Issuu on Google+

Correio do Contestado

Informação com credibilidade!

R$ 2,00 Papanduva, Monte Castelo, Major Vieira, Canoinhas, Três Barras, Timbó Grande, Santa Terezinha, Itaiópolis, Mafra, Campo Alegre, Rio Negrinho, São Bento do Sul, Florianópolis e Brasília

Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014 - Ano XIII - Edição 493

EXCLUSIVO Falsos Médicos:

Prefeito Dario Schicovski quebra o silêncio Em entrevista exclusiva ao Correio do Contestado, o prefeito falou da polêmica dos falsos médicos e de outras irregularidades envolvendo profissionais do setor. Falou também dos problemas com a falta de água e as boas notícias da SC 477.

Conheça a Escola Menino Jesus

MATRÍCULAS ABERTAS!!!

Informações nas páginas 07 a 10

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014

1


Artigos

Correio do Contestado

Onde a impunidade nos levará? Por Deputado Estadual Dirceu Dresch - PT/SC

Senador

A Miopia do Imediatismo

A

o longo de nossa história, temos procurado reproduzir a forma como os Estados Unidos se governam. Nossa República já foi chamada, durante décadas, de “Estados Unidos do Brasil”. E chamamos o governo Federal de União, como se ele resultasse, como lá, de uma reunião de Estados autônomos e descentralizadores da gestão pública. Adotamos, como lá, o regime presidencialista; e, instituímos, como lá, eleições a cada dois anos. Também como lá, aqui os candidatos a cargos públicos têm suas campanhas financiadas por empresas privadas. Os graves defeitos da política norte-americana manifestam-se aqui, em intensidade maior. Aqui, como lá, eleições bianuais e financiamento privado das campanhas, submetem a política à miopia do imediatismo. No seu alentado livro “O Futuro”, All Gore, ex vice- Presidente da República dos Estados Unidos, deplora essa realidade: “a lógica imediatista tornou-se, há tempos, uma tendência da moda nos círculos empresariais; e tanto nos negócios como na política predomina a tomada de decisões a curto prazo”. (...) Quando os políticos eleitos atuam sob um stress sistêmico constante para se concentrar em horizontes curtos, o futuro ganha uma dimensão reduzida”. No Brasil, estamos sempre na emergência de uma nova eleição. Mal saímos do pleito municipal, já mergulhamos nas tratativas para escolha do Presidente e de Governadores. Não há espaço para cogitações nem planos de longo prazo. Toda a ótica e a energia da política está sempre voltada para a próxima eleição. A outra distorção, que copiamos dos norte-americanos, é a forma como as eleições são financiadas. Normalmente, quem paga a conta das campanhas são pessoas endinheiradas e empresas, o que reduz a independência dos eleitos. Sobre isso, Al Gore também comenta: o “Congresso, no mundo moderno -- um avatar de legislaturas democraticamente eleitas – hoje não consegue aprovar leis sem anuência dos lobbies e de outros setores interessados, usuais financiadores de campanhas eleitorais”. A praça da democracia grega é, hoje, a tela da televisão. O comício das ruas virou palanque eletrônico. Assim, leva vantagem (e votos) quem contar com mais recursos para se apresentar melhor na TV. No Brasil, a veiculação é gratuita, mas a confecção dos programas e dos comerciais tem custos incalculáveis. Isso reclama muito dinheiro. Vejamos o que acontece nos Estados Unidos. Segundo Al Gore, “A televisão ainda é, de longe, o meio de comunicação dominante no mundo moderno. (...) Em média, (as pessoas) assistem a cinco horas de transmissão por dia. Isso explica porque um candidato a Deputado ou Senador investe 80% de seu fundo de campanha em propagandas com a duração de trinta segundos na TV.” Em 1970 e 1974, quando fiz minhas primeiras campanhas (para Deputado Estadual e Federal), a gente se apresentava ao vivo, sem nenhum truque ou maquiagem. Temos que retornar à propaganda ao vivo, e fazer a coincidência geral das eleições a cada seis anos. Isso reduzirá em, no mínimo, 60% o seu custo, e nos arrancará dessa triste visão míope do curto prazo!

2

As manifestações propositivas da classe trabalhadora e da população brasileira sempre resultaram em avanços para o país. A violência só nos empobreceu. São vários os fatores que fizeram das recentes manifestações legítimas da sociedade palco de cenas de violência descabida, orquestrada por uma minoria que esconde a cara para promover puro vandalismo e selvageria. Pessoas que se escondem no obscurantismo dos "Black Blocs" para promover ações inconsequentes como a que tirou a vida do cinegrafista Santiago Andrade. Pessoas que trocam o cérebro pelos músculos, o debate das idéias e das reivindicações pela irracionalidade. Um desses fatores, e julgo ser o principal, é justamente a impunidade. Não precisamos de novas leis. O Estado precisa fazer o seu papel que é cumprir a legislação. Temos uma polícia que não consegue apurar os fatos (falta estrutura e etc.). E se não consegue apurar os fatos, não pode fazer valer o peso da lei, não pode punir os criminosos. Menores infratores são detidos e liberados porque não existem vagas nas unidades de reabilitação desses jovens. O Centro São Lucas para menores infratores, na Grande Florinópolis, foi demolido em 2011 e a obra da nova unidade se arrasta desde então. Também temos aqui presos que comandam ações de dentro dos presídios. Vejam o caso do vereador Marcelino Chiarello, assassinado em Chapecó, e outros casos de violência extrema que seguem sem resposta. Além disso, temos um sistema judiciário moroso e ardiloso que favorece o poder financeiro e, de quebra, a impunidade. É fato: quem tem bom advogado "escapa", espera a prescrição de prazo em liberdade. Lembram do caso da operação Moeda Verde que agitou a capital catarinense no ano de 2007? Até hoje segue sem conclusão, sem que nenhum dos 54 acusados fosse julgado. Casos de corrupção em outros órgãos e empresas públicas também sem resposta, vide Celesc e caso Monreal (prejuízo de R$ 200 milhões aos Estado Catarinense). E no caso do desvio de automóveis, peças e motores apreendidos pela Secretaria de Segurança Pública, cadê os punidos? É preciso reação do Estado, para que essa sensação de impunidade não nos leve à barbárie, com o cidadão querendo ser mais cruel do que o bandido.

Charge

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014


Correio do Contestado

Como se explica? Bianca Melo

...Um

médico contratado para atuar 40 horas semanais em Papanduva (5 dias semanais, das 08 às 17 horas) em 2011, também estava contratado para trabalhar 40 horas semanais (5 dias semanais, das 08 às 17 horas) na cidade de Monte Castelo, no mesmo período. Seria ele um Deus onipresente? Que está em dois lugares ao mesmo tempo? Ou teria ele passado pelo fenômeno da Bicorporeidade? Além disso, o médico, que deu no pé no dia seguinte ao resultado das eleições de 2012, ganhava valores duplicados. A Prefeitura pagava os plantões dele no Hospital São Sebastião, que também pagava o médico, com recursos próprios. E não param por aí os babados! O médico onipresente venceu em 2011 a Dispensa de Licitação n.º 40/2011. O valor do contrato (Contrato nº 029/2011), pelo processo licitatório era de R$ 97.244,30 para trabalhar 40 horas semanais. O início do contrato foi em 18 de fevereiro de 2011 e o término em 15 de junho de 2011, ou seja, 4 meses. Porém, outro médico contratado no mesmo período, para as mesmas 40 horas semanais (Dispensa de Licitação nº 38/2011, Contrato nº 027/2011), receberia o montante de R$ 29.173,29

por três meses trabalhados. Frisando que os dois são clínicos gerais. O contrato de outro profissional apresentava o valor de R$ 2.640,00 por 27 dias trabalhados, e no período de 11 meses o valor de R$ 29.040,00, porém o valor contratado através da Dispensa de Licitação n.º 27/2011 para o mesmo período era de R$ 25.364,48. Outra Dispensa de Licitação de nº 34/2011 apresentava o valor de R$ 53.484,00 por 11 meses de serviços prestados, mas foram feitos dois contratos de mesmo número (Contrato nº 020/2011): um no valor de R$ 45.541,67 para o período de 28 de fevereiro de 2011 a 05 de dezembro de 2011 e outro no valor de R$ 48.622,10 para o período de 28 de fevereiro de 2011 a 28 de dezembro de 2011. Portanto, dois contratos de números iguais, período igual, porém, valores desiguais. Além disso, estes contratos não contém a assinatura do contratado. Ainda, outros três contratos apresentam irregularidades quanto aos períodos contratados. Em um, na cláusula primeira, o período mencionado é de 18 de fevereiro de 2011 a 16 de março de 2011. Já na cláusula sétima do mesmo contrato, o período é de 18 de fevereiro a 31 de dezembro de 2011. Em outro, a primeira cláusula traz o período de 15 de março de 2011 a 15 de junho de 2011. Na sétima cláusula, o período é de 18 de fevereiro de 2011 a 15 de junho de 2011. O último contrato analisado, na primeira cláusula consta o período de 15 de março de 2011 a 15 de dezembro de 2011. Na cláusula sétima, o período é de 18 de fevereiro de 2011 a 15 de junho de 2011.

Todas essas informações fizeram um nó no seu cérebro? No meu também! Será que a pessoa responsável pelos contratos estava tirando uma sonequinha ou camuflando alguma coisa? Até incluir 22 dias na semana ela fez, já que um contrato trazia uma cláusula informando que o médico deveria prestar 27 dias semanais de serviço. Cumprir 5 dias de serviço na semana já era difícil, imagina os 27 dias inexistentes! Quem souber explicar, por favor, se manifeste!

....................................................................

...Por

que os processos licitatórios da Prefeitura do ano de 2012, para contratação de médicos, não estão disponíveis para o público nos sites da Prefeitura e da Câmara Municipal? Supostas irregularidades? Lembrando que a publicação de todo processo licitatório é obrigatória nos sites da Prefeitura e Câmara. Lembrando ainda que todos os contratos terminaram em 31 de dezembro de 2011 e que em 2012 uma nova licitação deveria acontecer. Além disso, em 2012, ano eleitoral, os contratos com os médicos venceram em 30 de outubro. De novembro até meados de janeiro, a cidade viveu um verdadeiro caos por falta de médicos e cancelamento de convênios. Pacientes chegaram a ser atendidos em suas residências por médicos locais, e que não eram contratados pela Prefeitura. Bombeiros relataram que por inúmeras vezes não podiam deixar os pacientes no Hospital por não haver médicos e registraram, inclusive, vários boletins de ocorrência na Delegacia de Polícia Civil de Papanduva.

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014

...Lembram

daquele médico estrangeiro que deu entrevista para a RBS no caso da falsa médica, e que disse que ninguém do Hospital e da Prefeitura pediu os documentos dele? Pois é...ninguém sabe, ninguém viu! Segundo testemunhas ele apareceu do nada no Hospital naquele dia. E sumiu do nada, logo após a entrevista. Esse médico também faz parte do quadro de profissionais da Médkoss e atua em Canoinhas. Sei lá, estou achando essa história meio esquisita. Será que teremos novidades nos próximos dias? Há quem diga que esse médico foi “plantado” no Hospital para dar a entrevista e depois babau... Hum...quem estaria por trás disso tudo...será que tem peixe grande aí? Meu faro me diz que cabeças vão rolar e que essa história vai dar uma reviravolta que vai surpreender, e também colocar em pânico, muita gente. Acho que a polícia terá muito trabalho e essa história vai longe! Quem sabe ela chegue até as próximas eleições, mas se isso acontecer, ai ai ai.... o bicho vai pegar! ........................................................................

... E

por falar em Canoinhas...por lá, o caso dos falsos médicos não teve tanta repercussão como aqui. Inclusive profissionais contratados pela Médkoss continuam atendendo por lá como se nada tivesse acontecido... E você sabia que dois primeiros casos de falsos médicos foram descobertos em Três Barras, em 2013? Eles também eram contratados pela Médkoss. Além disso, outro médico, também da Médkoss, foi preso em 2013 por tentativa de estupro a uma paciente, dentro do PA de Canoinhas. Essa Médkoss está mais suja do que pau de galinheiro. Mas paira uma dúvida no ar. Por que a RBS se ateve apenas a Papanduva, já que outras cidades da região também registraram falsos médicos? Principalmente Três Barras, governado por Elói Quege do PP, onde os primeiros casos foram descobertos, muito antes de se sonhar que o mesmo acontecia por aqui. Lá, o caso foi abafado. Não mereceu ao menos uma citação da RBS e de outros veículos de comunicação. Será que o denunciante daqui é correligionário do prefeito de Três Barras? ........................................................................

... Finalmente

... Em Papanduva tem de tudo! Além de falsos médicos, tem também falsos doentes.

3


Correio do Contestado

Entrevista

Caso dos Falsos Médicos

Prefeito Dario Schicovski quebra o silêncio tiva de médicos via licitação. Ao final de janeiro, começo de fevereiro, realizamos a licitação, da qual a MédKoss participou, além de outras empresas que se fizeram presentes. A Médkoss ofereceu a melhor proposta e foi contratada em definitivo.

C.C.

Atendendo a solicitação do Jornal Correio do Contestado, o Prefeito Dário Schicovski fala sobre a questão dos médicos falsos, ou médicos verdadeiros com documentação falsa, que atuaram em Papanduva desde o ano de 2011 e causaram muito constrangimento à atual administração municipal. Correio do Contestado Prefeito, sabe-se que desde o ano de 2011 Papanduva tem sido invadida, digamos assim, por profissionais médicos envolvidos em escândalos e problemas com a Justiça, e que a Saúde, no município, estava em condições caóticas. Em que situação o senhor encontrou o setor de saúde no município?

Prefeito Dario Schikovski Podemos começar com a situação do plantão médico no Hospital São Sebastião. Quando assumimos, no dia primeiro de janeiro, na noite anterior simplesmente não havia médicos no hospital. Houve relatos dos bombei-

4

ros que trouxeram pacientes vítimas de acidentes, precisando de atendimento urgente, e simplesmente não havia médicos, porque a administração anterior renovou seus contratos apenas até dezembro e eles, sem contrato, não compareceram ao trabalho. Houve até registro de Boletim de Ocorrência junto à Polícia Civil por parte da corporação. Como também não tivemos acesso a esses contratos e a documentos em geral, negado pela equipe que saía e que teria que promover a transição administrativa, a transferência de informações, e como não podíamos agir antes de tomarmos posse, encontramos no dia primeiro, a Secretaria de Saúde completamente abandonada. Assim, tivemos que correr atrás, de forma emergencial, para contratar médicos. Pedimos informações aos demais municípios da região, como Mafra, Canoinhas e outros, quando tomamos conhecimento da existência da empresa MédKoss, de Curitiba, que já estava atuando nesses municípios, além de Três Barras e Irineópolis. Fomos até lá com o Secretário da Saúde e com a Dona Alzira Povaluk, administradora do hospital, quando fizemos um contrato de emergência com a empresa, válido apenas para o mês de janeiro/2013, para posteriormente realizar a contratação defini-

mento. O que aconteceu foi que, por vários motivos, inclusive a não revalidação dos seus diplomas, alguns por serem estrangeiros e dependerem do Revalida, outros por estarem envolvidos em algum tipo de restrição junto ao CRM, eles acabaram clonando documentos de outros médicos que já trabalharam na região.

Como foi descoberta a irregulariC.C. dade e por que o hospital e a Secretaria da Saúde não checaram a docuDa soma dessas informações, o mentação dos médicos? senhor diria que existe a possibilidade da própria MédKoss ter conhecimento Prefeito das irregularidades e, mesmo assim, ter vínculos com esses médicos? Isto Tudo foi bem até o mês de novem- é, eles saberiam da real situação desbro, quando soubemos do primeiro ses profissionais? caso de irregularidade, que aconteceu em Canoinhas, e imediatamente acioPrefeito namos o nosso departamento juríA Advogada da empresa, que é dico para verificar a situação. Abrimos inquérito para averiguar a questão, esposa do proprietário, esteve aqui registramos o Boletim de Ocorrência e garantiu que a MédKoss não tinha e checamos tudo, isso muito antes conhecimento de nenhuma anormado caso vir à tona junto à população lidade. de Papanduva. Inclusive, o primeiro C.C. depoimento dado por um dos médicos foi dentro do inquérito aberto Há comentários de que essa pela prefeitura. A primeira providênempresa estava envolvida em escância a ser tomada foi a suspensão do pagamento para a MédKoss, os meses dalos já há alguns anos, inclusive em de novembro e dezembro foram blo- Papanduva. O senhor tem conheciqueados e só serão liberados quando mento disso? o caso for totalmente esclarecido e a Prefeito empresa ressarcir os danos causados ao município. A prefeitura não terá Não tenho conhecimento disso, nenhum prejuízo. E é claro que a dire- mas a Justiça está averiguando e ção do hospital já estava se inteirando vamos descobrir. do assunto e tomando providências.

C.C.

C.C.

O senhor diria que a empresa é a A tal Dra. Rose, uma das clonadas, culpada pelas irregularidades apre- vocês têm conhecimento da real situsentadas pelos referidos médicos? ação dela? A verdadeira, nunca trabalhou aqui?

Prefeito

A empresa que contrata os profissionais é que tem que verificar sua idoneidade, se estão aptos a exercer o trabalho solicitado. Os médicos que prestaram serviço aqui eram diplomados, não eram falsos, inclusive a população gostava do seu atendi-

Prefeito Nós passamos o caso para a Polícia, que está investigando e a verdade vai aparecer.

C.C. Aquele médico estrangeiro que

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014


Correio do Contestado

Entrevista deu um depoimento para a RBS TV na entrada do hospital dizendo que não lhe pediram nenhum documento, na verdade nunca mais foi visto, nem antes e nem depois da entrevista. Consta que trabalha na região, mas nunca trabalhou em Papanduva. Existe a suspeita de que ele foi “plantado” aqui para dar a entrevista. Poderia isso tudo ser uma armação, um esquema montado por terceiros, interessados na política do município, com a conivência ou participação direta de parte da imprensa?

Prefeito

ciar” com a empresa, fazer algum tipo de “acerto”. Eu fui pessoalmente lá, acompanhado do secretário e da Dona Alzira que, como todos sabem, é um alicerce do nosso hospital. Fizemos a licitação, eles ganharam porque apresentaram a melhor proposta e, como disse, na primeira indicação de suspeita, tomamos providências imediatas. Quem me conhece, sabe que vivo aqui há 56 anos e que nunca, em nenhuma hipótese, aceitaria praticar ou conviver com qualquer tipo de irregularidade.

C.C.

Consta que o médico proprietário Todos os depoimentos dados até da empresa, Dr. Anderson, já trabaagora foram dentro do inquérito que lhou em Papanduva, na administração nós abrimos, menos esse. anterior. É verdade?

Prefeito

C.C. A verdadeira Dra. Rose, através do seu advogado, assim como o verdadeiro Eduardo Magrin, abriram um processo contra a administração municipal?

Prefeito Não, contra a prefeitura não há nada que não esteja dentro do inquérito aberto por nós. Não tenho conhecimento, nem o nosso departamento jurídico, de alguma ação judicial contra a administração.

C.C. Na verdade, se for processar alguém, seria a pessoa que clonou o seu diploma e seus documentos e não a prefeitura ou o hospital.

Prefeito Com certeza!

C.C. Resumindo, a própria prefeitura, assim que tomou conhecimento do assunto, já tomou as devidas providências, abriu inquérito e acionou a Polícia.

Prefeito Exatamente. Antes mesmo de qualquer denúncia, na primeira indicação de suspeita, abrimos inquérito e acionamos a Polícia para que investigasse o caso. A oposição e a imprensa vinculada à oposição acham que foram eles que descobriram o caso; isto não é verdade. Insinuam, também, que alguém foi lá “nego-

5

É, e ele até parece boa pessoa, é bem conceituado na área médica, é conhecido dos demais médicos daqui, mas, como se diz: é boa gente até deixar de ser, ou até ter uma oportunidade de tirar algum tipo de vantagem.

C.C.

estrangeiro, que atua em Canoinhas e nunca trabalhou em Papanduva, veio dar entrevista à RBS TV se ele, teoricamente, não fazia parte do caso? São muitos os porquês, e essa história vai longe.

Prefeito Acho que eles cutucaram a onça com vara curta. Dentro de pouco tempo saberemos a verdade sobre esse caso.

C.C. Ainda para ser averiguado, mas vamos atrás da comprovação para podermos “dar nomes aos bois”: dois médicos, um na gestão anterior, outro nesta gestão, foram contratados para trabalharem 40 horas semanais em Papanduva, mas também foram contratados em Monte Castelo, para o mesmo período. Se nenhum deles é Deus, onipresente, atuando em dois lugares ao mesmo tempo, uma das prefeituras pagou ou está pagando os seus salários sem a devida contrapartida do serviço. O primeiro não atendia aqui em Papanduva às 40 horas semanais, logo, nós pagávamos para ele trabalhar em Monte Castelo; o outro presta serviço normalmente aqui, de onde se conclui que Monte Castelo está pagando para ele trabalhar em Papanduva. O Senhor tem conhecimento dessa situação?

A prefeitura admite que falhou em alguns dos desdobramentos dessa história?

Prefeito

Em parte. É mais uma coisa que estamos averiguando, mas você está certo em levantar essa questão, pois Não, porque nós contratamos uma há indícios de que isto ocorreu ou está empresa, esta deveria conferir a docuocorrendo. mentação dos médicos disponibilizados e eles não trabalhavam no SUS, C.C. apenas no plantão hospitalar, portanto, nem tínhamos acesso às inforPrefeito, vamos dar por encerrado, mações. por hora, o caso Médkoss, e vamos mudar de assunto; vamos abordar a C.C. questão do Samae, pode ser?

Prefeito

Então o hospital falhou se realmente não conferiu seus documentos, mas temos que deixar claro que esse caso não termina aqui. Há muitos desdobramentos, inclusive nós, do jornal, temos várias informações que ainda não podemos divulgar porque só o fazemos quando temos todas as provas. O que publicamos até agora são notícias comprovadas, alicerçadas em números de processos, dados judiciais e todas as comprovações necessárias. Consta, ainda, que os funcionários da secretaria da saúde, os anteriores e os atuais, assim como do hospital, conviveram com os verdadeiros e com os falsos médicos e a pergunta é: Por que não avisaram seus superiores e as autoridades competentes em tempo hábil? Por que um médico

Prefeito Pode, fique à vontade.

C.C.

tem vida própria e tem que ser administrada pelo seu próprio orçamento. Quando assumimos, sabíamos que as tarifas estavam defasadas, que a sua arrecadação mal dava para pagar seus funcionários e o tratamento da água; não sobrava para investimentos em melhorias e aumento da oferta do produto, mas, para não onerar a população, resolvemos segurar o aumento da tarifa, que deve ocorrer agora em abril, mas o que estranhamos muito foi o fato de que a administração anterior, em 2009, comprou aquele terreno ao lado da ETA – Estação de Tratamento de Água, investindo R$ 120.000,00 reais numa área de 35 mil metros quadrados sem necessidade. Quando a Casan passou a ETA e toda a sua estrutura para o Samae, as instalações eram suficientes para tocar por 20 anos sem precisar de nenhuma ampliação. Os investimentos eram necessários para a rede, antiga e sucateada, para caixas d’água e outras melhorias, não para a estação propriamente dita. Hoje, num levantamento que fizemos com o diretor da autarquia, concluímos que precisamos investir cerca de R$ 200.000,00 para resolver a questão do bombeamento da água até os reservatórios e o abastecimento em si. A nossa preocupação é com a rede, os encanamentos, que são muito antigos, foram implantados há muitos anos e estão em más condições. Então, esse dinheiro, os R$ 120.000,00, se fosse investido na rede ao invés do terreno comprado lá próximo da ETA, já teria resolvido o problema.

C.C. Sendo o Samae uma autarquia com gestão própria, a prefeitura pode injetar dinheiro na sua administração?

Prefeito Não pode para cobrir, por exemplo, a folha de pagamento, ou pagar dívidas, mas pode para investimento e ampliação; tem que fazer um projeto e encaminhar para aprovação da Câmara de Vereadores.

C.C.

Mais um problema que está “estourando” na sua mão; o calor recorde,as mais altas temperaturas dos últimos 103 anos, um sensível aumento da demanda, a falta de investimentos, ou investimento errado nos últimos quatro anos;o Samae está com dificuldades financeiras?Em que a prefeitura pode socorrer a autarquia para resolver o problema de falta de água em alguns pontos da cidade?

Prefeito

E o rio São João, é um manancial suficiente? Não precisaria de uma represa maior para acumular água na quantidade necessária para a demanda?

Prefeito

É suficiente, sim, e a represa está prevista nos novos investimentos. Vamos aumentar a capacidade do reservatório.

C.C. A Tarifa vai aumentar, então; para

O Samae, sendo uma autarquia, quanto vai a taxa mínima?

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014


Prefeito Vai para R$ 24,00, mas antes queremos fazer esse investimento e aumentar a capacidade de abastecimento. Há seis anos que a tarifa não sofre aumento. Fizemos um cálculo que, se a tarifa fosse aumentada em 2008, já teríamos cerca de dois milhões de reais para investimento na estrutura do Samae.

C.C. Mudamos mais uma vez de assunto e proponho deixar de lado a questão da energia elétrica porque, como se sabe, as providências foram tomadas e, pelo menos por enquanto, os apagões não estão acontecendo. Vamos aguardar para ver como fica mais perto das eleições?

Prefeito Realmente, a pressão popular e política fez efeito e, se Deus quiser, até outubro o problema estará solucionado.

C.C. Com ou sem eleições?...

Prefeito Com ou sem política.

Correio do Contestado

projetos prontos para receber esses recursos? Já foi definida a aplicação desse dinheiro?

Prefeito Está tudo certo. Temos o projeto de asfaltar a Avenida Papa João XXIII, desde o trecho onde foi feito o último asfalto até a Praça 11 de Abril, nas duas pistas. As lajotas que forem retiradas dali serão usadas no calçamento de várias outras ruas menores.

C.C. Tem uma previsão para início dessa obra?

Prefeito

A demora maior é a burocracia dos projetos, mas em 90 dias deve estar resolvida essa questão.

bém já estão prontos para começarem logo as obras.

C.C. Por falar em praças, temos duas pracinhas, ambas muito bonitas, mas não há um projeto de uma praça grande, tipo uma quadra, pelo menos, para área de lazer, jardins, etc.?

Prefeito A prefeitura não tem um terreno adequado para isso, teria que comprar e custa muito caro, mas tem aquela área da Voltinha, que pertence à prefeitura e onde pode ser feita uma adequação. As leis ambientais não permitem construção ali, pois é

área de preservação, mas para praças e jardins está liberado. Então vamos estudar o caso com muito interesse. Fizemos muitas coisas com recursos próprios, do IPTU, mas o dinheiro é pouco. Estamos indo mais uma vez a Brasília atrás de verbas e estamos sempre preocupados com a população e tentando fazer o melhor que pudermos.

C.C. Prefeito, muito obrigado por esta entrevista.

Prefeito Eu é que agradeço pela oportunidade de passar minha mensagem ao povo de Papanduva.

C.C. Prefeito, teríamos assunto para muito mais tempo, mas proponho um novo bate papo daqui ha alguns meses quando, certamente, teremos muitas novidades, inclusive e principalmente, sobre o “caso MédKoss”, entre outras questões. Gostaria de dar um arremate final?

Prefeito

Gostaria de destacar o que nós fizemos nesse primeiro ano de governo, apesar de estarmos ainda pagando O secretário Waldir Cobalchini dívidas da administração anterior. Já disse recentemente que no dia 28 pagamos mais de um milhão, temos de janeiro deste ano haveria a licita- ainda um milhão e duzentos mil reais ção para pavimentar o trecho da SC para pagar da dívida antiga; ali na ave477 entre Papanduva e Moeminha. O nida fizemos aquele asfalto, onde era senhor esteve no Congresso da Fecam um eterno tapa buraco; adquirimos nesta semana em Florianópolis; um caminhão para o transporte do trouxe alguma boa novidade? Houve lixo, compramos um veículo para a mesmo a licitação? Secretaria da Saúde, também para a Educação, construímos salas de aula, Prefeito tudo com recursos próprios, pois não Houve. Nove empresas partici- veio dinheiro de fora; retomamos os param e dentro de trinta dias será desfiles de Sete de Setembro, reabriexaminada a documentação das pro- mos o campo de futebol que estava ponentes, a sua competência, idonei- interditado por oito anos; o próprio dade e as propostas, quando então plantão médico que, apesar de toda essa controvérsia, está atendendo será declarada a vencedora. a população à contento; fizemos 3,5 km. de tubulação para redes de C.C. esgoto; vamos remodelar a Praça 11 Ótimo. Tomara que as obras come- de Abril, onde construiremos um chacem antes das eleições...E quanto ao fariz; o projeto do ginásio do Bairro Fundam, Papanduva já está com seus São Cristóvão e do Rodeiozinho tam-

C.C.

6

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014


Correio do Contestado

7

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014


Correio do Contestado

8

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014


Correio do Contestado

9

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014


Correio do Contestado

10

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014


Correio do Contestado

Informativo dos Vereadores Vereador

Alois Mikalovicz - PP Indicação nº 227/2013: necessidade de realizar a abertura da estrada que liga a Localidade de Rio do Engano a Localidade de Guarani. A estrada mencionada acima passa pela propriedade do Senhor Cleverson Maidanchen e de outras famílias e segundo os moradores, a medida facilitaria a chegada à Localidade de Guarani em poucos minutos, enquanto que pela Estrada Geral leva muito mais tempo. Sala das Sessões em, 27 de agosto de 2013. Autores: DJANA PAULA MATIOSKI, VALDECIR VANESKI, ALOIS MIKALOVICZ, CEZAR AUGUSTO BUSSULARO DOS SANTOS e GIRSELIANO MOREIRA DA SILVA Indicação nº 232/2013: necessidade de realizar uma operação tapa buracos nas marginais, especificamente na entrada que dá acesso ao Parque Industrial e na Rua João Sonaglio, acesso a Master Agropecuária, utilizando o material doado pela Autopista Planalto Sul. Sala das Sessões em, 29 de agosto de 2013. Autores: GIRSELIANO MOREIRA DA SILVA, ALOIS MIKALOVICZ, CEZAR AUGUSTO BUSSULARO DOS SANTOS e VALDECIR VANESKI. Indicação nº 241/2013: necessidade de realizar a abertura da Rua Getúlio Vargas, no Bairro Lagoa Seca, no Município de Papanduva (SC). A medida se faz necessária, tendo em vista que a rua mencionada permanece fechada, sendo cortada por um terreno baldio, impossibilitando o acesso a Rua Jacob Schadeck. Sala das Sessões em, 10 de setembro de 2013. Autores: DJANA PAULA MATIOSKI, VALDECIR VANESKI, ALOIS MIKALOVICZ, CEZAR AUGUSTO BUSSULARO DOS SANTOS e GIRSELIANO MOREIRA DA SILVA Indicação nº 242/2013: necessidade de disponibilizar uma linha de transporte coletivo para percorrer os diversos bairros do município. A medida se faz necessária, a fim de atender a reivindicação dos munícipes, pois quando necessitam se deslocarem ao centro ou outra região da cidade precisam utilizar os serviços de táxi ou recorrer aos vizinhos. Sala das Sessões em, 10 de setembro de 2013. Autores: DJANA PAULA MATIOSKI, VALDECIR VANESKI, ALOIS MIKALOVICZ, CEZAR AUGUSTO BUSSULARO DOS SANTOS e GIRSELIANO MOREIRA DA SILVA Indicação nº 249/2013: necessidade de instituir o funcionamento em regime de plantão, nos finais de semana e feriados, em estabelecimentos comerciais “CASAS AGROPECUÁRIAS”, uma vez que prescrevem e comercializam medicamentos de uso veterinário. Justifica-se essa necessidade, considerando que muitos casos são urgentes e esperar o dia útil pode ser tarde demais. Sala das Sessões em, 24 de setembro de 2013. Indicação nº 259/2013: necessidade de fornecer Equipamentos de Proteção Individual (EPI), aos Servidores Públicos da Prefeitura Municipal e do Fundo Municipal de Saúde, que laboram nas funções de serviços Gerais, operadores de máquinas, coletores de Lixo, motoristas e outros servidores, de igual modo, sujeitos a ação dos agentes insalubres. Sala das Sessões em, 08 de outubro de 2013. Indicação nº 264/2013: necessidade de interceder junto ao setor competente para que realize a abertura definitiva da Rua Juscelino Kubitschek de Oliveira, esquina com a Rua Getúlio Vargas e fundos da empresa Auto Center e Lavação Romanio. Sala das Sessões em, 15 de outubro de 2013. Autores: ALOIS MIKALOVICZ, DJANA PAULA MATIOSKI, VALDECIR VANESKI, CEZAR AUGUSTO BUSSULARO DOS SANTOS e GIRSELIANO MOREIRA DA SILVA Indicação nº 269/2013: necessidade de realizar serviço de nivelamento para a construção de um campo de futebol, ao lado do bar do Picolé, na Localidade de Guarani, no Município de Papanduva (SC). Sala das Sessões em, 22 de outubro de 2013.

11

Vereador

Girseliano Moreira - PSD Indicação nº 220/2013: necessidade da instalação de iluminação pública na frente da escola da Localidade da Floresta São João, no Município de Papanduva (SC). Sala das Sessões em, 22 de agosto de 2013. Indicação nº 223/2013: necessidade de patrolamento e embritamento na Rua Vereador Antônio S. Ribas, no Bairro São Cristóvão, no Município de Papanduva (SC). Sala das Sessões em, 27 de agosto de 2013. Indicação nº 224/2013: necessidade da construção de 2 (dois) abrigos de passageiros na frente da Escola de Educação Básica Manoel Estevão Furtado. A indicação se faz necessária, porquanto existe apenas um abrigo de passageiros, sendo insuficiente para o número de alunos que esperam o transporte escolar. Sala das Sessões em, 27 de agosto de 2013. Autores: GIRSELIANO MOREIRA DA SILVA e VALDECIR VANESKI Indicação nº 227/2013: necessidade de realizar a abertura da estrada que liga a Localidade de Rio do Engano a Localidade de Guarani. A estrada mencionada acima passa pela propriedade do Senhor Cleverson Maidanchen e de outras famílias e segundo os moradores, a medida facilitaria a chegada à Localidade de Guarani em poucos minutos, enquanto que pela Estrada Geral leva muito mais tempo. Sala das Sessões em, 27 de agosto de 2013. Autores:DJANA PAULA MATIOSKI, VALDECIR VANESKI, ALOIS MIKALOVICZ, CEZAR AUGUSTO BUSSULARO DOS SANTOS e GIRSELIANO MOREIRA DA SILVA Indicação nº 228/2013: necessidade da construção de um novo abrigo de passageiros, na Avenida Papa João XXIII, no Bairro São Cristóvão, nas proximidades da Empresa Cereagro. A medida se faz necessária, porquanto no referido local existia um abrigo de passageiros, mas simplesmente desapareceu. Sala das Sessões em, 27 de agosto de 2013. Autores: VALDECIR VANESKI e GIRSELIANO MOREIRA DA SILVA Indicação nº 232/2013: necessidade de realizar uma operação tapa buracos nas marginais, especificamente na entrada que dá acesso ao Parque Industrial e na Rua João Sonaglio, acesso a Master Agropecuária, utilizando o material doado pela Autopista Planalto Sul. Sala das Sessões em, 29 de agosto de 2013. Autores: GIRSELIANO MOREIRA DA SILVA, ALOIS MIKALOVICZ, CEZAR AUGUSTO BUSSULARO DOS SANTOS e VALDECIR VANESKI Indicação nº 238/2013: necessidade da confecção de uma quadra de areia, na Escola da Localidade de Floresta de Cima, no Município de Papanduva (SC). Vale registrar que na referida escola estudam aproximadamente 94 (noventa e quatro) alunos e não tem uma área adequada para realizar atividades esportivas. Sala das Sessões em, 03 de setembro de 2013. Indicação nº 241/2013: necessidade de realizar a abertura da Rua Getúlio Vargas, no Bairro Lagoa Seca, no Município de Papanduva (SC). A medida se faz necessária, tendo em vista que a rua mencionada permanece fechada, sendo cortada por um terreno baldio, impossibilitando o acesso a Rua Jacob Schadeck. Sala das Sessões em, 10 de setembro de 2013. Autores: DJANA PAULA MATIOSKI, VALDECIR VANESKI, ALOIS MIKALOVICZ, CEZAR AUGUSTO BUSSULARO DOS SANTOS e GIRSELIANO MOREIRA DA SILVA Indicação nº 242/2013: necessidade de disponibilizar uma linha de transporte coletivo para percorrer os diversos bairros do município. A medida se faz necessária, a fim de atender a reivindicação dos munícipes, pois quando necessitam se deslocarem ao centro ou outra região da cidade precisam utilizar os serviços de táxi ou recorrer aos vizinhos. Sala das Sessões em, 10 de setembro de 2013. Autores: DJANA PAULA MATIOSKI, VALDECIR VANESKI, ALOIS MIKALOVICZ, CEZAR AUGUSTO BUSSULARO DOS SANTOS, GIRSELIANO MOREIRA DA SILVA

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014


Correio do Contestado

Universitários realizam diversas atividades em Papanduva O município de Papanduva recebeu esta semana um grupo de estudantes universitários que fazem parte do Projeto Rondon, da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, cujo objetivo é aproximar a Universidade da Comunidade e trazer os alunos para viver a experiência única da realidade do interior do Brasil. O grupo é formado por estudantes de vários cursos e permanecerão no município por dez dias. Na cidade, eles estarão desenvolvendo atividades nas diversas áreas como: agricultura familiar, 3ª Idade, escolas de ensino médio e fundamental.

Confira a programação:

Na terça-feira, os universitários estarão desenvolvendo atividades com alunos e funcionários das Escolas Walmir Lucio Senna e Alinor Vieira Corte. Para os alunos, são abordados os temas conforme a idade, que diversificam entre tabagismo, drogas, sexualidade, higiene corporal, meio ambiente e outros. Também será realizado encontro com profissionais da Secretaria Municipal de Saúde e grupo de jovens. Já na quarta-feira, dentre as atividades programadas, estão a visita a um produtor de leite na localidade

12

da Pratinha, realização de atividades com alunos da Escola de Educação Básica Maria Avelina Furtado. À tarde, encontro com os grupos da 3ª Idade e produtores associados à Cooperativa da Agricultura Familiar de Papanduva – COAFAPA. Na quinta-feira, atividades com alunos e funcionários das Escolas de educação Básica Irene Reva Zadorosny em Nova Cultura, Maria Avelina Furtado, Manoel Estevão Furtado e na escola da COHAB I. À noite será realizado o encerramento cultural. Na sexta-feira, estão

programadas atividades com alunos da Escola E.B. Manoel Estevão Furtado, encontro com Gestantes no Hospital e Maternidade São Sebastião, grupo de Hiperdia na localidade de Rodeiozinho e profissionais da Secretaria Municipal da Saúde. O Projeto Rondon está proporcionando a interação entre universitários e a população papanduvense.

Projeto Rondon

Trata-se de uma experiência de extensão universitária realizada pela UDESC (Uni-

versidade do estado de Santa Catarina) e instituições parceiras visando aproximar acadêmicos, professores e servidores universitários com a população

municipal. Ao longo de dez dias (12 à 22 de fevereiro) serão realizadas atividades nas áreas agrícolas, da saúde, da educação e de assistência social, possibilitando

a transferência de conhecimento dos rondonistas para a população, além de viabilizar uma vivência única de acadêmicos tanto profissional quanto social.

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014


Correio do Contestado

Depoimentos balho de união de professores, políticos, área de saúde, educação, uma mobilização de toda a população. Agradeço a todos a hospitalidade, gentileza e participação de todos que nos acolheram.” Camila Blum Corrêa, licenciatura em Geografia (UEPG/PR). “Participar do Projeto Rondon está sendo uma experiência para a vida toda, pois a troca de conhecimento entre universidade e sociedade me enriqueceu muito como futura enfermeira.” Jerusa Fumagalli Schay Nunes, curso enfermagem, UDESC, centro de Ensino CEO, Chapecó/SC. “O Projeto Rondon é um projeto de extensão universitária onde assumimos um compromisso social com o intuito de uma melhoria social, prezando ajudar os problemas atuais que a sociedade está vivendo com isso forma um dos alicerces que sustenta um tripé que caracteriza a universidade, é “O Projeto Rondon é uma experiência mágica na vida dos acadêmicos, é uma grande oportunidade de colocar em prática os conhecimentos adquiridos em sala de aula. O Projeto é uma grande lição de vida para todos que participam.” Simone Sasso, Mestrada em Saúde e Meio Ambiente na UNIVILLE, Jlle/SC) “O Rondon é o projeto onde eu posso me tornar uma pessoa melhor e onde eu encontro pessoas de bem fazendo o bem. Rondon é o verdadeiro aprendizado, é onde aprendemos a ser seres humanos.” Nathan Jerônimo da Luz/Engenharia Sanitária/ UDESC “O Projeto Rondon é a realização de um sonho que me proporcionou crescimento pessoal, conhecer pessoas novas, realidades diferentes. Quando você participa do Rondon, você esquece seus problemas e muitas vezes acaba percebendo que eles são os menores. Conviver por um dia com pessoas que você não conhece é uma experiência inexplicável”. Nádia Aimi, Letras/Português, Francês/ Universidade estadual de Ponta Grossa (UEPG). “Gostaria de agradecer aos moradores da cidade de Papanduva, povo hospitaleiro que nos recebeu de braços abertos, super carinhosos e participativos. Agradecer em muito à Sônia que todo o dia fez comidas maravilhosas para nós e papeava muito. E também ao Ney, Secretário de Educação que nos ajudou muito e sempre esteve disponível. Aqui fica meu abraço e todo o meu carinho aos moradores dessa cidade e espero poder voltar mais vezes tanto pelo projeto quanto para visitação”. Douglas Rundvalt, Professor de Geografia da Universidade stadual de Ponta Grossa (UEPG).

mite um enriquecimento indescritível”. Paola Mil-Homens, curso Medicina/Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). “O Rondon é algo que mudou minha vida, é tudo de bom que você pode ter na vida concentrado em 10 dias. Onde você conhece pessoas/ amizades para a vida toda. Abrange sua missão do mundo”. Josieli Pietro Biasi, curso Engenharia Florestal (EDESC-CAl Lages).

“Definir o Projeto Rondon já está ficando difícil, são pessoas que não se conhecem e que se unem por uma razão: fazer o bem. Isso gira entre ensinar e aprender, ouvir e falar, palestras e brincadeiras, tudo que busca o crescimento das pessoas.” Valesca Vitoria Vedam, curso Engenharia Civil, (UEPG).

“Participar do Projeto Rondon está sendo uma experiência única. Este contato com a comunidade externa nos proporciona uma troca de saberes, um maior envolvimento com a realidade, as dificuldades, as superações. Compartilhamos um turbilhão de sentimentos e assim nos tornamos mais humanos e compreensíveis.” Vanessa Aina Person, graduada em Ciências Biológicas- licenciatura (UFFS, Cerro Largo/RS). “O Projeto é uma lição de vida onde além de levar o nosso conhecimento recebemos o carinho e aprendemos com a comunidade.” Bruna Jochims, curso de Enfermagem, (UFRGS, Porto Alegre).

“O Projeto Rondon é um momento único em que há troca de conhecimentos e culturas, que per-

“O Projeto Rondon proporciona a ligação entre acadêmicos e a comunidade. Nele se insere o tra-

13

um projeto que só vivendo para saber a maravilha que é.” Niqueli Barbosa- Engenharia de Alimentos (UDESC- CEO, Pinhalzinho/SC).

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014


Correio do Contestado

Informativo dos Vereadores Vereador

Edemar Ostrovski - PMDB Indicação nº 246/2013: necessidade da colocação de duas viagens de pedra ou cascalho no final da Rua Basílio Heuko, em curva com a Rua Otacílio de Paula, no bairro Hospital. A indicação se faz necessária, por não ser uma esquina, mas uma curva, e fica extremamente barrenta e escorregadia em dias de chuva, colocando em risco uma família cuja residência está bem próxima à rua, no meio do declive. Sala das Sessões em, 10 de setembro de 2013.

Oficiais MUNICÍPIO DE PAPANDUVA CÂMARA MUNICIPAL DE PAPANDUVA EDITAL DE CONVOCAÇÃO AUDIÊNCIA PÚBLICA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DO GOVERNO MUNICIPAL 3º QUADRIMESTRE DE 2013 O Presidente da Comissão Permanente de Finanças e Orçamento da Câmara Municipal de Papanduva, usando das suas atribuições legais, RESOLVE, CONVOCAR a população para a Audiência Pública a ser realizada do dia 25 de fevereiro de 2014, a partir das 17:30 horas, das dependências da Câmara Municipal de Papanduva, localizada na Rua Sérgio Glevinski, 78, Centro, onde será feita a demonstração e avaliação do cumprimento das metas fiscais, do Poder Executivo Municipal, correspondente ao 3º quadrimestre de 2013, em cumprimento ao que dispõe o § 4º, do art. 9º, da Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 200 (Lei de Responsabilidade Fiscal). Câmara Municipal de Papanduva, 13 de fevereiro de 2014. João de Oliveira Lopes Presidente da Comissão Permanente de Finanças e Orçamento

Tirinha

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014

14


Correio do Contestado

PIADAS Ria se quiser...

Classificados

As mães católicas e seus filhos Quatro mães católicas estão tomando chá juntas e começam a falar sobre seus filhos. A primeira, querendo impressionar as outras, diz: - Meu filho é padre. Quando entra em uma sala todos se levantam e dizem: "Boa tarde, Padre." A segunda não fica para trás e comenta: - Meu filho é bispo. Quando entra em uma sala todos se levantam e dizem: "Sua benção, Bispo." A terceira, calmamente, acrescenta: - Pois o meu é cardeal. Quando entra em uma sala, todos se levantam, beijam o seu anel e dizem: "Sua benção, Eminência." A quarta permanece quieta. Então, a mãe do cardeal, só para provocar, pergunta: - E o seu filho, não é religioso? A quarta responde: - Meu filho tem 1.90m, é bronzeado, com olhos verdes, pratica musculação e trabalha como stripper. Quando entra numa sala todo mundo olha e diz: "MEU DEUS!"

O bêbado e o médico louco Um bêbado ao chegar em casa decide tomar um copo d'água. Porém devido seu estado etílico não observou que no copo havia um pequeno rato vivo, na pressa acaba engolindo o rato. Ao perceber o que havia acontecido ele fica nervoso e sai apressado entrando no primeiro hospital que encontra. Na realidade ele entrou num hospício e o primeiro médico que encontrou, não era médico, era um maluco vestido de branco. Então o bêbado, ainda apavorado, explica o que aconteceu ao "médico". Este apanha um pedaço de papel escreve a receita e devolve ao bêbado que vai direto a uma drogaria para preparar o medicamento prescrito. O farmacêutico ao ler a receita pergunta qual era o problema. Após a explicação do bêbado o farmacêutico ri e diz faz sentido. O doido havia escrito: -Tomar um gato de duas em duas horas e sentar numa ratoeira.

VENDE-SE - Um terreno Urbano medindo 600,00m2, localizado na Rua. Rogério Marques, 11 VALOR : R$ 60.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254

Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254 - Um Terreno Rural com área de 100.000,00m2 , situado na localidade de Rio do Engano. Valor: Á Combinar Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254

- Um terreno Urbano medindo 920,00m2, localizado na Rua. Rogério Marques, 11 VALOR : R$ 70.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254

- Um Terreno Urbano medindo 905,00m2, situado na Rua Nereu Ramos (Asfalto, próximo ao Condomínio Banco do Brasil) Valor: R$ 140.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254

- Um Terreno Rural medindo 121.000,00m2, localidade de Rodeiozinho – Papanduva – SC Valor: R$ 200.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254

- Um Terreno Urbano medindo 532,50m2, situado na Rua Agostinho Teixeira de Lima (próximo a delegacia) Valor: R$ 110.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254

- Um Terreno Rural medindo 80.666,67m2, localidade de Rio do Engano – Papanduva – SC Frente com a Estrada Principal (Papanduva/Guarani) Valor: R$ 65.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254

- Um terreno Urbano medindo 793,00m2, nele edificado uma casa de madeira com 100,00m2 e um barracão com 130,00m2. Localizado na Rua Pedro Povaluck (atual Amarildo Estofados) Valor R$ 165.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254

- Um terreno Urbano 450,00 m2, nele edificado uma casa residencial em alvenaria, situado nesta cidade Papanduva. Valor: R$ 120.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254 - Um terreno Urbano medindo 488,00 m2., situado na Rua Leoberto Leal, (próximo ao Colégio Alinor Viera Corte) Valor: R$ 160.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254 - Um terreno Urbano medindo 318,26m2. situado na Rua Basilio Heuko (próximo a Loja Facritex) Valor: R$ 140.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254 - Um terreno Urbano medindo 780,00m2 com uma casa em alvenaria medindo 135,00m2., situado na rua José Zadorozne, esquina com a Manoel Estevão Furtado. Valor: R$ 195.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254

- Um Terreno Urbano medindo 288m2, com uma casa em alvenaria contendo 6 peças, situado na Rua Otávio Wunsche, (próximo a igreja Nossa Senhora de Fátima) Valor R$ 100.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254 - Um Terreno Urbano medindo 800,00m2, com uma casa nova em alvenaria de aproximadamente 160,00m2., situado na Rua José Zadorosny, 256 (próximo ao salão Santo Antonio). Valor R$ 210.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254

LAUDOS DE AVALIAÇÃO EM GERAL E TAMBÉM SIMULAÇÕES DE FINANCIAMENTOS JUNTO A CAIXA, BANCO DO BRASIL E OUTROS.

- Um terreno Rural com área de 338.873,60m2 em comum na área total de 2.144.703,00m2 na localidade de Nova Cultura Valor: R$ 250.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254 - Um terreno Rural com área de 3.6Ha., localizado em Queimados – Palmito Valor R$ 60.000,00 Tratar: 47 3653 – 2470 / Cel. 47 91558254 - Um Terreno Urbano medindo 554,62m2, nele edificados 1 casa em alvenaria medindo 34,00m2 e 1 casa de madeira medindo 72,00m2, situado na Rua Jorge Lacerda – Papanduva –SC Valor R$ 80.000,00

Oportunidade de Negócio Vendo terreno urbano na cidade de Papanduva. Excelente para residência ou investidores. Lote de 400m², totalmente murado e no centro, a 200 metros do Clube Papanduvense, localizado na Rua Ladislau Tabalipa, 65. Escriturado e sem restrições. Se tem interesse, venha conhecer! Valor: R$ 65 mil. Contato: (47) 9763 6039 (Tim) e (47) 9246 4343 (Vivo).

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014

15


Correio do Contestado

Correio do Contestado. Papanduva, 15 de Fevereiro de 2014

16


EXCLUSIVO: Falsos Médicos: Prefeito Dario Schicovski quebra o silêncio