Page 1

FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HUGO OLIVEIRA ANDRADE

O CONSEQUÊNCIAS DA IMPLANTAÇÃO DO ENTERPRISE RESOURCE PLANNING LITE FREE NA MICROEMPRESA NOVA GOURMET EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BA

VITÓRIA DA CONQUISTA - BA 2011


HUGO OLIVEIRA ANDRADE

O CONSEQUÊNCIAS DA IMPLANTAÇÃO DO ENTERPRISE RESOURCE PLANNING LITE FREE NA MICROEMPRESA NOVA GOURMET EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BA

Artigo apresentado ao Colegiado do Curso de Administração da Faculdade Independente do Nordeste – FAINOR em Vitória da Conquista – BA, como requisito obrigatório para a obtenção do Título de Bacharel em Administração. Orientador: Prof: MSc. Francisco Carvalho.

VITÓRIA DA CONQUISTA – BA 2011


O CONSEQUÊNCIAS DA IMPLANTAÇÃO DO ENTERPRISE RESOURCE PLANNING LITE FREE NA MICROEMPRESA NOVA GOURMET EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BA

Hugo Oliveira AndradeI MSc. Francisco CarvalhoII RESUMO A pesquisa aqui apresentada teve o intuito de analisar as vantagens da implantação, em uma microempresa do ramo alimentício, do sistema ERP Lite Free. Como os focos de interesse são aspectos descritivos, foi utilizada uma abordagem qualitativa e quantitativa, a partir das comparações entre estado da empresa antes e após a implantação deste sistema. Neste caso específico, não se pretendeu tratar os aspectos causais ou relacionais, mas sim a descrição. Existindo uma preocupação com o levantamento de componentes do problema ou fenômeno a ser descrito. Os fatos foram registrados. A pesquisa primeiramente coletou dados secundários, que foram colhidos em documentos (material de treinamento, jornais internos, folhetos, material divulgado na mídia impressa e internet, entre outros). Por meio da leitura e análise desses documentos foram separadas as informações de utilidade para o estudo, complementando as informações obtidas por meio de outras técnicas, revelando novos aspectos do problema. Com esta pesquisa foi possível perceber que a proposta de implementação do EPR na empresa Nova Gourmet, irá proporcionar uma melhor forma de controlar os dados financeiros, de estoque, além de gerar fonte de dados para análises estratégicas da mesma.

PalavrasChave: Controle. Estoque. Estratégia. ERP Lite Free.

ABSTRACT This study was designed to analyzing the advantages of implementation in a microenterprise of food industry, the ERP Lite Free. As the focus of interest are descriptive aspects, we used a qualitative and quantitative comparisons from the company's state before and after the implementation of this system. In this particular case did not attempt to treat the causal or relational aspects, but on the description. If there is concern about the survey component of the problem or phenomenon to be described. The facts were reported, the research first collected secondary data that were collected in documents (training materials, newsletters, brochures, material disseminated in print and Internet, among others). Through reading and analysis of I

Graduando do curso de Administração da Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR, Vitória da Conquista – BA. E-mial: Hugo.oliveira25@hotmail.com II Professor orientador do curso de Administração da Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR Vitória da Conquista – BA.


these documents were separated information useful to the study, supplementing the information obtained through other techniques, revealing new aspects of the problem. With this research it is noted that the proposed implementation of EPR in New Gourmet company will provide a better way to control financial data, inventory, and generate a source of data for strategic analysis of the same. Keywords: ERP Lite Free, control, supply, strategy.

1 INTRODUÇÃO A globalização chegou na década de 90 causando impactos em todo os setores do mercado, empresas e conseqüentemente na contabilidade, pois também gerou a denominada hoje como contabilidade digital. Os sistemas de informações e as novas tecnologias obrigam as empresas a se adaptarem as novas prerrogativas de mercado e oferece a todos novos desafios como se poderá observar com o advento das novas tecnologias, assim como os sistemas de gerenciamentos de dados que podem facilitar a tomada de decisão nas organizações, independente de seu porte. As organizações, no atual panorama de globalização, são obrigadas a conviverem com um grande número de informações, o que gera a necessidade de criar meios de lidar com essa gama de dados. Com a evolução tecnológica, as empresas tem buscado solucionar os seus problemas através dos Sistemas de Informações, que permitem ter uma visão do estado atual da empresa e do que ela pretende atingir. Neste contexto foram implantados no mercado novos softwares como o ERP. Com a elaboração de uma abordagem sobre ERP espera-se obter mais informação sobre os sistemas integrados de gestão voltados as pequenas e microempresas e os impactos causados com a sua implantação. Nesta perspectiva, este estudo tem como objetivo geral avaliar o processo de implantação do sistema ERP, na forma do software de plataforma livre ERP Lite Free na empresa Nova Gourmet em Vitória da Conquista - BA. Para tanto foram definidos os seguintes objetivos específicos: Descrever quais as atividades desenvolvidas pela empresa Nova Gourmet; Identificar as etapas necessárias para implantação do ERP Lite Free numa microempresa; Verificar a atuação do ERP Lite Free nos processos interfuncionais da empresa Nova Gourmet; Comparar o funcionamento da empresa Nova Gourmet, antes e depois da implantação deste sistema.


2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Sistema de informação e tecnologia Os sistemas de informação surgiram da necessidade do ser humano em administrar melhor as informações produzidas em um determinado segmento da sociedade,

possibilitando

de

forma

prática

e

eficiente

as

atividades

de

armazenamento e recuperação de dados. No entanto, juntamente com as soluções trazidas por essas novas tecnologias, novos problemas também surgiram, como manter as informações sob segurança, e saber fazer uso delas para o bom andamento da empresa, entre outros. A Informação, resultado do processamento de dados, é um bem muito precioso para as empresas ou entidades atuais. A era atual chegou a ser chamada de

“Era

da

Informação”,

caracterizando

a

revolução

proporcionada

pelo

conhecimento. Um Sistema de Informação (SI) é uma série de componentes ou elementos inter-relacionados que através de suas entradas, utilizando-se de um processos de armazenamento/manipulação, são capazes de disseminar dados e informações (STAIR, 1998). Dados são amostras de algum a coisa mensurável, sem valor adicional agregado. Já as informações possuem valor adicional do que simplesmente um valor do fato em si. Os Sistemas de Informações podem ou não serem baseados em computador. Os sistemas de informação baseados em computador possuem normalmente os componentes: hardware, software, banco de dados, telecomunicações, pessoas e procedimentos. O sistema de informações é um elemento muito importante para a tomada de decisão. Para tanto é necessária a análise dos dados, as informações são dados lapidados, transformados em informações que são repassadas para o sistema de informações que é um subsistema da empresa e ainda que precisa de um raciocínio lógico que pode se concluir que o sistema é um conjunto de subsistemas. Diversos setores de forma sincronizada, tornando-se fundamental à gestão dos negócios, no que diz respeito ao controle, organização, operação e processo produtivo. As Informações Gerenciais direciona o planejamento e as decisões de


curto, médio e longo prazo sendo úteis e necessárias para observar o modo como cada um desses aspectos do sistema é avaliado. Segundo Lima (2004, p.6) As tarefas são executadas com base no planejamento elaborado, que define o sucesso ou insucesso de uma operação. É ele que fornece o suporte para a tomada de decisão, corrige imperfeições, indicando quando se deve parar ou acelerar. E, com isso, partir para avaliar o que temos implantado e buscar as soluções para os problemas que forem detectados. As informações são sempre colocadas em um banco de dados da empresa. Um Banco de Dados é uma estrutura que é capaz de representar um conjunto de dados referentes a um mini-mundo qualquer. Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados (SGBDs) “consistem numa coleção de dados inter-relacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados.” (KORTH, 1989). A existência de SGBDs é necessária pois o armazenamento e a recuperação de dados não existem sem os mecanismos que os implementem. A importância das informações, extraídas dos dados de uma empresa, constituem-se em um bem muito valioso. Desta forma, os bancos de dados têm grande importância na maioria das organizações. Conforme Silberschatz (1999), Bancos de Dados são conjuntos de dados de uma determinada organização. Dados são conjuntos de valores mensuráveis que podem ser diretamente observados no ambiente onde são coletados. Os dados pertencentes a uma organização só poderão ser manipulados através de mecanismos apropriados. Manipulação de dados se trata das atividades de armazenamento e recuperação. Para que estas atividades possam ser realizadas, normalmente associa-se aos dados os mecanismos necessários para sua manipulação. Ainda conforme Silberschatz (1999), Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é todo aquele “constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses dados”. Date (2000) define que todo sistema de banco de dados é construído a partir de uma arquitetura. Toda arquitetura, conforme o autor pode ser descrita através de três níveis: a. Nível Interno – ou nível físico – é o nível que trata da organização física dos dados no disco.


b. Nível Externo – ou nível lógico do usuário – é o nível diretamente ligado ao usuário do SGBD. Se preocupa em como os dados são apresentados aos usuários. c. Nível Conceitual – ou lógico comunitário – nível que apresenta o modelo do banco de dados em questão, normalmente abordando uma “simulação” entre os dois níveis anteriormente citados. Silberschatz (1999) afirma que um SGBD deve proporcionar ao usuário uma visão abstrata de dados, ou seja, ocultar os detalhes de implementação. Desta forma, cada nível da arquitetura de Date (2000), possibilita uma visão diferente para os mesmos dados contidos em um SGBD. Fanderuff (2003) define que um SGBD deve apresentar entre outras características, as seguintes: a. Integridade – a vinculação entre os diversos dados armazenados deve ser sempre mantida. b. Restrições ou consistência – os usuários deverão ter acesso a informações confiáveis independentemente organização do banco. O SGBD deverá permitir a centralização de dados que poderiam estar esparsos em diversos locais, eliminando assim a inconsistência (dois dados que referem-se à mesma coisa ma contendo informações divergentes). c. Segurança ou privacidade – define para cada usuário o seu nível de acesso de visão do BD. d. Restauração – capacidade do SGBD a se recuperar após o acontecimento de uma falha, preservando as características acima. e. Não-redundância – evitar o armazenamento múltiplo de dados em diversos locais. A redundância pode prover inconsistência e ocupação extra de espaço em disco. Freeware é qualquer programa de computador cuja utilização não implica o pagamento de licença. Software Livre é um projeto iniciado por Richard Stallman em 1984, com o propósito de criar um sistema operacional totalmente livre, ao qual as pessoas teriam livre acesso para usar, estudar, modificar e redistribuir, tanto o programa quanto seu código fonte; desde que, nessa redistribuição, se assegure esses mesmos direitos.


Conforme Tanenbaum (2003), uma rede de computadores é “um conjunto de computadores autônomos interconectados por uma única tecnologia”.

Dois

computadores estão inter-conectados quando podem trocar dados entre si, através de um meio qualquer de propagação. Ainda segundo Tanenbaum (2003), as redes de computadores surgiram com o propósito de substituir os grandes centros de computação bastante onerosos e inflexíveis. As redes de computadores foram capazes de substituir os antigos mainframes, aumentando a estabilidade, tolerância a falhas e custo em relação a seu predecessor. Palma (2001) apresenta que toda rede deve ser baseada em uma arquitetura. A arquitetura é um projeto que descreve a estrutura de uma rede de computadores, apresentando as suas camadas funcionais, as interfaces e os protocolos usados para estabelecer a comunicação entre nós e garantir uma comunicação confiável de informações.

2.2 Tecnologia de informação e gestão empresarial

Nas organizações os gestores desempenham papéis e tarefas planejadas e estruturadas para obter resultados operacionais que garantam a sobrevivência das organizações em harmonia com o ambiente externo e com as condições internas. As funções administrativas e operacionais são estruturadas e gerenciadas para manter o equilíbrio entre os ambientes geral externo e de tarefas internas de forma a evitar conflitos entre a organização e a sociedade à qual pertence. Uma ferramenta essencial para o gerenciamento de organizações no século XXI é sem dúvida a tecnologia da informação que proporciona uma eficiência maior, uma precisão maior e a liberação da atividade humana para tarefas mais complicadas e que exijam planejamento e criatividade. Segundo Chiavenato (2000, p. 13), “a tecnologia introduzirá novos processos e instrumentos que causarão impactos sobre a estrutura e comportamento das organizações”. A gestão empresarial em nível tático e estratégico implica no atendimento aos seguintes parâmetros básicos: Tradução da missão empresarial em um elenco de políticas, metas, objetivos, diretrizes a cada unidade de negócios ou centro de responsabilidade organizacional, sempre com foco de convergência com


os interesses da entidade; realização de planejamento e controle junto à “linhas de negócios/produtos/serviço”; administração dos recursos humanos, materiais, tecnológicos e financeiros integrantes de um centro de responsabilidade ou unidade de negócio, no sentido da operacionalização ótima de linhas de negócios/produtos/serviços organizacionais; inserção de cada unidade organizacional no foco adequado para enfrentar os desafios do mercado e das demais entidades do ambiente externo empresarial; e tomada de decisão em face de conflitos internos e externos a cada unidade de trabalho (GIL, 1993, p. 25).

Para o atendimento dos parâmetros básicos da gestão empresarial em nível tático e estratégico, considerando-se o uso intensivo da tecnologia da informação, será necessário para as organizações redefinir missão, visão, valores, estrutura organizacional, cultura, estratégias, objetivos e metas, treinar colaboradores, se preparar para a aprendizagem contínua visando sobreviver e obter vantagem competitiva. O planejamento estratégico é, normalmente, de responsabilidade dos níveis mais altos da empresa e diz respeito tanto à formulação de objetivos quanto à seleção dos cursos de ação a serem seguidos para sua consecução, levando em conta as condições externas e internas à empresa e sua evolução esperada. Também considera as premissas básicas que a empresa, como um todo, deve respeitar para que o processo estratégico tenha coerência e sustentação decisória viabilizando a tomada de decisão por parte dos dirigentes da empresa. Segundo Oliveira (2003 p.47 e 48): Planejamento estratégico é o processo administrativo que proporciona sustentação metodológica para se estabelecer a melhor direção a ser seguida pela empresa, visando ao otimizado grau de interação com o ambiente e atuando de forma inovadora e diferenciada.

Independentemente do estágio de desenvolvimento de uma organização, as empresas passam a empregar, para resolver os seus problemas técnicoeconômicos, o Planejamento Estratégico, que compreende a “análise racional das oportunidades oferecidas pelo meio, dos pontos fortes e fracos das empresas e da escolha de um modo de compatibilizar a estratégica entre dois extremos, para que se possa satisfazer do melhor modo possível os objetivos da empresa”, segundo Ansoff, (1987 p. 15). O Planejamento Estratégico requer, mais do que outros esforços, o desenvolvimento, na equipe de administração, da essência de compartilhar um


sentimento

de

valores,

filosofia

e

prioridades

corporativas,

um

profundo

entendimento da coleção dos negócios da organização, e um conhecimento profissional anterior e competência administrativa, conduzindo aos limites da criatividade a equipe formada. A tecnologia propicia mudanças drásticas e quebras de paradigma basicamente em todas as áreas. Atualmente, para uma empresa que está crescendo, ou pelo menos tem condições para tanto, é evidente que a aplicação das inovações tecnológicas propicia melhor controle interno com informações no tempo ideal e com a confiabilidade necessária para a sua permanência no mercado.

2.3 ERP (Enterprise Resource Planning)

Com a evolução das tecnologias, muitos softwares foram criados com o objetivo de facilitar a vida das pessoa em diversos segmentos da sociedade, alguns deles estão disponível de forma livre de contribuição, ou seja, o servidor pode fazer uso sem ter que pagara para esse uso. Assim é o caso do ERP. Sendo a informação de tanto valor, é natural que terceiros se interessem em obtê-las, ou destruí-las (TANENBAUM, 2003). É baseado nesse problema, que a Segurança em Sistemas de Informação surgiu. O ERP, sigla em inglês de Enterprise Resource Planning ou simplesmente em bom português - planejamento de recursos empresariais – é um sistema que tem por objetivo a integração de todos os departamentos e processos de uma empresa que podem ser utilizados a partir de uma única ferramenta que é informatizada. Dessa forma, todos os funcionários da empresa que utilizem o ERP estarão trabalhando sobre a mesma base de dados, podendo ter acesso a todos os dados da instituição. Embora normalmente se determine perfis para cada usuário, determinando uma visão restrita aos interesses de seu cargo, a visão global é totalmente possível. Os sistemas ERP são sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema, é por essa razão que a segurança do sistema deve ser importante, além o treinamento dos colaboradores para interagirem com essa nova ferramenta informatizada segundo Souza e Saccol (2010, p. 64):


Os sistemas ERP são sistemas de informação integrados adquiridos na forma de pacotes comerciais de software com a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma empresa industrial (suprimentos, manufatura, manutenção, administração financeira, contabilidade, recursos humanos etc.).

A implantação do sistema consiste na necessidade de entendimento do processo no qual os módulos do sistema são colocados em funcionamento. E segundo Souza; Saccol (2010), é essa ferramenta responsável por uma adaptação dos processos de negócio ao sistema, a parametrização e possível customização do sistema, a carga ou conversão dos dados iniciais, a configuração do hardware e software de suporte, o treinamento de usuários e gestores e a disponibilização de suporte e auxílio (SOUZA; SACCOL, 201). A fase da implantação não é considerada fácil pelo fato de haver a necessidade de muitas adaptações e mudanças dentro da organização fatores que acarretam modificações também nas atividades e responsabilidades dos indivíduos e também alterações nos departamentos bem como, nas relações entre estes (SOUZA; SACCOL, 2010). As transformações só poderão ser consideradas positivas se estas proporcionarem uma melhoria considerável na empresa seja no nível global dos processos da entidade, ou seja nas atividades departamentais.

E é de grande

importância que se mantenha a participação da alta gerência e equipes envolvidas devido a complexidade das mudanças e dos conflitos que podem ser causados depois da implantação do sistema. E segundo Souza e Saccol (2010, p. 192): Nesse contexto, a adoção de um ERP pode ocasionar uma série de modificações e adaptações na empresa, influenciando, de certo modo, sua maneira de relacionar-se com clientes, fornecedores, produtos e serviços.

Davenport (2000, apud SOUZA; SACCOL, 2010), afirma que a análise das implicações da utilização do sistema ERP na estratégia organizacional, além de seu impacto sobre a estrutura e a cultura da organização é um dos tópicos menos discutido sobre este sistema.


3 METODOLOGIA

Para a realização desse estudo foi utilizada primeiro a pesquisa bibliográfica que de acordo com Gil (2004) a pesquisa bibliográfica é parte obrigatória por ser ela de natureza teórica, e é por meio dela, que tomamos conhecimento sobre a produção cientifica existente. Quanto à natureza dos dados a pesquisa é do tipo quali-quantitativa. A abordagem quantitativa atua em níveis da realidade, onde os dados se apresentam aos sentidos, tem como campo de praticas e objetivos trazer à luz dos dados, indicadores e tendências observáveis (MINAYO; SANCHES, 1993). A presente pesquisa se caracteriza por ser qualitativa e ao mesmo tempo quantitativa. Do ponto de vista metodológico, não há contradição, mas existe a continuidade, entre investigação quantitativa e qualitativa. Ambas são de natureza diferente. A investigação quantitativa atua em níveis de realidade e tem como objetivo trazer à luz dados, indicadores e tendências observáveis. A investigação qualitativa, ao contrário, trabalha com valores, crenças, representações, hábitos, atitudes e opiniões (MINAYO & SANCHES, 1993). Para a investigação do problema em estudo, foi utilizada a pesquisa descritiva, quando objetiva recolher informações e conhecimentos prévios de um problema para o qual se procura resposta ou acerca de uma hipótese que se quer experimentar. Para Polit, Beck e Hungler (2004), “a finalidade do estudo descritivo é observar, descrever e documentar os aspectos da situação”. Triviños (1987) ressalta que o foco essencial do estudo descritivo é a intenção de se conhecer uma determinada realidade, ele descreve “com exatidão” os fatos e fenômenos desta realidade. Para a coleta de dados se fez uso de uma entrevista semi-estruturada é segundo Gil (1995, p.113) a técnicas em que o investigador se apresente frente ao investigado e lhe formulam perguntas com o objetivo de obtenção de dados que interessam à investigação. Triviños (1995) afirma ainda que a entrevista semi-estruturada é: Aquela que parte de certos questionamentos básicos, apoiados em teorias e hipóteses, que interessam à pesquisa, e que, em seguida, oferecem amplo campo de interrogativas, fruto de novas hipóteses que vão surgindo à medida que se recebem as respostas do informante. Desta forma, o informante, seguindo espontaneamente a linha de seu


pensamento e de suas experiências dentro do foco principal colocado pelo o pesquisador, começa a participar na elaboração do conteúdo da pesquisa.

No sentido de ter um maior campo de pesquisa a entrevista semi-estruturada oferece maior oportunidade de respostas pessoais dos entrevistados, pois atende a espontaneidade dos mesmos. Favorecendo ainda o desempenho de pensamento dos entrevistados em questão. Esta pesquisa realizou-se em setembro de 2011. As informações e dados obtidos foram analisados com base numa combinação dos enfoques qualitativos e quantitativos. Procurou-se conhecer não apenas a freqüência dos fenômenos, mas principalmente como e por que ocorreram. O instrumento para coleta de dados foi a entrevista semi-estruturada com 10 colaboradores da empresa, perfazendo um total de 100% da população da empresa estudada. Trata-se de uma empresa do segmento alimentício, que atua no ramo oferecendo serviços de Buffet em festas e pronta entrega em geral. A sede da empresa tem uma ótima localização na Rua do Expedicionário, nº. 229, Bairro Recreio. A empresa sai em vantagem, pois tem bom acesso dos seus clientes, volume de tráfego e visibilidade da operação, além de infra-estrutura para atender as necessidades e bem estar dos clientes, afetando na capacidade de competir quanto aspectos internos e externos. Possui instalações amplas e bem dividas, separando assim a área de atendimento ao cliente da área de produção. Oferece ao cliente a possibilidade de conhecer os produtos por meio de fotos, freezer de amostras e também degustações. Está aberta a qualquer tipo de evento e orienta o cliente com o objetivo de realizar um evento pessoal, ou seja, a festa deve ter a cara de quem busca os seus serviços.

4 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados desta pesquisa estão listados no Quadro 1, que demonstra o quanto foi positiva a implantação do sistema na empresa Nova Gourmet. A empresa que antes estava desorganizada com relação ao recebimento e organização de dados referentes a clientes, fornecedores e funcionários, com a implementação do


software EPR conquistou uma significativa mudança que pode ser percebida nas atuais resposta da gerente entrevistada.

Tabela 1: Resposta dos questionários

Perguntas

Principais respostas

Hoje em dia os funcionários são bastantes ágeis devido aos treinamentos 1.

Como

é

atualmente

a oferecidos

agilidade no atendimento ao cliente?

pela

empresa

que

possibilitaram uma melhora significativa no atendimento

A condução das atividades da empresa

dentro

de

rotinas

administrativas utilizadas e feita de forma simples

e

prática,

desenvolvimento

auxiliando

no

negócio

e

do

2. De que forma é feita a aumentando a produtividade sem a condução das atividades da empresa necessidade de investimentos e ainda dentro de rotinas administrativas? Estas possibilita

agilidade

no

atendimento

rotinas buscam o desenvolvimento do gerando maior satisfação aos clientes, a negócio,

e

o

aumentando

da maximização de resultados através de

produtividade sem a necessidade de segurança e precisão nas informações investimentos?

de contas a pagar, receber, estoques e faturamento, e também devido a uma maior rapidez e precisão em busca de informações

sobre

clientes,

fornecedores, produtos ou serviços.

3. Como é feito atualmente o controle

de

atividades

Sim, o controle de atividades dos

dos departamentos

financeiro

é

feito

departamentos financeiro, faturamento e relacionado a faturamento é feito por estoques existem a possibilidade de cliente, estado, município, categoria de


acompanhamento através de relatórios cliente e o de controle de estoque por de consulta?

local de estocagem.

Os pedidos de venda geram informações e estatísticas sobre os vendedores, os produtos que estão sendo vendidos, descontos praticados e condições de pagamento, permitindo maior controle dos vendedores. Além da operação de entrada no estoque, o 4.Como são realizadas as rotinas módulo de compras, permite o cálculo de operacionais de vendas, compras e custos e a formulação dos preços de estoques?

venda, utilizando os dados da nota de entrada, como adicional financeiro, frete, despesas

adicionais,

ICMS

e

substituição tributária. O controle do estoque é feito de forma transparente e automática, pelas rotinas de entrada e saída,

como

compras,

vendas

e

devoluções.

5.Existe alguma organização e padronização de rotinas administrativas? Qual sistema adotado pela empresa para redução de possibilidades de desvios de mercadorias, beneficiamento próprio ou má conduta administrativa?

que

permitam

faz um

controle

de

estoque,

mais

considera impossível manter 100% de controle, os administradores são os proprietários então não se espera má conduta por parte destes.

6. Como é feito o registro de informações

Não existe nenhuma, a empresa

futuras

análises históricas por período ou total?

È feito por meio de anotações, a única análise realizada diz respeito a controle de lucros ou prejuízos. São todas de responsabilidade


7. De onde são originadas as dos informações

sobre

administradores

não

uma

clientes, preocupação excessiva neste sentido, no

fornecedores, produtos ou serviços?

entanto estamos ansiosos para ver os resultados da aplicação do software.

Ficou evidenciado nas respostas do quadro acima, que após a implantação do software EPR as informações sobre o recebimento e organização de dados referentes a clientes, fornecedores e funcionários vêm sofrendo grandes mudanças, permitindo uma melhora na produção, maximização dos resultados positivos, investimentos em qualificação dos funcionários, controle de estoque e cadastros de clientes, bem como organização do setor financeiro. Após a implantação do sistema a empresa Nova Gourmet conta com um amplo cadastro de clientes, possibilitando uma maior atenção e agilidade no atendimento aos mesmos e consequentemente, gerando uma maior satisfação. Tem um maior controle do fluxo de caixa e estoque, e através do programa consegue acompanhar toda a rotina da empresa, de forma rápida e eficaz. Além desses benefícios a empresa consegue trabalhar com mais agilidade, uma vez que consegue de forma simples e rápida por meio do ERP controlar todos os seus movimentos, bem como encomendas e eventos futuros, possibilitando uma organização prévia de todo trabalho a ser realizado. Vale ressaltar que a implantação deste software gera resultados em longo prazo, sendo que ao final desta pesquisa ainda podem ser notadas deficiências na administração, que serão corrigidas ao longo da utilização deste sistema.

5 CONCLUSÃO

A implantação do ERP Lite Free foi viável por ser uma solução eficiente e econômica para a Nova Gourmet, que é uma empresa de pequeno porte. O sistema integrado de gestão empresarial que era utilizado por grandes empresas, atualmente tornou-se acessível também para médias e pequenas empresas. Com a aplicação dos sistemas de gestão empresarial ocorreu a integração de todas as áreas da


organização, possibilitando que a gerência tenha informações necessárias e importantes em tempo real refletindo na tomada de decisão. A implantação exigiu uma mudança na cultura organizacional, tendo em vista que os funcionários de uma empresa familiar possuem dificuldades para adequarem-se nos novos processos estabelecidos pelos sistemas integrados. Com esta pesquisa foi possível perceber que a proposta de implementação do EPR na empresa Nova Gourmet, proporcionou uma melhor forma de controlar os dados financeiros, de estoque, além de gerar fonte de dados para análises estratégicas. O diagnóstico empresarial forneceu informações que levaram a uma análise geral da empresa de tal modo que foi possível perceber seus ponto fortes e fracos e suas possíveis melhorias. Como exposto anteriormente, é um processo de mudança que demanda tempo, afinal o ERP tem como objetivo reestruturar uma empresa. No caso em análise, o objetivo é fazer com que uma empresa familiar de pequeno porte possa vir a tornar-se uma empresa bem estruturada com grandes possibilidades de crescimento. Ao final da pesquisa observou-se que a empresa ainda apresenta algumas deficiências e está se adaptando a mudança, principalmente no que se refere ao pessoal de trabalho. Ficou claro nos resultados que os benefícios alcançados já proporcionam à empresa uma mudança drástica de valores e organização. Enfim, a proposta inicial deste trabalho obteve êxito na sua implementação, uma vez que a implantação do sistema ERP lite free na empresa Nova Gourmet vem gerando inúmeros benefícios no desenvolvimento da mesma.

REFERENCIAS

ANGELONI, Maria Terezinha. Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologias. São Paulo: Saraiva, 2003.

DATE, C. J. Introdução a Sistemas de Bancos de Dados. Rio de Janeiro, Campus: 2000. ANSOFF, H. Igor, DECLERK, Roger P., HAYES, Robert L. (Org.) Do planejamento estratégico à administração estratégica. São Paulo: Atlas, 1987.


BATISTA, Emerson de Oliveira. Sistemas de informação: o uso consciente de tecnologia para o gerenciamento. São Paulo: Saraiva, 2004 CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

FANDERUFF, Damaris. Dominando o Oracle 9i: Modelagem e Desenvolvimento. São Paulo: Pearson Education do Brasil: 2003.

GIL, A. C. Como elaborar um projeto de pesquisa. 3. ed. Atlas. São Paulo, 2004.

KORTH, Henry F.; SILBERSCHATZ, Abraham. Sistemas de Bancos de Dados.São Paulo: MacGraw-Hill, 1989.

LIMA, G. C. Sistemas de Informações Contábeis: uma abordagem sobre a Análise Swot.In: ERECIC(Encontro Regional de Contabilidade), Fortaleza, CE,2004.

MINAYO MC & Sanches O 1993. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Caderno de Saúde Pública 9(3):239-262.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e práticas. São Paulo: Atlas, 1999.

PALMA, Luciano. PRATES, Rubens. TCP/IP: Guia de Consulta Rápida. São Paulo: Novatec, 2000.

SILBERCHATZ, Abraham; KORTH, Henry F. e Sudarshan, S. Sistema de Banco de Dados. Makron Books, 1999.

SOUZA, Cesar Alexandre de; SACCOL, Amarolinda Zanela. Sistemas ERP no Brasil: teoria e casos. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2010. STAIR, Ralph M. Princípios de Sistemas de Informação: uma abordagem gerencial. Rio de Janeiro: LTC, 1998.

TANENBAUM, Andrew S. Redes de Computadores. São Paulo: Campus, 2003.


TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1995.

ZAMBALDE, André Luis. ALVES, Rêmulo Maia. Gestão conhecimento e inovação. Lavras: UFKA/FAEPE, 2004.

A0060