Page 1

0

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE – FAINOR CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

TATIANE SILVA JESUS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO QUE CONTROLE AS VAGAS DOS ESTACIONAMENTOS DE VEICULOS AUTOMOTORES

VITÓRIA DA CONQUISTA - BA 2013


1

TATIANE SILVA JESUS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO QUE CONTROLE AS VAGAS DOS ESTACIONAMENTOS DE VEICULOS AUTOMOTORES

Monografia apresentada ao Curso de Engenharia da Computação da Faculdade Independente do Nordeste, como requisito parcial a obtenção do titulo de bacharel em Engenharia da Computação. Orientador: MsC. Adilson Pereira Lima

VITÓRIA DA CONQUISTA – BA 2013


2

TATIANE SILVA JESUS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO QUE CONTROLE AS VAGAS DOS ESTACIONAMENTOS DE VEICULOS AUTOMOTORES

Esta monografia foi julgada adequada à obtenção do titulo de bacharel em engenharia da computação e aprovada em sua forma pelo curso final engenharia da computação pela faculdade independente do nordeste.

Aprovado em: ____/____/____.

BANCA EXAMINADORA

______________________________________________ Prof. Adilson Pereira Lima Orientador

______________________________________________ Prof. Francisco dos Santos Carvalho

_______________________________________________ Prof. Cleia Libarino

VITÓRIA DA CONQUISTA - BA


3

Dedico este trabalho de conclusão de curso a minha família, por todo o amor e dedicação para comigo, por terem me apoiado em todo esse processo de formação.


4

AGRADECIMENTOS

Agradeço primeiramente a Deus por ter me dado forças e iluminado meu caminho para que pudesse concluir mais uma etapa da minha vida; meu pai Durval e minha mãe Ana, que esteve ao meu lado me apoiando e me fazendo acreditar no impossível, pessoas que sigo como exemplo de coragem e força. Pessoas batalhadoras que tenho orgulho de ser filha. Ao meu irmão André, por ser a pessoa que me apóia e acredita na minha capacidade, meu agradecimento pelas horas em que ficou ao meu lado não deixando desistir e me mostrando que sou capaz de chegar onde desejo. Ao meu orientador, professor Adilson, pelo ensinamento e dedicação, indispensado no auxilio a concretização dessa monografia. A todos os professores do curso de engenharia da computação, pela paciência, dedicação e ensinamentos disponibilizados nas aulas, cada um de forma especial contribuiu para a conclusão desse trabalho e consequentemente para minha formação profissional. Agradeço também aos meus colegas e amigos em especial a dois colegas Gilmar Paiva e Ezequiel, que me ajudaram e contribuíram de forma primordial para a realização desse trabalho.


5

Passaram os acontecimentos, só não passam os sonhos. Tão reais que ninguém saberia distingui-los de coisas acontecidas. Cândido Portinari


6

RESUMO

A presente monografia tem por objetivo automatizar um estacionamento de veículos automotores. Devido às dificuldades encontradas pelos usuários ao estacionar seus carros, pode-se observar que essa dificuldade se dá devido à falta de automatização no estacionamento. O estacionamento automatizado consiste em informar por meio de um display na entrada se existe vaga ou não. Se sim, indicar qual vaga, liberar o portão para entrada do carro, e ao sair, o cliente deve passar na portaria, fazer seu cadastro para controle do estacionamento e segurança do cliente. Na chagada, o cliente retira seu carro e passa na portaria para fazer o pagamento. Após esse processo a portaria, libera o portão para saída do carro. Para elaboração desse trabalho foi feita uma pesquisa em campo para observar como funcionam os estacionamentos, quais às deficiências existentes nos locais para sanar os problemas encontrados e questionar os proprietários dos locais a possibilidade da implantação

do

sistema

automatizado

de

controle

de

vagas

em

seus

estabelecimentos. Para confecção do sistema serão utilizadas ferramentas disponíveis no mercado, como a plataforma Arduíno, o ambiente de programação Delphi 7 para confecção do sistema para controle dos clientes. Esse sistema seguirá o padrão UML. Ao final da pesquisa pôde-se concluir que automatizar o estacionamento é uma solução para amenizar o tempo gasto na procura por vagas e agilizar o processo de estacionar um veiculo. Palavras-chave: Arduíno. Delphi 7. Estacionamento automatizado. UML.


7

ABSTRACT

This monograph aims to automate a parking lot of vehicles. Due to the difficulties found by users while parking, it can be observed that this difficulty is due to the lack of automation in the parking lots. The automated car park consists in providing information through a display at the entrance if there are parking places or not. If yes, it will indicate which one then release the gate to the driveway, and when leaving, the clients must make registration to control parking and their safety. Arriving, the customer withdraws their car and makes the payment, and then the car is released. To develop this project some research was done in the field to observe how the parking lots work, the deficiencies in local to remedy the problems found and question the owners of the sites about the possibility of implementing automated control of parking spaces in their establishments. To make the system, some available tools in the market are going to be used like the Arduino platform, the programming environment Delphi 7 to construct the control system for the customers. This system follows the UML standard. Thus, we can say that parking automation will be the best solution to minimize the time spent searching for places and expedite the process of parking a vehicle.

Keywords: Arduino. Delphi 7. Automated parking. UML.


8

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Plataforma Arduíno .............................................................................. 23 Figura 2 - Circuito LDR ......................................................................................... 26 Figura 3 - Circuito divisor de tensão ..................................................................... 27 Figura 4 - Ligação do Arduíno com o LCD ........................................................... 29 Figura 5 - Motor servo .......................................................................................... 30 Figura 6 - Portão de saída dos carros .................................................................. 32 Figura 7 - Portão de saída do estacionamento..................................................... 32 Figura 8 - Utilizando o multímetro para capturar o valor do LDR ......................... 33 Figura 9 - Placa de sensores LDR ....................................................................... 34 Figura 40 - Teste com o circuito dos sensores LDR............................................. 35 Figura 51 - Maquete do estacionamento .............................................................. 36 Figura 62 - Sensores LDR nas vagas do estacionamento ................................... 36 Figura 73 - Implementação do sistema ................................................................ 34 Figura 84 - Diagrama de classe do banco de dados ............................................ 43 Figura 15 - Tela de consulta de cliente ................................................................ 46 Figura 16 - Tela de detalhamento dos dados do cliente....................................... 47


9

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Tabela de VeĂ­culos.............................................................................. 44 Tabela 2 - Tabela de Cliente ................................................................................ 44 Tabela 3 - Tabela de Estacionamento .................................................................. 44


10

LISTA DE QUADROS

Quadro 1 - Ligação do potenciômetro com o LCD ............................................... 28 Quadro 2 - Ligação dos pinos do LCD com o Arduíno ......................................... 29 Quadro 3 - Ligação do motor servo com o Arduíno.............................................. 31 Quadro 4 - Condições para o controle de vagas no estacionamento ................... 40 Quadro 5 - Informações para o cadastro de clientes............................................ 42 Quadro 6 - Funcionalidade do sistema de cadastro dos clientes ......................... 45


11

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

SGBD

Sistema de gerenciamento de banco de dados

LCD

Display de liquido cristal

AC

Corrente alternada

DC

Corrente contínua

I/O

Entrada/Saída

SQL

Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta

ACID

Acrônimo de Atomicidade, Consistência, Isolamento e Durabilidade

PWM

Modulação por largura de pulso

UML

Linguagem de Modelagem Unificada

CPF

Cadastro de Pessoas Físicas

LDR

Resistor Dependente de Luz

USB

Universal Serial Bus


12

SUMARIO

CAPITULO 1– INTRODUÇÃO ............................................................................. 14 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMATIZAÇÃO .......................................... 14 1.2 PROBLEMA DE PESQUISA .......................................................................... 15 1.3 OBJETIVO GERAL ........................................................................................ 15 1.4 OBJETIVOS ESPECÍFICOS .......................................................................... 15 1.5 JUSTIFICATIVA ............................................................................................. 16 1.6 ORGANIZAÇÃO DA MONOGRAFIA ............................................................. 16 CAPITULO 2 – REVISÃO LITERÁRIA ................................................................ 17 2.1 PLATAFORMA ARDUINO.............................................................................. 18 2.2 AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO DELPHI.................................................... 19 2.3 FIREBIRD....................................................................................................... 20 2.4 E CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................ 20 CAPITULO 3 – METODOLOGIA ......................................................................... 21 3.1 TIPO DE PESQUISA ...................................................................................... 21 3.2 PARTICIPANTES OU FONTES DE INFORMAÇÃO ...................................... 22 3.3 INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS .................................................... 22 3.4 ANÁLISE DOS DADOS .................................................................................. 22 CAPITULO 4 – DESENVOLVIMENTO DO HARDWARE.................................... 23 4.1 PLATAFORMA ARDUINO.............................................................................. 23 4.1.1 Ambiente de programação do arduino ........................................................ 24 4.2 COMPONENTES UTILIZADOS PARA CONFECÇÃO DA PLACA DE SENSORES LDR ................................................................................................. 25 4.2.1 Sensor de temperatura ldr ........................................................................... 26 4.2.2 Resistores ................................................................................................... 27 4.3 DISPLAY CRISTAL LIQUIDO ........................................................................ 27 4.4 MOTOR SERVOR .......................................................................................... 30 4.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................... 37 CAPITULO 5 – DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE .................................... 28 5.1 AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO DO ARDUINO .......................................... 38 5.2 FUNCIONALIDADE DO SISTEMA ................................................................. 39 5.3 DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA O CADASTRO DOS CLIENTES ............................................................................................................................. 42 5.4 ESTUDO DE CASO ....................................................................................... 42 5.5 DIAGRAMA DE CLASSE ............................................................................... 43 5.6 UTILIZANDO O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO DELPHI 7 PARA A CONFECÇÃO DO SISTEMA ............................................................................... 45 5.7 CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................... 47


13

CAPITULO 6 – CONCLUSÃO ............................................................................. 48 6.1 ANALISE DE DADOS..................................................................................... 49 6.2 TESTES E RESULTADOS ............................................................................. 49 6.3 TRABALHOS FUTUROS ............................................................................... 49 REFERÊNCIAS .................................................................................................... 50 APÊNDICE A


14

CAPITULO 1 – INTRODUÇÃO

A proposta desse trabalho de conclusão de curso consiste em desenvolver um sistema automatizado que controle as vagas dos estacionamentos de veículos automotores, utilizando a plataforma de computação física arduino[1], junto com a linguagem C++ [2] e o ambiente de programação Delphi 7 [3]. Pode-se perceber que, nos últimos tempos, a demanda por vagas nos estacionamentos de veículos automotores está cada vez maior, principalmente em cidades metropolitanas. Com isso, a procura por vagas e a dificuldade de estacionar, tornam-se uns dos principais problemas que os usuários de automóveis enfrentam. Levando em conta os fatos citados acima, é relevante fornecer aos estacionamentos, ferramentas tecnológicas que auxilie no gerenciamento de vagas, tornando-os automatizados para proporcionar aos usuários condições benéficas e, ao mesmo tempo, assegurar agilidade, eficiência e lucros aos estacionamentos de veículos automotores.

1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMATIZAÇÃO

São muitos os problemas encontrados nos estacionamentos de veículos automotores como, por exemplo, o grande fluxo de usuários a procura por vagas sem orientação correta, no interior dos estacionamentos, a má estrutura física, perda de tempo que as pessoas enfrentam ao procurar uma vaga. Percebe-se, que para sanar esses problemas, citados acima é viável os estacionamentos recorrerem a uma tecnologia automatizada que proporcione aos usuários informações sobre a existência de vagas, ou não, e orientá-los, onde os carros devem ficar além de manter o controle da saída dos clientes. [1] é uma plataforma de prototipagem eletrônica de hardware livre, projetada com um microcontrolador Atmel AVR de placa única, com suporte de entrada/saída embutido, com uma linguagem de programação padrão. [2] é uma linguagem de programação multi-paradigma e de uso geral. [3] é um compilador, uma IDE e uma linguagem de programação.


15

1.2 PROBLEMA DE PESQUISA

Diante das necessidades expostas acima, surge a seguinte pergunta: Como a plataforma Arduíno, sensores LDR

[4]

, LCD [5], motores servos

[6]

e o ambiente de

programação Delphi 7, irão auxiliar no desenvolvimento de um sistema automatizado que tem como função, controlar as vagas dos estacionamentos de veículos automotores?

1.3 OBJETIVO GERAL

Desenvolver um sistema, utilizando a plataforma Arduíno, junto com sensores LDR, LCD e motores servos, que façam o gerenciamento e o controle de vagas em um estacionamento de veículos automotores de forma automatizada, além de elaborar um sistema no Delphi 7 para controle da saída dos clientes.

1.4 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

• Desenvolver um hardware, utilizando a plataforma Arduíno para detectar a presença de carro nos estacionamentos, emitir avisos aos clientes sobre a presença ou ausência de vagas e orientá-los qual vaga ocupar. • Desenvolver um software na linguagem c++ para junto com o hardware fazer o gerenciamento e o controle da chegada dos carros. • Elaborar um sistema no Delphi 7 para fazer o cadastro dos clientes.

[4] Resistor Dependente de Luz ou Fotoresistência é um componente eletrônico passivo do tipo resistor variável. [5] é um painel fino usado para exibir informações por via eletrônica, como texto, imagens e vídeos. [6] é uma máquina, mecânica ou eletromecânica, que apresenta movimento proporcional a um comando, em vez de girar ou se mover livremente sem um controle mais efetivo de posição


16

1.5 JUSTIFICATIVA

Nos dias atuais, é altamente perceptível, que estacionar um carro em um estacionamento, está cada vez mais difícil, principalmente em cidades grandes. Encontrar uma vaga está sendo um processo onde o cliente perde tempo, pois eles têm que entrar no estacionamento e dai então verificar se há vagas. Diante das necessidades observadas nos estacionamentos, tornam-se necessários automatizá-los, facilitando o tráfego dos carros e agilizando o processo de estacionar o carro.

1.6 ORGANIZAÇÃO DA MONOGRAFIA

Esta monografia consiste em seis capítulos e compõe-se da seguinte forma: O segundo capítulo consiste na revisão literária, onde serão feitas citações sobre alguns autores que publicarão livros, revistas, sites dentre outros que coincidem com o tema desta monografia. O terceiro capítulo, por sua vez, consiste na metodologia cientifica no qual foi feito uma pesquisa em campo. O quarto capítulo discorrerá sobre a característica física do hardware como: o funcionamento da plataforma Arduíno, bibliotecas, ambiente de programação, motores servos, LCD e a confecção da placa com sensores LDR. O quinto capítulo será descrito sobre o desenvolvimento do software, utilizado para dar funcionalidade de forma automatizada ao hardware além de descrever sobre o ambiente de programação Delphi 7, banco de dados, pois o sistema que foi feito para controlar a saída dos clientes no estacionamento, consiste das seguintes ferramentas: Delphi 7, Firebard, Ibexpert e o padrão UML. O sexto capítulo discorrerá sobre a conclusão, testes, trabalhos futuros e a referência bibliográfica.


17

CAPITULO 2 - REVISÃO LITERÁRIA

O número de pessoas que possuem veículos automotores está cada vez maior com isso as dificuldades a procura por vagas, principalmente em cidades grandes são muitas. Em muitas áreas urbanas as pessoas perdem tempo localizando vagas e isso leva uma cascata de problemas como: poluição, congestionamento e acidentes. Os locais com maior índice de problemas, em relação à falta de informações de

vagas

são

parques,

shoppings

supermercados,

grandes

eventos,

estacionamentos de cidades de médio e grande porte e etc. Nestes mesmos locais existe uma sensação de que há mais carros dentro do estacionamento do que vagas, causando stress, mau humor e conflito entre pessoas. E uma coisa tão simples, como estacionar um veículo, torna-se uma tarefa desgastante. Uma das soluções para esses tipos de problemas é desenvolver um sistema automatizado, que proporcione rapidez, segurança e facilidade aos clientes. Com o auxilio das tecnologias, disponíveis no mercado, sendo uma das à plataforma Arduíno, seria possível desenvolver um sistema de controle de vagas nos estacionamentos e com isso amenizaria os transtornos que muitos usuários encontram ao estacionar seus veículos. Através

de

estudos

realizados

para

solucionar

os

problemas

de

congestionamento nos estacionamentos de grandes centros urbanos chegaram às soluções tecnológicas. De acordo com COBENGE (2011, p.5): Estacionamentos inteligentes são soluções tecnológicas para o problema da organização de estacionamentos. O estado da arte mostra a existência de estacionamentos que indicam com sinais luminosos quais vagas estão disponíveis, sistemas que orientam o motorista no caminho da vaga.


18

2.1 PLATAFORMA ARDUÍNO

Visto que a tecnologia hoje em dia está cada vez mais viável para elaboração de projetos sendo uma dessa tecnologia a plataforma Arduíno. O Arduíno é uma plataforma para desenvolvimento de interface física que consiste em uma placa eletrônica com um microcontrolador[7] e um ambiente de desenvolvimento que permite programar e executar o código nesta placa.

Segundo McRoberts (2010, p.4): O Arduíno é um microcontrolador de placa única e um conjunto de software para programá-lo. O hardware consiste em um projeto de hardware aberto simples para o controlador com um processador AVR Atmel e suporte onboard I / O. O software consiste em uma linguagem de programação padrão e o carregador de inicialização que é executado no tabuleiro.

O Arduíno é uma poderosa ferramenta, e pode ser usada para o desenvolvimento de objetos interativos independente. É uma placa composta por um microntrolador, entradas e saídas analógicas e digitais e uma interface serial. O Arduíno faz parte do conceito de hardware e software livre e está aberto para uso e contribuição de toda sociedade. O conceito Arduíno, surgiu na Itália em 2005, com o objetivo de criar um dispositivo para controlar projetos/protótipos construídos de uma forma menos dispendiosa do que outros sistemas disponíveis no mercado. Disponível em:<http://www.telecom.uff.br/pet/petws/downloads/tutoriais/arduino/Tut_Ar duino.pdf>. Acessado em: 02 de nov.2012. Arduíno é uma plataforma de computação física (são sistemas digitais ligados a sensores e atuadores, que permitem construir sistemas que percebam a realidade e respondem com ações físicas), baseada em uma simples placa de Entrada/Saída microcontrolada e desenvolvida sobre uma biblioteca que simplifica a escrita da programação em C/C++. Disponível em:<http://www.telecom.uff.br/pet/petws/downloads/tutoriais/arduino/Tut_Ar duino.pdf>. Acessado em: 15 de jan.2013.

[7] é um computador com chip, contendo um processador, memória e periféricos de entrada/saída.


19

2.2 AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO DELPHI

Outra ferramenta eficaz para elaboração de projetos é o Delphi, um ambiente de programação utilizado para elaboração de sistemas, é uma ferramenta de desenvolvimento da ultima geração do Objeto Pascal [8]. O Delphi é uma ferramenta de desenvolvimento rápido de aplicação, além disso, possui ferramentas de desenvolvimento, como modelos e especialistas de aplicações e formulários, que aumentam a produtividade, facilitando a programação da aplicação. [...] O Delphi dispõe de recursos para integração com diversos bancos de dados relacionais (Paradox, XBase, ACCESS), DBMS (Oracle, Sybase, Interbase, Informix, SQL Server, MYSQL) de forma ágil e extremamente fácil, recursos para desenvolvimento de aplicativos para internet, suporte a tecnologias CORBA, ActiveX, OLE, XML e agora as mais recentes: SOAP e. NET. Seu raio de ação vai desde um simples aplicativo comercial até softwares científicos ou que façam uso de pesadas rotinas em assembler que podem ser implementadas em seu próprio código fonte. Disponível em:< http://blog.scriptseguro.com.br/o-que-e-delphi/>. Acessado em: 21 de mar.2013.

A linguagem de programação para o ambiente integrado de desenvolvimento Delphi é o pascal. Essa linguagem facilita a criação de procedimentos com baixa conexão ou interação entre dois sistemas e alta coesão.

Segundo Antonio et al.( 1998, p.10): Ambiente Integrado é um conjunto de recursos para programação utilizado de forma natural, consistente e, em geral, dirigido através de opções organizadas em menus estruturados, com janelas de auxílio, parâmetros de configuração, etc.

O Delphi é utilizado no desenvolvimento de aplicações desktop, web, aplicações multicamadas e cliente/servidor, compatível com o banco de dados mais conhecidos do mercado o Firebid. Ele pode ser usado para desenvolver aplicações que exijam tanto uma linguagem de alto nível como também de baixo nível.

[8] é uma ramificação de linguagens derivativas de Pascal, com suporte a orientação a objetos.


20

2.3 FIREBIRD

O Firebird [9] é um sistema de gerenciamento de banco de dados. Ele roda em uma variedade de plataforma Unix

[10]

, Windows

[11]

, Linux

[12]

dentre outras

plataformas, é um banco gratuito em todos os sentidos: não há limitações de uso, e seu suporte amplamente discutido em listas na Internet, o que facilita a obtenção de ajuda técnica. O SGBD Firebird “Atende igualmente bem aplicações de um único usuário e a aplicações corporativas. Um servidor Firebird pode manipular múltiplas bases de dados independentes, cada uma com múltiplas conexões clientes. E o que faz toda a diferença: é verdadeiramente Open Source, assim, livre de qualquer exigência de licenças, mesmo para uso comercial”. Disponível em:< http://blog.scriptseguro.com.br/o-que-e-delphi/>. Acessado em: 26 de mar.2013.

O SGBD Firebird é completo e poderoso ele tem um bom desempenho e praticamente sem necessidade de manutenção. O Firebird possui vários recursos sendo

os

principais:

suporte

total

a Stored

Procedures

e

Triggers;

transações compatíveis com ACID; quase nenhuma configuração é só instalar e já pode começar a usar; grande comunidade de usuários e vários lugares para se obter suporte gratuito; suporte nativo para os maiores sistemas operacionais, incluindo o Windows, Linux, Solaris, MacOS; backups incrementais; total controle de cursores em SQL; Tabelas de monitoramento; triggers de conexão e transação, dentre outros.

2.4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

A revisão literária teve um papel fundamental na construção desse trabalho de conclusão de curso, pois é através dela que se pode situa dentro da grande área de pesquisa da qual faz parte, contextualizando-o, reportando e avaliando o conhecimento produzido em pesquisas prévias, destacando conceitos, procedimentos, resultados, discussões e conclusões relevantes para o desenvolvimento do sistema que controla vagas no estacionamento de veículos automotores.

[9] sistema de gerenciamento de banco de dados. [10] [11] [12] sistemas operacionais.


21

CAPITULO 3- METODOLOGIA

Os objetivos dessa pesquisa em campo foram atendidos de acordo com os conjuntos de procedimentos descritos abaixo.

3.1 TIPO DE PESQUISA

Essa pesquisa tem como caráter exploratório e tem por objetivo relatar o funcionamento de alguns estacionamentos de veículos automotores de vitória da conquista - BA, mostrando-o a opinião dos empresários sobre o sistema automatizado que gerencie o controle de vagas nos estacionamentos. Segundo Gil (2002, p. 41) este tipo de pesquisa tem como finalidade o “aprimoramento de ideais ou a descoberta de intuições. Seu planejamento é bastante flexível, de modo que possibilite a consideração dos mais variados aspectos ao fato estudado”, ou seja, no caso desta pesquisa, caracterizar o processo de adaptar os estacionamentos que até então o gerenciamento de vagas é feito manualmente ou por um sistema automatizado. Foi feito a escolha da análise qualitativa para essa pesquisa por basear-se na observação intensa num determinado ambiente natural, procurando-se registrar de forma precisa e detalhada de tudo que acontece no ambiente, consequentemente obteve-se uma interpretação e analise de dados descritivos e narrativos. Em relação ao delineamento da pesquisa, ela foi elaborada em campo, onde foi realizado um questionário aos responsáveis de dois estacionamentos de veículos automotores da cidade de vitoria da conquista- BA, visando conhecer os procedimentos realizados no que tange ao gerenciamento de vagas e o controle dos clientes. Foi feito também uma breve apresentação do sistema automatizado de gerenciamento de vagas e pode-se observar o interesse dos proprietários pela implantação do sistema automatizado no estabelecimento. Os resultados da seguinte pesquisa podem ser observados no Apêndice A.


22

3.2 PARTICIPANTES OU FONTES DE INFORMAÇÃO

Os dados para elaboração dessa pesquisa foi coletados com duas pessoas responsáveis pelos estacionamentos. 3.3 INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS

Foi utilizado para a coleta dos dados um questionário contendo dez perguntas. Os dados coletados foram transcritos, com a autorização dos entrevistados.

3.4 ANÁLISE DOS DADOS

A finalidade da coleta dos dados, através dos questionários, foi observar quais problemas são encontrados nos estacionamentos, sem um sistema automatizado e como seria a aceitação pelos empresários do sistema automatizado que gerencie o controle de vagas nos estacionamentos automotores. Pode observar que o estacionamento estrela Park é uma filial da matriz que fica localizada em São Paulo-SP, por esse motivo ele já possui um sistema automatizado que gerencia as vagas. Já no que desrespeito ao estacionamento Montana o gerenciamento é feito de forma manual, no entanto, pretende adotar um sistema automatizado.


23

CAPITULO 4 - CARACTERISTICA FÍSICA DO HARDWARE

O hardware tem por finalidade, compor a parte física do sistema automatizado que fará o controle de vagas nos estacionamentos de veículos automotores. Ele consiste em uma placa com seis sensores LDR, uma plataforma Arduíno, dois motores servos e um LCD.

4.1 PLATAFORMA ARDUÍNO

O Arduíno Duamilanove é uma placa baseada no microcontrolador atmega328[13]. De acordo com a figura 1, o Arduíno Duamilanove, possui 14 pinos que podem ser utilizados como entrada ou como saída, sendo que 6 pinos podem ser utilizados como saídas PWM para o controle da velocidade dos motores de corrente contínua, 6 entradas de sinais analógicos, além disso, possui um oscilador de cristal 16 MHz.

Figura 1. Plataforma Arduíno Fonte: Disponível em: http://arduino.cc. Acessado em: 09 de outubro 2012

A tensão recomendada para alimentação do Arduíno está entre 7 a 12 v. No entanto, pode ser utilizada a tensão limite que está entre 6 a 20 v. Não é recomendada, pois menor que 7 v, pode fornecer menos que 5v e a placa pode ficar instável se for maior que 12 v, o regulador de tensão pode superaquecer e avariar a placa. A placa possui um conector RJ45, que pode ser conectado com uma bateria ou um adaptador AC para DC ou com o próprio cabo USB para alimentá-la. [13] é um microcontrolador de 8 bits, com arquitetura Harvard modificada.


24

Cabos vindos de uma bateria podem ser inseridos nos pinos GND (terra) e Vin (entrada de tensão) do Arduíno Duamilanove. O microcontrolador atmega328, possui 32 KB de memória flash (onde é armazenado o software), 2 KB de memória SRAM (onde ficam as variáveis) e 1 KB de EEPROM que pode ser lida e escrita através da biblioteca EEPROM e guarda os dados permanentemente, mesmo que desligados. A comunicação do Arduíno com o computador é feita através do cabo USB [16]

. O microcontrolador Atmega328, possui o padrão serial no UART TTL (5 v), que

está disponível nos pinos digitais 0 (RX) e 1 (TX). Um chip FTDI FT232RL na placa encaminha esta comunicação serial através da USB e os drives FTDI que já está incluso no software do arduino, fornecem uma porta virtual para o software no computador. Quando os dados estão sendo transferidos ao computador pelo chip FTDI os leds RX e TX da placa Arduíno piscam.

4.1.1 Ambiente de Programação do Arduíno

Como citado acima, o Arduíno Duamilanove possui 14 pinos que podem ser utilizados como entradas ou saídas. Para isso, terá que utilizar as funções pinMode(), digitalWrite(), e digitalRead() na programação. A função pinMode(), configura o pino especificado para que ele se comporte como entrada (input) ou saída (output). Por sua vez a função digitalWrite(), escreve um valor alto ou um baixo em um pino digital. A função digitalRead(), lê o valor de um pino digital especificado, alto ou baixo. Alguns pinos do Arduíno possuem funções especiais como, por exemplo, o serial: 0 (RX) e 1 (TX), usados para receber (RX) e transmitir (TX) dados seriais TTL. Os pinos PWM: 3, 5, 6, 9, 10, e 11 que fornecem uma saída analógica PWM de 8-bit com a função analogWrite(). Para carregar o software no ArduÍno Duemilanove será necessário pressionar o botão Upload no ambiente de programação, onde uma das linhas de controle é o fluxo de hardware(DTR) do FT232RL e está conectada à linha de reset do Atmega328 via um capacitor de 100 nF. Quando esta linha é rebaixada, a linha de reset cai o tempo suficiente para resetar o chip.

.


25

No ambiente de programação do Arduíno já possuem algumas bibliotecas como a biblioteca do motor servo, LCD, Software serial dentre outras. A programação do Arduíno é baseada na linguagem C/C++. Utilizando a sintaxe clássica na declaração das variáveis, nos operadores, vetores e muitas outras características da linguagem. A referência dessa linguagem está dividida em três partes. A primeira parte é a estrutura que compõe a estrutura de controle como o if, else break, while, a sintaxe básica (define, include,...), operadores aritméticos e de comparação (+, -, =, ==, !=, ...), operadores booleanos (, ||, !), acesso a ponteiros (*, ), operadores compostos (++, {, +=, ...) e operadores de bits (|, ; ; :::). A segunda parte são os tipos de variáveis e constantes como: Tipos de dados (byte, array, int , char , ...), conversões (char (), byte (), int (), ...), variável de escopo e de qualificação (variablescope, static, volatile, ...) e utilitários (sizeof(), que diz o tamanho da variável em bytes) e, por último, as funções que consiste nas funções de entrada e saída como: pinMode(),digitalWrite(),digitalRead() as analógico I/O como: analogReference(), analogRead(), analogWrite() e as funções de tempo como: millis(), micros(), delay() e delay Microseconds().

4.2

COMPONENTES

UTILIZADOS

PARA

CONFECÇÃO

DA

PLACA

DE

SENSORES LDR

Para

detectar

a

presença

dos

carros

no

estacionamento

foram

confeccionadas 6 placas com sensores LDR, quatro placas serão colocadas em cada vaga, uma será colocada na entrada, para detectar a chegada do carro e a outra será colocada logo após o portão para detectar se o carro já está dentro do estacionamento e dai então abaixar o portão. Que será colocado em um ponto estratégico do estacionamento que após detectar se o carro já distanciou do portão, acionará o motor para baixar o portão. Por ter a mesma finalidade e funcionalidade à placa com o sensor foi confeccionada da mesma forma das outras como, mostrado na figura 2.


26

Figura 2. Circuito LDR Fonte: Autoria Própria, 2013

Para confeccionar a placa que ficará localizada nas vagas do estacionamento foram utilizados os seguintes componentes. ● 5 sensores LDR ● 5 resistores de 100 homs ● Fios

4.2.1 Sensor de Temperatura LDR

LDR é um componente eletrônico passivo do tipo resistor variável, mais especificamente, é um resistor cuja resistência varia conforme a intensidade da luz que incide sobre ele. À medida que a intensidade da luz aumenta, a sua resistência diminui. O sensor de temperatura LDR é montado num circuito onde a resistência é convertida para tensão. A forma mais simples de fazer é através de um circuito divisor de tensão. O divisor de tensão é uma técnica de projeto utilizada para criar uma tensão elétrica (Vout) que seja proporcional à outra tensão (Vin), pode-se observar na figura 3.


27

Figura 3. Circuito divisor de tensão Fonte: Disponível em:< http://pt.wikipedia.org/wiki/Divisor_de_tens%C3%A3o>. Acessado em: 03 de junho 2013

4.2.2 Resistores

Para compor o circuito dos sensores LDR foram utilizados resistores. Ele é um dispositivo elétrico muito utilizado em eletrônica, com a finalidade de transformar energia elétrica em energia térmica por meio do efeito joule, o resistor limitar a corrente elétrica em um circuito e oferecer uma oposição à passagem de corrente elétrica, através de seu material. Os resistores foram colocados em um circuito pull up, enquanto não chega nenhum carro o pino de entrada do LDR será ligado aos 5 v, e estará sempre alto. Quando chega um carro o caminho da menor resistência será em direção ao terra, por isso o pino será ligado ao terra, e o estado será baixo a função do resistor nesse caso é limitar a corrente ou seja, pode-se garantir que o estado de um pino de entrada seja alto.

4.3 DISPLAY CRISTAL LÍQUIDO

O display será utilizado no projeto para mostrar mensagens aos clientes da existência de vagas, indicando o corredor e a vaga ou mostrar ao cliente que não existem vagas no estacionamento. O LCD é um monitor de cristal fino usado para exibir informações como textos, imagens e vídeos. A interface do LCD é em paralelo. Por esse motivo, o microcontrolador tem que manipular pinos de interface de uma só vez para controlar a exibição. O LCD consiste de um líquido polarizador da luz, eletricamente controlado, que se encontra comprimido dentro de celas entre duas lâminas transparentes


28

polarizadoras. Os eixos polarizadores das duas lâminas estão alinhados perpendicularmente entre si. Cada cela é provida de contatos elétricos que permitem que um campo elétrico possa ser aplicado ao líquido no interior. A interface do display é constituída por 16 pinos: O pino RS controla onde na memória do LCD vai escrever os dados, o RW é o pino que seleciona modo de leitura ou modo de escrita, opino de permissão permite gravar os registros, o LCD possui 8 pinos de dados (D0-D7), sendo que os estados desses pinos são tratados como alto ou baixo, o pino VSS é o terra, o pinos de alimentação de 5v é o VDD, o pino de luz de fundo LED (BKLT + e BKLT -) pinos que podem usar para ligar o LCD, controlar o contraste da tela, e ligar e desligar o LED luz de fundo, respectivamente e por ultimo o pino BL controla a luz de fundo do display. . O controle do contraste do display pode ser pelo programa do Arduíno, utilizando a saída PWM ou ligar a um potenciômetro para controlar manualmente. Para fazer a ligação do LCD com um potenciômetro necessita fazer as ligações necessárias para seu funcionamento como mostrado no quadro 1.

Quadro 1. Ligação do potenciômetro com o LCD

Potenciômetro

Arduino

LCD

Anodo

5v

Vcc

Gate

Gnd

Gnd

Catodo

_____

Vo

Fonte: Autoria Própria, 2013

Para o controle do display LCD no Arduíno, será necessário utilizar a biblioteca #include <Liquidcrystal.h>. Esta biblioteca já vem importada no ambiente de programação do Arduíno. Os métodos principais são void setup() e void loop(). O void setup é utilizado para habilitar os pinos e o void loop é para fazer a instalação para o funcionamento do LCD. Quando o LCD for usado com a plataforma Arduíno será necessário realizar a seguinte ligação como mostrado na figura 4 e no quadro 2.


29

Figura 4. 4 Ligação do Arduíno com o LCD Fonte: Disponível em:<http://engenheirando.com/arduino/displaylcd/ http://engenheirando.com/arduino/displaylcd/>. >. Acessado em: 13 out. 2012 Quadro 2. Ligação dos pinos do LCD com o Arduíno

Arduíno

LCD

GND

GND, Vo, RW

5V

Vcc

Saída7

Pino BL

Saída 12

Pino RS

Saída 11

Pino E

Saída 5

Pino D4

Saída 4

Pino D5

Saída 3

Pino D6

Saída 2

Pino D7

Fonte: Autoria Própria, 2013


30

4.4 MOTOR SERVOR

Para confecção desse projeto foram utilizados 2 motores servos junto com o Arduíno, para abrir os portões da entrada e da saída do estacionamento. Após o sistema detectar a existência de vagas, automaticamente o portão da entrada se abre para passagem do carro. Já no portão da saída, só será aberto caso o porteiro aperte o botão por questão de segurança. O servo motor é um dispositivo eletromecânico que, a partir de um sinal elétrico ou codificado em sua entrada, pode ter seu eixo posicionado em uma determinada posição angular que varia de 0 a 180 graus. Os motores servos são motores pequenos, compactos e precisos, pois permite um posicionamento preciso de seu eixo e já vem incorporado um circuito eletrônico de controlo e apresentam uma potência elevada face às suas dimensões. O motor servo possui 3 fios como mostrado na figura 6, indicados pelas cores preta, vermelha e branca. A cor preta é o terra (Gnd) a cor vermelha é a alimentação 5 Vcc e o fio branco é utilizado para o controle do motor servo.

Figura 5. Motor servo Fonte: Disponível em:<http://www.webtronico.com/>. Acessado em: 10 out. 2012

O servo motor possui um circuito eletrônico de controle e um potenciômetro (uma resistência variável rotativa) que estão ligados ao eixo de saída. Este potenciômetro possibilita ao circuito o controle de rotação do ângulo do eixo. As engrenagens são acopladas no motor e possui um limitador que atua no ângulo de giro de eixo, fazendo com que este varie de 0 a 180 graus. Para o funcionamento do motor servo no Arduíno será necessário importar a biblioteca #include <Servo.h>, que assim como a biblioteca do LCD, ela já vem


31

acoplada no ambiente de programação e fazer a ligação dos fios do motor servo nos pinos do Arduíno como mostrado no quadro 3.

Quadro 3. Ligação do motor servo com o Arduíno

Motor servo

Arduíno

Fio preto.

Gnd.

Fio vermelho.

5v

Fio branco.

Pino 8.

Fonte: Autoria Própria, 2013

A seguir serão mostradas figuras da confecção da placa com sensores LDR e da maquete para simular um estacionamento de veículos. Na figura 6 e 7, mostra o portão de saída, que foi feito uma placa com o circuito pull down, nesse caso se o botão for pressionado, a eletricidade tomara o caminho de menor resistência, e fluirá entre os 5 V e o pino de entrada (ha um resistor de 100 Ω no pino de entrada e um resistor de 100Ω no terra). Entretanto, quando o botão não e pressionado, a entrada esta conectada ao resistor de 100 Ω e é direcionada para o terra. Esse circuito foi confeccionado para abrir o portão da saída do estacionamento.


32

Figura 6. Portão de saída dos carros Fonte: Autoria própria

Figura 7. Portão de saída do estacionamento


33

Fonte: Autoria própria

Na figura 8, foi utilizado o multímetro para medir o valor do sensor LDR e fazer testes no circuito, para verificar se o valor do sensor LDR, estava flutuando.

Figura 8. Utilizando o multímetro para capturar o valor do LDR Fonte: Autoria própria

Foi confeccionada uma placa com 6 sensores LDR, 4 desses sensores, ficaram localizados nas 4 vagas do estacionamento para verificar a existência dos carros em cada vaga, os outros dois sensores ficaram localizados um na entrada do estacionamento e o outro, dentro do estacionamento, próximo ao portão. A placa pode ser vista na figura 9.


34

Figura 9. Placa de sensores LDR Fonte: Autoria própria

Na figura 10, pode-se observar um protobord, ele foi utilizado para fazer testes com o circuito do sensor LDR, antes da confecção da placa. Esse tipo de teste é essencial para projetos com hardware.


35

Figura 10. Teste com o circuito dos sensores LDR Fonte: Autoria própria

Na figura 11, mostra a maquete do estacionamento, ela foi confeccionada com intuito de simular um estacionamento real, pode-se, observar a existência de 4 vagas onde estão todas ocupadas. A maquete foi feita com uma folha de isopor e papel camurça.


36

Figura 11. Maquete do estacionamento Fonte: Autoria própria

Na figura 12, pode-se observar os sensores LDR nas vagas 3 e 4. Quando as vagas estiverem ocupadas ou desocupadas quem irá detectar a presença ou ausência de carros serão os sensores.

Figura 12. Sensores LDR nas vagas do estacionamento Fonte: Autoria própria


37

4.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Pode-se, perceber que a plataforma Arduíno é uma excelente ferramenta para elaboração de projetos. O Arduíno tem, por finalidade, facilitar a prototipagem eletrônica e a implementação em um sistema interativo, juntamente com o LCD, sensor LDR e motor servo. Esses componentes irão compor o hardware do sistema automatizado, que fará o controle das vagas de veículos automotores.


38

CAPITULO 5- DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE

Software é uma seqüência de instruções escritas para serem interpretadas por um computador com o objetivo de executar tarefas especificas. Neste caso, para o funcionamento do hardware transcrito no capítulo 4, foi desenvolvido o software para o funcionamento do sistema automatizado, que controla vagas em estacionamentos

de

veículos

automotores.

O

software

desenvolvido

foi

confeccionado com a própria linguagem do Arduíno. Para o controle dos clientes no estacionamento, também, foi desenvolvido um sistema que fará o cadastro dos usuários. Para o desenvolvimento do mesmo, foi utilizado o ambiente de programação Delphi 7 e a linguagem pascal.

5.1 AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO DO ARDUÍNO

A plataforma Arduíno possui seu próprio IDE. É um ambiente fácil de manipular e programar. Já vêm acoplado, algumas bibliotecas como: Liquido Cristal, servo, Ethernet, SD, Wire, SPI dentre outras, o que facilita a programação. Após o desenvolvimento do programa, o usuário clica no botão verificar para ver se tem algum erro de programação e depois faz o upload do programa para o Arduíno, dando funcionalidade ao sistema. Para

elaboração

do

software,

que

fará

o

controle

de

vagas

no

estacionamento, foram utilizados duas bibliotecas a <servo.h> e <liquidocristal.h>. São duas bibliotecas que já vêm importadas no Arduíno. A biblioteca <servo.h> provê os controles dos motores servos e possui um objeto do tipo servo que já é prédefinida da biblioteca. A biblioteca <liquidocristal.h> serve para controlar telas de cristais líquido como mostrado na figura 13.


39

Figura 13. Implementação do sistema Fonte: Autoria Própria

Também foi confeccionado um software para controlar um motor servo através de um botão liga/desliga. O motor irá abrir o portão quando for acionado o botão para isso foi utilizado à biblioteca <servo.h> do Arduíno.

5.2 FUNCIONALIDADE DO SISTEMA

Com intuito de simular um estacionamento de veículos, foram colocados 4 vagas. O software por sua vez, tem que verificar se chegou carro na entrada. Se sim, verificar se essas vagas estão ocupadas ou não, caso todas as vagas estiverem ocupadas, o sistema deverá emitir o seguinte aviso: sem vaga. Se existir vaga, o programa deverá indicar em qual vaga e em qual corredor está livre. Nesse caso, foi utilizado o comando de condição IF. Como em cada vaga possui um sensor, e ao chegar um carro o sensor emissor é interrompido e acende o led, o Arduíno verificará o valor do led e entrará na condição IF, como mostrado no quadro 4. Para


40

facilitar e agilizar o processo de estacionar um veiculo, será indicado ao usuário a vaga mais próxima da entrada. Como mostrado no quadro 4, não houve a necessidade de testar todas as possibilidades, pois, o sistema indicará a vaga por ordem, ou seja, a mais próxima da entrada. Ex: se a vaga 1 estiver desocupada, o sistema mostrará para o usuário essa vaga. Se a vaga um estiver ocupada, o programa verificará se a vaga 2 encontra-se desocupada. Se desocupada, indicará essa vaga. Se não, ele verifica se a vaga 3 está desocupada e assim por diante. Caso exista vaga, o portão será liberado para entrada do carro. Dentro do estacionamento terá um sensor para detectar se o carro já distanciou do portão. Se sim, o portão voltará para sua posição inicial. Após esse processo, o cliente passará na portaria para efetuar o cadastro e emitir o comprovante só após o pagamento que o portão da saída será liberado. Quadra 4. Condições para o controle de vagas no estacionamento

Vagas

Situação das vagas

Vaga 1

Ocupada

Mensagem

Corredor A Vaga 2

Ocupada “SEM VAGA”

Corredor A Vaga 3

Ocupada

Corredor B Vaga 4

Ocupada

Corredor B Segunda Condição Vaga 1

Desocupada

Corredor A Vaga 2

Desocupada “Vaga 1 ”

Corredor A Vaga 3

Desocupada

Corredor B Vaga 4 Corredor B

Desocupada

“Corredor A”


41

Terceira Condição Vaga 1

Ocupada

Corredor A Vaga 2

Desocupada “Vaga 2 ”

Corredor A Vaga 3

Desocupada/Ocupada

“Corredor A”

Corredor B Vaga 4

Desocupada/Ocupada

Corredor B Quarta Condição Vaga 1

Ocupada

Corredor A Vaga 2

Ocupada “Vaga 3 ”

Corredor A Vaga 3

Desocupada

“Corredor B”

Corredor B Vaga 4

Desocupada/Ocupada

Corredor B Quinta Condição Vaga 1

Ocupada

Corredor A Vaga 2

Ocupada “Vaga 4 ”

Corredor A Vaga 3

Ocupada

Corredor B Vaga 4 Corredor B Fonte: Autoria Própria, 2013

Desocupada

“Corredor B”


42

5.3 DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA O CADASTRO DOS CLIENTES

Para obter um sistema de qualidade, foi criado um modelo no padrão UML. O padrão UML é uma ferramenta de suma importância para projetos orientados a objetos, pois ele diminui a complexidade do sistema. Possibilita enxergar os problemas do sistema antes mesmo que aconteçam. Possibilita simular situações que seriam perigosas ou até mesmo danosas, caso fossem executadas no sistema em ação, dentre outros aspectos úteis. Segundo Matos, Alexandre de (2003, p.16) “a UML é a ferramenta ideal para conceber, compreender, testar, validar, arquitetar (lógica e fisicamente) e ainda identificar todos os possíveis comportamentos do sistema, especialmente o sistema orientado a objeto”.

5.4 ESTUDO DE CASO

Com a finalidade de obter um sistema que fizesse o cadastro dos clientes do estacionamento de veículos automotores, foi feito um estudo de caso contendo todas as necessidades dos usuários e do estacionamento. Como citado no capitulo 3, foi feita uma coleta de dados em alguns estacionamentos de Vitória da Conquista – BA, contendo informações fundamentais para elaboração do cadastro dos clientes, que serão mostradas no quadro 5. Quadro 5- Informações para o cadastro de clientes

Informações do cadastro de clientes Nome\Empresa: Telefone: Endereço: Documento: Tipo-Cliente/físico ou jurídico: Informações do veiculo Modelo Placa


43

Informações do estacionamento Corredor Vaga Data Horário de chegada Horário de saída Fonte: Autoria Própria, 2013

5.5 DIAGRAMA DE CLASSE Para confecção do banco de dados, foi utilizado o Firebird e o Ibexpert [14]. O Firebird é o sistema que gerencia o banco de dados já o Ibexpert foi utilizado para confeccionar o banco de dados seguindo o modelo do diagrama de classe, mostrado na figura 7, logo em seguida serão apresentadas as tabelas do módulo de cadastro:

Figura 14. Diagrama de classe do banco de dados. Fonte: Autoria Própria

[16] é uma ferramenta para administração de bancos de dados Interbase e Firebird.


44

Na tabela 1, mostra os dados que estão contidos no cadastro de veículos, como: modelo, placa e documento do cliente. Tabela 1 Tabela de Veículos

Fonte: Autoria Própria, 2013

Na tabela 2, mostra os dados que estão contidos no cadastro de clientes, como: endereço, telefone, nome, tipo de cliente e documento do cliente. Tabela 2 Tabela de Cliente

Fonte: Autoria Própria, 2013


45

Na tabela 3, mostra os dados que estão contidos no cadastro do estacionamento, como: horário de chegada, horário de saída, data, placa do carro, corredor, vaga e documento do cliente.

Tabela 3 Tabela de Estacionamento

Fonte: Autoria Própria, 2013

Foi utilizado o diagrama de classe, pois permite que cada uma das tarefas documentadas sejam executadas. Além de proporcionar uma visualização ampla das classes que comporão esse sistema com seus respectivos métodos e atributos, bem como em demonstrar como as classes do diagrama se relacionam, complementam e transmitem informações entre si.

5.6 UTILIZANDO O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO DELPHI 7 PARA A CONFECÇÃO DO SISTEMA

O sistema que fará o cadastro dos usuários do estacionamento de veículos automotores foi desenvolvido no Delphi 7, uma ferramenta poderosa e eficiente para desenvolvimento de software.


46

A tela de cadastro consiste das seguintes opções: consultar, incluir, alterar e excluir. Cada opção dessas possui uma funcionalidade que será transcrita no quadro 6. Quadro 6. Funcionalidade do sistema de cadastro dos clientes

Botões

Funcionalidade

Consultar

No sistema possui o botão consultar. O usuário do sistema digita o nome ou documento do cliente e ao clicar no botão consultar o sistema busca no banco de dados os dados do cliente e exibe na tela.

Incluir

Ao clicar nesse botão o sistema entra em modo de inserção de um novo cliente e o usuário do sistema terá que preencher as informações necessárias para efetuar o cadastro.

Alterar

O usuário realiza uma consulta e ao clicar nesse botão ele pode efetuar qualquer

alteração

no

cadastro

do

cliente. Excluir

O usuário realiza uma consulta e ao clicar nesse botão ele excluir o cliente do sistema.

Fonte: Autoria Própria, 2013

O sistema também possui o botão imprimir. Ao clicar nesse botão, o sistema buscará à hora de saída e diminuirá com a hora da entrada, calculando o valor a ser pago pelo cliente e imprimirá o comprovante contendo as seguintes informações: nome e documento do cliente, placa do carro, identificação da vaga, horário de entrada e saída e o valor a ser pago. A seguir serão apresentadas telas referentes ao módulo de cadastro. Na figura 14, a tela faz a consulta do cliente, através do nome ou do CPF e na tabela a baixo mostrará as informações do cliente.


47

Figura 15. Tela de consulta de cliente Fonte: Autoria Pr贸pria, 2013

Na figura 15, mostra o detalhamento dos dados dos clientes, essa tela s贸 aparece quando o cliente clica no bot茫o inserir ou faz uma consulta e clicar no bot茫o alterar.


48

Figura 16. Tela de detalhamento dos dados do cliente Fonte: Autoria Própria, 2013

5.7 CONCIDERAÇÕES FINAIS

Diante do que foi exposto nesse capitulo é notável que o software foi a peça chave para a conclusão desse projeto. Pode-se, perceber que o software nada mais é que uma seqüência de instruções a serem seguidas e executadas com o propósito de obter a funcionalidade do sistema que fará o controla das vagas em um estacionamento de veículos automotores.


49

CAPITULO 6 - CONCLUSÃO

Diante do que foi exposto no desenvolvimento, é imprescindível, ressaltar a importância de um sistema automatizado que controle as vagas no estacionamento de veículos automotores. Levando como parâmetro os resultados, mostrados nesse trabalho é notório acreditar na eficiência desse sistema, pois ficou evidente que os problemas encontrados nos estacionamentos como: congestionamento, perca de tempo, acidentes, dentre outros, foram amenizados e proporcionou aos usuários do estacionamento mais agilidade e eficiência ao estacionar seu veiculo. Percebe-se que, nos dias atuais o fluxo de carro está cada vez maior, principalmente em grandes cidades, shoppings, aeroportos dentre outros, e por esse motivo

surgem

vários

transtornos

na

hora

de

procurar

uma

vaga

nos

estacionamentos, para estacionar seu veiculo. Por esse motivo a implantação do sistema

automatiza

que

controla

vagas

nos

estacionamento

de

veículos

automotores, seria viável para sanar esses transtornos, visto que esse sistema supre todas as necessidades e utiliza eficientes ferramentas tecnológicas de baixo custo. Com intuito de demonstrar os resultados finais do desenvolvimento do software e do hardware, foi confeccionada uma maquete, simulando um estacionamento. O que proporcionou uma maior qualidade ao produto final. Também foram feitos testes como o hardware através do Proteus [18] que é uma ferramenta completa para o design de projetos eletrônicos e placa de circuitos impressos, além disso, é um poderoso simulador, com ele pode simular circuitos digitais, analógicos e microprocessadores.

[18] é um software para simulação de microprocessadores, captura esquemática, e placa de circuito impresso.


50

6.1 ANÁLISE DE DADOS

Os resultados esperados foram comparados com os resultados obtidos, através da analise de resultados (realizada na utilização da maquete), visando identificar se todas as necessidades dos clientes foram devidamente satisfatórias.

6.2 TESTES E RESULTADOS

O principal objetivo da fase de teste foi localizar os possíveis erros e corrigilos em quaisquer das etapas do ciclo de vida desse projeto, proporcionando maior qualidade ao produto, para tanto foi utilizado o protobord [18] que é um painel para montagem de protótipos eletrônicos digitais e analógicos, onde pode encaixar chips, capacitores, resistores dentre outros componentes eletrônicos além de proporcionar a montagem do projeto antes de construir a placa definitiva.

6.3 TRABALHOS FUTUROS

Pensando em trabalhos futuros a ser implantados juntamente com esse projeto, pode-se afirmar que, seria viável identificar o tamanho do veiculo, e caso fosse um veiculo de grande porte como: Hillux, BWM, Jips, Limousine, Vans, dentre outros, orientarem os clientes as vagas especificas para o tamanho do veiculo. Visto que em muitos estacionamentos de veículos automotores já possuem esse tipo de serviço, pode-se afirmar que, proporciona aos clientes um maior conforto e garante um espaço proporcional no estacionamento, evitando assim espaço a mais ou a menos para as vagas disponíveis, além de evita a lentidão ao manobrar esses tipos de veículos. Também seria viável, em vez de utilizar um botão liga/desliga para abrir o portão da saída do estacionamento, poderia ligar o sistema que faz o cadastro do cliente com o portão e assim que o cliente efetuasse o pagamento, automaticamente o portão abriria. [18] é uma placa de ensaio ou matriz de contato com furos e conexões condutoras para montagem de circuitos elétricos experimentais.


51

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

SCHILDT, Herbert. C, completo e total. 3ª edição revisada e atualizada. São Paulo: Pearson, 1997. 811 p. BOGADO et al. Linguagem de programação> Ambiente Integrado Pascal. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 1998. 160 p. MEDEIROS, Ernani. Desenvolvimento software com UML 2.0 definitivo. São Paulo: Pearson, 2004. 250 p. MALVINO, Albert . Eletrônica. 4ª edição. São Paulo: Pearson, 1997. Volume I. MALVINO, Albert . Eletrônica. 4ª edição. São Paulo: Pearson, 1997. Volume II. SHNEIDER, André. Sistemas Embarcados (hardware e firmware na prática). 1ª edição. São Paulo: Érica, 2006. GROOVER, Mikell. P. Automação Industrial e Sistemas de Manufatura. 3ª edição. São Paulo: Pearson, 2011. HISSAO, Fabrísio et al. Orientação a objetos no Delphi: Por onde começar?. Active Delphi, ed. 086, abr., 2011. JALOTO, Marcelo et al. Integrando skype com aplicação delphi. Active Delphi, ed. 076, jun., 2010. HISSAO, Fabrísio et al. Orientação a objetos no Delphi: Por onde começar?. Active Delphi, ed. 086, abr., 2011. HISSAO, Fabrísio et al. Utilizando live templates. Active Delphi, ed. 075 maio, 2010. CANTU, Carlos. H et al. Firebird 2.5. Active Delphi, ed. 081, nov, 2010. GUIMARÃES, Erika; MOTTA, Mathyan: Apostila Arduino, Niterói-RJ.2010. Disponível em:<http://www.telecom.uff.br/pet/petws/download/tutoriais/arduino/Tut Arduino.pdf>. Acessado em: 15 set. 2012.

MCROBERTS, Michael. Beginning Arduino. New: Press, 2010. SANTOS, Andre: Servomotores, Porto Alegre-RGS. 2007. Disponível em:< http://www.maxwellbohr.com.br/downloads/robotica/mec1000_kdr5000/tutorial_meca nica_-_bloco_padrao_de_servo-motor.pdf>. Acessado em: 15 set. 2012. Site do arduino. Disponível em:< http://www.arduino.cc/>. Acessado em: 05 ag. 2012.


52

McRoberts, Michael. Arduino bรกsico. Disponivel em:< http://pt.scribd.com/doc/109923984/arduino-basico-michael-mcroberts-portugues> Acessado em: 10 ag. 2012.


53

APÊNDICE A

Questionário que foi realizado nos estacionamento de veículos automotores da cidade de Vitória da Conquista - Ba.

Nome da empresa: Estrela Park. Nome do entrevistado: Rafael. Cargo: Responsável pelo gerenciamento do estabelecimento. Endereço: Av. 02 de julho-Centro. Questionário.

1-Como é feito o controle das vagas dos estacionamentos? Resp. O controle do estacionamento é feito pelo sistema contido no computador que é realizado o cadastro, contendo informações das vagas ocupadas pelos clientes. 2-Como é feito o controle dos clientes? Resp. O controle dos clientes é feito pelo sistema contido no computador que realizado o cadastro dos clientes, contendo informações das vagas ocupadas e dados pessoais. 3-Quais as reclamações dos clientes em relação ao sistema de gerenciamento do estacionamento? Resp. Nenhuma. 4-O que poderia ser feito para melhorar o controle de vagas nos estacionamentos de veículos automotores? Resp. O nosso serviço já é automatizado, possuímos um controle das vagas dos clientes através do nosso sistema só que a necessidade de um manobrista para recebê-los nossos clientes e indicá-los qual vaga ocupar, nessa parte também pode ser feito de forma automatizada. 5-Qual a sua opinião em relação ao desenvolvimento de um sistema automatizado que controle as vagas nos estacionamentos automotores? Resp. É um projeto excelente, pois diminui vários problemas encontrados nos estacionamentos como: congestionamento perca de tempo tanto pelos funcionários como pelos clientes, dentre outros.


54

6-Quais tipos de benéficos e malefícios que esse sistema traria para seu estabelecimento? Resp. Benefícios eu vejo todos agora maléficos não vejo nenhum.

7-Por ser um projeto de baixo custo qual a possibilidade de ser implantado em seu estabelecimento. ( )Nenhuma. (x) Sim. Já possuímos um sistema automatiza em nosso estabelecimento. 8-Em relação aos mensalistas como é feito o controle dos cadastros e pagamento. Resp. É feito pelo sistema o cliente possui um limite de vagas de acordo com o valor pago, toda vez que ele ocupa uma vaga o sistema debita caso não tenha mais crédito e sistema avisa e o cliente paga o valor expedido. 9-Como é feito o comprovante a ser entregue aos clientes? Resp. O comprovante é impresso e entregue ao cliente. 10-No estacionamento possui os seguintes problemas. a) Congestionamento. Resp. Não b) Perca de tempo. Resp. Não. c) Perca de dados como papeis, contendo informações do carro e dos clientes, caso positivo como é feito o procedimento. Resp. Dá nossa parte não, pois todas as informações ficam armazenadas no sistema, em relação aos clientes caso eles percam os comprovantes, será feito uma pesquisa nos relatórios de acordo com a placa do carro e podemos emitir uma segunda via do comprovante.


55

Nome da empresa: Montana Estacionamento. Nome do entrevistado: Vinicius Flores. Cargo: Responsável pelo gerenciamento do estabelecimento. Endereço: Av. 02 de julho-Centro. Questionário. 1-Como é feito o controle das vagas dos estacionamentos? Resp. O controle de vagas nos estacionamento é feito pelo manobrista. 2- Como é feito o controle dos clientes? Resp. O controle dos clientes é feito de forma manual o manobrista preenche um ticket contendo informações pessoais dos clientes das vagas ocupadas e placa do carro uma via fica com o cliente e a outra com o manobrista. 3-Quais as reclamações dos clientes em relação ao sistema de gerenciamento do estacionamento? Resp. Nenhuma. 4-O que poderia ser feito para melhorar o controle de vagas nos estacionamentos de veículos automotores? Resp. Um sistema automatizado seria viável para melhorar o controle de vagas em nosso estacionamento. 5-Qual a sua opinião em relação ao desenvolvimento de um sistema automatizado que controle as vagas nos estacionamentos automotores? Resp. Não tenho muito conhecimento sobre esse sistema, mais através da sua explicação (Da entrevistadora), pode perceber que é um projeto interessantíssimo e futuramente pode ser implantado no meu estabelecimento. 6-Quais tipos de benéficos e malefícios que esse sistema traria para seu estabelecimento? Resp. Benefícios eu vejo todos agora maléficos não vejo nenhum, mais lembrando que não tenho muito conhecimento sobre esse sistema 7-Por ser um projeto de baixo custo qual a possibilidade de ser implantado em seu estabelecimento. ( )Nenhuma. (x) Sim. 8-Em relação aos mensalistas como é feito o controle dos cadastros e pagamento.


56

Resp. É feito por contrato. 9-Como é feito o comprovante a ser entregue aos clientes? Resp. O comprovante é feito de forma manual pelo manobrista, sendo que um via fica com o manobrista e a outra entregue aos clientes. 10-No estacionamento possui os seguintes problemas. a) Congestionamento. Resp. Sim b) Perca de tempo. Resp. Sim. c) Perca de dados como papeis, contendo informações do carro e dos clientes, caso positivo como é feito o procedimento.

Resp. Nunca aconteceu.

M01390  

Monografia FAINOR

M01390  

Monografia FAINOR

Advertisement