Page 30

por Larissa Martins

I

nicialmente realizada em atos de confraternização entre os celtas, a dança irlandesa foi passada de geração a geração e ganhou mais coreografias e passos simplesmente desafiadores por sua velocidade de compasso. “Os primeiros relatos escritos sobre as danças irlandesas datam de 1520, no entanto ela somente se popularizou nos séculos XVII e XVIII, a princípio num contexto de festa. No Brasil, a dança irlandesa chegou em 1997”, comenta Fernanda Faez, dançarina e coreógrafa, atualmente coordenadora do curso de Dança Irlandesa da escola de dança Banana Broadway, em Campinas. Fernanda estudou e morou na Irlanda durante três anos e retornou ao Brasil com uma vasta bagagem de conhecimento e experiência com danças tradicionais, folclóricas e cênicas irlandesas, ganhando inclusive destaque na revista Irish Dancing & Culture Internacional em 2004, como representante da Dança Irlandesa em território brasileiro.  A dançarina e coreógrafa, explica que, basicamente, a dança irlandesa tem três vertentes diferentes responsáveis por originar distintas danças: Set, Céilí e Solo ou Step dancing, que contêm a mesma base musical e convergem em não serem danças cênicas. Abaixo seguem algumas informações sobre cada vertente da dança irlandesa, de acordo com Fernanda: Set: Dança de Casais, com 4 ou 8 pessoas. Dançadas em espaços pequenos. Os movimentos são contidos e os corpos dos dançarinos estão próximos durante a dança. Há alguns sapateios improvisados, individualmente, no ritmo da movimentação coletiva. Céilí: Dançadas por no mínimo 4 pessoas. A movimentação é mais ampla e os passos são bastante simples e acessíveis. Não há nenhum tipo de sapateio. As Céilí nasceram e foram moldadas para amplos espaços. Solo ou Step: Danças de competição, dançadas geralmente como solo (com exceção para as danças de equipe), extremamente técnicas, tradicionalmente sem objetivo cênico. O figurino é muito importante nesta dança, os vestidos com cores vivas, meias brancas, perucas e tiaras. Para os homens, calça e camisa, colete, gravata ou cinturão ou saia

30

JUNHO  2010

(kilt) e camisa, paletó e gravata. Dentro do Solo são trabalhadas duas técnicas interdependentes: 1) treble shoes, hard shoes ou heavy shoes: é o sapateado irlandês, no qual usa-se sapatos especiais, com fibra de vidro no solado e estrutura para subir nas pontas dos pés. Os passos são extremamente rápidos, o deslocamento espacial é bastante intenso e geralmente segue especificidades na sua trajetória. 2) light shoes ou soft shoes: são danças feitas com sapatilhas especiais, de couro, amarradas no peito do pé e tornozelo. Os passos são extremamente rápidos, variam bem pouco de um lugar para outro no mundo, a rítmica é bastante característica, há muita troca de peso e saltos, o deslocamento espacial é bastante intenso.  Ao falar sobre dança irlandesa, é impossível não citar o bailarino, coreógrafo e produtor Michael Flatley. Norte-americano, filho de irlandeses, Flatley teve contato com a dança irlandesa aos quatro anos de idade através de sua avó materna e sua mãe. Ganhou o mundo com seu talento e deu maior visibilidade à dança irlandesa, se destacando mais atualmente com Celtic Tiger (2007), espetáculo que através da dança e da música, representa o espírito e a história da Irlanda. “Com o surgimento do grupo Riverdance, a princípio sob a liderança de Michael Flatley, a Dança Irlandesa revoluciona e passa de dança folclórica à dança cênica. Toda a técnica desenvolvida na ‘Solo Dancing’, é reelaborada em um espetáculo temático, concebido e dançado com coreografias longas, figurinos diferentes e músicas com arranjos contemporâneos.”, ressalta Fernanda sobre a renovação do cenário da dança irlandesa provocada por Flatley.

Para quem quiser ter um pouco mais de contato com a dança e com a música irlandesas, de 30/06 a 04/07 será realizado o 8º Festival Celta Brasil 2010 em Campinas, com workshops internacionais e apresentações. Mais informações pelo site www.festivalceltabrasil.com.br, ou pelo telefone (19) 3201-7600.

Fusão cultural #04 - JUNHO 2010  

A Fusão Cultural é uma revista segmentada – pertencente à Bennu Editora Ltda ME (CNPJ: 11.476.103/0001-49) –, destinada a transmitir informa...

Fusão cultural #04 - JUNHO 2010  

A Fusão Cultural é uma revista segmentada – pertencente à Bennu Editora Ltda ME (CNPJ: 11.476.103/0001-49) –, destinada a transmitir informa...

Advertisement