ler e de se informarem recorrendo a fontes documentais disponíveis no mais variado tipo de suportes;  possam estudar e encontrar com facilidade fontes documentais;  se habituem a selecionar e gerir informação para realizarem atividades curriculares (individualmente ou em grupo, autonomamente ou com apoio docente); 2


 adquiram competências e autonomia no domínio da informação escrita, digital e multimédia e produzam documentos em suportes e linguagens diversificadas.

Deve também ser um lugar onde os professores:  se sintam num ambiente que lhes pertence e adquiram o hábito de participar na sua animação, atualização, enriquecimento e ajuda aos alunos aí presentes;  encontrem informação variada, utilizável no seu trabalho docente e possam requisitar livros e outros documentos nos mais variados tipos de suportes para as atividades da sala de aula;  recolham sugestões, ideias e materiais que os inspirem e apoiem no seu trabalho docente no ajustamento aos alunos e às turmas;  desenvolvam atividades que apoiem e promovam os objetivos educativos definidos com as finalidades e currículos da escola;  possam recorrer ao coordenador ou a outros professores da equipa para debater modalidades de incentivar nos alunos o prazer de ler e aprendizagem centrada na procura autónoma de informação;  possam encaminhar os seus alunos para que ali realizem atividades de estudo acompanhando-os sempre e que não utilizem este espaço para cumprimento e/ou aplicação de castigos.

Deve ainda ser um lugar onde todos encontrem registos de memória da escola e do seu meio envolvente, através de documentos ali arquivados, contribuindo assim para reforçar a identidade da escola e da comunidade local.

3


REGULAMENTO

CAPÍTULO I: ÂMBITO E SERVIÇOS Art.º 1 - Objetivos Gerais São objetivos gerais da BE: a) facilitar o acesso, através do empréstimo ou consulta local, a livros, periódicos, documentos audiovisuais e outros tipos de documentação, independentemente do seu suporte, dando respostas às necessidades de informação, lazer e educação permanente, no pleno respeito pela diversidade de gostos e de escolhas, segundo os princípios definidos pelo Manifesto da UNESCO; b) fomentar o gosto pela leitura e contribuir para o desenvolvimento cultural; c) proporcionar condições que permitam a reflexão, o debate e a crítica construtiva, nomeadamente através de atividades de intervenção cultural da Biblioteca; d) valorizar e divulgar o património cultural.

Art.º 2 - Atividades Com vista à prossecução dos seus objetivos gerais, a BE desenvolverá diversas atividades preferencialmente integradas nestes objetivos, podendo no entanto abrir os seus espaços a outras desde que não concorrentes com estes: a) atualização do seu fundo documental; b) organização adequada e constante dos seus fundos; c) promoção de exposições, colóquios, conferências, sessões de leitura e outras atividades de animação cultural; d) informação de publicações de autores locais, nacionais ou estrangeiros; e) divulgação das atividades promovidas na ou pela BE através do blogue; f) promoção de atividades de cooperação com a Biblioteca Municipal e outros organismos culturais; g) as atividades a realizar na Biblioteca integram-se no seu planeamento e são programadas dentro dos objetivos traçados para a sua gestão (ver plano anual).

4


Art.º 3 - Serviços A Biblioteca põe à disposição do utilizador os seguintes serviços: a) serviço de consulta e empréstimo domiciliário; b) serviço de leitura informal (leitura de jornais, revistas, banda desenhada…); c) serviço de leitura e produção de documentos; d) serviço de reprografia: os documentos provenientes da BE podem ser fotocopiados na reprografia da escola. O preço das fotocópias é fixado pelo Órgão de Gestão; e) serviço multimédia e audiovisual: acesso a computadores (com software variado e ligação à Internet) e leitores áudio/vídeo (DVD); f) apoio pedagógico: os utilizadores encontram docentes que devem prestar auxílio científico e organizacional; g) animação cultural: são desenvolvidas ao longo do ano letivo várias atividades para as quais os utilizadores são informados e convidados a participar.

Art.º 4 – Fundo documental A BE põe à disposição do utilizador os seguintes documentos:

a) Monografias (livros); b) Publicações Periódicas (revistas e jornais); c) Material Audiovisual; d) Material informático; e) Internet; f) Jogos didáticos e manipuláveis.

Os livros estão colocados nas estantes por áreas temáticas, segundo a Classificação Decimal Universal (CDU):

(0) - Generalidades (enciclopédias, dicionários...). (1) - Filosofia. (2) - Religião. Teologia. 5


(3) - Ciências Sociais. (4) - Não utilizado. (5) - Matemática, Ciências Naturais. (6) - Ciências Aplicadas. Medicina. Tecnologia. (7) - Arte. Desporto. (8) - Língua. Linguística. Literatura. (9) - Geografia. Biografia. História.

CAPÍTULO II: UTILIZADORES

Art.º 1 - Disposições Gerais A BE atende alunos, pais, encarregados de educação, professores e funcionários do Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso. Outros poderão utilizar os seus serviços, a critério do Órgão de Gestão. Funciona de segunda a sexta-feira, de forma ininterrupta. Horário da BE Amadeo: 8h40 - 17h20 Horário da BE Vila Caiz: 8h40 - 17h20

Art.º 2 - Direitos O utilizador tem direito a: a) circular livremente em todo o espaço da BE; b) utilizar todos os serviços de livre acesso postos à disposição; c) consultar, ler ou requisitar livros para empréstimo domiciliário; d) apresentar sugestões.

Art.º 3 - Deveres O utilizador tem como deveres: a) cumprir as normas estabelecidas no presente regulamento; b) manter em bom estado de conservação, os documentos que lhe forem facultados, bem como fazer bom uso das instalações e dos equipamentos; 6


c) preencher os impressos que oportunamente serão entregues, para fins estatísticos e de gestão; d) cumprir o prazo estipulado para devolução dos documentos requisitados; e) indemnizar a BE pelos danos ou perdas que forem da sua responsabilidade; f) acatar as indicações que lhe forem transmitidas pelos docentes e funcionários. Sempre que desrespeitem as normas estabelecidas, os utilizadores serão advertidos. Em caso de reincidência, o aluno será convidado a abandonar a biblioteca, sendo a ocorrência participada ao Professor Bibliotecário que, por sua vez, comunica a ocorrência à Direção. A repetição de atos de indisciplina pode implicar a proibição do aluno de frequentar a BE.

Art.º 4 - Proibições Na BE/CRE é expressamente proibido: a) comer ou beber; b) falar em voz alta, falar ao telemóvel ou praticar qualquer ato que perturbe o ambiente calmo ou incomode os restantes utilizadores; c) escrever, sublinhar ou danificar qualquer documento ou material da BE/CRE.

A qualquer ocorrência omissa neste regulamento está reservado aos respetivos responsáveis o direito de arbitrar.

CAPÍTULO III: CONSULTA DE DOCUMENTOS

Art.º 1 – Consultas a) Os utilizadores devem efetuar o seu registo para fins estatísticos e de segurança. b) Os utilizadores têm livre acesso às estantes. Para manter uma melhor organização da Biblioteca os documentos consultados deverão ser colocados no carrinho que se encontra junto da secretária de receção/atendimento. A sua reposição nas estantes é da exclusiva competência do funcionário.

7


CAPÍTULO IV: EMPRÉSTIMO DE DOCUMENTOS Entende-se por empréstimo a cedência de documentos para espaços não pertencentes à Biblioteca. Art.º 1 – Empréstimos Domiciliários a) Nem todos os documentos são passíveis de empréstimo; b) O utilizador que tente retirar documentos da Biblioteca sem prévia requisição será objeto de procedimento disciplinar. O Professor Bibliotecário fará a respetiva participação ao Órgão de Gestão; c) O empréstimo é pessoal e intransferível; d) Aos utilizadores é permitida a requisição simultânea de um documento, por um período de sete dias que poderá ser renovável por mais sete dias; e) No termo do prazo de empréstimo os utilizadores devem apresentar-se na Biblioteca munidos do documento requisitado a fim de o devolver ou solicitar a renovação do prazo; f) Caso se verifique sistematicamente o não cumprimento dos prazos de devolução, os serviços podem cancelar o direito à requisição domiciliária; g) O requisitante é o único responsável pelo documento, ficando obrigado a substituí-lo, em caso de perda ou dano; h) As requisições efetuam-se até trinta e um de maio de cada ano letivo; i) Os documentos requisitados para o período de férias de Natal e Páscoa deverão ser devolvidos no primeiro dia de aulas após o mesmo período de tempo; j) O pessoal docente e não docente pode requisitar material áudio, vídeo e multimédia por um período de 48 horas; k) Para empréstimo o requisitante deverá dirigir-se ao funcionário de serviço para efetuar a requisição.

Art.º 2 – Empréstimos para a Sala de Aula É permitida a saída de documentos para a sala de aula sendo, neste caso, a requisição feita obrigatoriamente pelo professor que fica responsável pelos mesmos até à sua devolução que deverá ocorrer até ao final do dia. Qualquer professor que necessite de material da biblioteca para as suas aulas deverá informar antecipadamente este serviço. 8


CAPÍTULO V: UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES a) Os utilizadores devem efetuar o seu registo para fins estatísticos e de segurança; b) Os alunos só poderão utilizar os computadores desde que esteja presente um professor; c) A utilização dos computadores destina-se exclusivamente à execução de trabalhos escolares ficando proibida a sua utilização para jogos; d) A Internet destina-se unicamente à pesquisa para a execução de trabalhos escolares, sendo proibida a navegação em sites de conversação (chat) e sites de conteúdos menos próprios; e) A utilização dos equipamentos organiza-se em tempos létivos, findos os quais, entrará quem estiver em primeiro lugar na lista de espera. Caso não exista fila de espera, poderá continuar a sua utilização; f) São permitidas somente duas pessoas por computador, não sendo permitidos alunos em pé junto aos mesmos; g) Não é permitida a utilização de colunas de som nos computadores. Para o efeito deverão ser utilizados os auscultadores; h) Não é permitida a instalação de qualquer programa no computador; i) Após a sua utilização os computadores não deverão ser desligados.

CAPÍTULO VI: UTILIZAÇÃO DE LEITORES DE VÍDEO E ÁUDIO a) A utilização deste serviço está condicionada pelo número de postos disponíveis; b) Os utilizadores devem efetuar o seu registo para fins estatísticos e de segurança; c) É permitida somente uma pessoa por lugar.

CAPÍTULO VII: UTILIZAÇÃO DE JOGOS MANIPULÁVEIS a) Os utilizadores devem efetuar o seu registo para fins estatísticos e de segurança; b) A utilização organiza-se em tempos létivos, findos os quais, entrará quem estiver em primeiro lugar na lista de espera. Caso não exista fila de espera, poderá continuar a sua utilização; c) São permitidas somente quatro pessoas por jogo e não poderá haver mais que dois grupos de cada vez a jogar; d) Não é permitida a utilização de jogos manipuláveis durante o período de almoço. 9


CAPÍTULO VIII: REQUISIÇÃO DA BIBLIOTECA a) Esta modalidade deverá ter um caráter ocasional; b) A utilização da Biblioteca para a realização de um trabalho por uma turma, por um período máximo de um bloco, implica a prévia requisição da mesma, com a antecedência mínima de 24 horas; c) São permitidas visitas à Biblioteca, nomeadamente pelos estabelecimentos de ensino pré-escolar e primeiro ciclo, pelo que os serviços devem ser informados com a antecedência mínima de 24 horas.

Homologado em 8 de setembro de 2015

O Diretor, _________________________

10

Profile for Biblioteca Amadeo de Souza-Cardoso

Regimento be 2015 16  

Regimento da Biblioteca Amadeo de Souza-Cardoso

Regimento be 2015 16  

Regimento da Biblioteca Amadeo de Souza-Cardoso

Advertisement