Issuu on Google+

23 Poesia à Solta

Edição de março de 2014 do jornal do Agrupamento de Escolas nº 3-Évora Escola Básica Santa Clara, Escolas do 1º ciclo e Jardins de Infância

5ºs anos - Sta Clara

Dia Mundial da

Poesia A Biblioteca Pública de Évora e a Associação Comercial do Distrito de Évora, no dia 21 de março, lançaram a poesia nas ruas da cidade. Entre outras, ouviu-se a voz de alunos da escola Básica de S. Mamede.

“Inovar” com

Jogos Tradicionais

Foi mesmo poesia à solta! Também, no Palácio D. Manuel, o 6ºA da Escola Sta Clara, leu poesia, na iniciativa da CME “Poetas de Abril, Poetas de Sempre”. Leia na pág.7

Escola do 1º ciclo

Global issues

Bairro de Almeirim

We care

Encontro com a escritora Sara Monteiro

WAR,GLOBAL WARMING, WASTE, CHILD LABOUR, POVERTY textos 9ºA

CÓDIGO DE RUFIA Um texto de Afonso Fernandes Escola de S. Mamede


ADIVINHAS 4º A Profª Ofélia S. Mamede

Ficha Técnica

Coordenação: Profªs. Olga Rocha e Cristina Tavares

Colaboradores: Alunos e Professores dos Jardins de Infância ( Água de Lupe e S. Sebastião da Giesteira), Escolas de 1º ciclo ( Horta das Figueiras, S. Mamede, S. Sebastião da Giesteira, Torre de Coelheiros , S.Manços, Boa Fé ) e escola de 2º e 3º ciclo (Escola Santa Clara).

2

Lê !


Na Escola do 1ºciclo do Bairro de Almeirim...

Encontro com a escritora Sara Monteiro No dia 20 de março, a escritora Sara Monteiro veio à Escola Básica do Bairro de Almeirim falar sobre o seus livros. Mas antes, alguns alunos da turma do 4º ano apresentaram uma dramatização do conto “A Lebre e o Raminho de Salsa”, que a escritora muito apreciou. As três turmas da escola ouviram com muita atenção e, curiosos, colocaram perguntas sobre os livros, sobre o percurso da escritora e sobre o processo de criação dos livros.

Foi uma manhã bem passada, com livros, leituras, teatro e conversas. Temos a certeza que ficaram com mais vontade de ler aqueles livros e outros!

3


1º Ciclo

A 2ª eliminatória do Concurso Leituras na Planície decorreu a 19 de março, na Biblioteca da Escola Básica S. Mamede, com muitas e empenhadas participações dos alunos desta Escola e da Escola da Horta das Figueiras.

Os vencedores apurados para a 3ª eliminatória foram : 1º ano – Daniela Afonso Escola Básica Horta das Figueiras

bem Que leu! e s que

2º ano- Tomás Oliveira Escola Básica São Mamede 3º ano – Simão Sousa Escola Básica São Mamede 4º ano – Mariana Farinha Escola Básica São Mamede

2º 3º e

Ciclos

Alunos participantes

Vencedores da 2ª eliminatória do Concurso:

5º ano 1º lugar - Madalena Marmeleiro, 5º F 2º lugar - Leonor Pimenta, 5º D 3º lugar - Sofia Serra, 5º E 6º ano 1º lugar - Madalena Graça, 6º A 2º lugar - Pedro Balça, 6º D 3º lugar - Manuel Cambezes, 6º D 7º ano 1º lugar - Miguel Cabral, 7º B 8º ano 1º lugar - Joana Timóteo, 8º A 2º lugar - Neuza Caetano, 8º B 3º lugar ex aequo Catarina Canaverde, 8º B e BeatrizPestana,8º C Madalena Marmeleira, 5ºF

4

O Júri: Profs. Isabel Videira e João Simas


Código de rufia

A velhota distraída Era uma vez uma velhota muito distraída. Esquecia-se de tudo: dos sapatos, do chapéu… A sorte dela é que estava sempre em casa a ver televisão. Um dia, ia a sair de casa para ir ao supermercado quando viu um gatinho abandonado e triste. A velhota não hesitou, pegou nele e levou-o para casa. Quando chegaram a casa, o gatinho tomou um banho de água quente. Depois foram dar um passeio à beira rio. Viram peixes enormes e a ondulação do rio. De repente, viram que toda a gente se estava a afastar do rio e viram que estava a aproximar-se um “tsunami”. Correram e correram… Mas não aguentaram e foram levados pelas ondas. Ainda hoje se sente a tristeza na ondulação do rio.

Na malta há dois grupos: os rufias e os totós. Légite era dos totós. Um dia, Légite andava a passear quando salva o Bifer que, por acaso, é dos rufias. Bifer ajoelhou-se perante Légite e disse: - De acordo com o código 6000 dos rufias, quando se é salvo por um totó, tem de se obedecer ao totó. - Isto vai ser giro! – Murmurou Légite. O Bifer fazia tudo o que o totó dizia: “Bifer, mete -me as cuecas na gaveta”, “Bifer, faz isto! Bifer, faz aquilo!” Coitado do rapaz, sempre a ser massacrado! Mas passado um tempo, Légite já estava a ficar um bocado farto. Então pensou: - Se quando eu o salvei, ele ficou a obedecer-me, tenho de conseguir que ele me salve. Então, assim se fez! Bifer salvou o Légite e viveram separados para sempre.

António Nobre—4ºano Escola S. Mamede (Prof. Marchante)

Afonso Fernandes— 4ºano Escola S. Mamede (Prof. Marchante)

Um Menino Especial

Há muito tempo atrás, duas pessoas casaram e começaram a planear ter um filho. Após muitas tentativas falhadas procuraram ajuda dos médicos. Ao fim de nove anos, num dia muito especial esse bebé começou a existir num laboratório em Lisboa. Nesse dia nevou na sua cidade. Nove meses depois nasceu um menino muito especial. Os seus pais ficaram muito felizes, pois, finalmente o seu grande desejo foi realizado. Agora são uma família super, mega e hiper feliz. Diogo Barrigoto – 2º ano, EB1 Bairro de Almeirim (Prof. Luís)

A turma do 6ºA participou numa iniciativa da Câmara Municipal de Évora, para assinalar o Dia Mundial da Poesia, no Palácio D. Manuel, lendo Poetas de Abril.

Dia Mundial da Poesia

5


Dia Mundial da Poesia 2014

POESIA EM SEGUNDO PLANO

FAÇA LÁ UM POEMA! Em iniciativa conjunta, o PNL e o CCB organizam um concurso , no âmbito do Dia Mundial da Poesia 2014, como forma de incentivar o gosto pela leitura e pela escrita da poesia. A Escola de Santa Clara aceitou o desafio! Aqui apresentamos os poemas dos alunos que representarão a Escola Sta. Clara bem como os dos outros participantes.

PORTUGAL

NEVE

Oh! Portugal amigo meu Que tanta história carregas Não há País mais belo como o teu Em nenhuma das outras terras.

Eu fui à janela e vi Tudo coberto de branco, Era a neve a cair Tapando o mundo com seu manto.

Muitos antes de apareces Já o destino te criara Mas que futuro tão risonho Que Deus te traçara.

Saí lá fora e vi A terra sem cor, sem brilho, Só havia pegadas de animais Seguindo por um modesto trilho.

Foste forte e glorioso E muitos mares enfrentaste Percorreste todo o mundo Carregando nas costas, teu estandarte. Estandarte que era teu Teu por direito Carregando a bandeira Sempre com orgulho e respeito. Nas bocas do mundo andaste E nos mares também Não havia Adamastor que te travasse Pois claro, como tu não há quem! Está-te no sangue desde sempre Povo nobre e hostil Conhecido na África, Ásia e Europa E mais tarde no Brasil. Tais peripécias feitas Como nunca ninguém fez Por isso posso gritar bem alto Tenho orgulho em ser português. Rodrigo Campaniço (8ºA )

MARGARIDA

Fiquei parado, pasmado, e vi Um mundo tão misterioso, Árvores e cascatas congeladas, Um lago de gelo maravilhoso! Por fim, parou de nevar! E eu pensei baixinho Como aquele imponente branco Me fazia sentir tão sozinho. Mas depois vi as crianças A magia e a alegria estavam no ar, Vi a neve de outra maneira E também fui brincar!

Pedro Balça (6º D) 2ºciclo MAR DA DEPRESSÃO Mar, mar, mar Ouve a minha depressão Gostava de namorar Mas estou na solidão. Sentes o que eu sinto Em ti sinto opinião Ajudaste-me a crescer E a sair da depressão

Margarida é uma flor, Tão bela, tão bonita Que quando os raios de sol da manhã Lhe tocam Ela floresce, cheia de vida

Mar da depressão A ti já não dou a mão Queres o corpo Mas dou apenas o coração.

Já ao anoitecer Quando ela se recolhe Ainda ilumina a minha vida Por isso tenho orgulho Em lhe chamar Margarida.

Falecer aqui Ficar eternamente Porque em ti vi Um mar de gente contente Por prevalecerem presentes em ti. Renato Rainha (9º

6

Venha leitor! Ponha o pé! Numa verdade das terras rurais. Assiste ao quão difícil é Chegar palavras poéticas aos demais. Não pretendo dizer mal! Só quero fazer uma crítica Não muito analítica Da minha terra natal. Não sejamos desonestos, Nem, por outro lado, modestos! O que esta terra tem de boa, Já o tinha antes de haver Coroa. Planície com papoilas, trigo e cevada Tão bela é como o Amor Talvez porque foi lavrada Com esforço, trabalho e suor. Presente: situações estão alteradas (A ironia é que custa limpar um canteiro…) Oh! Pobres almas fatigadas… Descansem encostadas ao sobreiro. E nada para fazer… Pois já está tudo feito… Vêem o rio nascer E afundam-se no seu leito. Mas a vida ficou complicada!... Entrámos num ciclo de sobrevivência Pois quem não tem vida atarefada Ou é emigração ou é demência. E quem vai por aí agora Está a escolher um duvidoso caminho… Ainda chega à cidade de Mora E lá encontra o seu vizinho… Aqui entram as novas gerações Têm uma vida nova a percorrer: Ou vivem-na como vilões, Ou perdem-se sem saber. Até que acaba por vir ter comigo Brisa de vento, em tom soprano. Sussurra-me …quase um amigo… Ah! Nosso Alentejo, tão alentejano…

Mauro Alves (9ºA) 3ºciclo


Numa altura em que grande parte das crianças ocupa o seu tempo livre com computadores, consolas e televisão, levando uma vida muito sedentária, é importante que se estimule a atividade física e, talvez nada melhor para o fazer do que “inovar” regressando ao passado com a prática de jogos

“Inovar” com Jogos Tradicionais

tradicionais, promovendo a continuidade das brincadeiras dos pais e dos avós como forma de valorizar a tradição e a cultura enquadrando-as num contexto actual. Sendo os jogos tradicionais uma mais-valia no que respeita ao desenvolvimento motor e até global das crianças (nas áreas cogniti-

va, cívica e até na matemática) destacam-se como grandes objectivos destes jogos os seguintes aspectos: conhecer o corpo; movimentar-se através dos jogos; gerir sentimentos e atitudes; explorar novas formas de comunicação; orientar-se no espaço; respeitar regras; ser criativo; etc. Para a criança são fundamentais, pois exigem dela diferentes capacidades e estimulam a sua imaginação. Neste âmbito, num primeiro momento, os alunos das turmas do 5º ano do Agrupamento de Escolas nº3 de Évora, Escola Básica de Santa Clara, realizaram trabalhos escritos, fruto de pesquisa junto dos pais e avós, assim como de fontes alternativas, que resultaram em preciosos testemunhos, que por sua vez foram a base de atividades de recreio, numa tentativa de alteração de posturas menos corretas, durante um período de tempo escolar – o recreio – em que deve imperar todo um ambiente que corresponda a boas práticas. Num segundo momento, a definir ao longo do ano letivo, pretende-se que esta iniciativa seja alargada a outros Agrupamentos de modo a gerar um momento interativo que abarque diferentes gerações, culminando num “recreio” multissensorial.

7


Global issues We care WAR War is just an example of how humans can be irrational. People fight over the slightest thing, they fight because others have different skin colours, different religions and creeds. They simply fight because the others are different and they can’t respect one another. I think there is a solution for this problem: WORDS. People just need to talk to solve conflicts. In a war everyone loses, there are no winners. We should try to improve the world starting in each of us, avoiding discussions and following the right solution: the trail of peace, respect and dialogue. Ana Maltinha, 9ºA

In my honest opinion, wars are a waste of time and when they are over, the problems aren’t really solved. Fortunately, Portugal isn’t a country in war but that doesn’t mean I don’t care about people who live in countries that suffer from war. In my point of view, problems should be solved in a peaceful way. João Simões, 9ºA

I’m concerned with the problem of war because with the technology we have today, we can destroy the human race and our world. Nuclear bombs are too powerful and it is impossible to control its dangers. Diogo Costa, 9ºA

GLOBAL WARMING I’m really concerned about the problem of global warming. If it gets worse, it can lead to the end of our planet. One of the reasons that contributes to the increase of global warming is the pollution caused by traffic and factories. I think that technology can be the solution to this problem, we must use new and renewable powers that are clean to the environment. In conclusion, we just have to be smart and wise enough to develop technology and, thus, save the environment. Manuel Condeço, 9ºA

I think technology, science and engineering will solve the problem of global warming. New types of energy will replace the non-renewable energies. I’m referring to solar energy, energy from the waves, geothermic energy… Tiago Coelho, 9ºA

WASTE I’m really worried about our world and our future because we have big problems like terrorism, waste, pollution, global warming, natural disasters, poverty, starvation… Waste is one of the problems that worries me the most. Nowadays, mobile phones and computers represent a serious problem as they are constantly being replaced and, thus, causing e-waste. Besides, we have the waste from the big cities that causes pollution and is bad for our health. To fight waste I think we should reuse and recycle materials. We must act and change our habits. Mariana Teixeira, 9º A

We should reduce the use of package and unnecessary and superfluous items, we should reuse things and recycle them instead of causing so much waste. Ana Gomes, 9ºA

CHILD LABOUR In poor countries, child labour is a common practice that is related to poverty and exploitation. Children are forced to work to help their family and therefore they are deprived from the right to go to school, to learn, to play and have fun. They do not have the right to be children. Matilde Robalo, 9º A

POVERTY Poverty is a very serious problem. It is related to starvation, health problems and very bad living conditions. It’s very sad not to have money to buy the essential things in life, like food, clothes, shoes or medicine. Joana Santos, 9ºA

8


Concurso Nacional de Leitura A 15 de Janeiro reuniram-se na Biblioteca de Santa Clara, os participantes na 1ª fase do Concurso Nacional de Leitura. Desta prova constava uma primeira parte de leitura expressiva e uma segunda parte de resposta oral a uma questão. Do júri faziam parte a Drª Angela Balça (Universidade de Évora) e as professoras Olga Rocha e Guilhermina Rebocho. Estão de parabéns todos os concorrentes pela sua participação e especialmente as vencedoras: Neuza Caetano (8ºB), Andreia Santos (8ºB) e Beatriz Pestana (8ºC).

A VIDA

EU Aquilo que eu mais gosto de fazer é jogar a bola, andar de

A vida é água que foge entre as mãos. É sal, mas também é açúcar.

bicicleta, etc. Eu normalmente jogo a bola com o Igor e com o Cláudio,

A vida é um manual sem instruções. Uns copiam, outros vivem-na sem sequer as terem escrito.

do 5ºF. A minha comida preferida é canja, rolo de carne e muito

A vida é amiga do amigo, inimiga do inimigo. É um caminho sem mapa mas sempre, sempre com um

mais. Eu gosto muito da Escola da Santa Clara, mas o sítio que eu

destino traçado.

mais gosto é a biblioteca porque tem computadores e muitas

A vida é um mar de rosas com espinhos, uns maiores,

coisas para se divertimos.

outros menores.

Os meus amigos são, o Cláudio, o Igor, o “Cabaças”, a Rute, o Leandro, a Laura, a Margarida, o Diogo e muitos mais. E só para terminar, a Escola de Santa Clara era um monu-

A vida é algo que se vê, que se ouve e que se sente. É um sonho para quem pensa nela, é um pesadelo para quem a sente entre batidas violentas do coração. Esta sim, é a vida com vida.

mento muito antigo. António - 5ºano

Paula Bugalho, 8ºD

9


Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos

A final do 10º Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos teve lugar, no dia 14 de Março de 2014, no Fundão. O aluno do 6ºA, Vasco Pereira obteve o 4o lugar, no jogo RASTROS. Muito bem! Para além disso, o Afonso (Escola de S. Mamede) e o Francisco Nunes (6ºD— Santa Clara) também foram apurados para os torneios finais, que iriam definir os lugares de pódio, disputados na parte da tarde. Estão todos de parabéns pela participação na mais importante competição nacional deste género.

horta biológica Como já devem ter reparado, temos uma pequena Horta Biológica de Varanda no nosso claustro pequeno, na Escola Santa Clara. Foi uma pequena herança do Programa Eco-Escola do ano passado. O Prof. Vítor Maltinha acompanha um pequeno grupo de voluntários que “aparecem” nas terças-feiras, da 13h às 13h45m, para plantar e cuidar de algumas espécies vegetais que se desenvolvem na horta. Temos um compostor para reciclar os resíduos orgânicos produzidos na horta, tais como: folhas, plantas daninhas, restos de vegetais da cozinha. Estivemos parados algumas semanas pois a chuva não convidava ao trabalho no exterior. Agora que veio o sol primaveril, já apetece mexer na terra e ver o resultado no trabalho de inverno, com as flores a aparecerem nos canteiros construídos por nós. Aparece e vem experimentar a sensação de mexer na terra e “ver crescer” o teu trabalho.

Atelier de Français

célèbre

la fête des Amoureux - La Saint Valentin

Voici les messagers de l´amour et de l´amitié à

La légende de St Valentin

7º A

10

7º B

Valentin est le patron des amoureux. Il y a plusieurs légendes en ce qui concerne l'histoire du saint Valentin.

1. Saint Valentin était un prêtre qui fût emprisonné et décapité un certain 14 février. L'histoire raconte que les enfants aimaient beaucoup Valentin. Il était leur ami. Pour le réconforter, les enfants lui passaient des messages d'affection à travers les barreaux de sa cellule. C´est peut-être l'explication des petits mots doux qu´on échange, avec des fleurs et des cadeaux, le 14 février ?

2. Une autre légende, raconte qu'à l'époque où Rome était engagée dans des campagnes militaires, l'empereur Claude II, surnommé Claude le Cruel, ayant des difficultés à recruter des soldats pour son armée, décida d'interdire le mariage ! Il pensait que les romains refusaient de combattre car ils préféraient rester avec leurs femmes. Malgré les ordres de l'Empereur, Saint-Valentin continua à célébrer des mariages. Lorsque Claude II apprit l'existence de ces mariages secrets, il fit emprisonner Valentin. C'est pendant son séjour en prison que Valentin fit la connaissance de la fille de son geôlier (gardien de prison), une jeune fille aveugle à qui, dit-on, il redonna la vue et adressa une lettre signée " Ton Valentin ".


A Cor do Mundo em Carlos Botelho Carlos Botelho (1899-1992) foi um Pintor, Desenhador e Ilustrador português. Foi igualmente um dos pioneiros da Banda Desenhada nacional . O pintor morou a maior parte da sua vida em Lisboa e foi dessa cidade que retirou inspiração para muitas das suas obras . A paisagem urbana ocupa um lugar central na sua obra, e é sempre com um olhar fresco e poético que o pintor reinventa a cidade. Nas aulas de Educação Visual, os alunos do 5ºA, 5ºF, 6ºA, 6ºC e 6ºD, na sua abordagem à paisagem e na sensibilização ao uso expressivo da cor, recriaram algumas das obras deste pintor, tentando refazê-las com o seu olhar pessoal e atento.

Luís Charuto, 5ºA Carlota Rodrigues,5ºA

David Janeiro, 5ºA

Marta Cansado, 5ºA

Rodrigo Algarvio , 5ºA

Miguel Quintas, 6ºA

E viva a Pintura! Madalena Grilo, 6ºC

Carlota Ferreira, 6ºA

Henrique Sofio, 6ºC

Alexandre Rodrigues, 6ºC

Soraia Gonçalves, 5ºF

Rafael Franco, 5ºF

Guilherme Arranja, 6ºA

11


The pros and cons of the Internet There are several advantages of using the internet. We can find and meet friends we haven’t seen for a long time, we can improve our English or other foreign languages, we can study online and do some research (about school subjects, our idols, and even places we would like to go to) and play lots of educational and entertaining games. At first sight, the Internet seems a good and safe place to be but it also has its negative aspects. One big and important example is cyberbullying, when people get loads of rude comments that they don’t want to receive. Besides, some teenagers give too much personal information to people they don’t know at all, and then, quite often, they can be harassed or even abused. Moreover, there is the problem of getting addicted. People are only focused on having a “cyber contact“ and they don’t care about the “real world“ anymore, they are “stuck” in a computer screen. In my opinion, the Internet is important as long as we have any sort of common sense and can control ourselves, keeping our personal information only accessible to close friends. Joana Neves, 9ºD

“Desenhos de Luz” e “Caixas do Tempo” O 7ºB e o 8ºD da Escola de Santa Clara, foram visitar a Exposição de Fotografia de Edgar Martins, O Lugar das Máquinas, na Fundação Eugénio de Almeida, no âmbito das disciplinas de Educação Visual e Oficina das Artes. A visita incluiu a realização ateliês artísticos. O 7ºB envolveu-se nos “Desenhos de Luz” em que, utilizando diferentes tipos de luz como se fossem lápis ou marcadores, puseram à prova a criatividade e expressividade para criar desenhos luminosos! O 8ºD participou nas “Caixas do Tempo”. Com este ateliê de fotografia Pignole, os alunos puderam compreender como se forma uma imagem no interior da câmara escura, e passar por todas as etapas na realização de uma fotografia sem recorrer a máquinas, desde a revelação à fixação da imagem. Os resultados estiveram expostos na Fundação e também na Escola de Santa Clara.

Feliz Páscoa !

12


Bocas 23 março