Page 1

0

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE – FAINOR CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

LUCAS SOUZA DUARTE

AS EXPECTATIVAS DOS ESTUDANTES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE INSTITUIÇÕES DE NÍVEL SUPERIOR, NA CIDADE DE VITÓRIA DA CONQUISTA, FRENTE AOS DESAFIOS DA CARREIRA PROFISSIONAL

VITÓRIA DA CONQUISTA – BA 2017


1

LUCAS SOUZA DUARTE

AS EXPECTATIVAS DOS ESTUDANTES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE INSTITUIÇÕES DE NÍVEL SUPERIOR, NA CIDADE DE VITÓRIA DA CONQUISTA, FRENTE AOS DESAFIOS DA CARREIRA PROFISSIONAL

Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel do Curso de Ciências Contábeis da Faculdade Independente do Nordeste de Vitória da Conquista – BA. Orientadora : Profª. MsC Luiza Ferraz Telles França.

VITÓRIA DA CONQUISTA – BA 2017


2

FOLHA DE APROVAÇÃO

LUCAS SOUZA DUARTE

AS EXPECTATIVAS DOS ESTUDANTES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE INSTITUIÇÕES DE NÍVEL SUPERIOR, NA CIDADE DE VITÓRIA DA CONQUISTA, FRENTE AOS DESAFIOS DA CARREIRA PROFISSIONAL

Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel do Curso de Ciências Contábeis da Faculdade Independente do Nordeste de Vitória da Conquista – BA. Aprovado em: ____/____/_____.

BANCA EXAMINADORA

____________________________________ Profª MsC Luiza Ferraz Telles França Orientadora

____________________________________ Nome do 2º componente 2º Membro

____________________________________ Nome do 3º componente 3º Membro


3

AS EXPECTATIVAS DOS ESTUDANTES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE INSTITUIÇÕES DE NÍVEL SUPERIOR, NA CIDADE DE VITÓRIA DA CONQUISTA, FRENTE AOS DESAFIOS DA CARREIRA PROFISSIONAL Lucas Souza Duarte1 Luiza Ferraz Teles França2 RESUMO A competitividade e evolução no mundo dos negócios vêm exigindo das empresas a busca de novas formas de gestão que as auxiliem a desenvolver um diferencial competitivo e a permanecerem atuando no mercado, diante de tanta concorrência. Essa exigência atinge também os profissionais de Contabilidade, que são considerados atualmente peças-chaves nas organizações. Nesse contexto, salientase que os profissionais da área Contábil necessitam desenvolver habilidades e adquirir competências que atendam à demanda desse novo ambiente que se transforma constantemente. Assim, acentua-se a responsabilidade das Instituições de Ensino Superior em oferecerem a esses profissionais uma formação adequada, que englobe os conhecimentos técnicos e científicos, o desenvolvimento de competências e de habilidades e o incentivo à busca individual por educação continuada. Diante dessa realidade, este estudo tem como objetivo verificar quais as expectativas dos estudantes concluintes de Ciências Contábeis, em 2017, de duas IES de Vitória da Conquista, frente aos desafios da carreira profissional. Para responder a esse questionamento, foi utilizada uma pesquisa bibliográfica que engloba a eletrônica, com abordagem da pesquisa qualitativa. No tocante à coleta de dados, foram aplicados cinquenta e três questionários aos estudantes do curso de Ciências Contábeis que foram analisados de forma descritiva. Os dados coletados evidenciaram que o curso de Ciências Contábeis, na visão dos estudantes, é teórico e voltado para o mercado de trabalho. Concluiu-se que as perspectivas profissionais dos estudantes são positivas, pois a área contábil é abrangente e possibilita atuar em diversas outras áreas, promovendo sucesso profissional, estabilidade financeira, mais habilidade, conhecimento e competência. Palavras-chave: Estudantes de Ciências Contábeis. Mercado de Trabalho. Perspectivas Profissionais. ABSTRACT Competitiveness and evolution in the business world have demanded companies to search for new forms of management that help them to develop a competitive edge and to remain in the market in the face of so much competition. This requirement also applies to Accounting professionals, who are currently considered key pieces in organizations. In this context, it should be noted that accounting professionals need to develop skills and acquire skills that meet the demand for this new environment that is constantly changing. Thus, the responsibility of higher education institutions to offer these professionals adequate training, which encompasses technical and scientific knowledge, the development of skills and abilities, and the encouragement of individual Aluno do curso de Ciências Contábeis da Faculdade Independente do Nordeste – FAINOR, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil, 2017. E-mail: lucasduarte0092@gmail.com. 2 Docente do Curso de Ciências Contábeis da Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR). Mestre em Contabilidade pela FUCAPE. E-mail: luizaftf@fainor.com.br. 1


4

pursuit for continuing education is emphasized. In view of this reality, this study aims to verify the expectations of the graduating students of Accounting Sciences, in 2017, of two IES of Vitória da Conquista, facing the challenges of the professional career. To answer this question, we used a bibliographical research that encompasses electronics, with a qualitative research approach. With regard to data collection, fiftythree questionnaires were applied to students of the course in Accounting Sciences who were analyzed in a descriptive way. The collected data evidenced that the course of Accounting Sciences, in the view of the students, is theoretical and focused on the labor market. It was concluded that the professional perspectives of the students are positive, since the accounting area is comprehensive and allows to act in several other areas, promoting professional success, financial stability, more skill, knowledge and competence. Keywords: Students of Accounting Sciences. Job market. Professional Perspectives.

1 INTRODUÇÃO

A Contabilidade é uma ciência social, e como tal, se utiliza elementos de vários ramos do conhecimento para a construção do seu arcabouço teórico. Ela possui uma inter-relação com a Administração, com a Economia, com a Estatística e com várias outras disciplinas correlatas. Essa pluralidade de conhecimentos forma um profissional que pode atuar em inúmeras funções no mercado de trabalho. Os profissionais de Contabilidade estão participando ativamente da gestão das organizações, auxiliando, por exemplo, no desenvolvimento dos planejamentos estratégico e operacional, nas definições e no acompanhamento de orçamentos, nos registros e nos controles de custos, entre outras funções. Ao iniciarem os estudos em Ciências Contábeis os estudantes têm como meta a preparação para se tornarem profissionais aptos a atuarem no mercado e escolherem a melhor função a ser desempenhada, durante a sua vida, pois há um leque de opções. Diante dessa constatação pretende-se estudar especificamente as perspectivas profissionais dos estudantes de Ciências Contábeis. É importante, para o meio acadêmico, conhecer as expectativas dos alunos, futuros profissionais, e as características do curso de Ciências Contábeis oferecido em duas Universidades localizadas em Vitória da Conquista – BA. Do ponto de vista científico, a pesquisa é totalmente viável, pois existe material disponível para consulta e há a possibilidade de acesso aos dados necessários à pesquisador para desenvolver os argumentos. Em relação aos aspectos práticos, este trabalho pode ser utilizado pelos gestores do curso pesquisado para revisão de sua matriz curricular, verificando-se a propriedade dos dados colhidos e da análise


5

efetuada de posse de tais elementos, ficaria a opção de tomar decisões em relação à melhoria da qualidade do processo de ensino e aprendizagem. Dessa forma, acredita-se que é possível contribuir com o aperfeiçoamento do processo de formação do contador, nesta região, e com a sociedade, de modo geral ao descobrir o que esperam e o que desejam os discentes (futuros contadores). A preocupação com a qualidade das oportunidades acadêmicas oferecidas justifica-se porque, formando-se profissionais capacitados para atenderem às exigências do campo profissional, eles poderão melhor auxiliar na gestão das organizações, visando ao desenvolvimento regional. Seguindo esta linha de raciocínio, questiona-se: Quais as expectativas dos estudantes concluintes de Ciências Contábeis, em 2017, de duas Universidades de Vitória da Conquista, frente aos desafios da carreira profissional? Na tentativa de responder ao questionamento proposto, este estudo tem como objetivo geral verificar quais as expectativas dos estudantes concluintes de Ciências Contábeis, em 2017, de duas Universidades de Vitória da Conquista, frente aos desafios da carreira profissional cujos objetivos específicos são: identificar as expectativas profissionais projetadas pelos alunos concluintes de Ciências Contábeis em duas Universidades de Vitória da Conquista, conhecer as características do curso de Ciências Contábeis oferecido nas duas Universidades e delinear o perfil do estudante concluinte de Ciências Contábeis. Esta pesquisa utiliza a abordagem de pesquisa qualitativa, construída com bases descritivas. Como eixo principal de procedimentos, utiliza-se a pesquisa bibliográfica englobando a eletrônica, que utilizou como instrumento de coleta de dados o questionário aplicado aos estudantes concluintes de Ciências Contábeis de duas Universidades de Vitória da Conquista – BA, cuja técnica de análise de dados foi a descritiva.

2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 A Educação no Ensino Superior no Brasil


6

No início da Colonização, o Brasil não possuía Universidades nem outras Instituições de Educação Superior durante todo o Período Colonial. Dessa forma, as Universidades, no Brasil, guardam distância temporal em relação aos outros países, considerando-se inclusive a América Latina. Foi apenas no início do século XIX, em 1808, com vinda da Família Real, que surgiu a educação de nível superior, tendo sido criados cursos para o desenvolvimento do ensino no Brasil (TRINDADE, 2000 apud SOUSA, 2014). Durante a permanência da Corte Portuguesa, no Brasil, foram construídas, três escolas de nível superior: a de Cirurgia e Anatomia da Bahia (hoje Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia) e a de Anatomia e Cirurgia do Rio de Janeiro (hoje Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro) e a Academia de Guarda da Marinha, também no Rio, e, logo em seguida, foram criados cursos de nível técnicos, como Economia, Mineralogia, Botânica e Geologia (SOUSA, 2014). Na década de 70, houve a expansão dos cursos de pós-graduação, no Brasil e a possibilidade de realização desses cursos, no exterior, com vistas à capacitação avançada do corpo docente brasileiro (BUARQUE, 2013). Com a Constituição Federal de 1988 e com as devidas leis que passaram a regular a educação superior, houve uma considerável maleabilidade do sistema, implicando, dentre outras vantagens, a diminuição da participação do Governo, o aumento da oferta de cursos e a melhoria nos processos de avaliação, visando elevar a qualidade do ensino superior brasileiro (SOUSA, 2014). Mesmo com o desenvolvimento do ensino superior a partir de 1980, houve uma considerável diminuição de matriculados nesse nível de ensino, mantendo-se estável de 1985 a 1993. Esta imobilidade se deu devido à pluralidade de cursos que foram surgindo (ANDRADE, 2003 apud PANUCCI FILHO, 2011). Nesse contexto, sugiram e desenvolveram-se as instituições de ensino superior no Brasil, buscando atender ao mercado que solicitava profissionais qualificados, ao mesmo tempo em que buscava criar sua própria identidade como sistema de educação, considerado até hoje como uma das mais preciosas construções do Brasil republicano (SOUSA, 2014).

2.2 Evolução do Ensino da Contabilidade no Brasil


7

A Contabilidade evoluiu junto com o progresso da humanidade. Essa constatação é averiguada e comprovada sob distintas perspectivas, uma delas é a de Sá (1997, p. 16 apud PANUCCI FILHO, 2011), onde destaca que: “a Contabilidade nasceu com a civilização e jamais deixará de existir em decorrência dela”, e é por isso que quase sempre seus avanços coincidiram com a evolução da humanidade. Segundo Schmidt (2002 apud PANUCCI FILHO, 2011), existem passagens na Bíblia que se referem à Contabilidade, no período do chamado mundo antigo, no tempo de José, quando se registra que houve grande acumulação de riquezas e que se perdeu a conta do que se tinha. A partir dessas considerações, pode-se afirmar que a Contabilidade acompanha a evolução da civilização, pois as primeiras expressões humanas da necessidade social de proteção à posse e de interpretação dos fatos ocorridos com o objeto material de que o homem sempre dispôs para alcançar os fins propostos, são mais antigas que a própria moeda (ROSELLA et al., 2006). Cabe ressaltar que o avanço tecnológico e a evolução econômica, através das épocas ampliaram as possibilidades do uso da Contabilidade como instrumento de controle e de gestão. De acordo com Laffin (2011): A Contabilidade foi, pois, surgindo de forma tímida como objeto e área de conhecimentos a ser transmitido. Primeiramente, como disciplina em cursos esparsos, e mais tarde surge como curso específico, com o objetivo de preparar profissionais com maior conhecimento nessa área de atuação (LAFFIN 2011, p. 105).

Nesse contexto, Rosella et al., (2006) acentuam que a educação superior em Contabilidade no Brasil, começou por volta do século XIX, sendo mais específica no ano 1808, com a vinda da Família Real Portuguesa. Já em 1850 ocorreram alguns fatos importantes para o ensino comercial e contábil brasileiro. Dentre eles, destacase a criação do Instituto Comercial do Rio de Janeiro, que foi considerado um curso profissionalizante. Já em 1880, passaram a ser oferecidas as outras disciplinas, como Geografia e Estatística Comercial; Direito Comercial e Legislação de Alfândegas e Consulados, Escrituração Mercantil e Economia Política. Outras mudanças foram implementadas após a publicação do Decreto nº 20.158, de 30 de junho de 1931, que reorganizou o ensino comercial, dividindo-o nos níveis técnico e superior e regulamentou a profissão de contador. Já o Decreto-Lei nº 1.535, de 23 de agosto de 1939, alterou a denominação do curso de Perito-Contador para o curso de contador (ROSELLA et al., 2006).


8

Assim, a partir de 1940, com o forte desenvolvimento econômico e mediante pressão manifestada pelos profissionais da área, surgiu a necessidade de uma evolução no ensino, consequentemente um maior reconhecimento dos profissionais desta área (SILVA e MARTINS, 2009 apud SOUSA, 2014). Em 1945 surge o Decreto-Lei 7.988, considerado como o marco da criação dos cursos de Ciências Contábeis, no Brasil, devendo-se destacar que, na realidade, o citado Decreto-lei criou o curso de Ciências Contábeis e Atuárias, conferindo aos formandos o grau de Bacharéis em Ciências Contábeis e Atuárias (ROSELLA et al., 2006). A intenção era capacitar os concluintes para bem atenderem às novas exigências econômicas do País. O curso tinha a duração de quatro anos e concedia um diploma de Bacharel em Ciências Contábeis, aos concluintes (SILVA e MARTINS, 2009). No decênio de 60 ocorreram mudanças significativas no ensino superior de Ciências Contábeis. As novas diretrizes traziam os currículos mínimos e a carga horária dos cursos superiores destinados à formação para as profissões regulamentadas em lei (SILVA e MARTINS, 2009). Atualmente a Resolução CNE/CES nº 10, de 16 de dezembro de 2004, é que determina as diretrizes para esse curso, sendo que muitas mudanças aconteceram até que ela fosse completamente aceita e implementada na íntegra. No art. 1º explicita que esse documento “institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, a serem observados pelas Instituições de Educação Superior” (BRASIL, 2004). Já o art. 2º destaca que as Instituições de Ensino Superior devem estabelecer a organização curricular para os cursos de Ciências Contábeis por meio do Projeto Pedagógico (BRASIL, 2004). É importante salientar que a norma exige que seja traçado o perfil profissional desejado em termos de competências e habilidades. Desse modo, é válido assegurar que o curso de Ciências Contábeis deve preparar o futuro contador para exercer a sua atividade profissional, em situações práticas e adequadas à compreensão do que de fato é esperado de um contador nas organizações, e para que este supere os desafios inerentes ao competitivo mundo profissional e empresarial (PANUCCI FILHO, 2011). A trajetória do ensino superior deve, portanto, almejar uma formação adequada que capacite o futuro profissional a identificar e solucionar problemas vivenciados nos diversos ambientes organizacionais e societários.


9

2.2 O Profissional Contábil nos diferentes campos de atuação A Contabilidade é uma das muitas profissões legalmente e devidamente regulamentada no Brasil, sendo regida pelo Decreto-lei nº 9.295/1946, e dividida em duas categorias profissionais: contadores e técnicos em contabilidade. O profissional graduado no curso de Ciências Contábeis de nível superior é o contador, que responde por todas as atividades contábeis, enquanto o técnico em Contabilidade, formado em nível médio profissionalizante, executa os serviços que lhe forem atribuídas (FORTES, 2002). Em relação ao campo de atividade do profissional contábil, quase sempre está relacionado diretamente ao desenvolvimento do ambiente empresarial. O profissional pode atuar em empresas contábeis particulares ou como autônomos. Nesse sentido, Figueiredo e Fabri (2007) destacam que existem algumas funções que são exclusivas do Contador, entre as quais podem ser citadas: Auditor Independente; Auditor Interno; Perito Contábil; e Analista de Balanço. Segundo Iudicíbus e Marion (1999) as funções que podem ser desempenhadas por um contador são muito diversificadas, tais como: Contador: profissional com formação superior em Ciências Contábeis, que exerce as funções contábeis, ou seja, é o profissional que fornece as informações básicas a seus usuários. Auditor: é o profissional que averigua os registros e as demonstrações contábeis, a fim de emitir um parecer sobre a propriedade deles, e assegurar que representem adequadamente a posição patrimonial e financeira da empresa, de acordo com os princípios de Contabilidade aplicados com uniformidade durante os períodos. Perito Contábil: A Perícia Contábil é uma área de atuação da Contabilidade de extrema importância para as organizações, pois tem o intuito de solucionar os mais variados tipos de divergências. Analista Financeiro: é o profissional que analisa a situação econômicofinanceira da empresa por meio de relatórios fornecidos pela Contabilidade. Consultor Contábil: é o profissional que concede seu parecer sobre algum assunto contábil, em qualquer área solicitada, seja ela contábil, financeira, fiscal etc. Professor de Contabilidade: outro campo de trabalho em que o profissional contábil também pode atuar é o da docência. Controller: a Controladoria, como Ciência, com um campo de conhecimento híbrida, é estruturada com base na lógica do processo decisório, assumindo o processo de gestão ideal, contemplando as etapas de planejamento, execução e controle. Pesquisador Contábil: é o profissional que realiza investigação científica. Escritor: é o profissional autor de composições científicas, tais como livros didáticos e técnicos, artigos para jornais e revistas. Pode ainda trabalhar como revisor e tradutor de livros; Atuário: é o profissional responsável por mensurar e avaliar riscos dos planos de benefícios oferecidos pelas entidades de Previdência Privada. Além disso, o Atuário pode ser um especialista em investigação de problemas relacionados com a teoria e com o cálculo de seguros;


10

Cargos Públicos: Os contadores podem concorrer a uma gama de concursos, a exemplo de concursos para Fiscal de Renda, tanto na área Federal quanto na Estadual, os quais registram grande contingente de contadores aprovados (IUDICÍBUS e MARION 1999, p.65-68 apud SOUSA, 2014, p.36-38).

Porém, para que o contador desempenhe bem uma destas funções, é preciso ter competências, habilidades e qualificações. Desse modo, o atual ambiente operacional das empresas exige que o profissional seja qualificado para a prestação de serviço, sendo exigido pleno conhecimento das técnicas contábeis. As qualificações do contador que deseja permanecer ativo, proativo e competitivo no mercado de trabalho atual devem ir além de efetuar lançamentos a débito e a crédito e emitir balancetes (SOUSA, 2014). Nesse contexto, a Instituição de Ensino Superior tem grande parcela de responsabilidade na busca de formação de profissionais qualificados, pois, é no decorrer da vida acadêmica que o aluno tem o ponto de partida para se preparar para atuar com competência na sua profissão (SOUSA, 2014). É indiscutível a necessidade de os profissionais se adaptarem às mudanças para que tenham crescimento profissional, mantenham interação com a globalização e atualização no que concerne ao domínio das informações, dentre outras exigências. Uma das exigências mais prementes do mercado de trabalho, hoje, é a cobrança dessas informações. Atualmente o cenário comercial caracteriza-se pela concorrência massacrante, fazendo com que o profissional contábil assuma um papel de grande importância no contexto econômico e social, por isso é necessário que ele esteja atualizado sobre todos os assuntos relacionados direta e indiretamente à sua profissão, facilitando-lhe atuar com competitividade (SOUSA, 2014). Nessa profissão, como em tantas outras, o aperfeiçoamento é indispensável. Os profissionais que ficarem desatualizados, defasados, esses não terão espaço no mercado de trabalho, dia a dia mais exigente.

3 METODOLOGIA Neste trabalho foram analisadas as expectativas profissionais dos alunos do curso de Ciências Contábeis das instituições de ensino superior de Vitória da Conquista, bem como a formação do futuro profissional.


11

Vitória da Conquista é um município brasileiro situado na região sudoeste do Estado da Bahia. Sua população, conforme o último Censo do IBGE (2010) é de 306.866 habitantes. Considerada a terceira maior cidade do Estado da Bahia, atrás de Salvador e Feira de Santana, é a capital regional de uma área que abrange aproximadamente oitenta municípios na Bahia e dezesseis no norte de Minas Gerais. Possui uma área de 3.204,257 km2. Destaca-se pelo comércio e por possuir um setor educacional privilegiado com várias IES. O estudo foi desenvolvido a partir da análise dos dados dos questionários aplicados com os estudantes concluintes do curso de Ciências Contábeis, de duas instituições de educação superior (IES) de Vitória da Conquista, no ano de 2017. O questionário é composto por duas partes: 1) três questões relacionadas ao perfil dos estudantes; e 2) 22 questões para identificar as características da IE e as expectativas dos estudantes. No intuito de responder às questões fundamentais desta investigação, adotou-se a abordagem qualitativa, com vista a identificar como se compõem as expectativas profissionais dos estudantes de Ciências Contábeis. Em relação aos objetivos, a pesquisa foi de cunho descritivo. Utilizou-se também a abordagem de pesquisa qualitativa para o estudo de caso em duas IES de Vitória da Conquista; apoiada na pesquisa bibliográfica que engloba a eletrônica e a documental baseada em livros, artigos científicos e monografias. Para a coleta dos dados utilizou-se como instrumento o questionário (Apêndice A) com perguntas semiestruturadas junto aos estudantes de Ciências Contábeis. A amostra foi de 53 estudantes. Os dados foram analisados por meio da técnica de análise descritiva dos dados. 4 ANÁLISE DOS DADOS Após a coleta dos dados, a análise foi elaborada a partir de três variáveis: perfil dos entrevistados, informações sobre o curso e as IES e informações sobre a expectativa profissional.

4.1 Perfil dos entrevistados


12

Entre os estudantes de Ciências Contábeis entrevistados, na IES 1 houve um equilíbrio, ou seja, 50% são do sexo masculino e 50% são do sexo feminino. Já na IES 2, 54% dos estudantes são do sexo feminino; e 46% são do sexo masculino. Com base no confronto estatístico, pode-se inferir que o crescimento do número de estudantes do sexo feminino, na área contábil, está relacionado à busca da independência financeira da mulher e da realização pessoal e profissional. Outro motivo preponderante é que o gênero em questão possui algumas aptidões mais acentuadas que as dos homens, favoráveis ao exercício da função, tais como: atenção, organização, disciplina, facilidade de relacionamento interpessoal, melhor execução de atividades que exigem minúcia, entre outras. Sobre a cidade de origem, em ambas as IES a maior parte dos estudantes nasceram em Vitória da Conquista. Em relação ao nível de renda familiar, na IES 1 26,9% recebem até 2 salários mínimos; 42,3% recebem de 2 a 5 salários; 11,5% recebem de 5 a 8 salários; 15,4% recebem de 8 a 10 salários; e apenas 3,8% recebem acima de 10 salários mínimos. Na IES 2, 34,5% recebem até 2 salários mínimos; 41,4% recebem de 2 a 5 salários; 13,8% recebem de 5 a 8 salários; e 6,9% recebem acima de 10 salários mínimos. Observa-se que em ambas as IES o nível de renda familiar dos estudantes de Ciências Contábeis entrevistados está na faixa de 2 a 5 salários mínimos, ou seja, possuem um poder aquisitivo melhor diante da atual conjuntura econômica que o Brasil vem passando. Quanto ao trabalho em Contabilidade, 48,1% dos estudantes de Ciências Contábeis de ambas as IES responderam que “sim”; e 51,9% responderam que “não” trabalham em Contabilidade. Dos estudantes que trabalham em Contabilidade, 70,4% atuam na área privada e 29,6% atuam na área pública. Ressalta-se que os alunos que atuam na área contábil conseguem vincular o que aprendem em sala de aula com a prática profissional e, assim, consolidar os conhecimentos adquiridos. Ficou também evidenciado que a maior parte dos estudantes concluintes do curso, já trabalharam ou fizeram estágio na área.

4.2

Informações

sobre

atividades

oferecidas/desenvolvidas nas IES

de

formação

complementar


13

Em relação ao exercício de alguma atividade de pesquisa ou extensão, na IES 1, 46,2% dos estudantes responderam que “sim” e 53,8% responderam que “não” exerceram nenhuma atividade de pesquisa ou extensão. Na IES 2, 31% dos estudantes responderam que “sim” e 69% responderam que “não”. Observa-se que a maioria dos estudantes de Ciências Contábeis de ambas as IES não participaram de atividades relacionadas à pesquisa ou extensão. Sobre a realização de estágio não curricular, 59,3% dos estudantes de Ciências Contábeis das duas IES responderam que “não” fazem estágio fora da universidade; e 40,7% dos estudantes responderam que “sim” fazem estágio não curricular. Dos estudantes que fazem estágio não curricular, 47,1% atuaram na área pública enquanto 52,9% na área privada. Quanto à possibilidade de atuar na área contábil após a conclusão do curso de Ciências Contábeis, 85,2% dos estudantes responderam que “sim”, pretendem trabalhar na área contábil; e apenas 14,8% responderam que “não” pretendem atuar na área contábil. Dos estudantes que pretendem atuar na área contábil, 45% querem atuar na contabilidade privada e 24% na contabilidade pública. No que diz respeito à principal característica do curso de Ciências Contábeis na IES onde estuda, 40% do total dos estudantes entrevistados responderam que o curso é voltado para a teoria; 40% responderam que o curso é voltado para o mercado de trabalho; e 20% responderam que o curso é voltado para a pesquisa. Sobre a modalidade da IES onde está concluindo o curso de Ciências Contábeis, 52% dos estudantes das IES 1 e 2 responderam que a modalidade é privada/presencial; e 48% dos estudantes responderam que a modalidade é pública/presencial. Quanto ao número de semestres do curso de Ciências Contábeis, 52% dos estudantes das IES 1 e 2 responderam que o curso é composto de 8 semestres; e 48% dos estudantes responderam que o curso é formado por 10 semestres. Apesar dessa questão de número de semestres ser relativa, o importante é o conteúdo ministrado e o aproveitamento do curso por parte dos estudantes. Em relação à ajuda na inserção no mercado de trabalho, por parte da IES, 52,7% dos estudantes de Ciências Contábeis das IES 1 e 2 responderam que “sim”, a instituição auxilia na inserção no mercado de trabalho; e 47,3% dos estudantes responderam que “não” recebem ajuda para atuarem no mercado de trabalho. Apesar da diferença ser pequena (quase 6%), o importante é destacar que as IES estão


14

preocupados também em auxiliar os estudantes na busca pelo primeiro emprego na área contábil. Sobre a oferta de empregos na área contábil, 67,3% dos estudantes do curso de Ciências Contábeis responderam que acreditam na existência de uma grande oferta de vagas no mercado de trabalho; e 32,7% dos estudantes responderam que não acreditam numa grande oferta de vagas de trabalho na área contábil. Quanto à pretensão em se especializar em alguma área após concluir o curso de Ciências Contábeis, quase 90% dos estudantes de ambas as IES responderam que “sim”, pretendem se especializar em alguma área. As áreas mais pretendidas pelos estudantes de Ciências Contábeis nas IES 1 e 2 são: Controladoria (20%); Contabilidade Tributária (20%); Contabilidade Privada (17,4%); Contabilidade Pública (15%); e Auditoria (13%). Os dados evidenciaram que há uma grande necessidade de o profissional contábil se atualizar e estar sempre aberto à aquisição de novos conhecimentos e ao desenvolvimento de novas habilidades e competências que o capacitem a manter-se competitivo no mercado de trabalho. 4.3 Informações sobre a expectativa profissional Sobre a possibilidade de montar seu próprio escritório de Contabilidade, o Gráfico 1 demonstra que tanto na IES 1 (26,9%) quanto na IES 2 (53,6%) os estudantes do curso de Ciências Contábeis discordaram totalmente sobre a afirmação de que todo concluinte do curso de Ciências Contábeis deve montar seu próprio escritório de Contabilidade. Apenas 30,8% dos estudantes da IES 1 concordam parcialmente sobre tal afirmativa. Infere-se, portanto, que o estudante do curso de Ciências Contábeis, atualmente quer atuar na área contábil em empresas privadas e/ou públicas, seja por indicação ou concurso público.


15

Gráfico 1: Todo concluinte do curso de Ciências Contábeis deve montar seu próprio escritório de Contabilidade 5.6% 6% 6% 9%

TOTAL

3.6% 0.0% IES 2

20%

41%

Concordo Totalmente

10.7% 10.7%

Concordo Parcialmente

25.0%

7.7% 11.5% 7.7% 15.4%

IES 1

0.0%

Não respondeu

10.0%

20.0%

53.6%

Indiferente

Discordo Parcialmente Discordo Totalmente

30.8% 26.9% 30.0%

40.0%

50.0%

60.0%

Fonte: Elaborado pelo autor a partir dos dados da pesquisa, (2017)

Em relação à importância do estudante concluinte do curso de Ciências Contábeis prestar um concurso público, o Gráfico 2 aponta que 80% dos estudantes do curso de Ciências Contábeis das IES 1 e 2 concordam parcialmente de que é importante que o estudante concluinte preste algum tipo de concurso na área contábil; quase 45% dos estudantes se mostraram indiferentes; e apenas 25% dos estudantes concordaram totalmente sobre a importância de prestar concursos. Gráfico 2: Importância do estudante concluinte do curso de Ciências Contábeis prestar concurso público 5.6%

11% 11%

TOTAL

22%

13% 11% 3.6%

Não respondeu Concordo Totalmente

10.7%

IES 2

14.3% 14.3%

39.3%

21.4%

Indiferente Discordo Parcialmente

7.7% 11.5% IES 1

23.1%

11.5% 7.7% 0.0%

10.0%

Concordo Parcialmente

20.0%

30.0%

Discordo Totalmente

38.5%

40.0%

50.0%

Fonte: Elaborado pelo autor a partir dos dados da pesquisa, (2017)


16

Quanto à possibilidade da profissão de Contador oferecer status social e profissional, o Gráfico 3 demonstra que na IES 1, 26,9% dos estudantes do curso de Ciências Contábeis concordaram parcialmente em que a profissão de Contador oferece status social e profissional; 23,1% dos estudantes concordaram totalmente; e 26,9% dos estudantes se mostraram indiferentes. Já na IES 2, 39,3% dos estudantes concordaram parcialmente; 21,4% dos estudantes discordaram totalmente; 14,3% dos estudantes concordaram totalmente; e 21,4% dos estudantes se mostraram indiferentes.

Gráfico 3: Possibilidade da profissão de Contador oferecer status social e profissional 5.6%

19% 19%

TOTAL

9% 11% 3.6%

Não respondeu Concordo Totalmente

14.3%

IES 2

39.3%

21.4%

3.6%

Concordo Parcialmente Indiferente

21.4%

Discordo Parcialmente

7.7% IES 1

15.4%

0.0% 0.0%

24%

10.0%

20.0%

23.1% 26.9% 26.9%

30.0%

Discordo Totalmente

40.0%

50.0%

Fonte: Elaborado pelo autor a partir dos dados da pesquisa, (2017)

Em relação à formação no curso de Ciências Contábeis permitir a atuação em diferentes áreas/segmentos da empresa, o Gráfico 4 demonstra que na IES 1, 46,2% dos estudantes do curso de Ciências Contábeis concordaram parcialmente sobre a formação neste curso permitir a atuação em diferentes áreas/segmentos da empresa; e 30,8% dos estudantes concordaram totalmente. Já na IES 2, 64,3% dos estudantes concordaram parcialmente e apenas 10,7% concordaram totalmente. Em relação à possibilidade da IES credenciar o estudante do curso de Ciências Contábeis a ter melhores condições para ingressar no mercado de trabalho, o Gráfico 5 demonstra que:


17

Gráfico 4: Formação no curso de Ciências Contábeis permitir a atuação em diferentes áreas/segmentos da empresa 7.4% TOTAL

2%

20% 20%

9% 6%

Não respondeu Concordo Totalmente

7.1% 10.7% IES 2

64.3%

7.1% 3.6% 7.1%

Indiferente Discordo Parcialmente

7.7% IES 1

0.0%

30.8%

11.5%

0.0% 3.8%

Concordo Parcialmente

10.0%

20.0%

30.0%

40.0%

Discordo Totalmente

46.2%

50.0%

60.0%

70.0%

Fonte: Elaborado pelo autor a partir dos dados da pesquisa, (2017)

Como se pode observar no Gráfico 5, quase 90% dos estudantes do curso de Ciências Contábeis nas IES 1 e 2 concordaram parcialmente sobre a possibilidade da universidade credenciar o estudante do curso de Ciências Contábeis a ter melhores condições para ingressar no mercado de trabalho; e quase 45% dos estudantes se mostraram indiferentes. Gráfico 5: Possibilidade da IES credenciar o estudante do curso de Ciências Contábeis a ter melhores condições para ingressar no mercado de trabalho 5.6%

15% 15%

TOTAL

6%

11%

20% Não respondeu

3.6%

Concordo Totalmente

14.3%

IES 2

7.1% 10.7%

28.6%

35.7%

Concordo Parcialmente Indiferente

Discordo Parcialmente

7.7% IES 1

50.0%

11.5% 15.4%

0.0% 0.0%

15.4%

10.0%

20.0%

30.0%

40.0%

50.0%

60.0%

Fonte: Elaborado pelo autor a partir dos dados da pesquisa, (2017)

Discordo Totalmente


18

Conforme demonstra o Gráfico 6, quase 100% dos estudantes do curso de Ciências Contábeis das IES 1 2 e concordaram totalmente sobre a importância de ter não só conhecimentos na área contábil, mas outras habilidades e competências para exercer a profissão de Contador; e quase 64% dos estudantes concordaram parcialmente. É importante destacar que para ser um bom profissional, seja na área contábil ou em qualquer outra área, é preciso ter conhecimento através de graduação e especialização, bem como desenvolver habilidades e competências por meio de estágios curricular e extracurricular. No que diz respeito às perspectivas profissionais futuras, as mais citadas pelos estudantes do curso de Ciências Contábeis nas duas IES, foram: sucesso profissional, fazer pós-graduação, ter estabilidade financeira e passar em concursos. Para exercer a profissão de Contador é preciso além de conhecimentos na área contábil, outras habilidades e competências. Diante dessa afirmação, o Gráfico 6 evidenciou os seguintes dados Gráfico 6: Para exercer a profissão de Contador é preciso além de conhecimentos na área contábil, outras habilidades e competências. 5.6% TOTAL

50% 50%

4% 6% 4%

Não respondeu

3.6% IES 2

0.0% 0.0%

32.1% 10.7%

0.0% 0.0%

Concordo Parcialmente

Discordo Parcialmente

30.8%

7.7% 7.7% 10.0%

Concordo Totalmente

Indiferente

7.7% IES 1

53.6%

20.0%

30.0%

40.0%

46.2%

50.0%

Discordo Totalmente

60.0%

Fonte: Elaborado pelo autor a partir dos dados da pesquisa, (2017)


19

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente estudo teve como objetivo principal verificar quais as expectativas dos estudantes concluintes de Ciências Contábeis, em 2017, de duas Universidades de Vitória da Conquista, frente aos desafios da carreira profissional. Para isso, foi realizada uma pesquisa descritiva com abordagem da pesquisa qualitativa através da aplicação de questionário a cinquenta e três estudantes do curso de Ciências Contábeis. A maioria dos estudantes do curso de Ciências Contábeis é do sexo feminino e residem na cidade de Vitória da Conquista, possuem renda familiar de 2 a 5 salários mínimos e trabalham em Contabilidade. Em relação ao curso de Ciências Contábeis e as IES, concluiu-se que a maioria dos estudantes concluintes não exerceu nenhuma atividade de pesquisa ou extensão; não fizeram nem fazem estágio extracurricular; pretendem trabalhar na área contábil privada; consideram o curso de Ciências contábeis voltado em parte para a teoria e em parte para o mercado de trabalho; estão concluindo o curso de Ciências Contábeis na modalidade privada/presencial em 8 semestres; consideraram importante o auxílio da IES na sua inserção no mercado de trabalho; estão otimistas quanto à grande demanda de vagas para emprego na área contábil no município de Vitória da Conquista; e pretendem se especializar em alguma área após concluir o curso, tais como: Controladoria, Contabilidade Tributária, Contabilidade Privada, Contabilidade Pública e Auditoria. No que diz respeito às perspectivas profissionais, ficou evidente que os estudantes do curso de Ciências Contábeis pretendem concluir o curso e fazer uma especialização para adquirirem mais conhecimentos; prestar concursos para terem mais habilidades e competências; alcançar sucesso profissional; e ter estabilidade financeira. Após a reflexão feita sobre as informações coletadas, recomendam-se futuras pesquisas sobre as percepções dos alunos de Ciências Contábeis de várias instituições, no que tange à graduação e à profissão contábil, uma vez que nesta pesquisa ficou restrita a apenas duas universidades. Conclui-se, portanto que as perspectivas profissionais dos estudantes do curso de Ciências Contábeis são positivas, pois a área contábil é abrangente e possibilita atuar em diversas em outros setores. Nesse sentido, os resultados desta pesquisa poderão contribuir para as IES promoverem melhorias e repensarem os métodos que


20

estão sendo utilizados. Acredita-se que melhorias no processo didático-pedagógico poderão satisfazer plenamente os anseios e as necessidades dos estudantes nos aspectos pesquisados, viabilizar uma formação mais efetiva que instrumentalize os alunos para enfrentarem com eficiência às exigências de um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e exigente.

REFERÊNCIAS ANDRADE, Gilberto de Andrade. Profissão Contábil no Brasil: primórdios, perspectivas e tendências. Revista de Contabilidade do CRC-SP, São Paulo, n.23, mar. 2003, p. 20-32. BRASIL. Decreto-Lei nº 1.535, de 23 de agosto de 1939. ______. Decreto-Lei nº 7.988, de 22 de setembro de 1945. ______. Decreto-Lei nº 9.295, de 27 de maio de 1946. ______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. ______. Resolução CNE/CES 10/2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências, Brasília, DF, 2004. BUARQUE, C. A Universidade numa Encruzilhada. Trabalho apresentado na Conferência Mundial de Educação Superior, UNESCO, Paris, 23-25 de junho de 2013. FIGUEIREDO, S.; FABRI, P. E. Gestão de empresas contábeis. São Paulo: Atlas, 2007. FORTES, J. C. Ética e responsabilidade profissional do contabilista. Fortaleza: Fortes, 2002. IBGE. Dados sobre Vitória da Conquista. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/vitoria-da-conquista/panorama> Acesso em: 30 out. 2017. IUDICIBUS, S.; MARION, J. C. Introdução à Teoria da Contabilidade para o nível de graduação. São Paulo: Atlas, 1999. LAFFIN, M. De contador a professor: a trajetória da docência no ensino superior de contabilidade. Florianópolis: Imprensa Universitária, 2011. PANUCCI FILHO, Laurindo. Perspectivas profissionais dos estudantes de ciências contábeis. Ciências Sociais em Perspectiva, v.10, n.19, p.113-131, 2009.


21

ROSELLA, M. H. et al. O ensino superior no Brasil e o ensino da Contabilidade. In: PELEIAS, I. R. (org.). Didática do Ensino da Contabilidade: aplicável a outros Cursos Superiores. São Paulo: Saraiva, 2006. SÁ, A. L. História geral e das doutrinas da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 1997. SCHMIDT, P. História do Pensamento Contábil. Porto Alegre: Bookman, 2002. SILVA, A. C. R.; MARTINS, W. T. S. História do pensamento contábil: Com ênfase na história da Contabilidade brasileira. 4 ed. Curitiba: Juruá, 2009. SOUSA, Danielly Oliveira. Perspectivas profissionais dos estudantes de ciências contábeis da universidade estadual do sudoeste da Bahia em 2014. [Monografia], Bacharelado em Ciências Contábeis, Vitória da Conquista – BA, 2014, 70p. TRINDADE, H. Saber e poder: os dilemas da universidade brasileira. Estudos Avançados, v.14, n.40, São Paulo, 2000. APÊNDICES QUESTIONÁRIO APLICADO COM FINALIDADE MERAMENTE ACADÊMICA, OBJETIVANDO IDENTIFICAR AS EXPECTATIVAS PROFISSIONAIS DOS ALUNOS CONCLUINTES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PARA REALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Perfil do aluno 1 – Sexo ( ) Masculino ( ) Feminino 2 - Cidade de origem ( ) Vitória da Conquista ( ) Outra. Qual? ___________________________________ 3 - Nível de renda familiar ( ( ( ( (

) Até 2 salários mínimos ) De 2 a 5 salários mínimos ) De 5 a 8 salários mínimos ) De 8 a 10 salários mínimos ) Acima de 10 salários mínimos

Informações sobre o curso e a IES 4 - Trabalha em contabilidade? ( ) SIM ( ) NÃO 5 - Se a resposta anterior for positiva, qual área? (Caso negativa responda à questão seguinte) ( ) Pública ( ) Privada 6 - Durante o curso exerceu alguma atividade de pesquisa ou extensão?


22

( ) SIM ( ) NÃO 7 - Fez algum estágio não curricular? ( ) SIM ( ) NÃO 8 - Se a resposta anterior for positiva, qual área? (Caso negativa responda à questão seguinte) ( ) Pública ( ) Privada 9 - Você pretende ATUAR em alguma área contábil? ( ) Sim ( ) Não 10 - Se a resposta anterior for positiva, qual área específica? (Caso negativa responda à questão seguinte) ( ( ( ( ( (

) Contabilidade Privada ) Contabilidade Pública ) Perícia ) Auditoria ) Professor de Contabilidade ) Se outra, especificar: ______________________________

11 – Qual a principal característica do curso de Ciências Contábeis na sua instituição? (Marque somente uma opção) ( ( ( (

) Curso voltado para a pesquisa ) Curso voltado para o mercado de trabalho ) Curso voltado para teoria ) Outro. Qual? ________________

12 – Qual a modalidade da IES onde você está concluindo o curso de Ciências Contábeis? (Marque duas opções) ( ) privada ( ) pública ( ) presencial ( ) ead 13 - De quantos semestres o seu curso de Ciências Contábeis é formado? ( ) 4 ( ) 5 ( ) 6 ( ) 8 ( ) 10 14 - A Instituição em que você está cursando a graduação auxilia de alguma forma na inserção no mercado de trabalho? ( ) Sim ( ) Não 15 - Você acredita que a oferta de empregos na área de Contabilidade é grande? ( ) Sim ( ) Não 16 - Depois de formado você pretende SE ESPECIALIZAR em alguma área? ( ) Sim ( ) Não ( ) Talvez 17 - Em caso afirmativo à questão nº 16, em que área você pretende se especializar? (marque somente uma opção). ( ) Auditoria ( ) Perícia ( ) Contabilidade de Custos


23

( ( ( ( ( ( (

) Controladoria ) Contabilidade Tributária ) Contabilidade Pública ) Contabilidade Privada ) Ensino ) Meu próprio escritório de Contabilidade ) Outra. Qual?_________________________________

Expectativa Profissional 18 – Todo concluinte do curso de Ciências Contábeis deve montar seu próprio escritório de Contabilidade ( ) Discordo Totalmente ) Concordo Totalmente

( ) Discordo Parcialmente

( ) Indiferente

( ) Concordo Parcialmente

(

19 – É importante que o concluinte de Ciências Contábeis preste concurso público. ( ) Discordo Totalmente ) Concordo Totalmente

( ) Discordo Parcialmente

( ) Indiferente

( ) Concordo Parcialmente

(

( ) Concordo Parcialmente

(

20 – A profissão de Contador oferece status social e profissional. ( ) Discordo Totalmente ) Concordo Totalmente

( ) Discordo Parcialmente

( ) Indiferente

21 – A formação em Ciências Contábeis me permitirá atuar em diferentes áreas/segmentos da empresa. ( ) Discordo Totalmente ) Concordo Totalmente

( ) Discordo Parcialmente

( ) Indiferente

( ) Concordo Parcialmente

(

22 – A Instituição em que estou concluindo o curso de Ciências Contábeis me credencia a almejar melhores condições para inserção no mercado de trabalho ( ) Discordo Totalmente ) Concordo Totalmente

( ) Discordo Parcialmente

( ) Indiferente

( ) Concordo Parcialmente

(

23 – Para exercer a profissão de Contador é preciso além de conhecimentos na área contábil, outras habilidades e competências ( ) Discordo Totalmente ) Concordo Totalmente

( ) Discordo Parcialmente

( ) Indiferente

( ) Concordo Parcialmente

24 - Quais suas perspectivas profissionais futuras? _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________

(

Tcc Lucas Souza Duarte  

Monografia FAINOR

Tcc Lucas Souza Duarte  

Monografia FAINOR

Advertisement