Issuu on Google+

1

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COLEGIADO DO CURSO ADMINISTRAÇÃO

FABIANA D’ESQUIVEL SOARES

PROCESSO DE RECICLAGEM DE PLÁSTICO: O CASO DA EMPRESA CESBAP

VITÓRIA DA CONQUISTA - BA NOVEMBRO - 2008


2

FABIANA D’ESQUIVEL SOARES

PROCESSO DE RECICLAGEM DE PLÁSTICO O CASO DA EMPRESA CESBAP Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Administração, Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR), sob orientação do professor ___________________________

VITÓRIA DA CONQUISTA - BA NOVEMBRO - 2008


3

FABIANA D’ESQUIVEL SOARES

PROCESSO DE RECICLAGEM DE PLÁSTICO: O CASO DA EMPRESA CESBAP

Trabalho de monografia apresentado no Curso de Administração da Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR), como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Administração.

Vitória da Conquista, ___ de ____________ de 2008.

Banca Examinadora

_______________________________________ Prof. ______ _______________________________________ Prof. ______ _______________________________________ Prof. ______


4

Dedico este trabalho aos meus filhos, irmãos e principalmente aos meus pais, que sempre foram fieis e comprometidos com a educação e ética de nossa família.


5

AGRADECIMENTOS

Primeiramente agradeço a Deus, todo poderoso que cuida de mim noite e dia sem cessar guindam – me ao caminho da verdade, transformando as minhas dificuldades em grandes vitórias, a minha família, em especial aos meus filhos, esposo, pais e irmãos que sempre acreditaram e confiaram em mim, estando sempre do meu lado. Agradeço também àqueles que diretamente ou indiretamente contribuíram para o desenvolvimento deste trabalho, dando apoio, estímulo e atenção.


6

“É preciso entender que nós não herdamos as terras de nossos, pais mas as tomamos emprestadas de nossos filhos.” (Provérbio Amish)


7

RESUMO O consumo de plásticos no Brasil vem crescendo com o desenvolvimento econômico, e acompanha o ritmo da instalação no mercado nacional de empresas fabricantes de resinas sintéticas. Nos últimos anos, segundo associação Brasileira de Embalagens Flexíveis a indústria de embalagens plásticas apresenta-se entre as de maior crescimento no Brasil. Devido a facilidade de acesso ao processo de reciclagem, o plástico tem sido utilizado na produção de uma grande variedade de artigos de formas diversas, até por que, observa-se um potencial de crescimento para esse setor no país, todo este processo da reciclagem tem como objetivo o retorno imediato dos produtos fabricados com baixo custo, onde a empresa pode com o seu material reciclado competir com o mercado da concorrência, uma vez que produtos gerados a partir dos reciclados são comercializados em paralelo àqueles produzidos a partir de matérias-primas virgens, gerando receita com a comercialização dos recicláveis, empregos para a população não qualificadas, pois reciclagem é fruto da oportunidade e que foi percebida pela a empresa Cesbap. Este estudo trata de uma pesquisa qualitativa, a qual faz o contato direto com do pesquisador com seu objeto de estudo, fazendo a descrição dos dados obtidos, das situações e acontecimentos, mostrando o significado que as pessoas entrevistadas dão a determinado problema exigindo atenção especial do pesquisador. Ao final da pesquisa observou-se que além da montagem de toda a infra-estrutura necessária, da logística da coleta do material e da entrega do produto, a empresa conta com todo equipamento necessário para o processo de reciclagem com eficiência, qualidade e responsabilidade, o que possibilita reduzir substancialmente o volume dos resíduos urbanos a serem dispostos, permitindo a recuperação de valores contidos nesses resíduos urbanos que seriam perdidos. Para a empresa Cesbap a educação ambiental através da sustentabilidade desempenha um papel importantíssimo de responsabilidade social, sendo a mesma uma atividade que pode ser viável economicamente, capaz de gerar lucros, além de contribuir para a soluções de problemas ambientais. Palavras-chave: Educação ambiental. Gestão ambiental. Sustentabilidade.

Processo produtivo.


8

ABSTRACT

The plastic consumption in Brazil comes growing with the economic development, and folloies the rhythm of the installation in the national market of companies synthetic resin manufacturers. In recent years, as Brazilian association of Flexible Packings the industry of plastic packings is presented enters of bigger growth in Brazil. Had the easiness of access to the recycling process, the plastic has been used in the production of a great variety of articles of diverse forms, until why, a potential of growth for this sector in the country is observed, all this process of the recycling has as objective the immediate return of the products manufactured with low cost, where the company can with its recycled material compete with the market of the competition, a time that products generated from the recycled ones are commercialized in parallel those produced from raw materials virgins, generating prescription with the commercialization of recycle, jobs for the population not qualified, therefore recycling is fruit of the chance and that Cesbap company was perceived by a. This study she deals with a qualitative research, which makes the direct contact with of the researcher with its object of study, making the description of the gotten data, of the situations and events, showing the meaning that the interviewed people give to the definitive problem demanding special attention of the researcher. To the end of the research she observed herself that beyond the assembly of all the necessary infrastructure, of the logistic one of the collection of the material and the delivery of the product, the company counts on all necessary equipment for the process of recycling with efficiency, quality and responsibility, what makes possible substantially to reduce the volume of the urban residues to be made use, allowing the recovery of values contained in these urban residues that they would be lost. For the Cesbap company the ambient education through the support plays a role importantĂ­ssimo of social responsibility, being same an activity that can economically be viable, capable to generate profits, beyond contributing for the solutions of ambient problems. Wordkey: Ambient education. Ambient management. Productive process. Support.


9

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO .................................................................................................. 11 1.1 APRESENTAR O TEMA ................................................................................ 12 1.2 PROBLEMATIZAÇAO .................................................................................... 12 1.3 QUESTÕES DE PESQUISA .......................................................................... 13 1.4 OBJETIVOS ................................................................................................... 14 1.4.1 Objetivos Gerais ........................................................................................ 14 1.4.2 Objetivos Específicos ............................................................................... 14 1.5 JUSTIFICATIVA ............................................................................................. 14 2 REFERENCIAL TEÓRICO................................................................................ 16 2.1. MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ...................... 16 2.2 A GESTÃO AMBIENTAL SOB O ENFOQUE ECONÔMICO ........................ 17 2.3 GESTÕES AMBIENTAL................................................................................. 18 2.3.1 Auditoria Ambiental .................................................................................. 21 2.3.2 Metodologia Da Auditoria Ambiental....................................................... 21 2.4 EDUCAÇÕES AMBIENTAL ........................................................................... 22 2.5 GESTÕES AMBIENTAIS EM ORGANIZAÇÕES PUBLICAM ........................ 25 2.6 POLÍTICAS PUBLICAS PARA A GESTÃO AMBIENTAL .............................. 26 2.7 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE............................................................. 27

3 A RECICLAGEM DO PLÁSTICO ..................................................................... 29 3.1 POLIETILENO TEREFTALATO — PET......................................................... 29 3.2 POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE — PEAD .......................................... 29 3.3 POLICLORETO DE VINILA — PVC............................................................... 29 3.4 POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE — PEBD ........................................ 30 3.5 POLIETILENO LINEAR DE BAIXA DENSIDADE — PELBD ......................... 30 3.6 POLIPROPILENO — PP ................................................................................ 30 3.7 POLIESTIRENO — PS................................................................................... 30 3.8 A RECICLAGEM PLÁSTICA .......................................................................... 31 4 METODOLOGIA ............................................................................................... 33


10

4.1 CARACTERIZAÇÕES DO ESTUDO............................................................. 33 4.2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICO ........................................................ 34 4.3 SUJEITOS DA PESQUISA............................................................................ 34 4.4 ANÁLISES DOS DADOS .............................................................................. 35

5 RESULTADAO DA PESQUISA ........................................................................ 37 6 CONCLUSÃO.....................................................................................................46 REFERÊNCIAS................................................................................................... 48

APÊNDICE - ROTEIRO UTILIZADOS NA PESQUISA ....................................... 49

ANEXOS .............................................................................................................. 50


11

1 INTRODUÇÃO

É necessário estabelecer um sistema eficaz de reciclagem, que permita a diminuição dos espaços destinados aos depósitos dos resíduos, bem como a criação de novos mercados para os produtos gerados. A questão ambiental está se tornando cada vez mais matéria obrigatória nas agendas dos empresários, a internacionalização dos padrões de qualidade ambiental descritos na série ISO 14000, a globalização dos negócios, a conscientização crescente dos atuais consumidores e a disseminação da educação ambiental nas escolas permitem antever que a exigência futura farão os consumidores preservar o meio ambiente visando á qualidade de vida. Neste contexto, as organizações empresariais deverão incorporar a variável ambiental no aspecto de seus cenários e na tomada de decisão, mantendo com isso, uma postura responsável com a questão ambiental. A reciclagem de plásticos é uma atividade econômica que pode trazer benefícios às empresas através de lucros e redução de custos. Contudo, a participação do plástico entre os materiais que compõem o lixo urbano no Brasil ainda é pequena, quando comparada à dos países desenvolvidos. Para se ter uma idéia, o consumo per capita de plásticos nos EUA (o maior consumidor deste material no mundo) é de 100 kg/hab./ano e no Japão de 60 kg/hab/ano, enquanto no Brasil está em torno de 10 kg/hab./ano (CEMPRE, 1998b). Esta diferença indica que o Brasil apresenta um grande potencial para o aumento do consumo de plástico, a reciclagem deste resíduo pós-consumo, possibilita reduzir substancialmente os volumes urbanos a serem dispostos, recuperando valores contidos que seriam perdidos. Além dos aspectos ambientais positivos obtidos, a reciclagem é uma atividade que pode ser viável economicamente como também, gera novos empregos tanto para cooperativas como para catadores. Dentro desta contextualização, a pesquisa tem como objetivo principal buscar alternativas para minimização dos resíduos sólidos urbanos, gerados especificamente pelos resíduos plásticos misturados, que não são vendidos pelos galpões de reciclagem dos centros urbanos, e acabam sendo destinada aos aterros sanitários. A idéia principal desta pesquisa é apresentar como se processa a reciclagem do plástico, suas etapas e a recuperação destes resíduos e seu reaproveitamento até a chegada no produto final.


12

1.1 APRESENTAR O TEMA

Até algum tempo atrás, as organizações empresariais preocupavam-se apenas com a eficiência dos sistemas produtivos. Em curto espaço de tempo, essa noção revelou-se equivocada, porque ficou evidente que o contexto de atuação das empresas tornava-se a cada dia mais complexas e que o processo decisório sofreria restrições cada vez mais severas. Um dos componentes importantes dessa reviravolta nos modos de pensar e agir, foi o crescimento da conciencia ecológica, na sociedade, no governo e nas próprias empresas, que passaram a incorporar essa orientação em suas estratégias. Neste contexto,a empresa Cesbap tem como responsabilidade social a conservação do meio ambiente, e seus objetivos passaram a estar associados a montagem de toda a infra-estrutura necessária para o processo de reciclagem com

eficiência e qualidade.

Além dos aspectos

ambientais positivos obtidos, a reciclagem é uma atividade que pode ser viável economicamente, capaz de gerar ganhos econômicos, assim como gerar empregos, como, por exemplo, em cooperativas, onde é realizada a triagem de lixo seco para ser vendido á recicladora. Nestas quantidades de oportunidades que o processo da reciclagem vem oferecendo para a empresa, faz com que a mesma invista todo seu potencial de recuperação de resíduos plásticos e de preservação do meio ambiente como uma grande economia de recursos; o desenvolvimento de novos processos produtivos com a utilização de tecnologias mais limpas ao ambiente; o desenvolvimento de novos produtos para um mercado cada vez maior de consumidores conscientizados com a questão ambiental, vem trazendo beneficio não só para a empresa Cesbap como também a toda cidade de Vitória da Conquista.

1.2 PROBLEMATIZAÇÃO

Durante todo período que foi realizado a pesquisa na empresa Cesbap, foi constatado que o processo de reciclagem feito gera muitas dificuldades até a chegada no produto final, isso se dá principalmente devido má qualidade dos resíduos plásticos encontrados, pois estes no momento da coleta são encontrados com metais, pedras etc, devido a falta de informações por parte dos catadores,


13

sucateiros que muitas vezes dificultam o processo de separação, até por que o nosso município ainda não possui um eficiente sistema da coleta seletiva. A empresa sente a falta do apoio do governo, com a não isenção de impostos apesar das atividades estarem contribuindo para uma menor degradação ao meio ambiente, com a falta de programas de financiamentos que possibilitem que as micros e pequenas empresas invistam na compra de equipamentos e com a falta de legislação que não incentiva através de projetos que empresas invistam na produção da reciclagem em seus diferentes ramos e especificamente a do plástico, segundo a empresa Cesbap, a carga de impostos é muito alta, dificultando muitas das vezes o crescimento. Para que possa dar início ao processo de reciclagem é necessário um investimento considerável, onde o único custo fixos que é considerado como tal no processo de reciclagem é a mão de obra, e com todo o pessoal que trabalha na empresa, já os outros custos como energia, água e insumo são variáveis pois, dependem do estado que se encontra a matéria prima. Hoje a reciclagem dá espaço para qualquer empresa trabalhar, basta que esta seja comprometida, e que desenvolva e publique uma política ambiental, que defina claramente as responsabilidades ambientais de cada área dentro da sua empresa, não tendo perdas e reaproveitado tudo de forma correta para que seu produto final seja de qualidade. Para isso, os gestores da empresa, vêm buscando informações para aperfeiçoar o processo produtivo de sua empresa de forma que, estágios de técnicos das empresas fornecedoras de equipamento passam todas as informações necessárias para o acompanhamento do processo de reciclagem, revista especializadas da área, feiras, eventos nacionais, cursos oferecidos pela petroquímica, SEBRAE, SESI, SESC e participação em palestras esporádicas realizadas na cidade. Contudo, constituição final do produto a ser comercializado se da através do controle de qualidade na sua maioria utilizando normas técnicas fornecidas por órgão Federal público como as ABNT`s.

1.3 QUESTÃO DE PESQUISA

Como é o processo de reciclagem de plásticos na Empresa CESBAP?


14

1.4 OBJETIVOS

1.4.1 Objetivo Geral

Analisar o processo de produção de reciclagem plástica da empresa Cesbap. 1.4.2 Objetivos Específicos

- Conhecer a estrutura organizacional da empresa; - Identificar os objetivos e estratégias da empresa; - Analisar os processos de trabalho; - Identificar pontos fracos, fortes, ameaças e oportunidades do processo de trabalho.

1.5 JUSTIFICATIVA

Lakotos e Marcone (2003, p. 219) esclarece que, justificativa é o único item da monografia que representa respostas, questões por quê? De suma importância, geralmente é o elemento que contribui mais diretamente na aceitação da pesquisa pela ou entidades que vão financiá-la. Consiste em uma exposição sucinta, porém completa, das razões de ordem teóricas e dos motivos de ordem prática que tornaram importante a realização da pesquisa. Dentro deste contexto, nossa justificativa para a realização desta pesquisa está associada ao Crescente aumento do lixo, provocado pelo alto consumo que vem causando efeitos indesejáveis atingindo não só o ambiente como a saúde de toda população. Por perceber essa problemática como reversível é que resolvi pesquisar e analisar todo processo da reciclagem em especial do plástico até o seu produto final, pois fabricação de plástico reciclado economiza 70% de energia, considerando todo o processo desde a exploração da matéria-prima primária até a formação do produto final. Além disso, se o produto descartado permanecesse no meio ambiente, poderia estar causando maior poluição. Dessa forma, isso pode ser entendido como uma alternativa para as


15

oscilações do mercado abastecedor e também como preservação dos recursos naturais, o que pode reduzir, inclusive, os custos das matérias-prima. Portanto, o desenvolvimento desta pesquisa mostrará a importância ambiental, social e econômica do processo de reciclagem plástica, uma vez que este evita, não somente impacto ambiental, como contribui para rendimentos econômicos consideráveis e também contribui para a geração de empregos formais e informais e renda.


16

2 REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

O Brasil, a partir da segunda metade século xx, vem sofrendo grandes transformações em função do crescimento demográfico ( sua população aumentou 2,7 vezes

entre 1950 e 1970, passando 74,3% a viver em zona urbana) e da

modernização de suas bases de desenvolvimento. O acelerado ritmo de industrialização e concentração de contingentes populacionais em áreas urbana passou a provocar profundos impactos no meio ambiente, tanto nos aspectos físicos, como econômicos e sociais, promovendo nas atividades industriais o fator determinante nas transformações ocorridas, tendo um grande feito para o meio ambiente, a partir daí o governo sentiu necessidade de institucionalizar autoridade em nível federal, orientada para a preservação do meio ambiente do país. Em 30 de outubro de 1973 foi criada a Secretaria Especial sobre o Meio Ambiente (Sema). Tal iniciativa na área federal foi precedida pela criação da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) (Lei nº 118, de 29 de junho de 1973), sendo logo em seguida instituído o Conselho Estadual de Proteção Ambiental (Cepram ), na Bahia, em 4 de outubro de 1973. A partir de 1975, órgãos ambientais foram sendo criados nos diversos Estados, e começaram a surgir legislações e regulamentações

específicas de controle

ambiental

nos níveis

federal, estadual e posteriormente, municipal. A proteção ambiental deixou de ser uma função exclusiva de proteção, para tornar-se também uma função de administração, passando a ser uma atividade importante na empresas, seja no desenvolvimento das atividades de rotina, seja na discussão dos cenários alternativos, e a seqüente análise de sua evolução acabou gerando políticas, metas e planos de ação. Hoje, a prioridade na organização é reconhecer a gestão ambiental como uma das principais prioridades na organização empresarial

e

como

fator

determinante

no

desenvolvimento

sustentável,

estabelecendo políticas, programas e procedimentos para conduzir as atividades de modo ambientalmente seguro. Portanto, a gestão ambiental visa integrar plenamente em cada empresa, políticas, programas e procedimentos como elemento essencial de gestão em todos seus domínios.


17

Viederman (1993) enfatizou que a sustentabilidade é uma questão ética. A sustentabilidade é vista com frequência como um problema científico, que precisa de soluções técnicas e econômicas. Mesmo sendo um passo necessário, os limites dessa abordagem são aparentes. Porém, mais do que conhecimento científico, no seu sentido escrito, precisa de sabedoria, ética para formular metas e vontade social para atingi-las e maturidade de julgamento para percebê-la. Em suma, “há muitas maneiras pelas quais a sociedade pode formular seus objetivos, e muitos meios em direção ao desenvolvimento sustentável” (FABER;JOST; MANSTETTEN,1995, p. 247).

2.2 A QUESTÃO AMBIENTAL SOB O ENFOQUE ECONÔMICO

O fato de o meio ambiente sempre ter considerado um recurso de grande dimensão e classificado na categoria de bens livres, ou seja, daqueles bens para as quais não há necessidade de trabalho para a obtenção, dificultou a possibilidade de estabelecimento de certo critério em sua utilização e tornou disseminada a degradação ambiental, passando a afetar toda sociedade, através de uma apropriação socialmente indevida do ar, da água ou do solo. Maimon (1992), coloca a respeito disso que, economistas em particular Malthus incorpora o meio ambiente, questionando o crescimento demográfico exponencial em face da limitação dos recursos naturais, pois considerava que a capacidade de produção de recursos para a subsistência era inferior ao crescimento da população. Em abril de 1987, o Relatório de Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, posteriormente denominado “Nosso Futuro Comum”, dissemina a expressão desenvolvimento ecologicamente sustentável, que define este como, aquele que responde á necessidade do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de responder ás necessidades. Dentro deste contexto, o conceito de desenvolvimento sustentado em três vertentes principais: crescimento econômico, equidade social e equilíbrio ecológico. Dessa forma, toda essa definição induz um espírito de responsabilidade comum como um processo de mudança no qual a exploração de recursos de materiais, os investimentos financeiros e as rotas de

desenvolvimento

tecnológico

tiveram

que

adquirir sentido harmonioso.

Atualmente, as principais concorrentes econômicas, relativamente á questão ambiental, incluem:


18

1. Os ecodesenvolvimentistas 2. Os pigouvianos 3. Os neoclássicos 4. Os economistas ecológicos

2.3 GESTÕES AMBIENTAIS

Nas últimas três décadas a questão ambiental foi sendo progressivamente incorporadas às mais diversas políticas públicas (pesquisa, ensino, movimentos sociais, programas partidários, justiça e gestão de empresas). No entanto, a ecologia vista a partir do universo dos trabalhadores e do ambiente das fábricas é muito pouco estudada e desenvolvida. Existem experiências interessantes e vitórias históricas contra a contaminação dos ambientes de trabalho, mas estas não foram suficientemente difundidas, analisadas, ou assumidas, pelos movimentos sindicais e ambientalistas. Uma das explicações para este fenômeno é o grande espaço que a mídia dedica ao ecossistema ameaçado, à beleza das florestas e da vida marítima e aos minguados minutos onde a poluição dentro das fábricas e a luta por tecnologias que não agridem o meio ambiente aparecem nas telas das TVs. Há certa banalização da problemática ecológica, muitas vezes tratada de forma quase caricatural, como um conjunto de boas ações para economizar energia, água, não sujar as praias e calçadas e amar os animais, recomendações válidas, mas que, isoladas, terminam por configurar uma ecologia asséptica, sem história, desligada das formações sociais, da economia, do trabalho, da filosofia e das políticas transformadoras. (DONAIRE, 1999, P. 182). Há outras explicações para a degradação do meio ambiente em relação ao significativo desenvolvimento de outras áreas fundamentais como a da educação ambiental, da coleta do lixo, dos estudos das cadeias alimentares e do acompanhamento das mudanças climáticas. A maior parte dos sindicalistas ainda se encontra muito distanciada das causas das doenças profissionais e da perda de qualidade de vida no ambiente fabril. Atuando principalmente em questões relacionadas ao emprego e ao salário, numerosos dirigentes sindicais ainda se mobilizam mais para a cobrança dos adicionais de insalubridade e de periculosidade do que para substituir as tecnologias poluentes que agridem os pulmões, os


19

tímpanos e a psique dos trabalhadores e o meio ambiente, diminuindo sua expectativa de vida. Por outro lado, a maior parte dos ambientalistas ainda vê as fábricas como monstros que soltam fogo pelas ventas, que poluem o ar, o solo, nossos rios e praias, eles pouco se importam pela vida daqueles que estão sendo intoxicados no seu interior e que poderiam se constituir como grande aliado na luta contra a degradação, o lixo químico, os gases do efeito estufa, exatamente por terem conhecimento dos sistemas produtivos poluentes. Há avanços relevantes a serem considerados, alguns importantes sindicatos, como os dos metalúrgicos, dos petroleiros, dos trabalhadores das indústrias químicas, têm dado crescente importância à ecologia do trabalho e ao meio ambiente. Certas instituições públicas de pesquisa desenvolveram programas de saúde do trabalhador e de tecnologias não poluentes e passaram a disponibilizar esses conhecimentos aos movimentos sociais. Ambientalistas conscientes fortaleceram o movimento de justiça Ambiental, que relaciona a exclusão social, as desigualdades e a lógica perversa do lucro no comando da economia com os poucos investimentos na prevenção e os fortes impactos da degradação sobre os trabalhadores, pescadores e agricultores. (Donaire,1999,p.138). Hoje já existe um novo perfil das empresas, que vêm buscando um novo desenho de organização. Desenvolvendo ações que vão além das considerações meramente econômicas. As mudanças pelas quais as empresas vêm passando é conseqüência de uma visão tradicional. Buchholz (1985 apud DONAIRE, 1999 p.13) destaca: [...] A mudança no ambiente dos negócios têm influenciado a habilidade das organizações de desenvolverem sua missão econômica, pelo fato de provocarem maior instabilidade e turbulência no ambiente em que as empresas operam [... ]

Todas essas mudanças têm agregado responsabilidade ao novo desenho das empresas mesmo as mais tradicionais. Com o decorrer dos anos a degradação ao meio ambiente exigiu uma política sócio-ambiental mais atuante, onde os órgãos reguladores desenvolveram um novo modelo de Gestão Ambiental, deixando de se preocupar apenas com a flora e fauna e dando ênfase também as questões empresariais. A sociedade tem conscientizado cada vez mais quanto à degradação ao meio ambiente que é provocada pelas empresas. O que está em questão para as


20

novas ações é que os órgãos reguladores têm feito para amenizar até mesmo resolver os problemas dos detritos jogados no meio ambiente. (Branco, 1989, p.90) No decorrer de muitos estudos, pesquisas e trabalhos realizados com profissionais especializados pôde-se perceber que mesmo com a ausência de varias implantações que deve ser feita, houve um avanço simbólico na Gestão Ambiental na Prefeitura de Vitória da Conquista, o projeto de Educação Ambiental que tem se estendido por todas as áreas, onde os colaboradores são meros multiplicadores. Além disso, o veículo de comunicação tem enfatizado sua vigilância nos comportamentos não éticos das corporações, sejam públicas ou privadas, por um lado, tem sujeitado as empresas a um maior comprometimento e responsabilidade social. Gonçalves (1990, p. 79) conceitua: [...] Consideramos que a Educação Ambiental para uma sustentabilidade eqüitativa é um processo de aprendizagem permanente, baseado no respeito a todas as formas de vida. Tal educação afirma valores e ações que contribuem para a transformação humana e social e para a preservação ecológica. Ela desenvolve a formação de sociedade socialmente justa e ecologicamente equilibrada, que conservam entre si relação de interdependência e diversidade. Isto requer responsabilidade individual e coletiva em níveis local, nacional e planetário. Portanto pode-se perceber que o homem junto às empresas não necessariamente precisará baixar seus custos, diminuir sua produção ou elevar seus custos. É preciso que produza com responsabilidade sócio-econômica respeitando o meio ambiente. E que estas ações não só individual, mas também coletiva; que toda a sociedade tem que ser interdisciplinar orientada para a resolução dos problemas locais.

Atualmente se sabe que a chave destes problemas apóia-se em boas medida nos fatores sociais econômicos e culturais que os provocam e que não será possível, por conseguinte, preveni-los ou resolvê-los com meios exclusivamente tecnológicos. Eis a questão colocada por Kim, será melhor prevenir ou resolver os problemas

existentes?

Cabe

a

cada

empresa/

sociedade/

organizações

responsáveis se é mais lucrativo o trabalho educativo e preventivo ou as conseqüências de uma má qualidade de vida em função de uma economia desequilibrada e futuramente quebrada por não saber produzir bem o futuro que o espera. (Guimarães, 2001, p. 89). É percebido que muitos participantes do mundo dos negócios não concordam com esta filosofia ou com a visão da forte influência política social no desempenho das empresas. A influência do meio ambiente afeta de forma diferente as pequenas,


21

médias, e grandes empresas e isto acarreta diferenças de percepção por parte das organizações. A verdade é que, mesmo não concordando e até se rebelando contra isso,

as

empresas

estão

tendo

que

comprometer

e

assumir

novas

responsabilidades, e com agravante de que a tendência futura é uma ampliação de seu espectro. (STEINER, 1979 apud DONAIRE, 1999, p. 39).

2.3.1 Auditoria Ambiental

A Auditoria Ambiental corresponde a um fator importante para política de minimização dos impactos ambientais das empresas e as reduções de seus índices de poluição, é uma atividade administrativa que compreende uma sistemática e documentada avaliação de como a empresa se encontra em relação à questão ambiental. Sua função caracteriza–se num critério essencial para que os investidores e acionistas possam avaliar o passivo ambiental da organização e fazer sua projeção para sua situação no longo prazo.O seu objetivo principal é que o sistema operacional funcione dentro dos padrões estabelecidos e que permita a utilização de mecanismo para melhorar essa performance. 2.3.2 Metodologia da Auditoria Ambiental

Segundo estudo de caso publicado pela UNEP/ IEO. Denominado “UNEP´sndustriy and Environment Office,” entre as atividades que são usualmente auditada incluem – se as seguintes: 

Política, responsabilidade e organização das tarefas.

Planejamento, acompanhamento e relatório das ações.

Treinamento e conscientização do pessoal.

Relações externas com os órgãos públicos e comunidades.

Planejamento de emergência e funcionalidade.

Fonte de poluição e sua minimização.

Economia de recursos.

Manutenção adequada.


22

2.4 EDUCAÇÕES AMBIENTAIS

Segundo Guimarães (1980) a Educação Ambiental apresenta uma nova dimensão a ser incorporada ao processo educacional, trazendo toda uma recente discussão sobre as questões ambientais, e as conseqüentes transformações de conhecimento, valores e atitudes diante de uma nova realidade a ser construída. O novo mundo que queremos mais equilibrado e justo, mas para isso acontecer, requer comprometimento pessoal e coletivo de educadores e educandos no processo de transformações sociais. Na concepção de Donaire ocorreu uma mudança muito grande no ambiente em que as empresas operam, as mesmas eram vistas apenas como instituições econômicas com responsabilidades referentes a resolver os problemas econômicos fundamentais (o que produzir como produzir e para quem produzir), têm presenciando o aparecimento de novos conceitos que devem ser desempenhados, como resultado das alterações no ambiente em que operam. Toda essa mudança baseia-se na assertiva de que, segundo Ashen (1970), apesar de visível o sucesso obtido pelo sistema capitalista, em conseqüência de uma eficiente combinação de ciência e tecnologia e de uma eficaz administração dos recursos, quando confrontamos seus resultados econômicos e monetários com outros resultados sociais, tais como educação da pobreza, degradação a área urbanas, controle da poluição, diminuição das iniqüidades sociais, entre outros, verifica-se que ainda há muito a ser conseguido e que crescimento do PNB – Produto Nacional Bruto não é e nunca será uma medida adequada para avaliar a desempenho social. “Os programas de gestão ambiental estabelecem as atividades a serem desenvolvidas, a seqüência entre elas, bem como quem são os responsáveis pela sua execução”. (DONAIRE, 1970, p.108). O conhecimento e a evolução do conceito de educação ambiental sempre estiveram ligados às direções que o meio ambiente tomava. Os dois temas estão integrados por estarem de formas a proteger e melhorar a natureza como um todo. Para Stapp et al. (1969 apud DIAS, 1991, p. 98), “a educação ambiental era definida como um processo que deveria objetivar a formação de cidadãos, cujos conhecimentos acerca do ambiente biofísico e seus problemas associados pudessem alertá-los a resolver seus problemas”.


23

A educação ambiental tinha como principal objetivo estruturar a consciência do cidadão para resolver os problemas do meio ambiente, além de capacitá-los para isso, O individuo, só poderia cuidar de algo que realmente conhecesse, para isso o autor conceitua com sábias palavras a educação ambiental como um processo que formava os cidadãos, fazendo de cada um conservador do meio ambiente, participado ativamente na busca de soluções cabíveis ao tema. {...} AIUCN – Internatinoal Union forthe conservtion of vature (1970) definiu Educação Ambiental como processo de reconhecimento de valores e clarificação de conceitos, voltados para o desenvolvimento de habilidades e atitudes necessárias à compreensão e apreciação das inter-relações entre o homem, sua cultura e seu entorno biofísico. (Dias, 1991p. 98)

A percepção do autor expressa bem às deficiências existentes, não é preciso grande exercício mental para verificar que as políticas públicas no Brasil têm sérios problemas para serem concretizadas, ou seja, para que se possam ver tênues resultados. Conseqüentemente, é inevitável falar em problemas de efetividade, fato que não aborda somente as políticas públicas, mas que envolve dispositivos constitucionais e leis infraconstitucionais. Ela representa a materialização, no mundo dos fatos, dos preceitos legais e simboliza a aproximação, tão intima quanto possível, entre o dever ser e o ser da realidade social. (PHILIPPI JR, 2004, p. 207) Para que se tenha maior conscientização do que é a Educação Ambiental é preciso que se transmitam aos seus reais valores, afim de que o individuo a reconheça como fato indispensável a sua qualidade de vida. A desmistificação de seus conceitos também é imprescindível para a melhor compreensão, tudo isso com um só objetivo: fazer vir a tona atitudes sistemáticas do homem, sua cultura e o meio ambiente, propondo uma inter-relação equilibrada, onde cada um sustenta o outro através de funções adequadas de preservações. [...] “a EA deve permitir a compreensão da natureza complexa do meio ambiente e interpretar a interdependência entre os diversos elementos que conformam o ambiente, com vistas a utiliza racionalmente os recursos do meio, na satisfação material e espiritual da sociedade, no presente e no futuro.” (Dias, 1991, p.99)

As novas esferas destacam lacunas para a construção de uma época mais civilizada e a conscientização do homem ao meio ambiente, o autor descreve. Outro aspecto de suma importância que envolve participação social e Educação


24

Ambiental, diz respeito à função do processo educativo como principal formador do indivíduo, a fim de possibilitar a sua participação efetiva. Somente compreendendo os riscos, benefícios e vantagens de determinado empreendimento é que o indivíduo poderá participar ativa e coincidentemente da decisão sobre problemas ambientais relevantes. (PHILIPPI JUNIOR, 2004, p.206). É fundamental a importância da união das pessoas em todo o mundo por esta causa. O meio ambiente tem sido usado e prejudicado de forma desmedida há anos, as conseqüências são desastrosas. Seus recursos têm se tornado escasso é muito os motivos que levam as maiores providências, dessas dependerá um futuro próximo, que muitas vezes está ainda despercebido pelas atividades errôneas que terão como conseqüência a falta de condições para sobreviver. “A EA deve capacitar ao pleno exercício da cidadania, através da formação de uma base conceitual abrangente, técnica e culturalmente capaz de permitir a superação dos obstáculos à utilização sustentada do meio.” (BERNARDES, 2001, p.120). Existem várias formas de preservar o meio ambiente e uma das propostas da Educação Ambiental é a sustentabilidade dos recursos naturais, através do seu uso adequado, é possível utilizar recursos e deixar lugar para que o mesmo renasça novamente, ou seja, no mesmo momento que se usa o recurso, deixa-se a oportunidade para que o mesmo retorne quer seja na terra, na água, etc. Deve–se ainda investir numa educação que estruture a cultura para que seja possível a intervenção aos problemas que o meio ambiente tem enfrentado, além de propor meios para que todos atuem de forma condizente afim de que toda utilização dos recursos naturais sejam devidamente planejado objetivando sua permanência e sustentabilidade na terra. Consideramos que a Educação Ambiental para uma sustentabilidade eqüitativa é um processo de aprendizagem permanente, baseado no respeito a todas as formas de vida. Tal educação “afirma valores ações que contribuem para transformação humana e social.” (GONÇALVES, 1990, p.154). Gonçalves ainda ressalta que a educação voltada para a sustentabilidade deve ser constante, levando-se em consideração as mais diversas formas de vida. È preciso que haja total conscientização e reformulação nas sociedades, que unida devem lutar e preservar os recursos naturais. O esclarecimento do modo de vida que propicie esta preservação também é de fundamental importância, pois se cada


25

um agir de forma a beneficiar o equilíbrio ecológico, as chances de construir uma qualidade de vida serão maiores.

2.5 GESTÕES AMBIENTAIS EM ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS

As

organizações

governamentais

deveriam

ser

as

primeiras

em

compatibilizar e conscientizar as atividades socioeconômicas com a proteção ambiental. [...] Elas representam uma pluralidade de estruturas, que não constituem necessariamente em um conjunto ordenado de agentes, tendo como características comuns o fato de terem se originado de uma mesma fonte, o Estado. Na maior parte dos casos, as estatais posicionam-se em ares específicas de atuação, em geral detendo o monopólio ou controle do mercado, em que empresas privadas teriam dificuldades devido à necessidade de manutenção de preços, tarifas e dimensões economicamente vantajosas. (TACHIZAWA, 2002, p.303)

Sem freios e planejamento as organizações públicas absorveram uma capacidade enorme no que diz respeito ao desenvolvimento econômico. “O setor de serviços públicos, dado seu extraordinário crescimento, influenciou a estagnação da capacidade do Estado em fazer frente a suas tradicionais atividades-fins como saúde, segurança,saneamento básico, educação, transportes, entre outras.” (TACHIZAWA, 2002, p. 303). As estratégias adotadas pelas organizações públicas acontecem de forma empírica, não planejada, e sem um controle visionando a dimensão em longo prazo. O fato que a regulamentação da lei é feita pelo poder público faz com que o mesmo caia no descaso induzido pela falta de planejamento. [...] O crescimento das estatais deu-se de forma pouco articulada e planejada, o que limitou as possibilidades de realizações de estratégias conjuntas, não só entre as diferentes esferas federal, estadual e municipal, como também entre órgãos da administração direta e indireta, reduzindo, com isso, a eficiência das políticas macroeconômica. (TACHIZAWA, 2002.p.304)

Os órgãos públicos desenvolvem para algumas áreas um excessivo critério nos processos, que julga ser de suma responsabilidade e importância, bem como seleção pública através de concursos, e quando se trata de questões ligadas ao


26

meio ambiente não utiliza dos mesmos critérios estratégicos com ações voltadas a importância ao meio. “A exigência de realização de concursos públicos para tal tipo de organização, necessariamente, exige estratégias especificas de gestão de pessoa voltada à implementação operacional de recrutamentos voltados à contratação de mão-de-obra de acordo a legislação vigente.” (TACHIZAWA, 2002, p. 304).

2.6 POLÍTICAS PÚBLICAS PARA GESTÃO AMBIENTAL

No decorrer do século XVII começaram a surgir às primeiras manifestações voltadas para as questões ambientais, ambientalistas, pesquisadores e estudiosos, passaram a não só a se preocupar com a fauna e flora, mas também com os dejetos, resíduos e lixos químicos, que eram depositados aleatoriamente no solo, rios , mares, ar, etc. Tudo surgiu com a expansão das indústrias a partir do século XIX . A Revolução Industrial trouxe vários problemas para o meio ambiente. Não é nenhuma novidade saber que os governantes não têm políticas preventivas, mas sim, corretivas, e não é diferente com as problemáticas encontradas no meio natural. Os governantes desempenharam algumas diretrizes que viabilizaram políticas voltadas aos problemas existentes. “Outros problemas ambientais também estão sendo tratados em escala global, dentre eles, desertificação, educação ambiental, e resíduos perigosos”. (BARBIERI, 2004, p. 47) Percebe-se que não existem políticas direcionadas ao desempenho das ações, e se elas não estiverem interagindo, estado – município, os problemas não serão sanados. Um dos maiores problemas que as organizações têm que administrar é a burocratização e falhas na legislação ambiental, que muitas vezes, acaba por não atuar nos processos decisórios de proteção ambiental. “E no interior dos Estados nacionais e de suas subdivisões, localidades, comunidades e organizações que ocorrem efetivamente as ações de gestão ambiental.” (BARBIERI, 2004, p. 56). A gestão ambiental também serve como um recurso que diretamente melhora a qualidade dos instrumentos e controla a produção excessiva de bens e serviços que contribuem na deterioração do meio ambiente.


27

Também denominados instrumentos de regulação direta, eles objetivam alcançar as ações que degradam o meio ambiente, limitando ou condicionando o uso de bens, a realização de atividades e o exercício de liberdades individuais, em beneficio da sociedade como um todo. (BARBIERI, 2004, p. 61)

O autor explana também sobre as questões fiscais, que tem sua relevância, de certa forma. “Os instrumentos econômicos procuram influenciar o comportamento das pessoas e das organizações em relação ao meio ambiente utilizando medidas que representem benefícios ou custos adicionais para elas.” (BARBIERI, 2004, p. 64). Pode ser considerado que os avanços tecnológicos e o desenvolvimento, não trouxeram apenas problemas, junto a eles surgiram algumas evoluções, que bem planejadas, dentro das políticas públicas, tem como resolver algumas problemáticas existentes. Uma dessas soluções seria a tecnologia, com medidas administrativas, educação ambiental e desenvolvimento sustentável, contribuirá para a melhoria das ações e seu condicionamento. “São os avanços no campo da ciência e tecnologia que vão possibilitar o surgimento de novos produtos e processos que aumentem constantemente a eficiência dos recursos produtivos e reduzam os níveis de emissão.” (BARBIERI, 2004, p. 74) È sabido que uma política pública engloba uma série de diretrizes, mas dentro da gestão, a educação ambiental é uma das práticas que fomentam e proporcionam medidas, tornando os indivíduos sensíveis e conscientes aos problemas ligados ao meio ambiente, além de se tornarem multiplicadores das ações de preservação entre a sociedade em relação ao meio ambiente. “Promover o senso de responsabilidade de urgência, com respeito as questões ambientais , que estimule as ações voltadas para resolvê-las ”. (BARBIERI, 2004, p. 76).

2.7 SECRETARIAS DO MEIO AMBIENTE

Ao poder público compete a responsabilidade de implantar a lei, garantindo opções para que a prática da Gestão Ambiental, educação ambiental, política pública sustentável se realize, informando, estabelecendo diretrizes, agindo de forma integrada, produzindo e divulgando materiais, proporcionando mecanismos de participação, formação de professores e outros profissionais garantindo ações


28

descentralizadas, disponibilizando recursos humanos e materiais, de forma participativa e inclusiva. A Secretaria do Meio Ambiente de Vitória da Conquista foi criada em dezembro de 2001, composto por um Conselho Municipal do Meio Ambiente (COMMAM). Todos os envolvidos no processo fazem parte do Poder Público e sociedades civis. O Conselho é formado por 32 pessoas , que estudam, avaliam e normativa os projetos e processos que evolve as questões ambientais. Compete também ao Conselho a elaboração do Código Municipal do Meio Ambiente. O código Ambiental do município encontra-se em processo final de elaboração. Um aspecto a ser analisado é a demora na regulamentação da lei, uma vez utilizado para licenciamento e fiscalização de projetos, isso sem abordar a evolução que proporcionaria a gestão ambiental. A Secretaria do Meio Ambiente junto a Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista desenvolve um novo modelo de gestão pública ambiental. Dentre os instrumentos políticos fomentados destaca o Parque da Serra do Periperi, Horto Florestal, Reserva do Poço Escuro, Coleta Seletiva (iniciativa do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome-MDS), e ainda este ano será implementado o mais novo projeto de educação ambiental elaborado pela Secretaria do Meio Ambiente, que é o projeto Sala Verde. Este viabiliza levar informação e conscientização aos estudantes, professores e a população da região Sudoeste. Outra conquista da Secretaria do Meio Ambiente é a implantação do fundo Municipal representado pelo COMMAM, dentre outros objetivos bem como a municipalização dos processos de licenciamento ambiental, que beneficiará todas as questões ligadas ao meio e principalmente o setor produtivo. A política Nacional de Educação Ambiental deverá ser executada pelos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Meio Ambiente (SISNAMA), pelas instituições educacionais públicas e privadas dos sistemas de ensino, pelos órgãos públicos da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, envolvendo entidades não governamentais, entidades de classe, meios de comunicação e demais segmentos da sociedade, mediante coordenação de órgãos gestores – Ministério do Meio Ambiente e Educação (arts. 1º e 2º do Decreto Regulamentador; art. 3º e 7º da Lei nº 9795/99). (PHILIPPI JR, 2004 p.204)


29

3 A RECICLAGEM DO PLÁSTICO

O plástico é utilizado em quase todos os setores da economia, tais como: construção

civil,

telecomunicações,

agrícola,

de

calçados,

eletroeletrônicos,

móveis,

alimentos,

automobilísticos,

têxtil,

lazer,

médico-hospitalar

e

distribuição de energia. Nestes setores, os plásticos estão presentes nos mais diferentes produtos, a exemplo dos geossintéticos, que assumem cada vez maior importância na drenagem, no controle de erosão e reforço do solo de aterros sanitários, em tanques industriais, entre outras utilidades. O setor de embalagens para alimentos e bebidas vem se destacando pela utilização crescente dos plásticos, em função de suas excelentes características, entre elas: transparência, resistência, leveza e atoxidade. Abaixo então relacionados todos os tipos de plásticos que caracterizam novos produtos:

3.1 POLIETILENOS TEREFTALATO — PET

Produtos: frascos e garrafas para uso alimentício/hospitalar, cosméticos, bandejas para microondas, filmes para áudio e vídeo, fibras têxteis, etc. Benefícios: transparente, inquebrável, impermeável e leve.

3.2 POLIETILENOS DE ALTA DENSIDADE — PEAD

*Produtos: embalagens para detergentes e óleos automotivos, sacolas de supermercados, garrafeiras, tampas, tambores para tintas, potes, utilidades domésticas, etc. Benefícios:

inquebrável,

resistente

a

baixas

temperaturas,

leve,

impermeável, rígido e com resistência química.

3.3 POLICLORETO DE VINILA — PVC

Produtos: embalagens para água mineral, óleos comestíveis, maioneses, sucos, Perfis para janelas, tubulações de água e esgotos, mangueiras, embalagens


30

para remédios, brinquedos, bolsas de sangue, material hospitalar. Benefícios: rígido, transparente, impermeável, resistente à temperatura e inquebrável.

3.4 POLIETILENOS DE BAIXA DENSIDADE — PEBD

O polietileno é usado para diferentes tipos de produtos finais, e para cada um deles são utilizados processos diferentes.

3.5 POLIETILENOS LINEAR DE BAIXA DENSIDADE — PELBD

Produtos: sacolas para supermercados e lojas, filmes para embalar leite e outros alimentos, sacaria industrial, filmes para fraldas descartáveis, bolsa para soro medicinal, sacos de lixo, etc. Benefícios: flexível, leve, transparente e impermeável.

3.6 POLIPROPILENOS — PP

Produtos: filmes para embalagens e alimentos, embalagens industriais, cordas, tubos para água quente, fios e cabos, frascos, caixas de bebidas, autopeças, fibras para tapetes e utilidades domésticas, potes, fraldas e seringas descartáveis. Benefícios: conserva o aroma, é inquebrável, transparente, brilhante, rígido e resistente a mudanças de temperatura.

3.7 POLIESTIRENOS — PS

Produtos: potes para iogurtes, sorvetes, doces, frascos, bandejas de supermercados, geladeiras (parte interna da porta), pratos, tampas, aparelhos de barbear descartáveis, brinquedos, etc Benefícios: impermeável, inquebrável, rígido, transparente, leve e brilhante.


31

3.8 PROCESSOS DE RECICLAGEM PLÁSTICA.

A questão ambiental está se tornando cada vez mais matéria obrigatória das agendas dos executivos. A internacionalização dos padrões de qualidade ambiental descritos na série ISO 14000, a globalização dos negócios, a conscientização crescente dos atuais consumidores e a disseminação da educação ambiental permite antever que a exigência futura farão dos consumidores conscientes em relação à preservação do meio ambiente e à qualidade de vida deverão está contido dentro do todo contexto de preservar o meio ambiente. Neste contexto, a empresa Cesbap, vem identificando dentro de todo o processo de reciclagem os resultados econômicos e resultados estratégicos do engajamento da organização na causa ambiental. Estes resultados não viabilizam de imediato a necessidade de que sejam corretamente planejados e organizados todos os passos para a interiorização da variável ambiental na organização para que ela possa atingir o conceito de excelência ambiental, trazendo com isso vantagem competitiva. O processo de reciclagem da empresa Cesbap tem vários segmentos, que se processa da seguinte forma: antes de todo o processo o material coletado por catadores, cooperativas entre outros é colocado em um galpão da empresa, dando início ao processo da reciclagem, funcionários da mesma, fazem este trabalho, que é

considerado o mais cansativo, pois todo lixo que

está naquele galpão é

totalmente misturado com outros tipos de materiais sólidos, um vez que a coleta seletiva ainda é precária em nossa cidade e a grande maioria dos catadores nunca foram treinados, e seus conhecimentos sobre o assunto são adquiridos na prática do dia a dia. Em seguida, logo depois da separação, inicia todo o processo maquinário da reciclagem dos plásticos da seguinte forma: Na cadeia de reciclagem dos Plásticos, esta fase e reconhecida como revalorização, durante esta fase o material coletado é moído, lavado e descontaminado estando pronto para ir para a aglutinação. As linhas de moagem, lavagem e descontaminação de materiais plásticos normalmente seguem o mesmo padrão. Exemplo: O material que é recebido vai para a esteira de entrada que alimenta o moinho, normalmente o material é moído com água. O Material vai para o tanque através de rosca, deste momento o material é lavado e descontaminado.


32

Após o tanque o material passa por um lavador que serve para enxaguar o material e vai para a secagem (superficial), em seguida o material é transportado pronto para serem aglutinados, formando assim a matéria-prima que dá origem ao produto final.

Figura 1 - Processos de Reciclagem de Plástico Fonte: Empresa CESBAP. 2008.


33

4 METODOLOGIA

4.1 CARACTERIZAÇAO DO ESTUDO

Mediante os objetivos presentes neste estudo, essa pesquisa se caracteriza como qualitativa descritiva. Esta abordagem tenta verificar, demonstrar e analisar todo o processo de reciclagem do plástico na empresa Cesbap, gerando assim, conhecimentos que poderiam passar despercebidos às pessoas, além de conectá-la ao contexto humano (TRIVIÑOS,1992). De acordo Chizzotti (2003, p. 221) uma pesquisa qualitativa refere-se a uma “[...] partilha densa com pessoas, fatos e locais que constituem objetos de pesquisa, para extrair desse convívio os significados visíveis e latentes que somente são perceptíveis a uma atenção sensível”. Segundo Triviños (1992), essa pesquisa capacita realizar estudos nos modos subentendidos do exercício em uma sociedade. Dessa maneira, esta modalidade de pesquisa tem como objetivo oferecer um maior conhecimento para o pesquisador “acerca do assunto, a fim de que esse possa formular problemas mais precisos ou criar hipóteses que possam ser pesquisadas por estudos posteriores” (GIL, 1999, p. 43). A pesquisa qualitativa na maioria das vezes envolve uma definição criteriosa de um acontecimento e da paisagem social pesquisada, não só das pessoas envolvidas, mas também, dos pesquisadores (ZAPELINI; ZAPELINI, 2007). A pesquisa desenvolvida será, portanto, do tipo descritiva que tem preocupação em mostrar a realidade de um conjunto de pessoas ou de um fenômeno em um contexto real, estabelecendo uma relação mútua entre as variantes, determinado ainda, um caráter de tais analogias sem se envolver com a explicação dos fatos apresentados (VERGARA 2000). De acordo Sâmara, Barros (2007) e Triviños (1992) este tipo de pesquisa tem a função de descrever certas comunidades em suas características, com o processo de amostra de dados que pode ser registrado com a entrevista feita com o sócio e administrador da empresa.


34

4.2 PROCEDIMENTOS METODOLOGICO

A pesquisa utilizou como método de investigação, levantamento de dados que segundo Lakotos e Marcone (2003, p. 225) “constitui etapas mais concretas da investigação, com a finalidade mais restrita em termos de explicação geral dos fenômenos menos abstratos. Pressupõem uma atividade e estão limitadas a um domínio particular.” A coleta de dados primários e as observações das atividades de desenvolvimento no processo de reciclagem foram feita através de entrevistas estruturadas com o coordenador administrativo da empresa.

4.3 SUJEITOS DA PESQUISA E AMOSTRA

O sujeito da pesquisa foi o processo de reciclagem na empresa Cesbap, localizada em Vitória da Conquista, Bahia, localizada no centro Industrial dos Imborés. O instrumento de coleta de dados será uma entrevista, o questionário que consiste em uma “[...] Técnica de investigação composta por um número mais ou menos elevado de perguntas apresentadas oralmente ao gerente administrativo, tendo por objetivo o conhecimento de opiniões, crenças, sentimentos, interesses, expectativas, situações vivenciadas. A entrevista foi feito oralmente este instrumento de coleta de dados teve como objetivo conhecer todo o processo da reciclagem plástica da empresa Cesbap, analisando as contribuições que este trouxe para a sua atuação no mercado de restauração e transformação do plástico, e ainda, conhecer todo o processo da transformação do lixo até a chegada do produto final. A entrevista foi de 20 questões objetivas, que contemplava os seguintes pontos: o processo de reciclagem, as barreiras e oportunidades que a empresa tem em está trabalhando com resíduos plásticos, perspectivas de expansão e diversificação da reciclagem, como processam as políticas gerenciais de produção da empresa, quais os beneficio que a

empresa tem

quando esta recupera e

preserva o meio ambiente, análise de como o município de vitória da conquista contribui para as empresas da cidade que trabalham a partir da coleta de lixo na coleta dos lixos, qual

situação

atual

do mercado de reciclagem para os


35

profissionais de pequena e médio porte.tudo dentro de uma contextualização de mercado para a empresa. Assim sendo, como coloca Buchholz (1989), uma quantidade crescente de atenção, por parte das organizações, tem se voltado para o Problemas que vão além das considerações meramente econômica , atingindo um espectro muito mais amplo, envolvendo preocupações de caráter político-social, tais como proteção ao consumidor, controle da poluição,segurança e qualidade de produtos . 4.4 ANÁLISES DOS DADOS

Os dados coletado para ser analisado, foi obtido a partir de entrevistas, as quais estavam estruturados, com o objetivo de tentar conhecer todo o processo de reciclagem do plástico da empresa Cesbap, como também, o grau de satisfação dos mesmos a respeito do mercado de trabalho e as oportunidades que são oferecidas a empresa, quando esta trabalha com o material reciclado. Foram questionados os aspectos ambientais, financeiro, social, planos de ação e estratégicas ecológicas da empresa. Ainda nesta pesquisa tentou-se identificar qual a contribuição que a empresa vem oferecendo a comunidade com as áreas degradadas da sua região, de onde são coletado todo o lixo que é transformado em matéria prima, contemplando uma auto-avaliação do material reciclado. Além disso, a pesquisa abordou aspectos relacionados à atuação dos funcionários, sobre coma é feito o aperfeiçoamento do seu pessoal no para trabalhar com a reciclagem, nos seguintes aspectos:catação trituração, separação do lixo para ser transformado, quais as barreiras encontradas no município, no apoio do governo, em programas de financiamentos, impostos e legislação. Através desta pesquisa foi feito um levantamento de como seria distribuído o investimento, quais seriam seus custos fixos e variáveis, qual seria o nível de tecnologia de informação agregado ao processo de reciclagem que a empresa adota, de que maneira eram adotadas as políticas gerenciais de produção da Cesbap. No final de toda a pesquisa, perguntamos quais seriam as perspectivas de expansão e diversificação da reciclagem para a empresa e de que forma os aspectos da gestão ambiental da empresa estavam favorecendo o processo da reciclagem na cidade de Vitória da Conquista e região. O processo de reciclagem é muito amplo, no qual existe um mercado de trabalho promissor e competitivo, requerendo das empresas comprometimento,


36

responsabilidade social, recuperação do meio ambiente, desenvolvimento e recomendação de melhorias ambientais nas áreas influenciadas por atividades industriais dentro e fora dela, qualificações e conscientização de profissionais, tornando-os competentes e comprometido com a preservação do meio ambiente


37

5 RESULTADOS DA PESQUISA

A empresa Cesbap (Quadro 1) é uma recicladora que faz todo o processo de reciclagem do plásticos e que hoje conta com 50 funcionários, alvará de licença de funcionamento, concedido pela a Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista e Licença Ambiental Simplificada, concedida pelo centro de Recursos Ambientais – CRA. Tendo como atividade econômica principal o processo de fazer a reciclagem do plástico, para suprir as necessidades de recolhimento recuperação de resíduos plásticos lançados no meio ambiente com a finalidade de obter um novo recurso de material, para uma possível reutilização posteriormente já como matéria – prima que serve para novos produtos, que são produzidos pela a própria empresa e que são fornecidos para outras indústrias do mercado nacional.

Nome da Empresa

Cesbap – Cento Sul Bahia Plástico Ltda

Razão Social

Cesbap

Endereço

BR 106 QD. I Lot II centro Distrito Industrial dos Emborés

CNPJ

05.909.459/0001-26 Quadro 1 – Qualificação e identificação da empresa Fonte – Pesquisa da autora

A empresa ficou um tempo desenvolvendo equipamentos para aperfeiçoar o processo de reciclagem, percebendo que as oportunidades que estavam tendo eram equivalentes aos custos que precisavam para manter sua reciclagem, onde a empresa com o seu material reciclado competiria com o mesmo mercado da concorrência, uma vez que produtos gerados a partir dos reciclados são comercializados em paralelo àqueles gerados a partir de matérias-prima virgens. De acordo com Kotler e Armstrong, (1993), a oportunidade é uma área de atração para ações que possibilita a obtenção de uma vantagem competitiva para uma empresa. Dentro de uma visão dinâmica, a competitividade deve ser entendida como a capacidade de uma empresa tem em formular e diferenciar estratégias que, lhe permita conservar de forma duradoura uma posição sustentável no mercado. A motivação para entrada desta área foi o fato de percepção que a empresa teve, quando começou comercializar os produtos constituídos através da reciclagem,


38

geravam empregos para a população, não só para aqueles de qualificação como também aos não qualificados, pois a reciclagem é fruto da oportunidade e que foi percebida pela a empresa de transformar esta grande disponibilidade de materiais recicláveis descartados em uma fonte de renda, de inclusão social e uma ferramenta eficaz de preservação ambiental. A partir desse momento, a empresa começa estabelecer que estaria inserida dentro de um contexto de sustentabilidade social, coordenando

e

desenvolvendo

a

política

trabalhadores

de cooperativas e catadores,

do

ambiental,

dando segmento

beneficiando

os

ao processo de

reciclagem sem degradar o meio ambiente, propondo planos para novos projetos e/ou modificações, inserindo o processo produtivos que economize recursos e não provocam riscos ao meio ambiente. Compromisso da gerencia e do pessoal com a proteção ambiental é reconhecer que sua responsabilidade para com a sociedade e para com o público em geral vai muito além de suas responsabilidades com seus clientes. Manter os compromissos, reduzir o volume de resíduos sólidos, buscando o compromisso de pontualidade, qualidade e eficiência em seu produto e em sua logística. Segundo, Robert O. Anderson (1982) As empresas não são mais vistas como uma instituição com propósitos simplesmente econômico, voltada apenas para o desenvolvimento e venda de seus produtos e serviços. Dentro deste contexto, a empresa Cesbap visualiza-se, também sua preocupação em relação à responsabilidade social, estando inserida em sua tradição e postura responsável perante a sociedade a partir da realização de serviços, e do compromisso com as comunidades onde suas unidades operam, já que além de prezar pela responsabilidade de cumprir com suas obrigações legais, procura estendê-la a sociedade. A empresa não revelou a quantidade mensal reciclada, o sócio e administrador da empresa entrevistado apenas afirma que, para uma recicladora de plástico é viável economicamente, se trabalhar com processo de reciclagem plástica. Os fornecedores da empresa Cesbap são catadores, coletas seletivas, intermediários (existem muitos) Um dos motivos da empresa ter fornecedores em toda cidade é a sazonalidade do mercado (cai um pouco no inverno e no verão a produção aumenta, desta forma a uma variação no processo da reciclagem em determinadas estação do ano). O processo da reciclagem se dá seguinte forma:


39

Na cadeia de reciclagem dos Plásticos, esta fase é reconhecida como revalorização, durante esta fase o material coletado é moído, lavado e descontaminado estando pronta para ir para a aglutinação. As linhas de moagem, lavagem e descontaminação de materiais plásticos normalmente seguem o mesmo padrão. Exemplo: O material é recebido e vai para a esteira de entrada que alimenta o moinho, normalmente o material é moído com água. O Material vai para o tanque através de rosca, deste momento o material é lavado e descontaminado. Após o tanque, o material passa por um lavador que serve para enxáguá-lo e vai para a secagem (superficial), em seguida o mesmo é transportado, pronto para serem aglutinados, formando assim, a matéria-prima que dará origem ao produto final. Dentre todas estas formas de se fazer a reciclagem, a empresa possui um desgaste das máquinas, que consequentemente quebra a produção devido à utilização de plástico reciclado, que às vezes causa problemas de contaminação. Cada parada de produção significa perda de tempo e de material, tanto o material que está contaminado, como o material que se perde normalmente ao dar-se partida na máquina. Com uma tecnologia mais moderna, é possível minimizar as paradas do equipamento, mas a cesbap ainda não dispõe desta tecnologia. . A partir deste processo, que a empresa fabrica seus produtos, como: Mangueira Gristal, Mangueira Jardim, Mangueira Preta, Mangueira Corrugada, Frascos Pláticos, Frascos Pláticos, Químico Branco e Frascos, Pláticos Químico reciclado. Como relação ao PET, o sócio-proprietário da Cesbap, nos afirma que reciclagem do PET é muito difícil, tanto que foram as empresas produtoras de PET que desenvolveram o processo. O PET é um dos plásticos que possui maior resistência mecânica e por isso exige equipamentos especiais, diferentes dos comuns existentes para a reciclagem dos outros tipos de plástico que a empresa trabalha. A empresa Cesbap, atualmente possui uma tecnologia que agrega as suas necessidades e estes equipamentos consistem em máquinas Extrusoura voltada para a produção de eletrodutoflexível, sopradora (produção de frascos plásticos), além de uma linha de recuperação de plásticos, que consiste em uma lavadora de 2º estágio de lavagem, uma secadora uma turbina para transporte de plásticos


40

recuperados para armazenagem, dois aglutinadores, uma Extrusora de recuperação com aglutinador e um afiatriz (aviador de facas). De acordo o que foi dito pelo sócio e proprietário da empresa Cesbap, o mercado de reciclagem sobe oscilações, por este motivo é que se encontra os pontos fracos e fortes dentro da empresa, e que podem ser separadamente encontrados no processo de reciclagem. Com relação aos pontos fortes, a empresa apresenta uma montagem de toda a infra-estrutura necessária da logística da coleta do material, da entrega do produto. A mesma está equipada com todo equipamento necessário para o processo de reciclagem com eficiência e qualidade, possibilitando reduzir substancialmente o volume dos resíduos urbanos a serem dispostos. Além dos aspectos ambientais positivos

obtidos,

a

reciclagem

é

uma

atividade

que

pode

ser

viável

economicamente, capaz de gerar lucros, assim como, gerar empregos. Para a cesbap, os pontos fracos estão contidos na ausência de importância que o município tem com a coleta seletiva, o que onera o custo e que muitas vezes torna inviável essa forma de reciclagem, a falta do fornecimento continua e homogêneo de matéria – prima é outro reflexos da inexistência do sistema de coleta seletiva. A grande maioria dos catadores nunca foram treinados, e seus conhecimentos sobre o assunto são adquiridos na prática, ausência de linhas de financiamentos direcionadas as recicladoras. É importantes e decisivos para a reciclagem de quantidade significativa de plásticos a: criação de mercado consumidor para os produtos reciclados, e o IPI Imposto sobre Produtos industrializados – que acaba (bi- tributando) os reciclado sendo atualmente de 12%, valor superior ao da própria resina virgem que paga 10% de IPI resultando praticamente num desestímulo a reciclagem. Embora as pessoas estejam dispostas a serem consumidores conscientes e a colaborar com a preservação do meio ambiente, as mesmas rejeitam de forma geral produtos reciclados, julgando – os de má qualidade. São poucos os produtos fabricados com plásticos, cujo o marketing se baseia nesta característica, porém e bom lembrar que existe e que muita vez atrapalha o produção e o desenvolvimento de uma empresa. Contudo, a empresa também enfrenta grandes oportunidades, que são oferecidas pela reciclagem do resíduo plástico, que é atividade rentável e de crescimento contínuo, onde a demanda por este tipo de material é grande, maior do


41

que a Cebasp pode atender. A transformação com os plásticos reciclados possibilita a redução de custo, uma vez que o plástico reciclado é uma matéria – prima de baixo custo. Outra oportunidade é que para a fabricação de nossos produtos, a reciclagem é de fundamental importância, pois a redução de custo proporcionado pelo uso do plástico reciclado em relação ao uso da matéria virgem garante a sobrevivência e a competitividade da empresa no mercado. Dentre as barreiras encontradas a cesbap, está à qualidade do resíduo plástico, pois estes no momento da coleta são encontrados com metais, pedras etc. Além disso, a falta de informação por parte dos catadores, sucateiros muitas vezes dificultam o processo de separação, até por que o nosso município ainda não possui o com eficiência o sistema da coleta seletiva. Os problemas mais comuns para a reciclagem dos resíduos plásticos estão relacionados à implantação de um sistema de coleta seletiva e a processos para a adequada separação de materiais plásticos do lixo. Estes problemas são:  A escassez de empresas interessadas em comprar o material separado;  As grandes distâncias que, às vezes, separam o município do mercado  Comprador;  A dificuldade em separar corretamente os diferentes tipos de plástico;  A difícil tarefa em garantir um fornecimento contínuo de matéria-prima de boa qualidade aos compradores. De modo geral, a nossa empresa sente a falta de apoio do governo, de programas de financiamentos que possibilite que micro e pequenas empresas invistam e comprem equipamentos. . Além disso, a legislação não incentiva ainda a reciclagem do plástico e, segundo as empresas Cesbap, a carga de impostos é grande, dificultando muitas das vezes o crescimento econômico. Mesmo com todas as dificuldades que a empresa encontra, vem trabalhando de forma eficiente com a concorrência do seu mercado, através da formação do preço de venda do produto final, sejam sacolas recicladas ou mangueiras recicladas para irrigação etc. Assim, vem sempre buscando inovar seus processo produtivo através de estágio de técnicos das empresas fornecedoras de equipamento, revista especializadas da área, feiras e eventos nacionais cursos oferecidos pela petroquímica, sebrae, sesi, sesc e, participação em palestras esporádicas realizadas na cidade. A constituição final do produto a ser comercializado se da através do


42

controle de qualidade na sua maioria utilizando norma s técnicas fornecidas por órgão Federal publico como as ABNT`s. Segundo o sócio administrador da empresa Cesbap, o aperfeiçoamento dos seus funcionário e os investimentos que a empresa faz para com os mesmos, refletem em minimização de custos e desperdícios de materiais. Sendo assim, seus custos fixos e variáveis do processo de reciclagem são controlado e definidos como o único custo fixos que é considerado como tal no processo de reciclagem é a mão de obra. Já os outros custos, como energia, água e insumo são variáveis, pois dependem do estado que se encontra a matéria prima. Dando segmento aos custos, o nível de tecnologia de informação agregado ao processo na empresa são os seguintes, CLPs, que são freqüentemente definidos

como

miniaturas

de

computadores industriais que contém um hardware e um software que são utilizados para realizar as funções de controles. Um CLP consiste em duas seções básicas: a unidade central de processamento (CPU – central processing unit) e a interface de entradas e saídas do sistema. Com todo o investimento que vem sendo implantado na empresa, suas perspectivas de expansão e diversificação da reciclagem estão no processo mais atrativo. É a reciclagem de PET, pois a quantidade jogada no meio ambiente é inaceitável para os índices de controle, mas o processo da reciclagem ainda não é dominado por muitos e, o desenvolvimento tecnológico para tal ainda está sendo aprimorado. Para o administrador todo desenvolvimento que a empresa vem alcançando estão inserido nas políticas gerenciais da empresa, mas que é necessário perceber que tudo depende da demanda do mercado e dá relação de custo / beneficio de cada produto para empresa individualmente mesmo que a demanda seja alta. O estudo de casos realizado através de entrevistas com a empresa recicladora de resíduos plástica e transformadora desses resíduos reciclados em produtos foram obtidas através das informações fornecidas pela empresa que tinha interesse na reciclagem de plásticos que permitiram a empresa alcançar o objetivo geral e os objetivos específicos.. Como resposta ao objetivo específico, caracterizar o elo reciclagem/ transformação de resíduo plástico procurando identificar diferenças existentes entre a reciclagem de PP, PEAD, PEBD, PET, PVC e PS, pode-se dizer que a empresa estudada trabalha com vários e pequenos fornecedores de resíduos plásticos, que


43

são em geral, sucateiros, usinas de triagem e catadores. Foi percebido durante e depois da entrevista que o processo de reciclagem do plástico permite a existência de empresa do mercado e que a mesma vem cada dia aperfeiçoando e fazendo o diferencial da atividade de reciclagem de resíduos plásticos, através de uma política nacional e regional, é de extrema importância para o seu desenvolvimento tecnológico, difusão de informação, maior qualificação e ampliação do seu mercado. Durante a pesquisa, foram encontrados alguns trabalhos acadêmicos (Steffani e Finkler, 1999; Nascimento, Pacheco e Dias, 1996, Mano e Bonelli, 1994; Soares e Castanhel, 1998) abordando a tecnologia de reciclagem de resíduos plásticos, mas não se percebe a interação entre universidades e empresas. Além destas publicações, segundo o CEMPRE (1998), o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) identificou, no fim de 1998, que cerca de 300 pesquisadores no Brasil estavam desenvolvendo 150 projetos na área de pesquisa em reciclagem, sendo que 90% dos grupos estavam dentro de universidades e os 10% restantes eram de institutos de pesquisa privados e órgãos do governo (Gráfico 1), o que demonstra a existência do desenvolvimento de tecnologias no Brasil, mas que não são buscadas pelos empresários. A identificação e a divulgação destas pesquisas podem oferecer oportunidades de crescimento e desenvolvimento para as empresas que atuam nessa área e de exploração para futuros negócios.

Projeto na área de pesquisa em reciclagem

10%

90%

Grupos estavam dentro de universidades Institutos de pesquisa privados e órgãos do governo

Gráfico 1 – Projeto na área de pesquisa em reciclagem Fonte – Pesquisa da autora (2008)

A humanidade tornou-se uma geradora compulsiva de lixo. Tudo em algum momento vira lixo. Demandamos muita matéria-prima e energia do meio ambiente e


44

devolvemos como lixo de volta para o mesmo meio ambiente. É uma troca injusta e desequilibrada. Em algum momento teremos que pagar essa conta,como ponto de partida hoje muito se discute sobre as melhores formas de tratar ou eliminar o lixo, seja ele industrial, comercial, doméstico, hospitalar, nuclear, tecnológico, entre outros que surgem a todo o momento,desta forma temos alguns dados reais da situação :Das 228 mil 413 toneladas de lixo coletadas diariamente no Brasil, segundo dados de 2000, apenas pouco mais de 4 mil, ou seja, 1,9% do total, passam por uma seleção antes de chegar ao destino final.São Paulo, com 82 municípios que dispõem do serviço, é proporcionalmente, o quinto Estado do País no ranking de coleta seletiva. Rio Grande do Sul lidera, com 138, ou seja, 29,6% do total de municípios. Já a Paraíba tem só um município que faz coleta seletiva, fazendo com que apenas 0,1% do lixo coletado passa por um processo de seleção. O Estado do Rio Grande d o Sul, por exemplo, já recicla 27,6% do plástico pósconsumo, um número que supera a média européia de 22% e as taxas observadas em países como Suécia (20%) e Bélgica (26%).outros Estados também já apresentam índices significativos, como é o caso do Ceará, onde a reciclagem do plástico pós-consumo já chega a 21,4%. No Rio de Janeiro, esse número é de 18,6%, enquanto a região da Grande São Paulo registra 15,8%. Em Minas Gerais a taxa de reciclagem é de 11,6% e, na Bahia, de 9,4% (Gráfico 2). Das 228 mil 413 toneladas de lixo coletadas diariamente no Brasil, segundo dados de 2000, apenas pouco mais de 4 mil, ou seja, 1,9% do total, passam por uma seleção antes de chegar ao destino final.

Índice de lixo coletado diariamente no Brasil

9,40% 29,60%

11,60%

15,80% 21,40%

18,60%

Rio Grande do Sul

Ceará

Rio de Janeiro

Grande São Paulo

Minas Gerais

Bahia

Gráfico 2 – Projeto na área de pesquisa em reciclagem Fonte – Pesquisa Cesbap (2000)


45

A Cesbap é uma empresa de reciclagem que está no mercado com o objetivo de fornecer produtos plásticos de alta qualidade sob medida para os clientes mais exigentes e, com isso, se tornar referencial na recuperação de resinas plásticas em Vitoria da Conquista e região. Através da pesquisa de dados, feita com a empresa Cesbap,percebemos que, a empresa ainda não trabalha com a reciclagem do PET, devido farios fatores como

custo de maquinas entre outros, mas que esta idéia está sendo

amadurecida,pois atualmente, só na Bahia, o mercado de reciclagem do recipiente tipo Pet (Polietileno Tereftalato) movimenta R$1,65 milhão por ano.Segundo o presidente da Bahia uma das empresas pioneiras no ramo e uma das maiores do país –, Roberto Carlos Souza, a tonelada do material custa em média R$1,1 mil e no estado são vendidas aproximadamente 1,5 mil toneladas desse tipo de plástico em cada 12 meses. Este volume é 400% maior que as 300 toneladas que eram comercializadas em 2003, a um preço médio de R$200. A valorização do produto chegou a 450%. Um fato que deve aquecer ainda mais esse mercado é a liberação, por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), da produção de embalagens de alimentos usando o PET, a empresa Cesbap considera a reciclagem de PET um bom negócio, que, segundo ela, tem um incremento de 20% ao ano e a tendência é melhorar ainda mais. “Agora que o material poderá ser reutilizado para embalar alimentos, a empresa poderá implantar e ampliar rapidamente a produção.


46

6 CONCLUSÃO

Sabe-se que o consumo e a produção excessiva geram a escassez dos recursos naturais e que o mundo não se sustentará neste ritmo alarmante conduzido pelo

vigente

modelo

econômico

capitalista.

Sendo

assim,

noções

de

desenvolvimento sustentável vêm sendo discutidas e aplicada em diversas organizações empresarias. No decorrer da pesquisa feita com a empresa Cesbap, ficou visível a atuação da mesma no mercado econômico de vitória da Conquista e região. A Cebasp vem cada vez mais aperfeiçoando toda sua tecnologia no processo da reciclagem, desenvolvendo metodologias de analises e desempenho para buscar a qualidade de seus produtos mesmo encontrando barreiras e concorrentes, até por que o processo de reciclagem é visto atualmente como uma grande oportunidade de negócio, a partir de uma perspectiva já sendo adotada como uma possibilidade de um novo tipo de organização desenvolvida em bases de modernização social, econômica, cultural e ambiental mais sustentável. Durante a pesquisa foram percebidas as ações positivas desenvolvidas pela Cesbap, uma vez que todo o processo de reciclagem que a mesma vem desenvolvendo é decorrente de muitas mudanças e oportunidades no ambiente em que opera, também foram verificado como a Cebasp vem trabalhando para reduzir substancialmente o volume dos resíduos urbanos, permitindo a recuperação de valores contidos nesses resíduos, que de outra forma, seriam perdidos. Neste sentido, a empresa Cesbap desempenha o seu papel social e cultural, através de ações sustentáveis evitando a degradação do meio ambiente. Com o fim desta pesquisa, foi percebida a importância de como são desenvolvido todo o processo de reciclagem na empresa Cesbap em Vitória da Conquista, e sua importância dentro do mercado, onde a mesma pensa futuramente desenvolver a produção de Tubos Flexíveis de PVC e PELBD e Produtos de Tubos Corrugados de PVC e PEAD – novas linhas de produção de tubos, cujo processo é bastante conhecido, estando programada de novos e modernos equipamentos, tendo em vista o conhecimento já adquirido pela a empresa e a demanda do mercado por produtos de qualidade e durabilidade, utilizando – se de matéria - prima virgem, cujo processo é semelhante aos anteriores já citados na pesquisa, porém


47

com o uso de tecnologia de ponta e alta produtividade, com menos consumo de energia elétrica e praticamente sem perda no processo, o que já faz parte do contexto da empresa não desperdiçar nada e sim recuperar tudo dentro de um padrão de qualidade e eficiência.


48

REFERÊNCIAS

ANDRADE, Rui Otávio Bernardes de; TACHIZAWA, Takeshy; CARVALHO, Ana Barreiros de. Gestão ambiental: enfoque estratégico aplicado ao desenvolvimento sustentável. 2. ed. São Paulo: Makron Books, 2002. BECKER, Dinizar Fermiano (Org). Desenvolvimento sustentável: necessidade e/ou possibilidade? 4. ed. Santa Cruz do Sul: EDNISC, 2002, 241 p. CAVALCANTI, Clovis (Org). Meio Ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas públicas. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002. CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sócias: Evolução e desafios. Rev. Portuguesa de Educação, n.1 v.16 p.221 -236. 2003 DONAIRE, Denis. Gestão ambiental na empresa. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

ROMEIRO, Ademar; REYDON, Bastiaan Philip; LEONARDI, Maria Lucia Azevedo. Economia do meio ambiente: teoria, políticas e a gestão de espaços regionais. 3. ed. Campinas: Unicamp, 2001. SÂMARA, B. S.; BARROS, J. C. Pesquisa de marketing: conceitos e metodologia. 2. ed. São Paulo: Makron Books, 1997. SERRANO, Célia Maria de Toledo; BRUHNS, Heloisa Turini (Orgs.). Viagens à natureza: Turismo, cultura e ambiente. Campinas: Papirus, 1997. TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1992. VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000. ZAPELINI, M. B; ZAPELINI, S. M. K. C. Metodologia científica e da pesquisa para o curso de Administração, Florianópolis: 2007. Disponível em: < http://www.faculdadesenergia.com.br/manual_trabalhos/normas_metodologia pdf>. Acesso em: 09 jun. 2008


49

PÊNDICE - ROTEIRO DA ENTREVISTA

Esta pesquisa está sendo aplicada na empresa cesbap – Cento Sul Bahia Plástico Ltda, nome fantasia Cesbap, localizada na BR 106 QD. I Lot II centro Distrito Industrial dos Emborés Vitória da Conquista – BA

1. Qual é a estrutura da empresa Cesbap? 2. Como surgiu a necessidade de reciclar? 3. Quais os objetivo e meta da empresa? 4. Qual a seqüência de produtos da empresa? 5. Quais os pontos fortes e fracos da empresa no processo de reciclagem? 6. Quais as oportunidades e barreiras que a empresa encontra? 7. Quem são seus fornecedores? 8. Onde ficam estes mercados? 9. Como se processa a concorrência do mercado? 10. Onde os gestores buscam informações para aperfeiçoar o processo produtivo? 11. Como são os custos fixos e variáveis do processo de reciclagem? 12. Qual o nível de tecnologia de informação agregado ao processo? 13. Quais as perspectivas de expansão e diversificação da reciclagem? 14. Como se processam as políticas gerenciais de produção da empresa? 15. Onde os gestores buscam informações para aperfeiçoar o processo produtivo? 16. Como são os custos fixos e variáveis do processo de reciclagem? 17. Qual o nível de tecnologia de informação agregado ao processo? 18. Quais as perspectivas de expansão e diversificação da reciclagem? 19. Como se processam as políticas gerenciais de produção da empresa? 20. Como é a estrutura organizacional da empresa?


50

ANEXOS


51

ANEXO I - VISÃO GERAL DA UNIDADE PRODUTIVA

ANEXO II – PRODUÇÃO GARRAFA DE IOGURTE

ANEXO 2 FOTOS DO PROCESSO DE RECICLAGEM


52

ANEXO III - MÁQUINAS QUE EXECUTAM O PROCESSO DA RECICLAGEM

ANEXO IV - PLÁSTICO JÁ SELECIONADO PARA SER RECICLADO


53

ANEXO V - PROCESSO DE SEPARAÇÃO DO PLÁSTICO A SER RECICLADO

ANEXO VI - LAVAGEM DO PLÁSTICO QUE SERÁ RECICLADO


54

ANEXO VII - MAQUINÁRIOS DA EMPRESA QUE TRANSFOR A MATÉRIAPRIMA EM PRODUTO FINAL


M0593