Issuu on Google+

Juazeiro

do

Norte/CE, Outubro

de

2013 - Ano VIII - Número 42

Guimarães é recebido pelo Papa Francisco e pede reabilitação de Padre Cícero O dia 22 de julho pode ser considerado como fundamental pela Nação Romeira da Mãe das Dores e do Padre Cícero Romão Batista. Nesta data, por ocasião da visita do Papa Francisco ao Brasil para participar da JMJ (Jornada Mundial da Juventude) ele recebeu das mãos do deputado José Nobre Guimarães o pedido que antes de ser de um dos mais influentes políticos no Congresso Nacional é, de mais um fiel e devoto do santo popular nascido em Crato, mas que marcou sua vida com a missão pastoral nesta cidade de Juazeiro, um dos seus grandes milagres. PAGINA 3

Instituto Flor de Pequi tem nova sede em Crato A nova sede da ONG Flor de Pequi está localizada na Praça Coronel Filemon Teles, S/N em frente ao Parque de Exposições de Crato. O Presidente do Instituto, Francisco Wilton Furtado Alves, destacou a felicidade de estar à frente da Flor de Pequi justamente quando completa oito anos de bons serviços prestados a coletividade caririense. PAGINA 4

OPINIÃO

Bento XVI e a reabilitação do padre Cícero PAGINA 2

FOLHETIM

ção A constru do Horto

o O: Joaseir 4º. CANT ente, a independ eira ia de Palm penitenc s s Celeste e as Corte PAGINA 5

A propósito dos 150 anos de nascimento da Beata Maria de Araújo Desde tempos imemoriais a humanidade marca os fatos importantes da vida cotidiana

– do nascimento até a morte – com rituais: festas de aniversário, colação de grau, bailes de formatura, casamento e a morte. PAGINA 6

DESTAQUE

Albery Viana, um gerente devoto de Cristo, São Francisco e padre Cícero Albery Viana é um apaixonado pelo Cariri. “Percebe-se aqui uma riqueza muito grande em três aspectos naturais: clima, solo e água muito boa. Tudo aqui é atrativo. Desde quando aqui cheguei em 2006 observo exponencial evolução. Isso se deve a profissionalização das pessoas nas mais diversas atividades”, avaliou. Para o gerente do BNB de Crato até poucos anos havia um ranço que prejudicava o desenvolvimento regional. PAGINA 8

sociedade joão carlos PAGINA 7


2

Juazeiro do Norte(CE), Outubro de 2013

Opinião

Bento XVI e a reabilitação do padre Cícero (Parte IV) Por padre joão carlos perini

O Cardeal Ratzinger se torna Bento XVI

Às 21h37 de sábado 2 de abril de 2005, o Papa João Paulo II exalou o último suspiro. O mundo inteiro ficou na espera do novo Papa. Dom Fernando em conversa com amigos, naqueles dias de luto, expressava seu desejo: “Se o novo Papa fosse Razinger, seria muito bom para nós”. Dezessete dias depois, aos 19 de abril de 2005, saiu a famosa fumaça branca: Habemus Papam! O cardeal Joseph Ratzinger é eleito o 265º sucessor de Pedro e coroado como Bento XVI. O homem que iniciou o processo de Reabilitação do Padre Cícero é agora o chefe supremo da Igreja Católica Apostólica Romana. A televisão repassava ainda as imagens do fumaça branca e se ouvia ainda o grande sino de São Pedro anunciando o novo Papa, quando liguei a dom Fernando. “É mesmo o cardeal Ratzinger!” Respondeu: “Deus sabe o que faz!” Em outra ocasião ele acrescentava: “Espero que o Papa, que já nos conhece, e que conhece o que está acontecendo em Juazeiro do Norte, as romarias, e conhece também um

pouco da figura do Padre Cícero, possa nos ajudar a responder a essa expectativa do povo, que é ver reconhecida a santidade de Padre Cícero” Naqueles dias dom Fernando sintetizou tudo o que tinha feito o cardeal Ratzinger para o Padre de Juazeiro, dando uma entrevista à Radio do Vaticano.

Romaria a Roma com a entrega dos documentos

Os trabalhos da Comissão de Reabilitação Histórico-Eclesial do Padre Cícero Romão Batista, foram encerrados em Juazeiro com a presença de três bispos: o cardeal Cláudio Hummes, então arcebispo de São Paulo, dom Valério Breda, bispo de Penedo, e dom Fernando Panico, bispo do Crato. O professor Arnaldo Braga sintetizou para a assembléia dos padres diocese do Crato as conclusões da Comissão. O cardeal Claudio Hummes louvou muito os trabalhos pela alta qualidade cientifica. Deu a dom Fernando esta sugestão amiga: pedir uma audiência privativa com o Papa, falando a sós, em separado. Na mesma ocasião, foi anunciada uma romaria a Roma

para entregar a Santa Sé os Documentos, coletados da Comissão de Reabilitação. Esta romaria era encabeçada pelo próprio arcebispo de Fortaleza, dom José Antônio Aparecido Tosi Marques. Integravam a comitiva cearense o bispo de Crato, dom Fernando Panico, o governador do Ceará Lucio Alcântara, a embaixadora do Brasil no Vaticano, Vera Machado, o prefeito de Juazeiro Raimundo Macedo com uma boa delegação política da cidade e vários representantes do clero como padre Roserlândio, padre Paulo Lemos, padre Sebastião Bandeira, padre Bosco Lima, então reitor do Socorro, padre Joaquim, então pároco de Assaré, os Salesianos do Horto: padre Venturelli e padre João Carlos Perini. Chegando a Roma, dom Fernando Panico entregou ao Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, cardeal Josef William Levada, o material coletado. Onze volumes, mais de 2.500 páginas, fruto dos 5 anos de pesquisa! O calendário marcava o dia 30 de maio de 2006. Um volume à parte levava cerca de 150 mil assinaturas de populares em prol da Reabilitação, organizado pelo ta-

Gramado novo no campo do Salesiano Por Cícero Braz de Almeida No dia vinte e sete de julho, do corrente ano, aconteceu mais um encontro dos ex-alunos do Colégio Salesiano São João Bosco e, como só acontece nessas ocasiões, a alegria prepondera diante de tão salutar encontro. Esse evento, cujo caráter é eminentemente voltado para o entretenimento dos que dele participam, já faz parte do nosso calendário anual, para o qual acorrem ex-alunos de vários lugares, especialmente do Nordeste, região que abriga a maioria de nós, exercendo diversas funções. Há dois anos faço parte dessa confraria e muito me orgulho disso, pois rever colegas do passado, amigos do presente, é um prazer incomensurável. Claro, que muitos deles eu não conhecia, pois eram de períodos anteriores e posteriores ao meu. Os alunos salesianos, falo pela minha época, sempre formamos uma família, pois as aulas não terminavam com o toque do sino. Ao contrário, prosseguiam nos encontros para estudo em grupo e se estendiam até boquinha da noite, na Praça Padre Cícero, invariavelmente. Algures, escrevi numa crônica sobre vários namoros, oriundos desse convívio, que, inclusive, redundaram em casamentos, muito deles ainda perdurando sobre as bênçãos de São João Bosco. Esse último encontro me fez mais feliz ainda. Além de rever amigos maravilhosos que, pela azáfama diária de nossas atribuições, tornemo-nos distantes, assisti à inauguração do gramado do campo do Salesiano. Uma festa só bem sentida e entendida por aqueles que tiveram a felicidade de jogar partidas naquele campo,

ainda sem grama. Desfilaram pelos meus olhos, vendo Luís Fidélis tentar correr, sob um escaldante sol de quase meio dia (título de uma de suas canções), mas até que conseguiu, vários outros, que comigo aturam. Difícil tarefa dizê-los todos, mas, lembro-me de Demóstenes, Aguiar, Humberto, Dante, Máximo, Assis (Bacurim), Sione, Zé Nilton, Panzilão, Manoel Cordeiro, Hélder, Melo, Edênio, Edvânio, João Filho, Sivá, Cândido Wilson... Muita gente boa, embora alguns não mais se encontrem entre nós. Quero aproveitar o espaço para parabenizar o Padre Pereira, diretor do colégio, pelo empreendimento e que, pelo excelente trabalho frente ao colégio, teve um documento, assinado por todos os exalunos e alunos, solicitando à inspetoria do colégio sua permanência no casarão, ora sob sua égide, bem como ao Moura, pela garra com que abraça a ideia desse encontro que, como sempre, termina numa confraternização numa churrascaria da cidade, com muita música, esse ano protagonizado por Allan, Joca e esse exaluno que, modestamente lhes escreve. Espero que esses encontros não se percam no tempo e atravessem gerações, pois, se fomos felizes no presente, com certeza é que tivemos uma relação de amizade verdadeira, aquilo a que me referi: uma verdadeira família salesiana. *O autor é Escritor e ex-aluno Salesiano.

belião Paulo Machado. Nos dias antes da viagem da caravana, os bispos do Brasil estavam reunidos em Itaici em Assembléia anual. Bem 254 (entre bispos, arcebispos e cardeais brasileiros), assinaram uma carta de apoio ao Pedido oficial da diocese de Crato de Reabilitação. O cardeal Joseph Levada apareceu para cumprimentar a comitiva do Ceará: deixou bater fotos ao seu lado aos integrantes da comitiva e abençoou a todos. Aos 31 de maio dom Fernando entregou sua Carta do Pedido de Reabilitação pessoalmente ao Papa, logo depois da audiência pontifícia. “Venho com toda esperança e humildade suplicar a Vossa Santidade que se digne reabilitar canonicamente o Padre Cícero Romão Batista, libertandoo de qualquer sombra e resquício das acusações por ele sofridas”. E continuava: “Do estudo, que Vossa Santidade sugeriu à Diocese do Crato, quando Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (...), emerge uma revisão crítica e fiel dos textos de arquivo, ligados às vicissitudes

NOTA DO EDITOR: Na próxima edição “Que maravilha! A capelinha se tornou Basílica” e “Quero acelerar a reabilitação do padre Cícero”.

Ministério Público age para melhorarem acolhimento dos romeiros em Juazeiro Por BETO FERNANDES Dois milhões de romeiros visitam Juazeiro anualmente durante as grandes romarias desta Terra Santa fundada pelo santo popular Padre Cícero Romão Batista. O ciclo de romarias começa em setembro com a Festa de nossa excelsa padroeira, Nossa Senhora das Dores, passando pela Romaria da Esperança (de Finados) até a festa de Nossa Senhora das Candeias em fevereiro. A cidade ferve com tantos visitantes que para cá se deslocam visando pagar promessas, renovar votos e comprovar a fé através de visitas às igrejas que compõem o chamado Roteiro da Fé, formado pela Basílica Santuário de Nossa Senhora das Dores, Capela do Socorro, Igreja do Sagrado Coração de Jesus nos Salesianos, Igreja de São Francisco, Igreja de Nossa Senhora de Lourdes no Bairro São Miguel e Capela do Senhor do Bonfim com o monumento de nosso patriarca na Sagrada Colina do Horto. É preciso, por dever de justiça, acrescentar neste roteiro o Me-

morial Padre Cícero e os museus do padre Cícero na Rua São José e Horto onde há, inclusive, imagens em tamanho natural do ‘padim’ e outras personalidades históricas da fé e emancipação política de nosso município. Em cada festa religiosa, por estas peregrinações, sempre são discutidos os mesmos problemas: mobilidade urbana, segurança, saúde, assistência social e serviços essenciais como água, energia elétrica e telefonia. As visitações crescem num ritmo proporcional a fé dos romeiros e romeiras da Mãe das Dores e do Padre Cícero e salvo algumas exceções, ações governamentais ficam aquém do desejado para ajudar no acolhimento desta legião de fiéis. Mensalmente é verificada a ampliação do número de pessoas que assistem a tradicional missa do ‘padim’ e não se tem conta do número de fiéis que a acompanha pelas diversas emissoras de TV que a transmitem ao vivo. O grande desafio é reordenar os espaços

públicos visando que os visitantes possam se locomover pelas ruas da cidade sem disputar espaço com barraqueiros e seus produtos. Para isso foi construído o Centro de Apoio ao Romeiro, mas é preciso implantar mecanismo que levem potenciais clientes durante os demais períodos do ano, pois sem fiscalização, voltam para as diversas ruas centrais. O funcionamento para breve do Centro de Multiuso pode ajudar no fortalecimento das atividades comerciais naquele setor da cidade. Para breve serão iniciadas obras do anel viário (iniciativa do Governo do Estado) que poderá ajudar o já complexo trânsito e, certamente, que o Estacionamento do Romeiro terá seu reconhecimento quando não mais identificamos ônibus e caminhões paus de arara estacionados ao longo da Rua São Pedro. Importante iniciativa do Ministério Público reuniu integrantes do Governo Municipal, CAGECE,

Edição de Fevereiro/2012 Editor: Beto Fernandes Comercial: João Carlos Menezes Barbosa Colaboradores: José Carlos dos Santos, João Possiano, Francisco Filho e Océlio Teixeira de Sousa. Projeto Gráfico e Diagramação: Claudio Henrique M. Peixoto - (88) 8826.0151

Fundado por João Barbosa

vividas pelo Padre Cícero Romão Batista, resultando a fidelidade dele à Igreja, numa síntese sofrida de obediência filial e de defesa responsável da verdade, não obstante as incompreensões, acusações e graves sanções canônicas, levantadas contra ele. A Comissão de estudiosos, ao realizar as novas pesquisas, manteve-se numa descrição objetiva das fontes. À Congregação para a Doutrina da Fé compete a análise do nosso trabalho. E a Vossa Santidade a palavra conclusiva”. E ali na Praça São Pedro aconteceu, também, um pequeno dialogo entre Dom Fernando e o Papa: “Encontrou coisas novas?’, perguntava o Papa. “Sim. Encontramos muitas cartas, Santo Padre, e muitos documentos da época. Cabe ao senhor definir se o que encontramos é suficiente e responder ao que o povo quer saber da Igreja sobre o Padre Cícero.”

COELCE e representantes da segurança pública, além da própria Igreja. Objetivo? Discutir ações que possam melhorar a acolhida dos visitantes e em meio às propostas o compromisso de padronizar até novembro barracas em toda cidade. Como se disse, mas não se explicou como, todos ficam com dúvidas que partem deste o custeio até execução. Quem pagará? O município ou barraqueiros? Qual será o tamanho já que as atividades são as mais diversas? Que o compromisso, portanto, não se torne uma promessa vazia. Ao nos aproximarmos de mais uma Romaria em nossa cidade aproveitamos para lembrar e cobrar a conclusão de um centro de saúde no centro da cidade, justamente com a finalidade de atender aos romeiros. Iniciado no governo passado já na atual gestão foi prometido como sem falta para julho. Contudo, prometeram como sem falta e faltaram como sem dúvida.

Redação: (88)8827-1660 Comercial: (88)8801-1910 Rua do Cruzeiro, 942, Bairro São Miguel CEP 63010-485 Juazeiro do Norte – Ceará E-mail: jornalnacaoromeira@gmail.com

Os textos assinados são de inteira responsabilidade de seus respectivos autores não representando necessária e obrigatoriamente o pensamento da editoria. Tiragem: 3.000 exemplares


Juazeiro do Norte(CE), Outubro de 2013

3

DESTAQUE ROMEIRO

Guimarães é recebido pelo Papa Francisco e pede reabilitação de Padre Cícero “Nós teremos essa grande conquista histórica, que é a reabilitação do Padre Cícero”, afirmou o líder do PT na Câmara dos Deputados que teve a oportunidade ficar frente a frente com o líder da Igreja Católica Apostólica Romana e pedir pelo santo popular nordestino. Por Beto Fernandes

O

dia 22 de julho pode ser considerado como fundamental pela Nação Romeira da Mãe das Dores e do Padre Cícero Romão Batista. Nesta data, por ocasião da visita do Papa Francisco ao Brasil para participar da JMJ (Jornada Mundial da Juventude) ele recebeu das mãos do deputado José Nobre Guimarães o pedido que antes de ser de um dos mais influentes políticos no Congresso Nacional é, de mais um fiel e devoto do santo popular nascido em Crato, mas que marcou sua vida com a missão pastoral nesta cidade de Juazeiro, um dos seus grandes milagres. O Papa Francisco, além de uma carta solicitando a reabertura do processo de reabilitação, recebeu de Guimarães três relíquias do padrinho do povo sertanejo: uma estátua, um terço e uma publicação sobre a vida de Cícero narrada em versos. A entrega repercutiu nos meios acadêmicos, mas principalmente junto aos fieis do padre Cícero que tiveram a oportunidade, com a cobertura da imprensa, de saber que o Vaticano está sendo provocado a rever conceito e corrigir essa falha histórica. Segundo Guimarães o Papa Francisco foi atencioso e acolhedor. “Disse a ele que,

por tudo que o padre Cícero significou e significa para o povo nordestino, cearense, do Cariri e, sobretudo de Juazeiro do Norte, a Igreja precisa fazer esta reparação”, ressaltou. No entender do líder petista, embora tenha recebido do Vaticano uma avaliação como sacerdote insubordinado, o padre Cícero tem mérito pela reabilitação em função da fé demonstrada por mais de dois milhões de fieis que anualmente visitam o Juazeiro para renovar seus votos e crença. Segundo ainda Guimarães “padre Cícero é uma referência da religiosidade cearense e nordeste com legado umbilical junto a Igreja, mostrando opção pelo simples e pelas pessoas mais pobres”. Reconhecedor da simplicidade do papa Francisco, Guimarães a exemplo d a

Nação Romeira, aguarda ansioso por um sinal positivo a esta reivindicação justa. A expectativa voltase agora no sentido de que a Embaixada brasileira no

Vaticano acompanhe o desdobramento deste processo de reabilitação do homem tido como santo ainda em vida com incontável relação de milagres. Em entrevista ao Jornal Nação Romeira e a Rádio Verde Vale AM o líder do PT disse que continuará esta luta. “Enquanto tiver forças, me comprometo com o povo do meu Estado que, como religioso cearense e devoto de Padre Cícero, eu buscarei um entendimento com a Igreja Católica para conseguir essa reparação”, concluiu.

Guimarães é católico praticante e devoto do padre Cícero Foto: JOÃO CARLOS

Foto: ROBERTO STUCKERT/PR

Respeitoso Guimarães disse ao papa Francisco sobre a simplicidade do padre Cícero.


4

Juazeiro do Norte(CE), Outubro de 2013

CIDADES

Instituto Flor de Pequi tem nova sede em Crato

A

nova sede da ONG Flor de Pequi está localizada na Praça Coronel Filemon Teles, S/N em frente ao Parque de Exposições de Crato. O Presidente do Instituto, Francisco Wilton Furtado Alves, destacou a felicidade de estar à frente da Flor de Pequi justamente quando completa oito anos de bons serviços prestados a coletividade caririense. “Dia 31 de julho chegamos aos oito anos e é preciso comemorar realmente hoje os resultados positivos alcançados

na melhoria da qualidade de vida de jovens, homens, mulheres e crianças com políticas públicas de crédito fundiário e de convivência com a estiagem”, afirmou. Maria Leuda Campos, coordenadora do Crédito Fundiário do Estado, afirmou que o momento é muito especial para a Flor de Pequi, mas principalmente para as famílias assistidas com os diversos projetos executados. Ela elogiou o trabalho da ONG que atua no desenvolvimento da sustentabilidade e na agricultu-

fachada da nova sede

dirigentes da ONG no corte da fita

decerramento da placa

ra familiar. “A Flor de Pequi tem contribuído bastante na execução do trabalho de possibilitar acesso a terra para pequenos agricultores. No Ceará, dos resultados do crédito fundiário, ela é responsável por 50% da demanda”, afirmou Leuda. Fernando Santana, Secretário de Governo de Barbalha, representou na solenidade o Secretário das Cidades e deputado estadual, Camilo Santana. Pa-

a ONG já realizou. Segundo o parlamentar são muito exitosas as experiências de ONGs sérias no desenvolvimento agrário rural e no combate a pobreza. Para ele o sucesso das administrações do ex-presidente Lula e da atual presidente Dilma deve-se muito importância do trabalho de ONGs sérias como a Flor de Pequi no enfrentamento e convivência com o semiárido.

Fieis reverenciaram a menina Benigna em romaria

A comunidade católica do vação de um milagre para torná-la Cariri esteve reunida em Santana beata. “O caso da jovem poderá se do Cariri quando participou da X transformar na primeira beatificação Romaria da Menina Benigna Car- do Estado do Ceará”, explicou o párodoso morta há 72 anos, quando aos co da Paróquia de Senhora Sant’Ana, 13 anos depadre Paulo fendeu sua Fotos de Roberto crispim Lemos. castidade. O N a público estiprogramação mado ficou houve romana casa das ria das crian10 mil pesças e missa soas. no túmulo Houde Benigna, ve particiacolhida das pações de caravanas no caravanas Distrito de de 54 paróAraporanga Mais de 10 mil pessoas participaram da quias e de e em seguida Romaria de Benigna municípios carreata para cearenses e o Distrito de dos vizinhos Inhumas e de estados do lá caminhaPiauí e Perda até a sede nambuco de Santana e ainda da do Cariri. A Bahia. A premissa foi cefeitura decrelebrada de tou feriado forma cammunicipal o pal ao lado dia 24 de ouda matriz de tubro, data Santa’Ana do falecimento da menina Benigna. pelo Bispo Diocesano de Crato, A história de Benigna está Dom Fernando Panico. sendo avaliada pela Congregação Houve para a Causa dos Santos, com Triparticipações bunal formado por especialistas, legistas e peritos no Direito Canônico de caravanas de no Vaticano. Documentos levanta54 paróquias e de dos pela Diocese de Crato pedem a municípios cearenses e beatificação dos vizinhos estados do Caso o martírio seja constaPiauí e Pernambuco e tado, não será necessária a compro-

ainda da Bahia.

rabenizou a ONG Flor de Pequi pela nova sede elogiando o trabalho de apoio aos pequenos agricultores. Reconheceu publicamente. Reconheceu também o trabalho de implantação de cisternas que tem ajudado a minimizar efeitos da estiagem no Cariri. O deputado federal Jose Guimarães (PT) ressaltou sobre a importância de comemorar os oito anos da Flor de Pequi por tudo que

Guimarães destacou ainda os trabalhos de implantação de cisternas para reservar água um bem essencial para vida humana. “Eu tenho a plena convicção de que as ONGs em parcerias com todas as esferas de governo estão realizando a construção de um novo Brasil. A ONG Flor do Pequi faz política pública com correção e parabenizo seus diretores e famílias beneficiadas”, concluiu.

Bairro São Miguel ganha primeira etapa do Centro Pastoral Mons. Ant° Onofre de Alencar A festa a partilha dos fiéis. Foram investidos de São Miguel paroquianos e mais de R$ 500 mil e esse será comemodo povo ami- é um valor considerável rada de 21 a 29 go de Juazeiro para quem vive da provide setembro do Norte”. dência e também da parno âmbito da “ T r a - tilha”, ressalta o pároco. paróquia de ta-se de uma A Paróquia de Nossa Senhoc o n s t r u ç ã o Nossa Senhora de Lourra de Lourdes grande, mas des, segundo o padre pe francisco luiz de Juazeiro toda feita Francisco Luiz, “é fordo Norte. O com partilha, mada por um povo muipároco, padre quermesses, to vivo com reuniões ao Francisco Luiz, expli- bingos, diversos eventos longo do mês com as ca que será priorizada e tantas mãos a parte religiosa e para generosas que isso haverá retiro com a estão ajudando comunidade em orações, com a graça de encontro e adoração e Deus e de São celebração da Santa Eu- Miguel e já está caristia. Segundo o pá- funcionando a roco, “haverá toda uma contento e mecaminhada com o povo tade das paspara que cada vez mais torais já está se se descubra no Deus da reunindo aqui”, vida o gosto e a alegria acrescentou. O de viver de viver como Centro tem 10 igreja de São Miguel irmãos em Cristo”. espaçosas salas Na parte social se- com lojinha, rão realizadas quermes- Capela do Sanses, bingos e abertura tíssimo, banheida loja do Centro Pasto- ros, auditório, ral Monsenhor Antonio cozinha e reOnofre de Alencar. A feitório dentre primeira etapa do Centro outros. já está funcionando des“O nosso de o dia 30 de maio por centro pastoral ocasião do transcurso do tem a infraesDia de Corpus Christi. O trutura ideal Centro Pastoral da Paró- para atender de quia de Nossa Senhora fatos, tempos oratório do Centro Pastoral de Lourdes do Bairro novos. Juazeiro São Miguel é no enten- é uma cidade grande e pessoas entrando, orander do padre Francisco tudo tem que ser reava- do e se capacitando para Luiz “um desafio que liado com o Centro ser- o trabalho pastoral em está sendo vencido com vindo para reunir nossos todo o Bairro São Mi-

guel”. Indagado sobre a expressiva participação dos fieis ele agradeceu o reconhecimento e lembra que hoje vão à igreja como na época do padre Onofre. “O povo tem comparecido com o gosto de ajudar e se preparar no ser igreja conosco. Sou um humilde servo do Senhor e isso se deve ao nosso esforço, uma equipe bem preparada para acolher bem, cadeiras para sentar, liturgia bem preparada. Missa no seu horário devido e tudo isso tem sido realmente muito positivo e agradecemos as pessoas que vêm demonstrar sua fé católica em nossa paróquia”, concluiu. A Paróquia de Nossa Senhora de Lourdes inicia em setembro um novo horário de missas. Todo domingo acontece também uma celebração a partir do dia primeiro às 09h00.


5

Juazeiro do Norte(CE), Outubro de 2013

FOLHETIM

A construção do Horto Continuação da Trilogia do Horto – Por Renato Dantas 4º. CANTO: Joaseiro independente, a penitencia de Palmeira e as Cortes Celestes Nas noites das datas grandes, se juntavam os santos penitentes e adentravam no Caminho do Horto, no Horto das Oliveiras e no Santo Sepulcro. O cortejo se insinuava por entres as pedras, os cruzeiros e as ruínas da Capela do Sagrado Coração de Jesus, A Inacabada. As candeias e as velas iluminavam os caminhos, os benditos davam cadencia ao cortejo: “Senhora Deus, Misericórdia! Senhor Deus, pequei, Senhor, Misericórdia! Senhor Deus, pelas dores de Nossa Mãe Santíssima, Perdão, Misericórdia! Senhor Deus, pelo Sangue precioso de Jesus Cristo, Vosso Santíssimo Filho, perdão, Misericórdia!” Todos os lugares santos são visitados e servem de oráculo para oferecerem a Deus a penitencia e Ele, por piedade e misericórdia, salvar o mundo. Mas o cão ronda o homem. Elias, o novo beato integrante da Corte Celeste traz a discórdia ao Horto. Ele não segue a máxima dos beatos, a castidade. Embucha mulheres e leva a descrença à Corte Celeste. Mete-se também Elias, com a filha adotiva de Maria Tubiba desonrando-a e causa o rompimento dos liderados de Tubiba com os que seguem as orientações de Elias. As, agora duas, Cortes Celestes, entram em luta corporal. A corte de Maria leva a melhor sobre os santos de Elias, que pego leva uma pisa que o deixa prostrado, não subindo mais o Horto, ficando uma única corte com a liderança de Maria Tubiba. No ano da graça de 1892, sobe o Horto para seu retiro espiritual, José Lourenço. Iniciado pelos beatos Palmeira e Manoel João, cumpre o ritual de

purgar os pecados. A penitencia, a fuga das tentações do demônio, o lavar a alma do egoísmo, da ganância, tornam José Lourenço um beato. Beato do Padre Cícero para ajudar construir e manter a Nova Jerusalém. A ida para a Baixa D’anta, no Crato, e a necessidade de levar o pensar fraterno a todos fazem da comunidade um exemplo de fraternidade, e é grande a convivência do Horto com a Baixa D’anta. A Estrada dos Romeiros, vereda construída entre Joaseiro e a serra do Araripe e o corredor que faz a ligação. Outros beatos e beatas são iniciados nos mistérios de Juazeiro e o Horto, agora, tem mais veias em várias direções. Seja nas serras do Araripe, do Mãozinha, de São Pedro. Como fogo no monturo, a povo da Nova Jerusalém vai tomando conta do mundo. Em 1908, chega ao juazeiro o Dr. Floro Bartolomeu da Costa, médico da Bahia que vem para as banda de cá, pensando nas Minas do Coxá. Como Padre Cícero é um dos donos da mina das Auroras, Floro entra em contato com o Padre. Floro vê no Padre um arrimo. O Padre vê em Floro um arrimo. Cada um com o seu pensar dão as mãos e Floro se constrói político, o Padre constrói o Juazeiro com um bacharel a orientá-lo. O tempo passa. Juazeiro está calmo. Mas é como fogo de monturo. Os homens do povoado pensam na separação do Crato. Não é possível que o Juazeiro já tão grande, seja sujeito a Crato. Começa a desavença. O povo do Crato, antes amigo do Juazeiro por causa dos milagres, pois fora de lá que vieram os primeiros peregrinos, se associa ao clero para desfazer do arraial do Padre. Há que se pensar também no dinheiro que já corria no povoado. Antes se comprava muito no comércio de lá, hoje os comerciantes romeiros vão a Recife e Fortaleza e trazem a mercadoria necessária para suprir a demanda do Juazeiro. Os ourives do Crato começam debandar para o J Juazeiro. A feira rivaliza com a antes grandiosa do Crato. É por esse tempo que o Padre Cícero revive o sonho de instalar um bispado em Juazeiro. Os ricos e clero cratenses se reúnem e pleiteiam para lá. Nas ruas do Crato a mangofa era constante com os habitantes do Juazeiro que lá iam trabalhar. Fosse na cidade, fosse no campo, era uma desavença só. Para botar mais fogo ainda, os letrados de lá e de cá, resolveram fazer jornais. O Rebate no Juazeiro, o Correio do Cariri no Crato. Eita luta pai’degua. Os beatos do Horto se encantavam com as figuras que eram feitas com os dirigentes cratenses. Felizes ficavam quando arranjavam uns iniciados nas letras para ler p’ra eles, como faziam com os folhetos. Ler o Correio, nem pensar. Só tinha insulto contra o Padre, Dr. Floro e Pe. Alencar Peixoto. O Coronel Antônio Luís Alves Pequeno, Intendente do Crato, não cumprindo o prometido ao Padre de que ia dar entrada na assembléia Provincial o pedido de transformação de Juazeiro em Vila, amargou as conseqüências. Joaseiro parou de pagar imposto ao Crato, levantou uma greve: quem era do Juazeiro não ia mais trabalhar no Crato e fez uma passeata grandiosa, onde a população exigia a libertação do lugar.

Crato se armou e se preparou par invadir o Juazeiro. Os políticos de Fortaleza se meteram e prometeram que em 1911, fariam a tal da lei de libertação de da terrinha do julgo do Crato. O acordo é cumprido. Em julho de 1911, a lei dá ao Juazeiro, a regalia de Vila. Ai se inicia a Guerra de 14. No dezembro dos anos 13, estoura a guerra do Juazeiro O Horto é porta de entrada das tropas que vêem do Crato pelo lado do sítio Veados. Os defensores constroem uma muralha de pedras, como complemento dos valados. A guerra do 14, foi artimanha dos inimigos de seu Padre e do Dr. Floro, para acabar com Juazeiro. Os políticos se juntaram p’ras bandas do Rio de Janeiro e resolveram derrubar o Franco Rabelo que estava querendo destruir a terra santa do Padim. No Crato inventaram um tal de plano com oitocentos soldados, divididos entre Crato, Missão Velha, Barbalha e São Pedro, e numa hora tal, invadiam a Vila e não deixariam pedra sobre pedra. Os soldados do Franco Rabelo se ajuntaram no Crato e se preparam pára atacar o Joaseiro. O primeiro ataque foi para as bandas do São José. Quando os macacos viram as trincheiras se abismaram. Atirando sem prumo, nada fizeram contra a Vila e os defensores da terra santa tiveram a sua primeira vitória. Dava gosto as conversas nos becos do Joaseiro. - Tu vice o que fez o Beato Ricardo? Subia nas trincheiras e atirava com o seu trabuco, pra vê a quedo do macaco. - Os macacos só matarão um jumento que lá pastava. Eita macaco ruim de tiro! O segundo ataque foi ainda mais besta. Pelos lados das Malvas, encontraram os soldados os comandados de Quintino Feitosa. Homem de fibra. Defendeu como devia trincheira e as tropas do Franco fugiram apressadas em busca da Barbalha. Lá deixaram o tal do canhão que ia destruir o Juazeiro e foi usado no segundo ataque. Quando eles atiravam e as balas passavam as mulheres gritavam: - Xô maldita. - Ora, será que eles não sabiam que nossa senhora colocou seu manto cobrindo todos nos e que as medalhas da Santa beata Maria de Araújo e do meu padrinho Cícero, no peito do defensor, fechava o corpo e não permitia que bala entrasse? Não sabiam nossos inimigos de que a ejaculatória “Chagas abertas, coração ferido, Sangue do Meu Nosso Senhor Jesus Cristo entre nós e o perigo!” era a chave maior da defesa romeira? Que a tomada do Crato logo em seguida, deu ao Juazeiro, a paz que queriam tirar. Imagine foram até nas pancadas do mar! Matutava em voz alta Palmeira, recordando o passado. Nota do editor: Continua na próxima edição


6

Juazeiro do Norte(CE), Outubro de 2013

CRENÇA

O RITUAL DE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

A propósito dos 150 anos de nascimento da

Beata Maria de Araújo Por Maria do Carmo Pagan Forti

D

esde tempos imemoriais a humanidade marca os fatos importantes da vida cotidiana – do nascimento até a morte – com rituais: festas de aniversário, colação de grau, bailes de formatura, casamento e a morte. O propósito desses rituais é atualizar a presença de uma pessoa que nos é querida, ou que é importante para nossa história, pessoal ou coletiva. Incluímos essa pessoa na vida da comunidade. Comunidade pequena ou grande. Mas nossas comunidades também têm mecanismos de exclusão de pessoas. Sabemos que nossa memória é seletiva. Lembramos o que precisamos ou queremos lembrar e esquecemos o que não nos importa lembrar. Algumas sociedades privilegiam um ou outro evento. Algumas preferem celebrar o nascimento de alguém que é importante para ela. Outras preferem celebrar a morte. Na nossa comunidade, em Juazeiro do Norte, tanto a morte como o nascimento são datas importantes a se comemorar. Basta lembrarmo-nos das grandes celebrações tanto da morte como do nascimento do Padre Cícero. Ninguém já se esquece porque tornou-se um ritual consagrado. Todas as Instituições da cidade comemoram as datas alusivas a ele. E fazem bem. É claro que ele merece. Mas... será que alguém ou alguma Instituição, hoje, negaria o merecimento de Maria de Araújo para que também para ela se faça rituais para marcar sua presença, ainda hoje, no nosso meio? Tenho certeza que todos diriam que sim, que é importante sempre atualizar a existência da Beata na rica história de Juazeiro do Norte. E, então, por que a deixamos de lado? Por que nos esquecemos (ou não quisemos) de comemorar uma data tão importan-

PESQUISADORA Maria do Carmo

te como os 150 anos de seu nascimento? Há 20 anos praticamente ninguém falava na Beata, ninguém conhecia sua história, confundiam-na com a Beata Mocinha. Maria

Há um mecanismo discriminatório na nossa sociedade que é terrível. Vulgarmente o chamamos de “machismo”

de Araújo estava apagada da história. E era enorme a indignação das pessoas que, afinal, tomavam conhecimento de sua existência como contemporânea do Pe. Cícero e, principalmente, da importância que teve na formação do maior movimento sócio-religioso da história do Brasil, da função que exerceu como instrumento de Deus para o milagre do sangramento da hóstia.

A Beata está, de novo, sendo apagada da história? Há um mecanismo discriminatório na nossa sociedade que é terrível. Vulgarmente o chamamos de “machismo”. A mulher, historicamente, foi relegada a um segundo plano da vida em sociedade: é aquela que está atrás de um grande homem, é a que cuida da casa... não tem vida pública. E aquelas que têm, até nós, mulheres, de alguma forma as desqualificamos. É interessante perceber como a Beata Mocinha é lembrada:

como a Beata que tomava conta da casa do Padre. Ela, no entanto, era uma grande “empresária”, diríamos hoje. Mesmo assim, esse seu lado muito pouco lembrado. Essa é uma atitude que é preciso combater e as Instituições públicas ou privadas têm o dever de preservar a memória de seu povo. Têm o dever de promover os rituais que atualizam a presença de seus vultos históricos porque são eles que conformam a nossa identidade e não só porque “atraem turistas”. Maria de Araújo foi uma mulher importante para a história de Juazeiro do Norte. Mas também para a nossa história de mulheres. À Maria de Araújo – mulher, pobre, negra e analfabeta, estava reservado um lugar na família, na cozinha, nas costuras e, se fosse para a Igreja, era para limpá-lo e, durante as funções religiosas, devia ficar no banco, assistindo a missa. Mas Maria de Araújo não ficou aí. Assumiu o seu papel de instrumento de Deus que quis fazer de “Juazeiro um lugar de conversão e salvação para as almas”. Assumiu seu papel de mística, daquela que teve um contato direto com Deus que lhe dizia que queria derramar seu sangue para que todos se convertessem e se salvassem. Expressou-se como santa, como mística, como beata, como representante da religiosidade do povo, com fé, com coragem, com firmeza superou a divisão que coloca a mulher, também na Igreja, como o “sexo fraco”. Ao manifestar, pelo sangramento da hóstia, o poder de Deus, apropriou-se do lugar só concedido ao clero masculino, colocando-o ao alcance das mãos dos devotos. Este o papel que Maria de Araújo desempenhou é também, além de religioso, um papel político pois redesenhou a geografia, a economia e a sociedade do sertão cearense, fixando, para sempre, no mapa do

Brasil, o “lugar sagrado” que é Juazeiro do Norte. Nesse sentido, redesenhou o lugar da manifestação da religião católica no nordeste brasileiro, pois até os dias de hoje, milhões de pessoas procuram Juazeiro como o “lugar de conversão e de salvação para as almas.” A esta mulher em quem Padre Cícero confiava até as últimas consequências, a

quem os pad r e s

Monteiro e Quintino vinham visitar para com ela meditar sobre a paixão de Jesus Cristo, não pode de novo ser apagada da história pois a formação da nossa identidade também deve se espelhar na sua fé, na sua força e coragem, no seu profundo amor à Eucaristia e à Igreja. Além disso, no seu amor e admiração ao Padre Cícero. O contrário também é verdadeiro. Padre Cícero admirava profundamente a Beata.

BEATA Maria de Araújo


Juazeiro do Norte(CE), Outubro de 2013

Sociedade

7

Social jocacariri@yahoo.com.br

João Carlos Barbosa

SALESIANO

LUA

Os Ex-alunos Salesianos mais uma vez se reuniram no velho casarão, na Rua Padre Cícero, capitaneados pelo diretor José Pereira e Padre Moura. Desta vez para realizar um sonho antigo dos ex-alunos. O gramado do campo de futebol. “Foi como voltar no tempo e viver tudo novamente em melhores condições”. Na foto ao centro Padre Pereira, o realizador, ladeado por fieis alunos de Dom Bosco. Obrigado diretor.

A turma Adoremos a Lua sempre se reunindo mensalmente. É um momento de descontração, musica e muita cultura.

LUNA & GUTO CARIRI EM DEBATE

Sucesso total o programa do Dr. Santana e Silene Santos na TV Verde Vale, todos os sábados às 14h. O programa trata de assuntos de interesse da sociedade Juazeirense. Parabéns aos apresentadores pelo bom desempenho.

Felizes da vida os empresários Jatme Luna e Guto, com sua empresa do ramo imobiliário no Cariri. o escritório fica no Posto Vip em Juazeiro do norte. Grandes negócios se esperam por lá.

FACE

É só no que se comenta em Juazeiro, as fotos postadas pelo amigo Renato Casimiro no Facebook. As fotos vão desde lugares antigos de nossa terra, a rostos que lembram os personagens que marcaram época.

PROJET no Cariri

Com reconhecido trabalho com a matriz em São Luiz (Ma) e a primeira filial em Fortaleza-CE está implantada no Cariri a conceituada PROJET Consultoria Financeira e Projeto de Viabilidade Econômica. A empresa é especialista na área de serviços, consultoria especializada, atração e promoção de investimentos e elaboração de projetos junto aos bancos de fomento.

PARABÉNS

À frente da Projet Cariri está o ex-presidente da Câmara de Mauriti, Missô Marques. O escritório da empresa está no Ed. Cariri Medical Center em Juazeiro.

Quem recebeu muitos abraços por ocasião de mais um grau galgado na Maçonaria, foi o radialista Jucimar Leite. Entre Irmãos maçom está sendo elogiado por sua desenvoltura dentro da ordem.

Silene Santos, Dr. Geraldo Barbosa, cronista e Dr. Santana

SOMBRA E ÁGUA FRESCA É o que meu amigo Humberto do Sal e Fogo espera até dezembro. Dia 30 de agosto se aposentou pelo INSS e em dezembro será pela Caixa Econômica Federal. Aí meu amigo, é sombra e água fresca.

BIBLIOTECA

A Loja Maçonica Evolução Nordestina tendo a frente o seu Venerável José Antonio, comemorou seus 78 anos de existência com uma homenagem ao Irmão Vicente Pereira de Freitas (In Memorian), com um biblioteca inaugurada por sua filha Edlamária.

Fone/Fax (88) 3571.1993 Rua Letícia Vasconcelos, 217 Parque Triangulo - Juazeiro do Norte-CE

casaraodoleo@bol.com.br


8

Juazeiro do Norte(CE), Outubro de 2013

Destaque Romeiro

Albery Viana, um gerente devoto de Cristo, São Francisco e padre Cícero Albery Viana de Oliveira é natural de Limoeiro do Norte filho de uma cearense com um potiguar. Tem quatro filhos Albery Júnior, Fernanda, Giuliano e Francisco Viana e está casado com Danúsia Freire. Há sete anos no Cariri cearense, o hoje gerente do Banco do Nordeste do Brasil de Crato, já esteve à frente também das agências de Brejo Santo e Juazeiro do Norte e é um católico praticante com fé primeiramente em Cristo e depois em São Francisco e o padre Cícero. Ele é o Destaque Romeiro desta edição.

A

lbery Viana é um apaixonado pelo Cariri. “Percebe-se aqui uma riqueza muito grande em três aspectos naturais: clima, solo e água muito boa. Tudo aqui é atrativo. Desde quando aqui cheguei em 2006 observo exponencial evolução. Isso se deve a profissionalização das pessoas nas mais diversas atividades”, avaliou. Para o gerente do BNB de Crato até poucos anos havia um ranço que prejudicava o desenvolvimento regional. “Felizmente que isso está acabando porque estava atrapalhando o desenvolvimento. Não havia progresso maior em função das empresas serem mais de fundo de quintal, mais amadoras e foi ai que o BNB teve presença muito grande quando ao promover financ i a mentos possibilitou mais estru-

tura ajudando na melhoria dos produtos e serviços, favorecendo a implantação de novos prédios, dando mais dignidade para mão de obra que antes era precária”, afirmou. Albery Viana falou ainda ao Nação Romeira sobre a visão social do BNB. Segundo ele o banco sempre teve presença na agropecuária chegando a 84% de tudo em termos de crédito para Região Nordeste. O BNB viu então a mesma necessidade nas áreas industrial e de microcrédito urbano e rural com o C re d i a migo e

“O Papa Francisco é um homem de bem. Ele busca a paz para humanidade e como católico e praticante, imagino que ele deva dar a paz de espírito que o padre Cícero precisa...”

Agroamigo. Ele destacou também que quando passou pela agência de Juazeiro colaborou para que o Banco do Nordeste alcançasse significativas participações na área de serviço citando o exemplo claro de pousadas e hotéis. Segundo Albery em sete anos com o setor de hotelaria e indústrias foram investidos em Juazeiro aproximadamente um R$ 1 bilhão. Sobre seu trabalho em Crato afirmou que pretende seguir o mesmo modelo do realizado em Juazeiro onde visitou 850 microempreendedores apenas nas ruas São Paulo e São Pedro viabilizando muitas carteiras de MPE (Micros e Pequenas Empresas).“Pretendemos ter uma clientela de duzentas pessoas por dia na agência. Vamos seguir a orientação da Presidente Dilma, assim como o ex-presidente Lula que dizia, para escancarar as portas do banco para atender bem e a todos”, explicou. Albery considera Crato a bola da vez e cita o Bairro São José que está praticamente no mesmo ritmo de crescimento do lado de Juazeiro. Ele ressaltou também a visão empreendedora do prefeito Ronaldo Gomes de Matos que tem se mostrado atendo as políticas de atrações de novas empresas para seu município.

Reabilitação do Padre Cícero “O Papa Francisco é um homem de bem. Ele busca a paz para humanidade e como católico e praticante, imagino que ele deva dar a paz de espírito que o padre Cícero precisa e por esta razão acredito que acabará concedendo a reabilitação das ordens sacerdotais deste santo popular”. Com esta afirmação Albery demonstra toda sua confiança neste reparo histórico da Igreja. Ele disse não ser muito diferente do padre Cícero em relação a algumas questões. “Eu também sou um progressista. A história dele é muito bonita porque sempre esteve a frente do seu tempo propagando que o pão tinha que ir para casa. Não para o homem, mas para os filhos, para a família. Sou católico e orientei e oriento meus

filhos para acompanhar sempre Jesus Cristo”, explicou. Segundo ainda Albery, pela ordem de fé acredita e agradece a Cristo, São Francisco e ao padre Cícero. O gerente reconheceu ainda o trabalho recente do deputado federal José Guimarães (PT) que junto ao Papa Francisco, quando da JMJ (Jornada Mundial da Juventude) entregou uma encomenda com documentos onde pediu pela reabilitação do sacerdote. “Eu considero como muito importante à iniciativa do deputado Guimarães. Antes de estar lá como político ele esteve como homem católico que é. Ele buscou todos os meios para chegar até o Papa Francisco que é um homem bom e que sabe que importante é ser bom e isso o padre Cícero foi e é ao proteger nossos irmãos nordestinos”, argumentou.


Jornal Nação Romeira - Edição Nº 42