Issuu on Google+

ARTE E CULTURA 1° ENCONTRO PRESENCIAL BASE CONCEITUAL EIXOS TEMÁTICOS


ETIMOLOGIA(ORIGEM) DA PALAVRA CULTURA  Kultur 

(alemão, séc. XVIII) = cultivo

utilizado para simbolizar os aspectos espirituais de uma comunidade (cultivar o espírito)

 Civilization 

(francês, séc.XVIII) = civilização

utilizado para designar os progressos materiais de uma sociedade. Tanto mais uma sociedade era evoluída materialmente, mais ela era “civilizada”.


SURGIMENTO DO CONCEITO DE CULTURA  Os

termos KULTUR e CIVILIZATION foram sintetizados por Edward Tylor (1832-1917) no vocábulo inglês culture que “tomado em seu amplo sentido etnográfico é este todo complexo que inclui conhecimentos, crenças, arte, moral, leis, costumes ou qualquer outra capacidades ou hábitos adquiridos pelo homem como membro de uma sociedade”


A COLONIZAÇÃO E A DISTINÇÃO CULTURAL  Quando

o colonizador europeu entrou em contato com os povos colonizados (América, África, Oceania e Ásia), utilizou as formas culturais européias (da arte, da arquitetura, do vestuário, dos móveis, ferramentas e utensílios, etc.) como representação de sua “superioridade”, reivindicando para si a condição de cultura superior, erudita, evoluída, tratando os colonizados como cultura primitiva, exótica, inferior, atrasada. O europeu estava ali para “civilizar” os incultos.


A COLONIZAÇÃO E A DISTINÇÃO CULTURAL  Como

resultado desse empreendimento colonizador civilizatório, a Europa se colocou como centro e o resto do mundo como periferia. Durante alguns séculos (até a 2ª guerra mundial) o mundo gravitava em torno do eurocentrismo.  Este sistema conceitual serviu para criar a idéia de distinção que até hoje separa as culturas de uma sociedade entre erudita e popular, alta cultura e baixa cultura, cultura boa e cultura ruim, centro e periferia, etc.


O PROBLEMA DOS DETERMINISMOS  Outra

ferramenta de distinção e que ajuda a construir e manter os preconceitos e estereótipos é o uso dos determinismos biológicos e geográficos. Eles criam “teorias” de que existem capacidades ou incapacidades inatas às pessoas em função da etnia ou raça ou do local de nascimento. As pessoas são determinadas pelos aspectos biológicos e/ou geográficos.


EXEMPLOS DA ESTUPIDEZ DO DETERMINISMO BIOLÓGICO  Toda

loira é burra  A mulher não sabe dirigir  Todo homem é promíscuo e infiel  O oriental é inteligente e trabalhador  Os negros e índios são indolentes  O branco é empreendedor e interesseiro


EXEMPLOS DA ESTUPIDEZ DO DETERMINISMO GEOGRÁFICO O

português é pouco inteligente  O alemão é frio e insensível  O carioca é esperto  O baiano é preguiçoso  Os povos dos países de clima quente são menos inteligentes  O sergipano (e o nordestino de maneira geral) é feio, cafona e brega


A FUNÇÃO DA CULTURA  Para

o antropólogo José Márcio Barros, em qualquer sociedade, tempo histórico ou conjuntura, a cultura teve, tem e terá um caráter central e insubstituível: o ordenamento, a classificação e a comunicação das coisas do mundo pelos sentidos a elas atribuídos. Portanto, o homem não (sobre)vive fora da cultura. É o sistema cultural que torna a vida do homem possível. Nós aprendemos a ser, nos tornamos, não nascemos prontos.


AS DIMENSÕES CONTEMPORÂNEAS DA CULTURA  ECONÔMICA

- a atividade cultural é geradora de renda, emprego, impostos, infra-estrutura e riqueza, além de ser a mola propulsora do desenvolvimento sustentável, pois é na cultura que se criam os paradigmas e idéias. A cultura é dotada de espaços econômicos próprios como indústria cultural e mercado cultural.


AS DIMENSÕES CONTEMPORÂNEAS DA CULTURA  POLÍTICA

- No plano político, a cultura pode ser percebida nos espaços do poder e da vida pública, ao configurarse elemento instituinte da vida coletiva. A legitimação do Estado contemporâneo passa por direitos culturais, democracia cultural, cidadania cultural, acesso à cultura, etc. Cultura de todos, cultura para todos, cultura por todos.


AS DIMENSÕES CONTEMPORÂNEAS DA CULTURA  SOCIAL

- Conjunto de práticas sociais que oferecem a experiência da inclusão e do pertencimento . Em uma sociedade marcada pela expansão da violência urbana e pela deterioração das regras de convívio e de sociabilidade, a cultura tem se constituído em lugar preferencial para a realização da cidadania. Existem muitas ações e projetos que utilizam a arte e a cultura para promover a inclusão social (Projeto Axé, Afroreggae, Olodun, Ilê Ayê, etc.)


AS DIMENSÕES CONTEMPORÂNEAS DA CULTURA Segundo Isaura BOTELHO, a cultura tem outras duas dimensões complementares:  ANTROPOLÓGICA - a cultura se produz através da interação social dos indivíduos”, portanto os modos de ser, agir e sentir permitem a construção de “pequenos mundos de sentido”.  SOCIOLÓGICA - produção elaborada com a intenção explícita de construir determinados sentidos e de alcançar algum tipo de público, através de meios específicos de expressão”, caso das linguagens e formas de expressão artísticas.


CULTURA É REGRA, ARTE É EXCEÇÃO 

Para Teixeira Coelho, Arte e Cultura se misturam mas não são a mesma coisa, uma única coisa, como costumamos pensar. Para ele, “A obra da cultura é uma obra do coletivo; no processo, o nós é mais determinante que o eu: não quer dizer que nela a participação do individuo como individuo seja inexistente ou desimportante, mas a obra da cultura não resulta dele, não cabe ao indivíduo a não cabe no indivíduo: não depende do indivíduo a realização de uma obra da cultura. Inversamente, a obra de arte é determinada em última instância por um individuo(COELHO, 2008:122)”


OS PRINCÍPIOS DA ARTE Para decidir o que é ou não ARTE, nossa cultura possui instrumentos específicos:  O discurso sobre o objeto artístico, emitido pelo crítico de arte, pelo perito, pelo historiador, etc.  A existência de locais específicos onde a arte pode manifestar-se como cinemas, museus, teatros, galerias de arte, livrarias, bibliotecas, etc.  O estatuto da arte, código de referências que reúne características prévias que irão definir a qual estilo, gênero, escola, movimento a obra de arte se filia.  A atitude de admiração que as pessoas têm enquanto platéia, assistência, audiência, diante da arte. 


AS FUNÇÕES DA ARTE A arte existe para:  emocionar,  entreter,  refletir,  provocar,  discutir,  estimular, etc...  A arte é uma visão particular de mundo, existe como desejo de comunicação através de meios subjetivos.  O que é arte para você? 


AS FORMAS E EXPRESSÕES ARTÍSTICAS (TAMBÉM CHAMADAS DE LINGUAGENS) 

Artes Cênicas: Dança Teatro  Circo  Ópera

Vídeo Cinema  Animação

 

Artes Visuais: Fotografia Pintura Desenho Escultura Gravura  Instalação  Performance     

 

Música Literatura e Edição

Audiovisual:  

  

Patrimônio Material Patrimônio Imaterial Manifestações Populares Tradicionais Festas Folguedos  Folclore  

  

Gastronomia Artesanato Moda


QUESTÃO PARA REFLEXÃO 

O que é cultura? Qual a sua função pública? Existe uma relação direta entre cultura e desenvolvimento? Podemos pensar em sustentabilidade sem considerar a questão cultural? Para que serve uma política cultural? Qual a sua relação com o mercado? Como o poder público pode intervir na dinâmica cultural de uma sociedade? Como o artista e o agente cultural enfrentam os desafios da pós-modernidade? (BRANT, Leonardo. O Poder da Cultura. Ed. Peirópolis, São Paulo. 2009:7)


Apresentação