Page 1

Bianchini Gastronomia

1


2

Bianchini Gastronomia


Bianchini Gastronomia

3


4

Bianchini Gastronomia


Bianchini Gastronomia

5


nest a edição

14.

panelinha

Acessórios para fazer, beber e acompanhar uma das bebidas mais consumidas no Brasil: o cafezinho

16. Sopas

Opção de refeição leve e nutritiva, caldos e sopas são a cara da estação

22. Sabor de inverno

Afrodisíaco e amigo da boa forma, o gengibre pode ser incluído de diversas maneiras na culinária do dia a dia

Gast ronomia

FESTIVAIS DE INVERNO

Sopas para sas os cremo ntar esques frios dia

Saiba aonde saborear o melhor da gastronomia de inverno do Brasil

crepe caprese

Pura tentação Crepes doces e salgados para degustar e pedir bis!

GUIA DA CACHAÇA

a melhor maneira de saboreá-las curiosidades as cachaças produzidas na região apreciadores indicam suas preferidas

6

Bianchini Gastronomia

40. Água na boca

No vão sob a escada, num cantinho da sala de jantar ou no subsolo mesmo. Qualquer lugar pode virar um espaço propício para uma adega residencial

Gelado light e bolo de milho com paçoca

44. Guia da cachaça

28. SuasCompras

14. Panelinha

ANO 2 N°3 SOROCABA, ITU E REGIÃO

24. Espaço gourmet

Principal componente da caipirinha, a cachaça deixa pra trás décadas de preconceito e finalmente ganha o merecido respeito entre as bebidas de sua categoria

Depois de montar sua adega vá em busca de acessórios que complementem com requinte o seu espaço

iquet a 50. Et

30. Crepes

Ir ao supermercado não é tarefa fácil, mas é possível tornar as agruras das compras menos penosas

Doces ou salgados, não importa! A massa fininha do crepe combina com qualquer variedade de recheio

ivais de inverno 36. Fest

24. 2

Para aquecer a temporada de inverno, traçamos um roteiro com os principais Festivais Gastronômicos de Inverno nas regiões Sul e Sudeste do Brasil

Crédit os da capa Foto: Jeferson Urias Criação culinária: Gaby Gabriel Produção artística: Paulo Ruivo Coordenação: Bárbara Luz Tratamento de imagem: Marina Hungria e Jeferson Urias

SEMPRE AQUI 08. DA EDITORA 10. NA MESA 12. NUTRIÇÃO 60. ENDEREÇOS 66. CRÔNICA

ESPAÇO GOURMET

FOTOS: 1. Mário Chaves 2. Élson Yabiku

1


Bianchini Gastronomia

7


da edit ora

N

DIREÇÃO EXECUTIVA Alex Ruivo DIREÇÃO EDITORIAL Cristina Magnani GERENTE COMERCIAL Luzia Brunelli GERENTE DE NEGÓCIOS Duda Calegari GERENTE DE PRODUTO Andrea Di Modica CONTATOS COMERCIAIS Carolina Borges e Paulo Ruivo PRODUÇÃO COMERCIAL Cleverson Lima ASSISTENTE COMERCIAL Andrea Raymundo GERÊNCIA ADMINISTRATIVA José Carlos da Costa ADMINISTRATIVO/FINANCEIRO Tassiana Vieira – Supervisão Fernanda Siqueira e Mariana Nunes GERÊNCIA DE MARKETING Julio Cesar Gonçalves MARKETING E CIRCULAÇÃO Ana Lúcia Cardoso, Bruno Santos e Joseane Freitas ASSESSORIA JURÍDICA Almeida Neto e Campanati (15) 3334-9494

ão há como negar, o inverno é a estação mais aconchegante do ano. Esta é a época mais gostosa para reunir os amigos em casa e saborear um fondue, assistir a um filme com uma taça de vinho embaixo do edredom, beber um chocolate quente, tomar uma sopa quentinha, namorar... Pensando nisso, preparamos esta edição da BIANCHINI Gastronomia com receitas e matérias que te ajudarão a aproveitar mais e melhor esta estação, afinal, com a queda de temperatura, comer é ainda mais prazeroso, principalmente se for possível fazer as refeições em um ambiente agradável e em boa companhia. Campos do Jordão, Gramado, Monte Verde, Embu e Tiradentes recebem turistas de todo o País para conferir seus Festivais de Inverno, alguns contam até com pratos especiais preparados por renomados chefs nacionais e internacionais como você pode conferir na reportagem da página 36. Se viajar não está nos seus planos, é possível preparar refeições deliciosas em casa mesmo. Basta botar a mão na massa e seguir as receitas de sopas, crepes e sobremesas que recheiam as páginas desta revista. E a missão de escolher apenas uma delas é quase impossível. Eu, por exemplo, recomendo todas. Para os apaixonados por vinhos, o Espaço Gourmet (pág. 24) privilegia as adegas, um espaço que está se tornando cada vez mais comuns em residências e que pode ser adaptado ao tamanho do ambiente disponível. Mas se essa não for a sua praia, vá direto conferir o nosso Guia de Cachaças (pág. 44). Lá você irá desvendar o universo desta bebida brasileiríssima que deixou para trás décadas de preconceitos e passou a ter destaque na carta de restaurantes e hotéis de luxo, com o respaldo de grandes chefs de cozinha e especialistas no assunto. Como você pode ver, esta edição está mais democrática do que nunca!

EDITORA DE PRODUTO Bárbara Luz EDITORA DE ARQUITETURA E DECORAÇÃO Ivone Tabarin REPÓRTERES Francine Calegare, Mariana Rossi e Vanessa Olivier PRODUTOR ARTÍSTICO Paulo Ruivo PRODUTORA EDITORIAL Patrícia Passos FOTÓGRAFOS Jeferson Urias, Mário Chaves e Simone Del Campo DESIGNERS Adriana Carniel, Cláudia Scavacini e Marina Hungria COLABORADORES Gaby Gabriel, João Tiago e Julio Cesar Gonçalves DISTRIBUIÇÃO Distribuidora Alvorada (15) 3413- 8300 IMPRESSÃO Gráfica Igil (11) 4813-8696

Bom apetite!

BIANCHINI Gastronomia ® é uma publicação semestral da Editora A2 Ltda. © 2010 Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores. É proibida a reprodução parcial ou completa do conteúdo desta publicação sem a prévia autorização da Editora A2. Somente as pessoas que constam neste expediente estão autorizadas a falar em nome da revista.

Editora de Produto [barbara@editoraa2.com.br]

BIANCHINI ONLINE EDITORA Cristina Magnani COORDENADORA Vanessa Olivier CONSULTOR WEB Fernando Salvi www.revistabianchini.com.br

SUA OPINIÃO

TELEFONE/ FAX (15) 3229-9090, de 2ª a 6ª, das 9h às 18h EMAIL redacao@editoraa2.com.br ENDEREÇO Praça Nova York, 60 – CEP 18046-775 – Sorocaba / SP

FOTO: José Neto

SEU EXEMPLAR PARA RECEBER a BIANCHINI entre no site www.revistabianchini.com.br e preencha seu cadastro

SUA ASSINATURA

(15) 3229-9090 assinatura@editoraa2.com.br

SEU ANÚNCIO

(15) 3229-9090 comercial@editoraa2.com.br

8

Bianchini Gastronomia


Bianchini Gastronomia

9


na mesa

por francine calegare [francine@editoraa2.com.br]

Cursos de Confeitaria e Chocolataria A Sódoces, eleita a melhor doceria 2009/2010 de São Paulo pela revista Época São Paulo, e comandada por um dos melhores chefs confeiteiros do País, Flávio Federico, divulgou seus cursos profissionalizantes de confeitaria e chocolataria para os meses de junho e julho. Os segredos, técnicas e dicas da alta confeitaria serão transmitidos em aulas 100% práticas com, no máximo, 10 alunos por turma, onde todos colocam a mão na massa e comem muito doce. Entre os temas abordados estão os doces clássicos franceses e europeus, bombons licorosos, macarons, bem casados, tortas especiais, bolos decorados, doces com chocolate e mini doces. Informações pelo tel.: (11) 3881-2382 ou pelo e-mail cursos@sodoces.com.br

A Cellar Experts conta com um wine bar, onde é possível degustar os vinhos em taça e harmoniza-los com aperitivos. 1

Especialistas em vinhos Os apreciadores de vinhos agora têm um endereço certo: a Cellar Experts, no Mercadão Campolim, em Sorocaba. A loja, toda climatizada, conta com mais de 400 rótulos criteriosamente selecionados das principais regiões produtoras do mundo, além de uma Adega VIP, com vinhos especiais para os paladares mais exigentes. Os especialistas da Cellar Experts prestam assessoria na escolha de rótulos adequados para diversas ocasiões e pratos e ainda fazem a entrega do vinho na sua casa ou evento. Outros diferenciais são o Wine Bar – onde é possível desfrutar dos vinhos em taça e harmonizá-los com aperitivos – e o Quiosque Interativo - onde os admiradores de vinhos têm acesso a links e informações sobre o universo desta bebida. Tel.: (15) 3234-9855. www.cellarexperts.com.br

10

Bianchini Gastronomia

com café certificação

A Café do Centro – maior torrefadora de grãos gourmet e especiais do País – teve seu Café Gourmet certificado com o selo Cafés Sustentáveis do Brasil, programa de qualidade da ABIC (Associação Brasileira da Indústria de Café). Esta certificação é conferida para empresas que adotam, em toda a cadeia produtiva do café, procedimentos ecologicamente corretos, sustentáveis, econômicos e que consideram os impactos sócioambientais de seus produtos. O selo só é conferido a produtos classificados como Gourmet e Especiais e os cafés que recebem o mesmo ganham uma identificação especial – o logotipo de uma árvore, símbolo do Selo Cafés Sustentáveis do Brasil – que facilitará sua identificação pelos varejistas, distribuidores, cafeterias e consumidores.

2

FOTOS: 1. Antonio Neto – Estúdio Tuaregl 2.. Divulgação

Uma dica para começar bem o dia é o conjunto para café da manhã da Utilplast. Formado por uma caneca, um bowl e um pratinho quadrado, o conjunto, feito em porcelana de alta qualidade, pode ir ao forno até 220ºC, microondas e lava-louças. Custa 66,35 reais na loja virtual: www. utilplast.com.br


Bianchini Gastronomia

11


por mariana rossi [mariana@editoraa2.com.br] produção patrícia passos [patricia@editoraa2.com.br] fotos mário chaves

De olho na balança! Não é porque foi descoberto que o chocolate auxilia no emagrecimento (aquele produzido com manteiga de cacau e 60% de cacau sólido), que podemos extrapolar no consumo deste doce tentador ou de qualquer outro alimento muito calórico. A Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO) divulga dicas para você controlar sua ansiedade e, logo, seu peso: 1 Quando sentir fome, tome líquidos antes de comer. 2 Sempre que quiser comer doces, prefira os caseiros, sem creme de leite, leite condensado e chocolate. 3 Procure realizar atividades quando der vontade de beliscar (caminhe, vá ao shopping, saia com seu cachorro etc); 4 Lembre-se: um alimento que não contém açúcar pode conter muita gordura. Para saber mais visite www.abeso.org.br

1

Nunca ouviu falar? Este é um tipo de arroz integral muito consumido no sertão nordestino, de coloração avermelhada e sabor amendoado. Segundo a nutricionista Flávia Figueiredo, é fonte de carboidratos, aminoácidos, vitaminas A, E, complexo B, cálcio e fósforo, além de apresentar três vezes mais ferro e duas vezes mais zinco que o arroz branco. Rico em fibras, auxilia na diminuição da absorção do colesterol e da glicose pelo organismo, regulariza a função intestinal e aumenta a sensação de saciedade. Como seu tempo de cozimento é um pouco maior que o do arroz branco, Flávia sugere o uso de uma panela de pressão para agilizar o preparo. Na loja Mundo Verde, em Sorocaba, 500g do produto custam 4,10 reais. Tel.: (15) 3411-7859.

12

Bianchini Gastronomia

Solúvel Bioslim, 24,90 reais (200g), Mundo Verde

De hibiscos, 5,90 reais (20g), Mundo Verde

Twinings, 40,16 reais (100g), Supermercearia São Bento

Casca do maracujá

O ARROZ VERMELHO AUXILIA NA DIMINUIÇÃO DA ABSORÇÃO DO COLESTEROL E DA GLICOSE PELO ORGANISMO.

Arroz vermelho

Chá faz bem!

Ela é um alimento poderoso capaz de auxiliar o emagrecimento, controle do colesterol, do intestino e da taxa de açúcar em sua corrente sanguínea. Quem dá a dica é a nutricionista Carla Saúda Kuperszmidt, que ensina como preparar a farinha da casca de maracujá em sua própria casa e sem os conservantes e malefícios do processo industrializado: 1 Retire a polpa do maracujá e corte a casca ao meio. 2 Coloque numa assadeira e leve ao forno médio por uma hora, mexendo de vez em quando. 3 Quando estiver torrada, retire do forno e bata no liquidificador até virar pó. Pronto! Agora é só misturá-la em saladas, iogurtes, sucos e lembrar-se de consumir uma colher de sopa três vezes ao dia.

Camomila Mãe Terra, 2,17 reais (40g), Supermercearia São Bento

De guaraná, 9,90 reais (15 unidades), Fruto Amarelo De rosela, 6,50 reais (30g), Fruto Amarelo

FOTOS: 1. istock.com / TSchon Produtos: Mário Chaves

nut rição


Bianchini Gastronomia

13


panelinha

produção patrícia passos [patricia@editoraa2.com.br] fotos mário chaves

Coffe

Cafeteira francesa, 122 reais (3 peças), Shopping M

Chaleira em aço inox, 98 reais, Utilitè

Pote provençal para torrões de açúcar, 31 reais, Ébanus

break

Seja de manhã ou no meio da tarde, a hora do cafezinho é o momento oportuno para conclusões, respiro, risadas e conversas. Por isso ela é tão desejada. Jogo de café Cup & Pot, 35 reais, Tomaz Presentes

Garrafa para chantily, 399 reais, Shopping M

Pote para café em porcelana, 32 reais, Ibitiza

14

Bianchini Gastronomia

Cafeteira Expressa Britânia, 175 reais, Tomaz Presentes

Copo para expresso em porcelana, 38 reais (4 peças), Utilitè

Cremeira Tuto Crema Bialetti, 137,90 reais, Konsulfree

Lata para café, 55 reais, Empório Maria Madame

Caneca para café, 31 reais, Utilitè


Bianchini Gastronomia

15


quentinhas

sopas

sopas

Substanciosas, as sopas sustentam e caem muito bem nos dias frios de inverno. criação culinária gaby gabriel produção paulo ruivo fotos jeferson urias

Creme de batata com bacon

16

Bianchini Gastronomia


Creme de ab贸bora com iogurte

Bianchini Gastronomia

17


sopas Creme de couve-flor com camar達o

18

Bianchini Gastronomia


Sopa de legumes

Bianchini Gastronomia

19


sopas

CREME DE BATATA COM BACON

Creme de abóbora com iogurte

Ingredientes 1 pacote (180g) de mistura pronta de 1 1 2 2l 200g

Ingredientes 1 abobrinha italiana picada 300g de abóbora japonesa sem casca,

purê de batata alho poró picado cebola dentes de alho de caldo de legumes ou de carne de bacon em cubos sal e pimenta a gosto

300g ½ ½ 3 100ml 500ml

Modo de preparo

1 Numa panela frite o bacon e reserve. 2 No óleo que restou do

bacon, frite a cebola e o alho poró. 3 Acrescente a mistura pronta para purê e, aos poucos, vá adicionando o caldo de legumes ou de carne. 4 Acresceste o bacon frito e deixe cozinhar por mais 10 ou 15 minutos. Sirva bem quente.

Septima Noche Pinot Noir 2008, 84 reais, Cellar Experts

Rendimento: 4 porções

Xícara para sopa, 19,34 reais, Utilitè

* Consultoria de bebida Fabrício Souza, da Cellar Experts

Creme de batata com bacon Prato florido parte de jogo jantar (24 peças), Tomaz Presentes / Creme de abóbora com iogurte Prato, acervo. Guardanapo e colher Tramontina (jogo 24 peças), Tomaz Presentes / Creme de couve-flor com camarão Pratos parte de jogo jantar (24 peças), Tomaz Presentes / Sopa de legumes Pratos xadrez parte de jogo jantar (24 peças). Guardanapo, colher Tramontina (jogo faqueiro) e presilha (6 peças), tudo Tomaz Presentes.

20

Bianchini Gastronomia

Spice Route Mouvedre 2007, 79 reais, Cellar Experts

sem semente e picada de iogurte cebola picada pimentão vermelho sem casca colheres (sopa) de manteiga de vinho branco de caldo de legumes sumo de ½ limão sal e pimenta a gosto azeite para fritar Modo de preparo

1 Doure a cebola com a

manteiga e um pouco de azeite. Junte a abobrinha e refogue bem até que fique macia. Reserve. 2 Numa panela de pressão, cozinhe a abóbora com o caldo de legumes. Depois do cozimento, coloque essa mistura num liquidificador e bata com o pimentão. 3 Despeje sobre as abobrinhas refogadas e cozinhe em fogo brando por entre 15 e 30 minutos, mexendo sempre. Junte o vinho. 4 Acrescente o iogurte no prato, na hora de servir. Rendimento: 4 porção


Creme de couve-flor com camarão

Sopa de legumes

Ingredientes

60g 1 2 ½ 1 500g 500ml 200ml

2 colheres (sopa) de manteiga ½ cebola picada 2 batatas grandes sem casca e 1 100ml 500ml 200ml ½ 200g

cortadas em cubos couve-flor de vinho branco de caldo de legumes de creme de leite fresco limão de camarão limpo e cozido Modo de preparo

1 Numa panela, frite a cebola com uma parte da manteiga. 2

Adicione as batatas à cebola e refogue bem. 3 Corte a couveflor em floretes, lave e refogue junto com a cebola e a batata. 4 Adicione o vinho e o caldo de legumes. Cozinhe por 20 minutos. 5 Bata tudo no liquidificador, volte para o fogo, acrescente o creme de leite, o sal, a pimenta e deixe ferver. 6 Numa frigideira, frite rapidamente os camarões na manteiga e acrescente na mistura. 7 Desligue o fogo, adicione o sumo do limão, mexa e sirva.

Ingredientes

de gengibre fresco picado cebola dentes de alho pimentão sem pele picado berinjela picada de tomate de caldo de legumes de creme de leite fresco suco de 1 limão ramos de tomilho e alecrim azeite e sal a gosto Modo de preparo

1 Numa panela, refogue no azeite

Luigi Bosca Reserva Pinot Noir 2007, 65 reais, Cellar Experts

Chateau Los Boldos Merlot, 57 reais, Cellar Experts

a cebola e o alho. Acrescente o pimentão e a berinjela, refogue mais um pouco e coloque o tomate. Mexa e, logo depois, adicione o caldo de legumes e os ramos de tomilho e alecrim. 2 Cozinhe tudo por 20 minutos em fogo baixo. 3 Acrescente o creme de leite e o sal e deixe ferver. 4 Desligue o fogo e adicione o suco de limão. Está pronta para servir. Rendimento: 4 porção

Rendimento: 4 porções

Sopeira ratan, 126,50 reais, Utilitè Bianchini Gastronomia

21


sabor de inverno

gengibre

por vanessa olivier [vanessa@editoraa2.com.br] receita do chef aléssio battilani, do citron gastronomia foto divulgação

picante e curativo

R

ecentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu algo já comprovado há séculos pela sabedoria popular: o poder terapêutico do gengibre sobre o nosso sistema digestivo. Desde a antiguidade, a planta originária da Ilha de Java, Índia e China, Sabedoria oriental é um dos métodos mais populares para combater dores em geral, enjôos, No Japão, o óleo do gengibre náuseas e até gripe, além de ter efeito antioxidante e de ser eficiente é tradicional em massagens contra a ressaca. A nutricionista clínica Cíntia Baptistella recomenda para problemas de coluna utilizar a planta para o preparo de chá, sucos ou para temperar os e articulações. Para aliviar alimentos. “Picadinho na salada, ele é responsável por um sabor difeos sintomas de gota, artrite, dores de cabeça, congestão renciado e muito bom”, diz.

Aprenda a escolher o gengibre

nasal e cólicas menstruais é costume preparar banhos e compressas quentes de gengibre.

Apesar de ser uma planta com cerca de 90cm de altura, é na sua raiz (parte utilizada na culinária) que se encontram suas propriedades mais importantes. Por isso, na hora da compra, escolha a planta com bulbo firme, de casca lisa e clara. Evite as raízes ressecadas (murchas por dentro), com pontos pretos e machucadas.

Armazenament o

Para conservar melhor a planta, guarde-a dentro de um saco plástico, na parte baixa da geladeira, por até três semanas.

Amigo da boa forma Segundo a nutricionista Cíntia Baptistella, por ser um alimento termogênico (aumenta a temperatura do corpo e, com isso, obriga o organismo a gastar mais energia, acelerando o metabolismo e a queima de gordura), alguns profissionais indicam o gengibre como coadjuvante numa dieta nutricional para promover o emagrecimento. Mas ela alerta: “Nada terá efetivo resultado sem uma reestruturação alimentar acompanhada de hábitos saudáveis e atividade física”. Para quem quiser incorporar o vegetal picante ao cardápio, Cíntia recomenda: “O gengibre fresco deve ser consumido uma vez ao dia acompanhando a refeição”.

Efeit o ant icâncer

Há 15 anos, pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia vêm estudando os efeitos anticâncer do gengibre amargo – uma planta originária da Ásia e encontrada no Amazonas. Uma das descobertas é de que o composto denominado Zerumbona, extraído da planta, é mais potente do que os remédios alopáticos utilizados na terapia da doença. Segundo os pesquisadores, em todos os experimentos, o gengibre apresentou um potencial de ação e efeito contra as células tumorais de 100%, sem agredir as células normais. A fabricação do medicamento – óleo essencial da planta obtido por vapor d’água e extraído da raiz – é específica para três tipos de câncer: o de cólon, pele e fígado. A previsão é de que o remédio (a partir deste gengibre) estará nas prateleiras das farmácias daqui a dois anos.

Poder afrodisíaco Considerado afrodisíaco na medicina chinesa tradicional, o óleo de gengibre é usado para massagear o abdômen, aumentando a temperatura do corpo e excitando os órgãos sexuais. Sua flor exala um perfume que provoca a mesma sensação. Por sua reconhecida ação na circulação sanguínea, é ainda empregado contra a disfunção erétil.

22

Bianchini Gastronomia

Curry verde de camarões com gengibre Ingredientes: 2 colheres (sopa) de óleo vegetal 2 xícaras (chá) de cubos de berinjela (deixar descansando em sal grosso para sair o amargo) ½ xícara (chá) de cebola branca em cubos pequenos 1 xícara (chá) de pimentão verde em juliene 2 colheres (chá) de alho picado ½ colher (chá) de curry verde tailandês 6 folhas de Kaffir 1 colher (café) de gengibre fresco ralado 2 colheres (sopa) de conserva de gengibre 2 colheres (sopa) de nam pla (molho de peixe tailandês) 1 xícara (chá) de leite de coco 1 xícara (chá) de caldo de camarão 1 ½ quilo de camarão médio, descascado e limpo ½ xícara (chá) de manjericão tailandês picado ¼ colher (chá) de sal Modo de preparo

1 Em um frigideira grande, aqueça o óleo em fogo médio-alto. 2 Junte a berinjela, a cebola e o pimentão e salteie rapidamente. 3 Adicione o alho, o gengibre ralado e o kaffir, e deixe soltar os aromas. 4 Acrescente o leite de coco, o caldo de camarão, o nam pla e o curry, e cozinhe reduzindo os líquidos. Acerte o sal. 5 Por último, adicione os camarões, o gengibre em conserva e o manjericão, e desligue o fogo, repousando a mistura para que o camarão cozinhe. Rendimento: 5 porções


Bianchini Gastronomia

23


do porão

espaco gourmet

edição e texto ivone tabarin

para o estar

O prazer de degustar um bom vinho rodeado de amigos abriu espaço para a nova onda das adegas residenciais. No vão sob a escada, num cantinho da sala de jantar ou no subsolo mesmo, para aproveitar a temperatura natural do ambiente. Vale qualquer espaço para acondicionar bons rótulos, desde que itens como climatização para controlar a temperatura, a umidade do ambiente e armazenagem adequada dos produtos não sejam esquecidos.

24

Bianchini Gastronomia


1

Armazenar vinhos e ao mesmo tempo degustá-los foi a proposta dos arquitetos Adriana Araújo e André Galan. Móveis de madeira escura (Todeschini) abrigam a adega climatizada para 100 vinhos. Para a degustação, a dupla projetou uma mesa de 2,5m em L feita de mármore vermelho Napoleon. As poltronas em acrílico transparente Louis Ghost, assinadas por Philippe Starck, dão um ar de modernidade, assim como o painel de madeira com taças vermelhas de pontacabeça dispostas no teto sobre a mesa.

Bianchini Gastronomia

25


espaco gourmet

2

Uma adega espaçosa, com recursos tecnológicos de ponta, mas acima de tudo consciência ambiental. Essa foi a proposta da arquiteta Teresa Gouveia para a Casa Cor Trio, em São Paulo. Todos os móveis são de madeira reflorestada ou descartada e ajudam a aquecer o ambiente.

São mais de 70m² de área criada para receber os amigos e desfrutar de bons momentos. Os materiais utilizados foram o tijolo grande e maciço para revestimento e mármore travertino romano levigado no piso. A adega sob a escada do hall, que dá acesso aos dormitórios, seria a princípio um pequeno espaço para acomodar as garrafas de vinho, que os proprietários apreciam. Como o casal tem o hábito de receber amigos e familiares, surgiu a ideia de criar esse espaço maior, aconchegante e com ar de antigo e rústico.

FOTOS: 1. Élson Yabiku 2. Divulgação 3. Jorge de Souza

2

26

Bianchini Gastronomia


3

Com apenas 12 m² e pé-direito muito baixo, o espaço pediu revestimentos simples e muita iluminação. Projetado pelos arquitetos Renata Marques e Flávio Jancovski para a armazenagem de 450 rótulos, funciona também como lounge. Revestimento em MDF western que simula madeira de demolição, piso cerâmico que imita madeira freijó e iluminação indireta propiciam um clima agradável ao espaço.

Bianchini Gastronomia

27


suas compras

produção patrícia passos [patricia@editoraa2.com.br] fotos mário chaves

Kit vinho com caixa de couro, 175 reais (9 itens), Shopping M

Tampa para garrafa, 19 reais, Tomaz Presentes

Taça para vinho tinto, 49 reais, Cellar Experts

Vinhoterapia Decanter Spiegelau, 390 reais, Cellar Experts

O vinho sempre teve seu lugar na história, mas hoje em dia ele cultiva discípulos que tornam o ato de beber vinho um ritual mais do que sagrado, com requinte e facilidade.

Adega Brinox 6 lugares, 89 reais, Tomaz Presentes

Saca rolha, 17 reais, Cellar Experts

Climatizador Easy para 16 garrafas 1.057,04 reais, Utilité

Decanter de vidro com tampa estilizada, 170 reais, Shopping M

Saca rolhas com base, 59 reais, Shopping M

Anel para gargalo, 15 reais, Tomaz Presentes V Gaige Bomba vácuo,115 reais, Cellar Experts

28

Bianchini Gastronomia


Bianchini Gastronomia

29


Massa crepes

fina

Feitos de massa finíssima, os crepes podem receber recheios salgados ou doces. Experimente combinações clássicas ou inusitadas. criação culinária gaby gabriel produção paulo ruivo fotos jeferson urias

30

Bianchini Gastronomia

Crepe mix de cogumelos com molho branco


Crepe de manga com pistache, coalhada fresca e cardamomo

Bianchini Gastronomia

31


crepes

Crepe de banana caramelizada

32

Bianchini Gastronomia


Crepe caprese

Bianchini Gastronomia

33


crepes

Crepe mix de cogumelos com molho branco

Crepe de manga com pistache, coalhada fresca e cardamomo

Ingredientes (MOLHO)

1l 1 1 2 2

de leite colher (sopa) de farinha de trigo lata de creme de leite colheres (sopa) de chimichurri colheres (sopa) de manteiga sal a gosto Modo de preparo (MOLHO) 1 Numa panela, misture a farinha e a

manteiga até que a farinha fique dourada. 2 Acrescente aos poucos o leite e bata com um batedor até que dissolva toda a farinha. Mexa até engrossar. 3 Acrescente o chimichurri, o creme de leite e ajuste o sal. Reserve. INGREDIENTES (RECHEIO)

de shitake picado de shimeji de Hiratake Salmon picado de cogumelo paris ou champignon fresco fatiados 3 colheres (sopa) de manteiga 4 colheres (sopa) de azeite 2 dentes de alho picados sal a gosto

300g 300g 300g 300g

MODO DE PREPARO (RECHEIO)

1 Doure o alho na manteiga, acrescente os

cogumelos e o azeite e refogue bem até que todos estejam macios. Ajuste o sal. 2 Recheie os crepes e guarneça com o molho branco. Para as trouxinhas, centralize o recheio, junte as bordas e, com uma cebolinha escaldada em água fervente, faça o fechamento. Se necessário, prenda com um palito. Se desejar, leve ao forno para gratinar por 5 minutos. Rendimento: 15 crepes

34

Bianchini Gastronomia

Ingredientes (RECHEIO) 1 manga Tommy picada 40g de pistache sem casca e picado 200g de coalhada fresca

cardamomo em pó a gosto açúcar a gosto Dibs (molho de romã encontrado em casas árabes especializadas)

Lurton Les Bateaux Syrah 2008, 42 reais, Cellar Experts

Modo de preparo (RECHEIO)

Santa Julia Tardío 2008, 50 reais, Cellar Experts

1 Misture a manga com o pistache e reserve. 2 Recheio o crepe

com 1 colher (sopa) de coalhada fresca, acrescente o açúcar e o cardamomo, feche o crepe e o acomode em cima da mistura de manga e pistache. Para que a misture fique firme, utilize um aro de metal para moldá-la. 3 Derrame um pouco de Dibs em cima do crepe e sirva. Rendimento: 4 crepes

Jogo de pratos Oxford (30 peças), 666 reais, Shopping M

* Consultoria de bebidas Fabrício Souza, da Cellar Experts.

Crepe mix de cogumelos Prato, acervo. Colher Riva (jogo 60 peças), Utilitè e guardanapo Karsten (4 peças), Casa Carambella / Crepe de manga com pistache e coalhada fresca Prato (jogo 24 peças), Utilitè, guardanapo Karsten (4 peças), Casa Carambella e porta-guardanapo, Tomaz Presentes / Crepe de banana caramelizada Prato, acervo e guardanapo Karsten (4 peças), Casa Carambella / Crepe caprese Prato rústico (jogo 12 peças), Maria Lucia Flores e guardanapo Karsten (4 peças), Casa Carambella


Crepe caprese

Crepe de banana caramelizada

Ingredientes (RECHEIO) 250g de tomate cereja picado 250g de mussarela de búfala ralada

Ingredientes (RECHEIO)

2 4 1 2

bananas prata picadas colheres (sopa) de açúcar colher (sopa) de vinagre bolas de sorvete de chocolate raspas de chocolate a gosto

pesto de manjericão a gosto

Modo de preparo (RECHEIO)

1 Para fazer o pesto, bata num

Modo de preparo (RECHEIO)

1 Coloque numa panela o açúcar

e o vinagre e mexa até formar uma espécie de caramelo. 2 Acrescente as bananas picadas e envolva-as no caramelo. 3 Com cuidado, coloque essa mistura no centro do crepe e enrole. 4 Sirva com uma bola de sorvete de chocolate e raspas para decorar.

M. Chapoutier Banyuls 2007, 91 reais, Cellar Experts

Rendimento: 2 crepes

Morgante Scinthili Nero D’Ávola 2008, 56 reais, Cellar Experts

liquidificador as folhas de um maço de manjericão com um dente de alho, 4 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado,100ml de azeite e sal a gosto. Reserve. 2 Recheie os crepes com o tomate picado e a mussarela de búfala. 3 Leve-os para gratinar por cinco minutos em forno pré-aquecido a 200º C. 3 Sirva com o pesto de manjericão por cima dos crepes. Rendimento: 5 crepes

RECEITA BÁSICA DE CREPE INGREDIENTES (CREPE)

½l 4 200g 2

de leite ovos de farinha de trigo colheres (sopa) de manteiga derretida MODO DE PREPARO (CREPE)

1 Bata tudo no liquidificador até obter uma massa homogênea. 2 Deixe descansando na geladeira por meia hora. 3 Frite os crepes numa frigideira antiaderente.

Jogo de pratos (6 peças), 150 reais, jogo sobremesa (6 peças), 119 reais e sousplat, 28 reais, Shopping M

Rendimento: 20 crepes

Bianchini Gastronomia

35


fest ivais de inverno

comidas

1

Um roteiro de boas

Para aquecer a temporada de inverno, nada melhor do que desfrutar de um cardápio de encher os olhos e aguçar o paladar. Em busca de algo que reunisse esta combinação super harmoniosa, traçamos um roteiro com os principais Festivais Gastronômicos de Inverno nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. POR FRANCINE CALEGARE [FRANCINE@EDITORAA2.COM.BR]

A

boa gastronomia aliada à rica cultura é algo mais do que convidativo para curtir o friozinho desta época do ano. E os Festivais de Inverno esquentam a programação do Sul e Sudeste do País. São vários eventos acontecendo nas grandes cidades e no interior dos Estados, recheados de culinária, música, danças, exposições, cursos e festas que prometem animar os dias e as noites mais frias de 2010. Os pratos servidos nestes festivais vão desde uma tradicional culinária caseira, com direito a fogão à lenha, até os finos toques e sabores da culinária internacional e contemporânea, passando pelas carnes exóticas, massas e os irresistíveis fondues e racletes. Aproveite esta temporada de festivais e confira nosso roteiro com dicas gastronômicas e culturais.

Polenta cremosa com carne e guarnição de brotos de feijão salteados, em Tiradentes (MG)

1

Puchero, do Restaurante Buenos Aires, Embu (SP) 2

3

Truta da Montanha, do Restaurante Messner Hof, Monte Verde (MG)

1

Sabor de Physalis, da Chocolatier Adriane Baldasso, Gramado (RS) 36

Bianchini Gastronomia

Fondue de queijo, da Mercearia Campos, Campos do Jordão (SP)


Gramado/rs

3

Onde comer:

Quer conferir as criações de chefs internacionalmente prestigiados? Eles estarão reunidos de 7 a 18 de outubro na Serra Gaúcha, durante o 4º Festival de Gastronomia de Gramado, que nesta edição trará exclusivamente chefs mulheres para criar as delícias oferecidas para degustação e para comandar os festins. Os tradicionais festins – jantares harmonizados preparados pelas chefs – serão oferecidos em selecionados restaurantes de Gramado como o Bouquet Garni, o La Table D’Or e o Moscherinio, especializados em tipos variados de gastronomia: internacional, mediterrânea, italiana, asiática, francesa, entre outras. Com mais de 35 mil visitantes em 2009, o Festival deste ano terá, na tradicional Rua Coberta, um palco para shows e espaços para cursos e workshops, além do espaço Bohemia e dos petiscos da Comida de Boteco. Ao lado da Igreja Matriz, o público poderá conferir shows e stands de vinícolas, que oferecerão vinhos para serem degustados em harmonia com mini pratos, ofertados por conceituados restaurantes de Gramado. Neste mesmo local também ficará o espaço oficial das chefs convidadas para fazer degustações dos mini pratos dos festins.

1- MAISON DE LA FONDUE Av. Borges de Medeiros, 2311 – 2º Piso. Tel.: (54) 3286-5282 | www.maisondelafondue. com.br 2- RISTORANTE TARANTINO Av. das Hortênsias, 1522 – Centro. Tel.: (54) 3286-9757 | www.tarantino.com.br 3- FRITZ HAUS RESTAURANTE E CHOPERIA Av. Borges de Medeiros, 2875. Tel.: (54) 30361510 | www.fritzhaus.com.br 4- BELLE DU VALAIS RESTAURANT Av. das Hortênsias, 1432. Tel.: (54) 3286-1744 | www.belleduvalais.com.br 5- FORNERIA DI COMO Av. das Hortênsias, 1480 (Serrano Resort). Tel.: (54) 3295-8031 | www.serranoresort.com.br 6- COELHO CAFÉ COLONIAL Av. das Hortênsias, 5433. Tel.: (54) 3286-2538 | www.cafecoelho.com.br 7- CASA DI PAOLO Rua Garibaldi, 23. Tel.: (54) 3286-7799 | www. casadipaolo.com.br 8- RISTORANTE TOMASINI Av. das Hortênsias, 1189. Tel.: (54) 3286-4311 | www.restaurantetomasini.com.br 9- RESTAURANTE ST. GALLEN Av. das Hortênsias, 1122. Tel.: (54) 3286-2519 | www.stgallen.com.br 10- TUNA SUSHI BAR Av. das Hortênsias, 1480 - Serrano Resort. Tel.: (54) 3295-8031 | www.serranoresort.com.br

2

Salmão à Primavera, do Ristorante Tomasini, em Gramado (RS)

Aproveite a visita para conhecer o Museu do Chocolate, da marca Prawer. O Museu fica na Av. das Hortênsias, 4120 e funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, com entrada gratuita. Tel.: (54) 32861580. www.prawer.com.br

Monte Verde/mg

O charme da vila mineira de Monte Verde atrai muitos turistas, principalmente os paulistanos em busca de sossego, boa comida e clima de paixão em frente à lareira. E agora, eles têm mais um saboroso motivo para visitar esta deliciosa cidade: o Festival Gastronômico de Monte Verde. A 1ª edição do Festival aconteceu até o dia 30 de maio de 2010, mas quem perdeu já pode se programar para a 2ª edição, que em 2011, acontecerá novamente entre os meses de abril e maio.

Truta Perfume dos Alpes, do Restaurante La Scaciatta, em Monte Verde (MG)

Onde comer: 1- VILLA DONNA Rua Rolinha, 33 (Esquina com a Av. Monte Verde). Tel.: (35) 3438-1881 | www.villadonna.com.br 2- CHOPP DO FRITZ Rua Rolinha, 40. Tel.: (35) 3438-1910 | www.choppdofritz.com.br 3- LA SCACIATTA Av. Monte Verde, 635. Tel.: (35) 3438-1859

Ir à Monte Verde e não comer truta, por exemplo, é mais ou menos como ir à Salvador e não comer acarajé. O strudell, servido nas casas de chá, doce rias e hotéis, também é imperdível.

4- BEIJA-FLOR Av. Monte Verde, 756. Tel.: (35) 3438-1269 5- MONT VERT - A CASA DO FONDUE Rua Rolinha, 71. Tel.: (35) 3438-2083

8- LE FONDUE Av. Monte Verde, 706. Tel.: (35) 3438-2009 | www. lefonduemonteverde.com.br

6- MAMMA TERÁ Rua Rolinha, 100. Tel.: (35) 3438-1912

9- HOTEL FAZENDA ITAPUÁ Estrada de Monte Verde, Km 27. Tel.: (35) 34381177 | www.itapuamonteverde.com.br

7- VIA MIRANTE Rua do Aeroporto, 740. Tel.: (35) 3438-2017 | www.viamirante.com.br

10- ADEGA DO CHICÃO Av. Monte Verde, 908. Tel.: (35) 3438-1574 | www. adegadochicao.com.br

Bianchini Gastronomia

37


fest ivais de inverno

Tiradentes/mg

1

Carne de porco com alecrim e panache de legumes, acompanhado de pastel e couve refogada, em Tiradentes (MG)

Onde comer: 1- BAR DA MERCÊS Travessa José Ferreira Barbosa, 307 - Centro. Tel.: (32) 3355-1911 2- DONA XEPA Rua Ministro Gabriel Passos, 26ª - Centro. Tel.: (32) 3355-1767 | www.tiradentesgerais.com.br/donaxepa 3- CONTO DE RÉIS Largo das Forras, 62 - Centro. Tel.: (32) 3355-1790 4- THEATRO DA VILLA Rua Padre Toledo, 157 - Centro. Tel.: (32) 3355-1275 | www.theatrodavilla.com.br 5- CONFEITARIA VOVÓ & CIA Largo das Forras, 78 - Centro. Tel.: (32) 3355-1535 | www.tiradentesgerais.com.br/vovoecia

6- PANELA DE MINAS Rua Ministro Gabriel Passos, 23 - Centro. Tel.: (32) 3355-1217 7- SAN FELICE Largo das Forras, 86 - Centro. Tel.: (32) 3355-2340 | www.tiradentesgerais.com.br/sanfelice 8- SAPORE D’ITALIA Largo das Mercês, 13 - Centro. Tel.: (32) 3355-1846 | www. tiradentesgerais.com.br/saporeditalia 9- CASA DE CHÁ MARIA LUIZA Largo do Ó, 13 - Centro. Tel.: (32) 3355-1502 10- ATRÁS DA MATRIZ Rua Santíssima Trindade, 201 - Santíssima Trindade. Tel.: (32) 3355-2150 | www.tiradentesgerais.com.br/atrasdamatriz

1

Quem vai a Tiradentes não pode deixar de visitar um dos cartões postais mais importantes da cidade: a Maria Fumaça. A locomotiva, que está em funcionamento há mais de 100 anos, liga a cidade histórica de Tiradentes a São João Del Rei. Durante o trajeto de 12km, os passageiros podem desfrutar da paisagem mineira, passando por fazendas centenárias, montanhas e rios. Toda a história da Maria Fumaça está exposta no Museu Ferroviário, que tem entrada franca para os passageiros da locomotiva.

Embu das Artes/sp

Se quiser conferir um festival gastronômico um pouco mais próximo da região de Sorocaba, uma boa opção é o 4º Festival Gastronômico de Inverno de Embu das Artes, que acontecerá de 1º de julho a 1º de agosto. Com o tema Sabores do Mundo e o slogan Encontro Internacional de Sabores, cada um dos 15 restaurantes localizados no centro histórico de Embu fará um prato típico de um país. Dentre os países escolhidos estão África, Tailândia, Argentina, Suíça, Alemanha, França e, claro, o Brasil. Os pratos do Festival serão servidos todos os dias, no almoço e no jantar, a preço diferenciado, conforme o funcionamento de cada estabelecimento.

Prato mexicano Chilli, feito com feijão, tortinha carne e pimenta, do restaurante Garimpo

38

Bianchini Gastronomia

Quando visitar Embu das Artes não deixe de conhecer a Feira de Artes e Artesanato, que fica no Centro Histórico da cidade. Lá você encontra produtos artesanais, obras de arte, manifestações culturais, antiquários e barracas de alimentação.

FOTOS: 1. Divulgação 2. Rosa Arrais Comunicação 3. Cleiton Thiele/SerraPress 4. Simone Del Campo

De 20 a 29 de agosto, a 13ª edição do Festival de Gastronomia de Tiradentes, em Minas Gerais, também irá homenagear as mulheres. Este é um dos principais eventos gastronômicos do País, parte integrante do Circuito Brasileiro de Cultura e Gastronomia, e terá renomadas chefs mulheres, nacionais e internacionais, fazendo os festins – jantares especiais com grandes chefs. No entanto, até o fechamento desta edição, a programação completa deste evento ainda não havia sido disponibilizada à imprensa pelo organizador do evento Ralph Justino. “No início de junho o nosso site www.culturaegastronomia.com.br estará no ar com todas as informações e programação”, explica Ralph.


Onde comer: 1- BUENOS AIRES Rua da Matriz, 62 – Centro. Tel.: (11) 4781-1346 2- CABANA DE EMBU Largo 21 de Abril, 259 – Centro. Tel.: (11) 47042749 3- EMPÓRIO SÃO PEDRO Rua Siqueira Campos - Viela das Lavadeiras, Casas 28 e 75 – Centro. Tel.: (11) 4781-2797

4- PÉ DA SERRA Av. Elias Yazbek, 2003 – Pinheirinho. Tel.: (11) 47041456 5- O CASARÃO Rua Joaquim Santana, 12 – Centro. Tel.: (11) 47042053 6- ZUR ALTEN MÜHLE Rua Belo Horizonte, 66 – Centro. Tel.: (11) 4704-7568

Campos do jordão/sp O Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, no interior de São Paulo, acontece de 3 de julho a 1º de agosto e é considerado o maior e mais importante evento de música erudita da América Latina. Neste ano, a 41ª edição do Festival terá como tema A Música e seus Diálogos, e irá celebrar o Ano Fréderic Chopin, homenageando também os músicos Robert Schumann e Gustav Mahler. Mas como não é só de música que é feito o inverno de Campos do Jordão, o Grupo Cozinha da Montanha – composto por 26 restaurantes – cria pratos exclusivos e diferenciados com o mesmo tema do Festival de Música. “Cada chef criará sua receita homenageando alguma peça que será apresentada no Festival Internacional de Música”, explica a gerente executiva do grupo Cozinha da Montanha, Valéria Estefam. Vale lembrar que esta Temporada Gastronômica de Inverno privilegia os fondues e o chocolate e acontecerá paralelamente ao Festival de Música. A programação completa do 41º Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão está disponível no site www. festivalcamposdojordao.org.br

2- BARITO GOURMET Av. Macedo Soares, 495 – Capivari. Tel.: (12) 36637255 | www.baritogourmet.com.br 3- BAR MERCEARIA CAMPOS Rua Dr. Vitor Godinho, 25 – Capivari. Tel.: (12) 36635014 | www.merceariacampos.com.br

8- EMPANADAS DO RAMON Largo dos Jesuítas, 97 – Centro. Tel.: (11) 4781-6868 9- EMBILHARTE BAR E CAFÉ - Brasil Largo 21 de Abril, 19 – Centro. Tel.: (11) 4704-1087 10- GARIMPO Rua da Matriz, 136 – Centro. Tel.: (11) 4704-6344

4

Filet Munique (filet mignon com molho de cerveja escura e mostarda dijon, arroz ao curry e maçãs caramelizadas), preparado pelo renomado chef francês Jean Claude Bernhard, da Fazenda Baronesas , em Campos do Jordão (SP)

Onde comer: 1- BADEN BADEN Rua Djalma Forjaz, 93 – Capivari. Tel.: (12) 36633610 | www.restaurantebadenbaden.com.br

7- MAHOU SUSHI Rua Belo Horizonte, 50 – Centro. Tel.: (11) 4704-1878

6- BARONESA von LEITHNER BISTRÔ Av. Alto da Boa Vista, 3.025 – Alto da Boa Vista. Tel.: (12) 3662-1121 | www.baronesavonleithner.com.br 7- BIA KAFFEE Rua Isola Orsi, 33 – Capivari. Tel.: (12) 3663-1507 | www.biakaffee.com.br 8- CONFRARIA DO SABOR Av. Dr. Vitor Godinho, 191 – Capivari. Tel.: (12) 36636550 | www.confrariadosabor.com.br

4- FONDUE CARAMELLO Av. Macedo Soares, 148 – Capivari. Tel.: (12) 36636763

9- ECO PARQUE PESCA NA MONTANHA Estrada da Campista, Km 08 – Zona rural – São Bento do Sapucaí. Tel.: (12) 3662-1987 | www.pescanamontanha.com.br

5- LA GÁLIA Av. Macedo Soares, 340 – Capivari. Tel.: (12) 36632993 | www.lagalia.com.br

10- MATTERHORN Rua Djalma Forjaz, 93 – Capivari. Tel.: (12) 36631841 | www.matterhorn.com.br

O grupo Cozinha da Montanha promove eventos gastronômicos o ano todo. São cinco temporadas gastronômicas fixas anuais em que cada restaurante cria receitas inéditas e promove workshops gastronômicos, onde o público tem aulas gratuitas de culinária diretamente com os chefs. Para este ano já estão agendados outros dois eventos gastronômicos, o de Primavera, de 21 de setembro a 24 de outubro, e o de Natal, de 12 de novembro a 6 de janeiro de 2011. Bianchini Gastronomia

39


água na boca

receita do grupo mellita

clássico Melitta filtrado 1 colher (sobremesa) de essência de

baunilha 20 envelopes de adoçante MODO DE PREPARO

Dissolva o amido de milho em uma das xícaras de leite e leve ao fogo com o restante do leite e as gemas. Mexa bem até formar um creme. Reserve. Num recipiente, misture a gelatina com o café descafeinado clássico Melitta em temperatura ambiente e deixe hidratar por 1 minuto. Em seguida, incorpore ao creme reservado e mexa bem. Misture a essência de baunilha e o adoçante. Leve à geladeira até começar a engrossar. Enquanto isso, bata as claras em neve e depois misture delicadamente ao creme gelado. Distribua em taças e leve novamente para gelar. Decore com morangos. RENDIMENTO: 1 litro

Você pode decorar também com alguma outra fruta de sua preferência, ou ainda, chantilly light.

INGREDIENTES 2 colheres (sopa) de amido de

milho 3 xícaras (chá) de leite desnatado

40

Bianchini Gastronomia

FOTOS: 1. Divulgação 2. Mário Chaves

Gelado light

1

2

3 ovos 1 embalagem de gelatina em pó sem

sabor branca 2 xícaras (chá) de café descafeinado

Taça para sobremesa, 153 reais (4 peças), Shopping M


Bianchini Gastronomia

41


água na boca

receita da marca Dona Benta

MODO DE PREPARO (bolo e recheio)

Para fazer o bolo, prepare a mistura Dona Benta conforme indicado na embalagem. Asse utilizando forma redonda. Enquanto o bolo está no forno, prepare o recheio. Esfarele a paçoca e separe 3 colheres (sopa) para decorar. Em uma panela, misture a paçoca com o leite condensado e leve ao fogo médio, mexendo sempre, por 4 minutos. Reserve. MODO DE PREPARO (calda)

Junte a água e o açúcar e leve ao fogo baixo, mexendo até formar uma calda. MONTAGEM

FÁCIL DE FAZER PARA AS FESTAS JUNINAS E JULINAS

Corte o bolo ao meio formando dois discos. Passe um disco em um prato de servir e umedeça com metade da calda. Espalhe a metade do creme de paçoca e coloque o outro disco. Regue com o restante da calda, cubra com o creme de paçoca restante e decore com a paçoca reservada. Leve à geladeira até a hora de servir. RENDIMENTO: 14 porções

INGREDIENTES (bolo e recheio) 1 embalagem de mistura para bolo

FOTOS: Divulgação

Bolo de milho com paçoca 400g paçoca 1 lata de leite condensado

Dona Benta sabor milho verde 150 ml de leite 3 ovos 2 colheres (sopa) margarina

42

Bianchini Gastronomia

INGREDIENTES (calda) 1 xícara (chá) de água ½ xícara (chá) de açúcar

Facas para bolo serrilhadas coloridas, 65 reais, O Segredo do Victório


Bianchini Gastronomia

43


“marvada” guia de cachaça

A revanche da

Da senzala aos botecos, e dos botecos a restaurantes finos e casas noturnas do mundo todo, a nossa cachaça finalmente ganha o seu merecido respeito entre as bebidas de sua categoria e passa a ser páreo aos mais sofisticados vinhos e uísques escoceses. por vanessa olivier [vanessa@editoraa2.com.br]

E

la foi eleita um dos melhores coquetéis do mundo pela Associação Internacional de Barternders. A revista inglesa Drinks International, bíblia dos produtores de bebidas, a colocou na lista das dez mais famosas misturas do planeta. E a americana In Style disse que ela foi o drink mais importante do século. Estamos falando da caipirinha – a bebida brasileira que leva a cachaça como o seu principal ingrediente, seguido do limão, gelo e açúcar. No entanto, não é apenas no coquetel que a aguardente faz sucesso no mercado internacional. Presente em diversos pontos badalados do mundo, a bebida típica brasileira galgou degraus e ganhou espaço no cardápio da elite, com o status de descolada e chique. Mas se você ainda acha (ou prefere acreditar) que a cachaça é bebida de segunda linha (em outras palavras, coisa de pobre), melhor rever seus conceitos. Segunda bebida mais consumida no Brasil, perdendo apenas para a cerveja, e terceira destilada mais consumida no mundo, a cachaça foi descoberta há quase 500 anos. Sua produção, de maneira clandestina, foi

44

Bianchini Gastronomia

iniciada pelos escravos que trabalhavam nas plantações de cana de açúcar. Com o tempo, a bebida foi sendo aperfeiçoada, mas sempre na clandestinidade e apreciada principalmente pela população de baixa renda, o que contribuiu para a associação de sua imagem a um produto de má qualidade. Mas ela deu a volta por cima, conquistou apreciadores no mundo todo e passou a ter destaque na carta de restaurantes e hotéis de luxo, com o respaldo de grandes chefs de cozinha e especialistas no assunto. Porém, tanto glamour é mais do que justificado. Assim como o vinho, a preparação da “caninha” exige uma série de cuidados e uma boa parcela de investimento. Depois de passar por todas as etapas de fabricação, a cachaça ainda pode (ou não) ser armazenada em tonéis de madeira para “envelhecer” e, com isso, alcançar o sabor, aroma e cor desejada, tornando-se uma bebida diferenciada e extremamente especial. Para entender o mundo peculiar da nossa cachaça, convidamos você a saborear bons “tragos” de informações sobre o seu processo de produção e reveladores “goles” das principais características inerentes a toda boa “marvada”.


Bianchini Gastronomia

45


guia de cachaça

Segredos da “birit a” Detalhes que começam desde a preparação do solo para o plantio da cana até a etapa final de produção da bebida – a destilação ou o envelhecimento – diferenciam um produto de boa ou má qualidade. Mas para saber se a cachaça é boa, nada de virar o copo de uma só vez. Siga as dicas do fundador e presidente da cachaçaria Água Doce, Delfino Golfeto, considerado o “embaixador da cachaça no Brasil”, que chega a degustar 50 doses por dia. Em primeiro lugar, é preciso escolher o copo ideal: um cálice *de cristal transparente, liso, de boca larga e com altura de 6 dedos. Coloque 3 dedos da bebida no copo. Em seguida, movi*mente-o cuidadosamente fazendo o líquido se aproximar da

borda e voltar logo depois ao seu nível. Se ficar uma porção da bebida nas paredes do cálice, como uma cortina oleosa escorrendo lentamente, é sinal de que a cachaça é encorpada. despejar a bebida no copo, ou sacudi-la vigorosamente ain*da Ao dentro da garrafa, a formação de espuma na parte de cima é também uma boa técnica para avaliar se a cachaça tem uma boa destilação e graduação alcoólica. Essa espuma deverá se diluir rapidamente, dando lugar a um “rosário”, como se fossem minúsculas bolhas de sabão, que também desaparecerão em pouco mais de 10 segundos. Para medir a pureza da bebida, em um ambiente bem ilu*minado, levante o copo sob uma parede branca. Se o líquido estiver cristalino, você está com um produto de boa qualidade nas mãos. de beber, sinta o buquê (perfume) da pinga. O aroma *deveAntes ser agradável e a exalação não pode arder nos olhos. Ao provar a bebida, deixe-a entre a língua e os dentes, por *alguns segundo, a fim de sentir a sua acidez. Se ela começar a dar beliscadinhas na boca, é um indício de que a cachaça não é de boa qualidade. Quando engolir, ela deve descer suave e não “rasgando” ou queimando pela garanta.

De cada 1 tonelada de cana-de-açúcar é produzida entre 70 e 120 litros de cachaça.

46

Bianchini Gastronomia

Eu indico

Combinação perfeita Para Delfino Golfeto, a bebida combina com tudo, principalmente com feijoada e torresmo. “Todo brasileiro, pelo menos uma vez por mês, deveria comer feijoada ou torresmo acompanhado de uma boa cachaça. Não há coisa melhor”, diz. Porém, mais do que conhecer as cachaças que melhor se harmonizam com cada prato, é preciso saber o tipo da bebida recomendada para cada momento da refeição. O chef e cachacista Rodrigo Oliveira, que comanda o restaurante Mocotó, em São Paulo, ensina três regras básicas para saborear a cachaça, ressaltando tanto o seu sabor quanto o da comida:

Entrada: antes da refeição, prefira uma cachaça branca, de sabor neutro, ou que tenha sido envelhecida em madeiras sutis, como Amendoim, Ariribá e Grápia. Durante a refeição: opte por uma bebida moderada, envelhecida em madeira Bálsamo, com sabor e aroma mais leve. Digestivo: o término da refeição (ou durante a sobremesa) é o momento de apreciar uma cachaça com características mais fortes, devendo ser envelhecida em madeiras marcantes, como Carvalho e Umburana.

Cachaça do Chef Primeira cachaça especial para culinária, lançada pelo empresário Sidnei de Souza, de Porto Feliz, a bebida é uma composição gastronômica única do seu gênero. A integração de aromas naturais na cachaça traz uma extraordinária potência gustativa, que valoriza em grande parte as preparações de diversos pratos. A bebida é preparada em duas versões – verde (aromatizada com folhas de louro e alecrim) e vermelha (com louro, alecrim e duas pequenas pimentas malagueta). Pode ser usada tanto no tempero de carnes antes e após a preparação. Informações: (15) 3262-9717.

Alexsander Albert Santana, analista de sistemas, apreciador em fase de especialização e um dos idealizadores do evento Amigos da Cachaça, de Jundiaí. Sagatiba Preciosa (SP) 700ml (cerca de 470 reais). ”De cor amarela e envelhecida em barris de Carvalho durante 24 anos, possui aroma adocicado, cor dourada e tem um sabor único. Não queima e deixa um ótimo gosto na boca”. Cachaça Seleta (MG), 670ml, (cerca de 18,94 reais) e Ferreira Januária, 600ml, (cerca de 22,50 reais). “Ambas envelhecidas na madeira Amburana, têm cheiro agradável, são suaves e ótimas para beber antes ou depois das refeições, geladas e acompanhadas de um tira-gosto”.


Cachaças da região Conheça as principais cachaças produzidas em Sorocaba e região. ● Sorocaba

canacrioula.com.br

● Porto Feliz

Velha Estação Características: Foi eleita a terceira melhor do Estado, na categoria envelhecida, no 2º Concurso Paulista da Cachaça de Alambique. Produtor: Comercial Souza Campos Informações: (15) 3262-9717 ou pelo site www.velhaestacao.com.br

Spirit Café Características: Possui paladar suave, aroma e sabor provindos da mistura de cachaça com café. Produtor: Grupo Octton Informações: (15) 3302-3010 ou pelo site www.octton.com.br Monções Características: A cachaça Monções tem três versões – Prata (envelhecida em tonéis de Pinho de Araucária), Bronze (envelhecida em tonéis de Umburana) e Ouro (envelhecida em tonéis de Carvalho). Produtor: Comercial Souza Campos Informações: (15) 3262-9717 ou pelo site www. cachacamoncoes.com.br Cana Crioula Características: Primeira cachaça preta do mundo, a bebida é baseada em duas cachaças armazenadas em tonéis de Carvalho e de Jatobá, por cerca de 6 meses. Essa mistura produz uma bebida de coloração escura, quase marrom. A cor final, preta e sem transparência, é resultado da adição de extrato neutro de caramelo de milho. Produtor: Comercial Souza Campos Informações: (15) 3262-9717 ou pelo site www.

Convenção de Itu Características: A bebida leva no rótulo um dos mais importantes acontecimentos da história do Brasil – a Convenção de Itu. Produtor: Comercial Souza Campos, do empresário Sidnei de Souza. Informações: (15) 3262-9717

● Boituva

Caninha Rosa / Três Coronéis Características: São produzidas na Fazenda do Pinhal, em Boituva, e envelhecidas em tonéis de Carvalho. Produtor: Rosa Indústria e Comércio de Produtos Agrícolas Informações: (15) 3263-1758

● Itapetininga

Cachaça Mulata Características: Produzida a partir da cana de açúcar orgânica, a cachaça tem sabor encorpado, porém,

Tipos de cachaça Branca, Prata ou Tradicional: é armazenada em recipientes neutros que não agregam cor à bebida. Envelhecida, Amarela ou Ouro: contém, no mínimo, 50% de cachaça nova envelhecida em recipiente de madeira apropriado, por um período mínimo de um ano. Premium: contém 100% de cachaça envelhecida em recipiente de madeira apropriado, por um período mínimo de um ano.

Keila Ceramitaro, publicitária, apreciadora Weber Haus Reserva Especial (RS), 700ml, (cerca de 79 reais). “É uma cachaça especial, com excelente aroma, sabor agradável e suave”. Sagatiba Prata (SP) 700ml (cerca de 19,80 reais). “Gosto muito da Sagatiba por ser suave e ótima para elaborar drinks, que são minhas bebidas preferidas”.

suave, e é armazenada em tonéis de aço inoxidável. Produtor: Cana Brazilis Informações: (11) 2097-0366 ou pelo site www. canabrazilis.com.br

● Cerquilho

Socana Esmeralda Características: Tratada em barris de Carvalho, é ideal para ser degustada como aperitivo, após refeições ou café. Produtor: Socana Cachaça Informações: www.socana.com.br Socana Água Marinha Características: Tratada em barris de Jequitibá Rosa, mantém cor e sabor originais. Ideal para a elaboração de caipirinhas ou coquetéis. Produtor: Socana Cachaça Informações: www.socana.com.br

● São Roque

Nhonhô Características: Marca consolidada no mercado nacional e internacional, a cachaça Nhonhô é envelhecida em tonéis de Carvalho. Produtor: EPRIS – Empresa de Produtos Internacionais Informações: (11) 4711-1758 ou pelo site www. epris.com.br

Extra Premium: contém 100% de cachaça envelhecida em recipiente de madeira apropriado, por um período mínimo de três anos. Reserva Especial: possui características sensoriais diferenciadas, que devem ser comprovadas por laboratórios públicos ou privados reconhecidos pelo MAPA – Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Adoçada: contém açúcares em quantidade superior a 6g/1 e inferior a 30g/1, expressos em sacarose.

Delfino Golfeto, fundador da Água Doce Cachaçaria Anísio Santiago, 600ml, (cerca de 160 reais). “É uma excelente bebida, envelhecida em Bálsamo por cerca de 5 anos, que envolve muitos cuidados e higiene durante o seu processo de produção”. Doce Trago (cerca de 15 reais). “É suave, levemente adocicada e envelhecida em tonéis de Carvalho”.

Bianchini Gastronomia

47


guia de cachaça Maternidade da cachaça Semelhante ao processo de fabricação do etanol combustível, a produção da cachaça, tanto artesanal quanto industrial, obedece basicamente a seis etapas: plantio, colheita, moagem, fermentação, destilação e envelhecimento. Plantio Para que a plantação se desenvolva melhor, a cana de açúcar precisa de solos arenosos e menos férteis, como os de cerrado. No Brasil, os períodos de colheita são determinados pelas diferenças climáticas regionais. No Norte e Nordeste, por exemplo, a produção começa em agosto e vai até abril. Nas outras regiões, a safra normalmente se inicia em maio e se estende até dezembro. Colheita É preciso que a planta seja colhida no ponto, sem queima, em seu estágio mais doce. Alguns produtores queimam o canavial para facilitar o corte, o que acaba interferindo no gosto da cachaça, tornando-o mais forte. Para a fabricação de uma boa cachaça, o teor de açúcar na garapa deve estar entre 20 e 24 brix de campo (o nível é medido com um aparelho chamado sacarímetro de brix). Moagem Depois de colhida, a cana é transportada a um depósito, que deve ser coberto, fresco e protegido do sol e da chuva. Num prazo de 24 a 30 horas, a colheita é levada às moendas para extrair seu caldo, também conhecido como garapa. Durante a moagem, é obtido um subproduto – o bagaço –, que poderá ser utilizado na alimentação de ruminantes, fabricação de embalagens artesanais, adubo, produção de energia etc.

Fermentação O caldo extraído da planta vai para dor-

nas de fermentação, permanecendo durante um período de, no máximo, 24 horas. O fermento utilizado é a levedura Saccharomyces cerevisae, comumente encontrada em supermercados e padarias. Nas pequenas fábricas, geralmente é o próprio produtor que fabrica seu fermento, conhecido como fermento caipira – mistura de garapa com fubá, ou com outros materiais, como farelo de arroz, por exemplo. Esse processo depende de vários fatores, como maturidade certa da cana, padronização do brix (teor de açúcar) da garapa antes de entrar na dorna, sanidade (baixa incidência de brocas) e composição do caldo (cana deficiente em alguns elementos poderá causar alteração nas bactérias sacharomices, diminuindo assim sua atividade). Geralmente, quando o caldo começa a soltar borbulhas de forma uniforme e com cheiro agradável – um leve aroma de frutas – é sinal de que a fermentação já está concluída. O líquido resultante desse processo é chamado de vinho. Destilação Retirado das dornas de fermentação, o vinho é encaminhado diretamente à destilação, onde será aquecido com fogo direto ou indireto. O objetivo desta etapa é separar os componentes voláteis (água e álcool etílico, além de outros álcoois) das bebidas fermentadas dos compostos fixos (sais em geral, corantes e material particulado, como o bagacilho), ou seja, daqueles que não evaporam. Neste processo, o álcool inicial (cabeça) e final (calda) são descartados, aproveitando-se apenas o do meio da destilação (corpo ou coração, com

Anualmente, o mercado brasileiro da cachaça consome cerca de 1,4 bilhão de litros de cachaça.

Mais cara e melhor A Anísio Santiago, fabricada em Salinas, Minas Gerais, foi eleita a melhor do Brasil, no guia 2010 da revista Veja, e no ranking 2009 elaborado pela revista Playboy. No câmbio oficial, é vendida por 160 reais, valor do naipe dos melhores uísques escoceses 12 anos.

48

Bianchini Gastronomia

teor alcoólico entre 39gl e 45gl), equivalente a 80% do material destilado. De cada 1 tonelada de cana é produzida entre 70 e 120 litros de cachaça. Envelhecimento Pronta a cachaça, fica ao critério do fabricante transportá-la ou não para tonéis de madeira para envelhecimento – processo que consiste em armazenar o produto em local adequado para que ocorram as transformações químicas responsáveis por um aroma e sabor mais agradáveis do que a cachaça recém destilada. O tipo da madeira dos tonéis é fundamental, pois os álcoois existentes no produto extraem componentes da madeira, que se somam à bebida e que irão compor o buquê (aroma) e o sabor da cachaça. Portanto, são várias as opções de madeiras utilizadas pelos produtores de cachaça de alambique, entre elas, Amburana, Jequitibá, Carvalho, Bálsamo etc. O tempo de envelhecimento, em geral, é em torno de um ano, podendo se estender até 10 anos. A cachaça apenas estará pronta para o engarrafamento quando atingir a plenitude do sabor e do aroma. Segundo a legislação brasileira, só poderá levar a denominação de envelhecida no rótulo, a cachaça que possuir ao menos metade de seu volume de aguardente de cana envelhecida. Este envelhecimento deve ser de, no mínimo, um ano, em barricas de madeiras aprovadas para este fim, com capacidade máxima para abrigar 700 litros.

Museu da Cachaça de Iperó

Em 50 anos, o colecionador Emílio José Guazzelli, de Iperó, conseguiu reunir verdadeiras preciosidades da bebida genuinamente brasileira. Seu acervo conta com mais de 3 mil marcas nacionais e internacionais de cachaça. As garrafas, que são cuidadosamente armazenadas e rotuladas, ficam expostas num casarão construído em 1915, Estrada Iperó a Sorocaba, km 7, Vila Nova Era, bairro Bacaetava, Iperó. Tel: (15) 3266-1562.


Bianchini Gastronomia

49


et iquet a

por mariana rossi [mariana@editoraa2.com.br]

Comprando

com classe

F

ilas enormes, estacionamentos lotados, carrinhos com rodinhas desalinhadas, crianças chorando, suor e muito estresse. Não é porque existe uma total ausência de glamour no ato de ir ao supermercado fazer compras que é permitido deixar de lado o senso de etiqueta e de boas maneiras. Pelo contrário, este é um ambiente de convívio social mais do que perfeito para exercer sua boa educação, gentileza, respeito e, claro, uma capacidade sobrenatural de ter paciência com o próximo. Consultora de etiqueta há mais de 11 anos em Porto Alegre, Susi Obal sugere dicas que, com certeza, farão das compras uma tarefa muito mais civilizada, tranquila e prazerosa.

*

Não importa o nível do seu nervosismo com a falta de vagas: não caia em tentação parando naquelas dedicadas aos idosos e deficientes físicos. Respeite os sentidos das ruas indicados nas placas. Não roube vaga de alguém que está esperando. Nada justifica tamanha falta de educação. Se alguém roubar sua vaga, você pode até avisá-lo e pedir para que ele saia, mas arrumar briga no estacionamento do supermercado, simplesmente, não vale a pena! Cada carro deve ocupar uma vaga – você se irritaria com um carro parado de maneira torta, então não faça o mesmo. E no caso de ver algum, você pode ajudá-lo a ser um cidadão melhor deixando um recadinho em seu pára-brisa (só não vale ofensas e palavrões!). Na hora de ir embora, jamais deixe seu carrinho no meio de uma vaga ou atrás de um carro. Leve-o até o “estacionamento de carrinhos de compra”.

* * * * *

Dent ro do supermercado Esteja sempre atento ao seu carrinho para não esbarrar em outros, ou nos pés de outras pessoas. Nunca deixe-o solto no meio dos corredores, às vezes já estreitos, com ilhas e gôndolas de produtos expostos. Peça licença para entrar na frente de alguém e pegar um determinado produto.

50

Bianchini Gastronomia

Ao encontrar uma amiga durante as compras, certifiquem-se de que não estão atrapalhando a passagem com seus carrinhos – procurem um local mais afastado para conversar. Se seu filho fica correndo pelos corredores, brincando com os produtos, ou se começa a chorar e gritar quando quer ir embora, é melhor não levá-lo. Se não tiver escolha, exija que ele se comporte, sempre explicando as atitudes que espera dele.

Na fila

*

Antes de entrar numa fila, confira se pegou tudo o que precisa e, principalmente, se as frutas, verduras e legumes podem ser pesadas no caixa ou se é você quem deve fazê-lo em outro lugar: obrigar as pessoas da fila toda esperarem você pegar um produto ou pesá-lo é muito desagradável. Se tiver alguma reclamação a fazer com relação ao número de caixas abertos ou qualquer coisa desta natureza, peça educadamente para falar com o gerente – sem gritos ou ameaças com o funcionário do caixa (ele só está fazendo seu trabalho!). Lembre-se que todos ali têm certa pressa e outros afazeres, não adianta perder a paciência com filas, especialmente, em dias de promoção, horários de pico, dias de chuva etc. Uma boa dica é levar um Mp3 para ouvir música, um livro para ler, enfim, se distrair durante a fila pode contribuir (e muito) para tornar esse momento bem menos estressante.

* * *

FOTO: istock.com / catherine yeulet

No estacionamento

Um livro de bolso, um mp3 ou um joguinho de celular podem ser a solução para o estresse em supermercados lotados


Bianchini Gastronomia

51


endereços

ÁGUA NA BOCA O SEGREDO DO VICTÓRIO www.osegredodovictorio.com.br SHOPPING M Av. Antonio Carlos Comitre, 295, tel.: (15) 2101-9200. Sorocaba/SP. EDITORIAIS CASA CARAMBELLA Av. Barão de Tatuí, 314, tel.: (15) 3233-8656. Sorocaba/SP. CELLAR EXPERTS Mercadão Campolim, box 44/45 e 51, tel.: (15) 32349855. Sorocaba/SP. MARIA LUCIA FLORES Rua Pará, 102, tel.: (15) 3011-2417. Sorocaba/SP. TOMAZ PRESENTES Av. Cel. Nogueira Padilha, 494, tel.: (15) 3232-4925. Sorocaba/SP. UTILITÉ Av. Barão de Tatuí, 1358, tel.: (15) 3234-8132. Sorocaba/SP. NUTRIÇÃO FRUTO AMARELO Rua Senador Vergueiro, 46, tel.: (15) 3211-5346. Sorocaba/SP. MUNDO VERDE Rua da Penha, 950, tel.: (15) 3411-7859. Sorocaba/SP. SUPERMERCEARIA SÂO BENTO Rua da Penha, 1176, tel.: (15) 3233-0641. Sorocaba/SP. PANELINHA EBANUS PRESENTES Av. Gal. Carneiro, 2254, tel.: (15) 3221-1223. Sorocaba/SP. EMPÓRIO MARIA MADAME Esplanada Shopping, tel.: (15) 3233-9090. Sorocaba/SP. IBITZA Rua Comendador Oeterer, 556, tel.: (15) 3232-6157. Sorocaba/SP. KONSULFREÉ Sorocaba Shopping, tel.: (15) 3231-2848. Sorocaba/SP. SHOPPING M Av. Antonio Carlos Comitre, 295, tel.: (15) 2101-9200. Sorocaba/SP. TOMAZ PRESENTES Av. Cel. Nogueira Padilha, 494, tel.: (15) 3232-4925. Sorocaba/SP. UTILITÉ Av. Barão de Tatuí, 1358, tel.: (15) 3234-8132. Sorocaba/SP. SUAS COMPRAS EMPÓRIO MARIA MADAME Esplanada Shopping, tel.: (15) 3233-9090. Sorocaba/SP. TOMAZ PRESENTES Av. Cel. Nogueira Padilha, 494, tel.: (15) 3232-4925. Sorocaba/SP. UTILITÉ Av. Barão de Tatuí, 1358, tel.: (15) 3234-8132. Sorocaba/SP. SHOPPING M Av. Antonio Carlos Comitre, 295, tel.: (15) 2101-9200. Sorocaba/SP. CELLAR EXPERTS Mercadão Campolim, box 44/45 e 51, tel.: (15) 32349855. Sorocaba/SP.

Todos os preços desta edição foram pesquisados em abril e maio de 2010 e estão sujeitos a alterações e quantidades em estoque. Informe-se na loja antes da compra.

52

Bianchini Gastronomia


Bianchini Gastronomia

53


54

Bianchini Gastronomia


Bianchini Gastronomia

55


56

Bianchini Gastronomia


Bianchini Gastronomia

57


58

Bianchini Gastronomia


Bianchini Gastronomia

59


60

Bianchini Gastronomia


Bianchini Gastronomia

61


62

Bianchini Gastronomia


Bianchini Gastronomia

63


64

Bianchini Gastronomia


Bianchini Gastronomia

65


crônica

rolha

por julio cesar gonçalves ilustração joão tiago

O vinho e a

Hoje em dia, três a cada dez garrafas de vinho são vedadas com tampas plásticas, o que vem provocando reações das mais variadas. E com essas e outras, não só uma tradição de 400 anos está ameaçada de desaparecer, como também o ritual de beber vinho pode sofrer mudanças. Afinal de contas, que graça vai ter a gente ficar cheirando tampinha de plástico, não é mesmo?”

66

Bianchini Gastronomia

B

eber vinho não é simplesmente “tomar uma”, mas participar de um verdadeiro ritual: é preciso examinar a garrafa, perceber a cor, ler o rótulo, abrir com cuidado, cheirar a rolha, degustar... E é aí que mora o xis da questão. Pois todo esse rito está ameaçado exatamente por causa das rolhas, que estão no centro de uma disputa que tanto pode ser econômica como ambiental, cultural ou mesmo degustativa, dependendo do ângulo de visão de cada um. Ou todas juntas. É claro que ninguém pede vinho pela rolha, muito pelo contrário. Esse ritual ao deus Baco tem origem já na hora de escolher qual o melhor, para o que é preciso levar em conta a circunstância em que se vai dar o consumo. Se for durante uma refeição, por exemplo, há que se atentar para as combinações. Vinhos doces não devem ser servidos com salgados. Tintos combinam com massas e carnes vermelhas e os brancos com peixes e frutos do mar. Para um encontro romântico, serve de qualquer tipo desde que se esteja a fim de fazer um agrado a alguém. O que não se deve é lembrar de rolhas numa hora dessas! A rolha deve ser lembrada na hora da degustação. Para degustar um vinho e saber se ele está bom, precisam ser considerados fatores como limpidez, transparência, brilho, viscosidade, cor. E, para muitos enófilos, a aparência e o cheiro da rolha. Se ela estiver manchada até a metade, no máximo, é bom sinal, pois indica que a garrafa foi mantida deitada, como se deve. O cheiro permite saber se o sabor está adulterado. Já as rolhas ressecadas sinalizam que pode ter havido oxidação, pois nesse estado elas possibilitam a passagem do ar. Entra aí o problema. As rolhas de cortiça – que começaram a tampar garrafas de vinho em fins do século 17, por obra de um monge beneditino francês chamado Dom Perignon – com a oxidação, ficam sujeitas à contaminação por TCA, substância química que deixa a bebida com sabor de mofo. E isso está abrindo uma brecha para o plástico. Hoje em dia, três a cada dez garrafas de vinho são vedadas com tampas plásticas, o que vem provocando reações das mais variadas. Por ser natural, dizem ambientalistas, a cortiça não provoca danos ao meio ambiente. Ela vem da casca de uma espécie do carvalho, o sobreiro, que demora 25 anos para dar sua primeira safra. Depois disso, as árvores continuam vivas e em pé, mas as cortiças só podem ser retiradas a cada nove anos. Já as tampas de plástico são fabricadas por máquinas que funcionam ininterruptamente e custam menos que dois centavos de dólar, retrucam os adeptos da economia em escala. Os produtores de rolhas de cortiça natural, que se concentram em Portugal – dona de metade da produção mundial – iniciaram na Europa uma campanha de propaganda para tentar reverter a situação. Mas continuam perdendo espaço. E com essas e outras, não só uma tradição de 400 anos está ameaçada de desaparecer, já que a espera e paciência de uns está sendo atropelada pela pressa e urgência de outros, como também o ritual de beber vinho pode sofrer mudanças. Afinal de contas, que graça vai ter a gente ficar cheirando tampinha de plástico, não é mesmo?


Bianchini Gastronomia

67


68

Bianchini Gastronomia

Bianchini Gastronomia | Julho 2010  

Gastronomia de Sorocaba e Região

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you