Page 1

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AGROINDUSTRIAL THAYLSON NUNES NOVAES DO CARMO

ANALISE DO CONTROLE DE ESTOQUE DE MATÉRIA-PRIMA DA CHIACCHIO INDÚSTRIA DE EMBALAGESN LTDA.

VITÓRIA DA CONQUISTA – BAHIA


2

DEZEMBRO – 2006 THAYLSON NUNES NOVAES DO CARMO

ANALISE DO CONTROLE DE ESTOQUE DE MATÉRIA-PRIMA DA CHIACCHIO INDÚSTRIA DE EMBALAGESN LTDA.

Monografia apresentada ao curso de Administração Agroindustrial da Faculdade Independente do Nordeste – FAINOR, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharelado em Administração. Orientador Professor: Clodomar Fernandes Costa Co - Orientador: M.S. C Carlos Fernando Leite.

VITÓRIA DA CONQUISTA – BAHIA


3

DEZEMBRO – 2006

C287a Carmo, Thaylson Nunes Novais do.

Análise do controle de estoques de matéria-prima da Chiacchio Indústria de Embalagens Ltda./ Thaylson Nunes Novaes do Carmo - Vitória da Conquista: Fainor, 2006. 56 f. Monografia (Graduação em Administração Agroindustrial) – Faculdade Independente do Nordeste Orientador: Prof. Clodomar Fernandes Costa. 1. Controle 2. Estoque 3. Eficiência 4. Eficácia 5. Produção. CDD: 658.7 Catalogação na fonte: Bibliotecária Sônia Iraína da Silva Roque CRB-5/1203


4

FOLHA DE APROVAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AGROINDUSTRIAL THAYLSON NUNES NOVAES DO CARMO

ANALISE DO CONTROLE DE ESTOQUE DE MATÉRIAPRIMA DA CHIACCHIO INDÚSTRIA DE EMBALAGESN LTDA.

Administração Agroindustrial da Faculdade Independente do Nordeste FAINOR, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Administração Agroindustrial. Aprovado em_____/_____/_____. BANCA EXAMINADORA

Nome: ________________________________________________ Assinatura: ____________________________________________

Nome: ________________________________________________ Assinatura: ____________________________________________

Nome: ________________________________________________ Assinatura: ____________________________________________


5

Dedico esse trabalho, primeiramente a Deus que me guiou todos os dias nessa caminhada, a minha família que apoiou e proporcionou toda estrutura necessária à realização deste


6

sonho, e a mim mesmo, que durante essa fase de estudo, fui guerreiro encarando muitas dificuldades, as quais foram impostas. RESUMO Em virtude do cenário competitivo que as empresas vivenciam atualmente, faz-se necessário buscar caminhos mais viáveis de obtenção e êxito no mercado e, por isso, urge buscar propostas que atendam a tais circunstâncias. Nesse sentido, o controle de estoques de matéria-prima mostra-se como uma ferramenta importantíssima, uma vez que fornece base de sustentação de uma eficaz ação administrativa. O objetivo desse estudo de caso é avaliar o setor de produção da Chiacchio indústria de embalagens ltda., tendo como foco principal o controle de estoques de matéria-prima a ser verificando no setor de produção da Chiacchio indústria de embalagens ltda., localizada à Rua Gerson Sales, 52 Centro, no município de Vitória da Conquista - Bahia. Os dados coletados para esse estudo foram através de método de entrevista e questionário com pessoas-chaves da empresa, os quais foram conduzidos pelo pesquisador, seguindo um roteiro e visitas à fábrica na área da produção, e aos escritórios da empresa para verificar os procedimentos de trabalho da indústria. O estudo em relata como o controle de estoques de matéria-prima é um instrumento importante para a organização conseguir diminuir seus custos operacionais e maximizando seus lucros em um sistema de constante transformação. Palavras Chaves: Controle; Estoques; Eficiência; Eficácia; Produção.


7

ABSTRACT In virtue of the competitive scene that the companies live deeply currently, one becomes necessary to search attainment ways more viable and success in the market and, therefore, urges to search proposals that take care of to such circumstances. In this direction, the control of raw material supplies reveals as a tool importantíssima, a time that administrative case supplies to base of sustentation de efficient uma. The objective of this study of case is to evaluate the sector of production of the Chiacchio industry of packings ltda., having as main focus the control of raw material supplies to verify in the sector of production of the Chiacchio industry of packings ltda., located to street Gerson Sales, 52 Center, in the city of Victory of the Conquest - Bahia. The data collected for this study had been through method of interview and questionnaire with pessoas-chaves of the company, which had been lead by the researcher, following a script and visits to the plant in the area of the production, and to the offices of the company to verify the procedures of work of the industry. The study in it tells as the control of raw material supplies is an instrument important organization to obtain it to diminish its operational costs and maximizing its profits in a system of constant transformation. Key Words: Control; Supplies; Eficiência; Eficácia; Production


8

LISTAS DE FIGURAS 1. Grau de Instrução dos Funcionários…………………………………………………....26 2. Idade dos Funcionários....................................................................................................27 3. Gênero dos Funcionários.................................................................................................28 4. Função dos Entrevistados................................................................................................29 5. O Layout da Fábrica........................................................................................................30 6. Programa de Responsabilidade Social.............................................................................31 7. Manutenção Preventiva dos equipamentos..................................................................... 32 8. Demanda de Produção.....................................................................................................33 9. Realização das Metas de Produção..................................................................................34 10. Investimento Tecnológico...............................................................................................35 11. Controle de Estoques.......................................................................................................36 12. Diversificação de Fornecedores.......................................................................................37 13. Prioridade na Escolha de Fornecedores...........................................................................38 14. Controle Recepção da Matéria-Prima..............................................................................39 15. Qualidade da Matéria-Prima estocada.............................................................................40


9

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO.................................................................................................................9 1.1 Delimitação do Problema…………………………………………………………….....10 1.1.1 Problema Geral………………………………………………………………………..11 1.1.2 Problemas Específicos………………………………………………………………..11 1.2 Hipótese ou Pressupostos................................................................................................11 1.3 Objetivos.........................................................................................................................12 1.3.1 Objetivo Geral...............................................................................................................12 1.3.1 Objetivos específicos....................................................................................................12 1.4 Variáveis..........................................................................................................................12 1.5 Justificativa......................................................................................................................12 2 GESTÃO DA PRODUÇÃO...............................................................................................14 3 CARACTERIZAÇÃO DO LOCUS DA PESQUISA........................................................19 3.1 Histórico da Empresa.......................................................................................................19 3.1.1 Missão...........................................................................................................................19 3.1.2 Visão.............................................................................................................................20 3.2 Filosofia da Administração..............................................................................................20 3.3 Responsáveis pela empresa..............................................................................................20 3.4 Organização Formal.........................................................................................................21 3.5 Fluxograma do Processo Produtivo.................................................................................22 3.6 – Área Organizacional.....................................................................................................22 3.7 Área de Atuação e Concorrentes......................................................................................23 3.8 Área Produção..................................................................................................................23 4 METODOLOGIA...............................................................................................................25 4.1 Caracterização da Pesquisa..............................................................................................25 4.2 Coleta de Dados...............................................................................................................25 5 ANÁLISE E AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS...........................................................26 5.1 Grau de Instrução dos Funcionários................................................................................26 5.2 Idade dos Funcionários....................................................................................................27 5.3 Gênero dos Funcionários.................................................................................................28 5.4 Função dos Entrevistados................................................................................................29 5.5 Layout da Fábrica............................................................................................................30 5.6 Programa de Responsabilidade Social.............................................................................31 5.7 Manutenção Preventiva dos Equipamentos.....................................................................32 5.8 Demanda de Produção.....................................................................................................33 5.9 Realização das Metas da Produção..................................................................................34 5.10 Investimento Tecnológico.............................................................................................35 5.11 Controle de Estoques.....................................................................................................36 5.12 Diversificação de Fornecedores.....................................................................................37 5.13 Prioridades na Escolha dos Fornecedores......................................................................38 5.14 Controle de Recepção da Matéria-Prima.......................................................................39 5.15 Qualidade da Matéria-Prima Estocada..........................................................................40


10

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS..............................................................................................41 7 FONTES CONSULTADAS...............................................................................................42 8 APÊNDICE.........................................................................................................................43 8.1 Apêndice I........................................................................................................................44 8.2 Apêndice II.......................................................................................................................49 9

ANEXO............................................................................................................................... 51 9.1 Anexo I.............................................................................................................................52 9.2 Anexo II...........................................................................................................................53 9.3 Anexo II...........................................................................................................................54


11

1 INTRODUÇÃO

As organizações vivenciam um cenário muito competitivo no mercado em que atuam hoje em dia, devido crescente concorrência. Os propósitos delas são maximizar lucros. Para viver em meio a tanta competição, faz-se necessário procurar caminhos mais viáveis de êxito e, por isso, urge buscar propostas e ações administrativas que atendam a tais exigências. O controle de estoques de matéria prima se apresenta como alternativa, uma vez que o gerenciamento do fluxo de abastecimento é muito importante para a empresa, porque representa uma parcela considerável da estrutura de custos dos produtos. Gerenciar bem os estoques é minorar os problemas e dificuldades encontradas em situações reais do dia-a-dia das empresas, os quais exigem julgamento administrativo mais profundo e coerente. Visa-se com esse estudo de caso analisar o setor de produção da Chiacchio Indústria de Embalagens, o controle de estoques de matéria prima como uma ferramenta administrativa e de redução de custos operacionais. Este trabalho foi realizado no setor de produção da instituição Chiacchio Indústria de Embalagens Ltda. que tem como ramo de atividade a produção de embalagens sacos e sacolas lisas e impressas, bobinas técnicas, bobinas picotadas e sacos valvulados. Localizada à Rua Gerson Sales, 52 Centro, no município de Vitória da Conquista - Ba, a Chiacchio Indústria de Embalagens trabalha focada em garantir a satisfação de seus clientes e conquistar novos mercados dia após dia, haja vista que, essa questão é exigida por parceiros, fornecedores e consumidores do ramo da indústria que desejam estar sempre a frente produzindo produtos com qualidade e garantia. Ao final desse trabalho pretende-se verificar a contribuição do controle de estoque para Chiacchio Indústria de Embalagens diminuírem seu custo operacional através duma ferramenta moderna bastante utilizada atualmente, a gestão de estoques de matéria-prima, que proporciona controle melhor qualidade nos produtos industrializados; uma revisão literária sobre principais enfoques da administração da produção; descrever sobre a área da produção lugar onde se deu a pesquisa, pois é a principal célula da organização, já que é nela onde nascem os produtos industrializados que possivelmente serão comercializados; conhecer a estrutura formal da organização através do organograma e, portanto, ajudar a organização


12

conseguir enxergar o controle de estoques de matéria-prima como uma oportunidade para a organização conseguir melhorar seus lucros diminuindo seu custo operacional. No primeiro capítulo verificam-se o problema geral e problemas específicos, as hipóteses, os objetivos (geral e específico), as variáveis e a justificativa que descreve o porquê do trabalho ser desenvolvido com o tema proposto. O segundo capítulo faz-se uma revisão literária sobre principais teorias da administração da produção que embasam o trabalho dando suporte cientifico. No terceiro capítulo tem-se a descrição das características do locus da pesquisa: histórico da empresa, a visão, missão, filosofia que os gestores adotam na administração da Chiacchio, a organização formal da empresa que é estruturada através de um organograma, o layout atual da empresa, o fluxograma do processo produtivo e a área organizacional. O quarto capítulo apresenta a metodologia que através de métodos e técnicas que colhem informações importantíssimas para o desenvolvimento do trabalho proposto. No quinto parágrafo faz se a análise e avaliação dos resultados sobre tema proposto, e no sexto e último parágrafo apresenta-se os achados da pesquisa. Esse estudo de caso tem como principal orientação mostrar como a gestão de estoques de matéria-prima é importante para a organização conseguir maximizar seus lucros, já que o valor desse bem é muito alto, e precisa ter cuidados especiais, pois é base do funcionamento de todo o processo de fabricação na empresa.

1.1 Delimitação do problema Segundo Roesch (1999, p. 41) “problema é uma situação não resolvida, mas também pode ser a identificação de oportunidades até então não percebidas pela organização”. Nesse sentido, vale a pena mostrar como a gestão de estoque de matéria prima é de fundamental importância para completar uma indústria, principalmente em meio tanta competição. Logo, um gerenciamento nesse setor, vem para formar uma conciliação entre o fornecimento de matéria prima e a demanda por produtos, os quais são essenciais para uma eficaz ação administrativa. Nesse contexto da administração da produção, o controle de estoque de matéria prima montra-se como uma ferramenta importantíssima para a administração.


13

1.1.1 Problema geral O estudo em questão destina-se analisar à problemática: O controle de estoques de matéria-prima na Chiacchio Indústria de Embalagens Ltda. pode refletir em redução de custos operacionais? Uma maneira muito eficiente, que tratada de maneira lógica e racional pode levar a organização a conciliar a oferta de matéria-prima com o aumento do consumo de produtos acabados, de modo que essa regularidade, esse controle, possa levar a empresa à redução de custos. 1.1.2 Problemas Específicos  Um controle eficiente na estocagem da matéria-prima reduz custo?  A gestão de estoques de matéria-prima proporciona qualidade aos produtos fabricados? 1.2 Hipótese ou Pressupostos A hipótese constitui-se uma suposição admirável, uma teoria provável a respeito da investigação de determinado problema que ainda não foi demonstrada. Conforme Lakatos (2004, p.139) “constitui-se a hipótese uma suposta, provável e provisória resposta a um problema, cuja adequação será verificada pela pesquisa”. Nessa perspectiva, a proposição enunciada que deseja ser resolvida será verificada através de dados coletados e informados pela empresa Chiacchio Indústria de Embalagens Ltda., a qual será conhecida ou determinada durante o estudo, de modo que essas informações possam contribuir em muito com o esta questão. Para tanto, é de fundamental importância que esses dados tenham cunho verificável. 1 – É necessário rever os procedimentos e técnicas adotadas pela Chiacchio para o controle de estoques de matéria prima, a fim de reduzir os custos na empresa. 2 – A gestão de Estoques de Matéria Prima é fundamental para produzir produtos com maior qualidade.


14

1.3 Objetivos Segundo Parra Filho, objetivo (1999, p.95) “[...] procura dar um visão geral do assunto da pesquisa. O pesquisador deve mostrar a importância do assunto, tendo em vista o conhecimento geral do mesmo e a temática proposta”. 1.3.1 Objetivo Geral:  Realizar um estudo de caso no setor de produção da Chiacchio Indústria de Embalagens Ltda. tendo como foco principal o controle de estoques de matéria-prima. 1.3.2

Objetivos específicos:

 Verificar se os estoques de matéria-prima estão sendo armazenados de forma segura e adequados;  Analisar se o controle de estoques de matéria-prima contribua para redução de custos operacionais;  Verificar se a gestão de estoques de matéria-prima contribui para qualidade dos produtos fabricados;  Contribuir para uma reflexão na gestão administrativa do setor de estoques de matériaprima da Chiacchio Indústria de Embalagens. 1.4 Variáveis As variáveis possuem o poder de flexibilizar o trabalho, pois se apresentam de varias formas ou aspectos, dão a condição do trabalho ser passível de mudanças. Para Lakatos (2004, p. 175) “uma variável pode ser considerado uma classificação ou medida, uma quantidade que varia um conceito operacional que contém ou apresenta valores; aspectos, propriedades ou fator, discernível em um objeto de estudo”. Assim, uma variável num projeto de pesquisa pode adicionar valores dados por uma quantidade, qualidade, características ou traços que alteram cada caso individual, onde o conceito operacional pode ser um objeto, um processo, um agente, um fenômeno, um problema passível de mudanças.


15

V1. Controle de estoques de matéria prima a ser verificado no setor de produção da Chiacchio Indústria de Embalagens; V2. Análise do controle de qualidade a ser estudado no setor de produção da Chiacchio Indústria de Embalagens. 1.5 Justificativa Inicialmente, é importante destacar que as empresas enfrentam um cenário muito competitivo todos os dias. Por esse motivo, é de suma estima que as organizações somam ferramentas que possam ajudar a atenuar essa situação. O controle de estoques de matériaprima mostra-se como um instrumento eficiente para essas exigências, uma vez que fornecem contribuições para uma eficaz ação administrativa através de meios eficientes para utilizar os recursos estocados no processo produtivo. Para Roesch (1999, p. 99) “justificar é apresentar razões para a própria existência de projeto”. Por isso, é de fundamental importância ter o controle de estoques de matéria-prima em instituições de origem privada, como é o caso da Chiacchio Indústria de Embalagens Ltda., pois os conhecimentos dessa área tornam os objetivos da organização mais claros e notáveis, o que possibilita aperfeiçoar ainda mais os efeitos das decisões que trazem benefícios para a empresa. Assim, o estudo de caso em questão, pode contribuir para que a organização tenha um maior controle e consiga diminuir o custo operacional na empresa, uma vez que à obtenção, transporte e armazenagem da matéria-prima é responsável pela maior parte dos custos sofridos pela indústria o que gera grandes custos matéria-prima geralmente representa uma parcela importante da estrutura de custos numa indústria, o controle estrito desse fluxo é indispensável para uma eficaz e administração.


16

2 GESTÃO DA PRODUÇÃO

É importante destacar que a administração da produção está voltada para os problemas experimentados diariamente pelas empresas, em situações como a criação de novos produtos e serviços. A criação desses produtos e serviços está no centro de muitas mudanças que afetam o mundo dos negócios – mudanças na preferência do consumidor, na qualidade dos produtos, mudança nas redes de suprimentos trazidos por tecnologia baseada em internet, mudanças no que se faz no trabalho, onde se faz e assim por diante. Para Slack (2002, p. 17) a administração da produção é importantíssima para a empresa conseguir desenvolver produtos e serviços essenciais à utilização dos seres humanos. A administração da produção é importante. Está preocupada com a criação de produtos e serviços de que todos nós dependemos. E a criação de produtos e serviços é a principal razão da existência de qualquer organização, seja a empresa grande ou pequena, de manufatura ou serviço, que visa lucro ou não. Felizmente, a maior parte das empresas reconhece a importância da produção.

A administração da produção é desafiadora, ela promove a criatividade que permite às empresas responder às tantas mudanças no cenário que se faz presente, de modo a buscar a administração da qualidade total ou gerenciamento da Qualidade Total (TQM) Total Quality Management a mais significativa das novas idéias que apareceram no cenário da administração da produção nos últimos tempos, e que tanto tem contribuído para o sucesso de muitas organizações que se destacam tanto no cenário nacional quanto no cenário internacional, pois compreende o gerenciamento das relações entre todos os envolvidos com a existência da empresa, não se restringindo somente ao relacionamento com o cliente. Além disso, ela deve ser criativa, inovadora e vigorosa para conseguir melhorar a produção de seus produtos e serviços, sendo que, conseguindo realizar tal feito sem sombra de dúvidas levará a organização a ter vantagens competitivas sobre os seus concorrentes, pois estará introduzindo o conceito de cadeia de valo que segundo Porter “serve de base para o raciocínio estratégico sobre as atividades envolvidas em qualquer negócio e a avaliação de seu custo relativo e o papel na diferenciação”. Certamente, TQM exercerá forte impacto na maioria dos setores da empresa, indo além do modismo recente, pois as idéias de TQM exercem forte atração intuitiva sobre as pessoas levando-as a participarem da força de trabalho nas atividades de melhoria da qualidade de modo a resultar em fortes aumentos da eficácia operacional. Como Deming, (1990) está preocupado com as atividades administrativas e as responsabilidades pela qualidade, mas estava também atento ao impacto da ação dos


17

trabalhadores diretos envolvidos com a motivação e a participação da força de trabalho nas atividades de melhoria da qualidade, pois a motivação é um estado pessoal, intransferível. Ninguém tem o poder de motivar ninguém. Pode-se incentivar transmitir estímulos, emocionar, seduzir, aliciar, estimular. Motivar, não. Para Chiavenato (2000, p.128) “a motivação se refere ao comportamento que é causado por necessidades dentro do indivíduo e que é dirigido em direção aos objetivos que podem satisfazer essas necessidades”. Para tanto, a motivação não é uma injeção de ânimo que se aplica em alguém. Entretanto, apesar de ser pessoal e intransferível, a motivação sofre influencia de fatores externos ao indivíduo, porque todos influenciam e são influenciados pelo ambiente. Ela, portanto é analisada de duas maneiras: de fora ou de dentro, ou seja, a motivação do outro ou a motivação própria do indivíduo, que são influenciados por fatores como: gostar de fazer, compreender-se com o que faz e estabelecer metas pessoais. Para uma organização conseguir oferecer um produto de qualidade aos consumidores é imprescindíveis que os colaboradores trabalhem entusiasmados e comprometidos na produção e serviços que sigam uma linha pré-determinada de qualidade. E para que isso aconteça, é necessário que a organização supra as necessidades dos seus colaboradores, principalmente às necessidades encontradas na base da pirâmide de Maslow, necessidades fisiológicas, necessidades de segurança e necessidades sociais, de modo que a motivação ou impulso seja suficiente para satisfazer as necessidades dos funcionários e conseqüentemente as da empresa, que é produzir com qualidade ao menor custo possível. Assim sendo, a motivação é algo muito importante que faz com que os funcionários trabalhem de forma que lhes sintam alegres, seguros para desempenhar bem seu papel na organização, que é sua participação na melhoria da qualidade dos produtos fabricados. Ishikawa (1993), baseados nos trabalhos de (DEMING, 1990 e JURAM 1995), recebeu credito como criador do conceito de círculos de qualidade e dos diagramas de causa e efeito. Ishikawa afirmou que no Japão houve um período de ênfase excessiva no controle estatístico da qualidade, e como resultado, as pessoas recebiam ferramentas complexas e difíceis, em vez de mais simples. Além disso, os padrões criados para produtos e processos e a imposição de padrões de especificação rígidos tornam-se uma carga, que não apenas dificultava a mudança, mas também faziam as pessoas sentirem-se amarradas pela regulamentação. Ishikawa via a participação do trabalhador como chave para a concretização bem-sucedida de TQM. Acreditava que os círculos de qualidade eram veículos importantes para realizar isso.


18

Crosby (1985) é mais conhecido por seu trabalho sobre custos da qualidade. Sugeriu que muitas organizações não sabem o quanto gasta em qualidade, sejam para concertarem o fazem de errado ou para fazerem certo. Ele afirmou que as organizações que mensuram seus custos dizem que esses representam 30% do valor de suas vendas. (JURAM 1995) estimou que os custos da qualidade total em produção representam, em média, 10% do valor das vendas. Crosby (1985) procurou destacar os custos e benefícios da ação de programas de qualidade, no qual apresentou um programa de qualidade de “zero defeito” que acreditava poder reduzir o custo total de qualidade. Quando se fala em estoques, muitas vezes pessoas têm logo o conceito, a idéia de uma indústria. No entanto, sem considerar a administração de estoques para esse seguimento, não são nem de longe os únicos interessado. Por Ritzman (1990) perto de um trilhão de dólares foram investidos em estoques na economia norte americana em 1987, desse total 37% pertenciam à indústria de transformação, 22% ao comércio varejista, 21% ao comercio atacadista, 12% ao setor agropecuário. Com isso se observa que os estoques não deixam de ser também fundamental para outros setores. Conforme Slack (2002) os estoques constituem-se os produtos acabados, com os quais aguardam a venda, despacho ou que são utilizados na produção de outros bens físicos. Convêm destacar estes, os quais a empresa Chiacchio Ltda. utiliza para a produção de seus produtos (as embalagens). Ter o controle da qualidade do estoque de matéria-prima na instituição é conseguir obter maior lucratividade e maior rentabilidade, uma vez que ele é a base para se ter um produto de qualidade com confiança e ótima aceitação no mercado. Por isso, convêm ressaltar a importância de se ter na organização, um controle que leve em destaque a qualidade da matéria-prima na produção dos produtos que a instituição fabrica, com maior segurança na utilização da matéria-prima utilizada na produção de embalagens. Na área de produção de uma indústria é necessário ter um ambiente adequado ao armazenamento de estoque da matéria-prima, que será utilizada para a fabricação dos produtos. Um ambiente que seja propício à conservação da matéria-prima, já que ela é base dos produtos industrializados em questão e, qualquer deterioração com ela pode levar ao comprometimento de todo um trabalho. Para Moreira (2000, pg. 463) entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo [...] como a matéria-prima. E é nessa perspectiva, que a organização precisa estar atenta, para poder instalar depósito que sejam mais seguros, apropriados ao armazenar da matéria-prima


19

destinada à fabricação dos produtos, pois um mau armazenamento, uma má conservação poderá levar a deterioração do composto básico para manufatura dos sacos e sacolas (lisas e impressas), bobinas técnicas e bobinas picotadas e sacos valvulados, o que seria desastroso e comprometedor a organização ter uma matéria-prima fora dos padrões necessários. Para uma organização nos tempos atuais consegui sobreviver, expandir e ter perpetuidade, é necessário que a mesma funcione bem, apresente bons resultados e produza produtos que tragam em sua receita a qualidade. Para sobreviver é necessário que ela seja eficiente, para expandir é imprescindível que tenha eficácia e para ter perpetuidade é preciso possuir na integra a efetividade de suas ações. Segundo Chiavenato (2000, p. 177) Cada organização deve ser considerada sob o ponto de vista de eficácia e de eficiência, simultaneamente. Eficácia é uma medida do alcance de resultados, enquanto a eficiência é uma medida da utilização dos recursos nesse processo. Em termos econômicos, a eficácia de uma empresa refere-se à sua capacidade de satisfazer uma necessidade da sociedade por do suprimento de seus produtos (bens e serviços), enquanto a eficiência é uma relação técnica entre entradas e saídas. Nesses termos, a eficiência é uma relação entre custos e benefícios, ou seja, uma relação entre os recursos aplicados e o produto final obtido: é a razão entre o esforço e o resultado, entre a despesa e a receita, entre o custo e o benefício resultante.

Assim sendo, uma organização quando se presta a inquietar-se em fazer as coisas acontecerem de forma correta, é porque ela está voltada para a eficiência. Agora, quando a mesma utiliza recurso, instrumentos fornecidos para avaliar o alcance dos resultados, ou seja, quando ela compromete-se a verificar se as coisas estão sendo feitas da forma correta, é porque está sendo eficaz. Utiliza recursos disponíveis para o alcance dos objetivos. Apesar disso, nem sempre as empresas conseguem serem eficientes e eficazes ao mesmo tempo, isto é, nem sempre a eficiência e a eficácia caminham de mãos dadas, por isso, é obrigação da empresa estar atenta a tais questões para poder conciliar em igualdade esses dois importantíssimos fatores, torne-se efetiva em suas ações e conquistas. Assim sendo, para Slack, Deming, Moreira a gestão de estoques é uma ferramenta importantíssima para uma organização conseguir maximizar seus lucros. Ela é importante porque consegue pode proporcionar uma conciliação entre o fornecimento e demanda dos estoques de matéria-prima. Na administração da produção existe varias políticas de gestão de estoques que são mais eficientes que outras, e o administrador responsável por essa área devem visualizar uma polícia estável para reduzir a incerteza. Não existe uma receita pronta para administração de estoques de matéria-prima, é


20

necessário que os gestores analisem a necessidade da empresa para, pois a mesma precisa sempre buscar a rentabilidade e crescimento sustentável, o que é importantíssimo para minimizar as ameaças e viabilizar as oportunidades.


21

3 CARACTERIZAÇÃO DO LOCUS DA PESQUISA

3.1 Histórico da Empresa A Chiacchio foi à primeira indústria de embalagens da região sudoeste e uma das pioneiras no estado da Bahia. Em 1990, abriram suas portas com apenas 02 funcionários fabricando embalagens de papel. Para acompanhar a evolução de mercado e as mudanças de comportamento do consumidor, a Chiacchio ampliou a sua linha de produtos, passando a fabricar em 1995, também embalagens plásticas. Com um trabalho sempre pautado na integridade e na transparência de suas ações, a Chiacchio foi aos poucos conquistando a confiança e a credibilidade do mercado de Vitória da Conquista; ganhando fatias de mercado e expandido o seu raio de atuação para outras regiões e estado. Hoje a Chiacchio contam com 58 colaboradores diretos, um parque industrial com equipamentos de última geração, distribuidores associados em diversas regiões do estado e uma linha de produtos bastante diversificada. A Chiacchio, que sempre está à frente do seu tempo, continua a inovar nas técnicas e equipamentos, não esquecendo da grande parceria com seus clientes, pois sempre foi compromisso da Chiacchio Indústria de Embalagens terem responsabilidade perante seu público. 3.1.1 Missão Obter lucros com a produção e vendas de embalagens que melhor atendam as necessidades dos clientes em variedades e preços, em um processo permanente de conquista da qualidade total.

3.1.2 Visão Estar à frente nos avanços tecnológicos do campo de embalagens plásticas atendendo de maneira completa as necessidades de seus clientes e mantendo posição firme no mercado.


22

3.2 Filosofia da Administração A administração da empresa pelo seu sócio gerente Jorge Chiacchio (administrador geral da empresa) que através de seu conhecimento e experiência na área, onde está a frente há quinze anos, administra com uma equipe de gerentes capacitados, como Marcos Chiacchio responsável pela área de vendas (representantes), José Carlos gerente de produção, Antônio pereira responsável pelo setor contábil, Paulo César a frente da diretoria financeira, Neuma Maria no setor pessoal e Agnaldo Cordeiro encarregado de produção responsável pelo recebimento de matéria-prima, controle e programação da produção e saída do produto final. As decisões na empresa são tomadas de acordo à visão de seus administradores e gerentes. A empresa funciona em horário comercial, das 08:00 às 18:00 horas, exceto o setor de produção, que funciona 24 horas, sendo dividido em três turnos, cada com equipe de funcionários diferentes. A primeira turma das 06:00 às 14:00 horas, a segunda das 14:00 às 22:00 horas, e a terceira das 22:00 às 06 horas do dia seguinte, cada um com intervalos para refeições e descanso. A chiacchio adota como fator motivacional e incentivador a seus colaboradores, benefícios como o 14° salário, plano de saúde, férias coletivas e abonos salariais no mês do aniversário do funcionário. Com relação a clientes, a Chiacchio mantém uma relação de parcerias e confiança, os quais foram conquistados através de uma boa prestação de serviços, e investimentos na qualidade de seus produtos. 3.3 Responsáveis pela empresa Diretoria Administrativa: Jorge Chiacchio; Acionistas: Jorge Chiacchio, Marcos Chiacchio, Paulo César; Acessórias, Consultorias e Auditorias: Não informado.


23

3.4 Organização Formal

O organograma mostra como a empresa é estruturada em seus serviços ou tarefas a serem executadas em tempo preestabelecido. Setores da Empresa que merecem destaque: Diretoria Geral: Jorge Chiacchio; Diretoria Financeira: Paulo César; Diretoria Comercial: Marcos Chiacchio; Setor de Contabilidade: Antônio Pereira; Setor de Produção: Agnaldo Cordeiro; Setor Pessoal: Neuza Maria; Recursos Humanos: Luiza Alves de Oliveira; Gerencia Financeira e Fiscal: Antônio Pereira da Silva; Gerencia de Produção: José Carlos Matos; Gerencia Comercial: Marcos Chiacchio e Luciano Alves Cordeiro; Obs. O setor de vendas da Chiacchio é terceirizado, onde os mais de 20 representantes estão distribuídos nas regiões do estado da Bahia e Minas Gerais.


24

3.5 Fluxograma do Processo Produtivo Ver em anexo N° II. 3.6 – Área Organizacional A Chiacchio Indústria de Embalagens Ltda. sempre preocupada em satisfazer as necessidades dos clientes busca controlar suas atividades tendo um rigoroso controle, tentando cada vez mais superar suas metas e operacionalizar seus processos dentro dos padrões de qualidade. A necessidade pela qualidade de seus produtos e serviços, decorrentes quase sempre do aumento da concorrência, motivou uma transformação radical no cenário da empresa. Num determinado instante, a decisão gerencial de produzir com qualidade seus produtos passou a ser a estratégia mais viável para conseguir sobreviver a tanta concorrência, a empresa começou então a adotar o programa de TQM (Total Quality Management), a qual é uma ferramenta importantíssima para se firmar e manter em destaque no mercado atuante. Essa busca pelo produzir com qualidade, inicialmente se dá no setor produtivo, de modo a programar conceitos, métodos e estruturas da gestão da qualidade consagrada à satisfação dos clientes. Por ser um processo permanente de evolução, a qualidade sempre continuará exigindo muito esforço da indústria, em contra partida, mesma na maioria das vezes proporcionará condições de competitividade da Chiacchio frente a seus principais concorrentes.


25

3.7 Área de Atuação e Concorrentes A empresa que faz concorrência direta com a Chiacchio Indústria de Embalagens é a Sol Embalagens, localizada na cidade São Paulo - SP. A tabela a seguir mostra um paralelo entre as duas empresas: EMPRESA: EMPRESA CONCORRENTE Produto: Sacos e Sacolas (lisas e impressas), Produto: Sacos e Sacolas Plásticas, Bobinas Bobinas Técnicas e Bobinas Picotadas, e Picotadas e Sacos Valvulados. Sacos Valvulados. Faturamento: Não informado.

Faturamento: Não informado

Funcionários: 51 funcionários.

Funcionários: 500 funcionários.

Tabela 1: Esboço da Pesquisa

A comparação feita entre as empresas acima citadas com base no numero de funcionários mostra que, a pesar da Chiacchio possuir teoricamente sua capacidade menor de produção consegue manter considerável fatia do mercado, já que oferece produtos de qualidade e preços baixos. É uma empresa do sudoeste da Bahia que consegue produzir embalagens que atendem as necessidades dos clientes em variedades e preço, sempre em busca do processo permanente de conquista da qualidade total, uma empresa da cidade de Vitória da conquista - Bahia que consegue levar seus produtos a consumidores em todas as regiões do País.

3.8 Área Produção

A área de produção da Chiacchio Indústria de Embalagens é a célula principal da empresa, onde nascem os produtos para venda e cujas ações de gerenciamento, desenvolvimento, organização da produção, controle da produção e relacionamento com os fornecedores, ações importantíssimas para a organização conseguir perpetuar-se no meio em que está inserida e conseguir maximizar seus lucros. Na fábrica, o layout (anexo I) é planejado para adaptar as pessoas ao ambiente de trabalho. Segundo a natureza da atividade desempenhada, a arrumação dos móveis, máquinas, equipamentos e matérias-primas são adequados à necessidade de cada colaborador, de modo a


26

aperfeiçoar as condições de trabalho do pessoal nas diversas unidades organizacionais. Os

equipamentos

utilizados

pela

produção

da

Chiacchio

são

máquinas

computadorizadas que possuem programadas para fins específicos para cada tipo de produto. A manutenção dos mesmos é feita periodicamente através de técnicos que residem em outros estados, já que em Vitória da Conquista é carente dessa mão - de- obra especializada. Para a compra de novos equipamentos e ativos relevantes pela indústria são feitos planos e metas, a qual é aprovada por Jorge Chiacchio sócio majoritário junto com Paulo Chiacchio responsável pelo setor de finanças e sócio também da empresa. Com base nos pedidos que realizados em períodos anteriores, a empresa prevê a demanda dos clientes e ajustar a quantidade futura da produção dos seus produtos a serem fabricados para atender por completo as necessidades dos clientes. A empresa adota um método de gerenciamento da qualidade por fases do processo de fabricação, onde cada fase exige um ajuste, e nesse ajuste geram perdas de produtos, o que deixa o custo mais elevado. Cada fase tem um controle de inspeção, onde os produtos fora do padrão são refugados e mandados ao início do processo de fabricação retornado como produtos reciclados, ou como produtos de segunda linha. O processo produtivo se dá na misturas de matéria-prima e pigmentos, que depois é colocado na máquina extrusora, que tem o poder de transforma a matéria-prima em forma de grãos em um filme de plástico – que logo depois é enrolado em bobinas que vão para o subsetor de pintura (se for necessário) e, imediatamente passa para o processo de corte e solda, que é a fase a qual é dada forma ao produto (tamanho, largura, quantidade) terminando assim o processo de produção. Assim os produtos vão para o estoque de produtos acabados vendidos ou para o estoque de pronta entrega.


27

4 METODOLOGIA

Roesch (1999, p. 118) afirma que “uma variedade muito rica de situações problemática apresenta-se nas organizações essas oportunidades ou problemas podem ser explorados e analisados de forma mais completa por meio do uso de métodos e técnicas”. A realização desse trabalho foi através de um estudo de caso, em que os dados foram coletados e apurados através de: •

Entrevista e questionário com pessoas-chaves da empresa, os quais foram conduzidos pelo pesquisador, seguindo um roteiro que poderia ser adaptado conforme o andamento da entrevista;

Visitas à fábrica e aos escritórios da empresa para verificar os procedimentos de trabalho da empresa, pois só assim com dados reais em mãos seria possível analisar o processo de produção da Chiacchio Indústria de Embalagens.

4.1 Caracterização da Pesquisa Segundo ROESCH (1999, p. 155) “o estudo de caso é uma estratégia de pesquisa que busca examinar um fenômeno contemporâneo seu contexto [...] se referindo ao seu presente”. A realização desse trabalho consiste em um estudo de caso utilizando elementos de entrevistas coletivas e individuais, reuniões, sendo a pesquisa explanatória visando levantar questões e hipóteses para futuros estudos, por meio de dados qualitativos. 4.2 Coleta de Dados Segundo ROESCH (1999, p. 140) “(...) é possível trabalhar com dados existentes na forma de arquivos, banco de dados, índices ou relatórios” Os dados pesquisados servirão de base para coleta de informações precisas e necessárias para análise e tratamento da pesquisa, onde os mesmos serão coletados nos registros que a empresa possui e nos relatórios diagnósticos formulados pelo pesquisador.


28

5 ANÁLISE E AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Foi realizada uma pesquisa de campo na empresa Chiacchio Indústria de Embalagens Ltda. através de questionário e entrevista, com 100% dos funcionários que trabalham diretamente na a área de produção, para saber se o controle de estoques de matéria-prima pode refletir na redução dos custos operacionais.

5.1 Grau de Instrução dos Funcionários

63%

1° Grau 2° Grau 3° Grau N.d.a

29% 0%

8%

Figura 1 - Grau de instrução. Fonte: pesquisa de campo (2006).

Nos dados demonstrado no gráfico acima, 29% dos funcionários da Chiacchio possuem o primeiro grau do nível fundamental, 63% têm o segundo grau do ensino médio e 8% possuem o terceiro grau ou nível superior. O elevado percentual de funcionários que possuem o segundo grau na empresa demonstra uma preocupação em contratar funcionários que possuam formação, pois a empresa necessita de funcionários que tenham certo nível de escolaridade compatível com a complexidade de suas funções para trabalhar com equipamentos de alta tecnologia. Os 8% é composto pelos três sócios proprietários e chefes de departamentos da indústria, que precisam tem um nível de instrução mais elevado para poder estar à frente de tamanha responsabilidade.


29

5.2 Idade dos Funcionários

58%

Entre 19 e 25 anos Entre 26 e 35 anos Acima de 36 anos 39% 3%

Figura 2 - Idade dos funcionários. Fonte: pesquisa de campo (2006).

Quanto à idade dos funcionários entrevistados 58% possuem entre 19 a 25 anos e entre 39% 26 a 35 anos, o que reflete uma grande preocupação da Chiacchio Indústria de Embalagens introduzirem em seu quadro de funcionários, colaboradores que sejam jovens quase todos sem experiência e que tenham força e vontade de apreender, possui treinamento próprio em sua unidade industrial, e preferem funcionários que sejam desenvolvidos de acordo aos seus princípios, já que a mesma prefere, moldar da melhor forma possível às pessoas, as quais farão parte do quadro de funcionários. O que para a empresa, torna-se vantajoso, pois ela consegue fazer com que seus funcionários acostumem ao rítimo imposto na realização das tarefas.


30

5.3 Gênero dos Funcionários

92%

M as culino Fe minino 8%

Figura 3 - Gênero dos Funcionários. Fonte: pesquisa de campo (2006).

Os dados apresentados no gráfico nº. 3 demonstram que 92% da mão de obra da empresa são do sexo masculino. Esta concentração no gênero masculino justifica-se pelo tipo do trabalho desenvolvido pela empresa, que exige exaustivo esforço físico por parte dos colaboradores.


31

5.4 Função dos Entrevistados

Auxiliar Administrativo Encare gado de Produção

76%

Ope rador de M áquina

8%

16%

Figura 4 - Função dos entrevistados Fonte: pesquisa de campo (2006).

Conforme os dados apresentados no gráfico acima, 8% do quadro funcional ocupam a função de Supervisão, 16% desenvolvem atividades administrativas e 76% estão lotados na área de produção, mais especificamente como Operadores de Maquinas. Conforme Gaiter (2004) “[...] gerentes de produção de operações, administram o sistema de produção, sua principal preocupação reside nas atividades do processo de transformação ou produção”.


32

5.5 O layout da fabrica

81%

Sim Não 5%

Não s e i

14%

Figura 5 - Avaliação sobre o layout da empresa. Fonte: pesquisa de campo (2006).

Dos entrevistados 81% responderam que concordam que o layout da fábrica, é planejado e adequado para atender as necessidades de produção, 14% não souberam dizer se o layout é adequado ou não, 5% acham que o layout não e planejado e nem adequado para produção de embalagens o percentual de funcionários que não souberam se manifestar sobre o layout coincidentemente é próximo do numero de funcionários que atuam na área administrativa, sem maiores conhecimentos do processo produtivo, o que justificariam a sua resposta. Para Gaiter (2004) “planejar o layout da instalação significa planejar a localização de todas as máquinas, utilidades, estações de trabalho, refeitórios, bebedouros, divisórias internas, escritórios e salas de computação [...] e de pessoas que circulam nos prédios”. As organizações atuais planejam o espaço físico das indústrias para proporcionar maior margem de ganho na produção, pois planejar e adequar o layout da empresa, principalmente o setor de produção, traz agilidade na realização e execução das tarefas na indústria. Diante dos resultados coletados, e na visão da equipe de produção da empresa, podemos afirmar que o layout utilizado pela empresa atende as necessidades de produção, onde é o mais adequado para as suas atividades no atual momento.


33

5.6 Programa de Responsabilidade Social

5% 21%

Sim Não Não s e i

74%

Figura 6 - Avaliação sobre conhecimento dos colaboradores perante o programa de responsabilidade ambiental. Fonte: pesquisa de campo (2006).

Sobre o programa de responsabilidade ambiental que a empresa aplicar, dos entrevistados 36% não conhecem ou não dão importância para o mesmo, o que fica evidente, que esse percentual bastante considerável, não sabe da seriedade desse programa, o que é preocupante, principalmente numa indústria que utiliza em sua base de produção, poluente para fabricar os sacos e sacolas lisas e impressas, bobinas técnicas, bobinas picotadas e sacos valvulados.


34

5.7 Manutenção Preventiva dos Equipamentos

90%

Sim Não 5% 5%

Não s e i

Figura 7 - Avaliação sobre a manutenção preventiva dos equipamentos de produção. Fonte: pesquisa de campo (2006).

A maior parte dos entrevistados afirma que os equipamentos da empresa passam por manutenções periódicas preventivas. Esse feito tem influência direta no andamento da produção, pois o mesmo é necessário para que máquinas e equipamentos da indústria não tenham sua capacidade de produção interrompida devido a problemas técnicos. Na indústria, é imprescindível dar ganho no volume de produção para conseguir atender a demanda corrente, e para isso, é preciso eliminando e reduzir riscos de acidentes durante o processamento da produção, forma pela qual a organização tenta evitar falha, cuidando das maquinas e equipamentos da indústria. Conforme Slack (2002) manutenção preventiva ou baseada no tempo, realizada em intervalos de tempo predeterminados de acordo com plano previamente estabelecido, com o objetivo de prevenir a ocorrência de falha.


35

5.8 Demanda de Produção

89%

Sim Não Rarame nte Não s e i 11%

0%

Figura 8 - Avaliação sobre demanda de produção. Fonte: pesquisa de campo (2006).

Dos entrevistados 89% afirmam que a produção da indústria consegue suprir as necessidades de demanda através das vendas que foram realizadas anteriormente, o que é importante para a empresa conseguir atender em tempo as necessidades dos seus clientes por produtos. Cerca de 11% não conhecem sobre essa ação, o que é preocupante e precisa ser revisto e informado, já que essa regularidade, é fundamental para a organização conseguir maximizar seus lucros através das vendas.


36

5.9 Realização das Metas da Produção

97%

Sim Não Rarame nte Não s e i 3%

0%

Figura 9 - Avaliação das metas de produção estabelecida para cada período na indústria. Fonte: pesquisa de campo (2006).

Nos dados demonstrados no gráfico acima 97% afirmam que a empresa consegue atingir a produtividade que foi estabelecida para cada período, o que é muito importante para a indústria conseguir atender a demanda corrente num dado intervalo de tempo, dando assim continuidade às atividades de produção com eficiência e eficácia, não acumulando pedidos. Gaiter (2004) afirma que a “produtividade significa a quantidade de produtos ou serviços produzidos com os recursos utilizados dado intervalo de tempo”.


37

5.10 Investimento Tecnológico

95% Sim Não Não s e i 5%

0%

Figura 10 - Investimento em tecnologia dos equipamentos. Fonte: pesquisa de campo (2006).

Dos entrevistados, 100% afirmam que a indústria faz investimentos em tecnologia, 5% não conhecem tal investimento. As máquinas e equipamentos destinados à área de produção, são quase todos informatizados, ou seja, os mesmos possuem uma central de gerenciamento que através de comandos são acionados para realizar tarefas designadas à produção. Conforme Gaiter (2004) “hoje muitos projetos de automação visão não somente obter economia de custos de mão-de-obra, mas também melhorada qualidade dos produtos, produção e entrega rápida de produtos”. Os colaboradores nesse caso, somente supervisionam o trabalho das máquinas.


38

5.11 Controle de Estoques

97% Sim Não Não s e i 3%

0%

Figura 11 - Avaliação sobre aquisição de matéria-prima. Fonte: pesquisa de campo (2006).

Dos entrevistados quase 97% afirma que a organização mede os estoques de matériaprima antes de fazer nova compra do material, 3% não conhecem essa prática. Para a indústria, a avaliação sobre a aquisição da matéria-prima é muito importante para a organização ter o controle dos seus estoques, haja vista que esse feito, essa ação possibilita a empresa ter uma gestão que consiga diminuir seus custos operacionais, principalmente no que se refere ao transporte e armazenamento desse produto.


39

5.12 Diversificação de Fornecedores

100%

Sim Não Não s e i 0%

Figura 12 - Avaliação a respeito de fornecedores. Fonte: pesquisa de campo (2006).

Dos entrevistados 100% informaram que a empresa possui mais de um fornecedor de matéria-prima. Essa estratégia adotada pela indústria, proporciona escolher melhores seus insumos em termos de variedade, qualidade e preços baixos, o que proporciona poder de barganha sobre seus concorrentes, pois pode repassar aos seus clientes produtos de melhor qualidade a preços competitivos. Ao escolher o fornecedor, a empresa deve avaliar as condições de qualidade, financeiras e de confiabilidade de entrega de cada fornecedor, e analisar a possibilidade de contratos de abastecimento de médio e longo prazo, procurando estabelecer parcerias, Martins (2000).


40

5.13 Prioridades na Escolha dos Fornecedores

O pre ço A qualidade 71%

Forma de Pagame nto Não s e i

21% 8%

0%

Figura 13 - Avaliação sobre escolha do fornecedor. Fonte: pesquisada campo (2006).

Nos dados demonstrados no gráfico 71% dos entrevistados afirmam que a empresa prioriza na escolha dos fornecedores a qualidade da matéria prima, 21% o preço, 8% não souberam opinar. O gráfico demonstra que a Chiacchio Indústria de Embalagens ao efetuar compra da matéria-prima, ela prioriza em primeiro lugar a qualidade do produto, pois essa atitude faz parte do programa TQM adotado pela empresa para compra de material com alto índice de qualidade, em segundo lugar a empresa da preferência à adoção de matéria-prima que possua preço mais acessível, pois é um requisito indispensável na redução de custos da indústria. O ideal seria conciliar qualidade a preço baixo, e é nessa perspectiva que a empresa em estudo procura alocar seus recursos ao fazer novas aquisições do material.


41

5.14 Controle de Recepção da Matéria-Prima

Sim 79%

Não Rarame nte

18%

Não s e i 3% 0%

Figura 14 - Avaliação sobre o controle na recepção de matéria-prima. Fonte: pesquisa de campo (2006).

Dos entrevistados 79% afirmam que o controle na recepção da matéria-prima ocorre de forma adequada, 18% não souberam responder, 3% informara que a recepção raramente é adequada. Os dados acima descrevem que a empresa possui uma grande preocupação em garantir que o material obtido tenha desde a sua aquisição, um controle eficiente, verificando o pedido de compra que originou a entrega, verificar os elementos contábeis e fiscais da nota fiscal, verificar qualidade, preços unitários e preços totais, verificar as embalagens, pois é o primeiro passo para a organização conseguir produzir produtos com qualidade reconhecida pelos consumidores. Conforme Martins (2000), “o recebimento tem início quando o material chega nas dependências da empresa”.


42

5.15 Qualidade da Matéria-Prima Estocada

79%

Sim Não As ve ze s Rarame nte 0%

21%

0%

Figura 15 - Avaliação do controle de qualidade da matéria-prima estocada. Fonte: pesquisa de campo (2006).

Os dados demonstrados no gráfico revelam que, 79% dos entrevistados afirmam que o controle de qualidade da matéria-prima estocada na Chiacchio Indústria de Embalagens Ltda. é adequado, 21% afirmam que nem sempre a matéria-prima e estocada é adequado. Para a matéria-prima ter um armazenamento adequado numa indústria é necessário possuir alguns cuidados como, cuidar para que a estocagem não altere suas características; manter um controle eficiente sobre a quantidade estocada; identificar os materiais sem movimentação; diminuir constantemente o espaço alocado e à estocagem de materiais para reduzir os custos relacionados à estocagem e manter um sistema de informação rápido e eficaz. Gaiter (2004) afirma que “[...] os materiais são examinados para garantir que estão de acordo com as especificações adequadas – força, cor, acabamento, aparência, conteúdo químico, peso e outras características”. O controle de qualidade tende a melhorar os produtos fabricados, para que os mesmo estejam de acordo com as especificações do cliente, podendo assim atender as suas necessidades.


43

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Examinando os dados colhidos através do estudo de caso realizado na Chiacchio Indústria de Embalagens Ltda., tem-se a conclusão que, a empresa possui indiretamente um programa de controle de estocagem da matéria-prima na indústria, o qual proporciona redução nos custos operacionais. A empresa também já trabalhava à gestão de estoque como fator indispensável para a indústria conseguir fabricar produtos com qualidade, assim sendo, um estudo que através, veio para analisar a gestão de estoques de matéria-prima ulitilizada pela indústria. Portanto, a organização tendo condições de sustentar essa postura em relação à gestão de estoques, consideravelmente a Chiacchio aumentara sua participação no mercado obtendo grandes êxitos, como: aumento na produtividade, melhoria na qualidade dos produtos fabricados, redução nos estoques de insumos e nos custos dos produtos industrializados. Modo pela qual, possibilitará maior competitividade perante um cenário que sofre influência tanto do ambiente interno (consumidores, colaboradores, fornecedores, investidores etc.) quanto do ambiente externo (governo, tecnologia, meio ambiente etc.) à organização. Assim sendo, o controle de estoques de matéria-prima mostra-se como instrumento importantíssimo para a organização conseguir diminuir seus custos operacionais maximizando seus lucros. Afinal promover essa conciliação no contesto de tantas mudanças é permitir que a empresa cresça encontrando soluções para os desafios de planejar e controlar recursos materiais em um sistema de constante transformação.


44

7 FONTES CONSULTADAS

CARAVANTES, G. R. Teoria Geral da Administração: Pensando & Fazendo. 4ª ed. Porto Alegre: AGE, 2003. CARAVANTES, G. R. 1997 – Administração e Qualidade: a superação dos desafios – São Paulo. Makron Books, 1997. CARVALHO, Antônio Vieira de. Recursos Humanos: Desafios e Estratégias. 1ªed. São Paulo: Pioneira, 1989. CHIAVENATO, Idalberto, Introdução a Teoria Geral da Administração – 6. ed. – Rio de Janeiro: Campus, 2000. CROSBY, P.B. Qualidade e investimento. Rio de Janeiro: José Olympio, 1985. DEMING, W. E. Qualidade: A Revolução a Administração. Rio de Janeiro: Marques Saraiva, 1990. GAITHER, N. Administração da Produção e Operações. São Paulo: Pioneira, 2002. ISHIKAWA, K. Controle de Qualidade. Rio de Janeiro: campus, 1993. JURAN, J. M. Planejamento para a Qualidade. São Paulo: Pioneira, 1995. LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. A. Metodologia Científica. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2000. SLACK, N. Administração da Produção – 2. ed. – São Paulo: Atlas, 2002. ROESCH, S. M. A. Projetos de Estágios e Pesquisa em Administração – 2. ed. – Atlas. São Paulo, 1999. ROBRLES, A. J. Custos da Qualidade: uma estratégia.

8 - APÊNDICE


45

Apêndice I. Diário de campo. Apêndice II. Questionário de pesquisa voltado para o problema.

8.1 Apêndice I


46

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL – ROTEIRO BLOCO I – DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO ENTREVISTADO Nome da Organização Localização: Número de empregados: Área de atuação: Porte da empresa, levando em consideração o número de empregados, faturamento, nível de abrangência de operações e participação no mercado total dos produtos e/ou serviços da organização: ( ) micro empresa ( ) media empresa ( ) grande empresa Nome do entrevistado: Cargo ocupado:

BLOCO II – QUESTÕES GERAIS E ESTRATÉGIAS DA EMPRESA ESTAGIADA 1. Quais, em linhas gerais as atividades da empresa? Como poderia ser definido seu ramo de negócio? 2. Quais são os objetivos da empresa? Esses objetivos têm sido mantidos há quanto tempo? Os funcionários conhecem os objetivos da empresa? Eles acreditam nesses objetivos? Quantos e quais os conhecem? Como são comunicados os objetivos de cada área e de cada unidade da empresa são consistentes entre si e com os objetivos gerais da organização? O que é feto para assegurar essa resistência? 3. Existem metas de resultados para a empresa? Para cada unidade? Como são estabelecidas? Como são cobradas? Para que prazos costumam ser definidas?


47

4. Quais os pontos fortes da empresa? O que você sugere para aproveitá-los melhor? Existem atividades que a empresa execute melhor que seus competidores e que eles tenham dificuldade em emitir? Quais? 5. Quando é mostrado o plano de investimentos procura-se dar prioridades a esses pontos fortes? 6. Já foram criadas equipes para recomendar a melhor forma de aproveitar esses pontos fortes? 7. Quais os pontos fracos (vulnerabilidade) da empresa? 8. Já foram criadas equipes para estudar e recomendar soluções a respeito desses pontos fracos? 9. Favor descrever detalhadamente o histórico da empresa. 10. Como você gostaria de ver sua empresa daqui a dois anos? Daqui a cinco anos? Dez anos? 11. Há recursos para que a empresa chegue a esse ponto desejado daqui a dois anos? Cinco anos? Dez anos? 12. Indique que ordem de prioridade a empresa, em sua opinião, atribui a cada um dos seguintes valores: ( ) lealdade e identificação com a empresa ( ) disciplina e capacidade de delegar oportunidade, responsabilidade e liderança ( ) iniciativa, criatividade e capacidade de assumir riscos ( ) capacidade de decidir ( ) capacidade de trabalhar em equipe ( ) motivação e capacidade de motivar-se ( ) capacidade de comunicar ( ) relacionamento com superiores ( ) relacionamento com os colegas ( ) relacionamento com os subordinados ( ) capacidade de conviver com pressões ( ) capacidade de administrar conflitos ( ) estabilidade emocional, capacidade de adaptação a situações.

13. Quem é quem no topo da organização? Em sua opinião quais as características de cada um? Favor elaborar o organograma geral e do departamento (no caso de empresas de médio porte). No caso de organizações de pequeno porte, apenas organograma geral.


48

14. Existem políticas ou esforços no sentido de procurar os interesses dos funcionários com os da empresa? Quais? 15. Existe um planejamento estratégico aprovado? Quem o conhece? Esse plano em consideração os pontos fortes da empresa e a convivência de dar prioridade a eles? 16. Esse plano leva em consideração possíveis mudanças no mercado? 17. A estrutura organizacional é adequada à estratégia da empresa? As atividades estratégicas estão bem posicionadas? 18. Como são estabelecidas e aprovadas as metas e planos da empresa? 19. Como é aprovado o orçamento? Como são controlados os desvios? 20. Quem aprova as prioridades de investimentos? 21. Quem aprova compras de equipamentos e ativos de valores relevantes? 22. Como é feita a coordenação dos programas de vendas e de produção? 23. A empresa vende mais do que produz ou pode produzir mais do que vende? 24. Existe auditoria externa? Quem a faz? 25. Sua empresa utiliza sistemas de informação? Descreva, em linhas gerais, como o mesmo é utilizado, em qual (is) departamento(s), qual finalidade, resultados obtidos com o seu uso, etc. 26. É feito um planejamento para aquisição/renovação ou manutenção dos sistemas de informação da sua empresa? Qual a periodicidade do mesmo? Qual departamento (ou pessoa no caso de pequena empresa) é responsável? Explique como o mesmo é realizado. 27. Como são estabelecidas as metas de qualidade? Quem as aprova? 28. Quais em sua opinião deveriam ser as características mais importantes dos gerentes (ou executivos da empresa)? Os demais dirigentes estão de acordo com esta opinião? 29. Como são efetuados os contatos com os acionistas minoritários e preferenciais? Quem são os responsáveis por esses contatos?

BLOCO III – QUESTÕES DE PRODUÇÃO a) Instalações para a produção 1. A empresa planeja o layout de fábrica? Como? Há critérios definidos com relação a este planejamento? Quais? 2. Quais são os principais equipamentos utilizados na produção? Eles são próprios?


49

3. Como é feita a manutenção dos equipamentos da empresa? Há procedimentos de como fazer estas manutenções? Quais? 4. Que critérios a empresa utiliza para a compra de equipamentos? 5. Há a busca de novidades referentes a equipamentos e ferramentas? b) Capacidade 1. Como é definido o número de operários da empresa? 2. Quantos operários a empresa tem atualmente? 3. Como a empresa decide a quantidade de cada produto a ser produzido? 4. Como a empresa prevê a demanda futura de produção 5. Em períodos de baixa, como a empresa procede? c) Tecnologia 1. Há investimentos em equipamentos mais modernos? E em tecnologias diferentes da tradicional? 2. Há alguma parceria em relação ao uso de tecnologia? 3. Existem equipamentos utilizados pela empresa que foram idealizados pelo seu próprio pessoal de produção? 4. Como se dá a busca de tecnologia? 5. Há alguma preocupação com o estudo dos processos, buscando racionalização e simplificação? 6. Como é feito o repasse das novas tecnologias para os membros da empresa? d) Integração vertical 1. A empresa trabalha com serviços terceirizados? Quais? 2. Como é feita a escolha dos terceirizados? Há critérios definidos para a escolha? Quais? 3. Como se dá o relacionamento da empresa com terceirizados? 4. Há algum tipo de controle dos terceirizados? Qual? Como é feito este controle? 5. A empresa compra ou aluga os equipamentos? Por quê? Há critérios para a compra ou aluguel? e) Gerência da qualidade 1. Como é feito o controle da qualidade? 2. Como são controlados os estoques?


50

3. Quais procedimentos os programas de qualidade são aplicados na produção? f) Organização da produção 1. Como é a estrutura organizacional da área de produção? 2. Como é feita a comunicação entre a fábrica e o escritório? Quais os meios utilizados nesta comunicação? 3. A equipe responsável pela gerência está adequada ao atual volume de produção? g) Planejamento e controle da produção 1. Como é feito o planejamento operacional das atividades? Quem são os responsáveis? 2. Quais são as ferramentas de planejamento utilizadas pela empresa? 3. Há entregas programadas com fornecedores? Como elas se realizam? 4. Quais são as principais causas do não cumprimento do planejamento? 5. É comum o uso de horas extras na empresa? Por quê? h) Relacionamento com fornecedores 1. Como são escolhidos os fornecedores? Há critérios? Quais? 2. As compras tendem a ser negociadas em lotes grandes ou pequenos? 3. A empresa tem cadastro de fornecedores? Quais dados constam neste cadastro? Como eles são atualizados? 4. Há controle e monitoramento dos fornecedores? Como isso ocorre? 5. A empresa preocupa-se em oferecer treinamentos, seminários aos fornecedores? 6. A empresa tem parceria com fornecedores para desenvolvimento de novos produtos? 7. Há problemas com algum de seus fornecedores? Que tipo?


51

8.2 Apêndice II QUESTIONÁRIO DE VISITA VOLTADO PARA O PROBLEMA ESBOÇO DO QUESTIONÁRIO Texto Introdução: Este questionário é parte integrante da pesquisa desenvolvida para a realização do trabalho monográfico do Curso de Administração Agroindustrial da FAINOR, e tem como objetivo coletar dados sobre Administração da Produção junto aos funcionários da empresa Chiacchio Indústria de Embalagens Ltda. lotados em Vitória da Conquista. Sua participação é muito importante para a obtenção dos resultados, procurando, na medida do possível, propor o seu aperfeiçoamento. Agradecemos: Thaylson Nunes Novaes do Carmo.

A – DADOS PESSOAIS:

1. Grau de Instrução ( ) 1º grau

( ) 2º grau

( ) 3º grau

(

) Nda.

2. Idade ( ) 19 a 25 anos

( ) 26 a 35 anos

( ) acima de 36 anos.

3. Gênero ( ) Masculino

( ) Feminino.

4. Função ( ) Aux. Administrativo

( ) Encarregado de produção

(

) Operador de

máquinas. 5. Tempo de Serviço na Empresa ( ) 1 a 5 anos

( ) 6 a 10 anos

( ) acima de 11 anos.

B – DADOS SOBRE O TEMA PROPOSTO: 1. O layout da empresa é adequado para atender as necessidades de produção: (

) Sim

(

) Não

(

) Não sei


52

2. Existe na empresa programa de responsabilidade ambiental? (

) Sim

(

) Não

(

) Não sei

3. Há manutenção periódica dos equipamentos da área de produção? (

) Sim

(

) Não

(

) Não sei

4. A produção supera as necessidades de demanda? ( 5.

) Sim

(

) Não

(

) Raramente

(

) Não sei

A empresa consegue atingir as metas de produção que foram estabelecidas

para cada período? ( 6.

) Sim

(

) Não

(

) Raramente

(

) Não sei

Há investimentos em novas tecnologias e equipamentos? (

7.

) Sim

(

) Não

(

) Não sei

Os estoques de matéria-prima são consultados, medidos, antes de se fazer

nova compra do material? ( 8.

) Sim

(

) Não

(

) Raramente

(

) Não sei

A empresa trabalha com hora extra? (

) Sim

(

) Não

(

) Raramente

9. A empresa possui mais de um fornecedor para os diversos de matéria-prima? (

) Sim

(

) Não

(

) Não sei

10. Na escolha do fornecedor a empresa prioriza? (

) O preço

(

) A qualidade

(

) Forma de pagamento (

) Não sei

11. O controle na recepção de matéria-prima é adequado? (

) Sim

(

) Não

(

) Raramente

(

) Não sei

12. Os intervalos das compras de matéria-prima são? (

) De 1 a 5 meses

(

) De 6 a 10 meses

(

) Acima de 11

meses 13. O controle de qualidade da matéria-prima estocada é eficiente? (

) Sim

(

) Não

(

) As vezes

(

) Raramente


53

9 - ANEXO

Anexo I. Layout atual. Anexo II. Fluxograma do processo produtivo. Anexo III. Fotos produção.


54

9.1 Anexo I

Figura 3: Layout atual da Chiacchio IndĂşstria de Embalagens. Fonte: Empresa.


55

9.2 Anexo II

Figura 4: Fluxograma atual do processo produtivo. Fonte: Empresa.


56

5.3 Anexo III

Figura 5: Processo de transformação da matéria-prima em plástico. Fonte: Empresa.


57

Figura 6: MatĂŠria-prima sendo processada. Fonte: Empresa.


58

Figura 7: MatĂŠria-prima acabada. Fonte: Empresa.

Figura 8: Ă rea de corte das sacolas. Fonte: Empresa.

M00081  

Monografia - Fainor