Page 1

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE – FAINOR CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA

RUBIELE ALMEIDA PRADO

TIMED UP AND GO EM IDOSOS RESIDENTES NA COMUNIDADE

VITÓRIA DA CONQUISTA/BA 2017


RUBIELE ALMEIDA PRADO

TIMED UP AND GO EM IDOSOS RESIDENTES NA COMUNIDADE

Projeto de pesquisa apresentado à Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR como produto final da disciplina TCC I do curso de bacharelado em Fisioterapia. Professor Orientador: MCs .Kleyton Trindade Santos.

VITÓRIA DA CONQUISTA/BA 2017


Ficha gerada automaticamente pelo sistema da Biblioteca Ubirajara Brito, com os dados fornecidos pelo autor da obra. Prado, Rubiele Almeida Timed Up and Go em Idosos Residentes na Comunidade. / Rubiele Almeida Prado. _ _ Vitória da Conquista, 2017. 10 f. Artigo (Graduação em Fisioterapia) Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR Orientador (a): Prof(a). Kleyton Trindade Santos

1. Acidentes por queda. 2. Idoso. 3. Locomoção . I. Título


RESUMO Objetivo:Avaliar os idosos segundo o TimedUpAndGo verificando o tempo médio e classificação do risco de quedas. Materiais eMétodos: Estudo transversal, descritivo, vinculado à pesquisa intitulada “Quedas e fatores associados em idosos”, aprovada através doCAAE: 62170516.4.0000.5578. Foi realizada em uma Unidade de Saúde da Família, no município de Vitória da Conquista/BA, e contou com uma amostra composta por 45 idosos. Os participantes responderam um questionário sociodemográfico, acrescido do Mini Exame do Estado Mental, e aplicação do TimedUpandGo. Resultados: A maioria dos idosos era do sexo feminino, e 51,1% apresentaram moderado risco de quedas. O tempo de realização do teste foi menor para homens e grupo etário de 60-69 anos.Conclusão: Conclui-se que mais da metade dos idosos avaliados apresentaram moderado risco de quedas e que as mulheres e indivíduos acima dos 70 anos apresentam uma média maior de tempo para a realização do teste.

Palavras-Chave: Acidentes por queda; Idoso; Locomoção.


LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

FAINOR- Faculdade Independente do Nordeste IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística MEEM- Mini Exame do Estado Mental OMS- Organização Mundial de Saúde PIB- Produto Interno Bruto TCLE- Termo de Consentimento Livre e Esclarecido TUG- Timed Up and Go TUG-TD- Timed Up and Go Tarefa Dupla USB- Unidade Básica de Saúde


SUMÁRIO INTRODUÇÃO ..................................................................................................................... 8 MATERIAIS E MÉTODOS ................................................................................................... 8 RESULTADOS .................................................................................................................... 9 DISCUSSÃO ...................................................................................................................... 11 CONCLUSÃO .................................................................................................................... 13 REFERÊNCIAS ................................................................................................................. 14 APÊNDICES ...................................................................................................................... 16 APÊNDICE A – Termo de Consentimento Livre e Esclarecido – TCLE ........................ 16 APÊNDICE B – Declaração de Participação e Comprometimento dos Pesquisadores . 20 APÊNDICE C – Carta de encaminhamento de projeto para aprovação ........................ 22 APÊNDICE D – Parecer Consubstanciado do CEP ..................................................... 23 ANEXO .............................................................................................................................. 26 ANEXO A – Questionário Sociodemográfico ................................................................. 26 ANEXO B – Questionário Mini-Exame do Estado Mental .............................................. 27 ANEXO C – Questionário Risco de Quedras ................................................................. 28 ANEXO D – Questionário Timed Up And Go ................................................................. 29 ANEXO E – Autorização Institucional para coleta de dados .......................................... 30 ANEXO F - Carta de aceite da Revista ......................................................................... 31 ANEXO G - Instruçõespara preparação e submissão dos manuscritos........................32


Timed Up and Go em Idosos Residentes na Comunidade Rubiele Almeida Prado1, Kleyton Trindade Santos2, Luciana Araújo dos Reis3, Karla Cavalcante Silva de Morais4, Andressa Porto Dutra1, Sabrina Almeida Porto1. 1

Graduanda em Fisioterapia, Faculdade Independente do Nordeste-FAINOR, http://www.fainor.com.br, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. 2 Fisioterapeuta, Mestre em Ciências da Saúde, Docente da Faculdade Independente do Nordeste-FAINOR, http://www.fainor.com.br, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. 3 Fisioterapeuta, Doutora em Ciências da Saúde, Docente da Faculdade Independente do Nordeste-FAINOR, http://www.fainor.com.br, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. 4 Fisioterapeuta, Mestre em Saúde Coletiva, Docente da Faculdade Independente do Nordeste-FAINOR, http://www.fainor.com.br, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Rubiele Almeida Prado, e-mail: rubi-prado@hotmail.com. Telefone: (77) 9.8829-6014

RESUMO Objetivo: avaliar os idosos segundo o TimedUpAndGo verificando o tempo médio e classificação do risco de quedas. Materiais eMétodos: estudo transversal, descritivo, vinculado à pesquisa intitulada “Quedas e fatores associados em idosos”, aprovada através doCAAE: 62170516.4.0000.5578. Foi realizada em uma Unidade de Saúde da Família, no município de Vitória da Conquista/BA, e contou com uma amostra composta por 45 idosos. Os participantes responderam um questionário sociodemográfico, acrescido do Mini Exame do Estado Mental, e aplicação do TimedUpandGo. Resultados: a maioria dos idosos era do sexo feminino, e 51,1% apresentaram moderado risco de quedas. O tempo de realização do teste foi menor para homens e grupo etário de 60-69 anos.Conclusão: conclui-se que mais da metade dos idosos avaliados apresentaram moderado risco de quedas e que as mulheres e indivíduos acima dos 70 anos apresentam uma média maior de tempo para a realização do teste.

Palavras-Chave: Acidentes por queda; Idoso; Locomoção.


8

INTRODUÇÃO O envelhecimento é um fenômeno biológico, social e psicológico que alcança todo ser humano na indenidade de sua vivência, alterando seu estado físico e mental, gerando em alguns casos eventos desfavoráveis a saúde (GASPAROTTO; FALSARELLA; COIMBRA, 2014). A cada dia vem ocorrendo um aumento significativo de pessoas idosas no mundo e estima-se que em 2025 essa população chegue a 800 milhões de idosos acima de 65 anos de idade, em 2030 a presunção é de 40,7 milhões no Brasil (SILVA et al., 2017). Dentre os problemas que merecem atenção à saúde do idoso, a queda apresenta-se com grande importância devido a seu poder de morbimortalidade. A queda é um resultado de fatores ambientais, biomédicos, fisiológicos e psicossociais que colocam em risco a risco a estabilidade do indivíduo. (MELO; SANTOS; GRATÃO, 2014). Estima-se que atualmente 28 a 35% dos idosos acima de 65 anos caem uma vez por ano, e 49% acima de 70 anos, sendo que 10,8% referiram duas ou mais quedas (GASPAROTTO; FALSARELLA; COIMBRA, 2014). Na busca por diagnosticar parâmetros clínicos preditores do risco de queda em idosos, existem métodos de avaliação funcional. E dentre eles se destaca o Timed Up and Go (TUG), o qual apresenta bons resultados em relação ao equilíbrio. O TUG é um teste criado para avaliar a funcionalidade e o risco de quedas em idosos que foi originalmente descrito por Podsiadlo e Richardson (1991). O teste Timed “Up and Go” (também conhecido como TUG) tem apresentado bons resultados ao ser empregado como teste de equilíbrio, pois envolve movimento funcional. Este teste pode ser definido como uma proporção sensível e específica para fazer uma discriminação entre idosos que podem cair e não cair. O TUG tem como princípio medir o tempo que uma pessoa pode levar para realizar alguns movimentos funcionais, tais como, levantar-se de uma cadeira, caminhar, dar uma volta, voltar ao ponto inicial e sentar-se (COSTA; SOUSA, 2016). Diante dessas definições, é importante salientar que a queda do idoso é de grande importância para a saúde pública. Pois, atualmente, está ocorrendo um crescimento elevado nessa população, e com isso faz-se necessário estudar melhor os riscos que podem ocasionar quedas e idosos. Sendo assim, se torna necessário conhecer melhor a proporção deste evento, e como acontece e como é conduzido, para assim analisar medidas adotadas, reorganizando-as de forma a obter uma maior adequabilidade e efetividade dos serviços prestados pelos profissionais de saúde. Este estudo tem por objetivo avaliar o risco de quedas em idosos através do TUG.

MATERIAIS E MÉTODOS


9

Trata-se de um estudo transversal, descritivo, de caráter quantitativo, vinculado à pesquisa intitulada “Quedas e fatores associados em idosos”, realizada em uma Unidade de Saúde da Família, no município de Vitória da Conquista/BA. Atualmente a cidade conta com 07 Unidades Básicas de Saúde tradicionais que ofertam serviços básicos e gratuitos para a população. A escolha da Unidade de Saúde aos quais os pesquisadores se reportaram para investigação se deu através de sorteio, a fim de minimizar possível viés de direcionamento da pesquisa. A população do estudo foi representada 45 idosos, cadastrados na Unidade Básica de Saúde selecionada pelos pesquisadores para realização da coleta, que atenderam os critérios de inclusão adotados: apenas os idosos que obtiveram estado cognitivo preservado, testado a partir da aplicação prévia do mini-exame da saúde mental (Mini-Mental) (FOLSTEIN; McHUGR, 1979). Foram excluídos do estudo aqueles idosos que forem incapazes de compreender as perguntas, mesmo que apresentassem um estado cognitivo adequado de acordo com o Mini- Mental. Para investigação dos dados foi utilizado um questionário, composto por variáveis sociodemográficas, Mini Exame do Estado Mental (FOLSTEIN; McHUGR, 1979), e aplicação do Timed Up and Go (PODSIADLO, RICHARDSON, 1991). A coleta ocorreu em uma única etapa, sendo que os pesquisadores abordavam os idosos na Unidade Básica de Saúde, enquanto os mesmos aguardavam para realização de consultas ou outros procedimentos, e aplicavam o questionário e o teste. A pesquisa seguiu todos os princípios da resolução 466/12 e contou com a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR), com o parecer consubstanciado de número de CAAE: 62170516.4.0000.5578. Os dados da pesquisa foram tabulados e analisados no programa estatístico SPSS 22.0, onde foram calculadas as freqüências relativas e absolutas de todas as variáveis de interesse.

RESULTADOS A partir dos resultados apresentados na tabela 1, pode-se avaliar o perfil sociodemográfico da população observando uma maior frequência de idosos avaliados do sexo feminino (64,4%), com companheiros (as) (53,3%), idosos de 60 a 69 anos (60%), e idosos acima de 70 (40%).

Tabela 1. Perfil sociodemográfico dos idosos. Vitória da Conquista/BA, 2017. Variáveis Sexo

n

%


10

Masculino

16

35,6

Feminino

29

64,4

Sem companheiro (a)

21

46,7

Casado (a)

24

53,3

Grupo etário 60-69 anos

27

60

70 anos ou mais

18

40

Total

45

100,0

Estado Civil

Fonte: Dados da pesquisa.

No estudo foi verificada a média geral de realização do TUG por sexo e grupo etário. Através da tabela 2 é possível notar que os homens e grupo etário de 60-69 anos tiveram uma média de realização do teste melhores que os seus grupos equivalentes.

Tabela 2. Média geral do tempo da realização do TUG. Vitória da Conquista/BA, 2017. Variáveis

Média de realização do teste

Sexo Masculino

10,11

Feminino

10,39

Grupo etário 60-69 anos

9,54

70 anos ou mais

11,41

Média geral

10,29

Fonte: Dados da pesquisa.

A tabela 3 apresenta informações referentes ao risco de quedas nos idosos avaliados através do TUG. Observa-se que há uma quantidade maior de pessoas que apresenta um moderado risco de quedas.

Tabela 3. Classificação do risco de quedas em idosos. Vitória da Conquista, Bahia, Brasil, 2017. Variáveis

n

%

21

46,7

Classificação do Score do TUG Baixo Risco de Quedas


11

Moderado Risco de Quedas

23

51,1

Alto risco de Quedas

1

2,2

45

100

Total Fonte: Dados da pesquisa.

DISCUSSÃO O perfil sociodemográfico encontrado na pesquisa evidenciou que o gênero que mais predomina nos idosos é o sexo feminino (64,4%), que correlaciona com estudo de Presta et al. (2011), onde a amostra estudada também apresentou uma predominância no gênero feminino, e isso devido a mortalidade ser maior em homens por estar expostos a acidentes e profissões de risco. Em outro estudo de Luz et al. (2014) explica que esses achados podem ser justificados, pois nota-se que nos últimos anos a expectativa de vida aumentou consideravelmente, principalmente no sexo feminino, devido apresentar uma mortalidade menor se comparada ao sexo masculino, sendo explicada por maiores cuidados e procura aos serviços de saúde, uma prevalência menor de fatores que resultam em óbitos, tanto por fatores internos como doenças circulatórias, doenças relacionadas ao alcoolismo e ao tabagismo, como por causas externas, como assassinatos e atropelamentos, que normalmente apresenta maior índice na população masculina. Ao avaliar o tempo de realização do TUG, foi possível verificar que os homens apresentaram tempo médio menor que o das mulheres, embora a diferença fosse pequena. De acordo com o estudo de Leitão et al. (2000), identifica-se um menor consumo máximo de oxigênio em mulheres quando comparada aos homens, além do mais, as mulheres tem uma menor capacidade de transportar oxigênio, essas condições fazem com que o desempenho esportivo seja menor nas mulheres, de 6 a 15% em comparação aos homens, mesmo que a capacidade de adaptação do treinamento seja semelhante. Isso justifica a atual pesquisa ter apresentado uma média maior nas mulheres do que nos homens para a realização do teste TUG, sendo a média de 10,39 s, enquanto comparada aos homens, tendo um tempo gasto de 10,11 para a efetuação do teste. No presente estudo também foi observado a média por grupo etário, sendo dividido em 6069 anos e 70 anos ou mais. Verificou-se que o primeiro grupo apresentou quase 2 segundos a menos em sua média, se comparado ao grupo dois, sugerindo que as pessoas com idade mais elevada necessitam de mais tempo para a realização do TUG. Esses achados se assemelham ao estudo de Silva et al. (2016) que encontrou valores de 11,91 segundos para o grupo de 60-69 anos e 13,47s para o grupo de 70 anos ou mais. Wamser et al. (2015), também considerou o TUG para grupo etários e verificou valores de 8,1s para o grupo de 60-69 anos, 9,2s para o grupo de 70 a 79 anos e 11,3s para os idosos com 80


12

anos ou mais. Todos esses achados reforçam a ideia de um maior comprometimento na velocidade da marcha com a evolução da idade, fazendo com que o idoso merece maior cuidado. Ansai et al. (2014), destacam que os idosos que apresentarem menos desempenho nos testes de caminhada estão mais propícios e exposto a sofrer quedas, devido a sua condição física que condiciona para uma marcha mais lenta, e esses achados ficam mais evidentes e se tornam mais preocupantes com o avançar da idade. Ao proceder com a avaliação do risco de queda na amostra de acordo com o tempo apresentado no teste, observou-se que 46,7% dos idosos tiveram baixo risco, 51,1% risco moderado, e apenas 2,2% com alto risco. Esses dados encontrados corroboram com um estudo realizado por Bretan et al. (2013), com idosos que frequentavam o ambulatório de uma Unidade Básica de Saúde, onde o moderado risco de quedas atingiu um maior número de idosos (63,72%). Abreu et al. (2015), traz que um moderado risco de quedas repercute diretamente em seu físico, podendo vir a trazer consequências graves como lesões, fraturas, hematomas. Além de que, pode gerar transtornos psicológicos aos familiares e também gastos extras a saúde pública com maiores períodos de internamento e tratamento, isso exige uma série de cuidados utilizando mais serviços e gerando prejuízos. Segundo Alves et al. (2016) as quedas representam um dos principais problemas clínicos observados na população idosa, gerando uma série de efeitos negativos tanto para os familiares quanto para a saúde pública, levando o idoso a dependência funcional e/ou deficiência, sendo necessária a utilização de mais serviços e maiores gastos. Diante dos resultados encontrados observa-se que é de extrema importância o rastreio do risco de quedas na população idosa, para que sejam adotadas medidas preventivas, evitando todo o ciclo de complicações referentes a ocorrência desse evento. As limitações da pesquisa foram em relação ao tamanho da amostra, devido ter sido entrevistado somente 45 idosos de apenas uma de várias Unidades de Saúde da Família localizadas na Cidade. Outra limitação apontada é o delineamento transversal e apenas descritivo do estudo, o que impede realização de causa/efeito. Entretanto, é relevante ressaltar que o uso TUG é importante para avaliar a funcionalidade e o risco de quedas na população de idade mais avançada. Vale também destacar que o estudo apresenta-se com extrema aplicabilidade clínica, por avaliar o risco de quedas através de um instrumento simples e validado na população idosa, podendo servir de alerta para condutas preventivas, evitando esse evento desfavorável e consequentemente problemas de saúde que possam vir a surgir decorrentes delas.


13

CONCLUSÃO

Foi possível concluir que mulheres e idosos com idades mais avançadas tendem a apresentar a ter uma marcha mais lenta, aumentando o risco de quedas. Também foi possível identificar que grande parte da população apresenta um risco moderado para quedas, servindo de atenção para cuidados preventivos na saúde.


14

REFERÊNCIAS

ABREU, H.C.A et al. Incidência e fatores preditores de quedas de idosos hospitalizados. CuiabáMT: Rev Saúde Pública, 2015. 49-37 p. ALVES, A.H.C et al. Ocorrência de quedas entre idosos institucionalizados: prevalência, causas e consequências. João Pessoa-PB: J. Res.: Fundam. Care. Online, 2016. 4376-4386 p. v. 8(2). ANSAI, J.H et al. Revisão de dois instrumentos clínicos de avaliação para predizer risco de quedas em idosos. Rio de Janeiro: Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, 2014. 177-189 p. v. 17(1). BRETAN, O et al. Risk of falling among elderly persons living in the community: assessment by the Timed up and go test.Distrito de Rubião Júnior: Brazilian Journal Of Otorhinolaryngology, 2012. v. 79(1). COSTA, F.B.S; SOUSA, Brenda Rocha. Teste timed up and go como medida da mobilidade funcional e do equilíbrio em idosos: revisão de literatura. [S.l.]: Revista Eletrônica Acervo Saúde, 2016. 134-140 p. v. 4. GASPAROTTO, L.P.R ; FALSARELLA, Gláucia Regina ; COIMBRA, Arlete Maria Valente . As quedas no cenário da velhice: conceitos básicos e atualidades da pesquisa em saúde. Rio de Janeiro: Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, 2014. 201-209 p. LEITÃO, M.B et al. Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Atividade Física e Saúde na Mulher. Rio de Janeiro: Rev Bras Med Esporte, 2000. v. 6. LUZ, E.P da et al. Perfil sociodemográfico e de hábitos de vida da população idosa de um município da região norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Rio de Janeiro: Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, 2014. 303-314 p. v. 17(2). MELO, B.R.S; SANTOS, P.R.S; GRATÃO, A.C.M. Fatores de risco extrínsecos para quedas em idosos: uma revisão bibliográfica. [S.l.]: Revista Eletrônica Acervo Saúde, 2014. 695-703 p. v. 6(2). PRESTA, S.A et al. Caracterização e condições de saúde dos idosos do município de passo fundo, no Rio Grande do Sul.[S.l.]: Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 2011. v. 29. PODSIADLO D, RICHARDSON S. The timed “Up & Go”: a test of basic functional mobility for frail elderly persons. J AmGeriatr Soc. 1991;39(2):142-8.


15

SILVA, C.S et al. Relação dos testes timed up and go e velocidade de marcha nos estágios do envelhecimento. Pampa: Anais do 8º Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão – Universidade Federal do Pampa, 2015. SILVA, I.A et al. Efeito de um protocolo de Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva (FNP) no equilíbrio postural de idosas. [S.l.]: Fisioter Pesqui., 2017. 62-67 p. WAMSER, E.L et al. Melhor desempenho no teste timed up and go está associado a melhor desempenho funcional em idosas da comunidade. [S.l.]: Geriatr Gerontol Aging, 2013. 138-43 p. v. 9.


16

APÊNDICES

APÊNDICE A – Termo de Consentimento Livre e Esclarecido – TCLE

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE - FAINOR Credenciada pela Portaria MEC n.o 1.393, de 04 de julho de 2001 Publicado no DOU de 09 de julho de 2001 TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO – TCLE

Prezado (a) Senhor (a), sou Rubiele Almeida Prado e estou realizando juntamente com Kleyton Trindade Santos, Karla Cavalcante Silva de Morais, Luciana Araújo dos Reis, Andressa Porto Dutra e Sabrina Almeida Porto o estudo sobre “TIMED UP AND GO EM IDOSOS RESIDENTES NA COMUNIDADE” O Sr. (a) está sendo convidado (a) a participar, como voluntário (a), desta pesquisa. Para participar deste estudo o Sr (a) não terá nenhum custo, também não receberá qualquer vantagem financeira. Suas dúvidas referentes a esta Pesquisa serão esclarecidas e estará livre para participar ou recusar-se a participar. Poderá retirar seu consentimento ou interromper a participação a qualquer momento. A sua participação é voluntária e a recusa em participar não acarretará qualquer penalidade ou modificação na forma em que é atendido pelos pesquisadores, que tratarão a sua identidade com padrões profissionais de sigilo. Os resultados da pesquisa estarão à sua disposição quando finalizada. Seu nome ou o material que indique sua participação não serão liberados sem a sua permissão. Se houver necessidade, as despesas para a sua participação serão assumidas ou ressarcidas pelos pesquisadores. Este termo de consentimento encontra-se impresso em duas vias originais de mesmo teor, sendo que uma será arquivada pelos pesquisadores responsáveis, e a outra será fornecida ao senhor. Os dados e instrumentos utilizados na pesquisa ficarão arquivados com o pesquisador responsável por um período de 5 (cinco) anos, e após esse tempo serão destruídos. Os pesquisadores tratarão a sua identidade com padrões profissionais de sigilo, atendendo a Resolução Nº 466/12 do Conselho Nacional de Saúde, utilizando as informações somente para os fins acadêmicos e científicos. A Pesquisa tem por objetivo:Avaliar associação entre o tempo do teste TUG e a prevalência de quedas em idosos residentes na comunidade; Verificar as variáveis sócio-demográficas em idosos; Identificar a influência da imagem corporal no risco de quedas em idosos; Entender a manifestação


17

de cada um dos fatores associados a queda em idosos. Será utilizado um questionário semiestruturado (ANEXOS), que inclui várias escalas validadas. Este instrumento será aplicado, num ambiente tranquilo, numa sala disponível nas UBS escolhidas para a pesquisa. Considerando que toda pesquisa oferecer RISCOS e BENEFÍCIOS, nesta pesquisa os mesmo pode ser avaliado como: RISCOS: Toda a pesquisa envolvendo seres humanos envolve riscos (Resolução CNS 466/2012), porém os riscos serão mínimos. Como riscos presentes nessa pesquisa destacam-se o constrangimento, desconforto, incômodo ou sensação de incapacidade, durante a aplicação do questionário e do teste motores. Entretanto para amenizar esses riscos, as perguntas realizadas serão feitas de maneira direta e clara, e os testes utilizados serão baseado em modelos já testados e validados tanto em caráter mundial, quanto para a população brasileira. Além disso, será esclarecido ao indivíduo que será submetido a perguntas, que todos os dados obtidos serão mantidos em sigilo absoluto e armazenados em uma pasta que somente o pesquisador possui acesso. Os dados pessoais da pesquisa serão apagados após cinco anos para que os riscos sejam minimizados. Estamos à disposição para esclarecer qualquer dúvida. O (a) senhor (a) pode sair da pesquisa a qualquer momento, sendo sua privacidade preservada e nenhum dano irá acontecer por isso.

BENEFÍCIOS: Como benefício, uma vez identificado os fatores associados que levam os idosos às quedas, medidas preventivas poderão ser desenvolvidas de forma mais especifica para os mesmos, melhorando assim sua qualidade de vida. Esta pesquisa também possibilitará a formulação projetos em ações de educação em saúde por parte dos profissionais da Unidade Básica.

CONSENTIMENTO DA PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COMO SUJEITO (A) Eu, __________________________________________________, abaixo assinado, concordo em participar do estudo intitulado Timed Up and Go em idosos residentes em comunidades, e fui devidamente informada e esclarecida pela pesquisadora Rubiele Almeida Prado sobre a pesquisa, os procedimentos nela envolvidos, assim como os possíveis riscos e benefícios decorrentes de minha participação e que a pesquisa é orientada pelo professor Kleyton Trindade Santos, a quem poderei consultar a qualquer momento que julgar necessário. Afirmo que fui informado (a) dos objetivos estritamente acadêmicos deste estudo e que compreendo ser o sujeito da referida pesquisa, que irei participar da mesma por minha própria vontade, sem receber qualquer incentivo financeiro ou ter qualquer ônus em troca, e com a finalidade exclusiva de colaborar para as conclusões acadêmicas e científicas da mesma. Fui informado (a) dos objetivos estritamente acadêmicos.


18

Minha colaboração se fará de forma anônima, por meio de um questionário.

O acesso e

a análise dos dados coletados se farão apenas pelo (a) pesquisador (a) e/ou orientador (a). Os resultados gerais obtidos nesta pesquisa serão utilizados apenas para alcançar os objetivos propostos, incluída sua publicação em congresso, em revista cientifica especializada. Por este meio, AUTORIZO o uso dos meus dados neste Projeto de Pesquisa.

CONSENTIMENTO DA PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COMO VOLUNTÁRIO (A)

Eu, ______________________________________________, abaixo assinado, após a leitura (ou a escuta da leitura) deste documento e de ter tido a oportunidade de conversar e ter esclarecido as minhas dúvidas com o pesquisador responsável, concordo em participar deste estudo como voluntário (a). Fui devidamente informado (a) e esclarecido (a) pelo (a) pesquisador (a) sobre a pesquisa, os procedimentos nela envolvidos, assim como os possíveis riscos e benefícios decorrentes de minha participação. Foi-me garantido que posso retirar o meu consentimento a qualquer momento, sem que isto leve a qualquer penalidade (ou interrupção de meu acompanhamento/ assistência/tratamento) e que se houver necessidade, as despesas para a minha participação serão assumidas ou ressarcidas pelos pesquisadores.

Impressão Datiloscópica

Assinatura do Participante

_____________________________ Karla Cavalcante Silva de Morais Pesquisador Responsável Tel: (77) 988015530 e-mail: karlinhakau@hotmail.com

_______________________________ Andressa Porto Dutra Pesquisadora assistente

_______________________________ Kleyton Trindade Santos Pesquisador assistente Tel: (73) 988139695 e-mail:kleyton_santos@hotmail.com

_______________________________ Rubiele Almeida Prado Pesquisadora assistente


19

______________________________ Sabrina Almeida Porto Pesquisadora assistente

ENDEREÇO INSTITUCIONAL DOS PESQUISADORES: Faculdade Independente do Nordeste – FAINOR. Av. Luis Eduardo Magalhães, 1035 Candeias - Vitória da Conquista - BA CEP: 45000 - 000 Telefone: (77) 3161 - 1000

ENDEREÇO DO COMITÊ DE ÉTICA: Av. São Luiz, n° 31 – Núcleo de Pós-Graduação, Pesquisa Extensão 2º Andar. Vitória da Conquista - BA CEP: 45055-080 Telefone: (77) 3161-1071 E-mail: cep@fainor.com.br


20

APÊNDICE B – Declaração de Participação e Comprometimento dos Pesquisadores

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE - FAINOR Credenciada pela Portaria MEC n.o 1.393, de 04 de julho de 2001 Publicado no DOU de 09 de julho de 2001

DECLARAÇÃO DE PARTICIPAÇÃO E COMPROMETIMENTO DOS PESQUISADORES. Eu, Karla Cavalcante Silva de Morais do Colegiado de Fisioterapia da Faculdade Independente do Nordeste pesquisador responsável, e eu/nós Kleyton Trindade Santos, Luciana Araújo dos Reis, Rubiele Almeida Prado, Andressa Porto Dutra e Sabrina Almeida Porto declaramos ao Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Independente do Nordeste (CEP/FAINOR), que estamos participando do projeto de pesquisa intitulado “Quedas e fatores associados em idosos” e através deste termo, assumimos o compromisso de confidencialidade dos dados adquiridos durante a pesquisa e a devida proteção da identidade dos sujeitos nela envolvidos. Informamos ainda que a coleta de dados desta pesquisa não foi iniciada, e que seu início se dará somente após a aprovação do referido projeto por este Comitê. Por este instrumento, nos comprometemos ainda a observar as normas da Resolução 466/12 e suas complementares, e a segui-la em todas as fases da pesquisa e após o seu término, bem como pelo arquivo e guarda de todos os documentos referentes ao mesmo pelo tempo mínimo de cinco (5) anos.

Vitória da Conquista - Bahia, _____ de ____________ de _______.

___________________________________________ Karla Cavalcante Silva de Morais Colegiado de Fisioterapia ___________________________________________ Kleyton Trindade Santos Colegiado de Fisioterapia ___________________________________________ Luciana Araújo dos Reis Colegiado de Fisioterapia

___________________________________________ Rubiele Almeida Prado Colegiado de Fisioterapia ___________________________________________ Andressa Porto Dutra


21

Colegiado de Fisioterapia ___________________________________________ Sabrina Almeida Porto Colegiado de Fisioterapia


22

APÊNDICE C – Carta de encaminhamento de projeto para aprovação

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE – FAINOR Credenciada pela Portaria MEC n.o 1.393, de 04 de julho de 2001 Publicado no DOU de 09 de julho de 2001

À Coordenação do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Independente do Nordeste – FAINOR. Assunto: Carta de Encaminhamento de Projeto de Pesquisa para Apreciação e Aprovação. Senhor (a) Coordenador (a), Encaminhamos para apreciação e aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Independente do Nordeste (CEP/FAINOR) o Projeto de Pesquisa intitulado “Quedas e fatores associados em idosos” sob a responsabilidade de Karla Cavalcante Silva de Morais.

Atenciosamente,

Vitória da Conquista – Bahia, ____ de _____________ de _______.

______________________________________________________

Karla Cavalcante Silva de Morais

Colegiado de Fisioterapia


23

APÊNDICE D – Parecer Consubstanciado do CEP

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE - FAINOR

PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa:QUEDAS E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS Pesquisador: Karla Cavalcante Silva de Morais Área Temática Versão: 1 CAAE: 62170516.4.0000.5578 Instituição Proponente: FAINOR - FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE LTDA. Patrocinador Principal: Financiamento Próprio DADOS DO PARECER Número do Parecer: 1.859.525 Apresentação do Projeto: A proposta de pesquisa consiste em analisar os agravantes que possibilitam as mais frequentes ocorrências de queda entre idosos. Para tanto, propõe-se recrutar 200 idosos que "cadastrados em duas Unidades Básicas de Saúde" em um munícipio no interior da Bahia. Objetivo da Pesquisa: Objetivo Primário: Analisar a ocorrência de quedas e os fatores associados em idosos. Objetivo Secundário: - Determinar a prevalência de quedas em idosos; - Verificar as variáveis sócio-demográficas em idosos; - Identificar a influência da imagem corporal no risco de quedas em idosos;

Avaliação dos Riscos e Benefícios: Atendem às recomendações da Resolução 466/12 do CONEP.


24

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE - FAINOR Comentários e Considerações sobre a Pesquisa:

A pesquisa poderá trazer alguma contribuição na medida em que levente e problematize dados relacionados a "fatores associados" que contribuam para a ocorrência de quedas entre idosos. Ademais, poderá ainda contribuir para ampliação de dados que permitam "a formulação de políticas públicas para essa faixa da população. Considerações sobre os Termos de apresentação obrigatória: Estão de acordo com a Resolução 466/12 do CONEP. Recomendações: Atentar-se para apresentar adequadamente o desenho da pesquisa, posto que da forma que se encontra pouco esclare sobre o mesmo. Conclusões ou Pendências e Lista de Inadequações: Não se registrou. Considerações Finais a critério do CEP: Este parecer foi elaborado baseado nos documentos abaixo relacionados:

Tipo Documento

Arquivo

Informações Básicas PB_INFORMAÇÕES_BÁSICAS_DO_P do Projeto

ROJETO_824401.pdf

Projeto Detalhado /

PROJETOQUEDASCOMPLETOCORRE

Brochura

TO.pdf

Postagem

Autor

19/11/2016

Situação

Aceito

06:55:39 19/11/2016 06:53:31

Karla Cavalcante

Aceito

Silva de Morais

Investigador Declaração de

DECLARACAODEPARTICIPACAODOS

Pesquisadores

PESQUISADORESCORRETO.pdf

TCLE / Termos de

TCLEASSINADO.pdf

Assentimento /

19/11/2016 06:52:54 19/11/2016 06:52:12

Karla Cavalcante

Aceito

Silva de Morais Karla Cavalcante

Aceito

Silva de Morais

Justificativa de Ausência Declaração de

AUTORIZACAOINSTITUCIONALPARA

11/11/2016

Karla Cavalcante

Aceito


25

Instituição e

COLETADEDADOS.pdf

19:41:07

Silva de Morais

Infraestrutura Outros

CARTADEENCAMINHANMENTOPARA APRECIACAOEAPROVACAO.pdf

Cronograma

CRONOGRAMA.pdf

11/11/2016 19:36:49 11/11/2016 19:34:06

Orçamento

ORCAMENTO.pdf

11/11/2016 19:33:32

Folha de Rosto

FOLHADEROSTO.pdf

11/11/2016 19:32:41

Situação do Parecer: Aprovado Necessita Apreciação da CONEP: Não VITORIA DA CONQUISTA, 10 de Dezembro de 2016

Assinado por:

ANA PAULA DOS SANTOS LIMA (Coordenador)

Endereço: Av. São Luiz, n° 31 Núcleo de Pós-Graduação, Pesquisa Extensão 2° andar Bairro: Bairro Candeias UF: BA

CEP: 45.055-080

Município: VITORIA DA CONQUISTA

Telefone: (77)3161-1071

E-mail: cep@fainor.com.br

Karla Cavalcante

Aceito

Silva de Morais Karla Cavalcante

Aceito

Silva de Morais Karla Cavalcante

Aceito

Silva de Morais Karla Cavalcante Silva de Morais

Aceito


ANEXO

ANEXO A – Questionário Sociodemográfico

Nome:_______________________________________________________________________________ Idade:___________________

Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Estado Civil: ( ) Solteiro ( ) Casado ( ) Divorciado ( ) Viúvo Cor: ( ) Branca ( ) Amarela ( ) Parda ( ) Negro Número de filhos: ____________ Número de pessoas residentes no domicílio: __________________ Profissão : __________________________________________________________________________ Escolaridade: ( )Analfabeto ( ) Fundamental ) Nível superior

(

) Ensino médio incompleto ( ) Ensino médio completo (

Renda familiar : _____________________________________________________________________


ANEXO B – Questionário Mini-Exame do Estado Mental

MINI-EXAME DO ESTADO MENTAL Escolaridade: Analfabeto ( ) 0 à 3 anos ( ) 4 à 8 anos ( )

mais de 8 anos (

)


ANEXO C – Questionário Risco de Quedras

RISCO DE QUEDAS


ANEXO D – Questionário Timed Up And Go

TIMED UP AND GO 1ª Tentativa: ________________ 2ª Tentativa: ________________ Classificação do TUG:______________________________ Obrigada pela participação!


ANEXO E – Autorização Institucional para coleta de dados


ANEXO F - Carta de aceite da Revista

Jaboatão dos Guararapes, 10 de Novembro de 2017

Ilmos. Sres. Rubiele Almeida Prado, Kleyton Trindade Santos, Luciana Araújo dos Reis, Karla Cavalcante Silva de Morais, Andressa Porto Dutra e, Sabrina Almeida Porto Prezados Senhores, Informamos que o vosso artigo intitulado Timed Up and Go em Idosos Residentes naComunidade, foi aceito para publicação, na edição de número 38, da ID on Line REVISTAMULTIDISCIPLINAR E DE PSICOLOGIA – ISSN: 1981-1179, com previsão de ir ao ar em 30 de Novembro de 2017. Atenciosamente,

Gislene Farias de Oliveira Editora-Gerente E-mail: revistaidonline@gmail.com http://idonline.emnuvens.com.br/id

Rua Profa. Sílvia Ferreira, 442 – Piedade. Jaboatão dos Guararapes – Pernambuco Site: http://idonline.emnuvens.com.br/id / E-mail: revistaidonline@gmail.com


ANEXO G - Instruções para preparação e submissão dos manuscritos Essas instruções visam orientar os autores sobre as normas adotadas pela Id on Line REVISTA MULTIDISCIPLINAR E DE PSICOLOGIA para avaliação de artigos e o processo de publicação. As referidas instruções baseiam-se nas Normas para Manuscritos Submetidos a Revistas científicas de uma maneira geral no estilo ABNT. Missão da Revista Divulgar resultados de pesquisas em Psicologia e áreas afins, que contribuam para o avanço do conhecimento científico e para a prática profissional. Política editorial Id on Line REVISTA DE PSICOLOGIA, publica prioritariamente artigos destinados à divulgação de resultados de pesquisas originais recentes. Além disso, se prestará também a publicação de edições especiais, os quais obedecem ao mesmo rigor na seleção dos artigos, que são avaliados pelo sistema de avaliação por pares (peer review). Os artigos devem destinar-se exclusivamente à Revista, não sendo permitida sua apresentação simultânea a outro periódico, quer na íntegra ou parcialmente. Cobertura temática Psicologia e áreas afins. Público alvo Pesquisadores, estudantes de graduação e pós-graduação, Psicólogos e profissionais de saúde e de áreas afins a Psicologia. Direitos autorais Os direitos autorais são de propriedade exclusiva da Revista, transferidos por meio da Declaração de Transferência de Direitos Autorais (presente no Formulário Individual de Declarações) assinada pelos autores. Ao submeter o artigo a Id on Line REVISTA MULTIDISCIPLINAR E DE PSICOLOGIA, o autor estará também concordando com a política da Revista. Dessa forma, nenhuma outra forma de permissão é necessária por parte dos autores ou dos editores. Processo de julgamento A Revista possui sistema eletrônico de submissão, avaliação e gerenciamento do processo de publicação. Os artigos são encaminhados pelos autores, on line, através da Plataforma. Posteriormente, é realizada a conferência de normas pela secretaria, os artigos que atendem às normas de publicação são encaminhados para pré-análise e, se selecionados por apresentarem contribuições ao avanço do conhecimento científico em Psicologia e áreas afins, são enviados a três consultores, selecionados pelo Editor Científico, para análise. Os artigos não adequados às normas de publicação da revista são devolvidos aos autores para adequação e os artigos não selecionados na pré-análise são recusados e os autores informados por mensagem do sistema. Utiliza-se o sistema de avaliação por pares (peer review), de forma sigilosa, com omissão dos nomes dos consultores e autores. As avaliações emitidas pelos consultores são apreciadas pelos editores associados em relação ao conteúdo e pertinência. Os artigos podem ser aceitos, reformulados ou recusados. Após a aceitação pelos editores associados, o artigo é encaminhado para aprovação do Editor Científico-Chefe que dispõe de plena autoridade para decidir sobre a aceitação ou não do artigo, bem como das alterações solicitadas. O parecer da revista é enviado na sequência para os autores. Categorias de artigos aceitos para avaliação Artigos originais São contribuições destinadas a divulgar resultados de pesquisa original e inédita, que possam


ser replicados e/ou generalizados. São também considerados artigos originais as formulações discursivas de efeito teorizante e as pesquisas de metodologia qualitativa, de modo geral. Artigos de Revisão Utiliza método de pesquisa conduzido por meio da síntese de resultados de estudos originais, quantitativos ou qualitativos. Objetiva responder uma pergunta específica e de relevância para a Ciência, nas áreas cobertas pela Revista. Descreve com pormenores o processo de busca dos estudos originais, os critérios utilizados para a seleção daqueles que foram incluídos na revisão e os procedimentos empregados na síntese dos resultados obtidos pelos estudos revisados. Estrutura do artigo Embora se respeite a criatividade e estilo dos autores na opção pelo formato do artigo, sua estrutura é a convencional, contendo introdução, métodos, resultados, discussão e conclusão, com destaque às contribuições do estudo para o avanço do conhecimento na área da Psicologia e afins. A Introdução deve ser breve, definir claramente o problema estudado, destacando sua importância e as lacunas do conhecimento. Incluir referências atualizadas e de abrangência nacional e internacional. Os Métodos empregados, a população estudada, a fonte de dados e os critérios de seleção devem ser descritos de forma objetiva e completa. Os Resultados devem estar limitados somente a descrever os resultados encontrados sem incluir interpretações ou comparações. O texto complementa e não repete o que está descrito em tabelas e figuras. Para artigos quantitativos é necessário apresentar os resultados separados da discussão. A Discussão enfatiza os aspectos novos e importantes do estudo e as conclusões que advêm deles. Não repetir em detalhes os dados ou outras informações inseridos nas seções: Introdução ou Resultados. Para os estudos experimentais, é útil começar a discussão com breve resumo dos principais achados, depois explorar possíveis mecanismos ou explicações para esses resultados, comparar e contrastar os resultados com outros estudos relevantes. A Conclusão deve responder aos objetivos do estudo, restringindo-se aos dados encontrados. Evitar afirmações sobre benefícios econômicos e custos, a não ser que o artigo contenha os dados e análise econômica apropriada. Autoria O conceito de autoria adotado pela Revista está baseado na contribuição substancial de cada uma das pessoas listadas como autores (limitada a seis), no que se refere, sobretudo, à concepção e planejamento do projeto de pesquisa, obtenção ou análise e interpretação dos dados, redação e revisão crítica. Excepcionalmente, em estudos multicêntricos será examinada a possibilidade de inclusão de mais do que seis autores, considerando as justificativas apresentadas pelos mesmos. Não se justifica a inclusão de nomes de autores cuja contribuição não se enquadre nos critérios acima, podendo, nesse caso, figurar na seção Agradecimentos. Os conceitos emitidos nos artigos são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo obrigatoriamente a opinião dos Editores e do Conselho Editorial. Publicação Os artigos são publicados em português, podendo receber artigos em inglês e espanhol, desde que comprovada a tradução por um expert ou empresa especializada neste procedimento. Submissão No ato da submissão, o artigo deverá ser encaminhado à Revista em um idioma (português ou inglês ou espanhol) e, em caso de aprovação, a tradução deverá ser providenciada para que os avaliadores possam decidir sobre o mesmo. O custo financeiro é de responsabilidade dos autores.


A submissão de artigos é realizada somente no sistema on line no endereço da Revista. No momento da submissão o autor deverá anexar no sistema: - checklist preenchido - arquivo do artigo - aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa ou declaração informando que a pesquisa não envolveu sujeitos humanos. O checklist é fundamental para auxiliar o autor no preparo do artigo de acordo com as normas da Id on Line REVISTA MULTIDISCIPLINAR E DE PSICOLOGIA . A Revista efetuará a conferência do artigo e da documentação e, se houver alguma pendência, solicitará correção. Caso a solicitação de adequação não seja atendida, a submissão poderá ser cancelada automaticamente. Política de arquivamento dos artigos Os artigos recebidos pela Id on Line REVISTA MULTIDISCIPLINAR E DE PSICOLOGIA, que forem cancelados ou recusados, serão eliminados imediatamente dos arquivos da Revista. Os arquivos dos artigos publicados serão mantidos pelo prazo de cinco anos, após esse período, poderão ser eliminados. Versão, tradução e correção gramatical Todos os artigos são publicados em português. Após a aprovação dos artigos pelo Conselho de Editores os mesmos são encaminhados para correção gramatical e versão/tradução para o outro idioma, quando for esse o caso. Erratas As solicitações de correção deverão ser encaminhadas no prazo máximo de 30 dias após a publicação do artigo. Preparo dos manuscritos - título (conciso em até 15 palavras, porém, informativo, excluindo localização geográfica da pesquisa e abreviações); - nome do(s) autor(es) por extenso, categoria profissional, maior título universitário, nome da unidade e instituição aos quais o estudo deve ser atribuído, endereço eletrônico, cidade, estado e país; - nome, endereço postal, e-mail, os números de telefone/fax do autor responsável por qualquer correspondência sobre o artigo; - fonte(s) de apoio na forma de financiamentos, equipamentos e fármacos, ou todos esses; - agradecimentos - nome de colaboradores cuja contribuição não se enquadre nos critérios de autoria, adotados pela Revista, ou lista de autores que ultrapassaram os nomes indicados abaixo do título - consultoria científica - revisão crítica da proposta do estudo - auxílio e/ou colaboração na coleta de dados - assistência aos sujeitos da pesquisa - revisão gramatical - apoio técnico na pesquisa; - vinculação do artigo a dissertação e tese, informando os títulos em português, inglês e espanhol e a instituição responsável em que foi obtida; - o resumo deverá conter até 150 palavras, incluindo o objetivo da pesquisa, procedimentos básicos (seleção dos sujeitos, métodos de observação e analíticos, principais resultados) e as conclusões. - incluir de 3 a 6 descritores que auxiliarão na indexação dos artigos.


Arquivo do artigo O arquivo do artigo também deverá apresentar, na primeira página, o título, o resumo e os descritores, nessa sequência, no idioma português. Não utilizar abreviações no título e no resumo. Os termos por extenso, aos quais as abreviações correspondem, devem preceder sua primeira utilização no texto, a menos que sejam unidades de medidas padronizadas. Documentação obrigatória No ato da submissão dos artigos deverão ser anexados no sistema on line a cópia da aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa ou Declaração de que a pesquisa não envolveu sujeitos humanos, em formato PDF, com tamanho máximo de 1Megabyte cada um, o comprovante do depósito bancário da taxa de submissão e o arquivo do artigo a ser avaliado (em formato .doc). Formatação obrigatória - Papel A4 (210 x 297mm). - Margens de 2,5cm em cada um dos lados. - Letra Times New Roman 12. - Espaçamento 1,5 em todo o arquivo. - As tabelas devem ser elaboradas utilizando a ferramenta do word e estarem inseridas no texto, numeradas consecutivamente com algarismos arábicos, na ordem em que foram citadas no texto e não utilizar traços internos horizontais ou verticais. Recomenda-se que o título seja breve e inclua apenas os dados imprescindíveis, a localização e ano, evitando-se que sejam muito longos, com dados dispersos e de valor não representativo. As notas explicativas devem ser colocadas no rodapé das tabelas e não no cabeçalho ou título. - Figuras (compreende os desenhos, gráficos, fotos, quadros, etc.) devem ser desenhadas, elaboradas e/ou fotografadas por profissionais, em preto e branco. Em caso de uso de fotos os sujeitos não podem ser identificados ou então possuir permissão, por escrito, para fins de divulgação científica. Devem ser numeradas consecutivamente com algarismos arábicos, na ordem em que foram citadas no texto. Serão aceitas desde que não repitam dados contidos em tabelas. Nas legendas das figuras, os símbolos, flechas, números, letras e outros sinais devem ser identificados e seu significado esclarecido. As abreviações não padronizadas devem ser explicadas em notas de rodapé, utilizando os seguintes símbolos, em sequência: *,†,‡,§,||,¶,**,††,‡‡. - Ilustrações devem ser identificadas como figuras e estarem suficientemente claras para permitir sua reprodução em 7,2cm (largura da coluna do texto) ou 15cm (largura da página). Para ilustrações extraídas de outros trabalhos, previamente publicados, os autores devem providenciar permissão, por escrito, para a reprodução das mesmas. Essas autorizações devem acompanhar os artigos submetidos à publicação. - Tabelas, figuras, ilustrações e quadros devem ser limitados a 5, no conjunto. - Utilize somente abreviações padronizadas internacionalmente. - Notas de rodapé: deverão ser indicadas por asteriscos, iniciadas a cada página e restritas ao mínimo indispensável. - O número máximo de páginas inclui o artigo completo, com os títulos, resumos e descritores, as ilustrações, gráficos, tabelas, fotos e referências. - Artigos originais em até 17 páginas. Recomenda-se que o número de referências limite-se a 25. Sugere-se incluir aquelas estritamente pertinentes à problemática abordada, atualizadas, de abrangência nacional e internacional e evitar a inclusão de número excessivo de referências numa mesma citação. - Artigos de revisão em até 20 páginas. Sugere-se incluir referências estritamente


pertinentes à problemática abordada, atualizadas, de abrangência nacional e internacional e evitar a inclusão de número excessivo de referências numa mesma citação. - Depoimentos dos sujeitos deverão ser apresentados em itálico, letra Times New Roman, tamanho 10, na sequência do texto. Ex.: a sociedade está cada vez mais violenta (sujeito 1). - Citações ipsis litteres usar apenas aspas, na sequência do texto. - Referências – de acordo com normativas da ABNT. Como citar os artigos publicados na Revista Latino-Americana de Psicologia Corporal:

Rubiele Almeida Prado  

Monografia FAINOR

Rubiele Almeida Prado  

Monografia FAINOR

Advertisement