Issuu on Google+

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE CURSO CIÊNCIAS CONTÁBEIS ADRIANA SILVA ANDRADE

GERENCIAMENTO DOS SERVIÇOS CONTÁBEIS: um estudo de caso na contabilidade Alfa

VITÓRIA DA CONQUISTA - BA DEZEMBRO - 2006


ADRIANA SILVA ANDRADE

GERENCIAMENTO DOS SERVIÇOS CONTÁBEIS: um estudo de caso na contabilidade Alfa Monografia apresentada ao curso de Ciências Contábeis da Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Orientador: Prof. Msc. Antonio dos Santos

VITÓRIA DA CONQUISTA - BA DEZEMBRO - 2006


A553g

Andrade, Adriana Silva Gerenciamento dos Serviços Contábeis: um estudo de caso na contabilidade Alfa / Adriana Silva Andrade - Vitória da Conquista, 2006. 39.f Monografia (Graduação em Ciências Contábeis) – Faculdade Independente do Nordeste. Orientador: Prof. Msc. Antonio dos Santos 1. Contabilidade Gerencial 2. Relatórios Contábeis 3. Qualidade dos Serviços Contábeis. I. T. CDD: 658.151

Catalogação na fonte: Bibliotecária Sônia Iraína da Silva Roque CRB-5/120


FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE

FOLHA DE APROVAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ADRIANA SILVA ANDRADE

GERENCIAMENTO DOS SERVIÇOS CONTÉBEIS: um estudo de caso na contabilidade Alfa

Monografia do Curso de Ciências Contábeis da Faculdade Independente do Nordeste – FAINOR, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Aprovado ____/____/_____

BANCA EXAMINADORA

Nome: Prof. Antonio dos Santos Assinatura: _______________________________________________ Nome: Prof. Abmael da Cruz Farias Assinatura: ________________________________________________ Nome: Prof. Carlos Alberto Góes de Carvalho Assinatura: ________________________________________________


Dedico este trabalho Ă  minha famĂ­lia, a meu marido e a todos que acreditaram e contribuĂ­ram para que este trabalho fosse realizado.


AGRADECIMENTOS

Agradeço a Deus a realização do meu grande sonho. Aos meus pais, Adonias Leal de Andrade e Hilda da Silva Andrade, pelo amor e incentivo aos meus estudos. Aos meus irmãos e sobrinhos, Nilda, Zete, Nilton, Vanessa, Valéria e Vítor, que sempre estiveram presentes na minha vida. Ao meu esposo, Paulo, pelo incentivo, paciência e dedicação em todos os momentos, para que este trabalho fosse realizado. Aos meus professores, que me ajudaram a buscar o conhecimento. O meu muito obrigada. Em especial, ao meu orientador, Mestre Antonio dos Santos, pela paciência e dedicação para a conclusão deste trabalho. Aos meus colegas, companheiros de caminhada, por tornarem os momentos mais felizes, especialmente àqueles que se sobressaíram como amigos: Joelma, Débora, Lucélia, Lucimar, Arilza, Nilmara, Fabrício, Fábio e Ricardo. Grandes amigos que tornaram esses momentos inesquecíveis.


A criatividade não está associada obrigatoriamente à inteligência ou ao nível e escolaridade, mas sim a um clima de liberdade de idéia e de mútua confiança. Faustino Vicente


RESUMO O objetivo deste trabalho acadêmico é demonstrar o impacto na prestação dos serviços contábeis quando houver um incremento na qualidade do seu gerenciamento, mostrando a evolução da contabilidade na gestão das empresas. Com os avanços tecnológicos e a globalização, as empresas sentiram a necessidade de gerenciar seus patrimônios, passando a exigir do contador um meio mais inovador e eficiente de prestar os serviços contábeis. Evidenciaram-se, nesta monografia, as técnicas utilizados pela contabilidade para buscar explicações dos resultados auferidos pela empresa, bem como a qualidade dos serviços prestados pela contabilidade. Como embasamento teórico, foram utilizados os trabalhos de outros autores, como: Anthony (2001), Iudícibus (1997 e 1999), Figueiredo (2000), Thomé (2001). Foi realizada a pesquisa levantando a questão do uso da contabilidade gerencial nas empresas, para que sirva como uma ferramenta de gestão administrativa para a tomada de decisão. Utilizou-se uma pesquisa de campo na contabilidade que, por motivos particulares, não quis ser identificada, e que denominamos de Alfa, como também entrevistas em duas empresas, Beta e Gama, as quais utilizam os serviços da contabilidade. Apesar de não ter sido mencionado o nome das empresas, os dados ora apresentados são reais e as informações são verdadeiras. Por fim, fez-se uma análise dos dados obtidos e a autora fez suas conclusões. Palavras-chave: Contabilidade Gerencial. Relatórios Contábeis. Qualidade dos Serviços Contábeis.


ABSTRACT

The objective of this academic work is to demonstrate the impact in the installment of the accounting services when there is an increment in the quality of his/her administration, showing the evolution of the accounting in the administration of the companies. With the technological progresses and the globalização, the companies felt the need to manage their patrimonies, starting to demand of the accountant a half more innovative and efficient one of rendering the accounting services. They were evidenced, in this monograph, the techniques used by the accounting to look for explanations of the results gained by the company, as well as the quality of the services rendered by the accounting. As theoretical embasamento, the other authors' works were used, as: Anthony (2001), Iudícibus (1997 and 1999), Figueiredo (2000), Thomé (2001). the research was accomplished lifting the subject of the use of the managerial accounting in the companies, so that it serves as a tool of administrative administration for the socket of decision. A field research was used in the accounting that, for private reasons, he/she didn't want to be identified, and that we denominated of Alpha, as well as glimpsed in two companies, Beta and Gama, which use the services of the accounting. In spite of it not being mentioned the name of the companies, the data for now presented are real and the information are true. Finally, it was made an analysis of the obtained data and the author made their conclusions. Keyword: Managerial Accounting. Accounting Reports. Quality of the Accounting Services.


LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Página acessada em 10 de dezembro de 2006 www.receita.fazenda.gov.br. ................................................................ .....27 Figura 2 - Página acessada em 10 de dezembro de 2006, www.sefaz.ba.gov.br.....28 Figura 3 - Página acessada em 10 de dezembro de 2006, www.rais.gov.br. ...........28 Figura 4 - O sistema contábil oferece ferramentas gerenciais de qualidade.............29 Figura 5 - A empresa utiliza o sistema contábil com suporte a suas decisões..........29 Figura 6 - Freqüência do contador na empresa. ....................................................... 30 Figura 7 - Interesse na contabilidade gerencial. ........................................................30


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ................................................................ .......................................11 1.1 Problema................................ ................................................................ .............11 1.2 Objetivos ................................ ................................................................ .............11 1.2.1 Geral................................ ................................................................ .................11 1.2.2 Específicos ................................................................ .......................................12 1.3 Hipótese ................................ ................................................................ ..............12 1.4 Justificativa................................................................ ..........................................12 2 REFERENCIAL TEÓRICO................................ .....................................................14 2.1 A contabilidade................................................................ ....................................14 2.2 Funções da contabilidade................................ .................................................... 14 2.3 Técnicas contábeis................................................................ ..............................15 2.3.1 Escrituração ................................ ................................................................ .....15 2.3.2 Demonstrações contábeis ................................................................ ................16 2.3.3 Auditoria ................................ ................................................................ ...........16 2.3.4 Analise de balanço ................................................................ ...........................16 2.4 Contabilidade gerencial................................ ....................................................... 17 2.5 A prestação de serviços contábeis................................................................ .....18 2.6 Os relatórios contábeis................................ ....................................................... 18 2.7 As informações contábeis ................................ ..................................................19 2.7.1 O sistema de informação contábil na prestação de serviços............................20 2.8 Qualidade dos serviços contábeis................................ .......................................21 2.8.1 Características qualitativas das informações contábeis ................................ ...22 2.8.2 Confiabilidade das informações contábeis ....................................................... 23 2.9 Usuários internos das informações contábeis .....................................................23 2.10 Usuários externos das informações contábeis ..................................................24 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS................................ ...............................25 3.1 Tipo de estudo................................ ................................................................ .....25 3.1.1 Pesquisa quantitativa ................................ ....................................................... 25 3.1.2 Pesquisa qualitativa ................................................................ .........................25 3.2 Amostragem................................ ................................................................ ........25 3.3 Instrumento de coleta................................ .......................................................... 26 3.4 Levantamento e análise dos dados................................................................ .....26 3.5 Ambiente da Pesquisa................................................................ .........................26 4 RESULTADOS APURADOS DA PESQUISA................................ .........................27 4.1 Análise da contabilidade Alfa e empresas Beta e Gama................................ .....27 4.2 Análise e discussão dos resultados ................................ ....................................30 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................ ...................32 5.1 Sugestões às empresas................................................................ ......................33 REFERÊNCIAS................................ ................................................................ .....35 APÊNDICE ................................................................ ............................................37


11

1 INTRODUÇÃO

O gerenciamento da contabilidade é algo de grande importância para o controle e o acompanhamento financeiro das empresas. Sabe-se que, desde os tempos remotos, o patrimônio dos senhores que detinham o poder era gerenciado a partir de anotações e lançamento em argila, para que seus patrimônios pudessem ser controlados. Com a grande evolução e a globalização o contador ganhou novas ferramentas tecnológicas para o gerenciamento das informações, facilitando de certo modo os serviços contábeis. A evolução tecnológica também mudou o perfil das empresas, de um modo geral; elas passaram a ter novas necessidades, que os contadores deveriam satisfazer com novas informações. Consequentemente os escritórios de contabilidade, precisaram se ajustar aos novos tempos. Antigamente, os contadores costumavam ser chamados de guarda livros. Geralmente, trabalhavam sozinhos, prestando um serviço individual, com um maior contanto com o seu cliente. Atualmente, devido à maior demanda pelos serviços contábeis, o contador precisa trabalhar supervisionando uma equipe. Ainda que a evolução tecnológica tenha facilitado à execução de suas atividades, a complexidade do seu trabalho tem criado a necessidade de que esse profissional seja melhor qualificado sob o ponto de vista gerencial.

1.1 Problema Qual a influência da gestão dos serviços contábeis na qualidade dos serviços prestados?

1.2 Objetivos 1.2.1 Geral

Demonstrar o impacto na prestação dos serviços contábeis quando houver um incremento na qualidade do seu gerenciamento.


12 1.2.2 Específicos Mostrar

que

os

serviços contábeis

bem

gerenciados

promovem

o

desenvolvimento das sociedades empresárias. Observar como a visão empresarial do contador pode aproximá-lo do cliente ao ajudá-lo a auferir melhores resultados econômicos e financeiros. 1.3 Hipótese H1

O bom gerenciamento dos serviços contábeis converte-se em uma prestação

-

de serviços com melhor qualidade. H2

-

O gerenciamento dos serviços contábeis permite a consecução de procedimentos burocráticos de forma mais rápida e eficiente.

H3

-

A administração eficaz do conhecimento, através do aprimoramento profissional e sua adequada aplicação, converte-se em um instrumento essencial para satisfazer as necessidades do cliente.

1.4 Justificativa

Atualmente, o gerenciamento dos serviços tem se transformado em um instrumento importantíssimo para elevar a qualidade dos serviços prestados. Ademais do gerenciamento, os serviços contábeis são também fundamentais para a criação, manutenção e desenvolvimento de qualquer atividade empresarial. A fim de verificar se a qualidade do gerenciamento pode, também, repercutir na melhoria dos serviços contábeis, optou-se por fazer o estudo deste tema. Pressupõe-se que a melhor prestação de tais serviços repercute, de forma relevante, no índice de satisfação do cliente e dos seus negócios. Vale ressaltar, que tal escolha deve-se ao fato da autora de esta monografia pretender prestar serviços contábeis e, por conseguinte, auferir a melhor satisfação de seus clientes. De acordo com o professor Iudícibus (2000, p. 28), ”o objetivo principal da Contabilidade (e dos relatórios dela emanados) é fornecer informação econômica relevante para que cada usuário possa tomar suas decisões e realizar seus julgamentos com segurança.”


13

Acredita-se, também, que o desenvolvimento desta monografia pode alertar os profissionais que militam na área da necessidade de desenvolver técnicas que satisfaçam com mais eficiência o anseios de seus clientes. Além do mais, cabe observar que a falta de um bom gerenciamento nas empresas leva à sua morte prematura. Atualmente, cerca de 70 % das sociedades empresárias fecham antes de completar 05 anos de existência conforme dados do SEBRAE. Assim, o estudo do gerenciamento na contabilidade revela-se fundamental não só para a manutenção e satisfação de seus clientes, como, também, para sua permanência no mercado. Esta monografia se justifica por demonstrar a importância de um bom gerenciamento na consecução de serviços contábeis de alta qualidade. A busca permanente pela qualidade repercute na satisfação do cliente, na sua fidelidade e no reconhecimento da capacidade profissional do contador. Na esfera do cliente, a prestação de serviços com melhor qualidade vai garantir mais segurança e resultados financeiros e patrimoniais positivos. Logo, é de grande valia para o estudo acadêmico aprofundar e mostrar o verdadeiro sentido de fazer ciência, pesquisando e fazendo mudar a impressão que muitos têm sobre o contador – um mero preenchedor de guias. Este trabalho está estruturado em cinco capítulos. O primeiro refere-se à introdução do trabalho, apresentando o problema, os objetivos, as hipóteses e justificativa. O segundo capítulo apresenta o referencial teórico, sendo observado o histórico da contabilidade: suas funções e técnicas, além da abordagem da contabilidade gerencial, com ênfase na qualidade da prestação de serviços. O terceiro capítulo se refere aos procedimentos metodológicos, descrevendo o tipo de pesquisa, amostragem, instrumento de coleta, levantamento e análise dos dados. O quarto capítulo consta da análise e discussão dos resultados, avaliando se a contabilidade fornece as informações necessárias e se as empresas as utilizam para a tomada de decisão. O quinto capítulo apresenta as considerações finais.


14 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 A contabilidade

A contabilidade é uma ciência social que, ao contrário do que muitos pensam, estuda as variações que o patrimônio das empresas sofre. Ela nasceu com o surgimento da civilização e se confunde, portanto, com a história da humanidade. Conforme coloca Iudícibus (1997, p. 30), de acordo com a história podemos afirmar que a noção de conta e, portanto, de contabilidade seja, talvez, tão antiga quanto à origem do homo sapiens. Alguns historiadores fazem remontar os primeiros sinais objetivos da existência de contas aproximadamente há 4000 anos a.C. Entretanto, antes disto, o homem primitivo, ao inventariar o número de instrumentos de caça e pesca disponível, ao contar seus rebanhos, ao contar suas ânforas de bebidas, já estava praticando uma forma rudimentar de contabilidade.

Reconhecendo a função e a importância da contabilidade, comenta Sá (1997, p.15): A contabilidade nasceu com a civilização e jamais deixará de existir em decorrência dela, talvez, por isso, seus progressos quase sempre tenham coincidido com aqueles que caracterizam os da própria evolução do ser humano. Como ciência social, atada aos interesses do homem pelo cuidado que dedica a riqueza, viveu nosso conhecimento, quase todo tempo, em sua periferia, ou seja, da evidência das memórias, das provas, da singela informação .

Desde tempos remotos, a contabilidade tem uma função importantíssima no desempenho das atividades econômicas, pois é através das informações repassadas e controladas que as empresas conseguem gerenciar e cuidar do seu patrimônio. É por meio dela que empresas conseguem reunir condições determinar o custo da produção, prestar as informações que o fisco precisa, além de avaliar se tiveram lucro ou prejuízo num determinado período.

2.2 Funções da contabilidade Conforme visto, a contabilidade tem como função controlar, planejar e apurar


15 os resultados de um exercício financeiro de forma eficiente1 e eficaz2, bem de como prestar informações aos seus usuários que tenham interesse de avaliar a situação patrimonial e o desempenho das empresas. Resnik (1991, p.136) afirma: Uma das principais causas dos desastres com pequenas empresas é não manter os registros e controles contábeis apropriados, precisos e atualizados e não utilizá-los para administrar a empresa. A falta de um sistema eficaz de Contabilidade não é apenas um problema contábil, é um problema administrativo. Sem registros e controles financeiros adequados, você não consegue compreender a empresa. Fica voando e uma queda é quase inevitável .

Sabedora de tal realidade e procurando evitá-la, a contabilidade utilizou-se de técnicas, princípios e normas específicas da área como forma ideal de agir perante situações de risco.

2.3 Técnicas contábeis

Para que a contabilidade possa registrar, controlar e orientar as informações do patrimônio das empresas, faz-se necessário o uso de técnicas contábeis, de forma prática, obedecendo aos princípios e instruções estabelecidas pelos órgãos que regem a classe. Todas as empresas, independentemente de seu porte, devem utilizar as técnicas contábeis para direcionar seus negócios, entendendo-as, também, como instrumentos de análise de desempenho e de monitoramento dos resultados auferidos, pois tal prática proporciona segurança nas operações presentes e futuras.

2.3.1 Escrituração A escrituração é a parte técnica da contabilidade, na qual são registradas todas as informações diárias, ou seja, todo o movimento da empresa, obedecendo a

1

Eficiência: é um conceito relacionado a método, processo, operação, enfim, ao modo certo de se fazer as coisas e pode ser definida pela relação entre quantidade produzida e recurso (CATELLI, 1999, p. 65). 2 Eficácia: está relacionada diretamente com a idéia de resultados e produtos decorrentes da atividade principal de uma empresa, a realização de suas metas e objetivos com vistas ao atendimento do que ela considera sua missão e propósitos básicos (CATELLI, 1999, p. 65).


16

uma seqüência lógica e cronológica de dia, mês e ano. É assim que as contas se formam. Caso as escriturações estejam erradas, as análises e os resultados também estarão errados. Portanto, a escrituração, além de ser obrigatória a todas as empresas, é o alicerce para a obtenção dos resultados e da análise corretos.

2.3.2 Demonstrações contábeis

A demonstração contábil é uma técnica obrigatória que a contabilidade usa como meio de informar a saúde da empresa; nela estão evidenciadas, de forma sintética, todos os resultados obtidos na escrituração. Os bancos, fornecedores e demais interessados em financiar as empresas utilizam-se desta ferramenta de informação para verificar a real situação econômica da entidade.

2.3.3 Auditoria

A auditoria é um conjunto de técnicas de investigação, que servem para verificar se as contas estão realmente seguindo os princípios fundamentais de contabilidade e as resoluções normativas. É também um instrumento que serve para descobrir erros e fraudes que venham a acontecer na empresa. A pessoa que é responsável por aplicar essa técnica contábil denomina-se de auditor. Este poderá ser um funcionário da própria empresa. Entretanto, é mais comum que as empresas utilizem o trabalho de um terceiro para a aplicação dessa técnica dentro da sua organização. O trabalho vai desde uma simples conversa com as pessoas envolvidas no processo administrativo e organizacional da empresa até a verificação das demonstrações e do balanço patrimonial.

2.3.4 Analise de balanço

À técnica que utiliza métodos estatísticos para comparação e interpretação do conteúdo das demonstrações contábeis, bem como para a utilização de informações mais detalhadas, com o fito de avaliar a real situação da empresa, dá-se o nome análise de balanço.


17

É importante salientar que o analista de balanço corre o risco de oferecer parecer ou apresentar índice que poucos subsídios darão aos usuários de suas informações, podendo estas serem imprecisas e enganosas. Caso isso ocorra, o analista de balanço poderá ser responsabilizado por tais informações prestadas.

2.4 Contabilidade gerencial

A contabilidade surgiu para prestar informações às empresas, através de relatórios úteis para gerenciar o seu patrimônio. É uma ferramenta importante para a tomada de decisão, embora mas que muitas vezes não seja utilizadas como deveria. A contabilidade gerencial, para Corbett (1997, p. 22), deve fazer a conexão entre as ações locais dos gerentes e a lucratividade da empresa, para que estes possam saber que direção tomar. Medindo corretamente o impacto de ações locais no desempenho global, a contabilidade gerencial também serve como o agente motivador, pois premia as pessoas que contribuem significativamente ao objetivo da empresa. A contabilidade gerencial tem como objetivo principal fornecer informações para que os gerentes possam decidir qual o melhor caminho para a empresa.

Grandes organizações já utilizam a contabilidade gerencial hoje, muito embora ela ainda seja tratada com muito descaso, haja vista que muitas empresas utilizam-na somente como forma legal para preenchimento de guias e impostos. Vendo-a tão-somente como agenciadora do fisco, não levam em consideração a grande importância dessa ferramenta gerencial dentro da empresa que, se bem utilizada, pode facilitar as informações e a tomada de decisão. Conforme Iudícibus (1993, p.15), a contabilidade gerencial pode ser caracterizada, superficialmente, como um enfoque especial conferido a várias técnicas e procedimentos contábeis já conhecidos e tratados na contabilidade financeira, na contabilidade de custos, na análise financeira e de balanços etc., colocados numa perspectiva diferente, num grau de detalhe mais analítico ou numa forma de apresentação e classificação diferenciada, de maneira a auxiliar os gerentes das entidades em seu processo decisório.

Logo, a contabilidade gerencial deve ser mais utilizada pelas empresas, haja vista o grande poder de controle e gerenciamento de informações úteis para o processo de tomada de decisão.


18 2.5 A prestação de serviços contábeis Nos últimos anos, os escritórios de contabilidade passaram por mudanças substanciais. Antes, era o próprio contador que executava todos os serviços e que mantinha um contato mais próximo com seus clientes. Hoje, essa realidade não existe mais; devido à evolução da sociedade, da tecnologia e da economia, os antigos escritórios de contabilidade se transformaram em verdadeiras empresas de serviços contábeis ou empresas de contabilidade. Nesse contexto, o profissional contabilista diminuiu seu contato pessoal com o cliente, haja vista que o aumento de suas atividades reduziu bastante o seu tempo. Para se ter uma idéia da evolução das empresas de contabilidade, é interessante citar as palavras de Thomé (2001, p.12), a saber: Com o crescimento das empresas, evoluiu a forma de prestar serviços aos clientes. O trabalho pessoal dos sócios foi gradualmente sendo substituído pela mão-de-obra contratada. A prestação de serviços profissionais pelo sócio evoluiu para a venda desses mesmos serviços, agora executados por profissionais contratados. O contabilista passou a ser também empresário, dividindo seu tempo entre supervisão, controle e fiscalização dos serviços executados por seus colaboradores para seus clientes e a administração do próprio negócio.

2.6 Os relatórios contábeis

A Contabilidade, através de seus relatórios, permite ao usuário identificar a estrutura patrimonial de qualquer empresa, por dispor de inúmeras informações importantes e necessárias; mas, para isso, é de grande importância que o empresário possa acompanhar e passar essas informações corretas para os profissionais contabilistas, tornando-se possível o verdadeiro controle do seu patrimônio. Os relatórios emitidos pela contabilidade permitem ao empresário avaliar a situação em que a empresa se encontra, verificando a qualidade da gestão. Evolutivamente, deixou-se de praticar a contabilidade formada pelo conjunto de informações que se tinha e pela intuição do empresário, que era o executor de todas as ações do negócio, para se conviver com a dinâmica das informações verificadas nos relacionamentos comerciais. Segundo Figueiredo (1997, p. 59), “a contabilidade originou-se da necessidade de se controlar o patrimônio dos


19

empreendimentos econômicos e mensurar os resultados obtidos a partir do gerenciamento.” Segundo Iudícibus (1995, p. 21):

A contabilidade está vinculada às mudanças sociais que ocorrem ao longo dos anos e que a cada nova mudança exige-se da contabilidade nova postura na divulgação das informações geradas, visando suprir os anseios de informações requeridas pelos seus usuários. Não resta dúvida que o cumprimento da missão da Contabilidade tornou-se mais difícil de ser alcançado, já que cada usuário deseja um conjunto específico de informações que possam suprir seu modelo decisório .

A contabilidade evidencia a importância da informação e do conhecimento gerado por seus relatórios, para o alcance do sucesso por parte dos seus usuários. É, portanto, fundamental que os proprietários de empresas passem a utilizar a informação contábil nas decisões do dia-a-dia dos negócios. Por seu turno, os contadores devem estar cada vez mais capacitados para dar respostas aos questionamentos dos seus usuários.

2.7 As informações contábeis Uma informação contábil deve ser útil aos administradores que buscam excelência empresarial. Vale ressaltar que uma informação, mesmo sendo de grande valor para a empresa, deve ser conseguida a um custo menor que o benefício propiciado à empresa. Conforme relata Magalhães e Lunkes (2000, p.35): Para que a informação contábil seja útil à ação da administração e torne-se possível um instrumento gerencial, é mister a construção de um Sistema de Informação Gerencial. Em outras palavras, é possível fazer Contabilidade Gerencial, dentro de uma empresa, desde que se construa um Sistema de Informação Contábil.

As palavras do o autor remetem à necessidade de se compreender que a informação contábil deve atender a pré-requisitos básicos para que tenha validade administrativa. Ainda segundo Magalhães e Lunkes (2000, p.36):


20

A informação deve ser tratada como qualquer outro serviço que esteja disponível para o uso. Ela deve ser desejada, para ser necessária. Para ser necessária deve ser útil. Cabe a nós, contadores gerenciais, construir este serviço com qualidade e custos competitivos, já que temos plena consciência de sua utilidade e, portanto, de sua extrema necessidade para o gerenciamento dos negócios.

Nesse sentido, a contabilidade – que tem como objetivo prover seus diversos usuários de informações sobre o patrimônio das organizações – pode auxiliar o processo de gestão das empresas, contribuindo não só com dados que permitam o planejamento e controle das atividades, mas que também forneçam elementos que dêem suporte às decisões do administrador.

2.7.1 O sistema de informação contábil na prestação de serviços Um dos principais objetivos da contabilidade é explicar as mudanças que o patrimônio da empresa sofre. Entretanto, como já dito anteriormente, muitos empresários e a própria sociedade vêem o contador como um mero calculador de impostos. Apesar de o cálculo fazer parte da rotina desse profissional, a contabilidade também é responsável pelas informações de gerenciamento, de controle e de projeções para o exercício seguinte. Hoje, o sistema de informação contábil está relacionado com a necessidade de se conhecer e controlar as variações do patrimônio. Para Magalhães e Lunkes (2000, p. 36): A informação contábil sistematizada exige planejamento para produção dos relatórios, atendimento pleno aos usuários e construção de relatórios com enfoques diferentes aos diferentes níveis. Dessa forma, será possível efetuar controle posterior, porque só poderá ser controlado aquilo que é aceito e entendido. Além disso, se o sistema de informações gerenciais não for atualizado freqüentemente, poderá ficar numa situação de descrédito perante seus usuários.

Já Padoveze (1994, p.35) coloca que:

Para um sistema de informação contábil ser dinâmico, em uma empresa, é preciso o apoio da alta administração. Por conseguinte a necessidade tem que ser sentida pela cúpula, permitindo, a partir daí, que tenhamos tranqüilidade para desenvolver e manter adequadamente o sistema de informação .


21

Verifica-se, assim, que os serviços contábeis formam um sistema que deve prover seus usuários de informações valiosas, atualizadas e de qualidade que os auxiliarão nas tomadas de decisões. Para tanto, as empresas contábeis devem ser bem gerenciadas, ou seja, o contador-administrador deve executar as funções de planejamento, organização, direção, controle e coordenação, de maneira que seja dado ao cliente um diferencial na prestação dos serviços, objetivando alcançar um elevado nível de eficiência e eficácia. Segundo Atkinson (2000, p.83): Serviço refere-se tanto aos aspectos tangíveis de um produto, tais como desempenho, gosto e funcionalidade, quanto a seus aspectos intangíveis, como os clientes foram tratados antes, durante, e após a compra. Resumindo, serviço é tudo que é prometido sobre o produto que o cliente recebe e valoriza. Algumas pessoas chamam serviço como valor em uso de um produto. Prestar um bom serviço significa dar aos clientes o que eles querem.

2.8 Qualidade dos serviços contábeis A qualidade é hoje um fator que influencia o desenvolvimento de qualquer empresa, inclusive na prestação de serviços, pois cada vez mais os clientes exigem um bom produto e um bom serviço tornando o mercado cada vez mais competitivo. Nesse contexto, as organizações precisam estar atentas às mudanças que o mercado promove, buscando sobreviver com a valorização da qualidade dos serviços que oferecem. Conforme preleciona Oakland (1994, p. 28): A qualidade como “atendimento das exigências do cliente” dá às pessoas, em diferentes funções de uma organização, uma linguagem comum para a melhoria. Ela capacita todas as pessoas a se comunicarem facilmente umas com as outras na busca de um objetivo comum independentemente de suas habilidades e prioridades. Quando os negócios e a indústria eram incipientes o artesão podia administrar mais ou menos por si só. Os negócios atuais são tão complexos e empregam tantos especialistas diferentes que cada um tem de confiar na verdade dos outros ao fazer o seu trabalho.

Segundo Caravantes (1997, p. 71), a gestão da qualidade encontra-se no seguinte estágio:


22

A qualidade foi redefinida pelo ponto de vista do consumidor, e onde a satisfação está relacionada com ofertas competitivas e com a vida útil do produto, não apenas na compra. A qualidade é resultante de uma composição de atributos que propiciarão a satisfação àqueles a quem o produto serve. A qualidade, em cada caso, será determinada pela capacidade de desempenho do produto ou do serviço que satisfaça o maior número de desejos diferenciados, de acordo com o grau de importância dos mesmos, para cada indivíduo.

Observa-se que essa realidade não é diferente entre os profissionais que prestam serviços contábeis. Entre eles, a concorrência vem se tornando um fator preocupante, tornando necessário que o contador seja um componente ativo na gestão interna, visando à qualidade, à diminuição dos custos, ao atendimento e à inovação na prestação de serviços aos clientes. Dentro do contexto atual, a maioria deles se preocupa muito mais com a concorrência de preços do que com a qualidade dos serviços prestados.

2.8.1 Características qualitativas das informações contábeis

Nos primórdios da humanidade, a contabilidade era usada para medir e avaliar a evolução do patrimônio das entidades. Mesmo nos tempos mais remotos, quando surgiram as primeiras organizações econômicas e as primeiras civilizações, o conhecimento prático e as diferentes formas de informação – tais como os registros feitos em argila e desenhos em cavernas – auxiliavam o homem nas suas atividades. Com o passar do tempo, a contabilidade foi se aperfeiçoando, sempre em função dos novos desafios apresentados pela evolução dos usuários das empresas e do surgimento de novas necessidades de informação. Para Raupp (2000, p. 44): Com o advento da tecnologia da informação e o processo de globalização mundial as exigências cresceram e se diversificaram. A competição global exige que as empresas estejam comprometidas com contínuo e completo aperfeiçoamento de seus produtos, processos e colaboradores. Um dos principais ativos de uma empresa são suas informações e seus recursos humanos que delas se utilizam [...] a qualidade e confiabilidade desses dados influem decisivamente no sucesso dos negócios.

Nos anos atuais, a contabilidade enfrenta um desafio: gerar informação útil, em tempo real, em um mundo globalizado e cada vez mais inovado e dinâmico. Hoje, mais do que avaliar, a função da contabilidade é a de prestar informação para


23

o planejamento, controle e para a tomada de decisão. Vasconcelos (2002, p. 25) afirma que: A informação deve ser adequada aos fins a que se destina, uma vez que facilite o entendimento do usuário, deve emergir da verdade, ser eficaz e atingir o objetivo do usuário, deve ser precisa e não conter erros precisa ser relevante, confiável e segura para a tomada de decisão, deve ser apresentada de forma simples a fim de se tornar compreensível para quem precisa dela.

2.8.2 Confiabilidade das informações contábeis

Hoje, as informações, principalmente as contábeis, quando passadas com confiabilidade, trazem tranqüilidade tanto para quem as passa quanto para quem as recebe. Iasb (1998, p. 36) aponta como requisitos para que a informação seja confiável as seguintes indagações: Representação

adequada:

a

informação,

para

ser

confiável,

deve

representar fielmente as transações e outros eventos da entidade. As empresas, muitas vezes, apresentam dificuldades na identificação das transações e eventos quanto à sua mensuração ou forma de apresentação. Primazia da essência sobre a forma: para que a informação represente fielmente as transações e eventos que ela se propõe a representar, é necessário que os mesmos sejam contabilizados e apresentados de acordo com a sua essência ou substância e sua realidade econômica, e não meramente sua forma legal. Prudência: consiste na inclusão de certa dose de cautela na formulação de estimativas em certas condições de incertezas, no sentido de evitar que os ativos ou receitas sejam superestimados e passivos e despesas não sejam subestimados. A contabilidade deve manter a neutralidade na avaliação dos ativos, passivos, receitas e despesas, pois, se assim não fosse perderia a confiabilidade. Integridade: refere-se ao fato de que a informação deve ser relevante, a fim de evitar omissões que tornem as demonstrações falsas ou erradas, tornando-as inconfessáveis e deficientes. 2.9 Usuários internos das informações contábeis

Os usuários internos são aqueles que fazem o uso das informações para a


24

tomada de decisão no processo administrativo da empresa, ou seja, os gestores da organização. Estes precisam levar a sério as demonstrações que são geradas nos relatórios contábeis. De acordo com Iudícibus e Marion (1999, p. 54): Para os usuários internos à entidade, interessam além das demonstrações Contábeis como ponto de partida, também subsidia os tomadores internos de decisão, outros tipos de relatórios que aliem conceitos e informações derivantes do sistema de Contabilidade financeira (Geral) – que produz os relatórios tradicionais, a outros derivantes da Contabilidade de Custos, da administração financeira, da administração da produção e outras disciplinas que apresentam conceitos importantes para a tomada de decisões.

Dessa forma, os usuários internos são os funcionários e gestores que utilizam os relatórios de rotina da empresa para tomar decisões, analisar dados e fornecê-los a quem interessar.

2.10 Usuários externos das informações contábeis

Esses usuários têm como foco as informações financeiras, pois são elas que irão servir de amostra para investimentos e avaliações de bancos, do fisco, de instituições financeiras, de fornecedores e de clientes interessados em saber como anda a saúde da entidade. Segundo Iudícibus e Marion (1999, p. 44), “o usuário externo se prende mais à contabilidade financeira como contabilidade geral, necessária a todas as empresas. Ela fornece informações básicas aos usuários e é obrigatória conforme a legislação comercial.”


25

3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Este capítulo descreve os procedimentos metodológicos utilizados na pesquisa, informando o tipo de estudo, os instrumentos de coleta, a pesquisa de campo, além do processamento e análise dos dados.

3.1 Tipo de estudo

Para a execução desde trabalho foi necessária uma pesquisa de campo em uma Contabilidade, aqui identificada como Contabilidade Alfa, cujos dados são verdadeiros, mas que por motivo de força maior, não quis ser identificada. Utilizouse a metodologia qualitativa e quantitativa, que permite a compreensão dos dados analisados.

3.1.1 Pesquisa quantitativa A pesquisa quantitativa é utilizada para a coleta dos dados estatísticos, sem contudo analisar os fenômenos comportamentais dos acontecimentos.

3.1.2 Pesquisa qualitativa

Apesar de estar interligada com a pesquisa quantitativa, a pesquisa qualitativa envolve a interação das questões levantadas.

3.2 Amostragem

A população deste trabalho é composta por três empresas: uma contabilidade, aqui denominada de Alfa, e duas empresas que são clientes dessa contabilidade, aqui denominadas Beta e Gama.


26 3.3 Instrumento de coleta Para a realização deste trabalho, utilizou-se a aplicação de questionários e entrevista na Contabilidade Alfa, bem como visitas diárias a duas empresas (Beta e Gama), que utilizam os seus serviços.

3.4 Levantamento e análise dos dados Os questionários foram aplicados nas empresas Alfa, Beta e Gama; já a entrevista foi realizada apenas com a Contabilidade Alfa. Os dados levantados foram lançados em planilhas, tabulados, analisados e transformados em informações, o que tornou possível chegar aos aspectos qualitativos, tão importantes para a conclusão da pesquisa.

3.5 Ambiente da Pesquisa

A pesquisa foi estabelecida na contabilidade Alfa, que serviu de objeto de análise. Foi necessário o levantamento de dados bibliográficos, a partir dos quais tornou-se possível a elaboração e aplicação de questionários e entrevista, compondo, assim, a pesquisa quantitativa e qualitativa. Para que esta pesquisa fosse realizada, foi preciso a colaboração do gestor da contabilidade, bem como de clientes e de pessoas envolvidas no processo de gestão da empresa. Foi realizado, também, um estudo de campo3 nas empresas para as quais a contabilidade presta serviço. Os dados foram registrados em livro de diário de campo, com datas e observações, ao tempo em que foram registradas, também, as unidades observadas, comentários e impressos de dados colhidos. Para tanto, houve um momento de observação das rotinas diárias da contabilidade, como método de análise e investigação de como as informações são processadas.

3

SILVA (2003, p. 65) Pesquisa de campo é a forma de coleta que permite a obtenção de dados sobre o fenômeno de interesse, da maneira como este ocorre na realidade estudada.


27

4 RESULTADOS APURADOS DA PESQUISA Este capítulo apresenta o resultado do levantamento dos dados quantitativos e qualitativos Objetiva levar o leitor a conhecer a qualidade dos serviços contábeis, bem como contribuir para o melhor gerenciamento desses serviços e, com isso, alcançar a melhor qualidade das informações para a tomada de decisão.

4.1 Análise da contabilidade Alfa e empresas Beta e Gama

Notou-se que a contabilidade Alfa utiliza rotineiramente as informações dos órgãos federais e estaduais para preenchimento de seus relatórios contábeis, como mostram as Figuras 1, 2 e 3:

Figura 1 - Página acessada em 10 de dezembro de 2006 www.receita.fazenda.gov.br.


28

Figura 2 - Página acessada em 10 de dezembro de 2006, www.sefaz.ba.gov.br. Os sites oferecem todo o suporte necessário para preenchimento de guias e impostos que a contabilidade e as empresas necessitam, além de fornecerem programas que podem ser baixados e utilizados gratuitamente.

Figura 3 - Página acessada em 10 de dezembro de 2006, www.rais.gov.br.


29

A contabilidade Alfa utiliza como programa contábil o Prosoft. Na pesquisa efetuada, quando se pergunta se o sistema contábil oferece ferramentas gerenciais de qualidade, 100% dos entrevistados afirmaram que sim.

O sistema Contábil oferece Ferramentas Gerenciais de Qualidade

Não Sim As vezes 0%

20%

40%

60%

80%

100%

Figura 4 - O sistema contábil oferece ferramentas gerenciais de qualidade. Fonte: Pesquisa de Campo, 2006.

Quando perguntado se as empresas utilizam o sistema contábil como suporte para a tomada de decisão, 100% afirmam que não utilizam esta ferramenta, o que demonstra a falta de informação dos usuários da contabilidade.

A empresa utiliza o sistema contábil com suporte a suas decisões?

Não Sim As vezes 0%

20%

40%

60%

80%

100%

Figura 5 - A empresa utiliza o sistema contábil com suporte a suas decisões. Fonte: Pesquisa de Campo, 2006.

Na análise da freqüência do contador na empresa, 100% responderam que, às vezes, o contador aparece, e que somente o faz quando solicitado, o que demonstra falta de atenção para com o cliente.


30

Frequência do Contador na empresa

Não Sim As vezes 0%

20%

40%

60%

80%

100%

Figura 6 - Freqüência do contador na empresa. Fonte: Pesquisa de campo, 2006.

A Figura 7 demonstra que, apesar de não utilizarem a contabilidade como ferramenta gerencial, 100% dos entrevistados têm interesse nesse tipo de informação.

Interesse na Contabilidade Gerencial

Não Sim As vezes 0%

20%

40%

60%

80%

100%

Figura 7 - Interesse na contabilidade gerencial. Fonte: Pesquisa de campo, 2006.

4.2 Análise e discussão dos resultados

Segundo a pesquisa, o sistema utilizado pela contabilidade Alfa (Prosoft) oferece ferramentas gerenciais de qualidade para uma boa prestação de serviço, pois, através delas são geradas informações, as quais são repassadas aos seus clientes.


31

No entanto, tais ferramentas nem sempre são aproveitadas por seus clientes para a tomada de decisão, conforme aponta a pesquisa de campo, pois 100% das empresas não dão importância aos relatórios dessa natureza. Verificou-se também que o contador só visita as empresas que utilizam seus serviços quando é solicitado, e que as empresas gostariam que o mesmo fosse mais assíduo em seus estabelecimentos. Conforme estudo teórico, a contabilidade gerencial é uma ferramenta eficiente e eficaz para o bom gerenciamento dos negócios. Mas, que devido à falta de qualificação de alguns escritórios de contabilidade, muitas empresas não utilizam essa ferramenta como deveriam. A pesquisa de campo, dessa forma, aponta para o fato de que 100% das empresas têm interesse neste tipo de contabilidade, desde quando ela possa apresentar resultados efetivos. Observa-se, portanto, que como não há utilização das informações contábeis para efeito gerencial, tais informações se prestam apenas para atender às exigências do fisco.


32

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Segundo as informações levantadas nesta pesquisa, a maioria das empresas tem um grande interesse na contabilidade gerencial. Entretanto, as contabilidades não dão o suporte devido para a tomada de decisão e utilização dessa ferramenta. Esse fato é conseqüência não só da situação econômica na qual se encontra o país, mas também do capitalismo vivenciado, pois a contabilidade acumula grande quantidade de clientes deixando, muitas vezes, a desejar a execução e a qualidade de seus serviços. A contabilidade gerencial deve ser vista como parte fundamental na administração da empresa, pois, com a utilização de seus recursos, pode-se prever muitos problemas e antecipar soluções. Está pesquisa se revelou muito importante enquanto instrumento de análise da qualidade dos serviços contábeis prestados pelos escritórios de contabilidade e das práticas por eles adotadas no gerenciamento das informações. Observa-se que a tendência é que os escritórios de contabilidade tradicionais dêem

lugar a

escritórios mais qualificados, uma vez que as empresas precisam de gerenciamento das suas informações e muitas já utilizam o serviço contábil próprio em sua empresa. Verifica-se que o objetivo deste trabalho foi alcançado e que é interessante fazer uma pesquisa mais aprofundada nessa área, pois a classe ganhará mais valor à medida que oferecer os serviços de gerenciamento contábil, tão necessários aos empresários. Em Vitória da Conquista, com o curso de Ciências Contábeis, os empresários poderão utilizar os serviços de qualidade e gerenciamento de informações, pois a Fainor, com excelência em ensino coloca no mercado contadores com capacidade de melhorar o desempenho das empresas. No que se refere às hipóteses, foi observado na primeira hipótese o bom gerenciamento dos serviços contábeis converte-se em uma prestação de serviços com melhor qualidade. Essa hipótese se confirma, pois apesar de não utilizarem as informações contábeis, os empresários pesquisados (Figura 5) dizem ter interesse


33

na informação para a tomada de decisão, o que melhoraria a qualidade do serviço prestado. Na segunda hipótese o gerenciamento dos serviços contábeis permite a consecução de procedimentos burocráticos de forma mais rápida e eficiente. Também se confirma essa hipótese, uma vez que a contabilidade pesquisada utiliza um programa que melhora o gerenciamento da informação, além de utilizar as tecnologias para desburocratizar os processos, através da Internet, o que agiliza todos ou a maioria dos processos na contabilidade. Na terceira hipótese a administração eficaz do conhecimento, através do aprimoramento profissional e da sua adequada aplicação, converte-se em um instrumento essencial para satisfazer as necessidades do cliente. É através do conhecimento que se descobrem maneiras de resolver problemas de forma rápida e eficaz, fazendo com que a informação chegue ao cliente em tempo hábil, o que faz com que a tomada de decisão seja a mais acertada possível, melhorando, evidentemente, os ganhos empresariais.

5.1 Sugestões às empresas Recomenda-se à empresa Alfa a implantação de um sistema de qualidade, haja visto que existem empresas especializadas para suprir esta necessidade com programas de qualidade voltados diretamente para os escritórios de contabilidade. Nota-se, entretanto, que na formação do contabilista não há tanta ênfase na qualificação gerencial. Tal carência tem se refletido na prestação dos serviços contábeis. O contador moderno, assoberbado com suas atividades cada vez mais crescentes, tem apresentado dificuldade no acompanhamento dos seus clientes, o que implica em uma prestação de serviço menos eficiente. Seria ideal que as organizações de serviços contábeis tivessem como missão gerar informações relevantes para a tomada de decisões, procurando proporcionar confiabilidade nos relatórios contábeis, transformando os dados neles contidos em informações que fundamentassem a tomada de decisão. Para as empresas Beta e Gama, recomenda-se a utilização das informações contábeis para a tomada de decisão, já que esse tipo de informação não é utilizada. É necessário que os empresários entendam a importância desse recurso para trazer


34

benefícios financeiros para a empresa, pois, uma vez utilizando tais informações, sairiam na frente dos concorrentes e poderiam utilizar os benefícios da elisão fiscal para reduzir a carga tributária.


35

REFERÊNCIAS

ANTHONY, Robert N.; GOVINDARAJAN, Vijay. Sistemas de controle gerencial. Tradução Adalberto Ferreira das Neves. São Paulo: Atlas, 2001. ATKINSON, Anthony A. et al. Contabilidade gerencial. Tradução André Olímpio Mosselman Du Chenoy Castro; revisão técnica Rubens Fama. São Paulo: Atlas, 2000. BIO, Sérgio Rodrigues. Sistemas de informações: um enfoque gerencial. São Paulo: Atlas, 1985. BRASIL. Disponível em: <www.rais.gov.br>. Acesso em: 2006. BRASIL. Receita. www.receita.fazenda.gov.br>. Acesso em: 2006. BRASIL. Secretaria da Fazenda. Disponível em: <www.sefaz.ba.gov.br>. Acesso em: 2006. CARAVANTES, Geraldo R.; CARAVANTES, Claúdia; BJUR, Wesley. Administração e qualidade: superação dos desafios. São Paulo: Makron Books, 1997. Contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999. CORBETT NETO, T. Contabilidade de Ganhos: a nova contabilidade gerencial de acordo com a teoria das restrições. São Paulo: Nobel, 1997. FIGUEIREDO, Sandra; FABRI, Pedro E. Gestão de empresas contábeis. São Paulo: Atlas, 2000. HENKOFF, Ronald. Service is everybody’s business. Fortune, p. 48-60, 27 Jun. 1994. HORNGREN, Charles T. Introdução à contabilidade gerencial. Tradução José Ricardo B. Azevedo. 5. ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 1985. IASB – International Accounting Standards Board. Normas Internacionais de Contabilidade. Tradução IBRACON. São Paulo: IBRACON,1998 IUDÍCIBUS, Sérgio de.; MARION, José Carlos. Introdução à Teoria da IUDÍCIBUS, Sérgio de. Teoria da Contabilidade. 5.ed. São Paulo : Atlas, 1997. MAGALHÃES, Antonio de Deus F.; LUNKES, Irtes Cristina. Sistemas contábeis: o valor informacional da contabilidade nas organizações. São Paulo: Atlas, 2000. OAKLAND, John S. Gerenciamento da qualidade total. Tradução Adalberto Guedes Pereira. São Paulo: Nobel, 1994.


36 PADOVEZE, Cloves Luis. Contabilidade gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. São Paulo: Atlas,1994. RAUPP, Elena Hahn. Qualidade na Auditoria Interna. Revista Brasileira de Contabilidade. Brasília, n. 122, p. 44-53, mar./abr. 2000. RESNIK,Paul. A bíblia da pequena e media empresa. São Paulo: Makron Books,1991. SÁ, Antônio Lopes de. História geral e das doutrinas da contabilidade. São Paulo: Atlas, 1997. THOMÉ, Irineu. Empresas de serviços contábeis: estrutura e funcionamento. São Paulo: Atlas, 2001. VALTER, Francisco, Luiz Roberto Missagia, Manual de contabilidade. 4. ed. São Paulo: Campus, 2005. VASCONCELOS, Yumara Lúcia; VIAVA, Aurelina Laurentiva. Evidenciação: forma e qualidade. Revista Brasileira de Contabilidade. Brasília, n. 134, p. 25-26. 2000


37

APÊNDICE


38 APÊNDICE A - Modelo de questionário.

EMPRESA: __________________________________________________________ DATA DA PESQUISA: ____/____/____ QUESTIONARIO 1- A contabilidade fornece informações para que seus clientes possam tomar decisões, baseada em seus relatórios? ( ( (

) Às vezes ) Sim ) Não

2- As empresas as quais a contabilidade presta os serviços gerenciam as informações fornecidas? ( ( (

) Às vezes ) Sim ) Não

3- O contador visita as empresa às quais ele presta os serviços contábeis? ( ( (

) Às vezes ) Sim ) Não

4- A contabilidade interfere na tomada de decisão das empresas, apresentando relatórios que justifique sua interferência? ( ( (

) Às vezes ) Sim ) Não

5- Os relatórios contábeis são utilizados somente para fornecer informações para o fisco? ( ( (

) Às vezes ) Sim ) Não

6- A contabilidade gerencial está sendo utilizada na sua empresa? ( ( (

) Às vezes ) Sim ) Não


39

7- As empresas têm interesse por este tipo de contabilidade? ( ( (

) Às vezes ) Sim ) Não

8- Os escritórios de contabilidade estão prestando algum serviço de natureza gerencial aos seus clientes? ( ( (

) Às vezes ) Sim ) Não

9- A empresa utiliza o sistema contábil ou as projeções contábeis para gerenciar suas informações? ( ( (

) Às vezes ) Sim ) Não

10-A contabilidade presta um serviço de qualidade para sua empresa? ( ( (

) Às vezes ) Sim ) Não

11-O sistema contábil utilizado pela contabilidade oferece ferramentas gerenciais de qualidade para uma boa prestação de serviço. ( ( (

) Às vezes ) Sim ) Não


M0129