Page 1

Valdeno Brito disputa 'Corrida do Milhão' na briga pelo título da Stock-Car DOMINGO 15, DEZEMBRO, 2013

Esportes 5

EDITOR: JEAN GREGÓRIO

Crédito para consolidar negócios Cooperativas de crédito crescem junto às microempresas na Paraíba e são apontadas como o caminho mais rápido para expandir os negócios N V

Beto Pessoa

Para que as micro e pequenas empresas consolidem e expandam seus negócios no competitivo mercado, é necessário um conjunto de elementos que ajudem o empreendedor a amadurecer seus empreendimentos, sobretudo aqueles em fase embrionária, que precisam de uma série de ingredientes para que o negócio floresça. Neste cenário, as cooperativas de crédito são apontadas como uma das principais parceiras dos empreendedores, graças ao crédito oferecido a taxas de juros atrativas, participação nos lucros da cooperativa, além de uma série de benefícios mais vantajosos que os ofertados pelas instituições bancárias. O economista e presidente do Programa Paraibano de Qualidade (PPQ), Rafael Bernardino, disse que grande parte das cooperativas de crédito já nascem com foco nos pequenos negócios, sendo este o ponto inicial para que a relação entre cooperados e cooperativas seja eficaz. “Em sua essência elas têm o propósito de

Além de juros mais baixos, cooperados se tornam sócios e têm tratamento personalizado

atender aos pequenos. Assim, o tratamento é personalizado, o cliente é analisado como parte da filosofia do grupo e isso muda completamente a qualidade do atendimento. O cooperado é um aliado e recebe meios para que seus negócios sejam viabilizados pensando na individualidade de cada empreendimento”, apontou. Desde 2010, após mudança na legislação do Banco Central do Brasil (BCB), as cooperativas de crédito podem ampliar o leque de associados, permitindo, além de empresários de segmentos específicos, também as livres admissões. Em resumo, qualquer pequeno e microempresário tem a possibilidade de fazer parte de uma dessas instituições financeiras, com condições diferenciadas de relacionamento com a cooperativa, levando em conta seu potencial econômico e realidade de negócio. FORTALECIMENTO A gestora do Programa de Fomento às Cooperativas de Crédito da Paraíba do Sebrae Paraíba, Márcia Timótheo, afirma que essas instituições financeiras são instrumentos que fortalecem os micro e pequenos negócios, sobretudo, por pensar em cada empresário de forma individualizada. “É muito mais vantajoso que conseguir crédito em bancos. Você tira crédito a juros mais baixos, com atendimento personalizado, customizado, planejado de acordo com a realidade de cada negócio, seja pequena empresa, microempresa ou pessoa

LUCÉLIO MARQUES. Sócio da CG Cred, cooperado expandiu negócios

física”. Outro grande diferencial dessas instituições financeiras, segundo Márcia Timótheo, é que o associado torna-se um dos donos da cooperativa, sendo beneficiado com percentuais do lucro anual da instituição. “Na cooperativa de crédito, aquilo que fica de saldo é chamado de sobras. O associado tanto se beneficia das taxas baixas e diferenciadas dos juros, como também das sobras da companhia. Uma cooperativa que tem sobras de, por exemplo, R$ 100 milhões, vai repartir esse montante com

INFORME PRESIDENTE DA CNDL VISITA JOÃO PESSOA

A Câmara de Dirigentes Lojistas de João Pessoa recebeu nesta última terça-feira a visita do presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas Roque Pellizzaro Junior. Acompanhado do Diretor Administrativo e Financeiro da CNDL, Silvio Antonio de Vasconcelos Souza, ele veio avaliar as ações realizadas pela entidade lojista em 2013 e propor melhorias a serem feitas para os próximos anos. O presidente da CNDL e seu Diretor Administrativo e Financeiro foram recebidos pelo presidente da CDL João Pessoa Eronaldo de Vasconcelos Maia, pelo seu vice-presidente Nivaldo Vilar, pela superintendente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas da Paraíba Ana Rita Mello Dantas e pelo presidente da CDL Guarabira Robério Arnaud. Eronaldo Maia fez uma avaliação positiva da atuação de Roque Pellizzaro Júnior a frente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. “Eu como presidente da CDL João Pessoa faço uma excelente avaliação da gestão de Roque. A CNDL tem sido sempre uma voz ativa em Brasília representando os anseios dos empresários junto aos parlamentares”.

todos os cooperados, proporcionalmente ao capital social e movimentações executadas por ele na cooperativa. Dessa forma, todos são proprietários da cooperativa”, disse a gestora do Sebrae-PB. SEM COMPARAÇÃO Um desses beneficiados é Lucélio Marques, sócio desde 2011 da Siscoob CG Cred, de Campina Grande. Atuando no segmento de laranja, o empresário garante que os frutos vão além daqueles usados como objeto de vendas do seu negócio. “Eu só tenho o que comemorar desde que fiquei sócio. Em primeiro lugar

não existe greve nas cooperativas, como tem nos bancos, isso para quem é empresário já é um grande benefício. Não afeta nossas operações. Além disso, eles abrem mais cedo, você é tratado como prioridade, tem participação direta nas decisões da cooperativa e ainda participa dos lucros dela. Isso não se encontra em banco algum”, declara o proprietário do Point da Laranja. Com 16 funcionários, numa loja de 150 m2, o empresário encontra no cooperativismo a chance de expandir os horizontes dos seus negócios. “Pretendo aumentar, abrir uma filial em João Pessoa. Sócio da cooperativa, isso fica mais fácil, tenho à disposição um apoio para financiamento e empréstimo. Na sociedade tenho segurança para levar minha empresa para outras regiões”, relatou Lucélio Marques, afirmando também que hoje só realiza operações pela instituição. “Cartão de crédito, cheque, empréstimo. Tudo faço pela cooperativa”. MELHOR SOLUÇÃO Há 15 anos atrás, o médico José Morais Filho também planejava alavancar seus negócios, então decidiu vincular-se a uma cooperativa de crédito, pensando nos benefícios que poderia trazer a sua clínica após associação. Hoje, o empresário garante que não há melhor solução para quem está iniciando um pequeno negócio, graças ao perfil adotado pelas cooperativas de crédito. “O espírito cooperativista

faz com que você cresça beneficiando o todo, diferente do banco particular, que tem lucro dirigido aos sócios majoritários. Encontramos na cooperativa taxas menores, prazos melhores e garantias mais atraentes. O respeito e responsabilidade que há com o dinheiro é o mesmo dos bancos tradicionais, nós temos os mesmos serviços encontrados nos bancos, mas há um respeito com o associado, você não é 'mais um cliente', você faz parte daquilo, tem poder de decisão, opina nas assembleias e ganha um percentual das sobras da cooperativa. Eu me sinto realmente proprietário”, disse José Morais Filho, sócio da Unicred João Pessoa e sócio-proprietário de duas clínicas médicas na cidade. A gestora do Sebrae, Márcia Timótheo, reforçou o pensamento do empresário e disse que as cooperativas de crédito já possuem uma cartela de serviços que não deixam a desejar em comparação com os produtos oferecidos pelos grandes conglomerados bancários. “Hoje em dia as cooperativas de crédito têm todos os serviços de uma instituição financeira tradicional, afinal elas são instituições financeiras, só que de cooperados. Ou seja, ela oferta tudo que os bancos ofertam, com a diferença que o associado ganha um percentual das sobras da cooperativa, além do empréstimo a juros mais baixos”, declarou Continua na Página 3

LOJISTA

João março de 2012. JoãoPessoa, Pessoa, 05 15 DEdedezembro de 2013

Preenchimento automático do IR beneficia contribuintes com certificado digital Previsto para entrar em vigor no próximo ano, o pré-preenchimento da Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física será implementado por etapas, informou a Receita Federal. Em 2014, somente os contribuintes com certificado digital, que somam 1 milhão em todo o país, poderão ter acesso a essa funcionalidade. O número equivale a apenas 3,8% dos 26 milhões de pessoas físicas que entregaram a declaração neste ano. No novo modelo, o contribuinte receberá a declaração preenchida pelo Fisco assim que baixar o programa gerador, bastando confirmar as informações e transmitir os dados à Receita Federal. Não existindo alterações o contribuinte nem precisará fazer ajustes na declaração. De acordo com o órgão, esse novo sistema acelera o processo de entrega e evita erros que atrasam o pagamento das restituições.

O Certificado Digital é um sistema que funciona como uma assinatura eletrônica para autenticar dados pela internet, a certificação digital é obrigatória para todas as pessoas jurídicas. As pessoas físicas que receberam mais de R$ 10 milhões no ano anterior devem entregar a Declaração do Imposto de Renda com assinatura digital.

COMISSÃO ESPECIAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS APROVA PROJETO QUE ALTERA O SIMPLES A comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira o Projeto de Lei Parlamentar (PLP 221) que vai permitir a inserção de quase meio milhão de micro e pequenas empresas que faturam até R$ 3,6 milhões por ano no Supersimples e uma redução média de 40% em sua carga tributária. A medida segue agora para o plenário da Câmara e deverá ser votada no primeiro semestre do próximo ano. O texto substituiu o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte (Lei Complementar 123/06) com o objetivo de aumentar o acesso ao Simples Nacional e desburocratizar o funcionamento do sistema simplificado de pagamento de impostos das micros e pequenas empresas. Com a aprovação da medida mais de 200 atividades com faturamento anual de até R$ 3,6 milhões, até então enquadradas no regime de lucro presumido, passarão a ter o direito a aderir ao Supersimples.

NOSSAS FAMÍLIAS DE PRODUTOS

CDL - JOÃO PESSOA | Rua Treze de Maio, 277 - Centro | CEP.: 58013-070 - João Pessoa, PB Fone: (83) 3216.3800 | Fax: (83) 3216.3821 | www.cdljp.com.br 218439

01 ecojp 15 12 13  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you