Issuu on Google+

Jornadas Pedagógicas No dia 24 de fevereiro de 2012, decorreram na sede do agrupamento, as Jornadas Pedagógicas sob a forma de workshops com temas adequados a cada ciclo de ensino.PAG 16

Semana da Leitura

De 5 a 9 de março, todos os estabelecimentos de ensino do Agrupamento de Escolas da Corga promoveram a Semana da Leitura, que este ano, por proposta do Plano Nacional de Leitura (PNL), se centrou no tema da Cooperação e da Solidariedade.PAG 18

3º Sarau de Poesia No último dia de aulas do 2º período, 23 de março, decorreu no nosso Agrupamento, o 3º Sarau de Poesia promovido pela Biblioteca. PAG 14

JANEIRO|FEVEREIRO|MARÇO | TRIMESTRAL | ANO 2012

1 Página 1,00 Eur


F

oi com fé renovada que alunos e professores encararam o segundo período e, de mangas arregaçadas, meteram mãos à obra. Fruto de um trabalho de equipa e de socialização, surgiram momentos de enriquecimento cultural, retratados nesta edição, que expressam o conceito de educação que o nosso Agrupamento defende, isto é, um sistema aberto onde a herança cultural de saberes, ideias e valores são tidos em conta, mas também a transmissão de conhecimentos de forma dinâmica e motivadora. Foi um tempo de reflexão, na medida em que alunos e professores e outros membros da comunidade educativa, através do Corguinhas, tiveram a oportunidade de exprimir os seus sentimentos e observações, exteriorizando o pensamento, deixando transparecer a imagem de um agrupamento cujo ambiente propicia a «formação e elevação do carácter». Despedimo-nos com uma palavra de estímulo, agradecimento e apreço para todos aqueles que colaboraram e tornaram possível esta nova edição do nosso jornal. Votos de uma Santa Páscoa! A Direção

EDITORIAL

A Páscoa é tempo de reflexão e renovação da fé

Clube de Jornalismo Ana Oliveira e Rita Botelho

N

o passado dia 6 de janeiro, organizado pela Biblioteca, realizou-se na Escola Sede do nosso Agrupamento, o Concurso Nacional de Leitura, 1ª fase. Neste concurso, os 85 alunos inscritos (na disciplina de Língua Portuguesa) dos 7º, 8º, 9º anos e CEF C tiverem de ler a obra “História de uma Gaivota e do Gato que a ensinou a voar”, do escritor chileno Luís Sepúlveda. Este escritor nasceu em 1949 e escreveu, até hoje, dezenas de livros tais como, “ As Rosas de Atacama” e “Crónicas do Sul” que poderás encontrar na nossa Biblioteca. Após a leitura da obra, os participantes realizaram uma prova online para apurar 3 alunos que representarão a nossa Escola a nível distrital. Ficaram apuradas para esta tarefa as alunas: Ana Oliveira, Mariana Silva e Rita Botelho, do 7ºA. Parabéns às três! A fase distrital do Concurso Nacional de Leitura 2012, do distrito de Aveiro, vai decorrer na Biblioteca Municipal de Ílhavo, no dia 11 de abril. Os livros selecionados para a 2ª fase do Concurso são da autoria de Alice Vieira, “Viagem à roda do meu nome”, da editora Caminho, e de Brian Selznick, “A invenção de Hugo Cabret”, da Gailivro. Este último, serviu de argumento ao filme recentemente premiado com 5 óscares pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Los Angeles.


Dia de Reis

| Articulação

com J I / Eb1 e Centro Social de Gião

“Festa das Fogaceiras” |

Centro Escolar de Lobão

- As educadoras Filomena e Faustina

O

Dia de Reis foi comemorado em articulação com a Eb1 e o Centro Social de Gião. As crianças do JI e Eb1 cantaram as Janeiras nas ruas circundantes ao JI/ escola. A primeira casa a visitar foi o Centro Social. Nesta instituição, que iniciou a sua atividade em Novembro, fomos muito bem recebidos. A diretora abriu as portas e as crianças puderam entrar e cantar as Janeiras para todas as funcionárias e crianças da creche. As crianças gostaram de ver as instalações, seus primos e irmãos. Todos tiveram o privilégio de conviver com as crianças de faixa etária diferente.

20 de janeiro É um dia especial. Saem fogaças quentinhas, As melhores de Portugal! No dia 20 de Janeiro É só para divertir, Há fogaças e doces Para saborear e distribuir… As fogaças já fazem parte Da nossa tradição, Graças a uma promessa Feita ao São Sebastião. Para afastar a peste É preciso cumprir a tradição, Fazer uma linda festa, Com alegria e devoção. Em tempo de peste negra A promessa foi feita E, anualmente, em Janeiro, A fogaça a todos deleita. Quando cheira a fogaça Bate mais o coração. Venham à Feira festejar Com a nossa procissão! Fogaças quentinhas e loirinhas Enfeitadas de bandeiras, Na cabeça das meninas Na procissão vão altaneiras. As crianças levam à cabeça A fogaça a S. Sebastião, Para não voltar a doença E cumprir a tradição... De fogaça à cabeça, Fita azul à cintura, Lá vai a fogaceira Que tudo faz pela cura. No castelo de Santa Maria da Feira Eu vi uma fogaceira levava uma fogaça bonita e a menina era bem catita!

Os alunos do Centro Escolar de Lobão, do ensino pré-escolar e do 1º Ciclo, dedicaram uns versinhos divertidos a S. Sebastião e à Festa das Fogaceiras, no âmbito das comemorações do Feriado Municipal. A atividade foi um êxito e contou com mais de uma centena de quadras, dedicadas à tradição mais emblemática do nosso concelho.

As fogaças têm quatro torres Para os castelos lembrar…

É em Santa Maria da Feira que se faz Para a peste não voltar! Ó linda fogaça És símbolo das terras de Santa Maria, És a esperança De que a peste não volte um dia...

Às meninas e aos meninos Muitas fogaças vamos dar. No dia 20 de Janeiro, Com esses mimos, vamos festejar. Vou comer uma fogaça, Gosto dela bem quentinha. Mas que boa está a massa, Gosto mais com manteiguinha! Minhas queridas fogaças, Neste terno mês de Janeiro, Cuidai da minha pobre alma, Pois os meus bolsos não têm dinheiro!

JANEIRO|FEVEREIRO|MARÇO | TRIMESTRAL | ANO 2012

Página 3


Festa das fogaceiras |

Articulação do JI / BE / 1º

ano do 1º ciclo ::: As educadoras Filomena e Faustina

A

s crianças do JI de Gião trabalharam em redor das tradições da festa das fogaceiras, com atividades de expressão plástica, culinária, história e lenda. No dia 17 de janeiro, as crianças do JI dramatizaram a história da fogacinha, para as crianças do 1º ano do 1º ciclo. Posteriormente, a professora bibliotecária, Inês Santos, passou um PowerPoint da mesma história na tela. As crianças gostaram das atividades e de conviver com os seus colegas. Confeção de fogaças e caladinhos no JI As crianças do JI confecionaram fogaças e caladinhos nas salas de aula, com a orientação das educadoras. Foi muito aliciante e todas as crianças tiveram contacto direto com os ingredientes e utensílios necessários. Esta atividade culminou com um lanche convívio, sala A e sala B, onde as crianças saborearam as fogaças e caladinhos que ajudaram a confecionar. Esta atividade teve a colaboração da Associação de Pais e a Pastelaria “Luar de Canedo”.

Jardim de Infância de Gião|Proteção Civil

N

o passado dia 5 de janeiro de 2012, as crianças do JI de Gião, participaram no Plano de Segurança da Proteção Civil, realizando o simulacro de evacuação das salas de aula, sob a orientação das educadoras. As crianças foram sensíveis, gostaram de realizar a atividade e empenharam-se em concretizar bem todas as tarefas.


EB 2,3 DA CORGA RENOVA PARTICIPAÇÃO | NO PROJETO PARLAMENTO DOS JOVENS – Ensino BÁSICO ::: A Coordenadora do Projeto (Amélia Rocha) e os 3 Deputados Eleitos

(9.º C - Alexis Mota; 9.º A - Rui Jesus e Miguel Cardoso)

N

o âmbito do Projeto Parlamento dos Jovens – Ensino Básico, cujo tema do presente ano letivo é “Redes Sociais: combate à discriminação”, decorreram, a convite da sua respetiva Coordenadora, duas sessões de esclarecimento subordinadas ao tema “Redes Sociais (benefícios, malefícios, discriminação social, segurança, funcionamento da Assembleia da República, papel do Deputado, a crise política, social e económica atual, a Troika, papel dos jovens em todos estes subtemas, entre outros)”, dinamizadas pelos agentes da Escola Segura de Santa Maria da Feira (dia 3 de Janeiro, entre as 14h e 30m e as 16h e 30m) e pelo ex-deputado da Assembleia da República, pelo Bloco de Esquerda, José Soeiro (dia 11 de Janeiro, entre as 15 e as 17h), ambas na Biblioteca da Escola Sede, nas quais estiveram presentes os elementos das duas Listas (A e B) propostas a eleição. Na opinião dos alunos que nelas participaram (3 do 7.º A; 4 do 8.º B; 5 do 8.º E; 4 do 9.º A e 4 do 9.º C), estas sessões foram bastante atrativas, produtivas e esclarecedoras, uma vez que nelas tiveram acesso, numa linguagem acessível e através de um conjunto de estratégias/atividades diversas e apelativas (“brainstorming”, exposição, projeção de apresentações tecnológicas, realização oral de questionários e debates acesos e deveras interessantes e atuais), a uma panóplia alargada de informações que lhes permitiram esclarecer algumas dúvidas, aprofundar determinados conhecimentos e fundamentar/ enriquecer as suas opiniões sobre o tema/subtemas abordados, ou

seja, prepará-los para serem futuros cidadãos ativos, interventivos e críticos, enriquecendo-os como pessoas e estudantes. Esperam, sincera e ansiosamente, que todas estas “ s e m e n t e s ” comecem já a dar os seus frutos na Sessão Distrital, que decorrerá no dia 12 de Março, no Centro das Artes e do Espetáculo de Sever do Vouga, entre as 9 e as 18 horas, onde participará, entre outros convidados, o deputado da AR, pelo CDS-PP, Raúl Almeida, e onde estarão a concurso 45 Escolas do distrito de Aveiro, representadas por 3 deputados cada (2 efetivos e 1 suplente), perfazendo um total de 135 elementos.

JANEIRO|FEVEREIRO|MARÇO | TRIMESTRAL | ANO 2012

Página 5


O Girino Curioso | Bárbara Suavinha, n.º2, 5ºE

Workshop |

CRIATIVIDADE ::: A psicóloga, Filipa Rafael

N

a semana de 23 a 27 de janeiro o Serviço de Psicologia e Orientação levou a Criatividade até à Biblioteca, à semelhança do que aconteceu no ano letivo anterior. Os alunos do 5º ano de escolaridade puderam, de uma forma bastante interativa, perceber o conceito da criatividade, a sua enorme abrangência, uma vez que é transversal a todas as áreas de conhecimento. Basta estarmos atentos ao que nos rodeia, para percebermos que tudo o que existe é fruto da capacidade criativa de alguém. Num segundo momento, os nossos alunos, de forma bem prática, deram asas à sua inspiração e de olhos fechados, sentiram a música e fizeram “dançar” o lápis numa folha em branco, para seguidamente interpretarem, de forma imaginativa, o traçado abstrato e tentarem descobrir formas, assim como fazemos quando olhamos para as nuvens e tentamos adivinhar as suas formas. O terceiro passo foi a escrita: criativa! O objetivo principal deste Workshop de escrita criativa foi que, de uma forma bastante interativa e divertida, os nossos alunos pudessem desenvolver as suas capacidades criativas e também perceberem que para sermos criativos temos que ser sempre persistentes!

A mãe rã pôs ovos muito redondos. Pareciam bolinhas de sabão muito, muito pequeninas. Ainda ficou algum tempo a admirá-los, mas, como não tinha muito tempo, foi-se embora. Passados uns dias os ovos eclodiram e deles nasceram girinos. Um deles era muito curioso e, às vezes, só fazia asneiras. Um dia, foi para longe do rio, entrou numa corrente e foi afastado por uma onda encaracolada que o arrastou até ao mar. A água tinha um sabor esquisito e fazia-lhe ardor na pele. A raia que estava a descansar, ao vê-lo aflito, aproximouse, ajudou-o a regressar a casa e aconselhou-o a ter mais cuidado nas suas aventuras. Ficaram grandes amigos e costumavam conversar na foz. O girino do lado da água doce e a raia do lado da água salgada!

Hora do Conto – A Biblioteca em ação! A coordenadora da BE

N

o dia 16 de janeiro, a Professora Bibliotecária, Ana Paula Couto, dinamizou a Hora do Conto (nos JI de Aldeia Nova; JI e EB1 de Candal; JI e EB1 Igreja e Viso – Guisande) com a obra “ A viagem de Laura às estrelas”, de Klaus Baumgart. Os miúdos partiram no foguetão que Laura e o seu irmãozinho, o Pedro, construíram. Laura visitou a sua estrela especial e o Pedro quis encontrar as estrelas dos cães. E lá fomos nós pelo espaço fora... Uma história sobre o mundo maravilhoso dos sonhos, das engenhocas e da imaginação, com o qual as crianças se identificaram... e que aos adultos trouxe muitas memórias de infância. A Professora Bibliotecária, Inês Santos, também desenvolveu esta actividade nos JI Fornos Guisande, JI Ribeiro, JI Pessegueiro, JI Póvoa 1 e 2 com o conto “A Casa da Mosca Fosca” de Eva Mejuto e na EB1 Póvoa com a dinamização do conto “ A Melrita”, António Rubio.


La Chandeleur | Clube de Jornalismo - Adriana Mota, Diana Pedrosa, Ana Margarida Santos

N

o dia 2 de fevereiro, comemora-se, em França, “La Chandeleur”, a Candelária, que decorre quarenta dias depois do Natal. Esta tradição teve origem no tempo dos romanos e era uma festa em honra do deus Pan. O Papa Gelasius 1º, em 472, decidiu introduzir a festa no Cristianismo. “La Chandeleur” passou a simbolizar a purificação da Virgem Maria. Na atualidade, neste dia, fazemse procissões de velas em sua honra. “La Chandeleur” é também conhecida como o dia dos crepes e é um dia mágico para os franceses. Segundo a tradição, quem está a fazer os crepes deve pegar na frigideira com a mão direita e, na mão esquerda, deve apertar uma moeda. Se ao virar o crepe, este cair na frigideira dará sorte para essa pessoa todo o ano. Na nossa escola , o grupo de Francês e os alunos do 3º Ciclo, assinalaram “La Chandeleur”. Durante todo o dia, os sétimos, oitavos e nonos anos venderam crepes de todos os tipos: com compotas, com chocolate ou simples (com açúcar e canela), assim como bebidas. Vários alunos e professores comeram crepes e deliciaram-se…

Recette • 250g de farine • 4 oeufs • un demi-litre de lait • 1 pincée de sel • 50 grammes de beurre • 1 sachet de sucre vanillé

JANEIRO|FEVEREIRO|MARÇO | TRIMESTRAL | ANO 2012

Página 7


“Dia Escolar da Não Violência e da Paz” |

N

o dia 1 e 2 de fevereiro de 2012, a equipa do Projeto da PES, em articulação com a Biblioteca dinamizou uma atividade no âmbito da comemoração do “Dia Escolar da Não Violência e da Paz”. Os alunos do 5º ano tiveram a oportunidade de ouvir a história do “Soldado João”, de Luísa Ducla Soares e concluir o final da mesma, apelando à criatividade. Os objetivos desta atividade foram os seguintes: - sensibilizar os alunos para a convivência saudável entre pares respeitando as diferenças individuais; - fomentar os deveres de respeito, tolerância, diálogo e solidariedade entre as pessoas; - reconhecer um ato de violência em todos os setores da vida; - compreender que a violência sempre leva a consequências graves, quer para a vítima, quer para o agressor. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas em homenagem a Mahatma Gandhi, nascido nesse dia no ano de 1869, na Índia. Mahatma Gandhi foi um dos maiores líderes pacifistas da história, levando

Corta Mato|

C

Equipa da PES

multidões a conhecer e a praticar o significado da não-violência, na sua luta pela independência da Índia. Certa vez, o líder indiano comentou: “Posso até estar disposto a morrer por uma causa, mas nunca a matar por ela!”. Os quatro principais pensamentos eram a verdade, o amor, a nãoviolência e a cooperação. Foi com eles que, não só lutou contra os maus tratos e discriminações que os indianos sofriam na África do Sul, como ainda foi através deles que obteve a independência da Índia. Quando, em certos momentos, a violência começou a manifestar-se entre os indianos, Gandhi praticou o jejum, por duas vezes, colocando em risco a sua própria vida, com o objetivo de sensibilizar os seus seguidores a não fazer uso da violência. O termo “não-violência” em sânscrito – “ahimsa” – tem o significado profundo de não dano, não prejuízo. Daí surge a ideia central desse conceito que nos inspira a sermos pacíficos, o que é bastante diferente de ser passivo. É agir de forma coerente

e firme, norteados pelos nossos ideais, sem aceitar qualquer forma de violência. A escola não está isolada da sociedade e todas as questões relacionadas com a violência são igualmente válidas para este espaço. É também um ambiente onde inúmeras relações humanas se constituem e, como em qualquer ambiente social, essas relações experienciam os mais diversos sentidos. As crianças e jovens estão numa busca constante de referências, exemplos e modelos, por isso as escolas são dos ambientes mais propícios para que se dê a aprendizagem de valores que norteiam uma sociedade pacífica, como o respeito, a ética e a justiça. Adaptado de http://www.naoviolencia.org.br

O grupo de Educação Física, Clube de Jornalismo (João Gomes)

omo é do conhecimento da comunidade escolar, no dia 16 de novembro, decorreu na nossa escola o CortaMato. A participação foi grande por parte dos alunos. Decorreram diferentes provas para diferentes escalões de ambos os sexos. Esta atividade desportiva faz parte do Plano Anual de Atividades e a sua realização foi um sucesso, na medida em que os objetivos deste evento foram inteiramente conseguidos. Os alunos apurados, os seis primeiros de cada escalão, foram representar a nossa escola no Corta-Mato Fase CAE, que decorreu no dia 8 de fevereiro em Santa Maria da Feira. Nesta prova, participaram todas as escolas da CAE, por isso mesmo tornouse numa atividade de confraternização desportiva. Os nossos alunos estiveram num bom nível já que obtivemos o terceiro lugar coletivo em Juvenis Masculinos.


Visita ao Pavilhão da Água |

3º ANO – Centro Escolar de Lobão

D

ia 11 de janeiro, visitámos o Pavilhão da Água, no Porto. Para fazer a viagem até ao Porto, utilizámos o autocarro cedido pela Câmara. Na viagem, passámos pelo rio Uíma e, também o rio Douro. Ao atravessar a ponte da Arrábida vimos o Palácio de Cristal, hoje Pavilhão Rosa Mota, o Planetário e a foz do rio Douro (local onde o rio se junta com o mar). Chegámos ao Pavilhão da Água e verificámos que fica numa zona bastante arborizada. À porta do Pavilhão, fomos recebidos por um funcionário que explicou como iria decorrer a visita e as regras que deveríamos cumprir. Já dentro do Pavilhão, houve um guia que nos mostrou todas as experiências. Na primeira experiência, vimos que há líquidos com densidades diferentes e que, por isso, não se misturam, são imiscíveis. Na mesma sala, vimos um pequeno filme sobre o ciclo da água e como ela é tratada para podermos bebê-la. Também fomos alertados para não desperdiçar a água porque precisamos dela para viver. Foi muito interessante ver o que podemos fazer utilizando a força da água! Mas também descobrimos que a água pode esconder alguns perigos.

6º anos no RIVOLI |

N

Ana Silva, Helena Cruz, Mónica Maia, 6ºA

o dia 14 de março, nós, alunos do 6º ano, fomos ao teatro Rivoli assistir à representação da peça “Ulisses”, obra que já conhecíamos, pois estivemos a estudá-la na aula. Foi diferente, pois como diz o ditado “Quem conta um conto…. acrescentalhe um ponto”. Gostámos muito, foi divertida e engraçada. Gostávamos de ter mais visitas de estudo assim!

JANEIRO|FEVEREIRO|MARÇO | TRIMESTRAL | ANO 2012

Página 9


Visita animada ao teatro Diana Ribeiro, 9º C

N

o passado dia 7 de Fevereiro, as turmas do 9ºano e do CEF C, acompanhadas pelos respetivos professores, partiram numa pequena viagem rumo ao Teatro “ O Sonho”, para assistiram à representação da peça, “ Auto da Barca do Inferno”, de Gil Vicente. Durante o percurso de autocarro, viveramse momentos de ansiedade e diversão, pois todos se interrogavam como seria o espetáculo a que iriam assistir. Já à porta do auditório, registou-se um alegre convívio. Até entrarem, os alunos aproveitaram para lanchar e conviver ao som de músicas animadas interpretadas à viola por uma das alunas. De seguida, entraram e assistiram à peça, que, por sua vez, durou uma hora e trinta minutos. Todos permaneceram em silêncio, intervindo apenas quando solicitados pelos atores. Os mesmos eram bastantes expressivos e conseguiram cativar a atenção de todos, sem exceção. A peça permitiu uma melhor compreensão do texto dramático estudado nas aulas e arrancou umas boas gargalhadas aos adolescentes. Em suma, esta peça serviu para alargar os horizontes dos discentes e concluir, de uma forma animada, o estudo do texto vicentino abordado no decurso do primeiro período. Foi uma ótima experiência que todos pensam repetir…

Semana da Internet Segura A coordenadora da BE e a Equipa PTE

D

e 7 a 10 de fevereiro, as Professoras Bibliotecárias, Ana Paula Couto e Inês Santos, em articulação com a Equipa PTE,

implementaram várias sessões, na Biblioteca, de sensibilização ao uso correto e seguro da Internet, para todas as turmas do 1º e 2º Ciclos. A utilização da Internet tem alguns riscos associados, dos quais se deve ter consciência, para que se possa agir em conformidade e segurança. Apesar dos riscos associados à sua utilização,

o perigo é não a utilizar! Seria completamente errado, pelo facto de reconhecer os riscos que a Internet pode representar, deixar de a utilizar com receio das consequências que podem resultar da sua utilização. Para finalizar a Semana da Internet Segura, no dia 10 de fevereiro, a Coordenadora da BE e a Equipa PTE convidaram dois agentes da GNR - Escola Segura para fazerem uma palestra sobre esta

temática. Desta vez, os destinatários foram os alunos do 9º ano e CEF. A criminalidade na internet, o uso indevido da imagem, a preservação da intimidade,o ciberbullying... foram alguns dos temas abordados que agradaram aos alunos e a alguns EE que aceitaram o convite e assistiram à palestra, que decorreu no polivalente, dado o número de participantes exceder a capacidade da BE: cerca de 100! Ainda integrado no tema da Segurança e Criminalidade na Internet, no dia 28 de fevereiro, um agente da Polícia Judiciária, a convite da Direção Executiva, dinamizou uma sessão dirigida aos 7º e 8º anos.


S. VALENTIM | 9ºA e DT (Fernanda Ribeiro)

E

ste ano, os professores de Inglês incitaramnos, uma vez mais, à comemoração do dia de S. Valentim. Nas aulas desta disciplina, fomos incentivados a participar nas atividades para este dia, através da ilustração de cartões, que teriam que estar escritos unicamente em Inglês e que, numa perspetiva de reciclagem, seriam depositados nas caixas construídas no ano transato. No dia 14 de fevereiro, como esperado, foram distribuídos os cartões pelas diferentes turmas. De salientar, que todos os postais foram, previamente, revistos pelas docentes, no sentido de evitar possíveis constrangimentos. Nas aulas, todas as turmas ouviram músicas românticas adequadas à sua faixa etária e efetuaram exercícios de preenchimento de espaços, trabalhando desta forma a língua. Graças ao grupo de Inglês esta atividade foi realizada com sucesso e foram muitos os que receberam o seu cartão, símbolo de amor ou de amizade.

Postais d a turma d o 5ºA

A equipa da PES

No dia 14 de fevereiro de 2012, com o objetivo de Comemorar o dia de S. Valentim, a equipa do projeto da PES em articulação com a Biblioteca e o SPO promoveram três sessões de esclarecimento sobre a “Violência no namoro”, como forma de prevenção. Esta atividade destinou-se a alunos dos cursos de educação formação e profissionais, tendo contado com a presença da Dra. Carla Ferreira, psicóloga da APAV e com a Drªa Filipa Rafael, psicóloga do nosso Agrupamento. Na Biblioteca, esta sessão de esclarecimento foi promovida pela Dra. Carla Ferreira e destinou-se aos alunos da turma C do CEF e a

todos os alunos que frequentam os três cursos profissionais (10ºA, 11ºA e 12ºA). Em contexto de sala de aula (CEF A e B), as sessões foram dinamizadas pela nossa psicóloga. Os alunos tiveram a oportunidade de esclarecer as suas dúvidas relativamente a este assunto. Assim sendo, os objetivos foram concretizados, a saber: sensibilizar os alunos para a convivência saudável entre pares respeitando as diferenças individuais; fomentar os deveres de respeito, tolerância, diálogo e solidariedade entre as pessoas; reconhecer um ato de violência em todos os setores da vida; compreender que a violência sempre leva a consequências graves, quer para a vítima, quer para o agressor. JANEIRO|FEVEREIRO|MARÇO | TRIMESTRAL | ANO 2012

Página 11


Um pouco de história: O Dia dos Namorados é celebrado naquele que até 1969, era o Dia de São Valentim. No entanto, a Igreja Católica decidiu não celebrar os santos cujas origens não são claras. Isto porque, até nós, chegaram relatos de pelo menos dois Valentim, santos martirizados, diretamente relacionados com o dia 14 de Fevereiro. As raízes deste dia remontam à Roma Antiga e à Lupercália, festa em homenagem a Juno, deusa associada à fertilidade e ao casamento. O festival consistia numa lotaria, onde os rapazes tiravam à sorte de uma caixa, o nome da rapariga que viria a ser a sua companheira durante a duração das festividades, normalmente um mês. A celebração decorreu durante cerca de 800 anos, em Fevereiro, até que em 496 d.C., o Papa Gelásio I decidiu instituir o dia 14 como o dia de São Valentim, para que a celebração cristã absorvesse o paganismo da data.

Afetos |

A

CE Lobão

família representa o núcleo onde a afetividade acontece, e onde as crianças aprendem a reagir, emocionalmente, às alterações do mundo exterior e em si próprias. Segue-se a escola onde estas aprendem a expressar as suas necessidades, emoções e sentimentos, daí a importância de atividades que promovam atitudes de partilha, colaboração, interajuda e que proporcionem o contacto com a comunidade envolvente e a cultura. Aproveitando o dia dos namorados, foram realizadas atividades de articulação com o 1º ciclo e a Biblioteca do Centro Escolar de Lobão. As crianças reconheceram momentos importantes da vida pessoal e da comunidade e partilharam informação através de frases coerentes e da realização de trabalhos decorativos, de expressão plástica, em colaboração com a família.

Desfile de Carnaval |

A Educadora Fé Oliveira

Viva a alegria, viva a folia e a companhia.

O

Carnaval teve mais animação no dia 17 de Fevereiro na Póvoa com as crianças da Eb1 e jardins de infância a desfilar pela rua. A fantasia deu asas à imaginação. A alegria e a boa disposição reinaram.


Pequeno Grande C |

A responsável pelo Clube de Leitura, Ana Paula Couto

O Pequeno Grande © é um projeto promovido em parceria pela AGECOP – Associação para a Gestão da Cópia Privada e a Fundação Calouste Gulbenkian, dirigido às escolas do 1º e do 2º ciclos do Ensino Básico, onde se leva a concurso um livro de autor, a realizar por jovens entre os 6 e os 12 anos de idade, no âmbito de uma turma escolar. Procura-se premiar sobretudo a singularidade e a originalidade expressas numa criação coletiva pelos jovens autores. O livro de autor, ao qual desde logo chamamos OBRA, constitui um objeto único a concurso mas testa três atividades criativas distintas: a construção do livro propriamente dito, a criação de uma narrativa e a respetiva ilustração.”

Paula Couto), os alunos da turma C do 6º ano (DT:Lisdália Ferreira) e as docentes do Departamento de Expressões (Paula Gomes, Idalina Pinto e Anabela Santos) aceitaram o desafio da Gulbenkian e participaram no Concurso Pequeno Grande C. Foi uma experiência enriquecedora que contou com a participação e trabalho em equipa de vários intervenientes, que trabalharam em interdisciplinaridade. Os alunos perceberam que fazer um livro (criar o texto, reescrevê-lo, criar a ilustração, criar o livro,..) é um ato de coragem, onde a criatividade é uma condição imprescindível!

http://pequenograndec.org/o-que-e-opequeno-grande-c

Este ano, a EB1 de Gião, os alunos do Clube de Leitura (dinamizado pela coordenadora da BE - Ana

JANEIRO|FEVEREIRO|MARÇO | TRIMESTRAL | ANO 2012

Página 13


No último dia de aulas do 2º período, 23 de março, decorreu no nosso Agrupamento, o 3º Sarau de Poesia promovido pela Biblioteca. Este foi dinamizado em articulação com os Clube de Poesia, Leitura e Música, a Equipa da Educação Especial, os Grupos de Língua Portuguesa e Educação Musical, o 1º Ciclo (Candal, CE Lobão, Póvoa, Gião), o Pré-escolar (Candal, Póvoa). Os alunos estiveram muito bem e os Encarregados de Educação aderiram em massa para aplaudir os seus educandos. Ao longo do Sarau, houve a atribuição de prémios de alguns Concursos/Actividades dinamizadas durante o 2º período: Concurso Nacional de Leitura, Concurso de Leitura Expressiva (LP, FR, ING), Olimpíadas da Ortografia. Muito obrigada a todos (alunos, professores, encarregados de educação) os que prepararam atividades, contribuíram para a decoração do espaço, auxiliaram no dia (som, luz, entradas e saídas de palco)! Estes momentos só são possíveis quando, em articulação, todos trabalhamos para o mesmo fim!


JANEIRO|FEVEREIRO|MARร‡O | TRIMESTRAL | ANO 2012

Pรกgina 15


Sampaio Mai

Prof. Dr. João

pré-escolar

T o d o s o

Aa v a l i a ç ã

• Os debates produzidos acerca dos temas correspondem a espaços únicos de troca de experiencias que são tão do agrado dos docentes, numa partilha de saberes e conhecimentos teórico-práticos. Por vezes, os profissionais intelectuais necessitam de espaços e oportunidades para dar vez e voz aos seus anseios, angústias, encantos e desencantos, numa escola cada vez mais complexa e saturante. Precisávamos de uma atividade diferente, que se pudesse direcionar para o desenvolvimento da profissionalidade docente. Elencadas

ó g g a i d c e

c º

1

O

24 as fev

• Cada ciclo de ensino encerra vários tipos de preocupações e necessidades formativas que lhes são próprias e que convinha tentar dar resposta; • As temáticas escolhidas para as jornadas correspondem aos anseios dos respetivos docentes na medida em que foram selecionadas pelos próprios;

as temáticas para o debate, sugeridas pelos próprios professores com base nas suas necessidades formativas e laborais, chegamos à seguinte agenda: “o número no préescolar”, “o funcionamento da língua e o novo acordo ortográfico” no 1º ciclo, “a pedagogia diferenciada” e “a família como estratégia de combate à indisciplina” nos restantes ciclos, a que seguiu uma sessão conjunta dos cerca de 120 professores para ouvir dissertar sobre a “avaliação das aprendizagens”. Os palestrantes são ilustres professores universitários. Julgamos ter sido uma bela jornada de trabalho reflexivo. De enaltecer o envolvimento da direção do agrupamento na iniciativa e a ajuda preciosa de outros docentes. Desta realização concluímos pela sua utilidade temática, oportunidade e pertinência profissional. Foram desenvolvidas num clima de empatia, participação construtiva e rigor no cumprimento das tarefas. Pensamos ter atingido os objetivos a que nos propusemos.

das p a n

• Em ano de transição para um novo modelo da ADD era importante que os docentes fizessem uma pausa na rotina dos seus trabalhos profissionais diários para realizarem uma reflexão conjunta sobre temas de educação;

O número no

N

o dia 24 de fevereiro de 2012, entre as 15.30 h e as 18.00 h, decorreram na sede do agrupamento, as Jornadas Pedagógicas sob a forma de workshops com temas adequados a cada ciclo de ensino. Foi mais uma ideia desenvolvida pelo departamento das Ciências Humanas e Sociais. Porque se decidiu por este tipo de abordagem? As razões são pacíficas, pelo menos para nós:

Pré- escolar

O Coordenador do Departamento: Fernando Lima

iro j ere or

Jornadas Pedagógicas |

es

O

tr

a


a u

e

am

o l n c o i i

c nc fuA O

o t n

da

g n lí

i n ó

é

e r t s

s o J

ta s o C o

t n A

e

Pedagogia Diferenciada | Professor Fernando Lima

M

creditamos que diferenciar é uma pedagogia que envolve várias etapas que ajudam o aluno a construir uma aprendizagem significativa. Seguindo a linha de pensamento de Perrenoud (1997), diferenciação não é apenas “romper com a pedagogia magistral – a mesma lição e os mesmos exercícios para todos ao mesmo tempo – mas é sobretudo uma maneira de pôr em funcionamento uma organização de trabalho que integre dispositivos didáticos de forma a colocar cada aluno perante a situação mais favorável ao seu processo de aprendizagem.” Por isso, é fulcral preocuparmonos sempre com a organização dos espaços, a colocação dos materiais indispensáveis e a elaboração e colocação de registos facilitadores da sua utilização pelos alunos, para que haja uma maior autonomia no trabalho que vão desenvolver. Pode definir-se, então, como o procedimento que procura empregar um conjunto diversificado de meios e de processos de ensino e de aprendizagem, a fim de permitir a alunos de idades, de aptidões, de comportamentos, de savoir-faire heterogéneos, mas agrupados na mesma turma, atingir, por vias diferentes, objetivos comuns (Gomes, 2001). Ela implica a utilização de estratégias diversificadas, visando o maior sucesso possível para todos os alunos. Esta é uma preocupação importante numa escola que tem de ser para todos, constituindo um interessante desafio aos professores. Para permitir o sucesso educativo a todos os alunos, o professor tem de proporcionar condições adequadas às suas diferentes características (Sá, 2001). Portanto, “A diferenciação pedagógica é a identificação e a resposta a uma variedade de capacidades de uma turma, de forma que os alunos, numa determinada aula, não necessitem de estudar as mesmas coisas ao mesmo ritmo e sempre da mesma forma” (Grave-Resendes, 2002). Esta conceção de diferenciação pedagógica acentua o papel do professor como organizador de respostas para que a aprendizagem de cada aluno possa processar-se. Não implicando a exclusão de momentos coletivos, de trabalho de grupo ou de trabalho direto aluno-professor, a diferenciação pedagógica assume a heterogeneidade como um recurso fundamental da aprendizagem:

2º, 3º c

A peda

iclos e s

gogia d

en vo at lv ég im ia en de to co fa m m

integra novas formas de tutoria entre alunos (ensino mútuo), adota a colaboração dos alunos no estudo e as estratégias cooperativas de aprendizagem. Torna o aluno autor da sua aprendizagem e parceiro do professor e dos colegas, invertendo o sentido do ato pedagógico e a forma de gerir o currículo. Portanto, diferenciar não significa individualizar o ensino: significa que as regulações e os percursos devem ser individualizados num contexto de cooperação educativa que vão desde o trabalho contratado ao ensino entre pares. Esta mudança de uma pedagogia centrada no professor e no ensino igual para todos para uma pedagogia centrada no grupo – aceitando, integrando e valorizando a diversidade, como fator natural em todos os grupos humanos – não é fácil. A diversidade dos alunos exige que a escola não se limite a oferecer a igualdade de oportunidade em termos de acesso à educação. A diversidade dos alunos exige diversidade de respostas no processo educativo. Esperar que os alunos de uma mesma turma atinjam os mesmos objetivos, com o mesmo ritmo de trabalho, através das mesmas atividades, sob uma mesma metodologia de ensino, apesar da diversidade de características pessoais, estilos de aprendizagem e conhecimentos prévios, é uma esperança vã, pela improbabilidade de se conseguir. A via da uniformidade não concebe a diversidade como um aspeto enriquecedor da própria comunidade escolar (turma, escola, país).

ecundá

iferenc

iada

Prof. D

r. Rui Tr

rio

indade

JANEIRO|FEVEREIRO|MARÇO | TRIMESTRAL | ANO 2012

Página 17


Semana da Leitura |

D

A Coordenadora da BE

e 5 a 9 de março, todos os estabelecimentos de ensino do Agrupamento de Escolas da Corga promoveram a Semana da Leitura, que este ano, por proposta do Plano Nacional de Leitura (PNL), se centrou no tema da Cooperação e da Solidariedade. Todas as atividades letivas e extracurriculares desenvolvidas foram vocacionadas e orientadas para a “promoção dos hábitos e do gosto pela leitura; para a partilha e a aproximação de diversas gerações de leitores; para o alargamento dos olhares e as perspetivas sobre o mundo.” (PNL). Por conseguinte, a equipa das bibliotecas, os professores titulares, os docentes dos diferentes grupos disciplinares e das atividades extra-curriculares, os Clubes (Poesia e Teatro), os Encarregados de Educação, os familiares, os alunos, a comunidade em geral, em diferentes registos e abordagens, numa articulação transversal do(s) currículo(s ), deram o seu contributo para a valorização da leitura. Deste modo, a abertura oficial da Semana da Leitura foi marcada pela atividade Ler?Claro! que

consistiu num momento de leitura partilhada (contos selecionados pela equipa da biblioteca) feito ao mesmo tempo, por todas turmas do Agrupamento. Posteriormente, foram implementadas atividades diversificadas e calendarizadas durante toda a semana, nos diferentes estabelecimentos de ensino: Olimpíadas da Ortografia, Concursos de Leitura Expressiva, Feiras do Livro, Chá de Versos, Workshops sobre Língua Gestual/ Vamos escrever um conto, convite às escritoras Manuela Mota Ribeiro, Palmira Martins e Gracinda Sousa, Ler no Recreio, Ler na Biblioteca, Ler na Sala de Aula, Ler Lá Fora, Ler na Cantina, Hora do Conto promovida pelos Encarregados de Educação/ Familiares e pelos próprios alunos, dramatizações diversas, ilustrações, corda de contos, árvore da leitura, exposições… Esta semana foi bastante intensa e contou com o envolvimento, direto ou indireto de toda a comunidade educativa. Todos, em sintonia, fizemos da leitura uma aventura na qual vale a pena acreditar… Muito obrigada a todos!


JANEIRO|FEVEREIRO|MARร‡O | TRIMESTRAL | ANO 2012

Pรกgina 19


Escola do Viso - Guisande recebeu escritora Alunos de Viso-Guisande

N

o dia oito de março, a EB 1 do Viso - Guisande, teve o privilégio de receber a visita da escritora Manuela Mota Ribeiro, conjuntamente com alunos mais novos do Jardim de Infância de Fornos e da E.B.1+J.I. de Igreja – Guisande. A escritora fez a apresentação do seu livro infantil “ O Jardim do Arco Íris”, que nos incentiva a não desistir, mesmo quando o cenário se revela negativo, e que apela ao valor do esforço e do trabalho em conjunto, em direção a um objetivo comum. Foi um momento único e muito especial vivido por todos os intervenientes.

Candal recebeu a escritora Palmira Martins na Semana da Leitura Alunos da Escola do Candal

N

o passado dia 12 de março, a escritora Palmira Martins, autora de o “Grilinho Tenor”, visitou a EB1 de Candal, escola onde lecionou durante 10 anos (1983-1993). Foi muito terno ver a forma calorosa como a escritora reviu antigos funcionários (alguns vieram propositadamente) e antigos alunos e colegas! A sua obra “O Grilinho Tenor” recomenda-se! Uma obra onde a liberdade é de ouro! «Que

bom foi recordar os lugares, as pessoas e até os cheiros... desse tempo tão feliz! Fui muito bem recebida por exalunos que me apresentaram orgulhosamente os seus rebentos. E que lindos são esses meus alunos-netos (será que a palavra existe?). Os livros têm também o poder de unir gerações. Obrigada a todos.»


Teatro “O macaco de rabo cortado”, de António Torrado (obra PNL recomendada para o 3.º ano)

Alunos da Escola do Viso

Revista: “Quero Saber”

Clube de Jornalismo [Bruno Santos, Diogo Moura, Jéssica Oliveira [8ºA]

A

revista que sugerimos é “Quero Saber”. Esta revista aborda temas como Ciência, Ambiente, Tecnologia, Transportes, História, e ainda Espaço. Quase todas as edições da revista trazem uma entrevista com especialistas da ciência, melhores cientistas, cientistas engenheiros, professores da ciência… Aconselhamos esta revista porque ficamos a saber como funcionam as novas Tecnologias, os Transportes do passado do presente e do futuro, ficamos a saber mais sobre História, ficamos a saber como está o ambiente na atualidade, como é que a ciência está a evoluir, e ficamos a saber mais sobre o espaço. Consulta-a na Biblioteca!

JANEIRO|FEVEREIRO|MARÇO | TRIMESTRAL | ANO 2012

Página 21


Associação Salvador

Alexandre Santos, Dylan Barbosa, Paulo Santos, Vítor Duarte, Samuel Costa [7ºC]

A

Associação Salvador lançou um desafio a todas as escolas do nosso país. A nossa escola aceitou participar neste projeto: acessibilidade e integração de pessoas portadoras de deficiência motora. Este trabalho está a ser desenvolvido com a turma do 7º B, na disciplina de Formação Cívica, com a orientação da diretora de turma, Ana Maria Marques, e da professora de Educação Especial, Anabela Bastos. Além disso, a turma de CEF Pré-Impressão, com a docente Anabela Santos, a turma do

7ºA, com o docente António Mota e a docente Ana Paula Araújo também colaboram na concretização deste projecto. Neste momento, está a decorrer um concurso de fotografia aberto a toda a comunidade- “Fitar com a objetiva”. As outras etapas apresentadas no projeto estão a ser desenvolvidas. No dia 11 de maio, a nossa escola irá contar com a presença de Salvador Mendes, fundador da Associação, que irá dar uma palestra.

Aprender fazendo

Professoras de Educação Especial Anabela Bastos e Marisa Araújo

M

uito daquilo que aprendemos passa pela experimentação, pela ação e envolvimento sobre o que nos rodeia. Desta forma ativa e motivadora abrem-se as portas para a aprendizagem. Valorizando esta vertente do saber, estamos a desenvolver com os alunos, de Currículo Específico Individual, atividades de cariz mais prático, as quais têm sido do seu agrado. Destacamos a confeção de bolos, como aquela cujo impato é mais evidente, quer junto dos alunos envolvidos, quer nos que se deliciam a degustar os apetitosos doces. O cheirinho a bolinho quente e bom exala pelo espaço escolar, aguçando o sentido olfativo de quem passa. Deixamos uma “película” fotográfica desses momentos, que por certo ficará impregnada na memória de quem os vivenciou.


A

Tatiana Bastos é uma aluna do CEF A (Curso de Jardinagem e Espaços Verdes) e, recentemente foi-lhe diagnosticada princípio de pneumonia.

Curiosidades…

Pessoas famosas que tiveram o mesmo problema de saúde… O Eusébio da Silva Ferreira mais conhecido por “Pantera Negra”, o melhor jogador português de sempre, foi internado numa unidade hospitalar lisboeta, em dezembro 2011, com uma pneumonia bilateral provocada por a uma gripe mal curada.

ntes Ingredie 4 ovos o na de óle er 1 cháve a a ferv u g na de á e v á h c 1 farinha 225g de em pó ocolate h c e d g 75 açúcar 275gde ra: cobertu Para a ensado n o ite c d iga lata de le e mante e sopa d colher d linária te de cu Chocola ração: e prepa Modo d s, a os ovo óleo Misturar o r, o açúca . De ó farinha, p m colate e ua a e o cho g á a , juntar seguida com ferver. forma a a r Untar a c Colo . a ig te rno a man var ao fo le e a s mas cozer.

Sabes o que é a pneumonia? A pneumonia é uma infeção aguda do tecido pulmonar. Habitualmente, é acompanhada de alterações auscultatórias, apresentando o doente sintomas os seguintes sintomas: tosse produtiva com expectoração, dores no tórax, febre, arrepios e falta de ar. Na maioria dos casos, o diagnóstico da doença confirma-se através de uma radiografia ao tórax. Podem, também, ser efetuados exames bacteriológicos da expectoração e do sangue, com o fim de identificar o microrganismo responsável. O Streptococcus pneumoniae é o principal microrganismo (bactéria) implicado na pneumonia. O tratamento é feito recorrendo ao uso de antibióticos.

O meu diário….

Tudo começou num sábado à tarde, dia 11 de Fevereiro, quando decidi ir assistir a um “jogo de futsal” do meu amigo Jouse. Nesse dia, a temperatura ambiente estava muito baixa e no pavilhão sentia-se muito frio e não estava propriamente bem agasalhada. Terminado o jogo, fui para casa, uma vez que me sentia cansada e com vontade de dormir. Deitei-me no sofá a ver televisão e acabei por adormecer ali mesmo. Já eram oito horas quando a minha mãe me acordou para jantar. Assim que me levantei senti tremuras e fui medir a temperatura corporal registando cerca de 38.7 C°. Imediatamente tomei “brufen 600” para reduzir a febre e adormeci novamente. No domingo continuava a não ter melhoras, até pelo contrário, estava pior, tendo-se mantido esta situação até segunda-feira. A minha temperatura não baixava, apesar de estar a tomar o “ brufen”. A minha mãe estava preocupada e decidiu levarme à clínica “Medilobao”, tendo sido diagnosticado um princípio de pneumonia. O médico receitou-me vários medicamentos, entre eles antibióticos que são eficazes no tratamento antibacteriano. Estive de atestado cerca de onze dias, e em descanso absoluto. Foi um sacrifício para mim ter ficado em casa, mas valeu a pena, pois estou curada e voltei à escola. Só aprendemos com os erros, agora ando sempre bem agasalhada

JANEIRO|FEVEREIRO|MARÇO | TRIMESTRAL | ANO 2012

Página 23


Entrevista à professora Lisdália Ferreira |

Clube de Jornalismo - Cátia Silva, Ana

Rita Jesus, Débora Costa

N

esta edição do jornal, o Clube de Jornalismo decidiu fazer uma entrevista à professora Lisdália Ferreira, docente do 2º ciclo, que leciona as disciplinas de História e Língua Portuguesa, sobre o seu desenvolvimento profissional neste agrupamento, noutras escolas onde já lecionou e as diferenças que encontrou no ensino ao passar destes anos.

Clube de Jornalismo (CJ) - Há quantos anos leciona? Professora Lisdália Ferreira (PLF) - Comecei a lecionar, sem interrupção, no dia um de outubro de 1973.Sinto esse dia, ainda, muito perto… CJ - Em que escolas já lecionou? PLF - Colégio Castilho em S. João da Madeira, Escola Preparatória de S. João da Madeira, Teixeira Lopes em Vila Nova de Gaia, Preparatória de Fiães, Pedrógão Grande, Castelo de Paiva, Lourosa e Corga. CJ - Há quantos anos leciona no nosso agrupamento? PLF - Este é o décimo ano que trabalho nesta escola. CJ - Que diferenças apontaria em relação aos alunos que encontrou quando começou a trabalhar no nosso agrupamento e os de agora? PLF - Sinto que ao nível do respeito, do saber ser, principalmente fora da sala de aula, hoje, há alguns alunos que não cumprem regras, não se respeitam a si próprios e fazem tábua rasa das hierarquias. O calão utiliza-se como se fosse a norma. O respeito pelo outro e que se aprende e pratica no seio familiar, se foi transmitido, fica ao portão da escola. Essas atitudes entristecem-me, pois os alunos de hoje têm condições, ferramentas, que há dez anos eram inimagináveis e não estão a aproveitá-las. Quanto

CJ - O que pensa da educação, hoje?

às competências, os alunos hoje são mais autónomos, mais criativos, mais críticos e com alguma capacidade de intervenção. CJ - Sabemos que desenvolveu, em várias escolas e nesta, projetos ligados ao Clube de Teatro. Como nasceu o seu interesse pelo Teatro? PLF - Este “bichinho” entrou na escola primária. Para desenvolver a nossa capacidade de memorização os professores faziam dramatizações de textos, declamação de poemas e recitação de lengalengas. Eu adorava! No liceu, logo no segundo ano, participei na representação de pequenos papéis e coreografias. Marcou-me! Lembro-me, perfeitamente, de estar no palco dum teatro do Porto a participar numa coreografia do Danúbio Azul! Fica para sempre… Depois, mais crescidinha, finais da década de sessenta e início dos anos setenta, juntamente com outros, criámos um grupo de teatro amador na freguesia que apresentava um ou dois trabalhos por ano e íamos também às freguesias vizinhas. Servíamo-nos do teatro para consciencializar as pessoas para algumas “verdades” que não podiam ser ditas. Como professora vou incentivando os alunos a fazer pequenas dramatizações. É uma atividade que, duma forma lúdica, os ajuda a desinibir, enfrentando uma plateia.

PLF - Hoje, quando penso no ensino tenho a tendência para dizer que os alunos não estudam, não se interessam... Mas a escola mudou. O acesso ao conhecimento está facilitado. Num “click” os alunos têm acesso a variadíssima informação. Hoje, as bibliotecas escolares são espaços de consulta, de leitura e de partilha atrativos. A escola de hoje forma pessoas mais críticas e interventivas, pois valoriza novas competências e põe à disposição dos alunos atividades extracurriculares diversificadas. Fazemse reformas e experimentam-se modelos. O professor de hoje não debita matéria, orienta o aluno na construção do seu conhecimento. Hoje, a educação põe ao dispor do aluno ferramentas que o ajudarão a ser um cidadão interveniente, responsável e empreendedor. CJ - A curto prazo entrará numa nova fase da sua vida. A ideia da reforma assusta-a ou agradalhe? Porquê? PLF - Quando penso na reforma tento imaginar o que será o meu diaa-dia sem alunos e, sinto um vazio muito grande. Estou a completar trinta e nove anos de ensino. Foi o que sempre fiz, tenho a profissão que escolhi por vocação e sinto que se perder o convívio com os jovens vou envelhecer muito rapidamente e ficar rezingona. Terei de arranjar uma alternativa à escola.


“ O LIVRO EM VIAGEM” |

A

A educadora Fé Oliveira

Biblioteca Municipal de Santa Maria de Feira veio visitar os jardins de infância da Póvoa no dia 3 de março com um conto intitulado “ A princesa Clarisse”. Num mundo distante, do outro lado do arco-íris, existe um reino feito de trapos e de sonhos: o Mundo da Fantasia. Nele vivem princesas, fadas, duendes e outros seres todos feitos de trapos encantados, cheios de cor e magia. Através desta iniciativa o núcleo pedagógico da BM da Feira promove o livro e a leitura junto das crianças.

“Escola de Educação Rodoviária de Fiães |

A Educadora Fé Oliveira

N

o dia 15 de fevereiro as crianças da Póvoa contactaram, in loco, com o espaço da “Escola de Educação Rodoviária”. Sensibilizá-los para os cuidados a ter na circulação em via pública como peões, ciclistas e passageiros contribui para o enriquecimento de saberes na área da educação cívica.

Exposição de viaturas dos Bombeiros da Arrifana| Direção Executiva Esta exposição de viaturas dos Bombeiros de Arrifana decorreu no dia 6 de março, no âmbito das atividades a desenvolver no Clube de Proteção Civil da EB 2/3 da Corga e do Projeto da proteção Civil de Santa Mª da Feira/Segurança na escola. As turmas envolvidas foram os 5ºs e 6ºs anos da EB 2/3 da Corga. As turmas puderam observar 2 ambulâncias 1 autotanque e 1 veículo de desencarceramento.

Integrado na temática da segurança: Simulacro na Escola Sede! JANEIRO|FEVEREIRO|MARÇO | TRIMESTRAL | ANO 2012

Página 25


A ÁRVORE É… |

Pedro

Santos, 6ºC

A árvore é o palco da brisa, Onde as folhas são a orquestra E como esta não gosta da solidão, Lá tem os animais como multidão. A árvore é a alegria, Onde o poeta Encontra a sua fantasia. A árvore é um cofre, Onde se pode guardar Segredos de um pirata, Que navegou pelo mar.

Diálogo da manhã sobre o Inverno JI Póvoa N.º 1 - Vale

Faz muito frio (Leandro) Por vezes cai neve (Gonçalo) Chove muito, mas este ano quase não choveu (Luísa) Quase não há folhas nem flores (Ismael) Gostamos de estar no calor da lareira (Mariana) Vestimos roupas quentinhas (David) A roupa é feita de lã (Rita) A lã nasce num animal (Leonor) Aquele que faz mé, mé (Francisco) A ovelha (André)


Bispo na EB1/JI de Gião |

EB1 de Gião

No dia 16 de maio, a Escola Básica do 1º ciclo e o Jardim de Infância de Gião receberam a visita do Excelentíssimo Reverendíssimo Sr. Bispo Dom João Lavrador, no âmbito da Visita Pastoral. As crianças acolheram o Sr. Bispo entoando algumas canções, seguindo-se a apresentação de um conto alusivo aos valores da amizade e da generosidade. Espontaneamente, os alunos tiverem oportunidade de colocar questões que foram acolhidas de uma forma simples e calorosa. No final, foi plantada uma oliveira como símbolo da paz que todos queremos alcançar.

ESTAFETA DE CONTOS – CONTO COM(TIGO) | A Biblioteca Escolar(BE) deste Agrupamento integra a rede de Bibliotecas Escolares de Santa Maria da Feira e trabalha em parceria com a Biblioteca Municipal (BMSMF). No âmbito desta parceria, integrou o projeto ESTAFETA DE CONTOS – CONTO COM(TIGO) partilhando com as crianças a magia das histórias e passando-as como testemunho para o(a) contador(a) seguinte. Assim, no dia 30 de janeiro na BE de Gião, recebemos a professora bibliotecária Mafalda Silva da BE de Caldelas, que presenteou as crianças com o conto “Como a Mãe e o Pai se Apaixonaram” de Katharina Grossmann-Hensel. Dando seguimento ao projeto, coube à nossa equipa levar o testemunho à BE da EB1 de Milheirós no dia 2 de fevereiro com o conto “Baba Yaga” de Taï-Marc Le Thanh. Na BE da EB1 da Igreja-Lobão a 14 de fevereiro, recebemos a professora bibliotecária Elsa Bastos da BE do Mirante-Canedo que, celebrando o dia dos afetos, apresentou o conto “Apaixonados” de Rébecca Dautremer. Envolvidos na mística do dia as crianças espontaneamente cantaram a música “Embeiçados”

equipa da BE

dos Clã. De seguida, fomos passar o testemunho à BE da EB1 de Romariz no dia 16 de fevereiro com o conto “A melrita” de António Rubio. No dia 01 de março, mais uma vez, recebemos a professora bibliotecária Mafalda Silva da BE da EB1 de Avenida-Fiães, na BE do Centro Escolar de Louredo, que divertiu todos com o conto “A formiga horripilante” de Liz Pichon. Concluímos a nossa participação na estafeta de contos levando o testemunho ao Pólo de Leitura de Lourosa no dia 08 de março para um público do pré-escolar, com o conto “A casa da mosca Fosca” de Eva Mejuto. É de salientar a atenção e interesse de todas as crianças envolvidas nesta mágica viagem, e a forma espontânea como aderiam à reflexão, sobre os valores inerentes aos contos, orientada pelas contadoras. É sem dúvida um projeto a continuar.

JANEIRO|FEVEREIRO|MARÇO | TRIMESTRAL | ANO 2012

Página 27


PRÉMIOS 1º prémio: cheque prenda FNAC no valor de 50 euros 2º prémio: cheque prenda FNAC no valor de 30 euros 3º prémio: cheque prenda FNAC no valor de 20 euros Todos os concorrentes receberão um certificado digital de participação. A cerimónia de entrega dos prémios aos vencedores decorrerá na sede do agrupamento no dia 11 de maio. FICHA TÉCNICA JORNAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CORGA DE LOBÃO TRIMESTRAL. ANO I | JANEIRO/FEVEREIRO/MARÇO 2012

www.aecorga.pt

Diretor: Equipa do Clube de Jornalismo Design e Paginação: Anabela Santos | CEF Operador Pré-Impressão Colaboraram nesta edição: Direção Executiva, Equipa da Biblioteca, Professora Amélia Rocha, Equipa PES, Professores da EB1 Gião, Grupos de LP, Inglês e Educação Física, Coordenador do Departamento de Ciências Sociais e Humanas, Educadoras Filomena, Faustina e Fé Oliveira, Grupos de CN e CFQ, Equipa da Educação Especial, Alunos do Clube de Jornalismo (Ana Rita Jesus, Débora Costa, Cátia Silva, Rita Botelho, Diana Pedrosa, Ana Oliveira, Adriana Mota, Alexandre Santos, Dylan Barbosa, Paulo Santos, Samuel Costa, Diogo Moura, Filipe Mota, João Costa, Bruno Santos, Vânia Santiago, Paulo Santos, Alexandre Santos, Jéssica Oliveira, Vitor Duarte), Alexis Mota (9ºC), Rui Jesus e Miguel Cardoso (9ºA) Alunos do CE Lobão, Psicóloga, Filipa Rafael, Bárbara Suavinha, 5ºE, Ana Silva, Helena Cruz, Mónica Maia, 6ºA, Diana Ribeiro, 9ºC, Alunos do 9º A, Alunos e Professores de Viso-Guisande, Alunos e professores de candal Nota: Os artigos são da responsabilidade dos autores.


jornal escolar