Page 1


R


HASHTAG # 04

# 01

# 02

# 03

# 05

# 06

# 6.5


#EU SEI UM SEGREDO #ALPHABUZZFEED Uma imagem vale mais que mil palavras. Ela era a única garota que eu nunca quis. Até que eu fiquei com ela. Uma noite. Um erro. Algo que nós dois queríamos esquecer. Eu me livrei da prova. Do pedaço de evidência que podia fazer nós dois nos lembrarmos. Pelo menos, eu pensei que tinha. Quando ela aparece no Buzzfeed da faculdade, os boatos voam. Amizades são testadas e as sensações se tornam reais. Eu não namoro. Eu não abro o meu coração. Especialmente para uma menina que todo mundo sabe que eu odeio. O que acontece nas férias de primavera, fica nas férias de primavera. Até que te segue para casa.


CAPITULO UM Férias de Primavera Roupas e sapatos não são necessários #RoupasOpcionais #OndeVocêEstará ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Bundas estavam em toda parte. Bunda redonda, bunda alegre, bunda que você queria agarrar e bunda que você queria beijar. Eu acho que você poderia dizer que eu era um homem de bunda. E não havia definitivamente lugar melhor para participar de uma exibição do que numa praia onde as garotas gostavam de exibir as suas partes em biquínis minúsculos. Havia algumas garotas que, provavelmente, precisavam de mais cobertura do que um biquíni pequenininho, mas eu ainda olhava. Bunda era bunda. Eu não iria discriminar. Além disso, a confiança era sexy também. Mesmo com todo o colírio para os olhos à mostra, meus olhos ficavam vagando de volta para uma bunda em particular. Cada vez que isso acontecia, meus dentes apertavam e eu dizia mentalmente a mim mesmo que eu era um idiota de merda e era melhor eu manter minha cabeça direita antes que eu fizesse algo de que me arrependesse.


Para ajudar a me distrair da bunda que apenas não iria parar, e meus olhos errantes que não queriam ouvir o meu cérebro, eu bebia cerveja. Não é como se eu tivesse que estar em qualquer outro lugar do que onde estava exatamente. A areia. O surf. O sol e minha família. Nada mais do que eu precisava. Exceto, talvez, a bunda para a qual eu continuava olhando crescer verrugas e uma cauda assim que parasse de olhar. Sim, eu disse que não ia discriminar, mas mesmo um cara como eu tinha padrões. "Você tá bem, cara?" Romeo perguntou à minha esquerda. Nós estávamos sentados em algumas cadeiras de praia na areia. Olhei em sua direção. "Eu não pareço bem para você?" Ele sorriu. "Você está parecendo um pouco tonto." "Todos saúdem Corona!" Eu disse e levantei minha garrafa. Romeo riu. Mais a frente, na água, Rimmel gritou, e nós dois observamos quando ela correu do surfe enquanto caía contra a costa. "Como ela está depois de tudo?" Eu perguntei, ainda olhando para ela. Missy e Ivy estavam na água com Trent, que estava tentando ensiná-las a surfar. Eu dei o crédito ao cara. Ele tinha muito mais paciência do que eu. Rim não estava surfando ou nadando. Na verdade, ela ainda não tinha molhado os dedos dos pés. Não que eu pudesse culpá-la pela aversão que tinha de água. "Ela está aguentando", respondeu Romeo e tomou um gole de sua cerveja. "Esta semana tem sido bom para ela. Sem dramas." A razão pela qual nós estávamos todos ainda aqui desfrutando esta praia da Florida nas férias de primavera era porque Romeo quis dar a Rimmel algo além de todo o drama que eles tinham sido atormentados desde que tinham ficado juntos.


Quer dizer, sério. Os dois poderiam preencher uma temporada inteira da novela favorita de alguma velha senhora com toda a merda que tinham passado. "Ei, cara. Se eu não disse isso, obrigado por me convidar. E por pagar por nossas casas na areia." Eu bati meu polegar sobre meu ombro em direção à casa de praia que Romeo alugou para a semana. Ele deu de ombros. "Nós somos uma família." Ele afastou seus olhos longe de Rim e olhou para mim. Eu podia sentir seu olhar, apesar de sues óculos. "É por isso que eu sei que algo está acontecendo. Existe uma razão pela qual você já está tonto e nós só almoçamos?" "Devo começar a chamar você de mamãe?" Eu perguntei, mas desviei o meu olhar. "Você sabe que eu não dou a mínima se você quer beber. Inferno, eu tenho uma cerveja em minha mão. São férias de primavera. Mas eu conheço você. Qual é?" Eu murmurei uma maldição sob minha respiração. "Não é nada." "Eu poderia chamar Rimmel aqui para atormentar você ", ele ameaçou. Eu gemi. Ela faria também. Bom Deus, ela seria como um maldito cachorro com um osso. Eu tinha um fraco pela minha irmãzinha. Ela ia arrancar isso de mim. Eu não podia deixar isso acontecer. A merda iria bater no ventilador. "Porra nenhuma." Eu gemi. "Olha, eu tenho algumas coisas na minha mente, é só isso. Nada que eu gostaria de dizer em voz alta. Eu vou lidar com isso." Romeo ficou em silêncio por um momento. "Eu posso respeitar isso", disse ele. "Você sabe que eu te protejo, certo? Basta dizer o que precisa." "Sim, eu sei." E eu sabia. Romeo não era apenas o meu melhor amigo. Era como ele disse. Nós éramos família.


Rimmel veio andando até a areia, e eu quase podia ouvir o pico do pulso de Rome em reação. Eu nem sequer precisava olhar para saber que ele estava tomando a forma como ela parecia em sua roupa de banho - que não era um biquíni, graças a Deus. Irmãs e biquínis não se misturavam. Colocando sua cerveja na areia, Romeo estendeu seu braço. Rimmel subiu no colo dele e jogou seus pés para o lado. A areia dos pés dela caiu em todo o meu braço. "Você precisa de mais protetor solar," ela me disse. Eu resmunguei. "Eu estou me bronzeando." "Se pegar qualquer bronze, as pessoas vão confundir você com um índio", ela brincou. "Encontrou algumas conchas bonitas?", perguntou Romeo, chamando sua atenção para longe do meu bronzeado. "Não, a maré está subindo. Eu preciso levantar cedo amanhã. As melhores são encontradas de manhã. Se alguém me deixar sair da cama." Romeo sorriu. "Eu vou deixar você levantar cedo amanhã, se você for para a cama mais cedo esta noite. Você realmente precisa descansar. " "Nós dois sabemos que você não vai deixar a menina descansar de jeito nenhum" eu brinquei. Rimmel riu e me cutucou com os pés cheios de areia. "Que tal isso, B? Quer procurar por conchas comigo na parte da manhã?" "Eu te amo, mas inferno, não. Eu não vou levantar tão cedo. Eu vou ficar de ressaca." Eu levantei a minha cerveja. "A bruta da cerveja." Ela fez uma careta. "Melhor do que Smurf Balls", eu retruquei. Romeo estendeu a mão e nós batemos. "Eu vou na caça às conchas com você amanhã, baby ", disse Romeo.


Atrás dos meus óculos, eu revirei os olhos. Rome estava totalmente dominado. Eu nunca o tinha visto assim antes com ninguém. Rimmel o mudou totalmente, e se eu fosse honesto, ela meio que me mudou também. Não que eu estivesse dominado, mas eu não estava totalmente chocado com o fato de que Rome estava, e isso era alguma coisa. Pelo contrário, às vezes senti uma pontada de ciúme pelo jeito fácil que o casal parecia se conectar. Eu nunca tive esse tipo de relacionamento com uma mulher antes. Não que eu quisesse um. Trent veio correndo e agarrou sua toalha de cima da cadeira próxima. Depois que ele a esfregou sobre o cabelo molhado, ele a estendeu em todos os lugares. Alcançando o cooler, ele agarrou uma cerveja. "Como está indo com o surfe?", perguntou Rimmel. "Essas mulheres teriam uma chance melhor sendo comidas por um tubarão do que realmente ficando em pé numa prancha neste século," ele murmurou, mas então ele sorriu. "É muito, muito divertido." "Como vão as coisas com Missy?" Rimmel perguntou maliciosamente. O fato de que Romeo convidou Trent para tirar um pouco da pressão de Missy e eu acabarmos no mesmo quarto sozinhos o tempo todo era uma espécie de alívio. Eu gostava muito de Missy, mas não havia futuro ali. Nunca haveria. "Ela é uma garota legal". Trent deu de ombros. Eu sabia o que isso significava. Provavelmente não havia um futuro com ele e Missy também. Rim parecia não entender o que eu entendi, porque ela disse : "Você gosta dela?" Romeo e eu rimos. Trent se juntou. "O quê?", Ela disse inocentemente. Romeo esfregou as costas dela. "Você não pode simplesmente perguntar a um cara se ele gosta de uma mulher."


"Bem, por que não?", ela perguntou. "Porque os caras não sentam e conversam sobre seus sentimentos como um bando de meninas ", eu disse a ela. Rimmel revirou os olhos. "Tanto faz." Sorrindo, Trent tomou um gole de cerveja. Ele olhou para as ondas onde Missy e Ivy ainda estavam brincando com a prancha de surf. "Qual é a de Ivy?", perguntou. Mudei o meu olhar para ele. "Ivy?", perguntou Rimmel. Eu ouvi o interesse em seu tom. "Sim. Está saindo com alguém?" Trent respondeu. Eu bebi um pouco de cerveja; que estava ficando quente e com gosto de mijo. "Não, ela não está. Ela não tem namorado muito ultimamente", respondeu Rim, mas a partir do som de sua voz , eu sabia que havia mais naquela afirmação. Eu resmunguei. "Ela provavelmente não pode encontrar um cara querendo lidar com toda aquela manutenção." Rimmel me chutou suavemente. "Ah, uma daquelas minas, hein? " Trent murmurou. "Eu não sei," Romeo saltou. "Ela tem estado muito fria ultimamente. Diferente do que ela costumava ser." Trent olhou para trás até a água. Eu segui seu olhar. As meninas estavam levando a prancha para fora da água e rindo de alguma coisa que estavam falando. Ambas, Missy e Ivy estavam vestindo biquínis, e ambas ostentavam bronzeados dourados legais de todo o tempo que tinham passado lá.


Desviei os olhos e me levantei. "A cerveja precisa de mais gelo. Vou buscar um pouco. " Eu peguei o cooler. "Vocês querem alguma coisa?" "Água," disse Rim. Eu balancei a cabeça. "Água para a minha irmã." As meninas se aproximaram e colocaram a prancha na areia. "Essa coisa pesa quase 50 quilos!" Ivy comentou e pegou uma toalha para começar a enxugar o corpo. Eu não pude deixar de notar a forma como as gotas de água brilhavam em sua pele beijada pelo sol, e a maneira como seu biquini vermelho abraçava todas as curvas justas. Eu me virei e comecei a andar para a casa. Eu definitivamente precisava de outra cerveja.


CAPITULO dois As férias de primavera estão quase no fim. Quanto delas você vai se lembrar? #ÁlcoolLevaÀAmnésia ...Alpha BuzzFeed

I VY Férias de primavera na praia com certeza seria passar em casa com meus irmãos, meus pais, e o resto da minha família que visitavam sem avisar constantemente e gostavam de fazer um milhão de perguntas sobre tudo . Eu amava a minha grande família, mas às vezes era bom evitar todas as perguntas. Especialmente quando passei metade do meu segundo ano na Alpha U fazendo escolhas que desejava não ter feito. A última coisa que eu tinha vontade de fazer era responder perguntas que eu não tinha nenhuma intenção de responder honestamente. Mas isso não importava. Essas coisas tinham acabado. Meus olhos estavam abertos, uma grande parte em agradecimento a Rimmel. Ela me ajudou a perceber que estava tudo bem ser exatamente quem eu era. Eu não tenho que tentar ser a pessoa que pensei que todo mundo queria que eu fosse. Ela também me ensinou que quando o cara certo viesse, ele iria gostar de mim por quem eu sou.


E se ele não o fizesse... ele não valia a pena de qualquer maneira. Parecia que esta era uma lição que eu deveria ter aprendido na escola, não com uma estudante do segundo ano na faculdade, mas talvez eu ainda não tivesse amadurecido. Ok, eu não tinha amadurecido. Eu só tinha provado um pouquinho da minha liberdade desde que cheguei à Alpha U, e agora que eu não estava constantemente cercada pela família que observava cada movimento meu, eu tinha mais espaço para experimentar as coisas . E eu tentei muitas coisas. A maioria das quais me arrependi. Mas não mais. Eu não ia ser a garota que festejava e bebia muito. Eu não ia dormir com caras aleatórios, pensando que isso poderia me levar ao Sr. Certo. E eu certamente não ia chegar tão bêbada que algum psicopata poderia se aproveitar e machucar as pessoas com as quais eu me importava. Fechei os olhos com o pensamento. Ainda me fazia sentir suja mesmo agora depois de meses mais tarde. Parecia que não importava o quanto tentei me distanciar dele ou tentei esquecer. Não havia como me esquecer que eu tinha dormido com Zach. Na verdade, eu não me lembro muito do sexo em si. Eu só lembrava de voltar para o meu dormitório com ele, algumas preliminares, e acordar nua quando Rimmel veio para casa no dia seguinte. Deus, eu tinha ficado mortificada quando acordei totalmente e percebi o que aconteceu. Até tentei dizer a mim mesma que nós não tínhamos realmente dormido juntos, que talvez ele tivesse saído antes de ir muito longe. Mas eu não pude negar por muito tempo. Eu senti a prova entre as minhas pernas no segundo em que me levantei. Estremeci e tentei interromper os meus pensamentos.


Mas eles eram persistentes. Eu não sei o que era pior: o fato de ter dormido com Zach ou o fato de que não tinha usado um preservativo. Deus. Eu poderia me valorizar menos? E depois descobrir que ele me usou para machucar Rimmel, uma de minhas melhores amigas? Não havia bastante sabão no Wal-Mart que pudesse me fazer sentir limpa novamente. Então eu prometi me despedir do álcool. Eu ainda iria beber - ainda estava na faculdade, afinal das contas -, mas nunca o suficiente para me deixar chegar a esse ponto de novo. Nunca o suficiente para não saber o que estava fazendo. Se eu pudesse esquecer. Se eu pudesse apagar o fato de que deixei ele me tocar. O som das portas deslizantes de vidro atrás de mim interrompeu meus pensamentos, e olhei por cima do meu ombro. Meu corpo ficou tenso quando vi quem era, e revirei os olhos. "O que você quer?" "Só vindo para me certificar de que você não está queimando o meu jantar", brincou Braeden quando chegou mais perto. Eu estava em pé na frente da churrasqueira, o cheiro de carvão e hambúrgueres enchendo o ar fresco ao nosso redor. "Eu sei como usar uma churrasqueira," eu bati. "Mas você não sabe como eu gosto da minha carne ", ele incitou, parando logo atrás de mim. Eu senti sua respiração quando ele se inclinou, bem ao lado da minha orelha. "Levemente rosado no meio." Minha língua deslizou sobre os dentes. "Você cheira como uma cervejaria." Eu me virei e o empurrei para longe. "É nojento."


Ele tropeçou um passo para trás, mas não foi muito longe. Ele não estava usando uma camisa. Ele era todo músculos bronzeados e shorts de cintura baixa. Era totalmente perturbador. Voltei-me para a churrasqueira e levantei a tampa para verificar os hambúrgueres. Eu o senti atrás de mim novamente, espiando por cima do meu ombro. "Eles parecem estar prontos." "Eles precisam de mais alguns minutos," eu argumentei. Ele fez um barulho rude e alcançou em volta de mim para agarrar a espátula da minha mão. Eu empurrei fora antes que ele pudesse. "Olha", ele rosnou, e chegou mais perto na minha volta, tanto que eu podia sentir a parede sólida de seu peito amplo contra minhas costas. Gentilmente, ele envolveu sua mão ao redor da alça do utensílio, logo acima de onde a minha estava. Eu disse a mim mesma que o cheiro que sentia era porque minha pele estava muito perto da chama aberta. Comecei a empurrar de volta, mas ele aumentou o aperto e deu um passo mais perto. "Você precisa de uma lição", ele murmurou. Eu estava totalmente cercada por ele. Deus, ele tinha sido sempre tão alto? Ele se elevou sobre mim, ao meu redor. A maneira como ele movimentou seu braço, era quase como se ele estivesse em volta de mim. Eu estava praticamente rodeada por ele. Eu não poderia voltar porque ele estava lá. Eu não podia correr para a frente porque a churrasqueira quente estava lá. Tudo o que eu podia fazer era ficar ali. E senti-lo. Ele moveu a borda da espátula e cortou no centro de um dos hambúrgueres .


"Viu? Perfeição." "Eu não posso ver nada," eu resmunguei. Para ser franca, eu não estava sequer olhando para o que ele estava me mostrando. Não conseguia me concentrar. Eu deveria ter simplesmente concordado. Seu outro braço veio ao redor de mim, então fiquei completamente envolvida nele. Se eu inclinasse minha cabeça para trás, ela iria descansar naquele lugar oco entre o pescoço e o ombro dele. Eu imaginei como seria a sensação, quão seguro isso me faria sentir. "Você pode ver agora?", ele dizia. Eu empurrei e olhei para baixo. Graças a Deus, ele não podia ver meu rosto, certamente minhas bochechas estariam vermelhas. Usando as duas mãos, ele me mostrou dentro do hambúrguer . Ele estava certo. Estava próximo da perfeição . "Tudo bem, " eu falei aspera. "Eles estão prontos. " Rindo, ele se afastou. "Claro que estão. Eu estou sempre certo." "Que seja, " eu murmurei e contornei, então eu não estava tão perto dele . "Se você está tão preocupado com a sua carne, então você termine de cozinhá-la. " Empurrei o prato que eu tinha trazido para fora para colocar os hambúrgueres. Seu sorriso divertido me fez querer bater na cabeça dele com aquilo. Ele tomou de minhas mãos. "Bem. Eu vou." "Tudo bem," Eu falei irritada e, em seguida, pisei fora em direção à casa. No interior, Rimmel estava de pé na cozinha com um enorme recipiente de morangos na frente dela. "Por favor, diga-me que estes são para daiquiris."


"Você pega o álcool, Vou pegar o liquidificador," ela disse. Eu não ia ficar tão bêbada que esqueceria qualquer coisa. Mas iria beber apenas o suficiente para talvez esquecer o sentimento de Braeden contra mim.


CAPITULO tres O álcool é o soro da verdade final. Tenha cuidado com quem você bebe. #AVerdadeSempreVemÀTona ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Eu não tinha certeza de que horas eram quando saí da casa e fui para o convés. Era tarde, bem depois da meia-noite, e todos os outros tinham ido para a cama horas atrás. Eu não conseguia dormir. Eu me sentia inquieto e um pouquinho sufocado. A lua estava pesada no céu de veludo, os raios brilhantes cintilando nas ondas do mar e fazendo a água parecer que estava dançando com glitter. O som do bater das ondas quebrando contra a costa era alto, tão alto que poderia abafar os pensamentos de um homem. Eu apoiei meus antebraços sobre a grade e olhei em frente à praia. Nunca parava de se mover, mesmo quando todos os outros dormiam, e por alguma razão, a constante que isso representava acalmou tudo o que estava acontecendo dentro de mim. Havia mais estrelas no céu aqui do que eu tinha visto em qualquer outro lugar. Elas enchiam a noite com pontos de luz, quebrando a negra escuridão. Amanhã, nós todos vamos fazer as malas e pegar um avião. Infelizmente, a praia e as estrelas seriam substituídas por ar gelado da primavera e as provas finais semestrais. Romeo estaria partindo para o treinamento de campo em breve, e a maioria dos outros estaria partindo para o verão, de volta para onde quer que eles vieram.


Depois, seria apenas eu. E, provavelmente, Rim. No próximo outono, quando as aulas começassem, Rome estaria contratado pela NFL, e a vida universitária iria continuar, mas tudo ia ser diferente. Eu já sentia isso mudando. O vento soprou fora da água, puxando meus shorts e escovando contra minha pele. Isso também trouxe consigo um som diferente da calma da noite. Meu corpo ficou rígido e eu empurrei para fora da grade, olhando para a areia. Eu não vi nada. Mas alguém estava lá. Um grito saltou ao redor com o vento chicoteando. Parecia perto, mas era um truque do vento? Outro grito estridente perfurou a noite. Sem outro pensamento, eu rasguei o convés e corri pelo conjunto de escadas privadas que levavam à praia. A areia estava muito mais fria, sem os raios do sol para aquecê-la, e meus pés descalços afundaram nela enquanto eu corria na direção de onde o grito tinha vindo. Aqui embaixo, vi a forma de uma mulher movendo-se rapidamente através da escuridão na areia. Eu soube o instante em que ela me viu, porque ela inclinou o corpo em direção ao meu e acelerou seu ritmo. "O que.." Minha pergunta foi cortada quando ela pulou em mim. A cadela louca literalmente se jogou em mim, praticamente subindo em meu corpo e enrolando as pernas em volta da minha cintura. "Basta", eu disse, mesmo quando meus braços fecharam ao redor dela. "O que está errado?"


"Braeden, graças a Deus você está aqui!" Minha cabeça se levantou para a voz familiar. Eu peguei um flash de cabelo loiro esvoaçante ao seu redor antes dela abaixar a cabeça na curva do meu pescoço. "Ivy", eu rosnei. O que diabos ela estava tentando fazer? Deus, essa garota era complicada. Agarrei-a pela cintura para puxá-la de cima de mim, mas ela fez um som e apertou os braços e pernas. Foi então que senti o leve tremor em seus braços. Certo, talvez isso não foi um ato. Talvez algo tivesse acontecido. "Ei?" Eu murmurei. Sem pensar, eu esfreguei suas costas suavemente. "O que está acontecendo?" Sua voz foi abafada contra a minha pele. Tudo o que eu ouvi foi: " – me atacou. " Meu corpo inteiro ficou rígido. Alguém, porra, a atacou? Oh, inferno, não. Ivy e eu podemos não gostar muito um do outro, mas ela era a melhor amiga da Rimmel. E, além disso, nós estávamos saindo há meses. Ivy não era de todo má. Ela certamente não merecia ser atacada. "Quem?", perguntei, examinando a praia por algum cara que estava prestes a ter sua bunda chutada. "Dói ", ela lamentou. Meu brilho bateu de volta para ela e ela olhou para mim com os olhos arregalados. Algo em mim mudou. "O que dói?", perguntei em voz baixa. "Meu dedo do pé. " Eu juro o seu lábio inferior se projetava em um beicinho. Espere. O quê? Eu balancei minha cabeça. "Você acabou de dizer que o seu dedo do pé dói?"


"Você não estava ouvindo?", ela perguntou. "Algum caranguejo irritado me atacou!" Eu pisquei. Um caranguejo a atacou? Esta menina estava fora da porra da cadeia. "Você quer dizer que está se agarrando em mim porque um caranguejo beliscou seu dedo do pé?" "Eu acho que está sangrando", ela respondeu séria. "Era realmente um caranguejo grande, irritado." Eu ri e o vento levou o som até a praia. Eu esperava que o caranguejo tenha ouvido. "Ele provavelmente deu uma olhada em você e atacou". "Não é engraçado!", ela retrucou. É certo como o inferno que era engraçado. Eu espalmei sua cintura, desfrutando - um pouco demais - do jeito que mergulhavam em cada lado, como se ela fosse construída apenas para as minhas mãos, e tentei erguê-la de mim mais uma vez. Gritando, ela lutou para se pendurar . "E agora? " Eu suspirei. "Eu não vou colocar meus pés lá embaixo de novo." "Você quer dizer lá embaixo na terra onde as pessoas andam?", perguntei secamente. "Está escuro. Pode haver mais caranguejos." "Bem, nós estamos na praia," eu raciocinei. Ela estendeu a mão e puxou meu cabelo. "Ai!" Eu gritei . "Pare de zombar de mim!", ela exigiu. "Doeu e eu me recuso a andar. "


"E você acha que eu vou levar você?" Eu zombei. Esta garota precisava de uma chamada séria. "Por favor?" Seus dedos, que ainda estavam no meu cabelo, aproximaram-se e alisaram onde ela simplesmente puxou. Calafrios espalharam pelos meus braços nus. O vento aqui estava ficando frio. "Tudo bem", eu murmurei. Seria mais fácil transportar o seu traseiro cheio de curvas de volta para a casa do que ficar aqui e discutir com ela sobre andar. Além disso, no segundo que eu a colocasse para baixo, ela provavelmente começaria a gritar novamente. Ninguém tem tempo para isso. Ela suspirou como se o fato de que ela não tinha que caminhar fosse um grande alívio, e se inclinou para envolver os braços ao redor do meu pescoço. Seu queixo descansou no meu ombro, e ela balançou o traseiro um pouco mais perto, apertando as pernas ao meu redor. Eu não gostava de Ivy. Mas eu era um cara. Ela estava toda pressionada em todo o meu peito nu e suas pernas estavam em volta da minha cintura. Obviamente, todo o pensamento foi para o sul, e um monte de sangue começou a correr dessa maneira, também. "O que diabos você está mesmo fazendo aqui fora tão tarde?" Eu perguntei bruscamente quando comecei a andar. "É a nossa última noite. Eu queria passar tanto tempo na praia quanto pudesse." "Como funcionou para você?" "Ha-ha." Eu estava prestes a dizer que ela precisava entrar em uma dieta quando ela virou a cabeça, então sua bochecha foi apoiada no meu ombro e um


suspiro correu para fora de sua boca. Senti sua respiração dançar ao longo da minha pele. Ela realmente não era tão pesada. Quando cheguei às escadas para a casa, eu hesitei, imaginando que ela poderia subir os malditos degraus ela mesma. Mas eu não queria colocá-la no chão. Eu continuei andando, ainda apoiando seu peso e ao meu. Na parte superior, eu andei alguns metros através do piso que levavam à casa. Dentro estava completamente escuro e quieto. Mas todo o resto ao nosso redor parecia estar carregado de energia. "Você vai precisar de mim para levá-la para a cama?", perguntei, as palavras saindo muito roucas e muito menos sarcásticas do que eu pretendia. Ela se afastou, um pouco de seu corpo perdendo contato com o meu. Suas mãos estavam nos meus ombros, e as minhas ainda estavam envoltas em torno de suas costas. "Eu acho que consigo." Sua voz não soou assim tão zombadora como normalmente fazia, também. Meu olhar caiu para a sua boca. Ela tinha lábios carnudos em forma de coração. Eu apenas não notei quão adoráveis eles eram porque estavam geralmente me insultando. A tensão no ar parecia espetar. O vento soprava ao nosso redor, agarrando uma espessa mecha de seu cabelo e soprando-a em toda a sua bochecha. Quando ela estendeu a mão e a puxou para trás, nossos olhares colidiram. "Braeden?", ela sussurrou. Eu estava nela antes mesmo que meu nome deixasse seus lábios totalmente. Ele ecoou um lugar oco dentro de mim que eu não tinha percebido que estava lá. Éramos como dois lados de velcro que se fundiram para criar uma ligação inquebrável. Eu era o lado áspero e ela era o suave. Normalmente,


eu não diria que havia algo na delicado em Ivy Forrester, mas esta noite era diferente. Hoje à noite, era tudo que eu podia sentir. Não havia uma única coisa áspera, solitária sobre a menina em meus braços. Todos os insultos, olhares sarcásticos, e antipatia quase contida que penduramos um no outro por meses se amontoaram. Isso criou uma pilha de gravetos, uma pilha de gravetos que até esse momento tinha ficado fria e seca. Mas não mais. No segundo em que ela se afastou e seus olhos azuis pousaram nos meus, no segundo em que ela enrolou as pernas em volta da minha cintura e suspirou contra o meu pescoço, nós éramos um incêndio florestal esperando para acontecer. Toda a angústia reprimida entre nós se transformou do ódio ao desejo e queimou em uma grande explosão. A força da emoção que irrompeu nos empurrou ainda mais próximos, e agora aqui estava eu devastando sua boca como um lobo que não tinha sido alimentado em meses e estava sendo oferecido um corte de carne suculenta, rara. Puxei-a com força contra mim, perto o suficiente para que eu podesse sentir sua caixa torácica cavar meu peito. Beijei-a com tanta força que nossos dentes colidiram, mas ao invés de recuar, eu lambia a minha língua sobre o local e continuava beijando, continuava voltando para mais. Suas mãos deslizaram até a volta do meu pescoço e do meu cabelo. Era curto, mas ela ainda encontrou uma maneira de enredar os dedos nele, de agarrar meu couro cabeludo e devolver o meu beijo, com uma intensidade que combinava com a minha. Eu nunca tive alguém que retornou meus beijos com o mesmo tipo de paixão estrondosa como ela. Nunca. Foi tão inebriante que meu cérebro perdeu o foco e o instinto puro governou. Dois grandes passos nos trouxeram contra a casa. Presa entre a


parede e eu, Ivy passou as mãos por trás dos meus ombros, suas unhas deixando uma trilha de formigamento. Rosnei, mais uma vez sentindo-me mais lobo do que homem, e afundei os dentes em seu lábio inferior e puxei. Sua carne encheu o interior da minha boca, e eu chupei, querendo ainda mais. Um pequeno som de miado escapou de sua boca, e ela mexeu os quadris em um movimento circular, balançando o centro de suas coxas contra mim. Puta merda, eu estava tão duro que doía. Meus quadris avançaram, mas ela estava muito alta, por isso, meu pau não colidiu com a parte dela que ele queria. Eu rasguei minha boca longe e arrastei em uma respiração irregular. Ivy caiu de volta contra o lado da casa, o peito arfando e os mamilos tão duros que eles cutucavam através de suas roupas. Eu alcancei entre nós e rolei um entre meus dedos. Quando ela engasgou e mordeu o lábio inferior, eu, droga, quase gozei nas minhas calças. Mantendo uma mão em seu peito, eu agarrei seu cabelo com a outra e puxei–a mais perto novamente, tomando sua boca e possuindo-a. Nossas línguas dançaram juntas, e eu juro que explorei tão profundo em sua boca quanto eu poderia ir. Isso só não foi o suficiente. Trazendo-a comigo, eu me mudei para a casa. Porque tínhamos estado aqui uma semana, eu conhecia o padrão dos móveis bem o suficiente para que eu fosse capaz de manobrar ao redor mesmo enquanto eu continuei a atacar sua boca com a minha. A forma como as pernas se apertaram enquanto eu caminhava me fez sentir como se estivesse em chamas. Queimando de dentro para fora. Chegamos a meu quarto, e eu chutei a porta antes de correr para dentro. Atrás da minha cabeça, ela agarrou a porta e empurrou-a fechando. Ivy estava tão embrulhada em torno de mim que, quando eu a soltei e rastejei sobre a cama, ela ficou lá comigo. Quando eu me estabeleci, suas


pernas soltaram e eu pressionei meu corpo ao longo dela, e nós afundamos no colchão juntos. Dois corpos como um, fazendo um travessão único no centro do leito. Suas mãos deslizavam nos músculos das minhas costas, apertando e esfregando até que deslizou dentro do cós do meu short de basquete e sobre a pele nua do meu traseiro. Eu rasguei minha boca longe da dela e empurrei meu rosto no travesseiro logo acima de seu ombro. Todos os meus membros tremiam com necessidade e meu coração batia tão rápido que eu genuinamente pensei que poderia estar em perigo de explodir. Os dentes de Ivy afundaram em meu ombro, e suas mãos espalmaram minha bunda e a puxaram. Meus quadris responderam instantaneamente, empurrando para seu centro. Minha ereção era dura e implacável e praticamente exigia entrada. Ela gemeu, o som fazendo com que seus dentes liberassem a minha pele, e seu queixo inclinou para cima, expondo a pele pálida cremosidade do pescoço dela. Eu deixei meu pau bem ali onde estava – provocando seu núcleo – até girei um pouco, assim ela iria estremecer enquanto eu chupava seu pescoço até sua clavícula. "Oh, meu Deus." Suas palavras soaram mais como uma oração que qualquer coisa. Sua voz era quase irreconhecível para os meus ouvidos. Suas mãos se soltaram do meu short e escavaram na carne nas minhas costas. Eu tomei seus lábios novamente. Ela tinha gosto de morangos, e lembrou-me dos daiquiris que estavam fluindo livremente no jantar e em seguida, mais tarde, quando estávamos todos jogando cartas. Eu rasguei minha boca fora da dela e flexionei meu peito para que meu corpo fosse levantado fora dela, paralelo ao leito. "Você está bêbada agora?", perguntei. Eu poderia ter perguntado de forma mais delicada, mas apenas empurrar as palavras para fora era difícil. A única coisa que eu queria empurrar agora era meu pênis dentro de seu corpo.


"O quê?", ela engasgou, os olhos totalmente desfocados. Deixei escapar uma série de maldições e me empurrei para fora da cama. Eu não me incomodei sequer em tentar esconder a tenda gigante na minha calça. Ela já tinha sentido de qualquer maneira. Ela empurrou para cima os cotovelos e olhou para mim, um pouco de consciência voltando em sua expressão. Mas, em seguida, baixou os olhos, até o lugar que eu não estava me incomodando em esconder, e seus dentes se afundaram em seu lábio inferior. Eu gemi. "Não faça isso, porra." "Você está molhado," ela murmurou. Olhei para baixo. Estava escuro aqui dentro, mas com a luz da lua que vinha através da janela, eu podia ver uma mancha escura na parte da frente do meu short. Eu olhei de volta para suas coxas que ainda estavam espalhadas. Ela estava usando uma coisa de vestido, que significava que quando eu estava entre as pernas dela tudo o que tinha estado entre nós era sua calcinha. Calcinha que estava claramente embebida com a necessidade dela. Necessidade tão grande que me encharcou também. Mudei-me rápido, surpreendendo a nós dois, e fechei a mão em torno de seu tornozelo. Lentamente, eu a reboquei para baixo da cama, na minha direção. "Olhe. Para. Mim," eu moí para fora, e segurei seu queixo para que eu pudesse olhar em seus olhos. “Você está bêbada?" Seus olhos clarearam um pouco, o suficiente para que eu pudesse dizer que a única névoa nos olhos dela era do que estava quebrando entre nós. "Eu tomei alguns drinks", disse ela. "Horas atrás." "Então você não está", eu supus.


Ela balançou a cabeça lentamente. "Eles não funcionaram." "Desculpe-me?" Eu disse, impaciente enquanto meus dedos deixaram seu tornozelo e começaram a subir na panturrilha. "Acontece que tequila não é o suficiente para afogar o jeito que você estava contra mim. " Meus olhos estalaram para cima. Mais cedo na grade. Ela tinha sido afetada por mim como eu tinha sido por ela. "Eu tenho visto você olhando", ela confidenciou. "Você gosta da minha aparência." Eu gemi. "Deus me ajude, eu gosto pra caralho." Seus olhos tomaram meu peito nu, e eu admito que eu o inchei um pouco para dar a ela mais para ver. "Eu não estou bêbada. Nem mesmo perto. Eu sei exatamente o que eu estou fazendo agora, Braeden." Bem, se isso não fosse uma porra de convite esculpido à mão, então eu não sei o que era. Eu caí de joelhos ali mesmo na frente da cama e arrastei-a para baixo até que suas pernas balançavam ao lado, o gotejamento de seu centro bem perto do meu rosto. Ela empurrou para cima os cotovelos e empunhou uma mão no cabelo acima da minha testa. "Ei, e quanto a você?" "Eu tomei um pouco de cerveja", murmurei e deslizei um dedo dentro da borda de sua calcinha. Puta merda, ela estava nua, raspada e encharcada. "Mas você não se preocupe, querida. Eu sou ainda mais do que capaz de executar." Ela caiu contra o colchão e arqueou as costas para o ar. Meu dedo mergulhou em seu interior, encontrando-a quente e apertada.


"Eu não vou parar." "Ninguém lhe pediu isso," ela atirou de volta. Eu puxei meu dedo de volta e alcancei sob seu vestido para o cós. Meus dedos encontraram as tiras. Ela estava usando aquele biquini maldito que me deixou louco toda a maldita semana. Eu empurrei para os meus pés e tomei suas mãos. Eu sabia que ela estava surpresa quando eu a puxei para ficar de pé. Inferno, eu preferia ela de costas, também. Mas eu tinha que fazer isso. Eu puxei o vestido de algodão sobre a cabeça e o joguei no chão. Meu lábio superior ondulou quando eu tomei em toda aquela pele coberta por nada além de triângulos de tecido e cordões. Seu biquíni era vermelho. E a maneira como seu corpo parecia nele... Mais de uma vez esta semana, eu tive que me parar de bater em algum cara aleatório por olhar. Não importava quem olhasse para ela. Ivy não era minha. Eu não a queria. Mas hoje à noite... hoje à noite eu queria. Hoje à noite ela era minha. Eu mergulhei meu dedo sob o débil cordão e seguiu-o a toda a volta para a parte de trás do pescoço dela onde estava amarrado. Os arrepios que se erguiam em sua pele não foram perdidos por mim. "Eu não quero nunca mais ver esse biquíni em você novamente," eu disse asperamente, e puxei o final do nó. Eu puxei lentamente enquanto eu


peguei seus olhos com os meus. "Eu não quero mais ninguém olhando em você nele. Nunca. Mais." Eu liberei os cordões e o top caiu para baixo, revelando um par de seios rijos, redondos. Eu era um tarado por bunda - todos nós sabemos isso -, mas isso não significava que eu não podia apreciar um par de seios quando o visse. Eu espalmei ambos. Enchi minhas mãos com sua carne morna, macia e amassei suavemente. Eu queria ser duro e rápido. A necessidade martelava em mim quase como adrenalina. Quase como se isso fosse vida ou morte. Mas eu não poderia tratar seu corpo assim. Não agora que eu estava olhando para ela, quase completamente nua e desprotegida. Esfreguei meus dedos sobre seus mamilos eretos, e ela ronronou, sua testa vindo para a frente para descansar no meu ombro. Eu gostei disso. Era quase como se ela não pudesse suportar. Era quase como se ela precisasse de mim para apoiá-la. Deixei seus seios e rocei meus dedos para baixo de sua cintura, na sequência da forma de ampulheta de seu corpo até que eu encontrei os laços em ambos os lados de seus quadris. Seu corpo tremia por estar tão perto do meu, e isso me fez sentir poderoso. Puxei ambos os lados ao mesmo tempo e soltei. O tecido caiu e emaranhou-se a meus pés. Rapidamente, eu puxei para fora o top, que estava baixo, em torno de sua cintura, e se juntou ao resto de suas roupas no chão. Eu não podia esperar mais um segundo. Enfiei minha mão entre as pernas dela e segurei seu sexo. Ela gemeu e levantou a cabeça. Eu capturei seus lábios mais uma vez quando eu aprofundei um dedo em sua abertura. Uma de suas mãos enrolou no meu bíceps e segurou enquanto a outra fez um pouco de movimento para baixo, no cós do meu short.


Sem qualquer hesitação, seus dedos enrolaram no meu pau palpitante e começou a me bombear lentamente, no mesmo ritmo que eu movi meu dedo dentro dela. Sua mão era como um banho quente no centro de uma tempestade de neve, como remédio para um homem doente. Era exatamente tudo. Eu deslizei outro dedo dentro dela, lançando-a com dois. Ela choramingou e seus joelhos fraquejaram. Nós dois caímos de volta na cama. Começamos a nos beijar novamente, e eu me perdi nela, na forma como ela se sentia. Eventualmente, ela ficou impaciente. Suas mãos começaram a puxar meu short e eu não podia parar minha risada gutural de encher o quarto. Deixei-a deitada no centro da cama para tirar meu short e cavei em torno da bolsa colocada ao lado da porta. Eu senti seu olhar derretido quando eu retirei um preservativo, e depois cheguei em um outro. Um não ia ser suficiente. Joguei o adicional sobre o travesseiro perto da cabeça e, em seguida, usei os dentes para rasgar a película do pacote na minha mão. Eu poderia colocar um preservativo dormindo se fosse necessário. Eu poderia enrolar a mim mesmo até sem a luz da lua. Isto era uma segunda natureza, por isso não demorou muito. Quando subi entre as pernas dela, sua mão disparou e espalmou minhas bolas. Suavemente, ela as segurou, sentiu seu peso, e, em seguida, arrastou os dedos por dentro da minha coxa. Eu agarrei a mão dela e belisquei a ponta do seu dedo. Ela riu, mas foi um som de curta duração, morrendo na garganta quando eu alcancei a sua outra mão. Depois de enfiar os dedos juntos, eu imobilizei seus braços acima da cabeça. Ela olhou para mim com os olhos cheios de expectativa. Eu empurrei nela - um mergulho profundo diretamente no coração de seu corpo.


Meu corpo registrou tudo de uma vez. Lisa. Quente. Apertada. Mas enquanto meu corpo estava sobrecarregado com a sensação, meu cérebro totalmente apagou. Um silêncio repentino veio no quarto. Era como se nós nem sequer respirássemos. Eu olhei para baixo de mim. Ela olhou para cima. Eu sabia que o choque escrito em meu rosto estava espelhado de volta para ela. Algo se passou entre nós, algo que nem meu cérebro compreendeu. Meu peito apertou e uma sensação de queimação irrompeu logo abaixo das minhas costelas. Ivy desembaraçou suas mãos das minhas, alcançou em torno de minha bunda e me puxou mais para dentro. Quando tentei me mover, ela fez um som e me agarrou um pouco mais. Permaneci enterrado dentro dela tão profundamente que uma voz fraca me avisou que eu poderia machucá-la. Mas então ela começou a balançar. Pequenos movimentos, fluidos contra mim. Nós estávamos fortemente pressionados juntos, minha pélvis esfregou contra a dela.

tão

A tensão enrolou baixo no meu estômago enquanto ela balançava, seus movimentos cada vez mais rápidos, seus impulsos tornando-se cada vez mais duros. Como diabos eu estava no topo, mas ela estava no controle? Eu apertei minhas mãos nos lençóis, preparado para assumir. "Bem ali", ela sussurrou. Eu senti seu corpo começar a tremer, mas, em seguida, seus olhos se arregalaram. Um olhar chocado, quase assustado substituiu o puro êxtase de apenas alguns segundos atrás. Afastei-me imediatamente, não deixando seu corpo completamente, mas quase.


"Eu machuquei você? " Minha voz estava rouca. "Não", ela foi rápida em dizer, mas ela não me olhou nos olhos . Eu agarrei-lhe o queixo e forcei os olhos para cima. "Diga-me." "Senti-me bem", ela correu para fora. "Melhor do que nunca. " Ela fechou os olhos, embaraço escrito em seu rosto. E então eu entendi.


CAPITULO quatro #FatoVerdadeiro Café descafeinado é como fazer sexo sem orgasmo. ...Alpha BuzzFeed

I VY Eu não sabia que poderia ser assim. Eu não era virgem. Eu tinha tido mais do que alguns parceiros na cama. O sexo não era algo novo para mim. No entanto, este sentimento, era. O modo como meu corpo parecia abrir-se apenas para ele. Era quase como se houvesse alguma combinação secreta dentro de mim que ninguém sabia. Nem mesmo eu. Mas Braeden sabia. As sensações que tomaram conta do meu corpo eram estranhas e, muito francamente más. Eu senti como se tivesse acabado de descobrir uma coceira que não sabia que tinha. Era muito bom. Era muito atraente. Era demasiado esmagador. Era assustador. "Você nunca teve um orgasmo." Ele deixou cair as palavras no momento, explodindo o meu mundo.


Tanto quanto eu queria estar envergonhada, tanto quanto sua descoberta devia ter totalmente explodido o que diabos tinha vindo sobre nós, não o fez. "Eu..." As palavras me falharam. Um sorriso sedutor lento se espalhou pelo seu rosto. Mesmo no escuro, eu podia vê-lo chegar em seus olhos. Aquele sorriso continha um monte de coisas. Paixão, surpresa ... ganância. "Eu quero isso", ele anunciou . Como se apenas a declaração o tornaria seu. Quem era ele para que pudesse exigir que eu lhe desse algo assim? O idiota. Eu estava prestes a dizer-lhe o que pensava de suas maneiras exigentes quando ele deslizou seus braços bem musculosos entre minhas costas e o colchão, puxando meu corpo para liberar-se contra o seu. Seus quadris avançaram e seu pau foi profundo novamente. Meus olhos rolaram de volta na minha cabeça. Braeden começou a se mover. Ele era tão grande e duro que ele me encheu completamente. Eu podia sentir cada centímetro dele, e era delicioso. Seus movimentos espelharam o jeito que eu me movi mais cedo, e algo dentro de mim latejava tão desesperadamente que era quase doloroso. Confusa, eu comecei a me afastar. Sua palma agarrou a parte de trás da minha cabeça e ele me pressionou mais profundamente no colchão. "Ivy." Não era a primeira vez que ele dizia meu nome. Mas poderia muito bem ter sido. Meus olhos fixos nos dele, e eu o senti entre as minhas coxas, sua paciência e vontade eram incomparáveis.


"Me dê isso." E então aconteceu. Minhas unhas cavaram em suas costas, os dedos dos pés enrolaram nos lençóis, e o prazer rolou sobre mim como uma onda gigante no oceano. Ele literalmente fluiu através do meu corpo inteiro enquanto eu comecei a gemer. Braeden cobriu choraminguei.

minha

boca

com

a

sua,

quando

eu

gemi

e

Eu estava totalmente impotente para a maneira como ele ordenhou meu corpo. Eu nunca na minha vida inteira senti nada mais poderoso. Quando meu corpo, totalmente gasto, caiu para trás num estupor lânguido, ele subiu em cima de mim, segurando-se nos braços, e recuou, somente para avolumar em mim novamente. Minha boca se abriu, mas nenhum som saiu. Braeden tomou totalmente e bombeou seus quadris até que todo seu corpo ficou rígido e eu senti sua liberação quente dentro de mim. Quando ele entrou em colapso sobre mim, sua pele estava escorregadia com o suor e seu corpo estremeceu com pequenos tremores. O meu também. Braeden acabara de se tornar o meu próprio terremoto pessoal. Tudo dentro de mim sentia sacudido e deslocado. A composição das minhas entranhas nunca mais seria a mesma. Eu não me importava com o peso dele sobre mim, na verdade, eu estava grata por isso. Sem ele, eu certamente flutuaria. Pelo menos assim eu fiquei aterrada. Eventualmente, a eletricidade no ar evaporou deixando para trás duas pessoas nuas empilhadas em uma cama. O som das ondas do mar fora da janela parecia intrometer, e a realidade do que acabou de acontecer estabeleceu-se. Eu apenas tinha feito sexo com Braeden. Braeden.


O cara que eu odiava. O cara que dormia com meninas e, em seguida, desaparecia, deixando-as de coração partido. Eu vi em primeira mão do que ele era capaz. Afinal, ele fez isso com uma de minhas melhores amigas. Missy nunca iria me perdoar por isto. Todos os músculos do meu corpo apertaram. Meu estômago se apertou. A euforia do meu primeiro orgasmo estava sendo invadida pelo fato de que a pessoa que deu para mim estava irrevogavelmente fora dos limites. Eu era uma pessoa terrível. Braeden empurrou e entrou no banheiro adjacente. Ele não disse uma palavra. Eu me perguntei se ele estava tendo o mesmo surto mental. Eu quase ri. Ok, certo. Braeden não se preocupava com coisas como esta. Quantas vezes eu o ouvi dizer isso? Ele só tinha diversão. Ele não tinha sentimentos. Rolei para o meu lado e fechei os olhos. Como no inferno que ele saia sem sentimentos após o que aconteceu entre nós? Será que tudo o que eu apenas experimentei tinha sido totalmente unilateral? Será que isso sequer importava? Ele saiu do banheiro, deixando a luz acesa, mas puxando a porta em torno de modo que o quarto ainda estava principalmente escuro. O colchão mergulhou sob seu peso, e eu o senti se mover logo atrás de mim. Agora que meu corpo não estava possuído por algum alienígena do mal - alienígena do mal = toque de Braeden - ,meu cérebro estava compreendendo totalmente as implicações do que acabara de acontecer. Quando Braeden agarrou meu ombro e puxou, eu rolei para as minhas costas, mas evitei seu olhar. A risada abafada em cima de mim me fez querer dar um soco nele. E talvez cutucar fora seus olhos com meus dedos.


Mas então ele fez algo totalmente inesperado. Sua palma grande, quente, pousou na minha coxa, e ele puxou para que minhas pernas caíssem abertas. Antes que eu pudesse chutá-lo, senti um pano macio, fresco entre as minhas pernas. Oh, isso foi bom. Olhei para ele, surpresa. Ele não estava olhando para mim, mas ele sorriu." Não esperava por isso, não é?" Era a última coisa absoluta na história da terra que eu esperava. "Eu sei que você realmente não precisa de limpeza ", começou ele , " uma vez que, você sabe, nós usamos um preservativo." Como ele estava tão totalmente confortável falando sobre isso comigo? "Mas isso foi muito intenso. Você é meio que pequena. " Eu engasguei com o choque subjacente ao seu tom. "E isso te surpreende " Eu exigi. Ele deu de ombros enquanto segurava gentilmente o pano frio entre as minhas pernas. "Sim. Eu acho que sim." "Eu não sou uma vagabunda, " Eu brinquei . Seus dentes brancos brilharam contra a escuridão. "Nunca disse que você era." "Não com tantas palavras," eu murmurei. "Eu apenas pensei que isso poderia ajudar", disse ele, sabiamente evitando o assunto. "Eu espero que eu não tenha te machucado." Eu não queria ser afetada por sua consideração. No entanto, eu estava. "Você não me machucou", eu sussurrei.


Nós ficamos em silêncio. Intimidade nublou o quarto, estava muito mais espessa do que quando ele tinha estado realmente dentro de mim. Havia algo muito íntimo em ele me tocar, em ele cuidar do lugar mais secreto no meu corpo, sem a sugestão de sexo. Oh meu Deus, o que eu tinha feito? Poucos minutos depois, ele retirou sua mão – deixando o pano no lugar - e pigarreou. "Eu ainda não gosto de você." Um pouco da minha piração realmente acalmou. "Eu ainda não gosto de você também", eu concordei. Rindo, ele colocou o edredom sobre mim. Pegou o celular colocado nas proximidades antes que se deitasse ao meu lado. Eu deveria ter fugido deste quarto. Eu não estava pronta para fazer isso ainda. Ele olhou para o relógio e resmungou. "Algumas horas até que o sol nasça." Ele estava dizendo isso porque ainda não estava pronto para me deixar também? Claro que não. Este era Braeden. "Relaxe. Eu não tenho nenhuma intenção de passar a noite inteira. Eu estarei fora daqui em alguns minutos. " "Como se isso nunca tivesse acontecido", ele murmurou. Algo perfurou meu peito. "Acredite em mim. Eu não vou dizer a ninguém." A tela em seu telefone se iluminou novamente e brilhou nos meus olhos quando ele a ergueu no ar acima de nós. "O que você está fazendo? ", Perguntei.


"Tirando uma selfie." A imagem de nós deitados em uma cama desarrumada – eu, com os lábios inchados e o cabelo bagunçado, e ele, com um olhar de satisfação presunçosa no rosto - refletiu de volta para nós. A imagem era exatamente compartilhamos antes.

como

o

fugaz

momento

que

nós

Íntima. Virei a cabeça e olhei para ele. Ele estava olhando para a tela, sorrindo para a câmera. Eu levei apenas um instante para olhar. Sua mandíbula forte, quadrada, seus lábios cheios e maçãs altas do rosto. Ele tinha incrivelmente uma boa aparência e, ao mesmo tempo, extremamente enlouquecedora. "Eu pensei que você disse que isso nunca aconteceu", comentei , ainda olhando para ele. Ouvi o clique da câmera. Eu sabia que ele tinha tirado sua selfie. Ele jogou o telefone de lado e virou-se, assim nossos rostos estavam meros centímetros de distância e seus olhos escuros e ilegíveis olharam nos meus. "Talvez algumas coisas não devam ser esquecidas." Meu estômago deu uma cambalhota. Debaixo do edredom, minhas mãos flexionaram. "Eu ainda não gosto de você ", eu disse a ele novamente. Um fantasma de um sorriso apareceu em seu rosto."Eu ainda não gosto de você também." "Isso nunca pode acontecer de novo ", eu disse, séria. "Eu não estou interessado em uma repetição." Senti uma pontada de algo que eu não queria reconhecer. Eu rolei para fora da cama e tentei levar o edredom comigo, para cobrir. O idiota estava deitado sobre ele e não se movia.


Eu o deixei cair. "Você é um bundão. " "Sim." Corri para colocar o meu traje de banho para me cobrir. Era feito de algodão penteado e tão confortável. De repente, a ideia de estar nua com ele me nauseou. Depois que eu recolhi as partes do meu biquini e rastejei até a porta, parei e me virei. "Eu não sou essa pessoa... não mais. Eu agradeceria se você não contasse a ninguém que isso aconteceu." Dane-se a emoção na minha voz. Eu já tinha dado muito a ele. Mostrar qualquer coisa mais era suicídio. Uma onda de culpa tomou conta de mim. Culpa por tantas razões diferentes. "O que acontece nas férias da primavera fica nas férias de primavera", ele brincou. Eu relaxei, percebendo que ele provavelmente não tinha sequer prestado atenção ao som das minhas palavras. Inferno, eu tinha sorte se ele sequer as ouviu. Eu corri para para fora do quarto, no corredor escuro. As palavras de Braeden ecoaram atrás de mim. Engraçado, elas não me faziam sentir melhor. Ao contrário, agora eu me sentia pior.


CAPITULO cinco #AnúncioDeServiçoPúblico Você deveria usar proteção ao fazer sexo por telefone. Ou então deveria usar aparelhos auditivos. ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Eu honestamente não tinha intenção de sequer tocar Ivy. A partir do momento em que nos conhecemos, ela me irritou. Às vezes, apenas olhar para ela me fazia querer socar uma parede. E esse tipo de emoção era perigosa. Especialmente para um cara como eu. Eu só a tolerava por causa de Rimmel. Mesmo com todos os defeitos de Ivy, ela era leal a minha irmã mais nova, e só isso me manteve controlado. Eu não estou realmente certo do que aconteceu comigo. Porra. Isso é uma mentira. Eu sei exatamente o que aconteceu comigo. Eu não podia ignorar o jeito que ela se enrolou ao meu redor. A maneira como ela se encaixou em meus braços como se pertencesse. Eu tinha toda a intenção de jogar a bunda bem torneada no chão no segundo que nós batemos no convés. Mas não havia ninguém.


Ninguém entre nós naquele momento. Nem Romeo, Rimmel, ou Missy. Nenhuma piada sarcástica pairando no ar. A irritação que eu sempre senti parecia distante, e o desejo inegável estava à frente e no centro. Não havia nem mesmo o sol, a brilhante luz do dia para brilhar algum tipo de barreira entre nós. A escuridão viu tudo. A escuridão sabia da verdade. A brisa do mar sussurrou e provocou. Ela nos despojou os dois nus. Mentiras só funcionam se a pessoa a quem você disser acreditar nelas. Quando Ivy olhou para cima, para mim, eu vi a verdade. Eu vi que nenhum de nós acreditava nas mentiras que estávamos dizendo. Então eu a beijei. Eu a bati contra a casa e acariciei minha língua profundamente dentro dela. Eu não parei. Eu não poderia. Nós fomos um para o outro como nós sempre fomos: a todo vapor. Só que desta vez, não foi com ódio. Foi com a porra do desejo. Olhei para a porta por um longo tempo depois que ela saiu. Isso foi bom. Isso precisava acontecer. Agora que isso estava fora de nossos sistemas, poderia voltar ao desprezo mal velado, e ninguém jamais teria que saber. Eu rolei para o lado e coloquei um braço debaixo do travesseiro e deitei minha cabeça. Meu olhar pousou sobre o preservativo extra, fechado, que eu tinha jogado ao nosso lado no colchão. No calor do momento, eu pensei que uma vez com Ivy não ia ser suficiente. Eu estava errado. Uma vez era mais do que o suficiente. Tinha de ser.


Era tudo o que Ă­amos ter.


CAPITULO seis Amigos são como peitos. Alguns são grandes. Alguns são pequenos. Alguns são reais e alguns são falsos. #QueTipoDeAmigoVocêÉ? ...Alpha BuzzFeed

I VY Meu corpo ainda cantarolava. Tipo literalmente, tudo sob a minha pele ainda pulsava com o que aconteceu na última noite. Ok, tudo bem, tinha sido apenas algumas horas atrás. Mas eu preferia pensar nisso como na noite passada. Isto parecia mais longe, menos presente na minha mente. Deus sabia que tudo ainda estava muito presente no meu corpo. Mesmo que meu cérebro estivesse horrorizado como que eu tinha feito, meu corpo estava tão satisfeito que me fez sentir culpada. Maldito Braeden. Maldito seja por me fazer tão dividida por dentro. Eu só rezava para que ele mantivesse sua palavra e não contasse a ninguém. Especialmente Missy. Missy e Braeden não estavam juntos, eles nunca realmente estiveram. Sim, eles tinham um relacionamento "Amigos com benefícios", mas isso


tinha sido no ano passado, antes das férias de Inverno. Assim, tecnicamente, estar ligada a ele não deveria ser grande coisa. Mas era, totalmente. Missy podia não dizer isso, mas eu sabia que ela ainda estava presa a B. Eu sabia que ela tinha desejado mais dele... tinha esperado que a relação casual que eles tinham se transformaria em algo mais. Levou um tempo para ela se recuperar uma vez que Braeden parou de ligar. Ela se afastou do nosso grupo, deixou de namorar. E por isso, eu odiava Braeden. Eu odiava caras como ele. Tão convencidos e charmosos. Eles só pensavam em si mesmos, nunca nas meninas com quem dormiram e abandonaram. Mas nas últimas semanas, Missy tinha se recuperado, ela estava mais como ela, e estar perto de Braeden não pareceu incomodá-la tanto. Nós todos conseguimos passar uma semana fantástica aqui na praia quase sem um único toque de estranheza. Até que eu quebrei o código das garotas e dormi como o cara que Missy queria. Ela estava dormindo quando eu escapei do seu quarto no caminho para a minha última noite. O quarto dela estava escuro e silencioso, e eu soltei um enorme suspiro de alívio que ninguém pareceu ouvir a safadeza que Braeden e eu acabamos de fazer. Mesmo que eu fosse para a cama super tarde, eu ainda era a primeira a levantar. Eu estava muito tensa depois do que aconteceu, meu corpo e mente incapaz de dormir. Eu tentei, mas tudo o que aconteceu foi eu reviver cada segundo que eu tinha passado com Braeden, ali deitada no escuro. Então eu me levantei. Tomei banho e soltei meu cabelo. Foi a primeira vez desde que chegamos aqui que eu na verdade o arrumei direito. Não tinha nenhuma razão para arruma-lo com todo o tempo que passamos na água. Mas hoje todos nós estávamos indo embora. Pegar um avião e voar de volta para Maryland, de volta à Alpha U. Depois que me distraí arrumando meu cabelo comprido, loiro e fiz uma maquiagem mínima, eu me vesti. Uma vez que íamos voar, eu coloquei um


vestido maxi longo com uma estampa preta e branca vibrante. A parte superior do vestido era toda preta, fazendo com que parecesse que eu estava vestindo um top preto com uma saia, embora tudo fosse uma peça única. Eu imaginei que seria confortável para o avião e ainda assim oferecer algum calor nas minhas pernas quando nós pousássemos. Eu fui também adicionar um cardigan preto. Maryland não ia estar tão quente como na Florida. Eu não me incomodava com joias, não estava no humor. A única coisa que eu estava usando era a pulseira feita de conchas do mar de uma loja de praia nas proximidades. Nós três temos algo para recordar da semana que passamos aqui juntos. Olhando para isso, em seguida, apenas fez o meu estômago doer. Ninguém mais estava na cozinha, então eu coloquei em um pote de café e esperei impacientemente para ferver o suficiente para uma caneca. Uma vez eu tive uma caneca cheia de cafeína e açúcar, levei-a para fora de volta para o deque. Eu estava no parapeito abaixo no sol da manhã e olhei para as ondas brilhantes. Enquanto eu tomava um gole de café, vi Romeo e Rimmel na praia. Rimmel tinha um balde na mão e estava à procura de conchas na areia. Eu sorri. Ela finalmente arrastou Romeo para fora da cama para ir à caça de conchas. Eu assisti os dois com um pouco de inveja enquanto uma onda caiu perto e correu em direção a Rimmel. Ela tinha estado tão concentrada nas conchas que não notou a água até que ela estava perto, e até mesmo a esta distância, eu vi o seu corpo reagir quando ela viu. Mas Romeo estava lá. Ele passou os braços ao redor dela e a levantou apenas antes que a água a tocasse. Ele correu em volta de seus pés, mas não pareceu notar. Ele estava muito ocupado beijando-a. Às vezes eu me perguntava se eu nunca saberia como era esse tipo de amor. As portas deslizantes atrás de mim abriram e meu corpo ficou tenso, com medo de que fosse Braeden. Eu ainda não estava pronta para vê-lo. Eu não sabia como seria entre nós.


"Aí está você ", disse Missy e se esgueirou ao meu lado no parapeito. "Ei." Eu dei-lhe um sorriso e tomei um gole do meu café. "Você acredita que a semana já acabou?", perguntei, olhando para trás para baixo na praia em direção a Rimmel e Romeo. "Passou rápido," Missy concordou, seguindo meu olhar. "Aqueles dois realmente são perfeitos juntos." "Sim", eu concordei e me voltei para ela. Ela estava usando calças azuis marinho soltas, leves, com cintura alta e uma camiseta justa vermelha enfiada na cintura. Seu cabelo escuro foi puxado para cima em um coque bagunçado no topo de sua cabeça e ela tinha um par de grandes óculos de sol brancos e o seu rosto estava sem maquiagem. Missy era exuberante. Ela era alta e magra, andava graciosamente, tinha pele tom de oliva, perfeita, e grandes olhos cinzentos. Com toda honestidade, ela poderia ser uma modelo. Isso é o quão bonita ela era. E desde que eu estava aqui sendo honesta, eu poderia admitir, às vezes ela me fazia sentir tipo uma desengonçada. De nós três, eu era, provavelmente, a mais simples. Rimmel tinha esse jeito toda adoravelmente amarrotada e quando ela me deixou fazer seu penteado, o olhar amarrotado se transformou em uma beleza única. Rimmel podia não perceber isso, mas todas as suas "imperfeições" a tornavam muito atraente. Inferno, ela chamou a atenção de Romeo. Eu a odiei, mas era impossível ficar de mal com ela por muito tempo. Ela era tão incrivelmente genuína. Eu prefiria tê-la como uma melhor amiga do que uma inimiga. Missy fazia a maioria das meninas parecer simples. Ela era apenas naturalmente glamourosa. A maioria dos olhos ia para ela quando ela entrava em uma sala. E então havia eu. Eu estava em algum lugar no meio da beleza não intencional e a beleza natural. Mais média. Eu acho que é por isso que eu investi tanto na a minha aparência. Bem, isso, e eu realmente amava roupas.


Eu tinha altura média, não baixa ou alta. Eu não era bem desossada ou comprida e magra. Enchia minhas roupas, honestamente mais do que eu gostaria. Eu não era pesada, mas eu era cheia de curvas. Minha forma de ampulheta às vezes me frustrava porque tentar se vestir nem sempre era fácil. Alguns dias eu gostaria de ter o tipo de corpo no qual tudo ficasse bem, como Missy, e às vezes eu gostaria de não me importar em como eu estava vestida, como Rimmel, mas eu não sou assim. Meu cabelo loiro tinha luzes para ser mais brilhante, porque se eu não o fizesse, ele ficaria como se eu tivesse embebido minha cabeça em água suja diariamente. Ah. Meus olhos azuis não pareciam tão exóticos ou espetaculares quando os olhei no espelho, e minha pele estava no lado pálido, faltava o brilho dourado que Missy sempre parecia ter. Basicamente, eu tinha mais expectativas que o normal. A maioria das pessoas provavelmente pensavam que eu me vestia bem, fazia o meu cabelo e estava sempre maquiada porque eu era narcisista. Elas provavelmente pensavam que eu passava muito tempo olhando no espelho e que eu pensava que era melhor do que todos os outros. Você sabe o que dizem sobre assumir. (ASS-U-ME = faz um burro de você e de mim, ass=burro, you=você, me=eu) A verdade era que eu fiz essas coisas para mim. Para me sentir bem comigo mesma. Não havia nada pior do que andar por aí com essa voz sussurrando constantemente dentro de sua cabeça que você não é boa o suficiente. Aquelas pessoas lançariam seus olhares por onde quer que você vá, só para imediatamente dispensar você como alguém que não merece um segundo vislumbre. Então, sim, eu arrumo meu cabelo todos os dias e eu uso maquiagem. Eu usava jeans e saltos bonitos para me tornar um pouco mais alta. Eu usava tops que acentuaram as curvas que eu tinha em vez de escondê-las. Todo mundo sempre acha que as loiras conseguem isso fácil, que elas são as mais belas. Não é verdade. Ser loira e de olhos azuis me deixa com aparência mais desagradável do que uma pessoa de aparência exótica jamais poderia. Eu sou estereotipada antes mesmo de abrir a boca. Minha mãe costumava me dizer que as


meninas estavam apenas com inveja. Talvez ela estivesse certa. No entanto, é difícil acreditar que alguém pudesse ter inveja da maneira como eu pareço quando eu não teria. Eu preferia ter um cabelo lindo escuro, brilhante, que eu nunca tivesse que pintar. Eu preferia ter pele tom de oliva que não precisasse da ajuda de bronzeador. E eu com certeza como o inferno teria um pouco menos de corpo. Mas não tinha. Tingir meu cabelo de escuro lavaria totalmente a minha pele e não ia combinar com meus olhos claros. E essas minhas curvas? Elas não iriam a lugar nenhum. Eu tentei por anos – durante todo o ensino médio – fazer dieta e exercício para tirá-las, mas, eventualmente, uma garota se cansa de tentar. Eventualmente, uma garota quer uma fatia de pizza. Então, eu trabalho com o que tenho. E eu tento ser a melhor versão de mim mesma, embora na maioria dos dias, minha melhor versão ainda se sente meio que insatisfatória. Ainda assim, eu nunca iria mostrar a maneira que eu realmente sentia no lado de fora. Eu preferia que as pessoas pensassem que eu era superficial e cheia de mim mesma do que insegura e vulnerável. Eu prefiro colocar para fora uma resposta espirituosa do que deixar alguém tirar o proveito de mim. Com o passar dos anos, eu tinha construído uma forte defesa para a fragilidade dentro de mim, tanto que era parte de mim agora. Às vezes até eu esquecia da fraqueza que eu mantinha escondida lá no fundo da minha alma, então, quando eu senti isso - quando isso me lembrou que ela estava lá -, me deixou aterrorizada. Por alguma razão, aquela fraqueza estava me lembrando agora. "Ivy?" A voz de Missy cortou em meus pensamentos interiores. Ela timidamente tocou meu ombro. "Você está bem?" Eu dei-lhe um sorriso brilhante e balancei a cabeça. "Claro."


"Você parecia a um milhão de milhas de distância", ela respondeu, ainda me olhando com cautela. "Você me pegou." Eu dei de ombros. "Eu estava olhando para o gostosão do cara lá embaixo correndo na areia. " Missy virou-se para olhar para o cara que estava convenientemente correndo na praia sem camisa. Os seus músculos das costas eram cortados e brilhavam de suor sob o sol do início da manhã. "Ele é definitivamente o suficiente para distrair alguém." Missy me deu uma cotovelada na lateral suavemente. A verdade era que eu não tinha notado ele de forma alguma. Eu provavelmente não teria se não precisasse de uma desculpa para o meu lapso com La-La Land1 alguns momentos atrás. Eu sacudi as sobrancelhas, e ela riu."Então," eu comecei, tomando outro gole de café, "Eu preciso dos detalhes ". "Os detalhes sobre o quê?" Revirei os acontecendo?"

olhos.

"Menina.

Você

e

Trent.

Então,

o

que

está

Missy suspirou e olhou para fora em direção ao oceano. "Menina", ela espelhou o meu tom: "Você esteve aqui toda a semana. Você sabe o que está acontecendo." Eu fiz um som de ronco. "Olhe, todos nós sabemos que certas pessoas estavam esperando que você e ele iriam se dar bem nesta semana. " Missy olhou na minha direção. "Eu realmente não sei se gosto quando as pessoas tentam se envolver na minha vida amorosa." "É para isso que os amigos servem. Então, vamos lá", eu busquei. "Você gosta dele?" Sorrindo, Missy balançou a cabeça. "Vocês deviam abrir um site de namoro." 1

Canção de Demi Lovato.


Eu fiz um som rude. "Nojento. A última coisa que eu quero é um bando de mulheres descontentes tentando me culpar porque terminaram namorando um babaca." Nós duas rimos. O vento soprava para cima e para baixo na praia e puxou meu cabelo em todas as diferentes direções. "Eu vou tomar a sua evasiva à minha pergunta como um não, você não gosta de Trent." Missy apoiou o antebraço no corrimão do convés e inclinou a corpo em direção a mim. Alguns fios de cabelo se soltaram de seu coque e acenaram freneticamente ao redor do rosto. "Trent é um cara realmente ótimo. E ele é definitivamente um colírio para os olhos." "Mas?" "Mas ele não é Braeden." Engasguei com o café que eu estava bebendo. O líquido bateu na garganta e voltou entre meus lábios salpicando a caneca meio vazia enquanto meu corpo foi torturado com tosse. Oh, meu Deus. Ela acabou de dizer o que eu pensei que ela disse? Minha mente estava girando enquanto eu tentava acalmar meu coração disparado e engolir o resto das minhas tosses. Depois de alguns minutos, eu parecia ser capaz de controlar isso. Colocando a caneca de lado no parapeito, eu chupei em uma respiração profunda. Missy estava me observando de perto, e eu balancei a cabeça. "Desculpa. Buraco errado." Eu enxuguei meus lábios com as costas da minha mão, certificando-me de que não havia café em cima de mim e tentando não manchar a minha maquiagem no processo. "Você está bem?", Ela perguntou, preocupada. "Sim." Minha voz estava rouca, e eu limpei minha garganta e disse isso, desta vez, mais confiante. Então eu joguei as minhas mãos como se para parar tudo que nos rodiava. "Me desculpe, mas você acabou de dizer que você ainda está a fim de Braeden? "


Eu não tive que disfarçar a repugnância na minha voz. Claro, eu não tinha certeza com quem eu estava mais desgostosa. Ela ou eu. Missy deu de ombros, de repente tímida. Mas ela não poderia ser tímida comigo. Não depois daquela afirmação audaciosa. "Eu pensei que você tivesse finalmente esquecido ele, Missy, " eu pressionei. "Por que, porque eu parei de dizer o fato de que ele não ia me ligar mais?" "Bem, sim. E nós temos saído. Você ainda concordou em panquecas de fim de semana com todos nós. Esta semana…" "Esta semana? " Ela perguntou . "Você e Trent..." Eu ecoei novamente. Flashes da noite passada não paravam de me atentar. A boca dele. Seu abdome – meu bom Deus, seu abdome. A maneira como ele se sentiu entre as minhas coxas. Eu me virei abruptamente longe de Missy e em direção ao oceano. Esqueci do meu café e bati na caneca. Ela caiu sobre o lado do deck. Eu lutei por ela, mas já era tarde demais. Missy e eu vimos quando ela caiu na duna de areia entre conchas perdidas e gramíneas altas de praia. "Oops ", eu disse. "O que eu disse foi realmente tão surpreendente?" ela perguntou, diversão clara em seu tom. Eu gemi. "Eu preciso ir pegar isso." "Você não pode. As pessoas não devem subir nas dunas. "Ela apontou para um sinal afixado perto do acesso do público ao lado da nossa casa. Ele prometeu multas pesadas se alguém fosse pego escalando. "Eu não vou subir", retruquei, lançando meu cabelo sobre meus ombros. "Eu vou recuperar."


"Basta deixá-lo lá embaixo." Eu provavelmente deveria ter deixado. Quero dizer, realmente, era uma caneca estúpida. Havia uma dúzia de outras assim na cozinha. Mas se eu ficasse aqui, eu teria que terminar esta conversa. Eu teria que ouvir Missy me dizer que ela ainda estava interessada em B. No cara que eu tinha feito sexo quente poucas horas atrás. "Ninguém vai nem saber que eu desci lá, "eu disse e corri para o lado da plataforma que levava ao estacionamento por baixo da casa. "Ivy!" Missy assobiou. "Eu já volto!" Eu virei e apressei para descer as escadas. Uma vez que eu estava em pé na plataforma de concreto do estacionamento sob a casa, eu me inclinei contra uma das estacas da casa que estava em pé e arrastei uma respiração irregular. Controle-se, Ivy! Eu disse a mim mesma. Se eu reagisse assim cada vez que ela dissesse o nome dele, todos saberiam o que aconteceu sem eu dizer uma palavra. E se ela ainda tinha uma coisa por ele? Ele já deixou claro - o grande idiota – que ele não estava interessado nela dessa maneira. Não é como se seus sentimentos fossem mudar. Além de me fazer sentir pior sobre o que eu fiz. No entanto, essa era a minha cruz para carregar, e eu poderia fazer isso em silêncio. Me sentindo muito mais forte e menos desprevenida, eu empurrei para longe o poste de madeira e fui para o lado da casa debaixo da escada. Hesitei um momento porque era mais frio e mais escuro aqui embaixo. O deck manteve o sol fora da areia e as gramíneas tinham crescido bem, passando meus joelhos. E se houvesse alguma coisa viva morando aqui embaixo? Eu disse a mim mesma para superar isso e empurrei para a frente. Meus pés afundavam na areia enquanto eu subia sob o deque e caminhava ao longo da casa até que eu vim para a borda de onde o deque acima terminava.


"Depressa!" Missy chamou de cima de mim. Olhei para cima para vê-la olhando para mim. Ela apontou para a caneca, e eu segui sua direção para onde estava nas proximidades. As ervas daninhas roçaram minha saia e puxaram para ela. Tremendo, juntei o tecido em uma mão e o agrupei em torno de meus joelhos enquanto fazia meu caminho até a caneca. "Há um monte de porcaria aqui embaixo ", eu gritei para cima. Um Frisbee2, uma bola de praia sem ar, conchas espalhadas, algumas palhas e copos de plástico vazios espalhados pela areia. Estava frio abaixo dos meus dedos dos pés e também estava a grama que roçava minhas panturrilhas . Os sons da praia estavam um pouco silenciados aqui embaixo, e isso meio que me fez sentir como se estivesse em um outro mundo. Sons de lá de cima me chamaram a atenção, e eu olhei para cima, apertando os olhos contra o céu brilhante. Missy se afastou de mim e estava olhando para a casa. Passos contra o convés vibraram a madeira, e eu comecei a orar. Por favor, seja Trent. Por favor, seja Trent. "Que porra você está fazendo? " Trovejou uma voz sobrecarga. Meus dentes bateram juntos. Não era Trent. "Lavando meu carro", eu cuspi. Missy disse a ele sobre minha caneca, e ele riu. "Quanto daquele café você realmente bebeu antes de você deixar isso cair? Aparentemente, não o suficiente." Braeden estava claramente se divertindo com sua brincadeira não espitrituosa. A risadinha luminosa de Missy flutuava acima, e eu apertei os olhos. Oh não, ela não riu apenas.

2

Tipo de bumerangue.


"Cara idiota!", eu gritei e, em seguida, totalmente virei de costas para ambos. A caneca tinha caído perto de uma mancha de mato alto, de modo que eu tinha que chegar a minha mão para ela para pega-lo. Antes que eu pegasse, eu separei a folhagem e espiei, certificando-me de que não havia outra coisa lá dentro. Eu ouvi falar acima de mim, mas eu ignorei. Eu o ignorei. Minha mão se fechou em torno da cerâmica e eu a levantei. Bem, parte dela. A outra metade ainda estava deitada na areia. Não fiquei surpresa. A coisa estúpida estava quebrada. Já que estava aqui, eu ia pegá-la. Apesar de que, pela aparência de tudo largado ao redor, ninguém jamais se preocupou em limpar. Uma vez que eu recolhi os pedaços da caneca, eu me endireitei, uma mão cheia de vidro, e a outra segurando minha saia para cima, para não tropeçar. "Tenha cuidado", Missy chamou para baixo. "Não quero que você tropece e quebre uma unha. " Braeden gargalhou. Eu joguei meu cabelo para trás e olhei para cima. A observação espertinha morreu na minha língua quando a respiração em meus pulmões gaguejou. Ele estava inclinado sobre o corrimão, observando-me com um boné vermelho virado para trás na sua cabeça. De onde eu estava, ele realmente não era muito mais do que uma forma escura que aparecia em cima, mas ele ainda me afetava. Ele ainda quebrava meus membros e eu tinha consciência disso. Eu puxei meu rosto e comecei a andar para a parte inferior do pavimento. Meu pé pisou em uma grande concha e meu tornozelo virou um pouco. Tropeçando, eu joguei meu pé oposto para recuperar o equilíbrio. "Ai!", Eu uivei enquanto uma dor aguda cortou através do fundo do meu pé. Eu caí para trás, os pedaços da caneca quebrada caindo na areia ao meu lado.


CAPITULO sete #FériasDePrimaveraAcabaram O que acontece nas férias de primavera, permanece nas férias de primavera. ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Eu não pensei. Eu só reagi. Eu saltei sobre o corrimão com facilidade. A distância para baixo e a areia desigual onde eu ia pousar nem sequer passou pela minha cabeça . Não importava. Eu pousei como um gato, nenhum problema, e no segundo que meus pés tocaram a areia, me mudei para a frente. Ivy estava quase sob o deque, mas não completamente. Ela estava de costas para mim e ela estava sentada, curvada para a frente sobre parte dela mesma. Ela estava murmurando alguns palavrões coloridos bem malditos sob a respiração, e meu rosto se dividiu em um sorriso. "Outro caranguejo irritado te atacou? " Ela endureceu e olhou por cima do ombro. Longos cabelos loiros em cascata nas suas costas e parcialmente por cima do ombro, criando uma cachoeira em volta dela. Deus, ela era linda. Espere. Não. Não, ela não era. Limpei a garganta.


"Braeden? " Ela olhou para cima, surpresa. "Você saltou aqui em baixo?" "Bem, você gritou como se você estivesse morrendo," eu brinquei. "Dificilmente." Ela tentou revirar os olhos, mas se transformou em uma careta. "Eu preciso de um curativo," ela disse pateticamente. Eu mordi de volta um sorriso e me agachei ao lado dela. "Deixe-me ver." Ela se inclinou para trás um pouco para que seu corpo não ficasse bloqueando minha visão. O movimento a trouxe para mais perto contra mim, e o perfume de canela em minha volta. Os músculos do meu estômago apertaram e eu empurrei ligeiramente. Não tinha como ela pudesse ter notado, mas a cabeça dela inclinou para trás e seus olhos se encontraram com os meus. Olhamos um para o outro por alguns instantes, nenhum de nós se moveu ou disse uma palavra até que alguém chamou lá de cima, querendo saber se estávamos bem. Pisquei, trazendo-me de volta do limite – o limite que eu sempre parecia estar empoleirado em volta dela -, e fiz sinal para ela me mostrar o que estava errado. Ela levantou o pé em seu colo, e eu olhei para baixo. Eu escutei a mim mesmo murmurar alguma coisa, mas eu estava de volta em não pensar novamente. Ela tinha a tampa de uma garrafa de cerveja colada na sola de seu pé. O sangue escorria para fora em torno dela e gotejava na areia . Eu embalei seu pé na minha mão e gentilmente acariciei meu polegar ao longo de seu calcanhar. Um tremor moveu através dela, e eu olhei para cima. "Dói, hein?", murmurei. Ela piscou. "Uh... " Ela piscou novamente. "Sim."


Usando uma mão, cheguei ao redor para a base do meu pescoço e puxei minha camiseta sobre minha cabeça. Eu não disse nada quando eu estendi a mão para ela novamente, e sem qualquer aviso, eu arranquei a tampa. Sua respiração vaiou entre os dentes e ela bateu no meu braço. "Ei!" Eu bati . "Isso dói!", ela gritou, mas saiu mais como um gemido. Joguei a tampa por cima do meu ombro e olhei para baixo. Brotava sangue fresco. "Agora acabou", eu disse suavemente e usei a minha camisa para envolver em torno de seu pé. Uma vez que a camisa estava no lugar, eu pressionei o pé entre minhas mãos, aplicando um pouco de pressão. Realmente, eu não estava pronto para solta-la. "Braeden?" A voz dela me acariciou. Estar aqui embaixo, na maior parte escondidos pelo deque na areia fresca, e a baixa iluminação, trouxe de volta a noite passada. Isso me lembrou da inegável eletricidade entre nós. Eu tinha certeza de que ela teria ido. Ela ainda estava lá. Um de seus dedos estava vermelho, e parecia raspado também. Eu toquei a ponta do dedo nele. "Você bateu seu dedo do pé, também. " "Isso foi de ontem à noite." Eu sorri. "Ah sim. O caranguejo irritado. " Nossos olhos se encontraram novamente. Eu alcancei entre nós, meus dedos coçando para dobrar o cabelo atrás da sua orelha, mas eu parei um pouco antes que eu fizesse contato. O que diabos eu estava fazendo? Eu me afastei e soltei seu pé. "Vamos. Vamos levar seu traseiro desajeitado lá para cima para que você possa se limpar antes de partirmos.


"Eu não sou desajeitada", ela retrucou e empurrou os pés. Eu comecei a ajudá-la, mas ela se afastou. "Graças a Deus por isso", retruquei. "Rimmel é o máximo que eu consigo lidar de desajeitada." Ela fez uma careta e virou-se para dar um passo. Mas ela não foi muito longe somente com um pé para baixo. "Vamos lá," eu disse lentamente e enrolei um braço em torno de sua cintura. Ela cedeu um pouco de seu peso para mim, e nós fomos em direção ao pavimento de concreto sob a casa . "A caneca", disse ela , girando para voltar. "Deixe." Eu apertei o meu braço. "Mas-" "Mas nada," Eu bati . "A porra daquela coisa é a razão de seu pé estar todo cortado." A veemência na minha voz chocou a ambos. Antes que eu pudesse dizer alguma coisa , alguém virou a esquina e foi direto para nós. Era Trent. Seus olhos foram direito para Ivy e ficaram lá. Quando ele viu minha camisa ao redor do pé dela, ele franziu a testa. "O que aconteceu?" "Eu entrei em uma briga com uma tampa de garrafa, e perdi," Ivy respondeu. Trent riu. "A cerveja é um oponente duro." "Eu vou me lembrar disso”. A voz de Ivy era seca. Chegamos ao concreto, e eu a ergui sobre a superfície plana. "Subir as escadas desse jeito não vai ser muito divertido", Trent observou. Eu pensei sobre a maneira que eu a levava para cima num conjunto de escadas semelhantes apenas na noite passada. Levá-la hoje seria apenas a


coisa certa a fazer. Nós ficaríamos aqui o dia todo se eu tivesse de ajudá-la a se arrastar para cima. Antes que eu pudesse pegá-la, Trent pegou. Ele a tirou do meu controle e levou-a de encontro ao peito dele. Senti meus olhos se estreitarem. Ivy gritou. "Eu vou ajudá-la a limpar isso", ele ofereceu . "Quer dizer que você não vai me dizer o quão desajeitada eu sou?" Ivy perguntou, e a irritação me deu um soco. Ela estava tentando irritar a merda fora de mim agora? "Desajeitada?" Trent sorriu para ela enquanto fizemos o nosso caminho para as escadas. "Nah. Essa tampa gostou de você. " "Eu sei!" Ivy concordou. É claro que ela sabia. Missy estava descendo as escadas enquanto nós estávamos subindo. Os olhos dela saltaram para todos nós, e então eu pensei que eu vi um olhar que eu não reconhecia passar atrás de seus olhos quando ela olhou para Ivy e Trent. Foi quase calculado. Lembrei-me de quando Trent perguntou casualmente a Rome e eu sobre o status de Ivy. Será que Missy achava que Ivy e Trent formavam um bom casal? Senti meu lábio superior enrolar com o pensamento, como se eu tivesse acabado de comer algo azedo. Ivy e Trent? Inferno, não. Uma mão deslizou sobre meu braço e eu olhei para cima. Missy estava perto, olhando para mim com preocupação em seus olhos cinzentos. "Ela está bem?" "Sim, ela apenas cortou o pé."


"Você simplesmente pulou para fora do deque." Olhei para sua mão, onde ainda descansava contra mim. Então eu olhei para cima. "Bem, sim. Rim iria chutar a minha bunda se eu apenas deixasse ela lá embaixo." Os lábios de Missy se curvaram. "Como ela fez para conseguir conquistar seu coração?" "Quem?", perguntei, um pouco de alarme pulsando através de mim. Como ela sabia sobre a noite passada? Missy me deu uma olhada. "Rimmel", ela falou lentamente. Certo. Rimmel. Trent desapareceu do lado da casa com Ivy em seus braços, deixando Missy e eu aqui sozinhos. Eu dei de ombros. "Ela é boa para Rome. Ela é da família." Missy inclinou a cabeça para o lado e olhou para mim. Mesmo através de suas máscaras, eu poderia sentir seu olhar. "Você tem mais algum espaço lá?" Ela puxou a mão de volta do meu braço e me cutucou no peito, logo acima do coração. Que porra é essa que ela estava me perguntando? Eu juro, garotas poderiam muito bem falar espanhol. Eu decidi que o charme seria a melhor resposta aqui. Encanto com um lado da verdade. Dei-lhe um sorriso torto. "Você não ouviu? Eu sou como o Grinch. Meu coração é dois tamanhos menor." Ela riu e se afastou. "Melhor eu ir ver se Ivy está bem". Caminhamos juntos do lado da casa para as portas de correr. No interior, eu podia ver Ivy sentada no balcão da cozinha e Trent em pé na frente dela com um kit de primeiros socorros ao lado dele. Missy foi em frente, mas eu fiquei para trás um segundo. O calor familiar de raiva rodou dentro de mim, praticamente aparecendo do nada. Meus dedos se fecharam em minhas mãos, e eu levei uma respiração profunda. Não havia nenhuma razão para ficar tão excitado. Eu só precisava relaxar.


As tábuas do deque vibravam sob os pés, e eu olhei em volta para Romeo e Rimmel, que estavam vindo na minha direção. Rim tinha um balde de conchas na mão e bochechas coradas que eu sabia não eram do sol matinal. Romeo estava bem atrás dela com um par de óculos em volta de seus olhos . "O que está acontecendo, B?" O tom de Romeo era casual, mas eu sabia que ele sentia mais. Tínhamos sido amigos desde a primeira série, liamos um ao outro bem. Ele me conhecia. Ele conhecia o funcionamento do meu interior. Ele sabia coisas que a maioria das pessoas não sabiam. "Ivy cortou o pé", eu respondi. Rimmel engasgou. "Ela está bem?" "Tenho certeza de que ela está sendo uma rainha do drama," eu murmurei. Ela me deu um tapa no estômago e então me entregou o balde de conchas. "Eu irei ver se ela precisa de ajuda ". Eu tinha certeza que ela já estava recebendo ajuda, mas eu não a impedi de correr para dentro da casa. Romeo estava me observando quando eu coloquei o balde no chão aos meus pés. "Você está bem?" Puxei o boné da minha cabeça e passei a mão pelo meu cabelo. "Sim." "O que deixou você tão agitado?" "Foda-se", eu murmurei. "Apenas me bate às vezes. Você sabe?" "Sim." Chegando mais perto, ele espalmou meu ombro com a mão e me virei para o oceano. "Basta olhar para as ondas. Estar com a natureza e merda.” Eu ri. "Cara. Você é tão chato." "Você se sente totalmente calmo agora" Rome rachou.


Eu dei uma gargalhada. Romeo sorriu e me deu um tapa nas costas. "De nada." Eu ri. Apesar de ter rido, eu devia agradecê-lo. Eu me sentia melhor. Mais no controle. Romeo sempre soube como me trazer de volta. Olhei para ele, sentindo-me grato. Ele deve ter visto a sinceridade no meu olhar, porque ele sacudiu a cabeça. "Eu passei apenas um longo tempo pegando conchas na praia. Se eu tiver mais um momento de menininha hoje, eu vou ganhar peitinhos." "Falando nisso..." Peguei o balde e o estendi. "Aqui estão suas conchas. Eu vou pegar um pouco de café." "Para," Romeo disse depois que eu me virei para as portas de correr. "O que?" "Trent e Ivy." Ele fez um gesto para dentro como queixo. "Acho que Trent está realmente interessado." "Coitado", eu murmurei e entrei. Ivy ainda estava sentada no balcão com Trent bem na frente dela. Missy e Rimmel estavam em cada lado dele, e a atenção de todo mundo estava voltada para baixo. "Será que ela precisa de pontos?" Rimmel preocupou-se. "Nah", Trent respondeu enquanto ele rasgava um grande Band-Aid. Eu ignorei todos eles enquanto fui para a máquina de café no outro lado da cozinha. Quando eu ia passando, Rimmel agarrou meu braço. "O que você acha, B? Acha que precisa de pontos?" O músculo do meu queixo pulou quando ela me puxou para a situação que eu estava tentando evitar, mas quando irmãzinhas pedem a sua opinião, você dá.


"Deixe-me ver", eu disse, e Trent mudou de ângulo para o lado para que eu pudesse seguir em frente para olhar. Minha camisa estava colocada no balcão ao lado de Ivy, e eu podia ver as manchas de sangue. Trent estava segurando o tornozelo, apoiando o pé, e concentrei-me no corte, não na maneira como seus dedos envolviam em torno dela. Era um bom corte, e se tivesse sido um pouco mais profundo, ela provavelmente iria precisar de pontos. No entanto, parecia que Trent tinha limpado bem e que o sangramento estava bem estancado. Parecia que doía, porém, através de toda aquela aparência vermelha e crua. Olhei para Ivy. Suas bochechas pareciam um pouco pálidas, mas quando seus olhos encontraram os meus, o olhar dela era firme. "Como está o pé, Blondie3?" "Nada que um Band-Aid não vá resolver." Senti o lado da minha boca levantar em um meio sorriso. "Parece bom para mim", eu concordei e me afastei, retirando-me para o café. Eu enchi uma xícara, e quando me virei para trás, Trent estava alisando o Band-Aid sobre o pé dela. Joguei um pouco da bebida na minha garganta. Isso queimou. "Obrigada", Ivy disse a ele. A suavidade na voz dela tinha me jogando para trás outro gole do material preto. Eu senti os olhos de Romeo, mas eu evitei e saí da cozinha. "Eu vou tomar uma ducha antes que a gente tenha que sair," eu gritei, não realmente falando com alguém específico. "Espere", gritou Ivy . Eu me virei. Ela levantou minha camisa e a estendeu. "Eu tipo que arruinei sua camiseta." Eu dei de ombros. "Jogue fora. É só uma camiseta."

3

Loirinha.


NĂŁo esperando por ela para responder, eu desapareci no final do corredor, longe de todos. Era apenas uma camisa. Apenas uma noite. SĂł mais uma coisa para eu esquecer.


CAPITULO oito Ações falam mais alto do que palavras? #Verdade Mas algumas palavras são apenas bonitas demais para serem ignoradas. ...Alpha BuzzFeed

I VY Droga, baby. Duas palavras. Duas palavras que eram ditas milhões de vezes durante um dia normal na vida de todo mundo normal. Mas ele as disse. E quando ele as disse, era qualquer coisa, menos normal. Ele falou as palavras tão bem que elas reproduziram no meu cérebro uma e outra vez, como uma música irritante que você ouve no rádio e não pode tirar da cabeça. Exceto que essa música não era chata. Toda vez que essas palavras repetiram, recordei a maneira como ele olhou quando as disse, e um pedaço de mim, literalmente, derreteu. Se isso não parasse em breve, eu ia ser nada além de uma poça. Ninguém nunca tinha me chamado baby antes. Eu quero dizer, com certeza, eu tenho o ocasional, "ei, baby" que era meio irritante. Oh, mas isso foi tão diferente. Foi a maneira que eu às vezes ouvi Romeo falar com Rimmel quando ele pensou que ninguém mais podia ouvir. A forma como ele parecia ribombar


fora dele com tanta emoção, mas sem aparentemente nenhum pensamento. Ele falou como se fosse um carinho, como se eu significasse algo para ele. Algo que não fosse a garota que ele insultou tantas vezes que poderia ser considerado um hobby. Mesmo assim, esse era Braeden. O rei do "Se divertir", o rei de evitar o que ele assim, sem nenhum encantamento, se referia como os toques. Ele poderia ter dito isso, mas eu sabia que eu não devia analisar muito isso. Ele agiu como se não tivesse sequer escutado a si mesmo. Essa foi a pior parte, que aquelas duas palavras sussurradas poderiam significar tanto para mim e ele nem mesmo perceber que tinha falado. E então eu as ouvi em repetido uma e outra vez, querendo que parasse, mas também nunca mais querendo esquecer. Eu estava totalmente ferrada. Quer dizer, sério. "Como se sente?", perguntou Trent. A voz dele estava tão perto que eu me perguntava como eu tinha esquecido que ele estava lá. Olhei para cima e sorri. "Muito melhor. Obrigada por me ajudar a limpar." "Da próxima vez que você quiser entrar em uma briga com uma tampa de garrafa... talvez apenas não faça. " Eu ri. "Sim, talvez." Seu sorriso era torto, e o dente à esquerda de seus dois dentes da frente era ligeiramente tortos, dando-lhe um olhar genioso, libertino. Esta semana foi o maior tempo que eu já passei com ele, o máximo que eu realmente o tinha visto. Eu quero dizer, com certeza, eu o conhecia. Ele passava o tempo no bando de Romeu e estava sempre com os Wolves. Íamos para as mesmas festas, e eu o vi pelo campus, mas eu não tinha realmente jamais me preocupado em conhecê-lo. Estou contente por ter feito, porém, porque Trent era um cara legal. Ele gostava de rir e parecia ter uma daquelas personalidades descontraídas, Namaste. Você sabe, o tipo de vibe que nunca estava realmente fora de equilíbrio.


Ele era o oposto completo de Braeden, que sempre parecia estar caminhando sobre uma linha tênue entre a agressão e a intensidade. Eu o assisti enquanto ele juntava os pacotes vazios de band-aids e se afastou para jogá-los no lixo antes de atarrachar a tampa de volta no creme antibacteriano. Trent era bonito, como o tipo de boa aparência que você faz uma reação retardada para ver. Eu estava começando a pensar que para ser amigo de Romeo, você tinha que ser espetacular. Ele era um cara grande, é claro, sendo um jogador de futebol da faculdade. Trent tinha um peito largo e ombros que afunilavam para baixo em uma cintura e quadris estreitos. Sua pele estava dourada da semana que passamos aqui na praia, e a cor quente única atraiu mais atenção à forma como seu corpo estava definido. Suas mãos eram grandes também, e sua pele estava quente como se tivesse estado sentado no sol. Pelo menos é isso que eu tinha pensado quando toda a palma da mão envolveu ao redor do meu calcanhar e tornozelo enquanto ele ajeitava o meu pé. Seu cabelo não era loiro como o de Romeo, e não era escuro como o de Braeden. Estava em algum lugar no meio – uma tonalidade marrom arenosa que complementava seus olhos castanhos. Ele tinha maçãs do rosto largas, uma sobrancelha forte, e um nariz reto, quase perfeito. Ele tinha aquele aspecto bem apessoado que tantos caras da faculdade tinham, embora o topo de seu cabelo fosse muito longo e deixava-se cair sobre a testa. Eu não sei quanto tempo eu olhei para ele, mas foi tempo suficiente porque ele pareceu notar. Um sorriso lento, intencional, puxou sua boca e seu olhar dourado esverdeado pegou o meu. "Acha que você vai ser capaz de andar com isso?" Engoli em seco e arranquei meus olhos longe para olhar para baixo no meu pé. Meu vestido tinha montado no meio do caminho das minhas coxas, enquanto todo mundo estava avaliando meu pé e tentando limpá-lo. O tornozelo do pé cortado estava jogado por cima do meu joelho - tão pouco feminino para uma garota em um vestido. Eu deixei cair meu pé para que ele pudesse pendurar fora do balcão e puxei o vestido até que caiu para baixo, cobrindo todas as minhas pernas de vista. "Oh sim, eu ficarei bem", eu murmurei.


Trent não disse nada, mas ele abafou uma risada quando ele deslizou o braço ao redor da minha cintura. Eu endureci com o toque inesperado. Mencionei que ele não estava usando uma camisa? A pele de seu braço e peito era tão quente como sua mão tinha sido antes. "Você já foi para fora no sol?" Eu me perguntei em voz alta. "Eu fui para uma corrida na areia, esta manhã," ele respondeu. Sua voz era baixa porque eu estava tão perto que ele não tinha que falar alto. Com um braço, ele me levantou do balcão e baixou-me cuidadosamente no chão. Eu coloquei mais do meu peso sobre o pé ileso e me equilibrei com os dedos do meu outro. Eu não estava completamente pronta para descobrir como ele ia sentir para andar com um pedaço de pele faltando a partir do fundo do meu pé. "Obrigada", eu murmurei quando eu estava firmemente no chão. Ele não se afastou de imediato, ele esperou para se certificar de que eu estava firme antes de pisar para trás e espalmando algumas coisas que estavam nas proximidades. "Você devia levar algumas dessas ataduras grandes. Deixe elas acessíveis em caso de precisarmos mudar o Band-Aid no avião. " "Nós?" Olhei para a pequena pilha envolta em ataduras de sua mão. "Sim", ele respondeu casualmente. "Se você precisar de ajuda para trocar, é só me avisar". Eu tomei o que ele estava oferecendo e olhei para cima. "Ok." Minha voz era fraca. Eu queria me chutar. Fiquei ciente de todos os outros na sala. Trent e eu parecíamos ter um público cativo. Eu olhei em volta e assimilei todos com um olhar arrebatador. "Eu apenas vou verificar se o banheiro está limpo e ver se tudo meu está embalado antes de fazermos uma recapitulação final do resto da casa." "Eu vou fazer isso no nosso quarto também," Rimmel concordou e se afastou de Romeo. Romeo olhou para mim. "Basta colocar suas coisas pela porta. Eu vou carregá-lo para dentro do carro para você. "


"Obrigada." Trent se inclinou para frente e alcançou atrás de mim, seu braço roçando meu ombro nu. "Eu vou jogar isso para você." Ele deu um passo para o caixote do lixo. Quando ele fez, eu peguei um flash de material azul em sua mão. "Não", eu engasguei. Surpreso, ele se virou. "Ela está arruinada." Olhei para a camisa em sua mão. A camisa de Braeden. A que ele envolveu em torno do meu pé para ajudar a parar o sangramento. "Parece bobagem jogar fora uma camisa perfeitamente boa." Que coisa chata de dizer. Trent deu de ombros. "B disse para jogar isso fora." Eu deveria ter apenas deixado ele jogar fora. Mas eu não podia. Parecia que eu estava perdendo algo. Algo que eu não estava pronta para deixar ir. "Desde quando eu escuto alguma coisa que aquele idiota diz?" Eu brinquei, e fiz uma careta. Trent sorriu. Estendi a mão para a camisa, e ele me deixou tê-la. "É a camisa dos Wolves. Eu me sinto mal que eu tenho sangue por toda parte. Vou tentar tirá-lo, e se isso não acontecer, então eu vou jogar fora." Enfiei a camisa sob meu braço e saí da sala, sentindo como se eu precisava correr, mas incapaz por causa do meu pé estúpido. Eu estava me movendo tão lenta que Rimmel diminuiu o passo em seu caminho e olhou para mim com preocupação em seus olhos. "Talvez devêssemos verificar isso". Afastei para longe sua preocupação. "Estou bem. Além disso, nós não temos tempo para sentar no consultório do médico. Temos um avião para pegar."


Ela não parecia convencida. Eu sorri tranquilizadora. "Se estiver ruim quando voltarmos ao campus, eu vou para a clínica, ok?" Isso pareceu fazê-la se sentir melhor, e ela assentiu com a cabeça . "Ok." Sua preocupação de repente me engasgou. A forma bem-intencionada, honesta que ela olhou para mim como se ela realmente se importava. Isso me fez sentir pequena. Culpada. Lágrimas pressionaram contra as costas de meus olhos e eu puxei uma respiração instável. "Ivy?" Rimmel deu um passo adiante. Eu ri e lutei por controle. "Não se importe comigo. Acho que estou com saudade das férias de primavera. Todo esse sol e areia têm sido tão impressionantes que voltar para as aulas e o clima frio está me deixando deprimida." "Não posso dizer que eu estou toda animada em voltar, tampouco," Rimmel admitiu. Apenas pela queda na voz dela, eu sabia que isso era algo que ela ainda tinha que contar a alguém. Todos os pensamentos sobre mim mesma escaparam - foi um alívio - e eu me concentrei nela. Os dois últimos semestres tinham sido difíceis para ela. Mais que complicados. Ela tinha sido pressionada tantas vezes para seu ponto de ruptura, mas ela ainda estava aqui. Isto me deixou perguntando o que a impedia de quebrar. "Se você quiser conversar, eu estou aqui para você", eu disse a ela com sinceridade. "Você sabe disso, né?" Rimmel sorriu. "Sim. Obrigada, Ivy." Eu balancei a cabeça. Mais uma vez, a culpa me invadiu. Aqui estava eu sentindo pena de mim mesma sobre as escolhas que fiz... sobre as ações que tomei. Basicamente, o dano que eu fiz para minha própria vida. No


entanto, havia pessoas como Rimmel consequências de escolhas alheias.

que

estavam

lidando

com

Romeo apareceu e nós duas olhamos para cima. Seu olhar azul trancou em Rimmel, e era como se ele visse exatamente o que estava acontecendo dentro dela. Como se ele visse além de sua pele, sob o sorriso. Era como se ele soubesse. "Eu receio que eu tenho más notícias", ele entoou. Rimmel endureceu imediatamente e assim eu o fiz. "O que foi agora?", Eu gemi. "Por favor, diga que eles não o deixaram sair do hospício mais cedo por bom comportamento." Deus, era exatamente o que ninguém precisava. Romeo balançou a cabeça. "Eu receio que é pior." "O que é? " Rimmel perguntou, preocupada. "É o seu braço?" "Murphy está ficando gordo." Demorou um minuto para que a frase estúpida afundasse através dos pensamentos horríveis que Rimmel e eu estávamos tendo. Várias batidas silenciosas mais tarde, nós olhamos uma para a outra e Rimmel bufou. Eu ri. "Você chama isso de uma emergência? " Eu ri. Rimmel bateu na cintura dele. "Obesidade felina é uma questão muito séria." Como diabos ele conseguia manter uma cara séria quando disse essa besteira? "Eu presumo que sua mãe tomou um gosto pelo meu gato e está alimentando ele um milhão de deleites por dia?", perguntou Rimmel. Romeo passou o braço através de seus ombros. "Sim, eu não achava que fosse possível que alguém pudesse alimentar o nosso gato mais do que você, mas minha mãe conseguiu." Rimmel riu. "Eu mal posso esperar para vê-lo."


"Vamos fazer as malas." Romeo conduziu-a para baixo no corredor, e eu me virei em direção à porta do meu quarto. Antes de eu ir, eu olhei de volta para o casal enquanto se afastavam. Romeo olhou por cima do ombro para mim e piscou. Eu lhe dei um sorriso até mesmo quando algo em meu estômago afundou. Eu estava tão feliz que ela tivesse alguém tão bom como Romeo. Alguém que iria cuidar dela, mesmo quando ela poderia cuidar de si mesma. Mesmo as pessoas mais fortes precisavam de alguém para se apoiar às vezes. Mesmo as pessoas com a melhor das intenções às vezes cometem erros. Parecia que os últimos meses da minha vida foram preenchidos por eles. Senti-me sozinha naquele momento. Eu estava em pé no centro de uma casa de praia cheia dos os meus melhores amigos, mas eu estava completamente sozinha. Quem poderia fazer piadas estúpidas sobre obesidade felina quando eu me sentia para baixo? Será que alguém jamais será capaz de ver debaixo da minha pele, o que estava acontecendo dentro de mim? Será que eu iria ser qualquer coisa mais para alguém que apenas uma transa de uma noite? Eu estava com medo que a resposta para tudo, que eu apenas perguntei a mim mesma fosse um muito alto, muito retumbante não.


CAPITULO nove #CoisasQueFazemVocêIrHmm Se você usar um relógio dentro de um avião, isso quer dizer que o tempo vai voar? ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Eu estava me sentindo chateado. Rome poderia dizer, eu sabia, mas, felizmente, ele não tentou me distrair ou conversar sobre isso. Não teria funcionado de qualquer maneira. Às vezes, um cara se sente chateado. Ok. Às vezes eu apenas me sentia chateado. Eu levava a última merda das meninas para baixo das escadas e saí para a entrada de carros. Por que mulheres precisavam de tanta coisa, eu não tinha ideia. Eu quero dizer, inferno, elas andavam por aí de biquínis minúsculos a semana toda, não é como se elas precisassem de vinte cinco quilos de porcaria que elas trouxeram com elas. Exceto Rim, é claro. Ela tinha uma bolsa, um maiô e um irmão mais velho agradecido. "Isso é tudo?" Romeo perguntou quando Trent e eu levamos a última mala até o carro. "Espero o inferno que sim", eu respondi. Trent riu. "Cara, eu nem sequer quero saber o que tem nessas bolsas." Rimmel desceu os degraus com uma lista em sua mão e parou ao meu lado. Eu olhei para baixo para ver a lista de verificação do aluguel que a


empresa deixou de todas as coisas que precisavam ser cuidadas antes de sairmos. "Está tudo pronto", afirmou. Notei as marcas de checagem ao lado de cada item e sorri. "Só você acharia lição de casa nas férias de primavera." Ela me deu uma cotovelada no estômago, e eu fiz um som como se machucasse. Não doeu, mas eu não queria fazê-la se sentir mal. Não era culpa dela que ela era inofensiva como uma mosca. "Legal. Então vamos. O aeroporto está esperando", disse Romeo. Trent olhou para o conversível vermelho. "Tem certeza de que todos nós vamos caber lá?" "Como sardinhas em uma lata", eu murmurei. "Nós vamos fazer caber", disse Romeo. "Pra você é fácil falar. Você vai dirigir" Eu rachei. Ele me deu o dedo. "Eu vou sentar na parte de trás porque eu sou menor. Um de vocês pode ir na frente", Rimmel ofereceu. Tecnicamente, tivemos uma pessoa a mais para o carro. No entanto, em vez de chamar um táxi ou alugar qualquer outra coisa, nós apenas íamos colocar a pessoa extra nas costas. Isto era ilegal, mas quem diabos se importava? Missy e Ivy saíram pela porta e começaram a descer os degraus. Ivy estava andando lentamente e Missy manteve ritmo, segurando seu braço como se ela fosse uma velhinha de quadril quebrado. "Mexa essa bunda, Blondie!" Eu gritei. "Nós vamos perder nosso voo." "Braeden!" Rimmel me repreendeu. "Ela está machucada." Eu resmunguei. " É preciso muito mais do que uma tampa de garrafa para derrubar aquela."


Das escadas, Ivy me disse para ir chupar um ovo. Olhei de volta para Rimmel e ergui uma sobrancelha. "Ela é tão delicada." Rimmel olhou para mim, e eu sabia que eu estava prestes a ouvir um sermão. Deus me ajude. Se qualquer outra mulher tentasse me dar um sermão, eu diria a ela para se foder. Mas Rim era diferente. Ela de alguma forma conquistou o meu coração e fez um lugar lá. Eu era realmente bom em manter meu coração livre de mulheres, mas com ela era diferente. Não era um tipo romântico do amor, era amor fraternal. Ela era da família. No meu bolso, o meu celular tocou. "Desculpe, mana, eu tenho que atender", eu disse, tentando parecer tão triste que eu iria perder suas instruções, ok, eu não fiz soar triste em tudo e puxei-o para fora. Era minha mãe. "Mãe", eu respondi e me virei do grupo. "Oi, Braeden, querido", disse ela. "Eu estou ligando apenas para me certificar de que está tudo ainda no cronograma com o seu voo para casa." Eu tinha vinte e um anos de idade e minha mãe ainda ligava para saber como eu estava. Ela provavelmente ainda ia continuar fazendo o mesmo quando eu completasse cinquenta anos. "Nós estamos indo para o aeroporto agora, mamãe. Está tudo bem." "Ok, bem, vocês, rapazes, tenham um voo seguro. E Rimmel, também." "Vamos ter." Eu esperava que ela dissesse seu adeus habitual e terminasse a chamada. Mas ela hesitou. "Mãe?" Eu entoei. "Tem algo errado?" "Oh, não", ela riu, mas foi forçado. "Eu só sinto falta de você, é só isso." "Eu vou passar aí depois que eu me acomodar no campus." Ou talvez eu apenas dê uma passadinha no caminho do aeroporto. Eu não gostava de pensar nela sentada se preocupando comigo. Ou estando solitária.


Ela quis que eu morasse em casa quando eu fui para a faculdade, e eu morei no primeiro ano, mas eu queria viver no dormitório. Eu queria um pouco mais de liberdade, algum espaço que fosse apenas meu. Então me mudei para o campus. Às vezes eu me sentia mal com isso. "Vou aguardar ansiosa", disse minha mãe, interrompendo os meus pensamentos. "Legal. Eu tenho que ir ou vamos nos atrasar. Eu vou ligar quando a gente pousar." Eu me virei para todo mundo. Trent estava ajudando Ivy no carro, sua mão estavam na parte inferior das costas dela. Eu empurrei o telefone de volta no bolso e fui para o carro. Trent estava se preparando para espremer-se no banco de trás com as meninas. "Você quer ir na frente, cara?", perguntei. "Nah , você pode ficar", respondeu ele. Eu deslizei na frente e girei o boné na minha cabeça para que ele não fosse mais para trás e, em seguida, puxei-o baixo na minha testa. Dentro deste carro me senti como um par de jeans com muito, muito traseiro neles. Eu ignorei a vibração de todos atrás quando Romeo afastou-se da casa e na estrada principal. O feriado tinha sido muito divertido. E ontem à noite... Bem, eu não ia mais pensar nisso. Dez minutos na estrada, um pé descalço surgiu entre os assentos e descansou no console central entre Rome e eu. Eu olhei por cima e peguei um flash de esmalte vermelho nos dedos do pé e a ponta de um Band-Aid. "Seus pés fedem," eu xinguei. "Quem foi a vaca que fez o seu café esta manhã? " Ivy replicou. Eu me sentei e me inclinei em volta do banco, e olhei para ela por debaixo do meu boné. Ela estava no meio com Missy, a pobre Rim esmagada contra a porta, e Trent estava no outro lado de Ivy. Seu cabelo estava caindo em volta dos ombros e seus braços estavam cruzados sobre o peito.


Senti os nossos olhos se conectarem, mesmo com o meu boné bloqueando parcialmente o meu olhar, meus olhos ainda encontraram uma maneira de fixar nos dela. Um choque de consciência me sacudiu, como uma dose de tequila que acendeu um fogo por toda a minha garganta para meu estômago e depois se espalhou para revestir meus membros. Os dentes de Ivy afundaram no seu lábio inferior, e eu tive uma memória aguda de chupá-lo em minha boca e lambê-lo com a minha língua. Não tinha como ela pudesse saber o que eu estava pensando. Eu não dei nehuma indicação. Mesmo assim, seu corpo ficou tenso e ela puxou o pé de volta, retirando-se tão longe de mim quanto ela podia. "Está doendo?", Perguntou Trent. Ela arrancou os olhos longe de mim, quebrando o sentimento meio bêbado que me envolvia. "Um pouco." "Se você o apoiar provavelmente, iria ajudar." Ele era um médico agora? "Eu não quero que ninguém desmaie com o meu mau cheiro" , ela rachou . O inferno se não isso não me fez rir. "Se você fede, então eu tenho um terceiro mamilo", disse Trent. Seu suspiro foi divertido e exagerado. "Onde?" A risada estrondosa dele encheu o espaço atrás de mim, e eu revirei os olhos. "Você me viu sem camisa agora de manhã. Você viu alguma coisa extra?" "Eu acho que vou precisar de um saco de vômito", eu anunciei. Romeo riu.


"Eu acho que tudo estava no lugar", afirmou Ivy como se ela não tivesse me ouvido falar nada. "Me dá aqui o seu pé", disse Trent , o riso ainda em seu tom. Eu não me incomodei em olhar - mantive meu corpo treinado em direção à frente, mas eu ouvi um pouquinho de movimento. Imaginei Ivy cruzando sua perna sobre sua coxa e Trent puxando o pé dela machucado em seu colo. "Está bem assim para você?", ele perguntou. "Sim, está. Obrigada." "Parece que ele começou a sangrar de novo." Eu o imaginei colocando o pé na mão e olhando para o Band-Aid que ele colocou lá mais cedo. "Bem, eu me apressei para descer os degraus. O pessoal estava me apressando." Seu tom era dirigido a mim. Assim era a sua atitude irritante. Eu abri minha boca para dizer a ela pra ficar quieta, mas Trent falou antes que eu pudesse. "Eu posso trocá-lo para você." "Eu poderia muito bem esperar até depois quando eu estiver dado uma caminhada no aeroporto." Notei que o tom sacana na voz dela tinha sido reservado exclusivamente para mim. Eu grunhi e liguei o rádio. Esperançosamente que iria abafar o som de sua voz ensurdecedora. Eu prefiro ouvir unhas em um quadro-negro do que ouvir o seu sotaque xaroposo, ligeiramente sulista para Trent como se ele fosse algum tipo de herói. Ele colocou um band-aid no pé dela, pelo amor de Deus, não é como se ele a tivesse salvo de uma amputação. Passei o resto do caminho para o aeroporto com a aba do meu boné puxado para baixo sobre os meus olhos e ignorando os pequenos limites deste carro. Uma vez que chegamos ao aeroporto, Romeo parou na zona de descarga para todo mundo sair e ele ir pagar o aluguel. Depois que eu o ajudei a descarregar as malas, comecei a subir de volta no assento do


passageiro, imaginando que ficando com ele me daria uma pausa de todas as mulheres. Antes que eu pudesse fechar a porta, Romeo pegou-a e inclinou-se. "Rim quer tomar um café antes de irmos para o portão." Revirei minha cabeça sobre o assento e olhei para ele. "Você quer que eu fique com ela?" "É um lugar muito grande, com com um monte de gente. Trent parece estar bastante envolvido em ajudar Ivy a andar. Além disso, ele está transportando mais da metade da bagagem." Olhei além de Rome para Rimmel em pé na calçada e suspirei. "Eu fico com ela." "Obrigado, cara." "Não precisa agradecer. Ela é da família." Nós descemos, e ele correu de volta para o lado do motorista. Sobre o capô, gritou para Rimmel, "Eu vou encontrá-la no Portão. Fique com B." Pendurei minha bolsa em cima do ombro e dei um passo ao lado dela quando ela revirou os olhos. Tomando a bolsa de sua mão, eu a adicionei à minha. "Serviço de babá de novo?", perguntou ela. Eu dei de ombros. "Eu poderia tomar um café também." Eu entendo por que isso a irritava, que Rome e eu praticamente compartilhamos a responsabilidade de cuidar dela, porque, provavelmente, me irritaria também. Mas isso não ia mudar. "Vamos," ela murmurou, e os cinco de nós caminhamos para o aeroporto movimentado. Era um lugar brilhante, cheio de vidro e luz, com pisos brancos brilhantes que se estendiam para fora, tanto quanto eu podia ver. As pessoas se apressaram através dele, arrastando malas com rodas por trás delas.


" Você quer que eu pegue um pouco disso, cara? ", perguntei a Trent . Ele estava carregando sua mala saco, cinquenta libras de porcaria de Ivy, e metade de Missy. "Eu consigo," ele resmungou. Ivy estava em pé ao lado dele, protegendo seu pé ileso sobre o outro. Missy estava olhando para o papel em sua mão e depois para os sinais. "Deste lado," ela disse e gesticulou em direção a todos nós as máquinas que nos dariam nossos cartões de embarque. Havia tantos caixas que não havia uma longa fila. Rimmel e eu nos aproximamos, e eu a conduzi na minha frente para que ela pudesse ir primeiro. Como ela estava digitando sua informação, eu olhei ao nosso lado onde Missy estava usando o computador. Atrás dela estava Ivy, e Trent estava por perto. Seu vestido preto-e-branco caía quase no chão e deslizava em seu corpo, delineando as curvas que eu comecei a conhecer muito melhor apenas na noite passada. A maneira como seu cabelo loiro-claro contrastava contra o bronzeado em seu braço longo e fino foi algo que os meus olhos acharam muito fascinante, e eu fiquei lá como um idiota e olhei. Eu sabia que ela sentiu o meu olhar. Ela olhou para mim pelo canto de seu olho, mas, em seguida, rapidamente desviou o olhar. "Ivy, você se importaria de me dar uma mão?" Trent perguntou, chamando a minha atenção. A saia virou em seus tornozelos quando ela se virou e olhou para ele. "Sério, Trent, você parece um burro de carga. Posso levar um pouco dessas bolsas." "Minha mãe me ensinou a ser um cavalheiro", ele falou lentamente e, em seguida, mostrou seu dentes para ela. "Claro, minha mãe provavelmente não aprovaria o que eu estou a ponto de pedir que você faça." Meus ombros ficaram tensos enquanto eu interceptei seu pequeno um a um.


"Estou intrigada", respondeu Ivy, o interesse em seu tom de voz e um leve sorriso no rosto. Ela poderia ser mais óbvia? Eu quero dizer, merda, nós estávamos em um aeroporto, pelo amor de merda. Esta não era a hora e nem o lugar para pegar o próximo encontro. "Eu preciso da minha identidade." O sorriso de comedor de merda de Trent esticou em seu rosto, e ele fez sinal para as mãos convenientemente cheias. "Oh, onde está? Vou pegar isso para você." "Está no meu bolso." Ele rodou seus quadris, assim o bolso veio para a frente. "Se importa de pegar isso?" Oh, ele era bajulador. O filho da puta. Isso é o tipo de merda que eu iria puxar. Ivy deu uma risadinha. Meus dentes de trás estalaram juntos. Ela deu um passo para frente e deslizou sua mão para baixo no bolso da frente da calça jeans de Trent. Será que ela realmente tinha que ficar tão perto dele? Será que ele realmente tinha que olhar para ela como se ele estivesse com fome e ela fosse uma maldita rosquinha? Toda a sua mão desapareceu. Que inferno de profundos eram aqueles bolsos? "Braeden? " A voz de Rimmel cortou em meus pensamentos e sua mão roçou meu braço. Eu rasguei meus olhos da missão de busca de Ivy e olhei para Rim. "Hmm?" "É a sua vez..m" Ela apontou para a máquina como se fosse óbvio. "Legal". Deixei as malas aos meus pés e virei de costas para todos enquanto eu digitava tudo. Eu podia ouvir Ivy rindo, Missy falando, e o baixo ruído de riso de Trent. Eu rasguei o meu passe para fora um pouco mais áspero do que deveria e peguei as malas. "Vamos pegar um pouco de café. Vocês ficam bem?" Eu


dirigi as palavras para todos, mas olhei para Missy. Eu não estava mais prestes a assistir Ivy apalpando Trent. Missy franziu a testa um pouco, e eu percebi que a minha voz tinha sido dura. Eu respirei fundo e dei-lhe o meu melhor sorriso encantador. "Você precisa de algum joe4, Miss?" Sua carranca desapareceu e ela sorriu. Missy era gata, tipo gata capa de revista. E ela não era ruim de cama também. Me fez querer que eu gostasse dela tipo, mais do que só um amigo. "Eu estou bem, mas obrigada por perguntar." Eu cobri meu braço através do ombro de Rimmel e comecei a andar. "Legal. Bem, vejo vocês no portão." Rimmel não disse nada enquanto a levei para o café mais próximo. Claro que havia uma linha. Depois de alguns minutos de pé ali em silêncio, eu senti minha irmãzinha me encarando. "O quê? ", Perguntei. "O que você tem?" Olhei para ela e sorri. "Nada. Eu estou perfeitamente bem." "E eu sou a próxima modelo de biquíni da Victoria’s Secret." Eu gemi. "Nenhum irmão quer aquela imagem em sua cabeça, Rim" . "Você está agindo de forma estranha. E aí?" "Estranho como?" Eu compensei. Por que é que ela sempre sabia quando algo estava acontecendo? Eu culpava todos os livros malditos que ela lia todo o tempo. A menina era inteligente demais para seu próprio bem. Rome nunca mais ia escapar com nada para o resto de sua vida. "Braeden", alertou.

4

Joe, o homem mais doce e sensível do mundo.


Eu sorri. Eu gostava quando ela tentava agir toda difícil e intimidante. A fila andou e nós fomos com ela. "Você quer uma dessas bebidas de menina?" Eu perguntei, olhando para o menu. O cara na nossa frente riu e olhou por cima do ombro para nós. "Claro." Sua voz era doce xaroposa. "Só me traga o que você sempre bebe." Eu olhei para ela e o homem da risada abafada flutuou de volta para nós. Ela parecia bastante orgulhosa de si mesma com o comentário, tão orgulhosa que levou sua mente fora do meu interrogatório, e eu não estava prestes a lembrá-la. No entanto, no segundo que eu pedi – lattes normal com açúcar para mim e Rome, e alguma coisa de macchiato baunilha, salpicado com chocolate e caramelo - e fomos esperar pelo nosso pedido, ela colocou as mãos nos quadris e olhou. "Bem?" "Não é nada. Minha mãe só soou um pouco estranha quando ela ligou." Ela baixou os braços e seu rosto se suavizou. "Oh, ela está bem?" Eu puxei uma mecha de cabelo que tinha saído da confusão enorme empilhada sobre a cabeça dela. "Sim, ela está legal. Eu só acho que ela está solitária. Faz tempo que saí de casa." "Eu não acho que eu realmente agradeci por ter vindo para a Flórida quando Romeo chamou. Por estar lá para mim como você esteve. " "BBFL5", eu disse. Ela sorriu. "Você é o melhor irmão mais velho que alguém poderia ter." O barista gritou meu nome, e Rimmel foi lá, pegou o café, e me entregou. Quando os outros dois estavam prontos, ela os agarrou e nós fomos em direção ao portão. Ela tomou um gole de café, depois de alguns minutos de nós nos esquivando correndo das pessoas, ela disse: "Quer que eu vá com você para 5

Best Friends For Life = Melhores amigos para a vida.


vê-la? Romeo também? Todos nós podemos visitá-la, talvez para fazê-la se sentir menos solitária." Se Romeo ia se acalmar com uma mulher e comprometer-se a ser um cara de uma mulher só, então ele tinha feito uma maldita boa escolha. Rimmel era, provavelmente, a pessoa mais altruísta que eu conhecia. "Tenho certeza que ela gostaria disso", eu respondi. "Mas eu acho que vou passar lá antes, para me certificar de que está tudo bem." "Talvez possamos jantar com ela esta semana?", perguntou ela, esperançosa. "Claro, isso parece ótimo." Rim havia encontrado minha mãe apenas um punhado de vezes, mas a minha mãe sabia o quanto a minha irmãzinha significava para mim. E Rimmel parecia apenas deslizar direto em minha vida, como se ela tivesse estado sempre lá. Era como se, porque ela se preocupava comigo, então ela se preocupava com tudo o que me importava, também. Os banco ao lado do nosso portão estavam cheios, parecia que o voo de volta para Maryland ia ser totalmente abarrotado. No entanto, mesmo com todas aquelas pessoas, meus olhos encontraram Ivy. Ela estava sentada com Missy e Trent perto da janela. Fiquei contente de voltar para Alpha U, voltar ao meu horário normal e dormitório, onde ela não estaria em volta todo o tempo. "Hey," Rimmel disse, dando um passo à minha frente enquanto nós nos aproximávamos. Parei de andar e foquei nela. "Você sabe que você pode falar comigo em qualquer hora, certo? Irmãzinhas podem realmente ser boas ouvintes." Eu dei um meio sorriso. "Sim, obrigado." Ela pareceu um pouco insegura sobre sua abertura, um pouco tímida sobre me deixar saber que ela se importava. "Quer dizer, eu sei que você tem Romeo, e ele seria aquele a quem você procuraria - " "Rim." Eu a cortei e deixei cair as malas ao nosso lado. "Eu sei. Eu também te amo." Eu enganchei um braço em volta dela e a puxei para


perto. Não era um abraço completo porque ela estava segurando dois cafés e eu estava segurando um, mas o trabalho foi feito. Eu senti o seu choque com as minhas palavras. Que eu realmente disse que a amava em voz alta. Limpei a garganta. "Você sabe, como uma irmã." Sua risadinha abafada contra a minha camisa. "Eu também te amo." Eu não achei que essas palavras significariam tanto para mim. Inferno, eu nunca pensei que iria dizer a ela que a amava no meio do aeroporto. Mas a sua vontade de dizer que ela se importava me deixou tocado. Escavou debaixo do humor irritado que eu estava por dentro e os sentimentos irritantes que eu tinha pela Ivy. Durante muito tempo, a minha família consistia apenas da minha mãe e eu. Romeo e seus pais eram constantes principais na minha vida também. Mas esta foi a primeira vez que eu tinha deixado uma menina entrar. Não, não foi romanticamente, mas isso ainda significava muito. Na verdade, o choque de que Rimmel acabou de exibir, eu senti também. Talvez por isso eu fosse tão protetor com ela. Porque deixar as pessoas entrarem era tão raro para mim como era para ela, e porque eu queria proteger isso. "Deixo vocês dois sozinhos por cinco minutos,” Romeo falou arrastadamente quando ele veio atrás de nós. Rimmel afastou-se e foi ficar com ele. Eu não era um cara de relacionamento, mas a devoção que eu vi em seus olhos quando ela olhou para ele às vezes me fazia sentir como se eu devesse ser. "Peguei um café para você." Rimmel estendeu o copo para ele. Romeo pegou e se inclinou para beijá-la na cabeça. "Obrigado, baby." "O carro foi devolvido?" , perguntou ela. "Sim." "Eu vou sentir falta daquele conversível ", ela suspirou. "Hey, agora, não vá ficar dizendo isso em volta do Hellcat."


"Bem, pelo menos eu conseguia dirigir o conversível", ela rachou. Rome fez uma careta. "O Hellcat vai provavelmente sentir falta daquele conversível." "Ei! " Rim admoestou e o cutucou nas costelas. Rindo, Romeo a puxou para mais perto. Afastei-me daquela repugnante, adorável exibição de afeto deles. Rome estava tão amarrado. Como diabos ele ficou tão ligado por dentro por alguma garota - sem ofensa para a minha pequena mana - era um maldito mistério. Eu não ia jamais ficar ligado daquele jeito. Estar ligado era a última coisa que eu nunca planejei. Sem querer, eu olhei para Ivy. Ela estava rindo junto com Missy de algo que Trent estava dizendo. Deixar as mulheres entrarem, deixando esse tipo de emoção entrar era perigoso. Eu sabia muito bem o tipo de dano que um relacionamento com muito de alguma coisa poderia causar. Eu estava melhor sozinho.


CAPITULO dez #MeditaçõesTardeDaNoite Amigos são como peitos. Alguns são pequenos. Alguns são grandes. Alguns são verdadeiros e alguns são falsos. #QueTipoDePeitoVocêÉ #BuzzyBoss

I VY Eu precisava de um banho. Por mais de uma razão. Sentada em um avião cheio de pessoas aglomeradas não foi divertido. Sentada ao lado de Missy, a minha melhor amiga que eu traí, foi pior. Ainda sentindo Braeden na minha pele? Tortura. Tudo o que eu conseguia pensar enquanto eu mancava pelo estacionamento do aeroporto com Missy e Trent era num banho. Eu não me importava que não seria um banheiro privado como o que eu tinha usando durante a semana passada. Eu não me importava que eu ia voltar para o dormitório, de volta às aulas, e de volta à vida normal. Eu só queria que esses sentimentos fossem embora. Esta guerra dentro de mim precisava parar. O que Braeden e eu tínhamos feito tinha sido tão errado, mas oh, eu juro, me senti tão bem. Eu não conseguia parar de pensar nisso. Sobre a forma como o orgasmo, meu primeiro, foi como uma correnteza súbita dentro de todo o meu corpo. Ele circulou e circulou, ganhando impulso, e depois tudo em


mim entrou em colapso e foi puxado para o centro da roda de um prazer inigualável. Todo o meu corpo se estilhaçou. Eu não sabia que podia ser assim. Por quê? Por que eu tinha de experimentar algo tão poderoso com ele? E então eu tive que sentar ao lado de Missy – a garota que o queria – no avião para casa. Trent estava sentado na mesma fila, e isso, felizmente, cerceou qualquer conversa de menina, mas eu sabia que não seria capaz de evitar isto para sempre. Talvez depois de um banho, depois de algum espaço e tempo para pensar, eu estaria melhor preparada. Preparada para empurrar o que aconteceu para os recessos mais profundos da minha mente. Eu iria ser capaz de conversar com Missy sobre ele e o modo como ela se sentia sem me sentir como uma pessoa horrível. A viagem de volta para o campus não foi terrivelmente longa. Nós realmente não falamos muito. Eu acho que todo mundo estava feliz por estar fora do avião. O primeiro lugar que eu fui, foi para a casa de fraternidade onde Trent era presidente. Era a primeira vez que eu tinha estado de volta desde a noite antes do grande jogo do campeonato na qual o Alpha jogou. A noite que eu dormi com Zach. Quando eu estacionei o carro no meio-fio, uma sensação doentia chegou até o meu intestino. Um suor frio escorria na minha testa, e eu me senti mal, e uma espécie de pânico. Meus dedos apertaram ao redor da direção enquanto tentava conter o pânico arranhando minha garganta. Que diabos havia de errado comigo ? Controle-se! Incapaz de me sentar no espaço fechado do carro mais um segundo, a porta se abriu, e eu catapultei para fora na calçada. Meu pé protestou


quando eu o baixei, mas eu não me importei. Puxando em respirações profundas, eu tentei reduzir a maneira que eu estava me sentindo. Flashes daquela noite me agrediram. Das pessoas rindo, dançando, e o esmagamento de corpos enchendo a casa. A risada familiar flertou através da memória. Era Zach. Estremeci. "Ivy?", disse Trent, chegando a tocar meu braço. Eu me afastei, surpresa com sua súbita aparência. "Para," ele disse e se afastou. "Você está OK? Você não está parecendo muito bem." Debrucei-me contra a porta do carro e reuni um sorriso. "Desculpe. Eu acho que toda a viagem está me pegando. Estou me sentindo um pouco enjoada de andar no carro." Era uma mentira, mas era melhor do que dizer que olhar para a casa onde ele morava me fazia sentir como se eu fosse ter um ataque de pânico. "Posso pegar um pouco de água? Você quer se sentar?" A preocupação em sua voz era genuína e surpreendentemente me trouxe de volta ao presente. Que uma vez com Zach tinha sido um erro terrível, terrível. Isso nunca ia acontecer de novo. Eu nunca tinha que vê-lo novamente. Era passado. Olhei para Trent. Sua atenção estava totalmente focada em mim, e isso me fez sentir bem, ser o centro das atrações de alguém mesmo que fosse apenas por alguns momentos. "Você é um cara doce." Ele colocou a mão sobre o peito como se eu tivesse atirirado nele. "Esse é o beijo da morte", ele gemeu. "O quê? " Eu ri. "Nenhum cara quer ouvir como ele é doce."


"Então o que é que eles querem ouvir?" Eu perguntei, totalmente divertida. "Que eles são foda. " Ele deu de ombros como fosse óbvio e eu deveria saber disso. Eu ri novamente e estendi o punho para um soquinho. Caras gostavam disso. "Você é totalmente foda, Trent." Ele me deu um sorriso largo e chegou para o meu punho, mas ele não retornou a batida. Em vez disso, ele pegou minha mão e me puxou forte. Eu não estava preparada para isso, então eu caí à frente de seu peito. "Nós não batemos o punho. Nós abraçamos", disse Trent enquanto ele me puxava para dentro do círculo de seus braços. Automaticamente, voltei o abraço, deitando minha bochecha contra seu ombro. Senti sua mão nas pontas do meu cabelo antes que ele se afastasse. "Eu me diverti esta semana." "Sim." Eu sorri. "Eu também." Por que de repente eu senti como se o ar estivesse carregado com mais do que apenas uma despedida amigável? "Eu vou te ver por aí, certo?", ele perguntou. "Claro!" Trent se inclinou na porta do carro e disse adeus a Missy. Quando ele puxou de volta para fora, empurrou a mão pelo cabelo cor de areia e piscou para mim. "A gente se vê por aí, Ivy." Acenei e subi de volta no carro. Eu não olhei para a casa novamente. Eu estava com medo de que isso arruinaria a paz que eu ia tinha conseguido de volta uma vez que nos reerguemos. Enquanto eu dirigia longe do meio-fio, senti os olhos de Missy. Olhei para ela. Ela estava sorrindo como se ela tivesse acabado de encontrar um diamante gigante.


"O quê? ", perguntei. Ela sorriu mais amplo. Suspirei. "Ele está totalmente a fim de você. " "Quem? " Eu perguntei, embora eu soubesse exatamente onde ela estava indo com isso. Eu não estava nem um pouco a fim de uma conversa sobre minha vida amorosa - ou a falta dela – neste momento. "Você sabe quem! " Ela me deu um tapa no braço. " Trent totalmente tem uma coisa por você. " "Umm , eu acho que Romeo estava tentando arranjá-lo com você." "A única coisa entre mim e Trent é amizade. Mas vocês dois... " Sua voz se tornou calculista. "Vocês dois combinam bem. " "O quê?" Eu disse um pouco alto demais. "Não." Missy acenou com a cabeça. "Uh-huh. Você tinha que ver o jeito que ele estava olhando para você. E a maneira que ele estava esta manhã na casa de praia. Ele cuidou totalmente do seu pé. " A voz dela estava virando sonhadora. Rolei meus olhos. "Missy- " Ela me cortou. "E a maneira como ele observava você no aeroporto e te ajudou com as malas ". "Ele carregou suas malas também," eu apontei. "Nem todas elas." Eu gemi. Isto era ridículo. Eu estava cansada de pensar em caras. De falar sobre caras. Pela primeira vez em anos, a ideia de ter um namorado era totalmente desagradável. "Eu não quero falar sobre Trent. "


"Desde quando você não quer falar sobre caras?" Missy pressionou. Desde que eu dormi com Zach como uma grande prostituta, em seguida, caí na cama com o cara que você está flertando. Eu queria dizer isso em voz alta, mas eu não me atrevi. Tomando meu silêncio como uma espécie de motim, ela suspirou. "Tudo bem, vamos falar sobreTrent mais tarde. " Oh, que bom. " Além disso, eu quero falar sobre Braeden. " " Braeden?" Eu perguntei nervosamente. "Ele é meu tema menos favorito " . Missy ficou em silêncio por um momento. Senti seu escrutínio. Eu trabalhei duro para manter meu rosto desprovido de qualquer tipo de emoção. " Há algo acontecendo com você e Braeden ? " "O quê? " Engoli em seco e deslizei um olhar de surpresa para ela. Merda. Merda. Merda! "O que te faz pensar isso?" "As coisas simplesmente pareciam mais tensas do que o costume entre vocês dois hoje. Será que você entrou em uma outra briga? Você sabe, pior do que a habitual?" Eu relaxei um pouco. "Bem, eu normalmente não estou presa em um carro ou um avião com aquele verdadeiro dor na bunda, " Eu rachei. Missy riu. "Eu acho que não." "Francamente, eu estou contente de ficar longe dele por um tempo. " Isso foi dito com total honestidade. "Você não deveria odiá-lo, você sabe," Missy disse calmamente quando eu puxei para dentro do estacionamento do nosso edifício do dormitório.


"Eu não odeio ele," eu me esquivei. "Somente desgosto fortemente. " "Eu sei que é por minha causa. Por causa de como as coisas terminaram entre ele e eu ". Eu não queria falar sobre isso agora. "Ele foi aberto sobre nós. Ele nunca disse que éramos nada mais do que o que nós éramos. Foi apenas diversão. " "Mas não foi", eu disse com veemência. "Não para você." "No começo, era. Mas, então, eu comecei a conhece-lo. Ele é tão ... intenso, sabe? " Oh, eu sabia. "Eu imagino?" "E ele é divertido. Mesmo que nós fôssemos apenas tipo amigos com benefícios, ele ainda me fez sentir especial. " Eu bati o carro no primeiro local vago que vi, desliguei o motor, e arranquei as chaves da ignição. Sem dizer nada, eu saí e fui para o porta malas. Meu pé doía enquanto eu cavava nossas malas fora da traseira e as entregava a Missy. Quando o porta malas foi fechado, eu não podia mais ignorar os comentários de Missy. "Eu sei que você gostava dele," eu comecei. "Muito. Mas eu só não acho que ele é o cara para você, Miss. Você merece muito mais do que um cara que só quer benefícios com nenhum compromisso." Eu era uma hipócrita. Eu sei. "Talvez. Mas eu o quero. " Eu senti como se ela me desse um soco no estômago. "Eu quero um milhão de dólares", eu rachei. "Talvez você deva jogar na loteria." Missy sorriu enquanto arrastamos nossas coisas em direção ao dormitório.


Eu ri. "Eu o vi me observando, você sabe." Meus passos vacilaram. "O quê?" Missy acenou com a cabeça. "Esta semana na praia, na casa. Às vezes eu iria pegá-lo me encarando. Admirando a vista." Ela sorriu. Eu pensei que ele estava olhando para mim. Eu mesma disse isso ontem à noite... Ele não disse que eu estava errada. É claro que ele não faria isso! Ele estava prestes a transar! Ele iria deixar você acreditar no que você quisesse. De repente, eu estava incrivelmente insegura. E incrivelmente envergonhada. Será que eu nunca aprendia? Missy continuou como se eu não estivesse totalmente morrendo de constrangimento. "Talvez o tempo que passamos separados tenha feito ele sentir minha falta. Talvez me ver brincar com Trent no oceano o fez ficar com ciúmes." Engoli em seco. É por isso que ela parecia mais interessada em Trent do que ela, na verdade estava? Talvez o que eu pensava com o seu paquera no oceano foi realmente apenas sua encenação para Braeden. Ela confundiu meu silêncio com algo mais. "Oh!", Ela engasgou. "Eu não gosto de Trent. Não desse jeito. Eu prometo." "Sim, eu acho que entendi isso, " eu observei secamente. Ela abriu a porta do prédio, e eu fui em frente para dentro. "Eu só não quero que você pense que eu estava tentando dar em cima dele. Especialmente com vocês dois começando alguma coisa." "Não estamos começando alguma coisa."


"Sim, vocês estão", ela cantou. "E eu apoio totalmente. Só porque eu poderia ter usado Trent um pouco na Flórida para fazer ciúmes a Braeden não significa nada. Eu sei que você gosta dele. Eu nunca iria dar em cima de um cara que você estivesse a fim. " Meu coração afundou. "Você é uma boa amiga, Missy." "Piranhas acima de irmãs," ela gritou e virou-se para o corredor em direção a seu quarto. Era no primeiro andar, e Rimmel e eu estávamos no segundo. "Ligue para mim mais tarde!" Eu escapei para a escada e caí contra a parede mais próxima. Era oficial. Eu ia para o inferno das melhores amigas.


CAPITULO onze Maquiagens, separações e transas #NótíciasDosDramasDasFériasDePrimaveraChegando #BuzzBossContaTudo ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Nós pousamos em um pequeno aeroporto em Maryland. Foi mais caro para voar para este aeroporto porque tivemos que tomar um vôo fretado de Baltimore, mas as multidões menores e menos tempo de espera para a devolução de bagagem fez o custo valer a pena. A minha caminhote estava estacionada no estacionamento 24 horas, uma vez que, inicialmente, eu ia dirigir até aqui com Trent mas, em seguida, Rome ligou e me chamou para vir mais cedo. Foi bom eu ter feito isso. E se as coisas tivessem ido sequer um pouco pior, alguém teria de estar lá para varrer Rimmel do chão. Ouvir os tiros no quarto do hotel no qual sabíamos que Romeo estava, tinha sido um dos momentos mais assustadores da minha vida. E eu tive alguns momentos de merda. Mas Romeo era meu irmão – desde o jardim de infância. Tommy Bromley era um valentão e o maior garoto da classe. Ele decidiu uma tarde que ele ia me pegar. Eu não era grande como eu sou agora. Eu era magro, não tinha crescido bastante, e eu tinha medo da minha própria sombra. Ainda assim, quando ele me empurrou e me disse para dar o meu dinheiro do almoço, eu esqueci o gato medroso que eu era. Eu fiquei zangado – zangado de verdade. Às vezes penso que aquele foi o dia em que meu temperamento nasceu.


E então Romeo entrou na minha vida exatamente no momento certo. Ele sempre foi a água para o meu fogo. O extintor na minha chama. Eu tomei a porra da minha força e empurrei Tommy de volta. Eu vi a cara de choque no seu rosto. Nunca, em um milhão de anos, ele pensou que o pequeno Braeden iria revidar. No entanto, eu estava cansado de ter medo. Cansado de ser empurrado. Ainda assim, o meu monitor não o impediu. Ele me deu um soco no nariz. Lá estava eu, nem mesmo sete anos de idade, e eu estava ali, de pé no parquinho, com um nariz sangrando e um valentão tentando tirar o meu dinheiro do almoço. Eu queria chorar. No entanto, mesmo nessa idade, eu sabia que não podia. Nunca deixe que eles te vejam chorar. Isso foi algo que minha mãe me disse mais vezes do que eu poderia contar. Mas havia tanta emoção guardada dentro de mim, tanta dor e medo, isso tinha que ir para algum lugar. E canalizou para raiva. Com um grito de guerra que eu tinha ouvido de manhã nos desenhos animados, eu pulei para a frente, derrubando tudo que via e correndo. Avancei para cima de Tommy e agarrei a minha forma ligeira em sua cintura. Eu tinha a vantagem da surpresa no meu lado. Eu tinha a vantagem de estar realmente chateado. Nos embolamos, eu em cima de Tommy e uma roda de crianças se aproximando para assistir a cena que se desenrolava. Eles estavam todos gritando e aplaudindo, mas eu mal registrei o som. Recuei meus pequenos punhos e entreguei uma chuva de socos. Tommy começou a gritar, me dizendo para parar, mas eu bati nele novamente. Tommy tinha o tamanho do seu lado, então ele era capaz de rolar e me forçar para fora. Então eu era aquele preso ao chão. Eu vi o flash nos olhos


dele. Eu sabia o que estava por vir. Ele fechou o punho, e eu me preparei para ter um olho roxo que ia combinar com o meu nariz sangrando. Mas ele nunca veio. Romeo – então no passado ainda conhecido como Roman - segurou o braço de Tommy e o puxou de cima de mim. "Ei!" Tommy gritou. "Você mereceu!" Romeo gritou de volta. Só então uma professora rompeu a multidão com uma expressão severa no rosto. Eu ainda estava deitado no chão sangrando e Tommy estava olhando para Romeo. "Tommy Bromley, o que eu disse a você sobre começar brigas na escola?", ela gritou. "Foi ele! Ele me atacou!" Tommy apontou para mim. Olhei para a professora com os olhos arregalados. Eu ia ficar com muitos problemas por brigar na escola. "Ele é um mentiroso," Romeo afirmou, calmo como poderia estar. "Tommy tem praticado bullying com todo mundo aqui e rouba o nosso dinheiro do almoço. Quando Braeden disse que não, Tommy deixou ele com o nariz sangrando". A professora olhou para o meu nariz e seus olhos se arregalaram. "Isso é verdade, Braeden? " Olhei para Romeo. E foi quando eu soube. Eu soube que seríamos melhores amigos para sempre. Concordei para o professor, e Tommy foi levado para o escritório. Ele ficou em apuros, mudou-se para outra classe, e um ano depois, mudou-se para outra cidade. Romeo e eu nos tornamos inseparáveis.


E, finalmente, ele se tornou meu irmão. Então, quando eu vi o corpo esparramado no piso do hotel, imóvel, depois de ouvir os tiros, o meu mundo como eu conhecia ameaçou desintegrar-se na minha volta. E Rimmel... quando ela viu, a forma como ela chorou sobre o corpo dele imóvel, arrancou o que restava do meu coração. Fui forçado naquele momento a empurrar a minha própria dor de entorpecimento mental e focar nela, porque se Romeo tivesse morrido, então, eu era tudo o que restara para ela. Graças a porra que ele não morrera. Graças a porra ao colete à prova de balas que lhe salvou a vida. Estou feliz que nós três continuamos com as nossas vidas. O carro do Romeo não estava no estacionamento. Seu pai os levou para o aeroporto assim ele não teria que deixar o Cat aqui. Ivy trouxe a Missy de carro aqui, e Trent pegou carona com um dos caras da sua casa de fraternidade. Como eu não ia direto para o campus, Romeo e Rimmel vieram comigo, e Trent pegou uma carona com as meninas. Ele não parecia lamentar isso. Eu precisava ter uma conversa com esse cara. Ele poderia fazer melhor. Depois que eu deixei Romeo e Rimmel em casa, eu dirigi até a casa da minha mãe. Como os pais de Romeo, ela ainda morava na mesma casa que eu cresci. Exceto que nossa casa não era tão grande, ou em um bairro rico. Minha casa ficava em uma vizinhança de classe média normal, nem dez minutos da casa de Rome. Era térrea de tijolos, uma casa de estilo de rancho com um porão terminado onde eu passei muito tempo quando criança jogando vídeo games. Era na esquina da rua, por isso tinha um quintal bem grande, onde Romeo e eu costumávamos jogar futebol quando éramos crianças. No jardim da frente, estava uma árvore caduca que estava começando a mostrar sinais de vida, agora que a primavera era bem vinda. Fazia talvez vinte graus aqui, e o sol estava brilhando claro, mas a brisa não era nem de


perto quente igual a onde eu tinha acabado de passar a semana apreciando a praia. Eu coloquei a minha caminhonete na garagem recém-selada e pulei para fora. Em vez de fazer a caminhada para a porta da frente, eu só digitei o código de entrada no lado da única garagem e a porta começou a se abrir. O Honda de mamãe estava estacionado lá dentro, e parecia que precisava ser lavado. A tinta azul estava acinzentada por causa do clima de inverno que estava finalmente terminando. Eu fiz uma nota mental para levá-lo ao lava-jato e lavá-lo para ela. Minha mãe não teve a vida mais fácil, mas ela sempre fez o melhor por mim, e ela sempre me colocou em primeiro lugar. Parecia que lavar o carro para ela, cortar a grama, e fazer coisas em volta da casa, era o mínimo que eu poderia fazer. Quando eu entrei através da porta principal da casa, o rico cheiro de carne assada flutuava para mim, e meu estômago roncou. Porra, eu adorava carne assada. Purê de batata, molho, e um pouco de pão... "Mãe!", Gritei . "Aqui!", Ela respondeu. Depois que eu tirei os meus sapatos, eu andei pela lavanderia e entrei na cozinha. Ela estava em pé no balcão, mexendo uma panela no fogão. Vapor levantou-se de dentro e fez uma nuvem sobre sua cabeça. "Por favor, me diz que são batatas," eu gemi. Ela riu e se virou. "Seu favorito! Eu pensei que você poderia estar com fome depois do voo.” "É por isso que você é minha garota favorita para sempre." Eu a abracei, levantando-a para que seus pés pendessem do chão. "Braeden James, coloque-me no chão!", ela exigiu e me deu um tapa no ombro. "Ugh, mãe. Por que você tem que me chamar assim?" Eu a coloquei no chão e peguei a cesta de pães no balcão ao lado dela.


"Porque isso te irrita." Enfiei todo o pedaço de pão na minha boca, e ela me deu uma olhada. Quando eu era pequeno, isso teria sido intimidante, mas agora eu pensei que era engraçado. "Você sentiu a minha falta?" Eu perguntei, mastigando. "Modos!", ela lembrou, e eu sorri. Pelo olhar em seu rosto, eu sabia que tinha pão preso em meus dentes. Ela suspirou e, em seguida, virou-se, mas não antes de eu ver seu sorriso."Você sabe que eu senti." "O que você tem feito?" Eu fui para a geladeira e tirei uma garrafa de água. Havia surpreendentemente um monte de comida lá dentro. Ela normalmente não tinha muito, porque ela morava aqui sozinha. Normalmente, era apenas coisas de menina como iogurte e bagels. Ela guardava a maioria das coisas boas na despensa e freezer para quando eu viesse para assaltar os armários. "Você deve ter achado que eu estaria com fome quando eu chegasse aqui," eu disse, enquanto destampava a garrafa. Ela sorriu. "Oh, apenas o costume, trabalho e clube do livro." Eu resmunguei. Eu nunca iria entender porque alguém iria voluntariamente ler qualquer coisa e, em seguida, ir sentar e falar sobre isso. "Agora que o clima está esquentando, vou começar a planejar o jardim para este ano". Mamãe era uma jardineira ávida. Todo ano, ela plantava um jardim no quintal e cuidava dele religiosamente. Ela dizia que gostava de estar ao ar livre porque se sentia menos confinada. "Só me deixe saber quando estiver pronta. Eu vou buscar tudo que você precisar com a caminhonete. " "Então me conte como foi a Flórida. Como vai tudo com Rimmel?" Eu tinha dado à mamãe um resumo básico de algumas das coisas acontecendo com Rim e Romeo. Ela não sabia tudo, mas o suficiente para


ela entender que, por isso que eu tive que partir cedo e perder algumas aulas antes das férias da primavera realmente começarem. Sentei-me à mesa na cozinha – nós não tínhamos uma sala de jantar extravagante – e contei à ela um pouco sobre o pai de Rim e algumas das coisas que aconteceram. Principalmente, eu falei sobre as férias de primavera e do tempo que passamos na praia. Enquanto conversávamos, ela fez purê de batatas, em seguida, pegou uma salada da geladeira e a colocou sobre o balcão. Eu assisti como ela trabalhou, e eu comi mais alguns pãezinhos. Era bom estar aqui, estar em casa. Férias de primavera tinham sido incríveis, mas eu precisava de uma pausa de tudo e de todos apenas por enquanto. Mesmo quando eu relaxei, notei algo. Algo parecia diferente com a minha mãe. Ela parecia um pouco séria. Como se estivesse à espera de eu descobrir algo que ela não queria que eu soubesse. Como uma bombarelógio que não tinha um contador regressivo e estava ajustada para apenas explodir espontaneamente. Eu não pressionei, não quando ela anunciou que o jantar estava pronto e eu empilhei meu prato alto com comida. Eu não perguntei quando estávamos sentados à mesa juntos, comendo apenas como se tivéssemos feito isso mil vezes antes. Eu estava curioso. Mas eu também estava com fome. E quando um homem estava com fome, ele come. Ele não fazia perguntas que pudessem interferir no apetite ou na comida boa pra burro no seu prato. Depois que eu inspirei e fiz uma segunda montanha no meu prato, eu deixei cair meu garfo e me sentei, me sentindo malditamente satisfeito. "A comida estava realmente deliciosa, mãe." Ao longo da borda de sua caneca, ela olhou para mim com uma expressão divertida. Os olhos dela eram azuis, mas não o mesmo tipo de azul dos de Ivy. Os de mamãe eram um pouco mais cinzentos, um pouco mais claros, como uma espécie de céu prometendo uma tempestade.


Considerando todas as tempestade a que mamãe tinha resistido, eu me perguntava se talvez seus olhos costumavam ser mais brilhantes, mas mudaram para refletir sua vida. Seu cabelo não era tão escuro quanto o meu, enquanto o meu era quase negro, o dela era castanho médio. Mais de uma tonalidade castanha, sem nem um fio branco. Inferno, ela provavelmente o pintava, como a maioria das mulheres. Quem sabia qual era realmente a sua cor natural? Mas as sobrancelhas eram marrons também, e elas chamavam atenção para a leveza de seus olhos. "Será que eles têm comida na Flórida?", ela meditou. "Nada como você faz," eu elogiei. "Muito encantador, meu filho." Minha mãe serviu café descafeinado (qual era o ponto de café descafeinado?) sobre a mesa e enfiou a mão no gabinete. Ela estava vestida com um par de jeans e uma camiseta toda preta. Ela não era uma mulher grande, mas eu não a chamaria realmente de pequena também. Mais mediana, eu acho. Seu cabelo estava puxado para cima em um rabo de cavalo, e ela não estava usando nenhuma maquiagem. Ela raramente usava fora do trabalho. Mas, realmente, ela não precisava. Ela era uma mulher atraente. Para uma mãe, de qualquer maneira. Quando ela voltou, estava trazendo um prato de brownies. Eu gemi quando os colocou na minha frente. Eles eram o meu favorito, de chocolate e pegajosos com chocolate granulado em cima. Eu não dizia às pessoas o quanto eu gostava de granulados. Granulados eram para as crianças, e eu era um homem. Mas minha mãe sabia, e ela sempre teve alguns pacotes em casa. "Ai meu deus", eu murmurei enquanto eu empurrava cerca de três quartos do meu primeiro brownie na minha boca. "Este é o melhor brownie que eu já comi." "Você diz isso toda vez que eu faço brownies," ela me lembrou enquanto pegava seu café novamente.


"Eu realmente quero dizer isso neste momento." Eu empurrei o resto em minha boca e peguei mais. Os brownies derretiam na minha boca, e os granulados acrescentaram aquele algo extra. Eu gostava de um pouco de algo extra para mim. Eu comi metade do prato. Eu provavelmente poderia ter comido todos eles, mas eu queria guardar alguns para mais tarde. Eles eram muito bons para comer tudo de uma vez. Depois que ajudei a minha mãe a limpar e embalar algumas coisas para mim para eu levar para o campus, estava começando a ficar escuro. As aulas começariam novamente na parte da manhã, e estava de volta a chateação. "Braeden," mamãe começou, e minha atenção se virou para ela. Eu conhecia aquele tom. Eu sabia que tudo o que eu sentia antes estava prestes a vir à tona. "Eu preciso falar com você sobre algo." "O que aconteceu?" Examinei seu rosto, mas eu não poderia dizer o que era. ela só parecia preocupada. E vagamente com medo... "Você está doente?" Eu exigi. Preocupação preencheu meu peito e apertou. E se ela estivesse? E se ela tivesse doente a já algum tempo e não tinha querido me dizer? "Não!", Ela respondeu com firmeza. "Estou bem." Ela veio para a frente e colocou uma mão no meu antebraço. "Eu estou saudável como um cavalo." Eu soltei um suspiro. Isso era bom. "Ok, então o que tem esse olhar no seu rosto?" Ela se afastou e começou a andar em direção à mesa. A maneira como ela torcia as mãos na frente dela era familiar. Em seguida, deu um clique. Ao meu lado, com as mãos fechadas em punhos. "É ele, não é?"


Ela parou sua caminhada, deixando-a de costas para mim. Ela realmente não tinha que responder, mas ela respondeu de qualquer maneira. "Ele ligou enquanto você estava fora na semana passada." O desejo de golpear meu punho em algo era tão potente que me bateu de volta abaixo alguns graus. "O que diabos ele quer?" Eu moí pra fora. Ela se virou e me olhou nos olhos. "Ele queria falar com você." Eu ri. Era um som frio, amargo. "Eu espero que você tenha dito a ele para segurar a respiração enquanto ele espera." "Ele pediu para vê-lo." Reagi fisicamente, dobrando-me ao meio afastado do balcão onde eu estava encostado e empurrando meu corpo para a frente. "Ele pode ir para o inferno." Mamãe suspirou. "Eu praticamente disse a mesma coisa." Eu resmunguei. Tudo o que ela disse não era o suficiente. Mamãe simplesmente não tinha o temperamento mau que ela precisava para lidar com ele. "Como diabos ele até conseguiu esse número?" Eu tinha mudado. Mais de uma vez. "Aparentemente, ele está tentando conseguir uma espera de você por um tempo". "Ele que se foda!" Eu rugi. Minha mãe se encolheu e eu me senti mal. "Cuidado com a língua", ela disse, soando em cada bocado a mãe que ela era. "Sim, senhora", eu murmurei.


Ela veio para a frente e colocou uma mão na minha bochecha. "Eu não quero incomodá-lo, eu até debati em lhe dizer sobre a chamada. Mas você está crescido agora." Seus olhos se voltaram melancólicos. "E eu estou muito orgulhosa de você. Portanto, eu senti que não era o meu direito guardar isso para mim mesma. Você tem o direito de fazer sua própria escolha se você quer entrar em contato." "Você realmente acha que há uma escolha?" Eu perguntei. Dane-se a forma como isso ainda me fazia sentir. Recuando, minha mãe puxou um pedaço de papel dobrado para fora de seu bolso de trás e o colocou suavemente sobre o balcão ao meu lado. Eu nem sequer olhei para ele. "Já faz muito tempo, Braeden. Eu só quero que você saiba que eu te amarei, independentemente. Se você quiser retornar a chamada dele, eu vou te amar do mesmo jeito." Já faz muito tempo. Mas ainda não era tempo suficiente. Deixei o papel que estava lá, ignorado. "Obrigado por me dizer. Eu também te amo, mamãe." Ela enxugou os olhos e se afastou. "É melhor você voltar para o dormitório. Você precisa dormir um pouco antes do início das aulas amanhã novamente." Eu resmunguei. "Sim, e agora eu tenho que me levantar cedo e treinar como um animal por causa de sua maldita comida deliciosa." A risada dela era leve, mas era genuína e me fez sentir um pouco menos pesado. "Você vai ficar bem aqui? Eu posso passar à noite se quiser." Eu me mudaria de volta se ela precisasse de mim. "Estou bem. De verdade. E não é o seu trabalho se preocupar comigo. Eu sou a mãe. Não você."


Eu fiz uma careta. "Eu sou bonito demais para ser uma mulher." Ela riu. "Bem, não é isso." Ela se moveu em torno da cozinha, colocando os brownies e alguns outros lanches e material em uma bolsa, em seguida, estendeu-a para mim. "Rimmel quer vir jantar em algum momento em breve. – Tudo bem com isso? " "Claro!" Ela sorriu. "Eu gosto dela. Ela é uma garota muito querida." "Ela gosta de você também." "Então me diga:" Minha mãe sondou. "Quando então você vai trazer uma garota como aquela em casa para me conhecer?" "Agora, por que eu iria querer fazer isso?" Eu demorei. "Então eu teria que compartilhar toda a sua comida. " Depois que nos abraçamos e dissemos boa noite, eu saí e subi na caminhonete. Joguei a bolsa no banco do meu lado e soltei uma respiração. Pra que porra ele tinha ligado? Porque agora? O que ele poderia querer? Comecei a subir na caminhonete e liguei o motor, ouvindo o doce som do V8. Minha caminhonete não era bonita como o Hellcat, mas era cheia de testosterona. E mesmo que eu nunca tivesse dito a Romeo, eu sabia muito bem que a minha besta poderia passar por cima do Cat e ainda ter cem mil milhas em cima dele. Eu liguei a gasolina uma última vez para e preparei para dar ré. Quando eu me virei para olhar para fora da janela de trás, notei que o saco de comida tinha caído e os recipientes estavam se derramando através do assento. Eu os peguei e os coloquei de volta na bolsa. Foi quando eu vi. Em vez de jogá-lo fora ela deveria, mamãe jogou o pedaço dobrado de papel dentro da bolsa. Olhei para ele por alguns minutos e, em seguida, peguei-o.


Quando foi desdobrado, eu olhei para letra da minha mãe. Seu pai ligou. Ele quer que você ligue de volta. Abaixo das palavras estava um número de telefone. Eu não reconheci. Eu o amassei e joguei no assoalho do caminhão. Foda-se. Ligar para ele era a última coisa na terra que eu jamais faria.


CAPITULO doze #AvisoÀFaculdade Os estudantes hoje passam mais tempo do que nunca no dever de casa do que se tem registro. #DáUmTempo #DeverDeCasaÉUmaDroga ...Alpha BuzzFeed

I VY Ah, as teias que nós construímos. Eu não tenho nenhuma idéia de quem disse isso. Eu não faço idéia onde ouvi isso. Mas era a única coisa em minha cabeça enquanto eu arrastei minha bunda para fora da cama. Ei, eu poderia ser um zumbi, mas eu ainda podia rimar. (Cabeça + cama... deixa pra lá) A primeira semana de volta das férias de primavera tinha sido longa e árdua. Juro que os professores sabiam que estávamos todos ainda parcialmente de ressaca e deprimidos que o tempo de folga acabou, assim eles queriam aumentar ainda mais o nosso tormento, atribuindo ainda mais trabalho do que o normal. Escola realmente não era meu lance. Socializar, verificando o que toda a gente estava usando naquele dia, e andar pelo campus... Eu gostava de tudo isso. Mas eu poderia fazer isso sem ir a aula. Não ajudou que eu não tinha ideia de no que eu estava me formando. Aqui eu era quase um júnior na faculdade e ainda não tinha sentido. Meus


pais gostavam de me lembrar o quanto eles estavam pagando para "eu me encontrar" todas as vezes que podiam. Eu gostava de lembrá-los que eles me disseram que eu tinha que ir para a faculdade. Mesmo assim, uma especialização era algo que eu ia ter que fazer. Eu só não estava pronta para me comprometer com uma coisa qualquer. Qualquer trabalho. Havia tantas coisas lá fora que pareciam interessantes. Eu sabia o que eu não queria fazer. Eu não queria me sentar atrás de uma mesa. Eu não queria vestir terninhos chatos e blusas abafadas. Eu não queria estar à mercê de um chefe que gostava de me dizer o que fazer. E eu com os diabos não queria uma daquelas sentenças de vida noveàs-cinco, quarenta horas. Meus critérios descartavam muitos. Mas isso realmente não me apontava em qualquer direção. Eu gemi quando eu joguei um dos muitos travesseiros para a pilha de cobertores metade se derramando para o chão. Era muito cedo para pensar sobre isso. Eu faria isso mais tarde. Depois do café. Depois que eu visse Braeden. Eu gemi novamente. Pensamentos sobre ele não eram permitidos. Inferno, se eu pensei que eu poderia sair do nosso pequeno almoço de panqueca de costume, sem um milhão e uma perguntas de Rimmel e Missy, eu não iria. Por que eu sequer concordei com panquecas de fim de semana? Domingos deveriam ser para dormir! Ok, já passava das dez. Eu acho que não era tão cedo.


Rimmel passou a última noite com Romeo, então eu tinha o quarto para mim esta manhã. Depois que eu fiz uma viagem para o banheiro, tomei um banho rápido, e escovei os dentes, voltei e dei uma volta na minha calcinha e sutiã. Ei, não era todo dia que uma menina tinha seu dormitório só para ela. Enquanto eu estava vasculhando em minhas gavetas por algo para vestir, eu vi algo que eu empurrei lá e sobre a qual "esqueci". Eu não esqueci realmente. Fingi que esqueci quando, eu olhei para ela cada vez que eu tinha me vestido. Patética. Isso é o que eu era. Eu deveria me livrar disso. Mas eu sabia que não o faria. Ainda não de qualquer maneira, isso me fazia sentir... Bem, eu não sei como isso me fazia sentir. Bati a gaveta fechada e puxei para abrir outra. Eu, portanto, não estava com disposição para ficar bonita esta manhã. Esta semana tinha sido difícil, e eu estava exausta. Além do exercício de classe pesado e a pressão que de repente eu estava sentindo para escolher uma especialização – e uma direção para minha vida - o meu cérebro nunca desligou. Tipo sempre. Eu pensei em Braeden. Eu pensei em Missy. Eu até pensei em Trent. Eu definitivamente evitei todos eles. Foi uma tarefa e tanto tentar evitar as pessoas que você deliberadamente faziam parte de sua vida. Foi cansativo. E assim foram os sonhos. Mas eu não ia pensar em nada daquilo. Eu ia me vestir, sorrir, e comer panquecas. Quando terminasse, eu poderia me esconder no quarto o resto do dia e assistir tutoriais de maquiagem on-line.


Eu amava fazer maquiagem. Eu amava ver as outras pessoas fazerem maquiagem. Havia algo pacífico e libertador da mente em começar com um quadro em branco – um rosto limpo - e reforçar a sua beleza natural. Olhei para o relógio. Eu estava atrasada. Então eu fiz algo que eu nunca fiz. Eu joguei em um par de calças de moletom. Sim, elas eram o tipo bonito. Equipadas, mas um pouco desleixadas. Elas eram rosa pink com bolsos largos cortando através dos quadris. Os fundos ostentavam bandas largas e abraçavam meus tornozelos. Em cima, eu joguei em uma regata branca e uma camiseta preta. De algodão, mas drapeada com um toque de seda. Coloquei apenas a frente dela, assim o laço da cintura ficava exposto e não parecia irregular sob a barra da camisa. A única maquiagem com que me incomodei foi um pouco de gloss labial com sabor de cereja e um pouco de rímel. Meu cabelo estava em um coque bagunçado no alto da minha cabeça, com alguns fios caindo em volta do meu pescoço e rosto. Deixei dessa maneira e acrescentei um par de óculos aviator dourado como uma tiara. No meu caminho para fora da porta, peguei minha bolsa gigante Michael Kors e empurrei meus pés descalços em um par de tênis Sketchers. No jantar, sempre nos encontramos não longe do campus, e levou apenas alguns minutos para chegar lá. O sol brilhava e o céu estava azul enquanto eu andei através de todo o estacionamento e atravessei a porta de vidro. Pelo menos o clima estava esquentando. A primavera foi boa, foi feliz. Rimmel acenou de uma mesa através da sala quando eu entrei. Eu era a última aqui, e havia uma pessoa extra sentada na mesa. Trent. Eu sorri e acenei quando fiz meu caminho no meio da multidão e observei o olhar de Missy. Ela totalmente convidou Trent. E eu aposto que a razão pela qual o único lugar vazio na mesa era ao lado dele foi coisa dela também. Do outro lado de Trent estava Missy. Em seu outro lado estava Braeden. Eu evitei olhar para ele. À sua direita estava Rimmel, e depois Romeo. Eu tomei o lugar entre Romeo e Trent.


"Desculpe o atraso," eu disse e peguei o cardápio. "Eu dormi demais." "Você parece bem", Trent me disse, oferecendo um sorriso. Eu sorri de volta para ele. "Obrigada. Eu estava com tanta pressa, eu mal olhei no espelho". "Bem, isso é óbvio", Braeden rachou. Houve um baque forte por baixo da mesa. "Ow!", ele gemeu. "Rome, é melhor você pegar sua menina. Ela me chutou!" Rimmel riu e eu também. A garçonete veio, e todos nós pedimos. Quando meu café chegou, tomei um gole e gemi em apreciação. "Coisa boa", comentou Trent , inclinando-se perto de falar apenas para mim. "Você não tem idéia", eu concordei. "Trata-se apenas de mim ou são os professores tentando nos punir pelas férias de primavera?" Trent riu e recostou-se no assento. Enquanto se movia, ele estendeu ambos os braços de modo que um descansou na parte de trás da minha cadeira, e outro sobre Missy. "Oh , eles estão em modo de aniquilação total." "Eu definitivamente não vou perder a carga de trabalho no próximo semestre", disse Romeo . "Eu vou sentir sua falta", disse Rimmel. Ele a beijou na têmpora e puxou sua cadeira para que ela ficasse bem à sua direita. "Ainda vou estar por perto." Ele prometeu. Foi meio difícil de acreditar que no próximo semestre Romeo não estaria aqui . Ele seria um jogador profissional de futebol. Eu tinha me acostumado a tê-lo por perto. Quando ele começou a se envolver com Rimmel, eu não tinha certeza de como iríamos conviver, mas como o tempo passou, eu


poderia dizer honestamente que ele era meu amigo. Eu gostava de Romeo, eu gostava muito dele, e eu o respeitava realmente. Eu esperava que ele pudesse dizer o mesmo sobre mim. Mesmo que, no fundo, eu me perguntasse se eu merecia o respeito dele. Nós tagarelávamos sobre as classes, as mais recentes notificações de Buzz, e, claro, o futebol até que nossa comida chegou. Quando minhas panquecas finalmente estavam na minha frente, meu estômago rosnou como se não tivesse visto comida a uma semana. "Alguém está com fome", Trent provocou e empurrou uma fatia inteira de bacon em sua boca. "Eu não sou a única", eu respondi. Ele sorriu e o bacon preso fora de seu dentes. Eu ri e balancei a cabeça. Eu senti algo frio do outro lado da mesa, então eu olhei para cima. Braeden estava me observando. Nos observando. Nossos olhos se encontraram, e por uma fração de segundo, eu fui sacudida com a eletricidade que ninguém mais parecia sentir. Desviei o olhar rapidamente. Esta foi a primeira vez que eu tinha visto Braeden desde que voltamos das férias de primavera. Eu estava esperando o que quer que pareceu libertar-se entre nós na praia tivesse ido embora. Mas não tinha. Pelo contrário, parecia mais difícil não olhar em sua direção. "Então, o que há com você, Ivy?" Missy perguntou quando ela tomou um gole de seu suco de laranja. "O que você quer dizer?" "Eu mal vi você esta semana." "Eu não vi você nunca", acrescentou Trent. "Como eu disse, as aulas da semana têm sido insanas. Tenho tanto trabalho. Eu estive ocupada tentando obter um salto em tudo. Com finais


no final do semestre, eu quero ter um monte do trabalho fora do caminho cedo". Rimmel estava balançando a cabeça. "Eu também. Eu estive muito na biblioteca". "Você parece cansada", Missy pressionou. "Eu não estou usando maquiagem", retruquei . Braeden deixou cair o garfo, e todos olharam para ele. "Vamos direto ao assunto. Você parece uma merda, você não tem participado da vida de todo mundo, e Missy quer saber por quê." "Acabei de dizer que estava ocupada", eu disse, séria. Eu disse a mim mesma a sua avaliação da maneira como eu parecia não feriu meus sentimentos (embora totalmente tinha). "E desfrutar de uma semana livre de vocês." Rimmel mudou de assunto, e os caras começaram a falar de futebol novamente. Eu peguei minha comida. Eu não estava tão faminta como eu pensava afinal. Poucos minutos depois, Trent se aproximou, colocando seus lábios quase contra a minha orelha. "Você definitivamente não parece uma merda." Meus lábios se curvaram em um sorriso. Olhei para ele. "Você não tem que dizer isso." "Eu sei." Era bobagem, mas sua bondade me fez sentir-me melhor. "Obrigada." Senti Braeden nos observando, mas eu não mordi a isca. O segundo que eu olhasse para ele, eu ficaria vulnerável. Ele diria algo de merda, e eu ia ficar com meus sentimentos feridos. Mais uma vez. Normalmente, eu era mais forte, mas não esta manhã. Esta manhã eu estava apenas cansada e, sim, talvez um pouco deprimida.


Missy começou a conversar com ele, tendo a sua atenção, e eu dei um suspiro silencioso de alívio. "Então, tem uma festa na casa da fraternidade nesta sexta-feira, " disse Trent . Ele estava dirigindo suas palavras para mim, mas falando alto o suficiente para todo mundo ouvir. "Vocês estão a fim?" "Parece divertido", Missy respondeu. "Eu não sei", eu cobri. O pensamento de voltar para aquela casa fez o meu estômago virar. Pousei o meu garfo e parei de fingir comer. "Talvez." "Você sabe que eu iria, cara, mas alguns dos seus caras lá ainda guardam rancor sobre tudo o que aconteceu com Zach". Um gosto amargo na minha boca entrou em erupção na menção de seu nome. Trent assentiu. perfeitamente."

"Eu

vou

mantê-los

contidos,

mas

eu

entendo

"Talvez todos nós possamos sair sábado à noite em vez disso?" Missy sugeriu e olhou para Braeden. "Que você tem em mente, Missy?", ele perguntou. "Screamerz?" "Eu me diverti na última vez que fomos," Rimmel comentou. Romeo tinha esse olhar orgulhoso no rosto, e eu me perguntava o porquê. Quando Rim olhou para cima para ele, ela corou, e eu sabia que eles estavam compartilhando algum tipo de momento privado que devem ter tido no clube. Eles estavam tão em sincronia. Eles nem sequer tinham que falar para manter uma conversa. Eu ansiava por isso. "O que você acha?" Trent me perguntou, um brilho nos olhos. Eu sorri. "Claro, isso parece divertido."


"Depois de mais uma semana de aulas, nós vamos precisar de uma rodada de Smurf Balls," Missy disse. Braeden e Romeo gemeram. A memória dos caras jogando de volta as bebidas azuis ainda era hilariante. O resto da manhã foi abençoadamente rotineiro, mas eu ainda estava feliz quando foi hora de ir. Fora no estacionamento, subi no meu carro e exalei um longo suspiro. Eu acenei para Romeo enquanto dava ré e, em seguida, fiz o mesmo com Trent e Missy. Eu estava prestes a sair, quando uma grande caminhonete vermelha puxou para cima e parou na minha frente, bloqueando o caminho do meu carro. Eu olhei para ele através do pára-brisa, e ele sorriu. Segundos depois, ele pulou para baixo e veio para o lado do motorista. Eu baixei a janela. "Mexa seu pedaço de lixo!" "Mulher, você não sabe que é melhor não insultar a caminhonete de um homem?" "Você não sabe que não deve dizer a uma mulher que ela se parece como merda?" Ah! Desejei poder arrebatar essas palavras de volta no segundo que elas saíram da minha boca. Eu basicamente só admiti que o que ele disse me machucou. Admissões assim davam a um cara muito poder. Ele parou e balançou para trás em seus calcanhares. "Isso destroçou sua armadura infalível, não foi?" "O que você quer, Braeden?" "Há algo que você precisa saber." O tom sério em sua voz me animou. "O que é?" Ele deu um passo para frente e descansou as mãos no parapeito da janela da minha porta. Quando ele se inclinou, seus olhos me fizeram lembrar do café que eu bebi antes de adicionar um pouco de creme. As profundezas escuras de seu olhar varreram meu rosto, como se ele estivesse fazendo o inventário, certificando-se de que ainda estava tudo lá.


"Eu pensei que você deveria saber," ele começou. Seu cabelo parecia um pouco maior do que o habitual, um pouco mais indisciplinado. Meus dedos coçaram para mergulhar nos fios rebeldes, para sentir a textura de seda contra a palma da minha mão. "Que eu ainda não gosto de você." Levou um momento para suas palavras penetrarem no feitiço que ele lançou em mim. Mas uma vez que elas fizeram, eu queria bater nele. Eu resolvi bater na mão dele com uma caixa de CD vazio do assento ao meu lado. "Ow!", Ele gritou, empurrando de volta. "Eu ainda não gosto de você também!" Eu bati e subi a janela. Braeden não parecia nem um pouco desencorajado. Ao contrário, ele parecia orgulhoso que tinha me irritado. Observei-o caminhar de volta para o seu caminhão e içar-se para dentro. Eu não percebi a maneira que sua calça Levi’s moldou apertado em torno de sua extremidade traseira quando ele andou. Antes que ele fosse embora, ele olhou para trás uma última vez. Eu o ignorei.


CAPITULO treze #24 está seguindo para a NFL. Isso significa que vai haver uma vaga para um novato no Alpha Campus #QuemSerá #LanceSeuVoto ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Moletom do caralho. Ele era um desgraçado complicadinho. Feito para o conforto, feito para a preguiça, feito para fazer o olho de um indivíduo mover bem em cima. Mas isso não é o que ele fez. Eu nunca tinha visto Ivy vestida tão descontraída antes. Normalmente, ela estava no ponto com seu estilo e roupas. Estou surpreso que ela ainda possuía uma calça de moletom. Quando os minutos passavam e ela não chegou no café da manhã, eu comecei a me perguntar se ela viria. Eu não a tinha visto de jeito nenhum desde que voltamos das férias de primavera. Não que eu tinha estado procurando por ela. Mas se ela estava me evitando, eu queria saber. Eu precisava estar preparado para explicar a Rimmel porque a BFF dela não estava mais em volta. Só quando comecei a inventar mentiras loucas, mas ligeiramente críveis para minha irmã, Ivy chegou tranquilamente através da porta, atrasada e, eu juro, pelo menos três cabeças de homens giraram para verificar a maneira como ela se pavoneou através da casa de panquecas com esse moletom rosa brilhante moldado em seu belo traseiro.


Droga. Ninguém estava ignorando a menina esta manhã. Na verdade, mais pessoas estavam olhando do que eu gostaria de admitir. Ela era sexy como o inferno com o cabelo todo bagunçado, óculos empoleirados na cabeça, pouca maquiagem e uma roupa que dizia que ela era sexy, sem sequer tentar ser. Eu não notei que ela parecia um pouco cansada até que Missy apontou. Deixou-me curioso sobre o que estava acontecendo com ela. Desde quando é que eu me preocupo com a sua vida? Ela agiu como normalmente fazia, o que significa mal olhando na minha direção. Não era nada de novo, mas minha reação interna a isso, era. Eu não gostava disso. Na verdade, isso meio que me irritou. Assistir Trent sussurrar em seu ouvido metade da maldita manhã não era tampouco minha ideia de ambiente de refeições. Eu estava feliz por isso ter terminado. Porque na semana passada tinha sido cheia de todo mundo voltar ao ritmo das coisas – também conhecido por Rimmel viver na biblioteca jantar com a minha mãe foi deixado de lado. Não que eu estivesse de coração partido ou qualquer coisa. Honestamente, eu não estava ansioso para ir para casa. Eu sabia que minha mãe iria me perguntar sobre a mensagem do meu pai. Ela ia querer saber se eu liguei para ele. Tenho certeza de que o inferno ainda estava em chamas com pecadores e enxofre, então não. Eu não liguei. Eu não iria. Por que ela ainda parecia inclinada a sugerir que eu deveria chocou o inferno fora de mim. Eu não queria falar sobre isso. Eu não queria pensar sobre isso. Eu queria esquecer. Eu estava tentando fazer um monte disso ultimamente.


Eu não podia esconder de minha mãe para sempre, e eu a chamei sim para jantar, por isso, quando Rimmel mandou uma mensagem para combinar alguma coisa, eu não podia dizer não. Quando liguei para a mãe para ver se ainda estava a fim disso, eu me sentia culpado por ficar longe tanto tempo. Ela se ofereceu para fazer para todos nós uma refeição caseira e disse o quanto ela estava ansiosa por isso. E assim lá estava eu, entrando para a entrada de automóveis da casa que eu cresci. Após desligar o motor, eu sentei lá olhando para o fazendeiro por vários, longos momentos de silêncio. Francamente, fiquei surpreendido que a minha mãe ainda vivia aqui. Muita coisa tinha acontecido na sua vida neste lugar. Algumas boas, mas a maioria, ruins. Inferno, se eu fosse honesto comigo mesmo, eu admitiria que a verdadeira razão que eu precisava de meu próprio "Espaço" no dormitório era para fugir das memórias daqui. O Hellcat verde-brilhante, impecável, ergueu-se por trás de mim. No meu retrovisor, vi Rimmel saltitando no banco do passageiro e Rome dizendo algo para ela que a fez rir. Um sorriso puxou o canto da minha boca. Eu honestamente não poderia tê-la amado mais, se Deus a tivesse feito a minha irmã biológica. A inocência e abertura de seu coração apesar da merda que a mão da vida a tratou, chocou-me. Como ela não a tinha deixado exausta parecia um milagre para mim. Era algo que eu queria proteger. Eu esperava que Rimmel nunca perdesse essa inocência dela. Percebi que sua abertura era algo que Rome e eu de alguma maneira tínhamos recebido, porque ela não era assim com todos. Levou um tempo para Romeo entrar. Parecia que demorou menos para mim. Talvez isso é porque em algum nível, a minha irmãzinha e eu reconhecemos um ao outro. Eu entendia suas paredes melhor do que ninguém. Mesmo assim, Rimmel e eu éramos diferentes, porque uma vez que alguém chegava atrás daquele muro, ela manteve-se, era tudo arco-íris e unicórnios. Tempos felizes e jujubas. Eu não era Willy Wonka. Eu não tinha tempo feliz e jujubas dentro de mim. Eu tinha uma parede e, em seguida, outra.


Ela apareceu na minha janela, esticando seu pescoço para ver o interior do caminhão levantado. Eu ri e abri a porta. "Ei, menina tutora." "O que está fazendo sentado na calçada?" Ela estava segurando um grande buquê de girassóis, quase tão grande quanto a sua cabeça. Seu cabelo escuro estava baixo em torno de seus ombros, parecendo muito domado, suas roupas combinavam um pouco demasiado bem e não a engoliam completamente, e eu soube imediatamente que ela não tinha se vestido sozinha. Isso era obra de Ivy. "Você está tentando me fazer ficar mal aparecendo aqui com flores?", perguntei. Ela bufou. "Como se você pudesse ficar mal." "Bem, Rim, algumas pessoas precisam de flores e algumas são apenas naturalmente incríveis. " Eu suspirei como se fosse uma tarefa árdua. Por trás de seus óculos de armação escura, os olhos de avelã reviraram. "E algumas pessoas têm egos grandes." Eu sorri. "Rome." "E aí, B?" Nós batemos os punhos em forma de saudação. Rimmel murmurou algo sobre nós agindo como homens das cavernas. "Vocês meninos vão comer na garagem?" A voz da mamãe carregou através do leve ar de primavera. Ela estava em pé na porta da frente com um pano de prato na mão. Eu arranquei as flores das mãos de Rim e corri através da calçada. Ela soltou um grito atrás de mim e Romeo riu. "Para você." Eu apresentei as flores para a minha mãe. Ela pegou e me deu um tapinha na bochecha. "Elas são lindas. Obrigada, Rimmel." Minha mãe olhou em volta de mim para os seus hóspedes.


"Estou insultado," Eu rachei e me movi para a casa. "Eu te trouxe flores." Normalmente, elas precisavam ser plantadas em seu jardim, mas ela gostava dessa merda. Contou...certo? "Muito obrigada educadamente.

por

nos

receber,

Caroline,"

Rimmel

disse

Irmãzinhas eram bajuladas. "Obrigada por ter vindo, querida," mamãe cantarolou. Eu fiz um som de engasgo. "Mamãe!" Romeo cumprimentou-a muito menos educadamente, mas muito mais familiar do que Rim. "O que está cozinhando?" Ele a pegou em um abraço de urso, e ela o golpeou com a toalha. "Lasanha". "Espero que você tenha feito uma forma inteira apenas para mim," Romeo respondeu. "Porque eu estou morrendo de fome." "Eu também", acrescentei. "Como é que eu sei que você diria isso?", senti minha mãe olhando para mim, me estudando. Eu sabia que ela provavelmente queria perguntar sobre ele. Mas ela não o fez. Ela não iria. Não na frente dos meus amigos. "Vão se lavar. Está quase pronto", ela instruiu. Rome e eu saimos para o banheiro como se fosse uma corrida. Nós tínhamos vindo a fazer isto desde que nós tínhamos sete e provavelmente nunca iríamos alterar. Exceto, é claro, agora estávamos ambos demasiado grandes para caber na porta do banheiro ao mesmo tempo.


Mãe e Rimmel estavam conversando animadamente na cozinha e suas vozes ecoavam no corredor. "Como está o braço, Rome?", perguntei , olhando o braço que ele tinha quebrado várias semanas atrás. Ele costumava estar em uma tipoia, mas agora só usava uma cinta. E quando ela estava sob sua jaqueta, parecia que não havia nada de errado de jeito nenhum. Ele resmungou. "Curando-se. Agora que estamos de volta, eu gostaria de ter algum treinamento extra no campo. Você está no jogo?" "O inferno que sim," eu disse enquanto esfregava as minhas mãos. Eu poderia usar uma saída para algumas das porcarias reprimidas dentro de mim. Alguns dias eu me sentia como um animal enjaulado. Eu perdi a temporada de futebol, eu perdi a equipe e os treinos que chutaram a minha bunda. Eu era um jogador muito bom, mas eu nunca tinha levado tão a sério como Romeo. Eu tinha feito isso mais pela corrida, por ser a saída no campo fornecida. A lasanha estava batendo e assim foram a salada e torradas de alho que ela fez para ir com ela. A conversa do jantar era leve, e eu passei metade dele provocando Rimmel sobretudo o que eu poderia pensar. Mamãe investigou Rome sobre o seu braço e fisioterapia, que era algo no qual que ela estava interessada como uma enfermeira. Eu aprendi há muito tempo que enfermeiros nunca deixam seus empregos no hospital. Ser uma enfermeira era um show em torno do relógio, e para a mãe, preocupar-se com as pessoas também era. Romeo e eu destruímos a nossa segunda fatia de cheesecake e Rimmel foi ajudar a mãe com a limpeza quando o telefone tocou. Ela ainda tinha um daqueles telefones antigos que estava pendurado na parede. Um telefone fixo. Isso praticamente pertencia a um museu. Eu lhe perguntei uma centena de vezes por que ela não o cortou apenas e usou seu telefone celular exclusivamente. Ela disse que era por segurança, e ela queria no caso de nunca se esquecer de carregar seu celular. Eu não ia discutir com qualquer coisa que a fizesse se sentir segura. Inferno, eu ia colocar um telefone fixo em cada quarto da casa se eu pensasse que é o que ela queria.


"Estou surpreso que aquela coisa não cuspa uma nuvem de poeira a cada vez que ele toca", Romeo falou arrastadamente. Eu gargalhei. "Boa." "Vocês meninos." Mamãe riu e foi para o outro lado da cozinha para pegar o receptor. Ela estava descalça esta noite e vestida em umas calças pretas que Ivy chamaria de leggings, com algum tipo de camisa longa, sedosa em um pálido amarelo. Seu cabelo escuro pendurado em uma única trança pelas costas, e isso me fez lembrar daquela garota de Jogos Vorazes. "Por favor, me diga que você não vai comer outro pedaço", disse Rimmel, apontando para o cheesecake pela metade na mesa entre Romeo e eu. Eu estava pensando nisso. Romeo pegou-a pela cintura e puxou-a em seu colo. Ela se instalou lá como se não houvesse nenhum lugar que ela queria estar, e algo no meu peito estava oco. Eles se comunicavam tão facilmente, não porque a sua relação tinha sido fácil - inferno, eles podiam encher-se de uma hora de Jerry Springer, mas seus sentimentos existiam. É como se eles nunca duvidaram que eles pertenciam um ao outro. Uma frieza infiltrou-se na sala, quietude. Ela afastou todos os meus pensamentos de cheesecake e amor sentimental. Eu senti os tentáculos de algo que eu não gostava de fluência pelo chão como um perseguidor de filme de horror ruim. "Só um segundo," disse a mãe. Meu garfo caiu ruidosamente contra o prato. Eu sabia. Eu sabia o que o tom seco, a falta de inflexão em sua voz, significava. Era ele. Ele estava fodidamente ligando de novo.


Virei no banco e olhei através da sala. Minha mãe puxou o receptor de sua orelha e segurou-o ao seu lado. Olhamos um para o outro. "É para você." Eu empurrei para fora da cadeira com tanta força que batia no chão. Eu queria tanto rasgar o telefone da mão dela. Da parede. Mas eu me forcei a levá-lo calmamente. Agir como um homem das cavernas só faria as coisas piores. Eu iria para a academia depois, bater o saco se eu precisasse. "Braeden." A voz da minha mãe pediu algum tipo de entendimento. Eu ri. Não era um som agradável. "Nunca ligue aqui novamente," eu rosnei no telefone. Então eu bati de volta na base sobre a parede. Mesmo com o barulho alto do telefone que está sendo desligado, o silêncio desceu sobre a sala. Era como se estivéssemos em um filme e alguém apertou pausa. Respiração soltou em meus pulmões e as pontas dos dedos enrolaram em minha palma. Ódio. Era uma emoção forte. Provavelmente a mais forte que eu já conheci. E bem abaixo dela estava medo. Ambos os sentimentos originados no mesmo lugar. Ambos foram inspirados pelo mesmo homem. Meu pai. O silêncio foi quebrado quando Romeo pigarreou. Ele se levantou, levando Rimmel com ele, e colocou-a no chão. "Eu comi demais pra caramba. Eu vou precisa ir agora mesmo pra academia e treinar. "


Não foi perdido em mim do jeito que ele pisou na frente de Rimmel como se ele sentisse a necessidade de protegê-la. O que me irritou. Eu me virei para encará-lo. Será que ele realmente achava que eu machucaria minha maldita irmã? Ele se manteve firme, como eu sabia que ele seria. Olhei para o rosto dele, apenas à procura de uma luta. Ele me daria uma, se era isso que eu procurava. Não seria a primeira vez. Mas eu não podia negar que não havia nenhum indício de aviso em seus olhos. Ele não estava protegendo Rimmel de mim, apenas da situação. Algo em mim esvaziou. Ela não precisava disto. BBFLs mantém o drama à distância, não trazia para dentro. "Sim", eu disse depois de algumas respirações, "eu poderia ir para um treino". Romeo pescou as chaves do seu Hellcat fora do bolso e entregou-as a Rim. "Não destrua a caixa de câmbio do carro no caminho de volta ao campus, baby." "Romeo?" Eu ouvi a pergunta em sua voz, a cautela. "Tudo bem. Nós estaremos na academia. Eu vou no seu quarto em algumas horas." Eu sabia que deveria dizer alguma coisa. Alguma coisa para torná-la menos assustada. Mas eu tinha medo de abrir a boca. Eu estava com medo que iria começar a gritar e nunca parar. Romeo apareceu ao meu lado. "Vamos." Saí sem olhar para trás para ninguém, nem mesmo pra minha mãe. Foi uma coisa idiota para fazer. Mas eu nunca disse que eu não era um idiota.


No quintal, ouvi-a dizer alguma coisa. Ouvi Romeo responder. Ele estava, provavelmente, prometendo-lhe que ele tinha certeza que eu estava OK. Não era a primeira vez que ele tinha feito essa promessa. Achei há muito tempo que ele nunca teria que fazer isso novamente. E assim, eu era transportado de volta ao passado. Voltar para as memórias que desejei que não tivesse.


CAPITULO quatorze Melhores amigos sempre ouvem as coisas que você não diz. #SilêncioFalaMaisAlto ...Alpha BuzzFeed

I VY Duas semanas. Duas semanas desde que Braeden e eu queimamos em uma pilha de membros em sua cama. Todo. Santo. Dia. Isso é quantas vezes eu pensei sobre aquela noite. É como se eu fosse uma casa velha, mofada, sendo assombrada por fantasmas do passado. Não importa quantos banhos eu tomei. Eu ainda sentia o toque dele. Não importava quantos insultos ele atirou em mim ao longo dos últimos meses. Inferno, mesmo desde aquela noite, eles não importavam. Eu não o amava. Mas eu não o odiava também. Não mais. Não havia nenhuma maneira que eu poderia odiar alguém - o único - que me deu o maior prazer que eu já conheci na cama. Eu tinha visto ele duas vezes desde o nosso café da manhã semanal de panqueca. A primeira vez, eu entrei em um edifício para que ele não me visse. A segunda vez, eu não o notei até que fosse tarde demais. Quando nós trancamos os olhos pelo campus, minha barriga deu uma reviravolta e minhas palmas ficaram suadas.


Ele sorriu como se soubesse o tipo de efeito que tinha em mim. Balancei meu cabelo sobre o ombro e apertei os olhos. Se ele queria uma luta, eu ia lhe dar uma. Mas alguma beleza de cabelos escuros escorregou para o seu lado e disse algo. Ele olhou à distância, e usei isso como a minha chance de escapar. Missy, Rimmel, e eu tínhamos almoçado algumas vezes esta semana. Algumas vezes, eu inventei uma desculpa e não fui. Eu não podia acreditar como um erro, como uma noite poderia seriamente afetar o resto da minha vida. Oh espere. Eu acho que eu sabia. Foi o que aconteceu com Zach, também. Inferno, que é em parte porque eu estava nessa situação. Na manhã que eu acordei e percebi o que aconteceu foi difícil olhar no espelho. Eu não era o tipo de garota que ficava tão bêbada que dormiria com qualquer um. Eu não era o tipo de garota que festejava muito e ficava fora a noite toda. No entanto, era como eu estava agindo. E, francamente, eu me assustei. Eu estava em um caminho perigoso. Um caminho que eu estava com medo, se eu vagasse muito longe para baixo, eu me perderia e nunca encontraria o meu caminho de volta. Parecia tão clichê de pensar, mas crescer era difícil. Aqui eu era quase júnior na faculdade, dois anos vivendo sozinha e fazendo minhas próprias escolhas, e eu estava fazendo um trabalho de merda. Eu não tinha um mestrado em vista e minhas notas eram decentes, mas não tão boas como eu sabia que poderiam ser. Eu festejava todo fim de semana, dormi com alguns caras (incluindo Zach... O que diabos eu estava pensando?) e fiquei com mais do que eu me importava em admitir.


E ainda por cima disso tudo, eu dormi com Braeden. O cara que eu odiava. O cara que minha melhor amiga queria. O que é pior? Meu corpo ansiava por ele. Eu precisava de mais. Por isso não foi realmente apenas uma coisa que afetava tudo. Foi o culminar de escolhas, erros que me levaram aqui, sentada no meu dormitório, sentindo-me deprimida, insegura, e desejando que eu não tivesse concordado em ir para Screamerz esta noite com todo mundo. Se eu tentasse sair disso, Missy ia apelar. Eu prefiro ir e ser miserável do que tentar explicar qualquer coisa para ela. Como era sábado e eu não tinha aulas hoje, eu fui para a academia do campus e treinei. Então eu peguei um pouco de comida na praça de alimentação, levei-a de volta para o quarto, e vegetei na frente do meu laptop com o meu filme favorito de todos os tempos, As Patricinhas de Beverly Hills. Depois disso, eu fiz algum trabalho de casa e adiantei alguns capítulos em uma de minhas aulas, então eu não estaria tão fodida na próxima semana. Rimmel era voluntária no abrigo hoje, então eu tinha o quarto todo para mim. Missy mandou uma mensagem algumas vezes para garantir que nós todos ainda íamos sair e para me perguntar sobre escolhas de roupa. Eu me senti tipo vestindo moletom. Inferno, eu não tinha vontade de vestir nenhuma calça. Eu sorri para mim e perguntei o que todo mundo iria dizer se eu entrasse vestindo o que eu estava vestida agora. A expressão nos rostos de algumas pessoas poderia valer a pena. Mas uma sobre as outras, não seria. Sem mencionar que eu ia ficar sem graça como o inferno. Mesmo se eu não tivesse vontade de me vestir bonita e fashion para a nossa noite fora, eu o faria. Braeden ia estar lá. Missy ia, e provavelmente metade do campus estaria também. Eu nunca deixaria ninguém me ver para baixo. Eu sabia que precisava fazer algumas mudanças em minha vida, a partir de agora. E eu o faria. Mas eu ainda ficaria bem para isto. Olhei para o relógio. Rimmel ia estar em casa para se aprontar em breve, então eu me arrastei fora da minha cama e mudei em um par de pijamas estampado, colocando o que eu tinha estado vestindo na parte de trás da minha gaveta antes de deslizar fechando-a.


Depois, eu puxei um tutorial de maquiagem que eu assisti no início da semana e o assisti novamente para que eu pudesse copiar o visual para esta noite. Era super fofo e perfeito para uma noite de diversão. Era bastante neutro, mas os olhos eram levemente esfumaçados e os cantos externos eram acentuados com bolinhas brancas e negras. Elas eram tão pequenas que você tem que estar sentado de perto para observá-las, mas o efeito era surpreendente, e eu realmente queria tentar a minha mão nele. Desde que eu estava fazendo algo um pouco mais envolvido com a minha maquiagem, eu decidi manter meu cabelo simples e usá-lo liso. Enquanto eu assistia o tutorial, eu dividi os fios loiros em seções e comecei a fazer chapinha. Eu estava a meio caminho terminado quando ouvi Rimmel na porta. Fiz uma pausa no penteado e girei minha cadeira. Rimmel entrou segurando sua bolsa enorme na frente dela. "Ei, menina," eu chamei. "Ei!" Ela parou ao lado de sua cama e descalçou os tênis. Seu cabelo estava um desastre, e eu sabia que ia me tomar tempo para corrigi-lo. Talvez eu fizesse algum tipo de trança. Tranças eram bonitas e rápidas. "Você ficou aqui o dia todo?", ela perguntou, casual. "Eu fui para a academia", eu disse e girei de volta ao redor para o laptop. "Não saiu com Missy? " "Nah , eu queria fazer um pouco de trabalho de casa antes de todos nós sairmos esta noite." Antes que ela pudesse me perguntar qualquer outra coisa - esta menina era como um cachorro com um osso quando ela suspeitava de algo, e eu estava começando a pensar que Rimmel definitivamente suspeitava de alguma coisa - eu perguntei, "Como foi no abrigo?" "Ocupada". Rimmel suspirou. "Um monte de animais tem entrado recentemente. Assim, muitos deles precisam de casas". Suas palavras me deixaram triste. Tipo uma verdadeira tristeza roendo para pensar em todos aqueles animais sentados em uma gaiola com


ninguém para amá-los. Para minha surpresa, as lágrimas encheram as costas dos meus olhos e ameaçaram transbordar. Eu mantive minhas costas para Rimmel para que ela não visse e trabalhei em outra seção de cabelo. "Sinto muito por ouvir isso." Eu percebi que eu meio que senti como uma desgarrada. Não realmente certa de onde eu pertencia. Eu não era sem teto - eu sempre teria um lugar com meus pais e irmãos - , mas não era exatamente minha casa também. Eu acho que eu me sentia mais deslocada que desabrigada. Perdida, querendo ser encontrada. "Bem, eu espero que você não se importe..." A voz de Rimmel disse à distância. "Mas eu meio que trouxe para casa um clandestino". Larguei a chapinha e me virei. Rimmel parecia envergonhada, mas isto não foi o que chamou minha atenção. Sua bolsa estava se movendo. Ou em vez disso, algo dentro estava. "Não é apenas um clandestino se você não sabia que estava lá?" Eu perguntei cautelosamente. Rimmel riu. Ela totalmente sabia que a coisa - fosse o que fosse - pegou carona com ela todo o caminho de volta para cá. Ela colocou a bolsa em sua cama e alcançou. Quando ela voltou, eu vi o que estava em seus braços. "Ow- Meu- Puxaaa!" Eu gritei. "Essa é a coisa mais fofa que eu já vi!" Rimmel riu. "Eu sei! Eu não podia simplesmente deixá-la ali. Coitadinha." Abandonei meu cabelo, laptop, e cadeira. Eu não corri mais porque eu estava com medo que eu a assutasse, mas eu estava totalmente querendo alisar sua pequena face. Rimmel estava segurando um cachorro filhote de chihuahua, e ela não poderia ter mais do que um quilo. "Oi", eu cantava para ela. Agora para deixar claro, eu poderia não estar dedicando a minha carreira e parte da minha vida para os animais, mas eu


tinha um fraquinho por eles. Eu tinha crescido com cachorros babões e gatos que meu irmão teve que subir em árvores para tirar. E sim, eles eram o motivo pelo qual os pobres gatos estavam nas árvores. (Nota para gatas em todos os lugares: esconder-se em árvores não vai manter rapazinhos à distância. Só vai transformá-los em macacos.) Eu nunca tinha tido uma coisinha tão pequena, entretanto. "Posso segurá-la?", Eu sussurrei, como se minha voz cheia seria demais. "Claro!" Rimmel sorriu e estendeu as mãos dela. A cachorra era tão pequena que se encaixava em ambas as mãos de Rimmel. Eu a peguei e a abracei contra meu peito. "Aww," Eu cantava para ela. "Você não é apenas a coisa mais fofa?" Seu pequeno corpo tremia um pouco, e ela subiu até o meu peito um pouco mais para cima. As orelhas eram maiores do que a cabeça e tinha longas mechas de cabelo voando em todas as diferentes direções. Ela era da cor do trigo, com olhos castanhos e um nariz rosa. Ela era fofa e minúscula e ondulada. Basicamente, este filhote de cachorro era tudo o que um pequeno ladrão de coração deveria ser. Contra o meu braço, eu senti sua pequena cauda ondulando, e eu ri. Ela olhou para mim e lambeu meu queixo. Meu coração virou. A tristeza com que eu tinha sido atormentada por semanas de repente parecia um pouco mais leve. Meu humor um pouco mais brilhante. Eu carreguei o filhote até a minha cama e me sentei. Quando eu abri minhas pernas e coloquei a menina para baixo sobre o edredom, ela cheirou ao redor e tropeçou em uma ruga no tecido. Rindo, eu joguei com o pelo em suas orelhas. Ela tinha hálito de cachorro e um pouco de gordura na barriga. "Qual é seu nome?", perguntei a Rim.


"Não tem um ainda," Rimmel respondeu vindo para acariciá-la. "Ela só veio para o abrigo hoje." "Como alguém pode deixar uma coisinha tão preciosa em um abrigo?", perguntei. O filhote agarrou a bainha da minha camiseta e começou a puxar. Rimmel e eu rimos dela ser valente mas ainda com pequenos esforços. "Alguém a encontrou no lado da estrada. Eles não sabiam onde levá-la mas, em seguida, lembraram do abrigo por toda a publicidade que a campanha de arrecadação de fundos gerou. " Pisquei as lágrimas. Nossa, eu era um desastre emocional. Talvez eu estivesse com TPM. Deus, eu esperava que sim. Eu não poderia ser esta fracassada. Ainda que o pensamento deste pequeno bebê vagando na rua sozinho e com fome totalmente me destruiu. "Graças a Deus que você pegou!" Eu proclamei enquanto o filhote desistiu da minha camisa e enrolou direto contra a minha perna. "Bem, o abrigo está realmente lotado, mas nós nunca iríamos recusar um animal que precisava de ajuda. " "Quantos anos ela tem?", perguntei, acariciando seu pelo de cor clara, macio. "O melhor que podemos determinar, ela está mais ou menos com doze semanas de idade. Então, realmente muito novinha." Rimmel se levantou e remexeu em sua bolsa enquanto ela falava. Alguns segundos depois, ela tirou duas pequenas tigelas, uma para alimentos para cães e o outra para a água, e uma grande almofada branca. Era uma almofada de treinamento para o cachorro a fazer xixi nela. "Então, o que acontece com ela agora?", perguntei. Rimmel deu de ombros. "Ela vai ficar no abrigo até que ela seja adotada. " "Naquele abrigo frio, sozinha?" Engoli em seco. Rimmel riu. "Bem, nós temos aquecimento."


Peguei o cobertor distorcido que eu usei quando estudei e coloquei-o em volta dela. "Ela pode passar um tempo com a gente", sugeri. "Sim, eu esperava que você não se importasse. Eu não podia suportar a ideia de deixá-la lá também." "Ninguém nem vai saber que ela está aqui, ela é tão pequena." Rimmel assentiu. "Mas não por muito tempo. Ela precisa de uma boa casa." Eu balancei a cabeça. "Eu posso ficar aqui com ela hoje à noite, vigiála." Rimmel me deu um olhar, uma espécie de cruzamento entre a suspeita e preocupação. "Você não quer sair?" Dei de ombros e olhei para trás para baixo em direção ao cachorro. "O que está acontecendo, Ivy?" "O que você quer dizer?", perguntei. "Você tem estado meio que reclusa por semanas, uma vez que chegamos da casa da Flórida, na verdade. Você parece um pouco para baixo". É claro que ela notou. Nós compartilhamos este quarto. Ela me viu mais do que ninguém. E eu tinha estado me escondendo no quarto um monte mais do que o normal. Dei de ombros. "A faculdade tem me mantido ocupada." "A faculdade está sempre ocupada." Rimmel atravessou a sala e sentou-se na cama ao meu lado. "Eu tenho sido uma amiga má." Meus olhos dispararam para os dela. "O quê?"


Rimmel não era uma amiga má. Se alguém sabia o que um amigo ruim era, eu sabia. "Tanta coisa vem acontecendo. Eu me peguei em meus próprios problemas, meus próprios assuntos e Romeo também. Eu não estive aqui para você. Eu realmente nunca lhe perguntei..." "Me perguntou o quê?" Eu pressionei. "Você está bem? Quer dizer, depois de tudo com Zach..." Sua voz foi sumindo timidamente. Meu estômago revirou. "Eu sei que depois do que ele fez-" "Você quer dizer que eu fiz?" Eu perguntei, não querendo me deixar fora do gancho. "Eu dormi com ele. Eu dei o acesso a este quarto, ao seu trabalho. E por minha causa, você quase conseguiu ser expulsa da faculdade. Você foi atacada. Romeo quebrou o braço." "Zach ser um completo psicopata não é sua culpa." "Talvez não," eu concedi "mas eu não evitei as coisas." "A forma como eu vejo, você apenas foi vítima como o resto de nós ", disse Rimmel apaixonadamente. Eu sorri. "Você é uma boa amiga. Você me dá um monte de crédito que não mereço." "Por que está sendo tão dura consigo mesma? Existe mais nisso do que apenas Zach?" O filhotinho escolheu aquele momento para se levantar e começar a lamber minha mão. Eu ri e comecei a beliscá-la. Rimmel sorriu. Ocorreu-me. "Você trouxe este cachorro para casa para mim. Você sabia que eu não podia resistir a algo tão fofo." "Ninguém pode resistir a um filhote," Rim concordou.


"Será que ela é mesmo realmente um cão do abrigo?" Rimmel assentiu. "Ela realmente é. Ela realmente foi encontrada na rua hoje. É apenas, quando a vi ... Eu pensei em você. Eu sabia que ela ia fazer você sorrir." Eu estendi a mão e abracei-a, uma vez que o cachorro ainda estava entre nós. "Obrigada." Eu sentei para trás e olhei para o Chiuaua de cor clara. "Se ela fosse minha, eu a chamaria de Prada." Rimmel riu. "Só você nomearia um cão cum um nome de estilista." "Ei, eles fazem bolsas muito boas," eu adverti. "E, além disso, ela está na moda. Eu já posso dizer". Rimmel assentiu uma vez. "Prada então." "Nós não podemos dar um nome a ela", eu protestei. "Claro que podemos. Nós temos que chamá-la de alguma coisa. Eu posso colocar seu nome na etiqueta na sua gaiola no abrigo. Talvez quem adotá-la irá mantê-lo." "O que você acha disso, Prada?" Eu cantarolei. Ela tropeçou sobre o cobertor de novo e caiu em cima. Eu esfreguei a barriga e nós rimos. "Você sabe que você pode falar comigo a qualquer hora, sobre qualquer coisa, certo?", disse Rimmel. "Até Zach. Ninguém te culpa por qualquer coisa que ele fez." " Ninguém sabe ", eu zombei. Então eu pausei. " Será que você…?" Ela balançou a cabeça com firmeza. "Eu não contei a ninguém. Romeo sabe, é claro, porque ele era parte da investigação que o pai dele lançou no meu laptop. Mas ninguém mais." Deixei escapar um suspiro de alívio. "Eu não quero que ninguém saiba. Eu estou tão envergonhada. Eu tenho feito algumas escolhas muito ruins recentemente. Eu só posso imaginar o que Romeo pensa de mim". Eu me


encolhi. Sei que as pessoas sempre dizem para não se preocupar com o que os outros pensam de você, mas isso nem sempre é fácil. Uma garota quer que seus amigos gostem dela e a respeitem. A mão de Rimmel cobriu a minha. "Eu te prometo, Romeo não pensa mal de você. Ele na verdade percebeu uma mudança. Acho que ele está orgulhoso de você." "Sério? " Eu não sei por que isso significava tanto para mim, mas significava. Eu sei que Romeo era apenas um cara como todos os outros. Ele não era realmente a grande celebridade que todo mundo o levou a ser. Ele era um bom rapaz. Um cara legal. E ele realmente cuidava bastante de Rimmel. No entanto, ele era uma espécie de alfa do nosso grupo, o líder. No ano passado, nós realmente formamos um grupo estreito de amizade. Claro, Braeden e eu estávamos na garganta um do outro o tempo todo. Missy meio que caiu do mapa quando seu relacionamento com Braeden foi para o sul... Eu vi um padrão aqui. Braeden era como dinamite para todos os relacionamentos nos quais estava envolvido. Não era essa uma realização interessante? Mas, mesmo apesar de tudo isso, eu sabia que meus amigos estariam lá se eu precisasse deles. Especialmente Romeo e Rimmel. Eles eram firmes como rocha. Rimmel assentiu sabiamente. "Ele ainda disse a Trent quando ele perguntou sobre você". "Trent perguntou sobre mim?", perguntei, curiosa. lisonjeiro quando um cara perguntava sobre você.

Era sempre

Prada estava dançando ao redor na cama de novo, então Rimmel a levantou e a colocou na plataforma higiênica perto de sua comida. Eu a observei manobrar ao redor. Ela cheirou tudo e parecia curiosa com tudo que o nariz tocava. "Ele perguntou. Eu não pude deixar de notar que ele parecia muito interessado no café da manhã do outro dia."


Por mais que eu quisesse negar isso, talvez Trent parecesse interessado em mim. Eu gemi."Eu e os caras não somos uma boa ideia." "Você só precisa encontrar o caminho certo." "E você acha que Trent é o certo?" Eu perguntei. Eu não podia deixar de pensar em Braeden. Eu disse a mim mesma para esquece-lo. "Pode ser." Rim sorriu. "Ele é doce, boa aparência, e ele parece realmente a fim de você." "Sim", eu repeti. "Talvez. Mas a ideia toda não era juntar ele com Missy?" Rimmel não pareceu se importar. "Sim, mas não funciona dessa maneira. Missy não parece interessada em Trent de jeito nenhum". Você não tem ideia. Antes de eu decidir mudar o caminho em que eu estava, parar de fazer escolhas que podiam ir e voltar a me morder mais tarde, eu teria saltado na ideia de Rimmel. Eu teria pensado que a melhor maneira de esquecer alguém que eu não podia e não deveria querer estava por entrar em algo com alguém, especialmente se alguém estava interessado em mim. No entanto, eu estava fazendo coisas diferentes agora. Melhores. Isso não significava, necessariamente, que Trent não era alguém que eu poderia passar o tempo. Mas ele não era alguém com quem eu ia saltar na cama. Ele não era alguém com quem eu ia me embriagar, e ele definitivamente não era um caso de uma noite. Talvez eu ficasse a fim dele. Ele me fez rir, e ele foi tão doce quando eu cortei o meu pé na praia. Depois que Braeden saltou sobre os trilhos para se certificar de que estava tudo bem. Eu balancei a cabeça, tentando limpar o pensamento.


Rimmel franziu a testa. "Eu não quero forçar nada. Se é muito cedo depois do que aconteceu com Zach..." "Você não está forçando. Você só está sendo uma amiga". E eu era uma mentirosa. Ela não tinha ideia que eu tinha ficado com Braeden. Claro, não era tudo sobre ele. Eu ainda estava assombrada por Zach. Ainda tão envergonhada. Isso fazia de mim metade mentirosa? Metade mentirosa era melhor do que uma mentirosa completa. Certo? "Então o que você diz? Screamerz?" Rimmel perguntou, a esperança em seus olhos. Eu ri. "Desde quando você quer sair e eu quero ficar?" Ela sorriu e empurrou para cima os óculos. "Talvez seja lua cheia." Eu deslizei para fora da cama e no chão ao lado de Prada. Ela brincou até mim, e eu comecei a beliscá-la novamente. Enquanto movi minha mão, ela tentou mastigar meus dedos. Seus dentes eram tão pequenos que nem sequer doeu. "Prada pode ficar aqui. Vou chamar Romeo e pedir-lhe para trazer a caixa de Murphy que usamos quando ele vai para o veterinário. Nós podemos colocar um cobertor e ela pode dormir enquanto estamos fora. " "Eu não sei", eu cobri. "Ela pode ficar solitária." Rimmel sorriu. "Ela vai dormir. Filhotes dormem bastante. Ela vai estar cansada de nós em breve. " Quando eu não disse nada, Rimmel suspirou. "Eu posso levá-la para a casa de Romeo? Ela pode ficar em casa com Murphy. Eu posso levá-la de volta amanhã ao abrigo. " "Não", eu disse rapidamente. Eu não estava pronta para deixar esse pequeno pacote de fofura ir ainda. "Se você acha que ela vai ficar bem aqui. "


"Eu realmente acho. " "OK. Eu vou sair. Mas só por um tempo. Então eu vou voltar e cuidar de Prada." "Eu tinha planejado passara a noite na casa de Romeu." Rimmel mordeu o lábio inferior, parecendo em conflito. Ela sempre ficava com ele nos fins de semana. Eu nunca esperava que ela dormisse aqui. "Eu prometo que vou cuidar dela”. "Eu sei que você vai", Rimmel concordou. "Agora, eu vou tomar banho e escolher algo para vestir." "Eu vou trançar seu cabelo," eu ofereci. "Você sabe que eu seria uma grande bagunça se não fosse por você, certo? ", ela disse enquanto recolhia todas as suas coisas de banho. "Rimmel?" Eu chamei antes que ela pudesse sair. "Obrigada. Por trazer Prada para casa, por torcer por mim, e por apenas estar aqui." "Sempre que precisar." Ela sorriu e fechou a porta silenciosamente atrás dela. Prada foi se arrastando em volta do meu chinelo felpudo, que era duas vezes maior que ela, e agindo como se ela fosse fazer algum dano. Eu ri e voltei para terminar o meu cabelo pela metade. Quando terminei, eu brinquei com o filhote de cachorro um pouco mais e, em seguida, coloquei minha maquiagem. A maquiagem dos olhos de bolinhas não foi tão demorada como eu pensava que seria. E descobriu-se realmente incrível. Os pontos acentuaram meus olhos e parecia surgir da sombra esfumaçada cinza nos cantos. No canto interno, eu coloquei algo cintilantee leve, apenas o suficiente para captar a luz. Eu mantive o resto do meu rosto bastante simples e então deslizei um pouco de batom rosapálido. Quando Rimmel voltou do banho, falamos de roupas, e eu decidi usar um par de calças jeans finas cor de hortelã - era primavera afinal das contas - e um top branco simples. Sobre o top, eu mergulhei um colar grande, robusto, com vários fios de corrente prata, contas de azul-turquesa, e algumas penas brancas, ousado.


Uma vez que ainda fazia frio à noite, eu percebi que eu poderia sair com um par de botas, então eu cavei ao redor até que eu encontrei um par de botas cinzentas com saltos altos de madeira. Elas seriam mais confortáveis para dançar do que saltos finos, e desde que eu não queria irritar o corte que estava quase curado embaixo do meu pé, eu achei que era vantajoso. "Você vai congelar nesse top!" Rimmel disse quando viu o que eu estava vestindo. "Nah. Vou usar um casaquinho até chegarmos lá dentro" Eu respondi e tirei um cardigan de malha cinza, volumoso. "Bem, para alguém que queria ficar em casa, você com certeza parece gata". Eu sorri. "Apenas sendo eu." "Que tal você ser você aqui comigo e uma escova? " Eu ri, e Rimmel segurou Prada enquanto eu trançava ambos os lados de seu cabelo para trás em uma trança francesa solta e depois torci as extremidades em um nó na base da sua cabeça. Depois de retirar algumas peças soltas em torno do seu rosto, eu a ajudei a escolher um par de leggings marrons e um top solto com padrão em preto-e-branco. O único colar que ela sempre usava era um pingente de camafeu de ouro que pertenceu a sua mãe e o bracelete de ouro que Romeo lhe deu no Natal. Mas funcionava e ela parecia ótima. Poucos minutos depois, Romeo bateu na porta e Rimmel o conduziu para dentro rapidamente. "Qual é a pressa, roupas íntimas?", ele perguntou enquanto ela o puxava para dentro e fechava a porta. Ele se aproximou para baixo quando ele me viu no piso entre um grupo de brinquedos improvisados e um filhote de cachorro pequeno no centro. Ele riu. "É para isso que você precisava da caixa transportadora de Murphy?"


Prada olhou para Romeo e sacudiu o rabinho. Toda a sua bunda mexeu com a ação. Ela lançou-se sobre o sapato, e eu ri porque era literalmente tipo cinco vezes o tamanho de seu corpo. Ele colocou a caixa transportadora e alcançou Rim. Ele levantou-a do chão, sem qualquer esforço e a trouxe até o seu nível de olho. "Smalls, será que você vai trazer para casa cada animal que conquistar seu coração?" Ela estendeu-lhe o queixo. "E se eu trouxer?" Eu não poderia evitar de vê-los. Eles tinham tipo uma história épica de amor. Apenas observá-los olhar um para o outro era cativante. Romeo riu. "Então eu acho que eu vou ter que comprar uma fazenda com um monte de terra." "Você faria isso?" "Eu faria qualquer coisa por você, baby. Você sabe disso." Eu me virei. Sua história era bonita, mas parecia inatingível para alguém como eu. Rimmel sussurrou que ela o amava, e, em seguida, em voz alta, ela disse: "Bem, eu não adotei Prada. Eu só a contrabandeei para dentro para que ela pudesse conhecer Ivy. Eu não queria deixá-la sozinha no abrigo." "Sim, eu tenho certeza que os outros cinquenta animais a teriam feito se sentir solitária." Romeo gargalhou e colocou Rim no chão. "Ela, com certeza, me faz sentir menos solitária." O silêncio envolveu a sala, e eu olhei para cima. Romeo e Rimmel estavam ambos me encarando. "Eu disse isso em voz alta?" Eu perguntei, sentindo minhas bochechas esquentarem. "Sim", respondeu Romeo. "Mas não vamos contar."


Limpei a garganta e peguei a caixa transportadora. Era feito de plástico resistente, grosso, com um punho preto no topo. Ele tinha aberturas de bom tamanho nas laterais e uma porta de ferro preto na frente. "Esta é muito pequena?" Eu me preocupei. "Não, é um bom tamanho para ela. Ela é tão pequena ela precisa de um espaço pequeno. Isto vai lhe dar uma sensação de segurança. " Eu balancei a cabeça. Fazia sentido. Meu cobertor era demasiado grande para colocar dentro da transportadora, então eu usei uma das minhas toalhas limpas, toalhas macias que eu usava para o banho. Depois disso, eu coloquei uma das minhas meias felpudas que Prada tinha encontrado e foi arrastando para dentro também. Enfiei a transportadora debaixo da minha mesa, mas não muito longe de volta para que ela não fosse capaz de ver. Então eu liguei o meu abajur na minha escrivaninha, assim não ficaria escuro. Rimmel esperou e assistiu pacientemente enquanto criei um pouco de espaço para nossa hóspede. Até Romeo não parecia se importar com a minha agitação. Claro, ele provavelmente estava acostumado com Murphy. "Pronto?" Romeo nos perguntou depois que ambas abraçamos o cão novamente e colocamos dentro do transportador. "Eu acho que sim", eu disse. Rimmel riu. "Ela vai ficar bem. Eu prometo." Olhei para dentro antes de sairmos, e ela já estava enrolada dormindo com sua cabeça minúscula apoiada na minha meia . "Senhoras," Romeo disse, apontando para nós para ir à frente dele na sala – depois trancou a porta do quarto. Em nosso caminho para o Hellcat, os nervos começaram a dançar na minha barriga... ou talvez fosse antecipação. Eu realmente não queria sair esta noite. Mas eu não podia negar que eu estava ansiosa para ver Braeden.


CAPITULO quinze #ResultadosEstãoAí Montes de votos. Um vencedor evidente. Parece que a Alpha U tem um novo residente sexy. #BraedenEstáNosHolofotes #13 ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN "Ahhh, merda." Romeo riu. Olhei por cima da borda do Light Miller6 que eu estava bebendo quando ele riu. Alguns dos caras ao nosso redor começaram a fazer o mesmo. Eles estavam todos olhando para seus telefones. "Eu perdi alguma coisa?", perguntei. "Diga aí, Sr. Residente Sexy", um dos meus companheiros disse do outro lado da mesa. "Com licença? Eu não falo idiota. Por favor, explique em Inglês:" Eu rachei. Romeo deslizou seu telefone na frente do meu rosto. Eu li a notificação de Buzz mais recente rebocada na tela. Minha cerveja espirrou sobre a borda do copo quando tossi com a surpresa. "Que porra?", eu gritei. "Para o novo garanhão Alpha U!" Romeo gritou e ergueu a taça. Todos ao seu redor seguiram o exemplo. "Que monte de besteira!", eu gritei por cima dos uivos de lobo. 6

Tipo de cerveja.


Romeo me deu um tapinha nas costas. "Divirta-se com isso." Eu soltei uma série de maldições. "Você está de brincadeira comigo? A última coisa que eu quero é algum fofoqueiro no campus relatando todos os meus movimentos. Eu não sei como diabos você tolerou isso, cara." Eu balancei a cabeça. Romeo resmungou. "É muito danado de irritante. Especialmente quando o Boss correu atrás de Rim." "Rotulando ela uma nerd hashtag e merda," eu cuspi. "Sem mencionar todas as roupas sujas de outras pessoas que tem sido exibidas em todo o campus graças a este idiota." "Eu definitivamente não vou perder isso" Rome disse e bebeu um pouco de cerveja. "Vai ser estranho não estar por aí. Não ter você no campo. Nós temos sido companheiros quase tanto tempo quanto nós temos sido amigos." "Eu não vou desistir de você, B," Romeo prometeu, colocando a mão em seu peito. O cara pensou que era um comediante. "Nosso bromance7 vai viver!" "Você diz a palavra bromance mais uma vez e eu nunca vou falar com você de novo." Romeo riu. "Realmente, no entanto. Eu posso não estar ao redor tanto no verão, mas nós somos uma família. Isso não vai mudar." Eu balancei a cabeça. Eu não iria admitir, mas eu precisava ouvir isso. Tudo parecia tão fora de controle ultimamente, tudo foi mudando tão rápido. Saber que algumas coisas iriam ficar sempre o mesmo era reconfortante. Romeo olhou para fora na pista de dança onde Rim estava dançando - e não muito coordenada - com Missy e Ivy. O fantasma de um sorriso brincou em seus lábios enquanto a observava, mas então ele voltou sua atenção e

7

Brothers romance, romance de irmãos.


sentou-se na cadeira. Sua cerveja bateu na mesa e ele se inclinou como se tivesse algo mais a dizer. Eu abaixei minha cabeça um pouco mais perto, porque a música era tão alta. "Sobre a outra noite", começou ele. Eu sabia que ele estava falando sobre aquela noite que jantamos com minha mãe, a noite que meu pai ligou como se não fosse grande coisa para pedir para falar comigo. Na noite em que saí de casa e fui para a academia onde eu bati o corpo no saco por mais de uma hora depois que eu corri algumas milhas na esteira. Através de tudo isso, Rome tinha estado lá. Ele não me fez nenhuma pergunta ou me forçou para falar sobre meus sentimentos. Obrigado foda. Se eu quisesse fazer isso, eu chamaria Dr. Phil. Ele só apertou o saco comigo, então pulou no elíptico, enquanto eu corri a minha raiva sobre a esteira. Basicamente, ele estava lá. Eu sabia que, no entanto, mesmo que eu não quisesse falar sobre isso, ele tinha o direito de saber o que estava acontecendo. "Rimmel sabe." Olhei para cima, surpreso. Eu estava preparado para algumas perguntas, isso não. "Eu sei que não foi realmente o meu jeito, mas depois do que aconteceu na casa de mamãe... Bem, ela e Caroline conversaram, e eu preenchi as dúvidas que ela teve mais tarde." E isso explicava o abraço que tive quando entrei esta noite. Não era como se eu e Rim nunca nos abraçassemos. Nós tínhamos. Ainda não era algo que acontecia todos os dias e nunca em um bar. Mas, ela não disse nada. Apenas me abraçou apertado super forte e , em seguida, me disse que era melhor eu me comportar esta noite. Por isso que eles eram da família. Eles entenderam e eu não tive que dizer uma palavra.


"É legal. Depois do jantar, eu tenho certeza que ela estava assustada." "Nah." Romeo zombou. "Ela tem passado por muita coisa. Eu não acho que algo a surpreenda mais. Ao contrário, isso explicou algumas coisas." Inclinei a cabeça para o lado. "Que coisas?" "Tipo porque você está incrivelmente desagradável." Ele mostrou os dentes num sorriso largo. Dei-lhe o dedo. Um dos rapazes veio por trás, em seguida, encostou a cara feia por cima do ombro e segurou o telefone na minha cara. "Residente sexy!" Ele riu. "BuzzBoss está observando!" Eu cavei o meu celular do meu bolso, acendi a tela e apertei apagar na frente de todos me encarando. "O residente sexy deixou o prédio!" Joguei meu telefone em cima da mesa e ele tocou até parar. "A Romeo!" Eu gritei. "O residente sexy original!" Todos aplaudiram, e uma bandeja daqueles malditos drinques Smurf Balls apareceu no centro da mesa. As meninas já tomaram mais do que um. E, a julgar pela forma como a minha irmã mais nova estava dançando, ela não precisava de outro. O cara à minha direita saiu em busca de uma foda fácil, e Rome e eu nos sentamos lá assistindo as meninas fazerem papel de bobas. Bem, ok, Rim era a única a parecer um pouco tola. Mas é por isso que todos nós a amamos. E realmente, eu não estava olhando para ela muito mais de qualquer maneira. Meus olhos continuavam à deriva de volta para Ivy. Eu estava começando a pensar que eu precisava verificar os meus olhos. Eu parecia ter um problema em mantê-los longe dela.


As malditas calças cor de doce que ela estava vestindo moldavam sua bunda pornô como uma segunda pele, e a parte superior do top... Bom Deus, o top. Se ao menos ela tropeçasse e caísse em uma poça de água. Cada cara aqui iria ficar duro. Não havia nada mais quente do que uma mulher em uma blusa branca molhada. Bem, exceto talvez uma mulher em um top branco molhado e uma tanga. Ela estava jogando seu cabelo longo, brilhante enquanto ela se movia, e não escapou ao meu conhecimento que ela atraía muita atenção. Olhei para a mesa onde o casaco que ela usava quando ela entrou estava. Ela devia colocá-lo novamente. Caras se aproximavam dela a cada poucos minutos, e ela lhes piscava um sorriso largo, sedutor, entretendo a sua atenção para o espaço de poucos batimentos cardíacos, e depois se afastando, de volta para seus amigos. Definitivamente não feria meus sentimentos que ela parecia tão desinteressada, mas eu também não podia evitar de me perguntar o porquê. Ela poderia ter qualquer cara lá no chão esta noite, até mesmo aqueles com namoradas, mas ela parecia querer ficar sozinha. Alguém deslizou no lugar vago ao lado, meu lado, e eu rolei minha cabeça em sua direção. Missy sorriu, seus lábios cheios se deslocaram até os cantos. Seu cabelo estava em um rabo de cavalo alto que saltava com a batida da música. Ela estava usando um par de calças pretas justas coladas e uma camisa amarela que amarrava em volta do pescoço. Eu tinha estado tão empenhado em assistir Ivy, que eu nem tinha notado que ela tinha deixado a pista de dança. "Tome um pouco de Balls", eu disse e gesticulei em direção aos copos cheios de doses de líquido azul. "Eu vou tomar um pouco se você tomar," ela respondeu sobre a música. "Balls não são a minha praia." Eu peguei uma dose fora da mesa e a estendi para ela.


Ela a tomou, jogou-a para trás, e colocou o copo na mesa. Então, com um mau brilho nos olhos, ela arrancou minha cerveja fora da minha mão e tomou um longo gole. Quando ela terminou, seus lábios brilhavam com cerveja e ela pressionou as costas da mão para eles, limpando-os secos. "Obrigada." " De nada." Dei de ombros. "Cara." Romeo me chamou a atenção. "Eu tenho que ir salvar Rimmel de si mesma." "Que a força esteja com você!" Eu gritei depois dele. Eu estava bebendo uma cerveja quando Missy inclinou-se e sussurrou no meu ouvido: "Então, se Balls não são sua coisa, então o que é? " Baixei o copo e olhei para ela."Eu tenho certeza que você sabe." Seus lábios puxaram para cima em um sorriso satisfeito e acolhedor. O que. Estava. Acontecendo? Será que ela estava dando em cima de mim ou apenas sendo gentil? Algumas vezes eu realmente desejava que mulheres viessem com um manual de instruções. Eu me inclinei para trás na cadeira, colocando um pouco de distância entre nós, e tentei ignorar a maneira como ela inclinou as pernas e o corpo em direção ao meu. Eu gostava de Missy. Eu realmente gostava. Mas ela não era uma garota importante, não para mim. Não era nada pessoal. Nenhuma menina era uma garota importante para mim. No segundo que eu começava a receber os sentimentos delas (os sentimentos = ela queria um pedaço permanente do B-homem), eu recuava. Eu deixei claro que estávamos apenas nos divertindo. Eu não estava tentando me amarrar a ela ou deixá-la acreditar que era mais do que o era. Eu pensei que ela tinha aceitado. No entanto, por vezes, o jeito que ela olhou para mim durante as férias de primavera e depois novamente agora... isso fazia a felicidade de um cara.


"Sim, acho que sim", ela concordou. Eu não conseguia sequer lembrar o que diabos eu disse. Movimento na pista de dança me chamou a atenção. Ivy estava quase na minha linha de visão direta e assim estava Trent. Eu não tinha notado ele antes, mas eu não teria porque ele não estava a qualquer lugar perto de Ivy. Mas ele com certeza estava agora. Minha língua deslizou sobre meus dentes enquanto eu observei com interesse velado como ele aproximou-se dela. Trent era um pouco mais ousado que os outros caras dando em cima de Ivy. Ele era mais familiarizado com ela, mais confiante. Tipo como se ele já soubesse o que sua resposta seria. Pobre rapaz. Ele e eu éramos amigos. Eu não queria vê-lo ser humilhado na frente de todo mundo. Eu o vi espalmar os quadris dela, puxando-a de volta contra o seu corpo para que eles ficassem com seus corpos aproximados. Ivy parecia assustada e ela endureceu. Trent se inclinou em torno dela e disse algo em seu ouvido. E isso era quando ela iria enviá-lo para fazer as malas. Tchau tchau. Mas ela não o fez. Seu corpo relaxou junto ao dele, e um de seus braços serpenteava em volta da cintura dela e segurou-a perto. Sua mão cobriu a sua e eles dançaram em sincronia com a batida. Joguei de volta o resto da minha cerveja, em seguida, peguei a jarra para encher o meu copo. Eu estava prestes a fazer barulho quando Missy a agarrou novamente e sorriu, passando os lábios em torno do copo.


Peguei um copo vazio e enchi outro. "Mantenha-o," eu disse a ela. Eu não acho que ela gostou muito disso, mas eu não dei a mínima. Eu só queria ficar bêbado. "Eles fazem um bom casal," Missy gritou e fez um gesto para a pista de dança. Eu não olhei novamente. Eu não precisava. Eu sabia quem ela queria dizer. "Pobre imbecil", eu respondi. Missy riu. Não era uma piada. Eu bebi mais cerveja e meus malditos olhos vagaram de volta para o acidente de trem na minha frente. Ivy estava de frente para ele agora. Ele tinha uma de suas pernas entre as dela e eles estavam movendo-se para a batida. Pelo menos era uma música alegre, e não uma lenta. O ritmo da música mantinha alguns centímetros entre eles. "Você sabe," eu disse em tom de conversa, inclinando-me para trás para Missy, "eu pensei que você e Trent tinham um caso." "Eu e Trent?", Ela disse , com os olhos crescendo largos. "De jeito nenhum." "Por que de jeito nenhum?" Ela encolheu os ombros. "Eu não estou interessada nele desse jeito." "Ela está?" Eu engatei meu queixo em direção ao casal. "Por que ela não estaria? Trent é ótimo e ele é realmente bacana para ela." Eu resmunguei. Eu não era doce e nunca seria. "As mulheres gostam disso, hein?" A cerveja deslizou na minha garganta com facilidade, e eu esperava que começasse a me suavizar. "Algumas gostam. Mas eu não." Seu tom mudou, tornou-se um pouco sugestivo.


Eu foquei meu olhar sobre ela. Ela não olhou longe. Ela me olhou com interesse em negrito. Quando ela passou os dedos pelo meu cabelo perto da minha testa e deu-lhe um puxão, eu não disse nada. Seria tão fácil. Eu poderia tê-la com apenas uma palavra. Eu poderia tê-la debaixo de mim em algum momento, e eu poderia enterrar meu pênis dentro dela até que não importasse que ela não era quem eu realmente queria. Eu pensei sobre isso. Eu estava perto. Tão perto de ceder. Missy estava aqui. Ela me queria. E eu a queria. "Braeden", disse Missy. Eu vi o meu nome nos lábios mais do que eu a ouvi dizer isso sobre a música. Sua mão esquerda deixou meu cabelo, mas pousou em minha coxa vestida de jeans. "O que você quer, Missy?", perguntei. "Eu acho que você sabe." Só então a canção saiu e uma outra começou. Era uma lenta. Sexy e profunda. Olhei de volta para a pista de dança, sabendo exatamente o que eu não queria ver. Mas estava lá. Trent puxou Ivy colando seus corpos. Seu corpo estava moldado ao dele e suas mãos estavam tão perto do traseiro dela – meu traseiro – senti o músculo do lado da minha mandíbula trincar. A cabeça de Ivy estava inclinada para cima, assim seu cabelo caiu para trás, criando uma cortina atrás de sua cabeça quando ela olhou para ele. Ela estava sorrindo. Ele estava sorrindo. Ele abaixou a cabeça e disse algo para ela. Ele falou tão perto que eu pensei que ele ia beijá-la. Eu pulei da minha cadeira.


Frustração brotou dentro de mim, tornando difícil respirar. As paredes do Screamerz começaram fechar em volta de mim. Eu precisava de algum ar. Eu comecei a me afastar. Missy envolveu a mão em meu pulso. "Onde você vai?" "Eu tenho que mijar." Eu puxei meu braço para trás e a deixei sentada ali. No banheiro, olhei-me no espelho. Meus olhos estavam selvagens e os músculos no meu queixo estavam rígidos. Tentei fechar meus dentes, mas eles simplesmente foram para a direita de volta para a mesma posição. Eu odiava esse sentimento. Esta sensação fora de controle, ligeiramente perigosa. Às vezes isso me assustava, porque eu sabia que enquanto isto estava bombeando pelo meu corpo, eu provavelmente faria qualquer coisa, e eu provavelmente não me sentiria mal com isso. Eu fiquei no banheiro dos homens até que eu, pelo menos, senti que não ia fazer nada estúpido. No momento em que saí, a música lenta tinha terminado e havia um ritmo elevado enchendo o clube. Romeo e Rimmel apareceram ao meu lado, e nós três fomos para a mesa. Missy ainda estava onde a deixei, bebendo a mesma cerveja e dançando sentada com a música. Trent e Ivy não estavam mais na pista de dança. Tomei essa observação como um maldito soco no estômago. Eu procurei em volta freneticamente, como se eu tivesse perdido alguma coisa que eu não podia encontrar. Eu não queria dizer isso, mas eu disse. As palavras arrancaram de mim antes que eu pudesse morder minha língua. "Onde está Ivy?" Missy sorriu. "Ela saiu com Trent." Rimmel aplaudiu como se fosse algum tipo de vitória e pontos pretos nadaram diante de meus olhos. Uma sensação de queimação eclodiu logo abaixo das minha costelas, tipo como de azia feroz, mas foi pior, assumindo o meu peito.


"Nós vamos sair", disse Romeo. "Você precisa de carona para o campus?" "Sim, isso seria ótimo." Eu peguei um táxi para o clube hoje à noite. Eu sabia que ia beber, então eu não poderia dirigir. "Missy, você também?", perguntou Rimmel. "Claro!" Eu não tinha idéia de como ela tinha chegado ali, e eu realmente não me importava. Peguei meu telefone da mesa e empurrei-o no bolso de trás. Eu nem sequer queria ver se havia outro Buzz. Missy e eu estávamos sentados na parte de trás do Hellcat no caminho para o campus. Seus olhos continuaram vagando para mim, e eu evitando. Eu não estava no humor para as mulheres hoje à noite. Acho que foi a primeira vez na história da minha vida. Olhei pela janela enquanto as ruas passaram. Perguntei-me onde Ivy estava. Eu me perguntava o que ela estava fazendo. O que ela e Trent estavam fazendo. Flashes da noite na praia me assaltaram. Mesmo com a neblina da cerveja sobre minha mente, eu lembrei claramente. Lembrei-me da maneira como ela se desfez em meus braços e como ela parecia quando eu a trouxe ao limite. Eu era o único que a tinha levado lá. Seu primeiro orgasmo era meu. Eu queria todos eles. Trent ia, provavelmente, tentar reivindicar um esta noite. Na minha volta, a minha mão fechou. Romeo parou no prédio de Missy em primeiro lugar. Ela vivia no mesmo que Ivy.


Quando Romeo levantou o assento para Missy sair, eu segui. Eu tinha que sair desse carro. Eu precisava de um pouco de ar. Eu precisava parar de pensar sobre orgasmos e Ivy. "Obrigado pela carona, cara. Vou a pé até meu prédio." "Tem certeza?", perguntou. Missy se moveu atrás de mim, e eu assenti. Romeo tinha um sorriso no rosto. Ele pensou que eu ia com Missy. Mas não era seu corpo que eu queria. "Treino amanhã?" Eu balancei a cabeça. "Te encontro lá." Debrucei-me na porta aberta e sorri para Rim. "Tchau, mana". "BBFL." Seu sorriso era maluco. Quantas bebidas malditas ela tinha tomado? "Você cuida disso?", perguntei a Rome, que engatou um polegar para ela. Romeo sorriu. "Eu cuido disso", ele respondeu. Ele se afastou do meio-fio e dirigiu para fora do estacionamento. Virei na direção do meu edifício e comecei a andar. "Ei," Missy disse atrás. Eu parei e me virei. Seu cabelo estava flutuando na brisa fria e suas bochechas estavam vermelhas. Quando ela caminhou em minha direção, o material amarelo de seda de sua parte superior soprou para trás e rebocou em frente de seu corpo. O vento era frio e ela não estava vestindo uma jaqueta, então seus mamilos endureceram instantaneamente. Eu olhei. Claro que eu olhei. Ela parou na minha frente, inclinou acabeça para trás e olhou para cima.


"Aonde você vai?" "Onde você quer que eu vá?" Seus lábios se curvaram em um sorriso sedutor, sua mão estendida para a minha. Nossos dedos enfiaram em conjunto, e Missy me puxou em direção ao seu prédio. Eu fui. Ela usou seu cartão-chave para entrar, e eu mantive a porta aberta. O lobby estava vazio, o corredor, escuro. Diretamente na frente de nós era um elevador, e à sua esquerda era uma porta levando para as escadas. "Você se lembra do caminho", disse ela, apontando em direção a seu quarto do dormitório para baixo no corredor. Eu parei de andar, plantando meus pés no chão. Porque estávamos de mãos dadas, ela parou, bem como, um olhar de surpresa em seus olhos. Puxei-a de volta. Eu não era gentil. O corpo dela bateu contra o meu, ao mesmo tempo que eu quebrei a minha boca na dela. Eu a beijei rudemente, um pouco da raiva dentro de mim penetrando em nosso beijo. Ela não parecia se importar. Na verdade, ela gemeu e me beijou de volta. Inclinei a cabeça para um melhor acesso, querendo mais profundo, e ela agarrou a frente da minha camisa para me puxar para mais perto. Eu continuei beijando. Eu moí minha boca contra a dela. Mas isso não foi o suficiente. Não importa quão profundo eu fui, não importa que ângulo inclinei a cabeça. Não importou nem mesmo quando ela chegou em volta e deslizou a mão no bolso de trás do meu jeans. Ela engasgou quando eu a empurrei para longe. Os olhos dela estavam atordoados enquanto eu a segurava no comprimento do braço, meus dedos cavando em seus ombros.


Os lábios de Missy estavam inchados e seu peito arfava. "Vamos lá", disse ela e tentou voltar-se para o quarto dela. Raiva rachou através de mim como um relâmpago em uma tempestade. "Não." Ela piscou e um pouco do nevoeiro se dissipou de seus olhos. "Não?" "Eu não quero você", rosnei. "O - o quê?" "Nós não vamos acontecer, Missy. Eu não quero você e eu nunca vou querer." O rosto dela caiu. Foi a coisa mais merda que eu disse a uma menina, especialmente uma menina que eu, honestamente, não queria magoar. Eu me sentiria como um babaca por isso mais tarde. Mas era a única maneira que eu sabia como passar por ela. Inferno, Rimmel ia, provavelmente, ler meu ato como um motim. Eu não dou a mínima para isso também. Eu estava exausto essa noite. Exausto desses sentimentos. E sim, talvez eu quisesse me lançar porque esta sensação de queimação no meu peito foi lentamente dando forma à dor. Foda-se. Foda-se tudo. Missy arrancou-se livre, se virou e fugiu. Eu a assisti ir. Uma vez que ela desapareceu no seu quarto, eu girei sobre os calcanhares. Olhei entre a porta exterior e a porta que dava para a escada. Uma oferecia consolo, e a outra me levaria direto para o inferno. Eu considerei tudo em um segundo. E então eu fiz uma escolha.


CAPITULO dezesseis Eu sei de um segredo. ...Alpha BuzzFeed

I VY Ele dançava bem. Ele se movia com confiança e um pouco de arrogância. Quando ele me puxou para cima contra ele, fiquei rígida, totalmente desencorajada pela coragem dos caras neste clube. Estavam sempre tentando apanhar uma sensação. Mas então ele falou. "Me concede essa dança?" A qualidade gutural de sua voz combinada com a música me deu um zumbido. Eu olhei para ele com os cílios debaixo rebaixados."Eu acho que você já tenha tomado." "Eu vi você dando um fora em alguns caras esta noite. Pensei que poderia ser o próximo". "Qualquer cara que carregue a minha bagagem pelo aeroporto para mim, ganha uma dança." "Só uma?" Ele deu um sorriso que mostrou a covinha na bochecha. Bem, ele era um fala mansa, não era? "Duas?" Inclinei a cabeça para o lado.


"Eu posso trabalhar com isso." E ele fez. Como eu disse, ele dançava bem. Ele quase me fez esquecer as razões pelas quais eu não queria estar aqui esta noite. Quase. Apesar dos movimentos suaves de Trent, conversa macia, e ondulação, eu não conseguia que ele se abalasse. Ele estava sempre lá, não importa onde ele estava. Eu sabia sua localização no clube a noite toda. Eu nem sequer tinha que olhar para ele para saber. É como se meu corpo fosse uma bússola quebrada e sempre apontasse apenas para o norte. E Braeden era a coordenada exata. Enquanto eu dançava, eu roubei vislumbres com o canto do meu olho. Primeiro, tinha sido apenas ele e Romeo. Mas não ficou desse jeito. A próxima vez que eu enfrentei um olhar, ele estava sentado lá com Missy. Ela estava bebendo de sua cerveja, e ele estava olhando para ela. Deus, a maneira como ele olhava para uma mulher. Como se ele fosse uma raposa com fome e ela fosse seu jantar. Eu sabia que Missy ia tentar e reacender algo com Braeden, algo mais do que o que eles tinham antes. E pelo que eu estava vendo, ela estava conseguindo o que ela queria. Eu estava feliz por ela. Melhores amigos sempre queriam que seus amigos tivessem o que eles desejavam. Eu esperava que eles fossem muito felizes juntos. Eu estava dançando uma música lenta com Trent, e os seus braços me seguravam perto. Era uma reação automática que eu me agarrei a ele um pouco apertado, buscando algum tipo de conforto. Seu queixo caiu perto do meu ombro, e seus lábios se moviam contra a minha orelha. "Eu acho que as minhas duas danças estão terminando."


"Eu deveria ir para casa de qualquer maneira," eu disse. Eu pensei sobre Prada e seu pequeno corpo peludo, ela provavelmente estava solitária. Seus dedos acariciaram meu cabelo. "Precisa de carona?" "Isso seria ótimo. " Voltar com ele seria muito melhor do que sentar no carro com Rimmel e Romeo. Ela saberia que algo estava acontecendo, ela já suspeitava de alguma coisa. A forma como eu estava me sentindo agora, se ela me pressionasse, eu poderia rachar. A música terminou e Trent recuou. Nossos dedos enroscaram juntos, e ele me levou para fora da pista de dança. Romeo e Rimmel também saíram. "Ei," eu me inclinei para Rimmel. Ela observou minha mão em Trent e soluçou. Eu reprimi uma risada. Ela estava bêbada. "Trent vai me dar uma carona de volta para o dormitório." "Você tá legal para dirigir?" Romeo perguntou a Trent. Eu quase me senti como se estivesse perguntando porque ele se preocupava com a minha segurança. "Sim cara. Eu só tomei uns dois horas atrás." Romeo assentiu, e eles bateram punhos. Antes que Trent pudesse me puxar para longe, Romeo inclinou-se para baixo. "Você tá legal?" Recuei o suficiente para olhar em seus olhos. "Se eu dissesse que não?" Seus olhos se estreitaram. "Eu iria chutar alguns traseiros". Ele se importava. Eu sorri. "Sim, eu estou. Obrigada, Romeo. Você ter cuidado comigo significa muito". "Sempre", respondeu ele e estendeu seu punho. Eu bati com o meu. "Tchau," Rimmel disse, dando-me uma onda, e depois tropeçou em seus próprios pés. Romeo se moveu rápido, pegando-a e colocando-a contra seu peito.


"Chame se você precisar de alguma coisa", disse ele. Rimmel acariciou o lado de seu rosto. "Você é tão bonito." Trent e eu rimos. Os lábios de Romeo se contraíram. "Não tão bonito como você, baby." Ele a levou para a mesa, provavelmente para falar com Braeden. Trent virou-se para mim."Você está pronta para ir?" Eu balancei a cabeça, e fizemos o nosso caminho através da multidão. Trent dirigia um Mustang. Ele parecia bastante novo e tinha cor de aço. O interior era todo preto e no painel acendia uma fresca cor azul. Nós não dissemos nada até que ele puxou o carro em uma vaga de estacionamento fora do meu dormitório. De repente, eu fiquei nervosa. Eu não sabia o que ele esperava agora. Ele sabia que Rimmel não ia voltar porque ela estava com Romeo. Assim, ele também sabia que eu ia estar no meu quarto, sozinha. Será que ele estava esperando para ser convidado a entrar? Eu não podia. Apenas o pensamento disso bloqueou o meu corpo com rigidez. "Eu vou levá-la à sua porta", disse ele e saiu. Eu sentei lá torcendo minhas mãos no meu colo nervosamente. Eu fiquei sentada por tanto tempo que ele foi para o meu lado e abriu a minha porta como um perfeito cavalheiro. Eu sorri timidamente e saí. "Ei," ele sussurrou. "Sim?" "Eu só estou andando até a porta. Nada mais."


Alívio me encheu. Ele riu. "Eu sou tão assustador?" "Não!" Eu explodi. Eu me senti culpada. Trent era tão legal. Melhor do que eu merecia. Ele não tinha feito nada para me fazer pensar que ele me queria apenas para o sexo. Ao contrário de algumas pessoas que deveriam se manter sem nome. "Você não é de jeito nenhum. Eu só..." Minhas palavras desapareceram enquanto eu procurava a coisa certa a dizer. "Não tem hábito de dormir com rapazes que não está namorando?" Isso doeu. Tipo muito. Ele não quis ofender. Ele disse isso sem saber. Mas maldição, as palavras me cortaram como um faca. "Tenho certeza de que tenho uma reputação," comecei com cuidado, pensando em todas as festas em que eu tinha estado no ano passado. "Muitas pessoas têm reputações. O BuzzBoss com certeza gosta de recordar todo mundo disso." Eu ri. "Verdade. Mas eu não acho que o Boss tenha jamais perpetuado minha reputação". Eles não precisavam. Eu era quem me mantinha em alto e claro. Trent sorriu. "Gosto de formar minha própria opinião sobre as pessoas". "E eu estou tentando ter de volta a menina que teria lhe dado realmente uma boa opinião". "Até onde eu sei, você não precisa ir muito longe para ter." Parei em frente à entrada do edifício."Você é um cara muito bom, Trent." "Ah, isso é o beijo da morte."


"Definitivamente, não. Ser bom não é uma má coisa." "As meninas não gostam geralmente dos caras maus?" "Eu não." Eu ainda não gosto de você. As palavras ecoaram em minha cabeça. "Talvez eu não quisesse apenas levar você até a porta", Trent admitiu, parecendo um pouco acanhado. "Você não queria?" Eu engoli. Ele balançou a cabeça lentamente. "Eu estava esperando talvez lhe fazer uma pergunta." "OK." "Você quer sair algum dia talvez? Tipo em um encontro de verdade?" "Um encontro?" Eu repeti. O termo era tão estrangeiro para mim. Eu não tinha ido a um encontro a séculos. Principalmente, porque eu apenas fui a festas ou saí com caras em jogos de futebol. "Sim, o tipo onde eu te pego na porta e te dou um beijo de boa noite." Algo perfurou meu coração. Eu queria aquilo. Eu queria tanto. Mas não com ele. Eu disse aquele sussurro mau para tirar uma longa caminhada fora do pequeno cais. "Eu adoraria." Trent pareceu aliviado neste momento. Eu sorri porque era tão fofo. "Sim?" Eu balancei a cabeça. "Sim."


"Oh," ele disse. "Só para você saber, eu me certifiquei de que estava legal com Missy". "Você fez? " Eu senti minhas sobrancelhas atirar para cima na minha testa. Ele assentiu. "Eu pensei que talvez você se sentiria estranha sobre sair comigo quando era bastante óbvio que Romeo tentou me ligar com ela. Eu sei o quanto seus amigos significam para você." E aquilo não que me fazia sentir uma polegada alta? "Eles significam", eu sussurrei. "Ela e eu somos apenas amigos. Na verdade, ela parecia muito animada quando eu lhe disse que ia te convidar para sair." "Ela é uma boa amiga. " Não chore. Não chore. Não chore. "Então, eu te ligo mais tarde? Podemos acertar alguma coisa, talvez para o próximo fim de semana? " Eu balancei a cabeça. "Sim, isso soa bem." Ele sorriu largo e começou a sair. Então ele parou com um solavanco como se ele tivesse esquecido alguma coisa e virou-se. Ele se moveu rápido, deslizando seu braço em volta da minha cintura e me puxando para perto. Eu pensei que ele ia me beijar. Ele beijou. Na testa. E então na bochecha. Quando ele se afastou, meu coração estava batendo um pouco rápido. "Da próxima vez, vai ser nos lábios ", ele sussurrou e deu um passo para atrás. Observei-o se afastar, com as mãos em seus bolsos e o sopro de ar frio de primavera em nossa volta.


Eu era a garota mais estúpida neste planeta. Tipo, eu merecia um prêmio por minha idiotice. Porque, mesmo depois disso, mesmo após o comportamento esquisito de Trent para molhar calcinhas há pouco, minha calcinha estava firmemente intacta. E os pensamentos em Braeden ainda estavam correndo desenfreados através do meu coração.


CAPITULO dezessete #MensagemDaAlphaU Fins de semana são para diversão. Mas tenha em mente beber com responsabilidade. #IssoSignificaSmurffBallsForaDosLimites? ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Andei no espaço à minha volta. O que diabos eu estava fazendo? Eu sabia bem. Não era tarde demais. Eu poderia sair agora. Ninguém iria sequer saber que eu estive aqui. As imagens não saíam da minha cabeça. Eles estavam me invadindo. Era tipo uma porra de uma tortura. Eu joguei meu braço na parede e inclinei a cabeça contra ele. Fiquei olhando para meus pés, o tapete debaixo deles. Eu não podia deixá-la fazer isso. Eu não podia deixá-lo tocá-la. Eu levantei minha mão e bati.


CAPITULO dezoito #ConversaReal Se o seu status de relacionamento diz “é complicado”, então você é somente um ficante. ...Alpha BuzzFeed

I VY Havia uma batida na porta. Era apenas uma batida regular, nada de alarmante ou especial sobre isso. Mas por alguma razão, o meu pulso começou a martelar e eu fiquei ereta em uma posição sentada. Ao meu lado, Prada provocou um pouco, e eu acariciei sua pele, tranquilizando-a. Enquanto eu olhava para a porta, a adrenalina bombeou através de meus membros como se eu estivesse em alguma terrível situação de luta ou fuga. Era ridículo. Eu estava no meu quarto do dormitório. Sozinha. Trent foi para casa, e eu vim para cima. Talvez por isso o meu corpo estava reagindo desta maneira, porque eu só queria ficar sozinha. Porque eu só queria estar aqui e fazer beicinho. Droga! Eu era patética. Atirei minhas pernas sobre a cama, levantei-me e empurrei meu cabelo para trás do meu rosto. Suavemente, eu movi Prada fora do meu edredom e a enfiei para o cobertor macio por baixo. Quando ela estava assentada, eu peguei o edredom branco macio fora da cama e o envolvi em minha volta, enfiando tudo dentro, exceto o topo da minha cabeça e rosto.


Com sorte, quem quer que fosse iria embora rápido. Eu não estava com disposição para mais socialização. Deus. Eu poderia muito bem apenas ir fazer check-in em um lar de idosos agora. Quando minha mão se fechou ao redor da maçaneta, uma vibração de algo como asas de borboleta entrou em erupção debaixo de meu peito . Empurrei-a e abri a porta o suficiente para espiar. O topo de uma cabeça escura encheu minha linha de visão, e eu pisquei. Eu conhecia aquela cabeça em qualquer lugar. Braeden estava meio inclinando-se no batente da porta do meu quarto. Seu braço foi arremessado em cima do acabamento de madeira, seu antebraço repousando contra ela, e sua cabeça inclinada para baixo para apoiar-se em seu braço. Havia algo na maneira como ele se estava de pé ali – meio que curvado, descuidado - que me perfurou. Se o meu coração estava batendo com força antes... agora ele estava praticamente a galope. Debaixo do edredom, minhas mãos apertaram no algodão, e eu puxei o cobertor ainda mais longe ao meu redor. Como uma camada de armadura, como um escudo ao redor do meu coração. Eu tinha visto Braeden de um milhão de maneiras diferentes. Todos elas eram estúpidas e irritantes. OK. Nem todas elas. Tipo noventa e nove por cento. Eu nunca tinha visto ele assim. O que quer que ele estava sentindo era palpável. Isto o cercou e empurrou para a porta e acabou através da pequena abertura que eu usava para vê-lo. Ele parecia quase desesperado, lamentável... e talvez um pouco pesado para baixo.


Ele levantou a cabeça. Seus olhos ricamente cor de café expresso olharam para mim, mas, em seguida, continuaram para trás, como se ele estivesse tentando ver dentro. Cadeias curtas de seu cabelo escuro estavam desgrenhadas e saindo descontroladamente sobre sua cabeça. O ligeiro aroma da cerveja flutuou de sua respiração, e eu enruguei meu nariz. "Ele está aqui?", ele falou, apontando para o quarto com um engate de seu queixo. "Quem?", perguntei, minha mente literalmente em branco. Não havia espaço para palavras, para sentido comum quando apenas sua mera presença me lotava desta maneira. Tum, tum, tum. O som do meu coração batendo por baixo das minhas costelas era tão alto que eu estava chocada que ele não tinha perguntado sobre isso. Com súbita clareza, percebi uma coisa. Eu estava esperando por ele. Braeden endireitou-se na porta, puxando-se até a sua altura completa, impressionante. "Vou tomar isso como um não." Dei um passo atrás quando ele achatou a palma da sua mão na porta e a abriu. Eu não me movi mais longe quando ele entrou em cena e fechou a porta. Ficamos ali em um espaço perfeitamente suficiente espaçoso para dois corpos, contudo nós lotamos um ao outro. Braeden elevou-se sobre mim. E eu gostei. Eu não era necessariamente pequena, mas quando ele olhava para mim do jeito que ele fazia naquele momento, senti-me pequena. Eu me sentia como a menor estrela no céu mais escuro. No entanto, não estava esquecido. Faça um desejo em mim. Apenas um desejo. O pensamento, porém belo e melancólico, agiu como um balde de gelo derramado em minhas costas. Eu puxei para longe e caminhei mais para o quarto, mantendo as costas para ele. Eu não confiava em mim mesma para olhar para ele imediatamente.


"Que diabos você está fazendo aqui?" Eu bati. Pelo menos eu parecia aborrecida. Ele não tinha que saber que eu estava irritada comigo mesma, e não com ele. Eu só precisava que aquela parede estivesse de volta para cima. O muro que estava sempre entre Braeden e eu. O que fez tão fácil de odiá-lo. "Eu prometi a Rim que eu ia me certificar que você voltou bem. " Isso era uma mentira. Rimmel sabia que eu estava bem. Meu medidor de aborrecimento foi para o vermelho. "Claramente, eu estou bem para que possa sair. Vá e mande o seu relatório". "Que porra você está vestindo? " Girei para encará-lo. " É o meu cobertor. Estou com frio." "É primavera", ele respondeu. " Bem, nem todo mundo é cheio de ar quente como você." Seus olhos se estreitaram, e minha língua deslizou sobre os meus dentes da frente. "Você está doente?" , perguntou ele. Gostaria de saber se ele percebeu a fração de um passo que dava em minha direção. "Não. É tarde e estou cansada. Eu estava na cama antes de você vir rudemente bater. " Ele olhou para minha cama, e eu segui o seu olhar. Travesseiros estavam em todo o lugar, alguns no chão e alguns espalhados pela cama. Os lençóis estavam torcidos no centro, e o cobertor felpudo que eu usei embaixo do edredom estava todo empilhado para cima, escondendo Prada. Parecia que eu tinha estado rolando lá dentro ... Algo em seus olhos provocou tipo a captura de algo. Antes que eu pudesse perguntar a ele qual era seu problema , ele avançou e pegou a frente do edredom. Eu deixei sair um grito assustado e agarrei as extremidades até meus dedos machucarem. Braeden puxou, tentando tirar o meu escudo. Eu tropecei para frente um pouco, e um canto dele se soltou, mas consegui manter seguro.


"Ei!" Eu protestei. "Você está nua?", perguntou ele. "O quê!" Eu gritei enquanto nós disputávamos a propriedade do edredom. "Você está louco! Saia!" "Por que mais você estaria toda escondida debaixo do tecido? " Eu entrei em pânico. Ele não podia ver. Ele não podia saber. O que eu tinha pensado antes, quando eu coloquei meu pijama? "Braeden, pare!" Rosnei enquanto ele puxava um pouco mais. O canto solto do cobertor tinha caído, e eu tropecei sobre ele e cambaleei para frente. Ele me pegou. Ou melhor, seu peito fez. Eu caí bem nele, e ele passou os braços ao meu redor. Eu não estava encantada com o seu abraço. Certo. Talvez eu estivesse. Mas só um pouco. Prada foi perturbada por nosso argumento e saltou para cima de seu casulo. Ela deu um minúsculo latido e suas orelhas grandes subiram quando viu Braeden. "Que porra é essa!", disse Braeden, notando minha cachorrinha. "Você tem uma infestação de ratos aqui, Blondie!" Engoli em seco, tão estranhamente insultada com o que ele disse, e me afastei. Demasiado tarde eu senti seus dedos cavarem no tecido nas minhas costas e começar a puxar. Eu gritei, mas realmente, não houve utilidade. Ele me empurrou para longe, mas manteve o cobertor. Eu fiquei fora de meu casulo e caí no centro da sala.


Silêncio mortal encheu a sala. Eu prefiria ouvi-lo me insultar. Minha garganta estava grossa quando eu engoli e enfiei o cabelo atrás das orelhas. Eu estava longe dele, em direção à janela, e eu não me incomodei em virar. Eu estava com medo de me virar. Ele estava olhando para mim. Eu senti todo o caminho na parte mais profunda de mim. Por que eu não poderia estar nua? Estar nua teria sido muito menos constrangedor do que isso.


CAPITULO dezenove #MeditaçãoDaMadrugada Ninguém olha para trás em suas vidas e lembra as noites completas de sono. ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Eu sabia que ela estava escondendo algo. A maneira como ela agarrou esse cobertor gigantesco em torno de suas curvas e se escondeu de vista era simplesmente errado. Ivy não era o tipo de garota de se esconder, ela era o tipo de garota que queria se destacar. Eu não pude ficar de fora esta noite. Nenhuma quantidade de cerveja ou sexo poderia afastar a imagem dela e Trent na pista de dança, a forma como as mãos dele deslizaram sobre o corpo e os quadris dela enquanto se moviam com a música. Isso me deixou louco, e eu odiei. Mas eu ainda não podia ficar longe e eu me encontrei do lado de fora de seu quarto. Tentei dizer a mim mesmo para ficar fora disso. Obviamente, eu trapaceei. Quando ela espiou para fora da porta, eu sabia. Eu sabia que ela não estava sozinha, que Trent estava aqui e as mãos dele estavam fazendo muito mais do que deslizar. Foi um maldito milagre que eu não tinha arrebentado a porta abaixo e invadido como um ninja.


Eu merecia comportamento.

um

prêmio

pelo

meu

absolutamente

angélico

Mas… O quarto estava vazio. Trent estava longe de ser visto. E Ivy agiu como se ela não tivesse ideia de por que eu iria perguntar se ele estava aqui. Quando eu vi o estado da cama, manchas de vermelho tingiram minha visão. Essa era uma cama de sexo. Tinha visto o suficiente delas para saber. A memória de Ivy tentando puxar o cobertor da cama em meu quarto naquela noite para envolvê-lo em torno de si era a palha final. Ela estava nua, e ele estava escondido neste quarto... em algum lugar. Então eu puxei essa merda fora de seu corpo. Eu não ia ser enganado. Oh, infernos não. Mas Ivy não estava nua. E ela estava escondendo alguma coisa. Algo que eu nunca, em um milhão de anos, esperaria. Ela estava usando minha camisa. Oh, infernos sim. Meu pau ficou duro tão rápido que me deu vertigens. Meu nome estava esticado nas costas dela. Bem ali em cores, Wolves. Isso basicamente a carimbava como minha. Minha. Meu número ficava baixo porque a camisa era muito maior sobre ela do que já tinha sido em mim, e o fundo do três roçava a sua bunda firme,


redonda. Ela não estava usando nenhuma calça, e suas pernas esticavam debaixo da tela azul bem-vestida e flertava com sua pele cremosa. "Vire-se," eu exigi, mas minha voz tinha ficado rouca. Eu estava ciente de um rato com orelhas grandes nos assistindo da cama, mas mesmo isso não podia me fazer distrair dela. Ela se manteve tensa, como se estivesse esperando eu gritar. Esperei-a e, finalmente, ela girou lentamente para me encarar. O logotipo Wolves cortava sobre o peito e o cabelo loiro caía sobre os ombros. Era criminosa a forma como ela parecia nessa camisa. Um crime do caralho contra as mulheres em toda parte. Ninguém nunca pareceria da maneira como ela fazia em nada além de uma camisa. Minha camisa. Eu nunca entendi a insistência de Rome que Rimmel vestisse seu capuz em público. Eu nunca entendi muito por que ele parecia ter essa satisfação vendo seu nome estampado nela daquele jeito. Eu entendi agora. "Pensei ter dito para jogar isso fora ", eu disse, forçando meus olhos longe do corpo dela. "Eu não ouvi." "Essa boca inteligente vai deixar você em apuros," eu avisei. Ela exalou. "Olha, eu lavei. O sangue saiu. Eu ia dar a você na próxima vez que eu pudesse suportar a sua presença sem o pensamento de me empalar no primeiro objeto pontiagudo que eu visse." Meu sorriso foi rápido. "Então o que você está fazendo ao usá-la?" Ela empalideceu, mas se recuperou rapidamente. "Estava tarde e escuro quando eu cheguei em casa. Eu alcancei o meu armário e tirei a primeira coisa que minha mão pudesse agarrar. Eu não percebi que era esta camisa, sua camisa, até- "


"Mas você a deixou," eu a cortei. Oh, eu estava gostando disso. Suas bochechas estavam rosa com embaraço. Ela continuou puxando na bainha, como se ela pudesse puxar para baixo até que pudesse escondê-la de vista. "É confortável, tá legal?", ela lamentou. Eu ri. Ela gostava totalmente de vestir minha camisa. E Trent não estava neste quarto. Ela fez um som baixo, bufando e cruzou os braços sobre o peito. "O que você está fazendo aqui?" E assim, a maré virou. Eu era o centro das atenções agora. Só que eu não ia me inquietar como uma maldita menina. "Eu vim para ver Rim." Ivy me deu um olhar como se ela comeu apenas um dúzia de ovos azedo. "Você sabe que ela está com Romeo". Dei de ombros. " Eu não tinha certeza se ele ia trazê-la de volta aqui ou não. " "Você perguntou se ele estava aqui." "Eu disse ela." Eu menti e inclinei a cabeça. "Quanto você bebeu esta noite?" "Não o suficiente para ouvir a sua besteira." A verdade era que agora que eu estava de pé no centro de seu quarto e a imagem dela usando aquela camisa e nada mais chamuscou em minha alma, eu preferiria comer uma lata de peido de búfalo do que admitir porque eu estava realmente aqui. Eu estava com ciúmes. Eu estava muito assustado.


Quando eu não disse nada, Ivy descruzou os braços e deixou-os cair para seus lados. "Bem, você pode ver que Rimmel claramente não está aqui. Então você pode ir." Ela começou a avançar, presumivelmente, em direção à porta. Eu estava bloqueando seu caminho e não me incomodei em me mover. Seu braço escovou contra mim quando passou. Eu deveria tê-la deixado ir. Eu deveria ter assistido ela abrir a porta e me mover para que eu tomasse a minha bunda gorda para o corredor. Eu não fiz. Minha mão disparou e agarrou seu antebraço. Seus passos pararam quase que instantaneamente, ela ficou rígida e não olhou para mim. Ivy mantinha o rosto virado, olhando para a frente, esperando por mim para soltá-la. Pegue e solte. A frase sussurrou em minha mente, e, instintivamente, eu apertei meus dedos em torno de seu braço. Sua pele era quente e suave. Parecia como cetim em minha palma. Eu não queria deixá-la ir. Tecnicamente, eu não tinha sequer pegado. Mas eu era um tipo trançado de cara. Bem no fundo, eu sabia que se eu a deixasse ir, se eu deixasse cair minha pegada, seria um teste. Será que Ivy fugiria ou ela iria permanecer enraizada no local, tão perto ao meu lado? A ação iria falar muito mais alto do que qualquer coisa que ela poderia dizer. Eu deixei ir. Eu fiquei exatamente como eu estava. Eu não me movi, exceto para soltar minha mão. E então eu esperei para ver o que ela faria. Eu esperei por ela para colocar distância entre nós.


Ela não o fez. Ficamos ali no centro de seu quarto escuro, nenhum de nós se movendo, nenhum de nós dizendo uma palavra. Debaixo da minha camisa, o peito dela subia e descia a cada respiração que dava, e o cheiro do seu cabelo permaneceu no pequeno espaço entre nós. Dei-lhe a opção de se afastar. Ainda assim como na praia, quando estávamos sozinhos, nós estávamos no escuro, e não havia nada aqui para nos ajudar a esconder a verdade. "Você alguma vez pensa sobre aquela noite?" Eu sussurrei, observando o perfil dela. Seus dentes afundaram na parte inferior do lábio. Você alguma vez sentiu falta de mim? Eu não disse isso em voz alta. Eu nem sequer queria ter o pensamento, e muito menos colocá-lo pra fora. Seu queixo mergulhou um pouco e seus olhos olharam para o chão. Mechas de cabelo loiro ondulado caíram para a frente e bloquearam seu semblante a partir da vista. "Eu penso sobre os sons do oceano e a forma como as estrelas iluminaram o céu de lá como eu nunca tinha visto antes. " Sua voz era tão calma, mas me segurou cativo, mesmo que isso não fosse o que eu queria ouvir. Era como se ela fosse uma sirene só então, cantando algo tão bonito que não importava que música era. Ivy engoliu em seco e calou-se. Sua mão deslizou para cima e espalmou seu quadril, tomando um punhado de minha camisa. Sem pensar, eu peguei o comprimento do cabelo dela e o escovei de volta sobre o seu ombro para que eu pudesse ver seu rosto. Ela se virou para mim, e o azul de seus olhos procurou meu rosto. "Acima de tudo, eu penso sobre a forma como você parecia naquela noite com as estrelas em cima, e o som do mar abafando todas as razões pelas quais eu te odeio tanto." Porra.


Suas palavras eram homicídio. Homicídio de cada pensamento na minha cabeça naquele momento. "Por que você está realmente aqui, Braeden?" Seu tom foi abafado . "Por que você está realmente usando minha camisa? " Eu ecoei. Ela começou a desviar o olhar. Enfiei minha mão em torno da base do pescoço dela e puxei-a de volta. Relutantemente, seus olhos encontraram os meus. Até mesmo a extensão de algumas polegadas entre nós era demais. Eu guiei para frente, mantendo a palma da mão com firmeza na base do pescoço dela, e baixei o rosto para capturar a sua boca. O primeiro contato foi como aloe para queimaduras. Era como um copo de água a uma língua realmente seca. O alívio que fluiu através de mim era tão pesado que eu recuei ligeiramente. Seus cílios se abriram e os nossos olhos se encontraram. Caralho, eu nunca na minha vida inteira tinha sentido isso. Beijei-a novamente, desta vez fundindo nossas boca e sem recuar. Eu beijei-a profundamente, mas suavemente, mordiscando seus lábios entre traços profundos da minha língua. O corpo dela ficou desossado. Ela literalmente virou-se em massa de vidraceiro em meus braços. Eu me enrolei em torno dela e mantive a ambos no lugar. Minhas mãos não vaguearam por seu corpo. Eu não tentei escapulir da sensação. Mesmo que meu pau estivesse furioso dentro do meu jeans, eu não pensei em enterrá-lo profundo dentro dela. Tudo o que eu pensava era a maneira como ela beijava. A maneira que eu me senti ao explorá-la. Ela se abriu para mim de maneiras que eu não sabia que existiam. Ela abriu uma parte de mim que não tinha percebido que eu tinha. O beijo durou para sempre. Nossos lábios entrelaçaram, nossas línguas dançaram, e uma névoa pesada caiu sobre nós dois. Eu estava naquele lugar onde um só existia quando eles estavam entre sono e vigília. Esse tipo de consciência confusa, pesada, que puxou para baixo e manteve a maior parte da realidade na baía.


Eu não sei quanto tempo ficamos assim, mas quando ela se afastou, não tinha sido por tempo suficiente. Seus lábios estavam ligeiramente inchados, e seus olhos estavam atordoados. Eu mantive minha mão em concha em volta do pescoço dela e flexionei os dedos. "Você não devia me beijar assim," ela sussurrou. "Como o quê? " Minha voz soou como se eu tivesse fumado três maços de cigarro. "Como se isso fosse mais do que apenas se divertir." Eu me afastei. A neblina em torno de nós ainda era densa, mas suas palavras cortaram apenas o suficiente para alguma realidade infiltrar-se no interior. Ela basicamente só jogou meu próprio código na minha cara. Eu não saía com mulheres. Eu não me apegava. Tudo que eu sempre fazia era me divertir. Todo mundo sabia disso. Eu nunca fiz segredo disso. Nenhuma menina já teve um problema com isso. E ninguém nunca usou contra mim. "Missy é minha melhor amiga." Enquanto falava, ela recuou, como se eu fosse uma serpente venenosa. "Missy e eu não estamos juntos." Nós nunca estivemos. E depois do que aconteceu lá embaixo, nós nunca estaríamos. "Mas ela quer estar." Foi-se o resto da névoa sobre a sala. A declaração foi como um furacão categoria cinco rasgando até a última gota de intensidade daquele beijo. "Eu não quero Missy:" Eu moí para fora. "O que você quer?"


Se isso não fosse uma pergunta carregada, então nada era. Sua voz era quase desesperada, implorando-me apenas para dizer-lhe, para nos colocar ambos fora da nossa miséria. "Eu não estou a fim de Missy," eu moí novamente. Dizer o que eu não queria era um inferno bem mais fácil do que admitir o que eu queria. "Sim?" Ivy bateu o pé no chão como se estivesse repreendendo uma criança de cinco anos de idade. Isso foi malditamente fofo. Espere. O quê? Malditamente fofo? Risca isso. Ela estava sendo chata como o inferno. Ela continuou latindo. "Bem, você não está a fim de mim tampouco. Você só quer algo que você não pode ter. " "Notícias de última hora", retruquei. "Eu já tive você." "Você é um idiota!", ela gritou comigo. "Você não é um prêmio também," eu murmurei. "Olha, eu não vou ser a sua próxima aventura "apenas por diversão”. O que aconteceu na praia foi um erro. Você pode não estar a fim Missy, mas ela está a fim de você. Eu não vou machucá-la assim." Ela pisou até a porta, mas não a puxou aberta. Em vez disso, ela ficou ali fitando a parede. "Existe uma razão que você não queria que Trent estivesse aqui esta noite?", ela sussurrou depois de um minuto de silêncio. Era como se mesmo depois de seu discurso, sua declaração de que a gente nunca ia acontecer, ela ainda não podia esquecer isso. Eu sabia como ela se sentia. Eu estava em pé aqui por causa disso. Por que eu não podia simplesmente dizer isso? Diga-lhe que você a quer...


Um pouco de lamentação cortou o quarto. Ivy fez um barulho e correu atrás de mim para recolhero rato. "Oh, coitadinha", ela cantarolou. "Vou fazer o homem mau ir embora. " O homem mau a quem ela estava se referindo era eu? Que original. Ela virou-se, segurando a bola de penugem em seus braços. Tudo o que eu vi foram orelhas e fios de cabelo rebeldes. Meu coração virou, e isso me assombrou a merda fora de mim. "Que porra é essa? Devo chamar um exterminador?" Ela olhou para mim. "Ela é uma Chihuahua. Rimmel trouxe para casa. O nome dela é Prada". Revirei os olhos. É claro que isso era obra de minha irmã. Ela estava fazendo minha garota toda enrolada em resgatar os ratos indefesos de Maryland. Eu empurrei. Eu acabei de pensar em Ivy como minha garota? Oh, isso era ruim. Muito ruim. Ivy notou o meu comportamento, e isso pareceu atraí-la para baixo. "Você está escondendo um gremlin no seu quarto? O que acontece quando se molhar? Esta construção vai se transformar em um filme de terror ruim. " Eu era bom em encobrir meus sentimentos com sarcasmo. Ivy cobriu as orelhas do cão como se ele pudesse entender o meu insulto, e eu revirei os olhos mais uma vez. "Ela é apenas um pequeno bebê." Eu a vi curvar-se com cuidado e colocar o cão no chão perto de um prato de comida de cão e uma coisa de papel branco no chão. Eu não tinha notado essas coisas antes. "Lá vai você, menina", Ivy falou suavemente, e o cão sacudiu todo o seu bumbum. Sério, eu soltava peidos maiores do que aquela coisa. Mas danese se Ivy não parecia amá-la. Eu não estava necessariamente acostumado em vê-la assim tão apaixonada por alguma coisa. Tão em sintonia.


Isso me fez ter inveja tudo de novo. Ciúmes de um rato. Era um dia péssimo para mim. Quando ela se levantou de novo, minha camisa subiu nos quadris, expondo mais de sua coxa. A necessidade de agarrá-la e cobrir seu corpo com o meu era tão intensa que eu dei um passo para trás. "O que estamos fazendo, Braeden?", Perguntou Ivy, cansada. "Eu não sei." "Trent me convidou para sair. Em um encontro." Ela estava me observando, avaliando minha reação. "E daí?" Rosnei . "E daí, eu disse que sim." Ela disse o quê? Senti meu sangue começar a ferver. Era a minha reação normal ficando em torno Ivy muito tempo. "Pobre rapaz:" Eu brinquei. "Ele deve estar desesperado." "Bem, pelo menos ele quer mais de uma mulher do que apenas sexo", ela respondeu, mas disse sem seu calor de costume, sem qualquer raiva. Era quase como se ela estivesse apenas triste. Comecei a andar para frente. "Ivy -" Ela saltou para mim, empurrou meus ombros. “Olhe por onde anda! Você pode pisar em Prada!" Olhei para baixo. O cachorro estava atacando meu cadarço solto. "Perigoso", comentei, seco. Ivy revirou os olhos.


"Ela não parece muito preocupada com o fato de que eu sou tão mau quanto você diz que eu sou." Ivy endireitou-se, mas não se afastou. "Eu não acho que você é mau, Braeden", ela sussurrou. Eu escovei a ponta do meu polegar em frente a extensão de sua bochecha. "O que você pensa de mim, então?" Ela virou o rosto para o meu toque, e eu achatei a minha palma contra seu rosto. Após alguns segundos, ela se afastou. "Missy é minha amiga. Não importa o que eu penso." "E se Missy não fosse um problema? O que você queria , então?" Ivy molhou os lábios com a ponta da língua. Meu estômago se apertou. Ela olhou para mim com aqueles olhos azuis dela, e eu vi as palavras nos olhos. Então eu a assisti enterrá-los. "Mas ela é." Frustrado e louco, eu me virei. O rato tentou me perseguir para pegar meu cadarço. “Prada", Ivy chamou, preocupação em seu tom. Eu parei de andar. Mesmo que eu senti como pisando para fora da sala, eu não ia correr o risco de pisar no maldito cão. Ivy nunca me perdoaria. E eu não era um assassino de cão, mesmo aqueles que pareciam gremlins. "Obrigada", disse Ivy e pegou o cachorro. Uma vez que eu sabia que o cão estava fora do caminho do mal, eu saí até a porta. Ivy seguiu junto atrás de mim. Voltei apenas para apreciar a vista dela em minha camisa uma última vez. Ela me viu olhando. "Se você me der um minuto, eu vou me trocar e você pode tê-la de volta. "


Eu ri. Por duas razões: Eu nunca ia vestir essa camisa novamente. Ela era dela agora. Para sempre. E… Se fosse para trocar, eu nunca resistiria à tentação dela a alguns poucos passos de distância, nua. Fechei a distância entre nós em um grande passo. As costas de Ivy subiram contra a parede. Prada mexeu em torno entre nós. "Eu não quero minha camisa de volta", eu murmurei. Eu desejava seus lábios. Seu beijo. "Eu quero pensar em você usando-a. Nela tocando sua pele nua e cobrindo você à noite enquanto você dorme." Ela visivelmente engoliu. "Diga-me que você vai dormir na minha camisa, Ivy. " "E quanto a Rimmel? " "Quando ninguém estiver perto. Durma nela." Eu retifiquei e puxei a bainha. Meus dedos escovaram contra sua perna. Ela assentiu com a cabeça. O cão começou a fazer um bando de sons de cachorro e chegou até a lamber o queixo de Ivy. Ela riu, tentando afastar-se das lambidas selvagens. O som de sua risada apertou meu coração. O jeito que ela parecia agora, com a guarda baixa e nada em seus olhos, além de felicidade, era tão atraente. Eu queria mais deste lado dela. Eu queria tudo. Ela colocou Prada no chão, e imediatamente o cão decolou em direção a sua cama.


Mudei, então eu fiquei muito mais perto. "Eu não quero que você saia com ele," eu murmurei, incapaz de não colocar a minha mão na curva de sua cintura. "Não saia com ele, Blondie. " Eu sei que meu toque era difícil de resistir. E eu não estava acima de luta suja. Eu só não sabia pelo que diabos eu estava lutando. Ivy olhou para mim. Seus olhos azuis estavam rasgados - uma parte desejo, uma parte desolação. Antes que ela pudesse negar o pedido, eu toquei os nossos lábios juntos. Era o beijo mais suave que eu já dera. Ela ainda estava lá quando eu escorreguei para fora da porta. Encosteime uma vez que estava fechado. Eu não sabia como me sentir. Eu estava em um território inexplorado. Perto dali, uma porta se abriu e uma menina pisou fora. Ela pareceu surpresa ao me ver lá, e nós olhamos um para o outro por um longo momento antes de eu recuperar e dar-lhe um sorriso." E aí," eu disse e engatei meu queixo para ela. Ela sorriu e se dirigiu na direção oposta para o fundo do corredor. Eu empurrei para longe da porta e deixei o prédio. Eu me senti melhor sabendo que Trent não estava lá colocando suas malditas mãos em cima dela, e ela estava usando minha camisa. Mas saber disso não tornava nada melhor. Eu não tinha relacionamentos. Eu não podia mudar o fato de que eu tinha dormido com Missy. E Ivy nem sequer me diria se algo disso importava. Havia também Trent. Pedi-lhe para não sair com ele, mas ela nunca me ouvia. Trent não ia desistir. Eu não faria isso se eu fosse ele. Mas eu não era ele. Eu era eu, e eu tinha um inferno de muito mais bagagem do que Trent jamais teria.


Ivy e eu estávamos melhor odiando um ao outro. O problema era que estava ficando cada vez mais difícil odiá-la.


CAPITULO vinte Traição é como água salgada nos olhos. Queima. ...Alpha BuzzFeed

I VY Ele deu o tipo de beijo no qual uma menina afundava. O tipo que roubava seu corpo de gravidade, roubava sua mente da razão, e enviava ondulações em sua alma. Eu realmente nunca pensei muito sobre a alma de uma pessoa, mas recentemente, era difícil não pensar. Um corpo humano era feito de órgãos, músculos e ossos. Sentimentos eram relatados para o cérebro que então alertava tudo o mais sobre o que ele deve sentir. Mas o que acontece com a alma? E sobre aquele lugar dentro de você, o lugar que não podia ser identificado em uma carta ou uma página de um livro? Ela não tinha um osso ou um órgão. Ela não tinha sangue. O cérebro não poderia enviar informações para um lugar que ele não sabia que estava lá. Então, de onde é que esses sentimentos vêm? Como eles eram tão incrivelmente fortes? A única coisa que fazia sentido para mim era a minha alma.


A alma de uma pessoa estava além da química e sinapses cerebrais. Estava além do controle do corpo humano. Imaginei-o como um fantasma. Quase transparente, mas não completamente. Levou qualquer forma, moldado para qualquer formato. Essa é a razão que se encaixa tão profundo, porque ele poderia estar de acordo com qualquer forma, em qualquer lugar oco. Na verdade, era até mesmo difícil saber que estava lá, assombrando você, esperando por aquela pessoa com quem iria se conectar. Eu estava com muito, muito medo de que a pessoa que minha alma tinha estado procurando fora encontrada. Eu estava com muito medo de que fosse Braeden. Eu estava usando a camisa por semanas. Ninguém jamais soube. Assim que cheguei em casa da Florida, lavei-a duas vezes e todos os últimos vestígios do meu sangue desapareceram. Mas ele permaneceu. A maneira como ele parecia ao usá-la. A maneira que eu usei para vê-la moldar seus ombros e braços. Eu sempre me perguntei se era tão suave ao toque como eu imaginava que fosse. A resposta era sim. Sim, infinitamente. A primeira vez que a vesti, Rimmel estava no abrigo. Eu estava sozinha no meu quarto. Eu estava me sentindo culpada pelo que fiz com ele, mas até mesmo a culpa não poderia me impedir de reviver isso repetidamente. No segundo que a camisa dele deslizou sobre minha pele, um pedaço de mim, um pedaço da minha alma relaxou. Assim eu continuei a usá-la. Eu usava a cada chance que eu tinha quando estava sozinha. Não cheirava como ele, mas quando eu fechava os olhos, às vezes eu fingia que estava em seus braços. Claro, a realidade de seus braços era muito melhor do que qualquer coisa que eu poderia evocar em minha cabeça. A batida estrondosa do meu coração quando eu abri a porta e o vi foi incomparável. A maneira como ele olhou para mim. A maneira como ele me tocou. A maneira como ele sussurrou meu nome.


Minhas mãos ainda tremiam. Já fazia dias. Como eu ia sair com Trent agora? Como eu iria me convencer que se eu apenas tentasse, eu poderia empurrar Braeden fora da minha cabeça? Mesmo se eu conseguisse, ele ainda estaria dentro de mim. Em minha alma. A praça de alimentação estava cheia hoje, como sempre estava durante o rush do almoço. Eu estava um pouco atrasada para chegar aqui depois da aula, porque eu fiquei alguns minutos depois para falar com meu professor sobre o trabalho final. Missy e Rimmel já estavam sentadas, e ambas tinham bandejas de comida na frente delas. Enquanto esperava na fila, Romeo juntou-se à mesa e se sentou ao lado de Rimmel. Eu olhei em volta nervosamente, com medo de que Braeden não estaria muito atrás. Depois que eu comecei a minha comida (uma salada Caesar com frango e um suco Naked8), eu fui para a mesa, não me sentindo muito sociável, mas preparada para fingir. Peguei o assento ao lado de Missy e cumprimentei todos. "Garota, onde está a carne? " Missy brincou, apontando para minha bandeja. "Você não ouviu? Vacas querem que a gente coma mais frango", eu brinquei, pensando nos comerciais de TV de vacas com seus erros de grafia. Missy e Rimmel riram, e Romeo revirou os olhos. A verdade era que eu não estava com muita fome. Eu tinha coisas em excesso na minha mente para comer. Ninguém pressionou sobre o meu apetite, e a conversa passou para a fofoca no campus, classes, e as próximas provas. As pessoas pararam pela mesa para conversar com Romeo, ocasionalmente, com o que eu não me importei porque manteve o tópico longe de mim. 8

Marca de suco.


"Então ..." Missy deu uma cotovelada em mim enquanto Romeo se entretinha com um de seus visitantes. "Como foi com Trent?" Eu coloquei o meu garfo para baixo e sorri. "Você não me disse que ele falou com você". Ela piscou os olhos. "Quem eu?" Rimmel inclinou sobre a mesa. "O que eu perdi?" "Trent pediu a aprovação de Missy para perguntar se ele poderia convidar Ivy para um encontro". Rimmel fez um som guinchando. "Isso é tão fofo!" Sorrindo, Missy acenou com a cabeça. Seu cabelo era estilo em cachos soltos e eles saltaram em torno enquanto ela se movia. "Eu sei! Ele disse que queria ter certeza que eu estava bem com ele desde que Romeo tentou bancar o Santo Antônio." "Não, eu não", ele interveio e, em seguida, voltou para a sua própria conversa. Como ele foi capaz de prestar atenção a duas conversas diferentes, eu nunca vou saber. Rimmel assentiu como se isso era de fato o que Romeo tentou fazer, e eu ri. "Eu não posso acreditar que ele fez isso", eu disse, pensando sobre a outra noite com Trent e a maneira incrivelmente doce que ele foi comigo. Por que eu não podia me envolver com ele? "Então, você disse a ele que estava tudo bem para pedir para sair com Ivy?" Rimmel perguntou a Missy. Ela assentiu com a cabeça. "Claro. Eu o enncorajei. Eu disse a ele que Ivy precisava de um cara bom em sua vida". Peguei meu suco e tomei um gole.


A culpa ameaçou me afogar. Braeden escolheu esse momento para aparecer. Ele deixou cair a bandeja sobre a mesa ao lado de Romeo e em frente a mim. Antes que ele se sentasse, ele estendeu a mão sobre a mesa para o punho esbarrar em Rimmel. Rimmel voltou-se para nós. "Então você disse sim?" Missy estava olhando para mim com expectativa também. Eu sorri. "Sim eu disse. Ele disse que vai me ligar para que pudéssemos sair neste final de semana." Braeden puxou a sua cadeira um pouco mais rispidamente do que ele precisava para batê-la no chão antes de se sentar. O fã clube de Romeo se despediu, e ele se voltou para a conversa também. Eu esperava que mais ninguém sentisse a tensão que de repente se fez. "Ei, cara, qual é?", disse Romeo. "Romeo", disse Braeden. Em seguida, em um olhar varrendo ao redor da mesa, ele disse, "Senhoras." Voltei a brincar com a minha salada. A atração para olhar para ele, para apreciar a forte linha de sua mandíbula, o cabelo escuro na cabeça, e a maneira como seus olhos me faziam ansiar por chocolate, era quase insuportável. Porque eu estava tão perdida na minha própria miséria, me levou um minuto para perceber quão tensa Missy tinha se tornado. Olhei para ela. Ela estava mexendo sua salada de frutas sem interesse. "Você está bem?" Inclinei-me e sussurrei. Ela sorriu. "Claro." Estava acontecendo algo entre ela e Braeden? O pouco de apetite que eu tinha desapareceu.


Mas isso não era sobre mim. "Você ainda vai sair da cidade, Rome?" Braeden perguntou. "Sim, vamos embora mais tarde hoje." "Onde vocês vão?", perguntei, olhando para Rimmel. Eu não sabia que eles estavam indo a qualquer lugar. Rimmel viu meu olhar e balançou a cabeça. "Eu não vou. Apenas Romeo e o pai dele." "Eu tenho algumas reuniões com o Knights ", acrescentou Romeo. Eu balancei a cabeça. "Eu ia realmente falar com você sobre isso, Ivy ", começou Rimmel. "Eu vou ficar na casa dele enquanto ele está fora, você sabe, para cuidar de Murphy". "Claro." "Eu pensei que talvez você gostaria de ficar lá comigo?" Olhei para cima, surpresa. Eu não esperava um convite. Olhei para Romeo, tentando decidir se ele sabia que ela ia perguntar. Ele recostou em seu assento, seu braço estendido em toda a volta da cadeira de Rimmel. Ele chutou o lado de sua boca. "Mi casa es su casa9". Eu acho que isso significava que ele sabia e ele aprovava. "Uhh." Eu não tinha certeza do que dizer. Eu acabei de me dar conta que eu estaria no dormitório sozinha por uns poucos dias. "Eu percebi que isso nos daria uma pausa de esconder Prada no nosso quarto".

9

Minha casa é sua casa.


Braeden fez um som de escárnio. "Aquele rato ainda está no seu quarto?" Assim que as palavras saíram de sua boca, ele pareceu perceber seu erro. Olhei para ele, chocada e esperava que ninguém reparasse no seu deslize. Ninguém deveria saber que ela estava no nosso quarto. "Você sabe sobre Prada?", perguntou Rimmel, inclinando-se em volta de Romeo para olhar para ele. Missy se ajeitou na cadeira e estava escutando atentamente. Eu queria entrar debaixo da mesa e me esconder. Braeden fez um som. "Você acha que pode arrastar para casa outro animal perdido de rua e Rome não me dizer sobre isso?" Rimmel olhou para Romeo, e ele encolheu os ombros. "Tenho que manter meu menino no circuito." Eles bateram seus punhos juntos. Revirei os olhos e afundei de volta na minha cadeira, alívio fazendo-me fraca. Claro que Romeo tinha lhe dito. Não é como se fosse um grande segredo entre o nosso grupo de qualquer maneira. Se eu tivesse agido mais chocada, eu teria me entregado. Burra. No entanto, eu poderia jurar que vi o alarme nos olhos de Braeden quando ele falou pela primeira vez ... "De qualquer forma, eu pensei que seria bom para ela sair. Ela pode brincar no quintal. Murphy poderia gostar da companhia. E você sabe... vai ser divertido. Podemos ter um tempo de menina." Eu encontrei os olhos de Rimme . Eu sabia por que ela estava fazendo isso. Sim, por causa da Prada mas mais por minha causa. Ela não quer que eu fique sozinha por muito tempo. Ela ainda estava preocupada comigo. "Tempo de menina", Braeden rachou. "Você vai precisar de uma bomba de testosterona para limpar sua casa quando você voltar, Rome."


Romeo riu. Rimmel olhou para Missy. "Você está convidada também, é claro." Missy sorriu. "Eu tenho que ensaiar todas as noites esta semana. A noite de abertura está chegando, mas eu posso passar lá depois de sair?" Missy era um drama maior. Ela tinha um dos papéis principais na produção de primavera de Sonho de Uma Noite de Verão. Ela estava super excitada, e eu estava tão orgulhosa dela. Sabia o que ela queria fazer com sua vida desde que eu a conheci. Este foi seu primeiro papel principal, e eu sabia que ela ia arrasar como atriz. "Sim!" Rimmel sorriu largamente. Então ela olhou para mim. Dei de ombros. "Certo. Por que não?" Rimmel aplaudiu e Romeo riu. "Você vai estar de volta a tempo para o jogo amistoso no sábado à noite?" Braeden perguntou a Romeo. Ele não tinha me olhado uma só vez todo o almoço. Eu sabia o porquê, e eu também pensei que era melhor assim. Eu tinha deixado claro na outra noite. Não havia eu e Braeden. Mas ainda doía. "Você sabe," Romeo respondeu. "Eu devo não ser capaz de jogar, mas eu vou estar lá." Eu fiz uma nota mental para perguntar a Rimmel sobre como ia seu braço. "Que jogo?", perguntou Missy, pegando seu latte e tomando um gole. Braeden olhou em sua direção e lhe ofereceu um sorriso. Ela não o devolveu exatamente, mas ela o abalou também. Que diabos estava acontecendo entre eles?


Olhei para Missy e lhe deu um olhar WTF10. Telefones celulares de todo mundo começaram a vibrar. Nenhum de nós pegou imediatamente porque Romeo respondeu a Missy. "É tradição. Todo ano, no período de entressafra, os Wolves se reunem com a universidade do outro lado do estado. Nós temos um jogo amistoso e uma grande fogueira depois." Braeden assentiu. "É uma espécie de última coisa que fazemos como uma equipe no ano, tipo uma despedida para os seniors " - ele cutucou Romeo - "ou qualquer um que está sendo puxado para dentro da NFL. O time não volta a ficar junto novamente para o futebol até ao Verão. O treinador nos dá tempo para as provas finais e todas essas coisas ". "Todos nesta mesa estão convidados", disse Romeo. Rimmel mordeu o lábio. "Eu não sei." Romeo agarrou o encosto da sua cadeira e arrastou-a para que ficasse à direita contra a dele e colocou seu braço ao redor dela. "Você não vai me ver jogar, Smalls?" "Você provavelmente não vai jogar." Braeden inclinou-se em torno de Romeo. "Eu vou. E sobre o seu BBFL? " Rimmel suspirou. "Bem. Mas eu não vou beber. Acho que ainda estou passando mal desde o último fim de semana." Missy riu. "Bolas demais." Eu ri. "As senhoras vão vir?", perguntou Braeden. Ele olhou para Missy e depois para mim. Olhei para ele e, em seguida, para longe. "Talvez," eu repeti.

10

WTF: What the Fuck = Que Porra.


"O BuzzBoss ataca novamente", disse Missy. Ela estava olhando para o seu telefone. Eu gemi. "Quem é que eles criticam agora?" Todos pegaram seus telefones para ver. "Ninguém realmente, mas é uma espécie de uma notificação sinistra." Quando eu li o que ele dizia, meu estômago afundou. Era sobre traição. Eu sabia que não era sobre mim, mas com certeza atingiu perto de casa. "Eu me sinto mal sobre quem quer que o Boss está falando," Rimmel disse, colocando para baixo seu telefone. "Ele provavelmente vai começar a criticá-los." "Estou surpresa que o reitor permita que as notificações continuem. Quer dizer, o Boss dá, o que, um ou dois anúncios reais em um mês? O resto é tudo fofoca e drama". Missy franziu a testa. Comecei a pegar o meu almoço. Meu estômago estava em nós e eu precisava sair daqui por um tempo. "Eu tenho que ir. Eu preciso checar Prada antes da minha última aula". Antes que eu pudesse me levantar, senti algo escovar o lado do meu pé. No começo eu pensei que eu simplesmente chutei a perna da mesa, e eu mudei o meu pé de distância. No entanto, o que quer que fosse, continuou. Arrepios correram pela minha espinha. Eu sabia então que era ele. Braeden estava esfregando seu pé contra o meu. É nisso que a minha vida foi reduzida? Querendo alguém que eu não poderia ter, alguém que eu particularmente não gostava? Esperando momentos roubados para um toque, um olhar, ou uma chance de vestir uma camisa que ninguém sabia que eu tinha? Eu não podia mais fazer isso. Eu não faria isso.


Eu puxei meu pé para trás e me levantei da mesa. "Eu vejo as senhoras hoje à noite." Peguei minha bandeja e depois hesitei. "Adeus pessoal." "Tchau, Blondie", disse Braeden. Isso me irritou. Como ele poderia estar tão malditamente informal? Porque você sente mais do que ele. Mortificada. Isso é exatamente como eu me sentia. Eu continuei tentando me sentir melhor, voltar no caminho certo, mas eu continuei levando meu próprio caminho. Saí sem outra palavra. Joguei tudo no lixo, levantei minha bolsa no meu ombro, e corri a partir da praça de alimentação. Minha mente estava a milhas de distância, e eu não estava prestando atenção, então eu colidi com algo duro. "Porra, menina", disse uma voz familiar quando ele me acalmou. "Você vai tentar ser um linebacker11 na próxima temporada?" "Trent!" Engoli em seco. "Eu sinto muito. Eu não estava olhando para onde eu estava indo. " Ele sorriu. "Sim, eu notei." "Você está bem?" Eu me preocupei. Ele resmungou. "Você acha que é tudo o que preciso para me machucar?" "Bem..." Eu não queria insultá-lo. Ele riu. "Eu estava brincando." "Certo." Eu coloquei uma mecha de cabelo que tinha se soltado de atrás da minha orelha. 11

Defensor.


"Parece que você tem um monte de coisas na sua mente. Qual é?" Senti os meu ombros afundarem. O peso sobre eles estava se tornando incrivelmente difícil de transportar. " Apenas um daqueles dias. " "Sorte sua que eu tenho o que você precisa." Antes que eu pudesse perguntar sobre o que ele estava falando, ele me puxou para perto. Minha bochecha foi contra seu ombro e seus braços vieram ao meu redor. A palma de sua mão pressionou na parte de trás da minha cabeça, e ele me abraçou apertado. Eu me senti bem, e fechei os olhos por um momento. Então eu dobrei minhas mãos por baixo de mim, descansando-as em seu peito. A coisa com Trent era tão simples. Tão fácil. Ele não parecia ter um final ou uma agenda. Ele não parecia querer nada de mim que não fosse o meu tempo. Ele não estava fora dos limites e ele era realmente bonito. Que diabo era o meu problema? Por que eu vinha tentando arranjar maneiras de cancelar nosso encontro? "Você comeu?" Trent perguntou contra o meu cabelo. Eu balancei a cabeça. "Eu estava no meu caminho." "Oh." Eu me afastei. "Eu sinto muito. Você deve comer alguma coisa." "Onde você está indo? " "Eu tenho que voltar para o meu dormitório. Eu, uh, esqueci algo para minha próxima aula". "Eu vou com você ", ele ofereceu. "Você não está com fome?" "Mulher, eu estou sempre com fome. Mas eu nunca estou com tanta fome que eu deixaria de passar alguns minutos com uma bela loira." Seus


olhos pareciam verdes hoje e plissados nos cantos. Seu cabelo cor de areia tombava na sua testa. Eu sorri. "Ok, então. Obrigada." "Vou levar esta", disse ele, deslizando uma mão sob a alça no ombro e me aliviando da minha bolsa. "Parece que está te levando para baixo." Na verdade, era apenas a vida, mas eu não me incomodei de lhe dizer isso. Uma vez minha mochila estava em suas costas, Trent passou o braço sobre meus ombros e me puxou para o seu lado. "Vamos?" Eu me sentia protegida em seu abraço. Eu gostei daquele sentimento. Eu me senti tão exposta nestas últimas semanas, como uma muda em um campo sem proteção de uma tempestade. De repente, eu não queria fugir do meu encontro com Trent. Talvez ele fosse exatamente o que eu precisava.


CAPITULO vinte e UM #BoaViagemParaRomeo O amistoso anual da alpha U e a fogueira neste fim de semana. #Futebol&Fogueira #Tradição ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Eu não podia deixar de olhar para o desdobramento da cena diante de mim. Ivy estava tão tensa na hora do almoço eu me perguntava se vapor ia a sair de suas orelhas. E havia círculos escuros sob seus olhos, como se ela não tivesse dormido. Eu só queria que ela soubesse que eu estava aqui. Eu só queria… Inferno, eu não sei o que eu queria. Eu não gostava de vê-la dessa forma. Então eu a toquei da única maneira como eu sabia. Eu escovei meu pé contra o dela. Isso era para confortá-la, para dizer a ela que, embora eu não olhasse para ela, a distância entre nós não era tão grande como ela pensava. Saiu pela culatra. Ela se assustou ainda mais e fugiu da mesa, direto para os braços de Trent.


Eu sabia apenas por sua linguagem corporal que ele estava flertando com ela. O conjunto de seus ombros, a maneira como seus olhos completamente focaram nela. Ela ficou tensa no início. Até que ele a puxou em seus braços. Bem ali. Bem ali na porra da frente de todos. À minha frente. Ele não tinha o direito de tocá-la. Esperei que ela se afastasse. Ela não o fez. Ao contrário, ela parecia aliviada, confortada até. Eu queria ser o único a consolá-la. Eu o assisti levá-la para fora da praça de alimentação, e o tempo todo eu me perguntava aonde eles iam. Ele iria de volta para o quarto com ela para que pudessem ficar a sós? "B". A voz de Romeo cortou em minha agitação interna. Havia algo em seu tom que me fez olhar para baixo. O garfo de plástico com que eu tinha comido estava partido ao meio na minha mão. A parte inferior caiu no meu prato, enquanto o restante estava sendo mantido refém por meus dedos. Os dentes estavam cavando na minha pele, mas eu nem sequer senti. Deixei-o e olhei em volta. "Eu tenho que passar pela biblioteca no meu caminho para a aula", disse Rimmel e começou a pegar as suas coisas. "Na verdade, estou indo nessa direção também", comentou Missy. "O auditório." "Podemos caminhar juntas", disse Rimmel.


"Deixe as suas coisas, querida. Eu vou pegar." Romeo fez sinal para sua bandeja. "A sua também, Missy." As meninas se levantaram rapidamente, como se soubessem que Romeo queria ficar sozinho comigo. Mas não impediu Rim de montar seu pequeno corpo entre Rome e eu para me abraçar. Enrolei um braço ao redor dela porque irmãos não deixam suas irmãs penduradas. "Você vai passar lá hoje à noite?", ela sussurrou em meu ouvido. "Eu quero falar." Eu gemi. Por que diabos as mulheres gostam tanto de conversar? Conversar era superestimado. "Por favor, B?" "Claro, menina tutora", eu respondi em sua orelha. Ela bicou um beijo na minha bochecha e puxou de volta. "Tchau." "Dê-me um pouco de açúcar, mulher," Romeo disse. Ela riu e o beijou. Ele não a deixou se afastar muito rápido, embora. "Eu vou buscá-la depois da aula e levá-la para casa antes de ir para fora da cidade", ele disse a ela. Depois de concordar, ela e Missy saíram. Romeo cortou direto ao ponto. "O que diabos está errado com você?" Engoli em seco. " Você beija sua mãe com essa boca?" Seu retorno foi rápido. "Eu beijo sua mãe com essa boca." Eu ri. Se alguém dissesse aquela merda sobre a minha mãe, eu cobria em cima. Mas Rome era diferente. "Sério." Ele se inclinou sobre a mesa. "É sobre ele? Te ligou de novo?" "Não", eu rosnei. "E é melhor não ligar."


"Mamãe está bem?" "Sim, ela está bem", eu confirmei. "Então deve ser uma mulher", ele supôs. "O que te faz dizer isso?" "Talvez o garfo quebrado no seu prato? A maneira frustrada que você se move? A forma como os seus punhos apertam quando nada fica sob sua pele?" Enfiei a mão pelo meu cabelo e amaldiçoei. "Você precisa transar ou algo assim?" Eu ri. "Se fosse assim tão fácil." Romeo riu desta vez. "B, eu sei muito bem que você poderia ter qualquer mulher neste lugar se você apenas estalasse seu dedo. O fato que você não tem... Bem, isso é muito revelador." "Basta dizer o que você quer dizer," eu cuspi. Eu não tinha tempo para sua análise. "Você dormiu com Ivy?" "Será que é tão óbvio porra?" Eu gemi. Romeo me deu um tapa na parte de trás, em seguida, cruzou os braços sobre o peito e se inclinou de volta. "Eu acho que não. Mas eu conheço você muito bem." Eu resmunguei. "Quando?", ele perguntou. "Férias de primavera. Nossa última noite." Isso o surpreendeu. Vi-o ali mesmo em seus olhos. "Você quer me dizer que você não transa há mais de duas semanas?"


Por que era tão difícil de acreditar? "Quem disse que eu não transo?" Ele olhou para o garfo no meu prato. "Foda-se." Romeo riu. " Eu sempre quis saber quando vocês dois iriam se queimar." "O que?" Minha voz estava afiada. "Vamos, B. Você não pode dizer que nunca viu isto. Vocês dois têm estado na garganta um do outro desde o primeiro dia. É como se vocês vivessem para insultar um ao outro. Faz-me lamentar que fui eu que a agarrou naquela noite todos aqueles meses atrás, na fogueira". Raiva e ciúme me bateram tão duro e rápido que não havia como controlar. Eu pulei para fora do meu assento, enviando-o ruidosamente no chão. Eu agarrei Romeo pela camisa e o puxei para mim. Ele ainda estava em sua cadeira. Ele não entrou em defensiva aos meus movimentos ameaçadores, mas seus olhos se estreitaram. Sussurros percorreram a sala, e eu estava ciente de pessoas olhando. Eu não me importava. "Você dormiu com ela?" Rosnei baixo o suficiente que só ele podia ouvir . "Você sabe que não", ele rosnou de volta. "Você porra a tocou." "Tire as mãos de mim", Romeo avisou, e sob as minhas mãos, seu corpo enrijeceu. Só isso já teria enviado a maioria dos caras se mijando em suas calças. Mas eu não era a maioria dos caras. Eu sabia o quão duro Romeo era, mas eu também sabia que poderia levá-lo. Eu estava tão chateado neste momento, então eu sabia que podia.


"Você quer fazer isso?" Romeo entoou. "Vamos fazer." Eu o empurrei para longe de mim e apoiei um passo. Meu peito arfava. Romeo se levantou. Ele agarrou um garoto, um calouro pela aparência dele, por sua manga. "Você", ele disse rispidamente, "limpe isso." O garoto olhou para as bandejas sobre a mesa e depois de volta para Romeo. Ele assentiu. Romeo escavou algum dinheiro fora do bolso e jogou-o sobre a mesa. "Aí está sua gorjeta." Ele dispensou o rapaz e agarrou a minha bolsa e a dele. "Lá fora." Eu fui, não porque ele ordenou, mas porque eu precisava de um pouco de ar. Eu estava fora de controle. Porra, eu quase tinha acabado de atacar o meu melhor amigo. Lá fora, o sol estava brilhando e a temperatura estava nos 20 graus. Era um dia muito bom, mas eu quase não notei. Nós caminhamos para uma faixa gramada ao lado da praça de alimentação, e Romeo lançou nossas coisas para baixo no chão. "Você quer me bater, vá em frente." Ele me empurrou. Meus dentes cerraram. "Vamos lá , cara. Se isso vai fazer você se sentir melhor, faça." Eu pensei sobre isso. Eu senti como se perfurando alguma coisa. Mas não ele. Não o meu melhor amigo. Você sabe que tem um verdadeiro amigo para a vida quando ele estava disposto a deixá-lo usar seu rosto como um saco de pancadas. "Rimmel iria chutar a minha bunda", eu disse, cedendo. "Ela é assustadora," Romeo concordou. Foi uma boa piada, mas eu ainda não estava relaxado o suficiente para rir.


"Sinto muito", eu cuspi, irritado comigo mesmo. "Eu não deveria ter perdido a cabeça desse jeito lá. Em você." Ele encolheu os ombros. "Entendi. O pensamento de alguém tocar sua menina, especialmente seu melhor amigo, pode fazer um cara louco." "Ela não é minha menina", eu insisti. "Posso ter me enganado." "É complicado." " Missy?", ele adivinhou. " Você está fodido da cabeça?" Ele riu. "Eu estava pensando em abrir uma linha direta. O-800-euconheço-seu- negócio." "Talvez você seja o BuzzBoss, " eu adivinhei . Rome me deu uma olhada. Não foi uma confirmação ou uma negação. Um grupo de meninas passou perto e verificaram Romeo, e então seus olhos deslizaram para mim. Eu ignorei. "Oficial ou não, ela é sua menina," Romeo disse. " Você nem sequer deu bola para aquelas meninas. Essa é a primeira vez que eu vi isso." "Elas não eram gostosas ", eu murmurei. Ele riu. Nós dois sabíamos que elas eram totalmente gostosas. "Então, o que há com a tensão que eu sentia entre você e Missy na mesa?" "Eu nunca deveria ter dormido com ela." Eu gemi. "Então, ela ainda está interessada."


"É como se a garota não consiga receber a mensagem. Eu não a quero", eu respondi. "E é por isso que ela não ficou com Trent na praia." Eu fiz um som rude. "Então agora ele está afim da Ivy". "Percebi. Ele a convidou para sair." Dei-lhe um olhar nivelado. "Você parece uma garota fazendo fofoca." Ele encolheu os ombros. "Temos que ter esta conversa às vezes. Eu estou saindo em algumas horas. Eu não posso te deixar aqui todo irritado e ninguém para trazê-lo para baixo. " Isso me fez sentir como uma merda. Porque isso era verdade. Durante anos, ele tem sido o único a me ancorar. Para me dar uma saída para toda a raiva. "Rim me pediu para passar por lá mais tarde", eu disse a ele. "Rim não é o seu saco de pancadas." Apertei os olhos. "Eu nunca a tocaria." Romeo suspirou. "Olha, eu sei. Desculpa." Dei de ombros. "Você está certo. Fiz pior há alguns minutos atrás." "Eu não dormi com ela. Eu juro por Deus." "Eu acredito em você." "Nós apenas ficamos." Eu cortei minha mão através do ar. "Eu não quero ouvir isso ", resmunguei. "Já é ruim o suficiente Trent dando em cima dela." As sobrancelhas de Romeo dispararam. "Ele está dormindo com ela?" "Eu vou a porra matá-lo." "Acalme-se", disse Romeo. "Calminha."


Andei na grama, tentando tirar a imagem de Trent e Ivy juntos para fora da minha cabeça. "Eu estou tendo dificuldade em acreditar em Ivy e Trent se divertindo quando vocês dois- " "Nós não somos nada", eu disse, cortando-o fora. "Foi só aquela vez. Ela insiste que não há nada entre nós. Ela não quer ferir Missy. " "É uma situação difícil", disse Romeo. "Ela provavelmente se sente culpada como o inferno. " Eu não disse nada. Eu só andei um pouco mais. "E é por isso que ela está tentando começar algo com Trent. Para abrir espaço para Missy." "Eu tentei com Missy", confessei. "Último final de semana. Inferno, seria tão mais fácil com ela." "Acho que as coisas não foram bem?" "Basicamente, eu a acelerei, em seguida a deixei para baixo. Ela estava chateada, e com razão. E então eu acabei indo para a porta de Ivy. " "Você entendeu mal, cara." Romeo parecia divertido. "Isso não é engraçado." Ele suspirou. "Veja. Eu estive onde você está. Não exatamente no mesmo lugar, mas perto o suficiente. Rim e eu parecíamos impossíveis no começo também. Havia muito entre nós, mas nós fizemos funcionar. " "Eu não posso." E dane-se se isso não fazia algo dentro de mim machucar. "Por que não?" Eu explodi em volta e estendi o braço para o prédio. "Você não acabou de estar lá em cima? Eu quase bati no meu melhor amigo. Você me


conhece, Rome. Meu temperamento. Você sabe o quão quente eu corro. Eu não posso confiar em mim com ela. E se eu-" Romeo me cortou empurrando-me com força. Então ele me empurrou novamente. Eu tropecei de volta. "O que-" "Vamos, então," Romeo gritou. " Bata em mim!" "Você está fora de sua mente maldita", eu gritei. Ele tentou me pegar. O filho da puta realmente tentou me dar um soco. Eu abaixei e dobrei de volta. Meus punhos cerrados em meus lados. "Se você é tão incontrolável, então vá em frente!" Eu puxei meu braço para trás. Romeo preparou sua posição. Pouco antes de eu dar um golpe, eu caí para a frente. "Eu não vou bater em você, cara." Romeo relaxou e me deu um tapinha nas costas. "Eu sei." Eu dei a ele um olhar incrédulo. "Você sabe? Eu poderia ter pregado bem no seu rosto, cara." Ele sorriu. "Você poderia. Mas você não o fez. Você não é tão incontrolável como você pensa, B. Você não é tão perigoso." "Leva apenas uma vez", eu murmurei. "Um toque. Um momento, e então tudo teria acabado." "Assim que você vai fazer, então? Deixá-la ir? Vai dormir no ponto pra sempre? Se você já está ferido tanto assim depois de duas semanas, mais tarde vai ser pior. Se ela é a única que você quer, então você tem que lutar por ela." "Ele ligou, Rome," eu disse, minha voz quebrando um pouco. "Ele trouxe a porra toda de volta." Romeo seguiu a mudança de assunto com facilidade. Ele sabia o que estava acontecendo. Talvez melhor do que eu.


Ele se aproximou, sua voz baixa. "Ele não possui você. Ele nunca fará. Se essa merda virou-se agora, então aproveite a oportunidade para enterrar isso. Enterre tão profundo que não vai importar mais." Eu balancei a cabeça. Romeo me pegou em um abraço, bem ali ao ar livre. Dois caras se abraçando na grama. Era como um filme de romance que ninguém queria ver. Alguém vaiou para nós, e eu recuei para dar o dedo. "Eles estão com inveja do que temos", Romeo disse com um grande sorriso de comedor de queijo em seu rosto. "Cara, você não está certo." "Pense no que eu disse, tá?" Eu balancei a cabeça. "E eu sei que você tem muita coisa acontecendo." Eu levantei a minha mão, já sabendo o que ele ia dizer. "Você sabe que eu vou cuidar dela, cara." "Obrigado." A voz de Romeo era genuína. "Se você precisar de alguma coisa enquanto eu estiver fora, ligue. Eu posso jogar para os Knights agora, mas eu sempre serei time Braeden. " Peguei em seus ombros e dei-lhe uma sacudida. Romeo olhou para mim engraçado. "Eu estou apenas verificando para ter certeza que eu ainda tinha isso. Certificando-me de que todo o seu discurso sentimental não murche." Romeo rugiu. "É melhor verificar sua merda. Eu não vou explicar à sua menina por que você não pode executar no quarto de repente. " Romeo agarrou suas bolas e resmungou.


"Ainda enorme do caralho." "Merda, você sabe o meu pau é maior que o seu." "Se é nisso que você precisa acreditar," Romeo disse e jogou minha bolsa para mim. Eu peguei-a sem nenhum problema. "Eu não preciso acreditar em nada. Eu sei." Nós caminhamos em volta do prédio e sobre a calçada onde as pessoas se apressavam para a aula. "Vejo você no sábado para o amistoso." Ele se virou em direção ao estacionamento. "Não se preocupe com Rim. Vou me certificar de que ela fique bem. " Ele assentiu. " E você também. Eu posso viver com o que você decidir fazer. Apenas se certifique-se de que você também pode. " Eu balancei a cabeça e ele se afastou. Sinceramente, sempre pensei que tinha compreendido. Eu sabia onde minha vida ia e quem eu era. Mas agora eu não tinha tanta certeza.


CAPITULO vinte e dois #InformaçãoInútil Estima-se que os motoristas vão xingar 32.000 vezes em sua vida enquanto dirigem. #BocaSuja #FúriaNaEstrada ...Alpha BuzzFeed

I VY Depois da minha última aula do dia, fui para o quarto e coloquei Prada em uma bolsona. Eu andei um bom caminho longe dos dormitórios, longe dos edifícios principais, e em uma grande área gramada perto do campo de futsal. Uma vez que estávamos lá, eu coloquei Prada na grama e deixei-a brincar. Eu me sentia mal por mantê-la no quarto. Eu a levava pra fora tanto quanto pude, e Rimmel a levava para o abrigo quando ela estava trabalhando. Às vezes eu me preocupava que ela fosse adotada enquanto estava lá com a Rim e não voltaria. Eu sabia que não deveria, mas eu tinha me apegado a filhote. Não que isso fosse difícil de fazer. Parecia que era fácil se apegar a muitas coisas que eu não deveria estes dias. Observei-a pular na grama e perseguir um grilo que ela de alguma forma encontrou. Hoje tinha sido difícil. Eu não poderia realmente apontar o dedo sobre o motivo, que não fosse a culpa que eu sentia sobre o que eu fiz com Braeden e como Missy ia sentir quando ela descobrisse. Eu já sabia que eu provavelmente deveria dizer a ela. Eu não queria, mas isso só serviu como outra razão pela qual eu deveria. Mentiras colocavam distância entre amigos, e eu não queria isso. Havia uma grande


chance de que ela me odiasse, e o fizesse, eu ia ter que aceitar isso, porque a verdade é que eu era a única que estragou. Eu estava cansada de bagunçar. Eu pensei que Zach tinha sido meu abrir de olhos. E então eu dormi com Braeden. Engraçado como ambos me assombravam, mas por razões muito diferentes. Eu ainda sonhava com Zach, e eles vinham com mais frequência ultimamente, o que eu acho que era culpa, também. Eu sabia que Rimmel disse que eu não deveria me culpar pelo que aconteceu, mas parte de mim sempre o faria. Além disso, eu me sentia culpada em meu nome. Culpada pelo que eu fiz a mim mesma quando eu deixei ele me tocar. Às vezes eu ainda não posso acreditar que eu fiz. Eu nunca tinha estado tão bêbada antes, tão bêbada que eu não conseguia lembrar o que aconteceu.Tão bêbada que eu simplesmente deixei alguém como ele voltar ao meu quarto e ter relações sexuais com ele. Dentro da minha bolsa, meu telefone começou a tocar. Puxando-o para fora, eu olhei para a tela. Era meu irmão. Apertei o botão ignorar e joguei-o de volta para dentro. Eu não queria falar com ele agora também. Ele saberia que algo estava errado e, em seguida, ele iria exigir saber o que era. A última coisa que eu queria fazer era explicar para o meu irmão sobre tudo o que estava acontecendo na minha vida. Prada latiu, e eu ri. "Sua menina boba!" Eu disse a ela e me sentei na grama. Quando ela atacou meu sapato, eu tirei e a deixei “mastigá-lo”. Eu pensei na outra noite, quando ela atacou o de Braeden. Ele não quer que eu saia com Trent. E a maneira como ele me beijou... Forcei os pensamentos. Braeden e eu acabamos, acabou antes de nós mesmo começarmos. Eu ia jogar limpo com Missy e espero que ela possa me perdoar. Então eu ia


sair com Trent e dar-lhe uma chance. Ele pode não me fazer sentir tão virada de dentro para fora como Braeden, mas talvez fosse uma coisa boa. Depois de um tempo, eu peguei Prada e voltei para o quarto. Quando chegamos lá, ela comeu e se enterrou na minha cama para dormir. Eu fiz algum trabalho de casa e deitei na cama com alguma leitura que eu deveria fazer. Era chato e eu adormeci. Sonhei com Braeden. Com as palavras que ele sussurrou naquela noite na praia. Eu sonhei com as estrelas e as ondas, e as suas mãos. Quando acordei, minhas mãos estavam suadas e meus seios estavam sensíveis. Como podia a apenas a lembrança dele me despertar? Sacudi o sonho o melhor que pude e percebi que o quarto estava escuro. Eu não tinha a intenção de dormir tanto tempo, era para eu estar na casa de Romeo. Dei um pulo e peguei uma bolsa para jogar algumas roupas, material de banho e tudo o mais que eu precisaria para a classe na manhã seguinte. Quando eu acabei, eu embalei as pequenas coisas de Prada e mandei uma mensagem para Rimmel que eu estaria lá em apenas alguns minutos. Enquanto eu dirigia, era muito fácil escorregar de volta nos pensamentos do sonho que tive. O céu estava escuro, e meus faróis criavam a única iluminação na estrada. Ocasionalmente, eu passei por outro carro, mas quando eu desliguei a estrada principal e entrei no bairro através do qual eu chegaria na casa de Romeo, havia menos carros ainda, fazendo-me sentir como se eu estivesse sozinha. Eu me perguntava quanto tempo Missy ficaria no ensaio esta noite e se eu teria coragem o suficiente de vir limpo quando ela chegasse. Eu estava feliz que Rimmel e eu teríamos algum tempo sozinhas antes que Missy chegasse, porque eu precisava falar com alguém e eu sabia que ela compreenderia. Bem, talvez não compreender, mas ela não me julgaria. Eu tinha quase chegado na casa de Romeo quando Prada fez um pouco de barulho. Ela estava na transportadora que era de Murphy. Eu consegui contrabandear fora do dormitório sem ninguém ver. Eu achei que seria


reconfortante para ela dormir desde que íamos estar em algum lugar com o qual ela não estava familiarizada. A transportadora foi no chão da cabine no lado do passageiro. Olhei para baixo e disse-lhe que estávamos quase lá. Quando olhei para frente, algo grande e rápido disparou para fora dos arbustos no acostamento. Eu gritei e puxei o volante, tentando evitar o que quer que fosse. Mas minhas tentativas foram inúteis. Também conhecido por uma falha épica. Algo duro bateu na frente do meu carro. Eu gritei com o impacto. O esmagador som de metal era ensurdecedor, e eu pisei no freio. O carro derrapou descontroladamente, então parou. Minhas mãos agarraram o volante de modo tão rígido que meus dedos estavam brancos. Meu corpo estava tão tenso que doía e meus pulmões engasgaram por ar, como eu só tinha sido estrangulada. Depois de alguns momentos em que eu apenas fiquei sentada em estado de choque, eu forcei meus dedos para liberar a direção. Tentei chegar no meu telefone, mas eu estava presa contra o assento. Eu me atrapalhei com a liberação do cinto de segurança e bati, meu corpo caiu para a frente e meu ombro gritou de alívio. Eu não tinha ideia que estava tão paralisada. Certifiquei-me de que Prada estava bem, levantando a transportadora para o banco do passageiro e liguei a luz do teto dentro do carro. Ela estava bem, e eu exalei de alívio. Era uma boa coisa que ela estivesse nesta caixa protetora. Uma vez que o choque inicial do acidente passou, eu fui capaz de pensar mais claramente. Eu percebi que estava sentada ao lado de uma estrada escura, e eu estava sozinha. Eu poderia sair e caminhar sobre a pequena ponte que eu tinha acabado de passar e bater na porta de alguém. Ou eu poderia apenas usar o meu celular.


Eu gostava mais dessa ideia. Eu estava perto da casa de Romeo. Eu poderia apenas ligar para Rimmel. Eu a deixaria saber o que acontecera e... Espera. Meu carro ainda estava funcionando. Eu poderia apenas dirigir. Mas então me lembrei. Eu bati em alguma coisa. Ou melhor, algo me atingiu. Meu cérebro estava lento e embaralhado, e eu olhei para fora do para brisa para a área em volta do meu carro. O que eu tinha atingido? Alguém estava ferido? Será que eles precisavam de socorro? Oh, meu Deus, e se eles estivessem mortos? Eu engoli meu pânico enquanto meus olhos procuraram. Eu não vi outro carro ou ouvi alguém gritando por socorro. Mas então eu vi alguma coisa. Uma sombra bruxuleante contra o brilhante dos feixes de meus faróis. Não era bem no centro, mas mais na extremidade da luz. No entanto, uma vez que eu olhei para ela, foi impossível desviar o olhar. Eu destranquei a porta e saí com pernas instáveis. Agarrando meu telefone na minha mão, movi-me em torno da frente do carro, olhando, ouvindo os sons de uma luta. Então eu vi o sangue. E eu comecei a chorar.


CAPITULO vinte e tres

#AvisoDeUtilidadePública O #BuzzBoss descobriu que o #24 tem um trampo no Knights e deixou o Hellcat com a #Nerd #ElaNãoSabeDirigir #FiqueForaDaEstrada ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Eu ri quando cheguei na casa de Romeo. Seu Hellcat verde-limão estava estacionado à direita em seu lugar, parecendo impecável como sempre. Provavelmente isso o matou, deixar o carro aqui para Rim dirigir. Ele ficou, provavelmente, transpirando de tanta preocupação como que ela ia fazer enquanto ele estava longe. Mas ele deixou de qualquer maneira. Dizia muito sobre ele e como ele sentia por Rim. Mandei para ele um texto com uma foto do carro. VOCÊ ESTÁ DERROTADO. Alguns segundos depois, ele respondeu. DANE-SE.


Eu ri e caminhei até a porta vermelha da frente. Ela se abriu antes que eu pudesse bater. "Ei, menina tutora." "Ei, Braeden. Obrigada por vir". "Por que você não liga para Rome? Diga a ele que você destruiu o Cat. Eu quero ver o que ele faz". Eu sorri e esfreguei as mãos juntas. Rimmel me bateu nas costelas. "De jeito nenhum que eu vou fazer isso! Você é mau." "Você me ama," eu disse a ela e puxei seu rabo de cavalo. "Sim, eu amo." "Por quê?", Eu perguntei abruptamente. As palavras vieram direto para fora, como diarreia. Rimmel parou em seu caminho para a cozinha e olhou por cima do ombro para mim. Ela estava usando um par de calças de moletom que eram tão grandes que eu estava surpreso que ficaram seguras. Em seus pés estavam um par de pantufas brancas de aparência peluda, seu cabelo estava em um rabo de cavalo torto, e, claro, ela estava usando o agasalho de Romeo. "Eu tenho muitas razões", ela respondeu. "Bem, eu sou incrivelmente bonito," eu disse, tentando trazer a luz da questão. Rimmel bufou e seguiu para a cozinha. Segui atrás dela. "Eu não tenho certeza se isso é uma coisa boa ". "Fazer o que?" Ela estendeu um refrigerante e eu assenti. A lata veio voando na minha cabeça, e eu a agarrei no ar. "Você está tentando distorcer as coisas?" Eu perguntei, acenando para o meu rosto.


"Às vezes, eu acho que você é muito bonito para o seu próprio bem." "Você, batendo em mim?" Eu provoquei. "Eu vou ter que chamar Rome.” Peguei meu telefone e ela o agarrou, e o colocou sobre o balcão. "Suas piadas não me farão esquecer a questão." "Quer cerveja?" Ela destampou uma água e tomou um gole. "Eu assumo que você está perguntando porque você, de alguma forma, tem isso em sua cabeça, que você não é adorável." "Oh, eu sei que eu sou," eu rachei. Mas então eu acrescentei: "Eu só quero saber quanto tempo vai demorar para o meu adorável jeito desaparecer." Rimmel colocou a água de lado e cruzou os braços sobre o peito. Murphy veio na sala e deslizou ao redor minhas pernas antes de ir adiante e fazer o mesmo com Rimmel. "Eu falei com sua mãe após o jantar na outra noite." "Romeo me contou." Eu abri a lata de refrigerante e tomei um longo gole. O gás queimou minha garganta enquanto eu o engoli. "Eu tenho certeza que é realmente difícil de falar, então não precisamos. " "Se você tem perguntas, mana, eu tenho respostas. " "Eu tenho uma", disse ela. Eu me preparei. "Manda." "Você acha que eu amo facilmente?" Eu ouvi a pergunta, mas levou um minuto para eu entender. Por que ela me perguntaria isso?


Limpei a garganta. "Honestamente, depois de tudo que eu aprendi com você, eu não sei. Às vezes eu fico surpreso como diabos você deixou Rome entrar." "Mas ele não é o único que eu deixei entrar. " Pisquei. "Eu deixei você entrar também." Eu estava começando a ver onde ela ia chegar com isso. "Eu fui muito machucada na minha vida, B. Mentiram pra mim, me usaram, tiraram vantagem de mim. Eu fui atacada e fizeram piadas comigo... Você sabe". "Sim." Minha voz era baixa. "Eu sei." E isso me deixava puto além da conta. "Eu planejei viver toda a minha vida sozinha. Com animais e minha carreira. Eu nunca quis deixar ninguém entrar. Eu jurei que não deixaria. Mas então Romeo chegou. E você sabe que isso não foi fácil também. " "Rim-" Ela levantou a mão. Fechei minha boca. "E então lá estava você. Encantador, desagradável, e, francamente, um cachorro." "Você gosta de cachorros." "Eu tenho um gato", ela ressaltou. Eu ri. "Mas isso não é tudo o que você é. Isso não é quem você é. Você pode não saber disso, mas por baixo do seu temperamento - que eu, a propósito, finalmente entendi - debaixo de suas piadas e seu charme... você é verdadeiro. Você é doce,e eu acho que você sente muito mais do que a maioria das pessoas sentem."


Coloquei o meu refrigerante na bancada. Eu me senti como se aqueles óculos dela tivessem visão de raio-X. Eu não gostei disto. Me senti desconfortável. "Eu acho que você sabe que eu deixar alguém entrar, eu amar alguém é um negócio muito grande. Mas no entanto, olha você aqui. Meu BBFL. Big brother para a vida. Tenho certeza de que para a vida implica que o seu jeito adorável nunca vai embora. " "Mas e se for?" Eu sussurrei. "E se não for?" "Você sabe nossas conversas são muito diferentes do que as minhas e de Rome". Um sorriso puxou sua boca e sua cabeça inclinou. "De que maneira?" Dei de ombros. "Nós geralmente batemos um no outro." Ela bufou e puxou seu braço até fazer um músculo. "Você não quer experimentar isso." Puxei-a para um abraço. "Você com certeza sabe como fazer um cara se sentir melhor." A risada dela foi abafada contra a minha camisa. A campainha tocou, e eu endureci. Ela recuou. "Eu pedi comida chinesa. Eu vou pagar." Segui-a até a porta e, em seguida, a fiz voltar para que eu pudesse responder. Era um cara chinês com algumas caixas e sacos. Rimmel murmurou algo debaixo de sua respiração sobre eu ser um idiota e empurrou-me para que ela pudesse pagar e sorrir educadamente para o homem. "Obrigada!", disse ela. Ele sorriu para ela. Bati a porta na cara dele. "Você é muito mal-educado", disse ela para mim. Não era a primeira vez que ouvia isso.


"Você está com fome?" Ela chamou. "Você sabe que eu estou." "Eu tenho o suficiente para todos nós." Lembrei-me dela dizendo a Ivy que a veria esta noite. "Você sabe, eu não estou com tanta fome depois de tudo. Acho que vou embora." Rimmel colocou a comida e virou-se para me encarar. As mãos dela foram em seus quadris e ela olhou para mim. "Você vai comer. Lave suas mãos". "Você vai mandar em mim?" "Você vai desobedecer?" Eu fui e lavei as mãos. Quando eu voltei, ela sorriu docemente e me entregou toda a comida. "Vamos comer na sala de estar, e você pode me dizer o que está acontecendo entre você e Ivy". Eu fiz um som abafado e senti meus olhos quase caírem para fora da minha cabeça. "O que te faz achar que há algo acontecendo? " Ela apenas sorriu e bateu no meu peito. Então, ela desapareceu no banheiro para lavar as mãos.


CAPITULO vinte e quatro

#DicaÚtil Numa emergência, por favor, lembre-se de ligar 9-1-1, não 4-1-1 ...Alpha BuzzFeed

I VY Sangue e lágrimas mancharam minha visão. A dor estava no ar. Minhas mãos tremiam incontrolavelmente. Eu fui para o telefone.


CAPITULO vinte e cinco #VocêDeveSerMáMotorista Se sua ideia de caçar é pegar os animais que você acerta a caminho da loja. ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN "É o meu telefone?" Rimmel chamou do banheiro, a água corrente abafando a voz ligeiramente. "Sim", eu gritei de volta. "Atenda! Provavelmente é Romeo". Peguei o celular fora da mesa ao lado do sofá e olhei para a tela. Não era Rome. E isso significava que provavelmente não importava se eu respondesse a ele ou não. Mas eu atendi de qualquer maneira. No segundo que eu silenciei o toque e o coloquei na minha orelha, eu antecipei ouvir a voz dela. Eu tentei não pensar muito sobre isso. Antes que eu pudesse sequer reunir um olá ou o que você quer, ela começou a falar. Palavras apressadas fora de sua boca, tão rápido e vacilante que minha mão apertou ao redor do telefone. "Rimmel? Graças a Deus que você atendeu. Está mal, muito mal", disse Ivy , e sua voz alcançava palavras alternadas.


"Que diabos está acontecendo?" Eu praticamente rosnei. A tensão enrolou dentro de mim com tanta força que eu tinha medo que um pedaço de mim pudesse quebrar. "B- Braeden?" Sua voz vacilou novamente. Eu ouvi o som distinto de lágrimas lá. "Você está chorando?" Eu exigi. Eu comecei a andar, nem mesmo pensando sobre isso, mas me movendo rapidamente ao redor da sala e para a porta. "S - s - sim." Ela fungou. "Onde você está?" Eu moí para fora. "Alguém te machucou?" "Não grite comigo", ela disse pateticamente. Foi quando eu soube que ela estava realmente perturbada. Normalmente, quando ela achava que eu estava gritando, ela gritava de volta. Apertando a ponte do meu nariz com o meu dedo indicador e o polegar, eu puxei uma respiração. "Eu não queria gritar. Só estou preocupado. Por favor, diga-me o que está acontecendo." Um soluço quebrou em cima da linha, e eu corri para arrebatar minhas chaves da mesa de café. Rimmel estava de pé ao lado do sofá com uma expressão preocupada no rosto. "Eu estava a caminho daí. Ele saiu do meio do nada." Sua voz tremeu. "Eu não tive a intenção de atingi-lo." Ok, ela estava em um acidente. Ela devia estar ferida. Eu precisava chegar lá. Eu abri a porta e corri para fora. Atrás de mim, Rimmel estava chamando meu nome e saiu correndo atrás de mim. Parei e me virei. "Fique aqui. Eu voltarei." "O que está acontecendo?" "Ivy só precisa de alguma ajuda."


"Eu posso-" "Não", eu disse duramente. "Eu já volto." Meu tom estava áspero. Eu nunca tinha falado com ela assim antes. Eu não tinha a intenção, mas eu estava saindo da minha mente maldita. "Onde você está?", perguntei a Ivy enquanto eu subia na caminhonete e batia a porta. "A poucos quarteirões de distância. Eu só vim ao longo dessa pequena ponte", disse ela, oca, como se ela estivesse focada em outra coisa. Ela começou a chorar mais uma vez. Os sons de seus soluços suaves me pressionaram para baixo no acelerador e me arrancaram da calçada e para a rua. Eu sabia onde ela estava. Ela estava perto da Old River Crossing. Era uma pequena ponte, nem mesmo oitocentos metros de distância, que conduzia sobre o Old River que corria pela cidade. "Ivy, você está machucada?" Eu rasguei em torno do canto e para baixo da rua seguinte. Eu só estava a duas quadras de distância agora. Eu estaria lá em segundos. "O quê?" Ela estava totalmente distraída. "Não tenho certeza." Meus pneus cantaram quando eu fiz a próxima volta, e o som do V8 sob o meu capuz rugiu através da escuridão. Eu não tinha visto quaisquer outros carros na estrada. Já era tarde, mas não tão tarde que outras pessoas não estariam fora. Eu sabia que deveria abrandar, exercer alguma cautela, mas era fisicamente impossível. Ela precisava de mim. Eu ia chegar lá. Mais à frente, um carro do outro lado da estrada veio à tona. Ele estava estacionado torto, e a porta do motorista estava aberta. Os faróis estavam acesos, e eu podia ver o contorno dela de pé no escuro, ao lado de seu carro.


Que porra é essa que ela estava fazendo em pé ali, no escuro, no lado da estrada, sozinha? Meu Deus, essa mulher ia me dar uma morte prematura. Batendo nos freios, eu derrapei até parar logo atrás de seu pequeno carro. Eu bati o FIM no botão de chamada no telefone e joguei-o sobre o assento. Deixei a caminhonete ligada quando eu saltei e corri para fora. "Ivy!" "Braeden," ela chorou e correu em direção a mim. O telefone ainda estava agarrado ao seu ouvido como se ela não percebesse que podíamos conversar sem ele. No segundo que ela estava perto o suficiente, ela colocou os braços em volta da minha cintura e pressionou contra mim tão perto quanto podia. O corpo dela estava tremendo como uma folha delicada em um vendaval. "Ei," eu murmurei. Alguns dos meus medos que ela estava gravemente ferida se apagaram porque ela estava finalmente em meus braços. Aquela tinha sido a mais longa curta distância da minha vida. "O que aconteceu?" Eu esfreguei suas costas e notei que ela não estava vestindo uma jaqueta. Era primavera, mas quando o sol se punha, ficava frio. Quanto tempo ela tinha estado aqui fora? Ela estava provavelmente congelando. Ela forçou a cabeça para trás e olhou para cima para mim com um rosto coberto de lágrimas. Com a luz crua dos meus faróis, ela parecia um fantasma. "Ele está sofrendo. É tudo culpa minha." Sua voz se elevou e a histeria começou a rastejar dentro. Eu afastei os fios loiros que tinham ficado presos nas lágrimas e abraçavam seu rosto para que eu pudesse olhar para ela. "O que está sofrendo?" Ela respirou fundo e envolveu sua mão ao redor da minha. Eu a deixei me levar ao redor da frente do carro, mas ela não teve que apontar o que era para eu ver. Meus olhos foram direto para ele.


Lá no lado da estrada, onde a calçada virou-se para o cascalho solto e , em seguida, dava lugar à grama, havia um grande veado. "Ele saiu do nada. Eu tentei parar. Eu tentei desviar." Ela começou a chorar, enterrando o rosto nas mãos. "Está tudo bem." Tentei erguer as mãos dela. "Não está!", ela gritou e apontou para o animal. "Olhe para ele! Tem-se esforçado por minutos. Ele continua tentando se levantar, mas não pode. Ele está sangrando..." Ela olhou para ele, quase paralisada. "Ele está morrendo." Eu passei a mão em torno de seu queixo e forcei seus olhos para longe. "Pare de olhar," eu ordenei. "Quanto tempo ele vai ficar ali e sofrer? Seus últimos momentos da vida não serão nada além de dor e pânico, e é tudo minha culpa." Uma lágrima volumosa, brilhando, caiu de seus olhos e rolou pelo seu rosto. Os olhos dela apertaram enquanto seu peito arfava, e a lágrima pingou sobre a minha mão e deslizou na minha pele. "Ah, baby", eu sussurrei. "Eu vou fazer parar." Seus olhos abriram novamente e focaram em mim. Eu soltei seu queixo e andei através dos feixes dos faróis. O animal estava definitivamente lutando, e isso realmente não era fácil de assistir. Eu quase podia sentir o cheiro de seu medo no ar quando me aproximei. Quando eu vim para a frente, ele entrou mais em pânico, seus olhos já largos ficando ainda maiores. Falei com ele suavemente, gentilmente, tentando transmitir que eu não estava aqui para machucar. Eu ia tirar a sua dor. Eu não queria fazer isso. Mas se eu não o fizesse, Ivy iria ficar aqui e chorar até que a última respiração drenasse de seu corpo. Ela se culparia como a forma que ele estava sofrendo, sobre a forma como isso machucava.


Sangue manchou sua pele clara, e uma de suas pernas estava completamente retorcida. Era uma fêmea, algo que eu esperava que Ivy não percebesse e algo que eu não tinha planos de partilhar com ela quando isso terminasse. Eu varri ao redor da estrada por alguns filhotes esperando ansiosamente nas proximidades, mas graças a Deus esta corça parecia estar sozinha. "Ei, você", eu murmurei quando eu estava perto o suficiente para tocála. O animal ficou imóvel, como se talvez ele pudesse me enganar em pensar que não estava mais lá. "Às vezes a vida é uma merda, né" Eu disse, tentando um passo preliminar para mais perto. Ela estava me olhando com o canto dos olhos e sua respiração era muito difícil. Vários metros distante, Ivy chamou meu nome. Eu levantei a mão para que ela pudesse ficar onde ela estava. "Isso não é algo que eu quero fazer", eu disse à corça, "mas às vezes a coisa mais difícil é a melhor coisa. Pelo menos desta maneira você terá alguma paz." Eu me movi rapidamente, passando os braços em torno do pescoço do animal. Ela já estava ficando mais fraca, suas lutas não eram o suficiente para manter-me de volta. Eu respirei fundo e fechei os olhos. Então eu quebrei o pescoço dela. O estalo distinto foi tão alto aos meus ouvidos que eu fiquei ali por longos momentos perguntando se eu tinha ficado surdo. O animal estava mole e sem vida em meus braços, e quando eu percebi que acabou, eu a baixei para o chão. Porque ela estava parcialmente ainda na estrada, eu arrastei o corpo na grama, perto das árvores. Eu esperava que ela estivesse em paz. Quando terminou, me virei para ir para Ivy. Eu hesitei quando vi que ela estava a apenas poucos passos. Seus olhos arredondados, arregalados,


estavam fixos no cervo e seu lábio inferior tremia. Eu tirei a jaqueta atlética leve que eu estava usando, coloquei-a em volta dos ombros, e a coloquei debaixo de seu queixo. Ela não pareceu notar. "Não há mais dor," eu sussurrei, apalpando a parte de trás de sua cabeça. "Ele está em paz agora." Ivy afundou em mim, e eu senti seus ombros balançarem com lágrimas silenciosas. Eu a abracei forte, tão apertado quanto eu ousei. A maioria das mulheres eram cheias de drama, elas gostavam de ligar as lágrimas quando elas pensavam que iria levá-las a algum lugar. Mas Ivy não era a maioria das mulheres. Eu acho que eu nunca tinha percebido isso até muito recentemente. Ou talvez eu tivesse. Talvez eu não quisesse admitir isso para mim. Ela não estava sendo dramática agora. Ela estava realmente sofrendo, realmente em sofrimento por este animal. O fato de que ela não continuou dirigindo depois de bater disse muito. Ao invés, ela parou, desceu e chamou alguém para ajudar. Chamar a minha irmã não era a melhor forma de socorro. Eu teria que dizer isso a ela. Mas depois, quando ela não estivesse chorando nos meus braços. Rimmel era tão sensível aos animais, elas duas teriam ficado aqui no lado da estrada e chorado. Duas mulheres chorando do lado da estrada, no escuro, totalmente sozinhas. Droga. Eu sabia que Rimmel precisava ser cuidada, mas era claro que Ivy precisava do mesmo. Obrigado, Jesus, que eu atendi o telefone esta noite. "Vamos," eu sussurrei e coloquei-a ao meu lado. "Vamos. Você está congelando. "


"Nós apenas vamos deixá-lo lá?", ela perguntou, esticando o pescoço para olhar para trás. Eu bloqueei seu ponto de vista com o meu braço. " Você quer dar um funeral para ele?", perguntei. Eu merecia um Oscar por fazer isso parecer sincero e não falso. Ela inclinou a cabeça para trás e olhou para cima para mim com olhos grandes e cheios de dor. "Você faria isso?" Algo no meu peito apertou, e eu tenho certeza que meu coração pulou uma batida. "Se isso é o que você precisa para se sentir melhor, então sim, baby, eu o faria." Nesse segundo, eu quis dizer aquilo. Eu daria um sermão maldito sobre o corpo desse animal bem ali, se isso significava dar-lhe alguma paz. "Não me chame assim." Ela olhou para baixo. Eu derrubei o rosto de volta. "O que?" "Baby." Merda. Eu a chamei de baby? "Por que não?", perguntei. Eu deveria dizer que ela estava ouvindo coisas. Aquela dor estava fazendo-a doida. "Porque eu gosto." Sua voz era profunda e arranhada de todo o choro que ela tinha feito. Agora não era o momento para ter uma ereção. Agora não era o momento para um caso grave de pau duro. Eu acabei de matar um veado. Eu estava do lado de uma estrada. Eu estava consolando uma menina que, literalmente, me deixava louco em todas as chances que tinha. Mas eu a chamei de baby. E ela gostou. Eu escovei a ponta do meu polegar sobre seu lábio inferior e coloquei-a sob meu braço. "Vamos, Blondie. Hora de ir."


"Prada está no carro. Eu a deixei lá. Eu não queria que ela visse..." "Ok, eu vou buscá-la." Eu prometi e peguei o cão e as outras coisas que ela tinha empilhadas na parte da frente do carro. Tomei todas as coisas dela, incluindo o cão, para a minha caminhonete. Quando eu vim para trás, ela ainda estava de pé no mesmo lugar, aparentemente com o olhar perdido no espaço como se ela tivesse esquecido onde estávamos. Depois de estacionar o seu carro perfeitamente na lateral da estrada, eu desliguei as luzes e o motor. Eu me certifiquei de que estivesse travado antes de eu fechar a porta. "O que você está fazendo? ", ela perguntou. "Nós vamos voltar para busca-lo amanhã de manhã." "Basta deixá-lo aqui?" Por que isso a surpreendia? Será que ela realmente achava que eu ia deixá-la atrás do volante de um carro agora mesmo? Ela estava além de perturbada, e estava escuro. Desde que ela tinha acabado de atropelar um animal quando ela estava em seu estado mental normal, eu não estava disposto a arriscar o que ela faria agora. "Eu vou buscar ele na parte da manhã, e eu vou examinar os danos do acidente" foi tudo que eu disse. Eu não acho que ela apreciaria meus verdadeiros pensamentos. "Eu vou levar um sermão do meu pai. E meus irmãos", ela murmurou. Eu sorri. "Talvez eu possa consertar. Você não vai ter que dizer nada." "Você sabe como consertar carros?" Parei ao lado do meu caminhão e apertei uma mão sobre o peito. "Eu sou um homem." Ela encolheu os ombros, como se isso não significasse nada. Bati capô do meu Ford. "Eu fiz todo o trabalho nesta máquina."


Ela olhou para o meu caminhão, como se estivesse avaliando. "Não é ruim. Para um menino bonito." "Você acabou de me chamar de menino bonito?" Eu estava incrédulo. "Se a carapuça lhe serviu." Ivy encolheu os ombros e andou para o lado do passageiro. "Oh, infernos não." Eu agarrei-lhe o pulso e puxei-a ao redor. Em segundos, eu a tinha presa entre mim e a grade do caminhão. Suas curvas eram perturbadoras. Minha mão descobriu aquele lugar no qual sua cintura mergulhava e encaixou-se lá com facilidade sem remorso. "Não há nada em mim que é um menino, Blondie," eu demorei, acariciando meus dedos ao longo de seu lado. Baixei minha boca mais perto dela para que ela pudesse sentir as palavras enquanto eu as sussurrei entre meus lábios. "Tudo em mim é homem." Sua cabeça caiu para trás contra o caminhão, a curva do capô se encaixou no arco de seu pescoço, exibindo toda a sua perfeição cremosa em seu pleno potencial. "É mesmo?" Eu pressionei meus lábios contra a carne exposta, vulnerável. Seu sussurro calmo me fez duro mais uma vez. Eu trilhei beijos leves para cima na parte debaixo do queixo e em seguida, até o canto dos lábios. Ela permaneceu pressionada no caminhão, e eu fiquei grudado na sua frente. Nossos lábios estavam tão perto que quase se tocavam, mas eu não aproximei os últimos centímetros. Segurei-me lá e senti a satisfação doentia quando ela se moveu sem descanso contra mim. "Eu sei que sim", eu murmurei. "E, você também." Eu me afastei, nos roubando do beijo que quase compartilhamos. Quando ela percebeu que eu tinha ido embora, ela se ajeitou e piscou. Eu vi algo de forma sarcástica em sua língua. Eu estava sem vontade, então eu deslizei meus dedos entre os dela. As palavras morreram antes que pudesse falar, e eu a levei para o lado do passageiro.


Meu caminhão era levantado do chão. Tinha pneus grandes e sem degrau no trilho para entrar fácil. Quando a porta foi aberta, Ivy hesitou, sem saber como entrar. Normalmente, as meninas apenas gemiam e queriam que eu as levantasse. Eu fazia isso, só assim eu não teria que ouvi-las tagarelar. Eu estava realmente ansioso para dar a Ivy um impulso, mas ela não pediu. Eu estava prestes a embrulhar as mãos em volta da sua cintura e levantá-la quando ela se mudou para a frente, deu um salto, e agarrou a alça no interior da porta. A partir daí, ela subiu como se ela tivesse feito isso centenas de vezes antes. Bem, isso era sexy. "Você é parte macaco?" Eu rachei. "Eu tenho um monte de facetas que você nunca viu." "Você tem muitos que eu já vi." Ivy revirou os olhos. "Há muito mais em uma mulher que apenas sexo". Eu grunhi e bati a porta. Esta conversa estava indo para Vila do Lugar Nenhum. Caminhando em volta da frente do caminhão, eu olhei de volta para seu carro e o local onde eu sabia que o veado estava deitado. A imagem de como ela estava quando eu puxei para cima estava cauterizada na minha cabeça. O som de seu choro e o caminho sombrio que ela torturou-se sobre a dor que ela causou a outro ser vivo também era algo que eu não iria esquecer tão cedo. Sim, Ivy tinha um monte de facetas. Ela era como uma flor na primavera, lentamente florescendo e abrindo suas pétalas para revelar uma flor deslumbrante. Eu sempre fui bom - não, eu tinha até uma forma de arte - quando se tratava de manter unidimensionais minhas relações com mulheres. No entanto, quanto mais de Ivy florescia, mais eu queria conhecer. Eu queria muito mais.


CAPITULO vinte e seis #BuzzChato A equipe gostaria de lembrar aos estudantes que as finais estão perto. Estudar é necessário. #BoasNotasFazemAlphaUParecerBoa ...Aplha BuzzFeed

I VY Eu nunca tinha estado dentro de seu caminhão antes. Claro, eu tinha visto o Monster12 dirigindo em volta do campus e estacionado nas festas que todos participavam. O caminhão de Braeden era o tipo que você veria em um comercial de cerveja. Era um Ford, um modelo mais antigo, vermelho cereja (mas nunca estava brilhando porque isso significaria que ele teria que lavá-lo), e tinha enormes pneus. Eu apostaria dinheiro que ele os colocou lá para que pudesse ir se virando através das árvores no outro lado do campus. Não era elegante e esportivo como o Hellcat de Romeo. Mas era apenas tão imponente e chamativo quanto os carros desportivos. Este caminhão era macho, cheio de músculo na forma do que era sob o capô, e era definitivamente bruto até o limite. Estava sempre empoeirado, sempre havia lama nos pneus, e o fato de que ele não tinha degraus no trilho para as pessoas – tipo senhoras – entrarem, mostrava que ele não era nenhum cavalheiro. Talvez este caminhão fosse feito para intimidar, mas nunca funcionou comigo. Eu tinha irmãos demais para ser desencorajada por este tipo de veículo. E eu não precisava de um degrau para entrar também. Eu poderia 12

Monstro = nome do caminhão de Braeden.


parecer uma garota feminina, e eu era, mas eu tinha crescido como um moleque nas montanhas da Carolina do Norte. Dentro, havia um único banco, e ele não tem nenhum porta copos extravagante no centro, apenas cintos de segurança. O painel era preto e não tinha todos os dispositivos que os carros novos tinham hoje. Havia apenas um rádio (ele atualizou para adicionar um leitor de CD de disco único), o aquecedor e os controles A / C , e alguns outros medidores e botões necessários. A coisinha que colocava o carro para dirigir e estacionar estava em uma longa vara preta e preso fora do chão. Era muito espaçoso, e estava muito mais limpo do que o exterior. Me deixou curiosa. Será que Braeden era muito mais limpo, muito mais arrumado no interior do que o que ele queria que as pessoas acreditassem? Meus pés não tocavam o assoalho, então eu os girei sobre o chão enquanto meus olhos espiavam o interior. Sua jaqueta era quente. E cheirava como ele. Eu não tinha a menor ideia de como ele cheirava. Não tinha o cheiro de natural de Braeden. Não era alguma colonia que você poderia comprar no Shopping. No entanto, qualquer que fosse, eu amava. Era inebriante, o tipo de perfume que quando você dá uma respirada, algo dentro de você instantaneamente alivia. Meio que tipo entrar em uma loja de café depois de um longo dia, e ser bombardeada como aroma rico de café. Eu enrolei minhas mãos nas mangas compridas demais da jaqueta e me encostei no assento. "Você ainda está com frio? ", perguntou. Dei de ombros. Eu estava, mas eu não me importava. "Venha aqui. " Sua voz era tão sedutora quanto suas palavras. Nenhum homem tinha tanto poder para me afetar da maneira como ele tinha. Ele levantou seu braço, convidando-me perto. Eu estava muito feliz porque não tinha porta-copos no meio. Sua ausência me permitiu deslizar para encaixar direito contra ele.


Braeden deixou cair o braço em volta de mim e sua mão livre no volante. Uma vez que ele puxou para a estrada, ele enfiou a mão no meu lado, me puxando um pouco mais perto. Minha cabeça parecia pesada, meus olhos, inchados, e meu estômago estava um pouco enjoado. A imagem daquele veado simplesmente não iria deixar meus pensamentos. Sua camisa estava suave contra minha bochecha. Ele era tão quente, tão grande, e eu senti estar tão segura aqui ao lado dele que, sem pensar, eu me virei e olhei para ele, dobrei meus joelhos para cima para perto, e me enrolei em seu lado. Ele não disse nada, mas seu braço apertou. Meus olhos se fecharam, e ele lentamente puxou e virou na direção da casa de Romeo. Ele matou aquele cervo... Bem, tecnicamente, eu era a razão pela qual estava morto e ele era a razão que ele não teve que sofrer. Eu não poderia imaginar o quão difícil deve ter sido, para quebrar seu pescoço assim. Eu nunca teria sido capaz de fazer tal coisa. Mas eu estava grata que ele tinha feito. A imagem daquele veado lutando, magoado e confuso daquele jeito, me assombraria para os próximos anos. Ele não entendia por que estava sofrendo, e ele só queria ficar longe onde pensou que seria seguro. Eu nunca tinha atropelado um animal antes. Eu esperava que nunca mais o fizesse novamente. O som horrível que fez quando o corpo se chocou contra a lateral do meu carro... tão ensurdecedor e assustador. Meu carro derrapou de lado, e eu gritei. Quando o carro finalmente estava ainda no lado da estrada, olhei para cima e vi. Foi iluminado por meus faróis, e eu soube imediatamente que ia morrer. Ir embora nem sequer passou pela minha cabeça. Eu saí e corri em direção ao animal, mas minha presença parecia piorar a sua dor. E eu admito, pânico agarrou a mim, também. E se fosse capaz de se levantar? Será que ele viria para mim, tentar me atacar pelo que fiz?


Eu andei a passos largos no lado da estrada por um longo tempo, tentando descobrir o que fazer e ficando mais histérica a cada minuto. Liguei para Rimmel porque ela sempre foi uma voz da razão. Ela estava por perto e ela iria saber o que fazer. Animais feridos eram sua especialidade. Mas B atendeu. No segundo que a sua voz urgente e exigente, fluiu através da linha, meu corpo relaxou de alívio. Eu odiei isso, mas meu corpo parecia ter uma mente própria, onde Braeden estava preocupado. Meu corpo reagiu a ele como se ele fosse a coisa mais familiar na minha vida. Quer dizer, há pouco eu estava enrolada contra ele e recebendo conforto da maneira que ele até respirava. E, oh minha mãe, se ele não parar de me chamar de baby... Não era o tipo de apelido que feministas gostariam. Inferno, a maioria delas diria que eu tentei classificar-nos para o papel de uma igual menor. Mas não para mim. Sim, talvez Braeden me fizesse sentir... pequena, mas não de uma maneira ruim. É só porque ele era tão grande. Ele era tão amplo que era impossível não se sentir pequena. Eu percebi que eu sempre senti assim em volta dele. Talvez seja a razão pela qual eu não gostava tanto dele. Eu pensei que ele estava tentando me fazer sentir sem importância, como se eu não importasse. No entanto, não era nada disso. Ultimamente, quando ele olhava para mim, senti como eu importava. A caminhonete desacelerou e ele entrou pela a longa entrada em volta da casa dos pais de Romeo e estacionou perto da casa da piscina. Eu não estava pronta para me afastar, para ficar longe dele ainda. Para minha surpresa, ele não tentou me obrigar. O motor desligou e o silêncio da noite encheu o ar em nossa volta. Seus dedos começaram à toa acariciando meu lado. Mesmo através de sua jaqueta e minhas roupas, o toque queimou a minha alma. "Ei," ele murmurou. Eu não levantei a cabeça ou abri os olhos. "Hmm?"


"Será que você está ferida? Você bateu a sua cabeça ou qualquer coisa quando aquele cervo correu para você?" Eu mentalmente fiz um balanço de mim mesma. Como eu deveria sentir qualquer dor quando eu estava sentada aqui assim? "Eu acho que não", eu sussurrei. "Obrigado porra," ele murmurou e levantou a mão para acariciar o lado da minha cabeça. E então ele fez algo. Algo que eu nunca esperaria em um milhão de anos. Algo que eu nunca pensei que eu gostaria tão intensamente. Ele apertou seus lábios no topo da minha cabeça. Ele beijou meu cabelo como se ele realmente estivesse agradecido e aliviado que eu estava bem. Intimidade encheu a cabine de seu caminhão, densa o suficiente para cortar com uma faca. Inclinei meu rosto e nossos olhos se encontraram. O que estava acontecendo entre nós? Como tudo tinha mudado tanto, tão rápido? Eu queria uma explicação, mas eu estava com uma espécie de medo que eu já sabia. Há uma linha fina entre o amor e o ódio. Mas eu não amava Braeden. A ideia era risível. Era além de ridícula. Missy o teve primeiro. Afastei-me, de repente muito envergonhada do jeito que eu estava me sentindo. Eu estava fazendo isso novamente.


Uma pancada na janela do lado do motorista me fez guinchar. Braeden se virou e olhou, mesmo quando sua mão encontrou a minha onde ela estava deitada no assento. Ele deu-lhe um aperto reconfortante. "É apenas Rim." Ele abriu a porta e virou-se para Rimmel, então ele estava me impedindo de ser vista. Fiquei grata para os poucos segundos de privacidade para me recompor. Deus, eu estava uma bagunça. "O que aconteceu?" Rimmel engasgou. "Você correu para fora daqui como se a casa estivesse em chamas. Eu estava morrendo de preocupação!" Ele correu para fora da casa quando eu chamei? "Ivy sofreu um pequeno acidente." Eu fiz um som. "Eu não acho que o cervo diria que é pequeno". "Oh, não!", exclamou Rimmel. Eu vi suas mãos acenando para Braeden para sair do caminho. "Que horror!" Quando ele se foi, Rimmel pegou minha mão. "Você está bem?" "Eu estarei." Eu sorri. "Entre! Está frio aqui fora." Ela olhou para o casaco que eu estava usando, mas não disse nenhuma palavra. Estendi a mão para Prada, mas deixei todas as minhas outras coisas para trás. Nós entramos juntos, e Braeden seguiu de perto. Engraçado, ele poderia provavelmente estar a dez milhas de distância e eu ainda o notaria como se ele estivesse bem ao meu lado. "Por favor me diga que Rome deixou um pouco de cerveja," Braeden gemeu uma vez que estávamos dentro quando ele passou por nós para a cozinha. "Está atrás do leite e suco. Ele esconde da mãe dele!" Rimmel gritou.


A risada de Braeden encheu a casa. "Por favor. Valerie sabe o que está nesta geladeira." Rimmel olhou para mim e riu. "Oh, tenho certeza que ela sabe." Eu ri. Rimmel inclinou para frente e me abraçou. "Você está bem?" "Vê-lo morrer assim, foi horrível." Rim assentiu enfaticamente. Dentro da gaiola, Prada lamentou. Destranquei a porta e ela cambaleou para fora, cheirando enquanto andava. "Ei, garota", Rimmel disse, e Prada abanou o rabo e foi até ela. Pensando nas almofadas de treinamento, eu disse: "Eu tenho as coisas dela. Estão lá fora." "Nós vamos pegar em um minuto." Rimmel não parecia muito preocupada com isso. Murphy apareceu e olhou para o filhote de cachorro através da sala. Prada viu e foi pulando pelo chão para verificá-lo. Murphy começou a correr e Prada o seguiu. Rimmel riu. “Murphy vai ter seu exercício esta noite." Eu sorri. "Quer algo para beber?" Rimmel perguntou. "Chocolate quente?" "Claro!" Ela me arrastou para a cozinha com ela e foi fazer a bebida. Braeden estava bebericando uma cerveja e seus olhos varreram sobre mim da cabeça aos pés sobre o aro da garrafa. Eu me lembrei de que eu ainda estava usando o seu casaco, e estendi a mão para o zíper para puxá-lo e devolvê-lo. Ele me chamou a atenção e balançou a cabeça.


Deixei minha mão. Se ele não queria que eu o tirasse, bem, eu não queria argumentar. Sim, isso era totalmente a razão que eu estava ouvindo. Quando o chocolate quente estava pronto, Rimmel virou-se para Braeden. "Ivy e eu íamos assistir filmes. Eu percebo pelo jeito que você está engolindo a cerveja que você vai ficar e assistir também?" "Vocês duas precisam de uma babá", ele murmurou. "Você comeu toda a comida?" "Eu não toquei em nada", disse Rimmel. Fiquei chocada que ele não estava fora ficando com alguma garota aleatória. "O que você está fazendo aqui?", perguntei, descontente com o pensamento. Ele me deu um olhar estranho. "Eu vim para falar com a minha irmã. Eu sabia que Romeo estava fora, então eu queria verificá-la." Claro. Eu me senti burra. Braeden cuidava de Rimmel. Ele nunca escondeu, por isso era somente natural que ele estaria aqui para verificá-la. "Você não se importa se ele ficar, não é?" Rimmel voltou seus olhos para mim. Os olhos dela varreram sua jaqueta. Eu me senti tipo corando. Ela totalmente viu bem através de mim agora. Ela totalmente sabia. "Claro que não." Eu tentei injetar entusiasmono meu tom. "Ótimo! Por que vocês não escolhem um filme? Eu estarei lá. Vou levar Prada fora para uma pausa no penico e pegar as coisas dela no caminhão. " "Eu vou fazer isso", eu protestei. Rimmel sacudiu a cabeça. "Não, você precisa se sentar. Fique com Braeden." Eu balancei a cabeça e ela saiu em busca de Prada.


Braeden agarrou um pacote de chips fechado do armário e entrou na sala de estar. Eu parei atrás dele. No caminho, Rimmel passou por nós com um filhote de cachorro agitado e saiu pela porta. "Você realmente vai ficar?", perguntei. "Você realmente não me quer aqui?", ele combatida. "Eu…" Ele sorriu. "Sente-se, Blondie. Vamos assistir a um filme." Era quase como um desafio. Como se ele pensasse que eu não poderia apenas sentar-me na mesma sala que ele sem tentar pular em seus ossos ou algo assim. Que idiota! Vi um filme totalmente feminino na mesa e peguei. "Sim, vamos." Seus olhos se estreitaram. "Nem pensar em colocar esse disco saturado de estrogênio no aparelho de DVD." Eu pisquei meus cílios para ele. "Tem um suspense bem ali embaixo." Ele empurrou três chips inteiros na boca. Ele era tão grosseiro. "Eu quero ver este," eu mantive. "É? Bem, eu quero ver você nua e me montando, mas nós não vamos conseguir o que queremos." Engoli em seco. Meu corpo inteiro inundado com a consciência. A imagem austera do que ele sugeriu encheu minha mente e os meus músculos abdominais inferioriores contraíram. De olhos arregalados, eu fiquei boquiaberta. Ele acabou de admitir que ele me queria de novo? Ele evitou meu olhar e inclinou a cerveja até seus lábios.


Rimmel andou de leve pela sala, a filhote de cachorro em seus calcanhares e seu celular na mão. Pelo sorriso em seu rosto, eu aposto que ela conversava com Romeo. "Como está Rome?", perguntou Braeden. Eu ainda não conseguia parar de olhar para ele. "Ele está bem!" Rimmel respondeu. Ela afundou-se em uma cadeira em frente ao sofá e puxou o cobertor ao largo das costas ao seu redor. "O que vamos assistir?" "Isto", disse Braeden, levantando-se e arrebatando o suspense fora da mesa. Enquanto ele estava colocando, reparei que o único outro assento que ficava de frente à TV era no sofá onde Braeden estava. Ótimo. "Sente-se." Rimmel acenou e pegou seu chocolate quente. Ocupei-me em ajeitar algumas coisas para Prada, mas quando não havia mais nada a fazer, eu sentei na extremidade do sofá, longe de Braeden. Eu me esmaguei contra o braço e puxei o outro único cobertor disponível em volta de mim como um escudo. Eu ainda me sentia nervosa por causa do acidente. Meus nervos estavam totalmente ouriçados. As cinquenta horas de previews que põem antes a cada filme, na verdade, começaram a jogar do outro lado da tela e Braeden sentou-se uma vez mais. "Ivy?", disse Rimmel, a preocupação escrita no rosto dela. "Você tem certeza de que está bem? Está enjoada ou algo do acidente?" Eu senti os olhos de Braeden assim que ele olhou para mim. O seu olhar escuro penetrante ameaçou me dissecar onde eu estava sentada. "Você parece tensa", acrescentou Rimmel. Eu sorri para ela. "Estou bem. Ainda um pouco abalada, eu acho."


"Ela vai ficar bem, menina tutora", disse Braeden. O apelido doce me fez lembrar do que ele me chamou há não muito tempo. "Ela só precisa de uma distração. Uma vez que o filme começar, ela vai relaxar." Ele estendeu a mão e desligou a lâmpada ao lado dele, e a sala mergulhou em escuridão, exceto para a luz bruxuleante da tela de televisão. Aproximando-se mais, Braeden puxou um pouco do cobertor para baixo para que ele não ficasse tão apertado em minha volta. Eu olhei para ele e bati meu pé, esperando me conectar com seu lado. Ele o pegou com um sorriso silencioso e envolveu a palma da mão em volta do meu arco. Ao invés de empurrá-lo de volta para mim, ele o puxou em seu colo. Em seguida, ele ajustou o cobertor para que ele cobrisse meu pé e a mão dele. Olhei para ele, meu pulso aumentando. Seu polegar acariciou o lado de baixo do meu pé e arrepios correram pela minha espinha. Mesmo através da minha meia, eu podia sentir seu calor. Eu não me afastei. Deixei-o lá, assim como sua mão ficou onde estava. E eu mal prestei qualquer atenção ao filme na tela.


CAPITULO vinte e sete

A escuridão nem sempre mantém as coisas escondidas. #AVerdadeEncontraALuz #Alpha BuzzFeed

B RAEDEN O som de choramingar macio despertou-me do sono. Ignorei-o em primeiro lugar e me aconcheguei melhor na posição em que eu estava dormindo. Mas ele persistiu, e se transformou em um som que eu não poderia ignorar. Meus olhos se abriram e eu pisquei contra a escuridão. Eu não sabia que hora era, mas eu sabia que tinha que ser madrugada. O quarto estava quase um breu, a única iluminação vinha da luz fraca à esquerda na cozinha. Rim tinha ido para a cama horas atrás, e eu prometi a ela que ficaria. Em parte porque eu bebi algumas cervejas e em parte porque eu não tinha certeza se deixar as duas meninas sozinhas era uma boa ideia. Especialmente depois do que Ivy tinha passado. O som cortou o silêncio de novo, e eu me ergui da cadeira que eu estava dormindo. Eu pensei que talvez fosse do cão, mas não foi. Isso estava vindo de Ivy. Do outro lado da sala, eu podia ver seu corpo tremendo no sofá. Seu cabelo loiro era como um farol na escuridão, e sua cabeça jogava de um


lado para o outro enquanto ela fazia ruídos choramingando como alguém que estava muito assustada. Eu empurrei para fora da cadeira e me movi através do quarto. "Não me toque", ela murmurou. "Por favor, não." Meu sangue gelou. Claramente, ela estava tendo um pesadelo, mas apenas os sons que ela estava fazendo e as palavras que ela estava dizendo fizeram sentir muito reais para mim também. "Ivy", eu sussurrei. "Acorde." Ela se debatia um pouco mais, não me ouvindo. Segurei os braços e falei o nome dela. Ela engasgou e seus olhos se abriram. Eu soube imediatamente que ela não estava totalmente acordada, que ela não me via, mas sentia minhas mãos e ela entrou em pânico. "Não!" Eu a soltei de imediato, mas me ajoelhei ao lado do sofá. "Ivy, é Braeden. Você está sonhando." Seu corpo ficou imóvel. Eu a vi piscar e a consciência deslizar. "Braeden?", ela sussurrou. "Você estava tendo um pesadelo." Seus olhos fecharam apertados e ela estremeceu. "Ei," eu murmurei e estendi a mão para ela mais uma vez. Desta vez, ela não entrou em pânico quando eu toquei em seu braço. "Quer falar sobre isso?" "Não." Ela rolou para longe de mim, enterrando o rosto no travesseiro. Seu corpo ainda estava tremendo. Amaldiçoei e me levantei. Comecei a andar para longe, mas depois parei e voltei. Dentro de um movimento fluido, eu a peguei fora do sofá, cobertor e tudo.


Ivy engasgou quando me deitei sobre as almofadas, levando-a comigo e colocando-a junto ao meu corpo. Ela tremeu um pouco mais, então eu puxei o cobertor até que nos cobriu. Eu pensei que ela poderia protestar ou tentar fugir. Ela não o fez. Ela enrolou o braço em volta da minha cintura e suspirou. Isso era muito mais confortável do que a cadeira que eu estava. "Obrigada", ela sussurrou. "Pelo quê?" "Por tudo que você fez esta noite. Vindo para me pegar. Me ajudando." "Se precisar de mim, eu vou estar lá." Sua mão apertou ao meu lado. Puxei meus dedos pelos cabelos dela. O tremor em seus membros parou e sua respiração cresceu. Eu pensei que ela tinha voltado a dormir quando ela falou. "Eu gostaria que as coisas fossem diferentes entre nós." "Eu quero você, Ivy", confessei. Foi como se as palavras simplesmente não permanecessem mais. Ela levantou a cabeça do meu peito, e no escuro, eu podia ver o branco dos seus olhos apontando diretamente para mim. "Eu quero você, também," ela sussurrou. Eu a levantei, assim ela ficou envolvida em meu peito e tomei seu rosto em minhas mãos. Ela me encontrou no meio do caminho, nossos lábios pressionando juntos. Não foi hesitante no início. Eu sabia exatamente o que eu queria. Beijeia como eu tinha ansiado fazer desde que chegamos naquele avião da Flórida. Era o tipo de beijo que eu sabia que iria levar ao sexo. Ela me seduziu com os lábios, tão completo e flexível. Ela cedeu a mim em todas as


maneiras perfeitas, mas deu tudo de volta, combinando com o meu desejo. Quando sua língua deslizou sobre os dentes, rosnei como um leão e rasguei minha boca longe. Eu beijei o seu pescoço, arrastando meus dentes enquanto eu fui e chupando sua carne macia em minha boca. Ela gemeu baixinho e suas mãos empunharam na minha camisa. Eu soltei seu rosto e deslizei minhas mãos sobre suas costas, empurrando sua camiseta fora do caminho e explorando a pele suave de sua parte inferior das costas com os dedos quando começamos a nos beijar novamente. Minhas mãos acariciaram mais em cima, abaixo do tecido de seu top, e eu percebi que ela não estava vestindo um sutiã. Meus dedos deslizaram para baixo no lado e escovaram contra a lateral de seus seios onde estavam pressionados contra mim. Eu rasguei minha boca fora e puxei sua camisa. Porque nós estávamos rebocados em conjunto, ela não iria sair. Girei minhas pernas sobre o sofá e me sentei, inclinando-me para trás e permitindo-lhe para se sentar de frente para mim no meu colo. Quando eu comecei a puxar a camisa sobre a cabeça, ela me parou. "Rimmel", ela sussurrou, olhando em direção ao quarto. "Nós vamos ter que ficar quietos," eu murmurei. Ela ergueu os braços, e eu varri o top sobre sua cabeça para revelar peitos cremosos, rijos. Seus mamilos já estavam duros quando enchi minhas mãos com eles e sacudi para a frente para tomar um em minha boca. Sua cabeça caiu para trás, e eu a chupei mais fundo. Quando seus quadris balançaram um pouco no meu colo, eu agarrei o quadril com uma mão para encorajar o movimento. Eu esbanjei atenção para os seios até que ela começou a ofegar e suas unhas cavaram na minha camisa. Ivy começou a puxar o tecido, de modo que eu o tirei sobre a minha cabeça e joguei-o ao nosso lado. Ela me empurrou de volta contra o sofá e veio para a frente para puxar um dos meus mamilos em sua boca.


Suspirando, eu enterrei minhas mãos em seu cabelo enquanto ela beijou e lambeu cada polegada do meu peito. Enquanto ela beliscava a parte inferior da minha mandíbula, os dedos habilmente desabotoaram minha calça jeans. Ela se afastou, a mão acariciando a protuberância em minhas calças abertas. "Eu nunca quis ninguém do jeito que eu quero você ". "Deus, baby", eu gemi. "Eu também." Ivy escorregou do meu colo e no chão entre as minhas pernas. Ajudei-a a retirar o meu jeans e boxers, e quando eles se foram, ela pegou meu eixo. No segundo em que sua mão envolveu em torno da base, meus músculos do estômago se contraíram. Eu tentei pensar em outra coisa, algo que pudesse me esfriar um pouco para que eu não explodisse naquele momento. Mas eu não podia. Seus lábios enrolaram em torno de mim e deslizaram para baixo, tomando todas as minhas polegadas em profundidade. Meus dedos se enredaram em seu cabelo enquanto ela trabalhou no meu pau. A maneira como ela lambeu e sugou me fez sussurrar uma oração. E seus dentes... A maioria das mulheres teria medo de usar os dentes para correr levemente ao longo do pau pulsante de um homem. No entanto, ela não tinha. Ela os arrastou bem sobre a ponta e ao fundo, fazendo-me estremecer. Quando eu seriamente não aguentava mais, levantei-a e puxei para baixo o pijama que ela usava. Ela olhou por cima do encosto do sofá, preocupando-se se Rimmel ia sair e nos pegar. Eu a puxei para o meu colo. "Sou só eu agora mesmo. Só eu." "Oh, Braeden", ela suspirou. "Tem sido somente você por muito tempo". "Enrole suas pernas em volta de mim, baby", eu sussurrei e me sentei um pouco para que ela pudesse fazer desse jeito.


Nós estávamos ambos completamente nus, seu centro escorregadio, quente, provocando meu pau duro e pronto. Ela se esfregou contra mim, e fiquei maravilhado com o contato nu por um momento antes de pegar para meu jeans e puxar para fora um preservativo. Eu o enfiei rapidamente, em seguida, levantei os quadris para que ela pudesse posicionar-se acima de mim. Ela parecia uma deusa do caralho em cima de mim, suas curvas eram insanas e sua pele era tão suave. Ivy era a perfeição personificada. Eu tinha visto um monte de mulheres nuas, mas nenhuma parecia com ela. Eu encaixei minhas mãos nas curvas de sua cintura e a guiei para baixo em cima de mim. Polegada por deliciosa polegada. Seus dentes afundaram em seu lábio inferior e seus olhos trancaram os meus. Sentei-me para a frente e puxei um mamilo entre os lábios, sugandoo profundamente. Seus dedos cravaram em minhas costas enquanto ela abalou um pouco, levando-me no resto do caminho. Afastei-me, incapaz de respirar de prazer. Olhamos um para o outro, enquanto eu estava enterrado dentro dela. Suas paredes internas me prenderam apertado, como se ela nunca me deixaria ir. Ainda segurando seu olhar, eu alcancei entre nós e encontrei seu clitóris. Ela já estava inchada e exposta. Eu usei alguns dos seus sucos para molhar o meu dedo e depois circulei ao redor seu botão endurecido. Ivy estremeceu. Ela acariciou minha bochecha inesperadamente, e eu virei o rosto para beijar sua palma. Agarrando o cobertor ao nosso lado, eu o coloquei em torno de seus ombros. Eu queria ver tudo dela, cada última polegada, mas desde que não estávamos realmente no privado, eu pensei que era melhor dar-lhe um pouco de modéstia. Ela começou a se mover contra mim, e minha cabeça caiu para trás no sofá. Ela lambeu meu pescoço enquanto ela balançou, fazendo pequenos sons, quase silenciosos, de satisfação enquanto nós fizemos amor. Sim, fizemos amor. Isto não era o sexo. Era muito intenso para isso.


Quando eu pensei que eu poderia cair sobre a borda, eu agarrei seus quadris para impedi-la de balançar. "Ainda não, querida. Ainda não." Sentei-me para beijá-la, o emaranhado de nossas línguasem num quebra-cabeça impossível. Torcendo minha mão em torno de seu cabelo, eu beijei-a até que me senti tonto por falta de oxigênio. Quando finalmente a soltei, ela caiu contra o meu peito, gasta. Mas eu não tinha terminado com ela ainda. Com um braço segurando-a perto, eu empurrei o outro para baixo entre nós novamente. Ela tremeu quando eu encontrei o clitóris, e eu sorri contra seu cabelo. Eu rolei-o entre meu dedo e polegar, provocando-a até ela se mover contra mim sem descanso. Apenas quando eu sabia que ela estava no limite, recuei, agarrei seus quadris, e subi, empurrando tão profundo como eu poderia ir. Sua boca abriu, mas nenhum som saiu. Ivy se abateu sobre mim e me montou até que um orgasmo quebrou sobre nós dois. Seus dentes afundaram em meu ombro quando nós estremecemos, e quando os tremores viraram respirações profundas, seu corpo estava desossado em meus braços. Enrolei-la, segurando-a tão apertado quanto eu ousei. "Eu sempre me sinto tão segura com você", ela sussurrou. Sua voz soava bêbada. Meu estômago se contraiu, mas eu empurrei este sentimento longe. Eu não deixaria que nada viesse entre nós naquele momento. Nem mesmo eu. "Eu sempre vou te proteger, baby. Eu juro." Eu me perguntava o que eu ia ter que fazer para manter essa promessa. Ela fez um som contente que me fez sentir como o homem mais poderoso da Terra. É isso o que o outro lado do apenas sexo parecia? É isso o que era para ter tudo isso... emoção embrulhada com nossos corpos? Bem, maldição.


Não havia como voltar a partir disto. Este era o padrão para o qual tudo, todo mundo mais poderia ser medido. Ela era a única que ninguém mais poderia comparar. Segurei-a por um longo tempo. Até que ela se amontoou para dormir comigo ainda dentro dela. Desde que eu não sabia que horas eram, eu finalmente me fiz levantá-la. Ela fez um som de protesto e tentou me agarrar de volta. Eu ri e deitei no sofá, tomando um momento para puxar sua camisa sobre sua forma nua. Depois que eu limpei, relutantemente eu puxei minha boxer e jeans. Eu adoraria passar uma noite inteira com Ivy em uma cama sem roupa nenhuma. A noite toda. Todos nus. Ela se mexeu e me viu olhando para ela e estendeu a mão. Eu não pude resistir, eu me encaixei no sofá com ela praticamente cobrindo meu corpo. Seus lábios roçaram minha mandíbula e, em seguida, minha bochecha. Meu coração virou. Um pequeno som de coçar e uma mini lamentação vieram do chão. Ivy riu. "Prada". "Inferno, não", eu disse. Aquele rato não vinha aqui em cima. "Ela está acostumada a dormir comigo. " Ela beijou a parte de baixo do meu queixo novamente. Pegando a pequena bola macia, eu a coloquei no sofá, e ela abanou o rabo. Eu disse a ela para ir dormir. Ivy riu quando Prada estatelou-se no centro do meu peito e se deitou. "Rato", eu sussurrei. O rato me lambeu. Ivy riu novamente. "Ela gosta de você." "E você?", perguntei. "Você gosta de mim?"


Ela pensou por longos minutos. "Eu acho que eu ainda não gosto de você." Eu grunhi e espalmei sua bunda. "Eu também." "Podemos ficar assim? Apenas um pouco mais?", ela sussurrou. "Eu não vou a lugar nenhum." Ela se aconchegou mais perto e suspirou. Era quando um homem sabia que ele estava perdido. Eu nunca abraçava. Eu nunca abracei mulheres após o sexo. E eu nunca deixei um cão rato estatelar sua bunda em mim e ir dormir. Mas aqui estava eu, apertado e sufocado por ambas. Estranhamente, eu nunca tinha gostado de nada mais.


CAPITULO vinte e oito

Para aqueles que dizem “as coisas parecerão melhores pela manhã,” você está errado. O sol apenas torna seus problemas mais brilhantes. ...Alpha BuzzFeed

I VY O som de alguém se movendo ao redor na cozinha me acordou. Estiquei um pouco e percebi que não estava sozinha. Eu rachei um olho aberto. Em seguida, o outro. Braeden estava deitado tão perto que ele estava parcialmente embaixo de mim. Sua mandíbula estava sombreada com o restolho de barba e seus longos cílios negros varreram contra suas bochechas enquanto ele dormia. Eu fiz de novo. Eu tive sexo com ele. Mas não era apenas sexo. Era mais, e tinha sido incrível. Deitei lá e olhei para ele, pegando em sua mandíbula, seu pescoço e a sensação dele respirar debaixo de mim. "Você está encarando", ele sussurrou. A voz dele era mais profunda na parte da manhã. "Você vale a pena encarar." Ao ouvir as nossas vozes, Prada pulou do seu lugar esparramando-se em Braeden e começou a dançar ao redor. B grunhiu e levantou-a suavemente para o chão.


Sua mão deslizou sob o cobertor até o lado da minha perna. As pontas dos dedos flertaram com a pele nua da minha bunda, e o desejo bateu em mim duro. Braeden levantou a cabeça e veio para a frente, capturando meus lábios em uma beijo da manhã suave. "Eu gosto de acordar com você", ele murmurou. Rimmel riu da esquina na cozinha, e nós dois endurecemos imediatamente. Como esquecer que não estávamos realmente sozinhos? "Espere, Murphy. Nossa. Você age como se eu nunca o alimentasse", disse ela, o riso ainda em sua voz. "Aimeudeus." Minhas palavras correram juntas. Ele sorriu e beijou minha testa."Relaxe. Ela está na outra sala." "Ela vai nos ver. Ela vai saber.” "Saber o quê?" Ele virou a cabeça, e olhos escuros procuraram os meus. Eu sabia que ele estava pedindo algo mais do que aquilo que eu estava insinuando. Eu não estava pronta para isso ainda. "Ela saberá o que fizemos", eu sussurrei. Seu peito vibrou debaixo de mim com riso silencioso. "Eu tenho que me levantar." Eu rolei sobre ele. Eu teria caído no chão, mas seu braço me pegou. Em vez disso, os meus pés giraram e eu me sentei ao lado dele. "Ivy." Braeden pegou minha mão quando eu tentei mergulhar para as minhas calças. Eu parei e olhei por cima do meu ombro. Ele se levantou em seu cotovelo. "Você é linda."


Eu me deleitei com o elogio inesperado, mas totalmente bem-vindo por um momento antes de me apressar para jogar em minhas calças e correr meus dedos pelo meu cabelo. Eu estava em pé perto do sofá (totalmente vestida, graças a Deus ), quando Rimmel apressou pela porta para o quarto. Ela me viu lá e parou. Se ela parecia surpresa que Braeden estava no sofá onde eu dormi na noite passada, ela não disse nada. "Eu vou levar esta garotinha lá fora no quintal. O café está pronto!" "Você é minha irmã favorita!" Braeden gritou atrás dela. Quando ela fechou a porta, ele cortou seu riso. Eu soltei um suspiro. Braeden apanhou minha mão. "Eu vou falar com ela, ok?" Eu sabia que ele queria dizer a Rimmel. Sentei-me na mesa de café na frente dele. "Eu vou dizer a Missy." "Bom." Eu estava meio que surpresa que ele estava tão indiferente sobre isso. Ele percebeu e riu. "Eu disse a ela que nunca haveria um nós. Eu fui uma espécie de idiota sobre isso". Fiquei de boca aberta. "Por que você faria isto?" "Porque é a verdade." Ele deu de ombros e se sentou. "E porque eu estava em um humor de merda." "Quando? " Eu exigi. Por que ela não tinha me dito nada sobre isso? "A noite no clube. A noite que eu pensei que você foi para casa com Trent." Engoli em seco. "Você realmente disse isso!" Eu sabia. Mas eu não tinha percebido que ele estava lá porque ele pensou que Trent estava também. Ele pegou sua camisa e a puxou. "Você estava com ciúmes", eu sussurrei.


"Eu disse a você que eu não queria que você saísse com ele." "Eu disse a você que eu ia." Ele parou e me prendeu com um olhar escuro, ameaçador. "E depois de ontem à noite?" Eu desviei o olhar. Ele pegou meu queixo e me fez olhar para ele. "O pensamento dele tocando em você me deixa louco, Blondie." Eu estava secretamente emocionada com isso. "E você, Sr. Apenas Diversão?" Eu bati. Ele olhou presunçoso. "Você está com ciúmes?" Cruzei os braços sobre o peito. "Eu não gosto de receber ordens." Eu funguei. Ele mostrou os dentes quando ele riu. "Eu não estive com ninguém desde você." "Você sabe o que dizem..." Eu zombei. "Não, o quê?" "Uma vez que você vai para Ivy13, você nunca volta atrás." Ele jogou a cabeça para trás e riu. Então ele me pegou pela cintura e me jogou no sofá. "Bem, eu realmente não o quero tocando em você." "Nós não estamos juntos", eu disse a ele, toda a brincadeira indo de meu tom. Sua mandíbula apertou e ele rolou de cima de mim antes de se levantar. "Eu sei disso." Eu não deveria ter dito isso. Mas era a verdade. Rimmel enfiou a cabeça para dentro da porta, e Braeden resmungou. "É seguro."

Ivy League, é um grupo de oito universidades privadas de enorme prestígio no Nordeste dos EUA. 13


Prada correu no quarto e latiu para mim. Rindo, eu a peguei. "Vamos pegar um pouco de café," eu disse a ela. Eu dei a Rimmel um olhar tímido no caminho para a cozinha. Ela apenas sorriu. Eu os ouvi falar na outra sala, mas não ouvi o que eles disseram. Olhando para o relógio, notei que eu tinha duas horas antes que tivesse que estar na sala de aula. Braeden andou na cozinha e agarrou o café que eu tinha feito para mim fora da minha mão. Ele tomou um gole e sorriu. "Obrigado, Blondie." Apertei os olhos. "Rim vai me levar para pegar o seu carro. Vou trazê-lo de volta aqui e depois dar uma olhada." "Você se importa se eu usar o chuveiro enquanto você vai?", perguntei a Rim. "Toalhas extras estão no armário", ela respondeu. Alcancei meu café, e Braeden pegou com a sua mão. "Pegue o seu próprio!" Eu olhei para ele, mas ele não se importou. Ele e Rimmel escorregaram em alguns sapatos e saíram. O tempo todo, ele estava brincando com ela sobre dirigir o Hellcat. Quando eles foram embora, eu fiz para mim outra caneca de café e fui para o chuveiro. Fiquei imaginando o que Rimmel diria para mim quando estivéssemos sozinhas. Engraçado, eu não estava preocupada com isso. Ontem à noite tinha sido tão maravilhoso que eu não tinha nada em mim para me arrepender.


CAPITULO vinte e nove

Algumas vezes uma imagem diz a você tudo que você precisa saber... #QueTalAlgumasImagensDaAlphaU ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN "Então, você e Ivy?", disse Rimmel no segundo em que chegamos no Hellcat. Eu estava no banco do motorista, porque eu percebi que eu poderia poupar o Cat de alguma tortura e, pelo menos, conduzir uma maneira de pegar o carro de Ivy. Rim teria de dirigi-lo de volta porque eu não ia deixá-la dirigir um carro que eu precisava me certificar de que não tinha nada de errado. Tomei um gole do café - uma mulher que fazia bom café e era boa na cama? Poderia muito bem ser Natal! - então estendi a caneca para Rim. Recuei o Cat para fora da garagem, consciente de seus punhais olhando para mim através dos óculos o tempo todo. "Não há eu e Ivy," eu finalmente disse. "Sim, aquilo parecia nada nesta manhã. " Ela bufou. Foi o mais detestável som. Tão desagradável que era bonito. "Você não poderia ter visto muito." Eu arranhei a parte de trás da minha cabeça e silenciosamente repeti o sexo que tivemos na noite passada no sofá. Nós ficamos quietos... certo?


"Quando eu levantei esta manhã, eu andei na sala de estar. Vocês dois estavam envoltos em torno de si e Prada estava no meio". Ela suspirou. "Era tão adorável. Eu quase tirei uma foto." "Menina tutora, é melhor não ficar tirando fotos de mim quando eu não estiver olhando." Ela me deu um sorriso malicioso. Eu não tinha certeza que eu gostei. Eu pensei sobre a notificação estranha do Buzz que estava no meu celular quando eu olhei esta manhã. Parecia que o Boss ia começar a estampar fotos em todos os lugares. Eu me senti mal pelos pobres manés que iam estar nelas. "Rimmel", rosnei . "Me diz!", ela exigiu. Virei a esquina e o Corolla de Ivy veio à tona. Eu tive um flashback de como ela parecia estar lá chorando, lágrimas encharcando sua pele. Eu tinha dirigido esta estrada mil vezes na minha vida e nunca percebi o quão ameaçadora poderia parecer à noite. Claro, era dia agora e tudo parecia pacífico e do jeito que sempre foi. Parei o Cat perto do carro de Ivy, eu o inverti, e dei a volta nele - apenas tentando facilitar para minha mana - e , em seguida, desligar o motor. "Seja uma boa menina e coloque seus livros sobre o assento de modo que você possa ver enquanto o grande garoto vai e verifica para fora os dando no carro da Ivy." Rimmel mostrou a língua para mim. Rindo, eu lhe atirei as chaves e saí. Ouvi-a resmungando sobre ser muito baixa para dirigir, sorri para mim mesmo enquanto eu dava a volta no carro de Ivy. A insignificância de Rimmel desapareceu quando eu foquei exclusivamente sobre o carro e o corpo. Eu verifiquei os pneus ao longo do primeiro, principalmente o do passageiro da frente, porque foi onde o veado bateu no carro. O pneu parecia bem, o nível de ar estava estável, e o carro estava no nível sobre o chão. A luz de perigo no mesmo lado estava rachada, teria que ser substituída. Eu poderia mudar isso com apenas uma simples ida a uma loja de auto.


Uma mancha escura de sangue seco estava na parte quebrada. Eu fiz uma nota mental para limpar antes que eu desse as chaves de volta a Ivy. Havia também um dente na frente do painel. Eu provavelmente poderia tirar aquilo fora também com as ferramentas adequadas. Não parecia haver nenhum arranhão ou dano na pintura. Seu para brisa não estava rachado e tudo o mais parecia estar bem. Era bem o que eu esperava, mas mesmo assim, eu entrei, dei partida, e o ouvi correr. Todos os medidores pareciam bons, o motor parecia estar correndo forte. Ela estava quase sem gasolina, e eu não gostava disso. E se ela parasse em algum lugar? E se ela encalhasse? Quer dizer, sério, ela precisava ser mais responsável. Eu ia ter que encher o tanque antes de trazê-lo de volta. Era a única coisa responsável a fazer. Deixei-o correr e corri até o Hellcat onde Rimmel estava sentada no banco do condutor. "Aww, você não está uma fofura nestes livros, " Eu brinquei com ela. "Ha-ha." "Você está bem para ir? Você pode levar de volta para a casa de Rome, certo? Eu vou só dirigir alguns quilômetros antes de levar de volta, me certificar de que está bom." Rimmel inclinou a cabeça. "Ela atropelou um veado,certo?" "Tecnicamente, ele bateu nela." "Então, eu estou pensando que o pior é um amassado. Por que seu carro não estaria correndo bem? " "Eu estou apenas me certificando. Vocês dirigem muito por aí nessa coisa". Ela sorriu um sorriso que eu não gostei. Eu comecei a balançar a minha cabeça. Ela assentiu com a cabeça. "Você gosta dela", ela cantou. "Você está preocupado com sua segurança."


Eu olhei para ela e cruzei meus braços. "Terminou?" "Você está brincando?", ela rachou . "Eu poderia passar meses nisso". "Rimmel," Rosnei , uma grande nota de aviso no meu tom. Ela não parecia muito ameaçada. Ela suspirou. "Eu estou feliz. Meu BBFL e minha melhor amiga, juntos? Está perfeito." "Nós não estamos juntos", eu disse, através dos dentes cerrados. "Isto não é um conto de fadas ou alguma novela na TV " . "Por causa de Missy", ela supôs. "E por minha causa." Demorou alguns minutos para ela para conectar os pontos. Quando ela fez, ela saltou do carro. "É por isso que você nunca namora com as meninas? Você tem medo - " Eu a cortei. "Você não tem aula?" Ela estreitou os olhos. "Eu estou preparada para faltar." Você sabe que é sério quando a Senhorita Estudiosa em pessoa está disposta a faltar à aula. "Olha." Eu esfreguei uma mão sobre meu rosto. "A noite passada foi..." realmente quente pra caralho, minha mente forneceu, mas esta era a minha irmã. Eu não ia falar sobre minha vida sexual com ela. "Foi." Rimmel me colocou para fora da minha miséria. "Eu entendo. Vocês ainda estão trabalhando nisso." Eu balancei a cabeça, porque eu não queria falar mais. "Posso apenas dizer uma coisa?" "Você vai dizer mesmo assim, mesmo se eu disser não," eu apontei.


Ela encolheu os ombros, porque ela sabia que era verdade. "Mesmo antes que eu visse vocês, esta manhã, eu sabia que algo estava acontecendo. Eu vi a maneira como ela olha para você. Eu sei que você tenta esconder isso, mas eu vi a maneira como você olha para ela". "Rim" "Eu te ajudo." "O quê?" Eu não sei por que, mas isso me surpreendeu. Primeiro Rome e agora Rim. Eu pensei que todo mundo seria contra Ivy e eu. Não só por causa de Missy, mas porque todos eles sabiam que eu só iria estragar tudo e magoá-la. Então, o nosso pequeno grupo iria se separar. "Vocês dois já passaram por algumas coisas. Algumas mais recente do que outras. Mas eu acho que vocês dois podem entender um ao outro, talvez mesmo equilibrar um ao outro". Tudo o que eu ouvi foi que nós dois passamos por algumas coisas. "Que coisas?" "O que?" "Que coisas Ivy passou?" Eu exigi. Eu queria saber. Por trás de seus óculos, os olhos de Rimmel arregalaram um pouco. "Alguns mais recente do que outros. Nós dois sabemos que a minha merda já faz tempo. Então isso significa que ela passou por isso recentemente. Que porra eu não sei?" "Não é realmente o meu segredo para dizer." Eu ri, mas foi um som duro, ensurdecedor. "Você está de brincadeira? Você não pode dizer isso e então me dizer para não me importar. Pode também me dar um milhão de dólares e me dizer para não gastar." "Você pode colocar na fila? Deixar para mais tarde?", ela ofereceu humildemente. Eu dei-lhe um olhar e estiquei minha mandíbula.


Ela começou a torcer as mãos e a se inquietar. Eu cedi. "Ei," eu disse rispidamente, "eu não vou machucar você." "Eu sei." Ela sorriu fracamente. "Mas eu não gosto quando você fica com raiva de mim." "Eu nunca fiquei com raiva de você antes. " "Bem, eu não gosto disso." Eu gemi. "Como diabos Romeo continua com você?" "Eu não vou contar o segredo de outra pessoa," ela manteve. Então, era um segredo? Deve ser ruim se Ivy não quer que ninguém saiba. "Tudo bem, menina tutora." Fiz um gesto para ela entrar no carro, e ela entrou rapidamente. Ela provavelmente queria ficar longe de mim. Eu fechei a porta e inclinei-me na janela aberta. "Você sabe que eu te amo, certo?" Ela sorriu. "Eu sei." "Eu não estou bravo com você." "Eu sei." "Não rasgue a transmissão fora, ok?" Ela bufou. "Este carro gosta de mim." Dei um passo para trás e observei-a se afastar. O pobre Cat estava praticamente chorando enquanto ele caía na estrada. Subi de volta no carro de Ivy e ajustei o assento. Maldição, ela era baixa. Eu precisava de algum espaço para minhas pernas. Eu dirigi o carro para o posto de gasolina mais próximo e corri para dentro para colocar um pouco de dinheiro na bomba. Enquanto o tanque estava enchendo, eu me perguntei sobre o que Rimmel disse.


O segredo de Ivy. Que diabos ela estava escondendo?


CAPITULO trinta

Uma imagem vale mais do que mil palavras. Esta só vale uma: vagabunda. Veja a imagem. ...Alpha BuzzFeed

I VY O dia se arrastava. Provavelmente por causa do que eu tinha planejado uma vez que as aulas acabassem para o dia. Isso era algo que eu temia, algo que eu tentei dizer a mim mesma de hora em hora. Você pensaria que eu gostaria da forma como o dia parecia durar para sempre. Mas eu não gostava. Eu queria acabar com isso. Eu queria saber onde os pedaços de minha amizade com Missy iriam ficar. Eu ia contar a ela sobre Braeden e eu. Que eu de alguma forma desenvolvi sentimentos por ele. Eu ia deixar de fora as férias de primavera... E, provavelmente, o que aconteceu ontem à noite. Eu não queria machucá-la. Também preparei para dizer a ela – prometer – que eu não o namoraria. Eu não iria representar sobre a maneira que eu senti. Ok, sim, eu acho que era uma espécie de mentira.


Mas a forma como o meu estômago revirou todo o dia, eu sabia que olhando-a no rosto e dizendo-lhe que eu dormi com ele seria simplesmente muito difícil. Eu não estava preparada para o olhar de traição no seu rosto. Eu não estava preparada para magoá-la dessa forma. Ainda assim, eu seria tão honesta esperançosamente, ela não iria me odiar.

como

eu

poderia,

e,

Eu não tinha ideia se o que eu estava fazendo era a coisa certa, a melhor coisa. No entanto, neste momento, era a única coisa que parecia certa, e eu tinha que respeitar a maneira que eu me senti. No entanto, se Missy me pedisse para não namorar com ele, eu não o faria. Companheiras antes dos garanhões. É a maneira que ia ser. Quando a minha última aula finalmente soltou, eu saí para a luz do sol e tirei meu telefone para mandar mensagem para ela. ONDE VC TÁ? PRECISO FALAR. Ela respondeu segundos depois. INDO PRO DORMITÓRIO ME PREPARAR PARA O ENSAIO DA PEÇA OK. EU ESTAREI LÁ DAQUI A POUCO :) Minha última aula era do outro lado do campus do dormitório. Normalmente, eu andava para fazer exercício, mas hoje eu tinha dirigido. Eu não me incomodei de mentir para mim mesma sobre o porquê. É porque Braeden dirigiu meu carro esta manhã. Ele sentou-se onde eu estava sentada agora. Sim. Eu sei. Eu era uma fraca total. Quando eu liguei o motor, olhei para a agulha de combustível imediatamente e a vi subir todo o caminho até a linha completa. Ele


totalmente colocou gasolina no meu carro. Quando ele trouxe de volta para a casa de Romeo, ele me jogou as chaves e disse que estava bom para ir. Em seguida, ele prometeu ir buscar a nova tampa da luz que eu precisava para que ele pudesse consertá-lo este fim de semana. Antes de sair, ele me deu um olhar duro e me disse... Não, ele me ordenou que prestasse mais atenção para os níveis de gasolina e não deixasse ficar tão baixo. Eu disse que ele era estúpido. Eu não sabia que ele o encheu até que eu entrei e dei partida. A maioria das meninas recebem flores, doces e joias. Eu recebo gasolina. Mas caramba, se isso não parecia como a coisa mais romântica que alguém poderia fazer. Missy abriu a porta quase no segundo depois que eu bati e me acenou para dentro. Olhei em volta do quarto do dormitório normal que eu tinha visto mil vezes. "Onde está a colega de quarto? ", perguntei. A sua companheira de quarto, Janelle, manteve seu lado do quarto limpo e arrumado. A cama estava coberta com uma colcha branca com flores multicoloridas sobre a colcha. Sua estante e mini mesa perto da sua cabeceira eram organizadas e todo os livros foram alinhados por tamanho. Sua bolsa rosa cheia de cachoeiras estava em seu próprio pequeno espaço, e nem mesmo uma camisa estava jogada em volta da cama. "Ainda na aula", Missy respondeu. "Ei, você se importaria de trançar meu cabelo para trás? Eu quero mantê-lo fora do meu caminho hoje à noite no ensaio." "Claro!", eu respondi e me sentei em sua cama. Estava arrumada, mas não tão meticulosamente como a de Janelle. Missy usava um cachecol cinza com bolinas brancas e folhas amarelas. Ela tinha uma tonelada de travesseiros brancos peludos e travesseiros cinza e alguns amarelos e brancos de padrão Chevron. Sua mesa e estante eram desordenadas com documentos e imagens. No centro estava seu MacBook


fechado que também era cinza com uma maçã amarela no centro. As paredes do seu lado do quarto tinham cartazes de filmes e cartazes de teatros a partir de peças que ela assistiu, todos pregados. E, claro, havia roupas jogadas por aí. Toda menina que ama verdadeiramente estilo tinha roupas jogadas por aí. Isso facilitava para montar os looks. Uma escova apareceu diante de mim e então eu peguei alguns elásticos de cabelo. Eu os coloquei ao meu lado e fiz sinal para Missy sentar-se no chão. Ela estava usando um par de calças soltas, largas nas pernas com um design Paisley azul e branco toda sobre elas. Perto da bainha, o projeto alterado para algo mais grosso, criando mais interesse em torno de seus tornozelos. Eu amava calças como aquelas. Eu olhava para elas o tempo todo na internet, mas eu não tenho nenhuma. Eu não era alta o suficiente ou magra o suficiente para usá-las. De fato, quando eu experimentei uma, eu parecia uma palhaça. Desde que eu não tinha planos de me juntar ao circo, eu as coloquei de volta. Seu top branco simples foi dobrado, e ela complementou com um relógio branco grande, brincos azuis, e uma corrente de prata longa com um pingente de vidro verde-limão no final. "Então, como está indo o ensaio?" Perguntei enquanto escovava seu cabelo sedoso, escuro. "Muito bom. Eu acho que a peça vai ser incrível." "Claro que vai, porque você está nela." Eu separei seu cabelo em três mechas grossas para começar a trança. "Eu já comprei o meu bilhete para a noite de abertura." "Você é uma boa amiga", ela disse, e eu senti como se engolisse um monte de formigas de fogo. Enquanto eu trançava eu adicionei mais cabelo para cada seção, tecendo os fios juntos para criar uma trança apertada, arrumada. "Então o que você quer falar?", ela perguntou quando eu não disse nada. "Hum," Eu cobri.


"Está tudo bem?" Ela pressionou . "Eu realmente não tenho certeza", eu admiti. "Estou na verdade realmente preocupada que você vai ficar chateada comigo." Ela engasgou e tentou virar, mas eu segurei a cabeça com força para impedi-la. "Quase pronto:" Eu murmurei quando eu trancei o comprimento para baixo nas suas costas. Quando terminei, eu garanti o fim com um laço de cabelo e, em seguida, fiz com que eu tivesse todo o cabelo trançado de volta. "Ok." Eu bati no seu ombro quando eu terminei. "Obrigada." Ela virou-se no lugar, ainda sentada para que ela pudesse me encarar. "Por que será que você acha que eu ficaria brava com você?" "Porque eu violei o código das garotas." Seu telefone vibrou em sua mesa. Meu telefone vibrou na minha bolsa. "Tenho certeza de que o que quer que seja, não é tão ruim quanto você pensa." Missy inclinou-se e agarrou seu celular para puxá-lo para baixo em seu colo. Basta deixar escapar! Eu disse a mim mesma. "Missy, eu tenho sentimentos por B-" Ela engasgou antes que eu pudesse sequer deixar a frase sair. Eu estremeci, porque se ela estava assim com raiva antes que eu dissesse isso, eu apenas poderia imaginar… Espere. Ela não estava olhando para mim. Ela agiu como se ela não estava ouvindo. Seus olhos estavam abatidos quando ela olhou para seu telefone. Percebi o controle apertado que ela tinha em torno dele. "O que é isso?", perguntei. Lentamente, seus olhos se levantaram para mim. "A notificação."


Eu gemi. "De quem o BuzzBoss está fofocando agora?" Eu cavei o meu telefone fora da minha bolsa e iluminei a tela. Eu li as palavras e estremeci. "Bem, isso é irritante", eu murmurei quando eu bati o ícone de ver imagem. Meu sangue gelou. Como se a minha temperatura corporal caísse de todo o gelo em minhas veias. Sentei-me ali congelada, tão além de horrorizada que meu corpo ficou dormente. Mas meus olhos ainda funcionavam. Foi a única vez na minha vida em que eu desejaria ser cega. Memórias, sonhos, pesadelos me assaltaram. Foi como encontrar uma peça que faltava num quebra-cabeça ou cenas excluídas de um filme de terror. "Ivy " Missy engasgou. Pisquei, esperando que a foto não estivesse lá quando eu olhasse novamente. Estava. Lá estava eu, enchendo a tela do celular. E eu não estava sozinha. Zach estava comigo. Nós dois estávamos nus, o peito nu e na cama. Eu não me lembrava disso. E agora eu estava feliz que nunca lembrei. Seu cabelo escuro, excessivamente cheio de estilo, ainda parecia perfeito, como se talvez ele o tivesse arrumado para a foto. Ele estava vestindo um sorriso de satisfação, como se ele estivesse completamente satisfeito. Eu não estava tão pronta para a câmera. Eu parecia quase desmaiada. Mas meus olhos estavam abertos, então eu devia estar acordada. Eu estava olhando para a câmera, quase sem


expressão. Meu cabelo estava uma bagunça, como se tivéssemos rolado na cama durante horas. Quem sabe? Talvez tivéssemos. Minha maquiagem estava manchada e... Fechei meus olhos. Eu não conseguia mais olhar para isso. Ele tirou uma foto. Uma selfie. Como eu poderia não ter sabido sobre isso? E como o BuzzBoss conseguiu isso? "Você dormiu com Zach?", perguntou Missy, levantando-se do chão. "Oh meu Deus," eu gemi , envolvendo o meu braço em torno do meu estômago. Eu senti como se eu poderia vomitar. "Quando foi isso?" Missy pressionou. "Um tempo atrás. É como ele conseguiu o acesso ao laptop de Rimmel." Missy engasgou. "Será que Rimmel sabe?" "Sim. Ela não me culpa. " "É claro que não." Missy envolveu o braço em volta do meu ombro. Olhei para baixo para o chão, tentando fazer entender o que eu acabei de ver. "É sobre isso que você precisava falar? Eu não posso imaginar carregar um segredo tão grande por tanto tempo". "Isso foi um erro. Eu estava tão bêbada." "Eu sinto muito. Eu deveria ter sido uma melhor amiga naquela noite." Missy me abraçou. "Isso não é culpa de ninguém, senão minha." "E o BuzzBoss", acrescentou Missy. "Eu não acredito que ele postou isso! O reitor vai ficar insano."


Oh Deus. Praticamente todo o campus veria isso. Todos saberiam. Eu pulei para cima, o pânico surgindo através de meu corpo. A coisa toda com Zach tinha sido uma enorme fofoca em torno do campus. Todos seguiram a história porque ele foi implacável torturando Romeo e Rimmel. Todos estavam tão aliviados quando ele foi mandado embora. Mas, obviamente, ele não foi longe o suficiente. Porque ele ainda estava causando estragos. Desta vez foi em mim. Braeden ia ver isso. Ele iria saber. "Eu tenho que ir", eu disse, frenética. "Onde você vai? Quer que eu vá com você? Eu vou faltar o ensaio." Eu balancei minha cabeça. "Não. eu preciso ficar sozinha." Corri para a porta, o telefone ainda preso na minha mão. Eu estava à beira da histeria. Todo mundo no campus ia me ver seminua na cama com Zach. No entanto, eu não estava preocupada com todos. Eu estava principalmente preocupada com um.


CAPITULO trinta e UM É tudo sobre a #Selfie ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN O campus estava agitado com alguma coisa. Onde quer que eu olhasse, as pessoas estavam segurando seus telefones, apontando para as telas, e rindo. Mas foram as vaias que me deixaram realmente curioso. Peguei meu telefone para ver se eu conseguia descobrir o que todo mundo estava olhando bem na hora que vibrou na minha mão. Eu olhei para baixo para ver um texto de Romeo preencher a tela. POR FAVOR, ME DIGA QUE VOCÊ NÃO VIU ISSO A parte de trás do meu pescoço se arrepiou um pouco. Choques de aviso dispararam pela minha espinha. VER O QUE? B, SIGA MEU NOTIFICAÇÕES.

CONSELHO.

NÃO

OLHE

PARA

AGITE UMA BANDEIRA VERMELHA PORQUE NÂO? Eu digitei de volta

AS

SUAS


Quero dizer, sério, você não pode dizer a um cara para não olhar para algo e esperar que ele ouça. ESTOU FALANDO SÉRIO. OLHA, EU ESTOU VOLTANDO. ESTAREI AÍ EM POUCAS HORAS. SÓ... AGUENTA AS PONTAS Agora aquilo me preocupou. Por que ele parecia tão preocupado que eu estava aqui e ele não estava? Você sabe o que eu tinha que fazer. Saí das mensagens e puxei a última notificação. Eeeeeee era por isso que Rome estava pirando. Ivy estava nua. Ivy estava na cama. Ivy estava com a forma de vida mais baixa do caralho neste planeta. Ela porra transou com ele. Eu percebi seu cabelo bagunçado, a sua maquiagem manchada, e aquele sorriso de comedor de merda na cara de Zach. Era quase como se ele estivesse me provocando. Somente eu. A raiva me consumiu tão completamente que eu perdi alguns minutos. Quando a realidade desabou para trás, eu estava parado no estacionamento perto do meu caminhão com um peito arfante. Olhei para baixo e vi sangue. Minhas juntas estavam rasgadas e em carne viva. Eu não tinha ideia de como elas ficaram assim. E onde diabos estava o meu celular? Olhei em volta, observando que as pessoas estavam me olhando de uma distância segura e um alarme do carro estava soando não muito longe. A janela estava quebrada. Olhei para minha mão. Havia vidro nela.


Bem, aquilo explicava isso. E meu celular? Encontrava-se aos meus pés, quebrado em um milhão de pedaços inutilizáveis. Alguém estava correndo por mim, tentando passar despercebido, mas não teve êxito. Eu o agarrei pela bolsa de livros e o arrastei para perto. Ele murmurou algo patético, mas eu não o ouvi. Minha cabeça estava cheia de barulho ensurdecedor. "Você sabe quem eu sou? " Rosnei. O garoto balançou a cabeça. "Bom. Diga ao proprietário do carro para me mandar a conta." Ele olhou para mim com medo em seus olhos. "Você me escuta?" "S - sim". Eu o empurrei para longe, e ele saiu correndo. Deixei o meu celular jogado na calçada e entrei no meu caminhão. Não me lembro do trajeto para os dormitórios. Eu sabia que não deveria estar dirigindo de jeito nenhum, mas porra, eu não deveria estar fazendo um monte de coisas. Como socar janelas, quebrar telefones de quinhentos dólares... E eu definitivamente não deveria estar perturbando no dormitório feminino. Quando eu persegui até a porta, uma das meninas que vivia lá deu uma olhada para mim, apressou-se para abrir a porta, e se encolheu até que eu entrei. Eu subi as escadas três de cada vez e pousei na frente da porta de Ivy. Eu bati nela, nem mesmo sentindo a dor na minha mão cheia de vidros. "Abra essa porta!" Eu gritei.


Pessoas nos quartos nas proximidades abriram suas portas para olhar. "Que Deus me ajude, eu vou chutar!" A porta se abriu, mas ninguém estava na soleira da porta. Eu entrei e a bati atrás de mim. Ivy estava pressionada contra a parede para que ela estivesse atrás da porta quando ela abrisse. Apenas olhar para ela me fez querer bater em alguma coisa novamente. "Onde está o rato?" "Na casa de Romeo, ainda." Sua voz estava rouca e baixa. Eu mal notei. Eu mal notei nada. Tudo o que eu podia ver era seu corpo nu na cama com Zach. "Aí foi onde aconteceu?" Eu cuspi e apontei para a cama. "Você trouxe ele de novo e o deixou tocar você" "Braeden, pare." Sua voz tremia. Eu sacudi para a frente e bati tanto as mãos contra a parede em ambos os lados de sua cabeça. "Você estava nua. Com ele." Ela começou a chorar. Seu queixo mergulhou no peito e escondeu o rosto da vista. O seu corpo tremia e tremia enquanto tentava manter os sons de soluços dentro. Mas eu podia ouvir. "Como você pôde fazer isso?" Eu exigi. "Como você pôde deixar aquela escória entrar em seu corpo?" Ela abaixou-se sob meu braço e correu para longe de mim. Ainda que suas costas estivessem viradas, eu a vi limpando furiosamente seu rosto, tentando fazer com que as lágrimas parassem. Eu respirei fundo, tentando me acalmar, mas eu simplesmente não conseguia.


"Diga alguma coisa! " Eu exigi. Ela se virou. Notei pela primeira vez quão terrível ela parecia. Pálida, a pele manchada, olhos vermelhos, inchados e lábios vermelhos de mastigar. "O que você quer que eu diga, Braeden?" , gritou. " Você quer que eu negue isto? Eu não posso". Correu uma lágrima do rosto. "Todo mundo pode ver que isso aconteceu." Sua voz tremia. "Ninguém deveria saber." Eu esfreguei a mão no meu rosto. "O que Rimmel deve estar pensando?" "Ela sabe." Olhei para cima. "O que?" "Romeo também." Chegou a raiva novamente. Andei pelo quarto, rasgando em círculos. Romeo sabia. Ele sabia sobre Ivy e Zach. Ele sabia sobre Ivy e eu, mas ele ainda não disse nada. Eu me senti traído em todas as frentes. Família. Amigos. A menina que eu "Foda-se!" Eu gritei. "O que aconteceu com sua mão?" "Eu soquei um carro", rosnei. "Você é um idiota." Ela começou a remexer em torno de sua mesa para alguma coisa. "Você é uma vagabunda."


Ela empurrou como se eu a tivesse esbofeteado. Seu corpo inteiro trancou e ela se virou duramente. Ela tinha um kit de primeiros socorros na mão. Ele caiu no chão com um baque suave. "Saia," ela resmungou. "Ivy," eu comecei e dei um passo para a frente. Ela deu um passo para trás. "Saia agora ou eu juro por Deus que eu vou começar a gritar assassino sangrento". Eu saí para o corredor, chocado que ele estava vazio e silencioso como um túmulo. As cadelas provavelmente estavam todas de pé ao redor com suas orelhas pressionadas para as suas portas. Bati a porta de Ivy tão duro que a porta para o quarto ao lado do dela sacudiu. Quando eu comecei a sair, a dor na minha mão começou finalmente a afundar-se. Um som baixo me parou no meu caminho. Ela estava chorando novamente. Soluços profundos, torcidos, abafados pelas paredes. Eu coloquei minha mão na porta, de repente sentindo-me como o maior burro do mundo. A confusão sangrenta que eram meus dedos pegou minha atenção. Serviu como um lembrete. De porque exatamente eu não deveria estar aqui. Do exatamente por isso que eu nunca deveria ter me envolvido com Ivy de jeito nenhum. Eu fui embora e não olhei para trás.


CAPITULO trinta e dois

#TodoMundoQuerSaber Quão baixos seus padrões devem ser para dormir com o louco do campus? #EsperoQueElaTenhaSidoTestada ...Alpha BuzzFeed

I VY As pessoas olharam. Elas sussurraram. Elas riram. Eu pensei que esta coisa só acontecia no colegial. Nos filmes ou nos livros. Eu estava velha demais para esse tipo de coisa, não estava? Não estávamos todos nós? No entanto, aqui estava eu no centro de uma terrível campanha de ódio, um escândalo na Alpha U que ninguém poderia conseguir o suficiente. Eu estava envergonhada. Eu estava constrangida. Eu queria me esconder no meu quarto. Mas principalmente... principalmente eu estava puta da vida.


Como se atreve alguém a me julgar? Como se atreve alguém tirar uma foto nua de mim e colocá-la para o mundo ver. Era fácil julgar os outros quando os seus próprios esqueletos permaneceram trancados com segurança Eu não tinha ideia de como a imagem chegou ao BuzzBoss, mas acho que isso não importa. O estrago estava feito. Eu era a pária do campus. Eu era uma vagabunda. Oh, e eu provavelmente tinha alguma DST violenta. E você ouviu (surpresa!)? Eu engravidei, em seguida, tive um aborto espontâneo horrível quando Zach descobriu e me empurrou de uma escada. Não importa o quão seriamente eu quisesse me esconder em meu dormitório ou na casa de Romeo – longe do campus, completamente -, eu não fiz. Eu ainda fui a cada aula. Peguei comida na praça de alimentação, mas tive que voltar para o meu quarto. Eu ainda fui para a academia, e eu mantive a minha cabeça erguida. Na maioria das vezes, eu senti como se a única coisa que me segurou junta foi pura vontade e um bocadinho de não querer deixar os inimigos ganharem. Na maioria das noites, eu chorei até dormir. Quando eu conseguia dormir, eu sonhava com Zach, essa imagem horrível, e o que tínhamos feito. Rimmel estava comigo cem por cento. As pessoas se perguntavam como ela poderia estar. Quer dizer, tecnicamente, eu era a razão pela qual ela quase foi expulsa da escola. E embora Rimmel poderia ser identificada como uma #nerd, ela era popular. Ela era a escolha do número vinte e quatro. Ela sofreu incrivelmente na mão de Zach. Ela e Romeo, ambos. Você acha que as pessoas iriam ver que ela ainda era minha amiga, que ela estava do meu lado, e isso iria fazê-los parar e pensar, ei, talvez houvesse mais da história do que nós sabemos. Talvez se Rimmel e Romeo pudessem perdoá-la, não é assim grande coisa. Mas Rimmel era muito legal, e Romeo não tinha realmente saído e dito que ele me apoiava. Seria um longo caminho se ele me apoiasse, mas eu não iria pedir. Eu não merecia isto. Eu fiz uma escolha, e agora eu estava vivendo com isso.


Odiando DST e tudo. (Nota: Eu realmente não tenho uma DST, eu tenho feito testes depois de ter acontecido. Estou limpa e saudável.) Na verdade, eu não tinha visto Romeo de jeito nenhum desde que a imagem se tornou viral. Eu sabia que ele estava de volta. Na verdade, ele voltou um pouco mais cedo. Prada ainda estava em sua casa com Rimmel. Nós pensamos que desde que eu estava sendo tão examinada e observada no campus, seria melhor se Prada não estivesse aqui. O dormitório poderia ser inspecionado de surpresa a qualquer momento. Eu sentia a falta dela. Eu disse a mim mesma que era melhor assim, porque eu não ia ser capaz de mantê-la de qualquer maneira. Talvez fosse melhor se eu a deixasse ir agora, em vez de ficar cada vez mais apegada. Na verdade, eu estava começando a pensar que talvez fosse hora de seguir em frente da Alpha U inteiramente. As finais estavam quase aqui, o semestre quase terminado. As férias de verão estavam chegando, e eu poderia ir para casa, me inscrever em uma faculdade na Carolina do Norte, e começar de novo. Sem Alpha Buzzfeed, sem reputação de menina festeira, sem Zach. Sem Braeden. Eu não tinha idéia de como ele estava. Eu não o vi. Ele não ligou. Eu não perguntei a Rimmel sobre ele. A maneira como ele olhou para mim como se eu fosse assim, tão decepcionante... Isso doeu pior do que ele me chamando de vagabunda . Graças a Deus que era o fim de semana. Desde que eu não tinha aula, eu poderia me esconder por alguns dias. Talvez até segunda-feira, esta coisa toda acabaria. Bufei (Aprendi com Rimmel).Tudo bem, certo. Isso iria explodir quando dinheiro crescesse em árvores.


Me atirei na minha cama e olhei para a parede. Uma batida soou na porta. No começo eu pensei que era apenas para as meninas ao lado, mas, em seguida, a pessoa bateu mais uma vez. Até agora, todos tinham me deixado sozinha quando eu estava no meu quarto. Eu esperava que isso não estivesse prestes a mudar agora. Abri a porta com cautela, como se no outro lado houvesse alguns zumbis comedores de cérebro. Quando eu vi quem era, minha boca caiu aberta. "Ei," disse Romeo, mudando a bolsa em seu ombro. "Ei." O canto da sua boca chutou para cima. "Você vai me deixar entrar?" "Rimmel não está aqui." "Eu sei. Estou aqui para te ver." Abri a porta e fiz sinal para ele entrar. Antes de fechar a porta, percebi várias meninas prestando atenção, curiosas. Por despeito, eu acenei e, em seguida, fechei a porta. Romeo colocou sua bolsa na cama de Rimmel, e quando ele se virou, ele estava segurando Prada. Corri para a frente e peguei-a. Ela mexeu e abanou o rabo alegremente, salpicando meu rosto de beijos. Falei com ela em uma voz de bebê por um tempo, até que eu percebi Romeo estava me observando em diversão. Eu coloquei Prada no chão e ela se apressou ao meu chinelo, o que ela gostava de atacar, e começou a atacá-lo. "Obrigada por trazê-la para me ver," eu disse, desajeitada. "Você sabe que pode vir a minha casa e vê-la."


"Eu não tinha certeza..." Minha voz caiu fora. "Que você ainda era bem-vinda?", perguntou ele, levantando uma sobrancelha. "Bem, sim." "Você é." Eu balancei a cabeça e me sentei na beira da minha cama. "Obrigada." "Eu só vou direto ao assunto aqui, Ivy. Ficar fazendo rodeios não é meu estilo, e pela sua aparência, não é seu estilo também." "Puxa, obrigada", eu murmurei. "Você melhorou." Ele deu de ombros como se não fosse grande coisa. Prada veio e sentou-se aos meus pés, olhando-me com expectativa. Eu a levantei para o meu colo. "Eu sei que as coisas com a gente meio que começaram estranhas", ele começou. "Você estava desconfiado de mim. Você pensou que eu estava usando Rimmel." Ele me olhou nos olhos. "Sim. Eu pensei. Mas eu estava errado." Engoli em seco. "Um homem que realmente admite quando ele está errado? É hoje o apocalipse?" Ele riu e mostrou seus dentes perfeitamente brancos. "Você tem sido uma boa amiga para Rimmel, e eu aprecio isso. Mas, para além disso, tenho notado que você mudou. Tipo que você decidiu que não queria mais ser quem você era." "Não, esta é quem eu sou," eu disse, em seguida, fiz uma careta. "Bem, não esta bem aqui." Fiz um gesto para mim mesma. "Eu posso parecer melhor." Ele riu.


"Por dentro, eu sempre fui uma garota. Mas eu estava posando como alguém diferente. Alguém de quem eu não estava orgulhosa, e não quero ser." "Eu entendo", disse Romeo. "Eu posso entender como as pessoas são definidas por aparências. Como elas são pegas em sua imagem e isso fica fora da mão. Eu estive lá. Rimmel é aquela que meio que me puxou de volta a partir daí. Ela me mostrou que há coisas mais importantes na vida do que ser o que todo mundo quer que você seja. Que todo mundo pensa que você é." Eu balancei a cabeça. "Eu respeito você, Ivy, e eu gosto de você. Não apenas por causa de Rimmel, mas porque eu comecei a conhecer você." Lágrimas picaram as costas dos meus olhos e eu as pisquei de volta, com foco em Prada acariciando a sua pele. "Obrigada por me dizer isto." "Você tem meu apoio. Qualquer que lhe der problemas, você me chama. Eu vou cuidar disto." Eu sorri melancolicamente. "Você vai bater em todos os que me chamarem de vagabunda? " Seus brilhantes olhos azuis estreitaram. "Se precisar." "Mesmo seu melhor amigo? " "Braeden é esquentado, Ivy. Ele diz merda às vezes que ele não quer dizer." "Oh, eu acho que ele quis dizer isso." "Você está errada." Sua voz era tão certa de que ele me deu esperança. "O fato de que você o tem tão fora de controle diz muito sobre a forma como ele sente sobre você. Não estou dizendo que é certo, porque não é. Mas isso é só B."


Eu não podia deixar de perguntar. Eu tinha que saber. A imagem da mão sangrenta ainda me incomodava. Eu queria limpá-lo, fazer curativo, mas quando ele disse aquela palavra, quando ele basicamente concordou com o BuzzBoss, eu não podia. "Como ele está? " Eu sussurrei. "Assim como você, ele parece melhor." Eu balancei a cabeça e me levantei, embalando Prada. "Obrigada por ter vindo." "Por que você não vem para a minha casa, sai com a gente hoje à noite?" "Ah, não-" "Pegue suas coisas", disse ele, falando sobre mim então eu não tive escolha. " Você pode levantar-se às três horas e colocar esse cachorro para fazer xixi. "Ele esfregou uma mão sobre o rosto. "Minha vida é invadida por animais e mulheres", ele murmurou. Eu ri. Ele era um bom rapaz. Muito melhor do que a maioria das pessoas percebeu. Eu nunca percebi isso, mas ele e eu tínhamos mais em comum do que eu jamais teria imaginado. "Eu acho que ele precisa de você mais do que eu neste momento," eu sussurrei. Ele sabia que eu queria dizer Braeden. "Você deveria falar com ele." "Não." "Sua cabeça está confusa. Eu não posso corrigir isso desta vez. Só você pode". Eu hesitei. "Venha para o amistoso amanhã à noite. Fale com ele. Mostre a ele e a todos que o BuzzBoss é um idiota."


Ir em torno de todas aquelas pessoas era a última coisa que eu queria fazer. Era pedir por boatos e aparência desagradável. "Ele precisa de você, Blondie." Não foi perdido por mim que ele usou o nome que somente Braeden já me chamou. "Vou pensar sobre isso." "Funciona para mim." Ele fez sinal para eu me mexer, então eu fiz. Depois que ele colocou Prada de volta em sua bolsa, saímos para o corredor. As meninas estavam em volta, parecendo que tinham estado penduradas no corredor o tempo todo. Uhhuh. Claro que elas fizeram. Um sussurro ondulou através do grupo, e eu levantei meu queixo. "Senhoras," Romeo disse, soando encantador como sempre, e empurrou a mão pelo cabelo bagunçado loiro. "Vocês todas estão parecendo bem." Elas riram. Eu mentalmente revirei os olhos. Eles deram um mau nome para mulheres em toda parte. "É melhor não chegar muito perto", uma das meninas mais ousadas avisou. " Dizem que ela tem alguns piolhos desagradáveis de Zach". Eu endureci. Romeo passou um braço em volta dos meus ombros e me puxou para o seu lado. "O que é isso, jardim de infância? Eu tenho plena certeza de que eu vi metade de vocês fazer a caminhada da vergonha por todo este campus. Tenho certeza de que se eu tentar ser duro o suficiente, eu poderia encontrar algumas fotos como prova." De repente, a sala ficou desconfortável. "A família de Ivy. Sabe o que isso significa?"


Elas deslocaram ao redor nervosamente. "Isso significa que ela não poderia morder de volta, mas eu vou, e minha mordida é um inferno de muito mais profunda". Romeo tinha essa maneira sobre ele. Esta intimidação tranquila que ele emitia, mesmo sem sequer tentar. É uma das razões pelas quais ele ganhou o título de alfa do campus. Algumas meninas foram para seus quartos e fecharam suas portas. Romeo manteve o braço em volta de mim por todo o caminho até que meu carro veio à vista. Agora eu sabia como Rimmel deve ter sentido, porque todos pararam e olharam. Claro, talvez fosse para mim e não ele. "Eu posso levá-la", ele ofereceu, mas eu balancei minha cabeça. "Obrigada, mas eu vou dirigir eu mesma." No caso de eu precisar sair . Eu andei em torno da lateral para que eu pudesse colocar minhas coisas no banco do passageiro. Notei imediatamente e me mantive enraizada no lugar. O dano no meu carro estava completamente consertado. Sem mais tampa da luz rachada, sem mais dente no lado. Olhei para Romeo. "Você consertou o meu carro?" "Eu não", disse ele, um tom de conhecimento em sua voz. Braeden consertou o meu carro. Mesmo depois de tudo, ele consertou. Olhei para Romeo novamente. Ele me bateu no ombro. "Fale com ele, Ivy." Eu queria. Eu queria ouvir sua voz desesperadamente, ainda mais agora. Mas e se Romeo estivesse errado? E se ele não quisesse me ver? E se ele quisesse?


CAPITULO trinta e tres #FatoInteressante Romeo colocou sua proteção na #Vagabunda. Seu tratamento é verdadeiro. Eu não estou preocupado. Não se pode retaliar alguém que você não conhece. #IdentidadeSecreta ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Eu a chamei de vagabunda. E então eu consertei o seu carro. Foi minha maneira de pedir desculpas? Eu não tinha certeza. Eu estava tão maluco por dentro que eu mal podia pensar. Depois que eu deixei seu dormitório naquela noite, eu dirigi sem parar durante horas. Eu sabia que Rimmel provavelmente estava preocupada, mas estava com medo de estar em torno dela no humor que eu estava. Voltei para o meu dormitório e tirei o vidro da minha mão. Estava muito fodido, mas eu quase não prestei atenção a ele. Eu desmaiei em minha cama enquanto meu companheiro de quarto andou na ponta dos pés ao redor como se ele estivesse com medo que eu descarregasse a raiva em alguém mais uma vez. Eu deveria. Eu senti isso fervendo logo abaixo da minha pele.


Era como uma doença que meu corpo estava tentando combater, mas que não importa o quão alta minha febre estivesse, a ameaça permanecia a mesma. Isso era o que eu estava sempre com medo. Perder o controle, como eu fiz. Descontar minha raiva em pessoas que não merecem e ferir alguém. Eu machuquei Ivy. Vi isso em seu rosto e ouvi isso em sua voz. Lá estava ela, destruída e chorando, mas ela pensou em mim. Ela pegou um kit de primeiros socorros, totalmente com a intenção de limpar a minha mão. Abri a boca grande e gorda e arruinei isso. Pendurei a coisa mais dolorosa que eu poderia nela. Como eu sabia que aquela palavra iria arranhar como nenhuma outra? Eu apenas sabia, assim como eu sabia que se eu visse Zach, eu o mataria. Foi bom que o pequeno pau estar trancado. Acordei cedo na manhã seguinte com alguém batendo na minha porta. Cobri a cabeça com um travesseiro e rolei, mas meu companheiro de quarto respondeu. O travesseiro foi arremessado fora de minha cabeça e bateu no chão. Pisquei e vi Rome de pé em cima de mim com uma expressão irritada em sua cara. "Por que você não tem respondido seu celular?" "Eu o arrebentei. " "Você tem alguma ideia de quão doente de preocupação Rimmel está? " Virei as costas. Suas mãos eram ásperas quando ele me puxou para fora do colchão. Eu vim balançando e o peguei no lado. "Esse é o único soco livre que você vai ter a partir de mim," Romeo rosnou.


"Você sabia," eu rosnei e virei para ele mais uma vez. Eu bati nele no maxilar, e sua cabeça estalou de volta em seus ombros. "Por que você não me disse!" Eu exigi. Ele me pregou de volta, me batendo quase no mesmo local. Nós dois nos encaramos com peitos arfando e esfregando nos pontos em nossos queixos. "Porque não importa", ele cuspiu. "Você sabe melhor do que isso", eu coloquei pra fora entre os dentes cerrados. Eu me preparei para entregar outro soco, não preocupado com o custo. Romeo arrebatou o meu punho no ar e olhou para a bagunça que eu tinha feito de minha mão. "Maldição, B." Depois disso, ele me forçou a entrar no Cat e me levou para a sua casa. Rimmel alternou entre sermões e abraços o tempo todo que ela limpou e enfaixou o pior dos cortes. Rome e eu não falamos. Nós fomos para a academia e treinamos. Corri enquanto a imagem de Ivy e Zach me estimulou. Corri até que eu estava cansado demais para correr mais. Após tomar banho e prometer a Rome que eu não faria nada estúpido, eu fui e comprei um novo telefone. Eu perdi todos os meus contatos, todas as minhas fotos. Eu não me importava. Mas eu pensava naquele selfie. Única de Ivy e eu. Como eu era melhor do que Zach? Eu tinha dormido com ela também e tirei uma foto para provar. Isto tinha ido embora agora. Eu deveria ter excluído em primeiro lugar. Às vezes eu olhava para ela. Tarde da noite, quando eu estava deitado na cama e meus pensamentos não a deixavam ir.


Eu ouvi os boatos voando ao redor do campus, sabia que o BuzzBoss estava arrastando Ivy no meio da lama. Eu queria ir com ela, mas eu não sabia o que dizer ou como dizê-lo . Em vez disso, fui para minha mãe. Eu não sabia como fazer as coisas certas com Ivy, mas eu poderia fazer as coisas direito com ela. Eu não tinha ido desde a noite que todos nós tivemos o jantar, a noite que meu pai ligou e eu saí no meio da tempestade. Eu estava fazendo um monte disso ultimamente. Minha mãe tentou ligar algumas vezes. Eu também deixei ir para a caixa postal ou peguei e encerrei a conversa. Não mais. Eu estacionei na garagem, o tempo todo olhando para o carro estranho estacionado na rua na frente da casa. Era um BMW preto, que não era familiar. Eu coloquei o código na porta da garagem e caminhei para dentro. No segundo em que entrei na cozinha, eu senti meu lábio superior enrolar. Havia um homem sentado à mesa. Alguém que eu nunca tinha visto antes. Mamãe estava no fogão, cozinhando algo que cheirava muito, muito bom. Quando ela me ouviu, ela virou-se com surpresa em seu rosto. "Braeden. Eu não estava esperando você. " Bem. Obviamente não. "Quem diabos é você?", Eu lati. "Modos!" Mamãe rachou. Eu me senti como um garotinho mais uma vez. "Você não fala assim nesta casa, meu jovem. " "Desculpe," eu murmurei. O homem na mesa sorriu jovialmente, como que fôssemos entretenimento. Quando eu olhei para ele, ele limpou o sorriso do seu rosto e se levantou. "Braeden, eu sou John Turner. Eu sou um amigo de Caroline- uh, da sua mãe".


Ele estendeu a mão, e eu olhei para ela. Minha mãe limpou a garganta. Eu a apertei. Quando eu puxei minha mão, ela notou minhas ataduras. "O que aconteceu com a sua mão?", ela engasgou. "Nada. Apenas um acidente". Meus olhos nunca deixaram John. Eu o medi enquanto estávamos lá. Eu era maior. Eu estaria mentindo se eu dissesse que não me fez um pouco tonto. "John, você se importaria se eu falasse com Braeden sozinha por alguns momentos? " Minha mãe perguntou. "Certo. Eu só vou na outra sala e assistir TV." Ele olhou para mim. "Bom finalmente encontrar você." Finalmente? Quando ele saiu, eu olhei para a minha mãe com uma sobrancelha levantada. "Você está dormindo com ele?" "Braeden James Walker, eu vou lavar a sua boca com sabão!" Ela acenou com a espátula no ar entre nós. Eu emendei a minha declaração anterior. "Você está namorando?" Ela desinflou e moveu a panela do calor antes de se sentar à mesa. "Eu nunca poderia encontrar um momento certo para lhe dizer." "Quanto tempo? ", perguntei. Eu não tinha certeza de como eu me sentia sobre isso. "Há vários meses. Eu ia dizer quando você chegou em casa das férias de primavera mas, em seguida, seu pai começou a ligar e parecia um mau momento..." "Então é por isso que você tinha tanta comida quando eu vim. Era para ele".


"Para você, também," ela disse gentilmente. "Eu sei como você adora seus granulados”. Eu resmunguei. "Eu adoro." Ela sorriu e ocupou-se por colocar algumas grandes bolas de sorvete de baunilha em uma tigela. Quando ela terminou, ela despejou meia garrafa de chocolate granulado em cima. Na outra sala, a TV era alta. Ele estava assistindo SportsCenter. Pelo menos ele tinha isso a seu favor. "Parece que você precisa disso." Ela colocou a tigela na minha frente. Isso definitivamente não faria mal. Eu peguei a colher e enfiei uma enorme mordida na minha boca. Os granulados estavam um pouco crocantes, um pouco macios, e adicionaram um pouco de sabor à baunilha. "Oh sim", murmurei e comi outra mordida enorme. "Por que você não me diz por que a sua mão parece que estava perfurando material?" "Porque eu perfurei." "É sobre o seu pai?" Larguei minha colher. "Ele ligou de novo?" Ela desviou o olhar. Eu me preparei e comi outra mordida de granulados. "Eu não vou atendê-lo." "Ele ligou várias vezes. Ele está muito ansioso para falar com você. " "Eu não quero falar com ele." "Eu sei, e eu não culpo você. E normalmente, gostaria de dizer-lhe que não, mas eu acho que você deveria." Eu olhei boquiaberto para ela. Ela riu levemente. "Não para o benefício dele, mas para o seu. Isto está claramente atrasando você, Braeden. Você precisa enfrentar isso para que


você possa seguir em frente, ou ele vai assombrá-lo para o resto da sua vida." "Como você pode sentar aí e estar tão calma sobre ele?" "Eu fiz minha paz com o seu pai um longo tempo atrás. Ele levou muito de mim no passado, de nós dois. Recusei-me a deixá-lo ter o meu futuro." Ela me olhou atentamente. "Ele está tomando seu futuro, filho." Ela estava certa. Ele estava destruindo meu futuro, e eu estava permitindo isso. Eu esfreguei uma mão sobre as costas do meu pescoço. "Como o inferno você sabe tudo isso?" Ela sorriu. "Eu sou sua mãe, eu sei tudo." "Depois de tudo que ele fez ..." "Eu sei." Ela se inclinou para frente e colocou a mão sobre a minha. "Eu sei melhor do que ninguém. E você era tão pequeno. Tenho muito medo que tenha deixado cicatrizes em você para a toda a vida." As lágrimas encheram seus olhos. "Essa é a única coisa pela qual eu nunca vou me perdoar." "Você não fez nada de errado, mãe." "Era o meu trabalho protegê-lo." "E você protegeu. Muito mais vezes do que eu gostaria que você tivesse." Mamãe enxugou os olhos e, em seguida, tocou minha bochecha. "Você é realmente a melhor coisa que já me aconteceu. Eu estou tão orgulhosa de você. Eu espero que você saiba o quanto eu te amo. " "Eu não acho que você estaria muito orgulhosa de mim recentemente." Eu me afastei e me sentei. "Eu sempre vou ter orgulho de você. Mas eu realmente espero que você não tenha perfurado algo que não pode ser consertado." Eu ri. "Era uma janela. Eu vou pagar para tê-la reparada.” Eu ia ter que trabalhar horas extras neste verão em qualquer trabalho para conseguir colocar o dinheiro de volta em minhas economias. "É sobre uma menina?"


"Por que você acha isso?", perguntei. Ela sorriu. "Porque os homens só ficam assim irritados sobre duas coisas. Mulheres e dinheiro." "Eu estraguei tudo", eu admiti. "Pode ser corrigido?" "Eu me envolvi com os amigos. Melhores amigos." "E você gosta de uma melhor?" "Eu não gosto dela," eu murmurei. A mãe sorriu. "Entendo. Bem, ela soa muito especial." Eu ri. "Parece-me que você arruinou uma boa coisa antes que pudesse começar. " Eu escutei e queria discordar, mas talvez ela estivesse certa. "Você não é seu pai, Braeden. Eu sei disso tanto quanto você gosta de chocolates granulados. Saia de seu próprio caminho e traga essa menina aqui para me conhecer. " O pensamento de Ivy e minha mãe agindo em conjunto em cima de mim me fez gemer. "Aquele cara lá..." Eu levantei minha cabeça para o lado. "Ele faz você feliz? Ele é bom para você?" "Ele me faz muito feliz, espero que você não vá tentar correr com ele." "Eu pensei sobre isso." Ela me deu um tapa. "John é um homem bom e ele vem querendo conhecê-lo, mas eu não tinha certeza se você estava pronto. "


"Eu só quero que você seja feliz." "Eu sou, mas eu nunca vou ser totalmente feliz até que você esteja." Enfiei o resto do sorvete e granulados em minha boca enquanto ela observava. Alguns minutos depois, John apareceu em torno do canto. "É seguro?" "Sim, venha." Eu me afastei da mesa e me levantei. "Eu tenho que ir, mamãe, mas obrigado por tudo ". "Você quer ficar para o jantar?", perguntou ela. "Não é possível. Amistoso hoje à noite". "Talvez nós possamos ir assistir?", perguntou ela. Olhei para John, ele estava balançando a cabeça. "Você gosta de futebol?", perguntei. "Será que uma vaca tem tetas?" "John!" A mãe engasgou. Eu sorri. "É no campo ao ar livre mais tarde. Eu não serei capaz de passar por aqui depois porque temos a fogueira." "Vamos torcer por você das arquibancadas." Eu beijei sua bochecha e depois estendi minha mão para John. Segurei-a firme. "Eu tenho uma pá," eu disse. "Há muitos lugares onde um corpo não será encontrado por aqui." "Braeden James!" A mãe gritou. John apenas balançou a cabeça. "Entendido." No minuto em que entrei no caminhão, meu telefone vibrou. Eu fiquei tenso, imaginando o que ele diria neste momento. Quando eu peguei o meu novo telefone, eu fiquei tentado a não baixar o Alpha App, mas eu fiz. Eu


odiava o material sendo espalhado ao redor, mas eu precisava saber para que eu podesse estar preparado. Este Buzz era sobre Rome. Pelo visto, ele agora estava protegendo Ivy. Oh, infernos, nĂŁo. NinguĂŠm protegia minha menina a nĂŁo ser eu.


CAPITULO trinta e quatro Futebol e fogueira hoje à noite. Você pode sentir isso no ar? ...Alpha BuzzFeed

I VY Era a primeira vez que eu estive em uma fogueira sóbria. Agora eu meio que entendi porque Rimmel nunca chegou a estas coisas quando eu perguntei a ela. Eu estava cercada por idiotas bêbados. Eu costumava ser como essas pessoas. Também não ajuda que eu estava totalmente tensa sobre tudo. Eu não queria estar aqui. Assim como eu não queria ir para o jogo amistoso. Mas Romeu e Rimmel pediram, e bem... eu queria ver B. Mesmo que fosse de longe. O jogo tinha sido divertido, provavelmente porque eu tive que ficar à margem com Rimmel e Romeo. Ele não jogou porque seu braço ainda estava se curando, e seus terapeutas e o treinador dos Knights não queriam que ele estragasse a cura que estava indo tão bem. Porque ele era o quarterback, e porque esta era a sua despedida dos Wolves, ele, claro, se sentou no campo. Mas Rimmel e eu sentamos também. Ninguém pareceu pensar nada sobre isso. Não a equipe, de qualquer maneira.


Eu recebi alguns olhares de algumas das líderes de torcida e das pessoas nas arquibancadas, mas eu ignorei. Rimmel e eu rimos e tentamos nos divertir enquanto nós assistimos o jogo. Era uma bela noite de primavera, apenas um frio no ar. A equipe jogou muito bem, como de costume. Claro, havia um jogador que eu observava mais do que os outros. Ok, eu o assisti todo o tempo. Braeden sempre tinha sido um bom jogador de futebol, e hoje não foi diferente. Eu notei que ele estava um pouco mais áspero, ele agiu um pouco mais no limite, e alguns dos caras na outra equipe lhe deram um amplo ataque. Eu sabia que era minha culpa. Missy não estava no jogo. Ela estava no ensaio, mas ela nos encontararia aqui na fogueira. Eu ainda não tinha contado a ela. Com a imagem de Zach e eu, simplesmente não podia suportá-lo. Eu já estava com vergonha suficiente. Eu sabia que ia ter que dizer algo em breve, mas talvez não hoje à noite. Apenas estar nesta fogueira foi suficiente para esfiapar meus nervos. Uma bebida provavelmente me adoçaria um pouco, mas não me atrevi. Eu queria uma cabeça limpa, porque eu nunca sabia quanta lama seria pendurada em mim. Eu não era tola o suficiente para pensar que a proteção de Romeo iria manter todos os lobos na baía. Além disso, eu precisava de todo o meu juízo sobre mim quando falasse com Braeden. Eu não tinha ideia se ele sequer iria falar comigo ou se ele ia me varrer para fora e me humilhar na frente de todos. Mas Romeo estava certo. Eu tinha que tentar. Pelo contrário, eu poderia agradecê-lo por consertar o Corolla e então sair. Eu estava em pé perto do brilho alaranjado do fogo, olhando para a forma como as chamas dançavam, quando Rimmel aproximou-se de mim. Ela pendia um copo vermelho na minha frente, e eu sacudi a cabeça. "É água", ela sussurrou em meu ouvido. Levei-o e olhei para o líquido. Era definitivamente água.


"O meu também." Ela inclinou a taça em direção a mim para eu ver. "Eu achei que mesmo que não íamos beber, poderíamos parecer como se estívessemos. " "Lá vem a equipe", disse Rimmel, apontando para um grande grupo de caras praticamente surgindo da noite. A multidão aplaudiu e gritou. Os jogadores uivaram e dispersaram em torno da festa. Estávamos no grande campo aberto no campus, aquele em que todos as fogueiras eram realizadas no outono. A faculdade sabia sobre isto, entretanto. Porque era para o futebol, era sancionado. Claramente, os homens faziam as regras. A música começou a bombear através do escuro, fazendo meu pulso seguir a batida. Algumas meninas passaram e apontaram para mim. Em seguida, elas riram. Talvez eu devesse sair agora, encontrar Braeden amanhã. "Ei," uma voz familiar disse logo atrás de mim, e eu girei. Trent estava de pé lá com o cabelo úmido de suor e um sorriso em seus lábios. Sua covinha estava em plena vista e seus olhos refletiam o fogo atrás de nós. Ele estava vestido com um par de jeans, tênis, e uma camisa dos Wolves. Havia uma lata de cerveja em sua mão. "Ei," eu repeti. "Você jogou muito bem esta noite." Sério, eu não tinha ideia se ele tinha ou não. Eu estava muito ocupada olhando para Braeden. "Podemos falar um minuto?", ele perguntou, sua voz caindo um pouco. Meu estômago se apertou. Eu sabia exatamenteo que era aquilo. Era o discurso que não é você, sou eu, só nós dois sabíamos que o que ele realmente queria dizer era que é totalmente porque você dormiu com Zach e sua foto nua passou de mão em mão em torno da universidade. "Hum, claro", respondi, tentando não soar horrorizada.


Olhei para Rimmel e franzi a testa. "Eu não posso deixá-la aqui sozinha", disse Trent. "Ela não está sozinha", disse Missy, aproximando-se do grupo. Normalmente, eu teria ficado feliz em vê-la e gritar uma saudação alta, mas não esta noite. Eu não tinha falado muito com ela desde que o Buzz saiu sobre mim. Eu estava com medo que ela estivesse com raiva, porque eu nunca lhe disse o que aconteceu. "Como foi o ensaio?", perguntei. “Tão bom !", Ela disse e acenou para Trent. "Ei, Trent." "Ei, Missy." "Vá em frente. Nós vamos ficar aqui", disse Rimmel para mim. Missy acenou com a cabeça. Segui Trent longe do fogo e da multidão. Paramos um pouco antes das árvores que cresceram mais juntas e a floresta parecia assumir o controle. Estava mais frio aqui longe do fogo e também muito mais escuro. Agarrei-me o copo como se fosse um escudo e reverentemente desejei que houvesse álcool nisso. Inferno, mesmo Boones Farm14 teria sido bemvinda neste momento. "Olha," eu comecei antes que ele pudesse dizer qualquer coisa. "Eu sei que você quer cancelar nosso encontro. Eu entendo. Eu provavelmente cancelaria também. " "Na verdade, eu queria pedir desculpas." Havia um sorriso brincando em seus lábios. Recuei, surpresa. "Por quê?" "Por não ter vindo vê-la tão logo tudo aconteceu. Tenho certeza de que tem sido muito intenso para você". Eu ri. "Essa é uma maneira de colocá-lo."

Bebida alcoólica com sabores frutados, relativamente barata e popular entre os estudantes universitários. 14


Ele trocou sua cerveja em uma mão e estendeu a mão para a minha com a outra, dando-lhe uma perto. "Fodam-se eles." "O quê?" Eu sorri. "Você é apenas a mais recente vítima do Boss. Embora, eu tenho a dizer, ele parece realmente gostar de deixar você em apuros. " "Percebi." Sua covinha fez uma aparição. Eu vi, mesmo no escuro. "Todo mundo comete erros. Você não merece isso, e queria que você soubesse que eu não a julgo pelo que aconteceu. " "Você quer dizer por dormir com Zach," eu declarei sem rodeios. Foi meio que rude, mas ele estava sendo muito educado sobre isso. Eu queria ver sua reação à verdade gritante. Vamos ver se ele realmente quis dizer o que ele disse sobre não ser calculista "Às vezes, quando eu fico bêbado - realmente bêbado – eu ligo para a minha avó e digo que ela é gostosa ", admitiu. "Você não faz." Eu ri. Ele levantou a mão. "Eu juro. Parece que, quando eu fico realmente bêbado, eu também falo com um sotaque escocês. Vovó pensa que ela tem um admirador secreto da Escócia. Desde que eu comecei a ligar ela teve muito ânimo em seu passo". Cobri minha boca com a mão e ri incontrolavelmente. "Está vendo?", disse. "Todos nós fazemos burrices quando estamos bêbados." Ele fez uma careta, depois acrescentou: "Ou isso ou você e eu somos apenas seriamente bagunçados." "Você não está confuso", eu disse, olhando para ele. Eu amava Romeo e Rimmel, mas quando eles disseram que me apoiavam, eu meio que sabia que eles iriam. Como era de se esperar. É o que família faz. Mas Trent não tinha que dizer nada disso. Ele não tinha


que ser tão gentil comigo esta noite. Ele poderia ter agido como se eu tivesse alguma doença terrível e me arrancado completamente, mas ele não o fez. E isso me fez sentir melhor do que eu tinha em dias. "Obrigada." Minha voz era sincera. "Não me agradeça ainda", disse ele e deu um longo gole de cerveja. "Uh- oh." "Eu tenho que cancelar nosso encontro. " Eu acho que eu esperava por isso. Trent era incrível, e alguma menina ia vencer totalmente o jackpot15 com ele, mas essa menina não era eu. "E não é por causa de Zach," ele se apressou em dizer. "Esse cara é um idiota classe A, e foi um dia incrível quando tive o seu traseiro atirado para fora da fraternidade." "Então por quê?", eu sussurrei. "Eu acho que nós dois sabemos que você tem seu olho em outra pessoa". Eu respirei fundo. Ele riu. "No início, eu pensei que talvez eu estivesse apenas imaginando. Vocês dois pareciam prosperar insultando uns aos outros. Então eu vi a maneira como ele ficou olhando para você na praça de alimentação aquele dia. E não é nenhum segredo que ele ficou insano quando saiu esse Buzz sobre você e Zach. Mas o que realmente me convenceu," ele continuou, "foi a maneira que você o viu esta noite. E a maneira como seus olhos varreram a multidão mesmo agora, apenas esperando por ele aparecer". Eu estava fazendo isso? De jeito nenhum. Trent assentiu. "Trent", eu disse, sentindo-me incrivelmente culpada.

15

Jackpot é um prémio acumulado em máquinas de cassinos ou em sorteios de loterias.


"Poupe-me o discurso de amizade, ok? Sem problema. Talvez se eu tivesse chegado lá antes de B, as coisas seriam diferentes." Eu não disse nada, e ele riu sob sua respiração. "Sim, eu achei que não. Tem sido sempre ele, não é?" "Eu acho que talvez sim." Ele assentiu. "Você é uma menina legal, Ivy, e ele é um cara de sorte. Se ele não a tratar bem, ligue para mim e eu vou bater na bunda dele por você". Eu desejei por um segundo que as coisas fossem diferentes e Trent e eu pudéssemos funcionar. Mas esse desejo evaporou-se com o meu pensamento recorrente em Braeden. Estendi a mão e o abracei. Ele me abraçou de volta. "Podemos todos nós sair ainda?" Eu perguntei quando nos afastamos. "Com certeza. Só não hoje à noite. Esta noite, eu tenho que pegar minha bebida. Vovó precisa de outra ligação de seu admirador secreto. Faz tempo. Não quero que ela pense que ele perdeu o interesse." Eu ri quando ele se afastou, me saudando com sua cerveja meio vazia. Eu fiquei lá por um longo momento, não completamente pronta para ser engolida pela multidão, mas também fazendo exatamente o que Trent invocou. Procurando por Braeden. Eu ainda tinha que vê-lo aqui esta noite, e ele foi a única razão que eu viria. Isso tudo me fez perceber uma coisa. Eu o queria. Eu o quis por muito tempo. Eu simplesmente não iria admitir isso, porque ele tinha estado com Missy desde quase o primeiro dia. Eu não era uma amiga má, mas eu fiz uma má escolha. Não um erro, porque o que eu sentia nos braços de B nunca poderia ser um erro. Eu só queria ter falado com Missy primeiro, admitido como me sentia antes de tudo virar uma bola de neve fora de controle.


Esse tempo todo eu estava tentando voltar no caminho certo, ser a garota que eu sabia que eu era... Era uma piada. Eu não podia fazer aquilo com isso pairando sobre a minha cabeça. Tudo o que eu podia fazer agora era desfazer o que eu podia de meus danos. Eu iria encontrar Braeden, pôr tudo a nu, expor meu coração, e rezar para que ele não o aniquilasse. Uma vez que eu sabia onde ele estava, eu falaria com Missy e faria o mesmo. Eu não tinha ideia do que eu ganharia e quem eu perderia. Não importava mais. Tudo o que importava era fazer o que eu precisava fazer para mim. Parecia a coisa certa, e pela primeira vez em dias - talvez até semanas me senti mais forte. Eu só precisava encontrar Braeden. Eu fiz a varredura da multidão de novo, era densa e parecia crescer a cada segundo. Eu ainda não poderia encontrá-lo, mas eu sabia que ele estava aqui em algum lugar. Depois de mais alguns minutos eu vi Rimmel e Missy. Elas estavam rindo e cercadas por um bando de Wolves. Braeden estava provavelmente nas proximidades, especialmente se é onde Rimmel e Romeo estavam. Dei um passo em direção a minhas amigas, mas alguém me puxou de volta. Olhei por cima do meu ombro, esperando que talvez fosse B. "Onde você pensa que está indo? " arrastou uma voz que eu não conhecia. Não era B. Eu não tinha ideia de quem era, mas ele não estava sozinho. Ele tinha três amigos com ele. Eles se materializaram fora das árvores como ninjas em algum filme de karatê. Eles cheiravam a bebida e cigarros. "Alguém está esperando por mim", eu disse e puxei para longe.


Ele me puxou de volta. "Tenho certeza que eles não vão se importar de esperar mais alguns minutos ." "Eu vou", rosnei, fazendo o meu melhor para parecer intimidante. Ele soltou e levantou as mãos, bebida e tudo. "Uou, temos uma malhumorada, rapazes. " Eu me afastei e saí. Mas ele foi mais rápido. Ele me pegou pela cintura, e eu chutei e amaldiçoei e gritei. "Ninguém vai ouvir você, vagabunda", ele sussurrou em meu ouvido. Sua voz era ameaçadora, e eu estremeci. "A festa está muito alta." Eu comecei a gritar novamente, mas ele fechou a mão sobre a minha boca enquanto eu fui arrastada na ocultação de árvores.


CAPITULO trinta e cinco O jogo amistoso foi #épico! Romeo parecia quente na lateral. #13 estava quente no campo. #FutebolNaPrimavera ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Eu consegui manter minha cabeça no lugar durante o jogo. Mesmo eu joguei com mais frustração e violência desnecessária. Não havia árbitro neste jogo, então eu não poderia ser expulso. Não seria a primeira vez que eu usei o futebol para trabalhar com meus demônios pessoais, e não ia ser a última. Eu sabia antes que eu visse que Ivy estava lá. A presença dela era como uma espécie de dupla dose de cafeína direto nas minhas veias. Todo-Poderoso, ela parecia quente. Ela sentou-se na lateral, o traseiro dela bem torneado em uma cadeira dobrável, as pernas vestidas de jeans esticadas para o chão com um par de botas de cowboy abraçando suas pernas. Seu cabelo loiro solto sobre os ombros, e cada vez que o vento soprava, fios flutuariam em torno de sua cabeça como uma auréola. Eu não aguentava mais. Eu sabia exatamente como eu me sentia. Negar era inútil. Se amar Ivy fosse uma batalha, então eu perderia a guerra. Conversando com mamãe mais cedo, clicou algo dentro de mim. Era como se a permissão dela que eu


era capaz de me sentir assim fosse o catalisador que finalmente me deu aceitação. Se ela pôde seguir em frente e encontrar o amor, em seguida, eu tinha uma chance também. E ela estava certa, desistir do meu futuro pelo o homem no meu passado era estúpido. Eu era um monte de coisas, mas estúpido não era uma delas. No momento em que a equipe chegou na fogueira, estava no auge. A música estava batendo durante a noite tão alto que eu estava chocado que os policiais não estavam aqui. Cerveja e bebidas alcoólicas estavam fluindo, e o fogo tinha que estar pelo com menos três metros de altura. Os carros estavam estacionados em todos os lugares, corpos lotaram a grama, e grandes grupos de pessoas dançavam - ou o que elas gostavam de entender como dança - e isso fez a procura de uma única menina muito difícil. Era como tentar encontrar uma agulha num palheiro. "Você a vê?", Eu gritei para Romeo. Ele balançou a cabeça enquanto examinava a área. "Lá está Rim", ele disse e apontou ao redor do fogo. "Missy também. Ela está lá, provavelmente." Nós escolhemos o nosso caminho através da multidão, minha paciência se esgotando. Mas ela não estava ali com Rim. Eu nem sequer tive que perguntar onde ela estava. Minha irmã sabia que eu iria querer saber. Ela olhou através do campo, em direção à linha de árvores onde duas pessoas estavam em pé juntas, conversando. Eu assisti Ivy e Trent rirem e sorrirem. Engraçado, eu não estava mais tão ciumento. Eu não gostava do que eu estava vendo, mas eu não sentia mais o desejo de matar Trent. Era progresso. Trent se afastou, deixando Ivy em pé, sozinha. Inclinei-me para Romeo e disse: "Não espere." Ele estendeu a mão e nós batemos. "Você a viu?", perguntou.


"Eu vejo. " Ele se voltou para a multidão quando nos separamos. Eu rejeitei qualquer um que tentasse me atrair do meu caminho, apenas focado em chegar em Ivy. Ela começou a seguir o caminho quando quatro caras se materializaram fora das árvores. Eu soube imediatamente que eles estavam bêbados como a merda. Eles estavam, provavelmente, fodendo alguma coisa, também. Meus passos pegaram quando eu o assisti agarrá-la, vi o medo nos olhos dela. Eu a vi gritar, mas nenhum som chegou aos meus ouvidos. Eles riram enquanto a arrastaram para as árvores. Eu comecei a correr.


CAPITULO trinta e seis

Tenham cuidado aqui fora hoje à noite, senhoras. Os porcos bêbados estão fora em ação. #UsemOSistemaDeCompanheiras #AlgumasGarotasSãoApenasAlvosFáceis

I VY "Sabemos quem você é ", disse o cara que me arrastou. Era muito mais escuro aqui embaixo das árvores sem o brilho do fogo. Adrenalina e medo guerreavam dentro do meu corpo como se eu freneticamente procurasse um meio de fuga. Havia apenas uma razão para uma mulher ser arrastada para as árvores por um bando de estranhos bêbados. Não era uma boa razão. "Você é a puta da Alpha U." Um dos outros caras riu. "Você não deveria acreditar em tudo que lê," eu bati enquanto eu tentava sair dos braços me segurando. "É ver para crer, e estava tudo bem ali, em cores" , ele brincou. Quando seus amigos riram, ele me jogou no chão. Eu aterrissei com um baque duro, e por alguns preciosos segundos, a minha visão nadou antes de meus olhos. "Segure-a!", o líder ordenou.


"Não!" Eu gritei, tentando subir. Dois caras me prenderam para baixo, segurando meus braços no chão duro, frio. "Seus seios parecem tão bons na vida real como naquela foto? " Oh. Meu. Deus. Eu gritei assassinato sangrento. Eu gritei tão alto que doía. Uma mão veio sobre a minha boca. Eu a mordi. "Ai! Ela me mordeu!" O líder me olhou por cima da borda de seu copo enquanto servia mais álcool para baixo de sua garganta. Num segundo, seus olhos estavam brilhando com pensamentos vis, e no próximo, eles estavam rolando para trás em sua cabeça enquanto ele caía no chão. "Vocês têm dois segundos para tirar suas mãos de cima dela!" Braeden rugiu e saltou para a frente. Os homens me segurando soltaram instantaneamente, mas um foi derrubado no chão. Subi e fiquei de pé contra uma árvore nas proximidades enquanto Braeden assumia três caras ao mesmo tempo. Eles estavam bêbados e relaxados. Ele estava sóbrio e atlético. Ele também estava claramente enfurecido. Ele poderia ter me agarrado e saído, mas ele não o fez. Eu sabia que ele não iria. Em vez disso, ele deixou todos os quatro supostos estupradores em uma pilha no solo. Nenhum deles estava em movimento. Ou consciente. "Você não pode ficar fora de problemas, pode?" ele disse e se aproximou. Eu queria tanto contra atacar algo inteligente e atrevido, mas tudo o que meu lábio inferior faria era tremer.


"Está tudo bem agora", ele murmurou e pisou um pouco mais perto. "Eu tenho você. Você está segura." Caí contra ele, mas eu não chorei. Eu tinha chorado tanto na semana passada que eu não tinha mais lágrimas. Em vez disso, eu balancei e vacilei. Graças a Deus ele estava lá. Braeden varreu-me contra seu peito, me ninando em seus braços. Eu escutei a batida rápida de seu coração enquanto ele me carregava ao redor na margem da festa – permanecendo nas árvores - e para o seu caminhão. Eu caí no banco enquanto ele dirigia. A viagem foi curta, e logo ele estacionou na frente do meu dormitório. "Chave", ele pediu, estendendo amão. Puxei-a para fora do meu bolso e entreguei. Em vez de vir em torno do lado do passageiro, ele me deslizou pelo assento do motorista e me ajudou até o chão. Tranquilamente, entramos, felizmente ninguém passou por nós (todas estavam na festa), e em linha reta para o meu quarto. Eu não me incomodei com as luzes do teto. Eu fui direto para minha cama e entrei em colapso. O que quase aconteceu era tão assustador que eu não podia pensar. Eu só fiquei ali, reproduzindo repetidamente sobre as coisas que eu deveria ter feito ou se havia alguma coisa que eu poderia ter feito para mantê-los longe. Eu deveria ter ido embora com Trent. Eu não deveria ter ficado lá sozinha para pensar. Eu deveria ter ficado em casa. Eu não devia ter dormido com Zach. "Ivy," Braeden sussurrou de perto. De repente, tudo o que eu podia pensar era estar presa para baixo. Suas mãos ásperas e olhos avaliadores. O terror que senti quando percebi


que estava em desvantagem e provavelmente não importaria o quão duro eu lutasse. Eu sacudi para fora da cama, em meus pés, e comecei a rasgar as minhas roupas. "Saia de mim," Eu solucei. "Fora!" Minhas mãos eram ásperas e insistentes enquanto eu puxava as roupas que aqueles homens tocaram. Eu não podia suportar tê-las em mim. "Ei," Braeden falou, sua voz era gentil, mas tinha uma nota de alarme. Ele se moveu para a frente e eu me movi para trás. "Eu não vou te machucar, baby." "Você já machucou." Eu caí. "Todo mundo fez." "Merda", ele xingou e se aproximou. "Diga-me o que você quer agora," ele sussurrou. "Eu quero essas roupas fora. Eles as tocaram. Eles..." Minha voz se quebrou. Lentamente, Braeden pegou minhas mãos e as puxou para longe de mim. "Vou te ajudar.Tudo bem?" Eu balancei a cabeça, entorpecida. Era assustador o quão dormente eu me sentia. Minha mente estava apavorada, mas o meu corpo estava inteiramente desorientado e insensível. Seus dedos se prenderam na bainha da camiseta de mangas soltas. Eu provavelmente nunca usaria esta camisa novamente. Era uma pena. O detalhe de renda era tão bonito. Foi puxada longe e jogada em algum lugar fora de vista. "Estes também ?", ele murmurou, pastando o dedo através dos botões no meu jeans. Eu balancei a cabeça. Meu corpo começou a tremer quando ele os descascou para baixo de minhas pernas. Ele fez uma pausa no movimento e olhou para mim de sua posição agachada no chão. "Você está assustada? Quer que eu me afaste?"


Oh não, eu não estava com medo. Eu balancei a cabeça lentamente, e ele terminou de tirar minhas botas e jeans. Quando ele terminou, ele deu um passo para trás, colocando alguma distância entre nós. "Está melhor?" Não. Não estava. Eu meio que senti como se tivesse estado fora no frio por muito tempo. Você sabe quando todo o seu corpo fica dormente por causa das baixas temperaturas? Mas uma vez que você volta ao calor e sua pele começa a descongelar, tudo começa a tremer e vibrar enquanto a consciência escoa de volta. É assim que eu me sentia. Meu corpo estava finalmente começando a alcançar a minha mente. Eu não conseguia parar os tremores de balançar meus membros. Eu senti como se alguém virou um interruptor dentro de mim para vibrar. Braeden foi para o meu armário, puxando gavetas abertas e vasculhando as roupas. Ele parecia estar à procura de uma coisa, mas eu não perguntei. Meus dentes batiam muito duro. Um som rasgou de sua garganta quando ele encontrou o que estava procurando. Voltou com sua camisa agarrada em sua mão. Eu olhei entre ele e o tecido. "Ela não cheira como você. " Ele a atirou longe, e pousou na cama de Rimmel. Em um movimento rápido, ele puxou a camisa que usava sobre a cabeça e, em seguida, para baixo sobre a minha. Seu aroma único rodou em torno de mim enquanto o calor de seu corpo infiltrou em minha pele. Puxei meus braços nas mangas enormes para desenganchar o sutiã e deixá-lo cair aos meus pés. Só então me permiti suspirar e comecei a relaxar. O contorno duro de seu peito nu não era para ser recusado. Sua pele suave, tom de oliva, esticada, ampla em todo o forte conjunto de ombros e


sua cintura descia para um V. A definição em seus músculos abdominais era tão afiada que ele parecia esculpido em pedra. E seus braços. Seus braços eram fortes e grossos. Eles pareciam o lugar perfeito para se abrigar. Dei um passo em direção a ele e aqueles braços saíram, me convidando. Eu me encaixei contra ele com facilidade, e a segurança que ele sempre me fez sentir era tão bem-vinda. Meus dedos cavaram os músculos de suas costas, mas ele não parecia se importar. Eu senti seus lábios no meu cabelo, e uma sensação de limpeza tomou conta de mim. "Faça amor comigo, Braeden. Agora mesmo." Seus braços flexionaram em torno de mim. O desejo agrupado em seus olhos, mas sua boca virou para baixo em uma careta. "Eu não tenho certeza de que agora é uma boa hora." "É o momento perfeito", eu sussurrei. "Eu ainda sinto a intenção deles na minha pele. Meu corpo ainda ferve com o que eles queriam fazer. Leve isso embora. Leve-os embora. " Um gemido baixo retumbou em seu peito quando suas mãos deslizaram sob meus braços e levantou. Eu envolvi minhas pernas ao redor de sua cintura e me estabeleci contra ele. Normalmente, seu beijo era ansioso, quente e insistente. Desta vez foi diferente, mas não foi menos devastador. Ele beijou com meticulosa deliberação, como se ele pensasse sobre cada único movimento, em cada golpe de sua língua antes de fazer isso. Ele me tocou como se tivesse encontrado o manual para o prazer final do meu corpo e estava seguindo em um T. Todo o resto caiu fora. A floresta, os caras bêbados se tornaram obsoletos.


Os rumores, a imagem, a vergonha... Nada disso importava mais. Talvez eu me sentisse diferente quando ele não estivesse tão perto, mas eu não me importava. Mesmo se Braeden nunca me tocasse novamente, os efeitos de como ele estava me fazendo sentir neste momento, nunca desapareceriam. Ele me levou para a cama, movendo-se como se ele fosse me manter no topo. Eu sabia que era para que eu me sentisse segura, mas não é o que eu queria. "Não", eu murmurei, sem fôlego. "Eu quero você em cima de mim." Ele se afastou e olhou nos meus olhos. "Você tem certeza?" Eu balancei a cabeça. Eu nunca quis nada mais. Eu queria ficar presa a ele. Eu queria me sentir enjaulada pelos braços e não ver nada além de seu corpo quando olhei para cima. Ele me colocou para fora através do colchão e veio sobre mim. Sua mão deslizou até o interior da minha camisa e ele amassou meu peito dolorido. Eu ronronei e empurrei-me mais longe na sua mão. Os botões da calça jeans provaram ser um digno adversário para meus dedos trêmulos, mas, eventualmente, eu fiz um som de derrota e os puxei fora. B riu e se afastou. Eu o observei através das pálpebras meio fechadas como ele removeu todas as suas roupas. Seu pau se destacou com orgulho de seu centro, e meu núcleo apertou de desejo. Ele colocou um preservativo no colchão ao meu lado e a mão sob minha camisa para puxar minha calcinha longe. Comecei a puxar a camisa, mas ele balançou a cabeça. "Deixe. Você tem um corpo bonito, Ivy, mas vê-la em minhas roupas é ainda melhor, " Braeden me disse enquanto ele rasgou a embalagem de alumínio.


Ele entrou no meu corpo polegada por deliciosa polegada, e os meus olhos reverteram em minha cabeça. Estar com Braeden era quase uma experiência extracorpórea, nada nem ninguém poderia se comparar a isso. O acúmulo estava pesado por causa de seu ritmo lento. No momento em que um orgasmo caiu em cima de mim, eu gemi de alívio. Braeden enrolou-se em volta de mim, me abraçando bem apertado. Ele continuou se movendo, continuou empurrando para dentro de mim até que eu ofeguei, à beira de outro clímax. "Venha para mim, baby", ele sussurrou em meu ouvido, beliscando minha orelha. Desta vez, ambos caímos juntos. Quase sentia como se nós nos juntássemos como um. Quando finalmente eu pude pensar de novo, Braeden rolou para o lado, mas me puxou com ele, mantendo-me perto. Eu coloquei minha bochecha em seu peito e encaixei uma das minhas pernas entre as dele. Nenhum de nós falou uma palavra. Não havia nada que eu pudesse dizer, nenhuma única palavra na existência que poderia igualar como ele me fazia sentir. Eu só esperava que ele sentisse o mesmo.


CAPITULO trinta e sete #DormindoComOInimigo Residente quente ou residente tolo? Nós achávamos que você tinha valores, #13 Veja a imagem ...Alpha BuzzFedd

B RAEDEN Conversar. Eu tinha toda a intenção de conversar com Ivy esta noite. Eu não tinha intenção de impedi-la de ser estuprada. Mas aconteceu. Assim como o que apenas se passou entre nós nesta cama. Eu poderia facilmente ter matado todos os quatro deles, e eu provavelmente não iria me sentir mal. Homens como aqueles mereciam muito pior do que a morte. Mas Ivy merecia mais. Então, eu resolvi bater a merda fora deles e deixá-los lá para a podridão. Eu esperava que eles se lembrassem de tudo quando eles finalmente viessem. Eu com certeza o faria. Se eu sequer visse seus rostos no campus, eles não iriam receber um passe livre novamente. Eu era parcialmente responsável pelo que aconteceu esta noite. Se eu não fosse um idiota tão colossal, ela não teria estado vulnerável esta noite. Mesmo se ela tivesse se afastado para falar com Trent (o que foi aquilo?), eu


teria estado por perto. Esses caras nunca iriam ter sido capazes de colocar a mão nela, mas pelo menos eu os parei antes que eles pudessem causar muito dano. Ainda assim, a carnificina das últimas semanas foi alta, mas eu ia fazer isso direito. Ela estava aqui comigo agora, e isso significava que eu ainda tinha uma chance. Isso é tudo o que eu precisava, uma chance. Eu posso ter estragado no passado, mas eu não faria desta vez. Desta vez eu ia ter certeza de que ela sabia exatamente como eu me sentia. Como eu sempre ia me sentir. Ivy era isso para mim. Ela era minha menina para sempre. Por muito tempo, eu pensei que ela não existisse, mas agora eu vi que eu não existiria sem ela. Ela estava lá, mesmo quando eu não quis que ela estivesse. Uma constante. Assim como a batida de um coração. Ivy pegaria a minha porcaria, mas ela também não tentaria me mudar. Eu não era tolo o suficiente para pensar que nosso relacionamento seria perfeito. Na verdade, seria provavelmente tão longe de ser perfeito como duas pessoas poderiam conseguir. Mas era real. E estava certo. Eu acariciei o lado de sua bochecha com as costas dos meus dedos, e ela sorriu. Rapidamente, seu sorriso virou-se para uma careta, e ela pegou minha mão. "Você rompeu a sua mão aberta novamente. " Olhei para baixo, algumas das ataduras se foram, e outras estavam rasgadas. Havia sangue seco manchado na minha pele, e as ataduras que ficaram, estavam saturadas também. "Eu tinha rostos para perfurar." Dei de ombros contra o colchão. Um som de angústia encheu a sala, e ela subiu em cima de mim e caiu fora da cama.


"Aonde você vai?" Alguns segundos depois, ela voltou como kit de primeiros socorros, o mesmo que ela ia usar em mim antes. Só que desta vez, eu não ia dizer algo estúpido para fazê-la parar. Ela sentou-se ao meu lado e puxou minha mão em seu colo. Eu acariciei a parte interna da coxa (o quê? Eu sou um cara) enquanto ela usou meu estômago como uma mesa para por tudo que ela puxou para fora do kit. "Dói?" Ela pegou de novo e embalou-a na palma da mão. "Nem sequer notei." Ela trabalhou com cuidado, retirando o resto das ataduras. Quando elas foram retiradas, ela limpou minha mão com a merda que picava como uma puta, mas eu agia como se não doesse porque eu sou um homem e, em seguida, soprou sobre os arranhões e cortes com uma leve pressão. O gesto chamou a atenção para os lábios e me fez querer beijá-la mais uma vez. "Como você jogou hoje à noite com sua mão assim? ", ela murmurou, trabalhando, aplicando meticulosamente algum tipo de creme e curativos limpos. "Não é tão ruim." Uma vez que estava limpo, seco e enfaixado, ela a levantou para pressionar um beijo suave no centro. "Você sabe, eu realmente tinha intenção de conversar com você esta noite", murmurei. "É por isso que eu estava lá, também." "O que é esta merda sobre Rome jogando sua proteção sobre você?" Ivy encolheu os ombros e embalou o kit. "Algumas pessoas disseram algumas coisas, e ele estava ali de pé. Ele disse alguma coisa. "


Eu estava feliz que ele estava lá. Eu faria o mesmo e tinha feito - por Rimmel. Mas eu finalmente entendi porque Romeo sempre ficou tão irritado quando ele pensou que eu estava sendo muito protetor sobre Rimmel. Esse era o seu trabalho. "Eu protegerei você." "Eu não preciso de proteção." "Você seriamente vai dizer essa merda para mim depois do que aconteceu esta noite?" Eu cuspi. Seus ombros caíram, enquanto subia para fora da cama para guardar o kit. "Ei." Eu capturei a sua mão, e ela olhou por cima do ombro. "Eu não queria dizer isso em um jeito ruim. Eu sei o quão forte você é. Merda, você me trata numa piração como ninguém faz." "Eu não tenho certeza que é verdade também." Ela colocou o kit para baixo, e eu envolvi meus braços ao redor da cintura dela, puxando-a para trás sobre o colchão. "Eu não sei lidar bem com isso." Eu escovei o cabelo de seus olhos de um azul profundo e olhei para eles. "Vi aquela foto e praticamente explodi. Eu odeio aquele cara pra porra, o que ele fez com Romeu e Rimmel." Eu fiz uma pausa e respirei fundo. "O pensamento dele tocando você me deixa louco. Somente olhar para Trent falar com você me faz querer socar alguém, então vê-la seminua e na cama com o maior pedaço de escória que eu conheço me faz - " Ela abaixou a cabeça. Demasiado tarde, percebi que eu não deveria ter dito isso. "Você não tem ideia do que é viver com o que eu fiz", ela admitiu. "Desde o segundo que eu acordei naquela manhã e percebi o que tinha feito... Isso me assombra." "Pesadelos", murmurei, pensando na noite na casa de Rome, quando ela estava gritando em seu sono. Não me toque. "O quê?" Ela olhou para cima.


"Você sonha com isso?" "Mais do que eu gostaria. É como se eu não conseguisse ficar longe disso. Apenas quando eu pensei que ia ser capaz de seguir em frente, isso aparece na estúpida Buzzfeed." E isso quase a fez ser estuprada. Não havia desculpa para isso. Nenhuma. Não havia um único motivo que poderia justificar aquele Buzz sobre ela. "Como você soube?" "Saber o quê?", Perguntei. "Que eu tinha pesadelos sobre Zach." "Porque esse cara é um pesadelo ambulante," eu brinquei. "Eles são apenas sonhos. Para ser franca, eu realmente não me lembro daquela noite. Eu estava tão bêbada. Eu nunca apaguei assim antes, você sabe?" Eu fiz uma careta enquanto ela falava. Eu deveria ter estado lá naquela noite. Eu deveria ter tomado conta dela. "É a razão de eu não beber mais tanto. É assustador, não saber o que você está fazendo. Claramente, quando eu bebo, eu tomo decisões muito ruins". Fazendo uma pausa, ela tremeu. "Estou feliz que ele se foi." "Eu também", eu respondi. Ainda mais agora. Se eles alguma vez o deixarem sair dessa gaiola de fantasia que ele estava, e eu o visse de novo, eu não tinha ideia do que eu faria. As pontas dos dedos dela traçaram círculos de luz sobre o meu peito, e apenas o escovar de sua pele sobre a minha fez a parte de trás do meu pescoço formigar. "Eu não sou bom em palavras bonitas. " Eu admiti. Seus dedos pausaram.


"Eu não sou bom em dizer o que eu sinto, e eu não sei nada sobre romance." "Eu não preciso de romance, Braeden." Todas as meninas queriam romance. Mas, mesmo se ela não o fizesse, Ivy merecia. O fato de que ela estava mesmo deitada aqui nesta cama comigo agora era um milagre do caralho. Eu nunca tinha cuidado de qualquer garota tão terrivelmente na minha vida. Isso não era um pensamento preocupante? A única mulher que eu queria, acima de todas as outras, era a que eu tratei pior. Isso precisava mudar. Imediatamente. "Eu quero você, Ivy." Eu envolvi sua mandíbula. "Você me tem, B. Estou bem aqui." "Não apenas para esta noite." "Missy ainda não sabe sobre isso." Ela fez um gesto entre nós. "Com tudo o que aconteceu com o BuzzBoss, eu estive me escondendo." Eu balancei a cabeça. "Por que não vamos falar com ela juntos?" Eu estava com medo de que depois do que eu disse a Missy na última vez que estivemos sozinhos, ela ainda iria estar com raiva. Eu não a queria descontando aquela raiva em Ivy. Ivy balançou a cabeça. "Eu acho que devo fazer isso sozinha. Amiga para amiga. Eu não quero que ela pense que estamos nos unindo contra ela." "Se precisar de mim, você vai chamar? " Eu esfreguei meu polegar sobre o seu lábio inferior. Estava acontecendo mais uma vez. O desejo reunido em meu estômago e meu pau agitado entre nós. "Sim." Ela prometeu . "Essa coisa de falar é um trabalho árduo." O canto da minha boca chutou para cima quando ela riu .


Eu realmente quis dizer isso quando eu confessei que eu não sabia o que dizer a ela. "Você sabe," ela começou, com os dedos na ponta dos pés até meu peito. "Esta é a primeira vez que já tivemos a noite toda juntos." "Todos nus. O tempo todo." Eu sacudi as minhas sobrancelhas. Ela riu. "Talvez pudéssemos falar um pouco mais tarde." A sugestão no tom dela não era de se perder. Pelo meu cérebro ou o meu pau já duro. "Posso estar pronto para isso." Ela envolveu a mão em meu eixo. "Sim, eu notei." Ela inclinou-se para me beijar, mas eu recuei. "Só mais uma coisa?", eu pedi. "Você tem certeza de que não é uma menina? Parece que falar está chegando muito facilmente. " "Você veja a sua boca, mulher," eu avisei. "Certo, o que?" "O que você e Trent estavam falando esta noite?" "Você viu?" Sua testa em forma delicada arqueou. "Oh, eu vi." "Você está com ciúmes?" "Nah. Estou seguro com a forma como você se sente sobre mim." Eu zombei. "Ou talvez você só se sente assim agora, porque eu estou acariciando o seu grande pau." "Ooh, fale sujo para mim, baby."


Sua risada era rouca e sexy como o inferno. Quando ela tentou me beijar de novo, eu segurei forte. Ela fez um som de frustração. "Nós cancelamos nosso encontro. Ele sabe que eu quero você." "Ele sabe, não é?" Orgulho afofou meu peito. Sua cabeça loira assentiu. "Aparentemente, ele percebeu a maneira que eu olho para você". "E que maneira é essa?" Sob os lençóis, seu afago foi se transformando mais ousado e essa conversa foi ficando muito menos importante. "Como eu quero estar nua com você. A noite toda. O tempo todo." Não havia mais conversa depois disso. Bem, ok, houve um pouco. Como quando eu a fiz gritar o meu nome. Uma e outra vez. Eu posso não ser bom em falar, mas eu sei como me mover entre os lençóis. Quando terminamos, ela adormeceu nos meus braços. O som suave de sua respiração e a sensação de seu corpo envolto ao longo do meu foram ótimas de uma maneira que eu nunca pensei que seriam. Quando meu telefone vibrou em algum lugar no chão ao nosso lado, eu quase ignorei. Mas então eu pensei que poderia ser Romeo, apenas verificando. Talvez alguém tivesse encontrado a pilha de lixo que deixei na floresta, e ele estivesse preocupado. Se eu não respondesse, ele estaria aqui batendo na porta às cinco da manhã porque Rimmel estava chateada. Eu consegui pescar meu telefone fora do meu jeans sem perturbar Ivy, e no segundo que minhas costas bateram o colchão, ela automaticamente gravitou em minha direção. Uma vez que eu a tinha perto, eu iluminei a tela e olhei para ela. Meu sangue gelou. Que. Porra. Era. Essa.


A selfie que eu tirei de Ivy e eu naquela noite nas férias de primavera era de conhecimento público agora na escola Buzzfeed. Essa foto tinha ido, perdida com o meu telefone quebrado. Como diabos o BuzzBoss conseguiu arrumar isso? Fiquei parado, apesar de que eu queria andar pela sala. Por que o Boss estava fazendo isso? O que eles tinham a ganhar? Popularidade? Notoriedade? Um chute na bunda? Eu não me importava que todos me vissem assim. Todo mundo sabia que eu gostava de um bom tempo. Mas caramba, isso ia esmagar Ivy. Não só iria continuar a alimentar o boato ridículo de que ela era uma vagabunda, mas agora todos saberiam que tínhamos estado juntos. Incluindo Missy. E honestamente? Eu estava cansado de pessoas olhando a minha menina. Este era o tipo de merda que dava a pervertidos bêbados, marginais, a inspiração para tomar o que eles não podiam obter gratuitamente. Este era um jogo perigoso. Naquela noite, na casa de Romeo, prometi a Ivy que ia mantê-la segura. Ela se mexeu em seu sono. Deixando cair o telefone no colchão, eu esfreguei a curva de seu quadril até sua respiração voltou uniforme e profunda. Fiquei ali um longo tempo, pensando. Cheguei a uma conclusão. Talvez a razão pela qual eu estava tendo tanta dificuldade em dizer a Ivy o que eu realmente queria dizer, fosse porque isto não tinha acabado. Porque nós ainda tínhamos muito para trabalhar antes que nós pudéssemos realmente ficar juntos.


Eu estava cansado de esperar. Querer. A vida estava acontecendo agora. E eu queria todo o tempo com ela que eu pudesse receber. Então, toda a merda no nosso caminho? Eu ia levá-lo para baixo. Em primeiro lugar na minha lista? Parar o selfie de que o BuzzBoss gostava tanto de postar. Por quê? Porque a melhor forma de lidar com um problema com muitos ramos era ir para a raiz. Se o Boss parasse de arrastar Ivy através da lama, os estudantes no campus iriam parar também. Eles esqueceriam, seguiriam em frente, e ela poderia sair sem ameaça de ridículo ou estupro. Mas quem era o BuzzBoss? Ninguém parecia saber. Era hora de descobrir.


CAPITULO trinta e oito O #BuzzBoss está sendo fechado. #MasNãoPorMuitoTempo Mande seu número para BuzzBoss@yahoo.com para ficar ligado. ...Alpha BuzzFeed

I VY Eu fui para a cama nos braços de Braeden. Acordei sozinha. Eu estava começando a achar que o nosso relacionamento - ou a falta dele - era um vampiro. Só acontecia à noite.


CAPITULO trinta e nove Você tem um pauzinho pequeno. Você irritou o homem errado. Você tem sido invadido. #OSegredoFoiRevelado #EuSeiQuemVocêÉ ...Alpha BuzzFeed

B RAEDEN Eu já ouvi que as pessoas mais perigosas são aquelas que não têm nada a perder. Mas onde eu estou sentado? A pessoa mais perigosa é um homem que achava que ele não tinha nada e, em seguida, encontrou tudo. Eu não voltaria a nada, nunca mais. Eu protegeria o que era meu até meu último suspiro. E Ivy era minha. Descobrir quem era o BuzzBoss deveria ter sido mais difícil. Mas, assim como uma mulher, um homem puto da vida faz pesquisa melhor que o FBI. Sorte minha, eu não precisei de investigação desta vez. The Boss cometeu um erro. Um que muitas pessoas não iriam pegar, mas este foi pessoal. Enquanto eu estava lá no escuro com Ivy tão perto contra mim, eu tive algum tempo para pensar. Eu podia ver agora por que ninguém pegou antes. A genialidade do Boss eram as notificações que continuavam a chegar. Havia sempre algo para falar, algo de novo para ler.


Ninguém tinha tempo para realmente parar e pensar sobre isso, porque eles estavam ocupados demais em falar sobre isso. Calar e escutar. Isso é o que eu finalmente fiz. Oh meu Deus... o que eu ouvi. Uma vez que eu soube, eu não podia simplesmente ficar aqui. Eu tinha que agir, para pôr fim a toda essa porra. Era explosivo, e uma parte de mim esperava como o inferno que eu estivesse errado. Eu sabia que não estava. E honestamente, a traição seria pior para alguns outros do que para mim. A amizade que eu achava que conhecia tinha ido embora... Tudo o que restou foi o choque. O sol estava só começando a subir quando eu escorreguei para fora de Ivy. Eu escapei para o banheiro comum no final do corredor e esperava que ninguém tenha visto. Eu tinha que mijar como um cavalo de corrida e me esgueirar com a bexiga cheia não era a minha ideia de um bom tempo. Enquanto eu estava lá, notei o quanto as meninas eram mais limpas do que os homens. Elas sempre nos disseram, mas eu nunca acreditei que era verdade. Mesmo agora que eu sabia a verdade, eu ainda nunca iria admitir isso. Ivy ainda estava dormindo pacificamente quando eu andei de volta. Eu a assisti por um tempo porque ela era tão porra de bonita. Eu perguntei o que ia acontecer quando eu explodisse fora a tampa da verdade. Orei que isso não arruinasse o que estava finalmente começando a acontecer entre nós. Ela ainda estava usando a minha camisa, e eu não estava prestes a tirá-la dela. Minha viagem de peito nu para o banheiro era uma coisa, mas me exibir de gostosão era outra coisa completamente diferente. Eu precisava um pouco de algodão para mim.


Avistei minha velha camisa dos Wolves deitada sobre a cama de Rimmel, onde joguei ontem à noite. Eu não achei que a usaria novamente, mas a menos que eu planejasse me prender em um sutiã e camiseta regata, achei que essa seria a minha melhor opção. Além disso, ela a queria que cheirasse como eu. Quem poderia culpá-la? Eu era um cara gostosão. Certifiquei-me de que o meu telefone estava no silencioso, tranquei a porta por dentro, e rastejei longe. Eu decidi que um pouco de reconhecimento - só para ter certeza de que eu estava certo -, era uma obrigação, então quando eu fiz o meu caminho para onde eu pensei que eu iria encontrar alguma prova contundente, esperei um pouco, tentando inventar um plano. Mas eu não precisava de um. Pouco tempo depois, o suspeito saiu, deixando todos os seus segredos maduros para a colheita. Eu caminhei pelo corredor como se eu pertencesse aqui e bati na porta. Vários minutos mais tarde, alguém com feroz cabelo desgrenhado respondeu. Liguei o meu charme e sorri timidamente. "Eu estava meio que aqui dentro ontem à noite... logo antes de você chegar em casa. Eu deixei algo aqui. "Eu empurrei a mão através do meu cabelo e desgrenhei ao redor. Cadelas amavam cabelo bagunçado. A porta se abriu um pouco mais. "Você se importa se eu entrar e pegá-lo? Eu estarei fora desse seu cabelo bagunçado em breve". Fui convidado para entrar. Eu fechei a porta suavemente atrás de mim e olhei para a cama desarrumada. "Foi mal, você estava dormindo." "Eu acho que ainda estou bêbada."


"Bem, vai, desmaie novamente. Eu juro que eu vou ser silencioso quando eu sair". "Sorte sua que é tão quente." Veja, antes de Ivy, eu teria tomado isso como convite e imediatamente tentado tocar esse traseiro. Mas meus dias aleatórios de tocar traseiro tinham acabado. Agora eu batia num só traseiro exclusivamente. Graças a Deus pelo álcool, porque a minha cúmplice começou a roncar - e babar – no segundo em que ela bateu no travesseiro. Avistei um laptop em uma mesa cheia de papel e puxei a cadeira para ter um assento. O maldito computador estava bloqueado com uma senha. Girei minha cabeça enquanto eu pensava. Na quarta tentativa entrei. RAINHA DO DRAMA. Vai saber. À primeira vista, era apenas um computador normal com arquivos regulares. Eu tive que cavar em volta, mas então eu bati a sujeira. Parece que o Boss não tinha saído da sua conta de e-mail. E computadores tinham esse hábito de salvar senhas. Oh meu, BuzzBoss, que pastas completas você tem. Comecei com um e-mail perto do topo da caixa de entrada. Era uma carta do reitor, removendo todo o acesso efetivo do BuzzFeed à faculdade assim que o sistema de web reiniciasse. Havia também uma ameaça para descobrir quem era esse estudante e expulsá-lo. Eu tinha que entregar isso ao Boss se eles fossem capazes de manter a sua identidade dos funcionários do campus.


Acho que isso explicava a notificação de fim de noite que o Boss estava sendo removido. Mas eles já tinham um outro sistema no lugar. Parece que eles sabiam que receber o boot era inevitável, porque a nova conta e o novo sistema de mensagens de texto foi todo configurado. Isso até pareceu que eles estavam no processo de desenvolvimento de seu próprio app. Eu cutuquei ao redor um tempo mais longo, através dos e-mails de pessoas enviando dicas e relatórios de tudo o drama neste campus. Era incrível para mim quão ansiosas as pessoas estavam para delatar o outro. Tirei fotos das telas que eu pensei que seriam boas para provas e, em seguida, comecei a retirar algumas abas abertas. Foi quando eu vi isso. A pasta de fotos. Estava marcado#Selfies. Eu cliquei. Havia uma tonelada de fotos. Algumas eram estúpidas e algumas eram bastante condenáveis. Este era o tipo de merda pelas quais as pessoas eram arruinadas. Eu enrolei todo o caminho até a última linha, apenas parando uma vez para me certificar de que a minha amiga bêbada estava realmente desmaiada. Eu quase a perdi, mas o fato de que era diferente do resto chamou minha atenção. Era uma pasta simplesmente rotulada Zach. O que eu vi dentro me deixou doente. Flashbacks da noite que eu interrompi o sonho de Ivy, ela gritando: "Não me toque!" em seu sono, inundaram minha mente. Aquelas não foram manifestações de seu subconsciente. Aqueles não foram pesadelos apenas tentando arruinar seu descanso. Foi a maneira de sua mente trabalhar através de tudo que estava tentando protegê-la. Havia mais de dez fotos. Todas elas estreladas por Ivy. Ela estava seminua em um monte delas e desmaiada mais ainda. Elas contavam uma história, se alinhadas corretamente. Uma história que iria me assombrar para o resto da minha vida. Começava com uma em uma festa, parecia como da fraternidade que ele usou para ser presidente. Ele estava tirando uma selfie de um grupo de


pessoas atrás dele. Ivy estava naquele grupo. Ela estava rindo de algo que alguém estava dizendo. Zach estava no canto da foto, tanto mais perto do que todos os outros, e a forma vazia que seus olhos pareciam era perturbador. Inferno, aquela não era uma #selfie. Era uma foto #stalkie16. Em seguida, havia outra foto, esta também com Ivy. Zach não era quem estava tirando essa, embora, ele estava na mesma. Muito mais perto de Ivy, vendo-a como um leão observava a presa. A próxima foto mostrava Zach bombeando cerveja em um copo, enquanto balançava um comprimido branco sobre o líquido. Outra foto mostrava Ivy bebendo de um taça que parecia com a da foto anterior, enquanto Zach estava ao lado dela e sorria. Ele era bom em parecer amigável. Ele era bom fingindo que não estava podre até o âmago. O resto das fotos eram mais difíceis e mais difíceis de olhar. Todas elas mostraram Ivy em várias formas de posições desfavoráveis. Seus olhos estavam vidrados em todas elas, quase vagos e inconscientes. Elas se mudaram de ela estar totalmente vestida a ela estar totalmente nua. Em muitas das fotos de nu, ela parecia estar desmaiada. E a julgar pela maneira como ele a estava apresentando e ao lado dela, eu diria que ela estava. Eu apertei a mão sobre a boca para evitar de gritar. Eu sabia que ia encontrar alguma sujeira de pessoas nos arquivos do Boss, mas nunca eu pensei que encontraria a prova de agressão. A descrença, espanto, e confusão em sua voz na noite passada quando ela falou sobre o que ela tinha feito com Zach, tudo fazia o perfeito sentido. Não foi sexo consensual. Ivy estava drogada. 16

Stalkie é fingir tirar uma selfie, mas na verdade, usar uma vítima na foto.


E ela foi agredida. Eu empurrei para trás na cadeira, descansando minhas palmas das mãos sobre a mesa, mas dobrando na cintura. Olhando para o chão, eu suguei no ar. Minha menina recebeu a droga do estupro. Minha menina foi porra usada por um bastardo covarde, doente. Eu sei que eu disse que a morte era boa demais para caras como este, mas eu altero minha declaração anterior. Às vezes, a morte era a única opção. Zach precisava morrer. Ele precisava morrer por minhas mãos. Como eu deveria dizer a Ivy o que realmente aconteceu com ela? Não seria estupro muito pior para se recuperar do que o que ela achava que era apenas um mau erro? Deveria eu dizer a ela ou deixá-la viver em felicidade calma? Isso me deixou doente. Totalmente doente. Eu odiava homens que se aproveitaram das mulheres. Homens que pensavam que tinham mais poder que Deus. Os homens que não tinham ideia de que tipo de carnificina que deixaram para trás, e quantos pedaços eles deixaram para as suas vítimas pegarem. Coloque uma pedra em cima disso, B, eu disse a mim mesmo. Este não era o momento nem o lugar para perdê-lo por isso. Haveria tempo para isso mais tarde. Neste momento, eu tinha outra merda com a qual lidar. Sentei-me na cadeira e olhei para as imagens, grato que uma das piores não foi a que acabou no BuzzFeed. Mas, novamente, havia sempre a próxima vez. Eu queria excluir a pasta inteira imediatamente. Eu não queria nada mais do que fingir que ela não existia. Mas ela existia e eu não estava prestes a excluir a prova de que poderia manter Zach trancado para sempre. Então, eu enviei a pasta para mim mesmo por e-mail.


Então, eu a apaguei. Eu passei por todos os programas no computador para me certificar de que as fotos tinham realmente sumido. Levou mais tempo do que eu esperava estar aqui, mas eu não ia deixar ao acaso. Ainda fumegante e um pouco nauseado sobre o que a minha menina tinha sido submetida, decidi que era hora de acabar com isso. Puxei o programa que eu já tinha encontrado. Eu digitei uma mensagem e esperei que o sistema do campus ainda tinha que atualizar. Eu bati enviar. A notificação passou. Eu me perguntei quanto tempo eu teria que esperar pela explosão.


CAPITULO quarenta Boa jogada, hacker, boa jogada. Mas você não pode reprimir um bom #Boss. #EuAgoraTenhoMeuPróprioFeed ...BuzzBoss

I VY Não muito tempo depois eu acordei sozinha, eu recebi uma mensagem. EU SEI QUEM É O BUZZBOSS Eu a li duas vezes, e verifiquei duas vezes o nome do remetente. Braeden sabia quem era o BuzzBoss? QUEM? É MELHOR SE VOCÊ VIER. ONDE? Ele me deu um lugar para encontrar, e eu franzi a testa. AGORA? Eu perguntei. Primeiro ele me fazia acordar sozinha, e então ele me envia mensagens estranhas. Era muito cedo para tudo isso. BLONDIE. TRAGA SEU TRASEIRO AQUI! Eu furei a minha língua no telefone, mas digitei, TUDO BEM.


Eu puxei um par de calças de ioga e deixei a camisa de B. No meu caminho para fora da porta, eu puxei meu cabelo em um coque. Quando cheguei ao local, eu fiquei lá, me perguntando sobre o que diabos era tudo isso. Meu estômago se retorceu um pouco, porque isso tudo parecia tão estranho. Eu pensei sobre a noite passada, sobre a forma como estávamos juntos. Estávamos juntos agora, certo? Se fosse assim, por que eu acordei sozinha? Por que ele estava aqui agora? Tinha apenas uma noite comigo feito ele me dar o fora? Nossa, levantou minha moral. Não. Eu levantei minha mão para bater, mas antes que eu pudesse, a porta se abriu e eu fui arrancada para dentro. "Braeden!" Eu sussurrei - gritei. "O que diabos está acontecendo? " Ele agarrou meu rosto com as mãos e procurou meus olhos. Mesmo neste momento estranho e ligeiramente preocupante, fiquei um pouco perdida em seus olhos, e a dúvida que eu estava sentindo apenas segundos atrás desapareceu. "A merda está prestes a bater no ventilador, Blondie", ele retumbou. "Lembre-se de algo por mim?" "O que?" Ele me beijou. Foi um beijo profundo, profundo. Meu coração bateu mais rápido e minhas entranhas afrouxaram. Mas então acabou. Engoli em seco e apertei os lábios, olhando para ele por algum tipo de explicação. "Lembre-se disso. E lembre-se que eu só estou fazendo isso porque eu quero proteger você." "Braeden, eu não entendo o que está acontecendo."


"Oiii," uma voz familiar gritou através do quarto. "Tentando dormir aqui!" Eu pulei, assustada. Nós não estávamos sozinhos aqui? Da porta, a maçaneta sacudiu como se alguém quisesse entrar. Braeden envolveu o braço em volta da minha cintura e me levou metade mais para dentro do quarto, para longe da abertura da porta. Missy entrou, seus olhos cinzentos procurando freneticamente ao redor do quarto. Suas bochechas estavam vermelhas e seu cabelo estava levado pelo vento, como se ela tivesse estado correndo. "Vejo que você recebeu a minha mensagem", Braeden disse. A raiva indelicada, quase subjacente, em seu tom fez os cabelos na parte de trás do meu pescoço se levantarem. Missy olhou entre nós dois e em seguida, fez uma careta para B. "Eu deveria ter sabido que era você." "Engraçado," Braeden demorou, e eu olhei entre eles como eles praticamente encaravam um ao outro, "você era a última pessoa que eu teria suspeitado, Boss." Minha mão voou para a minha boca. Não podia ser… "Que. Inferno?" Janelle, a companheira de quarto de Missy, sentou-se na cama e atirou fora os cobertores. Missy olhou para trás de Braeden. "Desculpa, Janelle. Você se importa se nós tivermos alguns minutos para falar? Eu vou comprar café da manhã." "Eu poderia ter um pouco de café", disse ela relutantemente e levantouse. Missy entregou-lhe uma nota de dez dólares e ela se foi. Ela nem mesmo penteou o cabelo. Ai, credo.


"Não quer que mais ninguém descubra o seu pequeno segredo sujo?" Braeden incitou. Missy encolheu um dos ombros. Olhei entre os dois. Eles pareciam bloqueados em algum tipo de jogo de encarar a morte. Missy nunca olhou para ele desse jeito, mas algo tinha mudado. Alguma coisa importante. Meu telefone vibrou. Normalmente, eu teria apenas ignorado, especialmente após todos os boatos que estavam circulando sobre mim. Mas algo dentro de mim fez minha mão buscar meu telefone antes mesmo que eu pensasse. Então eu percebi que eu não tinha o meu telefone. Eu não tinha nenhum bolso nestas calças, e eu o deixei no andar superior. Era o telefone de Braeden que eu escutei vibrar. "Deixe-me ver o seu telefone, Braeden." Eu olhei para Missy quando eu falei. Ela deslizou os olhos para mim, e eu pensei que eu vi algum tipo de emoção passar por trás deles. Arrependimento... então raiva. Ele me deu seu telefone, e eu iluminei a tela. As notificações da faculdade foram todas puxadas para cima. Eu senti o sangue escorrer do meu rosto quando eu li o que saiu na noite passada. Outra selfie. Outro homem com quem todos sabiam que eu tinha ido para a cama. Lá estava, em cores, Braeden olhando para a câmera e eu olhando para ele. Lembrei-me desse momento tão claramente. Eu estava olhando para ele, pensando sobre como ele era lindo e quão espantada eu estava pela maneira como ele me fazia sentir. Tinha sido um momento secreto. Um que só ele e eu compartilhamos. Até agora. Agora todo mundo sabia. E agora Braeden era apenas mais um homem que dormiu com a #IvyVagabunda. Olhei para Missy. A raiva que eu pensei que eu vi nos olhos dela era agora totalmente explicada. Quão machucada ela deveria estar. "Missy-" Eu comecei.


"Continue lendo, Ivy. Leia todos até há poucos minutos," Braeden instruíu, cortando o pedido de desculpas formando na minha língua. Eu li. Eu percebi a razão pela qual eu estava sozinha quando eu acordei. Eu percebi a razão pela qual estávamos neste quarto e ele tinha estado aqui sem Missy até poucos minutos atrás. Ele invadiu o BuzzBoss. O BuzzBoss a chamou de hacker. Braeden a chamou de Boss quando ela entrou. Eu me senti tonta. Olhei para Missy, esperando que ela fosse me dizer que tudo o que eu estava pensando era tão errado. Ela não o fez. Missy era o BuzzBoss? "É você?", eu sussurrei. "Você é o..." O telefone caiu da minha mão e bateu no tapete com um ruído surdo. Descrença e o eco de traição eram tão fortes que eu, na verdade, oscilei sobre os meus pés. Braeden estava lá. Ele passou um braço em volta da minha cintura e me ancorou em seu lado. Eu queria falar. Para ouvi-la admitir as palavras... para lhe perguntar por quê. Por quê? Por que ela faria isso comigo? Para todos nós? Minha língua estava grossa, e eu não podia falar. No entanto, mais uma vez, lá estava Braeden, e ele a fez falar para mim.


"Como você pôde fazer isso, Missy? Como você pôde colocar todo o campus contra Ivy desse jeito?" "Como você pôde dormir com ela?", ela disparou de volta. "Oh espere. É porque ela é uma - " Ele se afastou de mim enquanto o som de um rugido feroz ecoou pelo pequeno quarto. Um baixo suspiro cortou as palavras de Missy. "Nem sequer diga isso” Braeden entoou. "Se você sequer olhar torto para Ivy de novo, eu vou jogar você tão longe e fora que seus netos sentirão." "Então você não vai contar a ninguém?", ela perguntou, esperançosa. Eu estava tendo dificuldade envolvendo o meu cérebro em relação a isso. É como se tudo ao meu redor estivesse se movendo a mil milhas por minuto, mas cada célula dentro de mim processasse isso em um quarto da velocidade. "Esta não é a minha chamada. Vou deixar isso até os melhores amigos que você esfaqueou nas costas ", Braeden respondeu, e ele cruzou seus braços sobre o peito. "As melhores amigas não dormem com os homens das outras", ela assobiou. "Eu nunca fui seu", ele cuspiu. "Não parecia assim na outra noite quando a sua língua estava presa na minha garganta." "Cala o inferno da boca", ele gritou. Isso tirou do entupimento de lamas meu cérebro. "Espere?" Eu disse, e os dois viraram os olhos aquecidos para mim. "Você é o BuzzBoss?" "Você não escutou? Eu acho que todo o spray de cabelo que você usa tem fritado seu cérebro, " Missy disse indelicadamente.


"Eu não uso muita spray de cabelo," eu murmurei e toquei meu cabelo. Não era crocante ou rígido. Era macio. Que rude. "Baby", Braeden sussurrou e me trouxe de volta para o tópico em questão. Missy bufou. Isso me irritou. Apoiei meus punhos em meus quadris e fixei-a com um olhar. "Você quer me dizer que você fez tudo isso porque eu dormi com Braeden?" "Você achou que eu não iria descobrir?" Desviei o meu olhar. "Foi uma coisa de uma noite. Antes de você me dizer que queria ele de volta." Eu senti os olhos de B estreitarem no meu rosto, e eu lhe dei um olhar triste. "Eu fiquei longe dele por semanas. Eu me senti tão mal. Você nem mesmo entende. Quando isso aconteceu de novo..." Missy riu, dura. "Oh, sim, você se sentiu tãão mal. Tão mal que você fez isso de novo". Eu levantei meu queixo. "Eu não estou me desculpando. Sim. Nós ficamos juntos de novo. Eu ia lhe dizer. Eu planejava falar." "Engraçado, eu não me lembro dessa conversa." Ela olhou para as unhas, como se ela as estivesse verificando por esmalte lascado. Eu sabia que ela estava tentando agir toda indiferente. Mas eu não estava acreditando. Todas as notificações, as fotos que ela postou, os boatos que ela começou - ela fez tudo isso por causa do que eu fiz e porque isso a machucou. "Porque nós nunca tivemos isso", retruquei. "Você postou essa imagem doentía de mim e Zach."


"The Boss nunca recebeu tanto tráfego. Quase quebrou o site da faculdade." Ela estava orgulhosa do que ela fez. "Você já foi minha amiga?" Inclinei a cabeça e olhei para ela. "Porque eu não posso acreditar que se alguma vez gostou de mim, você faria algo tão incrivelmente doloroso." Ela baixou a mão e desviou o olhar, culpada. Eu pressionei. "Você tem alguma ideia do tipo de comentários cruéis e piadas maldosas que eu tive que suportar? Os boatos? A humilhação? Como você mesmo descobriu?" Missy olhou para mim. "Só mais uma coisa que você nunca me disse." "Você está brincando comigo?", eu gritei "Eu estava tão mortificada. Eu fiquei tão bêbada naquela noite, Missy. Eu nem me lembro da merda que aconteceu." Braeden se deslocou como se minhas palavras o incomodassem. Eu me preocupei se talvez ouvir sobre minhas sexo-escapadas com outro cara iria manda-lo fazer as malas, mas ele não se afastou. Ele se mudou mais perto, inclinando o corpo ligeiramente à frente do meu como se ele de repente sentisse que precisava me proteger. A verdade em minhas palavras parecia ficar através de pelo menos um pouco, e Missy olhou para mim. "Eu dormi com ele. Eu o deixei entrar em nosso quarto. Por minha causa, ele invadiu o laptop de Rimmel. Não só eu me degradei por fazer sexo com ele, mas eu lhe dei acesso sem restrições para machucar Rimmel. Eu não contei a ninguém. Apenas Rimmel, porque isso pertencia ao processo judicial dela contra Zach. Eu estava com tanto medo do que as pessoas pensariam. Quer dizer, se eu pensava tão baixo de mim mesma, então o que todo mundo acharia?" Sua postura curvou um pouco. Braeden estava tão tenso que eu juro que ouvi seus músculos vibrando. "Acho que eu descobri, porém, não foi?" Eu disse. "Você fez com que todos soubessem, e eu me tornei a vagabunda do campus. Crivada de


doenças não diagnosticadas – tão falso, por falar nisso - e uma trepada fácil." Missy olhou para cima bruscamente. A voz de Braeden era dura como pedra quando ele disse, "Eu impedi quatro caras de uma gang de a estuprarem no bosque na noite passada". O rosto de Missy empalideceu. É isso o que era necessário para ter uma reação dela? Um pouco de arrependimento? "Eles queriam saber se os peitos dela pareciam iguais como na imagem que você espalhou por todo o campus. Ela pode ter dormido com Zach, mas você a transformou em uma mulher que todo cara pensou que ele tinha o direito de abusar. " Ele virou a cabeça como se a visão de Missy o deixasse doente. O músculo, no lado de sua mandíbula marcou. Eu coloquei uma mão no centro de suas omoplatas. "Os homens que abusam de mulheres são a porra da escória da terra. Mulheres que os ajudam? Quem sabe sobre isso e o usa para seu próprio benefício?" Ele olhou de volta para ela, um limite muito duro, quase conhecido, em seu tom. Missy se encolheu sob seu impenetrável olhar. "Essas cadelas são um desperdício de espaço." Minha mão apertou em sua camisa. Aquilo foi realmente duro. Tão louca como eu estava, eu não queria ficar aqui e insultar Missy. Eu sabia muito bem como os insultos doiam. Eu pisei em torno dele para olhar para a menina que uma vez que eu considerei minha melhor amiga. "Eu menti para você, e isso foi errado. Mas é a verdade sincera quando lhe digo que eu nunca quis que nada acontecesse entre mim e Braeden. Eu não o fiz de forma maliciosa. Queria dizer a você antes que você descobrisse." Fiz uma pausa. "Como você descobriu?"


Braeden respondeu: "Ela conseguiu ao nossa selfie do meu telefone. Eu estupidamente deixei meu telefone sobre a mesa no Screamerz e fui mijar. Você verificou meu telefone, não é, Missy?" "Eu vi o jeito que você olhou para ela. A maneira que você a viu dançando com Trent. Eu conheço aquela expressão em seu rosto. De interesse. Fiquei curiosa." Ela encolheu os ombros. "Eu realmente não esperava encontrar o que eu encontrei." "Então por que não disse nada? Por que não nos enfrentou?", perguntei. "Porque eu queria ver quanto tempo você iria mentir para mim. Eu queria ver quanto tempo você ia ficar junto de Trent." Ela riu, um som oco. "Dois homens que eram originalmente para mim. Você simplesmente não podia suportar isso, você poderia, Ivy? Você não poderia se colocar como segunda opção." "Cuidado com a boca", Braeden rosnou. Toquei seu lado para deixá-lo saber que estava tudo bem. "Eu nunca me senti como segunda opção", eu respondi honestamente. "Eu me senti como terceira opção." Braeden empurrou, e os olhos de Missy dispararam para mim. "O quê? ", ela perguntou. Eu sorri. "Você está brincando? Você é tão linda que você poderia ser uma modelo da Victoria’s Secret. E Rimmel, bem, ela é tão peculiar e não convencionalmente bonita que ela atrai olhares quer queira admitir ou não. Eu sou a comum. A única que teve de tentar o mais difícil de olhar para o lado. Eu nunca me encaixei com vocês duas. Eu tentei tanto." Eu senti os olhos de Braeden em mim. Ele tinha virado completamente as costas para Missy e estava me encarando. "Baby, isso é verdade?" Eu balancei a cabeça. "Não é grande coisa. Eu estava bem com isso. "Então eu decidi apenas deixar tudo lá. Ok, talvez não muito bem com isso. É a razão pela qual eu me agarrava tão firme a Rimmel quando Romeo


primeiro começou a mostrar interesse por ela. Não porque eu queria Romeo, mas porque eu não queria ser deixada para trás." "Ivy," Braeden sussurrou, sua voz pesada. "Ninguém nunca vai deixar você pra trás." Lágrimas picaram as costas dos meus olhos. Eu não percebi quão pesado e para baixo esses sentimentos me fizeram. Agora que eu falei a verdade, eu me senti mais leve do que antes. Por que tanto teve que acontecer para finalmente deixar um pouco disso ir? "Ouça-me", ele exigiu e inclinou a minha cabeça para que ele pudesse olhar nos meus olhos. "Você não é a segunda opção. Ou terceira opção. Você não é comum. Você é fodidamente perfeita. Você é Mãe do número um." Eu ri. "O que isso significa?" Ele sorriu. "Isso significa que quando as pessoas olharem o número um no dicionário, há uma foto de você com uma legenda que diz: esta menina define o padrão para o número um" . Eu ri e desviei o olhar. Ele me puxou de volta. "Olhe para mim." Quando Braeden falou, eu escutei. Era algo no qual eu ira ter que trabalhar. "Você é o tipo de garota pela qual as pessoas deixam os outros. Se a sua assim chamada amiga não pode ver isso, então ela não é digna. Você com certeza chamou a minha atenção. " Houve um som agudo atrás de nós, o bater alto de uma porta. Ela bateu tão forte que as paredes abalaram. Eu empurrei para trás, e Braeden reagiu instintivamente, girando ao redor e me enfiando atrás dele. Missy tinha ido embora.


Ela saiu da sala e praticamente arrancou a porta fora no processo. Braeden e eu fomos deixados de pé aqui sozinhos. Ele olhou por cima do ombro para mim. "Eu estou pensando que ela não gostou das coisas que eu disse para você?" Eu esperei toda a minha vida por alguém que me dissesse essas coisas - e por mim, para eu deixar a mim mesma acreditar nelas - , mas eu nunca quis que o meu ganho fosse o sofrimento de alguém. "Eu deveria ir encontrá-la. " Eu limpei os meus olhos. "Inferno, não". "Com licença?" "Você está esquecendo o que aquela maldita diaba fez com você? Com Rimmel e Romeo?" Eu esvaziei como um balão esfaqueado com uma tesoura. Não, eu não esqueci. Eu provavelmente vesti as cicatrizes desta traição por muito, muito tempo. No entanto, alguns hábitos eram difíceis de quebrar, e estava enraizado em mim não querer que meus amigos sofressem. No entanto, a verdade é que, depois desta manhã, ficou dolorosamente claro que Missy não era realmente minha amiga. Eu não tinha certeza de que ela alguma vez foi.


CAPITULO quarenta e UM Panquecas no Domingo? É tradição. ...BuzzBoss

B RAEDEN Como você lida quando você descobre que a sua menina foi agredida, depois basicamente intimidada pela melhor amiga dela? Você sai para panquecas. Deixe-me ser claro. Esta não foi a minha idéia. Eu queria faltar. Inferno, nós já estávamos atrasados. Mas no segundo que saímos do quarto de Missy, meu telefone explodiu. Aparentemente, Rimmel tinha estado escrevendo e chamando Ivy em vão. Ela pensou que estávamos mortos. Ou, pelo menos no lado da estrada. Ela me disse que não estava pronta para participar do funeral do irmão e ela nunca estaria. Ivy a ouviu gritando no meu ouvido e me aliviou do telefone. Eu certamente não iria à luta para dar a ela. A próxima coisa que eu sabia, nós estávamos em nosso caminho para panquecas. "Sério, Blondie?" Eu perguntei quando eu abri a porta do passageiro do meu caminhão para ela. Ela não precisava de ajuda, mas eu a ajudei a subir de qualquer maneira. Apalpando a sua bunda e dando-lhe um impulso.


Eu gostava de tocar sua bunda. Era o meu paraíso pessoal. "Eu acho que Rim iria entender se nós ficássemos no quarto", eu terminei uma vez eu estava no assento do motorista. "Você teve uma manhã difícil. Inferno, algumas semanas brutais." "Temos que dizer a eles", respondeu ela. Eu podia ouvir a ansiedade e tristeza em sua voz. Isso me irritou. Eu não queria vê-la sofrer assim. Ela limpou a garganta. "Quanto antes melhor. Nós também podemos fazer isso durante o café e açúcar. Eu definitivamente preciso de algo coberto com calda. Eu acho que eu poderia estar em choque". Virei-me para o lado no banco e a enfrentei. "Eu me sinto como se eu não a conhecesse..." ela sussurrou. "É como se a pessoa que eu pensei que eu conhecia, a que era a minha melhor amiga de anos, era apenas uma fachada." "Me desculpe, eu apenas joguei isso pra você hoje pela manhã." Eu peguei a mão dela e entrelacei nossos dedos . Eu não sabia mais o que fazer. Eu estava com medo de que se eu apenas lhe dissesse, você poderia não acreditar em mim.” "É definitivamente inacreditável", ela murmurou, olhando para nossas mãos unidas. "Mas eu sei que você não diria algo assim a não ser que fosse verdade." Ergui as mãos e beijei as dela. "Eu sei por que ela fez o que fez para mim, mesmo que fosse totalmente ao fundo do poço." Ela olhou pela janela para reeunir os seus pensamentos. "Mas eu não entendo todas as notificações. Todo o drama que ela alimentou entre Romeo e Rimmel. Quer dizer, ela vazou aquela coisa toda sobre o plágio. Rim quase foi expulsa da faculdade." "Ela fez algumas coisas realmente de merda a muitas pessoas nos últimos dois anos", eu concordei.


"Rimmel nunca fez nada para ela. Eu só não entendo por que ela faz isso. Qualquer disto." Virei-me no assento e comecei a subir no caminhão. Segurei a mão dela enquanto nós dirigimos, o trajeto para o restaurante não foi longo. Eu não sabia a resposta para as perguntas de Ivy. Inferno, me perguntava sobre elas eu mesmo. Mas a verdade era que às vezes as pessoas só fazem coisas de merda. Eu sabia disso desde uma idade muito precoce. Às vezes, não há nenhuma motivo ou razão. Às vezes, eles fazem isso porque eles podem. Se havia uma coisa que eu aprendi durante toda a minha vida, era que as pessoas não fazem coisas por causa das outras pessoas, eles as fazem por causa do que elas se livram disso. Eles fazem isso pela forma como elas os fazem sentir. Uma vez que estacionamos e o motor foi desligado, eu saí, puxando-a através do assento atrás de mim. Quando eu estava no chão, eu alcancei Ivy e levantei-a para fora. Eu a coloquei perto e beijei a ponta de seu nariz num impulso. "Eu não acho que o que Missy fez foi sobre você ou Rimmel. Ou qualquer uma das pessoas que ela expôs. Acho que era tudo sobre ela." Nós andamos de mãos dadas em direção à lanchonete, até que Ivy congelou em seus passos. "Qual o problema?", perguntei, passando os olhos na área em nossa volta, à procura de algum tipo de ameaça. Ela fez um som de pânico. "Ivy?" Meu coração estava começando a bater mais rápido. "Eu ainda estou vestindo sua camisa!", ela assobiou. "Isso é tudo, mulher? Por favor." Comecei a andar novamente. Ela se recusou a ceder. Eu mudei para trás e levantei uma sobrancelha. "E agora?"


Ela deu um passo para perto e sussurrou dramaticamente, "Eu não estou vestindo um sutiã também!" Eu combinei com seu tom de sussurro de volta, "Que bom que as meninas17 são durinhas!" "Braeden!" Ela engasgou. Eu joguei minha cabeça para trás e ri. "Vamos lá. Estou com tanta fome que eu poderia comer o podre final de um porco". "Oh meu Deus, isso é nojento!", ela explodiu enquanto eu a rebocava junto atrás de mim. "Ah, baby. Isso fere meus sentimentos." Ela fez um barulho rude, e eu sorri. Eu abri a porta da lanchonete, e ela entrou primeiro. Eu tive que segurar um sorriso quando ela cruzou os braços sobre suas meninas livres. Essa menina era foda de hilária. Rimmel acenou descontroladamente de uma cabine perto da janela. Ivy correu para a mesa e deslizou em frente a Romeo e Rimmel. Eu segui com muito menos pressa no meu passo e deslizei junto à Ivy. Romeo olhou para Ivy, depois para mim. Trocamos um olhar. Ele estendeu a mão e bateu. Eu agradeci. "Já não era sem tempo", ele resmungou. Depois ele olhou para Rimmel, que tinha os cabelos presos no topo de sua cabeça e um lápis espetando a bagunça. "Podemos pedir agora, smalls? Estou com tanta fome que eu poderia comer o rabo de um gambá." Ivy e Rimmel, ambas fizeram sons de engasgo. "Bom," eu o felicitei. A garçonete veio e todos nós pedimos panquecas. Eu pedi alguns ovos e bacon também. Assim fez Rome. E suco. Ivy pediu café. Quando a garçonete se afastou, eu vi Romeo olhando para a minha menina. Meus olhos se estreitaram.

17

Meninas = seios.


"Eu suponho que ela está chorando por causa do mini pornô que vocês dois fizeram e que o Boss explodiu?" Rimmel bateu nele. "Sério? Você não poderia ter exprimido isso de forma mais agradável?" Ele encolheu os ombros. Eu não estava bravo com ele. Inferno, não havia nenhuma boa maneira para enunciar o inferno que Missy tinha feito. "Vocês nunca vão acreditar", disse Ivy cansada. Eu passei o braço em seus ombros e me aproximei. "Isso afeta vocês, também." Eu dirigi as palavras a Rome. Seu olhar afiou. "Braeden descobriu quem é o BuzzBoss," Ivy anunciou. "É Missy." O nome estabilizou a conversa. Levou alguns minutos para o que Ivy disse realmente ser absorvido. Uma vez que o fez, muitas perguntas começaram. Chegaram nosso café e sucos. Ivy mal tocou o dela, porque ela estava tão ocupada falando. Então chegaram nossos bolinhos. Eu tinha devorado metade do meu prato quando notei que ela não tinha tocado no dela. Ela ainda estava falando. Ela e Rimmel estavam sendo um bando de mulheres e analisando cada coisa que Missy já tinha feito e dito. Francamente, isso estava me dando indigestão. Deixei minha mão em sua coxa. A frase dela vacilou e ela olhou para baixo. "A comida está esfriando." "Eu não estou com tanta fome como eu pensava." Eu resmunguei. "É porque você ainda está latindo sobre Missy. Vamos dar um tempo, hein?" Eu dirigi a minha última frase para a mesa inteira. "Você recebeu o suficiente nas últimas vinte e quatro horas. Tome um fôlego." "Será que algo mais aconteceu?" Rimmel perguntou, parando no meio da mordida.


Abaixo da minha mão, a coxa de Ivy cerrou. Eu lhe dei um aperto reconfortante. "Nah, o que Missy a fez passar foi o suficiente". Rimmel balançou a cabeça e olhou para seu prato. Ela estava chateada também. Traída e triste. Eu não poderia culpá-la, e isso me deixou puto tudo de novo. Como poderiam as duas mulheres com quem eu mais me preocupava além da minha mãe, é claro - terem sido tão machucadas? Rimmel começou a falar sobre Prada e a merda engraçada que ela fez esta manhã, antes dela e Rome saírem para o café da manhã, e Ivy ficou totalmente atraída. Eu nunca pensei que eu estaria agradecido por esse rato pequeno, mas aqui estava eu... agradecido. Romeo se inclinou sobre a mesa. "O que mais você não está dizendo? " Olhei para as meninas. "Mais tarde, ok?" Relutantemente, ele assentiu. Deixamos as meninas na conversa e começamos a nossa própria sobre o amistoso na noite passada. Eu estava totalmente prestando atenção ao nosso papo, mas isso não me impediu de perceber quando Ivy pegou o garfo e, na verdade, começou a comer. Eu terminei o meu prato de ovos e bacon e estava fazendo um muito bom trabalho na pilha de panquecas na minha frente quando uma mudança veio de Romeo. Olhei para ele. Ele estava olhando para algo fora atrás de mim. Algo ao longo na direção da porta. "O que está acontecendo?", perguntei, começando a virar. Romeo pegou meu braço e sacudiu acabeça. "B ..." Algo estava errado. Eu soube imediatamente. Ele piscou e empurrou os olhos para longe, de volta para mim. "Fique calmo, ok?" Que porra ele estava falando?


Eu estava além de chateado com Missy, mas eu não estava prestes a perder a minha merda aqui na lanchonete. "Eu estou bem", eu respondi. Os olhos de Romeo voltaram atrás da nossa mesa mais uma vez. Era quase como se ele tivesse visto um fantasma. Eu puxei meu braço para fora de seu aperto e comecei a virar. Antes que eu pudesse, a parede sólida de alguém se aproximando da nossa mesa ficou no meu caminho. O sentimento de ser picado por uma abelha irritada veio sobre mim. De repente, era difícil respirar. O homem parou ao lado de nossa cabine. Ele parecia muito como eu me lembrava. Só que ele não parecia tão grande. Meu garfo caiu ruidosamente sobre a mesa quando eu olhei. Os olhos escuros do homem estudaram cada polegadas minha como se ele nunca tivesse me visto antes. Por baixo da mesa, minhas mãos apertaram em punhos. "Sei que isso é bastante repentino", ele falou. "Repentino?" Eu zombei. "Você não é bem-vindo aqui." "Braeden?", disse Ivy, inclinando-se e enfiando seu braço ao redor do meu. Ela poderia provavelmente sentir a tensão no meu corpo e isso a estava, provavelmente, surtando. Ela deveria estar surtando Porra, eu estava. "Quem é esse?" , ela sussurrou. "Ah , você deve ser a namorada." O homem sorriu, seus olhos agora vagando cada polegada da minha menina.


Eu sacudi para fora da cabine tão rápido que ele deu dois passos vacilantes para trás. Fiquei em pé para que o meu corpo estavisse bloqueando toda a visão de Ivy e cruzei meus braços. "Que diabos você está fazendo aqui?" Eu rosnei. Como se atreve este F. D. P. olhar para Ivy? "Você não iria responder às minhas chamadas ou qualquer uma das minhas mensagens", disse ele, calmo. "Eu estive na cidade um tempo, esperando... Eu sei que você come aqui todos os domingos, então eu decidi, se você não viria a mim, eu viria até você." "Você está me observando?" Tantas emoções guerrearam dentro de mim. Muitas recordações. Quase cada uma delas era ruim. "Eu só quero falar com você, filho." "Filho?" Rimmel e Ivy engasgaram ao mesmo tempo. "É isso mesmo", ele respondeu, tentando olhar em volta de mim novamente. Ele não podia ver Ivy, assim ele olhou para Rimmel ao invés. "Sim, filho. Eu sou o pai de Braeden."


CAPITULO quarenta e dois Quando você olha no espelho, seu rosto não é a única coisa refletida de volta para você. Suas ações também são. #AlgumasVezesEuSintoMuitoNãoÉBomOBastante ...BuzzBoss

I VY Braeden nunca mencionou seu pai. Nem de passagem, nem em comentários gerais, nunca. A julgar pela forma como ele estava agindo neste momento e o olhar espelhado no rosto de Romeo, eu diria que havia uma razão. Fiquei curiosa, não por causa da recepção muito fria que este homem estava recebendo, mas porque isto era parte da vida de Braeden. Apesar de todo o tempo que passei com ele - mesmo quando lutamos o tempo todo - ele jogou as coisas muito perto do colete. Sua abordagem sópor-diversão para as mulheres também se estendia para o resto de sua vida. Ele estava sempre contando uma piada, um insulto, ou sendo sarcástico. Eu sabia que sua mãe vivia perto do campus e ele ia vê-la muito frequentemente, mas isso era tudo tanto quanto eu sabia. Parecia injusta toda a embaraçosa porcaria que ele sabia sobre mim, e eu não sabia absolutamente nada dele. "Se eu quisesse falar com você, eu teria ligado de volta", Braeden estalou.


Seu pai não pareceu estar surpreendido ou mesmo ofendido com a forma que B estava agindo. "Eu só estou pedindo uns poucos minutos do seu tempo." "Eu não tenho alguns minutos para você. Saia". O aço em sua voz fez o cabelo na parte de trás do meu pescoço se levantaram, e Rimmel e eu compartilhamos um olhar. Por alguma razão, ela não parecia tão intrigada. Pelo contrário, ela parecia um pouco enojada e preocupada com a presença deste homem. Eu deslizei para frente e espiei ao redor de B para ter uma melhor visão do homem. Ele era alto como Braeden e tinha os mesmos ombros largos. Ele era bem mais magro do que Braeden, faltava-lhe a pesada massa muscular que seu filho possuía. Seu cabelo era escuro, mas recheado com um monte de cinza e estava cortado incrivelmente curto. Ele tinha fortes características faciais, um nariz afiado e olhos do mesmo tom de marrom profundo como B. Ele também tinha linhas ao redor dos olhos e boca, e círculos sob seus olhos. Ele era mais velho do que eu pensava que o pai de Braeden seria, e muito mais estóico também. "Olá", disse ele, pegando meu olhar. "Meu nome é Mark." "Não fale com ela," Braeden estalou. Pessoas das mesas nas proximidades pararam para olhar fixamente. "Agora não é um bom momento", disse Romeo, levantando-se da cabine. Mark olhou para ele. "Roman. Parabéns, Ouvi que você foi contratado pelos Knights". Romeo não sorriu ou disse obrigado. "Temo que o tempo não é realmente algo que eu tenha muito", disse ele, voltando-se para Braeden. "Eu estava querendo falar com você, filho. Para que você saiba o quão profundamente eu sinto muito. Eu quero fazer as pazes, espero dar-lhe um pouco de paz."


"Para você mesmo”, disse Braeden. Mark inclinou a cabeça. "Sim para mim também." Ele fez uma pausa e acalmou sua voz. "Eu estou morrendo." As palavras se estabeleceram como um forte nevoeiro no meio de uma tempestade. Era grosso e sinistro, e fiquei chocada que ele apenas jogou para fora as notícias assim. Braeden não reagiu exteriormente. Ele ficou ali com a mesma postura rígida e posição protetora na minha frente. "Não é a primeira vez que você mentiu". Ele sorriu com tristeza. "Eu gostaria de estar mentindo. É o meu fígado. Tenho estado doente por muito tempo agora." "Acho que você não deveria ter bebido tanto antigamente". "Eu acho que é karma", disse Mark. "E eu acho que você pode concordar." "O dia em que eu concordar com você é um dia que eu não quero ver." Mesmo que eu não vi nenhuma mudança em Braeden, eu a senti. Eu a senti todo o caminho para os meus ossos. Enfiei minha mão até a parte baixa de suas costas, coloquei-a debaixo da camisa que ele estava vestindo, e coloquei minha palma da mão contra a sua pele. Eu queria que ele soubesse que eu estava aqui para ele. "Podemos ir lá fora?", perguntou Mark. "Somente por um minuto." Segundos se estenderam e transformaram-se em um minuto. Braeden parecia debater honestamente consigo mesmo sobre o que ele deve fazer. Finalmente, ele deu sua resposta. "Eu não posso fazer isso neste momento. Não aqui. Não agora." Mark balançou a cabeça, o rosto um pouco triste. "Eu entendo." Ele enfiou a mão no bolso e tirou um pedaço de papel. "Este é meu numero. Por


favor, me ligue. A qualquer hora. Não tenho o direito de pedir, mas tudo que eu quero é uma conversa. " Braeden olhou para sua mão estendida com o papel por longos segundos. Relutantemente, ele pegou. "Vou pensar sobre isso." "Obrigado." Ele hesitou antes de sair, em seguida, olhou sobre Rimmel. Ambos, Braeden e Romeo, endureceram, e Mark deu um passo para trás. "Vou esperar ansioso pela sua chamada." Ele deixou a lanchonete, sem outra palavra ou olhar. Tudo no espaço pareceu zumbir de volta à vida, tudo, menos Braeden. Ele estava enraizado no lugar como uma árvore em uma tempestade. Ele estava lá e olhou pela janela por muito tempo. De repente, ele explodiu em ação. Ele empurrou longe de nossa cabine, sem uma palavra, seguiu através da lanchonete, e bateu para fora da porta. Pela janela, eu o vi colocar as duas mãos atrás da cabeça e olhar para o céu. Romeo o seguiu depois dele. Agarrei sua camisa e corri para deslizar para fora da cabine. "Deixe-me ir desta vez", eu disse. Romeo parecia dividido sobre o que fazer. Ele claramente sabia o que este tipo de visita faria para Braeden, e eu claramente não. Ele não tinha certeza se podia confiar em mim para lidar com isso da maneira certa. "Por favor", eu sussurrei. Ele cedeu e concordou com a cabeça uma vez. Eu corri para fora da lanchonete e para a luz do sol.


CAPITULO quarenta e tres Tudo o que eu estou dizendo é que, se ele não tem relacionamentos, você NÂO vai ser a exceção. #SeVocêPensaQueVaiEntãoVocêÉEstúpida ...BuzzBoss

B RAEDEN Eu estava encostado na lateral do prédio quando ela se aproximou. "Volte para dentro, Blondie." Seus passos vacilaram, mas quase tão rápido, começaram novamente. Ivy se encostou no prédio ao meu lado, espelhando a minha posição. "Acho que você não envia um cartão de Natal para ele todo ano?", perguntou ela. Eu ri. Eu não poderia evitar. Isso era pra lá de ridículo. "Foda-se, não." "Quanto tempo se passou desde que você o viu?" Sua voz era muito mais tímida e grave. "Eu tinha dez anos de idade." O dia estava claro como um céu sem nuvens, e eu provavelmente iria lembrar dele para sempre. Não importava quanto tempo passou, esse dia nunca se desvaneceu. Eu estava sentado em um hospital, solene e assustado junto à cama de minha mãe. Em pé ao meu lado estava uma oficial do tribunal, uma mulher que cheirava a naftalina e usava um terno inadequado. Ele tinha batido nela.


Ele tinha batido nela tão forte que ela ficara em coma por dois dias. Eu assisti, impotente, congelado com medo e incapaz de ajudá-la. Quando ela finalmente acordou, sua primeira visita foi dos serviços de cuidados infantis. Eu tinha sido levado em custódia enquanto esperavam para ver se ela iria viver. Quando ficou claro que ela viveria, a senhora representante de serviço deu-lhe uma escolha: ele ou eu. Ela poderia dar queixa e ter o meu pai jogado na cadeia, fornecer os papéis do divórcio, e sair de debaixo de seu abuso. Ou… Ela poderia desistir de mim. Deixar eu me tornar uma ala do estado enquanto ela ia para casa e esperaria pelo dia em que meu pai iria finalmente iria espancá-la até que ela morresse. Ela me escolheu. O segundo visitante em seu quarto foi a polícia. Seus ferimentos, registros hospitalares anteriores, e testemunhos eram o suficiente para tê-lo preso naquele dia. Mas eles não puderam encontrá-lo para prendê-lo. Enquanto minha mãe se curava, eles me permitiram visitá-la por curtos períodos de tempo. Foi durante essas visitas que eu pus os olhos nele pela última vez. Ele invadiu o andar do hospital, bêbado e gritando. Eu acho que ele tinha vontade de bater em algo, e seu saco de pancadas não estava em casa. Os policiais estavam lá, e vi quando o prenderam. Eu nunca vi meu pai novamente. Até hoje. Eu bati de volta a partir da memória, o dia que eu nunca iria esquecer, para Ivy, que estava em meus braços. Ou talvez eu estava nos dela.


Seus braços estavam em volta do meu pescoço e sua cabeça estava inclinada para o lado. Meu rosto estava enterrado em seu pescoço enquanto eu a puxei para mim. "Eu não sabia", ela sussurrou. "Você era apenas um menininho." Comecei a puxar para trás, mas seus braços apertaram. Ela desenhou círculos preguiçosos na parte de trás do meu pescoço, e eu estremeci. Ela cheirava bem, então eu a puxei muito mais perto. "Eu disse tudo isso em voz alta?", murmurei. Eu achei que eu estava pensando. Eu não percebi que eu tinha derramado tudo para fora. "Sim. Mas tudo bem. Eu queria saber. Eu quero saber tudo que há para saber." Eu me afastei e a coloquei cuidadosamente afastada de mim. "Eu não posso fazer isso." O pânico arranhou o interior da minha garganta. "Fazer o quê?", perguntou ela, gentilmente. Droga, eu queria abraçá-la novamente. "Seja o que for que estamos fazendo." Fiz um gesto entre nós. "Eu não tenho relacionamentos." "E agora eu sei por quê." Eu me virei. "O que?" "Você está com medo." "Eu não tenho." Eu rosnei. Isso foi insultante pra porra. Eu não estava com medo de merda. "Eu não posso culpá-lo. Depois do que viu de relacionamentos em sua própria casa, francamente, estou surpresa de que você não está mais fodido. " "Você veio aqui para me fazer sentir melhor? Porque você está fazendo um trabalho miserável".


Ela sorriu e deu um passo adiante. "Eu não acho que eu posso fazer qualquer coisa para fazê-lo se sentir melhor. O que aconteceu lá dentro foi intenso. Ele volta depois de todo esse tempo e espera que você tenha esquecido tudo que ele fez. Você não pode fazer isso, e você não deveria também. Mas lá estava ele, e ele está morrendo." "Ele só pensa que eu vou entregar um passe para ele pelo que ele fez para a mamãe e para mim." Eu balancei minha cabeça. Eu estava com raiva, mas não tão irritado como eu pensei que estaria. Eu estava cansado demais para ficar com raiva. Eu estava cansado de todo o drama. Além disso, vê-lo me fez perceber que eu tinha muito mais poder do que tinha naquela época. Ele não poderia mais me machucar, ou alguém mais que eu amasse, e eu era forte suficiente para me certificar disso. Talvez minha mãe estivesse certa. Talvez vê-lo iria me ajudar a seguir em frente. Eu olhei para Ivy. Ela sorriu. Eu queria seguir em frente. Eu estava pronto. "O que quer que você decidir, B. Ligar para ele ou não ligar. Não importa. Apenas faça o que você precisa fazer para você. Eu vou apoiá-lo, não importa o que. Eu sempre vou apoiá-lo." "Você sabe, se eu alguma vez fosse ter um relacionamento, você seria a única com quem eu faria isso." Eu a puxei para dentro e passei meus braços ao redor dela. "Você com certeza sabe como fazer uma garota se sentir especial", ela brincou. "Eu sei." Mas, na realidade, eu poderia fazer melhor. Eu precisava fazer melhor. Eu também ia partir para o tudo ou nada com Ivy. Ela não merecia menos. "Se você decidir vê-lo e você quiser que eu vá, eu estarei lá. OK?" Beijei-a na testa e recuei. "Obrigado, querida." Romeo e Rimmel saíram pela porta, Rimmel carregando a bolsa de Ivy. "Nós meio que imaginamos que o café da manhã tinha terminado," ela disse e entregou a Ivy.


"Eu vou pagar a conta." "Já cuidei disso", disse Romeo. Eu estendi minha mão para uma colisão. "Você está firme?", ele perguntou depois. "Sim, acho que sim." "Você vai falar com ele?" "Eu ainda não tenho certeza." Romeo assentiu. "Eu apoio você, não importa o que você decidir. " "Eu também!", disse Rimmel. Eu sorri. Ivy enfiou a mão na minha. "Vocês dois já estão oficial ou o quê?" Rimmel interrogou. Ivy não respondeu de imediato. Na verdade, a pergunta pareceu fazê-la um pouco desconfortável. "Com tudo que esta acontecendo, e agora com a grande revelação de Missy, não temos realmente…" Romeo entrou em cena. "Não os persiga, baby. Eles vão descobrir isso." No nosso caminho para o caminhão, olhei de volta para Rimmel, que estava nos assistindo ir embora. Eu estendi meu polegar e mindinho para fazer o sinal do telefone e murmurei as palavras me liga. Seu rosto abriu-se num sorriso malicioso e ela assentiu. Se Ivy não tinha certeza do estado de nosso relacionamento e não sabia onde ela estava comigo, então eu, com certeza do inferno, iria corrigir isso.


CAPITULO quarenta e quatro ATENÇÃO: Estudantes Devido ao mau uso do app da Alpha U, a universidade vai desativá-lo. Para atualizações da política do campus, veja o website da faculdade. Assinado, Reitor da Alpha U ...Alpha BuzzFeed

I VY Missy não era vista em lugar nenhum. É como se ela desaparecesse da face do campus. Mas eu sei que ela não o fez porque o BuzzBoss ainda estava explodindo o feed de todo mundo com mensagens em sua maioria aleatórias. Eu ainda tinha dúvidas, ainda tinha coisas para dizer a ela. A perda de nossa amizade e o jeito que terminou não era algo que eu só podia esquecer. Eu não era a única. Rimmel queria respostas, também. Mas à medida que os dias foram passando, comecei a me perguntar se nós sequer iríamos conseguir. As pessoas no campus ainda sussurravam quando eu passava, mas eu ignorei. Realmente, não importava o que elas diziam. Não era tão ruim quanto foi no início, e eu sabia que ia desaparecer da memória. Com finais quase aqui, o semestre acabaria, e quando o outono finalmente chegasse, ninguém se lembraria do meu nome.


Eu ainda sonhava algumas vezes com Zach, mas agora não era sempre só ele. Algumas vezes eu via os rostos dos homens que me arrastaram para o bosque naquela noite, e eu acordava suando. Eu esperava que a cada dia eles finalmente fossem embora. Se não fosse por minha causa, por Braeden. Meus sonhos pareciam chateá-lo quase mais do que eu. Basicamente, depois de todo o caos, apesar de Missy ser MIA18 e Braeden ainda lutar com o fato de se ele queria falar com seu pai ou não, a vida foi se estabelecendo. Era bem-vindo, porque ultimamente a vida tinha sido definitivamente muito agitada. Agora tudo que eu precisava era de ter a certeza de onde eu estava com Braeden. Sim, ele disse que me queria, ele dormia no meu quarto mais frequentemente do que no dele, e ele nem mesmo olhou para outra menina, mas eu ainda me preocupava às vezes. Eu me preocupava se seus demônios iriam afugentá-lo, ou quando chegasse o verão, nós nos afastaríamos. Eu marchei até as escadas para o meu quarto, pronta para lançar os sapatos e brincar com Prada. Eu ainda estava contrabandeando-a para o dormitório. Quem eu estava enganando? Eu amava esse cão. Eu provavelmente a levaria para casa comigo neste verão. Eu mesma comprei um pequeno tutu rosa para ela que Braeden achou que era ridículo. Secretamente, acho que ele pensava que era fofo. Eu tirei minha chave para abrir a porta. Rimmel não estaria aqui esta noite, ela estava na casa de Romeo. Braeden estava treinando e não estaria aqui até mais tarde, e após o dia que eu tinha tido, eu não estava arrependida de ter algum sossego. Levei mais tempo do que provavelmente deveria para perceber que algo não estava certo aqui. A porta já estava fechada atrás de mim, e eu tinha tomado vários passos no quarto. Meus passos vacilaram e eu pisquei.

18

Missing In Action = Desaparecida Em Missão.


Estava brilhante aqui, não o tipo de brilhante de luz solar que filtra através da janela. Na verdade, as cortinas estavam todas fechadas. Por que diabos as cortinas estavam fechadas? A luz de cabeceira estava acesa. Será que eu tinha deixado dessa maneira quando saí mais cedo? Não. E eu não tinha fechado as cortinas também. Eu pisquei novamente, trazendo todo o resto do quarto em foco. "Blondie. Você está atrasada." O som familiar de sua voz me fez sorrir. "Braeden?" Ele estava de pé no centro do quarto... o meu quarto que parecia totalmente diferente. "Eu fiquei esperando por uma hora." "Eu parei na biblioteca. Eu pensei que você estava treinando." "Eu menti." Olhei em volta novamente. Tão convidativo como vê-lo ali de pé sem camisa e em nada além de um par de shorts de basquete que eu não conseguia superar o que ele tinha feito no quarto. "O que é tudo isso?", perguntei, maravilha em minha voz. Meus olhos não conseguiam parar de olhar, não podiam parar de se mover de um canto para o outro. "Eu disse que eu não sou bom em falar. Então eu imaginei que iria te mostrar como me sinto." Ele acenou com as mãos na transformação. Ele transformou este quarto na praia. E estava perfeito.


Havia fotos de palmeiras ampliadas em todos os cantos. Havia até uma pequena na escrivaninha. Abacaxis em papel 3-D pendurados por todo o quarto, flores de papel tropical envoltas em todo o ventilador de teto, e pendurado no centro estava um papagaio vermelho gigante. O centro de meu desktop estava limpo de todas as minhas coisas e configurado com um buffet tropical. No centro, havia um balde de prata de gelo e garrafas de Corona com vários cais inteiros ao lado dele. Havia também cocos reais com seus topos cortados. Presumi que eles foram preenchidos com algo frutado por causa das pequenas sombrinhas espetadas no topo. Bandejas de frutas foram organizadas por cor, e havia um prato redondo de cupcakes, o glacê coberto com granulado. Conchas reais cobriam quase toda a superfície, e um grande cartaz do sol se pondo sobre o oceano pendurado na parede de trás. "Eu não posso acreditar que você fez tudo isso." "Bem, eu tive um pouco de ajuda", admitiu relutantemente. "Rim me ajudou a decorar. E ela levou Prada para passar a noite". "É tão bonito." "Nós realmente nunca tivemos um começo. Por meses, nós lutamos e insultamos um ao outro. Em seguida, queimamos na cama. Fingimos que o que aconteceu não importa, mas importa, Blondie. Você importa." "Braeden", eu sussurrei e dei um passo mais para dentro do quarto. Ele balançou sua cabeça. "Toda a merda com Missy, com Zach... inferno, mesmo com meu pai, isso ficou no nosso caminho. Eu deixei. Isto sou eu prometendo que eu não vou deixar novamente. Isto sou eu prometendo que é o nosso começo. Você é isso para mim." Ele deu uma respirada, e vi seu peito subir com ele. Seus olhos escuros e cor de chocolate agarraram-se aos meus. "Porque eu ainda não gosto de você, Blondie." Eu comecei a revirar os olhos. "Eu te amo."


Meu coração parou. Tudo parou. Aquele lugar lá no fundo, dentro de mim queimava e formigava. "Eu não gosto de você também." Minha voz vacilou. A intensidade de seu olhar perfurou direto em mim, como se estivesse procurando desesperadamente a minha resposta. "Eu te amo pra caramba", confessei. As palavras sopraram fora de mim com força, como se o peso que as segurava para baixo finalmente tivesse sido cortado livre. "Vem cá, mulher", ele rosnou. Eu ri e apressei a curta distância entre nós. Eu quase caí quando meus pés tocaram algo estranho. "Diga-me você notou", disse ele, seco. Os olhos dele brilharam com humor. Olhei para baixo e ri. Eu não tinha notado. "Como eu deveria notar alguma coisa quando você está aí sem camisa?" "Você está perdoada." Braeden estava em uma piscina de plástico azul infantil. Não estava preenchida com água. Ao invés, estava preenchida com areia. "Tire os sapatos", ele sussurrou. Chutei-os mais rápido do que nunca. Eu me preparei para saltar dentro, mas ele balançou a cabeça. "Apague as luzes." Eu enruguei meu nariz. "Mas então ficará um breu aqui, e eu não vou ser capaz de ver todo seu trabalho duro. "Nossas cortinas eram blackouts, para que pudéssemos dormir nos fins de semana.


"Confie em mim." A rouquidão em sua voz era hipnótica. É claro que eu confiava nele. Eu não confiava em ninguém mais. Voltei perto da porta e dei uma última varredura olhando em volta. A sala mergulhou na escuridão no segundo que eu bati o interruptor. Mas não estava quase tão escuro como normalmente estava. A sala estava cheia de estrelas. Estrelas de incandescência brilhantes. Enchiam o teto e parte das paredes. Algumas estavam ainda presas às cortinas, algumas esboçavam uma das palmeiras ampliadas. Elas eram de tamanhos variados, de grandes a super pequenas. Era exatamente o que tinha sido na Flórida, quando o sol se pôs e a noite iluminou. O som das ondas do mar quebrando contra a costa encheu a sala com um ritmo calmo. Minha respiração ficou presa. Ele recriou aquela noite na praia. A praia onde algo entre nós mudou e passamos a nossa primeira noite juntos. Nosso primeiro beijo tinha sido sob as estrelas. Para um homem que disse que ele não era bom em palavras, não era bom em sentimentos... Ele não poderia ter feito nada melhor. Eu andei com cuidado por toda o quarto, não preocupada que eu iria bater em nada porque a luz das estrelas iriam me guiar. Braeden estendeu a mão e me estabilizou quando entrei na piscina.


Meus pés afundaram na areia, os dedos dos pés balançando com alegria. Os braços de Braeden enrolaram em volta da minha cintura e me puxaram para perto. "Isto é como deveria ter sido aquela primeira noite na areia", ele sussurrou. "Este é o nosso começo, Ivy. Eu quero tornar isso oficial. Eu não quero que haja nenhuma dúvida porque eu vou fazer merda estúpida o tempo todo." Eu ri, e os dentes brancos dele brilharam. "Eu vou deixar o assento do banheiro levantado. Eu vou ser super protetor, provavelmente, mandão, e meu temperamento sempre vai esquentar ". "Eu não me importo", eu disse a ele, deslizando minhas mãos para cima para descansar em seu peito. "Diga-me você vai ser minha garota, e eu juro que eu vou te amar com tudo que eu tenho." "Eu sempre vou ser teimosa. Eu não vou levar sua merda. Minha maquiagem vai estar em todo o banheiro, e eu ainda não tenho uma especialização. Ah, e eu quero ficar com Prada. Você tem que gostar dela também." "Eu já disse a Rim para pegar a papelada de aprovação pronta para aquele rato." Então, em um tom mais baixo, ele disse: "Ela cresceu em mim." Eu sorri. Ele amava totalmente Prada. "Então, qual é a minha resposta?" Ele apertou seus braços ao redor da minha cintura. Fingi pensar sobre isso. A menina nunca deve parecer muito ansiosa, mesmo que ela praticamente estivesse se mijando de alegria. "Blondie", Braeden rosnou. "Eu já sou sua, B. Eu tenho sido por muito tempo." Ele me beijou sob as estrelas. Um beijo longo cheio de fogo, que nem mesmo as ondas do mar poderiam colocar para fora. Não era a primeira vez que tinha feito isso, mas poderia muito bem ter sido.


Braeden me fazia sentir como ninguém jamais poderia. Todo esse tempo, eu estava procurando, olhando no rosto de cada homem que eu passei perguntando se ele poderia ser o único. O único que minha alma reconheceria. Ele estava na minha frente o tempo todo. Ele apenas tinha se escondido no escuro. Levou a luz de um milhão de estrelas para revelar o que um pedaço de mim já sabia. Nunca odiei Braeden. Eu o amava, provavelmente a partir do primeiro dia que nos conhecemos. E eu o amaria muito depois dos milhões das estrelas que desvanecerem no alto.


Epilogo nefasto O verão está chegando. Hora de se reagrupar. Verei vocês no próximo semestre. #NãoSePodeSegurarUmBomBoss ...BuzzBoss

B RAEDEN Eu decidi não contar a ela. Para manter o segredo que muito poucos sabiam. Missy não ia falar. Se saísse que ela sabia que uma estudante fora agredida e, em seguida usou um pedaço de evidência para arruinar a reputação da estudante, bem, sua carreira inteira da faculdade estaria terminada. E ela podia dar adeus aos sonhos de fama no teatro. Zach estava trancado, com alguma sorte, ele ficaria lá por um tempo muito longo. Ele não iria executar sua boca, porque então ele poderia ter que trocar sua cela confortável por uma muito menos confortável. Restava eu. Como eu poderia rasgar o mundo da mulher que eu amava desesperadamente? Ela tinha passado por tanta coisa, parecia cruel destruir pouco de fé que ela foi ganhando. Eu queria protegê-la do que tinha sido feito com ela. Da maneira que eu jamais pude proteger a minha mãe... ou mesmo eu. Eu não sei se a minha decisão estava errada. Eu esperava que eu nunca descobrisse.


Tudo que eu queria era que ela fosse feliz. Que ela estivesse segura. E que ela nunca soubesse. Eu não tinha dúvida de que Ivy poderia lidar com esta informação, mas ela não deveria. Então todo mundo ia manter a sua boca fechada... e se eles não o fizessem? Teriam que pagar no inferno. #The End ...Alpha BuzzFeed Zach está de volta.

Hashtag #4 selfie cambria hebert  
Hashtag #4 selfie cambria hebert  
Advertisement