Issuu on Google+

IMPORTÂNCIA DA EFICÁCIA DA GESTÃO DE COMPRAS COMO MEDIDA PREVENTIVA DE PREJUÍZOS NUMA EMPRESA DO RAMO DE ARTIGOS PARA FESTAS. Clécia Silene Santana Leal1 RESUMO: Com objetivo principal de investigar sobre o que acarreta um alto índice de desperdício com mercadorias vencidas na empresa, foi realizada pesquisa bibliográfica, com a intenção de melhor fundamentar o objetivo deste artigo, confrontando com as idéias de autores renomados para melhor justificar a idéia proposta. Foi efetuada uma pesquisa qualitativa com cunho exploratório, que buscou investigar e aumentar a experiência em torno das hipóteses levantadas. Utilizou-se estudo de caso, considerado ideal para explicar os problemas indicados e como instrumento de pesquisa foi coleta de dados através de entrevista. O local da realização deste estudo foi a Doce & Festa, empresa do ramo de doces e artigos para festas, localizada no município de Vitória da Conquista – Bahia, trabalha no ramo de comércio varejista de doces e artigos para festas, aluguel de painéis e materiais para decoração de festas e oferece cursos de doces, salgados, tortas, balões e outros ligados à sua área de atuação. A empresa ainda não possui um sistema eficaz de controle de estoque e gestão de compras, mas está aberta a modernização para melhor controle e segurança das suas informações e porque considera que a inovação é um dos fatores que todas as empresas devem adquirir caso tenham interesse em se manter neste mercado tão hostil e competitivo, cheio de oscilações. PALAVRAS-CHAVE: Compras, Estoque, Desperdício, Inovação.

ABSTRACT: With the main objective to investigate what causes a high rate of wastage from expired goods in company literature search was conducted, with the intent to better support the goal of this article, comparing with the ideas of renowned authors to better explain the proposed idea. It was made an exploratory qualitative study that sought to investigate and improve the experience around the hypotheses. We used a case study, considered ideal for explaining the problems indicated and as a research tool has been collecting data through interviews. The venue of this study was the Sweet & Party, company's line of candy and party goods, located in Vitória da Conquista, Bahia, works in the business of retailing candy and party goods, materials and rental of panels holiday decoration, and offers of candy, snacks, cakes, balloons and other related to your area of expertise. The company does not have an effective system of inventory control and purchasing management, but is open to modernization to better control and security of your information and why that innovation is one of the factors that all companies must acquire if they are interested in keep this market as competitive and hostile, full of oscillations. KEYWORDS: Purchasing, Inventory, Waste, Innovation. 1

Bacharelanda do Curso de Administração pela Fainor no ano de 2011; Email: clecialeal@hotmail.com. Professor Orientador: Clodomar Fernandes Costa Professora de TCC: Luciana de Araújo Reis Trabalho desenvolvido na graduação em Administração


2

INTRODUÇÃO

No decorrer deste trabalho será mostrado como uma gestão de compras e estoque, realizada de forma eficaz, pode servir como medida preventiva de prejuízos numa empresa. Pesquisou-se sobre a gestão de compras da empresa e os reflexos do controle de estoque sobre essa área para verificar de que forma e que parcela de contribuição tem cada uma delas na alta taxa de mercadorias vencidas. As mudanças estão acontecendo muito rapidamente nos ambientes de negócios, muitas advindas da globalização, e vêm exigindo das empresas o aprimoramento dos seus processos de planejamento, tendo em vista que a tomada de decisões de melhor qualidade lhes assegurem o atendimento dos seus objetivos de expansão, perpetuação e lucratividade. Diante dessa realidade, o mercado traz novas imposições muito rapidamente, sendo necessário que as empresas tenham que reavaliar o nível de qualidade de seus produtos e ou serviços constantemente. A empresa que deseja tornar-se competitiva, ou apenas não ser “engolida” pelo mercado, deverá estar atenta ao que ocorre no ambiente em que se encontra inserida, a fim de manter-se em sintonia com o mercado e conseqüentemente com seu cliente. Por conseguinte, juntamente a esse crescimento da empresa, faz-se necessário a profissionalização de seus administradores e colaboradores, visto que no atual ambiente de mudanças rápidas, as tradições e as experiências existentes não serão mais suficientes para enfrentar as oportunidades e as ameaças. Para enfrentar essas descontinuidades, torna-se necessário a escolha de direções certas para o crescimento futuro, dentre muitas alternativas, e saber como mobilizar as


3

energias de um grande número de pessoas na nova direção escolhida. A resposta a estas questões representa a essência da formulação estratégica, sendo que neste momento a estratégia passa a ser uma ferramenta gerencial. Dessa maneira, a administração estratégica tem como uma de suas variáveis básicas, a missão de orientar as empresas no sentido de que desvios de rumos e ou objetivos que são gerados e agravados pelos riscos e oportunidades que os mercados oferecem, sejam eliminados ou minimizados os seus impactos na organização. Entretanto, a ausência do planejamento até os dia atuais acarretou no surgimento de problemas, tais como o aumento exagerado de despesas, e de falhas internas. A escolha do tema proposto se baseou em observação ao longo de certo período da rotina dessa área da empresa. Foi constatado que praticamente todos os dias são retiradas mercadorias vencidas das prateleiras ou do depósito, num índice muito alto, que acaba gerando muito prejuízo para a empresa. Observado que determinado produto está com prazo de validade vencido, o mesmo é retirado das prateleiras, mas infelizmente nem sempre isso é feito com a eficácia e rapidez necessária e um cliente ou outro, também por displicência, pode acabar levando para casa um produto que pode lhe trazer problemas. Por isso é muito importante que trabalhem juntos a gestão de compras e o controle de estoque para que a sociedade, ora representados pelos clientes da empresa, não sofram com os reflexos desse tipo de problema. Nesse caso esses reflexos estão principalmente ligados à saúde, já que se trata em sua maioria de doces, que são muito ingeridos por crianças. O propósito desse trabalho vem ser o de elaborar um diagnóstico situacional na empresa Doce e Festa, visando despertar o interesse com relação a aplicação de melhorias num âmbito geral da empresa.


4

REVISÃO DA LITERATURA

O gerenciamento das informações é um instrumento eficiente e eficaz dentro da empresa, pois é ele quem orienta, mostrando a realidade da organização no processo decisório. Sem o controle correto e assim, sem as informações gerenciais necessárias, torna-se impraticável decidir de forma acertada e, no tempo certo. A administração de estoques tem o objetivo de permitir que a empresa consiga produzir e comercializar seus produtos de forma eficiente e com a menor utilização do capital de giro. O planejamento de estoques é uma atividade de importância fundamental e deverá ser integrado com as vendas de modo a otimizar os volumes das compras. É no controle de estoque que se encontram as informações de que necessita o departamento de compras para suas decisões. A função é muito mais ampla e, se realizada com eficiência, envolve todos os departamentos da empresa. Obter o material certo, nas quantidades certas, com a entrega correta (tempo e lugar), da fonte correta e no preço certo são todas as funções de compras. Segundo Arnold(1999, p.207) O departamento de compras tem a responsabilidade principal de localizar fontes adequadas de suprimentos e de negociar preços. O insumo vindo de outros departamentos é necessário para a busca e a avaliação das fontes de suprimento, auxiliando também o departamento de compras na negociação dos preços. Comprar, nesse sentido amplo, é responsabilidade de todos.

Neste sentido, todos os departamentos são envolvidos no processo de compras de maneira direta ou indireta, pois são de onde vêm as informações necessárias para que o processo de compras se inicie. Em primeiro lugar anotar todos os produtos que estão em estoque, incluindo os que estão expostos nas prateleiras e todas as saídas, trabalho esse que pode ser feito por meio de softwares


5

específicos ou a partir de um controle próprio. Com isso se cria-se um histórico que dirá quais e quantos produtos saem e em quanto tempo, o que deve auxiliar na hora de fazer a reposição dos itens. Dentre outros benefícios, através desse histórico também será possível criar um gráfico que demonstre os produtos de maior importância da empresa. Os responsáveis pelo controle de estoque terão maior facilidade para informarem se determinada mercadoria ainda existe ou não em estoque, sua quantidade, e se foi comercialmente viável a aquisição da mesma. Em caso negativo não há porque ser adquirida novamente, pois certamente irá vencer seu prazo de validade na empresa, acarretando prejuízos e demonstrando assim que em alguma parte está faltando controle. Todos esses possíveis problemas são de certa forma previsíveis ao departamento de compras e é necessário que se tenha foco nos objetivos, que devem ser alcançados para que se desenvolva de forma eficiente. Segundo Arnold(1999, p.209)

Os objetivos da função de compras podem ser divididos em quatro categorias: obter mercadorias e serviços na quantidade e com qualidade necessárias; obter mercadorias e serviços ao menor custo; garantir o melhor serviço possível e pronta entrega por parte do fornecedor e desenvolver e manter boas relações com fornecedores e desenvolver fornecedores potenciais.

O bom relacionamento com os fornecedores é de grande importância para o andamento das compras, pois podem facilitar na hora de uma negociação quanto a prazos e preços, prorrogações do caso de atrasos na entrega das mercadorias e também desse bom relacionamento pode se estabelecer um acordo com determinadas empresas, cujos produtos têm um prazo de validade mais curto, de ter uma possibilidade de troca por mercadorias com novas datas de vencimento.


6

A compra é uma atividade fundamental em toda e qualquer empresa, onde os requisitos básicos são precisar saber o que, quanto e quando comprar, buscando as melhores negociações para a empresa. A atividade da gestão de compras é fundamental, para que se obtenha uma menor necessidade de capital de giro e uma margem de lucro maior. Deve-se levar em consideração o tempo de giro das mercadorias, e o estoque ideal para que não ocorra falta de matérias-primas ou mercadorias de venda, o que obrigaria a compras emergenciais, quase sempre desvantajosas para o comprador. Com base nessa busca incessante de lucro, há uma necessidade cada vez maior de interagir os setores de compras com a administração de materiais, pois estoque em excesso significa capital de giro imobilizado e, portanto, custo maior para o empresário. A falta de estoques de mercadorias quebra a confiança dos clientes, especialmente os fiéis. Os estoques representam um dos ativos mais importantes do capital circulante e da posição financeira da maioria das companhias industriais e comerciais. A sua correta determinação no início e no fim do período contábil é essencial para uma apuração adequada do lucro líquido do exercício. A compra para ser efetivada precisa necessariamente dos relatórios de estoque para que não se adquira mercadorias sem circulação. A escolha do tema proposto se baseou em observação, ao longo de certo período, da rotina dessa área da empresa. Foi constatado que praticamente todos os dias são retiradas mercadorias vencidas das prateleiras ou do depósito da empresa, num índice muito alto, que acaba gerando muito prejuízo. Algumas mercadorias são trocadas por outras com nova validade, mas em sua maioria os fornecedores não se responsabilizam por tal fato e a empresa acaba arcando com tudo.


7

METODOLOGIA

Para o respectivo trabalho foi feita pesquisa bibliográfica, com a intenção de melhor fundamentar o objetivo deste artigo, confrontando com as idéias de autores renomados para melhor justificar a idéia proposta. Para tanto foi efetuada uma pesquisa qualitativa com cunho exploratório, pois buscou investigar e aumentar a experiência em torno das hipóteses levantadas. A metodologia de pesquisa, para Minayo (2003, p. 16-18) é o caminho do pensamento a ser seguido. Ocupa um lugar central na teoria e trata-se basicamente do conjunto de técnicas a ser adotada para construir uma realidade. A pesquisa é assim, a atividade básica da ciência na sua construção da realidade. A pesquisa qualitativa, no entanto, trata-se de uma atividade da ciência, que visa a construção da realidade, mas que se preocupa com as ciências sociais em um nível de realidade que não pode ser quantificado, trabalhando com o universo de crenças, valores, significados e outros construtos profundos das relações que não podem ser reduzidos à operacionalização de variáveis. Para este apanhado de informações, o método utilizado foi estudo de caso, considerado ideal para explicar os problemas indicados. O instrumento de pesquisa para este projeto foi a coleta de dados através de entrevista. O estudo de caso representa uma estratégia de investigação que examina um fenômeno em seu estado natural, empregando múltiplos métodos de recolha e tratamento de dados sobre uma ou algumas entidades. Gil (2002) descreve um estudo de caso como sendo um estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos, de maneira que permita seu amplo e detalhado conhecimento. O local da realização deste estudo foi a Doce & Festa, empresa do ramo de doces e artigos para festas, localizada no município de Vitória da Conquista -Bahia.


8

A empresa trabalha no ramo de comércio varejista de doces e artigos para festas, aluguel de painéis e materiais para decoração de festas e oferece cursos de doces, salgados, tortas, balões e outros ligados à sua área de atuação. A população do estudo foi representada por todos os funcionários da empresa e a amostra deste estudo foi representada por uma pessoa, que é responsável por todos os setores da empresa. Segundo Marconi e Lakatos (1990), "quando se deseja colher informações sobre um ou mais aspectos de um grupo grande ou numeroso, verifica-se, muitas vezes, ser praticamente impossível fazer um levantamento do todo.” Foi realizada uma entrevista, que constou de 13 perguntas, objetivando conhecer sobre a realidade da empresa no que diz respeito a controle de estoque e compras. Esta foi direcionada à sócia proprietária, que é a pessoa diretamente responsável pelo departamento de compras e que coordena todos os demais setores. A entrevista se deu quando do período de estágio supervisionado, que aconteceu na empresa em questão no mês de agosto/2010 e serviu para obter informações que deram embasamento para as informações aqui fornecidas. A entrevista foi feita pela própria autora da pesquisa no momento de disponibilização da informante. Os dados obtidos neste estudo foram analisados de forma descritiva, sendo apresentados trechos da fala da informante. Sobre o controle de estoque na empresa foi respondido que existe área específica e duas pessoas são responsáveis pelo setor. R Unitário (R$)


9

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Perguntada sobre o sistema ABC, que separa as matérias-primas em grupos de diferentes níveis de investimentos em estoque: alto, médio e baixo, bem como se utiliza o modelo de lote econômico de compra, que é a quantidade ótima a ser pedida de itens estocados para minimizar o total dos custos com estoques, foi respondida que não utiliza, desconhece o sistema, mas que é uma boa opção a ser analisada. Segundo Fernandes (2008), Os principais benefícios do ABC residem na sua linguagem, que se aproxima das áreas operacionais, da possibilidade de rastreamento dos custos através dos departamentos e suas atividades, criação de uma sistemática de análise de resultado por evento, o que independe do aspecto temporal das atividades complementares a este evento, a criação de objetos de custo novos como clientes e mercados (diferentemente do sistema tradicional que visa somente à apuração de custos do produto), o entendimento de que tudo que se gasta é custo, e, portanto deve agregar valor ao cliente. A empresa utiliza o código de barras na gestão de estoques, onde é dada a saída da mercadoria quando da passagem da mesma pelo caixa. A reposição do estoque é segundo as e vendas e constatação da necessidade, não se utilizando de relatórios para tanto. São os próprios vendedores, que conhecendo sobre os produtos de maior circulação e sobre os períodos de sazonalidade são quem fornecem as informações necessárias para tal. O recebimento das mercadorias se dá confrontando as informações do pedido com as da nota fiscal e o controle de estoque é feito através de software. Entre suas vantagens, Viana (2002, p. 48) cita:


10

Rapidez (estatísticas mundiais garantem que há ganho de tempo de até 30% no processamento); aplicação no armazenamento, em compras e vendas; financeiras; dispensa de etiquetação e reetiquetação de cada produto com o preço e exeqüibilidade de operações de descontos sobre determinados itens ou promoções.

Pode-se dizer, sem dúvida, que a aplicação do código de barras ao controle de estoque dentro de uma empresa modifica para melhor o funcionamento da entrada, circulação e saída de materiais do interior desta empresa e, que nas atuais circunstâncias, tal utilização tornou-se imprescindível à existência do controle de estoque de qualquer estabelecimento. A empresa ainda não possui um sistema eficaz de controle de estoque e gestão de compras, mas, contudo, está aberta à modernização para melhor controle e segurança das suas informações. Conforme os dados coletados, não hà um software na empresa dê resultados eficazes e uma implantação de softwares de gestão de estoque eficiente provocaria a imediata melhora no controle do estoque, ampliando a agilidade no atendimento aos clientes. Com relação à gestão de compras, com o emprego destes programas, os estabelecimentos teriam suas compras e vendas mais controladas, pois os gerentes teriam números mais precisos para operar no sentido de previsão de estoque, gerando o ponto de equilíbrio entre a aquisição e venda dos seus produtos. Além disto, a implantação de tais softwares oferece a possibilidade de se cadastrar por lote a validade dos produtos, o que possibilitaria à empresa fazer um planejamento de promoções no sentido de vender mais rapidamente os que estivessem próximo de seu vencimento, evitando maiores prejuízos com produtos que vencem nas prateleiras.


11

Sobre os planejamentos e orçamentos de compras, percebe-se que em 100% dos casos não ocorre planejamento prévio de compras e que estas são determinadas pela necessidade do estoque mínimo no estabelecimento. O setor de compras, antes visto como uma área de funções rotineiras é hoje compreendido como parte diretamente integrante dos processos logísticos das organizações, pois seu sentido passou a envolver a definição das necessidades das empresas, minuciosa seleção de fornecedores e negociações que garantam preços atrativos somados a qualidade. As organizações, cada vez mais focadas em estratégias de competitividade, passaram a valorizar mais a função de compras, considerando-a como uma aliada que interfere diretamente em suas áreas comerciais e financeiras. Muitos fatores contribuíram para essa mudança de visão, tais como a tecnologia da informação, que possibilita redução de tempo e despesas, além de uma busca por relacionamentos mais éticos e duráveis com os fornecedores no objetivo de garantir menor custo e maior qualidade dos produtos. Dessa forma, o setor de compras não implica mais em apenas comprar ou adquirir, mas passou a ser parte estratégica das empresas que pretendem continuar participando do mercado de hoje e do futuro. Com relação à administração de estoques, se pudéssemos eleger a principal característica de uma gestão eficaz, certamente esta seria a redução de excessos de mercadoria sem comprometer sua disponibilidade e para isto, é primordial um planejamento para a área que leve em consideração os preceitos da administração de materiais. Segundo Lins, 2005 a gestão dos estoques visa, portanto, manter os recursos ociosos expressos pelo inventário, em constante equilíbrio em relação ao nível econômico ótimo dos investimentos.


12

É importante observar que o planejamento de estoques tem ganhado cada vez mais o status de estratégico em uma empresa, pois se feito de maneira eficiente traz dados para tomadas de decisões. Segundo Martins (2000), O estudo do papel dos estoques nas empresas é tão antigo quanto o estudo da própria administração e sempre foram alvo da atenção dos gerentes. A gestão de estoques é muito importante por que todas as empresas, de uma forma ou de outra, procuram obter vantagem competitiva em relação a seus concorrentes. Assim sendo, os estoques se bem administrados podem facilitar a obtenção desta vantagem, seja por meio de melhor atendimento aos clientes ou por meio da redução de custos logísticos. As empresas que aperfeiçoam a gestão de seus estoques conseguem diminuir em boa quantidade o tempo de seus ciclos financeiros e o resultado é a disponibilidade de capital, que chega de dois a três meses mais cedo em relação às outras empresas. Em tempos de alta competitividade e redução das margens de lucros, a gestão de estoque e de compras pode ser o grande diferencial de pequenas, médias e grandes empresas, pois quanto mais rápido as empresas obtêm dinheiro de suas vendas e quanto menor for seu estoque imobilizado, mais rapidamente poderão reinvestir seu capital em operações ou melhorias para seu empreendimento. Para a otimização dos volumes de compras, o planejamento de estoque surge como elemento essencial devido à ligação que efetua com produtos e vendas. Para o desenvolvimento desta atividade devem ser levados em conta alguns critérios, como atualizar constantemente o custo de cada produto, determinar os períodos de compra e dos tamanhos dos lotes de cada produto para cada fornecedor, estabelecer o estoque de segurança, mínimo e máximo para cada produto, planejar


13

constantemente as quantidades de estoque, baseadas em previsões de vendas, controlar a disponibilidade do estoque para eventuais faltas repentinas, controlar o estoque físico permanentemente, realizar inventários periódicos com a finalidade de se compararem com os dados de controle de estoque, assim como atualizar os sistemas de informação para obter acessos e consultas rápidas de quantidades disponíveis de cada produto. Algumas vezes o setor de compras de uma empresa solicita os produtos com um certo tempo de antecedência devido a eventuais atrasos dos fornecedores sem levar em consideração as estatísticas de atrasos dos mesmos. Este processo incorre num aumento desnecessário de estoque, aumentando consequentemente o tempo do capital empatado em mercadoria parada na empresa. Assim, com o intuito de se reunir o máximo de informação possível para a definição de estoque, é necessário analisar todo o processo logístico desde a requisição de um pedido até o atendimento ao cliente, pois após a análise, torna-se possível a definição de indicadores referentes às incertezas de todo o processo assim como a sua quantificação. A gestão de compras está em evolução, a necessidade de ampliação foi devida à competitividade do mercado perante volumes e valores negociados. Este impacto originou um maior destaque das áreas de compras das empresas que, por sua vez, passaram a participar cada vez mais na gestão dos serviços para os clientes. Partindo deste pressuposto, ao invés de se verificarem aumentos dos lucros causados por aumentos dos preços dos produtos, a causa principal foi a redução dos custos de aquisições. Assim, os departamentos de compras têm, nos tempos correntes, uma capacidade estratégica e de realização de objetivos globais nas empresas. As prioridades competitivas destes departamentos resumem-se às


14

reduções de custos, às entregas dentro dos prazos, à qualidade de aquisições e ao desenvolvimento de planos de compras de acordo com a situação em que a empresa se encontra. A função compras, segundo Martins, 2000 inicia-se com a identificação e a seleção de fornecedores habilitados a atender as necessidades referentes a prazo, quantidade e qualidade. Para Martins e Alt, 2001: Toda empresa na consecução de seus objetivos necessita de grande interação entre todos os seus departamentos ou processos, no caso de assim estar organizada. [...] A área de compras interage intensamente com todas as outras, recebendo e processando informações, como também alimentando outros departamentos de informações úteis às suas tomadas de decisão.

Para que funcionem e tenham resultados positivos dentro tanto da empresa abordada neste trabalho como em qualquer outra, é necessário que haja sinergia entre os setores de compra e estoque e que sejam evitadas as diversidades de informações. Assim, consequentemente os prejuízos poderão ser evitados ou amenizados dentro da organização.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A gerência da logística pode proporcionar uma fonte de vantagem competitiva, uma posição de superioridade duradoura sobre os concorrentes em termos de preferência do cliente pode ser alcançada através da logística. A fonte da vantagem competitiva é encontrada na capacidade de a organização diferenciar-se de seus concorrentes aos olhos do cliente e pela sua capacidade de operar a baixo custo e, portanto, com lucro maior. O controle de estoque é parte essencial do composto logístico, pois podem absorver uma boa porcentagem dos custos totais,


15

representando uma porção substancial do capital da empresa. Logo, é importante a correta compreensão do seu papel na logística e de como devem ser gerenciados. Com a aceleração do desenvolvimento econômico, que não pára de crescer, as empresas vem buscando recursos que se aderem as suas expectativas e seu desenvolvimento, pois a inovação é um dos fatores que todas as empresas devem adquirir caso tenham interesse em se manter neste mercado tão hostil e competitivo, cheio de oscilações. A empresa tem hoje na cidade concorrentes de peso devido à chegada de novas empresas e as já existentes no mesmo segmento, mas apesar das oscilações de mercado tem seu lugar garantido depois de quase 14 anos de existência, o que não deve interferir na questão de investimentos em melhoria nos setores que se mostram deficientes. Com a realização deste trabalho, das pesquisas e estudos realizados em cada setor da empresa analisada, foi observado que os funcionários responsáveis pela reposição de mercadorias são pessoas que não tiveram um treinamento específico por parte da empresa para desenvolverem suas tarefas de maneira correta, no caso da reposição de mercadorias, a utilização do sistema PEPS (primeiro que entra primeiro que sai), enfim, não têm um direcionamento correto e efetivo, apenas reabastecem as prateleiras que ora se encontrem vazias, sem o controle sobre as datas de validade. Logo, não retiram as mercadorias que estão próximas de vencer para realização de promoções, mas quando estas já passaram da sua validade e o prejuízo já é certo. As compras são realizadas pela proprietária da empresa, que adquiriu uma certa experiência até pelo tempo que a empresa tem de mercado, mas que não é suficiente para fazê-lo de forma correta. A função compras requer muita análise,


16

comparações, por exemplo, não tem como fazer uma compra de forma correta sem uma prévia verificação de relatórios de estoque, analisar se o produto tem uma boa saída, verificar período de sazonalidade de alguns produtos, etc. São pontos importantes para que não se adquira produtos que já tenham na loja, e o capital de giro fique empatado, ou mercadorias que não têm uma boa procura pelos clientes e ficam de toda forma parados na empresa. Logo, a sugestão é para que a empresa invista na capacitação dos seus funcionários e que os próprios administradores procurem se preparar para tomarem decisões corretas com relação à gestão de compras e estoque, além da aquisição de um sistema de informação mais adequado à realidade da empresa.


17

REFERÊNCIAS

MARRES. Jean Pierre. Administração de recursos humanos. 6 ed. São Paulo : FUTURA, 1999. CHIAVENATO. Ildebrando. Introdução a Teoria geral da administração. 6 Ed .Rio de Janeiro:CAMPUS,2000. HAMPTON. David R. Administração contemporânea. 3 ed .São Paulo: MAKON,1992. OLIVEIRA, Djalma Pinho Rebouças de. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e práticas. São Paulo: Atlas, 2001. ARNOLD, J. R. Tony, 1999. Administração de Materiais: Uma Introdução. Atlas. MARTINS, Petrônio Garcia, 2003. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais. Saraiva. MARTINS, Petrônio Garcia e ALT, Paulo Renato Campos. Administração de materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva, 2000. ______. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais. Editora Saraiva, 2001. MINAYO, M.C. de S. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 22 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2003. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Ed. Atlas, 2002. 175p. VIANA, J. José. Administração de Materiais. Um Enfoque Prático. São Paulo: Atlas, 2002. CERVO, Amado L; BERVIAN, Pedro A. Metodologia Cientifica. São Paulo: 5 ed., Prentice Hall , 2002. MARCONI, M. e LAKATOS, E. - Técnicas de pesquisa. São Paulo: Editora Atlas S.A., 1990. DRUCKER, Peter F. Introdução à administração. São Paulo: Thonsom, 2002. A Metodologia Abc Na Estratégia De Custos publicado 11/02/2008 por Cássia Gouvêa Fernandes em http://www.webartigos.com


18

ANEXOS

Questionário de pesquisa. 1. Existe uma área específica dentro da empresa para controle de estoques? SIM() NÃO ( ) 2. Quantas pessoas cuidam deste setor? 3. Utiliza o sistema ABC para controle de estoques (separa as matérias-primas em grupos de diferentes níveis de investimentos em estoque: alto, médio e baixo)? SIM ( ) NÃO ( ) 4. Utiliza o modelo de lote econômico de compra (quantidade ótima a ser pedida de itens estocados para minimizar o total dos custos com estoques)? SIM ( ) NÃO ( ) Se SIM, quais as principais vantagens que você considera neste método? Se NÃO, por quê? 5. A empresa utiliza outros métodos de gestão de estoques (ex. código de barras)? Quais? 6. Existem relatórios que são utilizados no dia a dia para repor os estoques? 7. Quais os sistemas informatizados existentes na empresa? 8. Quais as informações essenciais efetivamente utilizadas no processo de abastecimento? 9. Qual o sistema de abastecimento utilizado para repor o estoque das mercadorias vendidas? ( )Saída média x dias de cobertura de estoque ( ) Estoque mínimo e máximo ( )Reposição pela venda 10. Como se dá o processo de recebimento de mercadoria? ( )Existe o confronto do pedido de compra com os dados contidos nas notas fiscais. ( )Existe o registro individualizado dos itens contidos nas notas fiscais ou apenas dos dados fiscais e financeiros. 11. Qual o método de inventário do estoque de mercadorias adotado na empresa? ( )Contagem física com controle individualizado por item ( )Contagem física apenas para controle do ativo financeiro 12. O controle de estoques é realizado através de software ou planilhas eletrônicas? 13. A empresa avalia o desempenho na gestão de estoques? Como?


19

ORGANOGRAMA DA EMPRESA

Fonte: Pr贸pria autora da pesquisa .


A0024