Page 1


APRESENTAM


4

LANÇAMENTO

1

1.5

2

2.5

DISPONIBILIZADOS

3

3.5


BRANNA MURPHY ESTÁ QUEBRADA. DURANTE MESES ELA TEM SIDO PARTE DE UMA RELAÇÃO UNILATERAL COM UM HOMEM QUE ELA AMA MAIS DO QUE A PRÓPRIA VIDA. ELA REZOU POR UM MILAGRE, E ESPEROU QUE AS COISAS MUDASSEM, MAS DESCOBRIU QUE ERA TUDO UMA ILUSÃO. FALAR NÃO FUNCIONOU. GRITAR NÃO FUNCIONOU. CHORAR NÃO FUNCIONOU. ABSOLUTAMENTE NADA FUNCIONOU. RYDER SLATER ESTÁ FURIOSO. HÁ MESES ELE VEM MENTINDO PARA UMA MULHER POR QUEM LEVARIA UM TIRO, A FIM DE PROTEGÊ-LA. ELE ESTÁ ENVOLVIDO EM ALGO MAIS PROFUNDO DO QUE SEU ANTIGO PASSADO, E SE ELE SE DESVIAR DO ALVO, AS PESSOAS VÃO COMEÇAR A MORRER. PESSOAS QUE ELE AMA. ELE NÃO PODE FALAR. ELE NÃO PODE ESCORREGAR. ELE NÃO PODE PERDER O FOCO. ELE NÃO PODE FAZER ABSOLUTAMENTE NADA. AS COISAS ENTRE RYDER E BRANNA ESTÃO NO FUNDO DO POÇO, E RYDER SABE DISSO. NÃO SÓ ELE ESTARÁ ENFRENTANDO UMA FORÇA QUE PODE DESTRUIR TODA A SUA FAMILIA, COMO TAMBÉM ESTARÁ LUTANDO COM UNHAS E DENTES PARA SALVAR SEU RELACIONAMENTO E MANTER O AMOR DA SUA VIDA AO SEU LADO. RYDER FEZ DE BRANNA SEU ALVO DESDE O PRIMEIRO MOMENTO EM QUE A VIU, E O QUE RYDER CONSIDERA UM ALVO, ELE DOMINA.


Não chore. Eu repeti o pensamento mais e mais enquanto estava sentada no apartamento da minha melhor amiga. Aideen Collins estava embrulhada nos braços de seu noivo Kane Slater, e ambos concentraram sua atenção no seu lindo menino, Jax. Aqueles que eu amava me cercavam, mas o que deveria ter sido um momento feliz, não era. Não para mim, de qualquer maneira. Eu vi minha irmã, Bronagh, interagir com seu noivo, Dominic Slater, que, como Kane, era irmão do meu noivo, e eu lutei contra as lágrimas enquanto sua mão distraidamente acariciava seu abdômen onde a sua menina estava crescendo. Eu mordi o interior da minha bochecha quando olhei para longe do casal feliz, e minha atenção foi para a TV de tela de plasma na parede de frente para mim. Meus olhos observavam o programa que estava passando, mas meu cérebro não tinha ideia do que estava acontecendo, porque estava em outro lugar. Eu me endireitei, esperando não parecer tão fora de lugar - mas não teria ficado surpresa se parecesse, porque me sentia terrível. Eu estava com ciúmes. Eu ficava verde de inveja cada vez que olhava para Kane e Aideen com seu doce bebê Jax, mas meu coração se partiu quando assisti como Dominic interagia com Bronagh. Ela era minha irmã mais nova. Sou toda uma década mais velha que ela, e mesmo assim ela me ultrapassou na corrida para a maternidade. Eu não tinha dúvida de que ela iria se casar antes de mim, também.


Eu odiava me sentir tão amarga para com meu próprio sangue. Eu estava além de feliz por eles, mas ao mesmo tempo os odiava um pouco. Ela e Dominic eram sólidos. Eles eram adequados um ao outro, e seu amor, embora às vezes extremamente intenso, era verdadeiro e para sempre. Quanto mais eu me permiti pensar sobre eles, mais deprimida me senti quando olhei para o meu próprio relacionamento. Eu não acho nesse ponto poderia até mesmo ser classificado como uma relação. Ryder e eu... nós dois mudamos. Em algum lugar ao longo do caminho, deixamos de ser bom um para o outro. Em algum ponto deixamos de ser amável um com o outro. Então começamos com brigas normais, que cresceram até virarem concurso de gritos. Mas nós sequer estávamos mais nessa fase de raiva; estávamos silenciosos. Nós ignorávamos um ao outro, e quando precisávamos interagir, não era agradável. Eu não sei onde erramos, mas Ryder e eu não estávamos mais apaixonados. Dói muito admitir, mas é a verdade. Eu o amava muito, mas não apaixonada por ele. Não pela versão do Ryder com a qual eu estava vivendo. Eu estava profundamente apaixonada pelo homem que ele costumava ser, o homem que me daria o mundo se eu pedisse. E isso quebrava meu coração, porque eu não tinha ideia de como tínhamos chegado ao ponto em que estávamos. Eu não tinha ideia do que eu fiz de errado. Era triste. Olhei à minha esquerda para onde ele estava sentado no sofá de Aideen. Ele estava, como de costume, afastado e digitando na tela do seu telefone, sem prestar atenção em mim. Eu quase ri quando lembrei que, há muitos meses atrás, isso me magoava: que ele desse ao seu telefone mais atenção do que a mim. Mas agora eu apreciava que o seu dispositivo estúpido sustentasse seu olhar, porque não queria que ele olhasse para mim e pudesse realmente me ver como antes. Porque ele veria o quão fraca eu tinha me tornado.


Eu não queria que ele visse que eu estava quebrada. Olhei para longe dele e segurei a garrafa de água que tinha pegado na geladeira de Aideen quando cheguei. Eu destampei a garrafa, tomei um gole e engoli o líquido frio. Eu ampliei meus olhos quando a água desceu pelo caminho errado e entrou em meus pulmões. Baixei a garrafa e imediatamente comecei a tossir enquanto levantava minha mão e a apertava contra meu peito. Eu pulei de susto quando senti uma mão pesada contra minhas costas, batendo levemente e me ajudando a recuperar a compostura. Eu olhei de volta à minha esquerda quando Ryder afastou sua mão de mim, sem nunca olhar para longe da tela do seu telefone. Olhei para ele sem expressão, piscando. Eu não tinha certeza do que fazer com o seu gesto amável, o que era terrivelmente triste. Ele era meu noivo, e eu fiquei surpresa porque ele me tocou. Ele nunca mais me tocou. Não poderia ajudálo, de qualquer maneira. "Obrigada", eu disse a ele, minha voz baixa. Ele não olhou para mim quando disse: "Não foi nada." O silêncio caiu sobre nós outra vez, e imediatamente minha tristeza retornou. Eu odiava me sentir tão para baixo. Olhei para longe de Ryder e ao redor da sala, e meus olhos pousaram em Aideen quando Bronagh e Keela se afastaram dela. Sorri no lugar para ambos os seus rostos bonitos. Do que elas estavam rindo? Eu me perguntava. Eu sorri para mim e balancei a cabeça para o trio problemático. E então olhei para a minha perna quando ela vibrou. Enfiei a mão no bolso e tirei o meu telefone, sorrindo quando o nome do meu colega de trabalho brilhou em toda a tela. Ash Wade.


Ele se juntou a nossa equipe no hospital cerca de seis meses atrás. Ele era um homem inglês de 28 anos de idade, que se mudou de Londres quando tinha vinte anos e adorou tanto ficar por aqui que nunca voltou para casa. Ash era uma piada. Ele me fez rir em dias que eu achava que não podia fazer nada além de chorar. Ele falou comigo, e ele me ouviu falar. Muito. Ele se tornou um bom amigo, e eu estava muito grata por tê-lo encontrado em um ponto em minha vida quando eu precisava de um estimulo. Ash era pura luz; ele iluminaria a vida de alguém qualquer dia. Deslizei meu dedo pela mancha verde na tela, em seguida, trouxe o telefone até minha orelha. "O que você quer?", Perguntei, sorrindo. Ash bufou através do receptor. "É uma boa coisa que eu não disquei um número errado de hotline e pedi sexo por telefone quando dispararam uma pergunta carregada em meu caminho." Com alegria eu ri - o som surpreendendo tanto a mim quanto aos outros em torno de mim. Eu olhei para frente quando senti muitos pares de olhos em mim, mas apenas um conjunto deles me fez ficar tensa. Os olhos dele. Nós tínhamos estado afastados, mas eu nunca poderia ignorar a sensação que tomava conta de mim quando ele me olhava. No momento em que seus olhos fixaram-se no meu corpo, eu me tornei hiper consciente de cada movimento que fiz. "Branna?" A voz de Ash chamou. "Você esta aí, Angel1?" Em jeito de brincadeira eu revirei os olhos. Ash decidiu me apelidar de 'Angel' quando o avô de um dos nossos pacientes algumas semanas atrás continuou me chamando 1

Anjo.


assim quando se dirigia a mim. Pedi-lhe para parar com isso, mas ele se recusou, e agora me chamava assim tanto quanto possível. Acho que o apelido veio para ficar. "Eu estou aqui", respondi. "Desculpe, apenas me distrai por um segundo." "Não se preocupe," Ash fez piava, em seguida, baixou a voz. "Você não vai acreditar no que aconteceu na enfermaria hoje depois que você foi para casa." Ash trabalhava na sala de parto comigo, e além de algumas horas extras aqui e ali, tínhamos os mesmo horários. Desde que ele começou, eu não tinha tido um único turno em que ele não estava lá comigo. Era como se o Conselho de Saúde soubesse que fazíamos uma boa equipe, e tivesse nos escalado juntos indefinidamente. “Se você me disser que a paciente na sala quatro, que gritou enlouquecidamente durante todo o dia, parou aleatoriamente quando eu andei para fora da ala, então eu estou indo aí agora atirar algumas sangrentas maldições nela." O riso profundo de Ash encheu meu ouvido, e aqueceu meu coração até doer. "Não, ela ainda estava gritando quando eu saí... mesmo depois de conseguir sua epidural e ficar paralisada da cintura para baixo." Eu ri. "Há sempre as escandalosas." Ash grunhiu. "Não me diga." Eu gargalhei. "Vá em frente, me diga o que aconteceu." "A senhora na sala um, você sabe, a ruiva quente com os peitos enormes?" Eu silenciosamente suspirei: Ash era brilhante, mas ainda era um homem. Assenti de bom humor com a cabeça. "Sim, o que dizer dela?"


"Ela se cagou quando empurrou. E seu marido se apavorou por não saber o que estava acontecendo, e desmaiou. Ao cair, bateu na cama e fez merda voar, literalmente, para todos os lugares". Debrucei-me sobre o braço do sofá quando riso irrompeu para fora de mim. "Eu juro," Ash riu comigo. "Foi tanto hilariante quanto repugnante." Limpei sob meus olhos com minha mão livre quando lágrimas de riso se reuniram e ameaçaram derramar sobre a borda. "Será que ela esta bem? O bebê está bem?", Perguntei, mudando automaticamente para o ‘modo parteira’. "E o marido, ele está bem?" "Todos os três estão muito bem. A mãe fez bem, e ela teve um menino saudável, mas eu duvido que o marido vá pisar na sala de parto outra vez. Ele fez sua esposa jurar que vai trazer a mãe com ela no futuro." Eu continuei a rir. "Eu aposto que todos tiveram um riso certo sobre isso." "Nós fizemos", Ash confirma. "Sally quase molhou-se de tanto rir depois de limpar o bebê." Sally é uma senhora de 57 anos de idade, a intitulada ‘mãe’ da sala de parto. Eu não estava no turno com ela muitas vezes, mas quando estava, ela me fazia rachar de rir com os contos de sua juventude. Eu balancei a cabeça, sorrindo alegremente. "Eu não posso dizer que sinto muito por perder isso. Eu trabalhei em cinquenta e três partos com nada que não foram fluidos corporais regulares e um bebê pulando para fora." Eu me senti abençoada antes de dizer: "Graças a Deus." "Você sabe que sua primeira paciente no turno amanhã vai se cagar toda só por esse comentário, certo?”


"Morda-me!" Eu brinquei. Ash alegremente riu. "Vejo você na parte da manhã, mas lembre-se que não posso buscá-la, ok? Tenho que deixar minha irmã na faculdade no meu caminho para o trabalho." Ele normalmente me dava uma carona para o trabalho desde que eu vendi meu carro no ano passado, e Ryder sempre precisava de seu jipe. "Sim, não há problema, eu vou vê-lo no trabalho." Eu embolso meu telefone e bocejo antes de olhar para Ryder, que ainda estava ocupado com seu próprio telefone. "Você planeja ficar aqui muito tempo?", Perguntei, sem olhar para suas mãos. Eu pegaria o telefone só para ver o que era tão cativante que ele não podia olhar para longe dele. Ele olhou para mim e balançou a cabeça. "Você quer sair agora?" Eu balancei a cabeça. "Estou no turno às oito da manhã e quero ir dormir cedo." Ryder guardou o telefone. "Vou ver se Damien quer uma carona de volta." Eu distraidamente sorri enquanto pensava sobre meu menino. Ele ajudou a trazer um pouco de vida de volta para mim quando chegou e se mudou de volta para casa. Ele deixou-me sentir menos vazia. Pisquei quando Ryder se levantou da cadeira. Ele me ofereceu sua mão e, por um momento, eu fiquei hesitante em colocar minha mão na dele. Eu estremeci e deslizei a palma da mão em sua grande e calejada mão, porem. Lambi meus lábios quando ele me puxou para os meus pés, mas franzi a testa quando ele imediatamente soltou minha mão e passou por mim, andando em direção a seus irmãos. Eu tentei não deixar isso me derrubar, mas não pude evitar. Eu sinto falta dele. Sinto falta de estar perto dele. Sinto falta de


fazer sexo com ele. Eu não consigo me lembrar da última vez que estivemos íntimos, e odeio isso. Eu disse adeus para as meninas e os irmãos, e pisquei para Kane quando ele levou Jax para seu quarto para colocá-lo na cama. Dei os parabéns a minha irmã e Dominic por descobrirem o sexo de seu bebê mais uma vez, e segui Ryder fora do apartamento de Aideen pelo corredor até o elevador. "Dame vai estar em casa mais tarde", Ryder disse quando apertou o botão para o andar térreo. As portas fecharam, deixando-nos sozinhos. Senti que ele olhava para mim, então mantive meus olhos mortos em frente, sentindo meu corpo tenso por não fazer nenhum movimento. "Com quem você estava falando no telefone?", Ele me perguntou, sua voz tão baixa que eu mal ouvi. Eu estava um pouco irritada por ele me fazer uma pergunta invasiva quando nunca respondeu a nenhuma das minhas próprias. Eu queria responder com várias das minhas próprias questões, perguntando onde ele passava toda noite quando pensava que eu estava dormindo, e por que ele estava em seu telefone o tempo todo, mas eu não tinha energia para uma briga. Ele não iria me responder se eu perguntasse, de qualquer maneira; ele nunca o fez. "Só Ash, que trabalha na sala de parto comigo." Com o canto do meu olho eu vi Ryder dar um aceno. Ele nunca tinha conhecido Ash, então eu não tinha ideia do que se passava em sua mente com a minha resposta. "Você está bem?", Ele perguntou aleatoriamente um momento depois. Eu estava tão surpresa com sua pergunta que olhei para ele com as sobrancelhas levantadas e disse: "Sim, por que não estaria?"


Ele deu de ombros, olhando para mim com as sobrancelhas levantadas. "Você mal esboçou um sorriso quando Bronagh estava anunciando que vai ter uma menina." Porque eu fiz a minha dança feliz no hospital, quando ela descobriu. Eu olhei para frente. "Eu tive um longo dia de trabalho, e só estou cansada." "Muito cansada para estar feliz por sua irmã?" "Estou feliz por ela." Eu rebati o insulto. "Eu não preciso escrever em meu rosto para ser feliz por ela, Ryder." Silêncio. "Parece-me como se você estivesse um pouco..." "Um pouco o quê?" Eu pressionei. A porta do elevador se abriu justo quando Ryder disse: "ciumenta". Saí do elevador, educadamente acenei para o homem da segurança que estava mantendo aberta a porta do saguão do prédio de Aideen, e rapidamente andei na direção da entrada principal. "Branna?" Ryder me chamou. "Olha, espere um segundo." Eu não fiz. Eu acelerei meu ritmo e quase corri para fora do complexo de apartamentos. Quando cheguei lá fora, acenei para os guardas de segurança nas portas e fui direto para o Jeep que estava estacionado no meio dos carros dos irmãos de Ryder. Eu corri para a porta do passageiro e encarei a maçaneta até ouvir Ryder suspirar e pressionar na chave do carro, destravando as portas. Eu agarrei a maçaneta, abri a porta e entrei no carro, batendo a porta atrás de mim. "Deus! Droga, Branna," Ryder reclamou quando entrou no banco do condutor. "Não desconte seu mau humor no meu carro." Foda-se você e seu carro estúpido, eu interiormente rosnei.


"Eu não estaria de mau humor se você não tivesse dito algo assim..." "Assim?" "Insensível!", Eu terminei. "Insensível", Ryder repetiu, e virou seu corpo para me encarar. "Como dizer que você está com ciúmes por Bronagh ter uma menina me faz insensível?" Eu não conseguia nem olhar para ele. "Você não é estúpido. Pense um pouco e eu tenho certeza que você vai perceber porquê." Ryder não moveu um músculo enquanto continuo a olhar para mim. "Você está com ciúmes", ele murmurou, e então suspirou. "Você quer um bebê?" Olhei pela janela, não lhe respondendo. "Branna," ele pressionou. "Você quer um bebê?" Sem olhar para ele, eu disse: "Eu quis um bebê durante anos, mas eu nunca disse nada para não empurrar o problema para você, porque tanta merda aconteceu com nossas famílias, e sendo os mais velhos nós tivemos que empurrar tudo de lado e nos certificar de que todos estavam bem. Nós somos as figuras parentais. Temos que ter certeza que todo mundo está indo bem antes mesmo de considerar olhar para as nossas próprias necessidades." Ryder ficou em silêncio enquanto eu falava, então eu continuei. "Você sabe que eu amo crianças, e eu provavelmente teria tido uma própria um pouco antes de te conhecer, mas havia uma vida que foi colocada em espera quando meus pais morreram. Eu tinha que me concentrar em Bronagh, não em mim, nela. Ser uma parteira era meu sonho, é foi a única coisa que me permiti querer. É


por isso que eu trabalhei duro para me formar com vinte e tantos anos, ao mesmo tempo que criava uma adolescente malcriada. Olhei para ele quando ele continuou em silêncio. "Você acha que nós estamos em um ponto onde devemos ter um filho?" Ele finalmente perguntou, e eu ouvi a dúvida atada ao longo de sua voz. Isso me matava, mas eu concordei com ele. "Não, não estamos em posição nem de adotar um cão, muito menos criar uma criança." Ryder olhou para frente e enfiou a chave na ignição, e começou a conduzir o carro dele. Ele saiu do local de estacionamento e puxou para a estrada, começando a viagem e nos dirigindo para casa. "Além disso", ele argumentou, "na verdade teríamos que foder para engravidar você." Minhas mãos estavam espalmadas sobre as minhas coxas, e eu resisti ao impulso de apertá-las em punhos. "Provavelmente poderíamos fazê-lo, se você não estivesse fora todas as noites fazendo Deus sabe o quê." O silencioso 'ou com quem' estava implícito, mas as palavras nunca deixaram meus lábios. Eu estava apavorada que pudesse realmente existir um "quem", e essa ser a razão para ele sair todas as noites. Eu não acho que seria capaz de lidar com isso, e decidi que era melhor não saber. Minha irmã e as outras meninas iriam me bater por recorrer esta forma de pensar, mas elas não sabiam o que a minha vida em casa ou como meu relacionamento com Ryder realmente estava. Eles pensavam que sabiam, mas não tinham nem ideia. "Não me alimente com essa besteira", Ryder rosnou enquanto suas mãos se apertavam ao redor do volante. "Estou muito em casa, e ainda assim você nunca se aproxima. Você até deixou nossa cama


para dormir no antigo quarto de Dominic - o mais distante de mim que pode ficar sem ter que sair da nossa casa". Eu me senti enojada. "Meu propósito nesta terra não é transar com você sempre que você estiver afim, Ryder." "Não", ele concordou, "mas seria bom se eu pudesse fode-la pelo menos uma vez na porra da semana. Eu não toco em você há meses. Eu me contentaria com a porra de dormir de conchinha neste momento." Ele falou de mim como se eu não fosse mais que um objeto sexual. "E de quem é a culpa?" Eu berro, jogando as mãos no ar. "Você se afastou de mim. Nós não falamos, nós não rimos, nós não fazemos nada além de brigar um com o outro, e isso é tudo sua miserável culpa. Você nos aterrou nesta rotina, e o triste é que eu nem mesmo sei por quê! Não sei o que você faz quando sai de casa todas as noites, ou por que você está sempre em seu telefone. E é realmente patético que eu só aceite tudo isso, mas estou tão cansada. Eu luto com você o tempo todo, e acabo exausta demais para fazer qualquer outra coisa.” Viro a cabeça e olho para fora da janela do carro, desejando que as lágrimas em meus olhos não caiam. Eu não quero chorar. Estou farta de chorar. "Eu já te disse que estou cuidando de algumas coisas. Isso é tudo que você precisa saber." Ele tinha estado ‘cuidando de algumas coisas' por um ano agora, porra! Ele precisava mudar sua resposta, porque essa estava ficando velha, e quanto mais eu a ouvia, mais ela arranhava em meus nervos já desgastados. Fechei os olhos, eviscerada compartilhar seus segredos comigo.

que

ele

ainda

não

iria


"Eu não acredito em você, Ryder," eu disse calmamente. "Então eu não sei o que te dizer, Branna," ele respondeu com agitação, embora tentasse encobri-la com uma carranca. "Que tal a verdade de uma vez?", Retruquei. "Apenas me diga onde você vai e o que você faz. Por favor." Suas mãos apertaram em torno do volante uma vez mais à medida que nos aproximávamos da nossa rua. "Eu não posso te dizer; você não entenderia." Olhei para baixo para minhas coxas. "Eu não posso entender se você não me ajudar." Ryder grunhiu enquanto passava a nossa entrada e colocava o carro na garagem. Ele tomou suas chaves da ignição e disse: "Isto é sobre mim, ok? Não é nada para você se preocupar. E você vai se preocupar se eu te dizer, e eu não quero que isso aconteça. Estamos todos sob muita pressão com Big Phil ainda lá fora, e meu negócio não precisa ser adicionado a isso. " Ele saiu do carro, fechou a porta e, em seguida, aproximou-se do caminho e desapareceu na nossa casa, deixando-me sozinha com apenas a companhia dos meus pensamentos. "Eu não posso mais fazer isso", eu disse em voz alta, forçandome a ouvir as palavras que silenciosamente repeti vezes demais nos últimos meses. Nós não poderíamos continuar no caminho que estávamos. Alguma coisa tinha que mudar, e naquele momento eu sabia exatamente o que tinha que fazer para iniciar o processo de cura das muitas feridas que haviam sido cortadas e expostas ao longo dos últimos anos. Eu tinha que fazer uma mudança. Eu tinha que me separar do próprio ser que me feriu assim... mesmo que ele não quisesse. Apertei os olhos fechados quando a dor me atingiu. Os fragmentos remanescentes do meu coração despedaçado quebraram


tristemente em milhões de pedaços quando eu tomei uma decisão que mudaria minha vida. Uma decisão que afetaria não só a mim, mas à minha família e amigos também. Estendi a mão e agarrei cegamente sobre o painel do carro para evitar entrar em colapso. Eu percebi que precisava seguir em frente e fazer isso para ser livre. Eu tinha que romper com Ryder. Não chore.


Quando meu alarme disparou na manhã seguinte, sentei-me na minha cama temporária no antigo quarto de Dominic e recuei. Levantei minhas mãos para o meu rosto e respirei fundo enquanto meus dedos corriam sobre a carne macia sob meus olhos. Eles estão ligeiramente inchados e doloridos como uma cadela - não há dúvida de que chorei até dormir na noite anterior. Eu queria chorar tudo de novo quando a realização me bateu. O sono que eu finalmente consegui obter na noite passada fez absolutamente nada para mudar minha mente sobre a decisão que eu tinha tomado sobre Ryder, o que fazia meu coração doer ainda mais. Eu estava esperando acordar e conseguir ignorar completamente os meus pensamentos da noite anterior, mas não o fiz. Eu estava tão cansada de estar triste, e eu precisava dizer adeus a Ryder para parar isso. Eu sabia que deixá-lo abriria todo um outro tipo de ferida preenchida com uma dor diferente, mas eu não podia ver uma maneira de solucionar a nossa situação atual. Falar com ele não funcionou, gritar com ele não funcionou, chorar não funcionou. Nenhuma luta sangrenta funcionou. Eu não quero mais discutir, não quero mais chorar, e não quero mais brigar. Eu estava exausta. Eu estou feita. "Como eu vou fazer isso?", Sussurrei para a sala vazia. Fechei os olhos e desejei pela bilionésima vez ter minha mãe para conversar. Eu precisava desesperadamente de alguém para me guiar, e eu não poderia pedir ajuda a Bronagh ou aos meus amigos,


porque era a mim que eles vinham quando as coisas davam errado, e não o contrário. Eu era a mais velha. Eu não deveria perder meu caminho; era para eu ajudar os outros a encontrar o deles. Eu era responsável por mim mesma. Abri os olhos depois de alguns instantes e respirei profunda calmamente. Trabalho, eu me lembrei. Você tem que ir para o trabalho. Teria que descobrir como terminar as coisas com Ryder mais tarde, porque agora eu precisava tomar um banho, me vestir e ir para o trabalho. Eu amava o meu trabalho, o que não era algo que um monte de gente poderia dizer. Não era fácil, e houve momentos em que eu derramei muitas lágrimas quando um parto deu errado, mas nove em cada dez vezes eu ajudava com sucesso uma mulher a trazer vida a este mundo, e isso acalmava a minha alma. Era a única coisa na minha vida que me mantinha sã. Quando saí do antigo quarto de Dominic, procurei qualquer sinal de movimento lá em baixo, mas não ouvi nada, o que me disse que Ryder ainda não estava em casa, ou que ele ainda estava na cama. Eu não ousava me aventurar para o nosso antigo quarto compartilhado para verificar, porque a verdade é que eu seria ferida de qualquer maneira. Se ele estivesse lá, eu seria lembrada que eu tinha que romper com ele, e se ele não estivesse, seria outro lembrete do por que eu tinha que romper com ele. Eu não ganharia de qualquer maneira. Virei-me e voltei para o quarto onde eu durmo, andando para o banheiro anexado. Eu tinha tomado banho nele várias vezes ao longo dos últimos meses, e por isso eu mantive alguns dos meus produtos de higiene pessoal lá - para os momentos em que eu não conseguia dormir com Ryder ou em nossa cama. Era tão confuso, mas ultimamente eu não conseguia dormir na nossa cama sem ele porque eu me sentia solitária, e eu não conseguia dormir com ele porque sua recusa em me contar o que estava fazendo doía muito.


Era uma situação regiamente fodida, e, infelizmente, a única solução que eu poderia encontrar me mataria - tanto quanto machucaria Ryder. Não pense sobre isso, eu disse a mim mesma. Após tomar banho, me vesti e optei por prender meu cabelo para trás em uma trança francesa. Passando as palmas das mãos sobre a frente do meu uniforme, verifiquei meu relógio e crachá no bolso da camisa. No banheiro, eu preenchi minhas sobrancelhas para escurecê-las e apliquei meu hidratante perfumado favorito de creme de morango. Eu nunca coloco qualquer outra coisa no meu rosto quando vou para o trabalho. Eu fazia quando comecei, mas rapidamente descobri que eu esfregava muito meu rosto e olhos durante meus turnos e, portanto, arruinava minha maquiagem aplicada com cuidado. Sem mencionar que acabava tudo sobre as minhas mãos também. Não valia a pena o aborrecimento, de modo que a hidratação e o preenchimento de sobrancelhas eram tudo em que eu tinha focado. Agarrei minha bolsa e coloquei meu telefone nela, em seguida, desci as escadas e fiz o máximo possível para manter todos os ruídos no mínimo. Na cozinha, dispensei o café da manhã e fiz somente uma xícara de chá. Quando terminei de beber meu chá, verifiquei o horário e amaldiçoei sob minha respiração quando vi que eu teria que correr para chegar a tempo para pegar o ônibus. Eu corri para fora da cozinha, peguei meu casaco do rack na sala para colocá-lo e, em seguida, saltei para fora da casa. Eu tremi quando o ar fresco da manhã de outubro me cercou, beliscando minha pele exposta. Eu fiz uma nota mental para comprar um cachecol e um par de luvas enquanto caminhava para fora do jardim e fechava a porta atrás de mim. Virei-me e rapidamente andei na direção do ponto de ônibus.


Eu não sei por que, mas senti como se os olhos de alguém estivessem em mim, então olhei por cima do ombro. Quando percebi que ninguém estava atrás de mim, olhei para minha casa e engoli em seco. Bati meus olhos na janela do meu quarto e vi que Ryder estava ali de pé, sem camisa, com os braços acima da cabeça. Eu sabia que ele estava segurando a cortina acima dele, mas desejei que não estivesse, por que assim ele exibia seu torso perfeitamente ondulado. Eu podia ver cada músculo esculpido mesmo à distância. Ele estava olhando para mim - eu senti seu olhar treinado em mim, mas me forcei a encolher os ombros. Eu não podia me permitir tornar-me massa em suas mãos simplesmente por ele estar olhando para mim. Eu tinha que ser forte. Eu tinha que me concentrar em mim. Virei-me para longe da minha casa e de Ryder, e explodi em uma corrida. Eu não parei de me mover até chegar à parada de ônibus no final da rua - cheguei lá assim que o ônibus parou. Trinta minutos depois eu estava fora do ônibus e entrando na Maternidade do Hospital Coombe. Eu apertei a cãibra no meu traseiro dos assentos de ônibus rígidos e lembrei-me que tive sorte por conseguir obter um assento no rush da manhã. Eu não gostava de transportes públicos, mas tinha perdido meu caro carro compartilhado. Houve um tempo em que Ryder me deixava no trabalho antes de sair para o dia, mas isso terminou abruptamente quando as coisas começaram a desandar entre nós. Na maioria dos dias Ash iria recolher-me para o trabalho, e Bronagh iria me pegar quando meu turno terminasse. Eu recentemente também tinha pensado em comprar um carro barato, porque eu odiava ter que depender dos outros, ou faze-los ter que sair de seu caminho para mim, mas o dinheiro era um problema. Ryder e seus irmãos fizeram uma quantidade considerável de dinheiro de sangue com seu antigo trabalho, mas eu descobri recentemente que um mau investimento com Brandon Daley deixou Dominic, Alec e Ryder quebrados. Eu ouvi alguma que não deveria


ter ouvido dos irmãos meses atrás, e trouxe esse assunto até Ryder algumas semanas após Aideen ser hospitalizada. Descobri que nossa conta conjunta estava perigosamente baixa em fundos, mas a conversa sobre esse tema foi rapidamente encerrada quando perguntei a Ryder a respeito. Eu perguntei onde o dinheiro tinha ido, mas ele nunca me deu uma resposta direta; ele só me disse: 'não se preocupe com isso’, e ‘não vou falar sobre isso'. Perguntei se era algo relacionado a Brandon ou a sua antiga vida, mas essa conversa acabou em mais uma briga. Ele nunca permitiu qualquer conversa sobre Brandon ou sua antiga vida em nossa casa, e qualquer tentativa foi encerrada com palavrões. Eu nunca rebati, porque nunca quis falar sobre isso - trazia de volta muitas memórias horríveis. Mas algo estava acontecendo com Ryder, e eu sabia que tinha algo a ver com o local onde ele ia todas as noites. Era muita coincidência que os irmãos perdessem um monte de dinheiro ao longo dos últimos meses e, em seguida, que Dominic começasse a trabalhar para Brandon novamente para ganhar uma renda. Eu não sabia o que Alec tinha na manga, por sua vez, mas sabia que não era legítimo. Kane fez o seu dinheiro de forma legítima, porem. Eu não deveria saber sobre isso, mas ouvi-o, e a Aideen, discutindo expansões de seus complexos de apartamentos. Perguntei a Ryder sobre isso e ele relutantemente me contou sobre o que Kane faz, e que isso deveria ser mantido em sigilo. Eu mantive minha boca fechada e fingi estar no escuro sobre seus empreendimentos comerciais, mas o que eu realmente queria fazer era parabenizar e abraçar o inferno fora dele. Ele conseguiu ficar fora da trilha que Dominic - e, possivelmente, Ryder e Alec, - tinham caído de volta. "Branna," Taylor Carey irradiou alegria quando entrei na sala de parto. Taylor era legal. Ela não era o tipo de amiga a quem eu iria confiar ou contar meus segredos, porque eu não a conhecia muito


bem, mas ela fazia o trabalho interessante quando estávamos no turno juntas. Eu gostava dela. Ergui a cabeça e mexi os dedos. "Ei, Tay." Taylor levantou os braços sobre a cabeça enquanto se espreguiçava e bocejava. Meu lábio contraiu. "Longo turno?" Ela assentiu com a cabeça. "Noite agitada. Houve oito nascimentos nas últimas doze horas desde que cheguei no turno às oito da última noite". Eu assobiei. "Bom para as mamães, bebês e funcionários. Trabalhos rápidos beneficiam a todos." Taylor bocejou, novamente. "Eles me beneficiam ajudando a passar o tempo. Não posso acreditar que meu turno já acabou. Eu adoro quando isso acontece." Eu resmungo. "Eu não posso acreditar que meu turno está apenas começando. Eu sinto como se tivesse aguentado doze rodadas com Mike Tyson." Taylor fez uma careta. "Notei que seus olhos estavam um pouco inchados, mas eu não quis dizer nada. Você está bem?" Eu balancei a cabeça. "Apenas um pouco resfriada." Mentira. Taylor fez uma careta. "Você não deve ter uma manhã ocupada, então poderá ficar miserável em paz. Quartos um e dois estão ocupados, e as mulheres estão com apenas três e quatro centímetros de dilatação. Já anotei a pressão sanguínea, temperatura e pulso há dez minutos, então há uma sólida outra hora antes que você tenha que verifica-las novamente. Ambas são adolescentes, então devem se manter com papo até os outros chegarem aqui." Eu sorrio. “Aposto que em uma hora cinco ou seis mulheres da ala vão entrar em trabalho ativo, e eu vou estar ocupada."


Taylor se levantou e bateu seu quadril com o meu. "Esse é o trabalho." "Sim", eu concordei. "Ash esta no turno com você hoje?", casualmente enquanto recolhia seus pertences.

Ela

perguntou

Eu tomei seu lugar na cadeira atrás da estação das enfermeiras. "Sim. Ele deveria já estar aqui agora", eu disse quando me sentei. "Estamos sempre juntos; não consigo me lembrar da última vez que eu estava trabalhando e ele não estava aqui." Taylor suspirou, sonhadora. "Eu estou tão ciumenta: ele é lindo e tão fodidamente engraçado." "Quem é lindo e tão fodidamente engraçado?" Olhei para cima quando Ash falou atrás de Taylor e riu quando ela se virou e quase caiu quando enquanto sua bolsa era transportada por via aérea. Ash reagiu mais rápido do que parecia humanamente possível e agarrou a bolsa de Taylor antes de ela bater no chão. Ele endireitou-se, em seguida, entregou-a de volta para ela com um sorriso brilhante. Eu podia ver que a ponta das orelhas da Taylor estavam vermelhas, então só podia imaginar quão corada suas bochechas estavam. "Nós estávamos falando sobre Ryan Reynolds," eu digo a Ash. "Você sabe, o ator que é a estrela do novo filme Deadpool?" Ash olha de Taylor para mim e concorda. "Eu o conheço, bom ator." Meus lábios engraçado."

tremem.

"Ele

é

lindo

e

tão

fodidamente

Taylor se vira para mim, e seus olhos estão saltados, me fazendo rir. Ash olha entre nós, confusão estragando seu belo rosto, mas balança a cabeça e decide contra fazer qualquer pergunta que estava em sua mente. Ele era um sujeito esperto.


"Eu vou indo", Taylor murmura, evitando contato visual com Ash, que entrou na sala de descanso para colocar suas coisas em seu armário. Eu sorrio. "Isso me divertiu muito." "Estou tão fodidamente mortificada", ela sussurra, seu rosto ainda corado. "Você acha que ele sabe que eu estava falando dele?" Eu balanço minha cabeça. "Não, ele não estava prestando atenção, tenho certeza." Taylor exala um suspiro aliviado. "Ok, eu vou ir antes que eu diga alguma outra coisa que me faça querer que o chão se abra e me engula inteira." Eu rio. "Até logo." Taylor fez uma careta, em seguida, correu para fora da ala. Levantei-me e trouxe minha bolsa e casaco para sala de descanso e coloquei-os em meu armário. Anexei meu telefone no clipe em minhas calças e então olhei para Ash, que estava encostado no pequeno balcão da cozinha com os braços cruzados sobre o peito e um sorriso maroto no rosto. Eu levantei minhas sobrancelhas. "Porque você está me olhando assim?" "Eu sei que Taylor estava falando de mim; eu estava prestando atenção." Fingi aborrecimento. "Você é um bisbilhoteiro!" Ash diabolicamente sorriu. "Então, eu sou lindo e tão fodidamente engraçado, né?" Dei de ombros. "Ela pensa assim." "E você?", Ele pressionou. "Você concorda?" Fingi pensar sobre isso e que fez Ash fazer uma careta que só me fez rir mais alto do que antes. "Eu acho que você é engraçado... tão fodidamente engraçado," eu provoquei.


Ash agarrou seu peito. "Mas não lindo?" Em jeito de brincadeira eu revirei os olhos. "Você é ok." Ele ficou sóbrio e balançou as sobrancelhas. "Eu sou ok?" "Sim", eu bufei. "Você é ok." "Vou aceitar!" Ele aplaudiu. Eu me encolhi. "Você está muito energético para esta hora da manhã." Ash apontou para a chaleira. "Você quer uma xícara de chá para acordá-la?" Eu balancei a cabeça. "Sim, por favor." Ele começou a trabalhar e me fez uma xícara de chá, que me fez cantarolar enquanto engolia seu conteúdo. Nos estabelecemos atrás da estação de enfermeiras e cumprimentamos os três outros cooperadores que estariam trabalhando no turno do dia com a gente. Shannon, Katie e Jada. Eu relaxei com eles, verificado os dois pacientes que estavam atualmente na enfermaria. "Qualquer coisa emocionante acontecendo este mês para você?" Ash perguntou enquanto folheava os arquivos dos dois pacientes na enfermaria. Dei de ombros. "Bronagh esta fazendo vinte e três no dia 10, e estou certa de que estaremos fazendo alguma coisa para isso. Você, é claro, esta convidado". Ash riu. "Obrigado, mas eu não conheci Ryder ou seus irmãos ainda, e pelo som das coisas eu quero fazer isso quando todo mundo está sóbrio." Meus lábios tremeram. "Eles são todos inofensivos. A maior parte do tempo, pelo menos, e para nós meninas... talvez você não deva vir, agora que penso nisso." Ash gargalhou, o que me fez sorrir, mas o sorriso foi imediatamente apagado do meu rosto quando um grito profano veio


pelo corredor e a campainha para o código vermelho soou. Ambos, Ash e eu, pulamos para os nossos pés. Ele decolou na direção do quarto que assinalou a emergência juntamente com os nossos outros colegas, enquanto eu mergulhei para o telefone. "CCO", uma voz masculina atendeu no segundo toque. "Limpar um CCO, imediatamente!", Eu respirei. "Código vermelho na sala de parto. Consiga o Doutor Harris ou o chefe de turno no preparo para uma cesariana de emergência. Agora." "Droga", o homem no telefone assobiou. "Eu estou nisso." A linha ficou muda assim que eu desliguei o telefone e corri para a sala dois, o quarto em que a luz vermelha estava piscando. Eu imediatamente me senti doente e com medo. Em meus quatro anos no hospital, eu tinha tido no meu turno sete códigos vermelhos, e isso nunca ficava mais fácil. Um código vermelho na sala de parto no meu hospital significava que ou o bebê ou a mãe não apresentavam nenhum vestígio de batimento cardíaco. A mãe fica ligada a uma máquina que rastreia ela e os batimentos cardíacos de seu bebê, e um código vermelho significa a máquina disparando o alarme ligado a ela. Quando um código vermelho soa temos apenas uma questão de minutos para executar uma cesariana de emergência para tirar o bebê, antes que possamos trabalhar naquele que fez soar o alarme. Eu sabia que o problema era com o bebê quando me aproximei da sala, porque podia ouvir os gritos e apelos da mãe pedindo ajuda. Entrei no quarto e encontrei quem imaginei ser o pai com as mãos nos lados de sua cabeça e lágrimas em seus olhos, enquanto Ash e outra parteira, Jada, estavam mantendo a futura mãe parada. Eu assumi meu caminho para seu ponto de vista e agarrei suas bochechas. Eu tinha memorizado suas informações pessoais a partir de quando li seu arquivo na estação das enfermeiras, e aproximando-me dela, eu disse, "Samantha, me escute agora!"


Ela mal podia se conter, mas seus olhos prenderam nos meus, e eu sabia que tinha sua atenção por apenas alguns momentos antes dela se descontrolar novamente. "Nós estamos nos mudando até o CCO para realizar uma cesariana de emergência. Nós estaremos trazendo seu filho para o mundo dentro dos próximos minutos para tentar salvá-lo, e não podemos fazer isso sem você, ok? Precisamos que você seja forte para nós. Você pode fazer isso por mim, querida?" "Ok", ela gritou. "Só, por favor, salve ele. Me prometa que você vai salvá-lo. Por favor." Eu balancei a cabeça, porque não podia dizer as palavras em voz alta, no caso delas acabarem sendo uma mentira devastadora. Tudo passou em um borrão enquanto eu, Ash e o pai do bebê enviávamos Samantha para baixo, para o andar dois do hospital, onde o Doutor Harris e sua equipe estavam prontos e esperando. "Noventa e um segundos desde que o código vermelho foi ativado. Bem feito, Branna," Doutor Harris disse, e bateu no meu ombro. "Bom tempo de você e sua equipe." Eu balancei a cabeça e deixei Samantha aos seus cuidados. Eu estava como uma estátua, e vi como as portas duplas para o CCO se fecharam. Ouvi as ordens do Doutor Harris para que um cateter e linhas IV fossem colocadas em Samantha, e para que seu abdômen fosse limpo e desinfetado. Prendi a respiração segundos mais tarde quando ele anunciou que estava administrando a anestesia. Como era uma emergência, Samantha estaria fora sob anestesia geral em questão de segundos, e não estaria acordada para testemunhar o nascimento de seu filho. Eu pulei quando um braço enganchou ao redor do meu pescoço e me puxou para um peito firme. Eu sabia que era Ash sem ter que olhar para cima. Fechei os olhos e passei meus braços ao redor da cintura dele e apertei. Ele beijou o topo da minha cabeça e disse: "Nós tivemos ela aqui rápido, e o Doctor Harris já está


fazendo as incisões para a cesariana. Se alguém pode salvar o bebê, é ele e sua equipe." Eu sabia disso, mas não aliviava o medo que eu sentia. "Eu sempre fico tão envolvida", eu sussurro. "Como posso ajudar os pacientes quando deixo minhas emoções assumirem assim?" Ash me segurou no comprimento dos braços assim que eu abri os olhos e olhei para ele. "Ouça-me", disse ele com firmeza. "Quando Sally não está de plantão com a gente, você é a mãe da enfermaria. Você está no comando, e a responsabilidade não recai sobre seus ombros porque você é doce e gentil: é porque você é uma parteira muito boa. Você ouviu o Doctor Harris, tivemos ela aqui em noventa e um segundos, e isso é tudo graças a você." Sinto meu lábio inferior tremer. "Obrigada, Ash." Ele piscou. "Não é necessário agradecer, criança." Criança. Eu consegui dar um bufo. "Eu sou quatro anos mais velha que você." "Idade é apenas um número, baby." Eu rio, mas fecho a boca quando ouço comoção na CCO. Seguro o braço de Ash quando ouvimos um grito. As portas se abrem um pouco, e o belo som do choro de um recém-nascido enche o corredor. "Sim!" Eu grito e salto para Ash, que está rindo quando me pega em pleno ar. Ele me vira, em seguida, me coloca no chão e me dá um abraço apertado. Esperamos dez minutos para a incisão de Samantha ser suturada e para que o bebê seja verificado. Nós dois estamos sorridentes quando o Doutor Harris sai do centro cirúrgico. Ele me dá um abraço e bate os punhos com Ash, o que me fez dar


um grande sorriso. Ver o Doutor Harris dar high five e vê-lo bater os punhos com alguém nunca deixa de me divertir. "Isto é para você e sua equipe", ele nos diz. "Você foi muito bem. O bebê está respirando por conta própria, e os sinais vitais da mãe são constantes também. Vamos admiti-los na UTI para observação, mas eles parecem estar bem. Parabéns." Uma nova onda de alívio me bate. "Graças a Deus", eu respiro. Ash e eu saímos da CCO e voltamos para a sala de parto como se houvesse uma mola extra em nosso passo. Depois que informamos nossos colegas que tanto Samantha quanto seu bebê estão bem, nos se estabelecemos atrás da estação de enfermagem. "É difícil de acreditar que não é nem mesmo nove horas ainda", diz Ash com um aceno de cabeça. Eu balanço a cabeça em concordância. "Este será um longo dia." "Graças a Deus pelo chá," Ash reflete, me fazendo rir. Graças a Deus por ele. Eu sinceramente sabia que não seria capaz de fazer este trabalho sem ele. Ele era meu parceiro no crime, e nós cuidávamos um do outro em nosso campo de trabalho. Eu tinha sorte de tê-lo em minha vida. Conseguir fazer um bom amigo até mesmo na época mais escura parece brilhante.

"Foi assustador?" arregalados.

Dominic

perguntou,

com

os

olhos

Eu tinha acabado de contar a ele sobre o código vermelho na enfermaria naquela manhã, enquanto Bronagh estava lá em cima na tomando banho.


Eu balancei a cabeça e disse: "É sempre assustador. Eu odeio códigos vermelhos." Dominic assentiu em entendimento, em seguida, olhou para a porta da cozinha quando ouviu Bronagh descer as escadas. Estendi a mão e toquei-lhe o braço. "Não conte a ela. Nunca contei a ela sobre os códigos vermelhos porque isso a chatearia, mas agora que ela está grávida eu não quero que ela tenha medo de que algo assim possa acontecer com ela." Dominic assentiu uma vez, em seguida, voltou sua atenção para Bronagh quando ela entrou na sala. Ela colocou as mãos nos quadris e suspirou profundamente. "Eu estou tão gorda." Ela fez uma careta. "Levei sessenta segundos para obter minha cara fora do vaso sanitário." Eu ri enquanto Dominic inclinou a cabeça para o lado. "Gorda?", Ele questionou. "E eu aqui pensando que você estava grávida. Cara, você tem me enganado." Bronagh deu-lhe o dedo. "Morda-me, Fuckface. Você fez isso para mim." "Pode apostar seu traseiro que eu fiz", ele sorri, sem se abalar com o insulto. Para ser justa, Fuckface tinha evoluído de um insulto para um apelido carinhoso um par de anos atrás, e eu percebi que era por isso que Dominic nunca se importou. Eu sorri quando Bronagh mudou-se para o fim do balcão da cozinha. Ela estupidamente tentou saltar para cima e sentar-se no balcão como sempre fez no passado, mas agora que ela estava grávida isso era perigoso - e hilariante, porque ela nunca conseguiria sentar sobre o balcão sem ajuda. "Dominic", eu disse. "Dê-lhe uma mão."


Ele levantou-se, mudou-se para Bronagh e cuidadosamente levantou-a sobre o balcão. Minha irmã o observava, e sorriu, o que o fez sorrir também. "Por que você está me olhando assim?", Perguntou ele, divertido. "Você não teve dificuldade para me levantar: isso significa que eu não estou tão gorda ainda." Dominic bufou. "Eu posso levantar meu próprio peso sem suar, e mesmo na metade da gravidez você ainda está mais de 30 quilos mais leve do que eu." Bronagh bateu palmas. "Espero que continue assim." "Não vai", eu sorri maldosamente "Você vai engordar mais 10 quilos pelo tempo que ainda tem. Sem contar a forma como você come. Dominic tem pedido pizza para você pelo menos cinco vezes por semana pelo que ele me disse". Bronagh fez uma careta para mim enquanto Dominic riu. "Você sabe", ele começou enquanto eu agitava a colher na minha xícara de chá. “Me incomoda que você não voltou a me chamar de Nico como as outras garotas.” Eu sorri. "Eu conheci você como Dominic por um longo tempo antes que você fosse o Nico que assediava Bee na escola." Seu lábio se contraiu. "Assediar? Por favor, ela amou cada segundo da minha atenção". "Sim", Bronagh disse, brincando e rolando seus olhos. "Foi a interação com seu alter ego o que eu vivi naquela época." Dominic apontou para seu próprio corpo. "Você não pode se culpar. Você tem um gosto incrível, querida." Bronagh preguiçosamente se virou para ele, e ele facilmente se esquivou para fora do caminho, rindo baixinho. Ele ficou na frente dela antes que ela pudesse pular do balcão da cozinha e começar uma briga com ele.


"E agora," ele murmurou, apoiando as mãos em seu abdômen inchado. "Nós estamos tendo um bebê juntos." Bronagh inclinou a cabeça para frente e esfregou o nariz contra o dele. Sorri para o casal, adorando o amor que tinham um pelo outro. Eles ainda eram opostos de muitas formas, mas uma coisa que ninguém podia negar era o quão duro eles se amavam. Era perigosa a dependência que eles tinham um no outro, mas eu entendia. Eu entendia o que era amar alguém tão profundamente a ponto de fundir sua alma na dele. Eu tive isso, com Ryder, e é por isso que eu estava tão quebrada agora que estava desaparecendo. Eu estava morrendo lentamente sem seu amor incondicional, e eu só tinha a mim para culpar. Você deveria ter guardado seu coração melhor, minha mente zombou. Olhei para longe de Dominic e minha irmã, e percebi meu telefone piscando. Era uma mensagem de texto de Ash. Li e ri. Eu escrevi uma resposta, cliquei em enviar e, em seguida, embolsei meu telefone. Olhei para cima para encontrar os dois pássaros do amor olhando para mim. "Quem era?", Perguntou Dominic, sua sobrancelha levantada. Que intrometido. "Um colega de trabalho", eu respondi, em seguida, virei os olhos para Bronagh. "Ele vem me buscar para o trabalho. Você ainda pode me buscar as quatro?" "Quatro?" Ela perguntou. "Por que não oito?" Dei de ombros. "É dia de treinamento. Algumas parteiras atravessaram o ano da Universidade, e eu optei por não ser parte dele, assim posso voltar para casa mais cedo. Estou exausta e preciso de um descanso mental. Parece que estou ficando velha."


Não era de todo uma mentira. O que eu não estava dizendo era que precisava de algum tempo para descobrir como romper com Ryder. Eu teria que fazê-lo, mais cedo ou mais tarde. E eu queria fazê-lo como arrancar um curativo: rápido e indolor. Ou apenas rápido. Dominic acenou minhas preocupações para fora. "Você ainda é a mais quente de trinta e poucos anos de idade que eu conheço." Ninguém podia dizer a minha verdadeira idade: trinta e poucos anos era o mais perto que eles podiam chegar. Meu lábio torceu. "Obrigada, isso me faz sentir muito melhor." "Ele está certo," Bronagh sorriu. "Você tem o corpo de um matar, e seus seios ainda estão pra cima." Os olhos de Dominic sacudiram até meu peito, o que me fez rir. "Ele é tão previsível", eu disse para Bronagh. Minha irmã olhou para ele e deu-lhe uma cotovelada, recuperando sua atenção. "Eu estou sentada aqui", ela fez uma careta. Dominic coçou o pescoço. "Você foi a única que falou sobre os peitos dela, não eu." Bronagh sacudiu a cabeça, sorrindo. "Como se atreve." Eu sorri, em seguida, me levantei quando ouvi um beep lá fora. "Isso é para mim", eu disse enquanto pegava minha bolsa e enganchava a alça por cima do ombro antes de apontar para minha irmã. "Quatro horas. Não se esqueça; eu não quero ter que pegar o ônibus." Bronagh assentiu. "Estarei lá." Dei-lhe um abraço e cutuquei Dominic nos lados antes de sair de sua casa. Eu sorri quando Ash entrou em exibição enquanto eu me aproximava de seu carro. Eu cuidadosamente abri a porta e


deslizei para o banco do passageiro. Quando eu estava afivelada, voltei minha atenção para Ash e sorri: "Olá, perdedor." Ele fingiu estar ferido, e sua expressão facial me fez rir em voz alta. "Como foi a sua pausa?", Ele perguntou quando se afastou do meio-fio. Eu bocejei. "Não longa o suficiente: eu poderia dormir por um ano." "Eu também", Ash concordou, parecendo tão cansado quanto eu me sentia. "Eu provavelmente só vou até a lanchonete do hospital para conseguir comida no futuro; estar em casa é muito tentador, porque minha cama está lá." Eu ri. “Concordo. Na próxima vez podemos permanecer no local e disparar merda no café.” "Soa como um plano, amiga." Começamos a conversar, e antes que eu pudesse perceber já tínhamos chegado ao hospital, e estávamos de volta à sala de parto dentro de meia hora.

"O que você vai fazer?" Eu olhei para Ash quando ele falou. Ele colocou os cotovelos na mesa do posto de enfermagem onde eu estava sentada, seu cabelo loiro caindo em seus olhos azuis céu. Eu apontei para a pilha de papéis ao meu lado. “Assinar os formulários de admissão e preencher a lista de suprimentos, que precisa ser entregue até ao final do dia. São quase quatro horas, e eu quero isso feito antes de ir para casa".


Ash agarrou em cima do balcão, então se ergueu até que ele estava sentado sobre a bancada e olhando para mim. Eu balancei a cabeça para ele. "Sally vai limpar o chão com você se te pegar sentado lá ai em cima." Eu comentei. "Ela está de plantão hoje; entrou depois do almoço." Ash sorri. "Por favor, Sally me ama." Meus lábios se curvaram. "É porque você flerta com ela o tempo todo." "Eu flerto com todos", ele corrigiu. Eu rio. "Você é uma vagabunda namoradeira". Ash não negou as acusações; em vez disso, ele assentiu “Um homem tem que fazer o que um homem tem que fazer." Eu balancei a cabeça com bom humor e olhei de volta para os papeis que estava preenchendo, mas mais uma vez os meus pensamentos foram deslocados para Ryder, o que me fez suspirar. "Hey," Ash murmurou. "Você está bem?" Olhei para ele e balancei a cabeça. "Hã? Oh, sim, estou ótima." Ele brincou: "Você quer tentar de novo, e me dizer a verdade desta vez?" Sua consciência me fez sorrir quando olhei de volta para ele. "Você não quer ouvir sobre meu drama bobo, Ash," eu o assegurei. Olhei para cima quando ele levantou uma sobrancelha e disse: "Eu não teria perguntado se não quisesse saber." Eu pensei nisso por um segundo, em seguida, disse: "Eu... Eu só tive uma briga com Ryder na última noite." Ele fez uma careta. "Outra?" Ash era a única pessoa no mundo com quem eu falei sobre Ryder, e isso porque ele estava fora do meu círculo familiar. Ele não iria contar aos irmãos ou às meninas as minhas preocupações, e ele também manteve tudo entre nós, o que eu realmente gostei. Era


uma espécie de terapia ser capaz de desabafar com alguém e não me preocupar se esse alguém iria contar tudo à Ryder ou a um de seus irmãos. Eu balancei a cabeça solenemente. "Foi uma briga ruim. Ele foi tão insensível sobre minha reação ao bebê de Bronagh. Ele me chamou de ciumenta e disse que era minha própria culpa que eu não estava grávida, porque nós nunca temos relações sexuais". Eu deixei de fora as coisas grosseiras que Ryder disse, porque Ash não precisa saber como ele falava comigo. "Ele é um fodido", meu amigo resmungou, surpreendendo o inferno fora de mim. Eu ampliei meus olhos para ele e ele deu de ombros, sem falsa modéstia. "Eu não sinto muito", afirmou. "Seu noivo torna-se um pau maior a cada vez que você me conta sobre ele. Será que ele não percebe a sorte que tem por ter você?" Eu senti meu rosto esquentar. "Eu não acho que seja algo que merece um grande barulho, Ash." "Você fodidamente é", ele respondeu. "Não permita que ele te faça sentir menos do que perfeita, que você é tudo isso e muito mais.” Eu estava mortificada. "Pare, Ash," eu sussurrei, para evitar ouvir o tremor na minha voz. "Você sempre me envergonha quando fala sobre mim assim." Ele riu. "Eu sei, mas eu estou esperando que quanto mais e mais eu falar sobre como fabulosa você é, mais cedo você vai perceber que é a verdade." Acenei para ele. “Suas palavras doces como açúcar não vão te levar a nada comigo, vaqueiro." Ash piscou. "Eu sei, porque você é leal até o núcleo. Você é uma boa mulher, e foda-se Ryder se ele não pode ver isso." Ele tinha um jeito muito estranho com as palavras.


Eu sorri com apreço. "Obrigada, Ash." "Você entendeu, Angel," ele respondeu. Eu perdi meu sorriso e rosnei. "Se você me chamar de Angel mais uma vez...” "Eu vou trazer uma paciente para a ala do Pedro, encontro você em alguns minutos." Ele riu e pulou para fora do balcão antes que eu pudesse golpeá-lo na cabeça. "Eu estarei aqui quando você voltar." Eu maliciosamente sorri e simulei com a mão o movimento de um tapa. "Esperando." Ele apenas sorriu para mim; o desafio que defini claramente estava divertindo-o. Eu balancei minha cabeça, sorrindo quando ele saiu de vista. Ele era grande, e eu sabia que se Ryder não estivesse na minha vida eu iria estar bajulando-o, e iria fazer quase qualquer coisa para estar com ele. Porque não só ele era lindo; ele era tão meigo e carinhoso também. Mas tê-lo como meu amigo significou muito para mim. Eu sabia que ele iria me ajudar a andar com meus próprios pés através do meu rompimento com Ryder quando eu finalmente terminasse as coisas. Eu sabia que ele estaria lá para mim. Isso era exatamente o tipo de pessoa que ele era. Ele era um amor. Pensar em quão doce Ash era... trouxe outro pensamento sobre quão diferente ele e Ryder eram. Meu noivo não era horrível... ele era apenas diferente agora. Nos primeiros anos ele foi tão doce e carinhoso, e me colocou no centro do seu mundo. Tudo entre nós era tão incrível. Mas as coisas tinham mudado entre nós ao longo do último ano e meio, porem. Cada vez que o vi senti como a primeira noite que ele entrou na minha vida, e esse sentimento era reconfortante - mas também estava quebrando minha alma, porque eu tinha que terminar com ele, sabendo que ele soprou vida na minha escuridão uma vez.


Cinco anos atrás... "Não estou indo para Darkness esta noite, Ado," Eu suspirei no alto-falante do meu telefone quando torci meus cabelos castanhos no comprimento da cintura em torno dos meus dedos. "Bee teve um dia ruim na escola hoje, acho que ela entrou em uma discussão com alguém. Ela não vai me dizer o que aconteceu, mas esta realmente fora de série. Ela não pegou o Kindle em tudo hoje, o que não é ela." Aideen, minha melhor amiga ao longo da vida, gemeu. "Ela é uma menina grande, Bran. Se ela não vai lhe dizer o que está acontecendo, então talvez ela só queira lidar com isso sozinha, sem sua irmã mais velha meter o seu nariz." Isso fere meus sentimentos. "Eu não meto o nariz em seus negócios... Eu só me preocupo." "Sim, mamãe urso, eu sei," minha amiga concordou, "mas ela não é mais uma criança. Ela é uma adolescente, e eles sempre querem manter um monte de merda engarrafada". Eu sabia que Bronagh tinha quase dezoito anos e não era considerada mais uma criança, mas eu não podia evitar me preocupar com ela. Tinha sido o meu trabalho me preocupar com ela durante os últimos nove anos, e eu não podia simplesmente desligar esse instinto. Ela ainda era a minha irmã bebê para mim.


Sentei-me na minha cama e franzi a testa, profundamente. "Sou péssima nesta coisa de ser mãe." Aideen gargalhou. "Não diga isso. Você foi a melhor Pai/Mãe para Bee que a maioria das pessoas são com seus filhos biológicos." Eu aprecio ela dizer isso. "Eu tento muito duro com ela," Eu suspirei, "mas quanto mais velha, mais difícil fica. Eu estou doente de preocupação que ela vá ter febre de cabine e ficar louca, porque ela está sempre dentro de casa. Ela quase nunca socializa, e seus professores na escola me disseram durante uma reunião de pais e professores que eles nunca conheceram uma garota tão fechada." "Ouça-me", começou Aideen. "Não há nada de errado com aquela garota. Ela está perfeitamente bem. Ela só lida com as coisas de forma diferente." Olhei para a imagem de meus pais na parede do meu quarto, mas desviei o olhar quando lágrimas ameaçaram encher meus olhos. "Eu não sei quando ela vai aceitar totalmente que eles se foram para sempre, Aideen," Eu engoli. "Ela nem sequer gosta de ver fotos deles, não se importa de falar sobre eles. Estou muito preocupada com a saúde mental dela." Aideen resmungou para si mesma, em seguida, disse: "Ela vai aceitar, eventualmente. Leva muito tempo para algumas pessoas. Confie em mim, seus hormônios irão se manifestar e, eventualmente, ela terá a febre menino, marque minhas palavras. E então essas conversas serão substituídas por queixas de irmã mais velha típicas como, ‘eu tenho que reabastecer os preservativos no banheiro porque a Bee trepa demais’". "Aideen!", Gritei com o riso inesperado. Ela gargalhou através do receptor de telefone, bufando de vez em quando.


Eu balancei minha cabeça. "Pode-se dizer com segurança que você foi criada com bando de rapazes, Ado. Você não fala como uma dama." "Querida", ela riu. "Estou perfeitamente bem com não ser uma dama. Uma dama não iria namorar alguém como Skull, iria?" Eu ainda não podia acreditar que ela namorava alguém que atendia pelo nome Skull. Ainda mais, eu não podia acreditar que antes que ela namorasse com ele, eu tive um breve caso com ele. Foram as tatuagens que me atraíram: ele tinha uma tatuagem foda no lado de sua cabeça que viajava pelo pescoço e terminava em seu osso do quadril. Se as tatuagens e sua incrível boa aparência não me influenciassem, porem, suas maneiras teriam. Skull pode parecer um homem ameaçador, mas ele definitivamente era um querido. "Seu apelido ainda me dá arrepios", eu tremo. "Você não pode simplesmente chamá-lo de Trevor quando falarmos sobre ele?" Aideen gargalhou. "Não, eu gosto de como apavoro você quando digo isso." "Cadela," eu resmungo. Ela não se incômoda pelo meu insulto. "Você pode deixar sua irmã mal humorada sozinha por algumas horas e vir dançar comigo? Nós não temos uma noite fora faz uma eternidade”. Culpa estabeleceu-se em meu peito. "Aideen-" "Por favor, Branna," ela me cortou. "Por favor." Eu gemi. "Você está tornando muito difícil recusar." "É a ideia." Eu ri. "Ok, perdedora, eu vou sair." Aideen gritou. "Brilhante. Vista algo sexy; eu quero que você pelo menos beije alguma parte quente de homem esta noite."


Eu fiz uma careta. "Você é vil, Aideen Collins." "Eu sei", ela riu. "Você quer se encontrar na Darkness ou parar no meu apartamento?" "Skull esta te levando?" Eu interrogo. "Não, ele está no turno da noite no clube. Ele começa às dez, mas não vamos ser esperadas até as onze, mais ou menos." Eu mordo o interior da minha bochecha, em seguida, digo: "Eu vou encontrá-la no clube. Já é nove e meia, e eu ainda preciso tomar banho e ficar pronta. Vou ter mais tempo se encontrá-la lá." "Okay, cadela." Aideen aplaude. "Eu já posso saborear a Vodka." Eu bufei. "Até logo." "Tchauuu." Baixei meu telefone do meu ouvido quando o sinal sonoro de que Aideen desligou soou. Liguei o carregador na base do meu telefone, então saí do meu quarto e desci o corredor para o quarto de minha irmã. Bati à porta fechada e esperei. "Entre, Branna," Bronagh chamou. Abri a porta, e a vista com que fui recebida me fez sorrir. Minha irmã estava escondida na cama com suas cobertas puxadas até o queixo. Olhei para tela da televisão e ri quando vi que ela estava assistindo Supernatural. Esse era muito possivelmente o seu programa de televisão favorito. Ela assistia religiosamente. "Você está bem?", Perguntei a Bronagh quando subi em sua cama e me acomodei ao seu lado. Ela assentiu com a cabeça. "Eu estou bem. A escola foi apenas um pouco... agitada hoje." Eu queria pressioná-la para obter informações, mas sabia que isso apenas iria levar a uma discussão. Aideen estava certa; ela iria


falar comigo sobre o que a estava incomodando quando estivesse pronta. "Ok, bem, se você quiser falar comigo, estou aqui." Os lábios de Bronagh se contraíram enquanto observava seu programa com os olhos focalizados. "Obrigada." Eu brinquei com seu cabelo por um minuto ou dois, em seguida, disse: "Então... Aideen me pediu para sair com ela para tomar algumas bebidas hoje à noite. Você se importa?" Bronagh sacudiu a cabeça. "Eu estou indo dormir depois disso, então não." Eu sabia que ela não se importaria, mas me sentia descontraída de ouvi-la dizer isso. Eu me levantei. "Certo, ótimo. Eu já tranquei a casa antes de vir aqui, mas antes de eu sair vou verificar mais uma vez e definir o alarme." Bronagh levantou os braços para fora das cobertas e me deu dois polegares para cima. Eu me inclinei e beijei-lhe a testa, e disse: "Vejo você amanhã depois da escola. Eu tenho aula de manhã, e então tenho que ir para o hospital no período da tarde." Minha irmã assentiu. "Você pode deixar algum dinheiro para mim? Eu vou para o deli na minha hora de almoço amanhã." Beijei sua cabeça e me levantei. "Ok, vou colocar no balcão da cozinha para você." Bronagh olhou para mim, e em seguida falou. "Seja boa." Eu levantei minha sobrancelha. "Eu sou sempre boa." "Você está certa", minha irmã sorriu. "Talvez você deva ser muito ruim, então." "Bronagh!" Engoli em seco, fazendo-a rir. Cruzei os braços sobre o peito. "Eu ainda não estou acostumada com você fazendo piadas assim."


"Acostume-se então," Bronagh bufou. "Tenho certeza que quando eu ver você amanhã vou fazer piada de novo." "Você é uma cadela," eu resmunguei. "E orgulhosa." Minha irmã sorriu. Em jeito de brincadeira, eu revirei os olhos. "Vejo você amanhã." Saí do seu quarto e fechei a porta apenas quando ela gritou: "Divirta-seeeeeeeeee”. Eu grunhi para mim mesma enquanto me dirigia para o banheiro. Após tomar banho, secar e pentear meu cabelo, olhei para o relógio na parede do meu quarto e gemi. Era 22:40 hs, e eu ainda não tinha decidido o que vestir. Eu gemi e cai de volta na minha cama, e olhei para o teto. "Esta noite vai ser um desastre."

"Onde você está?" Eu perguntei impacientemente a Aideen. "Eu acabei de chegar em um táxi, e não quero esperar aqui fora sozinha." "Eu estou aqui também. Estou com Skull na entrada do clube." Eu relaxei. "Ok, vou vê-la em um segundo." Eu paguei o motorista de táxi, em seguida, sai do carro e rapidamente passei pela longa fila de pessoas, fazendo meu caminho para o inicio da fila. O rosto de Aideen se iluminou quando me viu. Ela soltou o braço de Skull e me abraçou quando cheguei a ela. "Você está linda!" Ela elogiou.


Olhei para o meu vestido tubinho preto que se agarrava a mim como uma segunda pele e empurrava meus seios para cima, depois passei meu olhar para Aideen. "Eu?" Eu interroguei e devolvi o elogio. "Você já viu seus seios com esse vestido?" "Mas é claro", minha amiga sorriu maliciosamente. "Eles são meu melhor trunfo." Eu levantei minha sobrancelha. "Esso seria o seu cérebro." Aideen bufou com a minha correção, e pegou minha mão enquanto se movia para Skull, que nos cumprimentou com um sorriso brilhante. "Bem, se não é a minha fantasia de parceiras para um ménage à trois", ele brincou. Em jeito de brincadeira eu revirei os olhos enquanto Aideen rachava de tanto rir, o que fez Skull sorrir. Ele virou seu olhar para mim e piscou. "Como é que Branna esta noite?", Perguntou. Eu provocativamente ventilei meu rosto. "Estou ótima. Como é que Skull está indo?" "Grande", disse ele, e apontou o polegar para Aideen. "Eu tenho um presente em meus braços, então não poderia estar melhor." Aideen bufou. "Você com certeza vai se dar bem mais tarde, não há necessidade de falar doce pra mim." "Talvez eu goste de falar doce." Ele sorriu. Fingi estar enjoada. "Vocês dois são muito bonitos. Melhor pararem, ou eu vou ficar doente." Eles riram, e Skull nos deslocou no interior da entrada do clube e nos instruiu a descer as escadas. Ele prometeu reunir-se com nós mais tarde, depois que a porta estivesse fechada para apostadores. Agradeci-lhe e, em seguida, peguei a mão de Aideen quando ela guiou-nos para baixo pelo lance de escadas. Na parte


inferior da escada um segurança que guardava a entrada principal para o clube nos cumprimentou. "Hey John", eu disse com um aceno. Seu rosto se iluminou. "Branna, como você esta, gata? Não vi você em um tempo." "Eu estou bem. Ado arrastou-me para fora hoje à noite." "Eu não esperava nada menos de Miss Collins," John brincou. Eu sorri quando ele carimbou ‘gratuito’ no meu pulso esquerdo, e ‘Darkness’ em meu direito em tinta preta grossa. "Obrigada", sorri calorosamente quando ele fez o mesmo para Aideen. "É isso aí, querida." John piscou. "Tenha uma boa noite." Agradeci novamente e segui Aideen pelas portas duplas que levavam a casa noturna. Eu precisei de um momento para permitir que minha visão se ajustasse ao clube. As luzes estroboscópicas já estavam me dando uma dor nas têmporas. Segui Aideen para o bar lotado, e fiquei para trás enquanto ela pediu algumas bebidas. Eu bati minha mão contra minha coxa e balancei a cabeça junto com a música que estava soando através dos alto-falantes. Peguei a bebida que Aideen me ofereceu e tomei um gole. Eu cantarolava enquanto o líquido deslizou pela minha garganta. Vodka e Coca-Cola. "Meu favorito," eu sorri. Aideen bateu seu copo contra o meu e bebeu sua bebida em apenas alguns goles. Pisquei, sem tentar fazer o mesmo com a minha bebida, porque eu sabia que ela estaria de volta pela minha garganta rapidamente se o fizesse. Eu bebi a um ritmo regular, o que foi o oposto do que Aideen fez. Até o momento em que eu terminei a minha primeira bebida ela estava já em sua terceira. "Vamos dançar!", Ela gritou quando seu copo estava vazio.


Eu coloquei meu copo vazio no balcão, peguei a mão de Aideen e permiti que ela me leva-se à pista de dança. Nós dançamos, riamos e dançamos um pouco mais. Eu estava prestes a pedir para fazer uma pequena pausa quando o mar de pessoas se separou na pista de dança, proporcionando-nos uma vista das cabines em todo o clube. Meus olhos fixaram na mesa de canto - ou melhor, sobre o homem na cabine. Oh, Cristo. "Branna?" Aideen riu. "Você vai piscar?" Eu sabia que estava encarando, e nem pela vida em mim eu conseguia me fazer parar, ou pelo menos desviar o olhar. Minha libido saltou à vida e assumiu o controle total do meu corpo. Pulso. Pulso. Pulso. "Quem é aquele?", Perguntei a Aideen, sem afastar os olhos do deus grego que estava sentado na mesa de canto, engolindo Budweiser como se fosse água. "Aquele", Aideen maliciosamente sorriu quando me empurrou para a borda da pista de dança, "é Ryder Slater. Skull diz que ele é de Nova York, e que ele acabou de se mudar para cá com seus irmãos mais novos. Um de seus irmãos, que tem um gêmeo idêntico, a propósito, é um lutador. Ele lutou aqui quase todo fim de semana nas últimas semanas. Ele é letal e é apenas da idade de Bronagh ". Eu ouvi tudo que Aideen disse, mas minha mente - e vagina se centraram apenas em um detalhe crucial de suas informações. Ryder Slater. "Ele é lindo", eu disse, incapaz de olhar para longe dele. Aideen gritou por cima da música. "Vá pegá-lo, mamãe." Senti calor subindo até meu pescoço. "Eu não posso." "Não pode ou não vai?", Perguntou Aideen, estalando a língua.


Olhei para minha amiga e franzi a testa. "Como é que uma mulher como eu vai falar com alguém que se parece como ele? Porque eu sinceramente não tenho ideia. Eu só vou envergonhar a mim mesma". Aideen revirou os olhos, e sobre a música ela disse, "Branna, você ouve a si mesma? Parece ate que você já foi rejeitada por ele, mas você não foi e não vai, se for apenas você mesma. Você está maravilhosa, baby, e é um inferno de uma menina, também. Meninas cavam duro por isso." Eu odiava que meus olhos se encheram de lágrimas. "Você é tão doce para mim", eu disse, e rapidamente limpei debaixo dos meus olhos - com cuidado para não estragar minha maquiagem. "Temos que te arranjar uma transa” Aideen resmungou. "E Ryder Slater vai ser o único a trabalhar fora todas as suas dobras. Venha comigo." Tudo aconteceu rapidamente quando Aideen agarrou minha mão e literalmente me arrastou atrás dela enquanto rapidamente saia da pista de dança, não se importando que seu corpo em estado de embriaguez estava mais lento ao fazer nosso caminho. Eu gritei para ela desacelerar, mas ou ela não podia me ouvir sobre a música ou ela intensamente me ignorou. Eu só gritei uma vez, porque fiquei muito autoconsciente de que eu era uma em andar sobre saltos, e uma caminhada rápida neles poderia muito bem causar a minha morte imediata. Quando fizemos nosso caminho no meio da multidão para o outro lado da pista de dança, eu silenciosamente agradeci a Deus por sobreviver, mas, em seguida, rapidamente lhe pedi para tirar minha vida quando percebi onde Aideen nos fez parar. Nós não estávamos mais do que um metro de distância do estande onde o impressionante Ryder Slater estava sentado. Ele estava olhando para o seu telefone, mas quando percebeu que estávamos de pé ao lado de sua mesa olhando para ele, ele embolsou o aparelho e nos deu toda sua atenção.


Dei um passo para trás de Aideen por pura mortificação. "Oi", ela gritou por cima da música. "Eu sou Aideen, e esta é Branna. Nós pensamos que você poderia gostar um pouco de companhia. Você parece um pouco perdido sentado aqui, tão longe de seu próprio país". Como ela pode falar com ele, ou com qualquer homem, com tanta confiança? Eu me perguntava. Eu nunca seria capaz de fazer isso, não sem parecer uma tola absoluta no processo. Eu fui sacudida dos meus pensamentos quando Aideen virouse para mim e mais ou menos me puxou para fora do meu esconderijo atrás dela. Eu tropecei para o seu lado e bati o joelho contra o dela, fazendo-me assobiar. Eu resisti à vontade de esfregar o ferrão, porem, porque minha atenção estava agora sobre os olhos cinzentos que foram treinados em mim. Oh inferno. "Olá", Ryder disse, exatamente ao mesmo tempo em que a música tocando mudou. Permitiu-me ouvir quão profunda sua voz era, e quão mau seu sotaque soou. Eu acenei para ele como uma idiota e disse: "Ei." Seus lábios tremeram, e eu me perguntei se ele já achava que não valia a pena o esforço de falar. "Você gostaria de se juntar a mim?", Ele perguntou, erguendo a voz para ser ouvido sobre o som que agora enchia o clube. Engoli em seco e olhei para ele com choque. Aideen cravou o cotovelo no meu lado e respondeu por mim. "Ela adoraria", emocionou-se. Ela colocou sua pequena mão sobre a base da minha espinha e me empurrou para o lado da cabine onde Ryder estava sentado, e eu não sei porque, mas eu resisti. De repente, senti como se estivesse sendo servida de alimento aos tubarões. Eu virei meu rosto para Aideen e disse: "Eu não posso fazer isso; me sinto muito


idiota para me sentar ao lado dele. Eu não confio em mim mesma para não dizer algo estúpido." Aideen me ignorou e me virou para enfrentar Ryder - que não tinha se movido uma polegada desde que chegamos na mesa - e me cutucou para frente com as duas mãos. Para evitar cair em cima de Ryder, eu tive que ligar meu lado e cair em uma posição sentada ao lado dele. Eu não olhei para ele, com medo ver diversão em seu rosto, então ao invés eu olhei para o da minha amiga - eu uso esse termo muito vagamente, e bateu o lugar vazio ao meu lado, mas ela balançou a cabeça, sorrindo. Eu ampliei meus olhos, e implorei a Aideen para não me deixar sozinha. "Eu estou indo buscar algumas bebidas", afirmou. "Vocês dois comecem a conhecer um ao outro. Não vou demorar muito." Engoli em seco quando ela se virou e quase instantaneamente se perdeu na multidão. Sentei-me em linha reta e procurei por ela, na esperança de que pudesse vê-la, mas eu só vi estranhos moverem seus corpos conforme a música. "Oh, meu Deus", eu sussurrei. Sentei-me muito quieta por alguns segundos, antes de ter coragem de tomar um vislumbre de Ryder. Eu congelei quando encontrei seus olhos em mim - um sorriso tinha assumido seu rosto. O suspiro que deixou meu corpo foi de necessidade, porque se eu pensava que Ryder era incrível de olhar antes, vê-lo sorrir quase me fez pedir para ter seus bebes. Quase. "Você está bem?", Ele perguntou, uma pitada de preocupação em seu tom. Eu sabia que não poderia fugir com mentiras - Aideen e Bronagh me disseram muitas vezes que meu rosto dizia tudo que eu mantinha no interior - então decidi ser honesta. Eu balancei a cabeça para Ryder e disse: "Eu não sabia que ela ia me abandonar assim. Eu sinto muito; foi ideia dela vir até aqui, não minha."


Os lábios dele se curvaram quando ele disse: "Estou feliz que ela pensou nisso." Pisquei, em silêncio. "Você esta?" "É claro", ele concordou. "Eu provavelmente nunca a teria visto, do contrário. Descobri ao longo das últimas semanas que este clube é sempre cheio de parede a parede. E você é uma coisa tão pequena; seria fácil perdê-la no mar de corpos. E isso seria uma verdadeira tragédia". Branna, respire, disse minha mente - e meus pulmões. Eu respirei fundo e exalei quase imediatamente, e isso fez Ryder rir. "Querida, você parece como se estivesse com medo de eu te comer." Seus olhos tinham um brilho de malícia enquanto falava. "Eu não vou morder você, prometo. Ainda não, de qualquer maneira." Porra. Limpei a garganta e disse: "Sinto muito." Isso o levou a levantar uma sobrancelha. "Por que você está se desculpando?" Eu levantei meu braço e arranhei meu pescoço. "Por ser tão estranha." Ele sorriu de novo, realmente me tentando a morder um pedaço dele. "Você não é estranha", disse ele. "Só está nervosa, que é a parte que eu não entendo." Eu senti meu rosto esquentar. "O que você não entende?" Ele levantou o braço e estendeu-o para fora do assento da cabine atrás de mim, antes de se inclinar mais perto. Eu senti sua respiração no meu rosto, mas resisti à vontade de revirar os olhos para trás quando seu cheiro invadiu meus sentidos.


Eu quero prova-lo, minha mente perversamente sussurrou. Pisquei os olhos quando a voz de Ryder ganhou toda a minha atenção. "Eu não entendo por que uma mulher que parece tão comestível como você é tão tímida." Eu não sabia se fugia de vergonha ou transava com ele onde ele estava sentado. "Eu não costumo fazer isso," eu engoli. “Não sou de andar até os homens e falar com eles. É por isso que minha amiga me puxou fisicamente para você”. As sobrancelha de Ryder levantaram-se com surpresa. "Normalmente eu chamaria isso de besteira, mas acho que acredito em você." Eu não sabia o que dizer sobre isso, então não disse nada. Esta decisão levou-o a inclinar-se ainda mais perto de mim, o que fez meu coração bater no meu peito. "Qual é o seu nome?", Ele me perguntou, seus olhos digitalizando meu rosto com uma intensidade que me fez sugar outra respiração muito grande. "Eu não ouvi sua amiga muito bem quando ela apresentou a ambas." Sua. Voz. Eu podia ouvi-lo muito claramente agora que estava tão perto. Uma voz de homem nunca tinha causado um pulsar tão rapidamente entre as minhas coxas, mas a voz de Ryder estava fazendo exatamente isso. Foi um pouco inquietante, porque meu corpo estava reagindo a ele de uma forma que me assustou. "Branna," eu sussurrei. Ele baixou a cabeça ainda mais perto de mim e disse: "Mais uma vez, bonita, eu não entendi." Doce Jesus, minha mente jorrou. Será que ele realmente disse isso? Aideen e minha irmã tinham me dito varias vezes que eu era bonita, e alguns rapazes com quem namorei ao longo dos anos


mencionaram o mesmo aqui e ali; mas nunca um homem. E isso era exatamente o que Ryder era. Um molha calcinhas, foda-me duro homem. Limpei a garganta e tentei o meu melhor para ignorar os pensamentos pecaminosos que invadiram minha mente, mas a proximidade de Ryder permitiu que seu delicioso perfume me cercasse, e eu tinha dificuldades de concentração por causa disso. "Branna," Eu disse mais alto, lambendo meus lábios secos. "Meu nome é Branna." Os olhos aquecidos de Ryder retornaram aos meus, e um sorriso curvou sua boca. "Branna", sua voz era baixa e rouca quando falou. Merda. Porra. "Sim", eu disse asperamente, abstendo-me de me atirar para ele e pedir-lhe para parar a dor entre as minhas coxas, que ele tão brutalmente e sem saber estava causando. "Eu sou Ryder", disse ele, e estendeu a mão para mim. Engoli em seco, e com a mão tremendo levantei meu braço e coloquei minha pequena palma na sua muito grande. "É bom conhecer você, Ryder." Ele agarrou minha mão e me puxou para mais perto dele, até que nossos peitos se tocaram. Ele olhou para mim, um sorriso brincando em seus lábios cheios quando disse, "O prazer é todo meu, Branna." Se ele dissesse meu nome naquele tom sedutor baixo e rouco mais uma vez, eu iria saltar sobre ele na frente de todas essas pessoas. Foda-se o meu orgulho e dignidade. "Sinta-se livre para me saltar em mim a qualquer momento, Branna", disse ele, e lambeu os lábios rechonchudos. "Eu estou mais do que pronto."


Eu ampliei meus olhos. "Desculpe?", Perguntei quando meu estômago se agitou um pouco. Ele sorriu para mim. "Você disse que iria saltar sobre mim se eu dissesse o seu nome-" "Oh Meu Deus!!!!." Engoli em seco e puxei minha mão livre da dele, para que pudesse cobrir o meu rosto com ela. Eu disse isso em voz alta? Eu me encolhi. Mortificada. "Eu sinto muito," eu comecei, "Eu não queria... não em voz alta... isso é horrível." Eu estava estragando tudo! Eu estava grata pela música alta, porque não queria ouvir Ryder rindo de mim. Eu pulei e deixei cair minhas mãos do meu rosto quando senti uma mão na minha coxa nua. Olhei para cima e encontrei Ryder, que estava sorrindo para mim. "Oi", ele disse, sorrindo largamente. "Branna, né?" Ele sabia muito bem qual era o meu nome - ele estava apenas brincando agora. Limpei a garganta. "Oi de novo... Ryder, né?" "Sim", ele sorriu. "Eu sou Ryder." Sim. Ele. Era. "Ryder", eu repeti. Ele abaixou a cabeça de volta para mim e disse: "Você é linda." Pisquei, em silêncio. "Você é lindo também." Eu me encolhi no segundo em que as palavras saíram da minha boca. Ele bufou e perguntou: "Quem está falando doce que aqui agora?" Estremeci. "Você pode me falar doce, eu vou ficar quieta."


Havia menos chance de me fazer uma completa idiota se eu mantivesse minha boca fechada. "Eu não sei", ele meditou. "Eu gosto disso. Você está dizendo o que quer dizer, e em seguida, ficando embaraçada por isso. É muito fofo." Eu vacilei. Ryder piscou com a minha reação. "Eu disse algo errado?" Eu balancei minha cabeça. "Não, é só... eu chamo minha irmã de fofa o tempo todo, porque somos semelhantes só estranhos convidar-me para fora por um segundo." "Quantos anos tem sua irmã?", Perguntou ele, os cantos dos olhos enrugados. "Ela faz dezoito anos no próximo mês," eu disse, e depois encontrei-me franzindo a testa. "Ela está crescendo muito rápido para mim." Ryder levantou uma sobrancelha. "Para você?" Eu balancei a cabeça. "Sim. Os nossos pais morreram quando ela tinha nove anos. Eu tinha dezenove anos na época, e me recusei a deixar que outra pessoa além de mim a levasse, então coloquei tudo em espera e fiz dela minha prioridade. Ela é um boa garota, também. Eu acho que fiz um bom trabalho com ela". Ryder estava olhando para mim com a boca aberta, e sobre o que estávamos conversando me atingiu como um balde de água fria. Porra. Achei que estava flertando, mas de alguma forma consegui me encaixar no fato de que eu era uma figura de mãe à minha irmã mais nova, e que passei a maior parte da minha vida cuidando dela. O que eu deveria ter falado eram coisas sobre sexo e demais assuntos relacionados, e não bagagens emocionais. Eu estava realmente indo muito mal nisso. Senti meu rosto esquentar. Fale sobre uma assassina de humor.


"Eu não sou sempre assim," gaguejei. "Não tive a intenção de dar uma volta enorme na conversa." Ryder sacudiu a cabeça. "Não, não se desculpe. Eu fui apenas pego de surpresa. Então, você criou sua irmã?" Ele estava interessado na informação que era óbvia. Eu só não entendia por que. Mordi meu lábio inferior e assenti. "Tudo por namorado?"

conta

própria?",

Ele

questionou.

"Nenhum

Eu balancei minha cabeça. "Ninguém sério. Eu trouxe um homem para casa uma vez para jantar, mas minha irmã, que tinha onze anos na época, não gostava dele porque ele não podia dizer o nome dela direito. Ele era da Espanha, e seu Inglês não era o melhor. Ela o correu para fora da casa enquanto eu estava cozinhando, e eu nunca mais o vi. Parei de tentar depois disso." Quando eu terminei de falar, Ryder tinha a cabeça inclinada para trás, e o som suave de sua risada enredava-se com a música. Foi alarmante quão relaxada sua risada - e sua presença - me fez sentir. Ele era um estranho, mas eu me senti muito confortável ao lado dele. Era estranho, mas de uma forma muito agradável. "Sua irmã parece incrível", Ryder disse com um grande sorriso no rosto depois de seus risos. Eu balancei a cabeça. "Sim. Ela é meu mundo". Ryder usou o braço que estava sobre a parte traseira da cabine para drapejar sobre meus ombros. Eu fiquei imóvel como uma estátua enquanto ele me puxava para mais perto, até que o lado do meu corpo moldava contra o seu. "Onde ela está hoje?", Ele perguntou, seus lábios quase pressionados contra a minha orelha. Engoli em seco. "Em casa. Ela provavelmente está dormindo agora; ela teve uma longa semana na escola."


Ryder cantarolou. "Vou ter que trazê-la para o meu lugar, então. Eu não gostaria de acordar sua irmã. Ela pode fazer mais do que me chutar para fora." Senti meus olhos se arregalarem, e meu coração chegar a uma parada completa. "Branna?" Ryder murmurou. Eu sacudi minha paralisia cerebral momentânea e virei minha cabeça para ele quando disse: "Olha, você é lindo, e confie em mim quando digo que eu realmente, realmente quero voltar para o seu lugar com você..." "Mas?" Ryder ofereceu. "Mas", eu engoli. "Eu nunca tive um caso de uma noite só antes, e para ser honesta, a perspectiva de um me assusta." Os olhos de Ryder digitalizaram o meu rosto quando eu terminei de falar. "Você acreditaria em mim se eu dissesse que não teríamos que fazer sexo?" Pisquei. "Por que mais você iria querer que eu fosse até sua casa?" Ele riu e balançou a cabeça. "Isso vai soar como besteira, mas eu gosto de conversar com você, e de ouvir você falar. Pelo que eu ouvi, você soa como uma amiga e irmã incrível. Você é independente e inegavelmente quente, claro, mas sabe o que é absolutamente sexy?", Ele perguntou e eu balancei a cabeça, não sendo capaz de falar verbalmente ainda. "Sua timidez e nervosismo. Deixa o meu pau tão duro. Você é linda e tem senso de humor. Eu não encontrei todos esses bens em uma mulher... bom, nunca". Eu tive que desviar o olhar quando o sangue correu para minhas bochechas. Ryder riu e colocou a mão debaixo do meu queixo, forçando-me a olhar para ele. "Sim", ele sorriu. "Essa timidez é o que definitivamente incha meu pau."


A dor entre as minhas coxas pulsava tão forte que eu tive que esfregar as pernas juntas para tentar aliviá-la. Os olhos de Ryder caíram para as minhas coxas e pegaram o movimento, e ele manteve seus olhos baixos quando um sorriso lentamente curvou sua boca. Ele sabia que eu estava doendo. "É justo", ele murmurou quando seu olhar voltou para mim. "Se meu pau dói, eu quero sua boceta latejando também." Oh, Cristo. "Ryder", eu respirei e apertei minhas coxas bem juntas. "Não fale assim." Ele rosnou para isso e levou a boca ao meu ouvido, respirando nele. "Por que não?", Perguntou. "Seu clitóris pulsa tão gostoso agora, não é? Ele está implorando para ser esfregado, lambido e chupado." Eu pousei minha mão em sua coxa e apertei em advertência. "Estou falando sério," eu ofeguei. "Eu vou fazer algo insano se você não parar." "Sim?", Ele disse enquanto seus dentes beliscaram minha orelha. "Como o quê?" Eu perdi um pouco do meu controle quando disse: "Como foder com você aqui mesmo onde você está sentado." Eu ouvi a ingestão rápida de ar de Ryder, e senti seu músculo da perna tencionar na minha palma. "Como você vai me foder, doçura?", Ele perguntou, e depois passou a língua sobre minha pele. "Você me levaria lento e profundo? Ou me foderia rápido e duro?" Foda-se estar no controle. "Vamos descobrir", eu quase rosnei. Empurrei Ryder para trás, e ele olhou para mim com os olhos arregalados. Mas antes que eu mudasse de ideia, deixei o pulso entre as minhas coxas controlar meus movimentos. Virei-me, dobrei


meus joelhos e me arrastei pelo banco. Eu levantei uma perna sobre Ryder e sentei sobre ele, incapaz de resistir balançar minha pélvis para frente. Eu gemi alto quando senti o comprimento endurecido e espesso do pau de Ryder contra mim, causando um arrepio que se espalhou por todo meu corpo. Olhei para baixo para Ryder quando senti suas mãos apertarem minha bunda. Ele apertou minha carne entre suas mãos e levantou a cabeça para mim. Baixei minha boca na dele, e deixei-nos a um fio de cabelo de distância. "Você está vindo para casa comigo", Ryder rosnou. "Eu não quero fode-la em público, mas querida, você está me fazendo repensar isso." Eu gemi e balancei minha pélvis contra ele mais uma vez. "Eu acho que posso fazer isso sozinha," eu disse em sua orelha, e depois me afastei e serpenteei minha língua em seu lábio inferior. Os quadris Ryder contraíram-se em mim. "Prove." Ele estava me desafiando? Eu convoquei minha assassina megera interior. Era muito raro eu deixá-la sair para jogar, mas Ryder estava persuadindo-a para fora. Branna estava tomando o banco traseiro e deixando a direção para a Impertinente Branna, e, por uma vez, eu fiz isso de bom grado. Eu cobri sua boca com a minha, e apertei seus ombros com as minhas mãos quando o ouvi gemer com o contato. Ele mergulhou sua língua quente e molhada em minha boca, e rosnou quando eu rolei minha pélvis contra ele. Eu continuei a balançar contra ele, ofegando quando o atrito adicional de nossas roupas esfregava contra o meu palpitante clitóris. Eu tentei me afastar da boca de Ryder para tentar recuperar o fôlego, mas ele não permitiu. Assim que eu afastei um pouco meus lábios dos dele, ele levantou a mão da minha bunda e agarrou no meu cabelo, puxando minha cabeça de volta para a sua e cobrindo


minha boca com a sua mais uma vez. Ele mordeu meu lábio inferior antes de sugá-lo na boca. Porra. Eu gemi quando ele impulsionou seus quadris para cima e empurrou o comprimento endurecido contra mim. Eu assobiei e rolei meus quadris para trás e para frente, até que minha respiração tornou-se difícil. Eu podia sentir a sensação que estava se construindo em meu núcleo. Num primeiro momento, eram pequenas lambidas de prazer, mas quanto mais duro e mais rápido eu rebolava contra Ryder, mais intensa a sensação se tornou, até que de repente era puro prazer excruciante. Chupei uma respiração e a segurei quando fui jogada sobre a borda em êxtase. Eu senti beijos e uma trilha de língua ao longo da minha linha da mandíbula, mas só fui puxada de volta à realidade quando seus dentes rasparam meu pescoço, quase me fazendo chorar. A mistura de prazer e dor era tão intensa que eu soltei os ombros de Ryder e comecei a cair para o banco. Antes que eu tivesse uma chance de sentar, porem, Ryder se agarrou em mim e puxou meu peito contra o dele. Ele me segurou contra ele até que a nuvem de prazer se dissipou, e eu pisquei a realidade de volta ao foco. Céu, minha mente ronronou, o que era exatamente o que eu experimentei. "Santo Cristo," eu ofeguei. "Você estava certa," Ryder rosnou. "Você poderia gozar apenas se esfregando em mim." Eu permiti que suas palavras se afundassem, e a realização do que eu fiz ficou muito clara. "Oh Meu Deus", eu sussurrei e apertei contra Ryder, escondendo o rosto na curva do pescoço dele. "O que acabei de fazer? Oh, Deus, você deve pensar que eu sou uma-" "Não termine essa frase," Ryder me cortou, trazendo sua boca ao meu ouvido. "Você usou o meu corpo para dar prazer ao seu, e


isso foi a coisa mais sexy que eu já vi. E foi só para mim, ninguém mais viu. Eu escureci a luz em nosso estande. Só você e eu. Só eu sei que você se desfez." Eu ampliei meus olhos até o ponto de dor, me afastei um pouco de Ryder e corri meus olhos em torno do clube. Choque me bateu. Eu tinha acabado de me esfregar em um estranho no meio de uma boate lotada. "Eu só me transformei na garota que meus pais me avisaram para evitar ter por perto quando eu era mais jovem." A risada de Ryder me ajudou a relaxar. "Você me diverte, doçura." Eu olhei para ele. "Doçura?" Ele assentiu. "Sua boca é tão doce." "Você é tão lindo", eu respirei, oprimida que alguém tão perfeito como ele parecesse gostar de mim, ou, pelo menos, gostasse de me beijar. Ryder sorriu. "Doce e falante." Eu senti minhas bochechas queimarem, e estava prestes a provocá-lo de volta quando ouvi assobios súbitos e vaias. "Big brother está se dando bem", uma voz masculina desconhecida gritou quando a luz no nosso estande - que eu não percebi que tinha desligado - voltou. "Droga, a frente dela tão boa quanto as costas?" Eu me afastei de Ryder e olhei por cima do ombro para encontrar quatro homens olhando para Ryder e eu. Principalmente para mim. Eu poderia dizer sem sombra de dúvidas que eles eram os irmãos que Aideen havia mencionado. Tinham todos a mesma altura, algumas polegadas mais de seis pés-facilmente. Da esquerda para a direita eu fiz a varredura em cada macho, e vi semelhanças e diferenças. A principal diferença entre todos os irmãos era que o garoto na extrema esquerda tinha


cabelos brancos como a neve. Ele era mais jovem do que Ryder também, muito mais jovem. O garoto estava em pé ao lado de outro garoto igual a ele, só que com o cabelo escuro. Tudo o mais sobre eles era igual, e eu lembrei de outra coisa que Aideen disse: ela disse que eles eram gêmeos. Era óbvio que eles eram idênticos. Eu pude ver os sorrisos que ambos jogaram em minha direção, ostentando covinhas profundas em suas faces - seria uma visão divina, se eu já tivesse visto uma. O garoto de cabelos escuros tinha um olho inchado e vermelho que estaria descolorido em poucas horas, como uma contusão. Ele tinha um pequeno corte nos lábios, e os envoltórios brancos nas mãos em torno de seus dedos estavam manchados de vermelho. Ele estava sem camisa, e eu fiquei surpresa que uma criança de sua idade pudesse ter tal abdômen definido, e um conjunto importante de músculos oblíquos correspondentes. Seus braços eram grandes e musculosos, e até mesmo suas coxas estavam rasgadas. Ele era definitivamente o lutador. Porra. Desviei meus olhos para a direita, e eles pousaram em uma beleza absoluta. Ele tinha cabelo escuro na altura dos ombros, olhos grandes, ombros grandes e um sorriso assassino. Vi covinhas como em seus irmãos mais novos amolgando seu rosto quando ele sorriu, e minhas entranhas fizeram cambalhotas com o visual. Ele usava uma camisa preta abotoada que estava com as mangas enroladas até os cotovelos, e eu vi parte de uma tatuagem muito colorida envolvendo-se em torno de seu antebraço e sorrateiramente se escondendo sob a camisa. Eu só podia imaginar o resto da tatuagem que ele estava ostentando. Merda.


Para evitar ficar babando abertamente, eu desviei os olhos para o último irmão, e mal consegui reprimir um suspiro. Olhei abertamente os outros três homens com temor, mas não podia deixar de olhar para o último irmão nem mesmo se eu tentasse. Ele tinha a pele macia e bronzeada como seus irmãos, e seu cabelo era espesso e escuro também. Sua linha da mandíbula era fora deste mundo, e ele era grande e todo musculoso... Mas seu rosto e pescoço... Eles estavam marcados muito mal. Eu estava apavorada de pensar, muito menos perguntar, o que poderia ter causado tais danos. Ele parecia cruel, e ao contrário de seus irmãos, não estava rindo ou sorrindo para mim. Ele só ficou me encarando... ou talvez me julgando? Merda. "Foda-se," o irmão que tinha cabelo comprido resmungou. "Definitivamente tão boa quanto de costas. Você é quente, baby." Pisquei para ele, em seguida, olhei para Ryder quando ele rosnou. "Nem pense nisso, Alec." Ele advertiu seu irmão. Alec. Droga, seu nome era tão quente quanto ele. Olhei para trás para Alec e vi que ele franziu a testa para seu irmão. "Eu não posso brincar?" "Não com esta," Ryder afirmou. "Ela é minha." E foda-me se essa declaração não parou meu coração. Alec gemeu em voz alta. "Você não é divertido." O irmão que eu estava nervosa para olhar disse a Alec com uma voz profunda: "Você fodeu aquela garota de cabelos negros com os grandes peitos no banheiro, então por que está reclamando?" Alec olhou para o irmão com uma sobrancelha levantada. "Isso foi a uma hora inteira atrás. Estou entediado agora que Dominic não está lutando."


Dominic. Merda, seus nomes lhes convinham perfeitamente. Dominic levantou a mão para o olho inchado e esfregou a carne tenra antes que deixa-la cair, e sorriu para Alec. "Ouvi ela gritar 'Elec' do lado de fora do banheiro. Você não a corrigiu?" Alec bufou. "Eu estava com as bolas profundamente dentro dela. Ela poderia ter me chamado de Barney, o Dinossauro, sem que eu tivesse respondido." Eu ri com isso, e chamei a atenção de todos. O irmão de cabelos brancos inclinou a cabeça enquanto olhava para mim, seus olhos varrendo sobre mim vagarosamente. "Qual é seu nome?", Ele perguntou quando seu olhar fixou no meu. Merda, ele parecia estranhamente como seu gêmeo. "Branna," eu disse baixo. Todos os quatro irmãos se inclinaram na tentativa de me ouvir, mas quando eu não repeti eles olharam para Ryder, que disse: "Branna." O irmão de cabelos brancos sorriu, e minhas mãos sobre o ombro de Ryder instintivamente flexionaram. Ninguém deveria possuir um sorriso tão sedutor. Ninguém. "Prazer em conhecê-la, Branna", disse ele, inclinando a cabeça. "Eu sou Damien." Ele apontou o dedo para a esquerda. "Este é Dominic, o pervertido é Alec, e esse cara te encarando é Kane". Kane. Direcionei meus olhos para o ameaçador irmão Slater me olhando, e mordi meu lábio inferior. Oh, sim, ele parecia um Kane. Sexy, misterioso e absolutamente aterrorizante. "Eu estou encarando-a?" sobrancelhas franzidas.

Kane

Alec assentiu. "Só um pouquinho."

perguntou

a

Alec,

as


Kane suspirou e olhou de volta para mim. "Eu não gosto de multidões." Eu não sei por que ele disse isso, então eu só continuei a olhar para ele. Ele suspirou mais uma vez, profundamente. "Se parecer que eu estou encarando você, ou que estou chateado com você, eu não estou; eu estou chateado com todos os outros. Eu não gosto de multidões”, repetiu ele. Oh, ele estava explicando sua tensão. Eu balancei a cabeça. "Tudo bem, eu não vou usar isso contra você." Eu podia jurar que seus lábios tremeram, mas eu não tinha certeza. "Obrigado", ele disse, e então olhou para Alec, que estava sorrindo para mim. Ryder suspirou debaixo de mim. "Podem os quatro ir embora agora?" "Não", Kane quase rosnou. "Você disse que nós poderíamos sair depois de Dominic lutar. Ele lutou e venceu, então talvez possamos sair agora?” Droga, ele não estava mentindo; ele realmente não parecia como se gostasse de estar aqui. Ryder olhou para Dominic. "Você lutou?" "E ganhei." Ele assentiu. Eu olhei para Ryder e percebi sua carranca. "Não ouvi os sinos, ou torcedores. Eu na verdade não ouvi nada. Droga". Damien bufou. "Eu não ouviria nada que não fosse à batida do meu próprio pênis se Branna estivesse no meu colo também." Eu não sei por que, mas eu dramaticamente engasguei. "Você pequeno bastardo sujo," eu disse, chocada. Eu não estava preparada para a explosão de riso masculino que se seguiu ao meu insulto, nem estava totalmente pronta para


ver os cinco irmãos sorrirem. E eu definitivamente não estava pronta para ver Kane sorrindo. Meu Deus, eu não sabia quem era o mais bonito dos cinco. Bem, eu estava sentada no meu preferido, mas Kane ganhou o prêmio de melhor sorriso. Era impressionante, e transformou seu rosto inteiro. "Peço desculpas", disse Damien para mim, ainda rindo. Eu olhei para ele. "Você não deveria dizer coisas como essa em torno das mulheres... ou meninas. Quantos anos você tem?" Ele não quebrou o contato visual comigo quando disse: "Dezoito". Ele era um bebê! "Minha irmã mais nova tem quase dezoito anos." Engoli em seco. Dominic sorriu para mim. "Ela é quente como você?" Pisquei. "Ela é linda." Os olhos de Dominic brilharam. "Talvez eu possa conhecê-la, se Ry lhe permitir ficar por aqui." Me permitir ficar por aqui, eu silenciosamente repeti. O que isso significava? "Não se eu conhecê-la primeiro", disse Damien, cutucando Dominic com o ombro. "Eu a reclamo pra mim." Dominic olhou para seu irmão gêmeo. "Você nem mesmo sabe como ela parece. E você não pode reclamá-la, a menos que nós a víssemos ao mesmo tempo. Este é o acordo." Eles tinham um acordo sobre reclamar meninas? Damien espetou o dedo na minha direção. "Se ela se parece com Branna, eu vou reclamá-la." Dominic estreitou os olhos. "Tudo bem, qualquer coisa. Ela nem é provavelmente tão quente..."


Eu olhei para a dupla "Ela é bonita, e quente e tudo isso. Entretanto, seus pequenos merdinhas, não falem sobre a minha irmã a menos que queiram enfrentar algumas rodadas comigo. Vou colocá-los em suas costas antes que vocês possam piscar.” A mandíbula de Dominic caiu enquanto Alec e Damien racharam de rir. Eu olhei para eles, em seguida, para Kane, que estava sorrindo para mim antes de olhar para Ryder. Eu senti meu rosto corar com o calor, mas me recusei a deixá-los fugir com esse tipo de conversa sobre o meu sangue. "Eu não sinto muito", me defendi. "Eles não devem falar sobre meninas assim." "Você está certa, eles não devem." Ele olhou para seus irmãos e atirou-lhes um olhar que teria assustado minhas calcinhas fora de mim. "Peçam desculpas." Os gêmeos o fizeram quase que imediatamente, mas Dominic tinha um sorriso no rosto quando me disse que não sentia tanto assim. "É uma pena que você disse tudo isso", eu disse com um aceno de cabeça. "Eu pensei que você era bonito, também." Eu gritei quando senti mãos apertando minha bunda. "Eu ainda estou aqui", Ryder disse, divertido. Foi então que eu percebi que ainda estava sentada em seu colo, e um blush atacou meu rosto. Fiz um movimento para sair de cima de Ryder, mas ele bloqueou todos os meus esforços. "Eu tenho que sair de cima de você", eu sussurrei. Ele não me deixou ir. "Por quê?", Perguntou. Olhei para seus irmãos, em seguida, para o resto das pessoas dançando e andando em torno do clube. "Porque eu estou no controle agora", murmurei "e não minha vagina."


Ryder sorriu para mim e disse: "Dê-me sua boca e eu vou mudar os papéis de novo." Eu surpreendentemente ri. Eu ouvi um grunhido da nossa esquerda. "Cinco minutos, Ryder." Ryder acenou para Kane, e disse: "Eu só vou precisar de um." Filho da puta arrogante. Olhei para trás para os irmãos e vi que eles tinham se afastado. Quando olhei para Ryder de novo eu sorri. "Vocês todos são lindos, especialmente Damien. Ele se parece com a versão da vida real da animação Jack Frost, e eu tenho uma grande paixão por esse personagem." Ryder lambeu seu lábio inferior. "Você acha que meu irmão caçula, e meus outros irmãos, são quentes? Meu ego estaria morto se não fosse em mim que você estivesse sentada." Eu ri. "Eu gosto mais de você." Ele sorriu. "Prove." Eu levantei uma sobrancelha. "Eu acho que fiz isso antes que eles aparecessem." Ele cantarolava. "Eu acho que preciso de um lembrete." Baixei a cabeça para a dele. "Um lembrete, não é?" "Só um pouco," ele murmurou. Pressionei meus lábios contra os dele e comecei a moer contra ele mais uma vez, mas choque me atravessou ao mesmo tempo em que prazer o fez. Ryder tirou a mão direita da minha bunda e, em vez de trazê-la para o meu cabelo como fez antes, ele a deslizou até a frente da minha coxa nua. Ele empurrou meu vestido até meus quadris, em seguida, serpenteou seu dedo sob minha calcinha e deslizou as pontas dos dedos até a minha fenda molhada... até que entrou em contato com o meu palpitante clitóris.


"Tão molhada, Branna," ele retumbou contra minha boca. "Droga, querida, você esta tão pronta." Ele rodou seus dedos sobre meu broto endurecido, mas então afastou a mão e trouxe seus dedos até seus lábios, onde os sugou em sua boca e gemeu com os olhos fechados enquanto me provava. A onda de necessidade que bateu em mim naquele momento foi maior do que qualquer coisa que eu já tinha experimentado. "Você é definitivamente meu tipo favorito de doce," ele sorriu para mim quando tirou os dedos de sua boca. "Ryder", eu ofeguei, o pulso entre as minhas pernas agora insuportável. Ele focou os olhos misteriosos nos meus, e eu acho que ele viu no que eu estava pensando, o que eu precisava, porque apertou sua mandíbula. "Diga," ele rosnou. "Diga as palavras e esta feito." Oh Deus. "Foda-me." Eu implorei. As coisas rapidamente se tornaram um borrão de atividade. Num segundo eu estava no colo de Ryder, e no próximo ele tinha um aperto de morte na minha mão enquanto eu era puxada para trás, puxando meu vestido de volta para baixo das minhas coxas. Ele teceu em torno dos corpos e arrastou-nos acima das escadas e para fora do clube. "Branna?" Eu ouvi a voz de riso de Aideen. "Aideen?" Eu respondi, procurando em volta por ela enquanto tentava manter-me com Ryder. "Divirta-se, querida!" Ela gritou atrás de mim, ganhando risadas de quem eu pensei ser Skull. "Cuide dela, Ryder!" "Eu pretendo!" masculinas.

Ryder

gritou,

ganhando

mais

risadas


Paramos próximo a um grande jipe. Ryder pegou as chaves do bolso, apertou um botão que abriu as portas e, em seguida, jogouas para trás de mim e disse: "Você dirige." Eu não consegui ver com quem ele estava falando, porque ele me empurrou para o banco traseiro, me puxando para o seu colo e pressionando sua boca contra a minha em um frenesi. "Oh, Jesus," Eu ouvi Dominic resmungar. "Eu vou dar-lhe uma centena de Euros se você trocar de lugar comigo." "Não nessa vida, criança," a voz profunda de Kane respondeu. Ouvi Dominic proferir uma maldição sob sua respiração quando entrou no carro e se acomodou ao lado de Ryder e eu. Kane deslizou ao lado dele e fechou a porta de trás, enquanto duas portas na frente também foram fechadas. Eu não queria ter minhas pernas drapejadas sobre o garoto, então me virei e montei Ryder. Certamente não era o assento mais seguro do carro, mas definitivamente era o mais quente. "Não foda ao redor, Alec," Dominic avisou. "Ele está prestes a rasgar a roupa dela aqui. Coloque o pé no acelerador." Eu estava mortificada, então parei de beijar Ryder, respirando pesadamente. "Seus irmãos podem nos ver e ouvir", eu disse, tentando leválo a ver a razão. Ele rosnou e tentou me beijar mais uma vez, mas eu balancei a cabeça e disse: "Eu vou deixar você fazer o que quiser comigo em particular, mas não estarei protagonizando algum show de sexo ao vivo no banco de trás de um carro para os seus irmãos mais novos, não me importa quão quente você seja. Eu não vou fazer isso." "Eu gosto dela," A voz de Damien riu. Ryder pressionou o rosto contra o meu ombro e rosnou, "Alec. Dirija mais rápido. Por favor."


Eu não afastei meus olhos dele quando ele se inclinou para trás com os olhos fechados e começou a contar em voz alta, fazendo-me sentir um pouco tonta. Ele estava tentando se acalmar, mas a diabólica Branna apenas não queria que isso acontecesse ainda. Então eu me inclinei para ele e trouxe minha boca para o seu ouvido. Fechei os olhos antes de falar, e me concentrei em cada pensamento e sonhos impertinentes que tive ao longo de toda a minha vida adulta. "Eu mal posso esperar para te foder com a minha boca", eu sussurrei em seu ouvido, certificando-me de que só ele podia me ouvir. "Eu quase posso sentir seu gosto na minha língua." "Oh, Cristo," Ryder respirou. "Eu quero suas mãos em cima de mim", murmurei. "Quero seu pau ou língua dentro de mim quando eu gritar seu nome." "Branna," ele rosnou em advertência. "Eu estou tão perto de traumatizar os meus irmãos, por isso feche sua boquinha quente. Eles não querem ver meu pau mais do que eu quero puxá-lo para fora na frente deles, mas se você continuar falando assim, todos nós vamos ficar muito chocados, porra." Isso fez três dos irmãos de Ryder dizer em uníssono: "Alec, dirija a porra do carro mais rápido!" Fazendo-me rir em voz alta. "Você acha isso engraçado?" Ryder rosnou, e enfiou os dedos nas minhas nádegas. "Você acha que vai continuar rindo quando eu tiver você sozinha?" Isso me calou, e eu senti um rubor rastejar até meu pescoço e espalhar-se ao longo do meu rosto. "Vê-la corar dói mais do que ouvir você dizer que quer me provar em sua língua. Foda-se," Ryder gemeu. "Droga", Dominic sussurrou. "Eu teria encontrado uma garota para levar para casa se soubesse que teria que ouvir pornografia ao vivo".


"Você e eu", Kane resmungou. "Eu tenho alguns números de telefone," Alec disse do banco da frente. "Vou ligar para algumas mulheres que sei que vão passar por aqui apenas para sexo. Elas são todas quentes, e têm amigas muito dispostas. " Isso instantaneamente me deixou sóbria, e meu rosto queimou quando eu percebi que tinha me englobado na mesma categoria que essas mulheres as quais Alec estaria chamando quando chegasse em casa. Eu era fácil. "Talvez esta seja uma má ideia", murmurei. Ryder nos manteve apertados. "Esta é uma ótima ideia. A melhor ideia do caralho". Eu sorri levemente. "Seu irmão me fez perceber que eu estou agindo como uma... como uma... vadia." Alec estremeceu na frente. "Eu não estava falando sobre você, Branna." "Mas eu vou ter sexo com Ryder, e eu só o conheço a meia hora. Eu não sou melhor do que as meninas que você vai chamar para ter sexo." "Primeiro de tudo," Kane entrou na conversa, sua voz muito rouca. "Não há nada de errado com fazer sexo sem compromisso, seja você homem ou mulher. Se você quer foder todos à vista esse é o seu negócio, e de mais ninguém. Em segundo lugar, é bastante óbvio que você não faz isso muitas vezes, assim você não precisa se sentir envergonhada ou embaraçada. Sexo é uma parte da vida; lide com ele". Olhei para Kane sem piscar, mas mudei meu olhar para Dominic quando ele estalou os dedos em formação Z e disse: "Você tem razão no que disse a ela, Oprah." Kane bateu no ombro de Dominic, fazendo-o rir silenciosamente enquanto esfregava o local com a mão. Olhei para


Ryder, que levantou a mão e esfregou o polegar sobre meu lábio. Segurei-o quando Alec deu algumas voltas afiadas. "Nós podemos apenas falar", Ryder murmurou, embora parecesse que lhe doía dizer isso. "Se você não quiser fazer qualquer outra coisa, nós não vamos." E ele tornou-se instantaneamente mais quente naquele momento. "Vamos ver", eu sussurrei, fazendo-o sorrir. Eu gritei quando o carro freou numa parada súbita. "Bem-vinda à Casa Slater!" Alec anunciou orgulhosamente. Nervos estabeleceram-se enquanto eu descia do colo de Ryder e do jipe. Eu estava com as pernas tremendo, e engasguei quando um braço veio ao redor da minha cintura e me puxou de volta ontra um corpo duro e quente. Olhei por cima do meu ombro para Ryder quando ele me empurrou para frente, e sorri para ele. Ele prendeu a respiração e murmurou algo para si mesmo. "O que foi isso?", Perguntei enquanto caminhávamos pelo jardim de uma enorme casa de quatro andares. "Eu disse," ele murmurou, "você é tão bonita." Eu ri. "Você é definitivamente o falador doce entre nós." Ele sorriu enquanto olhava ao meu entorno antes de caminhar para a porta da frente. Alec a abriu e entrou na bela casa. "Você vive em Upton", comentei. "Sim", disse Ryder. "Onde você mora?" "Old Isle Green. É apenas a dez minutos daqui." Dominic parou ao meu lado então. "Old Isle Green você disse?" Eu balancei a cabeça.


Ele piscou. "Qual é o nome da sua irmã, se eu posso perguntar?" Eu me perguntava por que ele pediu, mas não tive a chance de responder, porque de repente eu estava sendo apanhada e jogada sobre um ombro grande. "Oh Meu Deus!", Eu respirei e agarrei na camisa de Ryder quando acabei pendurada de cabeça para baixo. Ele dirigiu-se para a escada e subiu dois degraus por vez, comigo saltando e grunhindo contra suas costas ao longo do caminho. "Divirta-se!" Alec gritou, e foi seguido pelos gritos de Damien, "Não vá quebra-la.” A última coisa que ouvi foi Dominic, quando ele declarou, "Eu quero ser como Ryder quando crescer." Ryder ouviu também, e isso o levou a fazer barulho com o riso. "Graças a Deus", eu respirei quando fui colocada no chão na posição vertical. Fechei os olhos e respirei fundo, e fiquei assim por alguns momentos até que a tontura que eu estava experimentando tinha passado. As mãos de Ryder estavam em meus ombros, me segurando firmemente e me lembrando de sua presença. "Desculpe", ele riu quando eu abri os olhos e olhei para ele. "Eles teriam iniciado uma conversa com você, e eu não queria isso." Eu sorri. "Eu percebi." Ele chegou por trás de mim e acendeu a luz do seu quarto. Então passou por mim e deixou-me ver sua humilde morada. Olhei ao redor com os olhos arregalados. O quarto era enorme e brilhantemente decorado. Uma enorme cama king-size estava no meio da sala, o mobiliário era todo de carvalho escuro e o tema era preto e branco. Parecia incrível.


"Uau", eu respirei. "Parece que pertence em um episódio de Cribs." Ryder bufou enquanto se livrava de sua camisa. "Obrigado, eu gosto." O quarto dele, e como estava decorado, foi esquecido no momento em que Ryder tirou a camisa. Engoli em seco quando encarei seu torso tatuado. Seus músculos oblíquos eram tão definidos que eu audivelmente gemi. Eu permiti que meus olhos vagueassem sobre seu peito endurecido, seus ombros grandes e largos, seus braços grossos e, naturalmente, seu abs incrivelmente cortado. Ele tinha seis deles. E eles eram de dar água na boca. "Droga," eu sussurrei. "Você vai precisar se preocupar comigo saltando sobre você se continuar me olhando assim." O ponto doce entre as minhas coxas pulsou de volta à vida. Lambi meus lábios e olhei para Ryder. "Não soa ruim para mim." Ryder deu um passo em minha direção. "Você tem certeza?" Eu balancei a cabeça freneticamente, embora sentisse o calor se espalhar ao longo do meu rosto perante minha necessidade óbvia. "Última chance de correr, querida", ele avisou quando agarrou seu cinto. "Uma vez que você me permitir te tocar, você não vai sair deste quarto até que eu foda a timidez fora de você." Minhas pernas tremiam quando ele desfez o cinto e o deslizou através dos aros da calça jeans. O pulsar entre as minhas coxas aumentou e assumiu o controle. "Eu preciso de você", implorei. "Bem aqui. Agora mesmo."


Ryder invadiu o meu espaço em rápida velocidade, e me empurrou contra a porta do quarto. "Eu vou te fazer gritar, bonita." Lambi meus lábios secos e sussurrei: "Eu mal posso esperar." Ele abaixou a cabeça e tomou posse da minha boca com a sua, e me beijou com uma fome que quase machucava. Quase. Levantei minhas mãos para seus braços grossos e suavemente raspei minhas unhas contra sua pele. Um grunhido baixo retumbou profundo na garganta de Ryder, e eu juro que senti um acidente vascular cerebral contra o meu clitóris. Provocou meus quadris a balançarem para frente e empurrarem contra sua pélvis, o que o fez rasgar sua boca da minha e pressionar seus lábios talentosos contra a minha orelha quando sussurrou, "Mais uma provocação assim, querida, e eu vou me esquecer de ir devagar, e vou te mostrar minha maneira de foder." Sua maneira de foder, eu mentalmente repeti. Meus olhos rolaram, tanto por suas palavras quanto pela sensação de sua respiração quente no meu ouvido. "Eu posso tomálo," respondi com a voz rouca. Eu assobiei quando Ryder sugou minha orelha em sua boca e baixou a mão direita para a minha coxa. Ele levantou a mão mais e mais pela minha coxa enquanto chupava minha orelha. Foi provavelmente a coisa mais simples que um homem tinha feito para mim, mas teve os melhores resultados com Ryder, e eu sabia que nunca iria deixar que outro homem me acariciasse assim novamente. Era algo só para ele. Apenas Ryder. "Quanto tempo você acha que pode aguentar meu pau batendo nesta doce vagina antes de você gritar meu nome?", Ele perguntou, seu tom atado com desejo.


Eu não poderia sequer pensar numa resposta para essa pergunta quando ele escovou os dedos sobre o material encharcado da minha calcinha. O breve contato fez um choro sentido arranhar minha garganta. "Responda-me," ele rosnou no meu ouvido antes de percorrer sua língua pela minha orelha. Eu gritei: "Ryder, por favor." Sua risada baixa foi o som mais sexy que eu já tinha ouvido. "Você gritou o meu nome antes mesmo de começarmos," ele murmurou, movendo os lábios para a minha bochecha. "Oh, querida, eu vou me divertir muito com você." Sim, eu silenciosamente implorei. Ele pegou minha mão e me levou até sua cama, seu olhar em mim como se eu fosse sua próxima refeição. "Você está deslumbrante, mas eu quero que você nua. Agora." Ah, porra. Engoli em seco. "O... Ok." Ryder mordeu o lábio inferior enquanto eu segurava a barra do meu vestido e lentamente o deslizava até minha cintura, expondo meu estômago nu, quadris e coxas. Ryder apertou sua mandíbula e fechou os punhos ao lado do corpo, como se estivesse forçando-se a permanecer imóvel enquanto eu me despia para ele. Ele me deu um aceno de confiança e me pediu para remover meu vestido completamente. Deixei cair o tecido no chão ao meu lado, e fiquei diante de Ryder só de calcinha fio dental e sutiã sem alças preto correspondente. Eu ainda tinha meus saltos, o que estranhamente me faz sentir mais sexy - não que eu precisasse deles quando tinha os olhos ardentes de Ryder avaliando cada polegada do meu corpo. "Eu vou arruinar você", ele sussurrou quando seus olhos encontraram os meus.


Eu respirei fundo e disse: "Sim, por favor." Com um grunhido ele veio para mim e praticamente me derrubou em sua cama enorme e macia. Eu imediatamente abri minhas coxas para ele, o que lhe permitiu invadir meu espaço pessoal com facilidade. Ele cobriu minha boca com a dele e forçou sua língua entre meus lábios quando me beijou. Eu gemia de prazer e combinava a ferocidade de seu beijo aquecido. "O que não posso fazer com você?" Ryder perguntou sem fôlego quando afastou a boca da minha. "Eu quero saber agora, então não vou fazer nada que vai te pegar de surpresa." Segurei-me em seus braços grossos. "Eu quero que você faça tudo para mim, Ryder. Cada. Fodida. Coisa. Não se segure, por favor." "Não está em minha natureza, querida", disse ele, a voz baixa e rouca. Ele me sentou e, antes que eu percebesse, desabotoou o fecho do meu sutiã, e o material foi imediatamente afastado de mim pelas mãos de Ryder. "Droga", ele respirou. "Seus mamilos são de dar água na boca. Rosa pálido são os meus favoritos." Eram apenas palavras, mas o impacto no meu corpo do que tinha dito foi como jogar gasolina no fogo. Eu estava inflamada e queimando por ele. "Ryder", eu sussurrei. "Por favor, estou sofrendo aqui." Seus olhos caíram entre as minhas coxas, e seus lábios se curvaram para cima. "Nós não podemos deixar isso continuar, podemos?" Eu rapidamente fiz que não com a cabeça. "Então, o que eu devo fazer sobre isso?", Ele perguntou, olhando para mim quando roçou o dedo indicador sobre a minha calcinha, fazendo contato com o meu palpitante clitóris.


Eu gemi. "Por favor." "Você tem que me dizer", ele brincou. "Eu sei o que você quer que eu faça, querida, mas eu quero ouvir você dizer." Mais uma vez, ele esfregou o dedo sobre o meu clitóris, mas desta vez ele tomou um passo adiante e empurrou minha calcinha de lado, em seguida, pressionou o polegar contra o meu broto inchado, lentamente, girando-o em círculos. Era uma doce tortura, e fez-me gemer de prazer. "Eu posso sentir seu cheiro, querida," Ryder rosnou. "Se você quer que eu prove, diga-me." Eu o ouvi, mas estava muito focada em seu polegar no meu clitóris. "Branna," Ryder solicitou. "Diga-me o que fazer ou eu paro." Eu olhei para ele, meus olhos segurando uma ameaça silenciosa do que eu faria com ele se ele se atrevesse a parar, o que só o fez sorrir. Ele estava brincando comigo, e o bastardo estava gostando. "Foda-me com a língua," eu disse entre dentes enquanto o polegar de Ryder continuava a construir prazer em mim. "Me lamba, me chupe e então me foda com sua boca." Eu não podia acreditar que tinha dito essas palavras. Era tão cru e direto - duas coisas que eu definitivamente não era quando se tratava de homens e sexo. Eu choraminguei quando Ryder literalmente rasgou o tecido da minha calcinha e a jogou por cima do ombro, mas gritei quando sua língua quente e molhada achatou contra o meu clitóris e começou a me desvendar. Ele passou a língua sobre o pequeno feixe de nervos, e cada golpe enviou uma onda de choque e prazer por todo meu corpo. Abaixei minhas mãos em punhos em seu cabelo enquanto ele festejava em mim, seus gemidos indicando que ele estava gostando tanto quanto eu.


"Ryder," Eu choraminguei quando minhas pernas começaram a tremer. Ele levantou os braços debaixo das minhas coxas, mudou em torno dos meus quadris e os achatou acima do meu monte, fechando as mãos para manter a minha metade inferior sobre a cama. Eu descobri por que ele fez isso quando uma deliciosa pressão latejou no meu âmago, e meus quadris involuntariamente começaram a reverter para o rosto de Ryder. "Sim!" Eu gritei. "RYDER!" Meu corpo explodiu em sensação. Puro prazer surpreendeu, e se espalhou por cada terminação nervosa.

me

Minhas costas arquearam para fora da cama, minhas mãos fecharam em punhos e minha respiração ficou presa na minha garganta. Meus quadris continuaram a esfregar levemente no rosto de Ryder, e eu voltei para a Terra no mesmo momento em que ele soltou meu clitóris de sua boca e deu um beijo suave contra ele, antes de desembaraçar as mãos de cima de mim e subir pelo meu corpo. "Eu poderia comê-la para sempre", Ryder rosnou. Meus olhos - que estavam fechados - se abriram às suas palavras. Meu peito estava rapidamente subindo e descendo, mas, novamente, minha respiração ficou presa na garganta quando olhei para ele e vi a fome em seus olhos. Fome de mim. A necessidade. "Isso foi... wow." Os lábios de Ryder se contraíram. "Eu não poderia dizer se você estava gostando sobre toda sua gritaria." Eu encontrei-me sorrindo. "Tudo foi apenas um grande ato para o seu ego." Rindo, Ryder se levantou de cima de mim, desfez os botões de sua calça jeans e a empurrou para baixo de suas coxas. Foi então


que eu notei que ele não estava usando boxers, e que eu estava olhando para o seu muito grande e muito ereto pau. "E esse olhar de olhos arregalados você esta fazendo apenas para o meu ego também?" Ryder questionou. Eu engoli em seco quando olhei na cara dele e assenti com a cabeça. “Claro, não estou nem um pouquinho impressionada. Na verdade, não só está faltando tamanho para o seu pau, mas suas habilidades de língua precisam de um trabalho sério também." "Você se importaria de ser minha parceira de treino?", Perguntou. "Eu definitivamente não quero ser a porra de um desapontamento." "Tudo bem," Eu dramaticamente suspirei. "Pode ter o seu caminho comigo, mas não se surpreenda se eu cair completamente no sono no meio do caminho." Ryder se lançou sobre mim então, e tinha-me morrendo de rir. Minha risada foi rapidamente substituída por gemidos quando Ryder passeou pelo meu pescoço e trancou seus lábios no meu ponto doce. "Foda-se," Eu assobiei e contrai sob ele. Ele me permitiu mover-me até que mudei nossas posições, e acabei em cima dele. Eu deslizei para baixo até que estava sentada sobre os joelhos, e então olhei para ele. "Minha vez." O pênis de Ryder saltou quando ele juntou as mãos atrás da cabeça e piscou. "Vá em frente, doçura." Olhei para baixo para o seu eixo e o agarrei com força na minha mão, dando-lhe um aperto bom que fez Ryder assoviar. Eu mantive o meu aperto firme sobre ele conforme movia minha mão para cima e para baixo. Mas o movimento não estava tão liso quanto eu gostaria, então eu o soltei e mudei minha mão entre as


minhas coxas, onde revesti meus dedos em meus sucos antes de agarra-lo mais uma vez. "Assim", eu murmurei enquanto minha mão deslizava livremente para cima e para baixo de seu comprimento endurecido. "Está melhor agora?" Olhei para cima e vi Ryder olhando para mim com os olhos arregalados. "Puta merda", ele respirou. "Isso foi sexy pra caralho!" Ele olhou para mim como se quisesse me comer viva. Estremeci ao mesmo tempo em que ele o fez. Seus olhos nunca deixaram os meus enquanto seu rosto se contorcia de prazer. Eu poderia dizer que ele queria revirar os olhos para trás com as sensações que o encheram, mas ele lutou contra isso e manteve seus olhos nos meus. Sua boca estava aberta, e um gemido como eu nunca tinha ouvido sair de um homem antes lhe escapou quando me abaixei e chupei sua cabeça latejante. "Brannaaaaaa", ele gemeu, e então se abaixou e enredou os dedos no meu cabelo. "Cristo. Porra. Você chupa tão bem, menina". Eu cantarolei em torno de seu eixo. Seu aperto no meu cabelo tornou-se doloroso quando ele jogou a cabeça para trás e gemeu mais alto, mais longo. "Eu não vou durar", ele ofegava. "Eu preciso tanto gozar." Comecei a trabalhar mais duro então, e balancei a cabeça para cima e para baixo mais rapidamente, aplicando sucção pesada cada vez que eu deixava o pau de Ryder quase se retirar totalmente da minha boca - apenas para engoli-lo profundamente até a garganta no último momento. Foi um método que eu repeti constantemente. "Foda-se!" Ele rugiu. "Sim, doçura. Foda-me com essa boca oh... sexy... merda!"


De repente, ele bateu na minha nuca com a mão, e por um momento eu não sabia por que, mas então o primeiro jato quente de sua libertação revestiu minha língua, e eu percebi por que ele fez isso. Ele estava me avisando que estava prestes a gozar, no caso de eu querer me afastar. Eu não o fiz. Eu engoli ate a ultima gota e cantarolei quando as contrações da minha garganta me garantiram mais jorros salgados. Ryder estava falando com Deus em voz alta nesse ponto, e, usando algumas palavras bem escolhidas, ele agradeceu-lhe por me agraciar com a capacidade de chupar um pau tão bem. Abstive-me de rir quando o libertei lentamente da minha boca. "Pecadora", ele respirou quando olhou para mim. "Você aí embaixo é fodidamente pecaminosa." Eu não fiz nada além de sorrir para ele. Ele então rosnou e puxou-me em cima dele antes de rolar meu corpo sob o seu. Ele apareceu em cima de mim e cutucou seu caminho entre as minhas coxas. "Eu posso mantê-la agora que sei como você é boa em-" "Chupar seu pau?" Eu o interrompi, rindo. Ele assentiu. "Querida, você deve adicionar isso ao seu currículo. Caramba." Começamos a rir "Silêncio", ele disse. "Eu não quero que meus irmãos pensem que você está rindo do tamanho do meu pau ou de alguma merda assim." Cobri minha boca com as mãos para abafar os sons, mas eu não precisava me preocupar com o meu riso se tornar um problema quando Ryder lambeu o ponto doce no meu pescoço por uma terceira vez, e então o chupou. "Oh, merda", eu chiei e contrai sob ele.


Ryder aplicou um pouco de seu peso sobre mim, e eu o senti ficando duro entre as minhas coxas. "Já?" Eu perguntei quando ele se afastou. Ele olhou para baixo para o seu mais uma vez duro pau, e sorriu para mim. "O que posso dizer?", Ele sorriu. "Você traz para fora o melhor de mim." "Sorte minha," eu disse, lambendo os lábios. Ryder amaldiçoou entre respirações, em seguida, inclinou-se para o armário ao lado de sua cama. Ele vasculhou a gaveta por alguns segundos antes de puxar a mão de volta com um pacote quadrado entre os dedos. Ele sentou-se nos calcanhares e rasgou o invólucro de preservativo com os dentes. Eu o assisti rolar um preservativo para baixo em seu pau pulsante, e o desejo de chupar um pouco mais me sobrecarregou. Lambi meus lábios de novo. "Porra," Ryder gemeu. "Você quer me chupar outra vez, não é?" Virei meus olhos para ele e balancei a cabeça. "Você será a minha morte, mulher." Eu diabolicamente sorri. "Aposto que seria uma boa maneira de partir." "Você não tem ideia", Ryder disse, antes de se acomodar entre as minhas pernas. Ele colocou a mão esquerda ao lado do meu peito e usou-a para segurar o seu corpo para cima. Ele usou a mão direita em punho segurando seu pau e esfregando contra o meu clitóris dolorido. "Ryder", eu respirei. "Por favor. Foda-me. Por favor." "Você não precisa pedir querida, mas eu estaria mentindo se dissesse que não gosto de como soa."


Cerrei os punhos enquanto ele continuava a me torturar com pequenas lambidas de prazer. Quando pensei que teria que implorar mais, ele alinhou-se com a minha entrada. Antes de me penetrar, porém, ele olhou para mim com um sorriso e disse: "Você está pronta?" Isso era uma pergunta legítima?, eu me perguntava. "Inferno. Sim." Com um sorriso ele empurrou para frente, e eu vi como sua expressão arrogante foi varrida de seu rosto e substituída por prazer torturado. Seus lábios se curvaram como se estivessem prestes a rosnar, e seus olhos se fecharam enquanto ele avançava seu caminho em meu corpo, até que se enterrou até o fim. Mordi o lábio inferior conforme minhas paredes esticavam em torno dele, tornando o ajuste confortável. A sensação de plenitude que eu experimentei era uma que eu não iria esquecer rapidamente. Ergui os braços e deslizei as mãos sobre sua pele. "Por que está quieto?", Murmurei, mal controlando meus gemidos. "Nada a dizer agora?" "Você... eu... Fooooodddaaa-sseeeeeeee." Sorri emaranhando minhas mãos no cabelo do Ryder, e puxei seu rosto para o meu. Ele colocou os cotovelos em ambos os lados da minha cabeça e segurou-se, e eu cobri sua boca com a minha. Enquanto eu o beijei, deslizei minhas mãos de seu cabelo por suas costas e direto para sua bunda carnuda. Cavei minhas unhas em sua carne, o que o fez rosnar na minha boca. Seu corpo reagiu, puxando-se para fora do meu corpo e se empurrando de volta. "Sua boceta é como um vício em torno do meu pau", ele rosnou contra a minha boca, e usou sua mão direita para cavar os dedos no meu quadril. "Foda-se. Você se sente como o céu, doçura." Respire, Branna, minha mente gritou. Porra, respire!


Eu avidamente suguei ar em meus pulmões e levantei minha mão em seu ombro, onde cavei minhas unhas enquanto ele empurrava dentro e fora de mim, causando uma sensação que eu nunca tinha sentido durante o sexo antes. "Puta merda!" Eu gritei. Ryder rosnou. "É isso aí, baby. Deixe me ouvir você." Eu não podia controlar minha voz, mesmo se quisesse. Com cada impulso de Ryder um delicioso fogo lambeu meu núcleo, me queimando com prazer. "Oh, meu Deus", eu gemi. "Deus não pode te ajudar agora, Menina", disse Ryder. "Ninguém pode." Ainda bem que eu não queria a ajuda de ninguém, silenciosamente ronronei. Segurei-o enquanto ele me fodeu, me beijou e chupou meu pescoço. Gritei quando ele se empurrou para o meu corpo e atingiu um ponto que fez meus olhos literalmente verem estrelas. Ryder inclinou a cabeça para baixo e pressionou seu ouvido contra o meu peito antes de levar a boca ao meu ouvido e dizer: "Seu coração está batendo tão rápido." "Só para você, querido", eu respondi com um gemido. Senti Ryder sorrir quando beijou meu pescoço. "Tal como uma doce faladora," ele ronronou. "Oh, não!" Eu respirei segundos depois. "Certo. Bem aí." "Aqui?" Ryder murmurou, e empurrou no mesmo ângulo de apenas alguns segundos antes, atingindo um ponto dentro do meu corpo que me fez cantarolar. "Sim, sim, sim!" Eu gritei. Ryder manteve seus quadris posicionados naquele ângulo, e bateu no meu núcleo com cada impulso certeiro.


"Esta é a minha boceta", ele retumbou enquanto se dirigia para dentro e fora de mim. Eu raspei minhas unhas nas costas dele. "Sim, só sua." Ele mordeu meu pescoço, me pegando desprevenida, e enquanto eu deveria ter sentido dor, a mordida estranhamente arrancou um gemido de mim, como se meus nervos estivessem interpretando mal o prazer. Cavei minhas unhas em seus ombros em resposta, e essa ação fez Ryder sibilar e bombear em mim mais rápido. Ele me fodeu tão forte que eu sabia que iria deixar hematomas. Esse conhecimento me fez ofegar quando prazer rasgou através de mim, e o grito que deixou meu corpo era tão alto que Ryder teve de enterrar o rosto no meu pescoço e pressionar o ouvido contra a minha pele para bloqueá-lo. Ele bateu em mim uma, duas, três vezes. Quatro cursos profundos. Seus movimentos se tornaram espasmódicos e rápidos, e então ele gozou. Ele mordeu meu ombro mais uma vez quando seu prazer o consumiu. Seu quadril ainda bombeava em mim quando ele desceu do seu alto, e seus movimentos se tornaram mais brandos conforme os segundos passaram. Quando ele finalmente parou, praticamente entrou em colapso em cima de mim. Eu não poderia reclamar, porque seu peso estava sobre mim, e eu me senti tão bem. "Isso. Foi. Incrível!" Eu ofeguei. "Nunca foi assim antes." Ryder rolou de cima de mim depois de um momento, mas manteve seu braço sobre meu peito, a mão cobrindo meu seio esquerdo. Ele lhe deu um aperto suave e disse: "Você nunca foi fodida por mim antes, é por isso." Minha resposta automática normalmente teria colocado-o em seu lugar, mas eu não podia discutir com ele agora. O que ele disse era verdade. Sexo nunca tinha sido assim antes dele, e por Deus, eu sabia que não ia ser assim depois dele também. Ele tinha me


arruinado para qualquer outro homem, e eu não tinha uma única palavra para reclamar sobre esse assunto. "Podemos fazer isso respiração ainda acelerada.

de

novo?",

Eu

perguntei,

minha

Ryder abafou seu riso quando virou a cabeça em seu travesseiro. "Dê-me alguns minutos", ele murmurou. "Eu não sou uma máquina." Eu cantarolei. "Tem certeza disso? Você tem uma séria quantidade de resistência." Mais uma vez Ryder riu, e desta vez ele deu ao meu peito outro aperto. Eu totalmente esperava ter relações sexuais novamente imediatamente, mas não o fizemos. Em vez disso, começamos a conversar. Ryder fez perguntas sobre meus pais, meu trabalho, Aideen e minha vida em geral. Ele contou-me um pouco sobre si próprio, e eu aprendi que seus pais morreram há alguns anos e que ele e seus dois irmãos mais velhos estavam cuidando dos gêmeos. Eles se mudaram para a Irlanda por causa de um negócio, mas ele não me disse que negócio era. Quando perguntei sobre isso ele me beijou, o que abriu caminho para termos sexo pela segunda vez. Quando terminamos, eu estava cansada demais para respirar, muito menos para fazer mais perguntas. Eu adormeci ouvindo a risada de Ryder me provocando sobre minha falta de resistência, mas não me importei, porque ele literalmente me fodeu ate dormir - e deixe-me apenas dizer que foi um inferno de uma maneira de ser nocauteada.

Eu fiquei tensa quando ouvi as vibrações do meu telefone. Alguém estava me ligando, porque ele estava vibrando há muito


tempo para ser uma simples mensagem de texto. Eu gemi quando a pessoa não desligou. Sentei-me em minha cama, preocupada sobre por que estaria alguém estaria me ligando no meio da noite. Grogue, empurrei as cobertas do meu corpo e caminhei na direção das vibrações. Eu assobiei e abri meus olhos quando meu joelho bateu em algo duro. Abaixei-me e esfreguei a dor antes de ficar em pé. Não demorou muito tempo para perceber que eu não estava no meu quarto, e também não demorou muito para que as memórias dos acontecimentos da noite passada batessem em mim com o impacto de um trem. Engoli em seco e lancei a mão sobre minha boca. Então virei-me e ampliei meus olhos quando eles desembarcaram na forma adormecida de Ryder Slater. Meu coração bateu no meu peito enquanto o observava. Seu bronzeado corpo estava apenas metade coberto pelos lençóis, e eu só tinha a Deus para agradecer por isso. Eu tive sexo com ele, disse a mim mesma. Duas vezes. Deixei um sorriso enorme tomar conta do meu rosto, e mal me contive de fazer uma dança feliz. Eu tive sexo com uma porra de um deus grego. Duas vezes malditas! Aideen ia se mijar quando eu contasse a ela quão bem o jogo com Ryder tinha sido. A dor que eu sentia entre minhas pernas e em outras partes do meu corpo eram um delicioso lembrete de quão bem ele me fodeu. Eu relutantemente afastei meus olhos dele quando percebi que meu telefone ainda estava vibrando. "Merda", eu sussurrei, e procurei em volta pela minha bolsa. Eu a encontrei perto do meu vestido descartado, e rapidamente a peguei. Recuperei meu telefone e quase desmaiei quando vi que não era um telefonema que tinha meu telefone vibrando: era meu despertador, para me acordar para a escola. Eu verifiquei o horário e vi que era 7:15, o que significava que eu tinha


quarenta e cinco minutos para ir para a aula - de outra forma eu estaria realmente fodida. Porcaria. Eu estava prestes a guardar meu celular quando vi que tinha duas mensagens de texto. Uma mensagem era de Aideen, e outra da minha irmã. Aideenn, nenhuma novidade, queria me encontrar depois para ouvir todos os detalhes da minha noite com Ryder, enquanto a de Bronagh me avisava uma coisa. Bronagh: Eu peguei R$20,00 da gaveta do seu quarto para meu almoço, ok? Você não me deixou qualquer dinheiro... mas provavelmente ainda estava bêbada quando me não me deixou nada para a escola, então tudo certo. Eu não ouvi você voltar para casa ontem à noite, mas se houver alguma dor de cabeça me avise que eu vou fazer um pouco de sopa de galinha. Assim você poderá comê-la quando chegar casa. Te amo. Beijos e abraços

Sorri ao ler a mensagem minha da irmã, e quis dar-lhe um grande abraço. Ela era uma boa menina, e tinha um coração bonito. Eu desejava que ela se abrisse e compartilhasse mais de sua beleza. Não era certo que só eu pudesse ver o quão brilhante ela era. Eu comecei a escrever uma resposta, e estava feliz que não era uma mentira. Disse que eu estava bem e que me esqueci do dinheiro do almoço. Desculpei-me e disse-lhe que a veria mais tarde, quando ela chegasse em casa da escola. Eu não a deixei saber que fiquei fora a noite toda - se ela pensou que eu tinha chegado em casa então isso era exatamente o que eu ia deixá-la pensar. Eu não sabia como ela ia receber minha noite com Ryder, então achei que seria melhor mantê-la para mim mesma. Coloquei meu telefone de volta na minha bolsa e silenciosamente mexi em torno do quarto de Ryder. Encontrei meu


sutiã, que Ryder jogou sem rumo atrás dele, e coloquei meu vestido em seguida. Peguei meus saltos e minha bolsa, e olhei para Ryder por alguns momentos. Eu queria acordá-lo e dizer adeus, mas não podia, porque tinha medo de chorar. Eu não era uma tola; eu sabia que éramos um caso de uma noite. Mas não foi só sexo incrível e surpreendente - sua companhia também me fez sorrir. Eu estava chateada por permitir-me formar uma ligeira conexão, mas não pude evitar. Ele foi muito gentil, minha noite com ele foi maravilhosa, e eu gostaria de me lembrar dela para sempre. Saia... antes de chorar ou antes que ele acorde e se assuste, zombou minha mente. Suspirei quando olhei para ele mais uma vez antes de me virar e nas pontas dos pés andar até a porta do quarto. Abri a porta e, sem olhar para trás, saí para o corredor e a fechei atrás de mim. Eu soltei uma respiração profunda e caminhei até a escada, então comecei a descê-la. Eu parei quando uma porta no andar de cima abriu e fechou. Olhei para cima e congelei quando um dos irmãos de Ryder inclinou-se sobre o corrimão e sorriu quando me viu. Lembrei-me de seu nome e limpei minha garganta. "Oi, Alec." Ele piscou. "Bom dia, Linda." Eu senti minhas bochechas vermelhas. "Eu tenho que sair e ir para a escola. Você pode dizer a Ryder que eu disse adeus? Diga-lhe que foi muito divertido." A risada de Alec foi baixa e retumbante. "Entendi." Eu mexi meus dedos para ele, dei-lhe um sorriso e, em seguida, continuei a descer as escadas. Eu soltei um suspiro quando cheguei ao final das escadas e me movi em direção à porta da frente, mas engasguei quando ouvi movimento no andar de cima. "Merda," eu ouvi um grito na voz de Ryder. "Merda, merda, merda!"


Ah, porra, eu pensei. E então ele estava descendo as escadas. Eu disse a mim mesma para correr, mas eu não podia - eu permaneci congelada no lugar enquanto Ryder descia as escadas, apenas para chegar a uma parada quando me viu. Ele estava vestindo um bermudão agora, e eu meio que desejava que ele estivesse completamente nu novamente. "Aí está você", ele respirou, e seus ombros caíram com o que parecia alívio. "Onde você está indo, doçura?" Engoli em seco. "Eu não acho que sou boa em dizer adeus, por isso achei que seria melhor se o deixasse discretamente." Eu não sabia o que fazer, então me virei e comecei a me mover em direção à porta, mas braços vieram ao redor da minha cintura e um corpo rígido se moldou às minhas costas enquanto hálito quente fez cócegas em meu pescoço, trazendo-me a um impasse. "Por que você iria dizer adeus?" Ryder murmurou enquanto causalmente arrastava sua língua sobre a minha pele, me fazendo tremer. "Porque, hum, foi um caso de uma noite e... Oh." Levantei minhas mãos e cobri as dele, apertando-as quando ele começou a chupar meu pescoço, diretamente no meu ponto doce. Meus olhos se fecharam e um gemido escapou de mim. "Parece que você não quer dizer adeus", Ryder murmurou, sua diversão óbvia em seu tom. Lambi meu lábio inferior. "Eu tenho que ir para a aula." Ryder cantarolou. "Na universidade na cidade, certo?" Eu balancei a cabeça, mal contendo outro gemido. "Sim." "Você não pode dizer que esta doente?", Perguntou ele, chupando meu pescoço mais uma vez. Engoli em seco. "Eu nunca fico doente."


Seu controle apertou sobre mim. "Há uma primeira vez para tudo." Engoli em seco. "Eu não sei..." "Vamos lá, linda", Ryder murmurou. "Gaste mais algum tempo comigo. Por favor?" Ele estava me matando. "Por quê?", Eu perguntei um pouco sem fôlego. "Eu não estou pronto para deixá-la sair", ele respondeu, surpreendendo o inferno fora de mim. Virei-me em seus braços e olhei para ele. "É porque eu sou uma deusa do sexo, não é?" Ryder sorriu, e isso me fez sorrir também. "Você me pegou", ele meditou. "Eu quero mantê-la aqui para aproveitar sua vagina perversa e impertinente, e sua boca talentosa." Em jeito de brincadeira eu lhe dei um tapa no braço. "Ryder!" Ele esfregou minhas bochechas quando as senti vermelhas com o calor. "Espanta-me como você é tímida durante uma conversa normal," ele sorriu, "mas na cama você é uma sereia impertinente." Eu cobri o rosto com as mãos. "Cale-se!" Ryder riu e me puxou contra seu peito, me abraçando com força. "Fique comigo", ele disse, beijando o topo da minha cabeça. "Eu quero leva-la para fora por algumas horas. Só eu e você." Eu me afastei e olhei para ele. "Você esta... está me convidando para um encontro?", Perguntei, meu coração batendo em meu peito.


Ryder sorriu e acariciou meu cabelo para fora do meu rosto, enfiando-o atrás da minha orelha. "Sim", ele murmurou. "Eu tenho o pressentimento que quero conhecê-la melhor, e eu sempre sigo meus instintos." Minhas pernas começaram a tremer. "Eu pensei éramos apenas um caso de uma noite", sussurrei. "Eu pensei isso, também," Ryder disse, seus olhos digitalizando meu rosto "mas é mais do que isso. Eu não sei o que é, mas uma noite com você não é suficiente." Meu estômago se agitou com mil borboletas. "Sim", eu sussurrei. "Eu adoraria ir a um encontro com você." "Bom." Ryder sorriu provocante. "Eu não estava aceitando um não como resposta, de qualquer maneira." "É mesmo?" Eu ri alegremente. "Você acha que pode conseguir o que quiser de mim tão facilmente?" "Sim", respondeu ele presunçosamente. "E se tudo mais falhar, eu tenho outros métodos à minha disposição para persuadila a fazer as coisas do meu jeito." "Sim?", Perguntei, minha respiração falhando. "Que outros métodos seriam esses?" Ryder pressionou sua frente contra a minha e baixou a cabeça, roçando seus lábios ternamente contra os meus. Engoli em seco quando ele se abaixou mais, e quando suas mãos de repente agarraram minha bunda. Eu passei meus braços em volta do seu pescoço e minhas pernas ao redor de sua cintura quando ele me levantou no ar, e então ele virou-se e caminhou até as escadas. "Eu posso mostrar-lhe muito melhor do que posso falar", disse ele, sorrindo. Meu riso e o dele se entrelaçaram enquanto subíamos as escadas, e logo depois o mesmo aconteceu com os nossos corpos, na


mais deliciosa das maneiras. Deitei na cama de Ryder muito tempo depois que fizemos sexo pela terceira vez, e quando me peguei observando-o dormir, sabia que estava regiamente ferrada. E isso porque eu podia ver-me me apaixonando por ele muito facilmente se não tivesse cuidado. Guarda teu coração, minha mente sussurrou enquanto meus olhos se fecharam. Não lhe dê o poder de quebra-la. Eu não percebi isso na época, mas Ryder tinha o poder de me quebrar a partir do momento em que ele trancou seus olhos nos meus na Darkness. E não havia nada que eu pudesse fazer sobre isso.


Dias de hoje… Eu gritei de susto quando uma pasta cor de rosa foi lançada sobre a mesa da estação de enfermagem. Eu estava revivendo um momento do meu passado, e fui pega totalmente de surpresa pelo movimento repentino e pelo ruído. "Desculpe," A voz de Ash rapidamente se desculpou. "Eu pensei que você tivesse me ouvido." Eu coloquei minha mão sobre o peito, sentindo meu coração bater rapidamente. "Eu estou bem", respirei. "Estava apenas no meu próprio mundo." Olhei para cima e peguei Ash franzindo a testa para mim, então acalmei suas preocupações. "Eu estou bem, apenas sonhando acordada." Ele hesitou por um momento, mas depois assentiu. "Esta tranquilo na enfermaria, então você pode sonhar se quiser." Eu bufei. "Eu gostaria de ter esse luxo, mas quero manter um olhar atento sobre a paciente na sala um." "Eu a verifiquei apenas há um minuto," disse Ash. "Ela teve sua epidural e está dormindo. O marido também. Tudo está


progredindo bem com ela, e mais algumas horas, no máximo, ela estará em trabalho de parto e trazer seu bebe ao mundo." Meus ombros cederam de alívio. "Graças a Deus", eu respirei. "Eu não podia mais aguentá-la gritando. Eu tento o máximo que posso ser atenciosa e nunca reclamar sobre como as mulheres lidam com a dor, mas porra, ela não fechou a boca desde que foi trazida para a enfermaria". Ash riu. "Eu podia ouvi-la também. Sally disse que estava indo encravar gás e ar na garganta dela se ela não lhe desse um descanso em breve." Como se convocada, Sally caminhou pelo corredor com duas pastas cor de rosa em seus braços. Ver essas pastas me fez gemer: significava que duas novas pacientes estavam prestes a ser admitidas na sala de parto e colocadas sob nossos cuidados. Sally era considerada a mãe da enfermaria, e não porque era o membro mais velho da nossa equipe, mas porque era a mais experiente. Ela tinha estado no hospital desde que ele abriu há cerca de trinta e cinco anos, e teve o maior número de partos sob sua responsabilidade. Ela era a veterana de partos da ala, e todos sabiam disso. Ela também era casada com o Doutor Hector Harris, que era responsável pelo CCO. "Oi Sally", eu disse quando ela olhou para cima. Ela parou em frente à estação de enfermagem e me deu um sorriso brilhante. "Olá, Branna querida. Grande trabalho em seu turno esta manhã, com a paciente encaminhada para o parto emergencial no CCO. Eu li o relatório que você e Ash fizeram, e Hector me contou o que aconteceu. Noventa e um segundos é muito rápido. Eu só consegui um zero dois, no mínimo, de modo que você deve se orgulhar de si mesma".


Senti a mancha de calor em minhas bochechas pelo elogio de Sally, e meu rubor se espalhou ainda mais quando senti o olhar de aprovação de Ash em mim. "Obrigada, Sally", eu disse, mas rapidamente acrescentei: "mas eu não teria sido capaz de fazê-lo sem Ash e os outros. Foi um esforço de equipe." Sally piscou. "Isso mesmo, é e por isso que você é uma boa parteira - você age como uma equipe, e nunca como um lobo solitário." Era algo que ela me ensinou quando me inscrevi para ser voluntária no hospital há muitos anos, e algo que ficou comigo desde então. Você não é melhor do que o seu companheiro de parto, e, juntos, em números, vocês são mais fortes. "Bem, eu trabalho com o melhor." Eu sorri, em seguida, olhei para Ash e bati com a minha perna na dele. Ele bufou. "Falas doces." Quem é a faladora doce aqui? Pisquei para longe a voz de Ryder na minha cabeça, e me reorientei para Sally, que estava falando comigo e Ash. "Esse deve ser um dia agitado, e nós vamos ter de manter um controle apertado." Ash saudou Sally. "É isso aí, linda." Sally abanou-se. "Se eu não fosse casada e não tivesse idade suficiente para ser sua mãe eu..." "Sally!", Eu a cortei com uma risada. Ela me dispensou. "O que eu faria com ele se tivesse a sua idade é de conhecimento público: eu sempre digo isso a ele." Ash sorriu. "Ela faz." "Vocês dois são tão maus um com o outro," Eu ri.


Sally riu enquanto se afastava para cumprir seus deveres. Eu olhei para Ash, que começou a trabalhar avaliando as pastas dos novos pacientes. Então balancei a cabeça para ele e agarrei a segunda pasta que Sally nos trouxe. "Por que você está balançando a cabeça?", Ele perguntou, sem olhar para cima de sua pasta. Dei de ombros. "Você me diverte." "Claro que eu faço: eu sou hilário." Arrogante de merda, minha mente provocou. "Oi Branna." Eu olhei para Yolanda, uma encantadora senhora africana que estava trabalhando na ala de partos como ajudante de limpeza desde que foi inaugurada. "Oi Yolanda", sorri. "Como você está hoje?" Ela me deu seu radiante sorriso marca registrada, e isso só me fez refletir a ação. "Estou ótima, querida. Jesus me acordou esta manhã, então não posso reclamar". Senti o vinco nos cantos dos meus olhos quando meu sorriso se aprofundou. "Estou feliz em ouvir isso. Como estão os seus netos? Estão melhores da gripe?" Yolanda se benzeu. "Sim, graças a Jesus. Orei cada manhã e cada noite por eles." Ela fez uma careta. "Eu odeio vê-los tão mal, mas sei que Jesus vai cuidar deles." Yolanda era muito religiosa: tudo que saia de sua boca era "Jesus isto e Jesus aquilo". Eu balancei a cabeça. "Eu posso imaginar. Quando Bronagh estava crescendo e ficava doente eu me preocupava tanto que sentia calafrios só de pensar que ela poderia estar com algum tipo de vírus".


Yolanda piscou. "Isso é o que nós fazemos: nós nos preocupamos com nossos bebês, não importa quanto eles cresçam. Jesus, nos ajude." E não é que é verdade?, pensei. "Eu concordo com você," eu disse enquanto ela empurrava seu balde pelo corredor em direção à sala de abastecimento. Olhei por cima do meu ombro para Ash quando ele saiu da sala de descanso com duas xícaras de chá em suas mãos. Eu gemi em voz alta e peguei meu copo cor de rosa. "Eu poderia beijá-lo agora," eu disse enquanto pegava a xícara e tomava um gole do líquido açucarado e viciante. Chá é literalmente minha vida; eu não poderia funcionar sem ele. "Você não poderia fazer uma coisa como essa", disse Ash. "Iria quebrar o coração de Sally. Ela me ama, você sabe?" Eu levantei uma sobrancelha. "Ela ama a sua atenção, isso é tudo." Ash agarrou seu peito. "Você, moça sem coração, como se atreve a descartar o que Sally e eu temos?!" Levou tudo de mim para não rir, ou abrir um sorriso. "Só te dizendo como é," Eu sorri. "Criança." Ash rosnou. "Você tem cinco segundos." Ah, Merda. Levantei-me e rapidamente corri até o outro lado do nosso balcão de trabalho, e coloquei as mãos na frente do meu peito. "Ash", eu avisei em voz baixa. "Nem sequer pense nisso." Ele contornou a estação e avançou para mim, um sorriso em seus lábios. "Não!" Eu disse com firmeza, esperando que comportamento sério fosse lhe dar uma razão para parar.

meu


Ele não o fez - se alguma coisa só instigou o louco a vir para mim mais rápido. "Não!" Eu gritei, e fiz um movimento para mergulhar atrás do balcão. Mas Ash foi muito rápido, e me pegou em pleno ar. Ele me colocou para baixo e completamente agrediu meus lados com as pontas dos dedos enquanto me fez cócegas. Eu ri e gritei um pouco mais, e fiz mais alguns estranhos movimentos desconhecidos pelo homem na minha tentativa de escapar do terror. "Misericórdia!" Eu ri. "Pelo amor de Deus, misericórdia!" Ash parou de fazer cócegas, mas manteve a preensão em mim quando me estabilizou, e eu me afastei dele, rindo alto. Eu estava prestes a divertidamente dar um soco nele e sair correndo para a sala de descanso quando eu ouvi meu nome ser... rugido. Eu me virei sobrancelhas.

e olhei para o corredor, e levantei as

"Dominic?" Eu disse em voz alta, ouvindo a confusão na minha própria voz. "O que você está fazendo aqui?" Ele estava bufando enquanto caminhava pelo corredor em minha direção. "Bronagh não pode busca-la hoje." Ele disse, ou melhor, rosnou. "Ela não está se sentindo bem. Seus enjoos matinais ainda estão durando durante o dia, por isso eu disse que viria buscá-la eu mesmo, desde que eu estava no meu caminho para a sua casa para usar o ginásio. Quem é ele?" Pisquei, então olhei para a minha direita quando Ash mudouse para o meu lado. "Eu?", Ele perguntou, e apontou o dedo para o próprio peito. "Sim, você." Dominic estreitou os olhos. "Eu estou olhando para você, não estou?" Ele não estava feliz.


Ash limpou a garganta e estendeu a mão. "Meu nome é Ash Wade. Eu sou colega de trabalho de Branna... Quem é você?" Dominic nem sequer olhou para a mão de Ash quando disse: "O cunhado dela." Ash franziu as sobrancelhas em confusão e baixou a mão de volta ao seu lado quando ficou evidente que Dominic não iria cumprimentá-lo. "Branna não é casada." Obrigada pela lembrança, eu silenciosamente resmunguei. "Essa é uma questão técnica," o olho de Dominic se contraiu. "Ela é a noiva do meu irmão, e tem sido assim por muito tempo. Assim, eles estão envolvidos." Ash assentiu. "Ah, eu vejo. Prazer em conhecê-lo." "Eu gostaria de poder dizer o mesmo, mas não posso." Dominic brincou. "Agora dê um par de passos para longe da noiva do meu irmão." Ah, pelo amor de Deus. "Pare com isso, Dominic." Eu adverti. "Você está sendo rude." Os olhos de Dominic nunca deixaram Ash. "Eu estou a ponto de ser realmente rude se esse cara não se afastar de você." Ash levantou as mãos na frente de seu peito e deu um passo hesitante para longe de mim. "Nós só estávamos brincando, cara." Ele disse. Os olhos de Dominic brilhavam com raiva. "Você não brinca com a mulher de outro homem. Nunca." Ash levantou a mão e coçou o pescoço. "Nós somos amigos." Dominic deu um passo ameaçador para frente. "Vamos ver quanto tempo isso vai durar, não é?” Olhei para ele. "O que diabos isso significa?"


Dominic acendeu os olhos para mim. "Isso significa que ele pode ter dificuldade para respirar quando Ryder descobrir que ele estava te tocando assim." "Tocando-a como, cara?", Perguntou Ash, seu tom firme quando ele ficou impaciente. "Nós estivemos de plantão pelas últimas oito horas, e pela primeira vez tivemos dez minutos sem que uma mulher estivesse dando à luz. Nós estávamos apenas brincando. Eu estava fazendo cócegas nela, e não transando com ela." Eu balancei a cabeça em concordância. "Ele está dizendo a verdade, e eu não gosto da ideia de você insinuar que estava acontecendo algo mais do que uma diversão inofensiva, porque eu nunca trairia Ryder." Eu franzi a testa em seguida. "E ele provavelmente nem vai ligar, de qualquer maneira. Ele nunca faz." Senti Ash dar um passo mais perto de mim, mas Dominic rapidamente fechou a distância entre nós, colocando o corpo dele entre os nossos. "O quê?" Ash provocou. "Você vai me bater por verificar se minha amiga está bem?" "Eu vou verificar com ela está," Dominic rosnou. "Você pode ir monitorar alguma boceta massacrada." Ele não fez! "Dominic!" Rosnei. Ele ergueu a mão para me calar. "Eu estava lá quando Jax nasceu, então não tente me convencer de que nem todos os nascimentos são tão horrorosos e cheios de sangue e gritos quanto aquele. Bronagh me faz assistir One Born Every Minute2. Eu sei do que estou falando." "E parteiros treinados não?", Questionei.

2

Um bebê por minuto. Programa do canal Discovery Home & Health.


Ash sacudiu a cabeça antes de se virar para mim e perguntar: "Ele é sempre tão teimoso?" "Hey!" Dominic estalou, claramente ofendido. "Sim", eu respondi para Ash. "Ele é." Dominic se virou para mim e me olhou com uma expressão descontente. "Podemos ir?" Ele me perguntou. "Eu não quero machucar seu amigo, mas eu vou acabar fazendo isso se ficar aqui." Eu segurei seu olhar. "Você não ousaria." Ele se virou para o lado e, com os olhos em mim, levantou seu braço e em um piscar de olhos se aproximou e socou Ash no ombro com a mão esquerda. "Ow!" Ash suspirou, agarrando seu ombro. "Isso dói, seu babaca." Pisquei para Dominic quando ele desviou o olhar para Ash e disse. "Seu desgraçado." "Você me desafiou," ele respondeu, ainda sem desviar o olhar do meu amigo. Eu queria bater em Dominic, que baixou a mão para o seu lado e riu de Ash, que, por sua vez, estava se comportando como se tivesse sido baleado no braço em vez de apenas socado. "Está pegando fogo!" Ele assobiou e se segurou firmemente, furiosamente esfregando o local dolorido. "De que porra a sua mão é feita? Aço?" Dominic olhou para Ash com desgosto. "Eu mal toquei em você." "Mal...", repetiu Ash, seus olhos se alargando. "Meus futuros netos fodidos sentiram isso." Dominic bufou, mas não disse mais nada.


Eu balancei a cabeça em aborrecimento. "Você está sendo muito imaturo e irracional agora, Dominic." Ele piscou. "Eu vou pedir desculpas mais tarde." Ele era tão teimoso quanto Ryder, se não pior. "Pegue suas coisas", continuou ele. "São quatro horas; seu horário aqui acabou." Eu acho que o que ele queria dizer era que meu tempo com Ash tinha acabado. "Ok, eu vou pegar meu casaco e bolsa." Eu apontei meu dedo indicador para Dominic “Você” e fiz um gesto para Ash com minha cabeça “deixe-o em paz." "Sem promessas", Dominic murmurou. Revirei os olhos e rapidamente corri para a sala de descanso, de onde tirei meu casaco e bolsa do meu armário. Vesti meu casaco, coloquei minha bolsa sobre meu ombro e corri de volta para frente, onde eu encontrei Dominic e Ash olhando um para o outro. Bem, Ash estava olhando, enquanto Dominic estava encarando. "Pare com isso," Eu assobiei para Dominic quando apertei seu braço. Ele resmungou e esfregou o local uma vez antes de tomar meu braço e me puxar para o seu lado. Eu resisti em lutar com ele porque estava no meu local de trabalho - eu iria guardar o que tinha em mente e gritar com ele quando chegássemos em casa. "Vejo você amanhã, Bran," Ash disse quando se afastou, seus olhos em Dominic. Suspirei. "Tchau, querido. Sinto muito por ele." Ash acenou como se não fosse grande coisa, e eu esperava que realmente não fosse grande coisa, porque não queria que a grosseria de Dominic fizesse Ash desconfortável em torno de mim. Eu pensava sobre isso quando saí do hospital e andava à frente de Dominic todo o caminho até o carro.


"Por que você está fugindo de mim?", Ele perguntou quando destrancou o carro e nós entramos. Eu dei um soco no ombro dele antes de responder. "Porque eu não posso bater em você do lado de fora, mas aqui eu posso." Eu cuspi e lhe dei outro soco. "Você deveria estar me machucando?", Perguntou Dominic, sorrindo enquanto facilmente se esquivava das minhas mãos. "Porque você não esta." Rosnei em frustração quando afivelei o cinto de segurança e cruzei os braços sobre o peito. "Você é um maldito louco!" "Bronagh me diz isso o tempo todo", ele meditou, não parecendo nem um pouco incomodado. "Ela não está mentindo: você pode ser um verdadeiro idiota. Como se atreve a se comportar assim? Esse é o meu local de trabalho, e meu colega de trabalho, Dominic!" Ele saiu do parque de estacionamento do hospital e entrou na estrada principal. "Eu não gostei do que vi, então agi por impulso. Processe-me." "Eu nunca iria trair Ryder." Eu mordi fora. "Nunca, porra. Nunca." "Me desculpe se eu acabei sugerindo que você o trairia." Ele franziu a testa. "Eu sei que você não faria isso. Eu não sei quanto a Ash, porem, mas eu sei que ele gosta de você. É obvio." Eu ampliei meus olhos. "Estávamos brincando ao redor! Ash é meu amigo. Ele flerta com todos. Literalmente todos." "Se ele sabe que você tem um homem, então ele não deve flertar com você. Ponto final." "E você não pode apenas tratar as pessoas assim, Dominic. Ele só estava brincando comigo." Eu fiz uma careta.


Ele resmungou. "Desculpe por me certificar que algum estranho não estava apalpando você." Eu zombei. "Você poderia dizer claramente que estávamos brincando. Eu estava rindo!" "Você pode rir sem ele tocar em você", Dominic respondeu. Eu olhei para ele, em seguida, olhei para fora da janela de seu Jeep, pesando se deveria ou não matá-lo. "Você pode querer acertar a merda com Ash, porem, porque quando eu contar a Ryder sobre isso, ele pode acabar com o corpo de Ash em um saco". Eu explodi. "E o que diabos você vai dizer?" Eu perguntei com raiva. "Que meu amigo estava me fazendo cócegas? Realmente? Sério?" "Sim", respondeu Dominic. "Sério." Ele era fodidamente incrível. "Não posso mais falar com você; eu vou enlouquecer!" Com isso dito, eu concentrei minha atenção no lado de fora da janela do carro até que ele parou em frente a minha casa, cerca de vinte minutos depois. "Obrigada pela carona," eu disse educadamente enquanto soltava meu cinto de segurança e agarrava minha bolsa, certificando-me de não olhar para Dominic, por medo de arrancar sua cabeça de seus ombros. Ele resmungou. "Lembre-se do que eu disse: diga a Ash para recuar." Eu ergui meu queixo quando sai do jipe, e bati a porta atrás de mim. "Pequeno bastardo rude," eu murmurei enquanto caminhava até a entrada do meu jardim.


Eu não olhei para trás quando abri minha porta da frente e entrei na minha casa, fechando-a com firmeza atrás de mim. Larguei minhas chaves sobre o rack e, em seguida, me dirigi para a cozinha, acendendo a luz do corredor ao longo do caminho. Eu odiava os meses de inverno; escurecia muito cedo. Era apenas pouco depois das quatro horas, mas o sol já estava baixo. "Damien?" Eu chamei, certificando-me que minha voz fosse alta o suficiente para chegar além da escada sem fim. Eu ouvi movimento do andar de cima, e em seguida: "Sim, Bran?" "Vou fazer cottage pie3 para o jantar. Você quer um pouco?" "Sim, por favor." "Ok, querido." Tirei o casaco e pendurei-o sob as escadas junto com minha bolsa. Peguei meu telefone da minha bolsa e, em seguida, me dirigi para a cozinha, onde comecei o jantar. Vinte minutos depois, quando estava a meio caminho de terminar de fazer o jantar, a porta da frente da minha casa se abriu e fechou. "Branna?" a voz de Ryder rugiu e ecoou por toda a casa. Uh-oh. "Estou na cozinha", eu gritei. Ouvi seus passos contra o assoalho quando ele invadiu o corredor e entrou na cozinha, empurrando a porta aberta no processo. "Quem diabos é Ash Wade?" Eu ia matar Dominic Slater.

Cottage pie ou shepherds’ pie é um empadão típico da culinária da Inglaterra composto por uma preparação com base em carne moída, sobreposta por puré de batata e assada no forno. o "shepherds' pie" é feito de carne de carneiro, e o cottage pie com carne de gado. 3


Dias de hoje… Afastei meus olhos das batatas meio descansadas e olhei por cima do meu ombro para Ryder quando ele invadiu a cozinha, deixando cair o casaco e as chaves no balcão da cozinha no processo. Olhei para seu casaco até que ele grunhiu e o tirou do balcão, pendurando-o no corredor sob as escadas onde todos os outros casacos e jaquetas estavam. "Ash é meu colega de trabalho, portanto ele trabalha na sala de parto comigo." Eu respondi calmamente, e então voltei a descascar batatas. As coisas ficaram em silêncio por um momento até que eu senti uma mão firme segurar meu braço. A surpresa dele me tocando me fez largar a batata e o descascador na pia. E quando ele me virou eu engoli em seco, porque percebi quão perto de mim Ryder realmente estava. Seu corpo estava a um fio de cabelo de pressionar contra mim, e seu rosto estava perigosamente perto do meu. Lambi meus lábios secos e olhei para ele – e apenas momentaneamente olhar para seu rosto e olhos quase fez com que eu me perdesse. Quase. Em vez de dizer algo emocionalmente estúpido, eu disse: "Eu não tenho tempo para jogos, Ryder. Estou preparando o jantar. Damien está com fome."


Seus lábios se curvaram um pouco, e eu podia sentir sua raiva irradiar de seu corpo enquanto eu fazia uma careta para ele. "Por que você está tão bravo comigo?", Questionei. "Você está me traindo?" surpreendentemente baixa.

Ele

perguntou,

sua

voz

Pisquei com surpresa, choque e... magoa. "Eu... o quê?" Eu perguntei quando nada mais saiu. "Você. Está. Me. Traindo?" Ele rosnou. E sem saber ele acabou me apunhalando no coração com uma faca. Eu engoli o nó que se formou na minha garganta e pisquei para conter as lágrimas que queriam ser derramadas. "Se você tem que me pergunte isso, então você está realmente perdido para mim." Eu sussurrei, meu coração batendo descompassado no meu peito quando dor cortou através dele. "Responda a porra da pergunta," ele mordeu fora. Eu balancei minha cabeça. "Não, eu não estou te traindo." Os músculos de sua mandíbula rolaram para trás e para frente. "Você quer me trair?" Senti a torção da referida faca diretamente no meu coração. "Não", eu respondi. "Eu não quero trair você." "Então por que", ele rugiu, "você está brincando com um colega de trabalho? Que, aliás, terá um de seus membros quebrados pela manhã." Pânico me encheu. "Não se atreva a machuca-lo!" Eu avisei. "Ele é meu amigo, apenas meu amigo, e foda-se se Dominic te disse o contrário." "Como isso tem algo haver com Dominic?"


"Porque ele me pegou no trabalho e viu Ash me fazendo cócegas e, como de costume, saltou direto para conclusões precipitadas!" Ryder segurou meu rosto e apertou seu corpo contra o meu, usando os quadris para me prender contra o balcão da cozinha. Eu sabia que ele não ia me machucar fisicamente - mesmo que eu o tivesse traído eu sabia que ele nunca iria levantar a mão para mim mas saber disso não acalmou meus nervos já desgastados. "Ele colocou as mãos em você?", Ryder perguntou, sua voz perigosamente baixa. Limpei a garganta. "Era uma brincadeira, Ryder. Inofensiva. Ash é meu amigo e nada mais. Ele flerta com todas na ala e-" "Todas na enfermaria não são minha noiva, são?" Ele me cortou, sua voz um grunhido. Meus ombros caíram. "Não, elas não são." "E por que você acha que essas brincadeiras seriam mais inofensivas por ele flertar com todas?" Apertei minha mandíbula. "Eu brinco assim as meninas o tempo todo, mas apenas porque Ash tem um pau você está ficando todo territorial." Engoli em seco quando Ryder baixou o rosto para o meu. "O único pau que deve chegar perto de você é o meu, você me entende?" Virei a cabeça para o lado. "Você não me possui, e você certamente não tem o direito de me dizer o que eu posso ou não posso fazer com meus amigos. Você me entende?" Todo o corpo de Ryder ficou tenso, e ele se afastou do balcão e começou a andar na minha frente como um leão enjaulado. "O que eu tenho que fazer?", Ele assobiou. "Mijar em você para marcar meu território?" Agarrei meu peito. "Que romântico."


Meu sarcasmo foi recebido com mais raiva por Ryder. "Corta o papo furado, Branna." "Diz o homem que constantemente vomita-o." Olhamos um para o outro por um longo momento, até seu telefone soar o sinal sonoro que quebrou o silêncio. Ele raivosamente pegou o dispositivo do bolso, pressionou a tela, leu a mensagem que recebeu e apertou sua mandíbula. "Ignore a merda do telefone por um segundo sequer e se concentre em mim!" Eu bati. "Eu estou focado em você, e isso não acabou." Ele rosnou para mim enquanto empurrava o telefone de volta no bolso. "Nós vamos continuar mais tarde." Com isso dito, ele se virou e saiu da cozinha, seus passos pesados ecoando por toda a casa. "Onde você está indo agora?" Eu berrei, jogando minhas mãos para o ar. "Você não precisa se preocupar com isso, porra!" Ele gritou de volta. Quando a porta da frente se fechou eu gritei de frustração. Sem pensar eu me virei, peguei o prato contendo as batatas já descascadas para o jantar e o arremessei contra os armários. Eu assisti quando ele quebrou em pedaços que voaram em todas as direções. Fiquei olhando para a bagunça que apenas tinha causado e desmoronei em meus joelhos. Tudo era uma confusão. Minha cozinha. Meu relacionamento. Minha vida, porra. Apertei meus olhos fechados e tentei regular minha respiração, sem nenhum sucesso - eu estava perto do meu ponto de ruptura. "Bran," Eu ouvi uma voz murmurada. Olhei para cima, e quando vi os olhos cinza de Damien... comecei a chorar.


"Ele está sendo um idiota, Bran," Damien disse enquanto se abaixava e colocava os braços em volta de mim. "Eu não queria escutar, mas ambos não foram exatamente silenciosos. Eu ouvi o que foi dito, e Dominic claramente deve ter alimentado Ry com alguma besteira para ele simplesmente perder o controle assim." Abracei Damien e deixei toda a minha tristeza sair. "Branna," Damien suspirou enquanto me balançava de um lado para o outro. "Não chore, Mamãe Urso. Vai ficar tudo bem." E isso só me fez chorar ainda mais, porque eu sabia quão falsa essa afirmação realmente era. "Não vai, Dame," Eu funguei. Ele se afastou do nosso abraço e franziu a testa para mim. "O que você quer dizer?" "Eu vou terminar com ele", sussurrei. Contar a outra pessoa sobre o meu plano, especialmente para um irmão de Ryder, fez-me senti-lo muito mais real - e muito mais angustiante. Damien engasgou. "Vocês dois só tiveram uma briga estúpida. Você não precisa se precipitar e-" "Eu tenho planejado romper com ele há algum tempo agora," Eu cortei Damien. "Simplesmente não encontrei o momento certo para fazê-lo." Damien olhou para mim com os olhos arregalados. Eu balancei a cabeça. "Você não sabe como eu me sinto." Ele piscou os olhos algumas vezes e abriu a boca, mas então a fechou. Eu senti que outra represa estava prestes a quebrar dentro de mim quando uma expressão de dor atravessou os olhos de Damien. "Não olhe para mim desse jeito", eu implorei. Ele limpou a garganta. "De que jeito?"


"Como se eu estivesse indo embora para sempre." Os músculos do queixo de Damien rolaram para trás e para frente. "Você é minha irmã mais velha, Branna," ele murmurou. "Não tê-la aqui, ou ao lado de Ryder, vai mudar tudo... apenas tudo." Meu coração doeu. "Eu sei, querido, e confie em mim", sussurrei, "eu não queria que terminasse assim, mas já aguentei essa merda de Ryder por um longo tempo. Ele me empurrou para isto e não me deixou escolha." "Eu vou ajudar a corrigir o que ele fez. Apenas me diga o que ele fez e eu vou concertar, eu prometo." Damien disse, numa tentativa quase desesperada para tentar mudar minha mente. "Querido, eu não vou sair da sua vida - não agora que acabei de ter você de volta. Eu te amo até a morte. Você e eu, nós somos família, e isso nunca vai mudar, eu estando com Ryder ou não." "Diga-me o que ele fez," Damien mordeu, me ignorando. "Eu não posso ajudar se não souber o que ele fez. Apenas me diga, por favor." "Ele fez um monte de coisas", eu respondi, meus ombros caídos. "Enquanto você esteve fora as coisas mudaram entre nós, e estão apenas indo de mal a pior agora." "Mas por quê?" Eu soltei um bufo. "Querido, eu tenho feito a mim mesma essa pergunta por meses." "Eu não entendo, Branna," Damien resmungou, franzindo as sobrancelhas. "E eu preciso entender, então me ajude. Por favor." Ele pegou minhas mãos e cuidadosamente me ajudou a levantar, então nós nos sentamos à mesa da cozinha, de frente um para o outro.


"Começou pequeno," eu comecei. "Ele saia durante a noite para malhar ou para comer alguma coisa, mas em vez ficar fora apenas por poucas horas, ele saia pela maior parte da noite. Honestamente, eu não notei um padrão até poucos meses depois que ocorreu pela primeira vez. O trabalho no hospital me deixa tão exausta que eu não sei exatamente quando ele sai do quarto à noite, porque geralmente caio num sono profundo, mas quando comecei a questioná-lo sobre isso as brigas começaram. Ele se recusou a me dizer qualquer coisa. E cada vez que eu pedi ele não me disse nada. Ele então começou a me bloquear e me ignorar. E só foi ficando ainda pior, porque nós não nos falávamos, então consequentemente nada era resolvido. Fomos nos distanciando um do outro desde então, e agora eu estou em um ponto onde quero me afastar completamente dele, para que possa começar a seguir em frente, sem ele." As sobrancelhas de Damien se juntaram. "Meus irmãos, eles sabem o que ele está fazendo?" "Estou confiante de que eles sabem." Eu engoli. "Mantenha o que estou prestes a dizer entre você e eu, ok?" Damien assentiu. "Todo o dinheiro de Ryder — nosso dinheiro — desapareceu." A mandíbula de Damien caiu aberta. "Eu não entendo. Como?" "Não tenho a menor ideia", eu disse, frustrada com a minha situação. "Eu perguntei sobre isso, mas Ryder levantou a parede e me bloqueou, então eu eventualmente parei de perguntar e só comecei a pagar as contas e a alimentação com meu próprio salário." Damien parecia mais confuso do que eu me sentia. "E fica ainda mais incompreensível," eu franzi a testa. "Jesus, como?"


Eu mordi minha bochecha interior. "O dinheiro de Dominic se foi também, assim como o de Alec. Ryder me contou sobre um mau investimento que eles fizeram com Brandon Daley. É por isso que Dominic começou a lutar novamente - ele precisava de dinheiro, e ele sabia lutar. Ele ganha muito dinheiro nas lutas, e sendo um personal trainer nem tanto. Ele tentou o lado 'normal' de trabalhar, mas é óbvio que ele acha que lutar é mais adequado para ele. E eu tenho certeza de que minha irmã está às escuras quanto ao que aconteceu com o dinheiro dele também. Ela me diria se fosse o contrário." Eu odiava não a contar Bronagh a verdadeira razão pela qual eu pensei que Dominic estava lutando pelas suas costas, mas eu não poderia fazê-lo. Não agora. Não enquanto ela estava esperando um filho dele. Voltei minha atenção e meus pensamentos de volta para Damien, e notei que ele estava processando tudo que eu disse. Eu podia ver as rodas girando em sua mente enquanto ele pensava. "Como pode eu não saber de nada disso?", Ele sussurrou depois de alguns momentos de silêncio. Eu fiz uma careta. "Você é o bebê da família. Desde o início. O objetivo sempre foi mantê-lo longe da vida a qual eles foram amarrados, e eu acho que eles ainda estão tentando protegê-lo." Damien resmungou. "Eu não preciso de qualquer proteção do caralho. Eu não sou uma criança maldita: Dominic é apenas quatro minutos mais velho que eu!" Suspirei. "Eu sei disso, querido, mas você é precioso para eles. Eles arriscaram tudo para vê-lo seguro, e essa é uma característica que está incutida neles. Você não pode culpá-los por quererem mantê-lo seguro, pode?" "Não", ele concordou, "mas eu não estou mais em perigo. Marco e Trent, eles estão mortos." "E graças a Deus por isso", eu disse e abençoei.


"Eu não vejo por que eles não poderiam me contar sobre seus problemas. Eu sou um Slater também." "Claro que você é um Slater. E você é meu irmão Slater favorito, se eu estiver sendo honesta... não conte ao Alec, embora." Damien soltou um bufo. "Você diz que eu sou um irmão Slater, mas desde aquele dia de volta a Nova York com Trent, quando ele me fez de isca em uma briga sobre o meu pai, eu me senti como nada além de um estranho da minha própria carne e sangue." "Damien," eu sussurrei. Ele suspirou. "Eu estou legal, serio. Não se preocupe comigo; você já tem o suficiente acontecendo." Eu queria discutir que eu sempre me preocuparia com ele, sem importar o que eu tinha em curso, mas ele não me deu uma chance. "Você fica aqui no caso de Ryder voltar, enquanto eu vou ver Dominic. Eu vou contar tudo isso para ele. Ele pode não falar nada para você, mas vamos ver se ele vai se calar comigo também." Pisquei. "Você parece um pouco assustador agora, Dame." Seus lábios se curvaram. "Bem, inferno. Acho que eu poderia ser um Slater depois de tudo." “Espertalhão." Ele beijou o topo da minha cabeça e em seguida saiu da cozinha, e alguns passos depois saiu também de dentro de casa, fechando a porta atrás de si. Eu não gostava do silêncio, então peguei meu telefone e disquei o número da minha irmã. Eu coloquei meu telefone contra meu ouvido e esperei ela responder. "Olá?" Um homem alegre respondeu. Dominic Slater.


"Você, seu distorcedor de palavras, levantador de peso, chupador de pau, filho da puta!" Meu futuro cunhado engasgou. "Eu nunca, e nunca irei, chupar o pau de alguém. Você esta mal informada, moça!" Agarrei meu telefone mais apertado. "Eu vou acabar com você quando te ver, Dominic." Ele ficou em silêncio por um momento, mas então disse: "Ryder falou com você, então?" "Oh, Ryder falou comigo muito bem!" Eu rebati. "Ele chegou em casa e me acusou de traição, e disse que vai quebrar um dos membros de Ash, e é tudo a porra da sua culpa!" "Quem diabos está gritando?" Eu ouvi a voz da minha irmã. "Com quem você está falando, baby?" "Bronagh!", Gritei. "É Branna?" "Sim, mas, não... hei, de isso de volta para mim agora!" "O que está acontecendo?" Bronagh me perguntou. Sua voz era clara agora, um sinal de que ela tomou seu telefone de Dominic sem muita luta. “Dominic contou a Ryder que eu o estava traindo!" Eu disse à minha irmã. "Eu disse ao canalha mentiroso que Ash e eu somos apenas amigos quando ele confundiu ver-nos brincar com algo mais que amizade, mas ele ainda chamou Ryder e contou-lhe seu ponto de vista. E agora Ryder acha que eu o estou traindo, Bronagh." "Isso tem que ser uma piada", disse minha irmã. "É uma piada, certo?" "Não", eu rosnei. "E se esse bastardo que você chama de noivo chegar perto da minha casa novamente eu vou mata-lo!" "Diga-me que ela está mentindo!" Eu ouvi Bronagh rosnar.


"Esse cara tinha as mãos sobre os quadris dela!" Eu ouvi a voz de Dominic no fundo. "Você disse a Ryder que pensou que ela estava traindo-o?" Bronagh estalou, cortando Dominic. "Eu disse a ele o que eu vi, e o que isso parecia para mim, mas ele chegou a suas próprias conclusões sozinho." "Você não contou a ele que Branna disse que foi uma brincadeira inofensiva?" Ela pressionou. "Não, eu não disse, porque-" "Saia!" Ela retrucou. "Caia fora deste quarto. Você não tem ideia do problema que acabou causar!" "Menina Bonita-" "Não, Dominic!" Bronagh cuspiu. "Saia. Fora. Vá encontrar Ryder e fazer isso direito, ou eu juro por Deus que vou fazer sua vida miserável!" As coisas ficaram em silêncio por um momento, e depois Dominic disse: "Quão miserável?" Ele era um idiota! "Muito infeliz!" Minha irmã avisou. "Você acha que tem bolas azuis agora? Você não tem nem ideia do significado desse termo ainda, e a menos que você corrija isso, você vai. Eu prometo!" Acho que ouvi uma porta bater, em seguida, veio o meu suspiro cansado da minha irmã. "Eu sinto muito, Branna," ela disse, e eu ouvi a sinceridade em sua voz. "Eu não posso acreditar que Dominic faria algo assim. Eu não sei por que ele não acredita nas coisas quando explicamos tudo em detalhes." Meu lábio inferior tremeu. "Eu também não." "Não chore," minha irmã pediu. "Esse idiota não merece as suas lagrimas; ele não vale a pena."


Esfreguei meus olhos com as costas da minha mão. "Ryder disse que ia ferir Ash. Você acha que ele vai?" Bronagh ficou em silêncio por um segundo, e em seguida disse: "Eu não sei, Bran. Talvez você deva chamar Kane e Alec. Talvez eles possam ajudar a encontra-lo? Ele os atende mais rápido do que aos gêmeos." Eu balancei a cabeça. "Essa é uma boa ideia; eu vou fazer isso agora." "Eu estou indo tomar um banho e me trocar, e então eu vou vê-la, ok?" "Ok", eu disse à minha irmã. "Eu te amo." "Eu também te amo." Quando a linha de telefone ficou muda eu abri meu aplicativo messenger e enviei uma mensagem a Kane e Alec, pedindo para virem a minha casa assim que pudessem, porque eu precisava falar com eles sobre Ryder. Eu adicionei à mensagem que ele estava bem, apenas para que eles não se preocupassem. Trinta segundos após eu ter enviado a mensagem recebi duas mensagens de volta, ambas dizendo que eles estavam em seu caminho para a minha casa. Eu não sei quanto tempo fiquei sentada na mesa da cozinha olhando para o chão, mas acordei de meu estupor quando ouvi o som de uma chave na fechadura. O barulho da porta da frente abrindo soou, e meu coração saltou para minha garganta. "Branna?" Alec chamou. Meu estômago se agitou na esperança diminuída de ser Ryder voltando para casa. "Na cozinha", eu gritei quando rapidamente peguei a vassoura e comecei a varrer a bagunça que fiz anteriormente. Alec e Kane entraram na cozinha, e ambos me cumprimentaram com um beijo na bochecha e um abraço apertado.


Quando eles recuaram, Kane franziu a testa para os pedaços de batata que eu estava limpando dos armários. "O que aconteceu?", ele perguntou. "Eu e Ryder tivemos uma grande briga." Eu suspirei. "Então eu perdi paciência e quebrei um prato. Cuidado pra não pisar em qualquer caco que pode ter ficado enquanto estou varrendo." Alec assobiou. "Será que você o acertou com o prato?" Eu balancei minha cabeça. "Eu joguei-o no armário quando ele saiu no meio da discussão. Seu telefone buzinou, e como de costume ele saiu de casa para fazer Deus sabe o que ou para encontrar Deus sabe quem." O olhar de Alec endureceu. "Ryder não está te traindo, Branna." "Porque eu deveria acreditar nisso?" Eu rebati. "Como eu deveria entender qualquer coisa que seja? Ele sai de casa por horas a fio todos os dias, ele tem saído todas as noites e ele nunca me diz onde ele está indo ou o que ele está fazendo, ou com quem. Eu não posso mais aguentar as mentiras e segredos. Não posso mais fazer isso!" Kane e Alec estavam de boca aberta quando eu terminei de gritar, e não fizeram nada para conter meu temperamento ardente. "O que eu sei é que eu quero saber o que ele está fazendo, mas não se preocupem, eu não vou incomodar vocês com perguntas. Ryder deve ser o único a me dizer o que ele esta fodidamente escondendo. Eu mereço saber." Alec coçou o pescoço. "As coisas estão muito complicadas, Branna." "Minha vida está complicada, Alec, e é por isso que eu decidi descomplica-la." Kane deu um passo adiante. "O que isso significa?"


"Isso significa", eu disse com minha cabeça erguida, "que eu estou terminando com Ryder. Eu estou planejando fazer isso por algum tempo agora, mas ainda não tinha encontrado o momento certo. Mas a realidade me bateu agora, e eu percebi que não há tempo certo, então da próxima vez eu vê-lo estarei fazendo isso.” "Você... você está falando sério, Bran?" Alec perguntou com os olhos arregalados. Eu balancei a cabeça. "Estou triste, Alec. Eu estive triste por meses. Ou nós brigamos ou ignoramos um ao outro; não há meio termo, e eu me recuso a viver assim. Eu não amo esta versão do Ryder. Eu amo o homem que ele costumava ser, e eu estive esperando pacientemente ele reaparecer. Mas a coisa é que eu mereço ser feliz, e Ryder como é agora não me faz feliz." Kane esfregou o rosto com as mãos. "Isso vai mudar..." "Tudo." Eu terminei por ele. "Sim, vai mudar tudo, e esse é o ponto. Eu não posso mais viver assim, então estou caindo fora". "Você já falou com as meninas sobre isso?", Perguntou Alec. "Keela não mencionou nada sobre você querendo deixar Ryder." "Nem Aideen." Kane entrou na conversa. "Aideen está ocupada com Jax, e Keela esta ocupada com seu livro. Bronagh está grávida, e Alannah esta com as mãos cheias com o trabalho. Elas já estão todas sob estresse o suficiente. Eu não queria sobrecarregá-las com problemas que não lhes dizem respeito, então continuei com isso apenas para mim mesma." "Nada sobre você é um fardo, Bran," Alec franziu a testa. Eu consegui dar um pequeno sorriso. "Obrigada, Alec. Eu aprecio você dizendo isso." "É a verdade maldita", Kane declarou firmemente. "Você é da família, e a família não é um fardo. Compreende?"


Eu balancei a cabeça, mas minha mente se perguntou se eles ainda me considerariam família depois que eu terminasse meu noivado com seu irmão mais velho. "Quando vocês encontrarem Ryder, por favor, não digam a ele nada sobre isso. Eu tenho que falar com ele eu mesma, ok?" Ambos os irmãos assentiram tristemente. "Qual foi a gota d’água, de qualquer maneira?" Alec perguntou um momento depois. "Qual foi motivo da grande briga?" Contei a eles o que aconteceu com Ash no trabalho no início do dia, e como Dominic contou a Ryder sobre isso. "Eu vou matá-lo!" Kane resmungou, falando de seu irmão mais novo. Alec resmungou. "Não se eu colocar minhas mãos sobre ele primeiro." Eu mordi minhas unhas. "Vocês não acham que Ryder machucaria Ash, não é? Ele é realmente meu amigo, e eu nunca iria me perdoar se Ryder o machucasse." Kane e Alec compartilharam um olhar. "O que esse olhar significa?", Questionei. Alec suspirou e olhou para mim. "Eu não vou mentir para você, Bran. Ryder... argh! Quando ele está chateado e é empurrado sobre a borda... ele pode ser assim, aterrorizante. Ele não tem sido tão irritado em um longo tempo, e eu sinceramente não acho que você já o viu perder a cabeça assim antes – e nem quero que você veja. Nós vamos encontrá-lo e trazê-lo para casa, por você, ok?" Eu engoli a bile. "Obrigada." Ambos assentiram e se levantaram. "Deixe-nos saber se ele chegar em casa primeiro, entretanto." "Eu vou."


E então eles me deixaram sozinha no meu próprio mundo, com apenas meus pensamentos como companhia, o que não era nada bom para mim porque, como no início do dia, minha mente derivou para tempos mais felizes com Ryder. Era como se eu estivesse me machucando de propósito, lembrando como as coisas já foram incríveis conosco - mas eu não conseguia evitar. Ryder, da maneira como costumava ser, era meu vício, e como qualquer viciado eu tinha que tê-lo de qualquer maneira possível, mesmo que essa maneira fosse apenas em minha memória.


Cinco anos atrás… "Basta sentar lá e contar a ela sobre Ryder." Aideen exigiu. "Ela não vai ficar louca como você acha que vai." "Mas ela vai." Eu gemi, ajustado meu telefone contra a minha orelha. "Bee não gosta de pessoas, e ela especialmente não gosta de mim com outras pessoas. Homens, em particular". Aideen estalou a língua. "Então ela vai ter que tirar esse pau da própria bunda e superar isso. Ela não pode ficar fechada para sempre, e certamente não pode esperar que você nunca tenha um relacionamento. Você está saindo com Ryder há mais de onze semanas, Branna. Quanto mais tempo você esperar pior será quando finalmente contar a ela. Você os ama, e por isso é hora de apresentá-los". "Shhhh!" Eu assobiei. "Não diga isso em voz alta!" Aideen riu. "Ninguém pode me ouvir, sua maluca." Eu relaxei. "Só não diga isso em voz alta; eu ainda estou sobrecarregada por ter sentimentos por ele. Nós só estivemos juntos por alguns meses." "Você está gastando uma porrada de tempo com ele às escondidas. O que você esperava sentir por ele, porra?" Eu fiz uma careta. "Eu não sei, mas definitivamente não era amor."


"“Bem, mas você o ama”, Aideen disse com firmeza “e não é apenas algo passageiro, porque você está com medo. Esse sentimento só vai crescer, até se tornar um amor ainda mais profundo conforme você passar mais tempo com ele". "Eu sei", gemi. "Eu sei que é hora de Bee saber sobre ele, mas eu só não sei se agora é o momento certo. Aquele garoto Nico da escola tem sido um enorme incômodo para ela, e então ela acabou saltado nessa menina um par de semanas atrás, e eu só não sei se deveria jogar essa bola curva para ela justo agora. Ela está estressada, Ado". "Traga-a para a Darkness, para animá-la," Aideen sugeriu. "Ela tem dezoito anos agora. Convide-a para tomar sua primeira bebida oficial e para ter algum divertimento. Então conte sobre Ryder ser seu namorado em algum lugar depois de sua quinta ou sexta bebida. Ela vai aceitar a notícia muito mais fácil desse jeito." Pisquei. "Essa é realmente uma boa ideia." "Eu fui conhecida por tê-las", ela sorriu. Eu sorri. "Pena que elas são poucas e distantes entre si." "Você é uma vadia", Aideen brincou e riu. "É claro," Eu provoquei, mas em seguida fiquei séria. "Que horas você vai estar no clube?" "Desculpe, querida, eu não posso fazer isso esta noite", Aideen resmungou. "Eu tenho que estar no trabalho às sete amanhã de manhã, o que significa que vou ter que acordar às seis para tomar banho. Minha classe está indo para um passeio, e sairemos da escola às oito". Eu gemi. "Você mencionou isso, mas eu não achei que fosse esta semana. Merda". Como posso fazer isso sem a minha parceira no crime? "Eu estarei lá em espírito", Aideen disse rapidamente. "Não volte atrás com isso."


"Eu não vou", suspirei, "mas vou estar mais nervosa sem você lá." "Você pode fazer isso, Bran." Eu fodidamente esperava que sim. Depois que desliguei o telefone com Aideen, aventurei-me para fora do meu quarto e desci o corredor ate o quarto de Bronagh. Bati na porta e entrei em seu espaço quando ela gritou para eu fazê-lo. Fiquei contente ao descobrir que ela não estava assistindo televisão; em vez disso ela estava lendo um livro em seu Kindle. "O que você está lendo?" Eu perguntei quando me aproximei dela. "Vida Interrompida, por Yessi Smith", ela respondeu sem olhar para longe da tela. Sorri em quão absorta ela estava. "É bom?" Bronagh concordou com entusiasmo. "Sim, mas eu realmente quero prejudicar fisicamente este personagem: ele define a palavra psicopata com maestria." Eu ri. "Parece intenso." "É", ela concordou, "mas eu gosto de intenso." Fiquei em estado inativo em sua cama por alguns momentos, e isso fez minha irmã sorrir quando mudou sua atenção para mim. "O que você quer me perguntar?", disse ela, com os olhos rindo de mim. Lambi meus lábios. "Você quer sair comigo esta noite?" Bronagh piscou. "Como ao cinema?" Eu balancei minha cabeça. "Clube." Ela arregalou os olhos. "Você quer me levar a um Clube?"


"Sim", eu falei. "Você tem dezoito anos agora, e eu quero ter algum divertimento com você. Quero animá-la depois de tudo o que aconteceu com Nico, e depois dessa briga na qual você se meteu." "Obrigada, mas eu não sou exatamente uma pessoa social, irmã. Você acha mesmo que um clube é o melhor lugar para mim?" "Você tem que começar em algum lugar, garota." Bronagh refletiu sobre isso, e eu vi nos olhos dela que ela queria para rejeitar o convite. Mas no final ela deu uma olhada para mim e suspirou em derrota. "Bem." Obrigada, Jesus. Eu gritei. "Boa Menina." "O que devo vestir?", Perguntou ela, empurrando as cobertas de seu corpo. "Vá e tome seu banho," Eu a encorajei. "Vou escolher algo para nós duas usarmos, ok?" Minha irmã relutantemente concordou com a cabeça antes de sair do quarto e ir para o banheiro. Quando ouvi a porta fechar eu escapei pelo corredor e entrei no meu quarto, onde peguei meu telefone. Eu disquei o número de Ryder e pressionei o telefone contra o meu ouvido. "Hey, doçura," ele respondeu no segundo toque. "Hey, doçura," Eu ouvi seus irmãos imitá-lo em segundo plano. Diversão me encheu. "Seus irmãos são uns pirralhos." “Estou ciente disso," Ryder disse, e então xingou seus irmãos para não fazer barulho. "O que você está fazendo hoje à noite?" Eu perguntei sobre uma risada. "Darkness", Ryder respondeu. "Dominic tem uma luta."


Oh, eu interiormente gritei. Isto era perfeito. "Brilhante", eu jorrei. "Eu estou indo para lá hoje à noite também." "Com quem?" Ryder questionou. Sua voz era profunda, e eu tive que esfregar minhas coxas juntas. Lambi meus lábios repentinamente secos e respondi: "Minha irmã." Silêncio. "Você vai nos apresentar?", Ele perguntou depois de alguns momentos. Eu mordi meu lábio inferior. "Sim. Eu quero que ela te conheça.” "Merda", ele respirou. "Eu estou nervoso agora, obrigado." Eu inesperadamente ri. "Pense em como eu me sinto! Eu estou tão assustada; nunca fiz isso com ela antes." "Nós temos isso", Ryder me assegurou. "Eu vou ser o mais doce, e não vou invadir seu espaço, assim como você disse. Vou deixá-la me conhecer em seu próprio ritmo." Deixei escapar um suspiro de alívio. "Isso vai ajudar." "Não se preocupe, Bran, ela vai me amar." Eu esperava que sim, porque eu o amava, e me mataria se Bronagh não o aceitasse.

Dominic Slater é Nico. O pequeno bastardo que vinha incomodando minha irmã na escola e tinha causado nada além de problemas para ela ao longo dos últimos meses era irmão do meu namorado. Eu tive um momento atroz quando deixei minhas emoções turbulentas assumirem meu corpo e fiz algo realmente


ruim. Deplorável, realmente. Eu soquei Dominic na cara, na frente de seus outros irmãos, e Ryder terminou comigo por causa disso. Eu não estava orgulhosa das minhas ações, mas não estava exatamente arrependida também, o que não ajudava nada minha situação, para dizer o mínimo. Não foi como eu esperava que minha noite seria. Eu balancei a cabeça quando recapitulei o que aconteceu, e antes que pudesse sentir a emoção real, engoli o restante da minha Vodka e Coca-Cola. Eu oscilei um pouco e ri de mim mesma, me perguntando quantas bebidas eu tinha consumido, mas não consegui pensar em um número. Eu tinha certeza que estava perto de algo com dois dígitos, embora. "Você está bem?", Perguntei a Bronagh quando as luzes do clube sinalizaram que todos já podiam dar o fora e ir para casa. Ela assentiu com a cabeça e riu sem motivo. "Você está bêbada," eu cantei, rindo. Ela colocou a mão em sua testa. "É muito quente aqui, eu estou derretendo." Eu peguei a mão dela na minha e puxei-a em direção à saída do clube. Nós rimos quando tropeçamos ao subir as escadas. Sentime bem, até que o ar fresco me bateu. Num segundo lembro-me de estar falando com o garoto The Destroyer com o qual Dominic/Nico lutou na plataforma na Darkness, e então, no minuto seguinte, eu estava caindo para baixo com os olhos fechados. Eu gemi quando me senti sendo levantada no ar. "Bee?", Eu murmurei. "Não é Bee." Forcei meus olhos abertos e olhei para cima. Eu enrolei meus lábios para cima com desgosto. "Me. Coloca. No. Chão."


Ryder olhou para mim e disse: "Me obrigue." Tentei levantar minha mão para fazer exatamente isso, mas não podia - eu só consegui inclinar a cabeça para trás contra o braço dele e gemer enquanto minha cabeça girava. "Você bebeu muito, caralho," meu ex-namorado rosnou. "Eu tenho observado você a noite toda, e você bateu um copo atrás do outro." Eu ri sem humor. "Eu tive uma noite movimentada; precisava de algo para relaxar." "Porra, Branna", ele respondeu com raiva, forçando seu aperto em mim. "Por que você se importa?" Eu assobiei, e tentei golpeá-lo novamente, mas não consegui. "Você terminou comigo, lembra?" "Eu me lembro", ele respondeu em um grunhido. "Mas eu não quis fazer isso." "Parecia-me que você quis fazer exatamente isso." Retruquei. Eu fui recebida com silêncio enquanto Ryder andava, me segurando contra seu peito como se eu pesasse nada. Eu grunhiu e eu gemi quando uma porta de carro se abriu e eu fui colocada no banco de trás. "Alec," Ryder resmungou. "Você dirige." "Isso está se tornando um padrão," Alec murmurou. "Apenas faça", Ryder assobiou. "Jesus, tudo bem. Devo encontrar algo para o banco de trás, no caso dela ficar doente?", Perguntou Alec, e eu senti como seus olhos desconfiados estavam em mim. "Não", Ryder respondeu a seu irmão quando entrou no carro e me puxou para o seu colo. "Nós não moramos longe, e eu vou segurá-la no meu colo. Dominic tem Bronagh."


Ouvi vozes masculinas resmungando, em seguida, um rápido, "eu disse primeiro." Foi Kane quem falou. "Que porra é essa?" Damien retrucou. "Por que eu tenho que sentar entre os meninos amantes e as irmãs bêbadas?" "Porque eu disse que sentava na frente primeiro", Kane brincou. "Você é surdo, irmãozinho?" "Foda-se," Damien rosnou para Kane, fazendo-o rir. Relutantemente Damien sentou no meio do banco traseiro e ajustou a si mesmo enquanto Dominic subia no outro lado dele com minha irmã em seu peito. "Se qualquer um deles vomitar em mim, eu estarei servindo drinks de porra." Damien alertou seus irmãos. Eu ri no colo da Ryder e disse: "Drinks de porra. Eu quero beber um desses." Isso fez com que todos os irmãos engasgassem com o riso. "Menina suja" a sexy voz de Ryder murmurou no meu ouvido. "Você pode beber o meu drink de porra quando quiser." Rosnei. "Eu vou morder seu pau fora, se você não ficar longe de mim." Ele bufou. "Você está mentindo para mim, doçura - não há muito que eu possa fazer para ficar longe de você enquanto estamos dirigindo, não é?" Eu tentei me sentar, mas a tontura me impediu de fazê-lo. "Você não deveria ter bebido tanto", Ryder resmungou quando pressionou a palma da mão contra as minhas costas e começou a me acariciar para cima e para baixo. A ação me acalmou instantaneamente. Fechei meus olhos quando me inclinei contra ele. "Você não deveria ter terminado comigo. Doeu, sabe?"


Eu senti seus lábios no meu ombro nu. "Eu não quis dizer aquilo", ele murmurou. "Eu vou levar de volta." "Tarde demais", eu disse. "Eu já estou superando você, e olhando pra frente, para a minha primeira noite fora. Eu vou estar procurando um substituto, por isso tenho certeza que vai ser uma noite de diversão." Os braços de Ryder apertaram em mim. "Eu vou espancar essa sua bunda até ela ficar vermelha se você ousar fazer algo assim.” Eu assobiei. "Você gostaria disso, seu bastardo pervertido." Meu temperamento queimou ainda mais quando os irmãos de Ryder riram - novamente. "Parem de escutar o que estamos dizendo!" Eu bati. "O que você quer que façamos?" Dominic sarcasticamente perguntou. "Desligar nossos ouvidos?" "Você não fale comigo, seu pequeno pirralho", Rosnei como um predador. "Você tem feito a vida da minha irmã um inferno na escola, e sem nenhuma maldita razão. Ela é uma boa menina, e ela nunca faz nada para machucar ninguém, mas ainda assim você fez dela um alvo! Se você acha que o soco que lhe dei foi ruim, é só esperar até que eu possa colocar as mãos em você de novo, seu pequeno idiota!" "Bem, foda-me," Kane assobiou do banco da frente do carro. "Eu ficaria com medo se fosse você, irmãozinho. Ela vai chutar seu traseiro de volta para Nova York a partir do som das coisas." "Eu posso lidar", Dominic bufou, claramente não dando a mínima por eu estar furiosa com ele. Eu gritei e estendi as mãos para agarrá-lo, mas Damien estava no caminho tornando tudo mais difícil. Tentei empurrar a


cabeça dele para baixo, para que eu pudesse chegar a Dominic, mas isso só o levou a ganir e gritar para eu parar. "Você soa como uma vadia," Alec riu do banco do condutor. Damien sentou-se, ergueu a mão para a cabeça e esfregou onde eu a empurrei. "Foda-se, idiota", ele rosnou. "As unhas dela estavam para fora." Ryder agarrou meus braços, prendendo-os junto ao meu corpo e segurando-os ao redor da minha cintura "Deixei-me. Ir." "Não", foi sua resposta imediata. "Eu não vou deixar você machucar meus irmãozinhos." "Eu não quero ferir os dois," eu cuspi. "Apenas um deles: o que está prestes a ser castrado." "Ryder", Dominic riu. "Controle sua mulher." Oh inferno, não! "Oh, merda", Ryder resmungou, e aplicou mais pressão ao seu poder sobre mim quando eu iniciei o que só pode ser descrito como um movimento louco. "Eu vou matá-lo!" Eu berrei. Damien praticamente estava contra Dominic e Bronagh enquanto me observava com os olhos arregalados. "Isto é tão insanamente quente quanto aterrorizante, tudo ao mesmo tempo", ele murmurou para o seu gêmeo valentão. Dominic riu, mas eu o vi acenar em concordância. Eu estava prestes a gritar um pouco mais de insultos ao seu caminho, mas congelei quando vi que seu foco não estava em mim, Damien ou em qualquer um dos outros – ele estava focado em Bronagh, e somente nela. Me chocou ver como ele olhava para ela: era como se ela fosse seu mundo inteiro. Ele levantou a mão e suavemente e escovou os


cabelos para trás de seu rosto. Ela levemente roncava, o que o levou a sorrir enquanto olhava para ela, seus olhos se desviando somente aqui e ali, como se estivessem tentando saborear como ela era quando estava em seus braços. Pisquei quando ele se inclinou e apertou os lábios contra a testa dela. Ele gosta dela. Eu continuei a olhar para ele, mas saltei quando Ryder falou no meu ouvido. "Sim", ele sussurrou, soltando seu domínio sobre mim. "Ele se preocupa com ela. Ele tem um jeito engraçado de mostrar isso, mas ele está tentando, Branna. Ele não entende o que está sentindo, e está custando-lhe mais do que gostaria expressar que gosta dela. Ela luta com unhas e dentes a cada passo do caminho, e está arraigado dentro dele lutar de volta quando é acuado em um canto. Quando ela é hostil, ele se torna hostil também. Eu acho que é um mau jogo, mas ele gosta dela, e não pode evitar isso." "Ele precisa se afastar dela." "Eu concordo, e poderemos falar sobre isso amanhã. Ela vai estar sóbria então, e na minha casa, então poderemos coloca-los juntos e descobrir como será a partir daqui, ok? " Eu relutantemente concordei. "Obrigado, querida." Eu fiquei tensa. "Eu não sou sua querida, Ryder." "Sim, querida, você é." Eu me odiava por querer sorrir. Alec parou em frente de sua casa e disse: "Bem-vindos a Casa-" "Slater," seus irmãos terminaram. "Nós sabemos." "Idiotas." Alec resmungou.


Eu bufei e fiz Ryder sorrir quando saímos do carro. Ele manteve um firme aperto em mim, porque mesmo que eu estivesse coerente, minhas pernas estavam bastante instáveis. Maldita Vodka, minha mente resmungou. “Era hora de você aparecer!”. Uma voz masculina gritou, seguida de risos e carros chiando até parar. Olhei em volta, e quando notei todas as pessoas que estavam chegando na entrada da casa de Ryder, me apertei contra seu peito. Seus braços vieram em torno de mim, e seu rosto encostou contra meu pescoço. "Não tenha medo", disse ele em meu ouvido. "Nós estamos dando uma festa para comemorar a vitória de Dominic na Darkness." Uma festa em casa? Fiquei rígida. "Talvez eu e minha irmã devêssemos ir-" "Dominic já está lá dentro com a sua irmã." Eu saí dos braços do Ryder e empurrei através da multidão de pessoas esperando para entrar em sua casa. Eu o ouvi gritar atrás de mim, e então amaldiçoar quando eu não me virei para esperar por ele. Eu tropecei através da porta da frente e gritei: "Bronagh!" "Estou aqui!" A ouvi chamar. Segui sua voz para o fundo das escadas, onde ela estava agora acordada e de pé, mas ainda nos braços de Dominic. Ele manteve os olhos em mim quando me aproximei deles, e eu vi flash de aborrecimento em seu rosto quando me aproximei da minha irmã e peguei a mão dela. "Nós estamos indo para casa, Bronagh." Eu disse com firmeza. "Ela quer ficar aqui", Dominic argumentou.


Eu virei meus olhos para ele e os estreitei. "Não dou a mínima para o que ela quer: se eu digo que ela está indo para casa, ela vai para casa, entendeu?" Dominic apertou sua mandíbula e assentiu uma vez, e então eu voltei minha atenção para a minha irmã. Ela estava rindo e girando no peito de Dominic, o que levou-me a libertá-la. Eu estava prestes a agarrá-la novamente quando mãos me agarraram. "Quando eu digo para esperar por mim, você porra, espera." A voz de Ryder rosnou quando ele passou os braços em volta de mim. "Eu não quero perder você de vista em uma multidão de estranhos." Lutei contra ele. "Você não deveria tê-los convidado para sua casa, então!" "Eu não convidei", ele respondeu. "Alec fez." Como se na sugestão, Alec gritou: "Feeesssttttaaaa," de algum lugar do corredor, seguido por altas e pulsantes batidas de música. Os estranhos na casa aplaudiram. Dominic riu de seu irmão, mas rapidamente voltou sua atenção para Bronagh quando ela falou com ele. "Eu quero dormir com você", ela ronronou. Todo o corpo do rapaz ficou rígido. "Dominic", Minha irmã disse numa voz ininteligível. "Você me ouviu? Eu quero abraçar você. Agora". Um interruptor capotou dentro de sua cabeça então, porque sem hesitar ele enganchou seu braço em volta da cintura de Bronagh, se abaixou e deslizou o braço sob os joelhos dela e levantou-a. Minha irmã guinchou no momento em que erguida no ar, e colocou os braços em volta do pescoço de Dominic enquanto ele protetoramente aconchegou-a em seu peito. Ele virou-se então, e em seguida começou a subir as escadas.


"Dominic!" Rosnei atrás dele, mas ele me ignorou e subiu as escadas de dois em dois degraus, com a minha irmã rindo em seus braços. Fiz um movimento para me atirar pelas escadas atrás deles, mas as mãos apertando meus quadris me impediram. Eu fiquei tensa. "Fique longe de mim, Ryder." Senti seu hálito quente no meu pescoço. "Não é um perigo, doçura," ele murmurou em meu pescoço, e apertou minha carne. "Você vai matá-lo se tiver a chance, e eu não posso permitir isso. Vai contra o código de irmãos ". "Sim, bem, deixar um estranho arrastar sua irmã para uma parte isolada de um casarão é contra o código de irmã mais velha!" "Ele. Não. Vai. Machucá-la." Eu bufei. "Ele não tem feito nada além de machuca-la desde o momento em que eles conheceram!" Ryder vaiou quando eu cavei minhas unhas nos braços que estavam em volta da minha cintura. "É isso aí", ele retrucou. Ele me soltou então, e por um misero segundo eu pensei que ele tivesse recuado - até que eu acabei sobre seu ombro quando ele me pegou como um saco de batatas. "Ryder Slater!" Eu bati. "Me. Coloque. No. Chão!" "Destiny", ouvi a risada e a voz de Damien. "Dominic esta ocupado agora, mas eu não estou. Por que você não me faz companhia por um tempo?" Esses irmãos eram algo porra a mais! Ouvi Ryder dar risada enquanto corria pelas escadas comigo pendurada de cabeça para baixo em suas costas. Eu gritei e usei ambas as mãos para evitar que meus peitos derramassem para fora do meu vestido, mas percebi que falhei miseravelmente quando ouvi


alguns assobios dos machos mais jovens que estavam na parte inferior das escadas. Eu dei-lhes o dedo até que eles estavam fora de vista. Num segundo eu estava pendurada de cabeça para baixo, e no seguinte eu estava de pé no interior do quarto de Ryder. Ele me estabilizou e me afastou dele, mantendo meu olhar fixo no seu quando chutou a porta com o pé. "Eu não estou no carro em um espaço confinado com você agora. Você não pode sussurrar no meu ouvido e me fazer esquecer o que aconteceu esta noite. Nós terminamos," Eu jorrei. "Lembro-me de como você cuspiu essas palavras, e de como você me empurrou para longe na Darkness, como se eu não fosse nada mais do que um pedaço de terra." Os músculos do queixo de Ryder rolaram para trás e para frente. "Você deu um soco na cara do meu irmão", disse ele, exasperado. "O que eu deveria fazer?" Eu quase rosnei. "Seu irmão fez da vida da minha irmã um inferno nas últimas semanas!" Ryder piscou. "Ele foi o único que esteve em duas brigas por ela, e que foi suspenso da escola no lugar dela. Ele não é o único culpado aqui, Branna." Eu fechei minhas mãos em punhos. "Nada disso teria acontecido se ele tivesse deixado-a sozinha quando ela pediu nas cinquenta primeiras vezes!" "Eu disse que ele não sabe como lidar com ela!" Ele retrucou. "Ele nunca gostou de uma menina antes, não por mais de algumas horas de qualquer maneira, mas ele gosta de Bronagh, e ele não sabe o que fazer sobre isso. Ele não tem ideia de como se aproximar dela ou de como se comportar em torno dela, e não é culpa dele - é da nossa educação."


"O que como vocês foram criados tem a ver com a forma como Dominic trata minha irmã?", Perguntei. Eu vi o momento em que Ryder se fechou, e isso me deixou puta. "Tudo bem," eu rosnei. "Não fale; eu não quero ouvir suas besteiras, de qualquer maneira." Fiz um movimento para a porta, mas congelei quando percebi que Ryder firmemente manteve sua posição na frente dele, e por como ele me olhava como um predador pronto para atacar sua presa. "Qual é o problema, Branna?", Ele perguntou quando me estudou. "O gato comeu sua língua?" Eu nervosamente engoli. "Fo... Foda-se." Ryder disparou através do espaço entre nós e segurou meu rosto. "Eu pretendo, doçura," ele praticamente rosnou. "Eu pretendo te foder até você não conseguir lembrar seu próprio nome." "Não!" Eu cuspi, e empurrei seu peito firme. "Nós estamos terminados, lembra? TERMINADOS!" "Você pode dizer isso, introduzi-lo e escrevê-lo em sua testa até, mas eu não dou a mínima, porque tudo isso não importa, porque não é a porra da verdade. Nós não estamos terminados. Nós nunca vamos estar terminados, você me entende? Nunca." Minhas pernas começaram a tremer. "Ryder-" "Branna." Ele me cortou. "Isto não é motivo de debate: nós não estamos terminados. Deixe isso para trás." Eu fechei as mãos em punhos. "Você não pode apenas decidir que não terminamos depois que já disse que terminamos! Você vai me deixar maluca com a sua indecisão!"


Ele suspirou em voz alta. "Nós. Não. Estamos. Terminados. Você é minha mulher, e eu sou seu homem. Somos namorado e namorada. Nós somos um casal. De quantas maneiras diferentes eu tenho que dizer para que você possa obtê-lo em sua tão bonita cabeça? Estamos juntos. Fim. Da. Discussão." Rosnei. "Eu odeio quão... dominador você é." Ryder sorriu para mim, e eu olhei para ele. Eu não quis dizer sexualmente, porque nós dois sabíamos como ele era dominante durante o sexo; eu quis dizer em todos os outros aspectos de sua personalidade. "Você sabe o que quero dizer", eu afirmei com raiva. "Você precisa ser tranquilo em torno de seus irmãos, e nunca expressar um problema se tivermos um. Espere até estarmos sozinhos para ser todo homem das cavernas comigo." "Eu sou uma pessoa privada", Ryder deu de ombros, não permitindo que seus olhos se desviassem dos meus. "Qualquer coisa entre nós será sempre privada se eu tiver que xingar sua bunda sexy, ou espancá-la e então beijá-la até tornar tudo melhor tudo será em privado. Eu sou uma pessoa paciente: você pode me irritar durante todo o dia que eu apenas vou sorrir e acenar... até estarmos sozinhos - então seu traseiro será meu. " Estremeci. "Eu não duvido de você." "Bom, nunca duvide de mim." Eu fiz uma careta. "Eu nunca fiz." "Sinto muito sobre esta noite, ok? Lamentei o que eu disse no instante em que saiu fora da minha boca. Eu sabia, assim como os meus irmãos, que tinha feito besteira. Foi Dominic que me disse para ir beijar seu traseiro até que você me perdoasse e me aceitasse de volta, sabe?" O irmão em quem eu fisicamente bati? Pisquei. "Dominic? Sério?"


Ryder assentiu. "Você o impressionou esta noite, e as pessoas não fazem isso muitas vezes." Isso me agradou, porque eu queria que os irmãos de Ryder me aceitassem. Mas eu não queria que ele soubesse disso, então dei de ombros como se não significasse nada para mim. “Eu lhe impressionei socando sua cara?" Ryder sorriu. "Sim." "Vocês são todos tão estranhos." "Confie em mim", Ryder riu. "Eu sei." Pensei na minha irmã e disse: "Ela realmente vai ficar bem?" Ryder assentiu. "Ele vai leva-la para a cama, mas eles vão apenas dormir, posso apostar minha vida nisso. Dominic nunca faria mal a uma mulher. Ele nunca fez mal a ninguém, a menos que não tivesse escolha. Ele não é uma pessoa má, Branna; ele só tem que fazer coisas ruins as vezes." Tem que? Esta formulação me preocupou. "O que você quer dizer?", eu pressionei. "Então, ele gosta da minha irmã, grande coisa, milhões de pessoas gostam de outras pessoas e..." "Ela é a primeira pessoa de quem ele já gostou." Ryder me cortou. Pisquei. "Como pode ser possível? Ele é lindo. Certamente, dentre todas as meninas se jogando em cima dele, uma teria que ter chamado sua atenção”. Ryder sacudiu a cabeça. "Dominic está focado, e acredita que as mulheres são uma... distração. Por um lado ele está certo. Ele luta, e não pode ser distraído quando luta, então ele se distancia das mulheres até que... precise de uma". Nojo deve ter se mostrado no meu rosto, porque Ryder suspirou e esfregou o rosto com as duas mãos. "Ele tem sexo com


mulheres, muitas mulheres, e não deixe sua idade enganá-la. Ele tem fodido mulheres mais velhas que você." Engoli em seco. "Isso é nojento! Ele é apenas um bebê!" "É o que é", disse Ryder com um encolher de ombros. "Quando ele quer fazer sexo, ele encontra uma mulher disposta e tem sexo, mas essa é a medida das coisas." "Então qual é o seu negócio com a minha irmã?", Questionei. "Ela não esta pronta. Ela nem mesmo gosta dele, então eu sei que ela não vai transar com ele.” Ryder estalou os dedos para mim. "É exatamente isso. Ele sentiu uma atração instantânea por ela, e ela imediatamente recusou. Isso nunca aconteceu antes. Eu não quero parecer pretensioso, mas eu e meus irmãos nunca tivemos dificuldades para atrair alguém em que prestamos atenção." Eu resmunguei. "Sim, abençoados, eu entendo."

vocês

são

todos

geneticamente

Os lábios de Ryder se curvaram. "Você acha que nós somos geneticamente abençoados?" Revirei os olhos. "Vocês todos são lindos, e você é todo fodão e sabe disso." Ryder teve a decência de corar ligeiramente. "Sim, bem, a genética não ajudou Dominic com a sua irmã." Dei de ombros. "Pelo que ela me disse, ele é um idiota. Por que ela iria querer ficar com um idiota?" "Você ficaria surpresa com quantas mulheres procuram um idiota achando que podem ser as únicas a finalmente endireitar um bad boy". Eu fiz uma careta. "Isso não se aplica a mim ou a Bronagh. Se você é um idiota, então é isso. Não importa quão bom ou bonito você é, nada vai brilhar mais do que a sua personalidade idiota."


"É por isso que Dominic está lutando com Bronagh. Ele é exigente por natureza, por isso, quando ele pede algo para ela, ou é duro com ela, e ela sai balançando a cabeça como se ele não fosse nada, ou pior, revida, ele não tem nenhum indício de merda de como lidar. Ele não faz ideia de como se aproximar de uma mulher assim. É por isso que ele estraga tudo com ela - ele simplesmente não sabe o que fazer quando sexo não está envolvido." Eu fiz uma careta. "Isso é meio triste, Ryder." Ele assentiu. "Eu sei que é, mas é o que é..." "É o que é," eu terminei. Seus lábios tremeram, e ele deu um passo em minha direção. "Você não acha que eu sou um idiota, não é?" Meus próprios lábios se contraíram em resposta. "O júri ainda esta deliberando sobre isso." Outro passo. "Branna," ele murmurou, seus olhos presos nos meus. Apertei meus joelhos para evitar que fraquejassem debaixo de mim, e rapidamente levantei minha mão e segurei-a para fora na minha frente. "Pare de me olhar assim, nós não terminamos de falar." Suas mãos foram para a fivela do cinto, assim como meus olhos. "Ainda não?", Ele perguntou enquanto abria a fivela. O som enviou um arrepio pela minha espinha. Branna, seja forte! Limpei a garganta e levantei os olhos de volta para Ryder, estreitando-os. "Não, ainda não."


Ryder suspirou quando viu que eu não estava recuando. Ele soltou seu cinto agora desfeito e colocou as mãos nos quadris. "Ok, conversa", disse ele. "O que mais você quer falar?" "Você disse antes que todos os comportamentos de Dominic não são culpa dele; você disse que eram culpa de sua criação. Eu quero saber o que você quis dizer com isso." Ryder apertou sua mandíbula quando eu apontei meu dedo indicador para ele. "Isso não está em debate. Eu quero saber exatamente o que você quis dizer com isso, ou estou indo embora." "Não me ameace," Ryder disse em voz baixa. Merda. "Eu não estou te ameaçando, estou prometendo a você. Fale ou eu prometo que saio." Ryder olhou para mim por um longo momento, e eu sabia que ele estava pensando se eu era digna de receber a informação que ele estava propositadamente tentando manter privada. O que me disse que isso era um segredo - um segredo muito importante. "Última oportunidade, Ryder," eu avisei. "Fale ou eu estou pegando minha irmã e saindo, e nem você ou seu irmão terão nada relacionado com a gente nunca mais." Ele curvou seus lábios para cima em frustração. "Eu estou tentando pensar em uma maneira de explicar isso para você sem assustá-la." Pisquei. "Por que iria me assustar?" "Porque", ele começou, "minha vida está há um mundo de distância da sua. Você não tem ideia das coisas que eu fiz ou que ainda estou fazendo." Eu dei um passo hesitante para trás, e isso fez Ryder sorrir. "Será que a assusta saber que eu não sou o bom moço que você pensa que eu sou?"


O que diabos isso significa? Meu coração começou a bater mais rápido quando recordei as muitas conversas que tivemos sobre o seu trabalho. Eu nunca tive qualquer informação real quando fazia perguntas sobre isso - Ryder sempre me seduzia e tudo era esquecido. "Você não me assusta, Ryder," eu respondi honestamente. Uma emoção brilhou em seus olhos, e seus ombros cederam, seu comportamento difícil desaparecendo. "Eu sei, doçura, e é por isso que eu quero as palavras certas. Você é muito importante para mim, e eu não quero que você fique com medo de mim. Nunca." Inclinei a cabeça para o lado. "Então me conte." Ele bufou. "Esta não é uma conversa que simplesmente contar a alguém; Tudo isso é... pesado."

se possa

Sentei-me na cama e dei um tapinha no lugar vazio ao meu lado. "Eu tenho a noite toda." Ryder veio para o meu lado e acomodou-se na cama. Ele se aproximou e pegou minhas mãos nas suas. "Antes de dizer qualquer coisa, por favor, saiba que eu não quero fazer o que faço - eu simplesmente não tenho escolha." Eu não gostava do som disso, mas balancei a cabeça em entendimento. "Em Nova York, meus irmãos e eu fomos criados em um composto administrado por gângsters". Eu estava esperando uma gasrgalhada, ou uma 'pegadinha' seguindo essa declaração bizarra, mas nada veio. Pisquei. "Uau."


Ryder conferiu minha reação procurando por alguma indicação do que eu estava pensando, mas eu sabia que ele iria ficar no escuro, porque nem eu sabia o que estava pensando. "Meu pai era um desses bandidos", continuou ele. "E ele era co-chefe, juntamente com um amigo chamado Marco Miles. Ambos construíram seu império a partir do zero, e pelo tempo que eu tinha vinte anos já tinham uma mão em tudo, desde prostituição até drogas e armas. Você não pensaria isso, mas era um negócio muito seguro, e eles tinham praticamente todos os tipos de aplicadores da lei em sua folha de pagamento. Os federais eram os únicos que não estavam sob seus polegares, e quando havia alguns contratempos com policiais honestos, uma recompensa para o chefe do NYPD esclarecia tudo rapidamente. Era um ambiente surpreendentemente seguro para crescer, mas nem de longe era saudável ou normal. Um bom exemplo seria o décimo terceiro aniversário dos gêmeos, quando eu e meus irmãos mais velhos arrumamos acompanhantes para eles, porque nos sentíamos mal por eles terem que se masturbar todo o tempo." Eu senti minha boca abrir, e Ryder fez uma careta. "Eu sei, e honestamente, é tão ruim quanto parece, mas era a norma para nós. Meninas, meninas e mais meninas. Armas, drogas, violência, abuso verbal... foi tudo que conhecemos, porque estávamos expostos a isso 24-7." Pisquei. "Você já usou drogas?" Ryder não parecia orgulhoso de si mesmo, mas balançou a cabeça. "Sim. Eu já me envolvi em uma série de diferentes coisas... provavelmente com qualquer grande porcaria que você possa pensar, mas eu nunca usei o suficiente para ficar viciado. Eu só fiz isso de vez em quando em festas ou alguma merda assim. Eu desisti depois de um tempo, e fui um pau no cu sobre isso com todos os


meus irmãos, para me certificar de que eles nunca tocassem no material - e eles não o fizeram. Graças a Deus." Eu conhecia o tipo de alívio que ele sentia, porque há anos rezei para que conseguisse guiar Bronagh corretamente, para que ela soubesse que não era uma boa ideia tocar nesse tipo de coisa - e eu fui abençoado por ela ser um boa garota e nunca ir nessa direção. "Enquanto eu estava usando, eu fui muito cuidadoso sobre o que eu tinha consumido, tanto que uma espécie de paranoia natural foi incutida em mim desde cedo. Eu estava consciente de tudo à minha volta, e eu observava tudo... foi por isso que Marco escolheu-me para o meu trabalho depois que meu pai... morreu." Eu sabia que seus pais morreram, eu só não sabia como - era algo sobre o qual Ryder também estava mudo. Eu não queria me intrometer, porque sabia por experiência pessoal como me sentia. "Você não tem que falar sobre eles se não quiser." "Eu quero, só que é difícil falar sobre tudo isso, merda." Ryder esfregou o rosto com a mão. "Certo, certo. Não há nenhuma maneira casual para dizer isso, então só vou falar: eles foram assassinados por Marco." Olhei para Ryder novamente, não sendo capaz de acreditar se o que ele estava dizendo era verdade. Mas então eu vi nos olhos dele que ele não estava brincando. A porra do amigo da família assassinou seus pais! Eu não poderia nem começar a imaginar como isso deve ter sido para ele. "Oh, meu Deus!" Engoli em seco e imediatamente estendi a mão e a apertei em seu braço. "Sinto muito, querido." Ryder olhou para a minha mão, em seguida, de volta para mim. "Está tudo bem, não sinta pena de mim... meus pais... vamos apenas dizer que eles não eram como os seus." Franzi minhas sobrancelhas em confusão, o que o fez suspirar.


"Minha mãe se preocupava mais com coisas materiais do que com seus filhos. E meu pai, o único interesse que ele tinha em nós era para falar para nos juntarmos à ‘empresa familiar’." Eu balancei a cabeça em choque. "Eu sinto muito. Não posso imaginar o que deve ter sido para você e seus irmãos." Ryder deu de ombros, aparentemente como se não fosse grande coisa. "Nos apoiávamos um no outro quando as coisas ficavam difíceis", explicou. "É por isso que somos tão próximos, Branna. Nós não somos uma família normal - nós morreríamos um pelo outro sem hesitação". Pisquei. "Eu morreria por Bronagh sem hesitação, então eu diria que isso é normal." Os lábios de Ryder se curvaram. "Não há muitas pessoas que se sentem fortemente ligadas à seus irmãos, mas os meus são tudo que tenho, e eu faria qualquer coisa para protegê-los. Qualquer. Coisa." Eu entendia isso. Balancei a cabeça. "Eu também." "Tenha isso em mente para o que eu tenho que dizer a seguir, ok?" Ah Merda. "Ok", eu disse cautelosamente. "Eu nunca pensei que teria que explicar isso para alguém", ele murmurou antes de fixar seu olhar em mim. "Meus pais foram assassinados por Marco para que ele pudesse se promover. Ele ficou ganancioso, e queria mais dinheiro do que eles dois juntos já tinham, de modo que traiu seu parceiro de negócios e amigo. Entenda que, na nossa vida, a lealdade é tudo. Cada. Coisa. A grosso modo, éramos uma família, e você nunca trai a família. Se você não for leal, você não é nada."


Parecia um pouco exagerado, mas eu não vivi a vida dele, então apenas balancei a cabeça em entendimento. "Quando eles morreram, não foi como se eu e meus irmãos não sentíssemos nada." Ele admitiu, esfregando os dedos sobre os nós dos dedos. "Não importa como eles nos trataram, eles ainda eram nossos pais. Dito isto, aceitamos suas mortes muito facilmente, considerando o que eles faziam, e eu sei que soa desumano, mas foi o que aconteceu. Damien, porém, ele tomou a morte deles mais difícil. Ele sempre manteve a esperança que eles iriam mudar e tornar-se afetuosos para nós. É minha culpa que ele é tão coração mole: nós mimados ele e Dominic demais, para compensar o que nossos pais nunca mostraram, eu acho." Eu não podia imaginar como era ansiar pelo carinho dos pais, mas era provavelmente porque eu sempre tive afeto dos meus. Eu fiz uma careta quando tristeza me bateu. "Pobre Damien." Pobre todos eles. Ryder manteve o rosto inexpressivo quando concordou. "Ele tinha uma namorada bonita na época, chamada Nala. O pai dela estava envolvido no negócio também, mas ela era como os gêmeos. Ela odiava o que ele fazia, mas aceitou, porque não tinha outra escolha. Os sobrinhos de Marco, Trent e Carter, eram amigos dos gêmeos, porque eram os únicos em todo o composto com a mesma faixa etária. Dominic e Carter nunca tiveram grande interesse em Nala, mas Trent tinha." "O que aconteceu com o pai de Carter e Trent?", Perguntei, me perguntando por que seu tio parecia ser o único nessa posição. "Eu não sei. Não sei nem mesmo se eles têm o mesmo pai. Eu só lembro de Marco ser sempre a figura paterna para eles, desde que eram bebês. A irmã mais nova de Marco era mãe deles, mas ela morreu de uma overdose de drogas logo após Carter nascer, assim Marco os levou e criou." Eu assobiei. "Isso é muito admirável."


Ryder gargalhou sem humor. "Não quando você perceber que Marco criou aqueles meninos para serem exatamente como ele. Eles eram pequenos bastardos do mal, e eu discuti com meus irmãos para ficar longe deles, mas os gêmeos ficavam aborrecidos com facilidade então, e Trent e Carter forneciam uma distração para o tédio." Parecia que Ryder instantaneamente se tornou a figura paterna para seus irmão mais jovens, como eu fiz com Bronagh quando nossos pais morreram. "Que idade tinham os gêmeos quando seus pais morreram?" Perguntei. "Aconteceu um par de semanas depois de seu décimo quarto aniversário." Engoli em seco. "Meu Deus!" Ryder assentiu. "Eu sei, foi um tempo de merda." Muito merda. "Não me entenda mal." Eu disse, nervosa. "Estou feliz que você esteja aqui e que eu conheci você, mas se você é tão leal a sua família do composto, por que está aqui na Irlanda?" Os olhos de Ryder desviaram dos meus por um momento. "Estamos aqui em um trabalho. O último trabalho de Dominic, na verdade." Eu o nivelei com um olhar. "Explique." “Estou tentando," ele me assegurou. "Os sobrinhos de Marco tem que ser explicados antes de chegarmos ao porquê estamos aqui, já que estão diretamente envolvidos. Eu prometo.” Eu balancei a cabeça e fechei minha boca, para que ele pudesse continuar a falar. "A curta versão da longa história: Trent ficou um pouco demasiado perto de Nala, e meu irmão pediu para ele se afastar. Damien era apenas uma criança, mas nós fomos criados em torno


da mentalidade de que nenhuma outra pessoa toca no que é nosso, e isso incluiu nossas garotas. Ele já estava à beira por causa da morte dos nossos pais, e por isso, quando Trent se fez um movimento em sua garota, ele retrucou." Abracei-me, sabendo que essa história ia evoluir de mal a pior muito rápido. "Eu não gosto de onde isso está indo," murmurei. Ryder ficou tenso enquanto continuava a me contar o que aconteceu. "Trent estalou também, e jogou a traição do meu pai no rosto de Damien, dizendo que ele mereceu o que teve. Como você pode imaginar, uma luta se seguiu. Damien pode lutar muito bem, mas Dominic se perdeu quando viu Trent bater nele. Como irmãos somos todos muito próximos, mas naturalmente o vínculo de Dominic e Damien é inquebrável, e Dominic bateu a merda fora de Trent por colocar a mão nele. A briga acabou com Trent sacando uma arma que roubou de seu tio e apontando-a para Damien." Engoli em seco, então Ryder estendeu a mão e segurou as minhas, acariciando seu polegar sobre os nós dos meus dedos, o que instantaneamente me relaxou. "Nala veio em socorro de Damien. Ela pulou nas costas de Trent e bateu a arma de sua mão. Então Damien pegou a arma e apontou-a para Trent quando ele já tinha empurrado Nala a distância. Meu irmão ignorou os pedidos de Dominic para colocar a arma no chão, e se concentrou em Trent. E quando o idiota trouxe o nosso pai de volta à conversa, Damien não hesitou. Ele atirou em Trent." Meus olhos quase saltaram para fora da minha cabeça. "Damien atirou em alguém?", Perguntei, meu choque evidente. "Sim", Ryder disse enquanto observava meu rosto como se estivesse tentando entender o que eu estava pensando.


Eu sabia que, mais uma vez, ele não seria capaz de adivinhar o que se passava pela minha cabeça, porque eu ainda não tinha ideia do que pensar. As informações com as quais ele apenas me alimentou pareciam impossíveis demais para serem reais. Eu conhecia Damien, e ele era doce e cuidadoso, e sua única característica ruim era ser mulherengo. Ele nunca me pareceu o tipo de pessoa que poderia disparar em outro ser humano. "O que aconteceu então?" Eu hesitantemente perguntei. Ryder se encolheu. "Um monte de merda ruim." "Eu estou escutando." "Você é tão persistente", ele murmurou. Dei de ombros. "Se eu vou estar com você, eu preciso saber de tudo isso. Eu não posso estar com você e continuar as cegas para a sua história". Ryder me deu um aceno de cabeça afiado antes de dizer: "Trent morreu." Meu Deus. "E Marco estava chateado. Ele não estava triste por seu sobrinho estar morto, apenas chateado porque acabou com uma bagunça que teria que limpar". Senti minhas entranhas se contorcerem. "Bastardo fodido sem coração." Ryder sadicamente perfeitamente."

sorriu.

"Sim,

isso

descreve

Marco

"O que ele fez para Damien?", Perguntei, quase com medo de saber a resposta. "Nada", Ryder disse com firmeza. "Eu me certifiquei disso, e meus irmãos também." Franzi minhas sobrancelhas em confusão, e Ryder percebeu.


"Marco sabia que eu estava pensando em mudar a minha família para fora do complexo e afasta-la da vida que tínhamos vivido. Uma vez que meus pais tinham ido embora, não havia nada para nos manter lá. Mas Damien matar Trent mudou tudo. Marco nos deu um ultimato: ou Damien morria em pagamento pelo assassinato de Trent, ou nós teríamos que trabalhar para pagar o débito." Pisquei. "Uma dívida de vida?" Ryder assentiu. "Marco alocou-nos em diferentes trabalhos, com base em nosso conjunto de habilidades individuais." Olhei para ele com horror. "Isso parece irreal." "Confie em mim, querida, é mais real do que você pode imaginar." Mudei-me para mais perto dele e segurei suas mãos com mais firmeza, deixando-o saber que eu estava ali se ele precisasse de mim. Ryder deu às minhas mãos um aperto reconfortante, e em seguida disse: "A minha atenção e habilidade de me movimentar sem ser notado me empurrou para as drogas e armas. Acontece que eu sou muito bom em movimento de embarques e em fazer acordos para Marco. Kane tornou-se seu executor, Dominic seu lutador, e Alec sua... puta". "Sua puta?" Eu questionei, minha mente girando. Ryder riu um pouco então. "Alec, como você sabe, é muito simpático. Com ambos os sexos." Ele lançou os olhos para mim e esperou por uma reação, mas ergueu as sobrancelhas quando não teve uma. Eu ri. "Se você está tentando me dizer que ele é bi-sexual, você não precisa; eu já sei. Eu o vi beijar um menino e uma menina há algumas semanas na Darkness, e ele constantemente fala sobre


meninos sexy e celebridades do sexo feminino. Não é como se ele estivesse tentando esconder que joga para ambas as equipes". Ryder sorriu largamente para mim. "Isso não te incomoda, então?" Eu levantei uma sobrancelha. "Por que me incomodaria?" "Porque algumas pessoas não aceitam isso." "Eu não sou uma dessas pessoas." "Sim", ele murmurou. "Você é incrível." Eu sorri. "Boa tentativa, mas termine o que estava dizendo antes de me seduzir." O sorriso de Ryder vacilou. "Sim, tudo bem, então Alec era basicamente uma diversão para quem Marco escolhia dá-lo." Raiva passou por mim. Rosnei. "Ele não é um maldito pedaço de carne!" "Para Marco ele é. Para Marco todos nós somos." Isso me enfureceu. "Então todos vocês trabalham nestes postos para manter Damien seguro do que ele faz?" "Sim", Ryder instantaneamente respondeu. "Era parte do acordo que ele não tivesse um emprego." Eu balancei a cabeça. "Ok, mas porque esse é o último trabalho de Dominic? E mais importante, quando é o seu último trabalho?" "O meu foi algumas semanas atrás, assim como o de Alec e Kane. Nós viajamos ao redor do mundo fazendo trabalhos para Marco por um longo tempo. Nós sabíamos que ele nunca se importou com Trent como um tio deveria; ele era apenas um peão, e sua morte na mão de Damien funcionou perfeitamente para ele. Ele podia controlar-nos e fazer um monte de dinheiro por nossa causa,


mas estamos quase terminados. Após a última luta de Dominic estamos fora." "Só isso?" Eu interroguei, não acreditando que pudesse ser tão fácil. Ryder assentiu. "Ele não pode nos forçar a ficar: nós fazemos o que ele queria de nós há anos. A dívida foi paga. Fizemos-lhe mais dinheiro do que Trent jamais poderia ter feito." Engoli em seco. "E se ele tentar fazer vocês todos continuarem trabalhando para ele?" O pensamento de Ryder sair do país, e consequentemente me deixando, foi muito assustador para pensar. "Não vai funcionar em seu favor." Ele afirmou. "Nós acabamos, Branna. Queremos uma vida longe disso tudo." Isso me aliviou muito. "Estou feliz", sorri, esperando não parecer tão aliviada quanto me sentia. Eu não queria assustá-lo por quão devastada eu ficaria se ele me deixasse. Ryder pegou meu rosto em suas mãos. "Você esta? Depois de tudo que eu te disse, você está feliz?" Eu balancei a cabeça. "Eu ainda estou tentando envolver minha cabeça em torno disso tudo, mas eu entendo você e seus irmãos muito melhor agora. E estou tão feliz que você está saindo dessa vida, porque não acho que eu poderia tomar parte nela, se você não saísse." Ryder levantou-se e puxou-me para os meus pés, e então em seus braços quando me abraçou. "Eu estou fora", ele me assegurou. "E você é minha. Eu lhe disse que a minha mentalidade é a de proteger o que é meu, e eu posso ser muito possessivo." Eu cantarolei quando ele baixou a cabeça e arrastou beijos ao longo do meu pescoço.


"Quão possessivo?" Eu disse asperamente. Ele beliscou a minha pele. "Deixe-me te mostrar." "Ryder", eu respirei quando ele chupou o local abaixo da minha orelha. Seu domínio sobre meus quadris apertou. "Espere, isso não é justo," eu ofeguei. "Esse é um ponto sensível e- oh Deus." Enquanto eu estava falando Ryder abriu o zíper do meu vestido e puxou-o até que caiu para os meus tornozelos. Ele não perdeu tempo e logo cutucou minhas pernas e colocou as mãos dentro da minha calcinha, onde instantaneamente se concentrou em meu pulsante clitóris. "Você estava dizendo?", Ele rugiu quando preguiçosamente desenhou círculos em torno do botão sensível. Segurei em seus ombros e recitei a oração do Senhor, mas quando ele apertou meu clitóris, meus apelos para o céu tornaramse audíveis. "Jesus!" eu gritei enquanto descaradamente balançava meus quadris e acariciava meu clitóris para frente e para trás sobre os dedos de Ryder. "Por que você fala tanto com Deus quando eu toco em você?", Ele disse, seus dedos me esfregando em direção ao êxtase mais rapidamente. "Ele não vai salvá-la de mim - ninguém pode me impedir de fazer você gritar quando goza." Suas palavras más, misturadas com a ação de seus dedos, me mandaram voando em êxtase. Ouvi-me gritar, e ouvi o nome de Ryder se derramar da minha boca, mas tudo soava como ruído de fundo. Meu corpo estava voltado para os deliciosos pulsos de felicidade que me encheram.


"Eu amo suas expressões faciais quando goza", Ryder murmurou no meu ouvido antes de mordiscar minha orelha com os dentes. "É sexy pra caralho." Eu gemi quando ele tirou os dedos do meu clitóris. Abri os olhos quando ele trouxe os dedos à boca, mas antes que ele pudesse chupar meus sucos deles, eu agarrei sua mão e os trouxe a minha própria boca em seu lugar. Os olhos de Ryder estavam arregalados enquanto ele observava meus lábios envolverem em torno de seus dedos. Ele assobiou quando eu suguei, e usei minha língua para deixa-los limpos. E eu cantarolei e lancei seus dedos para fora da minha boca com um pop. "Você está certo", sorri. "Eu tenho um gosto doce." "Oh. Meu. Fodido. Deus." Ryder sussurrou. Inclinei a cabeça para o lado. "Por que você fala tanto com Deus quando eu toco em você?", Perguntei, imitando seu tom de mais cedo. "Porque," Ryder rosnou quando se pressionou contra mim. "Ele precisa de elogios pela criação de um belo exemplar como você." Meus lábios se curvaram. "Sempre o falador doce." "Você me conhece." Ryder sorriu. Calor me cercou. "Sim, eu conheço você." Ryder perdeu seu sorriso e me olhou nos olhos antes de abaixar a cabeça e cobrir minha boca com a dele. Nós nos beijamos com fome, e antes que eu percebesse eu estava deitada e nua em sua cama, com seu corpo também nu pairando sobre o meu. Quando ele entrou em mim parecia que o céu, mas rapidamente tornou-se tortura quando ele parou de se mover. "Relaxe para mim, doçura," Ryder murmurou, sua voz me acariciando como um toque físico. "Eu cuidarei de você."


"Eu não posso", eu disse sem fôlego, abrindo minhas coxas ainda mais para ele. "Você precisa se mover." "Vou me mexer quando eu estiver bom e pronto", ele rugiu. Seu tom controlador só provocou ainda mais meu corpo. "Você está me matando, Slater," Eu assobiei. "Fodidamente. Me. Matando." Ryder puxou para trás, retirando-se do meu corpo, mas antes que pudesse escapar de mim completamente ele dirigiu seus quadris para frente e bateu em mim com uma sonora bofetada. Minha respiração ficou presa na minha garganta, junto com um grito de prazer. "Cuidado com a boca, ou eu vou preenchê-la com outra coisa para te calar." Arrepios espalharam-se sobre o meu corpo, e eu encontrei-me amando o quão dominador Ryder era durante o sexo. Um comando, uma advertência ou até mesmo uma pequena ameaça dele me deixava tremendo de necessidade. Eu nunca pensei em mim mesma como tendo um pequeno lado submisso, mas a minha ânsia de agradar Ryder quando ele proferia seus comandos, e minha necessidade de ouvir seus comandos durante o sexo era como um incêndio. Incontrolável. "Você gostaria que eu forçasse meu pau em sua boca, não é?" Ryder rosnou. Ele parecia aflito quando se retirou do meu corpo, antes de empurrar de volta para o meu calor. Eu gemi quando a sensação me dominou. "Sim." "Sua menina suja." Ryder provocou quando se apoiou nos braços que estavam em ambos os lados da minha cabeça. Ele trouxe seus lábios nos meus, e me deu um beijo casto antes de sugar meu lábio inferior em sua boca.


Ele cantarolava enquanto ele me sugava antes de liberar meu lábio com um pop. "Eu amo provar você", ele ofegava. "Sua boca, sua vagina, sua pele. Eu nunca vou ter o suficiente. Nunca." Eu gemi em resposta, raspando minhas unhas suavemente para cima e para baixo em suas costas, observando-o ficar tenso quando arranhava mais profundamente de vez em quando. Eu sorri quando ele me pegou olhando. "Continue assim e eu vou repartir um pouco de dor de minha autoria sobre este seu traseiro sexy", alertou. Meus olhos se iluminaram de admiração ao mesmo tempo em que as paredes da minha boceta se apertaram em torno de Ryder, fazendo-o gemer enquanto se dirigia para dentro e para fora de mim. "Isso te excita?", Ele gemeu. "Porra, baby, eu ganhei na porra da loteria com você!" Eu permiti que meus olhos rolassem para trás quando prazer me encheu. Meu queixo caiu quando o hálito quente de Ryder soprou no meu ouvido em pequenos puffs, seguidos por sua língua quente. "Ah!" Eu gritei e tentei escapar da sensação, mas não totalmente. Ryder mordeu meu pescoço e passou a língua sobre a carne entre os dentes. Ele então mordeu com mais força, e bateu em mim com tanta força que minhas costas arquearem para fora da cama. Gritei quando o primeiro espasmo inesperado de prazer passou por mim. "Foda-se!" Eu gritei. Ryder soltou meu pescoço e tomou minha boca em um beijo apaixonado quando eu senti ate meu dedo do pé enrolar com o orgasmo. Quando voltei à realidade, foi ao som da pele de Ryder


batendo na minha conforme ele me penetrava como se o próprio diabo estivesse em seus calcanhares. Minhas paredes internas apertaram Ryder, e levaram-no a mudar o ângulo de seus quadris, o que lhe permitiu estocar contra uma parte do meu corpo que deixou minha respiração presa em meus pulmões. "Só mais um, doçura," Ryder ofegou, suor revestindo sua pele em uma camada fina. "Me dê mais um." Ele empurrou para dentro de mim mais duro, mais rápido, mais áspero. Eu gritei quando tudo se tornou demais, e um segundo orgasmo de repente bateu em mim com tanta intensidade quanto o primeiro. Gritei o nome de Ryder e o ouvi rosnar meu. Seus quadris desaceleraram para movimentos lentos em seguida, e segundos depois ele escorregou para fora de mim e se virou para a esquerda, onde caiu no colchão. Ele passou o braço sobre minha cintura, uma ação que soprou de meus lábios um suspiro enquanto eu tentava recuperar o fôlego. "Eu decidi que estou mantendo-a," Ryder disse, e enquanto o colchão abafava um pouco de sua fala, eu entendi a essência do que ele disse, o que me fez rir. "Você só me quer pelo meu corpo," Eu retruquei de brincadeira. "Não", Ryder protestou. “Eu conheço tudo sobre o seu cérebro, e sua mente é seriamente excitante para mim. Tenho assistido você descobrir coisas quase que instantaneamente, e isso me excita, e não o seu corpo. Mas, hey! Acabei de perceber que seu corpo sexy está ligado a sua cabeça, mas eu vou superar a decepção com o tempo, não se preocupe." Eu estava rindo tanto que bufei. Ryder levantou a cabeça e se virou para o lado. Ele assistiu-me rir com um sorriso, e depois de alguns momentos a intensidade de seu olhar me deu borboletas no estômago.


"Parece que você tem algo a dizer," eu meditei. Ele piscou. "Eu tenho." "Fale logo, então. Estou muito perto de cair em sono profundo após o orgasmo duplo." "De nada", Ryder sorriu. "Fale," eu ri novamente. "O que você quer me dizer?" Ele ergueu a mão da minha cintura e trouxe-a para o meu rosto, onde segurou meu rosto. Ele olhou nos meus olhos por alguns segundos e, em seguida, o sorriso que eu amava esticou seu rosto. "Eu te amo, Branna." Olhei para Ryder, meus olhos arregalados e sem piscar. Ele O QUE? "Por favor", eu sussurrei depois de alguns segundos de silêncio. "Por favor, não diga isso que a menos que realmente queira dizer isso." Ele virou de lado e pressionou seu corpo nu contra o meu. "Eu. Amo. Você." Meu coração estava batendo descontrolado no meu peito, arrepios corriam para cima e para baixo pela minha espinha, e lágrimas ameaçavam cair a qualquer momento. "Como você sabe?", Eu hesitantemente sussurrei. "Talvez você esteja apenas confuso com alguma coisa; eu ouvi que uma gripe está se espalhando ao redor." Os lábios de Ryder se contraíram. "Eu sei que te amo porque penso em você o tempo todo, quero estar com você o tempo todo e te foder o tempo todo, mas é o seu sorriso que ilumina meu dia inteiro. Seu riso é o meu som favorito. Eu podia ouvi-la rir durante todo o dia. Eu amo isso. Eu te amo. Tudo sobre você combina


perfeitamente comigo, e eu sei que se eu não tiver você ao meu redor o tempo todo eu vou ficar louco. Você é minha; eu sei que é." Eu sou dele, pensei. Eu era de Ryder. "Oh Meu Deus," Eu sussurrei enquanto as palmas das minhas mãos se tornaram pegajosa de suor. Ele inclinou o rosto para baixo de encontro ao meu. "Não se sinta pressionada para dizê-lo de volta. Eu não tinha a intenção de ter essa conversa agora, mas depois de tudo o que eu te contei, eu queria que você soubesse que sou muito sério sobre você." Dane-se isso. "Eu também te amo." Eu soltei. "Eu tenho medo de quão profundamente me sinto apaixonada por você, porque aconteceu tão rápido, mas eu me sinto como me sinto, e eu te amo." Ryder trouxe seu rosto para o meu, e eu juro que o sorriso que estava no lugar em seu rosto era maior do que qualquer um que eu já vi antes. "Você sabe que eu nunca vou deixar você ir, né?", Ele murmurou. Bom, meu coração rebateu, porque eu nunca quero que você me deixe ir, de qualquer maneira. Eu esfreguei meu nariz contra o dele e falei. "Estou contando com isso, querido." Ele beijou-me profundamente e, mais uma vez, eu estava perdida nele.

Acordei quando ouvi um grito, um grito que pertencia a minha irmãzinha. "Bronagh!" Eu gritei e corri para fora da cama de Ryder, chutando suas cobertas para longe do meu corpo.


"Branna, ela está bem," a voz rouca de Ryder - que me disse que ele tinha acabado de acordar, também - me tranquilizou. "Dominic nunca iria machucá-la, prometo." Eu corri ao redor da sala enquanto vestia minhas roupas. "Eu quero ver por mim mesma, Ry!" Ryder estendeu a mão e agarrou meu braço. "Eu sei que ela é sua irmã, mas ela provavelmente esta apenas argumentando com o meu irmão, isso é tudo". Ele sabia sobre Bronagh? Eu me virei e olhei para Ryder. "Você sabia que Bronagh era minha irmã?" Ryder piscou. "Não, espere um segundo-" "Você sabia quem ela era e me deixou sair com você sabendo o que seu irmão estava fazendo para ela? Dominic também sabia? Todos os seus irmãos sabem? Estavam todos rindo de mim por acaso? Porque eu era muito ingênua para ver o que estava diante do meu nariz?" "O que? Porra, não, baby-" "Não me chame de baby, seu idiota!" Eu cuspi. Eu me virei e corri para fora do quarto, e ouvi Ryder amaldiçoando quando ele saiu da cama e apressadamente se vestiu. Corri até o topo do andar da casa, e bati na porta do quarto que eu sabia que pertencia a Dominic. "Bronagh!", Gritei, batendo os punhos contra a porta. Ryder correu até as escadas e parou atrás de mim. Ele suspirou e colocou as mãos sobre meus quadris, mas recuou quando bati em suas mãos. Eu ouvi um gemido aflito de dentro do quarto, e em seguida Dominic gritou: "Estamos ocupados!" Ocupados? Engoli em seco. Porra de ocupados!


Ouvi Ryder rir atrás de mim, então bati meu cotovelo em seu intestino, fazendo-lhe ganir. "Fique longe da minha irmã seu filho da puta pervertido, ou eu vou acabar com você!" Eu berrei. Demorou alguns segundos, mas, eventualmente, a porta do quarto de Dominic se abriu para revelar minha irmã de dezoito anos de idade, que parecia estar de ressaca como o inferno, e um seminu irmão Slater com os olhos colados em seu traseiro. Homem típico. "Não me lembro de nada ou de como cheguei até aqui, mas eu não fiz nada com ele. Eu juro!" Bronagh jorrou para mim. Eu deixei meus olhos vaguearem sobre ela, à procura de qualquer sinal de lesão, e felizmente não vi nenhuma. Mas o que não pode passar despercebido foram as mordidas de amor espalhadas sobre seu pescoço. Senti calor rastejar do meu proprio pescoço, ate espalhar-se sobre o meu rosto. "É melhor você não ter tocado nela sem permissão" "Eu não fiz!" Dominic me cortou, sua raiva evidente. "Eu não sou a porra de um estuprador!" Rosnei. "É melhor não ser, porque eu vou acusá-lo de estupro se você a prejudicou de qualquer maneira!" O sorriso de Dominic pôs uma carranca instantâneas no rosto da minha irmã, mas a resposta dele veio instantaneamente quando ele olhou para mim. "Você pode violar-me quando quiser, linda." Ele era um irmão Slater, pensei. Não havia como negar. "Você é um idiota!" Minha irmã passou por ele. Dominic acendeu os olhos para minha irmã e rolou-os. "Eu estou brincando. Não fique com raiva de mim por isso. Mesmo que sua irmã seja tão quente, você é ainda mais quente."


Será que ele realmente acha que isso foi uma coisa inteligente a dizer?, erguntei-me. Porque realmente não era. Bronagh rangeu sua mandíbula e disse: "Cai fora, Dominic!" antes de se virar para mim e agarrar minha mão. "Nós estamos indo embora!" Ela declarou. Eu balancei a cabeça, sinceramente concordando com sua decisão. Com a mão da minha irmã na minha, eu me virei e estreitei os olhos para Ryder. "Com licença." Ele não se moveu. "Eu não vou te deixar sair daqui até você me ouvir!" Ele exigiu, e a firmeza na voz dele me deu arrepios. Bronagh zombou por trás de mim, e antes que eu pudesse impedi-la, ela disse, "Você não pode mantê-la aqui, idiota." Senti a mão de Bronagh tensa na minha quando Ryder mudou seu brilho de endurecer a alma de mim para ela, e eu senti o medo que ela teve dele. Ela se mexeu atrás de mim um pouco, bloqueando a maior parte do seu corpo do olhar de Ryder. Eu tive que impedi-la de torcer meu braço fora no ângulo de tanto que ela estava puxando-o. "Não olhe para a minha irmã assim, está me ouvindo?" Eu bati em Ryder. "Você está encarando ela!" Ele esfregou o rosto com as mãos. "Bran, baby, eu não sabia que Bronagh era sua irmã. Você a chamou de Bee quando falou sobre ela. Se eu soubesse quem ela era eu teria dito a você, para que você não olhasse para mim como fez na noite passada". Eu sabia o jeito que olhei para ele na noite passada, que era igual à como eu olhei para ele apenas alguns minutos atrás. Olhei para ele como se ele tivesse me enganado. "Espere, volte e pare. Branna... você está saindo com ele?" Minha irmã perguntou, choque flagrante atado em seu tom.


Merda. Porra. "Eu não estava escondendo de você, querida." Eu assegurei a ela. "Eu o conheci na darkness algumas semanas atrás, quando estava lá com Aideen. Nós nos demos bem e tivemos alguns encontros desde então. E não estava acontecendo nada para falar a respeito, pelo menos não até que eu tivesse certeza. Eu sei como você se sente sobre as pessoas, e eu não queria traze-lo em torno a menos que tivesse certeza que ele ia ficar por perto." Eu virei meus olhos para Ryder em seguida, e descobri que ele estava olhando para mim com uma profunda intensidade. Eu estava começando a pensar que ele sempre era intenso, mas que ostentava um olhar intenso especial sempre que olhava para mim - e eu estaria mentindo se dissesse não amar isso. "Qual é o seu negócio com as pessoas, Bronagh?" A voz de Dominic perguntou atrás de mim, deixando minha irmã tensa. Senti a mão dela apertar a minha ao ponto de dor. "Não é da sua conta," Eu rebati para Dominic, e em seguida olhei para Ryder. "Eu não estou fazendo isso para ela. Ela não gosta de você, e isso significa que não vai funcionar entre nós." A dor do aperto de morte de Bronagh na minha mão não tinha nem metade do potencial da dor agonizante que rodeou meu peito quando eu disse essas palavras para Ryder. Bronagh vem em primeiro lugar, eu me lembrei. Bronagh sempre vem em primeiro lugar. O rosto de Ryder era a imagem da raiva e algo mais, então ele pegou minha mão livre e me puxou para longe de Bronagh. Ele queria conversar em privado, mas sua voz elevada significou que Bronagh e Dominic podiam ouvir tudo o que ele estava dizendo. "Você não pode simplesmente me dispensar porque sua irmã não gosta de ficar perto das pessoas, Branna. Eu realmente gosto de você, e eu me importo muito com você", ele disse, seus olhos perfurando os meus.


Eu sabia o que esse olhar significava. Ele estava me dizendo que me amava, mas não queria assustar Bronagh mais do que já tinha feito, então ele diminuiu a intensidade alterando o verbo amar para importar. Apreciei muito, e me rasgou em pedaços saber que poderia ter que deixá-lo ir. "Eu sei que você sente o mesmo por mim. Eu não quero que isso acabe. Quero que você seja minha garota. Nós podemos levar as coisas devagar. Não vou pressionar Bronagh fora de sua zona de conforto, mas por favor, não desista de mim - de nós". Bem, foda-se ele, de qualquer maneira. Eu amo este homem, e ele me amava, mas eu amava a minha irmã também, e eu não podia arriscar ela tornar-se mais retraída só para que eu pudesse ser feliz. Eu mentalmente me bati quando percebi o quão injusto isso era, mas Bronagh vinha em primeiro lugar na minha vida, e sempre viria. Ryder sentia isso por seus irmãos também, o que tornava mais difícil. "Branna," minha irmã murmurou, me puxando dos meus pensamentos e ganhando a minha atenção. "Não precisa romper com ele” ela murmurou. "Eu vou... Eu vou tentar mais dura por você. Eu prometo." Eu não consegui mais segurar minhas lágrimas depois disso. "Baby, você não tem que tentar por mim." Eu chorei. "Experimente por si mesma; essa perspectiva que você leva não é saudável. Eu quero que você deixe que outras pessoas se aproximem; você não pode ter somente a mim em sua vida. Se alguma coisa me acontecesse você estaria sozinha, e isso me apavora, Bee, mais que tudo." Bronagh ficou em silêncio por alguns momentos enquanto refletia sobre as coisas em sua mente, mas quando olhou para mim, ela balançou a cabeça e disse: "Ok, eu vou tentar. Eu prometo." Ela mudou seu olhar de mim para Ryder e levemente corou.


"Desculpe por causar problemas para você, Ryder." Ele sorriu para ela. "Eu acho que você só me salvou um monte de problemas, Bronagh." Ela sorriu para ele, e então para mim, e disse: "Eu não posso acreditar que você não me contou sobre ele. Você normalmente não pode manter nada para si mesma, assim, como você não deixou nada transparecer sobre ele está além de mim." Eu ri, funguei, e, em seguida, esfreguei minha mão debaixo do seu nariz. "Foi horrível. Eu quis lhe contar tantas vezes, mas tive que morder o lábio ou falar sobre algo aleatório." Bronagh riu. "Então, vocês dois são um casal real? Namorado e namorada?" Ryder e eu olhamos um para o outro, e ele sorriu e acenou com a cabeça. "Isto vai ser interessante." Minha irmã resmungou Ryder olhou para ela. "Por que?" "Porque ela é uma aberração", ressaltou, "e em breve você vai aprender coisas sobre ela que o terão correndo para as colinas. Por exemplo, ela é uma limpadora TOC, e tem múltiplas personalidades. Não estou brincando: ela pode ser a minha boa irmã em um minuto e minha mãe má no seguinte". Em jeito de brincadeira eu dei um tapa no braço de Bronagh enquanto Ryder riu. "Por que ela seria sua mãe ou pai?" Dominic perguntou a minha irmã. Eu tinha esquecido que ele estava lá, e a partir do olhar de choque no rosto da minha irmã, ela também. "Nossos pais morreram há nove anos, Dominic", expliquei. "Eu tenho sido sua tutora desde os meus dezenove anos. Eu assumi a guarda dela quando nossos pais morreram, então ela me considera sua irmã e sua mãe, tudo embrulhado num único pacote.


Suas memórias com eles são limitadas, porque ela era criança quando eles morreram. Ela não fala sobre eles em tudo." Olhei para a minha irmã e vi como as rodas giravam em sua mente, e naquele momento eu teria dado o meu braço esquerdo para saber o que ela estava pensando. Ela piscou os olhos depois de alguns momentos de silêncio, justo quando Dominic disse: "É por isso que você tem problemas com as pessoas? Você não chega perto de qualquer um na escola, ou das pessoas em geral, porque tem medo de que vai perdê-los como perdeu seus pais?" Bronagh arregalou os olhos. "Dominic", Ryder estalou. "Mostre alguma compaixão!" "Eu estava apenas fazendo uma pergunta." Ele se defendeu. "Quando os nossos pais foram mortos você assumiu o papel de mãe e pai, assim como Branna fez, mas eu não empurrei todos para longe de mim porque estava com medo que eles pudessem morrer. Essa é uma maneira de merda de viver." Eu queria esfolar vivo o pequeno merdinha por ser tão brusco. "Eu quero ir para casa", Bronagh disse quando lágrimas encheram seus olhos. "Bronagh", eu sussurrei, e rapidamente a segui quando ela empurrou Ryder e correu para as escadas. Ouvi Ryder gritando com Dominic, e Dominic gritando para Bronagh que estava arrependido. Os próximos minutos que se seguiram incluíram mais discussão e eu tentando bater a merda fora de Dominic por ele ser um idiota completo para minha irmã. Minha irmã, no entanto, teve o suficiente dele, e empurrou-o para a sala de ginástica para que pudessem conversar em privado. Enquanto eles falavam, virei-me para Ryder e disse: "Vai ser difícil, mas não podemos interferir com eles; eles só vão discutir com a gente e nos dizer para cuidar dos nossos próprios negócios. A menos que não tenhamos outra escolha, estamos mantendo nossos


narizes fora do relacionamento deles, ou da sua não-relação, ou do que é que fodidamente eles têm”. Ryder sorriu quando colocou um braço em volta de mim e abaixou a cabeça em minha direção: "Sim, querida." "Oh, meu Deus." Eu ri ao mesmo tempo em que Alec e Kane disseram: "Assim começa." Alec começou a fazer ruídos de chicote, que só divertiram Ryder ainda mais. Eu podia sentir seu sorriso quando ele me beijou, e isso me fez sorrir também. Eu tinha um pressentimento sobre nós. Eu não sabia se era bom ou ruim, mas era uma sensação muito forte, e eu decidi então que Ryder estava preso comigo também. Talvez me apaixonar por ele seria a melhor coisa que eu já fiz ... pelo menos eu esperava que fosse.


Dias de hoje…

"Branna?" Pisquei quando fui puxada de uma boa memória e empurrada de volta para a minha realidade sombria. Com um suspiro eu chamei: "Na cozinha, Bee." Levantei-me quando minha irmã grávida entrou na sala, seus olhos selvagens até que pousaram em mim. Quando ela me viu, uma respiração que parecia alíviada a deixou. "Você está bem." Eu levantei minhas sobrancelhas. "Por que eu não estaria bem?" Minha irmã atravessou a sala e me abraçou, e eu sorri quando senti sua barriga colidir contra mim. "Eu estava com medo que você faria algo estúpido." Eu fiz uma careta quando nos separamos. "Por causa de Dominic?" Eu interroguei. "Porque você vai romper com Ryder." Oh. Engoli em seco. "Como você-"


"Damien apareceu em nossa casa para ver se Dominic poderia ir procurar por Ryder com ele, mas antes ele começou a fazer um monte de perguntas loucas. Dominic ficou louco e tentou mover-se para uma sala diferente, para que eles pudessem falar em privado, mas Damien literalmente agarrou Dominic e prendeu-o contra a parede da sala." Bronagh disse, com os olhos arregalados enquanto contava o que aconteceu. "Branna, eu quase fiz xixi nas calça; eu estava tão assustada. Damien estava furioso com Dominic, e ele disse que você o colocou por dentro de coisas que Dominic e os outros irmãos deveriam ter-lhe dito muito tempo atrás." Minha irmã tomou minhas mãos nas dela. "Dominic não iria falar sobre isso quando eu pedi, mas Damien me disse para falar com você para esclarecer algumas das minhas perguntas." Muito obrigada, Damien! Eu gemi em aborrecimento. "Eu também não sei de nada! É uma das principais razões pelas quais eu estou terminando com Ryder!" "Basta começar do começo", minha irmã pediu. "Estou tão surpreendida por sua decisão, e sobre a merda que pude entender do que Damien estava falando. Eu sabia que você estava com problemas com Ryder, mas porra, irmã, você vai realmente afastarse dele? Você está realmente terminando com Ryder?" Eu engoliu a bile que ameaçava subir pela minha garganta. "Sim, eu realmente vou terminar com Ryder." Admiti. "Eu não tenho escolha, Bee... ele não me deixou outra escolha." "Eu não entendo." "Junte-se ao clube", eu murmurei. "Bran," minha irmã pressionou. Suspirei. "Ok, eu vou começar com Dominic. Você lembra quando ele anunciou, no dia em que Keela e Alec se mudaram, que


ele estava de volta as lutas, e que desta vez estaria lutando por Brandon Daley?" "Eu nunca vou esquecer disso", minha irmã resmungou. Eu senti pena dela. Eu sabia que a matou Dominic voltar a lutar, mas ele manteve sua promessa para ela. Não era como sua vida antiga - ele só lutava em um círculo, e era pago. "E você se lembra de como ele anunciou que seu dinheiro tinha secado?" Bronagh assentiu. "Bem, ele não foi o único irmão que de repente perdeu seu dinheiro. Alec e Ryder o fizeram também, depois de algum tipo de investimento com Brandon Daley. Eles deveriam ter pensado melhor, desde que ele é o único corrupto que era amigável com eles." Minha irmã olhou para mim. "Eu perguntei a Dominic no ano passado para onde foi o dinheiro, e ele disse que fez um investimento muito ruim." "Você sabe tipo de investimento?" Eu interroguei. "Não faço ideia. Ele me pediu desculpas e jurou que lutar na Darkness era para ganhar dinheiro rápido para nos deixar confortáveis novamente. Tem sido um ano desde que ele recomeçou, e recentemente eu lhe disse que ia conseguir um emprego para ajudar, mas ele não me quer trabalhando - ele me quer em casa com a bebê quando ela nascer." Olhei para a minha irmã enquanto ela falava. "Eu não quero brigar com ele sobre isso, sabe?", Ela continuou. "Eu tomei minhas aulas de controle de raiva, e eu já amadureci tanto mentalmente que não quero começar algo ruim quando estamos em um lugar tão bom em nosso relacionamento. Tanto quanto eu sei, o dinheiro que Dominic tinha era dinheiro de


sangue, e eu estava feliz que tinha ido embora, então eu não questionei para onde foi. Eu só aceitei e segui em frente." Eu balancei a cabeça em entendimento. "Mas agora eu estou imaginando," ela franziu a testa. Eu me encolhi. "Sinto muito. Eu deveria ter mantido minha boca fechada para Damien." "Não", Bronagh afirmou. "Você está certa. Devemos saber onde esse dinheiro foi; somos suas esposas depois de tudo, e o que é deles é nosso, certo?" Eu ri sem humor. "Depois desta noite eu vou ser uma ex." Minha irmã inclinou a cabeça. acontecendo entre você e Ryder, Bran".

"Diga-me

o

que

está

"Eu não sei o que está acontecendo com a gente, Bee, e esse é o problema. Eu não sei de nada." Bronagh piscou, então eu suspirei e contei-lhe a mesma versão abreviada da espiral em declive do meu relacionamento que dei a Damien. Até o momento em que eu tinha acabando de falar ela estava chorando, e eu queria me bater. "Bee", eu cantei. "Não chore, querida. Tudo vai ficar bem, eu prometo." "Não vai", ela fungou. "Nossa família vai ser dividida." Eu não poderia dizer qualquer coisa para fazê-la se sentir melhor, porque ela estava certa: uma vez que Ryder e eu terminássemos, a nossa família seria dividida. Para sempre. Eu teria a maldita certeza de que seria uma transição fácil para ela, embora. "Vai ficar tudo bem", eu repeti, mais firme agora. "Confie em mim, eu nunca vou deixar minha vida afetar a sua. Eu vou resolver isso com Ryder de forma que as coisas continuem tão normais quanto possível para você."


Bronagh limpou as lágrimas e disse: "Pare com isso." "Parar com o quê?", Perguntei. Ela não me respondeu; em vez disso ela disse: "Como você pode viver assim?" "Assim como?" "Você empurra as coisas sobre si mesma para debaixo do tapete. Por quê?" Eu baixei a cabeça para as minhas mãos. "Eu não sei. Eu só faço. " "Bem, pare. Você não pode continuar vivendo assim." "Existindo." Eu distraidamente murmurei. "O que?" "Estou existindo, não vivendo. Há uma diferença entre os dois." Minha irmã ficou imóvel. "Você não sente que está vivendo?" "Bronagh, eu quase nem sinto que estou existindo", admiti. "Eu estou aqui, mas ao mesmo tempo não estou. Eu apenas não me importo mais." "Eu acho que você está deprimida, Branna." "Eu acho que é pior do que isso," Fiz uma careta. "Você tem que sentir alguma coisa para estar deprimida, certo? Eu não sinto nada mais." Lágrimas reuniram-se nos olhos da minha irmã. "Bran." Eu sorri e afaguei sua mão. "Eu vou ficar bem, não se preocupe." "Pare com isso", gritou Bronagh. "Pare de colocar-se na parte inferior da lista de prioridades. Você fez isso durante toda a sua vida por mim, e eu estou cansada disso. Sua saúde mental é importante. Você porra, é importante!"


Eu recuei como se ela tivesse me dado um tapa. "Eu não posso simplesmente desligar meus instintos para protegê-la, Bronagh," disse defensivamente. Ela chorou mais. "Eu sei que você não pode, e eu não estou pedindo para parar de me proteger; eu só estou pedindo para você não me colocar antes de você mesma!" Eu não podia aceitar isso. Eu balancei minha cabeça. "Você sempre vai vir em primeiro lugar." "Talvez quando eu era mais jovem, Bran, mas eu sou uma adulta agora." Eu levantei uma sobrancelha. "Isso não muda nada. Você vai ser sempre minha irmãzinha. Eu sei que você não nasceu de mim, mas eu criei você. Você é minha, também." Não importava o que, Bronagh seria sempre minha. "Sim", ela concordou: "Eu sou. Mas mesmo irmãs mais novas tem que crescer e aprender a ter responsabilidades. Eu sei que você sempre vai se preocupar, mas parte de mim cai sobre os ombros de Dominic agora. Eu sou dele também, então é justo ele compartilhar parte da responsabilidade por mim. É para o que ele se inscreveu.” Eu engoli o soluço que queria libertar. "Eu te amo, mas eu preciso que você pare de me colocar antes de si mesma." Minha irmã pressionou. "Você é a pessoa mais importante em sua vida, e é assim que deve ser, sempre." Pisquei. "É fácil para você dizer isso agora, mas espere até você ter o bebê: ela vai ser a pessoa mais importante da sua vida." "Ela é minha filha, embora." "Você é praticamente minha filha." Eu retruquei. Os ombros de Bronagh caíram. "Touché."


"Eu ouvi o que você está dizendo, e eu te amo por isso. Eu vou trabalhar nisso, ok? Sei que você é agora uma linda borboleta que precisa de espaço para bater suas asas, e que não precisa de mim o tempo todo." Eu sorri, mesmo que quisesse chorar meus olhos para fora. "Eu sempre vou precisar de você, mas eu não quero nenhum dos meus problemas nas suas mãos." Eu balancei a cabeça. Bronagh soltou minha mão e esfregou o nariz com as costas da sua. "Eu vou dizer a Dominic que 'sou uma borboleta bonita que precisa de seu espaço para bater suas asas' sempre que ele me irritar." Eu ri, e me senti bem. Bronagh recostou-se na cadeira e apoiou as mãos em seu estômago redondo. "Quando você vai fazer?", Perguntou ela quando parou de fungar. "Você mencionou hoje à noite, mas você vai realmente fazêlo então?" Eu balancei a cabeça com tristeza. "Sim. Eu preciso acabar com isso agora que minha mente esta feita. Se eu não o fizer minha resolução vai apodrecer, e eu provavelmente nunca vou ter coragem de novo." "O que você vai fazer se ele reagir mal?" Eu bufei. "Ele vai reagir mal. Ele explodiu em mim porque pensou que eu o estava traindo. Isso só vai alimentar sua raiva, mas ele vai superar, eventualmente." "Você vai ficar bem com isso?", Perguntou Bronagh. "Com o quê?", Questionei. "A separação?" Minha irmã assentiu.


Dei de ombros. “Com tempo. Com o tempo eu vou ficar bem com isso." "Sério?" Minha irmã perguntou com uma sobrancelha levantada. "Você vai ficar bem quando o vir nos jantares de família e assistir outra mulher beijá-lo e segurar sua mão e sendo a única pondo um sorriso em seu rosto?" Eu olhei para Bronagh quando meu estômago se agitou com as imagens que ela colocou na minha cabeça. "Sim", eu quase rosnei. Ela balançou a cabeça. "Você é uma mentirosa de merda. Você está pronta para me rasgar apenas por sugerir que Ryder poderá estar com outra mulher." Eu desviei o olhar. "É porque eu não tive tempo de viver a vida sem ele. Mas eu tenho certeza que vou superar tudo muito bem. O tempo cura todas as feridas." "Bran?" "O que?" "Eu não estava brincando: você é realmente uma mentirosa de merda." Eu ri então, mas apenas para encobrir as lágrimas que de repente estavam caindo sobre meu rosto. "Hey," minha irmã murmurou. "Venha aqui." Virei-me para ela e inclinei-me para seu abraço. "Eu vou ficar bem," Eu fungava. "Não pode ser pior do que como as coisas estão agora. Estar com sem realmente tê-lo é pior do que não estar com ele em tudo." "Oh, Bran," minha irmã sussurrou. "Eu odeio a mim mesma por não ser tão cega a respeito de como as coisas estavam ruins entre vocês dois." Eu me afastei.


"Como você poderia saber?", Eu perguntei quando limpei o rosto. "Eu tenho escondido de todos; eu não quero sobrecarregar ninguém." "Como você pode pensar que algo sobre você é um fardo? Nós somos irmãs, e isso significa que tudo sobre você, mesmo suas besteiras, são importante para mim." Senti a menor oscilação no meu lábio. "Obrigada, querida." "Não me agradeça, merda," minha irmã afirmou. "Eu te amo, e isso significa que eu tenho que protegê-la, também." Eu balancei a cabeça. "Eu vou ser mais aberta com você no futuro." "Bom", Bronagh disse com firmeza. "Isso é exatamente o que eu quero. Nós seremos ambos a orelha uma da outra para desabafar quando as coisas ficam difíceis, e o ombro para chorar quando as coisas ficarem ainda mais difíceis". Eu balancei a cabeça em concordância. "Combinado." Bronagh soltou um suspiro. "O que nós vamos fazer com o que sabemos sobre o investimento dos rapazes ?" Dei de ombros. "Eu provavelmente vou conversar com Ryder, e você pode mencionar a Dominic." "Ou nós poderíamos apenas ter uma grande reunião em família com todos os rapazes, nós e as meninas, e colocarmos tudo que sabemos sobre a mesa. Se você não sabe o que esta acontecendo, pode apostar que Keela e Aideen também não". "Parece bom para mim, mas terá que ser na sua casa. Ryder pode quebrar um monte de coisas aqui esta noite... o que me lembra: eu posso ficar com você e Dominic até me organizar e encontrar um apartamento?" Bronagh olhou para mim sem expressão, piscando.


"O fato de que você ainda tem que fazer essa pergunta me irrita. É claro, porra. Aquela ainda é sua casa, também. Sempre será." Eu sorri. "Obrigada." "Posso te contar um segredo?", Perguntou minha irmã. Eu sorri. "Sempre." "Eu, Keela e Aideen planejávamos fazer uma intervenção com você e Ryder." Sentei-me e pisquei. "Eu não entendo." Bronagh arranhou seu pescoço. "Todas nós já percebemos o quão estranho Ryder estava com você, mas eu simplesmente não sabia o quão ruim as coisas eram. Você se tornou muito boa em manter as coisas pra si mesma.” "Que tipo de intervenção vocês três estavam planejando?" Eu pressiono. Os lábios de Bronagh se contraíram. "Ontem à noite no apartamento de Aideen e Kane, decidimos que usaríamos Ash Wade... como um peão da sorte. Eu sei que você é amiga dele, e eu ia pedir-lhe para realmente flertar com você sempre que um irmão estivesse por perto, então ele iria contar para Ryder. Eu achava que ele ia acordar e deixar seu instinto de Slater aflorar, e então reclamaria você". Olhei para minha irmã por um longo momento, e depois cai na gargalhada. "Instinto de Slater?" Eu repeti. "O que eles são? Animais?" Bronagh riu também. "Eles poderiam ser: eles são todos muito possessivos sobre nós, e eu queria usar isso para nossa vantagem nesta situação - mas meio que o tiro saiu pela culatra. Eu nunca falei com Ash sobre isso, e quando Dominic pensou que você estava flertando hoje cedo e foi e contou ao Ryder, tudo saiu do controle. Eu balancei a cabeça, ainda rindo.


"Eu vou dar-lhe pontos por fazer um plano em primeiro lugar." Eu meditei. "Eu sabia que vocês três estavam tramando algo quando eu vi todas vocês na noite passada." Bronagh segurou seu lado enquanto riu, mas parou quase que instantaneamente quando a porta da frente da minha casa se abriu e fechou. "Branna?" Ah, porra. "Merda", eu sussurrei e saltei para os meus pés, ao mesmo tempo em que minha irmã fez o mesmo. "Não interfira quando eu estiver falando para ele", disse Bronagh para mim, e olhou para a porta da cozinha até que Ryder apareceu. "Você é a porra de um idiota!" Minha irmã gritou assim que o viu. "Eu odeio você e o que você tem feito para ela. Você quebrou o coração da minha irmã, seu filho da puta!" Duplamente Porra! Ryder olhou para a minha irmã, e eu vi a dor em seus olhos. "Bee" "Não!", Ela o interrompeu, seu corpo tremendo. "Não se atreva a me chamar assim, Ryder." Ryder pareceu aflito quando deu um passo em sua direção. "Criança, por favor, eu vou consertar tudo. Juro pela minha vida.” Bronagh rosnou, seu rosto ficando vermelho de raiva. "Eu disse naquele dia que Aideen estava no hospital após o ataque que ela ia deixá-lo por causa da maneira como você estava tratando-a, e eu estava certa." "Eu sei." Ryder respondeu quase que instantaneamente. "Você se lembra do que mais eu disse?", Ela questionou.


Sem hesitar Ryder respondeu: "Você me disse que quando ela tivesse a coragem de me deixar eu finalmente perceberia o quão incrível ela é." Eu não podia impedi-los de falar como se eu não estivesse na sala. "Bronagh, acalme-se, agora," eu exigi. "Isso não é bom para você, nem para o bebê. Relaxe, caramba." Minha irmã se afastou de Ryder e olhou para mim. "Eu estou indo para casa para que ele possa corrigir isso." Ela não sabia que entre Ryder e eu nada mais era corrigível, especialmente após a conversa que tivemos mais cedo, mas para evitar acumular mais stress sobre ela, e para removê-la da presença de Ryder, eu não protestei sobre ela sair. "Bee", disse Ryder. "Eu vou fazer isso direito." Ela o ignorou e me disse, "Eu te ligo mais tarde, mas se você precisar de qualquer coisa antes de ouvir de mim de novo, pegue o telefone e eu vou estar aqui." Ela virou-se e saiu - ou gingou para fora da cozinha e, em seguida, para fora de casa, batendo a porta atrás dela. "Ela me odeia." Ryder disse com os ombros caídos. Confortá-lo era a última coisa que eu deveria ter pensado em fazer, mas terminando ou não, este homem era tudo para mim, e eu não podia suportar vê-lo sofrendo. Esse conhecimento me machucou, porque tanto quanto eu disse a mim mesma que não adorava esta versão dele, eu sabia que não era verdade. Eu estava apaixonado por Ryder de qualquer maneira que eu pudesse tê-lo – isso era o quão profundamente eu o amava. "Ela não te odeia", murmurei. "Os hormônios dela estão por todo o lugar, e ela só está chateado porque eu estou chateada. Não se preocupe com isso, ela vai falar com você amanhã."


"Por que você faz isso?", Perguntou Ryder, olhando para mim com uma expressão que eu não podia ler. Eu estava perplexa. "Faço o quê?", Perguntei. "Você está tentando me fazer sentir melhor sobre Bronagh porque eu disse que ela me odeia. Você está tentando me salvar de ser ferido mesmo quando está furiosa comigo." Eu mordi minha bochecha interior. "Bronagh diz que eu faço o mesmo com ela porque sou muito protetora. Talvez eu esteja fazendo o mesmo por você, também." Ryder deu um passo em minha direção. "Sinto muito pelo que eu disse a você mais cedo." Me afastei. "Você me machucou", eu disse. "Acusou-me de traição. Era algo que eu nunca pensei que você diria para mim." Outro passo. "Me desculpe, eu não quis dizer isso. Eu só imaginei esse tal Ash tocando em você, e fiquei com tanta raiva que te ataquei." Dei de ombros. "Estou acostumada a você me tratando mal." Parecia que eu tinha acabado de dar um tapa no rosto de Ryder. "Por favor, não diga isso", sua voz baixou. Lambi meus lábios secos. "Eu machuco você e você me machuca. É assim que as coisas estão entre nós agora". Os olhos de Ryder procuraram os meus, e o que ele viu fez sua cabeça cair. "Eu não sei como chegamos aqui, Branna." Meu coração começou a bater acelerando contra o meu peito.


"Eu também não." Ryder conversar."

engoliu.

"Eu

acho...

Acho

que

nós

deveríamos

Eu achava também, e isso me matou, porque eu não queria dizer o que precisava ser dito. Mas eu tinha que fazer. Por ambos, eu tinha que fazer. "Sim, nós temos." Ryder inclinou seu ombro contra a parede. "Eu sinto que o resultado dessa conversa vai me quebrar. Estou certo?" Quebrá-lo? Ele? Eu o encarei. "Eu não sei. Vai depender de como você reagir ao que eu tenho a dizer." Ele apertou sua mandíbula. "Diga." Era isso. "Eu acho que você sabe o que eu vou dizer." Ele assentiu. "Eu acho que sim, também, mas eu quero ouvila falar as palavras." Minhas mãos se tornaram pegajosas de suor. "Eu não posso mais fazer isso, Ryder." "Diga, Branna." Eu era sempre Branna ou Bran agora, nunca Doçura, e era patético o quanto eu sentia falta dessa expressão de carinho. As lágrimas que estavam assentadas sobre a borda dos meus olhos finalmente se espalharam e salpicaram as minhas bochechas. Dor pulsou em meu peito. Este era realmente o fim de nós. "Você se sente da mesma maneira que eu, eu sei que sim." Eu funguei, rapidamente enxugando minhas lágrimas. "Nós não fazemos mais um ao outro feliz." Ele se afastou da parede e deu um passo em minha direção.


"Diga." Eu comecei a soluçar. "Eu não sei o que mais você quer que eu diga!" "Diga a porra das palavras." Ele exigiu. "Se você vai terminar comigo, você tem que dizer em voz alta. Eu quero ouvir você dizer isso." Engoli em seco e olhei para o chão, em seguida, com o coração pesado eu disse "Ryder... Eu estou... Eu estou terminando com você." "Não." Eu olhei para ele e pisquei em confusão. "O que você quer dizer com não?" "Nós não estamos rompendo", afirmou ele com o rosto vermelho. "Nós não estamos desistindo apenas porque a merda ficou difícil. Nós vamos lutar." Ele estava me matando. "Temos lutado" "Um com o outro, e não um para o outro." Eu fiquei em silencio enquanto Ryder continuou. "Nós vamos começar de novo. Eu não sei onde foi que perdemos um ao outro, mas se voltarmos para o início, podemos encontrar o nosso caminho de volta um para o outro. Eu sei que podemos." Eu me senti sem esperança. "Então nós estamos voltando para o começo, para à fase de namoro?" Eu interroguei, balançando a cabeça. "Sim." Ryder respondeu com firmeza. "Isso é exatamente o que vamos fazer." Limpei meu rosto com as costas das minhas mãos quando mais lágrimas caíram.


"Por quê?" "Porque eu vou fazer você se apaixonar por mim outra vez." "Não diga coisas assim para mim!", Gritei. "Você não pode dizer coisas assim e esperar que eu acredite em você. Você me prometeu o mundo quando ficamos juntos pela primeira vez, prometeu sempre cuidar de mim, estar sempre aqui para mim, mostrar-me sempre o amor. Você jurou que iríamos envelhecer juntos, mas a única coisa que temos feito é ficar cada dia mais separados." "Eu não acredito nisso", respondeu Ryder, e as veias em seus braços incharam quando ele esticou seu corpo. "Então eu não sei o que dizer!" Eu rebati. "Se você não pode ver o que está acontecendo ao longo do último ano, então simplesmente explicar não penetrará em sua mente maldita!" "Você tem que confiar em mim, Branna", Disse Ryder, chocando o inferno fora de mim. "Confiar em você?" Eu repeti. "Confiar, porra, em você! E quanto a você confiar em mim? Para onde foi a confiança quando eu implorei para que você me dissesse aonde você vai a cada noite, ou por que está sempre em seu telefone, ou por que você corre para o chuveiro logo depois de chegar em casa? O que aconteceu com a confiança quando essas perguntas não tiveram resposta?" "Você vai ter as respostas a essas perguntas em quarenta e oito horas. Me dê esse tempo, e quando tudo acabar eu vou explicar o que aconteceu desde o começo. Eu vou responder a cada pergunta que você jogar em mim cinquenta vezes. Por favor." Eu estava confusa. Eu me sentia magoada, e minha cabeça doía a ponto de eu ter que fechar meus olhos e achatar a palma da mão sobre a testa, numa tentativa de acalmá-la de alguma forma. "Eu não entendo." Sussurrei, abaixando a mão para o meu lado e reabrindo os olhos. "Por que quarenta e oito horas a mais? Por que não agora?"


"Porque daqui a quarenta e oito horas que posso livremente dizer-lhe." Inclinei a cabeça para o lado. "Significa que agora você não pode livremente me dizer?" Ryder acenou com a cabeça. Uma vez. "A única coisa em que posso pensar é: por quê? Por quê? Por quê? Porra, por quê?" Minha voz subiu uma oitava a cada pergunta feita. "Branna," ele disse com firmeza. "Confie em mim." Exaustão me bateu naquele ponto. "Eu não posso fazer isso, Ryder. Você está me matando." "Basta ouvir-me com cuidado," ele disse quando se aproximou de mim, pressionando seu peito contra o meu, relembrando-me a sensação de sentir meu corpo moldado contra o dele. "Eu te amo. Sei que as coisas estão no ar com a gente agora, e que eu não tenho mostrado merda nenhuma ao longo do último ano que possa fazer você acreditar em mim quando digo isso, mas eu te amo. Eu nunca disse essas palavras para qualquer outra mulher na minha vida. Lembre-se que em quarenta e oito horas vamos botar tudo isso para fora". Lentamente eu balancei a cabeça, porque queria que ele parasse de falar. "Eu sei que você me ama, ou o homem por quem eu me apaixonei me ama, mas eu não sei se isso ainda é suficiente, Ry." "Sempre será o suficiente, e eu vou provar isso para você." Eu queria acreditar nele, Deus sabia o quanto, mas eu não podia deixar-me esperar mais de nós. A mágoa que eu sentia quando as coisas desmoronaram era muito grande. De alguma forma eu permaneci forte. "Terminamos, Ryder."


"Não, Branna, nós não terminamos. Eu disse há cinco anos que nós nunca íamos terminar, e eu falei fodidamente sério. Você é o meu mundo, e eu me recuso a vê-lo, você, desintegrar-se em torno de mim. Porra. Não. Eu vou corrigir isso, eu juro." Ele se virou e sem outra palavra saiu de casa. Quando ouvi a porta da frente se fechar eu caí de joelhos e deixei escapar o soluço que queria desesperadamente se libertar. Eu passei meus braços em volta da minha cintura, me abraçando enquanto me balançava para frente e para trás. Eu consegui, humildemente pensei. Eu terminei com Ryder... mas ele se recusou a me deixar ir. Uma grande parte de mim se agarrou a isso, como se fosse um sinal de que algo poderia ainda ser aproveitável entre nós, mas eu me forcei a calar esse raio de luz com esmagadora escuridão. Eu não podia me permitir agarra-me em palhas assim. Eu não podia me permitir pensar que aconteceu algo além de uma ruptura, porque se eu deixasse minha mente dispersa, eu pensaria em cenários onde as coisas poderiam terminar de forma diferente, e isso me assustava. Eu estava com medo de deixar Ryder voltar e ele me fechar para fora de novo - porque se isso acontecesse, eu iria parar de funcionar completamente. Eu estava com medo que ele pudesse me arruinar tudo de novo.


Cinco anos atrás… "Dominic e Bee estão namorando, ou estão prestes a começar a namorar." O pé de Ryder deslizou da embreagem de seu carro, e a caixa de velocidades fez um som profano que me fez estremecer. Ele rapidamente mudou de marcha até que o carro estava ronronando bem mais uma vez. "Você quer explicar isso para mim?", Ele perguntou, sacudindo os olhos da estrada para mim, em seguida, de volta para a estrada. “Porque ate onde eu sei nós estamos a caminho para o hospital para ver sua irmã, que se machucou enquanto estava batendo no meu irmão, porque ele estava batendo no encontro dela.” Eu não precisava de um lembrete; Eu tinha acabado de dar um telefonema para Aideen explicando a ela que eu iria cuidar de Dominic, para saltar Gavin, seu irmãozinho. Ela teve que impedir seus outros irmãos de encontrarem Dominic e baterem a merda fora dele. Eu tive que convencê-la a não acabar com a vida do próprio Dominic, também. O último foi comprovadamente o mais difícil, mas eu consegui convencê-la que iria fazê-lo pagar, e eu o faria. De alguma forma. "Você ouviu o que aconteceu quando ele me ligou depois que Bronagh chamou Kane" Ryder continuou, recuperando minha


atenção, "então, como você chegou à conclusão de que eles estão namorando ou quase namorando?" Será que todos os homens têm esses pequenos cérebros?, eu me perguntava. Ou apenas o meu homem era o sortudo? "Eu não estou negando que Bee gosta de Gavin Collins, porque se eles tivessem tido a chance, tenho certeza que se dariam muito bem. Eu adoraria vê-la namorar o irmão da minha melhor amiga." "Estou sentindo um grande mas aqui," suspirou Ryder. "Mas", eu sorri, "mesmo que ela tenha ido a um encontro com Gavin esta noite, ela gosta de Dominic, embora ele tenha sido o rei de todos os idiotas desde o momento em que se conheceram. Ir a um encontro com Gavin é a maneira dela de tentar forçar Dominic fora de sua mente. Algo sobre o rapaz chama a atenção dela, assim como como algo nela chama a atenção dele. Você entende?" "Não, não em tudo." Ryder exalou. "Você diz a palavra 'ele' e 'ela' de forma tão confusa. Você sabe o que? A letra A e E no final é apenas completamente ignorada." Eu cruzei os braços sobre o peito. "Agora não é o momento para jogos de pronúncia. O que vamos fazer sobre os nossos irmãos?" "Rezar para que eles não sejam presos?" Rosnei. "Seja sério." "Eu sou", Ryder disse, estressado. "Dominic está sobre gelo muito fino, porra. Ele poderia ter sido preso por brigar com Gavin na escola, embora tenha se safado. Ele poderia ter acabado preso quando lutou com o tal Jason também, ou o segurança do McDonald poderia tê-lo retido até que os policiais chegassem esta noite. Ele está todo atrapalhado, e tudo porque não sabe como lidar com sua irmã." Esfreguei o rosto com as mãos.


"Você não pode falar com ele sobre isso?”, Perguntei. "Talvez dar a ele algumas dicas sobre como se aproximar da minha irmã? Ele ainda tem a mentalidade de que quando ele diz para saltar, as mulheres vão perguntar ‘quão alto?’. Isso não vai acontecer aqui, mas essa é a reação que ele fica tentando obter ao ser mandão e intimidante com Bee." Ryder bufou. "Diga-me algo que eu não sei. Estive em todo o mundo e nunca conheci mulheres como você, sua irmã, ou Aideen. Mulheres irlandesas podem ser aterrorizantes. Estou contente por meus irmãos não conhecerem Ado ainda: ela vai horroriza-los." Isso me divertiu muito. "Converse com seu irmão sobre isso." "Depois de hoje à noite?" Ryder bufou. "Ele definitivamente sabe." Desviei o olhar quando meus lábios formaram um sorriso. "Eu te amo", Ryder disse, pegando-me desprevenida. Eu me virei e olhei para ele com olhos de adoração. "Eu também te amo, querido." Seu lábio se contraiu enquanto ele observava a estrada. "Não que eu não aprecie que você diga que me ama, mas por que dizer isso agora?" Ryder deu de ombros. "Quando estamos em torno de Dominic e Bronagh, acabamos brigando porque eles estão lutando, e sempre sentimos a necessidade de defender nossos irmãos pequenos. Eu só queria dizer que te amo mais uma vez hoje, no caso de acabarmos na garganta um do outro em uma hora." Não pude deixar de sorrir. "Isso é muito doce, sabia?" Ryder olhou para mim e sorriu antes de voltar os olhos para a estrada.


"Eu tenho meus momentos", ele meditou. "Mas eles são poucos e distantes entre si", retruquei, rindo. "É por isso que quando meus momentos surgem eu os torno conhecidos." Eu ri. "Nós vamos ficar bem," assegurei a ele. "Quero dizer, qual é o pior que poderia acontecer?"

"Você entende que se o garoto que você atacou prestar queixa, você vai ser presa por agressão, senhora?" O pior aconteceu. Quando Ryder e eu aparecemos no pronto socorro eu estava calma. Muito. Malditamente. Calma. Quando minha irmã me ligou e me contou o que aconteceu, eu estava pronta para acabar com Dominic Slater, mas na viagem de carro para o hospital Ryder me relaxou, e eu cheguei a um ponto onde estava disposta a vê-lo e me comportar como um ser humano normal... até que eu fui até o escritório da enfermaria de triagem e vi Bronagh apertando a mão em seu peito - e Dominic invadindo seu espaço pessoal. Não há outra maneira de descrever o que aconteceu, eu só me perdi. Eu pulei em cima dele, e considerando que eu não era uma pessoa forte e nem sabia exatamente como lutar, eu puxei seu cabelo, rasguei sua camiseta, dei um tapa em sua cabeça e consegui dar em um soco sólido em seu rosto antes de Ryder levarme embora. As coisas ficaram sérias então: seguranças do hospital tinham me retido e chamado a Policia. Eu estava furiosa com Dominic, mas ainda mais comigo mesma por me comportar de forma tão irracional. Se eu fosse presa eu estava ferrada. Eu não sabia se o Conselho de Saúde da maternidade me permitiria manter meu


trabalho voluntário, ou se poderia oferecer-me um emprego permanente uma vez que me formasse em poucos meses, se descobrisse sobre isso. Eu não sabia com certeza se isso iria significar um problema em meu registro, mas realmente não queria descobrir. "Então deixe-me ver se entendi", o Guarda masculino me questionou com um suspiro cansado. "O homem que você atacou é irmão mais novo do seu namorado, e também namorado da sua irmã mais nova. Eu estou falando isso direito?" Ambos, Ryder e eu, balançamos a cabeça em uníssono. O Guarda suspirou novamente. "Eu não ganho o suficiente para isso." Ryder bufou, mas encobriu-o com uma tosse falsa. "Ok, então por que você atacou..." "Dominic", eu disse, enchendo o espaço em branco. "Dominic", o Guarda assentiu. "Por que você atacou Dominic?" "Bem, você vê, desde que ele se mudou para cá há alguns meses ele tem sido nada além de um incômodo para a minha irmã. Ele a aborreceu na escola, e é muito afobado com ela, e isso tudo porque ele realmente gosta dela, mas não sabe como lidar com uma menina tão introvertida e resoluta. Eles são pólos opostos um do outro, mas por alguma razão desconhecida ela gosta dele também, mas não o quer. Ela foi a um encontro hoje à noite com um rapaz bonito de sua classe, apenas para se distrair um pouco, sabe? Mas então Dominic apareceu, arruinando a noite por brigar com o encontro dela. Isso a forçou a defender seu encontro, machucando a própria mão ao tentar bater em Dominic. Foi assim que ela acabou aqui. Ela então me ligou e me contou o que aconteceu, e obviamente eu fiquei furiosa. Quero dizer, ela é minha irmã mais nova, e quando eu vi Dominic, o desejo de bater a merda fora dele me consumiu, e então você e seu parceiro foram chamados e, bem, sim. Foi o que aconteceu."


Quando terminei de falar, o Guarda olhou para mim por alguns momentos sem piscar. Quando ele voltou para a terra dos vivos, depois de mais de dez segundos de apenas olhar em silêncio, ele balançou a cabeça e disse: "Eu definitivamente não sou pago o suficiente para isso." "Se você acha que isso soa ruim," eu me encolhi, "você deveria tentar viver com a gente." O Guarda rapidamente sacudiu a cabeça. "Não, obrigado." Sua resposta imediata fez Ryder rir, e meus lábios se contorcerem. Quando o homem terminou de escrever o que quer que ele estava escrevendo em seu bloco de notas, ele olhou para mim e, em seguida, para Ryder, e disse: "O rapaz não vai ser prestar acusações contra a sua patroa, vai?" "Minha patroa?" Ryder questionou, claramente confuso, se a sua expressão facial fosse qualquer indicativo. O Guarda suspirou. "Sua namorada, Srta Murphy.” Eu sorri e vinculei meu braço com o de Ryder. "Ele ainda está se costumando a como falamos, mas está ficando... muito melhor em compreensão de gíria. Então, por favor, não use isso contra ele." "Eu nem sonharia com isso", o Guarda murmurou. "Como eu estava dizendo, o seu irmão não vai prestar acusações contra Branna Murphy, vai?" "Não, ele não vai." Ryder respondeu quase que imediatamente. "Eu garanto que ele estará dizendo ao seu parceiro que não há nada a relatar." O Guarda suspirou pelo que parecia ser a vigésima vez. "Imagino que sim, Sr. Slater, mas até meu parceiro voltar e me dizer isso, eu tenho que fazer algumas perguntas e anotar o que você diz, Branna Murphy. OK?"


Eu balancei a cabeça em entendimento. O Guarda, em seguida, fez mais algumas perguntas padrão, e quando terminou, guardou o bloco de notas e caneta. "Eu vou fumar do lado de fora enquanto esperamos. Eu não deveria deixá-los agora, mas eu concordo que Sr. Slater não vai prestar queixa, então, quando meu parceiro voltar, nós poderemos sair. No entanto, isso não muda o resto: você ainda tem que esperar até ser liberada", disse ele, me nivelado com um olhar. "Você fica aqui. Se eu tiver que ir procurar por você, eu vou prendê-la e deixála nas selas da delegacia até amanhã manhã, certo?" "Entendido," Eu balancei a cabeça com firmeza. Dez segundos após o Guarda sair e acender um cigarro, virei me e me dirigi para a porta dupla que dava para a parte de trás, onde Bronagh e Dominic estavam. "Branna," Ryder assobiou. "Droga, o policial disse para esperar aqui." "Eu o ouvi", eu respondi, ainda caminhando. "Então por que você está caminhando para as portas?", Perguntou Ryder, soando como se fosse me estrangular. "Eu quero verificar minha irmã." "Branna-" "Eu estarei de volta antes que ele volte. Promessa." "Oh, meu Deus!" Ele retrucou. "Você é inacreditável, mulher." Eu passei pelas portas duplas, e depois de apenas um par de segundos senti uma presença atrás de mim. “Será inteiramente sua culpa se você for presa." Pelo menos nós descemos juntos. Eu sorri. "Anotado." "Então, onde estamos indo?" Ryder perguntou em um suspiro quando começou a andar ao meu lado.


Dei de ombros. "Procure para uma sala de exames: ouvi a enfermeira dizer que ela estava levando Dominic lá para pontos, e em seguida levando Bee para lá depois de seu raio-X. Eu sinto que o seu irmão vai se certificar de acabar no mesmo quarto que minha irmã." "Ela está se tornando uma fraqueza para ele, e eles não são nem mesmo um casal." "Ainda." Eu disse. "Não vai continuar assim por muito tempo." Pensei enquanto espiávamos em cada sala de exames pela qual passamos. Quando chegamos ao final do corredor, olhei no quarto final e congelei quando vi que tanto Dominic quanto Bronagh estavam em uma sala como eu pensei que seria. Mas eu não estava esperando encontrar os dois se beijando. Realmente se beijando. Eu agarrei o braço de Ryder quando gentilmente fechei a porta e o puxei de volta pelo corredor comigo. "Você está apertando meu braço, sabia?" "Eles estavam naquela sala juntos!" Eu disse, soltando seu braço. "Se beijando!" "Dominic e Bronagh?" Ryder perguntou surpreso. "Não, Adão e Eva," eu disse sarcasticamente. "Sim, Dominic e Bronagh! Quem fodidamente seria?" Ryder me olhou. "Tem certeza que era o meu irmão e a sua irmã?" "Sim", eu confirmei. "Tenho um milhão por cento de certeza." "E eles estavam se beijando? Nos lábios?" "Que parte você não está entendendo?", Questionei-o quando nos viramos e caminhamos de volta para a área de recepção do pronto socorro. "Dominic e Bronagh, seu irmão e minha irmã, estavam em um completo bloqueio de lábio. As mãos dele estavam na bunda dela, também!"


Ryder sorriu. "Muito bem irmão caçula! Ele finalmente pulou o muro defensivo que sua irmã construíu." Bati no seu braço. "Seja sério! Como vamos lidar com os dois num relacionamento? Eles só causaram nada além de problemas antes, e nem eram um casal ainda!" Ryder perdeu seu sorriso e invadiu meu espaço pessoal. "Ouça-me claramente: você disse que nós não íamos nos envolver no relacionamento deles, a menos que não tivéssemos outra escolha. Assim, a menos que um deles ameace matar o outro, seremos a Suíça, ok?" "Mas-" "Sem mas," Ryder me cortou. "A besteira de Dominic e Bronagh é só deles, e você não precisa torna-la nossa. OK?" Suspirei e assenti. "OK." "Eu sei que vai ser difícil para você, porque você está envolvida em cada aspecto da vida de Bronagh, mas isso vai ser bom. Ela vai entrar nesta relação e aprender como as coisas são, assim como todos os outros, e você poderá ser uma mamãe urso orgulhosa de vê-la crescer." Apertei os olhos. "Eu vou comer o seu irmão vivo se ele machuca-la de qualquer maneira." "E eu vou ser o único a segurar Dominic enquanto você bate nele se isso acontecer, ok?" Eu ri. "De acordo, querido." Ryder sorriu e inclinou a cabeça para escovar os lábios contra os meus. Nos separamos quando uma garganta pigarreou. Eu pisquei quando percebi que o Guarda que me interrogou estava ao lado da Guarda do sexo feminino que eu sabia que interrogou Dominic e minha irmã. "Olá." Eu disse secamente.


Ambos os Guardas assentiram em resposta. "Você estava certo", o Guarda masculino disse a Ryder. "Seu irmão não vai ser prestar queixa." Seus olhos se mudaram para mim, e então ele disse: "Eu estou deixando você com um aviso Srta. Murphy. Se qualquer coisa como essa acontecer de novo, você vai ser presa e uma investigação seguirá. Fui claro?" "Como cristal, senhor", eu respondi. O homem concordou, e assim fez sua parceira. "Tenha um bom dia", disse a Guarda feminina, e enquanto ele parecia irritado, ela parecia sincera. Quando Ryder e eu estávamos livres do questionamento e da Guarda, eu me sentei calmamente na sala de espera, que era diretamente em frente às portas duplas que levavam para a área de tratamento. Esperamos por Dominic e Bronagh ali, e quando as portas se abriram e o par deles saiu para a área de recepção eu relaxei, porque ambos pareciam tão bem quanto possível, considerando as circunstâncias. "Você percebe como eles olham um para outro?" murmurrei para Ryder. "Eu acho que Dominic quer ser aberto sobre eles, mas Bee está relutante e quer manter tudo em segredo até se sentir confortável com a gente sabendo. Você vê o jeito que ela está tentando "manter" distância dele, para não tornar nada muito óbvio?" "Você percebeu tudo isso só pela maneira que eles estão olhando um para o outro?" Ryder questionou. Olhei para ele. "Você não consegue perceber como eles estão olhando um para o outro?" Ele esfregou as têmporas. "Esta é uma coisa de mulher." "Uma coisa de mulher?" "Sim", disse Ryder. "Vocês todas têm um sexto sentido sobre esta merda, por isso eu vou apenas concordar com você."


Eu bufei. "Essa é a coisa mais inteligente que você disse durante todo o dia." Quando os olhos minha irmã pousaram em nós, eu pulei para os meus pés e corri para ela. Sua mão ostentava uma bandagem, e a visão disso me fez sentir doente. "Esta resposta.

quebrada?",

Perguntei,

preocupada

ao

ouvir

sua

"Não, só torcida. Eu tenho que descansar por um par de semanas. Se os músculos não se fortalecerem em duas semanas eu tenho que voltar, mas até então eu estou bem", explicou Bronagh. Ryder olhou para Dominic depois que ela falou, balançou a cabeça em seu peito nu e, em seguida, focou no corte acima de seu olho. "Quantos pontos?", Perguntou. "Oito", Dominic respondeu, cortando os olhos para mim. Eu levantei minhas mãos. "Eu não estou pedindo desculpas; minha irmã ficou ferida por sua causa hoje à noite, e em mais maneiras do que uma!" As bochechas de Bronagh ficaram vermelhas. "Branna, já esta feito. Podemos simplesmente esquecer?" Minha conversa anterior com Ryder se repetiu na minha cabeça, e eu decidi começar a deixar Bronagh tomar suas próprias decisões na vida, mantendo a boca fechada pela primeira vez. "Vamos," eu disse. "Eu vou te levar para casa no meu carro. Ryder está indo com Dominic no deles". Eu vi a mão de Dominic ir para as costas de Bronagh, e eu sabia que ele queria levá-la para casa ele mesmo, e Bronagh tinha notado isso também. "Falo com você amanhã, ok?" Ela murmurou para ele. Ele não estava feliz sobre isso, mas balançou a cabeça e deixou-a ir sem uma luta, também pela primeira vez. Ele a acompanhou até o carro e eu fiquei para trás por alguns momentos,


para deixá-los dizer boa noite e roubarem um beijo, se quisessem. Inclinei-me para Ryder quando ele bloqueou minha visão do novo casal em pé na minha frente. "Eu disse que eles estavam namorando," eu disse, minha voz baixa. "Você pode sentir a mudança neles também, não pode?” Ele balançou a cabeça, em seguida, assustador como você está sempre certa."

estremeceu:

Ele não tinha ideia. "Eu mantive minha boca fechada." Eu sorri. "Você viu? Eu queria falar sobre o que Dominic fez, mas Bronagh me pediu para esquecer, e eu fiz." "Você fez bem, mamãe urso." Eu sorri. "Obrigada, querido." "Posso lhe fazer uma pergunta que tenho na ponta da língua o dia todo?" Eu me inclinei para trás e acenei com a cabeça. "Manda." "Você quer se casar comigo?" Eu ainda olhava em seus olhos depois de alguns momentos de silêncio. "Sinto muito, você pode repetir? Eu tenho certeza que ouvi errado..." Os lábios de Ryder se contraíram. "Eu disse: você quer se casar comigo?" Eu rapidamente pisquei os olhos antes de levantar meus dedos para os meus ouvidos e mexer dentro dos meus canais auriculares. Então baixei minhas mãos e disse: "Desculpe, repita mais uma vez, por favor." Ryder riu. "Você. Quer. Se. Casar. Comigo?" Eu abri minha boca para falar, mas Ryder me cortou e disse: "Você não está ouvindo mal. Estou realmente pedindo-lhe para se casar comigo. Eu ficaria de joelhos e faria da maneira tradicional,


mas aqueles dois provavelmente teriam um ataque cardíaco se eu fizesse isso." "Ryder", eu sussurrei. "Que porra é essa?" Ele riu novamente. "Isso é um não?" "Não, não é um não," eu imediatamente respondi. "Se você está falando sério, então é um inferno de sim, porra". Um sorriso semelhante ao que ele me deu na primeira vez que eu disse que o amava esticou todo seu rosto. "Estou falando tão sério quanto um ataque cardíaco: eu quero que você seja minha esposa." "Oh Meu Deus." "Então, você vai se casar comigo?", Ele perguntou, sua voz baixa. "Sim", eu jorrei, baixando minha voz também. "Sim, eu vou me casar com você." Nós nos beijamos, e então nos separamos quando eu comecei a saltar para cima e para baixo. "Eu vou comprar um anel amanhã. Eu não tinha planos de fazer isso, apenas aconteceu. Eu só fiquei pensando sobre o quanto eu te amo, e imaginei você não estando em minha vida, e então eu não podia repirar." "Querido", eu suspirei. "Eu te amo tanto." "Eu também te amo." Eu rapidamente e sorrateiramente dei um olhar para Bronagh e Dominic, e vi que eles estavam demasiado embrulhados um no outro para nos poupar um momento. "Vamos contar a eles quando tivermos um anel; Bronagh não vai acreditar em mim de outra forma." Ryder assentiu. "Vai dar certo, querida."


Eu sorri. "Nós vamos chegar lá." "Sim, doçura, nós o faremos." Ryder sorriu quando eu passei meus braços em torno dele. "Nós somos uma família, e podemos superar qualquer coisa." Nós somos uma família, podemos superar qualquer coisa. Se eu soubesse então que ao longo dos próximos anos nossas famílias seriam testadas ao limite para ver o que poderia sobreviver, eu teria abraçado Ryder um pouco mais, e o amado muito mais também. Por uma questão de fato, eu provavelmente nunca o teria soltado.


Dias de hoje… "E ele acabou de sair da casa? Assim desse jeito?" Concordei, embora minha irmã não pudesse me ver. "Sim", eu suspirei, e ajustei o meu telefone contra minha orelha. "Ele me disse que não estamos separados, e que nunca estaremos." "Droga," Bronagh murmurou. "Ryder é mais possessivo do que eu pensava." Você não tem ideia, irmãzinha. Eu resmunguei. "Sorte minha." "Talvez isso possa ser bom", disse minha irmã, sua voz aumentando uma oitava com sua excitação. "Ele disse que ia responder a todas as suas perguntas em dois dias, certo? Uma vez que ele explicar vocês podem trabalhar qualquer coisa de errado." Senti meus ombros caírem. "Não é assim tão fácil, Bee. Ele arrancou meu coração e o pisoteou mais e mais. Eu sou um fantasma da pessoa que costumava ser, e isso é por causa do meu relacionamento com Ryder ao longo do último ano e meio. Eu não acho que tenho a força necessária para tentar juntar o que foi quebrado. Estou cansada."


Minha irmã ficou em silêncio por um momento, e então disse: "Se você acha que ir embora é melhor para você, então eu estou totalmente te apoiando. Sem perguntas." Lambi meu lábio inferior quando ele tremeu. "Obrigada, Bee." "Não é necessário agradecer. Você minha é irmã, e eu sempre vou estar do seu lado". E agradecia a Deus por isso todos os dias. "Estou tão impaciente sentada aqui", admiti. "Eu gostaria que ele apenas voltasse para casa, para que eu pudesse acabar com isso. Temos algumas coisas para discutir ainda, e eu só quero tirar isso tudo do caminho, para que eu possa começar o processo de mudança". "Vai ser ruim, Bran. Você sabe disso, certo?" Eu balancei a cabeça novamente, embora Bronagh ainda não pudesse me ver. "Eu sei, Bee, mas é algo que eu tenho que fazer." "Eu entendo." "Damien ainda esta na sua casa?", Perguntei. Era depois das sete da noite, e estava escuro como breu lá fora. "Ele e Dominic saíram cerca de vinte minutos atrás", disse minha irmã. "Kane ligou e disse-lhes que ele e Alec tinham falado com você, e que você lhes pediu para sair e ajudar a encontrar Ryder." Por alguma razão eu estava preocupada com ele, mesmo quando deveria ter permanecido zangada por ele se esquivar de uma conversa tão importante. Engoli em seco. "Espero que ele esteja bem."


"Ele vai ficar bem," Bronagh me assegurou. "Oh, Dominic me disse que concorda comigo sobre a ideia de todos nós sentarmos e discutirmos toda essa merda e colocar tudo em aberto." "Ele concorda?", Perguntei, surpresa. "Sim. Ele disse que todos os irmãos vão forçar Ryder a lhe dizer o que faz todas as noites e por que ele mudou tanto ao longo dos últimos dezesseis meses, já que ele se recusa." Isso me fez franzir as sobrancelhas. "Eles sabem o que ele faz todas as noites e por que ele mudou?" Bronagh disse: "Sim." "E eles nunca me disseram?", Perguntei, minha voz quase um sussurro. "Confie em mim, eu mal posso acreditar também. Mas Dominic nunca me disse que sabia qual era o problema de Ryder e porque ele estava sendo tão estranho. Eu não podia sequer olhar para ele quando ele me disse que sabia hoje." "Eu não posso acreditar", eu disse, minha voz firme. Eu me senti traída por um grupo de homens que eu considerava meus irmãos. "Nem eu. Estou surpresa com Aideen, embora." Meu coração parou. "O que você quer dizer?" "Dominic disse que ela sabia que Kane tinha saído com Ryder algumas vezes no final de sua gravidez. E que eles estavam juntos quando Kane se atrasou para o parto. Ele não entrou em detalhes, mas essa é a essência do que ele disse." "Tem certeza?", Perguntei quando um sentimento de choque, medo e raiva rodou em meu estômago. "Sim, eu tenho certeza."


Uma forma diferente de traição passou por mim como um raio. "Eu vou ligar para você de novo", eu disso em seguida, e sem esperar por uma resposta desliguei na cara minha irmã. Imediatamente comecei a discar o número de Aideen no meu telefone. Ela respondeu após o quinto toque. "Ei, Bran." "Você sabia que Kane estava indo em algum lugar com Ryder pelas minhas costas quando estava grávida e nunca fodidamente me disse?" Eu bati. Aideen ficou em silêncio por um momento e então respondeu: "Eu sinto muito." Eu queria gritar. "Desculpe?" Eu assobiei. "Você sente muito? Você sabia que ele estava indo em algum lugar com Ry e você nunca falou comigo sobre isso! Kane sabe para onde vai, Dominic e Alec sabem também, e nenhum deles me falou sobre isso!" "Eu não sei, porém," Aideen falou, estressada. "Eu só sabia que Kane estava fora com ele, mas nunca realmente soube o que estavam fazendo, e eu nem sequer soube que eles estavam saindo até o fim da minha gravidez. Eu estava tão envolvida e com medo após o ataque que nem sequer pensei em falar com você sobre isso. Eu sinto muito." Eu engoli a bile e minha súbita raiva quando ouvi a verdade nas palavras da minha amiga. Eu permaneci em silêncio por alguns momentos, em seguida, fechei os olhos e disse: "Eu terminei com Ryder." Houve várias batidas de silêncio. "O quê?" Aideen quase gritou quando encontrou sua voz. "Você está brincando?"


"Não", eu respondi quando reabri os olhos. "Eu terminei com ele, mas ele se recusou a aceitar, e surpresa porra de surpresa, ele saiu de casa e eu não sei onde esta agora. Os rapazes estão procurando por ele, porque ele não atende a nenhuma das nossas chamadas." "Eu não posso acreditar nisso." Eu pude ouvir o choque em seu tom. Eu ri sem humor. "Bem-vinda ao clube." "Mas por quê?" Aideen perguntou depois de uma pausa. "Por que você terminou com ele?" Não era essa a pergunta do dia? Por quê? Por quê? Por quê? "Porque eu não posso lidar com a forma como a minha vida é com ele agora. Estou à beira de um colapso. Eu estou tão infeliz." "Branna," Aideen respirou. "Eu não tinha ideia que as coisas estavam assim tão mau. Eu sabia que havia alguns problemas, mas nunca imaginei que tinha chegado a esse ponto." "Bronagh e Damien disseram a mesma coisa", eu murmurei. "Por que você não falou comigo?", Ela perguntou, e seu tom de voz mudou para aborrecido. "Por que diabos você esteve lidando com isso por si mesma? Isto não é saudável!" "Quando as coisas começaram a ficar realmente muito mal você estava lidando com a sua gravidez surpresa e com Kane, e em seguida com o ataque de Big Phil e seu consequente tempo no hospital para se recuperar dele. Eu não queria incomodar você com meus problemas, especialmente quando você estava feliz com nascimento desse menino lindo de vocês." "Eu poderia malditamente bater em você!" Aideen gritou. "Você é a minha melhor amiga, o que significa que você é uma prioridade fodida para mim! Você sabe malditamente bem disso, Branna!" Meus ombros caíram.


"Eu só não queria incomodar ninguém com isso", eu disse, minha voz apertada com emoção. "Eu acho que senti que se eu não falasse sobre isso, então não seria real, sabe? Quero dizer, é Ryder, e eu não teria terminado com ele se pudesse evitar. Eu o amo, mas não posso viver do jeito que tem sido. Ele está me matando, Ado." "Querida", ela respirou. "Eu sinto muito. Olhe, me dê meia hora. Estou esperando Kane chegar em casa, então estou indo até ai". Limpei as lágrimas perdidas que caíram dos meus olhos. "Não se atreva, eu estou bem." Eu menti enquanto esfregava o nariz com as costas da minha mão. "Eu só tive um dia estressante no trabalho. Tivemos um código vermelho na enfermaria, e Dominic deu a Ash um tempo difícil quando ele nos pegou brincando, então teve a briga e o rompimento com Ryder. Eu só quero ir para a cama e lidar com tudo isso amanhã." "Eu estou indo aí mesmo que seja apenas para dormir com você. Eu não vou te deixar sozinha quando você está passando por isso. Não há nem uma maldita chance!" Eu decidi não levantar objeções, porque ela tinha razão: eu precisava dela. Ficar sozinha com a minha própria miséria não era algo que ia me ajudar; ter alguém que eu amava aqui para mim ia. "Ok," eu disse, segurando mais lágrimas que queriam se libertar. "Você tem a chave, de modo que eu vou estar te esperando no antigo quarto de Dominic quando você chegar aqui. Eu estive dormindo em lá nos últimos meses". Aideen amaldiçoou sob sua respiração. "Ok, assim que Kane chegar aqui eu vou sair. Ele provavelmente vai arrumar o material de Jax e vir comigo; ele não vai me deixar ficar sozinha depois de tudo que aconteceu. Dante está sentado no quarto ao lado agora, de “segurança/babá” até Kane chega em casa".


Aideen e Jax eram a vida de Kane; é claro que ele ia se certificar que eles estavam protegidos depois que um ser humano torcido tentou levá-los para longe dele. E não havia ninguém melhor para vigiá-los do que um dos irmãos de Aideen quando ele mesmo não podia fazer isso sozinho. "Eu não o culpo,” eu disse com um aceno de cabeça firme. "Há espaço mais do que suficiente aqui, e o antigo quarto de Kane ainda é dele. Nós não mudamos isso." "Boa. Vá para a cama agora. Eu vou estar aí antes que você perceba. Eu te amo." "Eu também te amo, e sinto muito por berrar com você. Eu estou apenas um pouco fora do ar no momento." "Você tem todas as razões do mundo para estar chateada. Não pense sobre isso até que possamos falar, ok?" "Vou tentar. Vejo você em breve." "Até depois, querida." Eu me inclinei para trás contra a cadeira onde eu estava sentada, inclinando a cabeça para trás e olhando para o teto da minha cozinha. O silêncio na minha casa era ensurdecedor, mas meus pensamentos pareciam estar em plena explosão, porque eu não podia escapar deles. Eu pulei quando ouvi o barulho das portas do carro fechando sem hesitação, então saltei para os meus pés, corri para fora da cozinha e pelo corredor e parei direto na porta da frente. Meu coração bateu contra o meu peito quando eu olhei pelo olho mágico. Eu esperava que Ryder estivesse com seus irmãos. Eu poderia tentar terminar com ele novamente e, com seus irmãos aqui, eles poderiam me ajudar a fazer nosso término entrar na cabeça dele, e fazê-lo entender que ele não teria nada a dizer contra a minha decisão. Mas não era Ryder, embora... eram seus irmãos gêmeos.


Eu rapidamente tranquei a porta por dentro - e coloquei a trava, também. Quando um dos gêmeos tentou sua chave na porta e descobriu que não podia abri-la, ambos bateram seus punhos contra a porta. "Vá embora!" "Branna?" Damien gritou. "O que você está fazendo? Deixenos entrar." "Vou deixá-lo entrar, mas não ele!" Outra rodada de bater. "Temos que conversar, Branna." Dominic disse. "Fique longe de mim!" Eu o ouvi suspirar. "Branna, por favor-" "Não!" Eu bati. "Eu não vou ouvir nada do que você tem a dizer. Você é um porco manipulador, e eu nunca quero estar em sua presença novamente. Você está morto para mim." Através da porta, ouvi sua ingestão aguda de ar. "Retire o que disse, Branna." Meu coração doeu, porque mesmo quando eu estava furiosa com o pequeno idiota, eu ainda o amava ate a morte, assim como faria um irmão. Eu não quis dizer o que disse, mas estava muito zangada para reconhecer isso agora. "Não." Eu disse com firmeza. "Eu não vou." "Você tem que retirar o que disse. Agora." Bati minha mão contra a porta, ignorando a dor. "Não me diga o que fazer quando você mesmo incutiu uma mentira na cabeça de Ryder. Ele acha que eu o estou traindo por sua causa!" "Eu sou fodido, ok?", ele disse. "Eu queria que ele fosse bater em Ash, para garantir que ele ficasse longe de você. Eu pensei que


se Ryder achasse que outro homem estava dando em cima de você, ele iria superar sua besteira e reagir, como qualquer um de nós faria. Mas ele não o fez, e eu sinto muito." Eu estava furiosa com ele, mas uma parte de mim também o entendia. A lógica de Dominic era diferente da minha. Ele e seus irmãos foram criados de forma diferente, e em um ambiente diverso, e coisas que pareciam loucura para mim eram normais para eles. Eu sabia que na cabeça de Dominic o que ele fez foi a única maneira que ele achou para forçar uma reação de Ryder. Ele pensou que estava ajudando. Com um suspiro eu abri a porta e dei um passo para o lado, para os gêmeos poderem entrar na casa. Damien beijou meu rosto quando passou por mim, mas Dominic parou na minha frente. "Eu sinto muito", repetiu ele, com os olhos treinados nos meus. "Foi estúpido da minha parte atiçar Ryder quando eu sei sob quanto stress ele está". Eu vi verdade em seus olhos cinzentos, e tive que lutar comigo mesma para não abraçá-lo, porque eu não queria quebrar e chorar. Eu já tinha feito o suficiente disso hoje. Em vez disso, dei-lhe um sorriso carinhoso e disse: "Eu sei, filho." Ele olhou para mim, imóvel e sem piscar. "O quê?" Eu perguntei. Dominic nervosamente pisou de pé em pé, e depois de exalar um suspiro, ele disse: "Retire o que disse antes... por favor." Eu odiava o que eu disse e o que eu fiz, porque eu vi medo nele. Ele acreditava que eu realmente quis dizer as palavras vis que vomitei mais cedo, e a menos que eu dissesse o contrário, ele iria continuar a pensar dessa forma. Um nó se formou na minha garganta quando eu disse, "eu retiro o que disse. Eu não quis dizer uma palavra daquilo, eu juro.


Sinto muito, querido. Você é meu irmão, e eu te amo muito, assim como Bronagh. Nada vai mudar isso, ok?" Ele exalou um suspiro aliviado. "Obrigado." Enquanto falava, ele me abraçou com força e beijou o topo da minha cabeça. "Vai ficar tudo bem", ele murmurou. "Nós vamos consertar tudo." Você não pode corrigir o que já está em pedaços. Abracei-o de volta, e fechei a porta da frente da casa quando nos separamos. Eu vi como Dominic deixou cair as chaves do carro sobre a mesa no corredor, então eu segui ambos os rapazes até a cozinha e automaticamente enchi a chaleira com água e coloquei-a para aquecer para fazer chá. Chá era necessário. "Eu sei que esta é uma pergunta estúpida," Damien começou, "mas você está bem?" "Não", eu respondi enquanto tirava xicaras do armário. "Eu não estou bem. Eu estou cansada, e só quero ir para a cama e lidar com tudo isso amanhã". "Essa é uma boa ideia", disse Dominic rapidamente. "Por que você não vai para a cama? Nós podemos tomar chá mais tarde." Eu hesitei. "Bronagh me disse que vocês foram ajudar Kane e Alec a encontrar Ryder. Por que estão aqui e não com eles?" "Eles sabem onde Ryder está", disse Damien. "Eles só têm que esperar ate ele terminar com alguma coisa." Olhei para Damien quando ele terminou de falar. "Você está sendo vago. É serio isso? A poucas horas atrás você estava em seus sapatos e não sabia uma maldita coisa assim como eu, mas agora que você sabe o que esta acontecendo você simplesmente não vai me dizer também?"


Ele engoliu em seco. "Isso é algo que tem que vir de Ryder, Bran." Eu não conseguia olhar para ele. "Você está escondendo isso de mim também, e isso me magoa tanto." Eu me afastei enquanto falava. "Estou indo para a cama. Aideen estará aqui em breve, com Jax e Kane." "Branna-" "Boa noite," Eu cortei Damien e sai da cozinha, fechando a porta atrás de mim. Eu andei pelo corredor, mas assim que estava prestes a virar e começar a subir as escadas, ouvi um balançar de chaves na fechadura da porta da sala. Por alguma razão desconhecida eu corri através de uma porta aberta e entrei no ginásio, onde me escondi ao lado da porta. Eu sabia que era Ryder, eu podia sentir, mas ele confirmou minhas suspeitas quando falou em sussurros. "Não, eu não posso... porque eu só tenho essa porra de casa, e porque preciso corrigir essa merda com a minha menina. Você sabe que... pelo amor de Deus, por quê? Eu estou feito com essa merda depois desta noite. Droga, tudo bem. Eu vou estar lá." Eu ouvi um pouco de movimento, em seguida, um clique suave. Olhei para fora da sala de ginásio e encontrei o corredor vazio até a porta da frente. Eu ouvi a ignição de um carro ligando alguns momentos mais tarde, e meu coração saltou para a minha garganta. Ryder estava saindo novamente, e em uma fração de segundo eu tomei minha decisão. Ele me pediu para confiar nele, para dar-lhe quarenta e oito horas antes que ele pudesse me contar tudo o que estava escondendo de mim, mas eu não podia. Naquele momento eu simplesmente não podia. Esperei mais de um ano para descobrir o


que ele estava fazendo, e não podia esperar um minuto a mais. Antes que eu percebesse o que estava fazendo, peguei as chaves do carro de Dominic da mesa na sala e em silêncio sai de casa, pulei no carro e comecei a seguir Ryder a uma distância segura. Eu estava fazendo o que deveria ter feito há muito tempo atrás. Eu ia descobrir por mim mesma o que ele estava fazendo, e orava para que não fosse tão mau quanto o que eu imaginava que era. Por favor, Deus, eu silenciosamente implorei. Não deixe isso me quebrar.


Três anos atrás… "Eu vou envelhecer com você." Meus lábios tremeram, mas eu mantive meus olhos fechados. "Você percebe que é incrivelmente estranho quando você olha para mim enquanto estou dormindo e diz coisas como se eu estivesse inconsciente, certo?" Senti o calor da palma de Ryder contra o meu estômago nu quando ele se aproximou de mim. "Você diz estranho," ele murmurou, e eu podia ouvir o sorriso em seu tom: "Outros diriam romântico." Eu ri. "Desculpe, foi estranhamente romântico. Como fica isso?" "É uma melhoria." Abri os olhos abertos, piscando-os até que se ajustaram à luz do nosso quarto. Eu levantei meus braços acima da minha cabeça e me estiquei. Quando eu fiz sons que se assemelhavam a um dinossauro bebê, Ryder riu e se espremeu ao meu lado, fazendo-me contorcer. "Você sempre soa como se realmente desfrutasse do seu alongamento da manhã." "Eu gosto," assenti. "Isso me acorda e me faz sentir bem."


Olhei para Ryder quando ele se virou de lado e inclinou a cabeça contra a minha, escovando os lábios contra a minha bochecha. Ele entreabriu os lábios e suavemente passou a língua sobre a minha pele, causando arrepios ao longo da minha carne. "Sabe o que mais é bom na parte da manhã?", Ele murmurou, arrastando beijos suaves pelo meu pescoço e, em seguida, no meu ponto doce abaixo do lóbulo da minha orelha. Lambi meus lábios. "Uma massagem nos pés?" "Que tal uma massagem no clitóris?", Perguntou Ryder, seu hálito quente abanando meu rosto antes que ele trouxesse seus lábios talentosos de volta para os meus. Eu explodi em um ataque de risos quando ele afastou sua boca e esfregou o nariz contra o meu. "Nós não podemos," Eu salientei, tentando soar firme. "Eu ouvi que você desligou meu alarme. Eu tenho que tomar banho e me vestir para o trabalho." "Vou levá-la ao trabalho em tempo," ele disse suavemente. "Eu prometo." Bem, talvez, se nós fossemos rápidos e - não! Não seja fraca, Branna. Você não pode chegar atrasada no trabalho. Eu gemi. "Não faça isso mais difícil do que precisa ser. Você abalou meu mundo duas vezes ontem, então não pode esperar até que eu esteja em casa a tarde." "Não", Ryder me cortou. "Eu preciso estar dentro de você. Agora." Eu sabia que falar com ele não ia me levar a lugar nenhum, então eu precisava ficar fisicamente longe dele. Eu empurrei os lençóis da cama para longe do meu corpo e estremeci quando um arrepio de frio se espalhou ao longo do meu corpo nu. Fiz uma tentativa de me sentar, mas assim que meu corpo estava exposto,


Ryder se lançou sobre mim como um adolescente em fúria dura - só que ele era um homem adulto com uma fúria adulta. "Você não pode dizer não e em seguida expor esta obra-prima para mim. Não. Não é justo. Você não tem permissão para fazer isso." Eu ri quando ele passou os braços em volta do meu corpo, me rolou e puxou-me em cima dele. Eu me ajustei até que estava montando seu estômago. Olhei para ele e balancei a cabeça quando encontrei seus olhos fixos nos meus seios. "Você é um homem." Ryder não bateu uma pálpebra. "Obrigado." Revirei os olhos. "Eu vou chegar atrasada no trabalho." "Você não vai," meu sexy e enlouquecido noivo me assegurou. "Seu alarme não vai tocar por mais uma hora e meia - o alarme que você me ouviu desligado era o meu. Eu vou sair para uma corrida com Dominic em vinte e cinco minutos." Eu deixei o que Ryder disse afundar por alguns momentos, e então olhei para ele. "É cinco e meia da manhã?" Ryder balançou a cabeça, ainda sem olhar para longe dos meus seios. Afastei meus olhos dele e olhei para a janela, onde o sol entrava pelas cortinas abertas. O verão na Irlanda significava que a luz do sol brilhava em horários profanos de madrugada. Eu calculei que eram cerca de cinco horas da manhã. Rangi os dentes e olhei de volta para Ryder irritada, apenas para encontrá-lo lambendo os lábios enquanto seus olhos se banqueteavam em mim. Abaixei-me e apertei seu mamilo, ganhando sua atenção. "Ai." "Nada de Ai ", brinquei. "Porque diabos você não me avisou que eu não tenho que me levantar ainda?"


Ele sorriu. "Deslize sua bunda um pouco para baixo e você vai sentir o por que." Rosnei. " Sono ganha de sexo sempre. Eu pensei que já tinha lhe dito isso!" Seus lábios se curvaram. "Huh, não devo ter ouvido quando você disse." Eu estava chocada. Desci de Ryder e cai para o meu lado da cama - de costas para ele. "Eu vou voltar a dormir; mantenha seu pau e suas mãos longe de mim." Ele ficou em silêncio por alguns momentos, e eu pensei que ele tivesse aceitado o que eu disse como lei, mas logo em seguida eu senti algo imprensado contra o meu quadril. "O que eu acabei de dizer?", Perguntei, tentando o meu melhor para manter minha voz calma. "Você disse," Ryder murmurou, "para manter o meu pau e as mãos longe de você. Mas você não disse nada sobre a minha língua." A dita língua deslizou sobre a curva do meu quadril até o lado do meu corpo, me fazendo chupar uma respiração afiada. Seja forte, mulher. "Ryder Slater," eu consegui dizer. "Afaste-se." Ele o fez quase que instantaneamente, mas eu praticamente senti sua carranca. "Droga", ele murmurou. "Você realmente não está no humor?" Eu balancei minha cabeça. "Estou cansada. Fazemos sexo todos os dias, a maioria dos dias mais de uma vez. Sou apenas uma mulher, não uma máquina." "Você está reclamando?"


"Não." Eu ri, porque ele parecia tão enojado. "Eu definitivamente não sou, mas eu preciso de tempo para descansar, ou nunca serei capaz de me manter com você." Pensei que estávamos nos afastando do tema sexo, até que Ryder abriu a boca e fez meus olhos rolarem para os céus. "Podemos trocar de acariciar meu ego para acariciar meu pau?", Ele perguntou, e depois riu quando eu cegamente o chutei. "Boa noite, Ryder." Eu senti seus lábios contra o meu ombro. "Boa noite, Baby." Eu sorri quando ele se instalou atrás de mim e enganchou seu braço em torno de meu corpo, e então cobriu nossos corpos nus com nossa colcha de cama. Eu me aconcheguei no meu travesseiro e suspirei quando meu corpo começou a relaxar mais uma vez.

Pisquei os olhos abertos alguns minutos mais tarde, mas minha mente se recusou a seguir o exemplo. Virei-me para enfrentar Ryder, procurando por ele descobri que ele estava olhando para mim com seus brilhantes olhos cinzentos. "Eu não posso voltar a dormir agora, seu bastardo." Ele sorriu. "Então converse comigo, já que não temos mais nada a fazer." "E a sua corrida?", Questionei. Ryder deu de ombros. "Leva-me dois segundos para me vestir, o que lhe dá vinte minutos para tagarelar." Eu resmunguei. "Sobre o que devemos falar?" "Você sempre diz que não falamos o suficiente, então você escolhe."


Eu olhei para ele. "Você está me colocando contra parede." "E?" "E que eu não tenho um tema em mente." "Eu tenho." "Atire." "Quando podemos nos casar?" Senti minha boca abrir, e isso fez Ryder rir. "O quê?", Perguntou. "Parece que você não sabia que eventualmente teríamos que evoluir de noivos para marido e esposa." Minha boca ficou muito seca, então eu lambi meus lábios. "Não, obviamente eu sabia disso. Eu só não achei que você estava pensando nisso." Os lábios de Ryder se curvaram. "Eu sabia o que estava fazendo quando lhe pedi em casamento do lado de fora do hospital naquela noite há dois anos, Branna. Imaginei minha vida sem você e não podia suportar esse cenário, mas mais do que isso, eu não queria. Eu te amo, amor." Sem pensar, eu me apoiei em as minhas mãos e joelhos e, em seguida, montei seu corpo com o meu. Eu inclinei meu rosto para baixo e disse: "Eu também te amo, e podemos nos casar quando você quiser. Eu estou tão pronta." Ryder sorriu. "Nós vamos descobrir isso." "Nós sempre fazemos... e já que estamos sendo sinceros..." "O que você, oh...!" Eu suprimi um riso. "Sim", Ryder respirou quando eu deslizei para baixo de seu corpo e o peguei de surpresa chupando seu comprimento endurecido na minha boca. "Eu definitivamente vou envelhecer com você."


Dias de hoje… "Onde você está indo, Ry?" Murmurei em voz alta para mim mesma quando, algumas centenas de metros à minha frente, Ryder fez uma curva à direita, o que o levaria para uma parte isolada do lado da montanha - onde não havia luzes de rua, nenhuma casa, nenhuma pessoas. Inferno, há apenas uma estrada para dirigir. Eu tinha seguido-o por apenas dez minutos, mas sentia que estávamos perto de seu destino. Pela décima vez eu ignorei a vibração do meu telefone do meu bolso, porque eu sabia que eram os gêmeos que estavam me chamando. Desliguei meus faróis e fiquei atrás de Ryder, mas fiz questão de andar extra lento, então eu não destruiria o carro de Dominic, e também para que ele não me ver. Eu não me preocupei em perder Ryder de vista, porque seu carro era o único na pista, e suas luzes traseiras ainda brilhavam como um farol. Eu pulei quando eu dirigi ao longo de um buraco, o que fez o carro dar uma guinada. Segurei o volante com força e soltei um suspiro nervoso. Eu estava com frio e não podia controlar grande parte do meu corpo, porque tive um súbito caso de tremedeira. Meu corpo inteiro tremia de medo e antecipação ao que seris o resultado da minha missão.


Eu não tive que esperar muito tempo para descobrir quando Ryder parou o carro em frente e estacionou na frente de um Range Rover branco. Eu podia ver a cor do carro porque quando Ryder saiu do seu, deixou as chaves na ignição e os faróis ligados. Eu parei de dirigir, estacionei o carro de Dominic e desliguei a ignição. Eu sai do carro, fechei a porta silenciosamente e agradeci a Deus pela escuridão da noite como cobertura. Eu fiz uma pequena oração e, com as pernas bambas, fiz a minha jogada. Eu me abaixei e rastejei para frente, até não estar muito longe de onde Ryder parou. Eu me agachei atrás de um hedge a menos de vinte metros dele e do Land Rover branco. Eu estava perto, mas não perto o suficiente, porque não podia ouvir o que estava sendo dito. Eu só podia ouvir o tom da voz de Ryder conversando com outra voz. Uma voz feminina. Meu sangue gelou ao perceber que ele estava com uma mulher. Todos os tipos de coisas estavam correndo pela minha mente, mas eu não poderia organizar os pensamentos. Eu senti como se meus olhos estivessem me enganando, e como se o que eu estava testemunhando não estivesse realmente acontecendo. "Mentiroso." Eu sussurrei enquanto observava Ryder inclinarse para a janela do Range Rover branco. Meu peito apertou quando ouvi o riso da fêmea no assento do motorista. Eu não sabia do que ela estava rindo, ou o que Ryder estava fazendo para fazê-la rir, mas eu sabia com certeza que ele manteve a cabeça, ombros e braços dentro da janela do motorista de seu carro, e continuou fazendo-a rir. Eu me senti doente. Me senti fraca. Eu estava dormente. Eu não queria ficar por aqui e descobrir o que ele estava fazendo para fazê-la rir, porque eu temia que fosse algo que poderia me machucar ainda mais a longo prazo. Abaixei-me de novo em


minha posição escondida e estendi a mão para agarrar o mato onde estava, inspirando e expirando respirações profundas. Eu ia desmaiar. Fechei os olhos e me forcei a continuar a tomando respirações profundas. Quando a vontade de desmaiar passou, eu me concentrei em não vomitar. Meu estômago estava revolto e rolando, e havia uma dor no meu peito que eu nunca tinha sentido antes em minha vida. Era uma dor semelhante à que eu senti quando meus pais morreram, mas por alguma razão, era muito pior. Ryder... estava me traindo. Ele estava me traindo e eu tive a prova, mas ainda não podia acreditar no que estava se desenrolando diante dos meus olhos. Eu não entendia nada disso, e nem queria. Eu só queria apagar a imagem e o som do riso da mulher da minha memoria. Eu não queria pensar nele sorrindo também, porque me lembrava demais do sorriso que ele costumava ostentar sempre que me via. Casa, eu disse a mim mesma. Preciso ir para casa. Uma mulher forte teria confrontado Ryder, e possivelmente o atropelado com seu amado carro enquanto a cadela com quem ele me traiu observava - mas eu não era uma mulher forte. Eu era uma concha da mulher que costumava ser, e aquilo que eu acabara de testemunhar ficaria comigo para sempre. Eu estava quebrada. Eu apaticamente fiz meu caminho de volta para o carro de Dominic, e quando entrei no interior do veículo tudo parecia errado. O silêncio era insuportável, mas eu não queria ouvir mais nada. Meu coração estava batendo no meu peito, e a dor que eu sentia a cada batida era a única lembrança de que eu ainda estava viva. Mas certamente havia mais da vida do que sentir-se tão morto por dentro, certo? O gosto nauseante de infidelidade na minha boca pediu-me para ligar o carro de Dominic. Eu rapidamente manobrei e voltei


para a estrada principal, onde liguei meus faróis de novo e dirigi com segurança. Eu odiava como me sentia. Eu estava entorpecida com o que estava passando, mas meu peito ainda doía. Eu não podia chorar, mas de novo era isso o que a dor que eu sentia queria que eu fizesse. Meu corpo sabia que algo estava errado, mas meu cérebro ainda não tinha chegado ao ponto em que podia compreender algo. Eu entendi o que vi e o que aquilo significava, mas eu não sentia nada. Eu simplesmente não podia acreditar que era real. Eu encontrei-me rindo histericamente como uma pessoa louca quando percebi que apenas algumas horas antes Ryder me perguntou se eu o estava traindo, quando na verdade ele era o traidor. Ele. Eu dirigi o carro de Dominic de volta para a sua casa e Bronagh. Eu não sei por que, mas ignorei completamente a minha casa e só fui para a deles. Eu estacionei atrás do carro de Kane e Alec, e fiquei contente de ver que eles estavam lá. Eu não queria ninguém perto de mim quando voltasse para a minha casa; eu queria estar lá e resolver minhas coisas primeiro. Eu calmamente fiz meu caminho até a porta da frente de Dominic e Bronagh. Ouvi o choro de um bebê e a conversa fiada dos homens. Eu distintamente ouvi Damien dizer o nome de Dominic, também, o que significava que eles não estavam mais na minha casa. Quando eles perceberam que eu tinha ido embora com o carro de Dominic, este foi obviamente o primeiro lugar que eles tinham procurado por mim. Antes que qualquer um deles pudesse olhar para fora e ver, eu calmamente coloquei as chaves do carro dentro da caixa de correio sem que eles soubessem. Atordoada, comecei a voltar para a minha casa, e estava plenamente consciente de que a dormência que eu sentia logo ia desaparecer, e dor agonizante ia me encher - mas até


que isso acontecesse eu pretendia estar em casa arrumando minhas coisas. Eu precisava sair antes de Ryder voltar. Eu não era forte o suficiente para encará-lo, e eu temia fazer algo perigoso se ele mentisse na minha cara quanto ao que eu vi com meus próprios olhos - ele com outra mulher. Ryder está me traindo. Abri minha porta da frente e entrei na minha casa. Fechei a porta atrás de mim e olhei para o meu bolso quando meu telefone vibrou, e, como se alguém tivesse me controlado, enfiei a mão no meu bolso e, sem olhar para quem estava chamando, atendi o telefone e coloquei-o contra minha orelha. "Olá?" "Branna?" Ash falou. "Ei Anjo, você tem um minuto? Eu estava contando a minha irmã sobre o código vermelho que tivemos hoje, e eu esqueci qual foi o nosso tempo de resposta. Foi noventa e um ou noventa e cinco segundos?" "Noventa e um", eu respondi sem hesitar, meu tom plano. "Bran?", Disse Ash. "Você está bem, querida?" "Não, Ash." "O que há de errado?" Ash perguntou, e eu o ouvi se mover. "Ryder," Eu pisquei. "Ele está me traindo." "Ah, porra," Ash vaiou. "Eu vou matá-lo!" Eu não respondi. Em vez disso, caminhei pelo corredor e entrei na cozinha. "Onde você está?" Ash perguntou. "Eu estarei aí!" "Estou em casa, eu só vim andando e-" "Olá, Branna."


Eu girei em torno à voz desconhecida que me cortou, e olhei para o quarto escuro. Eu estava muito longe para alcançar o interruptor de luz sem me mover - e eu não podia me mover, mesmo se tentasse. Minhas pernas tinha congelado quando ouvi a voz de um homem estranho, e medo quebrou através da minha dormência quando passou por mim. "Branna?", Disse Ash do meu telefone. "Quem era esse?" "Alguém... alguém está em mim casa", eu respondi, e me senti estranhamente calma - mas esse sentimento fugiu um momento posterior. Eu ouvi movimento perto da porta de trás, e gritei quando a sombra de um homem alto disparou em minha direção. Deixei meu telefone e tentei correr para a cozinha, mas o homem estava em mim antes que eu tivesse a chance de me mover. Nós batemos no chão com um baque, e quase instantaneamente eu senti dor contundente correr para cima e para baixo do meu corpo. Isso fez um grito estridente subir pela minha garganta e se libertar. “Branna?!" Eu ouvi Ash gritar através do telefone em algum lugar perto da minha cabeça. Eu tinha caído no chão, e o peso extra adicionado em cima de mim pelo homem desconhecido só causou o impacto quando eu bati no chão. Ele usou minha súbita quietude como vantagem, e rapidamente prendeu meus braços acima da minha cabeça com uma mão, enquanto usou o peso de seu corpo para fixar minhas pernas e corpo no chão. Esqueci-me de lutar com ele quando lutar para respirar se tornou minha prioridade número um. "Shhhh, querida." O homem cantarolou com um sotaque sul americano. "Vai ficar tudo bem, Branna. Não se preocupe com nada, querida. Eu vou tomar muito cuidado com você." Eu ofegava enquanto tentava desesperadamente sugar ar em meus pulmões, mas de repente senti meu corpo ficar frouxo quando algo beliscou meu pescoço. Num segundo eu estava com dor e


pânico cego, e no seguinte eu estava entrando num estado de inconsciência. Meu último pensamento foi sobre Ryder e a mulher do Range Rover branco, e sobre como minha vida já tinha terminado antes mesmo que este estranho tivesse a chance de levá-la de mim.


Um ano atrás… Eu estava cansada. Não fisicamente; mentalmente. Eu me sentia como se tivesse encarado uma rodada infeliz com Ryder no ringue. Nossas discussões estúpidas tinham aumentado e, em vez de acontecer uma ou duas vezes por semana, estavam agora acontecendo uma ou duas vezes por dia. Nós ou brigávamos um com o outro ou ignorávamos um ao outro. E isso estava se tornando cansativo. Tudo começou há seis meses, logo após Dominic começar a lutar na darkness sob o comando de Brandon Daley. Ryder desaparecia por algumas horas e, quando eu perguntava onde ele estava, ele explodia para mim. Confesso que esqueci disso depois de um tempo, porque minhas longas horas no hospital me deixavam cansada, e eu não percebia ainda suas ausências noturnas. Eu provavelmente poderia tê-lo julgado apenas evasivo, mas enquanto ele estava na minha presença seu comportamento ríspido e babaca e as observações ácidas o mantiveram afastando de mim, até que a primeira briga de maiores proporções ocorreu. Este foi o início da nossa espiral decadente, e agora, seis meses depois, eu estava ainda na mesma posição. Eu não sabia o que fazer com essa situação, e recusei-me a trazer os meus


problemas para os meus amigos ou irmãos de Ryder, porque eles tinham suas próprias merdas para resolver. Eles não precisavam do meu drama adicionado ao deles. A única coisa que eu podia fazer era fechar os olhos à situação, o que significava ignorar Ryder. Eu sabia que era errado varrer os nossos problemas para debaixo do tapete, mas a certeza de que qualquer tentativa de lidar com ele se transformaria em um concurso de gritos manteve minha boca fechada. Ele estava me machucando, embora. Eu não sabia o que tinha dado errado para que Ryder não falasse comigo ou confiasse mais em mim, mas seja o que for que aconteceu, foi o suficiente para mudá-lo. Ele não era mais o homem que eu conheci, e ele quebrou meu coração no processo. Eu balancei a cabeça e peguei minha nécessaire no chuveiro. Eu vinha dormindo no antigo quarto de Dominic uma ou duas vezes por semana, quando as brigas entre Ryder e eu ficaram ainda mais ruins - e ontem à noite foi uma dessas noites. Normalmente eu tomava banho em qualquer um dos banheiros da casa quando não podia usar o meu, mas eu preferia o chuveiro meu e de Ryder, que ficava no banheiro principal. Ele era maior, e o chuveiro foi feito para parecer como se uma cachoeira chovesse água sobre sua cabeça, em vez de um pequeno spray. Eu fiz meu caminho descendo as escadas e me dirigi para o meu quarto. Estava vazio, como esperado. Eu não sabia onde Ryder ia, e a verdade era que ele provavelmente não voltou para casa na noite passada. Ele às vezes fazia isso. Desde que eu tinha duas horas até que precisasse sair para o trabalho, pretendia aproveitar meu banho para lavar de meus ombros a última briga com Ryder, e tentar relaxar. Era algo que eu não fazia há algum tempo.


Eu fui para o banheiro e fiquei surpresa quando vapor bateu no meu rosto. Eu entrei e fechei a porta atrás de mim, e virei-me para o chuveiro. E então bati contra um peito duro e molhado. Engoli em seco e olhei para cima. Quando meus olhos pousaram sobre ele, eu engoli. "Sinto muito, eu não sabia que você estava aqui." Eu não sabia que você estava em casa, na verdade. Ryder olhou para mim e levantou uma sobrancelha. "É o seu banheiro também, não se desculpe." Eu lentamente assenti. "Você ainda está me dando o tratamento do silêncio?", Perguntou ele com um suspiro. "Eu não sei. Ainda está sendo um idiota que não pode responder a algumas perguntas simples? ", Retruquei. "Sim", ele brincou. "Parece que sim." Eu levantei minha mão e fiz um gesto para ele se mover para fora do meu caminho, dando-lhe a minha resposta. Silenciosamente. "Só poderia apenas dar-me um grande 'foda-se' com um gesto de uma mão, em silêncio." Revirei os olhos e tentei empurrá-lo. Ryder não se moveu; ele apenas continuou a olhar para mim. Eu não gostei de como ele correu abertamente os olhos sobre o meu corpo, como se eu fosse apenas um pedaço de carne, então eu retornei o favor. Só que o tiro saiu pela culatra muito rapidamente, porque eu adorava cobiçar a vista em exposição. Eu levantei meus olhos lentamente, muito lentamente, digitalizando tudo em meu caminho para baixo por seu corpo esculpido e tatuado, e foda-me se sua visão não mexeu algo menor em meu próprio abdômen. Lambi meus lábios enquanto observava


uma gota de água correr de seu peito até os belos músculos oblíquos localizados na base de seu torso. Porra. Ele estava mais quente do que nunca - todas as horas extras de exercícios que ele vinha tendo ao longo dos últimos meses claramente trabalharam ao seu favor, e meus olhos agora colhiam os frutos. Eu queria muito passar minhas mãos - e língua - em cima dele, mas me lembrei de como as coisas estavam entre nós, e isso foi eficaz para baixar minha temperatura antes em elevação. "Apreciando a vista?", Ele perguntou, sua voz tão baixa que endureceu meus mamilos. Eu levantei meus olhos até Ryder e o encontrei sorrindo para mim. "E então se eu estiver?" O desafiei, quebrando meu voto de silêncio por falar. Engoli em seco quando de repente ele agarrou meus braços e me forçou a recuar até minhas costas baterem na porta do banheiro. Eu quase gemi alto quando sua pélvis pressionou contra mim e eu pude sentir o comprimento endurecido de seu pau. Merda. "Cuidado, Branna", disse ele com a voz baixa e rouca. "Eu poderia pensar que você realmente me quer, considerando o fogo que esta queimando nesses seus belos olhos." Fechei meus olhos então. "Não é como se você fosse fazer algo sobre isso." O aperto de Ryder em meus braços aumentou. "Desculpe-me?", Ele perguntou com os dentes cerrados. Limpei a garganta. "Nós não tivemos sexo em meses. Alguma coisa em mim claramente tem te impedido de querer fazer sexo comigo, por isso eu duvido que você vá fazer qualquer coisa agora,


não importa o quanto de calor possa ver visto em meus olhos... ou calcinha". Foda-se. Se ele pensava que ia me intimidar com suas manipulações, estava muito enganado. Ele não tinha posto as mãos em mim de tal maneira há um tempo muito longo, e eu estava saboreando seu toque agora, porque sabia que quando eu saísse do banheiro, provavelmente nenhum toque de qualquer espécie iria acontecer novamente por mais alguns meses. "Você acha que eu não estou atraído por você?", Perguntou Ryder, choque evidente em seu tom. Dei de ombros. "O que mais eu deveria pensar? Houve um tempo quando você não conseguia manter suas mãos longe de mim, e agora você mal consegue suportar estar perto de mim." Ryder rosnou, baixou a cabeça e empurrou seus quadris contra mim. Estremeci. "Parece como se eu não me sentisse atraído por você?", Ele quase rosnou. Desviei o olhar e permaneci muda. "Branna," ele retumbou. "Olhe para mim quando estou falando com você." Um choque elétrico de puro prazer voou direto para o meu clitóris, que pulsou em seu tom exigente. Lambi meus lábios, virei minha cabeça e olhei para ele, minha boca abrindo quando comecei a ofegar. Ryder baixou a cabeça e me surpreendeu quando serpenteou sua língua para fora e a correu por cima do meu lábio inferior. Fechei os olhos e quase cantarolei quando ele fechou os lábios em torno do meu e o chupou em sua boca. Seja qual for o controle ao qual eu tinha me agarrado, ele não foi eficaz, porque num segundo eu estava apenas permitindo que


Ryder sugasse e mordiscasse meu lábio inferior, e no próximo eu estava escalando-o como uma maldita árvore, porra. Minhas mãos estavam em cima dele, e as suas em cima de mim. Era como se fôssemos animais no cio, nos aproximando e sentindo um ao outro para nos certificar que o que estava acontecendo era real, e não uma invenção da nossa imaginação. "Ryder", eu respirei contra sua boca quando tentei dar um passo para trás, mas o seu poder sobre mim era sólido e me manteve no lugar. Ele afastou os lábios da minha boca e dirigiu-os para o meu pescoço, e então rosnou. "Eu vou te foder, Branna." Meu corpo praticamente cantou com prazer, mas meu coração franziu a testa, porque sabia que nada que acontecesse nesse banheiro a partir de agora teria alguma intimidade. Isso era puramente primal. Eu momentaneamente pensei em rejeitar seus avanços, mas eu era apenas uma mulher, e sentia tanta falta dele que decidi me agarrar a qualquer chance de estar perto dele especialmente quando eu sabia que essa seria provavelmente a última vez que eu iria estar perto dele por um longo tempo. Lambi meus lábios. "Me fode, então." "Tenha cuidado", alertou ele com os dentes cerrados. "Eu não a tive em um longo tempo, e se você me der luz verde eu não vou parar até nós dois estarmos satisfeitos. Isso significa que você vai ficar muito dolorida pelo resto do dia, você entende?" Meus lábios se curvaram. "Promessas, promessas". O aperto de Ryder em mim aumentou ainda mais. "Você duvida de mim, querida?" Dei de ombros para sua pergunta. "Eu pensei já ter lhe dito para nunca duvidar de mim." Eu fiz uma careta. "Isso foi há muito tempo atrás." "Não há nenhum limite de tempo quanto a isso."


Suspirei. "Sim, tanto faz." "Com quem você acha que está falando?" Ryder quase rosnou. Pisquei. "Você." "Tem certeza que você sabe que sou eu? Porque quando eu digo que eu vou transar com você ate te deixar dolorida eu quero dizer exatamente isso. Você está agindo como se fosse outra pessoa prometendo isso a você. Você sabe que eu não minto para o que é meu". Inclinei a cabeça para o lado. "Tem sido alguns meses, então talvez eu tenha esquecido." "Você esqueceu como é ser fodida por mim ou você esqueceu como é ser minha?" Sem hesitação eu respondi: "Ambos." Fogo brilhou nos olhos de Ryder, o que fez eu me afastar dele; mas como um animal, ele me seguiu. "Eu pensei ter deixado claro que você é minha, Branna." Eu nervosamente engoli enquanto continuava a me afastar de Ryder, que ainda estava avançando para mim, lentamente, como um predador perseguindo sua presa. "Vire-se e se curve", ele ordenou. "Agora." Meu pulso saltou quando excitação pura correu pelas minhas veias. "Por quê?", Perguntei, incapaz de esconder o tremor em minha voz. "Porque", ele rosnou quando desfez a fivela do cinto, "Eu vou dar-lhe um inferno de um lembrete sobre a quem você pertence. E quando eu terminar, você não vai questionar novamente. Agora virese. E. Se. Curve." Santa. Merda.


Virei-me tão rápido que a corrente de ar contra o meu rosto fez minha respiração falhar. "Hmmm," Ryder cantarolou. "Tem certeza que não lembra a sensação de me ter dentro da sua boceta doce?" "Eu tenho certeza", respirei. Meu clitóris pulsava tão forte que causava-me dor. Senti sua mão agarrar a bainha do short do meu pijama e calcinha. Ele lentamente as puxou para baixo, e eu suspirei quando suas unhas rasparam contra a minha pele, apenas para serem substituídas por sua língua quente e úmida acalmando a dor. Abri os olhos quando senti um puxão no meu cabelo. Eu me inclinei mais à frente e esfreguei o vapor do espelho do banheiro para poder olhar para Ryder, que estava posicionado atrás de mim, seus olhos treinados nos meus. Meu cabelo caiu em torno dos meus ombros um segundo mais tarde, e eu percebi que o puxão no meu cabelo foi Ryder removendo meu laço de cabelo. "Você não tem ideia do que eu faria com você se você não tivesse que ir trabalhar hoje." Ele murmurou com os olhos ardendo. "Você não seria capaz de sentar por um tempo quando eu terminasse." Eu não pude evitar que meus olhos se arregalassem, o que fez Ryder sorrir. "Branna. Branna. Branna." Ele meditou. "O que eu vou fazer com você?" Engoli em seco. "Me faça gritar." "Isso", ele sorriu, "eu posso fazer." Eu pulei quando ele se pressionou contra mim e cuidadosamente abriu minhas pernas ate que minha calcinha e shorts ficassem esticados em torno dos meus tornozelos. Quando ele ficou feliz com o quão longe minhas pernas estavam afastadas,


com os olhos ainda presos nos meus, ele aproximou sua mão e colocou-a entre as minhas coxas. "Você está tão molhada", ele sussurrou, e seus olhos dilataram quando ele revestiu seus dedos com a minha essência. Eu não pude deixar de fechar os olhos enquanto apreciava seu toque. Segurei no balcão quando Ryder trouxe seus dedos ao meu latejante clitóris, e gritei quando eles fizeram contato. Ele riu no meu ouvido. "Um toque e você já esta gritando." Eu não me importava com sua provocação; Eu só sentia saudade dos seus dedos, e do que eles faziam para mim. "Você esfrega seu belo clitóris à noite quando pensa em mim, Branna?" Que diabos? "Ryder-" "Responda-me ou eu paro", disse ele enquanto aumentava a velocidade, fazendo-me choramingar novamente. "Sim!", Gritei. "Eu finjo que é você tocando em mim." "Bom", ele rosnou. Eu senti meu queixo cair quando a fricção no meu clitóris fez minha respiração engatar, minhas costas arquearem e meu coração parar brevemente de bater quando cai eu em êxtase. "Seu rosto quando goza é a minha coisa favorita no mundo,” A voz rouca de Ryder cortou o meu sonho como uma névoa. “Mas senti-la quando goza ao meu redor é ainda melhor.” Ele me inclinou mais para frente então, em seguida - e sem aviso - ele entrou em mim em um movimento fluido. Ele gemeu quando eu gritei - a sensação de plenitude me deliciando e me consumindo. Isso, eu pensei, isso era tudo.


Ryder se retirou de mim lentamente, assobiando enquanto o fazia, antes de dirigir-se em linha reta de volta até as bolas. "Oh Meus Deus," Eu gritei quando arqueei as costas. As mãos de Ryder apertaram em meus quadris quando ele começou um ritmo constante de me foder. Isso era o que ele estava fazendo: ele estava me fodendo, não fazendo amor. Ele rosnou, "Foda-se! Eu senti falta” impulso “desta boceta." Eu gemi quando ele começou a bombear mais duro. "Tanto" impulso "porra" impulso "Demais". Eu não podia nem pensar, muito menos formular uma resposta a esta observação bruta. Segurei no balcão do banheiro e tentei formar um pensamento coerente, mas era impossível fazê-lo com as sensações alucinantes que meu corpo estava experimentando. Se possível, este era definitivamente o melhor sexo que já tive, e isso me eviscerou um pouco, porque era apenas um frenesi primal entre nossos corpos; não houve toques amorosos ou de conforto. Aceitei-o pelo que era, embora. Era sexo, e sexo seria toda a extensão disso. "Branna," Ryder gemeu. "Você se sente fodidamente incrível." "Sim," Eu gemi quando empurrei meus quadris para trás, apenas para a pelve de Ryder bater na minha com mais força, fazendo vibrações correrem para cima e para baixo da minha espinha. Sim. Eu gritei quando uma picada espalhou-se pela minha bunda. Eu ouvi o som do tapa, senti a mordida de dor, mas me levou alguns segundos para perceber que Ryder realmente estava me batendo. "Você está falando sério?" Eu disse empurrando-me para trás de costas contra ele.

asperamente,


Ele riu e bateu no meu traseiro novamente. "Ryder!", Gritei. Eu queria que minha voz soasse firme, mas ela se desfez em um gemido quando ele girou seus quadris e atingiu um ponto dentro de mim que me fez ver estrelas. "Bem aí," eu gemi. Uma vez que eu proferi palavras de encorajamento, Ryder ficou imóvel como uma estátua. "Não", eu gritei e tentei me virar para perseguir meu próprio orgasmo, mas o poderoso aperto de Ryder em meus quadris impediu que isso acontecesse. "Quem está fodendo você?", Ele perguntou, sua voz rouca. "O que você...-" "Quem está fodendo você?", Ele me interrompeu com a voz elevada. "Você", eu respondi, chocada que seu tom chateado estivesse me deixando ainda mais quente. Ele me recompensou com um golpe profundo. Eu gemi. "De quem é esta boceta?" Ryder perguntou em seguida, sua voz no mesmo tom. "Por favor, só-" Ele me cortou com um tapa pungente na minha bunda, que me fez clamar com surpresa. "Se você não responder, eu vou te machucar." Parte de mim queria saber o isso implicava, mas a picada que eu senti na minha bunda quando a mão de Ryder acariciou a carne ferida me impediu de perguntar. "É sua", eu disse, tentando manter minha voz calma.


Outro impulso profundo. Eu gemi. "Sim." "Última pergunta," ele murmurou quando inclinou-se para frente, colocando seus lábios contra meu ouvido. "A quem você pertence?" Essa era a pergunta mais fácil que ele já tinha feito. "Você, Ryder," eu respondi, imaginando que estava falando com o homem que conheci pela primeira vez na Darkness. "Eu pertenço a você. Para sempre." "Droga. Porra. Certo." Ele provou seu ponto, então. Ele me fodeu tão forte que me lembrou que ele, de fato, me possuia. Corpo, coração e alma. Era apenas uma pena que ele não tivesse ideia que estava quebrando tudo isso em dois os três pedaços. Uma vez que ele repetidamente bombeou para dentro de mim sem parar, ele cumpriu sua promessa e me trouxe satisfação intensa. Sem aviso eu fiquei perdida em êxtase por uma segunda vez, e se não fosse pela bancada sob a minha parte superior ou aperto de Ryder em meus quadris, eu teria caído no chão em um monte satisfeito. "Você está bem?", Ele perguntou quando eu desci da minha nuvem. Eu balancei a cabeça contra o mármore onde minha cabeça repousava. "Sim, eu precisava disso." Ele riu quando se retirou de mim, mas não disse mais nada enquanto eu o ouvia tirar o preservativo que nem sabia que ele tinha colocado. Quando ele se afastou de mim, a vermelhidão que começou a se espalhar pelas minhas pernas e bunda me fez tremer. Eu me endireitei e vesti novamente minha calcinha e shorts. Tive a certeza de não olhar para o espelho – não porque não queria ver o


que Ryder estava fazendo, mas porque não queria que ele visse as lágrimas que encheram meus olhos. Eu me odiava por estar ficando chateada. Eu não queria mais chorar. "Eu vou estar fora durante o dia", ele hesitantemente disse, "mas podemos fazer isso de novo hoje à noite?" Pisquei quando abriu as torneiras e joguei um pouco de sabão em minhas mãos, lavando-as apenas para me dar algo para fazer. "Onde você está indo?", Perguntei, embora eu soubesse que não ia receber uma resposta honesta. Ryder pigarreou e se remexeu atrás de mim, serpenteando as mãos em volta da minha cintura e baixando os lábios contra meu ombro nu. "Apenas fora; nenhum lugar importante." Tentei não me concentrar em seu toque, porque ele estava prestes a abrir a represa em meus olhos. "Oh, entendo." Murmurei. Ryder moveu o rosto para o lado do meu pescoço e esfregou o nariz contra a carne tenra do meu doce local, em seguida, deu um beijo debaixo da minha orelha, diretamente sobre o referido local. A ação fez as lágrimas que eu estava tentando evitar correrem pelas minhas bochechas, e um soluço escapou da minha garganta. Ele costumava sempre me beijar ali antes de dizer que me amava. O 'eu te amo' nunca veio. "Então," Ryder disse, ganhando minha atenção. "Podemos ter relações sexuais novamente hoje à noite? Eu quero tocar em você um pouco mais." Ou você quer apenas gozar um pouco mais. "Sim, nós podemos ter sexo outra vez", eu respondi, minha voz tão sem emoção quanto a de um robô. Ter relações sexuais com ele só ia me machucar mais, mas qualquer forma de tocá-lo era melhor que nada.


Mesmo quando estávamos tendo problemas sérios, eu ainda ansiava por ele. Ryder me deu um aperto. "Ótimo. Eu vou estar contando as horas até chegar em casa." Meu lábio inferior tremeu. "Eu também, Ry." Ele beijou minha nuca e em seguida praticamente pulou para fora do banheiro, e se dirigiu para o nosso quarto para se vestir. "Eu vou tomar banho agora," Eu disse enquanto as lágrimas escorriam pelo meu rosto. "Ok, baby. Eu provavelmente já vou ter saído no momento em que você sair do chuveiro." Ele gritou de volta. Eu cobri meu nariz e boca com a mão para diminuir o ruído dos meus soluços. Liguei o chuveiro e, depois de tomar um momento para me despir, dei um passo sob o jato quente. Eu pressionei minhas costas contra os azulejos frios e lentamente deslizei pela parede, até estar uma bagunça desintegrada no chão chuveiro. Isto era o que eu havia me tornado. Isso era o que Ryder tinha inconscientemente feito para mim. Ele quebrou meu coração. Ele me quebrou.


Dias de hoje… Você conhece o sentimento de quando se acabou de acordar, antes de seus olhos abrirem, mas quando já se está ciente de tudo o que acontece ao redor, mesmo que ainda se esteja em um estado quase inconsciente? Isso era o que eu estava experimentando atualmente. Por alguns momentos eu não tentei me mover ou abrir os olhos. Ainda não podia pensar racionalmente, mas havia uma dor distinta no meu peito e uma algo torcendo meu intestino que me diziam que algo não estava certo. Era um sentimento que eu não conseguia explicar. Quando meus membros involuntariamente se contraíram, uma dor física afiada balançou através de mim, e do nada minha cabeça começou a bater como se alguém estivesse usando-a como um tambor. Fiz um pequeno som agudo, mas que exigiu demasiada energia de mim. Lentamente abri meus olhos, e fiquei surpresa ao descobrir que tudo ainda estava escuro como breu. Pisquei um par de vezes, mas nada mudou. Por um segundo eu pensei que era o meio da noite, mas quando levantei minha cabeça ate encostar meu queixo em meu peito, e senti a tensão no tecido que cobria meus olhos, eu sabia que não era. Achei que poderia ser meus cobertores cobrindo meu rosto, embora logicamente eu soubesse que ia senti-los se fosse esse o caso, em vez de apenas desconfiar da escuridão.


Eu sabia que algo estava definitivamente errado, mas não sabia o que era, já que minha memória não tinha qualquer lembrança de qualquer coisa que pudesse me fazer temer. Minhas preocupações foram empurrados para o lado quando uma dor aguda no meu pescoço de repente tomou foco. Eu lentamente rolei minha cabeça sobre meus ombros e estremeci quando ele estalou. Eu não gostava de quão tensos e apertados meus músculos estavam. Minha cabeça estava muito pesada, como um peso que eu não tinha forças para segurar. Eu rolei meu pescoço em círculos para aliviar a dor, e foi então que percebi que eu poderia fazê-lo facilmente, já que não havia um travesseiro para me parar. Quase instantaneamente eu soube que não estava deitada na minha cama. Na verdade, eu não estava deitada em tudo. Eu estava em uma posição sentada em uma cadeira dura se a dor nas minhas pernas e traseiro fossem quaisquer indicativos. Houve um rangido profano no meu pescoço quando levantei minha cabeça, que aparentemente ficou pendurada para baixo em meu sono. Eu não entendia isso. Nunca na minha vida eu tinha dormido sentada, e eu não tinha nenhuma lembrança de sentar em uma cadeira e cochilar, em primeiro lugar. Que diabos eu fiz na noite passada? Eu estava momentaneamente irritada comigo mesma por adormecer da maneira que fiz, mas quando tentei arquear minhas costas e levantar os braços descobri que não podia. Foi então que o pânico se estabeleceu. Tentei mover meus braços mais uma vez, e fiquei chocada ao descobrir que eles não estavam ao meu lado - em vez disso eles estavam atrás de mim, e algo estava enrolado em torno de meus pulsos, amarrando-os. Lutei contra o vínculo que segurou minhas mãos no lugar, e isso me fez mexer as pernas também. Eu choraminguei quando não conseguia movê-las. Eu senti a pressão de algo em torno de cada tornozelo enquanto tentava deixá-los livres. Fosse o que fosse era


eficaz, e garantiu que meus membros continuassem presos às pernas da cadeira onde eu estava sentada. O que está acontecendo? Onde estou? Eu não tinha respostas para as perguntas que surgiram na minha mente, e não saber estava me aterrorizando, mas não me impediu de tentar me soltar, embora. Revirei minha mente em busca de respostas enquanto procurava uma maneira de me libertar das amarras que impediam meu livre arbítrio. "Você vai irritar sua pele se continuar lutando assim." Eu gritei de susto e virei a cabeça de um lado a outro numa tentativa desesperada de remover a venda dos meus olhos; mas não tive sucesso. Qualquer que fosse o material, ele estava amarrado com segurança ao redor da minha cabeça, e obscurecia completamente minha visão. Meu coração já batendo rapidamente ficou ainda mais descontrolado, e o medo que fluiu através de mim foi tão forte que eu senti que ia vomitar. Eu lutava para respirar de forma constante e para manter a calma, mas era extremamente difícil não deixar que o medo assumisse. Qualquer plano formulado para me manter tranquila foi direto para fora da janela quando eu fechei os olhos e pensei muito sobre como acabei amarrada a uma cadeira na companhia de um estranho que, obviamente, tinha-me mantido em cativeiro. Por alguns segundos minha mente ficou em branco, em seguida, como um estalar de dedos, imagens voltaram correndo uma por uma. Ryder estava me traindo. Seus irmãos sabiam o que ele estava fazendo e nunca me disseram. Um homem me atacou na minha cozinha e de alguma forma me nocauteou.


Um homem estranho estava na minha presença enquanto eu estava com os olhos vendados, amarrada a uma cadeira e completamente à sua mercê... e ficar calma não estava mais na minha agenda do caralho. "Quem está aí?" Eu perguntei, minha respiração ofegante. Isso tem que ser um pesadelo. "Um amigo da família", respondeu o homem em uma gargalhada. Seu sotaque era semi-semelhante ao de Ryder e seus irmãos, e isso me assustou muito. Os únicos americanos que eu conhecia eram ou luz brilhante ou puro mal. Não havia meio-termo. Eu sentia puro terror quando perguntei: "O que você quer?" O homem cantarolou. "Eu tenho uma dívida para cobrar." Que tipo de dívida? "Isso é um erro", eu soltei. "Tem que ser algum tipo de erro. Minha família não tem dívidas, eu juro. Você pegou a pessoa errada!" Meu captor suspirou. "Eu vou explicar tudo com o tempo, mas primeiro eu preciso que você confirme algo para mim. Você é Branna Murphy, certo?" Uma nova onda de pânico se instalou. Não era algum tipo de erro: este homem sabia o meu nome, o que significava que ele propositadamente entrou na minha casa e veio atrás de mim por algum motivo. "Sim." Eu gaguejei. "Então não há erro; você é a pessoa certa", a voz profunda respondeu. "Eu estive esperando alguns meses para conseguir encontrar você sozinha." "Por quê?" Eu engoli bile. "Quem é você? O que você quer de mim?"


"Que pergunta você quer que eu responda primeiro?", Ele perguntou, parecendo entediado. Um brilho de pavor caiu sobre mim. "A segunda," eu sussurrei. "Bem, Branna", começou ele, "meu nome é Philip, mas acredito que você possa me conhecer como Big Phil. É um prazer conhece-la." Meu mundo parou de girar, e cada momento da minha vida no qual eu podia me lembrar de já ter sentido medo não chegou nem perto das emoções que eu sentia agora. Eu estava absolutamente aterrorizada, e quase que instantaneamente comecei a choramingar e tentar o meu melhor para ficar livre, porque este homem... ele tentou matar a minha melhor amiga e seu filho, e uma vez tentou matar Kane também... e agora... agora ele ia me matar. "Oh, meu Deus." Eu chorei. "Por favor, não me mate." Eu ouvi u movimento, e cada músculo do meu corpo ficou tenso quando eu senti a aproximação do monstro. "Por que eu iria matá-la?" Big Phil me perguntou, e eu podia ouvir o sorriso em seu tom. O bastardo doente gostou de saber que eu estava petrificada. "Por mais que você me sequestraria?", Perguntei, agora soluçando de tanto chorar. "Para pegar Kane", ele respondeu. "Por que mais?" Eu engoli meu medo, que não era pouca coisa, e perguntei: "E por que você acha que eu iria atrair Kane? Eu n-não estou com ele... Eu não estou mais nem mesmo com o irmão dele. Ryder e terminamos." "Quão devastador isso deve ser para você", disse Big Phil, soando como se não pudesse se importar menos. Eu já estava tremendo, mas meu medo amplificou.


"Então você entende," eu funguei: "Que eu não vou atrair Kane, e não sei porque..." "Se você não puder atrair Kane, então eu definitivamente não tenho nenhum uso para você. Dito isso, eu sugiro que você pare de falar." Eu apertei minha boca fechada. "Eu gosto de você." Ele riu. "Você é obediente. Não gosto da puta da Aideen. Ela tinha uma boca muito grande." Eu não podia sequer imaginar como Aideen conseguiu ser impertinente quando ele a teve; eu estava com medo demais ate de respirar, com medo que ele fosse me machucar. "Eu cometi um erro com ela. Eu queria que ela sofresse como o meu menino sofreu, quando o que eu deveria ter feito era colocar uma bala em sua cabeça e no estômago. Isso teria realmente matado Kane". "Seu desgraçado!" E isso escapou da minha boca antes que eu percebesse que tinha falado. Big Phil riu. "Isso não é verdade." Eu continuei a chorar, aparentemente ralando os nervos dele. "Pare de choramingar, eu não tenho paciência para isso. Eu já gastei cada onça de tolerância que tinha com a porra da sua família." Fechei minha boca e tentei o meu melhor para controlar meus soluços, mas era difícil. Era como se toda a força que eu tinha tivesse me deixado, e eu só aceitei o meu destino como uma covarde. Eu queria ser forte, mas meu corpo doía, minha cabeça doía e meu coração doía também - eu honestamente não sabia como ele ainda estava batendo.


Depois do que eu vi com Ryder e sua... amiga, eu tinha certeza que nunca iria ser a mesma novamente. Eu tinha certeza que o choque iria me matar. Eu não era estúpida: no fundo da minha mente eu sabia que estávamos todos em perigo constante com Big Phil. Um homem não tenta assassinar uma mãe grávida como vingança e em seguida desaparece simplesmente porque falhou. Não, Big Phil tinha um objetivo, e era óbvio que ele ia atingilo, não importava o que ou quem custasse. Era inacreditável, mas a ameaça dele e do que ele era capaz de fazer se desvaneceu no fundo da minha mente quando meus problemas de relacionamento tomaram o centro do palco. Para ser honesta, eu apenas não me preocupei com Big Phil ou com a ameaça que ele representava para mim quando pensei sobre o que o meu suposto parceiro fez para mim. Eu não me importava com nada, porque eu estava totalmente focada em Ryder e no quanto ele e o nosso relacionamento tinham mudado. Foi então que eu me perguntei por que eu estava tão assustada. Quando eu pensei muito sobre isso, Big Phil me sequestrando era uma espécie de forma torcida de favor para mim. Se ele me matasse eu estaria em paz. Não haveria mais tristeza, não haveria mais luto para Ryder e para o amor que compartilhamos uma vez; não haveria mais de nada. Se ele batesse em mim, talvez ele me batesse tão forte que iria apagar a minha memoria de Ryder com outra mulher. Talvez com uma batida sólida na minha cabeça ele poderia acabar com todo o sofrimento que eu carregava, e eu poderia começar de novo em uma ardósia limpa. De repente tornou-se muito tentador irritá-lo, só para ver ate que ponto ele podia chegar. "Você não está mais tremendo," Big Phil comentou, ganhando minha atenção.


Ele estava certo. Eu não estava mais tremendo. Sendo completamente honesta, eu realmente não sentia mais medo - o que eu sentia era curiosidade. Este homem poderia afastar todo o meu sofrimento, então o que diabos eu devia temer sobre isso? "Porque eu não estou mais com medo", eu respondi, minha voz firme. Isso o fez rir antes de perguntar: "Onde estamos, Branna?" Como no inferno eu deveria saber? Eu tinha uma venda sobre os olhos, pelo amor de Deus. "Darkness?" Eu adivinhei. "Por que eu iria levá-la a uma boate?", Ele perguntou curiosamente. Eu consegui continuar a conversa. "É onde minha irmã e amigos foram levados quando foram sequestrados, então eu percebi que, desde que vocês idiotas americanos gangsters são todos iguais, você me levaria lá, também. É banal, o que a faz torna-se a melhor aposta." Big Phil riu alto quando eu estremeci ao sentir a picada de sua batida quando ele rasgou um lado do meu rosto. Desgraçado. "Um desses idiotas americanos dos quais você fala era meu amigo, então pense mais no que você diz sobre ele ou eu vou te fazer sangrar." Então havia um código de irmãos entre vermes criminosos. Quem teria pensado nisso? Minha mente zombou. Eu não. Eu queria dar-lhe uma resposta ácida, mas em vez disso eu grunhi e mantive minha boca fechada, porque sangramento não me pareceu minimamente atraente. "Estamos em meu apartamento alugado." Ele finalmente disse.


Isso me surpreendeu. "Você me levou para o seu lugar?", Questionei. "Por quê?" Ouvi-o se mover. "Porque eu quero passar algum tempo com você em um ambiente confortável." Isso significava que ele não ia me matar? Perguntei-me, e imediatamente fiquei surpresa com o quanto o pensamento me entristeceu. "Quanto tempo você pretende me manter aqui?", Perguntei, esperando que o medo que eu sentia não se revelasse no meu tom. Ele provavelmente iria confundi-lo com o medo de ser morta, se o percebesse, de qualquer maneira. Ele cantarolava. "O tempo que for preciso." Franzi minhas sobrancelhas. O tempo que for preciso para fazer o que? "Do que você está falando?", Perguntei, frustrada. Eu congelei quando ouvi mais movimento por perto, e o senti se aproximar de mim. O assoalho rangeu sob seu peso quando ele parou na minha frente. Eu vacilei, em seguida, fiquei tensa quando senti um tapinha áspero na coroa da minha cabeça. "Você faz um monte de perguntas para alguém em cativeiro." Na verdade, eu sorri quando disse: "Se você quisesse silencio, então deveria ter sequestrado um mudo." As coisas ficaram em silêncio por alguns instantes, em seguida, Big Phil gargalhou. Eu perdi meu sorriso, ergui minhas sobrancelhas e olhei para ele através da minha venda. O som da sua risada era enlouquecedor. "Você está me divertindo muito." Eu ergui meu queixo. "Fico feliz por conseguir entretê-lo."


Outra gargalhada. "Você vai ficar em silêncio por tempo o suficiente para que eu possa responder às suas perguntas anteriores?" Eu hesitei. "Eu meio que esqueci quais eram." "Você perguntou por que está aqui, e se eu ia matá-la, e eu estou preparado para respondê-las." Meu intestino torceu-se quando eu percebi que estava um pouco animada com a perspectiva de saber qual seria meu destino. Se eu tivesse que escolher entre liberdade ou a morte em um mundo perfeito, este último ia ganhar. "Ah, certo," eu disse. "Vá em frente; eu vou ficar quieta enquanto você fala." "Obrigado", ele disse sarcasticamente. "De nada", eu respondi, tão sarcasticamente quanto. Um bufo ou dois mais tarde, o pedaço de merda começou a falar. "Originalmente meu plano não envolvia você, ou mesmo Aideen; sempre foi Kane quem eu queria. Mas não é possível pegar alguém como ele desprevenido, embora. Eu o criei, e sei em primeira mão o que ele é capaz de fazer quando está acuado." Rangi os dentes de raiva. Ele estava falando de Kane como se ele fosse algum animal treinado... E eu suponho que por um tempo ele tenha sido exatamente isso, mas não mais! "Então eu comecei a pensar," Big Phil continuou. "Quem sofre se eu conseguir matar Kane? Somente seus irmãos, e eu não quero isso; eu quero que Kane sofra. Quando cheguei aqui no ano passado, eu o assisti por um tempo, para ver se havia alguém importante em sua vida além da sua família, e isso foi quando eu descobri sobre Aideen e sua gravidez. Era como se o próprio Deus estivesse me presenteando com a vida que eu precisava tomar,


aquela que finalmente quebraria Kane e o forçaria a viver com a dor que eu vivo". Náusea rolou em meu abdômen inferior, e eu lutei com o meu corpo para não vomitar. "Você é um fodido lunático." "Meu filho foi assassinado: é claro que eu sou um lunático." Big Phil argumentou. "Você acha que a perda de um filho mantém alguém saudável?" Kane tropeçou em seu "precioso filho violador de menina” quando ele estava fazendo algo realmente abominável. Do meu ponto de vista, ele merecia uma maldita medalha por acabar com um desperdício de vida como o filho de Big Phill, nada menos. Eu balancei minha cabeça. "Seu filho era um pedófilo sujo que machucava crianças, então é justificável o que ele teve. Eu pessoalmente acho que sua morte foi muito tranquila e rápida." Big Phil me cortou com um golpe no rosto. Foi tão forte que a batida me fez cair para trás, derrubando a cadeira até que ela bateu no chão. Gritei de dor quando fogo espalhou-se pelo meu rosto e dor irrompeu na parte de trás da minha cabeça. "Eu vou matar você agora mesmo se você falar sobre o meu filho desse jeito de novo, está me ouvindo?" Mate-me, apenas me deixe ir embora desta terra. Era o que eu queria, mas não pude me obrigar a implorar por isso. Eu não reconheci o aviso do Big Phil, entretanto; eu só continuei a queixarme de dor. "É por isso que você está aqui", ele pressionou. "Eu não pude ter Aideen, e sua irmã está sempre com Nico. Alec e sua mulher estão juntos constantemente também. Aquela outra menina em seu grupo é a única que parece não ter proteção, mas como Damien não tem mostrado nenhum interesse por ela, eu simplesmente a ignorei. Eu pensei que você seria tão difícil quanto as outras para sequestrar, mas eu acabei aprendendo muito sobre a rotina de


Ryder, e a sua. Ele te deixa muito tempo sozinha, com apenas Damien para proteção quando você não está no hospital. Você era o elo fraco da cadeia, e eu aproveitei a oportunidade." Enviou arrepios pela minha espinha que um estranho soubesse tanto sobre nós. Era um sentimento que eu não podia descrever, mas que fez meu estômago já doente se revoltar mais uma vez. "Então essa é a resposta para a uma das perguntas", eu disse, secamente. "Qual é a resposta para a outra?" Eu gritei quando a cadeira em que eu estava presa foi puxada de volta para a posição vertical, e quando as vendas que eu usava nos olhos foram arrancadas do meu rosto. Minha reação imediata foi de fechar os olhos até que eles se ajustassem a luz. Não demorou muito tempo, porem, porque o quarto estava muito mal iluminado, e graças a janela de frente para mim, eu podia ver através das cortinas que estava escuro lá fora. Quanto tempo estou aqui? Senti uma presença à minha esquerda, então me virei e olhei para o homem que estava ao meu lado. Ele era mais alto do que os irmãos e com uma compilação normal, mas seu rosto era severamente marcado. Ele me fazia lembrar de Freddie Kruger, e esse pensamento não trazia nada de bom. Recusei-me a mostrá-lo, embora. "Bem, você definitivamente não é um colírio para os olhos." Ele me deu um tapa no rosto, e então riu. "Eu acho que você será uma dor na bunda maior do que Aideen foi." Eu abaixei meu rosto dolorido por um momento antes de virar a cabeça para trás e olhar para ele. "Vou tomar isso como um elogio."


"Você não deveria", ele respondeu. "Linguarudos pedaços de rabo me dão dor de cabeça, e você e Aideen são ainda piores que o resto. Não entendo o que Ryder e Kane veem em vocês duas." Eu não fiquei perturbada com o insulto. "Você nunca vai querer conhecer Bronagh ou Keela então: elas são piores do que nós." Os lábios de Big Phil se curvaram antes dele se afastar de mim e andar até uma lareira que ficava na sala. Ele abriu um pequeno saco de carvão e jogou dois ou três pedaços para o fogo já aceso, juntamente com alguns pedaços de madeira. Ele estendeu a mão e levantou um atiçador de sua posição, daquele tipo que é usado para mover o conteúdo em chamas. Eu usei essa distração para olhar ao meu redor. Fiquei surpresa com o que vi porque, por algum motivo quando ele disse que me trouxe para o seu apartamento eu imaginei-o como sendo pequeno, escuro, frio e sujo, mas era completamente o oposto. A sala de estar em que eu estava era muito espaçosa, e até mesmo com as luzes apagadas era possível ver tudo claramente. A decoração também era bonita. Eu definitivamente não estava esperando que esse canalha do mal vivesse em um lugar tão agradável. "Por que você escolheu um lugar tão agradável para viver?" Eu perguntei, ainda olhando ao redor. "Porque eu tenho padrões," Big Phil respondeu em tom duro. Revirei os olhos. "Não era bom quando me mudei," ele continuou. "Eu o decorei porque, uma vez que Kane estiver morto, pretendo acabar com a minha vida também. Meu filho está morto, e uma vez que sua morte for vingada, não haverá nenhuma razão para eu existir. Eu quero que o lugar onde eu vou morrer seja confortável... e as condições em que esse apartamento estava antes não eram adequadas. "


Se eu não soubesse o homem nojento que ele era, e o monstro que seu filho foi, eu acharia que ele era um muito grande pai. "Eu não vou matar você", ele disse de repente, recuperando minha atenção. Ele ainda estava agachado na frente do fogo, e o atiçador de fogo que tinha usado alguns momentos atrás ainda estava com a extremidade pontiaguda no fogo. "Por que não?", Perguntei, curiosa para saber o porquê. Eu não estava satisfeita com sua resposta, porem, porque ele não me matar significava que eu teria que sair daqui e voltar para a minha antiga vida de merda. "Se eu não soubesse melhor, eu diria que você estava triste com a minha resposta." Dei de ombros. "Eu preferia morrer do que ouvir você falar, mas você não pode me culpar por isso." Eu não o deixaria saber qualquer coisa sobre a minha vida; isso só lhe daria mais informações sobre mim, e ele já tinha o suficiente. Big Phil riu. "Espertinha." Olhei para longe dele e examinei a sala mais uma vez. Se eu não ia morrer aqui, então precisava descobrir uma maneira de sair. A porta que conduzia para fora da sala de estar estava fechada, e as únicas outras saídas eram duas janelas. Eu não tinha certeza de quão alto o apartamento era, e do meu ângulo não havia escada de incêndio próxima a janela pela qual eu podia ver. Eu não tinha nenhuma maneira de descer, mesmo que de alguma forma conseguisse me libertar e fugir do apartamento. "Se você não vai me matar", eu disse e voltei minha atenção para Big Phil. "O que você vai fazer comigo?" Ele sorriu para mim, mas seu sorriso não melhorou seu rosto - de fato, só o fez parecer mais assustador.


"Você é a isca." Pisquei. "Sorte minha." "Eu vou entrar em contato com Kane, dizer que tenho você e, em seguida, combinar uma troca. Eu não estou mais brincando. Ele levou uma vida, e eu pretendo retribuir tendo a sua se ele não concordar." Eu me senti como se estivesse em um filme muito ruim com a porcaria que este homem estava vomitando. "Ele não vai deixar sua noiva e filho." "Besteira," Big Phil rosnou. "Eu conheço Kane, e ele a considera família. Ele virá para você se eu pedir, e sabe que vai ter sua morte em suas mãos se não vier. " Eu ergui meu queixo. "Tudo bem. Vamos dizer que ele venha ele não estará sozinho então, e você sabe disso." "Eu tenho mais do que uma bala, Branna. Kane vai morrer hoje à noite, e se outro irmão Slater ou dois tentar bancar o herói e morrer junto, então que assim seja. " "Seu filho da puta nojento!" Eu gritei quando medo passou por mim. "Fique bem longe da minha família!" Ele riu de mim, em seguida, pegou seu telefone. "Me de o número dele." "Foda-se!" Ele atravessou a sala em um par de segundos e agarrou meu cabelo, e então o puxou com tanta força que eu o senti sendo arrancado pela raiz. Eu gritei, mesmo quando tentei me controlar doía muito. Gritei o número de Kane então, e Big Phil me soltou, socou os números em seu telefone e colocou o aparelho no ouvido. Ele acariciou meu rosto enquanto eu chorava pela dor latejante na minha cabeça. Ele permaneceu na minha frente quando começou a falar.


"Adivinha quem é?" Big Phil zombou. Fechei os olhos e desejei encontrar uma maneira de ficar livre, para que pudesse empurrar este desperdício de espaço para o fogo e queimar toda a sala, terminando o trabalho que Kane começou todos esses anos atrás. "Você sabe por que eu estou ligando. Você esta sentindo falta de alguém em seu grupo muito unido, não é?" Big Phil riu depois de alguns segundos. "Você sempre foi um biscoito esperto." Ouvi gritos então. "Não é necessário ser grosseiro, ou gritar. Eu estou no telefone com você, e não há mil milhas de distância. Posso ouvi-lo perfeitamente." Ele era um idiota. Eu pulei e abri meus olhos quando o telefone foi pressionado contra o meu ouvido. "Confirme que você está aqui." Lambi meus lábios e disse: "Kane?" Ouvi uma ingestão aguda de respiração, em seguida, um gemido ou dois. Big Phil afastou o telefone de mim e colocou-o no viva-voz, para que eu pudesse ouvir o que estava sendo dito. "Eu estou aqui", disse ele. "Todos nós estamos." Eu ouvi o eco na extremidade da voz de Kane - ele tinha acionado o viva-voz também. Meus olhos instantaneamente se encheram com lágrimas. "Ele vai me matar, certo? Não venha para mim, ele planeja me matar apenas para chegar até você, Kane. Deixe ele me matar, ok? Não venha me buscar, ele planeja matar todos só para chegar até você, Kane, e-" Big Phil me deu um soco no estômago, o que me fez bufar e engasgar quando dor cega me consumiu. Ele me bateu na cabeça


mais uma vez, mas eu mal senti, considerando a agonia no meu estômago. Senti um puxão quando ele cerrou a mão em meu cabelo mais uma vez. Levou um minuto mas, quando eu pude me concentrar em algo diferente da minha dor, ouvi todos os tipos de gritos vindo do telefone na mão de Big Phil. "Pare", minha irmã pediu. "Por favor, pare de machuca-la. Ela não fez nada de errado! Por favor." "Eu vou matar você por isso, Philip," Ryder interrompeu, sua voz ameaçadora. "O que você fez com ela, considere como brincadeira de criança comparado com o que eu vou fazer com você." Meu coração pulou no segundo em que ouvi sua voz, e fiquei chocada com a raiva instantânea que senti em relação a ele, mas eu ainda não queria nada mais do que estar em seus braços. "Você provavelmente vai, mas eu pretendo colocar seu irmão para baixo também, rapaz. Vamos ver quem pode cumprir sua promessa primeiro." Antes que Ryder pudesse responder, Big Phil caminhou até a lareira, pegou algo da parte do envoltório e depois avançou para mim. Eu já estava gemendo de dor, mas quando vi o que estava em sua mão eu gritei. "Não!" Eu implorei. "Fique longe de mim." Ele tinha uma lâmina de algum tipo na mão: era afiada e longa, e eu sabia que ia acabar dentro de alguma parte do meu corpo muito em breve. Sem falar comigo, ou reconhecer de qualquer forma meus apelos, Big Phil ajoelhou-se diante de mim e enfiou a lâmina na minha coxa, girando-a e cortando minha carne. O grito que me rasgou foi um passível de ser ouvido em um filme de terror. "Branna!" Ryder rugiu, mas desta vez sua voz soava distante.


Ouvi os gritos de Kane no alto-falante também, mas misturados com a dor que eu sentia. Ela me consumiu, e com cada pulso do meu coração batendo tornou-se mais angustiante. Big Phil mentiu; ele ia me matar, porque meu corpo não poderia aguentar muito mais. Eu senti uma dor aguda no meu ombro em seguida, e quando olhei para ver o que a estava causando, arregalei meus olhos enquanto observava a lâmina que cortou minha coxa ser puxada do meu ombro. Olhei para a ferida agora sangrando e me senti tonta. Ele me esfaqueou. Mais uma vez. "Oh Meu Deus", eu sussurrei, e continuei a olhar para ele. Surpreendentemente, eu não movi um músculo; ao invés disso eu só permaneci sentada enquanto sentia o sangue escoar do buraco agora marcando meu ombro. As coisas estavam calmas e estranhamente pacíficas naquele momento, até que mais dor aguda me bateu. Eu chorei quando o que parecia fogo encheu meu ombro e coxa e rapidamente se transformou em dor latejante. Cada pulso agonizante lembrou-me que isso era real, e não algum pesadelo doente. Estou realmente cativa de alguém, e ele realmente vai me matar. "Pare com a gritaria," Big Phil assobiou. "Você está apenas com feridas superficiais; não é profundo o suficiente para sangrar até a morte, então pare." Oh, então eram apenas feridas superficiais. Não iam me matar. "Ryder?", Ele disse de repente, tocando na tela em seu telefone e colocando-o contra sua orelha. "Você ainda está aí?" Prendi a respiração quando Big Phil falou, ainda que a palpitação no meu ombro e coxa exigisse que eu gritasse para liberar um pouco da dor que eu sentia.


"Eu vou direto ao ponto: quero trocar Kane por Branna." Silêncio. "Você quer me testar agora?" O fodido doente riu. "Eu vou te colocar novamente no viva voz. Quero que você ouça algo de forma bem clara para que entenda que eu não estou brincando." Ele colocou o telefone em cima de uma mesa próxima e avançou na minha direção mais uma vez, seus olhos fixos em mim e um sorriso doente em seu rosto. "Fique longe de mim", eu implorei, e em seguida gritei quando ele me alcançou e agarrou meu ombro ferido, pressionando o polegar na ferida. "Eu vou matar você!" A voz de Ryder gritou através do telefone. Big Phil riu um pouco mais quando se afastou de mim e pegou o atiçador do fogo. Eu chorei: lágrimas estavam caindo dos meus olhos como córregos. "Por favor," Eu soluçava. "Por favor, não faça isso. Eu estou implorando." Meus apelos só o alimentaram, e em segundos ele estava de pé diante de mim, segurando o atiçador de fogo com a cabeça vermelha em chamas a polegadas da minha pele. Eu já podia sentir o calor fervente, e choraminguei de medo. "Diga a Ryder o que eu tenho na mão, Branna." "Um... um atiçador de fogo quente." Eu respondi, minha voz tremendo. Big Phil concordou. "E o que é que eu vou fazer com ele?" Eu chorei. "Por favor, não." "Você está sangrando mais do que eu gostaria, por isso tem que ser feito." Ele disse, fazendo parecer que estava me fazendo um favor.


"Você não deveria ter me esfaqueado, então!", Gritei. Big Phil me ignorou e pressionou a extremidade quente do atiçador contra a minha ferida, e por alguns segundos eu fui consumida pela escuridão. Foi apenas uma reprodução da dor cegante que tinha consumido minha perna mais cedo, e eu apaguei mais uma vez: meu corpo caiu para o lado e bateu no chão com um baque forte. "Branna?" A voz de Ryder gritou. "Branna?" "Cale a boca, porra, pare de gritar!" Big Phil estalou quando me levantou da cadeira e me colocou de volta na posição vertical. "Ela está bem, apenas desmaiou por um segundo. Eu usei o atiçador de fogo escaldante para queimar as feridas e parar o sangramento. De nada." "Quando eu fodidamente colocar minhas mãos em você", Ryder jurou, "vou te matar lentamente. Eu vou fazer você implorar para morte!" "Eu não tenho medo de morrer," Big Phil secamente respondeu. "Está apenas há um batimento cardíaco de distância." Eu lutei para ficar acordada, embora meu corpo pedisse desesperadamente para sucumbir à felicidade que era a escuridão. Eu consegui abrir os olhos a tempo de ver a próxima coisa que Big Phil fez – ele cortou as restrições sobre os meus tornozelos e pulsos. Eu caí para frente quando meus membros ficaram livres, mas ele me pegou e me puxou ate o grande sofá perto do fogo. Ele me jogou ali, e estupidamente eu pensei que foi como pousar numa nuvem macia - e por um momento eu senti que já estava no céu. "Se você se mover vai se arrepender." Eu não respondi a Big Phil quando ele falou, simplesmente porque estava muito fraca e toda machucada. Eu me sentia como se nunca fosse me mover novamente. Eu ouvi mais conversa e gritaria vinda de ambas as partes no telefone, mas não conseguia prestar atenção por mais tempo, e me permiti cair na doce escuridão.


"Acorde." Essa palavra foi a primeira coisa que ouvi. A segunda foi o meu próprio coração, e a terceira foi meu grito quando ele saiu de minha garganta. Dor. Tanta dor do caralho. Enchia-me da cabeça aos pés e era constante. Abri os olhos e choraminguei quando percebi que ainda estava presa no inferno. "Por favor," eu implorei. "Por favor, me ajude." Minha voz soava rouca, e senti que precisava de um grande copo de água para ajudar a aliviar a dor em minha garganta. "Eles estão no edifício," Big Phil murmurou, tornando sua presença conhecida. "Acabei de ligar para eles." Eu não tinha ideia de com quem ele estava falando. Olhei para ele e o encontrei olhando para fora da janela com uma arma em uma mão e um copo de líquido marrom na outra. Meus olhos pousaram sobre a arma por alguns momentos, e eu orei a Deus para que ele não utilizá-la. "Do que você está falando?", Perguntei quando levantei meu braço direito e usei minha mão para pressionar contra o meu ombro ferido numa tentativa de parar a dor pulsante. "Os Slater," Big Phil respondeu. "Acabei de ligar, e eles estarão aqui em breve. Abri a porta da frente para eles a pouco." O que? "Por quê?", Perguntei, tentando controlar meus soluços. "Por que eles vieram?" "Por você", ele respondeu, e tomou um gole do seu copo. "Eu lhe disse que viriam." "Você não pode machucá-los, por favor, só-"


"Fique quieta” ele rosnou. "Isto não é mais sobre você. Você pode sair se quiser, já cumpriu seu propósito." Tentei me sentar, mas dor quente encheu minha perna, impedindo-me de fazê-lo. Quando me sacudi em resposta à dor e caí para o lado e para fora do sofá, bati no chão com um estalo nauseante. "Branna?" Kane. "Não!" Eu chorei. "Fuja! Ouvi passadas rápidas e um estrondo quando a porta para a sala de estar se abriu e rachou contra a parede. "Oh, meu Deus", eu ouvi a voz grossa de Kane. Tentei me virar para vê-lo, mas não consegui. Eu estava tão fraca e debilitada que até mesmo respirar era uma luta. "Kane", eu gemi. "Saia." Enquanto ainda pode. "Que porra é essa que você fez com ela?" Perguntou ele com a voz rouca. "Parece pior do que é," Big Phil respondeu quando se virou. "Ela conquistou a maior parte por si mesma se eu for honesto." "Kane", eu resmunguei quando me forcei a rolar para as minhas costas. "Corre, ele tem uma arma!" Eu me apoiei com meu braço bom e me agarrei no braço do sofá, puxando-me à uma posição sentada. Eu pisquei quando vi Kane de pé a poucos metros de distância de mim. Ele estava vestido... de forma estranha. Parecia que ele estava vestindo roupas hospitalares, e aquele tipo de bota que as pessoas usavam quando não queriam sujar o chão ou manchar um assoalho.


"Ele não quer atirar em mim," Kane respondeu, mantendo os olhos em Big Phil. "Ele quer que eu sofra, como eu fiz seu garoto pedaço de merda sofrer. Uma bala seria muito rápido." Medo tomou conta de mim quando Big Phil deixou cair o copo no chão e não vacilou quando ele se quebrou em pedaços. Eu gritei quando ele levantou a mão que continha a arma e apontou-a diretamente para a cabeça de Kane. "Onde está o resto dos seus irmãos?", Perguntou Big Phil, parecendo estranhamente calmo. “Em casa... demorou muito para convence-los, especialmente meu irmão mais velho, que quer acabar com você membro a membro por machucar sua mulher... mas eles sabem que acabar com sua vida miserável é minha tarefa. Minha, sozinho. Eu vou fazer você pagar por tudo." Big Phil zombou. "O pupilo desafiando o mestre, huh?" "Algo assim," Kane resmungou entre dentes. Big Phil apontou para as roupas de Kane com a arma que ainda estava segurando. "Você não quer nenhum vestígio de que esteve aqui, não é?" Ele riu sem humor. "Se você conseguir me matar não vai precisar chegar a tais extremos. Este apartamento pode parecer bom, mas foi porque eu o fiz isso - o resto do lugar é uma pocilga. Não há câmeras nem segurança, sem trilhas de papel. O filho de uma cadela que possui este lugar fez os quartos à prova de som também, porque dirige um bordel nos cinco primeiros andares, e eu tenho certeza que ele mantem um laboratório de drogas no sexto." "É por isso que você o escolheu?" Perguntei, minha voz soando como uma lixa. "Matar-nos e depois se matar, sem chamar a atenção... não até que seu aluguel esteja vencido, pelo menos." Big Phil riu, e eu tomei sua alegria como um grande sim gritante.


"Você pretende se matar?" Kane sondou Big Phil. "Sério?" "O que resta para mim quando você estiver morto?" Ele retrucou. Kane não reconheceu a pergunta; ao invés disso ele perguntou: "Você realmente quer atirar em mim? Ou só me machucar? Todas as vezes que você me bateu e me apunhalou com agulhas para me punir... e justo agora vai mudar para balas? Você perdeu sua criatividade? Será que enterrar uma criança condenada ao inferno fez isso com você?" Eu queria dizer a Kane para parar, porque a cada palavra proferida o rosto de Big Phil ficava mais vermelho. "Isto é por Johnny." Big Phil de repente exclamou, e em seguida me surpreendeu ao deixar a arma cair no chão. "Isto é por tudo que você me fez passar." "Você é minha última encomenda, seu filho da puta!" Kane cuspiu antes de correr para Big Phil. O som doentio de punhos batendo contra carne ficaria para sempre gravado na minha mente. Era implacável, e eu queria que acabasse tão rapidamente quanto começou. Eu não podia fazer nada além de assistir Kane e Big Phil rolarem no chão, mas fiquei muito feliz por ver que Kane tinha a mão superior. Ele estava acertando todos os socos... quase parecia que Big Phil nem estava tentando lutar com ele de volta. Eu sabia quão traiçoeiro ele poderia ser, então usei minha perna boa para ficar de pé e fui mancando até onde ele tinha deixado a arma cair. A dor que eu sentia tomou conta de mim, mas quando eu peguei a arma do chão permiti que minha adrenalina assumisse. "Kane, saia!" Eu pedi. Ele virou a cabeça para que pudesse olhar para mim, e seus olhos se arregalaram quase que instantaneamente.


"Branna, não!", ele gritou, e então bateu no rosto de Big Phil mais uma vez, para que pudesse se libertar e ficar de pé. Com Kane fora do caminho eu tinha uma visão clara de Big Phil, mas tremia quando apontei a arma para ele. Eu olhava em seus olhos para ter certeza que minha pontaria era precisa, porem. "Branna, não!" Kane disse novamente, mas desta vez sua voz era diferente, como se ele estivesse implorando sem ter que implorar. Meus braços estavam tremendo enquanto eu mantinha a arma apontada para Big Phil. Meu corpo estava enfraquecido e exausto da tortura que ele me fez passar, e a arma era mais pesada do que parecia, causando aos meus braços mais dor por segurá-la no ar apenas por alguns momentos curtos. "Branna, isto não é sua responsabilidade, ok? Olhe para mim", disse Kane com voz firme e suave ao mesmo tempo. Desviei meus olhos para os dele. Ele lentamente veio para o meu lado e cuidadosamente levantou a mão para a minha, e eu rapidamente me afastei quando suas intenções ficaram claras. Ele queria a arma. "Ele não vale a pena, Bran." Kane estava certo... Big Phil não valia a pena - mas isso não significava que ele não tinha que morrer. "Olha o que ele fez com você." Eu respondi. "Para a nossa família!" "Nós ainda somos uma família", Kane me assegurou. "E ele não tem nenhum poder sobre mim. Ele não tem nada. Ele não é nada." Eu comecei a abaixar a arma, até que finalmente deixei minha mão pender ao meu lado. "Boa menina," Kane respirou de alívio, os ombros flácidos. "Tudo vai-"


"Kane!" Eu gritei quando Big Phil se levantou do chão e jogouse contra Kane. A partir dai, tudo pareceu acontecer em câmera lenta. Big Phil pegou a faca que usou para me machucar da mesa e correu em direção a Kane com o braço que segurava a faca levantado. Kane virou-se e agarrou o braço de Big Phil quando ele começou a baixa-lo em sua direção. Ambos lutaram pela faca, e eu vi os músculos e veias nos braços de Kane quando ele usou toda a sua força para manter o braço de Big Phil na baía. Meu braço se levantou mais uma vez e apontou a arma para frente, mas eu não pude puxar o gatilho, porque não tinha uma mira clara. Eu não podia arriscar acertar Kane. Eu fiquei tensa quando ambos bateram no chão. Por um momento houveram grunhidos e movimentos bruscos, e então uma ingestão aguda de respiração. Depois disso tudo ficou quieto. Kane estava em cima de Big Phil, mas nenhum deles estava se movendo. Eu podia ouvir meu próprio batimento cardíaco em meus ouvidos quando me aproximei deles. "Kane", eu sussurrei. Silêncio. Oh, por favor, não. "Kane", eu disse um pouco mais alto. Ouvi um chiado e então a voz grossa de Kane: "Estou bem." Alívio bateu em mim como uma onda. Eu vi quando Kane rolou para longe de Big Phil e, grogue, empurrou-se a seus pés. Ele tropeçou por um segundo, mas se firmou em seguida. Ele olhou para um ainda imóvel Big Phil, em seguida, virou-se e caminhou em minha direção. Antes que ele pudesse me alcançar, eu me deixei cair no chão como um saco de batatas quando vi a cena diante de mim.


A lâmina que foi usada para apunhalar minha coxa e ombro... estava cravada no centro do peito de Big Phil. "Oh, meu Deus", eu respirei. "Branna, calma. Respire." "Ele está morto?" Eu cortei Kane, meu peito apertado com medo. "Ele esta fodidamente morto?" "Sim", ele respondeu calmamente. "Ele deu seu último suspiro, e eu vi a vida deixar seus olhos. Eu vi o momento em que ele percebeu que eu ia ser a última coisa que ia ver antes de morrer, e então eu sorri." Cristo. "Oh, meu Deus", eu disse asperamente. "Ele está morto. Oh, nós vamos ser presos. Nós vamos..." “Não vamos à qualquer lugar se você fizer exatamente o que eu digo." O que? "Kane?" Eu sussurrei. "Eu estou assustada." Ele caiu de joelhos ao meu lado, e seu olhar correu sobre o meu corpo. Seus olhos ficaram mais escuros quando desembarcaram em minhas facadas e outros ferimentos. Ele cuidadosamente estendeu a mão e passou um braço sob minhas pernas e outro atrás das minhas costas. "Sinto muito", ele sussurrou. Como? "Pelo que?" Eu o cortei com um gemido de dor quando ele me levantou no ar, quando o movimento fez meus membros feridos queimarem em protesto. Ele rapidamente me levou de volta para o sofá e gentilmente me deitou. "Você tem que chamar a polícia", ele disse rapidamente. "Eu vou sair e deixa-la sozinha depois que você ligar. Não há câmeras


nesta construção, mas para ter certeza que não serei visto em câmeras profissionais pela rua, vou usar a saída dos fundos. Você tem que ligar para a policia e dizer que foi sequestrada". Eu não tinha tempo para discutir com ele, e não o teria feito mesmo que quisesse, porque ele empurrou o telefone que Big Phil costumava usar para ligar para Kane no meu rosto. Então eu o agarrei e disquei 190 antes que perdesse a cabeça. Quase instantaneamente alguém respondeu. "190, qual é a sua emergência?" "Por favor, me ajude", eu gritei, o que foi muito fácil de fazer, considerando tudo o que tinha acontecido comigo. "Um homem me sequestrou, e eu acho que estou morrendo. Ele me esfaqueou duas vezes e me bateu." "Senhora, se aclame. Este homem, ele ainda está por perto?" "Sim!" Eu gemi, e então rapidamente pensei em uma mentira. "Ele está no banheiro. Ele deixou o telefone aqui por engano e eu o agarrei. Ele disse que ia voltar, embora. Por favor, envie alguém. Por favor." "Mantenha-se na linha comigo, minha senhora. Onde você está? Você vê alguma coisa que pode nos dar uma pista da sua localização?" "Minha localização?" Eu repeti e olhei para Kane com os olhos selvagens. Ele levantou uma caixa de fósforos que tinha o nome do edifício, mas para continuar o jogo eu disse: "Estou nos novos apartamentos em frente ao Plaza Hotel. Eu posso ver o prédio!" "Cobertura," Kane sussurrou. "Acho que estou no piso superior, é realmente alto!" "Tudo bem, senhora, temos uma unidade a caminho para a sua localização. Fique na linha comigo, ok? Qual é o seu nome?"


"Branna Murphy", eu respondi. "Por favor, me ajude. Por favor-" Eu fui cortada quando Kane pegou o telefone da minha mão e jogou-o no chão, quebrando-o. "Por quê você fez isso?" Eu perguntei, olhando estupidamente para o dispositivo agora inútil. "Você deu a eles sua localização, e uma unidade estará a caminho. Eles vão chegar aqui em breve." Eu balancei a cabeça. "Você vai ficar bem," Kane disse com firmeza. "Eu prometo." Eu esperava que ele estivesse certo. Ele se levantou e disse: "Eu tenho que ir." Medo tomou conta de mim novamente. "Não me deixe, Kane." Eu implorei e me aproximei dele com meu braço bom. "Por favor." Um olhar de angústia passou pelo seu rosto. "Os policiais estão vindo, e vão me prender se me pegarem aqui." Eu ainda não queria que ele me deixasse. "Branna, eles vão chamar uma ambulância imediatamente. Eu prometo." Tentei me mover, mas meu corpo estava drenado, então só consegui uma ligeira contração. "Ele está morto; não pode feri-la. Eu o esfaqueei no peito, e acho que foi direto no coração. Se a polícia perguntar, diga a eles que ele voltou e lutou para pegar o telefone, e que você então foi capaz de agarrar a lâmina e esfaqueá-lo quando ele veio para você. OK?" Eu respirei fundo.


"Ok", eu disse asperamente. "Eu vou dizer que o matei". "Vai ser auto-defesa." Ele disse, e em seguida saltou para seus pés. "Eu vou usar a escada para sair. Não mencione nada sobre eu estar aqui, ok? Você pode fazer isso?" Eu balancei a cabeça, e Kane pareceu ter que se forçar a se afastar de mim. "Vou aparecer no hospital com todos os outros, logo que eles chamarem sua irmã. Eu prometo." Ele se foi então, e mais uma vez eu fiquei sozinha com Big Phil. A única coisa que me confortou desta vez foi que ele não estava respirando. Sentei-me e olhei para seu corpo, principalmente no peito, só para ter certeza que ele não estava fingindo. Eu queria ter certeza que ele estava realmente morto. Eu não tive que pensar duas vezes sobre ele realmente estar morto quando vi o rápido crescimento da poça de sangue em torno dele, porem. Era impossível dizer qual era a cor original de sua camisa, porque estava encharcada de sangue vermelho escuro. Quando eu não pude permanecer sentada por mais tempo, voltei para o sofá e fiquei ali por tanto tempo que me senti começar a relaxar ao ponto onde poderia dormir se quisesse. A adrenalina que eu estava sentindo mais cedo tinha desaparecido completamente agora. Fechei os olhos, e quando os abri novamente foi porque ouvi um grande estrondo e, em seguida, um rangido horrível. "Oh, merda", ouvi o silvo de uma voz masculina. "Não era um trote. Passe um radio e mande uma ambulância aqui o mais rápido possível. O suspeito esta morto, e a vítima parece estar em muito mal estado." "Entendido." Outra voz masculina respondeu, e em seguida afastou-se enquanto falava usando palavras de código estranhas. Eu vacilei quando senti uma mão na minha testa.


"Você vai ficar bem", disse o primeiro homem. "Uma ambulância está a caminho, senhora." Eu levantei uma das minhas pálpebras, e por um momento tudo estava embaçado. Logo em seguida, porem, minha visão focou, e eu pude ver um homem bonito inclinado sobre mim. A primeira coisa que notei foram seus olhos: eram azul brilhante. A segunda coisa foi o uniforme que ele usava. "Guarda?" Eu sussurrei. O homem assentiu. "Sim, eu sou um Guarda, querida. Você está segura. Eu não vou deixar ninguém te machucar". Eu não achava que tinha energia suficiente para sentir alívio, mas eu o fiz. Foi puro alivio que bateu em mim naquele momento. "Ele me esfaqueou, e tentou me matar", eu sussurrei, meus olhos ficando embaçados mais uma vez quando lágrimas os encheram. Elas derramaram sobre as abas e deslizaram para baixo pelas minhas têmporas e cabelos. "Eu o esfaqueei no peito... eu não tive escolha... ele ia me matar. Ele disse que ia me matar". Senti uma mão apertar meu ombro, e gritei de dor. "Eu sinto muito", o Guarda disse: "Eu preciso desacelerar o sangrando até que os paramédicos cheguem aqui." Pelo visto o fodido atiçador quente não faz bem o seu trabalho. "Eu vou morrer?", Perguntei. "Não", veio a resposta imediata do homem. "Você não vai morrer. Olhe para mim: você não vai morrer." Eu não sabia se acreditava nele ou não, porque parecia que eu estava morrendo. "Eu o matei", sussurrei. "Eu realmente o matei". "Você não tinha escolha, querida. Era a sua vida ou a dele, e eu estou contente que foi a sua." Eu balancei a cabeça. "Quem é ele?" "Não faço ideia. Ele disse por que sequestrou você?"


Forcei mais lágrimas para fora. "Ele disse que queria... me estuprar, mas então eu lutei e ele me machucou." "Filho da puta", a Guarda assobiou. Ele estava lambendo a minha história como um cachorro faminto. "Não deixei que ele me...", eu murmurei, e fechei os olhos quando de repente tudo se tornou muito pesado. Eu queria continuar minha historia, mas não podia. Tudo tinha se tornado demais. "Srta. Murphy?" A voz do homem gritou quando senti meu corpo ser sacudido. "Branna? Porra! Mikey, onde está a ambulância?" "A caminho!" Eu me senti sendo puxada para longe de tudo, e caramba se eu não me sentia bem por não sentir nada. "Fique comigo, Branna. Seja forte." Seja forte.

Bip. Bip. Bip. Isso foi o que me acordou. Não um som agudo alto, apenas um sinal sonoro constante que seria muito provavelmente como veneno para os meus nervos se eu tivesse que suportar ouvi-lo por um longo período de tempo. O que diabos estava apitando? Não era o alarme do meu telefone, eu sabia. Eu mentalmente gemi quando percebi que eu estava indo ter que teria que me


levantar e ir encontrar a fonte do ruído profano para que pudesse colocar um fim a ele. Eu rapidamente descobri que a ideia de me levantar foi para o inferno quando ajustei meu corpo ligeiramente e o movimento me fez choramingar. "Branna?" Uma voz familiar disse ao mesmo tempo em que uma mão apertou a minha. "É Damien. Eu estou aqui, e você está bem." Porque Damien estava no meu quarto? Apertei a mão dele, mas a ação foi fracamente executada. Quando abri os olhos, levou-me um par de pisca para qualquer coisa para entrar em foco, e quando pude ver claramente percebi imediatamente que o rosto do meu irmãozinho estava inclinado sobre mim. "Oi," ele respirou, e se eu não soubesse melhor acharia que ele tinha lágrimas nos olhos. Por que ele tinha lágrimas nos olhos? Eu esqueci de fazer-lhe o café de novo? "-Dame" Eu me cortei quando uma dor na garganta fez minha voz soar um som estridente que sentia-se como lixa. "Abra," Damien insistiu. "Eu tenho água." Abri a boca e engoli a água que me era oferecida. Parecia que céu líquido correu pela minha garganta. Doeu um pouco para engolir, mas agora a dor não estava tão ruim quanto antes. "Obrigada", eu disse depois de limpar minha garganta. Eu me concentrei em Damien mais uma vez, e quando desviei os olhos para além dele e olhei ao meu redor, percebi que este definitivamente não era o meu quarto. "Que diabos?", Eu respirei. "Onde estou?" "No hospital," Damien disse quando entrou em meu campo de visão. "Você foi trazida aqui há algumas horas. Estamos todos aqui, mas os outros estão no corredor com o médico. Todos queriam ouvir o


que ele tinha a dizer, mas eu quis ficar aqui com você, no caso de você acordar, e você fez. Estou tão feliz que você acordou, Mamãe Urso." E então Damien chorou. "Dame", eu disse em pânico. "Não chore, querido. Estou bem." Eu não tinha ideia do que tinha acontecido, mas eu estava acordada e estava falando, de modo que isso deveria significar que eu estava bem. Ou que ficaria bem. "Antes deles te limparem você tinha tanto sangue que não sabíamos se-" "Damien," eu o cortei. "O que aconteceu comigo?" Eu sentia um pouco de dor, mas a maior parte do meu corpo parecia estar flutuando sobre uma nuvem. "Você não se lembra?", Ele perguntou, enxugando os olhos com as costas da mão. Eu balancei a cabeça e ele continuou então: "Big Phil levou você para atrair Kane ate o apartamento dele." Assim que ele disse o nome ‘Big Phil’, eu lembrei-me de tudo. Tudo o que senti, cada palavra que falei e ouvi, e tudo que vi. Kane. "Kane", eu disse, e então rapidamente baixei minha voz. "Ele está bem?" Damien assentiu. "Ele esta perfeito: nem um fio de cabelo fora do lugar." O alívio que me bateu me fez chorar. "Está tudo bem," Damien sussurrou. "Está tudo acabado. Ele se foi e nunca mais vai voltar". A imagem da lâmina usada para me ferir saindo do peito de Big Phil era uma imagem que eu nunca esqueceria. "Estou feliz que acabou", sussurrei.


"Eu também." Eu inalei uma respiração profunda. "Estou tão cansada; meus olhos doem por manterem-se abertos." "Descanse. O médico mencionou a Ryder antes deles saírem do quarto que você precisa descansar muito." Ryder. Eu preguiçosamente tornaram-se mais pesadas.

pisquei

quando

minhas

pálpebras

"Onde ele está?" "Com o médico", respondeu Damien. "Todo mundo esta." Eu balancei a cabeça. "Ele queria ir busca-la por si mesmo," Damien acrescentou rapidamente. "Mas se ele fizesse isso não seria capaz de finalmente terminar com os federais." Com quem? Franzi minhas sobrancelhas. "Do que você está falando?" "Você sabe a coisa que Ryder e meus irmãos tem escondido de nós?" Perguntou ele, levantando seu braço para que pudesse arranhar seu pescoço. Eu consegui dar um aceno de cabeça. "Sim, bem, vamos apenas dizer que é uma tempestade de merda, porra." Senti minhas pálpebras caírem. "Não pode ser pior do que o que está acontecendo aqui", murmurei. "É muito ruim," Damien resmungou. Isso não era bom. "Conte-me sobre isso quando eu acordar."


Meus olhos se fecharam, e em seguida a voz da minha irmã pode ser ouvida, e as dos meus amigos também. "Oh, meu Deus!" Exclamou Bronagh. "Ela está morta? Ela parece pior do que antes!" "Não," Damien respondeu instantaneamente. "Ela estava falando comigo a pouco. Ela esta muito fraca por causa da perda de sangue, e uma enfermeira veio depois que você saiu para falar com o médico e aplicou morfina para controlar a dor. Com essa combinação não é de se admirar que ela esteja fora. Estou surpreso que ela acordou tão cedo, na verdade." "O que ela disse?" A voz de Alannah perguntou, nervosismo soando em seu tom. "Ela queria água, então eu dei-lhe um pouco. Ela não estava totalmente lucida, mas sabia quem eu era, o que é bom. Isso significa que sua memória não foi afetada". "Graças a Deus", algumas vozes murmuraram. "O que os médicos disseram sobre ela?" Damien interrogou. "Que poderia ter sido muito pior", explicou Alec. "Ela tem membros superiores e inferiores feridos, mas nada sério agora que o sangramento foi interrompido. Algumas das suas costelas estão machucadas, e o rosto também, mas é isso. Nenhum dano a longo prazo". "Não é com o dano físico que estou preocupada", disse Keela, sua voz apertada com o que eu supunha ser emoção. "É o mental. O que aquele bastardo fez com ela vai assombrá-la para sempre". "Você todas foram expostas ao mal como Branna foi, e se recuperaram." Alec disse rapidamente. "Ela também vai. Ela é forte." Seja forte. "Por favor," minha irmã sussurrou ao meu ouvido. "Não me deixe. Eu te amo tanto, Branna." Eu também te amo.


Eu queria dizer verbalmente, mas não podia. Eu não podia falar ou me mover. Meus sentidos estavam começando a falhar. "Você tem isso, Bran", disse Aideen, e eu queria me forçar a abrir meus olhos quando pude ouvir em sua voz que ela estava prestes a chorar. "Você é muito forte e vai ficar bem." Seja forte. Ouvi passos rápidos e pesados, em seguida, uma ingestão alta de ar. "Oh, meu Deus, ela parece ainda mais pálida do que antes!" Ryder. "Ela está bem," todos gritaram em uníssono. Ouvi mais movimento, e então senti uma mão no meu peito e uma no alto da minha cabeça, e em seguida lábios na minha testa. "Eu sinto muito," Ryder sussurrou. "Eu sinto muito, baby." "Ry," minha irmã fungou. "Ela está vai ficar bem. Ela não vai nos deixar; eu sei que ela não vai." Eu senti uma gota cair no meu rosto, e outra rapidamente pousando no meu nariz. Eu não sabia o que era até que o ouvi fungando ao meu lado. Oh, por favor, não. "Eu te amo tanto", Ryder disse, sua voz embargada. "Por favor, não vá à qualquer lugar." Ele estava chorando. Eu ouvi seus soluços perfeitamente quando ele pressionou seu rosto contra o meu, e eu sabia que todos na sala ouviram também, porque ele não estava tentando esconder o fato de que ele estava chorando - ele estava gemendo como se ninguém estivesse olhando. Foi então que eu me desliguei completamente e silenciosamente flutuei na escuridão, embora por dentro eu estivesse gritando.


Três semanas depois… "Eu estou saindo para uma caminhada", eu disse à minha irmã. "Estou ficando louca por estar enfiada aqui dentro." Fazia três semanas desde o ataque e morte de Big Phil, e minha vida tornou-se uma tempestade de merda desde então. Uma ainda maior do que antes. Situação com Saúde - Meus ferimentos estão se recuperando e cada dia minha dor torna-se menor. Eu tenho mais movimento em meu ombro e perna sem sentir desconforto, então estava mais do que agradecida por não estar mais acamada, o que definitivamente não era para mim - eu estava acostumada a estar em meus próprios pés, e depender dos outros de repente era ruim. Situação com trabalho - Fui afastada do trabalho e estava em licença remunerada. O Conselho de Saúde tomou conhecimento do que me aconteceu, e tinham me reservado um terapeuta com quem falar sobre tudo quando eu estivesse pronta, antes que pudesse voltar a trabalhar. Ash era a única pessoa no hospital que sabia o que me aconteceu. Ele não sabia tudo, porem; só que eu tinha sido atacada e levada para o apartamento de um homem perigoso, e que isso tudo terminou com sua morte. Ele tinha sido incrível, mesmo que eu tivesse certeza que foi muito difícil para ele ouvir sobre o meu sequestro por telefone. Ele tinha ligado para a minha família e contado o que ouviu na noite do


ataque; foi por isso que eles estavam todos juntos enquanto aguardavam o chamado de Big Phil. Quando lhe foi dito para não chamar a Polícia, ele ouviu e confiou em Ryder e seus irmãos. Ele fez questão de me visitar e me ligar durante meu período no hospital e agora. A normalidade dele me fez sentir um pouco mais como eu mesma. Situação com a Lei - Com a lei tudo tinha sido perfeito. Depois que eu dei minha declaração detalhada no hospital do que aconteceu com Big Phil – ou a versão detalhada que Kane me treinou para dar - o Guarda só veio para me ver mais algumas vezes e acompanhar algumas pequenas coisas. Para eles era óbvio que o que "eu" fiz foi auto-defesa, por isso não havia necessidade de qualquer investigação de qualquer tipo. O suspeito que tina me prejudicad estava morto, e eu estava bem. Caso encerrado. Situação sobre Privacidade - Eu não tinha nenhuma. Você poderia pensar que ser atacada, sequestrada e quase morta seria castigo suficiente, mas de acordo com a mídia, minha história era assunto de todos. Meu ataque foi notícia de primeira página nos jornais, e até mesmo no noticiário noturno. Eles estavam apresentando uma história instável, porem, porque eu me recusei a dar entrevistas, bem como o direito para qualquer um usar meu nome e fotografia. Uma vez que a Polícia não conseguiu encontrar qualquer vestígio da existência de Big Phil em qualquer lugar, eles também não tinham quaisquer informações sobre ele, além de que ele tinha sequestrado uma menina, e em seguida foi morto em autodefesa. Era um mistério para o mundo, e essa era a maneira que queríamos que permanecesse. Situação Familiar – Estava me deixando louca. Minha irmã, as meninas e os irmãos de Ryder se tornaram galinhas mães, e enquanto eu apreciava muito a ajuda deles, eles também estavam me deixando malditamente insana. Alguém estava sempre comigo, nunca me deixavam fazer nada para mim mesma, e se eu estremecia ou fazia qualquer som que mostrasse a minha dor, eles


acabavam imediatamente ao meu lado tentando empurrar pílulas pela minha garganta. Situação do Relacionamento - Era inexistente. Eu pensei que quando visse Ryder pela primeira vez depois que acordasse no hospital não iria querer nada mais do que ele para me segurar, como fiz quando ouvi sua voz no apartamento de Big Phil. Nada disso aconteceu, porem. Pelo contrario: eu exigi que ele fosse removido do hospital, e proibi-o de me visitar. Quando o vi, sua traição me deu um tapa no rosto com tal força que sacudiu meus ossos. Eu só tive de passar alguns dias no hospital, e quando fui liberada escolhi ir para a casa de Dominic e Bronagh. Eu não queria ver Ryder, falar com ele ou pensar nele em tudo. Bronagh foi e empacou algumas das minhas roupas para mim, então eu não teria que sequer pisar naquela casa de novo. Eu não queria ter nada a ver com ele. Claro que isso não significava nada para ele, porque ele tentou varias vezes forçar sua entrada na minha casa de infância enquanto gritava para mim “deixá-lo explicar”. Eu ri sem humor toda vez que ele disse isso, bem como toda vez que pensava nele dizendo isso. Ele queria se explicar agora, mas não nas milhões de vezes que perguntei-lhe o que estava acontecendo antes de ser sequestrada. Recusei-me a "ouvi-lo" e seus irmãos respeitaram minha decisão, e mantiveram-se na baía. Eu sabia que era só uma questão de tempo antes dele me pegar sozinha, mas eu não estava com medo: cheguei a um ponto onde eu não estaria mais deixando-o andar em cima de mim. Eu estava feita com essa besteira. Ficar tão vulnerável nas mãos de Big Phil me fez chegar ao fundo do poço – e começar o longo caminho de volta agora. Quando Bronagh e Keela passaram por seu calvário, ambas sofreram de terrores noturnos, e não queriam ser deixadas por


conta própria. Felizmente isso não aconteceu para mim; até agora eu estava tão bem quanto poderia ser esperado. Quando eu durmo eu não sonho, e quando eu estou acordada eu não me assusto lembrando do que aconteceu como pensei que faria. Eu sabia que a pessoa que me prejudicou estava morto, e que consequentemente não poderia me machucar mais. Era com uma pessoa viva que eu estava mais preocupada de me causar dor. Meu foco principal era sobre o ser que me trouxe tanta agonia emocional. Eu ficava fria como gelo quando alguém mencionava Ryder, mas eu sabia que esse era um mecanismo de defesa para impedir meu coração de ruir. Eu estava de coração partido por ele me trair, estava destruída por estarmos separados, e estava completamente dilacerada por não poder mais chamá-lo de meu. Mesmo quando as coisas estavam ruins entre a gente, ele ainda era meu - mas não mais. "Eu vou pensamentos.

com

você",

disse

Bronagh,

cortando

meus

Neguei firmemente com a cabeça. "Há gelo nas estradas, e eu não quero que você lá fora andando sobre ele. Você pode cair." "Você também" Bronagh rebateu. Eu a amava por me amar tanto. Eu sorri. "Você está grávida, porém - eu não sou." Minha irmã abriu a boca para argumentar, mas eu levantei minha mão e a silenciei. "Estou bem. Minha perna está praticamente curada, e andar não é mais doloroso. Não vou longe; eu só preciso de algum tempo para mim mesma, para pensar", expliquei. "Estou me sentindo todos os tipos de fodido, Bee. Ficar presa aqui não vai me ajudar."


"Ok", ela cedeu depois de alguns segundos. "Mas, por favor, tenha cuidado, e não fique fora por muito tempo. Eu vou me preocupar se você o fizer." Nós tínhamos mudado os papéis de alguma forma ao longo das últimas semanas. Ela estava no modo mãe agora. "Eu não vou", assegurei. "E não vou demorar mais do que dez minutos. Eu só estou indo dar para uma caminhada rápida, e então vou estar de volta. Prometo." Eu mantive minha promessa: dei um passeio muito curto, apenas uma caminhada ao redor da quadra, e depois voltei para casa, para alívio da minha irmã. Eu não me importava de ser breve; eu só queria um pouco de ar fresco e algum espaço. Quando eu assegurei a Bronagh mais uma vez que estava bem, fui até o quarto que ainda era o meu quarto. Eu me despi, me enrolei em uma toalha e em seguida fui para o banheiro tomar um banho. Quando terminei eu voltei para o meu quarto, mas congelei quando entrei pela porta. "Branna?" Meu coração saltou com medo do homem que o tinha quebrado. "Eu disse a seus irmãos que não era para você vir aqui." Eu disse, segurando a toalha em torno do meu corpo com força. "Eles me disseram o que você disse," ele rebateu suavemente, "mas eu decidi não ouvir mais." Comecei a rir sem humor. "Porque tudo tem que estar em seus malditos termos, certo?", Perguntei através da minha risada fria. "Não", Ryder franziu a testa, "porque eu tinha que vê-la." Eu balancei a cabeça e desviei dele quando me aproximei do meu guarda-roupa. Peguei uma calcinha, sutiã, um par de calças pretas e uma camiseta larga. Olhei por cima do meu ombro e


estreitei os olhos para Ryder, que se virou de costas para mim, dando-me um pouco de privacidade. Ele nunca tinha se afastado quando eu me vesti ou despi antes, mas as coisas eram diferentes agora, porque eu não era mais dele. Não pense sobre isso. Eu rapidamente sequei meu corpo, tomando cuidado extra nas crostas e pontos sobre as feridas fechadas no meu ombro e coxa. O resto de mim ainda era suave, mas todas as minhas contusões eram de uma cor amarelo claro mostarda agora, e não demoraria muito até que curassem e desaparecessem completamente. "Estou digna", eu disse quando estava vestida. Ryder virou-se para me encarar, e em vez me conferir como eu esperava que ele fizesse, ele manteve seus olhos cinzentos presos nos meus. Eu não sei por que, mas não consegui segurar seu olhar. Eu desviei os olhos e me ocupei escovando meu cabelo e prendendoo num coque. "Você é linda." As palavras inesperadas bateram no meu coração quebrado como um trem. Eu mantive o meu olhar baixo quando disse: "Não, Ryder. Não tente me derreter. Eu pareço uma merda: eu sei disso e todo mundo sabe disso também. Eu ainda estou me recuperando, porem, então minha aparência não esta na minha lista de prioridades". Senti-o dar um passo em minha direção, então dei um passo rápido para trás. "Não faça isso." Ele parou. "Você é linda, não importa como esteja, querida."


Ergui os olhos para ele quando bufei. "Eu sou querida agora, não sou? Não sou mais apenas Branna?" Ele parecia magoado. "Você sempre foi minha querida, e sempre será." Meu estômago se agitou quando tristeza se infiltrou em meus ossos. "Pare com isso", eu implorei, sentindo meu comporta mento ficar hostil. "Pare de falar comigo como o seu velho eu costumava fazer. Basta parar." "Eu ainda sou o mesmo, Bran." Eu balancei a cabeça furiosamente. "Não. Seu antigo eu nunca teria me feito passar pelo que você fez." Ryder tomou uma ingestão audível. "Você está certa, ele não teria, mas eu tomei o caminho covarde porque estava com muito medo de meter você nessas coisas." Meter-me nessas coisas? Do que diabos ele está falando? "Basta sair", eu disse. "Eu não posso ouvir isso." "Você tem que." "Não", eu rebati, olhando para ele. "Eu não tenho que fazer uma coisa maldita. Eu não fiz nada de errado; você fez!" "Eu sei", ele concordou, "e estou tentando corrigir as coisas." Eu queria gritar. "Você não pode!" Berrei. "Você quebrou o que tínhamos." "Não diga isso, Bran", suplicou ele. "Por favor." Eu odiava que sua dor óbvia estivesse me machucando também. Eu fechei as mãos em punhos. "Estou tão brava com você... você me machucou muito."


Ryder balançou a cabeça em derrota. "Eu sei, querida, e desejo com todo meu coração poder mudar o que fiz." "Você não pode mudar o que fez. Você sequer entende a magnitude do que fez para mim”, sussurrei. "Eu queria que ele me matasse. Quando Big Phil me sequestrou eu estava no ponto mais baixo em minha vida, e a morte parecia o melhor resultado possível para mim." Puro horror ultrapassou a expressão de Ryder. “Logo depois que eu acordei no apartamento dele eu me perguntei por que eu estava com tanto medo dele, e porque estava com tanto medo de morrer, quando na realidade eu já tinha morrido no momento em que você se afastou de mim." "Querida-" "Foi um momento de fraqueza," Eu cortei Ryder. "Houveram muitos desses momento ao longo do último ano e meio. Eu estive tão focada na sua mudança que mudei também, e eu odeio isso. Eu pisei em ovos em torno de você, e aceitei sua recusa em me dizer o que estava fazendo. Porra, eu ate vi você com outra mulher e-" "Não foi isso que aconteceu." Ryder atravessou e estendeu a mão para mim. Eu empurrei as mãos dele com raiva e gritei: "Deixe-me terminar! Eu vi você com outra mulher e fui embora. Tudo porque não era forte o suficiente para enfrenta-lo. Eu me transformei em um capacho, uma covarde, e para quê? Porra, por nada!" Eu balancei a cabeça, desgostosa de mim mesma. "No momento em que lhe perguntei onde estava indo e você me bloqueou para fora, eu deveria ter te deixado. Não, eu deveria ter lhe dado a chance para se redimir, mas depois disso eu deveria ter embalado minhas coisas e te deixado. Eu deveria ter ido embora e nunca mais olhado para trás. Eu fico pensando sobre como a minha vida seria diferente agora se eu tivesse feito isso. Big Phil provavelmente ainda teria me sequestrado porque eu estou


amarrada a sua família, mas eu não teria sido tão fraca quanto fui quando estava sozinha com ele. Eu teria lutado pela minha vida, e não silenciosamente implorando para ele me matar". "Branna, eu me odeio." Eu esperava que Ryder dizesse qualquer coisa, menos isso. “O quê?", Perguntei, não tendo certeza se tinha ouvido-o corretamente. "Eu me odeio", ele repetiu mais alto. "Eu sabia que estava nos arruinando, mas continuei dizendo a mim mesmo que tudo ficaria bem, que quando chegasse a hora e eu terminasse com a besteira que estava me distraindo eu corrigiria tudo e nós teríamos nossa vida de volta." Ele balançou a cabeça e colocou as mãos nos bolsos da calça jeans. "Eu fui ingênuo em pensar que você ficaria comigo enquanto eu estava tratando-a tão mal." "Você não está fazendo nenhum sentido", eu disse irritada. "A 'besteira que mantinha você distraído' era outra mulher. Você não pode nos corrigir. No momento em que você decidiu dar-se a outra nós fomos condenados." Ryder olhou-me bem nos olhos e disse: "Eu nunca te traí. Eu nunca teria considerado trair você, e eu nunca, em todo o nosso tempo juntos, quis enganar você." "Não me trate como se eu fosse estúpida, eu não sou uma fodida estúpida." Eu ergui meu queixo. "Eu vi você. Te segui na noite em que me levaram, e o vi com outra mulher em uma Range Rover branca." Ryder assentiu. "Aquela era Lucy. Ela é o meu contato, não minha amante." Seu contato? Olhei para ele. "Você está se ouvindo agora?" "Eu sei, nada disto faz sentido, mas se você me deixar explicar vai entender."


"Não", eu respondi imediatamente. "Eu não quero ouvir. Eu quis ouvir nas primeiras mil vezes que perguntei o que estava acontecendo, mas não mais. Eu terminei com esta conversa, e com você." "Você não me deve nada, mas querida, eu te devo essa explicação. Por favor, deixe-me dá-la a você." Eu queria manda-lo embora novamente, mas não podia; era como se meu corpo se recusasse fisicamente a dizer a palavra "não" para ele. Eu queria saber o que ele tinha a dizer; eu queria saber a verdade. Ele estava certo. Eu merecia isso. "Você vai me dizer onde esteve a cada noite já que não era com a tal Lucy?" Ele suspirou. "Sim, mas isso não começa por aí - eu tenho que começar desde o início-" "Não, responda isso primeiro, em seguida, inicie a partir do começo." "Eu não posso, não vai fazer sentido", disse ele, e olhou para baixo. "Olhe para mim", eu ordenei. Ele fez. Ryder olhou para mim, e quando eu vi lágrimas não derramadas em seus olhos, parte do gelo de proteção que havia em volta do meu coração se rompeu. "Branna," ele sussurrou, seu corpo tremendo. "Por favor. Eu sei como isso é difícil, mas confie em mim." Não, eu disse a mim mesma. Ele não estava usando isso contra mim. Eu balancei minha cabeça. "Eu não posso mais fazer isso, Ryder. Eu não posso lidar com as mentiras. Seus enganos me quebraram; você me quebrou mais que Big Phil." Ryder visivelmente empalideceu quando deu um passo hesitante em minha direção, mas eu o afastei de novo.


"Eu não dou uma merda se isso me confunde. Me diga onde você passou todas as noites agora ou eu juro que nunca vou sequer olhar para você novamente. Esta é a porra da última chance para você me dizer a verdade. Toda a verdade." Havia um ultimato na minha voz que eu deveria ter lhe dado há um longo e fodido tempo atrás. "Toda noite eu tinha que me encontrar com o meu contato Lucy do FBI, obter grampos em minhas roupas e ir para a Darkness, onde eu estava infiltrado para obter informações contra Brandon Daley." Olhei para Ryder quando ele terminou de falar; olhei para ele por um longo tempo antes de dizer: "Saia daqui". " “Não, Branna-" "Saia fora, porra!" Eu gritei. "Você acha que isso é engraçado? Você acha que me quebrar em pedaços e em seguida tentar empurrar essa merda pra mim é engraçado?” "É a verdade!" Ryder gritou por cima de mim. "Apenas ouça." "Não-" "Branna?" Olhei para minha porta quando minha irmã chamou meu nome. Meus olhos instantaneamente caíram para sua barriga redonda e eu disse, "Você está bem?" Ela assentiu com a cabeça. "Eu estou bem... Eu só... você tem que ouvi-lo". Olhei para Bronagh sem acreditar no que estava ouvindo. Mas antes que eu tivesse chance de dizer qualquer coisa, ela pressionou. "Você se recusou a estar em torno de Ryder desde que chegou em casa do hospital, mas você se lembra quando eu disse que Dominic concordou com uma reunião de família para que pudéssemos esclarecer toda essa merda?"


Eu consegui dar um pequeno aceno de cabeça. "Tivemos essa reunião na noite passada quando você estava dormindo, e confie em mim, você tem que ouvir o Ryder tem a dizer. Eu sei que você acha que ele te traiu, mas não é o que você pensa. Eu prometo." Meus olhos se encheram de lágrimas quando ela fechou a porta do quarto. "Se você não confia em mim, Bran, por favor, confie na sua irmã. Ouça o que eu tenho a dizer. Por favor." Olhei para Ryder, e antes de quebrar, disse: "Inicie a partir do começo e não deixe nada de fora". Eu não podia nem mesmo começar a formar teorias sobre o que ele disse antes de Bronagh entrar. FBI? Contatos? Um infiltrado? Brandon Daley? A única coisa na qual eu conseguia pensar era: que porra é essa? Em vez de falar, Ryder tirou a jaqueta e jogou-a num canto, em seguida, agarrou a barra da sua camiseta e puxou-a até o queixo. Eu levantei minhas sobrancelhas com o que vi. Ele... estava com uma escuta. Olhei para o cabo preto que estava preso com o que parecia ser fita cirúrgica ao seu peito, em seguida, olhei para a pequena caixa preta que estava cravado em seu abdômen inferior. Liguei meus olhos entre os dois e então olhei para Ryder, apenas para encontrar seus olhos me perfurando enquanto ele me observava. "Você esta usando uma escuta", murmurei.


"Sim", Ryder concordou. "Estou, mas ela não está ativa. Eu a quebrei, mas queria mostrá-la para que você soubesse como parecia." "Por que você está com uma escuta?", Perguntei quando ele baixou a camiseta. "Sente-se e eu vou te contar tudo." Uma emoção que eu não poderia explicar passou por mim quando percebi que ele estava, de fato, finalmente me contando a razão pela qual a nossa vida juntos tinha terminado. "Sente-se", ele pediu mais uma vez. Olhei para a minha cama e fui até o final da mesma, onde me sentei, deixando minhas pernas penduradas na borda. Ryder pegou a cadeira em frente à minha penteadeira e colocou-a na minha frente. Ele sentou-se e apoiou os cotovelos sobre os joelhos, deixando apenas um pouco de espaço entre os seus joelhos e os meus. Todo o meu corpo ficou tenso quando seu cheiro me cercou, e a familiaridade do seu perfume fez meu interior a se agitar e vir à vida. O desejo de estender a mão e tocá-lo me consumiu, então eu empurrei minhas mãos sob minhas coxas para não fazê-lo. Concentrei-me nele quando ele começou a falar. "Cerca de um ano e meio atrás eu caí em um barranco onde não sabia o que queria fazer com a minha vida. Eu não queria falar com você sobre isso porque tinha vergonha de admitir que na verdade não tinha habilidades para fazer qualquer coisa." Eu fiz uma careta, mas não o interrompi. "Kane era proprietário e corretor imobiliário e as coisa estavam acontecendo para ele. Dominic tinha a sua coisa personal trainer, e Alec sempre ajudava no abrigo de animais nas proximidades. Eu não estava qualificado para qualquer coisa, no entanto".


Ele esfregou o rosto com as duas mãos. "Tudo que eu já conheci são drogas e armas, e eu me senti um fracasso quando percebi que não fui feito para trabalhar em seu mundo. Eu ainda não tenho qualificações para qualquer coisa... Eu nem sequer conclui o ensino médio, Branna." "Eu sei", respondi, "e se você acha que eu dou a mínima se você é educado ou não, então você não me conhece." "Eu sei que você não se importa, mas para mim é importante. Eu quero ser o único cuidando de você, mesmo que você seja mais do que capaz de cuidar de si mesma sozinha. Eu simplesmente não me sentia como um homem, e eu não estou procurando por simpatia; só estou tentando explicar onde minha cabeça estava." Eu balancei a cabeça. "Eu entendo, mas ainda não vejo como tudo o resto entrou em jogo. Quero dizer, o FBI, Ryder?" "Isso é realmente a parte mais fácil", ele resmungou. "É inacreditável o que aconteceu, mas não era como se estivesse garantido." Minha cabeça doia. "Explique." "Eu ainda não descobri a melhor maneira de explicar, mas aqui vai", ele disse antes de soltar um suspiro profundo. "Logo depois que eu comecei a me sentir como merda, eu quis fazer a minha parte ao redor da casa, para não me sentir completamente patético, você sabe. Então eu fui para a B & Q para obter alguns materiais para pintar os quartos, consertar todos os dentes ou buracos nas paredes... merdas assim. Eu estava saindo da loja quando dois homens em ternos pretos se aproximaram de mim no meu carro. No começo eu pensei que era engraçado: eles pareciam os homens de preto, e com certeza estavam abordando a pessoa errada. Mas quando eles me disseram quem eram e o que queriam de mim, eu honestamente quase desmaiei." Medo tomou conta de mim. "O que eles queriam de você?"


"Eles me disseram que acharam um canteiro de obras ao lado da montanha mal nivelado com terra, e que quando averiguaram do que se tratava descobriram que era uma espécie de vala comum." Eu senti o sangue escorrer do meu rosto. "Trent?" Questionei. "Os homens de Marco daquela noite na Darkness, quando levaram Damien e feriram Bronagh?" Cinco anos atrás, Marco Miles, antigo chefe de Ryder, atacou minha irmã e tentou usar sua vida, e a de Damien, como moeda de troca para manter Ryder e seus outros três irmãos presos sob seu polegar. O plano explodiu em seu rosto, porem, e ele pagou com sua própria vida, a vida de seu sobrinho e a de alguns dos seus capangas. Ryder assentiu uma vez. "Eles não podiam identificar os corpos, mas as minha impressões digitais, e as de Dominic, estavam em um dos sacos de plástico que usamos para envolvê-los. Nós não as apagamos tão bem quanto pensávamos, obviamente." Meu coração estava batendo tão rápido que eu podia ouvi-lo. "Não houve uma única menção sobre isso na notícia, porém, então como poderia-" "Eles são os federais, Bran, e não seus policiais regulares. Eles são as pessoas que caçam e descobrem tudo sobre você, não importa onde você esteja no planeta. Eles têm uma pequena equipe aqui, e só essa equipe e o comissário de sua polícia sabem sobre esta operação. Se eles querem que algo seja mantido em segredo, então você não vai saber sobre isso a menos que eles queiram." Que operação? "Eu não posso acreditar nisso", eu respirei, e levantei minha mão debaixo da minha perna para que pudesse colocá-la em meu peito. "É tão real quanto estou contando, Branna.", Disse Ryder, apreensão em seu tom. "Fomos todos presos uma vez nos Estados


Unidos... mesmo que não tenham nos pego fazendo nada errado, os policiais nos prenderam um dia, apenas para que pudessem obter nossas impressões digitais e DNA no registro. Eles sabiam o que nós fazíamos, e eu acho que não queriam correr nenhum risco com a gente. Quando os policiais aqui procuraram as digitais, as encontraram através do sistema, e o FBI foi chamado e imediatamente voou para cá. Marco era bem conhecido para eles, mas eles nunca conseguiram comprovar alguma merda sobre ele, porque sua tripulação era realmente boa no que fazia. Eles queriam saber onde ele desapareceu, e também sabiam que tínhamos algo a ver com isso, porque uma fonte disse que Marco chegou à Irlanda depois de nós e que nunca mais saiu." Eu apertei minhas mãos apenas para que tivesse algo para segurar. "Eles vão prender a ambos por assassinato?", Perguntei, e depois prendi a respiração enquanto esperava sua resposta. "Se eu não fizesse o que eles queriam, então sim, eles teriam nos prendido; mas eu fiz o que eles queriam, então eles não vão. Esse era o trato que eles me ofereceram, e eu aceitei." "Eles podem fazer isso?", Questionei, incrédula. "Eles vão livrá-lo completamente de um assassinato se você ajudá-los?" Ryder assentiu. "Eles têm as nossas impressões sobre o plástico, mas essa é a única prova, e mesmo sendo uma peça fundamental, há muito mais que eles podem achar. Mas eu não queria testá-los e realmente fazê-los procurar para algo ou alguma outra coisa para nos complicar. Eu fiz o que eles queriam e eles nos deixaram fora do gancho". "Mas como?" Pressionei. "Será que não tem de haver um julgamento perante um juiz e-" "Não com essas pessoas, Branna. Os federais podem ser tão corruptos quanto os gangsters. Eles podem fazer tudo desaparecer se conseguirem o que querem, e tudo que eles queriam eram


informações sobre as relações de Brandon Daley. Eu nunca confirmei isso, mas eles sabem que Marco está morto, o que realmente deixa todos felizes. Todo mundo o odiava." "Tem certeza que fez a coisa certa?", Perguntei, preocupada que isso fosse explodir em seu rosto. "Que escolha eu tinha, Bran?" Meus ombros caíram. "Nenhuma, eu acho." "Eu sabia que era arriscado e que não podia confiar neles, mas se eu recusasse o negócio eles me teriam, e a Dominic, presos. Eles não se preocupam com um par de corpos não rastreáveis que sabem quem são. Ninguém sente falta de gangsters, Branna, especialmente a lei. " "Eu entendo tudo isso, mas quais exatamente eram os termos do acordo?", Perguntei conforme uma dor latente fixava residência em minhas têmporas. "O que eles esperavam de você?" "Eles queriam me usar como infiltrado, para descobrir alguma merda sobre o trabalho de execução. Ele é completamente limpo e mais privado do que aquele onde Marco sempre esteve, e é um mistério para os federais. Eles queriam saber quem são seus contatos, onde e de quem ele compra seu produto... eles basicamente queriam saber tudo sobre ele. " "O FBI tem vigiado Brandon?" Eu questionei com minhas sobrancelhas levantadas. "Claro; todo mundo com tanto poder quanto ele está no radar dos Federais." Isso não deveria ter sido uma surpresa, mas era. "Então, o negócio foi para você ser um infiltrado, passando informações. É isso?" "Quase", Ryder disse com um grunhido. "Marco, o filho da puta, me listou como proprietário de uma série de propriedades fodidas na cidade onde merda aconteceu. Ele tinha contatos em


todos os lugares, e apresentar algum documento falso para me fazer parecer proprietária legítimo de algum lugar não teria sido difícil para ele. Agora, desde que estou vivendo aqui nos últimos cinco anos, os federais sabiam que eu não tinha fisicamente tido nenhuma interação com qualquer uma das propriedades, mas porque elas estavam em meu nome eu era responsável pelo que foi encontrado dentro delas durante os buscas." Meu Deus. "Os federais incluíram esses casos como parte do negócio, mas se recusaram a pagar a conta pelos 'danos'. Eles disseram que iam me limpar de qualquer atitude errada se eu pagasse a conta, porem. Eu não tive escolha: eles poderiam me deportar e me prender nos Estados Unidos por tudo isso. E se isso não bastasse, eu poderia ser trazido de volta aqui após a pena nos EUA para ser julgado e preso por assassinato aqui também. Eu teria que pagarlhes um monte de merda de dinheiro para fazer essa besteira ir embora, mas eu não tinha o suficiente, então Dominic e Alec desistiram de suas ações e do que ganharam ao longo dos anos e me ajudaram. Kane o fez, também, mas já que ele tem seu próprio negócio não ficou tão quebrado quanto o resto de nós. E eu lhe disse que me envolvi num negócio de mau investimento quando você perguntou onde foi o dinheiro porque não queria te dizer a verdade, e para ser honesto, se eu não tivesse arruinado tudo e você nunca tivesse percebido a mudança em mim, eu nunca teria lhe contado." "Você ia esconder isso de mim?" Perguntei, chocada. Ele realmente ia esconder isso de mim? Ryder balançou a cabeça e sem hesitação disse: "Eu faria qualquer coisa para mantê-la segura de danos ou preocupação. Qualquer coisa.” Eu não sabia se devia ficar irritada ou sensibilizada com isso.


"Meus irmãos - menos Damien, porque eu nunca vou querer ele envolvido em pesadelos como este - me ajudaram com o meu trabalho. Eu tive que brilhar como um diamante para Brandon, então ele aprendeu a confiar em mim. Eu tive que entregar cada carga com sucesso, e transformá-las em lucro considerável. Eu não queria estar nisso por anos, porem, então eu precisava investir totalmente para terminar mais rápido. Eu tinha que ficar mais próximo dele. Mas, entrando no mundo dele, acabei me afastando de você. Eu não queria; eu nem sequer percebi isso no início, porque estava realmente estressado. Agora eu percebo que acabei trazendo minha raiva e ressentimento pela situação em que eu estava para casa e para você, e você não merecia isso." Exalei uma respiração instável. "Como seus irmãos estavam envolvidos?" "Como você sabe, Dominic conseguiu um emprego para lutar para Brandon. Como o dinheiro dele também tinha ido, e considerando que ser um personal trainer não fez sua renda suficiente, foi a cobertura perfeita para Bronagh. Ele lutaria para Brandon e receberia o pagamento, mas também ia manter os ouvidos atentos e me ajudar com qualquer informação que pudesse encontrar. É por isso que houve alguns dias aqui e ali onde eu estava com ele o tempo todo. Ele estava me ajudando. Kane e Alec também. Kane veio comigo à alguns postos de trabalho para assistir e guardar minhas costas, porque eu não confiava em ninguém da tripulação de Brandon - exceto Gavin, mas ele é apenas um pequeno soldado classificado e não teria qualquer informação que eu já não soubesse." O irmão mais novo de Aideen acabou caindo no mundo de Brandon Daley, e eu odiava saber disso. E o pequeno bastardo teimoso não queria sair também, não importava o quanto Aideen e seus irmãos tentassem forçá-lo.


Keela estava trabalhando para que seu tio apenas expulsasseo da quadrilha, mas isso estava se provando ser bem difícil. "Por sua vez, Alec pode encantar uma cobra, e eu estava lidando com um monte de cobras, especialmente quando estava tentando fechar acordos sobre armas. Uma ou duas vezes eu tive que lidar alguma mulher osso duro de roer, ou com um homem preso, e isso era quando eu precisava de Alec. Eu o trouxe junto comigo nessas ocasiões, e sem tornar-se muito óbvio ele fez sua coisa-namoradeira, e sem esforço as pessoas fizeram o que ele quis. Ele nem sequer toca em alguém; ele apenas sorri e inicia conversas com eles. Estilo típico de Alec. Ele faz fechar esses tipos de acordos com pessoas gananciosa muito mais fácil." Levantei minhas mãos para o meu rosto e esfreguei os olhos. Então baixei os braços e balancei a cabeça, não sendo capaz de compreender a profundidade do que estava ouvindo. "Esta é uma responsabilidade muito grande." "Eu sei que é, mas você precisa saber tudo agora, para que entenda quão bem amarradas minhas mãos estavam." Eu não podia nem começar a imaginar o que ele sentiu, ou passou, mas... Eu entendia que ele teve que fazer o que fez a fim de permanecer livre da prisão. Eu entendia essa parte. Era muito difícil de acreditar que era a vida real, mas eu consegui compreender. E então minha mente reuniu toda a merda, as lutas e a quebra geral do nosso relacionamento, e concluiu que, diante do que estava acontecendo, romper com Ryder era inevitável. Ryder não era um Deus; só havia um certo tanto que ele podia controlar. Sua experiência com sua vida passada fizeram as tarefas que ele teve que executar para o FBI um tanto quanto familiares, mas desta vez as apostas eram muito mais elevadas, e quando ele tentou me proteger disso tudo, involuntariamente me submeteu a outro tipo de horror.


Minha mente tinha entendido tudo isso, mas meu coração não o fez. Eu não podia simplesmente apagar a dor que sentia, ou superar o que vi. E como se para provar um ponto, a coisa mais superficial e idiota que eu poderia ter dito saiu da minha boca quando eu pensei sobre a noite em que fui sequestrada. "Você realmente não estava me traindo com aquela mulher Lucy?" Sussurrei. "Não, eu juro." Disse Ryder sem hesitação. "Ela era apenas o meu contato para os federais. Eu a encontrava todas as noites em um local diferente para obter a escuta e descobrir qual merda eles queriam que eu fizesse." Oh. "Eu apenas pensei... quando vi você se inclinando no carro dela, e ela riu... Eu apenas pensei o pior." "Ela riu naquele dia como o fez em todas as noites, no caso de eu ser seguido pelos homens de Brandon, para realmente fazer parecer que eu estava me encontrando com ela. Mas eu juro, sempre foi apenas você, Branna. Eu nunca toquei outra mulher desde a noite em que nos conhecemos". Minhas mãos tremiam. "O que eu deveria pensar? Eu vi o que eu vi e cheguei a conclusão a qual a maioria das pessoas chegaria", eu disse quando meu lábio inferior tremeu. "Você se afastou de mim, deixou nossa casa todas as noites e tomava banho antes de chegar perto de mim quando finalmente voltava. Quando eu vi você com ela, eu comecei a colocar tudo isso junto, e só piorou tudo dentro da minha cabeça." Ryder fez uma careta. "Eu me sentia sujo cada vez que entrava pela porta da frente da nossa casa sabendo da merda que tinha feito. Eu não queria mancha-la com a minha sujeira. Você é pura para mim, e eu não queria que nada do eu estava fazendo te afetasse."


"Mas me afetou", eu sussurrei. "Você... você me fez pensar que me odiava." "Eu nunca quis que isso fosse tão longe", ele frisou quando se inclinou para frente e tomou minhas mãos nas suas. Eu fiquei chocada ao perceber como o sentimento familiar de suas mãos calejadas instantaneamente me acalmou. "Eu pretendia me distanciar apenas até que isso tudo tivesse acabado, mas quando começamos a discutir eu não consegui parar a espiral. Você, sua irmã e as outras meninas, todas vocês significam o mundo para mim, para a minha família. Nós concordamos que mantê-las no escuro era a melhor coisa a fazer. Damien também. Nós não lhe dissemos nada porque sabíamos que ele iria querer nos ajudar, e foi decidido há muito tempo que ele nunca estaria envolvido com nosso tipo especial de merda. Dessa forma, se alguma coisa desse errado e eu e Dominic fossemos para a prisão, nenhum de vocês poderia ser implicado. Vocês não saberiam de nada do que estava acontecendo, e consequentemente ninguém poderia tentar usa-los como acessório." Eu balancei a cabeça em descrença. "Isso simplesmente não parece real." "Eu gostaria que não fosse." Eu também. "Você disse que terminou com o FBI; isso significa que Brandon foi preso?" Ryder sacudiu a cabeça. "Não. Eu consegui todas as informações que pude, mas eles ainda não descobriram qualquer um de seus contatos, fontes ou distribuidores. Brandon nunca me deu ordens diretamente também; era sempre outro homem que me dizia o que fazer e para onde ir. Por isso, mesmo que investigação não tenha sido um fracasso, também não serve para prendê-lo. Brandon me aceitou, mas ele sabia o que eu estava fazendo em sua


gangue, e por que eu estava lá. Ele foi muito cuidadoso durante o meu tempo com ele." Medo tomou conta de mim. Engoli em seco. "Ele poderia matá-lo!" Imagens de puro horror passaram pela minha mente. Ryder bufou. "Ele não vai; eu acho que ele achou divertido na verdade. Ele me disse que não gosta de ratos, e disse que tinha o mau hábito de pisar neles. Concordei com ele e disse que eu odiava policiais ainda mais, porem, porque eles eram como cobras na grama. Quando eu disse isso, eu ajustei minha camisa para mostrar parte da minha escuta e olhei bem nos olhos dele. Ele rapidamente pegou a informação que eu estava oferecendo." Eu senti meu queixo cair. "Você jogou fora o motivo pelo qual estava lá! Por quê?" "Porque Brandon é justo... e eu malditamente odeio policiais, Branna. Os federais... eles são um nível totalmente diferente de escória; eles me jogariam na frente de um ônibus para conseguir o que querem se for preciso". "Seu idiota!" Eu rebati. "E se eles descobrirem por que você não tem as informações de merda?" "Eles foram mais inteligentes, e finalizaram a minha parte na operação na noite em que você foi... atacada. Disseram-me naquela noite que depois de quarenta e oito horas estariam embalando suas coisas e deixando o país, e que eu poderia voltar para a minha vida normal então. É por isso que eu queria esperar para te contar... no caso deles mudaram de ideia." "Eu não sei como me sinto sobre tudo isso." Admiti. "É muito intenso." Ryder se inclinou para frente e pressionou sua testa na minha. "Eu sinto muito, Branna," ele sussurrou. "Ter você na minha vida arruinou a sua."


O toque de sua pele contra a minha foi como um choque de eletricidade. Eu me afastei dele e olhei em seus olhos. "Não se atreva a dizer nada assim para mim novamente. Você ainda é tudo para mim, mesmo que eu esteja furiosa com você. Estou com raiva e magoada, mas é só porque o pensamento de perder você me mata." O rosto de Ryder suavizou. "Por que você me deixou se não quer me perder então?" Meus ombros caíram. "Você não me deixou outra escolha. Ou você me contava o que você estava fazendo ou eu tinha que sair. Me destruiu ter que te deixar, mas viver do jeito que tinha sido ao longo do último ano e meio tinha me arruinado, também. Eu não tive escolha." Ryder ligeiramente sorriu. "Eu vou consertar o que fiz." "Eu sinto como se o seu sorriso fosse uma linda mentira", sussurrei, "e que não posso confiar nele mais do que posso confiar em você." "Mas... mas eu acabei de lhe contar por que eu me comportei do jeito que fiz." Eu balancei a cabeça. "E eu entendo, mas isso não muda nada agora. Eu preciso de espaço." "Não me deixe sozinho, Branna." Ryder pediu. "Eu estou te implorando." "Você me deixou sozinha por meses enquanto estava fisicamente aqui comigo, e agora eu entendo porque, mas ainda dói." Retruquei. "Tudo o que tínhamos desapareceu." "Não", ele assobiou. "Nada desapareceu, porque eu ainda fodidamente te amo mais do que a própria vida, e você me ama também. Eu sei isso." "Amar você é fácil, Ryder, mas confiar em você não é." "Eu sei, e eu vou ser eternamente culpado por causar-lhe tanta dor."


Fiquei em silêncio por alguns momentos, apenas organizando meus pensamentos. "Você pode me perdoar?", Perguntou Ryder, sua voz tão baixa que eu mal o ouvi. "Você poderia chegar a um ponto onde acha que poderia fazer isso?" Eu poderia? Perguntei a mim mesma. "Eu não sei", admiti. "Eu preciso de tempo para pensar." "Eu vou dar-lhe tempo e espaço. Eu vou te dar o que você precisa, eu prometo." Ele estava se agarrando às minhas palavras como uma tábua de salvação. "Isso não vai acontecer durante a noite, Ryder." Eu disse com firmeza. "Eu não posso simplesmente consertar o que foi quebrado com um estalar de dedos. Por isso, certifique-se de me dar tempo, ok? Eu não posso voltar para o modo como as coisas eram antes de tudo isso começar só porque agora eu sei a verdade - eu tenho que fazer isso devagar. Nós dois precisamos desse tempo, na verdade. Eu entendo o que você me disse, mas meu coração... ele não pode simplesmente perdoar e esquecer tão facilmente." Ryder balançou a cabeça para cima e para baixo. "Eu entendo. Eu vou fazer o que você quiser". Fiquei aliviada que ele ia fazer o que eu queria sem me dar problemas. Eu soltei um suspiro. "Não fique ao redor procurando por mim, ok? Quando eu estiver pronta eu vou até você." "E o que... o que acontece se você nunca voltar para mim?" Ele perguntou, medo obvio atado em seu tom. "Eu não posso responder a isso, e sinto muito se estou sendo cruel, mas agora eu preciso fazer o que é melhor para mim." Depois de um momento Ryder assentiu. "Tudo bem, querida."


Ele então se levantou, e parecia que ia inclinar-se e me abraçar ou beijar, mas ele se conteve e foi até a porta do quarto. "Eu te amo, Branna", disse ele. "Eu tenho uma maneira de merda de mostrar isso, mas eu te amo, doçura." Ele deixou-me então, e não muito tempo depois que ele saiu eu comecei a chorar. Eu não sabia por que estava chorando quando fui a única que lhe pediu para me dar tempo e espaço, porem. A confusão estava me matando. Minha mente se sentia de uma maneira, e meu coração de outra. Eu odiava quão misterioso Ryder tinha sido ao longo do último ano e meio, mas agora eu mesma tinha me tornado um enigma. Quão fodidamente irônico era isso?


Duas semanas depois… Tinham se passado quatorze dias desde que Ryder me contou a verdade, e eu ainda estava confinada no meu quarto, onde ficava para que pudesse realmente pensar. A menos que fosse para comer, usar o banheiro ou tomar um banho, eu apenas fiquei no meu quarto. Eu gostaria de poder voltar a trabalhar para me ocupar, mas tinha comparecido apenas à duas sessões das seis agendadas com o terapeuta que o Conselho de Saúde me atribuíu, e era difícil realmente me abrir para ela sem revelar quaisquer segredos que não eram para seus ouvidos. Mesmo com a ajuda dela, eu estava emocionalmente em um impasse, porque não sabia como colocar meu coração na mesma pista onde estava minha mente. Eu sabia o que aconteceu com Ryder em todos os detalhes, e entendia cada aspecto da coisa toda, mas ainda estava presa à dor que ele me trouxe ao longo do último ano e meio, mesmo que ele não tivesse feito nada disso de bom grado. Eu sentia raiva, mas não sabia se ela era dirigida apenas a Ryder ou se também se estendia a como ele me fez sentir quando me afastou. Era uma batalha mental bastante cruel, porque eu simplesmente não podia decidir o que fazer. Não ajudou eu sentir falta dele terrivelmente mal. Estar tão insegura sobre como eu realmente me senti depois de tudo que descobri era ainda mais


difícil quando tudo que eu queria era estar com ele para que pudéssemos lidar com isso junto. Por um lado eu queria voltar para ele e tentar fazer as coisas entre nos darem certo, porque mesmo depois da fase difícil que tivemos, eu tinha passado cinco anos da minha vida com alguém que realmente amava, e eu não estava pronta para desistir disso ainda... mas, por outro lado, eu estava tão emocionalmente destruída que não tinha certeza se poderia voltar a confiar totalmente em Ryder - e se não havia confiança não haveria relação. Virei à cabeça e olhei para a minha porta quando uma batida suave soou. "Entre," eu chamei. A porta se abriu, mas em vez de minha irmã me verificando, era Alec. "Hey," eu disse quando sentei. "Esta tudo bem?" Ele balançou a cabeça e fechou a porta atrás de si. "Está tudo bem... Bronagh esta apenas preocupada com você. Eu disse a ela que viria conversar com você, e roubar-lhe um sorriso ou algo assim." "Eu só tenho que olhar para a sua cara feia para sorrir." "Foda-se você também." Eu ri, e isso fez os lábios de Alec se contorcerem enquanto ele atravessava o quarto. Movi-me para que ele pudesse sentar na cama comigo, e sorri abertamente quando ele chutou os sapatos antes de subir na cama ao meu lado e relaxar contra alguns dos meus travesseiros. Eu me inclinei para trás também, e juntos nós dois olhamos para o teto. "Se você ficar neste quarto por mais tempo", ele começou, "Eu tenho medo que você vá se transformar em uma peça de mobiliário estilo A Bela e a Fera - menos o canto, porque você não pode cantar. De nenhuma maneira."


Mais uma vez, eu ri. "Vou manter isso em mente, Fera". Alec bufou, em seguida, após um período de silêncio entre nós, ele perguntou: "Como você está? E não diga bem só para me agradar. Como você está... realmente?" Essa pergunta foi constante desde o ataque, mas eu ainda não tinha uma resposta sólida para ela. Engoli em seco. "Num minuto eu estou bem, e então no seguinte estou em pedaços. Estou muito confusa sobre Ryder também... eu só não sei o que fazer, e isso está me deixando louca." "Você sabe que manter as coisas engarrafada não é bom para você: olhe o quão triste você se tornou quando escondeu seus problemas com Ryder de todos nós." Ele estava certo, mas isso não significava que eu poderia quebrar o personagem tão facilmente. "Velhos hábitos custam a morrer, eu acho." "Eu não posso imaginar como é difícil deixar alguém ser seu ombro para chorar quando tudo que você sabe fazer é ser a mais forte." Alec se aproximou e pegou minha mão na sua. "Você sempre foi forte para Bee, e em seguida para cada um de nós quando as nossas besteiras voltaram para nos morder na bunda. Você é incrível, Bran, e nós não queremos te incomodar: nós só queremos mostrar que estamos aqui para você como você sempre esteve sempre lá para nós." Lágrimas se reuniram nos meus olhos. "Eu tenho uma coisa sobre não chorar, mas você está fazendo não chorar meus olhos para fora muito difícil agora." "Ouça-me," Alec disse quando se levantou da cama, puxandome junto com ele até estivéssemos em pé um de frente para o outro. "Você pode chorar por dias se quiser, e isso é bom. Antes da sua


noite do mal você viveu um ano e meio no inferno. Se chorar vai ajudar, então chore, porra." Eu balancei a cabeça e enxuguei os olhos com as costas da minha mão. "Estou cansada de chorar; chorar não muda nada." "Então sorria em vez disso. É preciso mais esforço para franzir a testa do que para sorrir, de qualquer maneira." Meus ombros caíram. "Não tenho motivos para sorrir." "Claro que tem", Alec rapidamente declarou. "Você sobreviveu a uma noite de terror, você descobriu que Ryder não estava te traindo, e que ele não estava se afastando de você porque não te ama mais. Você tem um monte de motivos para sorrir." Quando ele colocava assim, eu queria chutar meu próprio traseiro por me sentir tão miserável. "É difícil," admiti. "Acredite em si mesma", disse Alec. "E em Ryder." Suspirei. "É mais fácil dizer do que fazer." Ele manteve os olhos fixos nos meus quando disse: "Você acreditou em Papai Noel, no coelhinho da Páscoa e na fada do dente por anos enquanto crescia. Você pode acreditar em si mesma, no seu homem e no que você quer ter por cinco minutos, ok?" Pisquei, ainda em silêncio. "O quê?" Alec perguntou, mudando de pé para pé. Limpei a garganta. "Eu simplesmente tinha me esquecido que você é uma pessoa muito sábia. Você brinca o tempo todo e faz todo mundo rir e se divertir, mas você também é tão real quando necessário. Você dá bons conselhos." Um belo sorriso alcançou o rosto de Alec. "Eu te amo, Bran, e vou fazer e dizer qualquer coisa para ajudar você e Ryder a passar por isso." Ele estendeu a mão e puxou


meu cabelo como se eu fosse uma menininha. "Você é a razão pela qual eu decidi que um dia ia sossegar também, sabia? Antes de conhecer Keela eu costumava assistir a ambos, você e Ryder, e eu gostei de ver que Ryder podia ser feliz e completo apenas por vê-la. No começo eu achava que ele era patético e um pau mandado, mas quanto mais eu fiquei em torno de ambos, mais eu percebi que o que vocês tinham era real. Eu quis o mesmo para mim então, e agora eu tenho exatamente isso. É um trabalho duro, com certeza, mas você e Ry podem dar conta. Não desista, ok?" Ele riu quando eu saltei para frente e passei meus braços em torno de sua cintura, pressionando meu rosto contra seu peito. Ele colocou seus braços em volta de mim e me apertou com força em retorno. Minhas lágrimas corriam livremente então, mas finalmente não eram lágrimas tristes: eram de esperança. Era isso que Alec tinha acabado de me dar. Esperança. Eu não tinha experimentado essa sensação há um longo tempo, mas não podia negar que era algo incrível. "Obrigada, Alec", eu murmurei contra seu peito. Quando me afastei do nosso abraço e olhei para cima, porem, não pude deixar de rir. Ele era tão diferente agora do que quando eu o conheci na Darkness todos esses anos atrás. "O quê?", Ele perguntou, rindo da minha expressão pateta. Eu balancei minha cabeça. "Eu estava pensando sobre a primeira vez que te vi, e sobre a primeira coisa que você me disse." Sem aviso ele girou em volta do meu corpo e bateu na minha bunda, fazendo-me ganir com surpresa. "Você ainda tem uma grande bunda", seu sorriso se aprofundou. "Mas não conte a Keela que eu disse isso." Eu ri e divertidamente o golpeei, até que ele saiu do meu alcance.


"Você é louco." "Ninguém em sã consciência é tão impressionante", disse ele enquanto apontava o dedo para si mesmo. Eu ri. "Eu preciso que você me faça um favor." "Só dizer", ele afirmou. "Antes que eu perca esse pouco de coragem que acabei de encontrar, acho que preciso fazer uma visita ao seu irmão. Você realmente esclareceu as coisas para mim. Se eu não acreditar no que eu e Ryder tínhamos, e no que poderíamos ter novamente, então estarei desistindo sem lutar. Estou exausta, na verdade, mas acho que ainda tenho folego para outra rodada. Eu tenho que tentar mais uma vez, ou vou me arrepender pelo resto da vida." Alec ergueu a mão no ar, e eu bati a palma da minha própria mão contra a dele, rindo. Eu já estava vestida, então apenas peguei um par de sapatos e desci as escadas com Alec. "Onde você está indo?" Olhei para minha irmã parada na porta da sala de estar com Dominic atrás dela; ambos estavam olhando para mim com expectativa. "Falar com Ryder." Eu respondi. "Sério?", Disse Bronagh, os olhos arregalados. "Boa conversa ou má conversa?" Dei de ombros. "Minhas intenções são boas, e eu sei que Ryder vai gostar do que eu tenho a dizer, então acredito que será uma boa conversa." Ser atacada em um abraço por uma mulher grávida de 30 semanas não era o que eu esperava, e eu sei que se Alec não estivesse atrás de mim quando Bronagh se arremessou em meus braços, nós teríamos caído no chão. Mas, eu considerei esse interlúdio como um bom presságio. Esperemos que duas irmãs levemente desiquilibradas fossem a única coisa quase caindo hoje,


porque eu esperava sinceramente que meu coração não compusesse as estatísticas. Eu esperava.

"Você sabe, para que isso realmente funcione você tem que sair do meu carro." Eu apertei minhas mãos sobre as pernas trêmulas. "E se ele mudou de ideai sobre nós?" Perguntei a Alec enquanto ele tirava as chaves da ignição de seu carro. "E se ele ficou puto por eu não ter feito contato com ele em duas semanas?" "Branna," Alec riu. "Ele está disposto a esperar pelo resto da vida por você. Ele está morrendo de medo que você não volte para ele nunca mais. Temos lidado com essa merda desde que ele lhe contou a verdade." Eu realmente esperava que Alec não estivesse dizendo isso só para me fazer sentir melhor. Eu inalei e exalei um suspiro profundo, e então disse: "Fodase. Vamos fazer isto." "Isso mesmo, menina!" Alec gritou. Nós dois saímos do carro e percorremos o caminho de paralelepípedos que levava à minha antiga casa. Era estranho que apenas ver essa casa me fizesse sentir falta de Ryder muito mais. Eu decidi que era porque muitas coisas boas aconteceram lá: tantas coisas boas que ultrapassavam com folga as ruins. Havia lembranças dessa casa que eu iria manter para sempre - e outras nas quais eu nunca iria pensar novamente. Quando entramos na casa eu tive um rápido flashback de ser atacada na cozinha, mas afastei rapidamente essas lembranças. Big Phil tinha desaparecido, e o torcido filho da puta não poderia me machucar mais. Eu não ia permitir.


Eu nunca permitiria que alguém tivesse o poder de me machucar novamente. Segui Alec pelo corredor, mas quando ele entrou na cozinha eu ainda pairava fora da porta. "E aí, mano?" Alec perguntou a Ryder. Eu ouvi um suspiro. "Nada. Eu pintei o seu antigo quarto para me dar algo para fazer. Provavelmente vou consertar alguns dos buracos no antigo quarto de Dominic agora. Você quer ficar por aqui e me ajudar?" "Não é possível Irmão, só vim traze-la." "Quem esta ai?" Ryder questionou. E essa era a minha deixa. Entrei na cozinha com minha cabeça erguida, e quando Ryder me viu ele levantou-se e deixou a taça que estava a meio caminho da sua boca cair no chão com surpresa. "Merda", ele assobiou quando o copo foi feito em pedaços. Em seguida, limpou a garganta e disse: "Branna." Eu levantei minha mão e levemente acenei. "Ei, Ry." "Oi, hey", disse ele em rápida sucessão. "Olá." "Bro, uma saudação é o suficiente", Alec murmurou. Ryder parecia não saber o que fazer com seus braços, porque os dobrou sobre o peito e logo em seguida deixou-os cair para os lados, antes de dobra-los de volta em seu peito. Seu nervosismo óbvio ao me ver fez me sentir menos nervosa sobre vê-lo, e eu estava feliz por isso. "Desculpe-me por apenas chegar sem aviso prévio," eu disse antes de morder meu lábio inferior. Ryder sacudiu a cabeça. "Não, não, é mais do que bom. É ótimo, na verdade. Realmente, realmente grande."


"Ry," Alec disse, e quando eu olhei para ele o flagrei tentando não rir. "Você precisa se acalmar." "Me acalmar? Eu estou calmo." Ele não estava. Ryder pigarreou então, e me olhou da cabeça aos pés. "Você está linda, querida." Eu senti meu rosto esquentar quando olhei para minha camiseta branca lisa, leggings pretas e sapatilhas cinza. Eu estava sem maquiagem, e meu cabelo estava preso em um rabo de cavalo alto. Eu definitivamente não estava linda; na verdade, eu me sentia uma bagunça. “Eu uso essa roupa para dormir." Eu disse enquanto arranhava a parte de trás do meu pescoço. "Eu não estava pensando em vir ate aqui, mas então Alec teve uma conversa comigo e aqui estou." Ryder olhou para Alec, e quando eu vi a gratidão em seus olhos para seu irmão um nó se formou na minha garganta. "Obrigado, mano", disse ele. Alec piscou. "Só estou fazendo a minha parte. Vou pegar você mais tarde, Branna, ok?" Antes de qualquer um de nós pudesse responder, Alec estava fora da casa e fechando a porta atrás de si. Ryder e eu estávamos de pé na cozinha uns pares de metros distantes um do outro, e por algum motivo eu me senti ansiosa. "É bom ver você", eu disse indiferente. Ryder piscou. "É?" Eu balancei a cabeça. "Sim. Eu senti sua falta, Ry." Seu peito inchou um pouco. "Eu senti sua falta também, baby. Um inferno de muito". Meu lábio contraiu. "Muito, né?"


"Demais", frisou. "Um céu e um inferno de muito." Eu sorri, e então sem aviso Ryder cruzou o espaço entre nós, segurou meu rosto com as mãos e olhou para mim com os olhos vidrados. "Querido", eu respirei. "O que está errado?" "Você não me odeia", ele sussurrou. Levantei minhas mãos e as coloquei em sua cintura. "Não", eu disse com firmeza, "não odeio." "Eu pude ver isto em seu sorriso", ele murmurou, "e na maneira como você estava olhando para mim." Dei-lhe um pequeno aperto. "Eu nunca odiei você, querido. Fiquei muito irritada com você, com certeza, mas ódio nunca foi uma emoção que eu dirigi a você – eu apenas odiei a maneira como você me fez sentir." "Você estava irritada... o que significa que não está mais?" Eu balancei minha cabeça. "Eu estou mais confusa do que qualquer outra coisa. Num minuto estou furiosa com você por deixar tudo chegar tão longe sem falar comigo, então no minuto seguinte eu compreendo a situação em que você estava... e entendo porque você escondeu um segredo de mim. E minha indecisão sobre tudo isso está me deixando insana." "Mas você está aqui... por quê?" Ele questionou. "Quer dizer, eu estou realmente muito feliz por você estar aqui, mas... por quê?" Lambi meus lábios. "Alec falou comigo, e ele estava certo quando disse que eu tenho que acreditar em você, em nós." "E você acredita?", Ele perguntou, sua voz agora rouca. "Você acredita em nós? Em mim?" "Sim, eu acredito", eu disse com um aceno de cabeça firme. "Eu simplesmente não serei capaz de continuar de onde paramos. Acho que vamos precisar seguir uma direção diferente agora, e bem


mais lento. Com o tempo, acredito que as minhas preocupações, meu medo e minhas dúvidas vão desaparecer se formos mais devagar." "Sim", Ryder disse asperamente. “Qualquer coisa para tê-la comigo de novo.” “Eu sempre vou ser sua.” “E eu sempre vou ser seu, doçura.” Doçura. Ouvir o termo carinhoso que eu tanto amava me fez perder uma respiração, e fez meu coração saltar uma batida. “Você é você de novo", sussurrei. "Eu pensei que este Ryder nunca fosse voltar para mim." "Eu nunca te deixei, querida", ele respirou, sua pele corada. "Eu achava que estava protegendo-a por mantê-la afastada, mas agora vejo os danos que causei. Eu quebrei seu coração, e nunca vou me perdoar por isso. Sinto muito, querida. Porra, me desculpe". "Você pode consertar isso", eu disse, minha voz apertada com emoção. "Você pode fazer meu coração esquecer tudo e apenas girar em torno de você mais uma vez. Eu sei que você pode." Ryder se inclinou para me beijar, mas eu ainda estava hesitante. "E se beijar levar a algo mais?", Questionei. "É cedo demais para isso?" "Para alguém que quer ser arrebatada, você com certeza esta pedindo um monte de direções." Eu fiz uma careta. "Sinto muito; eu estou tentando." Ryder me deu um pequeno sorriso. "Eu sei querida. Apenas deixe acontecer; você não precisa ter o controle disso. Apenas sinta." Apenas sinta.


"Eu estou... Estou com medo." Sussurrei. "E se não for o mesmo de antes?" Ryder se aproximou de mim e sussurrou: "E se for melhor?" Meu coração vibrou. "E se for demais?" "Demais?", Repetiu Ryder. "Branna, nunca é suficiente. Eu nunca me canso de você. Você entende isso? Eu sou viciado em você." Chupei uma respiração profunda e apertei meus joelhos quando minhas pernas começaram a tremer. "Tudo sobre você é atraente para mim." Ryder continuou. "Seu rosto, seu corpo, seu sorriso, sua voz, sua risada, seu cabelo, seu cheiro, sua personalidade. Puta que pariu, doçura, você é para mim. Você tem sido para mim desde que eu coloquei meus olhos em você há cinco anos". Meu peito estava subindo e descendo rapidamente à medida que meu coração acelerava em meu peito. Ryder acariciou os polegares sobre meu rosto, e com seus olhos sedutores olhou através de mim, e encontrou minha alma. "Eu. Amo. Você. Branna." Eu forcei para baixo o nó de emoção que estava na minha garganta e sussurrei: "Eu amo você, também, Ryder. Tanto que dói.” Ele não perdeu tempo em conectar minha boca com a sua, beijando-me com uma fome que eu não tinha experimentado em um longo tempo - e ao contrário de antes, eu não o impedi. Eu o beijei de volta, e, quando ele se afastou, fiquei muito feliz de perceber que não queria que ele tivesse parado. "Você é a luz da minha vida", disse Ryder, respirando pesadamente contra os meus lábios. "Sem você tudo estava escuro e desagradável. Eu não quero viver sem você." Sua honestidade me fez chorar. "Olhe para mim", ele ordenou.


Abri os olhos e olhei para ele. "Eu. Amo. Você." Ele disse claramente. "Eu nunca mais quero ficar sem você. Nunca." Agarrei-me a ele "Case-se comigo", Ryder disse em sua próxima respiração. "Eu sei que nós combinamos vamos levar isso lento, mas diga que vai se casar comigo. Eu vou me mover numa velocidade que deixe você confortável, mas eu preciso que você concorde em se casar comigo." Eu funguei. "Nós já estamos noivos", eu disse, confusa. "Nós estávamos, antes de você terminar comigo. E agora eu preciso ouvir você dizer que ainda quer ficar comigo pelo resto das nossas vidas. Por favor, querida, eu preciso te ouvir dizer isso. Eu preciso." "Sim", eu disse sem hesitar. "Sim, eu ainda quero me casar com você. Nós somos para sempre". Ryder levantou a mão e levantou seu dedo mindinho para mim. "Para sempre?" Disse. Liguei meu dedo firmemente em torno do dele, e quando meu coração bombeou com nada além de puro amor, eu disse: "Para Sempre".


Três meses depois… "Por que suas sobrancelhas estão feitas?" Keela perguntou a Dominic quando nós nos sentamos na sala de estar da casa dela e de Alec. Todos nós estávamos juntos, e por isso, quando os rapazes riram, o rosto de Dominic ficou vermelho de vergonha. Ele evitou olhar para seus irmãos quando disse: "Bronagh chorou porque eu não quis deixá-la fazer minha sobrancelha, e a única maneira de fazê-la parar de chorar foi deixa-la fazer o que queria. Ela esta extremamente grávida e é sensível a respeito de tudo, então eu vou deixá-la fazer o que quiser, sem argumento, se isso significar nenhuma lágrima". Rapaz esperto. Bronagh, Alannah e Aideen estavam na cozinha fazendo o jantar, então estavam fora do alcance da voz e não faziam ideia do rumo muito interessante que nossa conversa estava tomando. "Segure a porra do telefone," Alec riu quando se levantou e caminhou até Dominic, já inclinando-se para frente. Ele agarrou a cabeça do irmão e obrigou-o a olhar para ele. "Aw, tão bonito! Você é uma linda princesa!" Dominic empurrou Alec a distância e olhou para Damien e Kane, que estavam cobrindo a boca numa tentativa – completamente falha - de abafar suas risadas.


"Eu acho que você está ótimo," ofereci. "É bom ver um homem que apara as sobrancelhas. Elas são uma característica facial importante". Alec, Damien e Kane olharam para mim como se uma vagina tivesse de repente crescido no meio da minha testa. Dominic piscou. "Elas são?" "Claro," Keela respondeu por mim. "As suas não estavam perfeitamente em forma antes, mas agora que estão muito bem feitas, eu diria que você esta ainda mais atraente. Eu nunca percebi que elas estavam um pouco espessas demais antes, mas Bee fez bem. Você parece sexy." Dominic presunçosamente sorriu para seus irmãos, que estavam agora olhando para ele com as sobrancelhas erguidas. Alec, por outro lado, estava olhando para Keela, que tinha ido bem ate agora em evitar seu olhar. Eu bufei e me dirigi à Alec. "Deixe-a em paz. Não é como se ela estivesse mentindo. Dominic é sexy." O sorriso de Dominic se aprofundou, e presunção irradiava para fora dele em ondas quando ele cruzou as mãos atrás da cabeça e olhou ao redor da sala. Eu ri e balancei a cabeça para ele. Eu pulei quando um dedo cutucando no meu lado me assustou. Eu rapidamente olhei para o dedo e sorri: "Eu sei, eu sei, eu vou para pagar por falar do seu irmão mais novo, mas deixe-me dizer que mal posso esperar." Os lábios do Ryder se curvaram para cima. "Você é uma megera." "Eu sei," provoquei. Fazia três meses desde que eu fiz as pazes com Ryder, e quatro meses e uma semana desde que meu mundo desabou. Nós ainda estávamos levando as coisas devagar - e com isso eu quero dizer realmente lento. Nós não tínhamos feito muito mais do que


beijar um ao outro, e esta foi a melhor decisão que eu já tinha tomado. Na noite em que nos conhecemos, o sexo entre nós foi praticamente instantâneo. Houve tensão sexual espessa a partir do momento em que batemos os olhos um do outro antes, mas desta vez estávamos tentando uma abordagem diferente. Uma onde ouvimos nossas mentes e corações em vez da nossa libido. Sabíamos que se o FBI não tivesse desembarcado nas nossas vidas teríamos estado perfeitamente bem em continuar do jeito que estávamos no nosso relacionamento. Mas despois de tudo que aconteceu, estávamos tentando apenas começar do começo agora, e queríamos tentar tomar um caminho diferente desta vez. Nós mudamos nossas táticas, e estávamos levando as coisas em pequenos passos. Isso significava que nas noites de encontro um beijo na minha varanda foi o único resultado. Passamos tempo juntos, muito tempo, e redescobrimos tudo que amávamos sobre o outro. Eu também aprendi coisas novas ao longo do caminho. Parecia aborrecido, mas não era nada disso. Quando eu sabia que estaria encontrando Ryder mais tarde em determinado dia, meu estômago vibrava com borboletas, meu coração batia de emoção e eu não podia remover o sorriso do meu rosto nem por todo o dinheiro do mundo antes que efetivamente nos encontrássemos. Ficamos felizes novamente. Eu era eu, e Ryder era Ryder. Nós não éramos mais nossos velhos eus: estávamos em novas e melhoradas versões. O que suportamos - e não só ao longo dos últimos dois anos, mas desde o momento em que nos conhecemos fez-nos pessoas melhores, mais fortes. Tudo que enfrentamos ao longo do caminho solidificou nossa ligação, e me provou que realmente poderíamos superar qualquer coisa.


Eu tinha chegado à essas conclusões a mais de uma semana atrás, mas ainda tinha que explica-las a Ryder. Eu estava com um pouco de medo que minha epifania fizesse nosso relacionamento ate então em ritmo lento - correr a cem quilômetros por hora, porem, e não queria que isso acontecesse. Mas enquanto eu amava como estávamos progredindo, também sabia que não podíamos ficar do jeito que estávamos para sempre - e por isso eu planejava seduzir Ryder e fazer amor com ele pela primeira vez em quase um ano hoje a noite. Tinha apenas um problema, porém, e não era com Ryder ou comigo: era com nossos irmãos mais novos. Como eu ainda estava vivendo com Dominic e Bronagh, ambos levaram a nossa nova perspectiva sobre nosso relacionamento muito a sério, e queriam nos ajudar tanto quanto humanamente possível... e isso significava que tínhamos invertido nossos antigos papéis, e que eles eram as figuras parentais agora. E, deixe-me dizer, eles não se contiveram. Uma vez que o relógio batesse dez horas, anunciando o fim do meu encontro com Ryder, Bronagh estava lá mandando-lhe sair. Quando íamos para o meu quarto, Dominic obrigava-nos a deixar a porta aberta. Eu apreciei, mas também queria estrangulá-los. Não ajudou que o nascimento da bebê doce e terrivelmente preguiçosa de Bronagh estivesse treze dias atrasado. Na verdade, acrescentou nervos e agitação a uma pessoa já nervosa e agitada. A combinação não foi boa. Era uma das razões pelas quais eu estava feliz por ainda estar vivendo com eles, porem, porque eu queria estar lá para ajudá-los com o bebê, se necessário. Ser pai e mãe pela primeira vez é difícil o suficiente, por isso, se eles precisavam de mim para ajudar com qualquer coisa, eu estava de plantão. Apenas me chame de Super Tia. Eu sorri para os meus pensamentos, em seguida, olhei para Ryder quando ele me cutucou novamente.


"Por que você está sorrindo?", Ele perguntou, olhando para a minha boca como se quisesse devorá-la. Uma dor se formou entre as minhas coxas, e eu decidi jogar sujo. "Apenas pensando sobre os planos que tenho para nós mais tarde." Ryder tomou uma ingestão audível de ar. "Quais são os planos?", Ele perguntou, sua voz agora um sussurro. Eu sorri em resposta, e seu poder sobre mim apertou. "Apenas um pequeno sorriso e eu já estou duro para você." "Quão duro?" Eu corajosamente perguntei enquanto colocava minha mão sobre sua coxa e dava-lhe um aperto. Ele cerrou os dentes. "Pare com isso, ou eu vou ser bem sucedido em traumatizar meus irmãos neste momento." Eu ri com isso, e pensei em orientar a conversa de volta para a nossa primeira noite juntos. Mas rapidamente descobri que não traria nada de bom pensar em nossos corpos quentes e suados se movendo juntos como um só quando eu estava quase ofegante de necessidade ao lado dele. "Eu não acho que posso esperar," murmurei. Todo o corpo de Ryder ficou tenso. "A decisão é sua." Sim, é. "Agora", eu respirei. "Eu quero te sentir. Todo você." "Porra. Sim." Ele me beijou então, e alguns momentos se passaram antes que muitas gargantas pigarreassem.


"Uh, pessoal?" Alec murmurou. "Eu estou dando cambalhotas de felicidade por vê-los finalmente se pegando após uma longa seca e tal, mas nós ainda estamos aqui. Jax, também." Na menção de Jax, Ryder e eu nos separamos em um instante. "Desculpe," eu rangi. "Pelo que você esta se desculpando?" Olhei por cima do ombro quando minha irmã falou, e sorri porque ela estava linda. Ela discordaria, obviamente, porque estava convencida que era uma espécie ainda não descoberta de baleia. Estar com quarenta e duas semanas de gravidez aparentemente era apenas uma desculpa qualquer. "Nada", respondi. "Estamos apenas conversando." "É assim que é chamado agora?" Keela riu. Olhei para seu rosto sorridente e estreitei os olhos antes de sorrir de volta para Bronagh. "Keela disse que Dominic é sexy!" Eu rapidamente disse. Keela engasgou. "Você concordou comigo!" Bronagh gemeu. "Não use qualquer palavra em torno de mim que soe remotamente parecida com sexo. Sexo faz isso para você" ela apontou para sua grande barriga, “e lhe dá estrias!" "Você tem muitas?", Perguntou Keela, soando apreensiva. Ela e Alec estavam tentando engravidar. "Sim!" Bronagh quase chorou. "Na minha barriga, seios e até mesmo na bunda, porra!" Dominic abriu a boca para falar, mas Bronagh apontou o dedo perigosamente para ele. "Não agora", ela advertiu. "Eu não quero ouvir isso. Eu estou gorda, eu tenho estrias, eu não vi meus pés em semanas, e eu esqueci o que é ter sexo regularmente. Não me irrite mais do que já estou."


Alec parecia prestes a desmaiar. "Gravidez te impede de fazer sexo?", Ele perguntou com os olhos arregalados antes de olhar para Keela e dizer: "Nós estamos adotando." Todos nós rimos. "Foi apenas nas últimas semanas que paramos", Dominic resmungou. "Ela sentia um pouco de for, por isso não transamos mais." "Por que dói?" Kane questionou. Eu aprendi isso sobre os irmãos ao longo dos últimos anos: eles não têm limite sobre o que conversar, e não se importam de falar sobre um monte coisas que rapazes normalmente se abstém. Todos olharam para mim quando Kane falou, e eu limpei minha garganta. "Muitas razões diferentes, mas há não tem que ser uma específica. Quando uma mulher está grávida há mais fluxo de sangue em toda a região pélvica, e o ingurgitamento às vezes é simplesmente muito desconfortável durante o sexo. Isso desaparece quando o bebê nasce." "Louvado seja Jesus por isso", disse Dominic. "E pelo anal." As mulheres se encolheram enquanto os rapazes riram. "Bronagh", eu disse. "Relaxe no sofá." "Eu não posso; meu corpo está passando por algumas dificuldades técnicas." Com uma sobrancelha levantada eu perguntei: "O que significa isso?" "Isso significa que a bunda dela esta dolorida e que ela não pode se sentar." "Dominic!" Minha irmã gritou, horrorizada.


Alec fez ‘toca aqui’ com seu irmão mais novo e disse, "Meu homem". Irmãos. "Você deve fazer toda a merda atrevida agora," murmurou Kane. "Depois que ela tiver o bebê todas essas coisas só acontecem em raras ocasiões... como quando você arranja uma babá." Eu bufei. "Não se preocupe, tenho certeza que eles vão encontrar uma maneira." "Maldição, claro que vamos," Dominic sorriu e piscou para Bronagh, que estava balançando a cabeça bem humorada. "Vamos mudar de assunto", disse minha irmã quando sentouse no sofá ao lado de Dominic, que distraidamente passou o braço por cima do ombro dela. "Oh," Keela disse. "Vamos jogar ‘Pergunte-me qualquer coisa’. É um jogo para adultos, onde todas as perguntas são permitidas. Vou começar simples. Alec: com qual celebridade você gostaria de ficar?" "Mila Kunis," ele respondeu quase que instantaneamente. "O meu é Chris Evans," Keela respondeu. "Eu sei de qual celebridade masculina Alec gosta. É Matt Bomer," Aideen sorriu quando entrou na sala e sentou-se ao lado de Kane, segurando um Jax dormindo em seu peito. "Eu perguntei-lhe há muito tempo." Alec assentiu. "É verdade, meu desejo por ele era forte." Bronagh caiu na gargalhada subitamente. "Qual é a graça?", Perguntei, divertindo-me com sua explosão. "Quando eu conheci Ryder", ela riu, colocando uma mão em sua barriga, "Eu o achei muito parecido com Matt Bomer, só que todo tatuado. E agora eu descubro que Alec quer ter seu caminho


sujo com o rapaz. Ele quer transar com alguém parecido com seu irmão mais velho!" Eu ri, assim como todos os outros. "Essa piada é velha, Bronagh, porque Keela já arruinou Matt Bomer para mim quando me disse exatamente a mesma coisa nas Bahamas. Então foda-se muito!" Eu me dobrei de tanto rir enquanto as outras meninas ofegavam por ar quando as gargalhadas se amplificaram. "Vamos sair do tema ficar com celebridade," Alec, em seguida, resmungou. "Branna," Keela continuou, acalmando-se. "Faça a um de nós uma pergunta." Eu pensei sobre isso, e desde que eu tinha a sensação de que todas as perguntas estariam relacionadas a sexo, eu segui o tema também. "Bronagh", eu disse, sorrindo para a minha irmã. "Qual é a sua posição preferida na cama?" Dominic olhou para sua senhora com um sorriso em seus lábios. Bronagh refletiu sobre a minha pergunta em sua mente, em seguida, depois de alguma consideração séria, ela disse: "Perto da parede, por assim estou mais próxima da meinha se o telefone tocar." Eu absorvi sua resposta, em seguida, olhei para Dominic e cai na gargalhada. Um olhar de mágoa e traição estava estampado por todo seu rosto esculpido. "Chutar-me nas bolas teria sido menos doloroso, Bronagh", ele murmurou enquanto se levantava e praticamente se arrastava – junto com seu ego ferido - para fora do quarto. Bronagh olhou para suas costas, em seguida, olhou para mim e franziu a testa antes de arregalar os olhos e perguntar: "Você se referiu a uma posição sexual, não é?"


Eu balancei a cabeça, ainda rindo. Ela suspirou e gritou: "Estilo cachorrinho!" As coisas ficaram em silêncio por um momento, ate que um grito alto pode ser ouvido do outro cômodo. "Porra, eu sabia!" Meus ombros tremiam enquanto eu ria. "Por que você o provoca assim?" Bronagh perguntou, uma contração de sorriso em seus lábios. Dei de ombros. "Diverte-me." "Você é uma mulher doente", ela resmungou. "Estar em morfina quando você estava no hospital deve ter mexido com a sua mente, e acabou com toda a sua gentileza." Eu continuei a rir. "Dominic, volta", ela gritou, gemendo. "Minhas costas ainda estão doloridas." Ele entrou na sala tão rápido quanto saiu, e caiu ao lado Bronagh, que se inclinou para frente apenas o suficiente para Dominic poder deslizar a mão por trás dela e esfregar a base de sua coluna. "Não tenha medo de esfregar mais duro", ela resmungou. "E foi assim que ela acabou gravida," Alec disse, ganhando um sorriso de meu e de Keela. "Alguma vez você já pensou em desistir das insinuações sexuais?", Perguntei-lhe. "Porque deveria. Você pode ser tão nojento às vezes." "Eu tentei," Alec suspirou. "Mas é duro... tão duro." Peguei a almofada ao meu lado e joguei-a em seu rosto sorridente. Ele pegou-a antes que pudesse fazer contato, embora.


"Ryder, é a sua vez", disse Damien quando esticou os braços sobre o encosto do sofá de Keela e Alec. Ryder pensou um pouco e então perguntou a Dominic, "Qual foi a primeira coisa sobre Bronagh que te atraiu?" Dominic olhou para Bronagh e disse: "Seus olhos. Eu nunca tinha visto olhos tão verde esmeralda antes. Eles eram, e ainda são, lindos." O rosto de Bronagh corou carmesim, e isso fez Dominic sorrir. "Eu pensei que você fosse dizer bunda", ela murmurou. Seu lábio se contraiu. "Você não tinha ficado de costas a esse ponto, então eu só tinha uma imagem frontal. Eu não tive uma boa olhada do meu bebê até que estávamos na classe de trabalhos manuais, e você estava na estação de colagem. Eu juro que instantaneamente me apaixonei por você quando vi seu traseiro". Eu bufei. "Você é um pervertido.", Disse Bronagh, mas eu poderia dizer que ela estava satisfeita com sua resposta original. Dominic encolheu os ombros. "Eu sempre fiz o meu amor pelo seu traseiro conhecido, então não aja como se fosse uma súbita surpresa." Isso era verdade. "Ok, próxima pergunta", disse minha irmã. "Alec, o que significa fazer bolo de carne por amor?" "Anal", ele respondeu. "Definitivamente anal." Todos nós rimos. "Todas as perguntas serão sobre sexo, ou sobre algum ato sexual?" Alannah questionou quando entrou no quarto e apoiou os braços sobre o encosto do sofá ao lado da cabeça de Bronagh. "Porque o sexo é superestimado, vocês sabem."


Cada um de nós mudou nossa atenção para Alannah quando ela falou. Ela revirou os olhos para nós e disse: "E, só porque todos vocês têm boas vidas sexuais, não significa que todo mundo tenha o mesmo." Ela estava falando de si mesma? Alec sorriu. "Eu conheço alguém que estaria mais do que feliz em corrigir esse problema para você, querida." E Alec não entendia o significado do termo "sutil". "Eu vou buscar um pouco de água", disse Damien, levantando-se de sua posição no sofá e rapidamente indo ate a cozinha. Alannah focou em Alec. "Eu não acho que preciso de uma pessoa quando tenho uma coisa." "Brinquedos Sexuais?" Keela questionou com as sobrancelhas levantadas. "Você está repleta de surpresas, querida." Fiquei surpresa também, porque Alannah era muito tímida em comparação com o resto de nós, e o fato de que ela estava abertamente iniciando uma conversa sobre sexo era chocante. "É 2016", ela respondeu a Keela. "Vibradores são parceiros de vida perfeitamente aceitáveis." Bronagh franziu a testa. "Precisamos conseguir um namorado para você." Eu concordo. Alannah riu. "Confie em mim, enquanto eu tiver baterias reservas carregadas, nunca precisarei de um homem novamente." Dominic piscou. "Neste momento, como homem, eu me sinto barato. Somos mais do que máquinas de sexo; nós também temos sentimentos, sabia?" Alannah revirou os olhos. "Por favor. Na escola você fodeu seu caminho através de todas as meninas em nosso ano. Seus


sentimentos feridos nunca te fizeram sentir barato, mas posso garantir que suas ações fizeram elas se sentirem baratas." A conversa tinha tomado um inesperado, isso era certo. Dominic franziu a testa. "Eu era uma criança…" "Isso não muda nada." Alannah o cortou com raiva. "Você era velho o suficiente para saber que o que estava fazendo era doloroso, mas o fez de qualquer maneira. Você quebrou corações e não se preocupou com isso. Você era tão horrível." Merda. Que diabos estava acontecendo com Lana? Dominic parecia taciturno quando disse: "Eu não sou Damien, Alannah. Não fiz nada disso para você." Alannah piscou os olhos, em seguida, lançou um olhar assustado por cima do ombro, para se certificar de que Damien não estava ao alcance da voz. Seus ombros cederam de alívio quando ela não o viu. Mas eu olhei por cima do meu ombro também, e do meu ângulo pude ver que ele estava encostado na parede do lado de fora da sala de estar. Pela expressão em seu rosto, não havia nenhuma dúvida que ele tinha ouvido tudo que ela acabou de dizer. Porra. "Eu sei", Alannah murmurou para Dominic, "só é difícil separá-los às vezes. Vocês tem o mesmo rosto, e quando te vejo me machuco tudo de novo, mesmo sabendo que você não é seu irmão". "Lana-" "Olha, eu sinto muito", ela rapidamente disse. "Eu tive um mau começo para meu dia hoje, e estou descontando sobre todos vocês agora, o que não é justo." "O que aconteceu?" Ryder pediu, e eu pude ouvir em seu tom que ele estava preocupado.


Alannah pode não estar namorando qualquer um dos irmãos, mas ela era parte da nossa família e todos nós a amávamos. "Algum idiota bateu na minha traseira, e terminou que eu terei que desembolsar uma fortuna para consertar meu carro agora. É a última coisa que eu preciso. Merda, tudo esta indo de mal a pior para mim ultimamente. Eu só preciso de uma pausa, acho" ela disse enquanto dava de ombros. Senti-me como uma amiga de merda, porque não tinha ideia de que ela estava tendo problemas e, a partir do olhar em seu rosto, minha irmã também não. "Fale comigo", Bronagh levantou-se e virou a cadeira até que estivesse na frente de Alannah. "O que está errado?" Alannah olhou para Bronagh, em seguida, do nada, explodiu em lágrimas. "Meu Pai", ela gritou. "Ele esta tendo um caso, e minha mãe não faz a menor ideia." "Ah, porra," Alec sussurrou quando Bronagh cruzou os braços em volta de Alannah. ‘Ah, porra’ definia tudo muito bem. "O que devo fazer, Bee?", Ela soluçou. "Se eu contar a minha mãe vou quebrar o coração dela, e se não contar vou ser a pior filha do mundo por esconder algo assim". Bronagh abraçou Alannah firmemente mais uma vez. "Tem certeza que ele esta tendo caso?" Ela questionou. "Talvez você esteja enganada, querida." "Não estou", Alannah fungou. "Eu fui para a cidade ontem para comprar alguns cartuchos de tinta para a minha impressora e, quando estava passando por um restaurante algo me disse para olhar através da janela. Eu fiz, e lá estava ele, sentado com uma mulher com metade de sua idade e numa mesa perto da janela, onde qualquer um podia vê-los. Eu acho que ela pode ter a mesma


idade que eu! No começo eu nem sequer considerei nada, mas então ele se aproximou e tomou a mão dela na sua. Num segundo eles estavam segurando as mãos, e no próximo ele se inclinou e eles se beijaram!" "Duplo foda-se", Alec sussurrou. "Eu não sabia o que fazer", ela disse, com a menor oscilação dos lábios. "Eu estava com medo que ele me visse, então eu apenas corri de volta para meu carro e dirigiu de volta para o meu apartamento. Liguei para mamãe para ver o que ela estava fazendo, e ela disse que estava preparando o jantar para ele - seu prato favorito, nada menos - porque ele tinha tido que ficar longas horas no trabalho recentemente. Ela não sabe, Bronagh... como ele pôde fazer isso com ela? Com a nossa família? Eu o odeio". Meu coração se partiu por ela, e pela ignorância de sua mãe. "Nós vamos descobrir o que fazer", disse minha irmã, consolando sua amiga. Eu sabia que Bronagh estava dizendo o que achava ser necessário agora, mas eu podia ver em seu rosto que ela não tinha ideia de como ajudar Alannah. Eu sabia que ela faria todo o possível para ajudá-la, porem. Todos nós faríamos. "Sobre o seu carro", acrescentou Aideen, deslocando a atenção de todos para ela. "Eu vou chamar meus irmão e eles vão levar seu carro para a garagem. Me irmãos te amam e Dante acha que você é uma deusa, então eu tenho certeza que ele vai trabalhar em seu carro de graça." Alannah se afastou do abraço de Bronagh e olhou para Aideen. "Eu vou pagar. Eu não quero que eles me ajudem com nenhum custo, mas se eles parcelassem seria perfeito." Aideen disse: "Nós vamos trabalhar com isso, então não se preocupe."


Alannah assentiu, mas ela usava seu coração em sua manga e eu podia ver que preocupar-se era tudo o que ela estaria fazendo. Quando eu olhei para ela me vi a apenas alguns meses atrás. Ela sabia que toda sua vida estava prestes a mudar, e não tinha certeza se podia lidar com isso. "Lana", eu disse quando me levantei, sentindo à mão de Ryder cair para longe de mim. "Venha comigo; eu quero falar com você." Saímos da sala e, em seguida, caminhamos ate o jardim da frente da casa, onde podíamos falar a sós sem sermos ouvidas. "Não guarde tudo para você", eu disse. "Nada de bom virá de se fechar. Confie em mim." Os ombros de Alannah caíram. "Eu sei, e é por isso que eu contei tudo à vocês." "Estou orgulhosa de você por isso." Ela enxugou o rosto com as mãos. "Eu não posso contar a mamãe; isso vai mata-la". Eu não queria dizer a ela o que fazer, então só ouvi enquanto ela falava. "Eu acho... Acho que vou falar com ele. Eu não sei quando, mas vou descobrir isso... eu preciso falar com ele. Talvez... talvez eu possa faze-lo terminar o caso... Quer dizer, aquele poderia ter sido o primeiro encontro deles, certo?" A mãe dela disse que ele vinha trabalhando longas horas recentemente, então eu duvidava. "Lana-" "Eu posso faze-lo parar", continuou ela. "Ele vai escolher eu e mamãe acima de qualquer coisa. Eu sei que ele vai... ele só... ele apenas tomou uma má decisão. Isso é tudo." Ela estava me matando. "Alannah-"


"Está ficando tarde, eu tenho que ir embora", ela me cortou. "Eu prometi a minha mãe que iria passar por lá e ajudá-la a trazer suas roupas velhas para algumas lojas de caridade. Eu vou falar com você amanhã. Diga adeus a todos por mim, ok?" Ela me deu um abraço então, e antes que eu pudesse dizer uma palavra sequer ela já estava andando pela calçada em direção ao seu carro, que estava estacionado em frente à casa de Ryder, do outro lado da rua. Vi o dano na parte traseira de seu carro e quão esmagada sua porta de passageiro estava, e odiava que isso fosse mais uma preocupação adicional em sua lista. Observei-a arrancar e, quando ela estava fora da vista, entrei na casa de Alec e Keela e voltei para a sala de estar. "Ela está em negação", eu disse, chamando a atenção de todos. "Ela acha que pode fazer seu pai parar de trair sua mãe. Ela está colocando pressão sobre si mesma para manter sua família unida." Bronagh esfregou o rosto com as mãos. "O que nós vamos fazer?" Perguntou ela. "Tudo que podemos fazer", eu respondi. "Que é só estar lá para ela. Dizer a ela o que fazer só irá resultar em brigas, porque agora o que ela decidiu é a única coisa que faz sentido para ela". Silêncio caiu sobre a sala até que Damien disse: "Eu tenho que consertar a merda com ela. Eu ouvi o que ela disse para Dominic, e preciso corrigir as coisas entre nós. Eu odeio o que fiz para ela". "Eu entendo você melhor que ninguém", Ryder disse, "e meu conselho é: passos de bebê. Você disse que está arrependido um milhão de vezes, e lhe dá espaço quando ela está por perto. Mas o que você precisa fazer agora é deixá-la saber que você está aqui, que está esperando e que vai ganhar a confiança dela de novo." "Como diabos eu vou fazer isso?" Damien perguntou com um gemido. "Ela quase não olha para mim."


"Eu não posso responder a isso; é algo que você vai ter que descobrir por si mesmo, garoto. Mas é óbvio que você ainda gosta dela, então apenas continue lutando." Damien balançou a cabeça, em seguida, retirou-se para sua própria companhia para que pudesse pensar. Passamos as próximas horas juntos, e depois que Keela nos serviu um grande jantar, nos espalhamos ao redor da casa para digerir a comida. Kane, Damien e Ryder subiram com Alec para ver o novo conjunto de pesos que ele comprou. Dominic não deixou Bronagh, o que era o protocolo padrão desde que ela atingiu a marca de 38 semanas na gravidez. Ele se recusava a ser afastado de seu lado, no caso dela entrar em trabalho de parto. Ele não queria que ela ficasse sem ele como Aideen ficou sem Kane durante a maior parte de seu trabalho de parto. A conversa, como de costume, voltou ao tema ‘sexo’. "É difícil com você às vezes, porém, querida", disse Dominic para Bronagh. "Eu estou constantemente dividido entre querer fodidamente destruí-la, mas também quero lhe trazer flores e chocolates e tratá-la como uma princesa." Time Irmão Slater! Bronagh não piscou uma pálpebra. "Por que não fazer as duas coisas?" Time Irmã Murphy! "Extato!" Dominic estalou os dedos, "É por isso que eu te amo." Eu ri, e assim o fez Bronagh quando ele abaixou a cabeça e a beijou. Foi adorável. "Eu não posso acreditar que vocês dois estão tendo um pequeno ser humano." Eu disse enquanto olhava para o estômago extremamente inchado da minha irmã.


Bronagh sorriu contra a boca de Dominic antes de virar a cabeça na minha direção. "Eu sei, mas eu gostaria que ela se apressasse. Eu vou para o hospital com você na primeira hora da manhã para ser induzida se nada acontecer hoje à noite. Estou grávida há quase 42 semanas. Já é suficiente." Eu sabia que ela estava infeliz e queria seu bebê em seus braços, mas eu não conseguia sentir pena dela quando eu estava tão malditamente animada. Bati palmas. "Eu vou ser a melhor tia de todos os tempos." "Tecnicamente," Dominic começou, "você será a única tia, já que eu não tenho irmãs..." "Termine essa frase, Slater, e você não vai viver tempo suficiente para ver sua pequena criança nascer”. Eu não tinha necessidade de olhar para a porta para saber que essa era Aideen: sua voz era suficiente. Ela entrou na sala de estar e eu movi minhas pernas com um sorriso no rosto quando ela caiu ao meu lado com um Jax ainda dormindo agasalhado contra seu peito. O garoto dormia tanto... tal pai tal filho, aparentemente. "Eu vou ser sua tia, também," ela declarou irritada. "Keela e Alannah também." Sem falar eu ofereci meus braços para Jax, e Aideen gentilmente afastou-o de seu peito e passou-o para mim. Eu me inclinei para trás e o apoiei em meu peito. Eu não pude resistir a cheirar sua cabeça, o que quase me fez devorá-lo. Eu apenas inclinei meu rosto cuidadosamente em sua cabeça e suspirei de prazer, porem. Eu poderia me acostumar com isso. "Sim", Keela saltou para a conversa, recuperando minha atenção. "Foda-se quem sugerir de outra forma."


Dominic levantou as mãos quando percebeu que estava em desvantagem. "Foi mal, eu esqueci." Ele era um covarde quando se tratava de nos enfrentar, e isso me divertia muito. Fechei os olhos quando ouvi os passos de alguém descendo as escadas. Eu escutei a conversa da família enquanto gentilmente acariciei as costas de Jax, mas abriu meus olhos quando senti como se alguém estivesse me observando. Fechei meu olhar sobre Ryder quando o vi encostado na porta da sala de estar. Seus braços estavam cruzados sobre o peito enquanto ele me observava com seu sobrinho. Eu teria pago um bom dinheiro para saber o que se passava em sua mente, mas acho que tinha uma pista sobre o que ele estava pensando, porque muito provavelmente eu estava pensando a mesma coisa. Eu queria voltar para casa e vê-lo deitado no nosso sofá com nosso bebê em seu peito. Eu realmente queria isso, e sabia em meu coração que queria o mesmo também. Com o olhar ainda em mim, Ryder pediu a Aideen: "Ado, você pode pegar Jax agora?" Ela pegou seu filho e em seguida olhou entre Ryder e eu antes de dizer: "Eu sinto que o período de seca está prestes a acabar, estou certa?" "Sim, querida", eu disse quando me levantei, ainda olhando para Ryder. "Está prestes a se tornar uma tempestade, porra." "Vá pegá-lo, mamãe." Sem pensar duas vezes, eu caminhei em direção a Ryder. Seus olhos queimaram com calor quando ele se afastou da parede e agarrou minha mão quando eu o alcancei. Sem dizer uma palavra a ninguém ele se virou e, juntos, quase corremos para fora da casa.


"Não o quebre, Branna!", Ouvi uma voz gritar atrás de nós, antes de outro alguém dizer: "Eu ainda quero ser igual a Ryder quando crescer!" Ryder e eu rimos até entramos na sua, não, nossa casa. Assim que a porta se fechou eu me virei para encará-lo. "Eu estou me mudando novamente". "OK." "Nós não vamos mais usar preservativo também, porque eu quero que tenhamos um bebê." "OK." "A partir deste momento, considerando que somos noivos a tanto tempo, quando estivermos sozinhos você tocar cada parte de mim. Cada. Maldita. Parte." "OK." "E eu quero me casar. Em breve. Podemos marcar uma data." "OK." Toda vez que eu falava eu dava um passo para trás, e cada vez que Ryder respondia ele dava um passo na minha direção. "Só ok?", Perguntei. "Você concorda com tudo que eu disse?" "Cada. Fodida. Palavra." Oh. Pisquei. "Você tem algo mais a dizer?" "Sim", ele disse quando disparou para frente. "Eu vou fazer você gritar." Minhas pernas ficaram fracas e, antes que eu me perdesse completamente, respondi: "Promessas, promessas." Com um sorriso promissor Ryder me agarrou. Eu gritei quando ele me pegou, me colocou sobre o ombro e começou a subir as escadas, subindo dois degraus de cada vez. Em segundos


chegamos ao nosso antigo quarto, e ele me teve pressionada contra a porta do quarto imediatamente, puxando minhas roupas do meu corpo quando dominou minha boca com a dele. Eu combinava com a sua fome e o beijei de volta, com força. Minhas mãos puxaram sua camisa, e eu pude ouvir o material sendo rasgado. Ryder rosnou contra mim, e então pegou a camisa e continuou o que comecei. Ele rasgou o tecido de seu corpo e jogou-a para longe. Eu coloquei minhas mãos em seu peito nu e gemi quando as deslizei em torno de suas costas, sentindo seus músculos ondulados se contraírem sob meus dedos. Droga. "Agora", eu implorei contra seus lábios. "Sem preliminares, só você dentro de mim. Por favor, Ryder". Eu não tive que pedir duas vezes. "Eu te amo, doçura", ele disse. Eu cantarolei. "Eu sei, e eu também te amo." "Eu só queria confirmar." Lambi meus lábios. "Por quê?" "Porque eu vou te foder como nunca fiz antes." Minha respiração ficou presa na minha garganta quando ele me pegou e mudou-nos para a cama. Quando ele me deitou, começou a me livrar dos meus sapatos, meias, calça jeans e calcinha. Minha blusa foi jogada em algum lugar do quarto, assim como meu sutiã. Em seguida, ele ficou nu em tempo recorde, e isso me fez rir. "Você está tão ansioso." Ryder rosnou. "Você não tem a mínima ideia do caralho." Oh, mas eu tinha.


Eu estava carente de estar com ele por um longo tempo também, e estava além de pronta para acabar com a espera e reapresentar-me a cada parte de seu corpo duro. Para mostrar meu entusiasmo, separei minhas coxas para ele quando ele se arrastou sobre o meu corpo e pairou sobre mim. Eu gemi quando ele equilibrou seu peso em seu antebraço esquerdo e usou sua mão direita para segurar a base de seu pênis e esfregar a cabeça para trás e para frente sobre o meu palpitante clitóris. "Ryder", eu gemi quando deslizei minhas mãos de sua cintura para suas costas. "Estou aqui, doçura," ele respondeu. "E não vou a lugar nenhum. Nunca." Engoli em seco quando sensação encheu-me. "Eu vou me certificar disso," gemi. Ele esfregou a cabeça de seu eixo em minha buceta até que encontrou minha entrada. Queimei de vontade de tê-lo dentro de mim, mas saber que ele estava a um fio de distancia de me encher foi como estar de volta em casa. "Foda-se", ele respirou antes de sacudir a cabeça. "Eu estou com medo e sequer sei por quê." Eu afastei minhas mãos de suas costas e as coloquei em ambos os lados de seu rosto. "Você está nervoso, mas não precisa. Somos apenas nós." "Apenas nós", ele repetiu. Eu balancei a cabeça. "Observe-me enquanto entra em mim; você vai se sentir melhor. Eu prometo." Com os olhos presos nos meus, ele deslizou lentamente para o meu corpo. Eu vi o seu conjunto de mandíbula e os músculos de seus braços flexionarem enquanto ele entrava em mim, palmo a palmo agonizante. Era tão bom que eu não cosegui manter contato


visual com Ryder - eu permiti que meus olhos rolassem para trás e que um gemido escapasse de mim. "Linda", ele murmurou. Eu senti seus lábios nos meus logo em seguida, e o sabor de sua boca misturado com o prazer no meu núcleo me tornou muito vocal. "Eu encaixo perfeitamente em você", disse ele contra a minha boca. "Você está em volta de mim tão apertado, Bran... Porra." Voltei minhas mãos à suas costas e suavemente rocei minhas unhas contra sua pele, fazendo-o assobiar e empurrar para dentro de mim mais duro. O desejo de gozar foi esmagador, e por isso eu me virei um pouco e arrastei meu braço para baixo pelo meu corpo, até meus dedos roçarem sobre o broto inchado que latejava tanto. "Sim", Ryder concordou asperamente. "Esfregue seu clitóris, baby. Mostre-me o que você fazia quando não me tinha por perto." Sim senhor. Mordi o lábio inferior quando levantei meus dedos ate a boca de Ryder e o assisti lubrifica-los com sua saliva. Coloquei-os de volta no meu clitóris em seguida e comecei a girá-los então. "Puta merda!" Ryder se dirigiu em mim mais duro, mais rápido e um inferno de muito mais profundo. Ele alternou de lento e constante para rápido e furioso, e simples assim tinha-me quase gritando de prazer. "Você quis fingir que seus dedos eram a minha boca, baby?", Perguntou Ryder, sua voz primal. "Será que você se fodeu desejando que fosse eu?" "Sim!" Eu respirei. "Só você." Ele acelerou o ritmo. "Goze, baby. Estou tão perto." Eu também.


Eu esfreguei meu clitóris mais rápido, e observei o rosto de Ryder se contorcer de prazer conforme se lembrava do meu corpo e de mim, e do que podíamos fazer juntos. Nós podíamos fazer fogos de artifício. Meu orgasmo bateu em mim tão duro quanto o de Ryder. Ele me consumiu e correu por minhas veias, bombeando a sensação de êxtase por todo meu corpo. Com minhas costas arqueadas e os dedos dos meus pés curvados, fui empurrada sobre a borda e eleveime ao céu. Eu ouvi, e senti, o momento em que Ryder se deixou ir também. Ele gritou meu nome e desacelerou os quadris para ligeiros movimentos bruscos quando se derramou dentro de mim. Abri os olhos assim que ele caiu para frente, cobrindo meu corpo com o seu. Eu ri e movi minhas mãos para os lados, e comecei a fazer-lhe cócegas. Ele se contorceu e me empurrou em resposta, e rolou para o lado, caindo de cima e fora de mim em um movimento fluido. "Oh, meu Deus", ele respirou. Eu cantarolei. "Exatamente meus pensamentos". Ryder estendeu a mão, e antes que eu fechasse meus olhos eu enfiei meus dedos nos seus. "Podemos fazer isso de novo?", Ele perguntou, sua respiração ainda ofegante. "Agora mesmo?" Eu ri novamente. "Podemos depois que eu tirar uma soneca, porque esse orgasmo só... wow." "Eu sei como você se sente", ele riu. "Não foi o sexo mais longo que já tivemos, mas porra se não foi o melhor." "Tudo o que construímos em preliminares e provocações ao longo dos últimos três meses finalmente pode ser liberado." Eu disse antes de bocejar.


Ryder virou-se para seu lado e me agarrou, e então me puxou algumas polegadas acima da cama até minha cabeça repousar sobre um travesseiro. Ele nos cobriu com a colcha e aconchegou seu corpo contra o meu. "Eu te amo, querida." Eu me apertei contra ele. "Eu também te amo." Ambos caímos no sono rapidamente e, quando acordei, o relógio na minha cabeceira me disse que era depois das nove horas. Eu só tinha tido algumas horas de sono, mas me sentia tão descansada. Virei-me entre os braços de Ryder e olhei para ele. Ele estava dormindo, mas graças à luz do nosso quarto ainda estar apagada eu pude tomar meu tempo e observar seu rosto sem me preocupar que ele fosse abrir os olhos e me provocar sobre isso. Seus gordos lábios rosados estavam entreabertos, e ele estava levemente roncando. Ele não tinha raspado a barba em dias, e o pelo em seu rosto realmente lhe convinha. Eu fiz uma nota mental para lhe dizer isso. Seu tufo de cabelo castanho escuro precisava ser aparado, porque não tinha sido cortado por tempo suficiente para cair em seus olhos agora. Aideen geralmente fazia isso por todos os irmãos ela cresceu com quatro deles, e tinha aprendido a cortar cabelo sem estragos quando era adolescente. Aproximei minha mão e gentilmente afastei o cabelo do rosto da Ryder. Eu sorri e corri meus dedos pelo lado de seu rosto, admirando o homem que tanto amo. Eu queria me inclinar e beijálo, mas meu telefone tocou da minha bolsa e fez Ryder se movimentar em seu sono. Ele acordou quando eu tive que sair de seus braços para que pudesse encontrar meu telefone. Eu encontrei minha bolsa perto da porta do quarto, peguei meu telefone e corri de volta para a cama e para debaixo das cobertas quentes. Ryder me cercou em seus


braços quase que instantaneamente e descansou a mão no meu estômago. Olhei para o meu telefone e vi o rosto de Dominic na tela. Atendi a ligação em seguida, pressionando o aparelho contra minha orelha. "O que foi, querido?", Eu perguntei. Ryder riu ao meu lado enquanto acariciava minha barriga nua. "Está acontecendo." Engoli em seco e disparei para uma posição vertical. "Bronagh esta em trabalho de parto?!" Ryder sentou-se também, olhando para mim enquanto eu ouvia Dominic. "Sim, sua bolsa estourou a uma hora atrás, enquanto eu estava fora caminhando com Tyson. Ela esperou algum tempo para garantir que a água tivesse parado de sair dela e em seguida tomou banho, se vestiu e fez-nos o fodido jantar! Ela disse que não tinha necessidade de ligar para você ou para qualquer outra pessoa, porque ela estava bem. Ela esta tão calma, Branna. O que há de errado com ela?" Ele disse, claramente frustrado. Eu não pude deixar de rir. "Querido, as mulheres reagem de maneiras diferentes nessa hora. Esta é a reação de Bronagh: seu corpo está dizendo a ela para ter calma, de modo que é o que ela está fazendo". Ouvi as táticas de respiração de Dominic serem colocadas em prática, e me perguntava se teria que cuidar dele na sala de parto, assim como dela. "Eu me sinto como se estivesse prestes a desmaiar." Sim, eu definitivamente teria que cuidar dele.


"Continue respirando; você vai ficar bem," assegurei a ele. "Onde esta minha irmã?" "Por que você está dizendo a Dominic para respirar?” Ryder murmurou. "Ele esta desesperado", eu sussurrei em resposta, fazendo-o rir silenciosamente. "Ela está no banheiro... espere, ela está aqui agora." Eu o ouvi perguntar a minha irmã se ela estava bem. "Merda, Branna, ela está sentindo as contrações agora, mas elas não duram muito tempo, ela disse. Elas estão doloridas embora. O que vamos fazer?" Perguntou Dominic, sua voz levantando um par de oitavas. "Pergunte a ela se ela quer ir para o hospital agora ou esperar em casa até que as contrações fiquem mais fortes, mais rápidas e durem mais tempo." Dominic retransmitiu minha pergunta para Bronagh, e então respondeu: "Ela quer ir para o hospital. É normal que ela esteja tremendo? Porque ela esta, e eu não gosto disso." Ele era muito malditamente fofo. "Sim", eu respondi. "Ela esta nervosa, então é perfeitamente normal." "Certo, certo." Ele respirou. "Eu vou pegar as coisas dela. Temos a bolsa arrumada e estamos prontos para ir. Nós vamos dirigir para o hospital e você vai nos encontrar lá, certo?" "Tente me manter longe." Eu disse. Eu não estava no turno da noite, mas ia ser a parteira interagindo com a minha irmã durante todo o seu trabalho de parto, e não conhecia ninguém na enfermaria que se oporia a isso. "Obrigado, Branna.", Disse Dominic, e eu pude ouvir a gratidão em sua voz.


"De nada, querido. Vemo-nos em breve." "Mande texto para todos por mim; diga-lhes o que está acontecendo." Quando eu desliguei o telefone, me virei para Ryder e mergulhei nele. "Esta acontecendo!" Eu gritei. "A bolsa de Bronagh estourou." Nós nos abraçamos e depois levantamos da nossa cama e corremos para colocar nossas roupas. Ryder pegou seu telefone e mandou mensagem para todos enquanto nos preparávamos para sair de casa. Eu sabia que apressar-nos era inútil, porque ainda poderia levar um longo tempo, mas eu iria abrandar quando minha irmã estivesse na minha frente - até então todos os meus cilindros estariam em plena explosão. Antes que Ryder e eu deixássemos a casa, porem, ele me parou em frente à nossa porta e disse: "Meu irmão caçula e sua irmã caçula estão prestes a ter um bebê, doçura." Eu sorri tão grande que meu rosto doeu. "Eles estão tão crescidos," eu disse quando meus olhos se encheram de lágrimas. "Nós fizemos um bom trabalho com eles, não é?" "Sim, querida, nós fizemos". Quando ele me beijou, o senti profundamente em meus ossos. Meu corpo reagiu ao seu como nunca antes, assim como meu coração. Eu sabia sem sombra de dúvida que esta pessoa lindamente imperfeita possuía meu corpo, coração e alma. E eu não os queria de volta. Eles eram dele para manter - para sempre. Ryder realmente manteve sua promessa; ele me fez apaixonarme por ele novamente.


Três meses depois… "Branna, ela é linda!" "Olhe para as bochechas rechonchudas!" "E o tufo de cabelo escuro!" "Ela está tão grande agora!" Eu sorri com orgulho quando meus colegas de trabalho jorraram mais elogios para as fotos da minha sobrinha de três meses de idade, Georgie Branna Slater. Eu ainda formava lágrimas nos olhos quando pensava em seu nome. O nome da minha mãe era Georgina, mas ela odiava seu nome e só atendia pelo apelido, que era Georgie. O nome do meio foi o que mais me surpreendeu, porem. Bronagh e Dominic deram-lhe o meu nome, e isso foi um verdadeiro presente. Fiquei honrada. Minha irmã me surpreendeu ao me contar o nome escolhido para sua filha logo depois que ela nasceu, e dizer que eu me transformei num desastre emocional é um eufemismo. Eu já estava chorando lágrimas de alegria pela minha sobrinha estar no mundo, e ela ser nomeada com o nome da minha mãe e o meu me fez sentir tanto amor e orgulho da minha irmã e Dominic como eu nunca tinha sentido antes. Permiti-me sentir nada além de felicidade, que era uma emoção que eu tinha experimentado muito ao longo dos últimos


meses. Ryder e eu estávamos melhor do que jamais tínhamos estado em todo o nosso tempo juntos, e uma vez que não queríamos ficar separados, ele ficava comigo todas as noites na casa de Dominic e Bronagh depois que Georgie nasceu. Ficamos com eles durante todo o primeiro mês, apenas porque Dominic não me deixou sair. Bronagh é uma mãe incrível, e Dominic é um pai incrível... mas ele era tão superprotetor que ficou meio louco no começo. Os instintos da minha irmã, por sua vez, assumiram no momento em que ela pôs os olhos em sua filha, e ela não precisou de ajuda com qualquer coisa uma vez que Georgie agarrou seu mamilo e começou a se alimentar, cerca de vinte minutos depois que nasceu. Dominic, por outro lado, precisava de mim para tudo. Cada estridente grito que minha sobrinha deu acabou com ele gritando por mim logo em seguida, porque achava que havia algo de errado com ela. Quando ela não parava imediatamente de chorar ele entrava em pânico, achando que ela ia ficar com dores de barriga e precisaria ir para o hospital. Quando ela ficava sem se alimentar por muito tempo, ele se convencia que ela ia morrer de fome. Aquele foi muito possivelmente o melhor mês da minha vida, porque eu tinha experimentado tudo com eles, e vê-los crescer como pais foi muito satisfatório. Bronagh é tão calma e natural com tudo, e agora Dominic esta mais relaxado também - mas provavelmente ainda mais superprotetor. Para quem pensou que Bronagh o tinha na palma da mão... bem, vamos apenas dizer que Georgie entrou em seu mundo e bateu em sua bunda. Ele ate mesmo já previa ir para a prisão, porque estava certo que mataria qualquer rapaz que sequer olhasse para sua preciosa menina quando ela ficasse mais velha. Quando eu continuei a olhar as fotos da minha sobrinha quando todos voltaram ao trabalho, minha mão distraidamente


acariciou meu abdômen onde meu próprio bebê estava crescendo. Meu e de Ryder. E eu não podia esperar para ver como ele levaria a paternidade. "Quando você vai contar ao rapaz que está grávida?" Eu pulei e deixei meu braço cair para o lado como se tivesse sido apanhada com a mão na botija. "Desculpe-me?", Perguntei, embolsando meu telefone. Ash estava inclinado sobre a estação de enfermagem. "Você não pode enganar um parteiro", ele afirmou com um sorriso brilhante. "Você esta vomitando há semanas, está constantemente sorrindo e toca em sua barriga quando pensa que ninguém está olhando. Você está grávida, minha querida." Eu olhei para o meu amigo. "Por que você é tão perceptivo?" "Porque eu sou brilhante". Espertalhão. "Olha", eu disse, baixando minha voz. "Eu só descobri há alguns dias. Eu pensei que estava doente com uma gripe quando comecei a acordar enjoada; estar grávida nunca sequer passou pela minha mente. Eu estou tão feliz, e sei que Ryder vai ficar feliz também, mas continuo metendo o rabo entre as pernas quando tento contar a ele, e nem sequer sei por quê." "Vocês passaram por um inferno de muita coisa juntos, e trabalharam duro para chegar onde vocês estão depois de tudo que aconteceu. Eu sei que você está feliz, mas talvez você esteja com medo de outra grande mudança?" "Talvez", eu disse, mordendo meu lábio. "Estou pensando em contar a ele esta noite, na verdade. Eu pedi a Taylor para me fazer uma ultra-som rápida esta manhã quando tivemos algum tempo de inatividade. Eu não tinha certeza de quanto tempo estava, assim ela só me deu uma varredura regular para ver se estava tudo bem. O bebê está com as medidas de doze semanas, exatamente.


Com as datas e as medidas do bebê, isso significava que eu concebi na primeira vez que Ryder e eu voltamos a ser íntimos desde retomamos nosso relacionamento, e se isso não for um sinal de que as coisas estão destinadas a ser, então eu não sei mais no que acreditar. "Isso é mau", disse Ash quando bateu os punhos comigo. "Está começando oficialmente o seu segundo trimestre!" "Eu sei", sorri. "Estou tão animada." Eu não posso acreditar que estou realmente grávida. Ash contornou a estação e me deu um grande abraço. "Estou feliz por você, garota. Você merece." Eu cutuquei-o nas costelas. "Eu sou mais velha que você." Ele pulou para longe de mim. "Quantas vezes eu tenho que lhe dizer que a idade é apenas um número?" "Pelo menos mais uma vez." Eu provoquei. "Tudo bem," Ash sorriu. "Idade é apenas um número." Eu golpeei-o, fazendo-o rir. "Como foi o seu encontro com Taylor ontem à noite?" Eu perguntei a ele, balançando minhas sobrancelhas. Ele bufou. "Por que me perguntar quando eu sei que ambas falaram sobre isso durante a sua ultra-som?" Eu sorri. "Ok, ela me contou como acha que foi, mas como é que você acha que foi?" "Tivemos um delicioso jantar, em seguida, eu a tive para a sobremesa." Disse Ash, piscando. "Tivemos um primeiro encontro incrível, porra." Eu apontei meu dedo para ele. "Você vai ligar, não vai?"


Ele assentiu. "Você acha que eu ia dormir com ela e depois nunca mais chamá-la de novo... quando trabalhamos no mesmo emprego? Sério?" Dei de ombros. "Você nunca mencionou que queria começar a namorar, então eu não tinha certeza." Ash coçou a cabeça. "Eu nunca pensei sobre isso, e ainda não estou pensando dessa maneira porque não quero rotular a merda tão cedo, mas Taylor é um inferno de menina. Ela é linda, sua bunda é de morrer, ela pega fogo na cama e pode cozinhar. Além disso, ela torce para o Manchester. Eu poderia eventualmente me casar com a mulher." O que me encantava. "É melhor eu fazer parte da festa de casamento," avisei. "Só se eu puder fazer parte da sua." Ash respondeu, rindo. "Acontece que nós não escolhemos uma data ainda, mas vai acontecer. Eventualmente." Eu olhei para o quadro quando uma luz de chamado brilhou, e um pequeno alerta soou. Eu o desliguei, cutuquei Ash mais uma vez e, em seguida, fui checar o paciente que pediu ajuda. Quando deixei o quarto da mulher, o que aconteceu cerca de dez minutos mais tarde, eu estava bocejando enquanto arrastava meus pés pelo corredor. Verifiquei meu relógio e fiquei encantada ao ver que era 07:50. Isso significava que Ryder logo estaria vindo me pegar e me levar para casa. Eu pensava sobre como deveria lhe contar que estava grávida enquanto caminhava, mas quando pensei ter ouvido sua voz eu parei antes de chegar no posto de enfermagem. "Você vai cuidar disso para mim, não vai, Ash?" Era ele.


"Sim", respondeu Ash. "Vou me certificar de que tudo corra bem. Mas você não precisa se preocupar, eu já a tenho reservada desde a semana passada." "Obrigado", Ryder exalou. "Te devo uma por isso." "Antes de ir, eu quero falar com você, porem." Acho que Ryder riu. "Trata-se de um discurso tipo irmão mais velho?" "Ela não tem um irmão mais velho, então sim, acho que é isso." Ash respondeu. Imaginei Ryder cruzando os braços grossos sobre o peito largo quando ele disse: "Manda". "Eu vou ser franco. Você faria qualquer coisa por Branna? Se vocês brigarem pela mais simples das coisas, você ficaria de joelhos se isso fosse necessário para faze-la voltar para você?" Ash perguntou a Ryder. Que diabos Ash estava fazendo? "Por que você está me perguntando isso?" Perguntou Ryder, sua voz de repente um rosnado. "Porque," Ash vaiou, "eu me preocupo com Branna, e a menos que você esteja disposto a fazer qualquer coisa para mantê-la para sempre, então você não a merece." Eu ouvi movimento, em seguida, um grunhido. "Vá em frente, me bata", Ash provocou. "Não vai mudar nada. Ela ainda vai estar sempre na minha vida, e você não pode mudar isso – então poderia muito bem simplesmente aceitar." Silêncio. "Você está tentando tirá-la de mim?" Ryder pediu alguns momentos mais tarde, sua voz perigosamente baixa. "Pense muito bem antes de responder."


"Não, não estou", Ash respondeu quase que instantaneamente. "Eu não vou mentir para você: eu pensei sobre isso quando descobri quão ruim as coisas estavam entre vocês. Ela é incrível e eu via isso, mesmo quando você parecia não perceber". "Eu vejo", Ryder cuspiu. "Ninguém chega nem perto dela. Você acha que eu iria perguntar isso para você se não soubesse o quão incrível ela é? Porra, eu sei!" O que ele estava pedindo a Ash? "E você tem certeza que ela sabe como você se sente sobre ela?" Ash interrogou. "Porque eu não tenho certeza." "Ela sabe. As coisas mudaram entre nós, e se ela não sabe eu só vou ter que lembra-la todo santo dia!" Ryder afirmou. "Bom", Ash brincou. "Porque eu quero vê-la feliz, e ela não será a menos que esteja com você. Não sei por quê, mas essa mulher te ama ferozmente, e eu acho que você é um idiota por ter arriscado seu relacionamento com ela em primeiro lugar." "Eu era um idiota," Ryder concordou, "mas isso mudou, também. Eu amo Branna, e isso nunca foi uma questão para mim. Eu vou ter certeza que ela nunca mais tenha qualquer duvida quanto ao que significa para mim." Meu lábio inferior tremeu. "Olha, Ash, você parece ser um cara legal, e eu respeito sua amizade com Branna, mas se você alguma vez pisar na linha eu desenhei, eu vou quebra-lo. OK?" Olhei em torno do canto e vi Ash piscar pelo menos dez vezes antes de dizer: "Ok." Ryder sorriu e bateu-lhe no ombro. "Ótimo, fico feliz por termos resolvido isso." Ash olhou para Ryder com um ‘que porra é essa que aconteceu’ escrito em seu olhar, e isso me fez querer cair na gargalhada.


"O que está acontecendo aqui?" Eu perguntei quando me fiz visível. Os dois homens voltaram suas atenções para mim. "Nada", Ryder sorriu e se afastou do meu amigo. "Eu só estava me apresentando a Ash enquanto esperava você terminar." Mentiroso. "Oh, tudo bem," eu disse, olhando para eles com cautela. "Vou pegar minhas coisas.” "Hey," Ryder disse enquanto segurava meu braço. Eu sorri. "Oi." "Eu te amo", disse ele, em seguida, beijou meu rosto. Meu coração deu um salto mortal. "Eu também te amo, querido." Ele piscou e me deixou ir quando entrei na sala de descanso e coloquei meu casaco. Eu o abotoei e em seguida coloquei minha bolsa em meu ombro. Ash entrou no quarto e pegou as coisas dele também, mas ele estava duro. "Qual é o problema?", Perguntei. "Ele esta todo Rocky III em mim." Eu levantei minhas sobrancelhas. "Como?" "Ryder", Ash esclareceu. "Ele disse que vai me quebrar: o mesmo que Ivan diz para Rocky em Rocky III". Eu tentei - e não consegui - não sorrir. "Ele não vai quebra-lo." "Eu sei, porque a partir de agora eu vou ficar a pelo menos cinco pés de distancia de você em todos os momentos." Com isso dito, ele deu alguns passos para trás, me fazendo rir.


"Pelo amor de Deus! Nunca foi e nunca será assim entre nós, e você sabe disso. Nós somos amigos." Ash concordou com a cabeça. "Eu sei disso, você sabe disso, mas todo o resto parece duvidar. Eu não sei por que: eu flerto com todos. Sally tem mais chance de conseguir um pedaço da minha bunda do que você. Você é como minha irmã muito quente." Meu riso foi alto e alegre então. Enquanto nós caminhamos ate a parte da frente, Sally e Jada caminhavam pelo corredor. Elas nos cumprimentaram e, em seguida, foram colocar suas coisas na sala de descanso antes de saírem e tomarem seus lugares atrás da estação de enfermagem. Elas tinham acabado de chegar para seu turno, o que significava que Ash e eu podíamos sair e ir para casa. "Onde está Ryder?", Perguntei a Ash. Quando ele não respondeu, olhei para ele e vi que ele segurava uma caixa de papelão. Olhei para a caixa por um momento e depois me concentrei em seu rosto. "É isso que Ryder te deu?", Perguntei a Ash. Ele imediatamente começou a rir. "Você é uma idiota tão intrometida; eu não estou nem mesmo surpreso que você espionando!" Eu lutei contra um sorriso e disse: "Fala logo. Ele está desaparecido quando supõe-se que ele deve me levar para casa, e ele lhe pediu para cuidar de uma coisa? O que esta acontecendo?" Ash continuou a sorrir. "Eu vou te dizer, e dar isso para você segurar agora, mas primeiro eu só quero que você saiba que estava certa." Pisquei. "Sobre o que?" "Quando você me disse que estava dando a Ryder outra chance, eu fui duro com você. Depois que você foi atacada e


enfrentou seu calvário, eu me preocupei que você estivesse tomando uma decisão precipitada, mas você não o fez. Eu vejo o que você vê agora. Ele é leal a você, e sabe o seu valor." "Você realmente acha isso?" "É claro", Ash assentiu. "Você é o Adrian." O que foi possivelmente a coisa mais doce que eu já ouvi. Eu balancei minha cabeça. "Sinto que você vai me dizer que minha trilha sonora é Eye of the Tiger". "É agora!" Eu ri, mas meus olhos de repente se encheram de lágrimas, que eu limpei rapidamente antes que caíssem. "Você já está uma bagunça hormonal," Ash brincou. "Morda-me", eu brinquei, mas ostentava um sorriso em meu rosto quando falei. Ash empurrou a caixa de papelão em minha direção e disse: "Leia o cartão que está preso à caixa, mas não a abra. Se você tentar eu vou tira-la de você." "Uh, tudo bem." Coloquei a caixa na estação das enfermeiras, puxei o cartão, o abriu e começou a ler.

Não chore. Eu repeti o pensamento mais e mais enquanto lia a nota de Ryder. Eu estava tão feliz que poderia chorar por dias, mas não queria fazer isso. Eu não queria chorar, nem mesmo quando eram lágrimas felizes. Foi difícil, porém, porque sua mensagem fez-me tonta de emoção. Corri meus olhos sobre as palavras que ele escreveu mais uma vez, e fiz uma ridícula dança feliz.


Doçura, eu te amo, e eu vou provar isso para você mais uma vez. Ash vai trazê-la para mim, então siga cada instrução que ele lhe der. Não lhe dê um tempo difícil, ok? Ele está me ajudando. Todo o meu amor, Ryder xxx "O que está acontecendo?" Eu perguntei ao meu amigo. Ash sorriu quando disse: "Eu tenho instruções rigorosas para que você mantenha a caixa, mas não a abra. Você deve vir comigo agora. Sem perguntas e sem comentários, apenas me siga." Ele virou-se depois que falou e caminhou pelo corredor. Olhei dele para Sally quando ela riu e disse: "eu correria atrás dele se fosse você." Olhei de novo para Ash e em seguida peguei a caixa e o cartão e corri pelo corredor atrás dele, gritando para ele esperar. Ele não abrandou o ritmo até que chegou ao seu carro, que estava no estacionamento. Até o momento em que o alcancei eu estava ofegante e precisando de ar, o que ele achou divertido. "Suas pernas são mais longas do que as minhas," eu ofegava. "Isso não é justo!" Ele abriu a porta do passageiro para mim e fez sinal para eu entrar no carro com a mão - mas eu fiquei presa ao chão. "Fale comigo", eu implorei. "Eu disse sem perguntas." "Ash." "Branna." Bati meu pé no chão. "Você está sendo horrível." Ele riu. "Eu sei, mas quanto mais rápido você entrar no carro, mais rápido vai obter respostas." Eu olhei para ele por alguns segundos antes de me virar e entrar em seu carro. Eu equilibrei a caixa nos joelhos e afivelei o


cinto de segurança. Ash fechou a porta, em seguida, deu a volta para o seu lado do carro e deslizou para o banco do motorista. Ele se virou para mim então, e quando eu vi que ele tinha um pedaço de tecido preto na mão meu coração quase parou. "O que é isso?", Perguntei cautelosamente. "Eu tenho que vendar você, é parte das instruções... ok?" Ele queria me vendar? Limpei a garganta. "Sim", eu disse. "Eu confio em você." E confiava. Este era Ash, meu amigo. Eu confiava nele com a minha vida. Ele apertou o tecido em volta da minha cabeça e eu ouvi quando ele afivelou o cinto de segurança e enfiou a chave na ignição para ligar o carro. "Você está pronta?", Perguntou. "Como posso estar pronta quando não sei para onde estamos indo?" Respondi. "Então você vai ter que confiar em mim, Angel." Ele iria se encontrar com anjos verdadeiros se não me desse respostas em breve. Ash saiu do parque de estacionamento e entrou na estrada principal. Bati meus dedos na caixa enquanto dirigíamos, e trabalhei muito duro para ser paciente - mas era tão difícil. Quando vinte minutos haviam se passado então, cheguei à conclusão que eu não tinha mais paciência, e sentia que estava perto do meu ponto de ruptura. "Onde você está me levando-" "Não pergunte, por que eu não vou lhe contar." "Ash", eu gemi. "Vamos lá, cara, me dê algo."


"Você nunca ouviu a frase ‘não distraia o motorista’?" Eu queria bater nele. "Você é um merda." "Ainda não estou dizendo." Eu deixei de lado minha caixa e cruzei os braços sobre o peito como uma criança de cinco anos que não conseguiu o que queria. Ash não estava incomodado, porém: ele só riu da minha pequena birra. "Nós estaremos lá em cerca de um minuto, assim que estes conjuntos de luzes ficarem verde." Eles ficaram verde, e ele não parou depois de um minuto. Sentei-me muito quieta por minha vez, pois estávamos balançando numa área que tinha um terreno muito irregular se a forma como o carro de Ash estava pulando fosse qualquer indicativo. Quando ele finalmente saiu do carro eu esperei ele vir ate o meu lado para me ajudar a descer. Eu segurei minha caixa e Ash segurou minha bolsa com uma mão e meu braço com a outra enquanto me instruía a andar. "Estou congelando," resmunguei depois de Ash me instruir a tomar o meu tempo quando subimos alguns degraus. Ouvi quando uma grande porta foi aberta, e senti a mão de Ash na parte inferior das minhas costas quando ele me empurrou para frente. Eu pulei quando Ash soltou a porta e a fechou atrás de nós com um pouco de força. "Você poderia ter feito isso mais suave!" Eu repreendi. "Desculpe, mãe", ele riu, e pegou meu braço mais uma vez. Ele me levou a uma sala e me instruiu a sentar. Sentei-me quando ele me disse que era seguro fazê-lo, e quase instantaneamente ouvi uma porta sendo aberta.


"Ah, na hora certa." A voz pertencia a uma mulher que eu nunca tinha ouvido antes. "Branna, me escute com cuidado, ok?" Começou Ash. "Esta senhora, Sandy, vai remover a sua venda e fazer sua maquiagem e cabelo para você. Você não abra os olhos, nem sequer uma vez. Sandy não vai falar com você, então não tente obter qualquer informação dela. Entendeu?" "Você é um maldito idiota, sabia?", Resmunguei. Ash respondeu. "Estou ciente disso, sim." Suspirei. "Você está obviamente se colocando em um monte de problemas para me surpreender com Ryder, então eu vou obedecer. Eu vou fazer o que você pedir, ok?" Ash estava satisfeito com a minha resposta, porque eu senti minha venda ser removida. Em seguida, ouvi quando Sandy falou só para me dizer o que ia fazer enquanto eu estava sob seus cuidados. Eu não era boa em manter a noção do tempo, mas acho que eu fiquei na sala com ela por cerca de quarenta minutos ou mais, enquanto ela aplicava maquiagem no meu rosto e enrolava meu cabelo com um ferro de ondulação para em seguida penteá-lo em algum tipo de trança. Eu quebrei uma regra e tentei obter algumas informações de Sandy, porem, mas ela levou a serio o voto de silêncio que Ash a fez fazer. Quando ela me pediu para ficar de pé eu obedeci. Então ela gentilmente colocou a venda de volta ao redor dos meus olhos - mas de forma muito mais flexível que antes, então não iria estragar minha maquiagem. Depois que Sandy saiu da sala, eu pulei de susto quando ouvi vozes femininas familiares. "Bronagh?", Questionei. "Ado, Keela, Lana? São vocês quatro?" "Sim", minha irmã respondeu. Eu suspirei de alívio. "Que diabos está acontecendo?"


"É uma surpresa", Aideen afirmou. "E não diga inferno aqui." "O que? Por quê?" Perguntei. "Sem perguntas!", Ela brincou. "Companheira, vamos lá!" Eu implorei. "Você não vai conseguir qualquer informação de nós, Bran, então pare." Keela riu, fazendo-me gemer. "Ok, tudo bem," resmunguei. "O que vocês quatro estão fazendo aqui?" "Nós temos que ajudá-la a se vestir", disse minha irmã, e eu acho que ela estava prestes a chorar, considerando seu tom de voz. "Bronagh?" Eu pressionei. "Você está bem?" "Ela está bem", Alannah respondeu. "Agora vamos tirá-la do seu uniforme de trabalho e vesti-la." Eu sabia que não adiantava fazer outra pergunta, então fiz um gesto com a mão para elas acabarem logo com isso. Eu esqueci completamente porque estava malditamente irritada quando percebi que elas estavam tirando meu uniforme e me deixando completamente nua. Usei minhas mãos para tentar manter alguma modéstia ate estar aparentemente vestida de novo com lingerie que foi comprada para mim. Quando eu tinha minha roupa de baixo de novo no lugar, o que foi muito bom, Aideen colocou algo em torno da minha coxa. Eu tinha feito todos os tipos de perguntas ate então, mas ela disse que eu iria descobrir em breve se parasse de fazer perguntas. Fiquei quieta até que elas me fizeram ficar em pé e, em seguida, abriram minha caixa – ouvi-a abrir - e pegaram um vestido que eu tinha certeza que estava dentro dela. "Ele não amassou," minha irmã disse em um suspiro aliviado. "Graças a Deus."


Elas vestiram o vestido em mim, e ele era de um comprimento e forma confortável. Parecia um vestido muito elegante, então eu corri minhas mãos sobre ele e perguntei: "Isto é renda?" "A maior parte é," Alannah respondeu. Eu tremi quando minha irmã colocou um colar em volta do meu pescoço, mas sorri quando ela beijou meu rosto. Ela removeu a venda depois que eu prometi não abrir os olhos, mas foi muito difícil manter minha promessa enquanto ouvi os soluços de todas. "Ok, por que vocês todas estão chorando?", Perguntei impaciente. "O que está acontecendo?" "Você está linda", Bronagh sussurrou. "Assim como a mamãe". Como nossa mãe? "Bronagh, o que está-" "Venha com a gente", ela me cortou. "Está na hora." Hora do quê? "Eu estou a ponto de explodir um fusível," eu disse quando agarrei as mãos que seguraram meus braços. Nós andamos no máximo vinte passos antes de eu ser parada e minha irmã dizer: "Nós vamos agora, e quando você ouvir o som de uma porta se fechando eu quero que você abra seus olhos e, quando estiver pronta, nos siga - como eu sei que você vai querer fazer". "Segui-la para onde?", Eu perguntei a minha irmã. Eu ouvi o barulho de saltos, em seguida, o som de uma porta se fechando. Suspirei e balancei a cabeça antes de lentamente abrir meus olhos. Eu quase pulei para fora da minha pele quando vi meu reflexo num espelho até o chão perto da porta. "Oh, meu Deus", eu sussurrei e cobriu minha boca com a mão.


Olhei para mim mesma e toquei o vestido que eu usava, e o colar que pendia no meu pescoço também. Era o colar da minha mãe, eu o reconheceria em qualquer lugar. Era de prata com diamantes incrustrados num intrincado padrão. Lembro-me de admira-lo quando menina, e de sempre pedir para que minha mae me deixasse usá-lo. "Um dia, querida." Ela dizia com um sorriso de tirar o fôlego. "Um dia, quando você tiver idade suficiente para compreender o significado dos diamantes, então você poderá usá-lo." "Eu acho que esse dia chegou, mãe," eu disse em voz alta, sabendo que ela estava bem ao meu lado. Eu podia senti-la. Meu pai também. Com um nó na garganta eu olhei de volta para o espelho e corri os olhos pelo meu vestido. Era o mais bonito e delicado vestido branco no qual eu já tinha posto os olhos. O corpete tinha um profundo decote em V, com alças que passavam sobre meus ombros. Era simples, mas elegante - era perfeito. Era o vestido que eu mostrei semanas atrás a minha irmã quando nós estávamos olhando revistas de noivas para nos divertir. Era ainda mais bonito do que parecia na modelo das fotos. "Meu vestido de casamento", sussurrei. Estou usando um maldito vestido de noiva. Meu coração começou a bater violentamente contra meu peito quando estendi a mão e toquei meu cabelo bonito, que foi arrumado para cima em uma elegante cascata de cachos, com uma trança francesa na frente da minha cabeça agindo como bandana. Minha maquiagem foi muito bem feita também. Combinava com meu tom de pele perfeitamente. Consegui afastar meu olhar do meu reflexo quando observei que ao lado do espelho de corpo inteiro que foi claramente colocado no corredor só para mim havia uma mesa lateral com alguns itens.


Eu andei até ela e peguei um cartão que continha uma mensagem para mim. Branna, seu vestido é algo novo, sua liga é algo azul e seu colar é algo antigo e emprestado - mas não tão doce quanto você. Encontre-me no altar. Estarei esperando por você, Ry x Chupei uma respiração profunda, e tive que ler a mensagem no cartão um par de vezes antes que pudesse pensar com clareza. Ryder queria que eu o encontrasse no altar, em um vestido de casamento com algo velho, algo novo, algo emprestado e algo azul. Eu cuidadosamente puxei meu vestido até que vi a liga azul que senti Aideen colocar em mim antes de eu perceber o que era. "Eles estão todos lá dentro." Eu engasguei quando abaixei meu vestido de volta para o chão. Minha irmã e meus amigos, eles deixaram tudo pronto para o meu casamento. Era por isso que elas estavam chorando, e que minha irmã disse que eu parecia com a nossa mãe. Meu Deus! "Se você chorar e arruinar sua maquiagem, eu não me responsabilizo." Virei-me quando a voz de Ash rompeu meus pensamentos. Eu olhei para ele com minha boca aberta enquanto ele olhava para mim com a mesma expressão. "Branna", ele respirou. "Uau!" Olhei para meu vestido e em seguida de volta para ele. "Eu não posso acreditar em nada disso."


Meu amigo abriu um grande sorriso cheio de dentes. "Eu posso. Você me disse o quão brilhante Ryder é para você, e quanto ele te adora. Esta é prova disso." Eu rapidamente abanei meu rosto com o cartão com sua mensagem para impedir minhas lágrimas de caírem. E eu tive que fazer isso ainda mais rápido quando a música começou a tocar dentro do que eu agora sabia ser o salão da igreja. Ash se aproximou de mim e pegou o lindo buquê de rosas champanhe e brancas da mesa e o entregou para mim. "Essa é a nossa deixa, Angel," ele disse enquanto eu tocava o arranjo impressionante. "Nossa deixa?" Repeti. "Seria uma honra se você me permitisse te levar ate o altar, Bran", disse ele com os olhos um pouco vidrados. "Oh, Ash," eu sussurrei. "Sim. Sim, eu gostaria que você caminhasse comigo. Eu te amo!" "Eu te amo também", ele disse com a voz embargada. "Você é minha melhor amiga e merece cada gota de felicidade na vida. Ninguém merece mais, Bran." "Não chore", eu disse a mim mesma. "Não chore, não chore." "Você está pronta?" Ash perguntou, e enxugou os olhos com a mão livre. "Você não tem ideia do quanto", respondi, ainda sem envolver minha cabeça em torno do que estava acontecendo. Ash e começamos a andar para frente e eu engasguei quando as enormes portas duplas que levavam ao salão da igreja impressionante foram abertas automaticamente. Nós avançamos pelo corredor e a primeira coisa que vi foram as flores, que combinavam com o meu bouquet e estavam amarradas no mesmo arranjo impressionante no final de cada banco que passei enquanto caminhava ate o altar.


A próxima coisa que notei foi que Bronagh, Aideen, Keela e Alannah estavam de pé à esquerda do altar da igreja, em idênticos vestidos pêssego que chegavam até o chão. Bronagh estava segurando Georgie, que vestia uma versão pequena do mesmo vestido. Mudei meus olhos para a direita e vi Kane, Alec, Dominic e Damien de pé à direita do altar em correspondentes ternos pretos com laços pêssego. Kane estava segurando Jax, que estava vestindo um pequeno terno para combinar com o dos rapazes. Sally, que estava sentada na primeira fila de bancos ao lado do marido, virou-se em minha direção com um sorriso enorme no rosto. Todos os olhos estavam em mim. Especialmente os dele. Eu podia sentir minha pele formigando enquanto seu olhar permanecia em mim. Ryder estava no meio do altar, vestindo um terno preto e gravata pêssego, me esperando ao lado do padre. "Nanananana!" Jax gritou de repente. Sem hesitação eu disse, "Ola, querido." Ele tinha sete meses agora, e eu aleguei que ele estava dizendo meu nome quando gritava ‘Na’. Ele dizia isso muitas vezes, provavelmente porque havia um monte de N e A nas cartas com as quais ele gostava de brincar. Não que eu fosse admitir essa ultima parte em voz alta. No resto do tempo ele apenas soprava bolhas e murmurava coisas ininteligíveis. Ele era uma delícia. "Você está pronta para se tornar a Senhora Slater?" Ash murmurou para mim enquanto caminhávamos. Eu respirei fundo antes de dizer: "Claro que sim." Isso o fez rir em voz baixa.


Nos aproximamos do final do corredor, e nem pela minha vida eu poderia ter desviado meu olhar de Ryder. Seus olhos estavam treinados em mim também, e eu sentia cada movimento de seu olhar como uma caricia. Quando chegamos ao altar, o padre fez a Ash uma pergunta que ele prontamente respondeu, mas eu perdi o interlúdio porque estava muito focada em Ryder. Eu quase me perdi quando ele se aproximou e pegou minha mão que Ash estava lhe oferecendo. "Obrigado, Ash," Ryder disse, gratidão em sua voz. "Cuide dela", meu amigo respondeu e em seguida piscou para mim antes de se sentar no banco da frente ao lado de Sally e seu marido. Como diabos ela tinha chegado aqui com o Dr. Harris, e como ela estava vestida com roupas tão bonitas quando eu literalmente a vi a uma hora atrás estava além de mim. Voltei minha atenção para Ryder quando ele apertou minha mão. "Ry," eu sussurrei. Ele tinha lágrimas em seus olhos quando disse: "Você está tão bonita, doçura." Calor encheu meu coração quando de repente ele caiu sobre um joelho e pegou minha mão esquerda, que eu dei a ele livremente. "O que você está fazendo?", Perguntei, meu coração batendo descontroladamente contra meu peito. "Eu não fiz corretamente na primeira vez, mas quero fazê-lo da maneira certa agora." Meu Deus. "Não há ninguém além de você, Bran," Ryder começou, com o peito estufado. "Eu nunca pensei que seria o tipo que se estabelecesse e casa até que você literalmente caiu na minha vida.


Eu nunca pensei que iria querer uma esposa, uma família e alguém que me ame tanto quanto você faz, até que você sorriu na minha direção e me tirou o fôlego. Eu nunca pensei que, depois de tudo o que passei na minha vida, que alguém tão linda, inteligente e altruísta como você iria aceitar ficar do meu lado nos bons e maus momentos, mas você ficou. Eu não sou perfeito e certamente tenho meus defeitos, mas você me ama apesar disso tudo. Quando você chegou toda a minha vida mudou para melhor. Você ama meus irmãos como se eles fossem os seus próprios, e você nos fez parte de sua família. Você me deu um propósito. Então, você vai me dar a maior honra e aceitar ser minha esposa?" Levou todo o poder de Deus e toda a força de vontade que eu nunca soube que tinha para não explodir em lágrimas. Apertei a mão dele ao ponto de dor e disse: "Sim!" Os ombros de Ryder cederam com alívio, e eu ouvi praticamente todo mundo liberar uma respiração instável. Olhei para minha família e amigos e levantei uma sobrancelha, "Vocês todos acharam que após seis anos eu sairia desta igreja sem que ele pusesse um anel no meu dedo? Sério?" Todos riram, até mesmo o padre. "Esperávamos que você fosse dizer sim," Ryder riu quando ficou de novo em pé. "Você não precisa esperar mais." Ele então pegou minha outra mão e disse: "Estou pronto. E você?", Perguntou. Eu balancei a cabeça, forçando as lágrimas que se reuniram quando ele me disse o quanto eu significava para ele. "Eu nunca estive mais pronta para nada em minha vida inteira. Eu preciso ser sua esposa, querido." Ele encostou a testa na minha e esfregou a ponta do seu nariz contra o meu. Com sua voz e corpo tremendo, ele disse: "Você é meu tudo, doçura." "E você é o meu."


Seu lábio se contraiu. "Eu te surpreendi?" Fechei os olhos e apenas o respirei, me banhando com seu cheiro, tato, e com o amor que ele me oferecia em ondas. Eu abri os olhos e olhei nos seus resplandecentes. "Surpreendeu-me?" Eu repeti. "Eu acho que nunca vou me convencer que isto é real. Você me deu tudo o que eu nem sabia que queria em um casamento. Muito obrigada." Ryder me abraçou com força antes de nos separar e olhar para o padre que, por sua vez, começou a ler as orações com um sorriso no rosto. Lamento dizer que tudo que foi dito tornou-se ruído de fundo, porem, porque todo o meu foco estava no homem diante de mim. Ele nublava todos os meus sentidos, e eu tinha zero problemas com isso. Eu só fui puxada dos meus pensamentos nublados quando o padre perguntou-me se eu queria recitar os votos padrões ao prometer aceitar Ryder como meu marido. Eu neguei e disse que queria recitar meus próprios votos. Eu segui a primeira linha original, porem, mas em seguida falei com meu coração. "Eu, Branna Fiadh Murphy, aceito Ryder James Slater como meu marido, e prometo nunca mais deixá-lo. Prometo estar sempre perto para dizer boa noite. Prometo nunca ir para a cama com raiva. Prometo sempre cuidar de você e te amar. Prometo meu coração, corpo e alma para você, para sempre. Eu te amo muito, querido." Prendi a respiração quando Ryder começou a falar. "Eu, Ryder James Slater, aceito Branna Fiadh Murphy como minha esposa." Eu sorri quando ele decidiu fazer o mesmo com seus votos para mim, e repetiu minhas próprias promessas ao invés de se ater ao original. Olhei à minha direita quando minha irmã se aproximou com Georgie, e juntas elas delicadamente me deram uma linda aliança de prata, que eu coloquei no dedo anelar esquerdo de Ryder. Kane e


Jax lhe deram a aliança correspondente, que ele prontamente colocou em meu dedo. Foi mágico. E se eu pensei que era um sonho antes, definitivamente foi ainda mais onírico quando Ryder me surpreendeu novamente. Ele se virou e me deu uma bela vela com um laço amarrado ao redor, e com os nomes dos meus pais gravados em letras douradas. Um soluço saiu de mim antes mesmo de Ryder falar, e ele sorriu para mim quando viu como eu estava tocada. “Branna," ele começou, "Eu sei que se seus pais estivessem aqui hoje eles estariam muito orgulhosos da mulher que você se tornou. Nós acendemos esta vela hoje em memória à eles. Em homenagem a eles. Eles criaram a mulher que eu amo mais do que minha própria vida, e eu gostaria tanto que eles pudessem estar sentados aqui com a gente hoje." Minha irmã se juntou a mim para chorar lágrimas de amor por Ryder – e de dor pela falta dos nossos pais. Juntos, nós dois acendemos a vela quando o padre leu a oração final da cerimônia. Nós colocamos a vela em um carrinho ao nosso lado e, em seguida, seguramos a mão um do outro mais uma vez. "Eu os declaro marido e mulher", o padre anunciou com alegria, sua voz ecoando pelo corredor. "Você pode beijar sua noiva, Sr. Slater." "Graças a Deus", Ryder respirou. Chorei e ri quando ele veio para mim, agarrou meu rosto e cobriu minha boca com a sua. Pensei ter visto um flash, mas não tinha certeza se realmente o fiz ou se Ryder estava apenas explodindo minha mente. Minha irmã e amigos aplaudiram, e meus cunhados gritaram e assobiaram.


Nós nos separamos, abraçamos a todos, e, em seguida, assinamos nossos nomes na licença de casamento que eu não sabia que Ryder tinha conseguido. Levei um susto quando um homem estranho tirou uma foto de nós dois assinando o documento, mas Ryder explicou que ele era um fotógrafo profissional do casamento. Ele tinha estado fora de vista quando entrei na igreja, mas Ryder disse que ele tirou fotos desde o momento em que eu comecei a andar pelo corredor. Aparentemente ele tinha tripés posicionados em torno do salão também, com câmeras que gravaram a cerimonia em ângulos diferentes e que seriam editadas e enviadas para nós. Depois que assinei o documento oficial nos unindo como marido e mulher, o fotógrafo tirou várias fotos de Ryder e eu. Quando ele conseguiu o que precisava de nós, ele garantiu imagens de mim e minhas damas de honra, então de Ryder e seus padrinhos, das crianças comigo e Ryder, de todos nós juntos e, finalmente, de nós com Ash, Sally e o Doutor Harris. Até o momento em que a sessão de fotos tinha acabado meu rosto parecia estar prestes a se dividir em dois, mas a ligeira dor foi ofuscada pelo calor que encheu meu coração quando eu me virei e olhei para Ryder. "Você é meu marido," eu sussurrei em reverência. Ele sorriu com orgulho. "E você é minha esposa." Santa. Merda. "Nós somos adultos", eu respondi, fazendo-o rir. "Nós temos tanta coisa para olhar para frente juntos", ele sorriu. Eu balancei a cabeça. "Eu sei, e eu mal posso esperar para passar cada segundo da minha vida com você." Ryder rosnou quando baixou a cabeça de encontro a minha. "Neste momento eu estou pensando em uma semana numa cabana isolada, com você dia e noite nua na minha cama."


Uma semana em uma cabana isolada? "O que você quer dizer?", Perguntei confusa. Os olhos de Ryder brilharam. "Você acha que iria se casar e não ter uma lua de mel?" "Lua de mel?" Engoli em seco. Ryder assentiu. "Sim, você e eu. Uma semana inteira. Sexo, relaxamento, sexo, dormir sem despertador, sexo, paz, sexo, natureza-" "Você disse sexo quatro vezes," eu o cortei, rindo. Seu lábio se contraiu. "Bem, nós precisamos ter um monte de sexo por duas razões. Um, eu amo estar dentro de você e dois, eu preciso colocar um bebê em você". Meu coração parou. "Sério?" Eu sussurrei. "Um bebê, Ryder?" Diga sim. "Realmente, realmente", ele sorriu. Olhei para ele incrédula. "Você quer que a gente tenha um bebê?" "Sim, eu quero ter um bebê com você." Ele assentiu. Quando tive a confirmação que precisava, eu silenciosamente ergui sua mão esquerda – onde tinha acabado de colocar um anel que o ligava a mim para sempre - e colocou-a sobre minha barriga. Ryder olhou para sua mão por alguns segundos, em seguida, olhou para cima e para baixo entre sua mão e meu rosto. "Branna?" Eu sorri. "Eu descobri há alguns dias,e e estava esperando o momento perfeito para lhe contar. Acho que é este." "Você está grávida?" Ele perguntou, e o choque que sentia era evidente em seu tom.


Eu balancei a cabeça. "De doze semanas, exatamente." Ele prendeu uma enorme respiração antes de me envolver em seus braços e me abraçar como se sua vida dependesse disso. Quando se afastou, ele olhou para mim e em seguida olhou em volta e gritou: "Ela está grávida!" Suspiros e gritinhos excitados encheram a igreja, e até mesmo um "De jeito nenhum" seguido de um rápido "Desculpe, Jesus" foi ouvido. "Branna!" Voltei minha atenção para minha irmã. Bronagh estava bem perto de mim, com a minha sobrinha linda nos braços. Abracei as duas e sorri. "Esta pequena criança está ganhando outro primo." Eu jorrei. Bronagh começou a saltar para cima e para baixo enquanto gritava. Georgie riu do movimento, mas porque ainda era muito bebê Dominic veio e levou sua filha, para que Bronagh pudesse continuar a saltar e gritar. Ela praticamente mergulhou em Ryder e em mim quando ficou livre da bebê. "Você pode acreditar em tudo isso?" Ela perguntou. "Não", eu respondi. "Eu realmente não posso. Eu não tinha ideia do que diabos estava acontecendo. Ash não falou comigo no caminho para cá". "Isso tem sido planejado durante semanas, e eu ajudei a conseguir o seu vestido." Minha irmã sorriu. "Você cobra puta!" Eu ri e a abracei. Georgie começou a chorar assim que Bronagh a transferiu para Dominic, que estava acalmando-a e balançando-a de um lado para outro. "Aqui está a mamãe", disse ele quando Bronagh se aproximou.


Olhei deles com um sorriso e virei meu foco de volta à Ryder. "Enquanto você estava no trabalho, passamos o dia armando uma tenda branca no quintal. Nós a decoramos também." "Você quer dizer... que estou ganhando uma festa também? "Sim. Nós colocamos luzes cintilantes e mais alguns arranjos de flores, e eu contratei o restaurante da aldeia que você ama tanto para servir." Meu lábio inferior tremeu, e eu levantei meus dedos aos meus olhos e cuidadosamente limpei debaixo deles. "Você me faz tão feliz, querido." Ryder sorriu. "Você está pronta para ir para casa?" "Não me importa onde eu estou, desde que eu esteja com você", respondi honestamente. Ele apertou meu corpo contra o dele e disse: "Eu me sinto da mesma maneira... Sra Slater." Oh. Meu. Deus. Engoli em seco, e isso fez Ryder bufar. "O quê?", Ele perguntou divertido. Pisquei para ele. "Eu sou a esposa de alguém." "Não apenas de alguém", seu lábio enrolou-se para cima, "minha". Calafrios correram para cima e para baixo da minha espinha. "Sua," eu sussurrei, e então pressionei meu rosto contra seu peito, respirando lentamente. "Para sempre". "É apenas para sempre", ele murmurou, "nem é muito tempo." Ele apenas citou o atrasado e grande David Bowie, e isso só me fez cair de amor por ele muito mais. Fechei os olhos e pensei em como as coisas mudaram. Há alguns meses atrás eu temia acordar a cada dia, mas agora? Agora


eu não podia esperar para viver o resto da minha vida ao lado de Ryder. Ao lado do meu marido. Eu tinha um fodido marido. Emoção encheu-me, e pela primeira vez em muito tempo que eu não sentia nada além de prazer. Tudo estava como deveria. Eu tinha a minha família, meus amigos, meu marido e toda a minha vida com ele diante de mim. Meus olhos se encheram de lágrimas e eu sorri. Por meses eu quis parar de chorar, porque estava com medo que minhas lagrimas demostrassem fraqueza; mas agora eu sabia que meu pranto era outra maneira de expressar felicidade pura. Está tudo bem, eu disse a mim mesma, você pode chorar.


Esta é uma das minhas partes favoritas de escrever um livro. Esta seção é onde eu começo a agradecer a minha equipe, as pessoas que fazem meus livros possíveis. Sem esta equipe não haveria série Irmãos Slater, ou L. A. Casey em geral. Sem essas pessoas eu não seria eu. A minha filha - tudo o que faço é para você, eu te amo. Minha irmã - Obrigada por sempre estar lá e permitir-me usála como tabua de salvação para desenvolver a mais louca das ideias. Eu te amo. Jill Sava - você é mais do que um brilhante: você é uma verdadeira amiga que estou muito feliz por ter ao meu lado. Você é minha rocha. Yessi Smith e Mary Johnson - ambos são os que me mantém sã quando tenho certeza que estou prestes a mergulhar em linha reta para a Villa Louca. Obrigada por manter meus pés no chão, e por proporcionar algumas risadas muito necessárias à minha vida insana. Java Edição - Jen, você é uma super-mulher. RYDER foi um livro muito lento de escrever, mas estar presa ao seu lado, e ter-te disposta a mudar sua programação para acomodar a minha me fez eternamente grata a você. Você salvou minha bunda. Obrigada.


Mayhem Cover Creations - LJ, as capas são bombásticas. Apenas quando eu penso que não posso amar outra capa você cria uma e prova que estou errada. JT formatação - Jules, você é um salva-vidas. Obrigada por fazer o interior de meus livros parecerem bonitos uma e outra vez. Meus leitores - estamos no oitavo livro da série, e vocês ainda estão ao meu lado querendo mais. Isso me deixa louca a cada dia. Este livro é para todos vocês. Obrigada a todos por me permitir escrever histórias para os personagens que dominam o meu coração.

Slater Brothers - #4 - Ryder - L. A Casey  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you