Page 1

A maneira do porto alegrense de 18 a 30 anos consumir futebol após a modernização dos estádios.

Ana Paula Casas Betina Miltzman Giulia Tomasini Isadora Castellan Jéssica Lain João Victor Cardoso Julierme Silva Kauany Firmino

1


ÍNDICE

1.Tema 2.Problema 3.Justificativa 4.Objetivos 5.Desk Research 6. Pesquisa Qualitativa 7. Pesquisa Quantitativa

A modernização dos estádios tem efeito na mudança da cultura das arquibancadas?

2


1.TEMA A maneira do porto alegrense de 18 a 30 anos consumir futebol depois da modernização dos estådios.

3


2. PROBLEMA DE PESQUISA Como o porto alegrense de 18 a 30 anos consome o futebol nos estรกdios modernos?

4


Fonte: http://www.scielo.br/pdf/rec/v21n2/1415-9848-rec-21-02-e172124.pdf

3. JUSTIFICATIVA O Brasil é considerado o país do futebol. O esporte é paixão nacional e vira assunto entre as pessoas todos os dias da semana. Entretanto, ano após o ano o desinteresse do público vem crescendo. No Brasil, o esporte movimenta, segundo relatório da Pluri Consultoria (2012), cerca de R$ 36 bilhões por ano, o que significa menos de 1% do valor global. Esse percentual extremamente baixo fica ainda mais alarmante ao compararmos com a Inglaterra, onde representa 30% do valor global. A diminuição da procura dos torcedores ficou evidenciada após a Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Se o desinteresse dos jovens acompanhar o crescimento total do brasileiro, teremos um problema maior a longo prazo. Esse projeto busca compreender os motivos que levaram os jovens de 18 a 30 anos reduzirem sua procura por futebol, entender suas percepções quanto às mudanças na maneira de torcer e projetar suas perspectivas para o futuro no meio. Os resultados coletados ao final da pesquisa poderão ser utilizados como alternativas para os clubes se readaptarem ao novo modelo, resgatarem o interesse do seu torcedor e cativarem novos públicos potenciais.

5


4.OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Investigar se o porto alegrense de 18 a 30 anos se adaptou às mudanças na maneira de consumir futebol após a modernização dos estádios. OBJETIVOS ESPECÍFICOS ● ● ● ● ● ●

Traçar o perfil do torcedor de futebol porto alegrense de 18 a 30 anos. Descrever a forma de acompanhar futebol nos dias atuais. Comparar a forma de acompanhar futebol antigamente com a dos dias atuais. Identificar os fatores que aproximam ou distanciam dos estádios os torcedores porto alegrenses de 18 a 30 anos. Analisar se a gamificação do futebol influenciou a maneira de torcer do porto alegrense de 18 a 30 anos. Projetar o que o torcedor porto alegrense de 18 a 30 anos espera futuramente sobre consumir futebol.

6


FLUXO DE TRABALHO ETAPA 1: Desk Research

Pesquisa de dados secundários para nortear próximas etapas.

ETAPA 2: Qualitativa

2 grupos focais de 6 pessoas: Público 1: frequentadores de estádios Público 2: não frequentadores de estádios

ETAPA 3: Quantitativa

Questionário de autopreenchimento online: 340 entrevistados

ETAPA 4: Análise e Comunicação dos Resultados

Diagnóstico da Situação: Relatórios de pesquisa e apresentação

11/03

Entrevistas em profundidade com 4 pessoas do meio

08/04

13/05

20/05 - 24/06

7


SÍNTESE

METODOLÓGICA

8


Tipos de Pesquisa: 1. 2.

Etapa Qualitativa Etapa Quantitativa

9


PESQUISA QUALITATIVA

TÉCNICA: GRUPO FOCAL Através de um questionário, traçaremos o perfil dos participantes e selecionaremos os dois grupos com 6 participantes. Destes, 3 serão gremistas e 3 serão colorados, entre homens e mulheres, sendo eles frequentadores e não frequentadores de estádios de futebol. TOTAL DE ENTREVISTADOS: 12

10


PESQUISA QUALITATIVA

TÉCNICA: ENTREVISTA EM PROFUNDIDADE Entrevista realizadas com 4 especialistas envolvidos na área do esporte, mais especificamente do futebol. Poderão ser realizadas através de Skype, FaceTime ou pessoalmente. Os especialistas serão: o responsável pelo departamento do torcedor do Internacional e três torcedores da dupla Gre-Nal que frequentavam o estádio antigamente e continuam frequentando hoje em dia. TOTAL DE ENTREVISTADOS: 4

11


RESULTADOS Os resultados dos dois grupos focais e das quatro entrevistas em profundidade serĂŁo analisados e comparados, para que se respondam os objetivos do trabalho.

12


PESQUISA QUANTITATIVA

TÉCNICA: QUESTIONÁRIO ONLINE Questionário realizado por meio de plataforma online para traçar o perfil do torcedor porto alegrense de 18 a 30 anos. Total de entrevistados: 340

13


5. DESK RESEARCH

14


O desinteresse do brasileiro por futebol cresce 41% diz não ter interesse por futebol, 10% a mais do que em 2010 Em 2010 os interessados representavam 32%, em 2018 esse número caiu para 26%. 16% tinha pouco interesse, agora são 9% Os brasileiros de interesse médio mantiveram números parecidos: de 22 para 23% fonte: https://www1.folha.uol.com.br/esporte/2018/05/cresce-desinteresse-do-brasileiro-por-futebol-aponta-datafolha.shtml

15


16


A modernização dos estádios tem efeito na mudança da cultura das arquibancadas?

17


Ao longo dos anos, os estádios ao redor do mundo estão recebendo maior investimento em busca de modernização a fim de proporcionar uma melhor experiência para seus frequentadores - no Brasil, essas reformas e novas construções, que se enquadram na era moderna do futebol aconteceram para viabilizar a realização da Copa do Mundo. Estas modificações dão-se também pelo nível de exigência dos consumidores ter aumentado, de um modo geral, mas em especial os jovens, que em gerações anteriores eram mais flexíveis em relação à percepção de qualidade. Assim como proporcionar mais conforto, os novos estádios buscaram desassociar a imagem negativa, de local desconfortável, perigoso e pouco familiar, resgatando a presença de famílias e um público mais diverso. Para isto algumas medidas foram tomadas, não só em relação a infraestrutura oferecida, porém medidas preventivas, como a proibição de bebidas alcoólicas em eventos esportivos. Em contrapartida a toda mudança positiva, está o alto valor desembolsado nos ingressos. Ao passo que as alterações aproximam diferentes públicos/perfis da torcida, certos valores proibitivos excluem classes economicamente desfavorecidas, e boa parte dessa classe representou um número significante para lotação dos estádios no passado. Da mesma forma que muitos jovens, sem estabilidade financeira ou apoio dos pais também podem se afastar dos estádios, ou pelo menos diminuir a frequência nas partidas e, desta forma selecionar de maneira mais inteligente os jogos mais atrativos para assistir. Fonte: https://cenaslamentaveis.com.br/modernizacao-dos-estadios-implica-na-mudanca-de-cultura-das-arquibancadas/

18


A confederação Brasileira de Futebol (CBF), junto com as Polícias Militares, determina o que pode ou não ser feito dentro de um estádio de futebol. Algumas proibições não fazem sentido lógico ou geram mudanças positivas, como por exemplo, a proibição de sinalizadores e bandeirões. Em São Paulo é proibida a entrada de bandeiras com mastro de bambu, pois podem ser utilizadas como armas pelos torcedores. Já em Minas Gerais, os mastros são permitidos, ou seja, existe uma incoerência nas regras. Outro exemplo é o uso de sinalizadores ser permitido fora do estádio, mas dentro não porque seria perigoso. A criminalização do jeito de torcer no Brasil é decorrente de um modelo europeu cada vez mais implementado por aqui. As torcidas brasileiras nunca foram de assistir jogos sentadas, aplaudindo em momentos favoráveis ou resmungando em momentos desfavoráveis. A marca do torcedor brasileiro é a paixão, a euforia, as músicas, a batucada, as bandeiras, a festa. Fonte:https://cenaslamentaveis.com.br/modernizacao-dos-estadios-implica-na-mudanca-de-cultura-das-arquibancadas/

19


A POLÊMICA MODERNIZAÇÃO DO FUTEBOL BRASILEIRO O torcedor brasileiro tinha um ritual que envolvia desde o radinho de pilha saindo de casa, passando por um lanche em uma das barraquinhas ao redor do estádio, uns goles de cerveja gelada e por fim chegar a uma das cadeiras da geral, sentando no cimento abaixo de chuva ou sol escaldante. Hoje em dia são vistas poucas barraquinhas, a cerveja é sem álcool e o preço é elevado, as gerais cada vez vão perdendo mais espaços nas modernas arenas pelo Brasil… Embora o movimento já fosse notado antes de 2014, com a Copa do Mundo no Brasil houve a clara intenção de importar o modelo europeu de torcer para cá, ainda que a condição brasileira seja totalmente diferente da europeia. A migração dos antigos estádios para as novas arenas evidenciou que o futebol brasileiro mudaria drasticamente e de modo geral.

20


“

Futebol virou negĂłcio, jogadores viraram produtos e torcedores viraram clientes.

�

21


Em contrapartida, diversos movimentos de resistência à elitização do futebol surgem em diversos estados brasileiros. Frases como

“ódio eterno ao futebol moderno” “futebol raiz” viram ideologias, expressadas através de cânticos e do ritmo das baterias, camisas rodando e sinalizadores. Fonte: http://jornalismojunior.com.br/a-polemica-modernizacao-do-futebol-brasileiro/

22


23


24


GERAÇÃO MILLENNIALS MUDA A MANEIRA DE ASSISTIR FUTEBOL 25


FUTEBOL DE TELINHAS Para muitos torcedores mais jovens, a partida pode ser apenas uma das diversas telas que eles monitoram simultaneamente, diz Tom Thirlwall, presidente-executivo da Copa90, uma consultoria de mídia online londrina que se especializa na cultura dos fãs. Especialmente nos jogos menos importantes, ou nos que acontecem durante o horário de trabalho, poucos torcedores da geração milênio assistirão a cada chute. Na era dos smartphones, os jovens raramente assistem a alguma coisa por mais que alguns minutos. Se um gol for marcado na Rússia, eles rapidamente encontrarão o vídeo em algum lugar. Thirlwall prevê que “a participação será maior que nunca. As pessoas estarão constantemente plugadas no conteúdo de futebol que estará sendo oferecido”.

26


“É muito comum ouvir que no passado, aquele, distante, os estádios cabiam muito mais gente (isso é verdade) e que era normal qualquer jogo ter 80, 90 100 mil pessoas. Parece que antes os estádios viviam lotados e é esse futebol de hoje que estragou tudo. Sinto ser portador de más notícias, mas isso não é verdade. Havia estádios vazios nos anos 1950, 1960 e 1970 também.” “Só seis edições do Campeonato Brasileiro (contando todas as edições, incluindo Taça Brasil e Taça Roberto Gomes Pedrosa) tiveram média de público acima de 20 mil pessoas. A melhor da história é de 1983 (22.953), seguida por 1969 (22.067), 1987 (20.877), 1980 (20.792), 1967 (20.645), 1971 (20.360) e 1970 (20.259).”

“Ainda vemos muitos jogos com público baixo e eles também entram na média. Há vários fatores a serem considerados, como a questão econômica, mas o principal fator segue sendo cultural. Em geral, o torcedor brasileiro não gosta de ir em jogos que “valem pouco” ou quando o time não está bem.” Fonte: https://m.trivela.com.br/mitos-do-futebol-antigamente-os-estadios-estavam-sempre-lotados/

27


PODER DE COMPRA DO JOVEM BRASILEIRO Conforme indica a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, a PNAD, do último semestre de 2017, a taxa de desemprego entre os jovens de 18 a 24 anos no brasil é de 32,5%, o maior índice registrado nos últimos cinco anos entre os membros dessa faixa etária. Fonte https://digitais.net.br/2018/03/digitais-campinas-jovem-esta-menos-endividado-mas-desemprego-e-recorde/

28


INTERESSE DOS FÃS/TORCEDORES Estudo feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em todas as capitais revela que gastos excessivos com produtos e serviços relacionados ao futebol foram responsáveis por desequilibrar o orçamento mensal de dois em cada dez (21,3%) torcedores brasileiros, principalmente entre 18 a 24 anos (29,7%) e que fazem parte das classes C, D e E (23,1%).

Fonte http://blogs.correiobraziliense.com.br/servidor/gastos-com-futebol-desequilibram-orcamento-de-dois-em-cada-dez-torcedores-mostra-estudo-do-spc-brasil

29


EURO PEIZAÇÃO DO FUTEBOL BRASILEIRO

30


GERAÇÃO CHAMPIONS LEAGUE Os maiores clubes da Europa começaram dominando aos poucos os países onde o nível de futebol é baixo, como Argélia e Índia. De alguns anos para cá, esse fenômeno começa a aparecer no Brasil. O torcedor que passou a ignorar os times daqui é jovem, tem de 16 a 29 anos, está nas classes A ou B e acessa internet rápida pelo celular. A TV a cabo e a internet são as principais armas dos gigantes europeus. Os videogames também contribuem muito para isso. Os time da Europa tratam o futebol como negócio de forma diferente dos times brasileiros. Buscam mais engajamentos nas redes sociais, assim conseguindo maior infiltração em diferentes países. O resultado disso é maior venda de camisas, produtos licenciados, interesse das pessoas na história do clube.

Fonte: http://especiais.correiobraziliense.com.br/time-do-coracao

31


GERAÇÃO CHAMPIONS LEAGUE Uma pesquisa feita pelo Ibope, em 2016, revelou que 69% dos brasileiros entre 16 e 29 anos torcem para algum time europeu. Levantamento feito pelo site de venda de artigos esportivos Netshoes, em 2015, mostrava o Real Madrid como 14º time que mais vendia camisas no Brasil. Em 2016 passou a ser o 11º e, em 2017, o 10º ( à frente de clubes como Fluminense e Grêmio). O Barcelona era o 7º (à frente ainda de Vasco e Internacional).

Fonte: https://www.opovo.com.br/jornal/dom/2017/05/geracao-uefa-uma-tendencia-mundial.html

32


A GAMIFICAÇÃO DO FUTEBOL BRASILEIRO 33


A ERA DOS FANTASY GAMES Um jogador do Cartola tem a função de “escalar” seu time a cada rodada. Para isso, escolhe onze atletas, que podem ser de times diferentes, um para cada posição específica do futebol. Depois de completar a escalação, o jogador torce para seus 11 escolhidos fazerem o máximo número de pontos. Nas dez primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro de 2017, o jogo virtual Cartola FC, da globo.com, bateu o recorde histórico de times escalados. 5,5 milhões de equipes Um são-paulino, por exemplo, pode optar por escalar um atacante do Corinthians acreditando que ele fará muitos gols. Isso levaria o torcedor do São Paulo a torcer para o atleta rival marcar e, possivelmente, levar o Corinthians à vitória. Essa situação, para alguns, é uma distorção do que é torcer por futebol. Sob esse ponto de vista, é inaceitável que alguém torça para outro time, especialmente para um rival. Febre entre fãs de futebol, game faz torcedores deixarem o time do coração em segundo plano a troco de sucesso na disputa virtual

fontes: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/07/14/Qual-o-debate-em-torno-do-Cartola-e-o-modo-de-torcer-por-futebol-no-Brasil

https://brasil.elpais.com/brasil/2018/04/18/deportes/1524084554_778460.html

34


A ERA DOS FANTASY GAMES Desde que jogadores de futebol começaram a criar perfis em redes sociais, suas páginas não são apenas um espaço de vida privada. É comum que torcedores enviem mensagens de apoio, idolatria, mas, também, de cobranças e xingamentos. “O game é para o pessoal de fora, mas enquanto a equipe estiver ganhando, posso tirar menos cinco que não tem problema” . Jadson, atleta do Corinthians na época. “Eu odeio o Cartola. Pra mim o Cartola é a maior mentira do futebol. Às vezes acontece um lance que o cara [atleta] pontua menos porque tentou forçar um passe que acaba acertando outro cara lá na frente e dá como passe errado. Mas, enfim, é ‘zoeira’”. Elias, atleta do Atlético-MG na época.

fonte: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/07/14/Qual-o-debate-em-torno-do-Cartola-e-o-modo-de-torcer-por-futebol-no-Brasil

35


FUTEBOL É JOGO DE AZAR? As estimativas sobre o mercado brasileiro de apostas esportivas dão conta que movimenta entre R$ 4 bilhões e R$ 9 bilhões por ano. Mesmo antes da legalização, cerca de 500 sites já ofereciam serviços em português e possibilidade de realização de apostas. O Brasil é um grande celeiro de desportistas, especialmente no Futebol, consequentemente, o brasileiro é apaixonado por este esporte e, nas últimas décadas, tem despertando para tantos outros, como Basquete, Vôlei, MMA, e até Basebol e Rugby. Então, é natural que o gosto pelas apostas acompanhe esta paixão pelos esportes com a tendência, cada vez maior, de se buscar a interatividade, marca tão essencial na presente geração.

fontes: https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/apostas-esportivas-movimentam-entre-r-4-bilhoes-e-r-9-bilhoes/

https://www.terra.com.br/noticias/dino/mercado-de-apostas-esportivas-movimenta-r-2-bilhoes-no-brasil-segundo-pesquisa,5e91353bb264cfb927b0b93d8a94e1a397u8wbih.html

36


FATORES DETERMINANTES PARA A TORCIDA 37


HÁBITOS DOS TORCEDORES Apesar do interesse no esporte, ir ao estádio não é um hábito predominante entre os torcedores de futebol. Apenas 12,6% dos brasileiros que são interessados por futebol reconhecem ir ao estádio pelo menos uma vez por mês. Outros 17,5% vão ao estádio, mas sem uma frequência definida. Os motivos que mais espantam os torcedores de ir ao estádio são o receio de brigas e violência (46,1%), o conforto da casa ou do bar (34,4%) e a falta de dinheiro para pagar os ingressos (11,3%).

http://blogs.correiobraziliense.com.br/servidor/gastos-com-futebol-desequilibram-orcamento-de-dois-em-cada-dez-torcedores-mostra-estudo-do-spc-brasil

38


IMPACTO DOS INGRESSOS NA TORCIDA Novas arenas têm preços 119% maiores do que os estádios antigos. Preço do ingresso aumenta 300% e público menor que nos Estados Unidos. Em 2003, o ingresso custava em média R$ 9,50. Em 2013 essa média saltou para R$ 38. A consultoria também publicou, em julho, um estudo em que o Brasil aparece como o 18º colocado em média de público em um ranking dos 20 maiores.

Fonte: https://www.brasildefato.com.br/node/25631/

39


Gráficos retirados do TCC: A NOVA REALIDADE DE CONSUMO DO FUTEBOL GAÚCHO A PARTIR DOS NOVOS ESTÁDIOS DA DUPLA GRENAL de ROBERTO LEJDERMAN

40


Gráficos retirados do TCC: A NOVA REALIDADE DE CONSUMO DO FUTEBOL GAÚCHO A PARTIR DOS NOVOS ESTÁDIOS DA DUPLA GRENAL de ROBERTO LEJDERMAN

41


Fonte: mídia kit Grêmio

Fonte: mídia kit Internacional

42


6. PESQUISA QUALITATIVA

43


CONSUMO DE FUTEBOL NOS DIAS ATUAIS Internet e redes sociais são formas predominantes de acompanhar as novidades de seus times; Televisão e rádio são meios preteridos acompanhar/assistir as partidas de futebol.

para

Muitos acompanham bastante futebol, não apenas o time do coração, mas também têm o esporte como o principal meio de entretenimento.

44


“A melhor forma de consumir futebol é indo ao estádio. Tem toda uma aura que envolve a atividade.” Carlos Fernando - Torcedor “O torcedor consome o que ele é apresentado. Mídias sociais, internet, ir no estádio, influencers de Youtube e Instagram. Ele se atualiza pelas redes sociais, cada vez menos TV e programas de futebol. Mas estamos engatinhando sobre esse novo consumo.” Gabriel - Profissional Departamento do Torcedor

45


MUDANÇAS NA FORMA DE ACOMPANHAR FUTEBOL Hoje é mais fácil e prático acompanhar futebol. Segurança, rapidez e praticidade são pontos positivos da modernização. Ambiente mais propício para família/crianças/mulheres nos estádios. O futebol deixa de ser o espaço de apenas um grupo e se torna um espaço de todos.

46


“Antigamente, sem a internet era tudo mais distante. Hoje eu percebo que a rivalidade de um gremista não é só com um colorado, é com flamenguista, corinthiano, vascaíno. A internet aproximou os clubes e as rivalidades. Antigamente era comum ver um torcedor vestindo a camisa de outro, hoje em dia é mais difícil. Nos próprios estádios era assim, hoje em dia ou tu vai com a camisa do clube ou sem camisa de time.”

Altemar - Torcedor

“Hoje em dia o mundo da internet tá deixando todo mundo com pensamento no futebol europeu e tá perdendo a graça.”

Cleberson - Torcedor

47


FATORES QUE APROXIMAM OU NÃO OS TORCEDORES DOS ESTÁDIOS Fatores que afastam: Distância, segurança, aumento do valor do ingresso e tudo que compõe uma boa experiência dentro dos estádios. Fatores que aproximam: influência familiar, cultura do esporte e paixão pelo clube.

48 (Foto: Matheus Pé)


“É mal vendido o espetáculo futebol. O torcedor não quer ser tratado como cliente, apenas quer que tu dê coisas diferentes pra ele. Ele quer ter a garantia de entrar no estádio de forma segura e quer chegar lá e voltar pra casa.” Gabriel - Profissional Departamento do Torcedor “O momento do clube. Se o time tá em alta, disputando uma semifinal, uma final, ou precisando de uma pontuação, isso atrai o torcedor pro estádio. O preço dos ingressos também. É muito caro o valor e isso acaba assustando, afastando. Mas o que dita a aproximação é o momento do time. O time precisando, não importa o valor do ingresso, se vai chover, se vai ter trânsito, o torcedor vai no estádio. O time e o estágio da competição vão dizer se o torcedor vai ter interesse ou não.” Altemar - Torcedor

49


GAMIFICAÇÃO E A EUROPEIZAÇÃO DO FUTEBOL Optar pelo rival ou jogadores de outro time é uma atitude normal. É um ato mais pragmático do que emotivo. Um modelo mais próximo ao europeu diz respeito muito mais à gestão, em relação à estrutura dos estádios. Menos relacionado a torcida propriamente. “Tu vê um monte de criança com a camisa do PSG que nunca vão assistir um jogo do PSG. Quem tem que acabar com esse tipo de influência, que não ajuda em nada, é o pai. Não compra essa camisa pra criança, dá uma camisa do teu clube. Essa criança nunca vai assistir um jogo do PSG, do Real Madrid.” Gabriel - Profissional Departamento do Torcedor 50


“O indivíduo vê-se compelido até a torcer pelo time rival para obter pontos no Cartola FC. Mas o interessante do aplicativo é isso: levar o consumidor a ampliar o seu campo de visão. Acho que ele acaba ficando mais tolerante, inclusive, o que é positivo[...] Apostar em um rival é sinal de bom-senso e equilíbrio, além de senso crítico. Uma coisa é torcer contra. Outra é entender quando o time rival é superior ao adversário e, pela lei das probabilidades, deve sagrar-se o vencedor. Quando envolve dinheiro, não se permite a irracionalidade.” Carlos Fernando - Torcedor “Não escalaria. Em nada que eu for mexer, eu nem cito o meu rival.” Cleberson - Torcedor

51


PERSPECTIVA SOBRE O FUTEBOL E SEU MEIO As tecnologias vão crescer cada vez mais como principal meio de acesso à informação para esportes. O monopólio da televisão vai ser destituído. O conteúdo será mais voltado para o entretenimento e os clubes irão investir nos seus próprios canais.

52


“Acho que a Internet está revolucionando muito a forma de consumir, porque antigamente não se tinha internet, principalmente WhatsApp. O WhatsApp tá sendo um canal de aproximação muito forte com o futebol. Eu costumo dizer que eu prefiro ter caído duas vezes pra segunda divisão em 91 e 2005, do que ter caído em 2016.” Altemar - Torcedor A mídia eletrônica vai explorar cada vez mais este filão, faturando proporcionalmente. As Arenas deverão ser mais confortáveis para cativar o público e a Copa do Mundo no Brasil atestou isso, além de oferecer outras alternativas de lazer, como por exemplo, bons restaurantes no entorno ou no próprio estádio. Carlos Fernando - Torcedor

53


7. PESQUISA QUANTITATIVA

54


Dados básicos

Gráfico 1 340 respondentes (simples)

Idade

255 indivíduos de 18 a 24 anos de idade

85 indivíduos de 25 a 30 anos de idade

55


Dados básicos Sexo*

Gráfico 2 340 respondentes (simples)

224 indivíduos do sexo masculino 116 indivíduos do sexo feminino

*Categoria biológica

56


Dados básicos

Gráfico 3 340 respondentes (simples)

Gênero*

228 homens 112 mulheres

*Papel social/forma de identificação e expressão

57


Dados básicos

Gráfico 4 340 respondentes (simples)

Escolaridade

58


Dados básicos

Gráfico 5 340 respondentes (simples)

Remuneração

252 sim 88 não

59


Dados básicos

Gráfico 6 340 respondentes (simples)

Ganho mensal

60


Dados básicos

Gráfico 7 340 respondentes (simples)

Clube

262 colorados 78 gremistas

61


Dados básicos

Gráfico 8 340 respondentes (múltipla)

Tipos de torcedor

62


Dados básicos

Gráfico 9 340 respondentes (simples)

Consumo

316 sim 24 às vezes

63


ANÁLISE DO PERFIL ENCONTRADO O perfil dos respondentes é, através da maioria das respostas, definido como: homens de 18 a 24 anos, moradores de Porto Alegre, torcedores do Internacional. Possuem ensino superior completo e exercem atividade remunerada, ganhando de R$ 1001,00 a R$ 2000,00 por mês. Consomem futebol e se consideram torcedores fanáticos.

64


Hรกbitos de consumo

65


Como você costuma consumir futebol?

Gráfico 10 340 respondentes (múltipla)

Destaca-se que ao somarmos as três opções que possuem outras pessoas assistindo junto, temos 77,6% das respostas totais. O futebol, para os brasileiros, é sinônimo de ritual. E faz parte desse ritual ter uma alguém para acompanhar o jogo, desde o pré até o pós. Seja fazendo churrasco, bebendo cerveja ou debatendo as escalações, o brasileiro gosta de ter alguém ao lado para concordar ou discordar sobre o assunto.

66


Como você se informa/assiste futebol?

Gráfico 11 340 respondentes (múltipla)

O que chama a atenção no primeiro momento é a perda de força dos veículos ditos tradicionais. Há alguns anos atrás, seria impensável televisão e rádio não estarem liderando esse tipo de ranking. Hoje em dia, não estão apenas perdendo espaço, mas estão vendo a Internet assumir o posto com veemência. O primeiro lugar pertence às redes sociais, e, mais pro final, mas com bons números, temos aplicativos e streaming (diretamente ligados à internet).

67


Qual a sua plataforma preferida para se informar/assistir futebol?

Gráfico 12 340 respondentes (múltipla)

A televisão segue como líder de preferência para que as pessoas se informem e assistam futebol. Todavia, vale ressaltar que em segundo lugar - e não muito distante - estão as redes sociais. A tendência é que elas assumam a primeira colocação, pois o Facebook, por exemplo, já comprou partidas exclusivas para a sua plataforma.

68


Quando estou assistindo o jogo do meu time, não faço nenhuma outra atividade simultaneamente.

42,6% 28,1% 16,5% 3,8%

Discordo Totalmente

9%

Gráfico 13 340 respondentes (simples)

Como observado, as redes sociais vêm ganhando força. Uma das explicações é a utilização dessas ferramentas como segunda tela. O Twitter é um ótimo exemplo, pois é um site que tem seus picos de comentários em transmissões esportivas e permite que os usuários comentem o que estão assistindo com seus seguidores.

Concordo Totalmente

69


O acesso a outras formas de consumir futebol afasta o torcedor do estádio.

23,2%

24,9%

28,1% 15,1%

Discordo Totalmente

8,7%

Gráfico 14 340 respondentes (simples)

Grande parte não concorda que as novas formas afastam o torcedor do estádio ou se posiciona neutra ao assunto. Isso pode ser explicado pelo fato de que as novas formas de consumo, como redes sociais, aplicativos e streamings - que observamos estarem crescendo - ainda estejam na sua fase inicial no Brasil. O brasileiro, por enquanto, leva em conta outras questões em detrimento às formas disponíveis de se assistir o jogo para ir até o estádio.

Concordo Totalmente

70


Motivos para frequentar o estádio.

Gráfico 15 340 respondentes (múltipla)

Sob um olhar superficial, pode assustar um panorama onde conforto e segurança apareçam com baixa incidência nos motivos para alguém frequentar o estádio. Futebol é o esporte que melhor consegue fazer com que as pessoas coloquem a emoção acima da razão - em grande escala. E para o povo brasileiro essa máxima é ainda mais aplicada. Deve-se levar em conta que a maior parte dos respondentes se considera um torcedor (a) fanático (a).

71


Motivos para frequentar o estádio conforme clubes.

Gráfico 16 340 respondentes (cruzada)

No nosso país, questões como segurança e conforto importam quando vamos ao shopping, cinema, teatro (lugares onde somos pouco ou nada envolvidos emocionalmente). A paixão ao clube é o fator determinante que leva um indivíduo a sair de casa, não importando o clima, o humor e a hora. O fato fica evidenciado de modo geral, mas também ao analisarmos separando os torcedores.

72


Experiência de assistir ao jogo no estádio é superior em relação às transmissões pela TV ou rádio.

84,1%

1,2%

Discordo Totalmente

5,2%

9,6%

Gráfico 17 340 respondentes (simples)

Outro fator que possui um peso muito grande para o torcedor ir ao estádio é a diferença entre assistir uma partida in loco e de alguma outra maneira. A atmosfera de estar presente no jogo é determinante, pois nos sentimos partes do time e que temos influência direta no resultado.

Concordo Totalmente

73


Quais os meios pelos quais você mais se desloca para o estádio?

Gráfico 18 340 respondentes (múltipla)

Os meios tradicionais, carro e ônibus, são os mais utilizados para ir até o estádio. O detalhe está nos aplicativos de transportes com 31,2%. Essa era uma realidade nem sequer imaginável para as gerações mais antigas e que hoje vai ganhando cada vez mais espaço. Como apontamos anteriormente, a internet revoluciona a maneira de se informar/assistir futebol. Agora, podemos perceber que essa revolução engloba tudo que está envolvido com o consumo do esporte.

74


Hรกbitos do torcedor

75


O deslocamento para o estádio após a modernização tornou-se mais fácil e rápido.

Gráfico 19 340 respondentes (simples)

Somos apresentados a respostas bastante equilibradas. Deve-se levar em conta as novas possibilidades de transportes, como por exemplo, aplicativos, mas também a localização e o entorno dos estádios.

31,6% 22,6% 12,2%

Discordo Totalmente

15,9%

17,7%

Concordo Totalmente

76


Deslocamento para o estádio conforme clubes.

Gráfico 20 340 respondentes (cruzada)

Podemos observar que a localização impacta diretamente na escolha do meio de deslocamento. Como o Beira-Rio se localiza em uma região de fácil acesso, temos respostas distribuídas em todas as opções. Entretanto, a Arena do Grêmio fica mais afastada e em uma região onde o entorno dificulta o acesso, principalmente em dias de grandes eventos. Para os gremistas, as opções mais utilizadas são as “tradicionais”, carro e ônibus.

77


O deslocamento para o estádio após a modernização tornou-se mais fácil e rápido conforme clubes.

Gráfico 21 340 respondentes (cruzada)

Para os colorados, em sua maioria, o deslocamento melhorou. Parte disso deve-se ao aumento do uso dos aplicativos, que ajuda a desengarrafar o trânsito. Já para os gremistas, a grande maioria discorda que o deslocamento tenha melhorado. Devemos levar em conta a localização e o entorno da Arena do Grêmio, que torna complicado o acesso seja qual for o meio escolhido. Discordo totalmente

Concordo totalmente

Discordo totalmente

Concordo totalmente

78


Quais fatores são determinantes para afastar o torcedor do estádio?

Gráfico 22 340 respondentes (múltipla)

O principal inimigo da maioria dos torcedores é o ingresso. O preço dele é líder de apontamento quando o assunto é afastar o público do estádio. Logo atrás aparecem os custos extras além do ingresso, como por exemplo, estacionamento e alimentação no estádio. Com a modernização, esses custos aumentaram, fazendo com que os torcedores de classes mais baixas diminuíssem a frequência ou parassem de ir aos jogos.

79


Preço do ingressos e presença conforme clubes.

Gráfico 23 340 respondentes (cruzada)

O impacto do valor do ingresso é notado de forma mais evidente na torcida do Grêmio, devido ao modelo de gestão do estádio. Enquanto o Internacional administra os valores do Beira-Rio, seu rival depende dos preços impostos pela construtora da Arena, uma vez que a mesma não pertence ao clube. Discordo totalmente

Concordo totalmente

Discordo totalmente

Concordo totalmente

80


O preço dos ingressos após a modernização influencia a minha ida aos jogos do meu clube.

31,6% 24,1% 18,6%

16,8%

9%

Discordo Totalmente

Gráfico 24 340 respondentes (simples)

Como observamos anteriormente, o preço dos ingressos é o principal fator que afasta o torcedor do estádio. Com a maioria dos respondentes afirmando que o valor está relacionado com a sua presença na casa do seu time, conseguimos entender as médias de público cada vez mais baixas.

Concordo Totalmente

81


A modernização do estádio do meu time foi positiva para o clube.

52,5%

Gráfico 25 340 respondentes (simples)

Embora consumir futebol após a modernização tenha ficado mais caro, mais da metade dos respondentes concorda que a modernização foi positiva para os seus clubes.

26,7% 15,7% 2,9%

Discordo Totalmente

2,3%

Concordo Totalmente

82


Modernização para o clube conforme clubes.

Discordo totalmente

Concordo totalmente

Discordo totalmente

Concordo totalmente

Gráfico 26 340 respondentes (cruzada)

Podemos observar uma diferença entre as opiniões dos torcedores da dupla Gre-Nal. Mais da metade dos colorados concorda totalmente que a modernização foi saudável para o clube, enquanto que os gremistas também concordam, mas de forma não tão convicta. O índice de torcedores que não concordam é muito maior pela parte do Grêmio, que se deve ao fato da troca de localização do estádio e porque a Arena pertence à OAS, fazendo com que o clube tenha seu controle restringido até adquirir completamente a área. 83


A modernização do estádio do meu time foi positiva para os torcedores.

Gráfico 27 340 respondentes (simples)

De modo geral, os torcedores afirmam que a modernização dos estádios foi positiva para eles. 33% 21,7% 9%

Discordo Totalmente

23,2%

13%

Concordo Totalmente

84


Modernização positiva para torcedores conforme clubes.

Discordo totalmente

Concordo totalmente

Discordo totalmente

Concordo totalmente

Gráfico 28 340 respondentes (cruzada)

A satisfação de modo geral vem, majoritariamente, dos torcedores colorados. Os torcedores do Grêmio, somados, mostram insatisfação com a modernização. Com a troca da localização da casa do seu time, a rotina em dia de jogo mudou completamente. Ficou mais caro e mais demorado ir ao estádio sendo gremista, enquanto para os colorados a mudança ocorreu apenas nos preços - nada comparado ao aumento do lado azul.

85


A infraestrutura do estádio do meu time é satisfatória após a modernização.

70,7%

23,5%

0,6%

Discordo Totalmente

0,3%

4,9%

Gráfico 29 340 respondentes (simples)

Embora tenha tido um aumento no custo para consumir futebol pós modernização e uma parcela expressiva de torcedores tenha ficado insatisfeita de modo geral, os novos estádios dos maiores clubes da capital gaúcha trouxeram muitas mudanças positivas. Temos como exemplo a infraestrutura dos novos estádios.

Concordo Totalmente

86


Infra estrutura do estádio conforme clubes.

Gráfico 30 340 respondentes (cruzada)

A infraestrutura agrada tanto de modo geral, quanto separadamente, quase a totalidade dos participantes da pesquisa. Banheiros e bares mais higiênicos e organizados, fácil circulação na parte interna e externa e cadeiras trazem um conforto que, mesmo não sendo tão levado em conta para ir ao estádio como analisamos, é percebido pelo público. Discordo totalmente

Concordo totalmente

Discordo totalmente

Concordo totalmente

87


É visível a melhora na segurança do estádio do meu time após a modernização.

Gráfico 31 340 respondentes (simples)

A segurança pós modernização também satisfaz a maioria dos questionados.

27,2%

32,2%

31,9%

6,7% 2%

Discordo Totalmente

Concordo Totalmente

88


Melhora na segurança conforme clubes.

Gráfico 32 340 respondentes (cruzada)

Ambos estádios contam com uma grande equipe de seguranças, stewards e câmeras de vigilância para garantir a integridade dos torcedores, fator que era bem precário antigamente.

Discordo totalmente

Concordo totalmente

Discordo totalmente

Concordo totalmente

89


A presença de mulheres, crianças e idosos aumentou após a modernização do estádio do meu time

45,8% 31,3%

Gráfico 33 340 respondentes (simples)

Com tudo isso, o estádio torna-se um ambiente propício para todo o tipo de público, dos mais novos aos mais velhos, abrangendo homens e mulheres.

20,3%

1,2%

Discordo Totalmente

1,4% Concordo Totalmente

90


Mulheres, crianças e idosos conforme clubes

Gráfico 34 340 respondentes (cruzada)

Antigamente, estádio era visto como um lugar violento e frequentado apenas por homens, o que afastava famílias em geral, mulheres, crianças e idosos. Com a modernização, houve uma repaginada positiva e hoje em dia não tem mais essa distinção. Discordo totalmente

Concordo totalmente

Discordo totalmente

Concordo totalmente

91


Torcidas organizadas devem ser proibidas no estádio do meu time

As torcidas organizadas são mal vistas por boa parte dos torcedores e espectadores espalhados pelo Brasil, mas existe também o outro lado. Há quem diga que a torcida é o décimo segundo jogador, que tem o poder de empurrar o time pra vitória, reverter um placar desfavorável e dar uma festa nas arquibancadas.

75,4%

10,7%

Gráfico 35 340 respondentes (simples)

9,9%

3,5% 0,6%

Discordo Totalmente

Concordo Totalmente

92


Torcidas organizadas conforme clubes.

Gráfico 36 340 respondentes (cruzada)

Embora na maioria das vezes essas torcidas sejam protagonistas em confusões, os torcedores acham importante a presença e a festa delas dentro do estádio.

Discordo totalmente

Concordo totalmente

Discordo totalmente

Concordo totalmente

93


Bandeiras e sinalizadores devem ser proibidos no estádio do meu time.

Gráfico 37 340 respondentes (simples)

As torcidas do Sul do Brasil tem um jeito de torcer diferente do resto do mundo, com muito mais empolgação, sinalizadores, bandeiras - estilo de torcer “copiado” da Argentina, estilo sul

74,2%

americano em geral.

12,2% 7,5%

Discordo Totalmente

2%

4,1%

Concordo Totalmente

94


Bandeiras e sinalizadores conforme clubes.

Gráfico 38 340 respondentes (cruzada)

Isso faz com que esses artefatos que incrementam a festa na arquibancada sejam desejos da maioria dos torcedores. Entretanto, muitas vezes eles não proibidos até nos arredores dos estádios.

Discordo totalmente

Concordo totalmente

Discordo totalmente

Concordo totalmente

95


A proibição de bebidas alcoólicas dentro do estádio após a modernização foi uma medida positiva.

33,9% 17,1%

20%

18,6% 10,4%

Discordo Totalmente

Concordo Totalmente

Gráfico 39 340 respondentes |simples)

Para o brasileiro, futebol e cerveja são praticamente sinônimos. Antigamente a bebida era liberada em todos os estádios o que deixava muitas pessoas felizes, mas também gerava conflitos entre torcedores e tumulto. Podemos observar que, de fato, a maioria é contra a medida da proibição, mas também mostra números balanceados para os que concordam. É uma questão delicada. Liberar a bebida apenas em um dos tempos do jogo ou vender bebida alcoólica a uma distância X do estádio são questões discutidas. 96


Gamificação do futebol

97


O futebol europeu influencia o jeito de torcer do brasileiro.

30,7% 21,2%

25,8% 13%

Discordo Totalmente

9,3%

Concordo Totalmente

Gráfico 40 340 respondentes (simples)

O futebol europeu é o que possui mais audiência e está sempre numa crescente em número de espectadores e investimento. Entretanto, o jeito de torcer sul americano é majoritariamente contra o jeito de torcer dos europeus. Os estádios da Europa são conhecidos em sua maioria por possuir uma “atmosfera de teatro”. O torcedor gaúcho é resistência ao estilo europeu de torcer, mesmo que ele pareça ser imposto muitas vezes. Assim, observamos que uma pequena parcela concorde, pois muitos aspectos do futebol do exterior vêm sendo importado para cá nos últimos anos. 98


Por que o interesse dos mais jovens aumentou em relação aos times europeus?

Competições

Gráfico 41 340 respondentes (múltipla)

O interesse do brasileiro por times de fora, principalmente os da Europa, está crescendo cada vez mais. Destaca-se a quantidade de grandes jogadores presentes por lá. O torcedor brasileiro sempre teve a cultura de criar ídolos, independente do esporte vide Ayrton Senna e Guga - e com o futebol não é diferente. Como a maioria dos ídolos, brasileiros ou mundiais, estão jogando na Europa, cada vez mais os olhos se voltam para lá. A qualidade do futebol é outra questão que faz com que o interesse do torcedor daqui esteja voltado para lá, pois com ligas mais ricas conseguem contratar os melhores jogadores..

99


Você acha que os jogos de videogame aproximam o torcedor, especialmente dos mais novos, dos times europeus?

Gráfico 42 340 respondentes |simples)

Desses torcedores que estão se interessando pelo futebol de fora, os mais notáveis pertencem à nova geração. Crianças e adolescentes acompanham e muitas vezes torcem para os clubes de lá. Um dos motivos cruciais para esse fenômeno foram os jogos de videogame, que contam com os elencos, uniformes e estádios completos dos times europeus, enquanto para os times brasileiros, ou os jogadores não são parecidos, ou possuem nomes diferentes. Isso acaba gerando um distanciamento. 100


Você percebe um maior número de torcedores mais jovens (10-15 anos) usando camisas de times de fora do Brasil, seja dentro ou fora dos estádios?

Gráfico 43 340 respondentes |simples)

As análises apresentadas anteriormente ficam evidenciadas no número de camisas de times não brasileiros utilizados por crianças e adolescentes. Eles querem vestir as camisas que estão mais familiarizados. E cada vez mais essa aproximação é feita com times de fora.

101


Você acha que o fantasy game Cartola FC influência na rivalidade e no jeito de torcer?

Gráfico 44 340 respondentes |simples)

Você conseguiria torcer para um jogador rival marcar um gol para você marcar pontos em um fantasy game? As respostas são bem balanceadas, demonstrando que é mais uma questão pessoal de cada um ao seu modo de levar a rivalidade para fora do campo e conseguir separar as coisas.

102


Você acha que o mercado de apostas esportivas influência na rivalidade e na maneira de torcer?

27,2%

29,6% 23,5%

19,7%

Gráfico 45 340 respondentes |simples)

Você conseguiria apostar dinheiro na vitória do time rival? O comportamento se repete nessa situação. Com a opção “talvez” liderando o ranking, podemos perceber que varia muito de situação para situação. O contexto é o fator determinante para a realização da aposta.

103


Projetando o futuro

104


Qual cenário você imagina para o futuro do futebol?

Gráfico 46 340 respondentes |simples)

Observamos bastante equilíbrio entre as duas opções, embora estádios mais vazios ocupe a liderança. O maior número de votos nessa hipótese se explica pelo alto valor dos gastos para ir em um jogo após a modernização dos estádios e o surgimento de novas possibilidades de assistir uma partida de futebol, como apresentado anteriormente. Ambos motivos possuem a tendência de aumentar no futuro. O balanço nas respostas se explica pela paixão dos torcedores por futebol, que sempre encontram um jeito de estar no estádio apoiando seu time. 105


O quanto você acha que a forma de consumir futebol vai mudar em 5 anos?

36,7% 26,2%

26,6%

9,9% 3,5%

Pouco

Muito

Gráfico 47 340 respondentes |simples)

A maioria concorda que a maneira de consumir futebol vai mudar daqui 5 anos. Há alguns anos atrás, o monopólio das transmissões esportivas estavam no rádio e na televisão e, no dia seguinte, nas folhas de jornal. A internet, como já foi visto, modificou isso, com novas formas de consumo. Redes sociais, streaming e aplicativos surgiram para indicar que as transmissões vão ser de modo online em primeiro lugar. Em 5 anos, isso pode se concretizar, como também pode acontecer surgir algo novo. E isso seguirá acontecendo. 106


CONSIDERAÇÕES FINAIS 107


COMO O TORCEDOR ACOMPANHA FUTEBOL ATUALMENTE? ●

As pessoas gostam de assistir partidas junto de outras pessoas, sendo possível debater os acontecimentos do jogo .

A internet vai ganhando força enquanto televisão e rádio vão deixando de ser cada vez menos tradicionais.

108


O TORCEDOR E OS ESTÁDIOS ●

As novas formas de consumir futebol não afastam - por enquanto - por estarem na sua fase inicial.

Assistir uma partida no estádio é uma experiência melhor do que pelos outros meios e isso tem peso significante na escolha.

Os fatores que mais distanciam o torcedor do estádio segundo a pesquisa são o preço do ingresso, custos extras além do ingresso (alimentação, estacionamento) e violência.

Estádios se tornaram ambientes mais acolhedores para todos os tipos de públicos.

109


A INFLUÊNCIA DA GAMIFICAÇÃO NO FUTEBOL ●

Os videogames impactam diretamente a geração mais jovem e influenciam no apreço que eles sentem pelos times de fora.

Apostas esportivas e fantasy games influenciam na vida dos torcedores conforme eles levam a rivalidade para fora de campo.

110


O FUTURO DO CONSUMO DE FUTEBOL ●

A maioria acredita que haverá grande mudanças na forma de consumir futebol nos próximos 5 anos.

Novas tecnologias, aplicativos, serviços de transmissões online.

111


IMPLICAÇÕES MERCADOLÓGICAS 112


Em questões de mobilidade ao estádio (principalmente para a Arena do Grêmio), a solicitação para o departamento de trânsito da prefeitura de Porto Alegre uma mudança temporária no trânsito das regiões em que mais existe fluxo de carro no momento dos jogos, visando terminar com o engarrafamento.

113


Permissão da venda de bebidas alcoólicas no estádio de forma limitada, apenas em uma das metades dos jogos, agradando assim quem não gosta do excesso de bebida dentro do estádio e também quem gosta de consumir o produto.

114


Incentivar comércios locais, para que dessa forma existissem outras opções de estabelecimentos dentro do estádio com opções de preços para todos os torcedores.

115


Maior controle por parte dos seguranças e um aumento na punição de quem pratica as agressões. Seguranças com maior nível de treinamento e o uso de câmeras de monitoramento, com maior divulgação das imagens e penas.

116


Os clubes devem investir em aumentar/melhorar sua a comunicação na internet para estarem cada vez mais presentes. Criar e produzir conteúdo próprio e transmitir jogos em mídias sociais, utilizando cada vez mais os ídolos e jogadores mais famosos do elenco, além de ficar atento no crescente mercado da realidade virtual.

117


APÊNDICE 118


Questionário https://docs.google.com/forms/d/1gLg0gtnsPKr377ueS6eTis3n5aZ7LpGgblRiQSYzyxc/prefill

119


120

Profile for bemiltzman

Modernizaçāo dos Estádios  

Elaborar uma pesquisa pra identificar comportamentos

Modernizaçāo dos Estádios  

Elaborar uma pesquisa pra identificar comportamentos

Advertisement