Issuu on Google+

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS

KATIÚSCIA BATISTA LEMOS

CONTROLE E GERENCIAMENTO DE ESTOQUE: um enfoque na empresa Falcão Calçados Ltda

VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA JUNHO - 2006


KATIÚSCIA BATISTA LEMOS

CONTROLE E GERENCIAMENTO DE ESTOQUE: um enfoque na empresa Falcão Calçados Ltda Monografia apresentada ao Curso de Ciências Contábeis da Faculdade Independente do Nordeste – FAINOR, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Orientador: Prof. Ms. Antônio dos Santos

VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA JUNHO - 2006


B333c

Lemos, Katiuscia Batista O controle e gerenciamento de estoque: um enfoque na empresa Falcão Calçados Ltda. / Katiuscia Batista Lemos. – Vitória da Conquista, 2006. 41 f. Monografia (Graduação em Ciências Contábeis) Faculdade Independente do Nordeste. Orientador: Antonio dos Santos. 1. Controle de estoque. 2. Planejamento. 3. Cliente. 4. Mercadorias. I. T. CDD :658.5

Catalogação na fonte: Bibliotecária Sônia Roque

CRB- 5/1203


FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE

FOLHA DE APROVAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

KATIÚSCIA BATISTA LEMOS

CONTROLE E GERENCIAMENTO DE ESTOQUE: UM ENFOQUE NA EMPRESA FALCÃO CALÇADOS LTDA

Monografia do Curso de Ciências Contábeis da Faculdade Independente do Nordeste – FAINOR, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Aprovado em ____/____/____.

BANCA EXAMINADORA

Nome: Prof. Ms. Antônio dos Santos Assinatura:__________________________________________________________

Nome: Prof. Josenaldo de Souza Alves Assinatura:__________________________________________________________

Nome: Prof. Dirley A. Bonfim Assinatura:__________________________________________________________


Dedico ao meu querido filhote Iago, o grande amor da minha vida, por me ensinar tantas coisas, principalmente a valorização do ser humano. Meu bebezinho eu te amo muito.


AGRADECIMENTOS

Primeiramente a DEUS, por ter me dado coragem e perseverança nessa trajetória me iluminando e me guiando, sempre ao meu lado. Ao meu pai Loy a minha mãe Dadau e meus avós Valda e Badú, por terem me ensinado a importância da vida, como conduzir os meus passos e decisões, que sem eles eu não estaria hoje realizando o maior sonho da minha vida. A minhas irmãs Tiane e Tiara por me compreenderem nos meus momentos de agonia. Aos meus eternos amigos por me servirem nas horas que precisei, sempre com os braços abertos e com muito carinho. Aos meus colegas acadêmicos, principalmente a Ritinha, Karla, Micheli, Neiva e Warley. Aos meus amigos de trabalho, pela força e compreensão nos momentos difíceis me ajudando a vencer barreiras, em destaque Maxwell e Ivilton, meus parceiros, que tanto estimo. Ao meu orientador Antônio dos Santos. E por fim ao meu amor, JÚNIOR, o meu companheiro de todas as horas, a pessoa que mais me incentivou nessa jornada, sem você e sem o seu apoio eu não estaria conquistando essa vitória.


“Eu penso que minha verdadeira ambição é passar para os outros o que sei. Sabe, tomou-me muito tempo, muito tempo, aprender o que eu sei agora, e não quero que isso morra comigo. Eu gostaria de passar isso para os jovens.” Frank Sinatra


RESUMO

O presente estudo tem como principal objetivo apresentar contribuições da contabilidade gerencial para o controle e gerenciamento de estoque na empresa Falcão Calçados Ltda., acerca de ferramentas básicas para alcançar as situações pretendidas pela empresa. A estrutura de um controle de estoque deve refletir a maneira como as atividades são distribuídas e como é feito esse gerenciamento, tudo visando atingir a eficácia. É necessário avaliar a estrutura de controle implantada, principalmente quanto ao alcance dos objetivos, quando se deseja atingir níveis de serviços estabelecidos pelos clientes e minimizar os custos de manutenção dos mesmos. Definir uma maneira mais apropriada para o atendimento dos níveis de serviço ao cliente, que constitui um dos fatores críticos para o sucesso da empresa. O maior desafio do gerenciamento do estoque é manter o equilíbrio dos recursos expressos pelo inventário, destinado a suprir as necessidades futuras de material da organização, com o nível ótimo de investimento, planejando e controlando à todo momento. A metodologia utilizada foi evidenciada com a aplicação de questionários, e entrevistas, caracterizadas como pesquisa exploratória. A escolha da metodologia empregada deu-se pelo fato de a mesma ser considerada a melhor maneira de se encontrar o entendimento do estudo. Constatou-se, através dos resultados obtidos, que a implantação de um controle e gerenciamento de estoque é de grande importância, contribuindo no processo de decisões para a evolução da empresa.

Palavras-chave: Controle de Estoque. Planejamento. Cliente. Mercadorias.


ABSTRACT

The present study has as main objective to present contributions of the managerial accounting for the control and stock gerenciamento in the company Falcão Calçados Ltda., concerning basic tools to reach the situations intended by the company. The structure of a stock control should reflect the way as the activities they are distributed and as it is made that gerenciamento, everything seeking to reach the effectiveness. It is necessary to evaluate the implanted control structure, mainly as within reach of the objectives, when one wants to reach levels of established services for the customers and to minimize the costs of maintenance of the same ones. To define a way more adapted for the attendance of the service levels to the customer, that constitutes one of the critical factors for the success of the company. The largest challenge of the gerenciamento of the stock is to maintain the balance of the expressed resources for the inventory, destined to supply the future needs of material of the organization, with the great level of investment, drifting and controlling at every moment. The used methodology was evidenced with the application of questionnaires, and glimpses, characterized as exploratory research. The methodology maid's choice gave him for the fact of the same the best way to be considered of meeting the understanding of the study. It was verified, through the obtained results, that the implantação of a control and stock gerenciamento are of great importance, contributing in the process of decisions to the evolution of the company.

Keyword: Control of Stock. Planning. Customer. Goods.


LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Funções da informação gerencial contábil................................................16 Figura 2 - Qualidade das mercadorias. .....................................................................28 Figura 3 - Variedade das mercadorias. .....................................................................29 Figura 4 - Sortimento das mercadorias. ....................................................................30 Figura 5 - A empresa acompanha a moda. ...............................................................31 Figura 6 - Aquisição de alguma mercadoria com defeito. .........................................32 Figura 7 - O que deve melhorar nas mercadorias. ....................................................33


LISTA DE TABELA

Tabela 1 - Qualidade das mercadorias. ....................................................................28 Tabela 2 - Variedade das mercadorias. ....................................................................29 Tabela 3 - Sortimento das mercadorias. ...................................................................30 Tabela 4 - Acompanhamento da moda pela empresa...............................................31 Tabela 5 - Aquisição de mercadoria com defeito. .....................................................32 Tabela 6 - O que deve melhorar nas mercadorias. ...................................................33


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO .......................................................................................................12 1.1 Objetivos .............................................................................................................13 1.1.1 Objetivo geral ...................................................................................................13 1.1.2 Objetivos específicos........................................................................................13 1.2 Hipótese ..............................................................................................................13 1.3 Justificativa..........................................................................................................14 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA..............................................................................15 2.1 A importância da contabilidade gerencial nas empresas ....................................15 2.2 Sistema de informação gerencial ........................................................................17 2.3 Controle interno...................................................................................................18 2.4 Estoque ...............................................................................................................20 2.4.1 Inventário..........................................................................................................22 2.4.2 Inventário periódico ..........................................................................................22 2.4.3 Inventário permanente......................................................................................23 2.5 Controle de estoques ..........................................................................................24 4 RESULTADOS E ANÁLISES APURADOS DA PESQUISA...................................28 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS ...................................................................................34 5.1 Sugestões à empresa..........................................................................................35 REFERÊNCIAS...................................................................................................36 APÊNDICES........................................................................................................37 ANEXOS .............................................................................................................41


12

1 INTRODUÇÃO

A contabilidade gerencial pode ser caracterizada, superficialmente, como um enfoque especial conferido a várias técnicas e procedimentos contábeis já conhecidos e tratados na contabilidade financeira, na contabilidade de custos, na análise financeira e de balanços etc. Entretanto, quando colocados em uma perspectiva diferente, num grau de detalhe mais analítico ou numa forma de apresentação e classificação diferenciada, melhor auxiliam os gerentes das entidades em seu processo decisório. Quando se trata de contabilidade gerencial, faz-se necessário lembrar um dos princípios fundamentais da contabilidade – o princípio da entidade. Ele estabelece que o patrimônio da empresa é diferente do patrimônio do proprietário, ou seja, as escriturações das contas devem ser feitas separadamente para que a situação financeira da empresa possa obter os mais claros e corretos registros contábeis. A velocidade das mudanças hodiernas e a alta competitividade do mercado levam muitos gestores a preocuparem-se em apenas repor mercadorias, suprir necessidades dos consumidores em itens da moda ou até mesmo em atender aos representantes dos fornecedores. Com isso, a avaliação dos estoques fica em segundo plano, razão pela qual observa-se uma grande deficiência do seu controle e gerenciamento, causando riscos para a sobrevivência das empresas. Entretanto, é sumamente importante controlar, gerenciar e planejar as compras, a demanda e o tempo

de

rotatividade

das

mercadorias,

direcionando

as

empresas

na

comercialização, de forma eficiente e com a menor utilização do capital de giro. Planejamento, controle, política de compras e vendas, rotatividade das mercadorias, dentre outros motivos, podem ajudar a melhorar a eficiência dos estoques, o que garante tanto a disponibilidade dos produtos como a redução do nível desses estoques, de acordo com a aceitação no mercado. Dessa forma, este trabalho buscará evidenciar elementos que auxiliem a empresa na tomada de decisões, no que diz respeito a custos, reposição, capital de giro e demanda – pontos relevantes para um controle de estoque eficiente. Enfim, pretende-se demonstrar como a Contabilidade Gerencial pode contribuir para o controle e gerenciamento do estoque da empresa Falcão Calçados Ltda.


13

Este trabalho está dividido em tópicos e sub-tópicos. O primeiro tópico referese à introdução do trabalho monográfico, descrevendo o problema, apresentando o objetivo geral e os específicos, a hipótese e a justificativa. O segundo tópico faz referência à fundamentação teórica, que aborda: a importância da Contabilidade Gerencial nas empresas, o sistema de informação gerencial, o controle interno, o estoque e o controle de estoque. O terceiro tópico expõe a metodologia realizada neste trabalho, informando os procedimentos metodológicos, o plano de amostragem, o instrumento de pesquisa, o levantamento e análise dos dados, além do ambiente da pesquisa. O quarto tópico demonstra a análise e resultados da pesquisa. O quinto tópico apresenta as considerações finais e, finalmente, as referências bibliográficas utilizadas para a execução deste trabalho monográfico.

1.1 Objetivos

1.1.1 Objetivo geral

Apresentar contribuições da contabilidade gerencial para o controle e gerenciamento dos estoques da empresa Falcão Calçados Ltda.

1.1.2 Objetivos específicos

• Descrever a atual situação de controle de estoques da empresa Falcão Calçados Ltda.; • Detectar os motivos que podem levar à não utilização do gerenciamento de estoques.

1.2 Hipótese

H1 - O gerenciamento de estoque da empresa Falcão Calçados Ltda. é eficiente.


14

1.3 Justificativa

Este trabalho visa apresentar contribuições da contabilidade gerencial para o que pode servir como atenuante para os possíveis problemas, tanto nos estoques como no capital de giro, identificando os pontos principais para a melhoria do gerenciamento dos estoques, de maneira coerente e favorável, para que a empresa obtenha sucesso em seus empreendimentos. É de suma importância um estudo a respeito de controle e gerenciamento de estoques, uma vez que não há registro de pesquisas dessa natureza na região. Ressalta-se que um adequado gerenciamento de estoques facilita a tomada de decisões, como também permite um crescimento financeiro e tecnológico na administração das empresas. Sendo assim, é notável que tanto funcionários como empresários, enfim, a sociedade em geral só tende a ganhar com esta pesquisa, pois que aborda uma atividade fundamental para uma administração confiável e rentável. A relevância científica da pesquisa, mais especificamente no que tange à área contábil, refere-se ao dever ético do profissional de contabilidade em orientar o seu cliente sobre os acontecimentos, oferecendo, ao mesmo, elementos que possam auxiliar e direcionar as decisões da empresa. Portanto, ajudar as empresas a conseguirem a eficácia constante e a prosperidade é a grande função social dos contabilistas. A ciência contábil irá ganhar com este estudo clientes mais satisfeitos e confiantes de que o futuro da empresa depende do trabalho, empenho e dedicação desses profissionais.


15

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

2.1 A importância da contabilidade gerencial nas empresas

As organizações empresariais são agentes que participam ativamente da economia, contribuindo com sua manutenção e crescimento. Como em toda atividade, a intervenção humana faz-se necessária para o controle das ações, surgindo aí a gestão empresarial que, amparada em inúmeras técnicas, planeja, organiza, controla e decide os passos a serem seguidos em direção ao alcance dos seus objetivos. A contabilidade gerencial existe para direcionar as empresas nas suas tomadas de decisões, avaliando o processo de produção dos setores financeiros e operacionais, criando informações precisas e rápidas para a execução das atividades organizacionais. Segundo Atkinson e outros (2000, p. 36) “contabilidade gerencial é o processo de identificar, mensurar, reportar e analisar informações sobre os eventos econômicos das empresas.” Ainda segundo Atkinson e outros (2000, p. 38), as características básicas da contabilidade gerencial são: Clientela Propósito

Data Restrições

Tipo de Informação Natureza da Informação Escopo

Interna: funcionários, administradores, executivos; Informar decisões internas tomadas pelos e gerentes; feedback e controle sobre desempenho operacional; contratos com proprietários e credores; Atual, orientada para o futuro; Desregulamentada: sistemas e informações determinadas pela administração para satisfazer necessidades estratégicas e operacionais; Mensuração física e operacional dos processos, tecnologia, fornecedores e competidores; Mais subjetiva e sujeita a juízo de valor, válida, relevante, acurada; Desagregada; informa as decisões e ações locais.

Há necessidade de se levar em conta as mudanças ocorridas nos últimos anos, que conduziram as organizações a um contexto social mais aberto, com a intensificação da concorrência e a mutação permanente e acelerada, que trouxe profundas implicações sobre os sistemas de controle gerencial, principalmente


16

quanto à impossibilidade de previsão do futuro. Dessa forma, a gerência, sob condições de incerteza, requer o envolvimento ativo de todos os participantes da organização; para tanto, busca mecanismos de controle que, necessariamente, envolvem crescentes níveis de autocontrole e de responsabilidade do grupo, com o fim de motivar, orientar e influir no comportamento individual e organizacional, de modo que este seja o mais conveniente para alcançar os objetivos almejados. Conforme Atkison (2000), as funções da informação gerencial contábil são importantes, pois servem de parâmetro para as empresas perceberem a necessidade da implantação da contabilidade gerencial. Essas funções são: controle operacional, custeio do produto e do cliente, controle administrativo e controle estratégico. A Figura 1 demonstra essas funções.

Controle Fornece informação (feedback) sobre a eficiência e a qualidade das Operacional tarefas executadas. Custeio do produto Mensura os custos dos recursos para se produzir, vender e entregar E do cliente um produto ou serviço aos clientes. Controle Fornece informação sobre o desempenho de gerentes e de unidades Administrativo operacionais. Controle Fornece informações sobre o desempenho financeiro e competitivo de Longo prazo, condições de mercado, preferências dos clientes e inovações tecnológicas.

Figura 1 - Funções da informação gerencial contábil. Fonte: Atkison (2000, p. 45).

Os desafios e as oportunidades para as empresas (independente de seu porte) são claros; os sistemas de contabilidade gerencial podem e devem ser projetados em apoio às operações e estratégias dessas organizações, pois é necessária a busca constante pelo conhecimento. Este pode vir tanto da tecnologia e das inovações que surgem a cada dia, como da experimentação e da comunicação entre os empresários e seus funcionários, mas deve sempre ser aproveitado para o desenvolvimento da organização.


17

2.2 Sistema de informação gerencial

Um dos objetivos da Contabilidade é fornecer informações sobre as mutações que ocorrem no patrimônio das empresas. Muitos, no entanto, consideram e até confundem a Ciência Contábil como mero instrumento de informação; porém, como destaca Padoveze (2000, p. 45), O Sistema de Informação Gerencial exige planejamento para produção dos relatórios, para atender plenamente aos usuários. È necessário saber o conhecimento contábil de todos os usuários, e construir relatórios com enfoques diferentes para os diferentes níveis de usuários. Dessa forma, será possível efetuar o controle posterior.

Mas percebe-se que a maior parte dos sistemas de Contabilidade de Gestão utilizados, incluindo o sistema de informação gerencial, foi desenvolvida em condições muito diferentes da que se observa na atualidade, principalmente no que tange a empresas familiares e de pequeno porte. Para que a contabilidade gerencial obtenha os resultados almejados na gestão da empresa, é necessária a construção de um sistema de informação contábil, que atenda a todas as necessidades. Segundo Padoveze (2000, p. 43), A contabilidade é, objetivamente, um Sistema de Informação e Avaliação destinado a prover seus usuários com demonstrações e análises de natureza econômica, financeira, física e de produtividade, com relação à entidade objeto de contabilização. Os objetivos da Contabilidade, pois, devem ser aderentes, de alguma forma explícita ou implícita, aquilo que o usuário considera como elementos importantes para seu processo decisório.

O Sistema de Informação Gerencial Contábil se faz válido quando aplicado a operacionalidade, integração e navegabilidade dos dados e ao custo da informação. De

acordo

Padoveze

(2000,

p.

46-47),

são

características

básicas

de

operacionalidade: a) relatórios concisos; b) elaborados de acordo com as necessidades do usuário; c) coletados de informações objetivas e de imediato entendimento pelo usuário; d) que não permitam uma única dúvida sequer, ou possibilitem pergunta indicando falta de alguma informação do objeto do relatório; e) apresentação visual e manipulação adequada. O que caracteriza um sistema de informação contábil integrado é a navegabilidade dos dados. A partir do momento em que um dado é coletado


18

(e ele só será coletado pelo sistema se for um dado operacional), este deverá ser utilizado em todos os segmentos do sistema de informação contábil. O fundamento do custo da informação faz parte dos princípios básicos de contabilidade. O sistema de informação contábil deve ser analisado na relação custo-benefício para a empresa.

Veja-se, por exemplo, a importância do sistema de informação contábil gerencial, segundo Padoveze (2000, p. 48-49): Um sistema de informação contábil gerencial tem necessariamente que abranger todas as áreas de contabilidade de que se vale o conceito de contabilidade gerencial. Além disso, o sistema tem que incorporar todos os dados quantitativos necessários para mensuração e análise concatenada das informações com o movimento operacional da empresa. Juntamente com isso, o sistema deve prover todos os meios para trabalhar a informação em seus aspectos de informação presente, informação pretérita atualizada e informação futura, com análises percentuais.

Com isso o sistema de informação gerencial é considerado um fator estruturante no instrumento de gestão, através da capacidade de adquirir e gerir informações estratégicas na determinação de negócios da empresa, proporcionando cada vez mais conhecimento e objetividade nas informações a serem prestadas.

2.3 Controle interno

O cenário atual, de grande competitividade, exige que as empresas, para atingirem seus níveis ideais de lucro, não só acompanhem a evolução tecnológica, mas também tenham um planejamento que permita a elaboração de diversos orçamentos; faz-se necessário que também, por meio do controle administrativo, estabeleçam passos para aumentar a possibilidade de concretizar os objetivos, assegurando, a todas as partes da organização um funcionamento de acordo com as políticas da empresa. A função de controlar é a tarefa mais importante da administração, uma vez que ela monitora todas as outras funções. Sem o controle, não se pode saber se as estratégias adotadas pela organização estão sendo exercitadas de forma eficiente e eficaz. Crepaldi (1998, p. 47) diz que:

É de fundamental importância a utilização de um controle adequado sobre cada sistema operacional, pois dessa maneira atingem-se os resultados mais favoráveis com menores desperdícios. Uma organização sem controle


19

é inviável. Cada organização tem sistemas de controle que coordenam o exercício do direito de decisão que está diluído entre certo número de indivíduos. Os sistemas de controle também desempenham outra importante função na organização. Eles medem a eficácia com que as decisões são traduzidas em resultados. Essa segunda característica dos sistemas de controle relaciona-se ao alcance das metas da empresa. Nesse aspecto, os sistemas de controle tratam de influenciar o comportamento de indivíduos no interesse da empresa.

Desse modo, o controle e o planejamento tornam-se fundamentais ao sucesso da gestão e crescimento das empresas, pois são ferramentas importantes para a execução de várias tarefas. Conforme assinala Atkinson e outros (2000, p. 599), O processo de planejamento identifica os objetivos primários da empresa, por meio da escolha da natureza e forma dos processos que usará para realizar seus objetivos primários e, também, seus objetivos secundários. O controle é o processo que as empresas usam para se manter na trajetória de seus objetivos primários. O controle é o processo que envolve os passos para monitorar o desempenho efetivo, comparando-o ao planejado, com o objetivo de identificar as situações em que o plano é inviável e, por isso, não está sendo alcançado. O sistema nervoso central do controle e, portanto, o que entrelaça o planejamento com o controle, é o sistema de mensuração de desempenho da empresa. Esse sistema identifica como a empresa irá avaliar o desempenho de seus objetivos primários secundários e fornece meios de enfocar e coordenar suas tomadas de decisões. Dando suporte ao processo de aprendizado organizacional, o sistema de mensuração de desempenho serve como meio primário de situar a empresa para atingir os níveis mais altos de desempenho sobre seus objetivos primários.

Apesar de grande parte das empresas estarem sujeitas às ameaças externas, oriundas de mudanças nos padrões de concorrência dos mercados em que atuam e nos regimes econômicos que as cercam, é inegável que a empresa tradicional se depara muito mais com essa problemática, pois sua própria natureza – física e financeira – compromete questões como sucesso, gestão profissional e abertura de capital. Ainda de acordo com Atkinson e outros (2000, p. 581-90), O controle organizacional é o processo de monitoramento, avaliação e aprimoramento do desempenho da empresa para alcançar seus objetivos. Existem dois tipos de sistemas de controle: o controle por tarefas e o controle por resultados. O controle por tarefas é o processo que certifica que uma tarefa está completa de maneira predeterminada. O controle por resultados enfoca a motivação dos funcionários em perseguir os objetivos da empresa. Para que este controle por resultados seja eficiente, é necessário que a empresa declare seus objetivos claramente, comunicando-os a todos os seus membros, de modo que cada um entenda o que é importante e como pode contribuir para alcançar o sucesso. A avaliação de desempenho propicia um vínculo crítico entre o planejamento, que identifica os objetivos da empresa e desenvolve as estratégias e os processos para alcançá-los, e o controle que propicia aos


20

membros da empresa mantê-la no caminho em direção ao alcance de seus objetivos.

Portanto, o propósito do planejamento do controle é garantir que as metas estabelecidas pela empresa sejam alcançadas. Para isso, é preciso motivar indivíduos e grupos a apresentarem um bom desempenho. O controle permite fazer comparações, à medida que o tempo passa, entre o desempenho efetivo e as metas planejadas. Esse feedback ajuda a ajustar o plano estabelecido e a redirecioná-lo, se necessário.

2.4 Estoque

Em termos financeiros, os estoques são muito importantes para todas as empresas. À medida que são utilizados, seu valor se converte em dinheiro, o que melhora o fluxo de caixa e o retorno sobre o investimento. Por outro lado, a estocagem excessiva aumenta os custos operacionais e diminui os lucros. Os estoques têm a função de funcionar como reguladores do fluxo de negócios. Como a velocidade com que as mercadorias são recebidas é usualmente diferente da velocidade com que são utilizadas, há a necessidade de um estoque, funcionando como um amortecedor. “O termo estoques compreende mercadorias destinadas à venda no transcorrer normal das operações e materiais a serem utilizados no processo de produção para venda.” (HENDRIKSEN; BREDA, 1999, p. 351). Devido ao fato de não se conhecer a demanda futura e não haver disponibilidade de suprimentos à todo instante, as empresas acumulam estoques para assegurar essa disponibilidade. A boa administração dos estoques se constitui como vantagem competitiva da empresa. Mas, a elaboração do seu controle não é uma prática constante aplicada nas empresas; há ainda uma grande resistência para esse tipo de atividade, principalmente no que diz respeito ao gerenciamento de estoques; entretanto, tratase de um método importantíssimo para atingir os objetivos desejados, pois ele irá direcionar a empresa em todas as tomadas de decisões, tais como comprar, vender e estocar de forma precisa, visando sempre a prudência administrativa.


21

Os estoques são geralmente encarados como saldos de mercadorias, embora a contabilização do fluxo de mercadorias seja geralmente considerada mais importante. Na estrutura contábil tradicional, os saldos ao final de um período relacionam-se aos fluxos desse período, muito embora possam ser determinados de forma residual. A avaliação dos saldos, portanto, é afetada pela vinculação dos valores de entrada a receitas do período precedente à data do balanço, podendo também ser afetada pelo processo de vinculação de exercícios anteriores (HENDRIKSEN; BREDA, 1999, p.352).

Segundo Iudícibus e Marion (2002, p.100), Venda representa o total faturado contra o cliente, quer à vista, quer a prazo. Todavia, a esse valor podem ocorrer “deduções”, algumas das quais já examinadas, que são os “impostos” e taxas sobre vendas (ICMS, Pis s/faturamento, Cofins s/faturamento).

Quando se fala de vendas, não se pode esquecer de abordar também o custo das mercadorias vendidas (CMV) que, segundo Iudícibus e Marion (2002, p. 100), É representado pelo valor atribuído às mercadorias negociadas pelo comerciante com seus clientes. O CMV, como o nome indica, é um valor de custo para o comerciante, valor que será confrontado com o valor de venda (receita) para a obtenção do Resultado com Mercadorias - RCM.

Ainda segundo Iudícibus e Marion (2002, p. 101), Para a obtenção do valor do CMV é necessário o conhecimento de três valores, a saber: o do Estoque inicial (igual ao do Estoque Final do período anterior e, portanto, conhecido); o das Compras (conhecido a partir dos registros efetuados quando elas ocorrem); e o do Estoque Final. Se uma empresa nunca vendesse suas mercadorias, o Estoque Final seria, a qualquer momento, igual à soma do Estoque Inicial com as Compras até então efetuadas. Na prática, fato não ocorre, mas uma sucessão interminável de compras e vendas intercaladas. A obtenção do valor do Estoque Final é feita por uma das formas de controle de estoques, conhecidas por “inventário periódico” e “inventário permanente” (denominados “regimes de inventários”).

As decisões sobre estoque são estratégicas, pois incorrem em alto risco e alto impacto para a empresa como um todo, visto que podem gerar altos custos logísticos, pois altos níveis de estoque geram baixa lucratividade, assim como baixos níveis podem gerar perda de vendas, devido à falta de material disponível.


22

2.4.1 Inventário

Para se chegar até o estoque final, é necessário que se faça o inventário. Este nada mais é que um livro onde são escrituradas, após a contagem física, todas as mercadorias que ficaram estocadas na empresa ao final de cada exercício. O inventário é feito de forma fácil e clara, ou seja, faz-se um levantamento geral de todas as mercadorias existentes na empresa, relacionando todas as quantidades, itens, códigos, marcas, de acordo com o critério de cada empresa; em seguida, esse levantamento é transferido para o livro de inventário, discriminando todos os produtos, quantidades, unidades, preço unitário e preço total. A função do inventário é tão importante que alguns autores consideram-no essencial e obrigatório; nele é relatada toda a movimentação de entradas e saídas de mercadorias até o momento do saldo final para a sua escrituração. Existem duas formas de fazer o inventário: periódica e permanente.

2.4.2 Inventário periódico

Segundo Iudícibus e Marion (2002, p.101), “a característica básica do inventário periódico é a de que a empresa toma conhecimento do volume de seus estoques (para fins contábeis) de tempos em tempos, ou seja, no final de cada período (mês, semestre, ano).” O

inventário

periódico

retrata

uma

realidade

um

pouco

obscura,

principalmente nas empresas que o fazem anualmente, pois, assim, não conseguem detectar minuciosamente a mercadoria que entrou e saiu e o seu devido preço da época. Tem-se, com isso, um controle com possíveis erros e falhas. Iudícibus e Marion (2002, p.102) escreveram que: Uma desvantagem na adoção do “inventário periódico” é a de que, por não registrar saída por saída, deixa de detectar saídas não movimentadas por vendas (devoluções a fornecedores, roubos, perdas por incêndio, por enchentes etc.) Como está se referindo ao custo dessas saídas (que deixa de ser registrado), o CMV do período obtido poderá estar distorcido se ocorrerem aquelas saídas não movimentadas por vendas. Distorcido o valor do CMV, estará distorcido o valor do RCM e, consequentemente, qualquer avaliação da empresa feita encima desse valor.


23

No inventário periódico, podem ser usados dois métodos, sendo eles conta mista de mercadorias e conta de mercadorias com função desdobrada. Segundo Neves (2000, p. 84), No método da conta mista e desdobrada existe apenas uma única conta, a de mercadorias, que registra todos os fatos pertinentes ao RCM: vendas, compras, estoque e CMV. È denominado conta mista, pois mescla em seu interior contas patrimoniais (estoque) e de resultado (RCM).

2.4.3 Inventário permanente

É viável dizer que o melhor controle a ser utilizado numa empresa é o inventário permanente, pois cada vez que ocorre a movimentação, tem-se um resultado no ato, pelo que torna-se mais fácil controlar o estoque. Esse método é de grande necessidade nas médias e grandes empresas, pelo fato de controlar continuamente o valor do estoque, fazendo com que a empresa baixe as mercadorias com vendas diárias de acordo com o custo das mercadorias vendidas. Segundo Iudícibus e Marion (2002, p. 101), No inventário permanente, a cada venda efetuada a empresa controla cada item de estoque negociado. Isso permite que se conheça, após cada operação (quer de compra, quer de venda) o nível de seus estoques. A adoção do inventário permanente implica o uso de controles adicionais (fichas de controle de estoque manualmente preenchidas ou um sistema operado por processamento eletrônico de dados) que permitam acompanhar a flutuações de cada tipo de mercadoria negociada.

Em se tratando do inventário permanente, a empresa poderá optar por um dos métodos existentes para atribuição de valores aos estoques. Um deles é o PEPS – método usado sobre o custo da mercadoria mais antiga quando da sua venda, até que se esgotem as quantidades, provocando um estoque com valor mais alto, um custo menor e um lucro maior, fazendo com que a empresa pague mais impostos e mais dividendos (IUCIDIBUS; MARION, 2002). UEPS é outro método de atribuição de valores, que gera um efeito inverso ao PEPS, pois como seu custo proporcionalmente será maior, os estoques e o lucro serão menores; devido a isso, é proibido, no Brasil, pela legislação do imposto de renda. Já o método CMPM é um meio utilizado para a elaboração de custos médios, sendo ele o mais utilizado pelas empresas, aplicando-se o valor médio de cada


24

unidade em estoque, lembrando que esse método não é recomendado para a formação do preço de venda. De acordo com Iudícibus e Marion (2002, p.118; 120121), PEPS é o método conhecido como (primeiro que entra primeiro que sai), este método de avaliação tem a vantagem de tender a fornecer, em períodos de alta de preços, um valor para o estoque final próximos do valor das últimas compras; portanto, próximo do custo de reposição. Em compensação, as saídas são normalmente avaliadas por preços mais antigos e dão origem a um CMV relativamente baixo, a um RCM relativamente alto e, portanto, a um lucro liquido comparativamente alto também originado maior carga fiscal. UEPS conhecido como (último que entra e primeiro que sai) apresenta características opostas ao método anterior (em períodos de alta de preços conduz a um estoque final com preços mais próximos das aquisições mais antigas e um CMV refletindo as compras mais recentes). Tal método não é usualmente, permitido pela legislação brasileira. Por meio do método do Custo Médio Ponderado Móvel, há uma fusão das quantidades monetárias decorrentes de novas compras com o custo total do que existia em estoque antes da compra. O novo custo unitário passa, então a ser obtido, pela divisão desse valor global pelo total de unidades existentes. Cada nova compra, se for feita por um custo unitário diferente do até então existente, provocará alteração no novo custo unitário. Influem nesse novo custo unitário tantos as quantidades (existentes e compradas) como o custo unitário (existente e da nova compra). As vendas não vão provocar alteração no custo unitário, pois o custo unitário das unidades vendidas é, sempre, o último unitário calculado.

È através desses métodos que a empresa terá uma perfeita avaliação do estoque, uma base nos preços dos itens e um real valor relatado através das de fichas de controle, onde será mais fácil avaliar os resultados operacionais e o lucro da empresa.

2.5 Controle de estoques

O controle de estoques permite não só um crescimento significativo, como também o retorno de todo o trabalho aplicado na empresa. Serve para registrar a quantidade e o preço de custo de cada mercadoria comprada, assim como a quantidade e o preço de custo de cada mercadoria vendida. Um eficiente e prático controle de estoque, na verdade, é um grande instrumento de decisão gerencial. Por isso, o estoque de uma empresa deve estar de acordo com a sua estrutura, sempre pronto a oferecer o que deseja o cliente, vislumbrando o menor custo possível. Segundo Ching (2001, p. 32),


25

A visão de que os produtos devem ser mantidos em estoques por diversas razões acarreta para as empresas: - custos mais altos de manutenção de estoques; - falta de tempo na resposta ao mercado; - risco do inventário tornar-se obsoleto. O controle de estoque exerce influência muito grande na rentabilidade da empresa. Os estoques observam capital que poderiam estar sendo investido de outras maneiras, desviam fundos de outros usos potenciais e têm o mesmo custo de capital que qualquer outro projeto de investimento da empresa. Aumentar a rotatividade do estoque libera ativo e economiza o custo de manutenção do inventário.

Observa-se que a avaliação dos estoques é muito importante para a sobrevivência da empresa, pois em termos financeiros, eles são muito importantes. De acordo (PADOVEZE, 2000, p. 63), a) a empresa deve manter seus estoques no mais baixo nível possível, objetivando reduzir os impactos financeiros de manutenção de investimentos do capital de giro e, principalmente, reduzir os desperdícios futuros com obsolescência tecnológica de itens; b) as novas tecnologias de administração de produção, como o Just in Time, enfatizam a necessidade de se manterem os estoques em seu menor nível, objetivando rapidez e flexibilidade da produção e venda; c) os princípios de TQC – Total Quality Control, muito mais importante do que os impactos financeiros da manutenção dos estoques, enfatizam que sua manutenção em grande escala propicia o acobertamento de deficiências no sistema organizacional de produção, vendas e desenvolvimento tecnológico.

Atender aos clientes na hora certa, com a quantidade certa e requerida, tem sido o objetivo da maioria das empresas. Assim, a rapidez e a presteza na distribuição das mercadorias assumem cada vez mais um papel preponderante na obtenção de uma vantagem competitiva duradoura. Hoje todas as empresas, procuram de uma forma ou de outra, obter uma vantagem competitiva em relação a seus concorrentes. Ora, a oportunidade de atender aos clientes prontamente, no momento e na quantidade desejada, é grandemente facilitada com a administração eficaz do estoque. Este é, portanto, um importante recurso produtivo que, no final da cadeia de suprimentos, criará valor para o consumidor final. Mas é preciso estar atento ao fato de que os altos níveis de estoque têm custo elevado do capital investido, custo este que, normalmente, o cliente não terá interesse de pagar. Além disso, o custo de obsolescência do estoque e a localização incorreta do material podem aumentar significativamente os custos operacionais. De acordo Ross; Westerfiel; Jordan (2000, p. 82),


26

Mais exatamente, estoques relativamente grandes geralmente são sinal de problemas a curto prazo. A empresa pode ter superestimado em excesso. Nesse caso, a empresa pode ter uma porção substancial de sua liquidez empatada em estoque de giro muito lento. Parte do estoque pode estragar, tornando-se obsoleta ou perdida.

Tão importante quanto o controle do estoque é o fluxo de caixa. Compreendido como item valioso para as demonstrações, ele ajuda a explicar a variação dos saldos de caixa e as aplicações financeiras. Diante dessa análise, do ponto de vista financeiro, é prudente dizer que estoque e caixa necessitam de uma atenção diária na execução financeira e administrativa na empresa. Segundo Ross, Westerfield e Jaffe (2002, p. 43), é preciso reduzir o saldo de caixa para aumentar os estoques. Como estoques e caixa são ativos circulantes, isso não afeta o capital de giro líquido. Nesse caso, um aumento de uma conta de capital de giro líquido, ou seja, está associado a uma redução do fluxo de caixa.

A redução dos níveis dos estoques é fundamental, principalmente quando se trata de custos. Ora, a diversidade crescente do número de produtos torna mais complexa a gestão dos níveis de estoques; o elevado custo de oportunidade de capital, torna a posse e manutenção de estoques mais onerosa. Uma boa administração dos estoques é basicamente maximizar o uso dos recursos oferecidos pelo controle, ou seja, materiais relacionados aos estoques, bem como, estipular os níveis de estoques e a organização de manter-se dentro dos parâmetros econômicos, tanto com os problemas quantitativos como aos custos de sustentação das mercadorias em estoque. Dessa maneira, as empresas querem evitar o desabastecimento e envolver o mínimo de recursos financeiros, e isso só é possível com eficiente planejamento e controle dos estoques. O planejamento de estoque é um processo de previsão de necessidades, que busca a melhor utilização dos recursos disponíveis para consecução dos objetivos da empresa. Segundo Ching (2001, p. 36) o gerenciamento do estoque envolve: Planejamento – que consiste na determinação dos valores que o estoque terá com o correr do tempo; Controle – consiste no registro dos dados reais, correspondentes aos planejados; Retro-alimentação – é a comparação dos dados de controle com os dados do planejamento, a fim de constatar seus desvios e determinar suas causas.


27

A tendência do planejamento de estoque é a busca do gerenciamento da cadeia de suprimento de forma integrada entre as organizações. Ching afirma (2001, p. 67) “que o gerenciamento integrado da cadeia de suprimento é a forma integrada de planejar e controlar o fluxo de mercado, informações e recursos, pelo alinhamento dos processos chaves do negócio, desde os fornecedores até o cliente final.” Tal objetivo tende agregar maior valor ao cliente, proporcionando produtos e serviços que têm um valor maior que os serviços oferecidos pelos concorrentes, tais: como: melhoria das características e funções que atendam às suas necessidades, menor tempo de atendimento do pedido, flexibilidade para lidar com lotes pequenos e variados, disponibilidade de produto e preço justo. A questão que se coloca neste momento é de escolher a melhor política de atendimento, ou seja, a que minimiza os custos logísticos totais para determinado nível de serviço. Também se questiona qual deverá ser a melhor solução para efetuar a política estabelecida, no caso, o menor custo para o melhor nível de serviço, ou seja, obter o estoque correto, no tempo certo, com o menor custo possível.


28

4 RESULTADOS E ANÁLISES APURADOS DA PESQUISA

Os resultados contidos neste trabalho foram avaliados a partir de questionários, a partir dos quais foram preparadas planilhas, gráficos, estatísticas, na linguagem percentual, facilitando a visualização, análise e interpretação dos dados obtidos. Os dados coletados com o questionário foram demonstrados em forma de quadros e Figuras, conforme se verá a seguir:

Tabela 1 - Qualidade das mercadorias. Ótima Boa 11

14

Regular

Ruim

3

2

7%

10%

37%

Otima Boa Regular Ruim

46%

Figura 2 - Qualidade das mercadorias. Fonte: Pesquisa de campo, 2006.

A Figura 2 mostra que 46% dos 30 clientes que responderam ao questionário consideram a mercadoria de boa qualidade, 37% ótima, 10% regular e 7% consideram ruim. Com isso, a empresa pode analisar uma maneira de melhorar a qualidade das mercadorias, podendo atingir um percentual maior no nível ótima.


29

Tabela 2 - Variedade das mercadorias. Ótima Boa 6

17

3%

Regular

Ruim

6

1

20%

20%

Otima Boa Regular Ruim

57%

Figura 3 - Variedade das mercadorias. Fonte: Pesquisa de campo, 2006.

A variedade das mercadorias é a decisão mais importante numa empresa, pois a comodidade para o cliente é fundamental. Na Falcão Calçados, encontra-se tudo: calçados, roupas, acessórios, entre outros, satisfazendo a necessidade do cliente e evitando o transtorno de se dirigir a uma outra loja. A Figura 3 detalha que 57% dos clientes consideram boa a variedade das mercadorias, 20% ótima, 20% regular e 3% ruim. Com isso, a empresa deve avaliar modos de melhorar a variedade das mercadorias, procurando assim atingir uma maior satisfação de seus clientes, elevando o seu percentual de nível ótimo.


30

Tabela 3 - Sortimento das mercadorias. Ótima Boa 5

Regular

Ruim

5

1

19

3%

17%

17%

Otima Boa Regular Ruim

63%

Figura 4 - Sortimento das mercadorias. Fonte: Pesquisa de campo, 2006.

Servir bem ao seu cliente é sempre gratificante, pois o retorno é imediato. Os produtos existentes na loja, variados por cores, estilos, tamanhos e marcas ajudam a facilitar a decisão do cliente, garantindo assim as metas desejadas pela empresa. Os dados acima permitem identificar que 63% dos clientes acham bom o sortimento das mercadorias existentes na empresa, 17% ótima, 17% regular e 3% ruim. Através das respostas, nota-se que a empresa deve se esforçar para melhorar cada vez mais o sortimento das suas mercadorias.


31

Tabela 4 - Acompanhamento da moda pela empresa. Sim 26

Não 4

13%

Sim Não

87%

Figura 5 - A empresa acompanha a moda. Fonte: Pesquisa de campo, 2006.

Nesse caso, é possível evidenciar que a grande maioria dos clientes entrevistados, 87%, consideram as mercadorias da empresa na moda, ou seja, sempre atualizada de acordo com as estações do ano, a cada momento propicio. Uma parcela mínima, 13%, afirmam que não.


32

Tabela 5 - Aquisição de mercadoria com defeito. Uma vez Várias vezes 5

Nunca

1

24

17% 3% Uma vez Várias vezes Nunca

80%

Figura 6 - Aquisição de alguma mercadoria com defeito. Fonte: Pesquisa de campo, 2006.

As respostas da Figura 6 identificam que os clientes estão totalmente satisfeitos com a qualidade das mercadorias da empresa, pois 80% informam que nunca compraram mercadoria com defeito; 17% uma vez apenas e 3%, uma parcela insignificante, várias vezes. Levando em consideração esses percentuais, vale salientar que a empresa deve continuar mantendo seu padrão com relação aos critérios utilizados para suprir seu estoque, adquirindo mercadorias de qualidade.


33

Tabela 6 - O que deve melhorar nas mercadorias. Mais variedade Mais na moda Mais popular 12

5

3

33%

10

40%

10%

Mais sofisticada

Mais variedade Mais na moda Mais popular Mais sofisticada

17%

Figura 7 - O que deve melhorar nas mercadorias. Fonte: Pesquisa de campo, 2006.

Na Figura 7, 40% dos clientes afirmaram que o que deve melhorar com relação às mercadorias é ter mais variedade, 33% disseram que devem ser mais sofisticadas, 17% apontaram acompanhar mais a moda e 10% ser mais popular. Nessa Figura, é possível evidenciar que é bem ampla a avaliação dos clientes com relação às mercadorias. Esse cenário permite considerar todos os dados, o que é extremamente importante para a empresa, absorvendo a opinião dos clientes, orientando a tomada de decisões, colocando-as em prática no mercado.


34

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Apresentou-se, neste trabalho, um estudo sobre como gerenciar e controlar o estoque de uma empresa. Nele, procurou-se delimitar os dados de uma forma que a leitura e a compreensão fossem bastante acessíveis, tornando-se de fácil consulta para os gestores e administradores que começam a implantar o gerenciamento. A contribuição fundamental da contabilidade gerencial para o controle e gerenciamento do estoque de Falcão Calçados é basicamente de propor mudanças na área gerencial, para que opere de maneira mais eficiente, reduzindo os níveis dos estoques, por ser este um fator de fundamental importância para o funcionamento da empresa, principalmente quando se trata de custos. Os fatores que mais contribuem para a importância dessa mudança de atitude são encontrados na diversidade do número de produtos, que torna mais complexa a gestão dos níveis de estoques, além do elevado custo de oportunidade de capital que a manutenção onera. Na entrevista aplicada ao gestor da empresa, analisou-se o primeiro objetivo especifico, ficando clara a satisfação com o sistema e controle de estoques que utiliza, atendendo a todas as suas expectativas e necessidades, sendo um dos melhores sistemas na atualidade, inclusive auxiliando na tomada de decisões e na execução de tarefas na empresa. Ao fazer a análise do terceiro objetivo especifico, verificou-se que os motivos que levam a empresa a não utilizar um gerenciamento de estoques são a sua capacidade e o acúmulo de mercadorias há muito tempo em estoque; como relata o gestor, na entrevista realizada, o nível de armazenagem do seu estoque é grande. Sendo assim, diante da hipótese 1, percebeu-se que o gerenciamento do estoque da empresa Falcão Calçados não é eficiente; essa hipótese, portanto, foi negada pela pesquisa. Dessa forma, é evidente que a empresa deverá ter em seu controle de estoque elementos preparados para uma análise efetiva das propostas de mudanças, considerando ser este um componente vital para a empresa.


35

5.1 Sugestões à empresa

Diante do trabalho realizado na empresa Falcão Calçados Ltda., após avaliação da importância do controle de estoque, recomenda-se implantar um gerenciamento, a fim de buscar, através desta ferramenta, resultados que venham a contribuir na melhoria da viabilidade da empresa, evitando assim problemas de insatisfação de clientes e conceituação no mercado. Ademais, sugere-se à empresa uma reavaliação de seu estoque, com a eliminação de mercadorias fora de moda ou até mesmo obsoletas, que além de ocuparem espaço, inviabilizam a empresa. Sugere-se também a implantação de uma ponta de estoque, pois mesmo com as dificuldades apontadas pelo gestor, esta seria uma ótima oportunidade para promover a circulação de capital de giro, o que traria também benfeitorias para a empresa, tanto nas áreas administrativas e gerenciais, como no aumento do espaço físico para atender melhor ao cliente, dando melhor visibilidade das mercadorias expostas nas vitrines, bem como uma boa acomodação dos funcionários.


36

REFERÊNCIAS

ATKINSON, Anthony A. et al. Contabilidade gerencial. São Paulo: Atlas, 2000. CHING, Hong Yuh. Gestão de Estoques na cadeia de logística integrada. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001. CREPALDI, Silvio Aparecido. Contabilidade gerencial: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 1998. HENDRIKSEN, Eldon S.; BREDA, Michael F. Van. Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999. IUDICIBUS, Sergio de, MARION, Jose Carlos. Contabilidade comercial. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002. PADOVEZE, Clóvis Luís. Contabilidade gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000. ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999. ROSS, Stephen A.; WESTERFIELD, Randolph W.; JAFFE, Jeffrey F. Administração financeira. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2002. ROSS, Stephen A.; WESTERFIELD, Randolph W.; JORDAN, Bradford D. Princípios de administração financeira. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000. NEVES, Silvério das. Contabilidade básica, 8ª ed. São Paulo: Frase Editora, 2000.


37

APÊNDICES


38

APÊNDICE A - Modelo do roteiro de entrevista.

Faculdade Independente do Nordeste – Fainor Curso: Ciências Contábeis Este formulário de entrevista tem como objetivo mostrar a opinião dos sócios sobre o controle de estoque na empresa Falcão Calçados Ltda. Essas informações serão usadas como embasamento para a monografia que tem como tema: “O Controle e gerenciamento de estoques na empresa Falcão Calçados Ltda.” Agradeço desde já a colaboração. Katiuscia Batista Lemos

ENTREVISTA

1 - Seu sistema de controle de estoques, atende totalmente as suas expectativas? ( ) Sim ( ) Não Caso responda que sim favor colocar o nome do sistema utilizado. ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 2 - Você acha que o controle de estoques pode influenciar na tomada de decisão da empresa? ( ) Sim ( ) Não 3 - Você sente necessidade de melhorar seu controle de estoque? ( ) Sim ( ) Não Em que? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 4 - O que levou a implantação do atual sistema de controle dos estoques? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 5 - Qual o nível de armazenagem do seu estoque? ( ) Grande ( ) Médio ( ) Pequeno 6 - Você acha viável o método de ponta de estoque? ( ) Sim ( ) Não 7 - Você aplicaria esse método em sua empresa? ( ) Sim ( ) Não


39

Caso responda que não, justifique. ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 8- Qual o meio utilizado na decisão para atualização de seu estoque (o quê, quanto e quando comprar)? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________


40

APÊNDICE B - Modelo de questionário.

Faculdade Independente do Nordeste – Fainor Curso: Ciências Contábeis Este questionário tem como objetivo mostrar a opinião de alguns consumidores de Vitória da Conquista - BA, sobre os produtos existentes na empresa Falcão Calçados Ltda. Essas informações serão usadas como embasamento para a monografia que tem como tema: “O Controle e gerenciamento de estoques na empresa Falcão Calçados Ltda.” Agradeço desde já a colaboração. Katiuscia Batista Lemos

QUESTIONÁRIO

1 – O que você acha da QUALIDADE das mercadorias da empresa? ( ) Ótima ( ) Boa ( ) Regular ( ) Ruim 2 – O que você acha da VARIEDADE das mercadorias da empresa? ( ) Ótima ( ) Boa ( ) Regular ( ) Ruim 3 – O que você acha do SORTIMENTO das mercadorias da empresa? ( ) Ótimo ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim 4 – Você acha que a empresa acompanha a MODA? ( ) Sim ( ) Não 5 – Você já comprou alguma mercadoria na empresa que apresentou algum defeito? ( ) Uma vez ( ) Várias vezes ( ) Nunca 6 – O que você acha que deve melhorar em relação às mercadorias da empresa. ( ) Mais variedade ( ) Mais na moda ( ) Mais popular ( ) Mais sofisticada


41

ANEXOS


42

ANEXO A - Logomarca da empresa.


43

ANEXO B - Registro fotogrรกfico da empresa.


44


45


M0328