Page 1

0. pensamentos  soltos  indizíveis  desinteressantes  particulares  infinitos   definidos  pontuais  voam  voam  voam  se  amontoam  na  cabeceira  da  cama   esparramam  pelo  piso  de  madeira  se  fazem  verbo  voltam  para  dentro  se   limitam  sufocam  encolhem  emudecem  os  sentidos  dilaceram  peitos   dilaceram  dilaceram       a  vida  é  mais  que  isso.   dizem,  ao  menos.     mas  ao  menos  o  show  perdura.  ande  ao  sol.  


1. a  pelo  menos  dois  meses  eu  acordava  de  manhã  (e  também  no  meio  da   noite)  e  via  uma  pessoa  ao  meu  lado.  você  mudou  para  meu  apartamento   carregando  uma  mala  vermelha  em  péssimo  estado.  insistia  em  deixar  sua   escova  de  dentes  no  mesmo  copo  que  o  meu.  mas  eu  não  gostava  de  usar   copos.  minha  escova  de  dentes  ficava  sempre  deitada  em  cima  da  pia.   naquele  espacinho  não  cabiam  duas.   eu  tento  me  acostumar  com  metade  da  cama  e  as  luzes  acesas  as  sete  da   manhã.     com  conversas  inoportunas,  eu  na  minha  introspecção.     criado  mudo  sem  espaço  para  tantos  cacarecos.   duas  cadeiras.  dois  braços  de  sofá.  a  vida  era  dulpla  agora.  


roo as  unhas  desesperadamente  no  ponto  de  ônibus,  esperando  uma  linha   que  talvez  não  exista  mais.   a  chuva  é  abundante.           (sei  um  pouco  mais  sobre  mim  agora.   agora  que  somos  sonho.)        


2 e  o  primeiro  desespero.   assim  que  saí  da  sala  e  desci  as  escadas  sei  que  você  começou  a  chorar.  seu   choro  era  abissal.  era  envolvente,  era  quase  uma  sedução.  trazia  dentro  de   si  aquela  impulsividade  e  uma  ânsia  temerosa.   tentei  sorrir  na  imagem  que  me  tornei  ali  na  calçada,  mas  era  impossível   pensar  em  como  fazer  você  parar  de  se  lamentar.   eu  tenho  certeza  que  você  se  divertiu  muito,  mas  esqueceu  de  levar  seus   sapatos.  hoje  não  vou  cuidar  de  seus  cortes,  tenho  um  tratado  de  diversão   para  cumprir.        


3. sentados  juntos  na  velha  cadeira  de  praia  dos  meus  pais.  ventinho  fresco,   uma  brisa,  não  deixa  o  calor  abater  nossos  humores.  tenho  que  te  dizer.   mas  parece  que  já  é  tão  tarde.   céu  azul  e  infinito.   perder-­‐se  novamente.     pois  acreditar  na  lonjura  como  forma  de  salvação  é  ébrio.   acreditar  na  incerteza  é  insano.   no  lado  vazio,  muro.    


sua boca  trêmula  me  consome  todos  os  dias.  eu  mordo,  eu  afago.  gosto  de   passar  meus  dedos  bem  devagar  e  as  vezes  sentir  uma  pele  se  soltando.  na   última  vez  saiu  sangue.    


4 e  sua  primeira  inexistência.   era  hora  de  comprar  pão.  a  vida  seria  mais  tranquila  se  você  estivesse  por   aqui,  mas  tenho  de  descer  sem  ninguém  ao  meu  lado.  vestir  as  calças  e   passar  a  mão  no  cabelo  para  não  parecer  que  a  noite  foi  um  inferno  (assim   como  todo  o  dia  anterior).  você  estava  na  porta  do  meu  predio.  céu  cinza.   sim,  eu  tentei  me  desvencilhar.   sim,  não  queria  te  ver.   você  foi  como  uma  coisa  boa  que  apareceu  depois  da  minha  tempestade.   estou  bem  agora.  quero  viver  meus  momentos  só.   você  chorou  lágrimas  sinceras  e  quis  apenas  devolver  um  relógio  que   estava  nas  suas  coisas  -­‐  pegou  sem  querer.   e  eu  fiquei  pensando  quando  seria  a  vez  que  nunca  mais  iria  te  ver.  


(eu sou  uma  contradição)  


5. novamente  me  vi  naquela  cadeira  de  praia  antiga  ao  seu  lado,  mas  dessa   vez  um  puta  sol  tosta  minhas  pernas.    não  entendia  como  voce  relutava  a   praia  com  essa  dor  que  acordava  aos  berros.  mas  te  levei  e  te  conquistei.   naquela  areia.  e  agora  eu  não  tinha  a  idéia  de  como  começar  a  conversa,   você  estava  em  silêncio.  certas  coisas  precisam  fluir  e  essa  fluidez  nos   escorreu  pelas  mãos.   eu  sinto  falta  de  você  e  de  nossa  cumplicidade.   certas  coisas  não  deviam  ter  um  final  e  por  muitas  vezes  eu  imaginei  que   resistiríamos  ao  tempo.     mas  agora  eu  achava  tudo  chato  e  enfadonho.  não  sabia  mais  como  buscar   seu  colo  e  não  aceitava  mais  sua  mão  nos  meus  cabelos.  meu  sorriso  era  


mudo. as  borboletas  em  meu  estômago  a  muito  voaram  e  rede  nenhuma   foi  capaz  de  segurar.     tratei  de  abrir  a  boca  e  começar  a  falar.     disse  que  nossas  vidas  tomaram  rumos  diferentes.       logo  eu  que  não  sei  nunca  pra  onde  ir.     você  me  beijou.   você  se  levantou  e  você  foi  embora.   nesse  momento  toda  minha  eloquência  se  esvaiu.    


(não sei  quanto  tempo  demorou,  mas  quando  voltei  suas  coisas  não   estavam  mais  lá.    seu  perfume  ainda  inundava  o  corredor.  resolvi  chorar.)    


6 e  a  carta  nunca  enviada  por  conta  de  um  pranto  incurável.   foi  muito  para  você  o  beijo  no  vestido  longo.   voce  disse  que  viria!  -­‐  eu  gritava.  gritava  só,  pois  há  muito  você  não  me   escutava.   uma  distância  que  para  mim  era  banal  para  você  era  um  fardo.   minha  posição  deveria  ser  um  fardo.   minha  postura.  um  fardo.     assusta  a  quantidade  de  psicotrópicos  para  enganar  uma  mente  em   ebulição.   te  queimei  com  meu  caldeirão  fervente,  lava  incandescente.    


só que  não  sei  ser  diferente.  e  não  quero  aprender.   eu  quero  viver  essa  vida,  eu  quis.  eu  achei.  a  derrocada.  a  invenção.  é  isso.     e  então  todas  as  musicas  que  quis  compartilhar  com  você  estou  ouvindo  só.   e  então  a  voz  que  quis  soltar  pra  você,  me  abraça  no  chuveiro.   minha  mão  ficou  estendida  por  tanto  tempo  e  você  estava  olhando  só  pra   baixo  do  buraco.  eu  sei  como  é.  mas  é  pretensão  dizer  que  entendo.   a  vida  em  preto  e  branco.   nunca  poderíamos  nos  encontrar  se  nossas  vidas  são  em  preto  em  branco.   se  eu  não  emano  cor.   se  você  não  emana  cor.   Somos  todos  iguais.  


7. contra  o  sol,  nucas  queimadas.  uma  abelha  picou  seu  dedo  naquela  praia.   você  disse  que  sentia  muita  dor,  mas  eu  dei  risada  e  não  acreditei.  você  foi   embora.  o  dedo  latejando,  angústia.  quando  cheguei,  já  chovia.  


8 e  sua  permanente  (in)existência.   minha  cabeça  já  estava  gasta  de  ter  você  em  meus  sonhos  todos  os  dias,   seja  puxando  meu  cabelo,  seja  cuspindo  na  minha  cara.   já  estava  de  saco  cheio  de  ler  e  reler  todas  aquelas  afirmações  que  vinham   sorrateiras  ao  meu  encontro,  mas  no  final  eram  apenas  enxurradas  de   palavras.     estou  olhando  pra  frente  agora.   não  tenho  mais  medo  de  pensar  que  você  não  merece  cada  suor  (assim   como  estou  na  certeza  que  isso  tudo  é  uma  grande  mentira).     como  a  torneira  pingando  durante  a  noite  que  não  me  deixa  dormir,   assim  como  você  chegou,  voce  vai  embora.  


assim como  você  chegou,  voce  vai  embora.   assim  como  você  chegou,  voce  vai  embora.   assim  como  você  chegou,  voce  vai  embora.     eu  sempre  pensei  que  existia  muito  tempo  entre  nós,  mas  as  palavras  são   torpes.   não  me  dizem  respeito,  não  me  entregam  nem  me  censuram.   nada  disso  me  pertence,  meu  mundo  está  repleto  de  reticências  e  o  seu   cheio  de  certezas.  e  isso  é  arroz  e  feijão  pra  mim.     assim  como  você  chegou,  voce  vai  embora.


9. cê  lembra  daquela  musica?   eu  ouvia  todos  os  dias  e  você  perguntava  sempre  de  quem  era.   perdi  a  noção  do  tempo.   alucinei.   acordei  e  não  sabia  onde  estava.  


10 e  a  repetição.  

estou fugindo  dos  seus  rastros.     e  as  vezes  parece  que  estou  fugindo  de  mim.    

tem  tanto  de  mim  no  seu  rosto.  um  tanto  de  violência  que  você  conhece  tão   bem     estou  fugindo  de  mim,  ignorando  meu  instinto  de  sobrevivência.     eu  não  preciso,  eu  quero.                                                                                                        são  apenas  projeções.    


11 e  a  repetição  onírica  e  absurda.   tanto  tempo  que  não  consigo  deixar  pra  tras.  estou  fugindo  de  mim.  estou   fugindo  de  mim.    e  eu  olho  e  digo  que  quero  viver.  dessa  janela  eu  só  vejo  o   parque.  copas  altas.  a  noite  tem  o  barulho  da  noite.  eu  não  preciso,  eu  quero.   e  não  sei  o  que  fazer  com  esse  querer.  perder-­se  novamente.  e  olhando  o   desespero  sem  saber  pra  onde  ir.    desacreditar.    pois  acreditar  na  lonjura   como  forma  de  salvação  é  ébrio.  acreditar  na  incerteza  é  insano.  no  lado   vazio,  muro.      


12 e  o  sonho.   disse  que  eu  conversava  à  noite  e  enchia  o  quarto  de  lembranças  e  fantasias.   só  que  eu  sempre  estava  dormindo.   (um  cachorro  possuído  me  dizia,  abraçado  ao  me  pescoço,  que  você  era  o   único.  não  iríam  voltar.  nem  um.  nem  outro.  e  eu  devia  lutar  por  tudo  isso.   e  eu  chorava,  não  tinha  trabalho,  não  tinha  casa.  andava  em  um  ônibus  com   poltronas  macias  e  amigos  e  seus  namorados.  eu  só.  voce  com  companhia.   longe  da  minha  visão.  e  eu  chorava,  insetos  andavam  em  minhas  mãos  e   pernas.  um  velho  oriental  me  dava  a  mão  ao  mesmo  tempo  que  me   expulsava  de  sua  casa,  que  entrei  pulando  o  muro.  os  amigos  me   consolavam.  e  eu  chorava,  eu  soluçava.  o  cachorro  me  abraçava  e  dizia  que   você  era  ímpar.  que  queria  minhas  intimidades.  e  eu  chorava,  como  sempre.)  


13.         acabou,  então.   encavalado  na  sujeira  e  com  as  costuras  esgarçadas.    


-­‐ eu  me  lembro,  sim,  quando  éramos  sonho.   quando  éramos  apenas  sonho.  -­‐  9h59   -­‐  lembro  quando  você  não  existia  de  fato.   lembro,  sim.  -­‐  10h04   -­‐  fazia  parte  daquela  leva  de  anônimos.   éramos  sonho.  -­‐  10h09   quantos  livros  eu  já  não  perdi  até  te  encontrar.   eu  estava  chorando  quando  acordei  e  voltei  a  chorar  quando  dormi.  


(as vezes  dura  só  o  tempo  de  uma  bebedeira.   e  quando  isso  acontece,  fica  pra  tras.   as  vezes  perdura.   e  eu  aprendo  que  não  sou  especial.   no  tempo.   no  espaço.   sou  só  mais  um  procurando  um  espaço  ou  um  tempo.   não  tem  evento  algum.  não  tem  nada.   aconteceu  e  acabou.)  


acordou? então  agora  vá  cuidar  do  que  é  seu  e  espere  a  próxima  noite.   quem  sabe  seu  próximo  sonho  não  seja  diferente.      


14 e  os  aforismos  incoesos.   toda  a  vez  que  me  despeço  de  você,  digo  "te  amo"  bem  baixinho  só  pra  eu  ouvir.     eventualmente,  de  joelhos,  eu  acreditava  que  um  dia  você  deu  a  devida  importância   para  o  que  eu  sentia.     quando  eu  releio,  eu  leio  a  inverdade.     ninguém  é  nada,  na  verdade.   somos  apenas  consumo  e  espelho  do  que  mais  nos  interessa  nesse  episódio.     e  todos  tentam  por  toda  uma  vida  estabelecer  o  que  faz  sentido  apenas  para  si   próprio.  


15 e  a  carta  por  encomenda.   para  você.     me  atordoa,  me  alimenta.  me  chama,  me  aguça  a  alma  e  o  paladar.  sacia   vontades  adormecidas  e  desesperadas.  me  envolve  como  um  firmamento   azul  turquesa.   ter  você  me  faz  cafona,  me  deixa  piegas.  me  consome  as  calosidades  e   enfermidades.  minha  voz  aveludada,  seu  beijo.   você  me  alivia  o  peso.   você  me  sustenta  na  minha  leveza.   ter  você  me  ameniza  a  dor  de  não  te  ter.    


15 e  as  considerações  a  seu  respeito.  Indizíveis  ou  inpublicáveis.   voce  deveria  viver  sem  companhia.   só.   assim  indivíduos  apareceriam  para  um  café.   para  um  chá  ou  mesmo  uma  cerveja.   e  conheceriam  apenas  o  que  voce  mostra  de  bom  e  perfeito.   voce  sangra,  me  sangra.  mente  e  me  desmente.  sonega.   se  entrega  e  depois  some.     voce  vive  só.   eu  que  teimo  em  querer  entrar.  


acabou, então. encavalado na sujeira

        e  com  as  costuras  esgarçadas.    

Que estrago  é  esse  que  nós  nos  causamos?      


16 a  vida  é  mais  que  isso.   dizem,  ao  menos.     mas  ao  menos  o  amor  perdura.   saber,  ouvir,  chorar,  gargalhar  não  significa  que  isso  te  pertence.   isso  pertence  ao  mundo  e  voce  é  só  uma  projeção  do  que  está  ao  seu  redor.   desses  livros  ao  seu  redor.   da  cerveja  importada  e  o  cigarro  barato,  ao  seu  redor.   espumante,  frisante,  prosecco,  champanhe.  acompanhados  das  bitucas   infindáveis.     a  música  está  ao  seu  redor.  


nada é  seu.   nem  voce  é  voce.   voce  só  é  reflexo  daquilo  que  te  circunda.  Daquilo  que  te  rodeia.   nada  além.     voce  só  deixa  de  ser  voce  quando  voce  desaparece.     e  não  entenda  como  obrigação.     amo  voce  desse  jeitinho  que  voce  pretende  ser.    


17. essa  pretensão  de  especialidade  que  arrumamos  para  desculpar  nossas   fraquezas.   se  jogar  lá  fundo.   e  então  perceber  como  é  difícil  sair.     o  joelho  ralado  daquele  chão  de  bar  para  um  casamento  que  nunca  vai   acontecer.   aquela  procura  sórdida  por  uma  união  de  universos  que  pareciam  –  e  veja   bem:  pareciam  –  tão  completos.       complexo.  


18 e  a  confiança.   nunca  saberei  qual  foi  o  momento  que  esse  símbolo  nosso  se  perdeu.     para  mim  é  moribundo.   é  possível  recuperar,  eu  acredito  porque  amo.     mas  seu  amor  morreu.  se  foi,  junto  à  cumplicidade,  àquela  confiança.  isto  já   está  claro.     e  me  pergunto  por  que  o  pranto,  se  esse  caso,  então,  já  está  resolvido.   e  entendo  que  é  a  ausência.  daquelas  nossas  brincadeiras  que  só  nós  rimos.   dos  nossos  projetos  que  só  nós  entendíamos.  dos  nossos  segredos,  dos  


nossos corações  partilhados.  meu  e  seu.  ausência  daquele  sexo   descompromissado,  safado,  saudável.  das  conversas  noturnas  infindáveis,   de  nossas  dúvidas  e  anseios.  ausência  do  que  um  dia  era  nosso  e  se   despedaçou  ou  virou  pó.  das  promessas  que  viraram  pó.     viramos  pó  de  areia  que  o  vento  carregou.  


minha vida em voce  

um pedaço, uma vida