Issuu on Google+

RENATURALIZAÇÃO DAS ESCOMBREIRAS A. Raquel Barrocas, M. João Carvalho & Emanuel Bento Prof.-orientadores: Alda Fidalgo e João Fidalgo

A actividade mineira que, desde os finais do século XIX, se desenvolveu na região das Minas da Panasqueira, foi provocando profundas alterações na paisagem da área envolvente. Nestas minas extrai-se tungsténio, cobre e estanho. Os impactos paisagísticos e químicos da actividade mineira devem-se essencialmente às escombreiras antigas e recentes de grande volumetria, às águas de circulação da mina, estação de tratamento de águas e lixiviados. Neste trabalho pretendeu-se realizar estudos nas escombreiras do Cabeço do Pião, onde se recolheram materiais da escombreira e plantas primocolonizadoras daqueles depósitos, os quais foram utilizados nos laboratórios de Geologia e Biologia em várias experiências. Primeiramente a amostra da escombreira foi caracterizada em termos de granulometria e teor de matéria orgânica. Esta informação foi utilizada para verificar as eventuais alterações em aspectos anatómicos e fisiológicos de espécies vegetais plantadas em ganga e em solo de controlo, com idêntica textura e origem litológica. As alterações potenciais no material vegetal foram inicialmente comparadas a nível macroscópico mas, posteriormente, também ao nível do conteúdo de clorofilas a e b, utilizando técnicas espectrofotométricas. A mesma técnica foi também utilizada para comparar, do ponto de vista do respectivo vigor, exemplares da mesma espécie vegetal, dentro e fora das escombreiras. Os resultados alcançados apontaram para uma evidente afectação da cor e do teor de clorofila das espécies habitantes nas zonas das escombreiras, a par das observações efectuadas nas antigas escombreiras do Cabeço do Pião, forneceram pistas de que as espécies mais adequadas para uma mais rápida recuperação paisagística e consolidação da escombreira são a urze e o pinheiro.

75


resumo Escombreiras maria75