Issuu on Google+

Informativo Bellman para Difusão de Tecnologia | bellman.com.br

18ª edição | Julho 2011

SUPLEMENTAÇÃO PRÉ-CONFINAMENTO A suplementação de bovinos de corte a pasto vem sendo utilizada como estratégia dentro de diferentes sistemas de produção. De modo geral, essa ferramenta não deve ser analisada somente em relação ao benefício/custo, em determinado momento ou categoria animal, e sim pelo que significa para o sistema como um todo. A viabilidade econômica dos sistemas de produção mais intensivos aponta sempre para resultados superiores em relação a sistemas extensivos, sendo a suplementação uma das principais estratégias de intensificação. Com a alta no preço das commodities, mesmo com o incremento na produção de grãos em relação à safra 2009-2010, estimase aumento no custo dos confinamentos brasileiros para o ano de 2011. Levantamentos atuais de custo de produção em confinamento indicam para valores semelhantes ao valor de venda. Tendo em vista a melhora do benefício/ custo na terminação desses animais, vale aproveitar os recursos disponíveis na época de transição entre águas e seca, como por exemplo, a disponibilidade de forragem ainda com qualidade satisfatória, para chegar com animais mais pesados no confinamento. A suplementação nessa fase de transição, conhecida também como suplementação pré-confinamento, consiste na utilização de um suplemento protéico-energético (BellPeso SV), durante um período que pode variar entre 90 e 120 dias, fornecido na quantidade de 0,3% a 0,5% em relação ao peso vivo dos animais. O BellPeso SV é um suplemento protéico-energético com 25% de PB, sendo 9% dessa proteína na forma de ureia (NNP eq. PB), enriquecido com promotor de eficiência alimentar (monensina sódica). O principal objetivo dessa estratégia de suplementação é aumentar o peso de entrada dos animais no confinamento, o que reflete na redução do período de permanência dos bovinos no sistema e conseqüente menor custo de terminação. Além do maior peso de entrada, a suplementação pré-confinamento melhora o manejo dos animais, que se tornam mais dóceis, além de proporcionar uma adaptação ruminal para o consumo de alto concentrado.

Essa pré-adaptação viabiliza maiores ganhos de peso no início do confinamento para os animais suplementados quando comparados com bovinos que não foram previamente adaptados ou não receberam nenhum tipo de suplementação protéica ou protéico-energética. Ganhos obtidos a pasto com suplementação são diretamente influenciados pela disponibilidade de forragem, valor nutricional da forragem e potencial genético de ganho dos animais. O ganho médio diário no período de águas é em torno de 500 g/cab/ dia para animais consumindo suplemento mineral. A utilização do suplemento proteico-energético promove acréscimos de ganho de até 300 g/cab/dia comparados ao suplemento mineral. Além da redução das diárias de confinamento, o que resulta em maior lucratividade do sistema, devemos destacar outro ponto que é a redução na área plantada destinada à produção de volumosos. Considerando que um boi consumiria em média 12,5 kg de silagem de milho por dia, a redução de 36 dias no período de confinamento equivale a 450 kg de silagem de milho a menos por animal confinado. Num confinamento de 1000 cabeças, são 450 toneladas de silagem a menos, ou seja, uma redução de 30% da área plantada com milho para silagem, que pode ser utilizada para formação de pastagens.

VOCÊ SABIA? 1. Ocorre uma adaptação dos microorganismos ruminais de acordo com o tipo de alimentação fornecida aos bovinos. 2. O crescente uso de dietas de alto grão em confinamentos no Brasil torna necessário o manejo nutricional adequado durante a fase de adaptação dos bovinos como meio de prevenir problemas digestivos. 3. O diferimento de pastagens é uma alternativa para reduzir os impactos negativos no sistema de produção causados pela estacionalidade na produção de plantas forrageiras. Essa técnica consiste em reservar uma determinada área no final da estação de crescimento, possibilitando que a forragem acumulada possa ser utilizada no período da seca. 4. O fornecimento de BellPeso SV aumenta a lotação em 25%, pois os animais deixarão de consumir parte da forragem proporcionalmente à quantidade de suplemento ingerida. 5. O fornecimento de BellPeso SV aumenta o rendimento de carcaça em relação aos animais suplementados com suplemento mineral.

Efeito da suplementação no custo total e período de confinamento Peso atual (kg): Período de suplementação (dias): Ganho médio diário (kg/cab/dia): Ganho no período (kg): Consumo médio do suplemento (kg/cab/dia): Custo do suplemento (R$/kg): Custo no período (R$/cab): Peso início do confinamento (kg): Meta abate (kg): Ganho médio diário no conf. Kg/cab/dia): Custo da diária (alimentação + operacional): Período de confinamento necessário: Custo do confinamento (R$/cab): Custo total de produção (R$/cab): Diferença (R$/cab): Diferença 1000 cabeças (R$)

Suplemento mineral

BellPeso SV

330 120 0,50 60 0,08 R$ 1,20 R$ 11,52

330 120 0,80 96 1,134 R$ 0,85 R$ 115,67

390 510 1,300 R$ 5,00 92 R$ 461,54 R$ 473,06

426 510 1,300 R$ 5,00 65 R$ 323,08

-

R$ 438,75 R$ 34,31 R$ 34.310,00


18ª edição | Julho 2011

Perguntas e Respostas

Resultados de Pesquisa e/ou Cliente

A suplementação protéico-energética há anos comprova a sua viabilidade, pois possibilita a engorda de animais com menores custos em plena entressafra ou até mesmo durante o período de safra, antecipando os animais ao confinamento. Se considerarmos um período de suplementação de 120 dias durante o período de seca com boa disponibilidade de massa de forragem, podemos obter ganhos de até 60 kg a mais com a suplementação protéico-energética. Considerando o custo do suplemento como sendo R$ 0,84/ kg e consumo médio de 1,60 kg/cabeça/ dia temos custo de aproximadamente R$ 161,30/cabeça no período, o que nos leva ao custo de R$ 80,65/@, valor esse que viabiliza a utilização desse tipo de suplementação haja vista que se enviados ao confinamento o custo da arroba engordada praticamente se iguala ao custo de comercialização, principalmente em anos como 2011 onde os grãos têm custos mais elevados.

420

79 dias

80 59 dias

378 kg

380

100

406 kg

95 dias

400

360

No período das águas do ano 2007, em parceria com a APTA – Colina, foi realizado um experimento com 135 animais machos, inteiros, cruzados, com peso inicial médio de 215 kg. No final do período das águas, os animais que receberam Lambisk V (Suplemento Mineral Protéico) apresentaram 20 kg a mais de peso médio e permaneceram 16 dias a menos no confinamento, quando comparados aos que receberam apenas suplementação mineral. Os animais tratados com BellPeso SV (Suplemento Proteico Energético) obtiveram um ganho extra de 57 kg e permaneceram 36 dias a menos no confinamento do que aqueles que receberam a suplementação mineral, conforme ilustra o gráfico abaixo.

60 40

349 kg

20

340 320

Suplemento Mineral

Lambisk VB

Peso médio no final das águas

Além disso, podemos considerar que a suplementação concentrada proporciona melhor adaptação dos animais ao manejo de alimentação no cocho e aos ingredientes utilizados, como farelos, ureia e aditivos. Esse processo pode ser uma forma eficiente de diminuir a possibilidade de ocorrência de distúrbios metabólicos.

Período de confinamento (dias)

Geralmente as pastagens tropicais não suprem os requerimentos de energia e proteína dos bovinos. Em pastagens tropicais, a relação proteína: energia é baixa e ambas são deficientes.

A suplementação pré-confinamento (águas) pode ser adotada como uma estratégia para melhorar a lucratividade do sistema de produção. Os animais suplementados com mineral protéico e protéico energético, em relação à suplementação mineral, estarão mais pesados no inicio do período de seca, época que coincide com a de entrada no confinamento e, com isso, haverá redução no tempo de permanência dos animais nesse sistema. Sabendo que custo nutricional da arroba engordada no confinamento é maior que o da suplementação a pasto, por meio dessas estratégias nutricionais, é possível diluir o custo médio das arrobas produzidas até o abate dos animais.

Peso médio no final das águas (kg)

Sou gerente de uma propriedade que realiza engorda de bovinos exclusivamente a pasto. Gostaria de saber como posso provar ao proprietário a viabilidade de terminar animais com suplemento protéicoenergético?

0

ellPeso SV

Período de confinamento (dias)

Vale ressaltar que, dependendo do peso mínimo de entrada determinado para o confinamento, esse maior ganho de peso no período que antecede a terminação possibilitará o fechamento e o abate de um maior número de animais na entressafra, aumentando assim a taxa de desfrute da propriedade.

Índice Bellman de Custo de Produção Cria

Recria e Engorda

Sistema produção

CST

Estação de monta Índice de fertilidade Produtividade (@ há de área útil) Taxa de desfrute Peso desmama (@) Custo de produção de bezerro

SP MT

CCT

Não 80,5% 4,69 36,4% 6,00

Sim 88,2% 5,28 37,9% 7,00

R$ 476,33 R$ 454,58

R$ 502,28 R$ 484,05

Sistema produção Produtividade (@/ha área útil) Taxa de desfrute Custo da @engordada

REBT: Recria e Engorda com Baixa Tecnologia REMT: Recria e Engorda com Média Tecnologia REAT: Recria e Engorda com Alta Tecnologia CST: Cria Sem Tecnologia CCT: Cria Com Tecnologia Estes cálculos não consideram juros sobre os ativos e patrimônio líquido

REBT 4,95 36,4%

SP R$ 85,27 MT

R$ 81,86

REMT 7,49 50,0%

REAT 13,98 80,0%

R$ 91,77 R$ 100,34 R$ 88,09 R$ 94,82

Departamento Técnico Bellman Nutrição Animal


Direto do Campo 18