Issuu on Google+

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

NOVEMBRO de 2012 ANO XXVII nº 254

Fundado em 1º de outubro de 1985 • Diretor responsável: Benedito Coutinho • Site do jornal: www.jucapost.com.br • E-mail: redacao@jucapost.com.br

A cidade dos loucos e de muita ternura

Franco tem jeito

Kiko esteve participando do programa Opção Musical da Radio Estação FM e falou de seus projetos para o futuro de Franco da Rocha. Págs. 6 e 7

A equipe do PONTO 4

A RESENHA ESPORTIVA de Geraldo Gasolina conta nesta edição um pouquinho da história dos clubes da cidade. Págs. 10 e 11

Mostra de teatro

O grupo de teatro GIRANDOLÁ apresenta diversas peças teatrais em homenagem ao dia do município. Os espetáculos acontecem no Centro Cultural de Franco da Rocha a partir de 20/11 após as 20h00.

Portaria do prédio administrativo do Hospital do Juquery em foto de 1930

Os clubes de futebol

A cidade que cresceu ao redor do Juquery e conquistou sua emancipação político-administrativa comemora 68 anos incorporando seu slogan: Cidade ciência e ternura. Páginas 8 e 9 desta edição.


2

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

Crônicas do Juca Profissão: professor Pesquisa do IBGE de semanas atrás revela uma tendência, qual seja o fato de que diminuiu muito a intenção dos novos formandos em tornarem-se professores de ensino fundamental e médio nas escolas públicas, especificamente na área das chamadas ciências exatas. Mesmo tendo essa possibilidade conferida pelo diploma universitário, como é o caso dos egressos de cursos de matemática e física, para citar alguns, a maioria prefere seguir carreira em outros setores, nas empresas privadas e no serviço público. Contrasta com o que conhecemos dos países mais avançados do mundo, onde os melhores alunos são “aliciados” a tornar-se os novos educadores de crianças e jovens, o que parece lógico. No Brasil esse desinteresse tem causa e hoje já não é mais a salarial, motivo que nos levou a constantes greves nas décadas de 80 e 90. Os que falam sobre o tema buscando justificativas alegam algo vago, que caracterizam como um contínuo desprestígio social na função de professor, ao lado da onipresente “falta de condições de trabalho. Nada parecido, pois, com o tempo em que a escola pública existia apenas para os filhos das classes dominantes ou para outros poucos que apesar de menos favorecidos pelo berço conseguiam destacar-se, adentrar esse campo restrito e sonhar com os degraus para o sucesso social e econômico que o diploma escolar trazia. Lembro, como sempre, dos filmes que via quando criança no cine Clímax, na Vila Ramos, onde um filho pobre mas bonitão, então formado “doutor” às custas do sacrifício da família do interior, passar a renegar os pais “jecas” nas figuras de Mazzaropi e de Geni Prado, escondendo-os da própria noiva e sua família endinheirada. Na escola pública, que tinha como alunos o filho do juiz ou o do empresário de sucesso, matriculados nos Institutos de Educação ou nos Ginásios Estaduais, o profissional da educação era paparicado com mimos no dia dos professores, aguardava tranqüilo o comunicado de aumento salarial anual feito com certa pompa pelo governador de Estado, desfrutava de admiração etc. As elites econômica e política consideravam o professor um seu igual, até mesmo um aliado pois ilustrava seus herdeiros. Num país em que a maioria era analfabeta, não sei se essa proximidade soava como elogio ou como um sinal de decadên-

Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

Charge do Juca José Carlos Brollo

cia moral da classe social letrada despreocupada com os mais pobres. No aspecto do fazer escolar, ainda por volta dos anos 60 e 70 a escola pública era rigorosa nas exigências para permanência e aprovação ao final do ano. A chegada de uma legislação mais permissiva, no entanto, proporcionou a oportunidade de surgimento da maioria das escolas privadas, vistas à época como tábua de salvação para os estudantes com posses financeiras mas pouco talento e empenho nos estudos. Para esses, num ambiente de maior negociação, em diversos sentidos, assim se garantia o ano letivo. O tempo e os desacertos no setor da educação pública, como se sabe, inverteram esse dois pólos. No “vácuo” criado, muitas escolas iniciadas em portas de garagem tornaram-se impérios econômicos. Mas um país que quer ser grande e moderno não deve oferecer educação para poucos, e a sociedade brasileira corretamente perseguiu a universalização de acesso à escola pública e gratuita, algo inclusive já alcançado nas recentes décadas, mesmo num país ainda muito desigual na distribuição de riqueza. Para ser mais efetiva no acolhimento dessa nova clientela e para equiparar-se aos valores de seu tempo, a escola pública promoveu alterações deixando para trás seu ar elitista e fora de propósito, seu rigor nas exigências com o desempenho dos alunos, talvez na intenção de caminhar junto com outros avanços sociais como o direito ao ingresso e à permanência ( leia-se: sucesso, promoção, pouca evasão ) garantidos pela legislação do Estatuto da Criança e do Adolescente, oferecendo aos filhos de todas as classes sociais as oportunidades de bom desempenho na escola. Isso levou os profissionais da educação a tornarem-se mais ciosos dos limites dos recursos que deveriam lançar mão para buscar educar e bem relacionar-se com essa nova realidade. Certas ações, tão utilizadas historicamente como parte da didática, passaram a ser vistas como ultrapassadas tornando-se temerárias pelo que passaram a suscitar. A escola também passou a olhar com atenção para a inclusão, nas turmas comuns, daquelas crianças outrora enviadas para as chamadas classes especiais, que se supôs mais as segregassem do que emancipassem. Coisas de uma sociedade que busca evoluir e garantir a todos os direitos democráticos. Afinal, a escola existe para educar e promover a maioria dos alunos, e não o seu contrário, mesmo que

Fundado em 1º de Outubro de 1985

DIRETOR e EDITOR Benedito Coutinho Mtb 54.440 Site: www.jucapost.com.br E-mail: jucapost@uol.com.br E-mail: redacao@jucapost.com.br

para isso alterando seus parâmetros de qualidade. Essa visão, entretanto, jamais obteve unanimidade pelos que atuam no meio. Mas onde estamos chegando? Esse modelo de escola, elo de ligação entre passado e presente, que ainda acreditamos ser o mais correto na preparação para o ingresso na sociedade, ao exigir uma certa disciplina de parte dos alunos e das famílias parece não mais dar conta dessa clientela. Para justificar os atos de rebeldia de uma parte dos alunos, mas que destroem a aula de todos, se critica a escola taxando-a de “desinteressante”, discurso rapidamente absorvido por parte da sociedade que parece medir tudo pelo grau de prazer embutido nas atividades. Se brilhar e tiver musiquinha, melhor ainda. Essa visão hedonista vem acompanhada pelo que parece uma recusa a crescer e assumir responsabilidades, estendendo por exemplo a adolescência, que era privilégio dos “teens”, hoje para além dos trinta anos. E outras novidades. Esses ignoram que a escola é lugar de trabalho, de sacrifício e de submissão dos que buscam educação, aos que educam. Não será nunca local de lazer, uma espécie de clube. Deveria continuar “risonha e franca”, que interpretamos como sendo a um só tempo acolhedora mas séria consigo mesma e exigente com aqueles que nela chegam para buscar um lugar ao sol no futuro. Tal deveria ser o sinal emitido para ecoar e ser ampliado na sociedade.

Cantinho da Saudade Fotos da época em que Franco da Rocha era uma cidade interiorana

por fim vemos que aumentou muito a violência de alunos e pais contra professores (professoras em especial), e a sociedade perplexa não sabe mais como lidar com isso. Um dos pilares da civilização, o professor, por vezes é visto como um adversário a ser vencido, simplesmente porque quer fazer o que acredita ser o melhor para as crianças e jovens. Pais que temem dizer “não”, sentem-se, afinal, contemplados! Nenhum país decente deixa de considerar que a escola e o que nela se desenvolve é a garantia do amadurecimento das crianças e jovens, futuros adultos. Que é seu local de aprender a ganhar, e principalmente a perder e superar-se. A exigir direitos, mas curvar-se aos deveres. E é lugar, enfim, de promover os caminhos de resolução de grande parte das mazelas sociais. Menosprezá-la é negar-se como sociedade que pretende obter o respeito por parte do resto do mundo, que parece enxergar melhor que nós os pés de barro do gigante econômico.

DIA 30 DE NOVEMBRO DE 1973 A cidade comemorava o dia do município com grandes desfiles cívicos que contavam com a participação das escolas. Destaque para a fanfarra do BEFAMA do maestro Jairo Farias. Na foto Carlos José (in memorian), Beibão e Zé Minhoca, na linha de frente. Fonte: acervo fotográfico da memória de Franco da Rocha pertencente ao arquivo particular do prof. José Parada. E-mail: jucapost@uol.com.br ou redacao@jucapost.com.br

EDITOR: Benedito Coutinho — REDAÇÃO: Albertina Vigilatto, Antonio Ramiro Cruz, Edméa Cássia Santos e Nara M. C. de Abreu — CONSELHO EDITORIAL: Ezio Campos, Hilda Marques, Jean Jacques Erenberg, Milton Myura, José Carlos Brollo, José Jorge Neto, José Parada e Paulo Eduardo — COLABORADORES: Adilson José Quintino, Adrienne Kátia Savazoni Morelato, Catalani (Togão), Donato Milillo Neto, Edegard Grecco, Georges Aperguis, Gilson Queiroz Nunes, Guilherm Gizzi Jr., Izilda Arnoso Costa, José Batista S. Filho, José Carlos Brollo, Juvenal Antonio de Lima, Larisa Oliveira, Noé Aparecido da Costa, Paulo Eduardo Ramos, Ranulfo Faria, Renato Cartucheira, Roger Luiz Ambrosio, Wanderley P. Machado, William Martins e Zezo Vieira. FOTOGRAFIA: Arquivo J.P. e Acervo particular de José Parada — EDITORAÇÃO ELETRôNICA: Equipe do jornal Juca Post – SITE JUCA POST: Nara M. C. de Abreu e Mayara M. de Abreu. DEPTº COMERCIAL: Nelson Coutinho Jr. (Juba) — IMPRESSÃO: Gráfica Pana. O jornal JUCA POST™ é uma publicação da Editora J P S/S Ltda. — CNPJ Nº. 96.493.416/0001-68. Registrado sob o nº 812 - livro A/8 , prenotado sob o nº 7.945 no Cartório Oficial de Titulos e Registros de Franco da Rocha. Representante em São Paulo: MIDIA MIL REPRESENTAÇÕES. Representante no interior do Estado: ADJORI SP - Associação dos jornais do Interior de São Paulo. O Juca Post, Jornal Atuante, The Saturday Post, O Tempo, Hora de São Paulo e Correio da Tarde são jornais associados. CORRESPONDÊNCIA: Rua 30 de Novembro, 251 - Vila Ramos - Franco da Rocha - S.P. - CEP. 07860-140. Redação: Tels.(011) 4449-3454 e 9842-5914. Os artigos assinados ou entre aspas não refletem necessariamente a opinião do jornal, sendo exclusivamente de responsabilidade de seus autores. Reprodução permitida, desde que citada a fonte e menção de créditos autorais.


Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

3

Agradecimento

Obrigado, Franco da Rocha

É

com imensa honra que agradeço a cada um dos 30.513 votos confiados à minha candidatura, nas últimas eleições. Agradeço toda demonstração de apoio e carinho que recebi, não apenas durante a campanha, mas em toda a minha trajetória política. Eu me sinto vitorioso, pois a diferença de votos para meu concorrente foi mínima e isto me leva a acreditar que fiz o meu melhor. Esta votação expressiva me mostra que estou no caminho certo e é inspirador ver que grande parte da população de Franco da Rocha confia em meu trabalho. Como franco-rochense, espero que o progresso e o desenvolvimento sejam constantes em nossa cidade. José Antonio Pariz Jr. (PINDUCA)

* Pinduca foi candidato à prefeito de Franco da Rocha nas eleições de outubro de 2012

Receba o jornal Juca Post em seu endereço

ASSINATURA ANUAL R$ 20,00

Ligue já! Fones: 4449-3454 ou 9842-5914 pela internet: jucapost@uol.com.br


4

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

Conserto e manutenção de computadores

Fones: 4811-2745 2832-3738 e 7539-4570 Retiramos seu equipamento no local

Prof. José Parada

E-MAIL: parada57@uol.com.br

Loja maçônica homenageia José Parada No dia 23 de outubro de 2012, compareci à Loja Maçônica “Acácia dos Pinheirais“ em Caieiras, a convite dos membros da loja dirigida pelo Dr. Civanil. O convite era para uma homenagem a dois professores, dona Luverci Rossati e eu José Parada, um de Caieiras e outro de Franco da Rocha. Uma belíssima solenidade de acordo com os rituais da Maçonaria. Muita emoção quando fomos chamados pelo venerável da loja para participar da homenagem. Hoje em que a educação está totalmente abandonada pelos nossos ilustres governantes, há pessoas que realmente amam nossa Pátria e sabem como valorizar a instrução. A formação da criança e do jovem é o maior bem que possamos dedicar ao ser humano. No início da solenidade, quantos ex-alunos encontrei e que hoje pertencem à maçona-

Salve 30 de Novembro

N

ovembro, mês em que comemoramos a nossa emancipação política e com muito orgulho, reverenciamos aqueles valorosos franco-rochenses que tudo fizeram para a realização, desse feito histórico. Num passado não muito remoto, era uma das datas mais importantes para nosso município. O “30 de Novembro” era dia de muita festa e muitas realizações para o povo da cidade, principalmente pelos alunos de nossas escolas. O prefeito municipal convidava os diretores e responsáveis pelas escolas a fim de ajudar financeiramente a realização dos desfiles. Cada escola queria organizar o melhor para que a cidade sentisse o amor que devotávamos a ela. O que não faltava era a colaboração. O saudoso amigo José Seixas Vieira abria as portas de seu estabelecimento para oferecer tudo o que fosse preciso para abrilhantar o acontecimento. Era realmente um acontecimento a data de nossa emancipação política. O comércio oferecia seus caminhões para os carros alegóricos, tudo era feito com muito carinho e dedicação. Para os

ria. Fiquei emocionado ouvindo meu querido amigo e ex-aluno Gysler Pereira dos Santos, que leu uma mensagem falando sobre os longos anos em que dediquei aos alunos em nossa querida Franco da Rocha. No Japão, as únicas pessoas que não precisam se curvar para referenciar as autoridades são os professores, os resultados todos nós conhecemos não é preciso fazer comentários sobre a cultura japonesa. Um dia também nosso querido Brasil elegerá gente digna que irá valorizar muito a saúde e a educação. São as duas colunas mestras na formação do ser hu-

mano. Temos tudo para ser um dos maiores países do mundo, faltam apenas homens honestos como Dr. Joaquim Barbosa, presidente do STF. O dia em que os brasileiros deixarem de lado o paternalismo e o nepotismo e sonhar com um Brasil Gigante chegaremos a fazer parte dos países do primeiro mundo. Tudo está em nossas mãos, basta pensar um pouco antes de votar. É preciso acabar de vez com a corrupção que tomou conta de Brasília. O Brasil espera que cada um cumpra o seu dever. Só assim seremos felizes.

alunos era a coisa mais importante desfilar devidamente uniformizados para serem aplaudidos por seus pais e pelo povo em geral. Ao terminar o desfile era oferecido aos alunos um lanche e depois todos regressavam para os seus lares felizes da vida por terem participado de um ato cívico. Era um espetáculo de cor e beleza o desfile das pré-escolas. A emoção tomava conta de todos aqueles que assistiam a tão memorável apresentação daqueles garotinhos mostrando que neles estava o futuro de nossa cidade. A noite, íamos assistir a sessão solene na Câmara Municipal, onde o senhor Prefeito e os vereadores sempre rendiam uma homenagem aos alunos pelo brilhantismo apresentado nos desfiles. Pena que tudo acabou deixando apenas a saudade e muitas fotos que comprovam o sentimento de civilidade de nossa gente. Sempre é bom relatar um pouco de nossa história com referência à emancipação política. A primeira pessoa a ser lembrada é o Dr. Armando Pinto, fundador do Jornal VIDA NOVA. Órgão criado exatamente para lutar por nossa tão sonhada independência. No início, o desejo de todos era a mudança da sede da Vila de Juquery (Mairiporã) para o

Distrito da Estação de Juquery, criando assim o município de Franco da Rocha. Em 21 de setembro de 1934, pelo Decreto nº. 6.696 é elevado a categoria de Distrito de Paz, com o nome de Franco da Rocha, em homenagem ao fundador do hospital de alienados mentais. Grandes vultos da época trabalharam arduamente para o acontecimento: Dr. Leopoldo Jose Passos, José Fernandes da Costa Torres, Miguel Wanderley Luppi Martins, Francisco Crivelli e muitos outros. Em 1937 surge o primeiro movimento pró emancipação. Lutaram com afinco os senhores Dr. Ralph Pompeo de Camargo, presidente do Partido Progressista, Dr. André Teixeira Filho, Dr. Armando Pinto, Silvério Del Debbio, Dr. José César de Azevedo Soares, Dr. Vicente Botiglieri, Atílio Massinelli, Hipólito Trigo Santiago, Francisco Grecco e outros. Em 1938, começou a luta pela independência. Em 1942 mais um esforço para a emancipação. E em 30 de Novembro de 1944, através do Decreto 14.334, deu-se a tão sonhada Emancipação de Franco da Rocha. Parabéns e muita felicidade a todos aqueles que vivem e amam essa terra abençoada por Deus.


Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

COTIDIANO

Georges Apérguis.

Nas Alamedas do passado, os caminhos do presente

Parabéns Franco da Rocha E que a champanha espume em suas taças, num infalível brinde à você minha querida cidade, na aurora de 30 de novembro! Que aglutinem e se concretizem em seu seio, as promessas e nossas esperanças, e que elas não se dissipem, no paradoxo de uma retórica exuberante em seu contexto, porém dúbia em seus finalmentes. Minha mente é insana e queda atônita, quando falam mal de ti, devassam e corroem meus neurônios, quando traída aqui. Quisera materializar na tela, mas não posso, os seus passos passo á passo, por não ser nenhum Van Gogh, Portinari ou

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

* GEORGES APÉRGUIS

Picasso. Rembrandt e Vermeer, tinham estilos antagônicos de focar o barroco em suas telas, porém sempre ao bem da nobre arte. Fosse assim, ainda que em formas distintas, eu teria você divina, em dose dupla. Não serei eu no entanto, o arauto desse amor tão forte, quanto o foi de D. Pedro I com a Marquesa de Santos, ou ainda o de Romeu com Julieta. E no auge desse romantismo todo, aqui vai um provérbio chinês, à aniversariante do mês: “ Fica sempre um pouco de perfume, nas mãos de quem oferece rosas Nesse mês e por você, já sinto em minhas mãos essa fragrância”...

A par de seus 68 anos de emancipação política, caberia bem à você, o que sentenciou sabiamente Émile Coué: “Não são os anos que nos envelhecem; mas sim a idéia de ficarmos velhos. Há homens que são jovens aos oitenta anos, e outros que são velhos aos quarenta.” Mas você minha Franco da Rocha, hoje na terceira idade, és o vinho que me fortifica e em sua longevidade, mais bonita você fica. Há 60 anos perlustro seus bairros, flanando por ruas e praças augustas da cidade, esmiuçando-as com obstinação, ainda que em sucintas paradas, amando-a na alforria de ir e vir. Hoje contemplo sua grandeza,

mas não foi em vão, provavelmente calcastes no que sacramentou Confúcio: “Transportai um punhado de terra todos os dias, e fareis uma montanha. “E você, estóica em sua jornada chegou lá, mas queremos ainda mais! E em 30 desse mês, quando tangerem as primeiras badaladas dos sinos da igreja matriz e da Vila Ramos, estaremos augurando à você Franco da Rocha e mais uma vez, o seu recrudescimento, ainda que se necessário, imolando ruas e praças obsoletas, por conta de um progresso vertiginoso, imprescindível e inevitável. Por certo assim ocorrendo, e tudo o mais ao bem dos munícipes, nossos olhos embevecidos, apoiarão os âncoras, homens de rija têmpera que aqui governarem. Assim desejamos e assim esperamos. Por tal, e como diria o célebre e

5

saudoso compositor Nelson Cavaquinho: “O sol, há de brilhar mais uma vez,” patenteando e decantando á céu aberto, o cotidiano de nossa cidade. No VITÓRIA, e MONTE VERDE, o sol nasce primeiro, e dorme na SÃO BENEDITO, nos pés do JARDIM CRUZEIRO. A minha Franco da Rocha, é toda ela banhada, por esse rei com requinte, com pompa, luz e coroa, e que volta no dia seguinte. E eu uma vez por mês, escrevendo matéria pro JUCA, seja ela coisa séria, até sátira ou maluca. E assim escrevo o que sinto, caminhando por aí, sempre alegre e contente, nas alamedas do passado, caminhos do presente. QUEM TE VIU E QUEM TE VÊ! HOJE, NINGUEM A DENIGRE, HOJE, NINGUEM A DEBOCHA, COM CERTEZA, ESTOU COM VOCÊ, PARABÉNS! FRANCO DA ROCHA!


6

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

POLÍTICA

Franco tem jeito Kiko fala sobre seus projetos e novas ideias para a cidade

Os candidatos Kiko e Nivaldo participam de comício pelos bairros de Franco da Rocha Eleito no recente pleito de outubro para administrar a cidade de Franco da Rocha a partir de janeiro do próximo ano, Kiko esteve participando do programa Opção Musical da Radio Estação FM na segunda-feira, 22/10 e respondendo perguntas da equipe do programa e de ouvintes, falou de seus projetos para o futuro da cidade. A equipe do Opção Musical procurou concentrar suas perguntas nos principais tópicos de seu programa de governo, que faz parte da cartilha distribuída em sua campanha eleitoral. Abordando o tema da SAÚDE, o futuro prefeito fez questão de ressaltar a importância que o Juquery tem para a cidade de Franco da Rocha. Segundo ele, o Hospital de Clínicas do Juquery tinha uma administração direta. “O Juquery era administrado pelo Servidor Público, pois tinha médico, enfermeiro, auxiliar e era um ‘hospital de porta aberta’. Assim parte do atendimento de Pronto Socorro que a população precisava, o Juquery absorvia. Com a desativação do Complexo do Juquery e a construção do novo hospital, a diretora Maria Tereza nos garantiu que o novo hospital seria administrado pelo Estado e não terceirizado. Fato é que o novo hospital passou a ser administrado por ‘O S’, ou seja; Organização Social.

Na realidade o Estado aproveitou o momento para cumprir o que compete a ele, que seria o atendimento primário, que pela regra do SUS tem que ser feito pelos municípios, e, no entanto Franco da Rocha não se qualificou para proporcionar esse atendimento à população. Resumindo: hoje temos um hospital novo, moderno, mas com 50% da capacidade de seu atendimento e que não dá atendimento na área de doença cardiovascular, que é a segunda causa de mortes na região. A nossa sugestão é a de instalar uma UPA, uma Unidade de Pronto Atendimento na cidade, porque faz parte de um programa da Área da Saúde do governo Federal, que constrói uma Unidade desse tipo e ele ainda envia mensalmente cerca de R$300.000,00 para bancar as despesas dessa Unidade. E o local onde a gente está pensando em construir isso é onde hoje funciona a garagem da prefeitura, porque é uma área central, plana e não sofre com as enchentes. A Praça da Saúde se transformaria numa Casa de Partos e Franco da Rocha desafogaria os municípios vizinhos dessa incumbência”, explicou. EDUCAÇÃO Na área da EDUCAÇÃO, Kiko fez questão de reforçar sua expectativa na vinda de

uma Universidade para o município. “É talvez o maior compromisso que eu assumi em minha campanha. O Congresso Nacional aprovou uma legislação muito importante na área da Educação em nosso país que obriga o governo a gastar 10% do PIB com EDUCAÇÃO até 2020. Isso significa dobrar o investimento que é feito no Brasil atualmente. Esse investimento diz respeito à Creche, Pré-escola, Escola de Ensino Infantil, Fundamental, Ensino Médio, Ensino Profissionalizante e Universitário. E eu entendo que Franco da Rocha tem que cobrar uma dívida que a sociedade brasileira tem com a gente, porque a nossa história é o de receber aquilo que a sociedade rejeitou; o doente psiquiátrico, paciente de manicômio e agora o presidiário que vem cumprir pena nas penitenciárias que foram construídas em nosso município. E o governo Estadual e Federal se mostraram receptivos e interessados em concluir esse projeto. Mas isso vai precisar de paciência, tempo e envolvimento de todos, pois vamos precisar do apoio da Câmara Municipal, dos deputados que circulam aqui na região, do governador e da presidente da república. Os próximos dois anos serão fundamentais para a gente emplacar esse projeto”, disse. CULTURA E LAZER Questionado sobre os problemas ocorridos constantemente após os shows das festas populares na área central da cidade ele foi incisivo. Disse que isso poderia ser evitado se a prefeitura tivesse solicitado para a empresa de ônibus que disponibilizasse mais ônibus durante a madrugada. “Essa questão da violência no final das festas. É evidente que é di-

fícil de evitar confusões quando se junta cinco, dez ou quinze mil pessoas num mesmo local. A prefeitura deveria ter combinado com a empresa de transporte coletivo, para que fossem alterados os horários das linhas de ônibus nesses dias de Festa. Por exemplo; as linhas que começam às 4h30 da manhã deveriam funcionar durante toda a madrugada. Porque termina a festa antes desse horário e as pessoas ficam vagando por ali porque a maioria não tem condução própria e não tem como ir para suas casas. Mas essas festas são sazonais, acontecem mais em ano eleitoral. Eu acho que deveriam ser permanente. Por outro lado é tudo a mesma coisa. Você pega o Juninão, o Juquery Fest, a Festa Nordestina e o aniversário da cidade, que foram organizadas nesses anos, todas tem o mesmo padrão. Absolutamente todas tem as mesmas barracas, as mesmas bandas, não há uma caracterização para cada tipo de festa. Cada festa deveria ter uma identidade. Precisamos de um pouco mais de criatividade na hora de executar isso. Eu acho que a gente deveria fazer um diálogo melhor com o meio artístico e cultural da cidade, com os comerciantes ... Por exemplo; uma reclamação que eu ouvi muito foi de que a maioria das pessoas que fizeram a exploração comercial ali dentro desse espaço não eram da cidade. Eu acho que a gente deve dar oportunidade para quem come o osso diariamente e quando surgir um filé mignon como esse, poder desfrutar de uma parte. A minha ideia é ter um governo de diálogo, principalmente com o segmento artístico da cidade que é onde flui a criatividade. Como é que você quer fazer cultura sem ouvir os artistas”, en-

O candidato Kiko percorreu a cidade ouvindo os moradores


Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

7

Parabéns Franco da Rocha! Por ocasião de mais um aniversário de emancipação políticoadministrativa de nossa cidade quero manifestar meus sinceros agradecimentos a todos que me confiaram seu voto no último pleito de outubro. Embora não tenha alcançado o índice necessário para alcançar o posto de vereador me senti muito honrado com o número expressivo de votos que depositaram em meu nome. Antonio Franco da Rocha (Toninho do Posto) Kiko ao lado de sua mãe, Renata Celeguim cerrou o assunto.

TRÂNSITO Sobre o trânsito caótico da cidade Kiko sugeriu algumas propostas. Ele disse que o acesso para Franco da Rocha está afunilado e o ideal seria criar rotas alternativas. “Por exemplo; o motorista vindo de Jundiaí, de Francisco Morato, daquela região, não precisaria chegar até o trevo de Franco da Rocha para entrar na cidade. Já existe uma alternativa ali, próxima ao novo supermercado da cidade, o Roldão. O problema é que se trata de uma estradinha de terra. Mas é uma boa alternativa que passa atrás do condomínio Vila Verde II, pelo Portal das Alamedas e vai ligar o Sobradinho até atingir o centro da cidade. Mas entendo que seria um trajeto destinado a veículos leves, não para ônibus e caminhões”. VAGAS DE ESTACIONAMENTO Sobre a dificuldade de se estacionar no centro da cidade ele ressaltou a importância da volta da Zona Azul. “No centro da cidade deve haver algo em torno de 700 vagas para estacionamento. Licenciados com a placa de Franco da Rocha são cerca de 30 mil carros. Há casos de pessoas que vem do seu bairro até o centro da cidade e estaciona seu carro naquela área, pegam o trem e o seu veiculo fica estacionado ali o dia inteiro ocupando uma vaga. Agora, se a gente institui a Zona Azul, vai causar um choque de organização. Vai se cobrar pelo estacionamento e obrigar uma rotati-

vidade. Isso ajuda o comerciante que vai ter oportunidade de ter mais clientes estacionando em frente ao seu comércio. È evidente que vai haver críticas, mas temos que pensar no que é melhor para a cidade. Veja o exemplo de Caieiras que instituiu esse sistema de Zona Azul. Lá você encontra vagas para estacionar”, explicou.

SEGURANÇA Sobre segurança ele apresentou várias sugestões. Na sua opinião deve-se fazer investimento na melhoria da iluminação da cidade, principalmente nas vielas. Segundo ele a maioria dos administradores não gosta de investir nessas áreas porque são obras que não tem muito destaque e não são percebidas pela população. Quanto ao policiamento na cidade é necessário aumentar o efetivo do 26º Batalhão de Polícia. “A Polícia tem que deslocar muitas de suas viaturas para escoltar presos em audiências em vários fóruns da região, uma vez que Franco da Rocha abriga uma população carcerária em cerca de 10 mil presidiários. Isso reduz o número de viaturas que poderiam estar prestando serviço ostensivo para a cidade. Temos que cobrar do governo do estado um número maior de viaturas e de policiais para servir ao 26º Batalhão de Franco da Rocha. Por outro lado é importante criar oportunidades para a juventude ascender socialmente de forma a evitar que o jovem derive para a marginalidade”, finalizou. Kiko deve assumir a prefeitura no dia 1º de janeiro de 2013.

Os 20 anos de vida pública de Toninho Lopes Tempo marcado por conquistas e realizações para o desenvolvimento social e econômico de Franco da Rocha, cidade que Toninho Lopes escolheu e adotou para dar continuidade á sua vida, quando muito jovem deixou sua cidade natal, Buique em Pernambuco. Chegando a Franco da Rocha, logo despertou sua vocação para a política. Aos 32 anos é eleito pra seu 1º mandato de vereador, onde se destacou, conseguindo o equivalente á R$ 1 milhão, para obras de combate á enchentes. A sua brilhante atuação, neste seu 1º mandato, fez com que fosse convidado a concorrer como candidato á prefeito na eleição seguinte. Em 2004, após um período de afastamento da vida publica, disputa novamente eleição para prefeito, ficando em 2º lugar, ultrapassando o candidato do então prefeito, sendo superado pelo atual prefeito Marcio Checchetinni. Toninho sempre esteve presente na vida política, pois era constantemente procurado por deputados e lideranças políticas estaduais. É eleito para o seu 3º mandato em 2008. Esta tendo uma atuação marcante, principalmente no período que esta exercendo a Presidência da Câmara. Com muita experiência e liderança tem conduzido com firmeza o poder legislativo municipal. Ações de Toninho Lopes como vereador: - Extinção da aposentadoria para Prefeitos, Vice Prefeitos e Vereadores - Autor do projeto que proíbe pintar muros em época de eleições - Coordenou com os demais vereadores a negociação do contrato com a Sabesp, que beneficiou o Município com R$ 30 milhões, para obras de infra-estrutura

-

Atuou junto aos governos federal e estadual, visitando deputados e senadores, na busca de recursos para Franco da Rocha - Trouxe recursos para a reforma do Centro Cultural - Pleiteou junto ao DER, melhor qualidade na sinalização viária nas rodovias que passam por nosso município. - Realizou a reforma das instalações da Câmara Municipal, para possibilitar aos vereadores melhor atendimento nos seus gabinetes e melhor funcionamento da Casa do Povo - Idealizador do Parlamento Regional, é seu 1º Presidente - Abriu as portas do seu Gabinete para o povo. Toninho Lopes é reconhecido pelo seu desempenho, que realmente faz a diferença. Reconhecimento expresso na última eleição, recebendo 3.122 votos. Tuca Machado


8

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

A cidade dos loucos e de muita ternura TUCA MACHADO Neste mês de novembro, dia 30, Franco da Rocha comemora 68 anos de Emancipação Política e Administrativa, a cidade passou a ter Prefeitura e Câmara de Vereadores. Anos mais tarde passou a Comarca, isto é, foi instalado o Poder Judiciário.

A LOGÍSTICA DOS TROPEIROS — A história da cidade começou muito antes, no inicio do século XIX, era parada e pouso de Tropeiros, alguns habitantes que viviam de agricultura de subsistência e comércio com os viajantes, por isso o local era chamado de Parada do Feijão. Este processo no século XXI seria chamado de Logística dos Tropeiros.

A LOGÍSTICA DA ESTRADA DE FERRO — Com a chegada da Ferrovia, aqui foi construída uma Estação, que servia de parada para o abastecimento das locomotivas a vapor que transportavam café para o Porto de Santos e depois se transformou no principal meio de transporte de passageiros do interior do estado para a capital, “Logística da Estrada de Ferro”. O LUGAR IDEAL — Anos mais tarde o médico psiquiatra Dr. Francisco Franco da Rocha es-

colheu uma área próxima á estação de tem, para instalar o 1º Hospital Psiquiátrico do Estado de São Paulo, depois se tornou o maior da América Latina. A oferta de emprego no Hospital atraiu pessoas de muitos lugares para o vilarejo, que já tinha ares de cidade. Já tinha sua 1ª Igreja – Imaculada Conceição, anos depois a 1ª escola – Grupo Escolar Franco da Rocha. Edificados em área doada pela Família Sestini, próxima á Estação. A EMANCIPAÇÃO — Com o crescimento da cidade, em 1944 ocorreu á sua Emancipação. Nos primeiros anos de sua Emancipação, já com o nome de Franco da Rocha, tinha sob sua jurisdição os distritos de Caieiras e Belém da Serra (Francisco Morato). Duas indústrias contribuíram para o desenvolvimento econômico - Indústria de Linhas Vera Cruz, no centro da cidade e Companhia Melhoramentos de Papel, no Distrito de Caieiras OS PRIMEIROS BAIRROS — A população começa a crescer com a oferta de emprego do Hospital do Juquery e a facilidade de acesso á Capital, com o trem. Surgem os primeiros bairros, Pouso Alegre, Vila Ramos, Vila São Benedito e Vila

Igreja matriz em foto de 1923. Moradores da época aguardam a saída da procissão. Rua Azevedo Soares interditada em 1930. Foto rara: Dr. Francisco Franco da Rocha no início do século XX.

Bazu. Alguns habitantes vivem nas áreas rurais, mantendo a agricultura de subsistência e abastecimento local. Surgem também o 1º cinema, os clubes de Futebol – Expedicionários, Vilas Unidas que deu origem ao Flamengo de Vila Ramos e Corinthians do Pouso Alegre. A elite da época funda o Clube XVII de Dezembro, para as suas reuniões.

O CRESCIMENTO — Alguns estabelecimentos comerciais se destacam: A Padaria do Vieira, Armazéns do Saul, do Maggi, São Benedito, Bar e Pensão da Etelvina, Funerária Seixas, Quitanda do Saito, Lojas Rais, Lojas Misson, Farmácia D. Bosco. O Senhor Acácio cria a 1ª linha de ônibus (lotação) que vai da Estação á Vila Ramos, passando

pelo Pouso Alegre. Outro meio transporte muito usado eram as charretes. Tinha também alguns carros de aluguel (táxi). Alguns migrantes estrangeiros começam a se estabelecer em Franco da Rocha – A Família Rais, Marino Tardelli, Anacleto e Giuliano Checchetinni, Saito.

OS NOVOS RUMOS — Em 1958, acontece a emancipação do Distrito de Caieiras, com isso a cidade perde uma grande fonte de arrecadação – Cia. Melhoramentos. E no começo dos anos 60 emancipa-se também Francisco Morato. O Hospital do Juquery ainda é a grande oferta de emprego, mas a Indústria de Linhas e o comercio local que começa a crescer, também aparecem como opção. Mas com o crescimento da po-

pulação a procura é maior que a oferta. Então a procura por emprego na capital aumenta, contando com o trem como meio de transporte. A ligação rodoviária era precária.

EDUCAÇÃO — Além do 1º Grupo Escolar de Franco da Rocha, localizado no centro (Estação), a cidade já conta com o Grupo Escolar Azevedo Soares no Pouso Alegre e o Ginásio estadual Benedito Fagundes Marques (BEFAMA), que era freqüentado por jovens das cidades vizinhas, por ser único curso ginasial da região e o ótimo nível de ensino. Então, para ingressar no ginásio, era necessário prestar exame de admissão. Na cidade tinha o Curso de Admissão Dom Bosco, cuja mestra era Dª. Dulce Moreira de Araújo,


Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

9

que também era catequista que preparava as crianças para a 1ª Comunhão. RELIGIÃO — Franco da Rocha tinha uma paróquia – A Imaculada Conceição, na Estação e duas Capelas – São João Batista, no Pouso Alegre e Nossa Senhora de Fátima na Vila Ramos. Tinha Também a Igreja Presbiteriana, na Rua Dr. Franco da Rocha.

SAÚDE — Um único Posto de Saúde, quem não se lembra da Dª. Mariazinha (Enfermeira) e do Dr. Maurano, único médico, que atendia no período da manhã. Os casos mais graves eram atendidos na “Cirurgia” do Hospital, que funcionava como Pronto Socorro. Os casos sem gravidade eram medicados pelo Sr. Jorge da Farmácia, depois o Cassiano e o Henrique, para as crianças, as benzedeiras – Dª. Dita Rosa, Dª. Dolores, Dª. Isaura. Para os casos de “torções” e “mau jeito” o indicado era o “Seu Chico Casamassa”. E as crianças vinham ao mundo com auxílio das mãos divinas das Parteiras – Dª. Tereza, Dª. Dolores, Dª Sebastiana do Tarifa e Dª. Maria da Penha. INFRA-ESTRUTURA E SANEAMENTO BÁSICO — Poucas casas tinham água encanada, esgoto eram as fossas, luz elétrica era da Bragantina, cujo gerador ficava n Vila Ramos e era desligado depois das 22,00hs. Banhos só aos sábados, por isso houve um pedido de um vereador na época, para mudar o dia de sessão de sábado, porque este era o dia de tomar banho. A primeira rua pavimentada, calçada com paralelepípedos, foi a Hamilton Prado, antiga Rua Jundiaí e no inicio foi construído uma Praça com Fonte Luminosa, ponto de encontro da “moçada” para Footing* dos finais de semana. *Footing – Caminhada a pé da Igreja até a Padaria do Vieira, sendo que moças caminhavam num sentido e os rapazes no sentido contrario, para Flertar (paquerar). Muitos casamentos começaram ali. COMUNICAÇÃO — Existiam dois Jornais: o “VIDA NOVA”,

Donaldi Savazoni, Armando Pinto e F. Pessolano

Avenida dos Coqueiros - acesso ao Hospital do Juquery em foto de 1960.

do saudoso Armando Pinto e “ O VANGUARDA” de Francisco Pessolano. O Alto Falante Guanabara. As atualizações eram feitas nas esquinas ou com os aposentados que se reuniam no Bar da Eltelvina, a espera do leite, que chegava no trem das “nove” que vinha do interior. As noticias do mundo chegavam através do Repórter Esso. LAZER — As Festas Religiosas e suas quermesses e procissões, os footing, passeios aos domingos nos jardins do Hospital, assistir futebol nos campos do Expedicionários, Flamengo e Corinthians. Os Cinemas aos sábados ou domingo á noite, para a criançada as matinés. Periodicamente vinha um Circo ou Parque do Gaspar. Os Bailes animados pelo Jazz Guanabara.

OS ANOS 70 DO SÉCULO XX — Nos anos 70, o Estado de São Paulo passa a atrair migrantes de todos os estados do pais, principalmente do Norte e Nordeste; e a nossa cidade por ter acesso fácil á capital, passa a ser alvo da especulação imobiliária irracional e acontece o crescimento populacional sem estrutura, apesar do relevo acidentado. Surgem novos bairros, Jardim Progresso, Jardim União, Vila Josefina, Jardim Cruzeiro, Vila Santista, Jardim Luciana, Parque Lanel, Vila Lanfranchi, Lago Azul, Vila Bela, Parque Paulista, etc. Outro fator que contribuiu para a expansão demográfica foi a construção da Represa Paiva

Cabine de sinalização da antiga Estação Ferroviária de Franco da Rocha

Castro, que atraiu muitos trabalhadores, que aqui ficaram. Franco da Rocha, já não é mais uma cidade construída por famílias tradicionais, mas um município de gente vinda de todos os lugares, que a elegem como sua cidade. O PRESENTE — A Cidade esta transformada, da “Logística dos Tropeiros, da “Logística da Estrada de Ferro”, passou a contribuir para a “Logística da Região Metropolitana”. O Hospital do Juquery deixou de ser a maior oferta de empregos. Por isso é que numa época foi chamada de Cidade Dormitório, porque aqui moravam muitos trabalhadores da Metrópole. Mas atualmente com o crescimento do comércio, algumas grandes redes com lojas instaladas, indústrias, e um grande número de empresas prestadoras de serviços, tem aumentado a oferta de emprego. Faz da cidade um centro empresarial da

região. Houve um sensível avanço na infra-estrutura e saneamento básico. Temos um numero razoável de vagas em Creches, atendendo as necessidades das mães que precisam participar da manutenção do lar. O número de escolas cresceu, todos os bairros têm. O município já conta com uma ETEC (Escola Técnica de Ensino Médio), com boas Escolas Particulares, Cursos de Idiomas. Num futuro bem próximo será instalada uma FATEC (Faculdade de Tecnologia) e também já existe um Projeto para a instalação de um Campus de Universidade Federal. Na Saúde, foram criadas várias UBSs, inclusive nos bairros, construída a Praça da Saúde e o Hospital de Clinicas Estadual. Nestes 68 anos de Emancipação, Franco da Rocha, teve e têm muita gente comprometida com essa História, pessoas que amaram e amam, que participaram

Antiga prefeitura na av. 7 de Setembro

e participam do seu desenvolvimento. No passado, o Dr. Franco da Rocha, que acreditou que aqui seria possível. No presente o Prefeito Marcio que sonhou e ousou realizar a transformação da cidade e dar a seus cidadãos qualidade e desenvolvimento social e econômico. No futuro o prefeito eleito Kiko, com sua capacidade e competência fará com a que a cidade continue caminhando firme para um futuro sempre grandioso. Deus proteja o seu governo. Para a cidade que um dia foi a Parada do Feijão, Vila Juquery, que hoje é Franco da Rocha, Cidade Ciência e Ternura, terra de mais de 131 mil habitantes, os nossos PARABENS!!!! Fonte de Pesquisas: Atlas Escolar, Histórico e Geográfico


10

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

ESPORTE

Os clubes de futebol RESENHA ESPORTIVA GERALDO GASOLINA

O jornal JUCA POST presta homenagem às agremiações e clubes esportivos de Franco da Rocha por ocasião do aniversário da cidade. São clubes amadores que com muita dificuldade oferecem oportunidades para a prática do futebol e entretenimento dos cidadãos francorochenses.

GAROA O Grêmio Desportivo Garoa foi fundado em 4/02/1978. Tem Sede própria e um ginásio de esportes no centro da cidade, localizado a rua coronel Fagundes. É presidido atualmente pelo Sr. Marcelo Cândido. Pioneiro no futebol de salão tem formado vários atletas em sua escolinha de futsal. O Garoa mantém uma das principais equipes de bocha do município, tendo conquistado inúmeros títulos importantes na região. Atualmente é o representante oficial da cidade nos jogos regionais estaduais e regionais. Abaixo uma equipe de suas formações mirins. A BAZU A Sociedade Esportiva Bazu foi fundada em 1º de agosto de 1955. Sua diretoria tem como presidente interino no cargo, o Sr. José Roberto B. da Silva e como vice o Sr. Wanderley Siqueira. O clube retornou as atividades neste ano com ótima participação no campeonato intermunicipal de futebol categoria másters, acima de 50 anos, conquistando o vice-campeonato. A sociedade Esportiva Bazu conquistou 2 títulos no 1º e 2º quadros na Copa Grêmio.

Abaixo a foto do 2º quadro, campeão em 1986: Em pé: Leitero, Branco, Isaac, Dedé, Jair, Miro, Derico, Cabeção e Guaru. Agachados: Terra Seca, Piolho, Zé Ferreira, Carlinhos, Luizinho, Quinha, Sãopaulino e Betinho da Bazu. CORINTINHA O Sport Club Corinthians do Pouso Alegre tem sua Praça de Esportes localizada as margens da estrada do governo no bairro do Pouso Alegre. Atualmente é presidido pelo jovem desportista Fabio Prado. O Corintinha – como é conhecido na cidade – tem uma bela história no esporte da cidade. Em 1976 disputou a Copa Corinthians, organizada pela Rede Globo, onde só participavam agremiações com o nome Corinthians. Chegou até as semi-finais. Foi campeão Metropolitano. Atualmente tem participado do campeonato de másters e disputado partidas amistosas. A tradicional Corrida de São Silvestre – prova de pedestrianismo em Franco da Rocha – foi criada pelos seus diretores Antonio Faria e Serdique Borges de Miranda em 1966.

FLAMENGUINHO DA VILA O Esporte Clube Flamengo da Vila Ramos foi fundado em 12 de junho de 1948 e tem Sede própria construída em terreno adquirido pelos moradores do bairro, próxima à Praça Antonio Teixeira, centro de Vila Ramos. No mesmo local foi construído seu Ginásio de Esportes em homenagem ao seu diretor e presidente Dito Hernandez, também ex-prefeito da cidade.

GALERIA DE FOTOS: Acima o esquadrão do E.C.Flamengo. Ao lado o C.A. Expedicionários, grande time do passado. Abaixo à esquerda, Vladimir levanta a taça do bi-campeonato de másters vencido pelo Galo Azul na presença do prefeito Márcio Cecchettini. O Corinthians do Pouso Alegre com uma formação dos fundadores do clube, tendo Antonio Faria na pontaesquerda.

Sua Praça de Esportes que leva o nome de outro grande diretor, Sr. Gino Morelato, fica localizada às margens da Rodovia Luiz Salomão Chamma. O E. C. Flamengo disputou a 3ª Divisão de Futebol profissional da Federação Paulista de Futebol e é o único clube na região a fazer parte do anuário de Futebol da entidade paulista maior. Foi várias vezes campeão municipal, mas a conquista do tricampeonato municipal invicto em 1968 é o troféu considerado mais valioso do clube. Revelou vários atletas para o cenário futebolístico nacional.

O Clube se notabilizou no passado em protagonizar grandes desfiles cívicos conquistando também vários troféus nessa modalidade. Seu presidente atual é Cleber Beltrame, tendo como vice Cristhian Barbosa, o Piru. Atualmente o clube organiza campeonato de futebol de campo para associados.

O GALO AZUL O Clube Atlético Expedicionários, conhecido como “Galo Azul, da Comarca” foi fundado em 1944, em homenagem aos “Pracinhas Brasileiros”, que lu-

taram na 2ª Guerra Mundial e que participaram da batalha de Monte Castelo na Itália. O CAE tem Sede própria e sua Praça de Esportes fica localizada na rua Nelson Rodrigues, o Berruga, nº 100, ao lado da Praça da Cidadania, no centro da Cidade. Conquistou vários títulos regionais e municipais e um deles conquistado no estádio do Pacaembu contra o Mogi Mirim por 2 X 0, gols do saudoso Emilio Hernandez, ex-prefeito de Franco da Rocha. O Galo Azul foi também vicecampeão da Copa Arizona em 1976 e campeão municipal em


Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

11

Acima à esquerda Vila Bazu. No centro o time do Seis e Meia. À direita no alto,dois atletas do extinto Botafogo. No centro à esquerda o time do Ponto Quatro. Abaixo à esquerda, o time do S.T.O comandado pelo Orildo, diretor do Hospital do Juquery. Ao lado, a equipe mirim da escolinha de fut-sal do Grêmio Desportivo Garoa.

1977. Recentemente foi tricampeão do campeonato intermunicipal de futebol másters, categoria acima dos 50 anos. Seu atual presidente é Reinaldo A. de Souza, o Pirituba. O clube disputa amistosos e mantém uma escolinha de futebol em parceria com a Portuguesa de Desportos. O Expedicionários presta homenagem ao saudoso atleta Vlademir, falecido recentemente e também ao massagista José Paixão pelos relevantes serviços prestados ao esporte municipal. Foto: Em pé – Bentinho, José Paixão (in memorian), Betinho, Gilmar Zanon, Nei, Ganso,

Beibe, Bornai, Chiquinho, Terra, Petito, Vlademir (in memorian). Abaixo: Grilo, Roma, Vitu, Toninho Nazaré, Irineu, Fio, Fernando, Chiquinho, Serginho e Toninho do Posto. Mas Franco da Rocha tem muitas agremiações espalhadas por seu território. São mais de 100 bairros e o futebol é uma atividade esportiva que atrai a atenção de uma grande parte da população, seja para a prática do futebol amador ou profissional. A cidade teve grandes esquadrões no passado como Ponto Quatro, Botafogo e S.T.O do Orildo. Senão, vejamos: Franco F.C do

Parque Lanel, campeão municipal de 2012. Canarinhos do Parque Santa Delfa, Nóis não Liga do Parque Paulista, SAVE da Vila Elisa, Condominio Jardim Lanfranchi, Paoli da Vila Bazu, Cruzeiro E. C. do Jardim Cruzeiro, Camarões da Vila Josefina, Casão Benedito, Associação 5 de maio do Juquery. Aos clubes não citados nesta coluna, solicitamos que seus diretores entrem contato com Geraldo Gasolina pelo telefone: 998-737-099 enviando mate-

rial para divulgação. Se preferirem, o contato pode ser através de carta para este endereço: GERALDO GASOLINA Rua Elias Checoni, 374 – Vila Josefina – Franco da Rocha – SP.

O CELEIRO DA VILA A Vila Ramos é berço do E.C. Flamengo, mas é também um bairro que teve muito jogador de bola, alguns chegaram ao profissional. Há muito tempo atrás surgiram equipes que foram formadas por amigos que

viajavam de trem e utilizavam o horário das 6h30 na estação ferroviária de Franco da Rocha, daí surgiu o “SEIS E MEIA”, cuja foto publicamos: o técnico Péricles, Toninho Paladini, Arlindo Caetano, Wilson Checoni, Toninho Pacheco, Nelson Coutinho, Bacurau e Miro Preto. Em baixo: Mauro Morelato, Jair Leite, Alir, Romeu Baldin e Raminho. Nos arrabaldes da Vila surgiram também o EXPRESSINHO, a ASSOCIAÇÃO VILA RAMOS, o GUARANI da Vila Pilão e o Jabaquara, o JABUCA.

E.E. INFANTIL PINGO DE GENTE

Horário de funcionamento: das 6h30 às 18h30

Rua José Primo Lerussi, nº 245 - Vila Ramos - Franco da Rocha - SP.


12

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

ANÚNCIO CLASSIFICADO

O dono de um pequeno comércio, amigo do grande poeta Olavo Bilac, abordou-o na rua. — SR. Bilac! Estou precisando vender o meu sitio, que o Senhor tão bem conhece. Poderias redigir o anúncio para o jornal? Olavo Bilac, apanhou um papel e escreveu:

VENDE-SE ENCANTADORA PROPRIEDADE, ONDE OS PÁSSAROS CANTAM AO AMANHECER NO EXTENSO ARVOREDO, CORTADA POR CRISTALINAS E MAREJANTES ÁGUAS DE UM RIBEIRO. A CASA BANHADA PELO SOL NASCENTE OFERECE A SOMBRA TRANQUILA DAS TARDES, NA VARANDA.

Anuncie no Juca Post Fone: 4449-3454

Meses depois, topa o poeta com o homem e pergunta-lhe se havia vendido o sitio. — Nem pense mais nisso! Disse o homem! — Quando li o anuncio é que percebi a maravilha que tinha! Ah! Os poetas...! Às vezes não descobrimos as coisas que temos conosco e vamos longe atrás da miragem de falsos tesouros. Valorize o que você possui. Dê o merecido valor às pessoas que se relacionam com você, aos momentos que vivemos, enfim, preste atenção ao seu redor. Autor Desconhecido

Colaboração: Catalani (Togão)


Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

13

UTIL ARTE, a loja preferida do franco-rochense

DYAKAR 1 ano

A UTIL ARTE está comemorando mais um ano de sucesso neste mês de novembro. A loja de elétrica e hidráulica que mais vende em Franco da Rocha completa 22 anos de atividades no município. Desde o início quando seu idealizador Paulo Benevides Franco de Godoy, o Paulinho da Util Arte, iniciou sua carreira de comerciante com chaveiros personalizados, migrando depois para esquadrias de alumínio até inaugurar sua loja de materiais elétrico e hidráulicos, a loja vem num crescente ano após ano. Com a perda prematura de

seu fundador, a família Godoy liderada por sua esposa Sueli com o apoio de seus filhos Priscila e Douglas assumiu a direção da loja e deu seqüência ao projeto de Paulinho e vem inovando, acompanhando as tendências do comércio nesse ramo. Neste final de ano a UTIL ARTE apresenta uma imensa lista de novidades para seus clientes que estão pretendendo renovar sua casa para as festas de fim de ano. A UTIL ARTE fica localizada à Rua Basílio Fazzi, nº 488, no centro de Franco da Rocha. O telefone: 4449-3008. Confira!

A DYAKAR - troca de óleos, lubrificantes e derivados está completando um ano de atividades em Franco da Rocha e comemorando o grande sucesso que alcançou com seu serviço de atendimento diferenciado ao cliente. Há exatamente um ano, o empresário Gumercindo decidiu montar juntamente com seus filhos Rodrigo e Diego um posto especializado em troca de óleo, lubrificantes e derivados em Franco da Rocha, mas Faltava

um bom local. Em contato com o amigo e também empresário Basílio, das artes gráficas, este lhe cedeu o espaço, que fica localizado à estrada do Governo, no nº 313, no bairro do Pouso Alegre (ao lado do Restaurante da Shirley) e assim surgia a DYAKAR. A DYAKAR funciona de segunda á sábado das 8h00 às 18h00. O telefone para contato: 44447281. Parabéns, Gumercindo, Diego e Rodrigo. Gente que acredita em Franco da Rocha.

IMÓVEIS À VENDA CHÁCARA VARGEM GRANDE Casa com 3 dormitórios, mais dois chalés, Sauna, 2 piscinas, sendo 1 aquecida. Casa de caseiro. Toda murada. Com metragem de 4.000 m² R$ 550.000,00 (á vista ) CHÁCARA VILA JOSEFINA Metragem de 5.225m² Obs: Não tem casa. R$ 100.000,00 ( á vista )

TERRENO

Jardim dos Lagos. Boa Topografia 5.600m². R$80.000,00 ( á vista )

CASA – CENTRO

Rua:Azevedo Soares (rua da caixa econômica federal) 3 dormitórios, sala, área de serviço, garagem p/ 2 carros. R$ 250.000,00 (A/c financiamento)

Rodrigo Gumercindo e Diego

TERRENO Portal da estação Próximo a estação Paradinha. R$ 20.000,00 mais prestações. Obs: Transferência. TERRENO VILA JOSEFINA Metragem de 5.225m² Obs: Não tem casa. R$ 100.000,00 ( á vista )

IMOBILIÁRIA OLINDA Fones: 4449-2707 e 4444-3714 Site: www.imobiliariaolinda. com.br

Financiamento: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL


14

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

Giro do Donato Fique por dentro do que acontece nos pontos mais badalados da região com o colunistas mais premiado Girando pela cidade e região o registro fotográfico de Donato

Sempre alegre, Carolini Juliana Silva, do Foto Juarez

Enaltecendo as sociais de hoje Antonio Aiacyda, prefeito de Mairiporã e este colunista.

Posando para foto Dr. Hélio Motta em visita aos velhos amigos franco-rochenses.

Na sociais de hoje a nossa querida Vânia de Lourdes Pereira Gonzales

Donato Milillo e Edson Abreu, do jornal Cantareira News, foram homenageados na festa organizada pelo Grupo News de Comunicação da cidade de Francisco Morato como os Melhores de 2012.

Anuncie no Juca Post Tel.:4449-3454

Moacyr Franco se apresenta no restaurante Parque D’Anape no almoço do dia 24/11/2012. Informações: 4016-4060


15

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

Ano XXVII - nº 254 - novembro de 2012

Notas & notas

Aniversários

Juca Post 27 anos

w Novembro de 2.012

Para anunciar aniversários é grátis! Envie sua mensagem pela internet através dos e-mail: redacao@jucapost.com. br e jucapost@uol.com.br Dia 1º - A MAYARA, filha do nosso diretor do jornal, completou mais uma primavera nesse dia. Parabéns de todos os amigos e familiares e beijos com muito carinho de sua mãe Rejane e das irmãs Nara e Yarinha. Dia 2 – A CIDINHA completou mais uma primavera e todos do salão Soft Hair Center lhes desejam muitas felicidades. Parabéns. Quem festejou mais uma primavera no dia 2 foi a EDUARDA e que manda um abraço especial é seu namorado Paulo Victor. Muitas felicidades. SOLANGE assopra mais uma velinha dia 6 e seu esposo José e os filhos Eric e Maria Eduarda lhes desejam muitas felicidades juntamente com todos amigos e familiares. Dia 7/11 – É a vez da ADRIANA BARBOSA comemorar mais um aniversário. Parabéns de seus filhos Tiago, Gabriel, do pequeno Elias e em especial do maridão Alexandre Barbosa. Parabéns para a simpática MÁRCIA da FARMALICE – Drogaria da Vila Ramos - que está aniversariando no dia 8/11. Parabéns de todos os amigos e familiares, em especial dos irmãos Ivan, Carlinhos e Laura, do Maridão

Alberto, da cunhada Fabiana do  sobrinho Ruan e do cunhado Doni. 9/11 - Parabéns Para VALKIRIA Lirussi Bonadio que completa mais uma primavera nesse dia. Dia 10 foi a vez do SILAS PRADO comemorar mais uma data natalícia e seus pais Deuseli e Wagner e os irmãos Sara e Samuel o cumprimentaram com muito carinho. AMANDA festeja mais uma primavera no dia 11/11 e seu pai Daniel Vigilato lhe deseja muitas felicidades nesse dia especial. Parabéns. Dia 12 é a vez do GUILHERME GIZZI festejar mais um niver e seus familiares e a namorada Amelia o parabenizam nessa data com muito carinho e amor. A FÁTIMA BERNARDES comemora seu niver no dia 13 mais uma primavera. A festa vai ser lá em Guarulhos onde ele está residindo com o maridão Osmar. Beijos com muito carinho da filhota Letícia. Parabéns e um abraço especial dos primos Tata e Ditinho. Os alunos da ESCOLA PINGO DE GENTE estão parabenizando a Prô MARCELA pela passagem de seu aniversário no dia 13/11. Abraços com muito carinho da aluninha Yara.

Dia 15 é a vez do SILVIO MIRANDA festejar seu aniversário. Parabéns de todos os amigos e familiares e abraço do amigo Valdir Fraga. O CABIDE completa mais uma primavera no dia 16 e sua esposa Sonia e os filhos Ricardo e Talita lhes desejam muitas felicidades, juntamente com seus amigos do Opção Musical e de toda equipe do Juca Post. Dia 17 é a vez da garotinha ANA LUIZA assoprar mais uma velinha de seu bolo de aniversário. Beijos com muito carinho de seus pais Luciana e Tiago Vigilato que lhes desejam muitas felicidades, juntamente com toda sua família. FRANCISCO BRANDÃO festeja mais um primavera no dia 18 e todos da equipe Juca Post o parabeniza nessa data. Parabéns Chicão. Dia 19 é a vez do LAÉRCIO GOVÕES completar mais uma primavera, justamente na estação das flores que ele tanto tratou bem enquanto trabalhou no Parque e Jardins do JUQUERY. Parabéns e muitas felicidades. Dia 19/11 – a LUIZA PEDROSO festeja seu aniversário nesse dia e comemora a data junto de seus filhos e netos. Parabéns de todos os amigos

e familiares.

Dia 23 - O PAULO VICTOR apaga mais uma velinha nesse dia e toda família lhe deseja muitas felicidades em especial a namorada Eduarda. Parabéns. NELSON COUTINHO comemora mais uma primavera no dia 24 e sua esposa Olinta e os filhos Evelise e Juba e a netinha Malu lhes desejam muitas felicidades juntamente com seu irmão Dito Coutinho. 28/11 - Nesse dia é aniversário do Marcus Vinicius, o MARCÃO do handebol, que comemora com a filha Manuela e toda família e amigos.

Adriana Ortiz

Adelaide

Cidinha

Duda

Pro Marcela

Adriana Barbosa

OUTUBRO

ADRIANA ORTIZ completou mais uma primavera no dia 18/10 p.p. Parabéns dos seus familiares e amigos. O empresário MILTON MACHADO comemorou mais uma primavera no dia 10/10 ao lado de familiares e amigos. Parabéns!

Nelson Coutinho Luiza Pedroso

Solange, José e Maria Eduarda

Milton Machado

Márcia da Farmalice

Aninha Matos Vigilato

Francisco Brandão

Paulo Victor e Welington

Edegard Cabide


16

Juca Post - Franco da Rocha - SP.

Ano XXVII - nยบ 254 - novembro de 2012


Jornal Juca Post - NOVEMBRO