Page 1

1

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE- FAINOR CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

ANA PAULA ANDRADE ROCHA

AGRICULTURA FAMILIAR COMO ALTERNATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO SINDICATO DOS TRABALHADORES RURAIS DE VITÓRIA DA CONQUISTA-BA.

VITÓRIA DA CONQUISTA – BA 2011


2

ANA PAULA ANDRADE ROCHA

AGRICULTURA FAMILIAR COMO ALTERNATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO SINDICATO DOS TRABALHADORES RURAIS DE VITÓRIA DA CONQUISTA-BA.

Artigo apresentado ao Curso de Administração da Faculdade Independente do Nordeste- FAINOR, como pré-requisito para obtenção do Grau de Bacharel, sob orientação da Professora Dra.Luciana Araujo dos Reis. Orientadora: Maria Bittencourt Ferreira.

VITÓRIA DA CONQUISTA – BA 2011

das

Graças


3

AGRICULTURA FAMILIAR COMO ALTERNATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO SINDICATO DOS TRABALHADORES RURAIS DE VITÓRIA DA CONQUISTA-BA.

Ana Paula Andrade Rocha¹ Maria das Graças Bittencourt Ferreira²

RESUMO A Agricultura Sustentável,possui grandes transformações sociais, inclusive uma destas transformações, é a consciência das pessoas, que através desta educação os caminhos vão se abrindo para chegar a uma agricultura ecologicamente correta e justa para todos. Nesta perspectiva, este estudo tem por objetivo analisar Agricultura Familiar como alternativa para o Desenvolvimento Sustentável no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista/BA. Realizou-se uma pesquisa exploratória e descritiva. O local de realização do estudo foi o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista Bahia. A amostra foram escolhidos agricultores rurais freqüentes de vários povoados, divididos entre: José Gonçalves, Iguá, Inhobim, Sede, Pradoso, Limeira, São Sebastião. Foram utilizadas entrevistas e questionários aplicados aos Agricultores Rurais do Município de Vitoria da Conquista Bahia. A análise dos dados consiste na tentativa de evidenciar as relações existentes entre o projeto estudado e os demais fatores. Os dados foram coletados utilizando-se de questionários e tabulados através do Microsoft Excel, em forma de gráficos, onde foram analisados de forma qualitativa. Os dados obtidos através dos questionários em estudo foram organizados e transformados em informação facilitando assim, a análise e interpretação. Os resultados mostram que os produtores rurais mais freqüentes da entidade são dos sexos femininos, a faixa de idade está entre 36 a 45 anos, ainda existe um número grande de analfabetos mesmo com a evolução, as atividades agrícolas destes produtores que receberam maior destaque está as culturas do feijão, milho e mandioca, a pesquisa mostrou que alguns dos trabalhadores rurais sabem da importância que o desenvolvimento sustentável trás para o crescimento do produtor. Palavras-chave: Agricultura Familiar. Agricultura Sustentável. Desenvolvimento Rural Sustentável. ABSTRACT The Sustainable Agriculture has great social changes, one of these changes is the consciousness of the people that, through this education will open the paths to reach an ecologically fair agriculture for all. In this perspective, this study aims to analyze family farming as an alternative for Sustainable Development in Rural Workers Union of Vitória da Conquista / BA. We conducted an exploratory and descriptive research. The venue for the study was the Rural Workers Union of Vitória


4

da Conquista Bahia. The sample was chosen frequent rural farmers from various villages, divided between: Jose Gonçalves, Igua, Inhobim, Sede, Pradoso, Limeira, São Sebastião. The were interviews and questionnaires answered by Rural Farmers of Vitoria da Conquista Bahia Municipality of. Data analysis is an attempt to highlight the relationship between the project and the other factors studied. Data were collected questionnaires, tabulated using Microsoft Excel in the form of graph, which were analyzed qualitatively. The data obtained through questionnaires in the study were organized and turned into information, facilitating the analysis and interpretation. The results ed show that farmers are the most frequent entity of the female gender, age range is between 36 and 45 years, there is still a large number of illiterate even with the development, agricultural activities of farmers who received the greatest emphasis is common bean, com and mandioca research has shown that some of the rural workers know the importance of sustainable development back to the growth of the producer. Keywords: Family Development.

Farming.

Sustainable

Agriculture.

Sustainable

Rural

1

1

Graduando do Curso de Administração da Faculdade Independente do Nordeste – FAINOR, Vitória da Conquista –BA. ² Professora orientadora do Curso de Administração da Faculdade Independente do Nordeste – FAINOR, Vitória da Conquista –BA.


5

1 INTRODUÇÃO A agricultura familiar pode ou não se constituir como alternativa de desenvolvimento sustentável? Partindo desse questionamento era necessário encontrar o centro da pesquisa, assim foi pensado o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista. A entidade ao longo de sua historia participou de vários movimentos em defesa da ampliação e desburocratização dos créditos agrícolas para os agricultores familiares. Em 1995 foi criado o PRONAF, programa de apoio à agricultura familiar, mas, no primeiro momento não atingiu seu objetivos, pois, os agricultores familiares não conseguiam atender as exigências do programa, somente a partir de 2003 é que o programa se tornou mais acessível e os agricultores familiares puderam acessar o programa. O objetivo desse trabalho é analisar a agricultura familiar como alternativa para o desenvolvimento sustentável, através do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitoria da Conquista. E escolha se deu porque o Sindicato é uma entidade de representação dos trabalhadores rurais, do qual os agricultores familiares constam como categoria em seus representados nos estatutos sociais. A entidade existe no município desde 1972 e em sua história constam diversos momentos de defesa das categorias de trabalhadores rurais que representa os agricultores familiares Pretendia-se inicialmente relacionar os grupos de agricultores familiares para as entrevistas, analisar documentos da entidade, como arquivos de sócios, atas de assembléias e reuniões, acompanhar algumas reuniões, assim elaborar o perfil do agricultor familiar, todavia, não me ative somente nos instrumentos propostos, pois, percebi que conversas informações com Diretores e funcionários contribuiriam para o meu trabalho. O trabalho está organizado em cinco tópicos, considerando-se a introdução como primeiro tópico. No segundo tópico discute-se o referencial teórico da problemática, nesse ponto exponho os conceitos centrais aqui utilizados: agricultura familiar, desenvolvimento sustentável, entidade de classe. Corroborando esses conceitos com a bibliografia já existente e discutindo com os autores as concepções sobre o tema, percebendo que os conceitos são fundamentais para elaboração da minha concepção sobre o assunto. No terceiro tópico descrevo a metodologia e/ou procedimentos usados para elaborar a pesquisa, organizar e redigir o trabalho, que se constitui como resultado


6

final do processo, ainda que este não esgote e questão, uma vez que o debate sobre o tema é amplo. No quarto tópico faço exposições de gráficos como amostragem dos resultados obtidos na pesquisa, salientando que foram entrevistados 100 agricultores familiares de diversos distritos do município, cada um com peculiaridades próprias. Observando também cada um desses distritos possui solos diferentes, mas que não discutiremos neste trabalho, pois, esse aspecto não constitui como objeto da pesquisa. No quinto tópico que trata-se da conclusão, constitui-se como resultado da apreensão desse processo, trabalhado ao longo da pesquisa, observando aqui que o salto de qualidade de vida no campo, a partir do acesso ao PRONAF, pôde ser visto a olho nu. A agricultura familiar ganhou um novo vigor, deixando claro que o caminho a percorrer para promover o desenvolvimento sustentável é extenso e muita produção cientifica pode ser produzida para colaborar com a promoção desse desenvolvimento. Constata-se que o êxodo rural diminuiu consideravelmente e houve até um pequeno refluxo de trabalhadores, resultante do poder de atração que a zona rural vem exercendo, com a chegada de energia elétrica, água encanada, e produzindo acesso à informação, esses novos equipamentos começaram a produzir também um novo comportamento social na população do campo, ressalvando que também não discutiremos essa questão aqui. Durante a pesquisa que realizei, observei o trabalho na entidade e analisando a documentação do Sindicato, bem como conversando com Diretores e Funcionários percebi que há um vasto material contido na memória daqueles que ali estão há muito tempo, que se constitui como fonte viva da vida daquela entidade.


7

2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Agricultura Familiar A Agricultura Familiar é o cultivo da terra realizado pelos agricultores rurais, antes, conhecida como pequena produção, pequeno agricultor, agricultura de baixa renda e até mesmo o termo camponês. Na agricultura familiar, o trabalho e a gestão são predominantemente familiares, tendo um papel importante na economia, fixa o homem no campo, contribui para o desenvolvimento do setor. Estes conceitos envolvem um julgamento prévio sobre o desempenho econômico destas unidades, o que se pensa tipicamente como pequeno produtor é alguém que vive em condições muito precárias, que tem um acesso nulo ou muito limitado ao sistema de crédito, que conta com técnicas tradicionais e que não consegue se integrar aos mercados mais dinâmicos e competitivos. Agricultura sustentável é na verdade, um conjunto de transformações sociais, cuja a principal transformação deve acontecer na consciência das pessoas. Educar o produtor para a cidadania, despertando-lhes o censo crítico e a consciência sobre os desafios de nossa sociedade, pode ser um dos principais caminhos para se chegar a uma agricultura economicamente equilibrada, ecologicamente correta e socialmente solidária e justa para todos. (LOBO, 1998, p.20).

Agricultura Familiar como alternativa para o Desenvolvimento Sustentável no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista/BA, objetiva informar, demonstrar através de reuniões, palestras, assembléias, as condições favoráveis para os mesmos, informando a importância que tem um agricultor familiar, pois o produtor tem que está a frente de tudo que acontece dentro de sua propriedade, saber administrar e o quanto a preservação ambiental é importante para manter-se sempre produzindo de forma coerente, evitando desmatamento, queimadas. O agricultor familiar passa por muitas dificuldades, como por exemplo: enfrenta seca, geada, e muito mais, com todas estas ocorrências chega prejudicar sua produtividade, através destas dificuldades o produtor fica sem nenhum recurso para sustentar sua família, que para viabilizar-se economicamente, precisa de empréstimos, sendo que muitas vezes, tomam com juros altíssimos e vende sua mercadoria com preço baixo.


8

O intermediário, (pessoa que atua em um negócio entre produtor e consumidor), que impõe, na maioria das vezes, o preço que quer e isto acontece porque o agricultor está freqüentemente sem dinheiro, não tem informação de mercado e não tem lugar para guardar os produtos, que normalmente são perecíveis. Além disso, o agricultor familiar dificilmente tem meios para beneficiar, qualificar, empacotar, isto é, agregar valor, e transportar a produção. Os empreendimentos familiares têm como característica principal a administração pela própria família; e neles a família trabalha diretamente, com ou sem o auxílio de terceiros. Podemos dizer, também, que um estabelecimento familiar é, ao mesmo tempo, uma unidade de produção e de consumo. 2.2 Pronaf O Sindicato trabalha com programas de incentivos financeiros aos agricultores como, por exemplo, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) que financia projetos individuais ou coletivos, que gerem renda aos agricultores familiares. O programa possui as mais baixas taxas de juros dos financiamentos rurais, prazos de pagamento excelente facilitando o produtor a honrar com seu compromisso, além das menores taxas de inadimplência entre os sistemas de crédito do País. (CARTILHA DE ACESSO AO PRONAF, 2011). O acesso ao Pronaf inicia-se na discussão da família sobre a necessidade do crédito, seja ele para o custeio da safra ou atividade agroindustrial, seja para o investimento em máquinas, equipamentos ou infraestrutura de produção e serviços agropecuários ou não agropecuários. Portanto, fica claro a importância do Desenvolvimento Rural Sustentável na vida de um agricultor familiar, que tem como finalidade planejar, orientar, coordenar e monitorar as plantações dos agricultores familiares, ou seja, permite observar a propriedade como um todo, trazendo para os mesmos lucratividades e evitando- o êxodo rural. Encontra-se na Lei Nº 11.326, de 24 de julho de 2006, que para ser considerado agricultor familiar, tem que ter a renda familiar predominantemente originada de atividades econômicas vinculadas ao próprio estabelecimento ou empreendimento, ou seja da agricultura familiar, não detenha, a qualquer título, área maior do que 4 (quatro) módulos fiscais, sendo que cada módulo fiscal corresponde


9

35 hectares. Também é permitido o emprego de terceiros temporariamente, quando a atividade agrícola assim necessitar, utilize predominantemente mão-de-obra da própria

família

nas

atividades

econômicas

do

seu

estabelecimento

ou

empreendimento, dirija seu estabelecimento ou empreendimento com sua família. 2.3 Módulo Fiscal Na legislação brasileira, a definição de propriedade familiar consta no inciso II do artigo 4º do Estatuto da Terra, estabelecido pela Lei nº 4.504 de 30 de novembro de 1964, com a seguinte redação:“propriedade familiar: o imóvel que, direta e pessoalmente explorado pelo agricultor e sua família, lhes absorva toda a força de trabalho, garantindo-lhes a subsistência e o progresso social e econômico, com área máxima fixada para cada região e tipo de exploração, e eventualmente trabalhado com a ajuda de terceiros” e na definição da área máxima, a lei nº 8629, de 25 de fevereiro de 1993, estabelece como pequena os imóveis rurais com até 4 módulos. ( GONÇALVES; SOUZA, 2005, p.52).

Assim, a propriedade familiar é caracterizada como uma unidade onde os produtores vivem e desenvolvem suas atividades agrícolas para sua sobrevivência, gerando renda e condições para o sustento familiar, na maioria das definições de agricultura familiar adotadas em trabalhos recentes sobre o tema, baseia-se na mãode-obra utilizada e no tamanho da propriedade. Sabe-se que cada região é representada por Módulo Fiscal que é uma unidade de medida agrária usada no Brasil, é expressa em hectares e é variável, sendo fixada para cada município diferente. O Módulo Fiscal de Vitória da Conquista corresponde a 35 há, sendo assim, os pequenos produtores tem que possuir no máximo até quatro Módulos Fiscais totalizando uma área de 140 há, para ser considerado propriedade familiar, todavia, há agricultores familiares com área superior a 140,0 ha. E que possui as características de trabalho familiar e que o perfil se enquadra perfeitamente no modelo de produção aqui descrito. Observandose que Evidenciou as vantagens da produção familiar como espaço ideal e privilegiado para consolidação de uma agricultura de base sustentável: A lógica de funcionamento das explorações familiares, baseada na associação dos objetivos de produção, consumo e acumulação patrimonial, resulta num espaço de reprodução social cujas características de diversidade e integração de atividades produtivas vegetais e animais, ocupação de força de trabalho dos membros da família e controle decisório sobre todo o processo produtivo são sensivelmente mais vantajosos ao desenvolvimento de uma agricultura ambientalmente sustentável que as explorações capitalistas patronais. ( OLIVEIRA, 2000, p.35).


10

O autor afirma que a família como um todo participando do processo produtivo contribui muito para o desenvolvimento das suas produtividades, pois uma exploração familiar passa necessariamente pela família como elemento básico de crescimento e gestão financeira e do trabalho total disponível internamente na unidade do conjunto familiar. As avaliações sobre grupo de produção familiar não podem ser simplesmente econômicas, para entender as relações entre a organização interna da produção em bases familiares e o mundo externo, é preciso avaliar o processo de produção e reprodução matéria inserido no sistema macro, com intuito de manter suas vantagens para agricultura.. 2.4 Sustentabilidade O princípio da sustentabilidade refere-se à possibilidade de que os resultados obtidos no processo de desenvolvimento tenham um caráter permanente, preservando a capacidade produtiva dos recursos naturais, potencializando seus efeitos sobre a criação e distribuição de renda e de ocupações e assegurando apoio político suficiente que possibilite a garantia de continuidade das ações e de seus resultados sobre o bem-estar social, econômico e ambiental da população O

desenvolvimento

sustentável

para

a

zona

rural

brasileira

mais

especificamente para a região semi-árida nordestina é um grande desafio. Desafio por se tratar de uma problemática possuidora de um grande número de variáveis que

estão

estreitamente

inter-relacionadas

como

a

questão

de

gênero,

desertificação, êxodo rural, qualidade de vida, condições climáticas adversas, e crescimento econômico e que só poderá ser compreendida se for considerados todos estes aspectos.

Considera-se por desenvolvimento sustentável um conjunto complexo de ações econômicas e sociais, cuja racionalidade está orientada pela participação de seus agentes organizados, para garantir o acesso destes aos benefícios da produção igualmente por todos. E se coloca distinto dos modelos autoritários de desenvolvimento que privilegiam os interesses das elites na acumulação do capital às custas da exclusão social da maioria de suas populações, tanto nos países ricos, quanto nos países pobres. Exclusão que é econômica, social e ambiental (PEREIRA, 2002, p.20).


11

Segundo o autor, a sustentabilidade é, portanto, política e historicamente determinada. Isto significa dizer que cada agrupamento humano em seu contexto sócio-econômico

estabelecerá

suas

próprias

referências

e

padrões

de

sustentabilidade. Sem dúvida que estes dependerão da correlação de forças políticas e sociais específicas de uma conjuntura. É por essa razão que se torna indispensável um sólido processo de participação popular onde seja privilegiada a democracia. Como já mencionado, o desenvolvimento sustentável é de grande importância para todos, seja no meio rural ou não, todos tem que trabalhar juntos no intuito de alcançar a divisão da riqueza produzida pelo homem, bem como estabeleça nas suas bases um ambiente sadio para usufruto das gerações presentes e futuras. O desenvolvimento rural almeja viabilizar o desenvolvimento econômico em moldes mais equilibrados socialmente, com o máximo de eficiência organizacional, pretendendo viabilizar as transformações econômicas e sociais na área rural, reduzindo os desníveis existentes atualmente entre áreas rurais e a vida urbana metropolitana (LEITE, 1983, p.58 ).

O desenvolvimento rural sustentável é um conceito abrangente e não se restringe às atividades produtivas de bens originados da terra. O importante a considerar é o espaço rural, onde ocorrem variadas atividades de apoio ao processo produtivo e o desenvolvimento sócio-econômico ambiental. O Desenvolvimento Rural Sustentável é uma estratégia para um tipo de desenvolvimento que possibilite verdadeiras melhorias na qualidade de vida humana. O processo de elaboração do desenvolvimento rural sustentável tem como uma de suas principais finalidades a contribuição com a mobilização social dos comunitários para que haja inclusão social e se transformem em atores e assumam seu papel de agentes do desenvolvimento. Para que ocorra o desenvolvimento rural é necessário também que haja investimento econômico na melhoria das condições naturais, tais como: insumos, fomento, atividades de apoio, capacitação de técnicos e dos agricultores. Todavia, para que ocorra desenvolvimento social como conseqüência do econômico é necessário que se melhore as condições de habitação, saúde, alimentação, educação, dentre outras, bem como que se incentive a participação da população no planejamento e na execução dos planos e projetos.


12

A Agricultura Familiar é constituída de pequenos e médios produtores rurais, comunidades tradicionais, assentamentos da reforma agrária. Sendo que é beneficiada pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – PRONAF, que é um programa do Governo Federal criado em 1995, com o intuito de atender de forma diferenciada os mini e pequenos produtores rurais que desenvolvem suas atividades mediante emprego direto de sua força de trabalho e de sua família O aprofundamento sobre o Desenvolvimento Sustentável no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista é importante para os agricultores familiares, avançar na busca da satisfação, no que diz respeito as funções desempenhadas pelos trabalhadores, bem como na conscientização das pessoas com relação aos cuidados que todos os agricultores devem tomar para manterem o Desenvolvimento Sustentável. A motivação pessoal da pesquisa, para escolha dessa temática, foi de enorme interesse por essa área, voltada ao Desenvolvimento Sustentável na Agricultura Familiar, a possibilidade de confrontar a teoria a prática é estimulante além de gerar a oportunidade e esclarecimento sobre o tema aos agricultores familiares do Município de Vitoria da Conquista, podendo contribuir com a organização estudada. Desta forma, a pesquisa pretende dar uma contribuição ao conhecimento do desempenho do agricultor em sua propriedade, mostrando-lhe que com o Desenvolvimento Sustentável Rural o seu produto agrega valor e consequentemente aumenta a renda familiar como um todo. Nesta perspectiva, este estudo tem por objetivo analisar a Agricultura Familiar como

alternativa

para

o

Desenvolvimento

Sustentável

no

Sindicato

dos

Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista.

3 METODOLOGIA Realizou-se uma pesquisa exploratória e descritiva. A pesquisa exploratória objetiva tornar o tema mais familiar para o pesquisador. Geralmente envolve uso de análise de fontes bibliográficas e entrevistas. Segundo Cervo (2002, p.88) esse tipo de pesquisa serve para constituir a pesquisa por excelência. Ao final de uma


13

pesquisa exploratória, você conhecerá mais sobre aquele assunto, e estará apto a construir hipóteses. Por sua vez a pesquisa descritiva busca, observar, registrar, analisar e descrever as características dos fenômenos e/ou correlacionar variáveis de estudo. Ela é utilizada para realizar um estudo preliminar do principal objetivo da pesquisa que será realizada, ou seja, familiarizar-se com o fenômeno que está sendo investigado, de modo que a pesquisa em si possa ser concebida com uma maior compreensão e precisão. O local de realização do estudo foi o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista Bahia. O Sindicato é uma entidade de classe, regido por um Estatuto Social, que foi reformulado em 26 de abril de 2001, preservando sua natureza representativa e de cooperação com o Estado, mantém uma sede, em prédio próprio, onde funciona e responde juridicamente, com 4.000 associados. O Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista é composta por 15 funcionários no Setor administrativos e serviços. Segundo Richardson (1989, p. 103); cada unidade ou membro de uma população, ou universo, denomina-se elemento e quando se toma certo número de elementos para averiguar algo sobre a população a que pertencem, fala-se de amostra.

A população deste estudo foi representada pelos associados do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista Bahia, para verificarem se os mesmos tinham conhecimentos sobre o tema Desenvolvimento Sustentável, foi realizado no período de Março a Maio de 2011, onde o número total de sócios correspondem a 4.000 ( quatro mil), dentre eles 2.000 (dois mil) ativos, sócios que pagam dentro da empresa, 2.000 (dois mil) aposentados, sócios que vem descontado pelo Banco. Para definição da amostra foram escolhidos 100 agricultores rurais que correspondem a 5% da população freqüente de vários povoados da região, divididos em: José Gonçalves, Iguá, Inhobim, Sede. Sendo assim foram entrevistados de cada região 50 agricultores rurais, onde os mesmos puderam falar da importância da Agricultura como Desenvolvimento Sustentável. Foram utilizadas entrevistas e questionários aplicados aos Agricultores Rurais do Município de Vitoria da Conquista Bahia. Os dados foram coletados pela própria autora da pesquisa, junto aos associados no próprio Sindicato.


14

Para obtenção dos dados da empresa Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista foi elaborado um planejamento contendo o cronograma de reuniões, entrevistas, bem como especificando as datas para observação do trabalho. A análise dos dados consiste na tentativa de evidenciar as relações existentes entre o projeto estudado e os demais fatores. Os dados foram coletados utilizandose de questionários e tabulados através do Microsoft Excel, em forma de gráficos, onde foram analisados de forma qualitativa. Os dados obtidos através dos questionários em estudo foram organizados e transformados em informação com auxilio de aplicativos computacionais adequados. Em seguida, foram elaborados gráficos, para deixar o trabalho mais ilustrativos, para o maior entendimento e interpretação dos resultados através dos estudos feitos sobre o tema em questão, facilitando, assim, a análise e interpretação das informações. Através das análises dos dados foi possível confrontar as informações e os demais fatores do objeto estudado, assim estabelecendo relação com as hipóteses apontadas. Para obtenção dos dados da empresa Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista foi elaborado um planejamento contendo o cronograma de reuniões, entrevistas, bem como especificando as datas para observação do trabalho.


15

4 RESULTADO E DISCUSSÃO O Gráfico 1 mostra que o número maior de Associados entrevistados é do sexo Feminino com 65% da amostra. Gráfico 1: Distribuição dos associados segundo o sexo. Vitória da ConquistaBA, 2011.

70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Feminino

Masculino

Fonte: Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista (STR) – 2011.

A luta pela terra tem sido uma constante na vida das trabalhadoras e trabalhadores rurais. A mulher da Zona rural, embora na maioria das vezes no anonimato tem atuado ao longo da história com garra e determinação. (FARIAS, 2001, p. 53). Considera-se que no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista Bahia, o número de sócios mais freqüentes é do sexo feminino, (SIND CONTROL – CORPORATION SISTEMA DE AUTOMAÇÃO SINDICAL, 2011). As mulheres cada dia que passa elas estão desenvolvendo suas atividades rurais e buscando seus direitos, por isso que em muitos órgãos a presença das mulheres é constante, as vivências das mulheres na superação de uma imagem preconceituosa e discriminatória associando as mulheres apenas às questões domésticas. Pois o Sindicato dos Trabalhadores Rurais é uma Entidade que busca estar sempre apoiando não só as mulheres mais sim, todo o trabalhador rural.


16

Conforme o Gráfico 02 gerado apresentado a faixa etária dos Associados do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista, se observa que 38% dos Associados está entre 36 a 45 anos.

Gráfico 2: Faixa etária dos associados. Vitória da Conquista/BA, 2011. 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% 16 a 20 anos

21 a 35 anos

36 a 45 anbos

Acima de 46 anos

Fonte: Str Conquista – 2011

Considera-se que no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista Bahia, a faixa etária dos sócios está entre 36 a 45 anos, (SIND CONTROL – CORPORATION SISTEMA DE AUTOMAÇÃO SINDICAL, 2011). A procura pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais está aumentando cada vez mais, pois é uma entidade que busca benefícios a seus associados. A faixa etária que se destaca está entre 36 a 45 anos, pois é através desta idade, que os trabalhadores rurais se conscientizam mais e passam a valorizar a importância que o STR ( Sindicato dos Trabalhadores Rurais) tem para seu município. Pois é através do mesmo que os associados mantêm informados sobre seus direitos de trabalhador rural, sobre a aposentadoria, salário-maternidade, auxílio-doença, pensão por morte e vários, para que continue na luta de seus direitos é necessário que o trabalhador rural associe a entidade e participe do sindicato, pagando em dia suas contribuições.


17

Conforme dados obtidos pode-se analisar que o número de analfabetismo ainda é presente dentro do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, (31% dos entrevistados), embora o índice de alfabetizados tenha sido 51%. Gráfico 03: Nível de escolaridade. Vitória da Conquista/BA, 2011. 60%

50%

40%

30%

20%

10%

0% Analfbeto

Alfabetizado

1º Grau Compl.

2º Grau Compl.

Superior

Fonte: Str Conquista – 2011

A maior parte dos produtores agropecuários do País tem baixa escolaridade, segundo mostra o Censo Agropecuário 2006, divulgado nesta quarta-feira, 30, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o levantamento, a "grande maioria" dos produtores é analfabeta ou sabe ler e escrever mas não tem nenhum estudo. O analfabetismo é um dos casos mais graves de exclusão educacional e social. Mesmo com o passar dos anos, ainda existem pessoas analfabetas, aquelas que não tiveram oportunidades ao longo de suas vidas, o número de analfabetos ainda é enorme, como consta o gráfico. Apesar do governo ter incentivos sobre o analfabestimo, mais muitos trabalhadores encontra-se sem escolaridade. É interessante notar como as taxas de analfabetismo aumentam conforme diminui o nível de desenvolvimento rural, ou seja, quanto menos desenvolvido for a região, maiores serão as taxas de analfabetismo.


18

Este Gráfico aponta que os produtores rurais que freqüentam o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista desenvolvem suas atividades, em prol de busca de melhoria para sua família, sendo que 32% trabalham com feijão, milho, mandioca, suinocultura 22%, Bovinocultura; Caprino / Ovino.

Gráfico 04: Atividade desenvolvida. Vitória da Conquista/BA, 2011. 35% 30% 25% 20% 15% 10%

O ut ro

C a pr in o /O vi no

F ei jã o/ m ilh o/ m an di oc S a ui no cu ltu ra /A vi cu ltu ra

0%

B ov in oc u ltu ra

5%

Fonte: Str Conquista - 2011

O conjunto de combinações de culturas e criações dentro de uma unidade de produção determina o seu sistema de produção. A agricultura familiar desenvolve sistemas de produção complexos, combinando culturas, criações animais e transformações primárias tanto para consumo familiar quanto para o mercado. Podem ainda apresentar diferentes níveis de sustentabilidade social, econômica e ambiental. (BUAINAIN; SOUZA FILHO, 2003). O Sindicato dos Trabalhadores Rurais, trabalha com produtores que desenvolvem diversas culturas, mais as culturas que receberam maior destaque, é a cultura do feijão, milho e mandioca. Por se tratar de culturas que podem trabalhar consorciadas, melhor utilização da terra para sua plantação, fáceis de manejo, e que a maioria das regiões estão aptas a desenvolver, possui um baixo custo para os produtores, principalmente por promover uma maior estabilidade da produção, melhor exploração de água e nutrientes, melhor utilização da força de trabalho, maior eficiência no controle de ervas.


19

O presente Gráfico apresenta de forma clara, como os trabalhadores rurais seria capaz de responder sobre o desenvolvimento sustentável. Com 32% seria capaz de responder de forma muita clara.

Gráfico 05: Desenvolvimento sustentável. Vitória da Conquista/BA, 2011. 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Muito clara

Mais ou menos clara

Pouco clara

Não respondeu ou não sabe

Fonte: Str Conquista - 2011

O desenvolvimento rural almeja viabilizar o desenvolvimento econômico em moldes mais equilibrados socialmente, com o máximo de eficiência organizacional, pretendendo viabilizar as transformações econômicas e sociais na área rural, reduzindo os desníveis existentes atualmente entre áreas rurais e a vida urbana metropolitana, (LEITE, 1983, p. 35). Como pôde-se perceber, mesmo na zona rural, as pessoas estão cientes como o desenvolvimento sustentável é importante. Sendo que os produtores, eles se preocupam com a futura geração como a agricultura estará daqui alguns anos. Assim sustentabilidade na agricultura familiar buscar ampliar a produtividade, a qualidade do ambiente, a diversidade biológica e da paisagem, a qualidade de vida das pessoas envolvidas neste processo.


20

5 CONCLUSÃO

Este artigo oportunizou através dos dados coletados no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitoriada Conquista Bahia - STR, caracterizar a importância da Agricultura Familiar como alternativa para o desenvolvimento sócio e econômico do nosso país, pois vem registrando o maior aumento de produtividade no campo evitando o êxodo rural. Por meio deste segmento, foram entrevistados produtores rurais e sócios do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR), onde foram comparados os resultados das entrevistas entre os aposentados e sócios ativos (são sócios que pagam diretamente na Entidade), a partir desta análise, observou-se que ambos tem o mesmo ponto de vista sobre o tema proposto, que é o Desenvolvimento sustentável na Agricultura, verificou-se que dos entrevistados, as mulheres foram as que mais expressaram suas opiniões e sentimentos. Através da investigação do objeto, a Agricultura Familiar foi percebida como alternativa para o Desenvolvimento Sustentável no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória da Conquista. O fato de o agricultor familiar viver em contato direto com a natureza, demonstra já o seu potencial em preservá-la e de que sua atividade ao longo da história desse território não degradou o ambiente, mesmo assim, notase que todos os entrevistados manifestaram o desejo de trabalhar em busca deste desenvolvimento, passando a obter mais informações de como produzir melhor, preservar o solo e comercializar o seu próprio produto. Conclui-se

que

ao

estimular

a

atividade

familiar

no

campo

e,

simultaneamente, o aumento da produção, a agricultura familiar será integrada ao mercado geral e contribuirá para a melhoria das condições econômicas dos trabalhadores, inclusive, aumentando a sua possibilidade de tornar um consumidor de produtos de segunda necessidade, esperando que essa inserção se dê sem. Necessariamente, degradar a natureza, fazendo com que haja aumento da rentabilidade para o produtor rural, passando assim ser mais valorizados.


21

REFERÊNCIAS BUAINAIN, Antonio Márcio; SOUZA FILHO, Hildo Meireles. Evolução e contradições da política agrícola nos anos 90. 2003. CARTILHA DE ACESSO AO PRONAF, 2011. Disponível em: http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/BDS.nsf/F8D5FB4FAB4789938325771C0068DA07/ $File/NT00044052.pdf. Acesso em 05 set. 2011.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia Científica. 5ª. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002. FARIAS, Maria Dolores Mota; FERREIRA, Mary. Nem caladas, nem silenciadas: as falas das mulheres trabalhadoras e a desconstrução de sujeitos políticos tradicionais In: Os poderes e os saberes das Mulheres: a Construção do Gênero. Salvador: Redor, 2001. GONÇALVES, José; SOUZA, S. A. M. Agricultura familiar: limites do conceito e evolução do crédito. Artigos: políticas públicas. Instituto de Economia Agrícola. 2005. IBGE INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2000. Disponível em: ttp://www.estadao.com.br/noticias/geral,agricultor-tem-baixo-nivel-de-escolaridadeaponta-ibge,443486,0.htm>.Acesso em: 10 out. 2011 LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20042006/2006/Lei/L11326.htm>.Aces so em: 05 set. 2011. LEITE, Pedro Sisnando. Desenvolvimento harmônico do espaço rural. Fortaleza – CE: BNB. 1983. LOBO, Antônio; Agricultura Sustentável. UEFS. 1998

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Planejamento estratégico: conceito, metodologia e práticas. São Paulo: Atlas, 2000. PEREIRA, Fábio Cavalcanti. Desenvolvimento sustentável, complexidade e dimensões de um conceito em construção. In: Sustentabilidade e Democratização


22

das sociedades rurais da. América Latina. VI Congresso da Associação LatinoAmericana de Sociologia Rural. Porto Alegre. 2002 RICHARDSON, Roberto Jerry. Pesquisa social: métodos e técnicas. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1989. SIND CONTROL – Corporation sistema de automação sindical. Bahia 2011.

M01113