Issuu on Google+

Escola Secundária Braamcamp Freire

A porta Chegou, finalmente, à porta de casa. Tentou abrir a porta, mas não conseguiu. Desistiu. Foi à janela para ver o que se passava, mas apenas via negro. Tentou abrir a janela, mas novamente estava trancada. Desistiu. Tentou a subir ao telhado, mas era muito alto. Era de noite, mesmo de noite mas mesmo assim foi ao vizinho pedir a escada. Já lá em cima tentou entrar mas não passava na chaminé. Desistiu. Muito pouco conseguia ver da rua, mas encontrou um banco onde se deitar. Tentou contrariar o sono, mas estava mesmo cansado e acabou por desistir e adormecer. Durante a noite sonhou que tinha sido assaltado e agredido, e levado para um sítio estranho, que desconhecia por completo. Quando acordou, viu que não tinha sido apenas um sonho. Acordou não sabia onde, nem sabia como tinha ido lá parar. Não havia ninguém a quem perguntar. Percorreu quilómetros até encontrar alguém. Tentou perguntar a uma senhora, mas ela não conseguia perceber. Apanhou transportes, boleia, e roubou, e assaltou. Até que chegou a um sítio que conhecia.

Língua Portuguesa

Bernardo Mendes nº2|9º2

Aí sim, já conseguia perguntar e as pessoas conseguiam perceber. Apanhou um táxi até casa. Chegou à sua rua, e percebeu que na outra noite se tinha enganado na porta.


2º Texto Livre - 2º Período