Issuu on Google+


Semana da Leitura - março 2013

Trabalho realizado pelos alunos das turmas do 5º ano – Ano letivo 2012/2013

2


ESTÓRIA

“QUEM CONTA UM CONTO, ACRESCENTA-LHE UM PONTO”

Texto inicial:

“ O rapazinho da casa branca adorava as rochas. Adorava o verde das algas, o cheiro da maresia, a frescura transparente das águas. E por isso tinha imensa pena de não ser um peixe para poder ir até ao fundo sem se afogar. E tinha inveja das algas que baloiçavam ao sabor das correntes com um ar tão leve e feliz” in A Menina do Mar, Sophia de Mello Breyner Andresen

Trabalho realizado pelos alunos das turmas do 5º ano – Ano letivo 2012/2013

3


Certo dia, o menino foi num barco com o seu pai à pesca e ficou maravilhado com todos os peixes que conseguiram pescar. Entretanto começou a escurecer e o menino aproveitou para contar o seu desejo de ser como os peixes e ir até ao fundo do mar. De repente, começou uma grande tempestade que desviou a sua rota para uma ilha deserta. Era uma ilha cheia de palmeiras, espécies raras, algas, conchas, corais e sereias que cantavam doces melodias. O menino ficou com curiosidade, alegria, entusiasmo e começou com o pai a explorar a ilha. Construíram um abrigo e procuraram alimento (5ºA). Enquanto estavam à procura de alimento repararam que havia um baú entre duas palmeiras. Era um objeto antigo, grande e pesado que estava numa enorme poça de lama. Arrastaram o baú até ao abrigo e estiveram algum tempo a tentar abri-lo. Até que… no dia seguinte o baú estava aberto! Lá dentro viram muitos livros que contavam a história da ilha. (5ºE) O mais interessante de tudo isto, era que os livros se abriam sozinhos e paravam nas páginas que pareciam querer ser lidas de propósito! Numa dessas páginas constava uma informação muito importante e interessante: explicava a forma como um humano podia ir ao fundo do mar, sem se afogar e aí permanecer durante muito tempo, podendo respirar livremente. “Que brilhante ideia!” – pensou de imediato o menino. No entanto, ficou preocupado com a ideia, pois não conseguia compreender a razão pela qual aquele livro lhe indicava, com tantos pormenores, a forma de se transformar num menino do mar! E mais ainda, não entendia muito bem como é que ele se abria sozinho! Parecia magia … e se fosse algo perigoso?! Talvez fosse melhor ouvir a opinião do pai. E assim fez! … (5ºF) O pai ao ouvir o que o filho lhe contou, foi verificar se era mesmo verdade. Quando lá chegou viu a magia que os livros continham e ficou espantado. Verificou as páginas que tinham a informação e ele e o filho decidiram ir experimentar. No dia seguinte, eles decidiram ir aos poucos experimentar o tempo que aguentavam debaixo de água, e para grande surpresa de ambos estiveram bastante tempo debaixo de água onde admiraram aquele mundo maravilhoso, cheio de peixes de várias cores, feitios e espécies, plantas marinhas de diversas cores, e viram também um barco afundado e do qual saia um raio de luz. Pai e filho olharam um para o outro, pois, ficaram fascinados com o que estavam a ver e resolveram ir até lá. Quando lá chegaram, repararam que o raio de luz saía de baixo de uma porta de madeira antiga, ao lado da porta havia uma mesa em ouro onde estava

Trabalho realizado pelos alunos das turmas do 5º ano – Ano letivo 2012/2013

4


gravado a seguinte mensagem: «Para esta porta abrir a chave têm de encontrar, no barco está escondida e daqui não sairá». (5ºB) Ao depararem com aquilo, fizeram sinal e vieram até à superfície para respirarem e para decidir o que haviam de fazer. Como já era tarde, o pai disse ao filho que era melhor irem dormir, para descansarem e recuperarem forças para na manhã seguinte irem procurar melhor. Na manhã seguinte, foram até à praia e mergulharam, o mar estava límpido, brilhante e cristalino. A certa altura encontraram uma tartaruga que os guiou até ao barco. Quando chegaram ao barco a tartaruga continuou a guiá-los até uma passagem secreta. (5ºC) A certa altura a tartaruga deu um grito assustador: - Ai! Ai! Ai! Fujam. – E dizendo isto fugiu, subindo à superfície, deixando pai e filho sozinhos, sem perceberem o que se passava, pois iam muito atrás dela e não a conseguiram ouvir muito bem. Espantados por assistirem à fuga repentina da tartaruga, olharam um para o outro e, mesmo assim, decidiram continuar em busca da chave para abrir a porta do navio naufragado. No entanto, visualizaram ao longe um vulto enorme e, com muito medo, agarraram-se um ao outro. O que viram de seguida ainda os deixou mais assustados, pois à sua frente, apresentando uma bocarra enorme, encontrava-se um Senhor Tubarão. Sem saberem o que fazer continuavam muito agarradinhos um ao outro e, para seu espanto, o tubarão olhou-os, bem no fundo dos olhos, e dando meia volta, foi-se embora. Aquele tinha sido um susto valente, mas conseguiram continuar a sua viagem pelo mar fora, até encontrarem um grupo de algas que dançavam, alegremente, à volta de um objeto brilhante que flutuava no meio delas. - Uau! Olha pai, aquela deve ser a tal chave para abrir a porta do navio que encontrámos – disse o menino, com um ar espantado. O pai concordou e, nadando até junto das algas, tentou apanhar a chave, mas esta, à medida que ele a ia agarrando, ia se afastando, fazendo com que os dois a fossem seguindo. Compreenderam, então, que deveria ser, também, uma chave mágica que aos poucos os foi conduzindo até ao navio. Quando lá chegou, poisou em cima da mesa e disse: Trabalho realizado pelos alunos das turmas do 5º ano – Ano letivo 2012/2013

5


- Aqui estou, aqui regressei. Fui apenas brincar um pouco e conhecer os habitantes do mar. A vós encontrei e sei o que pretendem. A porta abrirei, por tanta coragem que tiveram: o mar enfrentaram, um tubarão também … por isso, entrem e descubram alguém que vos quer muito bem. – Assim falou a chave e ao mesmo tempo, a porta abriuse. - Que lindo! – exclamaram o filho e o pai, ao mesmo tempo. De facto, o que viram era espetacular! Uma sala enorme, muito bonita, cheia de sereias que rodeavam uma menina muito bonita e pequenina, que cantava uma linda canção: “ Sou a Menina do Mar! E gosto muito de aqui estar Parabéns aos 5º anos Por esta história de encantar!” (5ºD)

Trabalho realizado pelos alunos das turmas do 5º ano – Ano letivo 2012/2013

6


Trabalho realizado pelos alunos das turmas do 5º ano – Ano letivo 2012/2013

7


AESM