Page 1


Índice Introdução ......................................................................................................................... 4 1.

Análise DEPEST ....................................................................................................... 4 1.1.

Demográfico ...................................................................................................... 4

1.2.

Económico ......................................................................................................... 5

1.3.

Político ............................................................................................................... 6

1.4.

Ecológico ........................................................................................................... 6

1.5.

Social ................................................................................................................. 7

1.6.

Tecnologia ......................................................................................................... 7

2.

Resultados dos inquéritos .......................................................................................... 8

3.

Estratégia de comunicação ...................................................................................... 10 3.1.

Objetivos .......................................................................................................... 10

3.2.

Público-alvo ..................................................................................................... 10

3.4.

Mensagem ........................................................................................................ 11

4.

Conceito criativo ..................................................................................................... 11

5.

Estratégia de media ................................................................................................. 11

6.

Cronologia ............................................................................................................... 13

7.

Avaliação ................................................................................................................. 13

8.

Sugestões ................................................................................................................. 14

Conclusão ....................................................................................................................... 15 Referências Bibliográficas .............................................................................................. 16 Apêndices .................................................................................................................... 19 Apêndice 1 – Análise SWOT...................................................................................... 19 Apêndice 2- Conceito criativo da Resize the Box ....................................................... 19 Apêndice 3- Porta cartões ........................................................................................... 20 Apêndice 4- Logótipo da equipa Resize the Box ........................................................ 20 Apêndice 5 – Apps Concorrentes ................................................................................ 20 Apêndice 6 – Tem um smartphone? ........................................................................... 21 Apêndice 7 – Usa apps no seu smartphone?............................................................... 21

2


Apêndice 8 – Usa apps de marcas no seu smartphone? ............................................. 22 Apêndice 10 – Porque instalaria uma app de descontos? ........................................... 22 Anexos ............................................................................................................................ 23 Anexo 1 – Taxas de crescimento efetivo e migratório (%), Portugal, NUTSII, 20112016 23

3


Introdução Foi proposta à equipa Resize the Box o desenvolvimento de uma campanha de lançamento da aplicação Butikk, desenvolvida pela empresa belga True North. Criada com o objetivo de aumentar o conhecimento sobre o consumidor nos estudos de mercado, funciona num formato win-win em que os utilizadores respondem a um curto inquérito sobre a sua experiência em determinada loja e, em troca, recebem pontos de descontos aplicáveis a um vasto conjunto de lojas. Todavia, antes da Butikk entrar no mercado português torna-se essencial analisar o mercado, conhecendo os seus potenciais consumidores e mapeando a concorrência. Só assim conheceremos as necessidades do nosso público-alvo. Posto isto, começou-se por uma análise DEPEST, que permitiu conhecer a conjuntura do mercado e os desafios a enfrentar, seguida da aplicação de um questionário imprescindível para uma adequação da melhor estratégia de comunicação para alcançar um nível significativo de notoriedade. Devido ao facto da True North ser uma start-up, a estratégia delineada baseou-se em meios below the line; a mensagem e respetiva difusão foram elaboradas tendo em conta a acessibilidade, os custos e os prazos, adequando-a ao público-alvo e objetivos definidos para a Butikk.

1. Análise DEPEST 1.1.Demográfico Do total de residentes em Portugal, 2.8 milhões são habitantes da Área Metropolitana de Lisboa. Segundo os dados do INE (Instituto Nacional de Estatística), relativos aos Censos 2011, o município de Lisboa tem uma população residente de 547 773 habitantes, sendo 45,82% do sexo masculino e 54,18% do sexo feminino. Num contexto de globalização, a procura de informação e posicionamento estratégico torna-se uma necessidade. A cidade de Lisboa representa 64,0 mil milhões de euros de PIB, sendo 1,7% desse montante correspondente a despesas de investigação e desenvolvimento. Lisboa tem-se assumido uma localização privilegiada para sedes regionais ou europeias de empresas multinacionais, que conta com a presença de 311 mil empresas, sendo que 92 mil se encontram no centro da cidade. Estima-se que, sendo Portugal o sexto país mais envelhecido do mundo, a sua população tem vindo a diminuir anualmente. Apesar disso, estima-se que a cidade de 4


Lisboa vá aumentar a sua população residente, passando a ter mais habitantes que a região norte. Em 2016, teve uma taxa de crescimento efetivo, taxa de crescimento natural e taxa de crescimento migratório positivo, contrastando com as restantes regiões portuguesas, excluindo o Algarve (Anexo 1, p. 22).

1.2.Económico O ano 2008 ficou marcado pela crise no ocidente, primeiro financeira e depois, consequentemente, económica e social, e que 5 anos mais tarde volta a atingir a vitalidade do espaço europeu. Neste contexto, Portugal é um dos países afetados e que atravessou

um

processo

de

empobrecimento,

consequentemente

necessitando

intervenção de entidades externas. Em 2013, segundo o Banco de Portugal, verificou-se uma contração da atividade económica em Portugal, subjacente principalmente ao nível da procura interna e no sector do consumo privado. Segundo dados do estudo Target Group Index (TGI), também os hábitos dos portugueses, no que concerne o consumo e posse de bens e serviços, acompanham esta tendência, registando-se uma retração do consumo para grande parte dos bens FMCG (Fast Moving Consumer Goods) e non-FMCG. Confrontado com o contexto de crise, o consumidor português tornou-se mais ponderado e informado, tendo alterado os seus comportamentos de compra, sendo que as mudanças mais visíveis incluem uma melhor gestão do orçamento disponível, com vista à contenção de gastos. Assim, há uma maior adesão a vouchers e vales de desconto, havendo menos disponibilidade para pagar mais, quer seja por qualidade ou impulso. Todavia, a Internet e as novas tecnologias vieram ocupar um papel de maior destaque na vida dos portugueses. Atente-se para o facto de um quarto dos portugueses instalar nos seus dispositivos móveis aplicações, de preferências gratuitas e relacionadas com jogos, redes sociais online e comunicações. No que respeita aos hábitos de consumo, segundo dados da Marktest, em 2016, cerca de 5 mil indivíduos afirmaram procurar promoções e saldos de alimentação e bebidas, o que equivale a 62% dos residentes de Portugal Continental, com idades superiores a 15 anos de idade. A categoria de produtos para o lar é a segunda de maior procura por preços com descontos (54,8%), à qual se segue os produtos de higiene e cosmética (52,8%). Até aos 44 anos de idade e indivíduos de classes sociais mais altas, registam-se taxas de procura de promoções e saldos mais elevados, nas duas primeiras categorias de produtos mencionadas anteriormente. 5


Em 2017, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), apresentados pelo Diário de Notícias, relativos ao poder de compra em Portugal, registaram-se valores acima da média nacional em 33 dos 308 municípios, face ao ano de 2015. Estes resultados verificam-se principalmente nas cidades de Lisboa e Porto e em alguns municípios coincidentes com capitais de distritos. Entre estes, Lisboa é o concelho que regista um índice de poder de compra mais elevado (Diário de Notícias, 27 de abril de 2017). Apesar de se registar uma melhoria nos rendimentos, na hora de realizar compras o preço continua a ser um fator crucial. Esta tendência pode ser explicada pela adaptação ao contexto de crise e à mudança do comportamento de compra e na perceção de qualidade de vida por parte dos consumidores, como já referido.

1.3.Político A nível político, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) que entra em vigor a 25 de maio de 2018 em Portugal, é de extrema importância para a implementação da Butikk, em Lisboa. O novo documento substitui a atual diretiva e lei de proteção de dados em vigor e, por isso, e porque a Butikk não só recolhe os dados dos seus utilizadores como os partilha posteriormente com as marcas, toda a app deve estar em concordância com esta nova lei. Assim, o regulamento divide-se em diferentes pontos que a Butikk deve ter preocupação em cumprir, de forma tão clara quanto possível, a saber: •

Informação aos titulares dos dados

Exercício dos direitos dos titulares dos dados

Consentimento dos titulares dos dados

Natureza dos dados

A equipa Butikk Lisboa deve, por isso, passar por três fases: preparação, operação e manutenção.

1.4.Ecológico Num período pautado por excessos que constituem uma grave ameaça ao meio ambiente, a Butikk não só não é prejudicial, como contribui para a proteção ambiental, ainda que indiretamente.

6


Por estar presente no meio digital, pressupõe a ausência de papel (folhetos e coupons de descontos, entre outros) e plástico (cartões de fidelidade, cartão Poupa Mais do Pingo Doce, cartão Clube Mini Preço, cartão Continente, Zara, Bershka, etc.), evitando, deste modo, contribuir para a concentração de resíduos de plástico no oceano, que já registou valores como 580,000 por km2.

1.5.Social Atualmente as aplicações móveis estão cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia (Ribeira e Silva, 2012). Segundo Casella e Coelho (2013), são ferramentas poderosas que se tornam num canal comum de comunicação, ganhando relevância no contexto internacional. Também no contexto nacional têm sido desenvolvidas estratégias de negócio para que as empresas possam comunicar com os consumidores via móvel (Gonçalves, 2015). O estudo da DBDgroup divulgado em 2017 evidenciou como as compras online em Portugal representam 8,6% do total de compras (Observador, 2017). Ainda assim, os valores portugueses continuam abaixo da média europeia, que ronda os 11,3%. Segundo a ACEPI – Associação da Economia Digital e International Data Corporation (IDC), em 2025 as compras online dos portugueses poderão ascender a 8,9 mil milhões. Neste sentido, o estudo referido revela um maior nível de confiança dos portugueses, uma vez que mais de 50% das mesmas são feitas fora de Portugal. A China é o país onde os portugueses compram mais e o Ebay, a Amazon e o AliExpress as plataformas de eleição (Dinheiro Vivo, 2017). Finalmente, os equipamentos e acessórios ocupam 47,8% das compras online, sendo os produtos mais adquiridos. De seguida encontram-se os equipamentos informáticos (35,1%) e os livros (30,6%). A moda, beleza e alimentação são igualmente sectores que têm vindo a crescer, com cada vez mais consumidores (Dinheiro Vivo, 2017). O Sales Index, num estudo publicado em 2018, declarou que 21,96% do poder de compra está concentrado em 5 concelhos – Lisboa, Porto, Sintra, Vila Nova de Gaia e Cascais (Marktest, 3 de abril de 2018).

1.6.Tecnologia Os avanços tecnológicos verificados na sociedade exponenciam a utilização de smartphones e outros aparelhos de fácil acesso para a organização e substituição das

7


tarefas diárias. A facilidade de aceder a uma aplicação de uma marca e consultar o folheto informativo com todas as promoções em vigor substitui a necessidade de esperar para receber a mesma informação por correio ou, até, a necessidade de se dirigir à loja em questão. Existem já algumas apps que apresentam soluções para Portugal face à apresentação de folhetos. Das que estão disponíveis, na Google Play Store, apenas três funcionam a nível nacional: Quoty, Sapo Promos e Chomper (Apêndice 5, p. 19). Todas solicitam a localização do utilizador, mas apenas a aplicação Quoty oferece a opção da especificação dos restantes dados demográficos, como nome, idade e género. Estas aplicações apresentam principalmente a possibilidade de consultar folhetos de acordo com as lojas favoritas ou as mais próximas geograficamente da localização do utilizador. A mais completa é a aplicação Quoty que, além da consulta de folhetos, permite ainda a criação de uma lista de compras com artigos de mercearia, entre outros, e a possibilidade de “cashbacks”. O cashback significa que, após a compra de um determinado produto seleccionado pela aplicação, o utilizador pode registar o código de barras da embalagem e a aplicação devolve o valor estipulado por ela diretamente para a conta bancária do utilizador. Dentro deste panorama, a Butikk distinguir-se-á por ser a plataforma mais completa de informações promocionais e descontos aos consumidores. Afirmando-se como um “shopping comunitário”, beneficiará das opiniões e avaliações dos seus utilizadores sobre as marcas que adquirem, para enriquecer as bases de dados fornecidas às empresas. Por outro lado, os clientes beneficiarão com a partilha das suas experiências através de poucas perguntas com a possibilidade de ganharem créditos para descontarem nas suas marcas favoritas.

2. Resultados dos inquéritos Relativamente aos resultados do inquérito realizado, podemos corroborar as ideias supra apresentadas ao concluir que 68% dos inquiridos afirma aderir a campanhas promocionais de marcas, sendo que 88% mostrou disponibilidade em responder a pequenas questões em troca de descontos. No que respeita ao nível de rendimentos, 31% da amostra corresponde a indivíduos que recebem o rendimento mínimo (até 580€), o que pode explicar a maior adesão a campanhas promocionais e sistema de pontos. Em contrapartida, 29% dos inquiridos tem um nível de rendimentos entre os 800 e 1300€. 8


Da amostra, 97% dos inquiridos possuem um smartphone, os quais afirmaram também utilizar aplicações, sendo que 55% correspondem a aplicações de marca. Concluímos ainda que que 86% dos inquiridos se mostra disponível para instalar uma aplicação que centre descontos e promoções, sendo que os principais motivos seriam: promoções exclusivas (60%); amostras (17%) e comparação de preços (16%). Relativamente aos motivos que levam à instalação de aplicações de marcas, destacam-se a oportunidade de aceder a promoções (32%), a facilidade em comprar ou reservar através das apps (24%) e o usufruto do sistema de pontos e consulta do catálogo (17%). Veja-se,

Ilustração 1 – Porque usa apps de marcas?

Para aproveitar o sistema de pontos 17%

Porque usa apps de marcas? Para ver o catálogo 17% Para aceder a promoções 32%

Para estar atualizada 10%

Facilidade de compra ou reserva 24%

Salienta-se ainda que 89% dos consumidores consideram que a sua última compra online foi fácil, corroborando o facto de a segunda resposta mais frequente na questão “porque usa apps de marcas?”, do inquérito realizado– com 27 respostas – ter sido “facilidade de compra”.

9


3. Estratégia de comunicação 3.1.Objetivos

Objetivo geral: Lançamento e divulgação da aplicação em Lisboa, Portugal.

Objetivos específicos (Google Play Store e App Store) •

Na primeira semana alcançar os 800 downloads/inscrições na app. Consideramos oitocentas transferências da app uma quantia positiva pois comparámos com os downloads já efetuados numa aplicação considerada concorrente indireta da Butikk classificada na sétima posição na categoria de entretenimento da App Store. Considerando que em 3 meses a iBonus teve aproximadamente 10.000 transferências, e considerando que as mesmas se distribuíram de maneira homogénea pelos primeiros três meses, no primeiro mês tiveram 3333 transferências, logo numa semana 833 transferências.

No terceiro mês ter, em média, uma avaliação de 4 estrelas, especificamente na App Store e Google Play Store.

No sexto mês estar no top ten da categoria em que se inserirem (pois a iBonus com três meses de existência encontra-se na posição sete da categoria entretenimento à qual pertence)

3.2.Público-alvo Indivíduos do gênero feminino, 19-25 anos, sem rendimentos fixos (estudantes), com rendimentos inferiores a 580€ (ordenado mínimo português) ou com rendimentos compreendidos entre os 800€ e os 1300€. Que estejam dispostos a instalar a Butikk, pois são utilizadores ou futuros utilizadores de aplicações de descontos e marcas.

3.3.Posicionamento Pretende-se comunicar a Butikk como a “primeira aplicação que centraliza todos os descontos de diferentes marcas na mesma plataforma”. Mostrando assim o pioneirismo, a comodidade e eficácia da Butikk.

10


3.4.Mensagem Pretende-se comunicar ao cliente a aplicação Butikk como uma opção mais cómoda, fácil e eficaz, distinguindo-se, assim, de todas as outras alternativas, como folhetos e brochuras promocionais e cartões de cliente.

4. Conceito criativo Em relação ao vídeo a ser partilhado redes sociais, este é protagonizado por “Ana” e “Maria”. A escolha dos nomes prende-se com as raízes tradicionalmente portuguesas que lhes estão associadas. Sendo nomes comuns em Portugal, será fácil a identificação do espectador com as personagens, criando um vínculo de identificação e fomentando o interesse no que está a ser exposto, a aplicação Butikk. No vídeo é apresentada primeiramente a “Maria” numa situação de aparente caos, rodeada por folhetos e brochuras promocionais. Procurando recolher o máximo de descontos que conseguir, mas vendo-se “atulhada”, telefona a “Maria”, que rapidamente soluciona o problema da amiga, apresentando-lhe a aplicação Butikk. O plano final do vídeo, com os cupões recortados a serem atirados ao ar, procura simbolizar o facilitismo que é providenciado por esta aplicação, que converte os pontos de cada utilizador em descontos. O slogan, “Há um amigo para tudo e para tudo Butikk”, apela ao sentimento de amizade, união e fidelidade, comuns no seio de uma amizade.

5. Estratégia de media A estratégia de campanha selecionada é a Continuity Pulsing, uma vez que o investimento em produção de conteúdos e de publicidade digital será feito principalmente em épocas de elevado nível de consumo, como as épocas e dias festivos (Natal, Páscoa, dia da Mãe/Pai, dia dos namorados, carnaval), regresso às aulas, festivais de verão e alturas correspondentes ao pagamento de vencimentos, como os meses de agosto de dezembro (sendo atribuídos subsídios de férias). Nos restantes períodos, este investimento será menor. •

Relações Públicas A vertente de relações públicas será integrada por influenciadores digitais, como

YouTubers e bloggers de tecnologia, moda ou lifestyle, que podem facilmente introduzir a Butikk nas suas temáticas usuais. Com já supracitado, aos influenciadores serão oferecidos 50 pontos, bem como um código que estes poderão partilhar com os seus 11


seguidores e que corresponderá a 10 pontos adquiridos aquando da criação da conta de usuário na aplicação. Para além disso, a Butikk estará ainda presente em fóruns e convenções temáticas, como a Futurália e a WebSummit, e em escolas e universidades, estando inclusivamente integrado no kit caloiro o porta cartões. Será ainda elaborado um press release, com toda a informação acerca da aplicação e respetivo código QR do link de download, para revistas de especialidade tecnológica e lifestyle, como a New In Town (NIT), a MAGG e a Delas. •

Social Media A estratégia de social media estará dividida em duas partes distintas: conteúdos

próprios e publicidade digital. Quanto aos conteúdos próprios, no Facebook, sendo uma das redes sociais mais utilizadas na atualidade e tendo registado um crescimento de 53% no período de 2011 a 2017, (Grupo Marktest, 7 de fevereiro de 2017), seria a plataforma de partilha de vídeos temáticos, armazenados no YouTube. Por sua vez, na última plataforma referida, a partilha da aplicação será feita com recurso a influenciadores. Para facilitar a sua contribuição, ser-lhes-á oferecido 50 pontos, bem como um código que estes poderão partilhar com os seus seguidores e que corresponderá a 10 pontos adquiridos aquando da criação da conta de usuário na aplicação. Relativamente ao Instagram, por ser uma rede social emergente em Portugal, (Grupo Marktest, 21 de novembro de 2017), será o veículo de partilha assídua de conteúdos promocionais acerca da aplicação, como novos parceiros da Butikk e qualquer promoção da própria. Em todas as redes sociais online utilizadas serão partilhadas iniciativas das marcas com quem a Butikk colabora no mercado português (evidencia-se a campanha “10 cães, 10 ambientes”, do IKEA). Existirão publicações sobre assuntos presentes na ordem do dia, por exemplo, se o Ronaldo fez o pontapé de bicicleta, a equipa Butikk online estará atenta e aproveitará de imediato a situação para promover a Butikk: “Enquanto não consegues fazer a bicicleta mágica do Ronaldo, o melhor é comprares uma com os teus pontos Butikk”. Em relação ao investimento publicitário no digital, como já referido, este será mais elevado nas épocas de maior consumo. •

Merchandising

Serão elaborados porta cartões de cor branca, com 9cm x 5,7cm, com o logótipo da Butikk e o código QR do link de instalação da aplicação, no canto inferior direito (Apêndice 3, p. 19). 12


6. Cronologia A cronologia apresentada representa o primeiro ano de lançamento pela Butikk. Considera-se importante manter vídeos e conteúdo diversificado online mais recorrente em períodos de maior consumo. Grande parte do investimento será gasto apenas em publicidade, nas redes sociais online. Relativamente ao merchandising, o investimento será mais focado no início do ano letivo, correspondendo à presença da Butikk nas diversas universidades e escolas secundárias de Lisboa. Este merchandising consistirá em porta cartões estampados com o logo da Butikk e respetivo código QR, sendo inclusivamente oferecido aos estudantes como parte do kit caloiro distribuído no inicio do ano. Neste momento será igualmente elaborado um press release para os diversos órgãos de comunicação social. Por fim, destacar-se-á o contacto com os influenciadores, que são cada vez mais fulcrais na era do digital, sendo os condutores da comunicação entre o consumidor e marca. Tabela nº1 – Cronologia das ações

Fonte: Elaboração própria.

7. Avaliação A avaliação será feita consoante as métricas dos downloads, avaliações e opiniões dos utilizadores da app. De acordo com os objetivos estabelecidos, avaliar-se-á se a app está a ser bem-sucedida ou se, caso não se verifiquem 50% dos números descritos nos objetivos, a Butikk deverá proceder a uma reavaliação do plano, para que possa ajustar a sua estratégia às necessidades do seu público. Em relação aos vídeos no Facebook e Instagram, serão avaliadas todas as métricas disponíveis para a análise: likes, comentários, partilhas. Quanto maior for o

13


envolvimento destes conteúdos com o público, mais sucesso será atribuído ao plano de comunicação. Serão utilizados websites de métricas SEO, para contabilizar as menções feitas da palavra-chave “Butikk”.

8. Sugestões Após a análise realizada, considera-se vantajoso a disponibilização da aplicação na App Store e na Google Play Store, para que assim esteja ao alcançe de um maior número de possíveis utilizadores. Com este fim, seria também pertinente o incentivo da partilha da aplicação dos já utilizadores com a sua rede de contactos. Assim, sugerimos a criação de campanhas em que o utilizador partilhe a app no Facebook ou consiga que dois dos seus amigos a descarreguem, recebendo com isto pontos extra. Outra opção para aumentar os downloads é através de um programa de afiliados, em que cada pessoa se pode inscrever no website gerando um link que, se partilhar com 5 pessoas e as mesmas descarregarem a app, quando a pessoa for responder às perguntas ganha o dobro dos pontos. Poderia também ser um benefício, a obtenção de feedback do utilizador sobre a app, isto é, após algum tempo de uso sugerir-lhe que avalie a Butikk em troca de pontos adicionais. Esta mensagem apareceria como “Já avaliaste a Butikk? - Avalia a Butikk para ganhares pontos extra”, apresentando imediatamente a opção de avaliação em vez de redirecionar o utilizador para a App Store/Google Play Store. Sugerimos ainda que a aplicação apresente a escala do câmbio dos pontos em descontos, mostrando que numa determinada loja, um certo número de pontos acumulados equivale a um desconto de x euros. Por exemplo, na loja FNAC, 50 pontos equivale a 5 euros de desconto. No que diz respeito à organização da app, a Butikk tem potencial para apoiar nas decisões difíceis de consumidores estimulados por muitas marcas e que necessitam de orientação. Assim, a Butikk poderia agrupar sugestões para o dia da criança, por exemplo, sendo que, consoante a idade da criança, apresentaria sugestões de presentes para a mesma. Deste modo, o utilizador poderia ter na Butikk um guia de compra, adicional a todo o trabalho já realizado pela app.

14


Conclusão A Butikk é a primeira aplicação que centraliza dados sociodemográficos e referentes aos padrões de consumo dos indivíduos. Destaca-se por ser a única plataforma digital que dispõe promoções num único suporte, facilitando a vida ao consumidor e fornecendo ainda às marcas, dados sociodemográficos, económicos e sobre tendências de consumo. Assim, a equipa “Resize the Box” pretende apresentar a aplicação Butikk como uma opção mais cómoda, fácil e eficaz, distinguindo-a de todas as outras alternativas, o que, na realidade atual, sendo o consumidor cada vez mais ativo no ato de compra, procurando mais a avaliação junto dos seus pares e consequentemente sendo mais exigente, é um fator fulcral no processo de seleção de uma aplicação. A campanha da Butkk apoia-se na estratégia Continuity Pulsing, pelo que haverá um maior investimento em produção de conteúdos e de publicidade digital em alturas propícias para um aumento do nível de consumo, como o regresso às aulas ou a época natalícia. Para estimular o contacto entre o consumidor e a marca, será desenvolvida uma estratégia de relações públicas, com recurso a influencers e uma estratégia de social media, apostando na criação de conteúdos próprios e publicidade digital que estimulem a identificação do consumidor com a marca.

15


Referências Bibliográficas Casella, G., & Coelho, M. (2013, julho). Augmented heritage: situating augmented reality mobile apps in cultural heritage communication. In Proceedings of the 2013 International Conference on Information Systems and Design of Communication (pp. 138-140). ACM. Censos - Resultados definitivos. Região Lisboa – 2011. Instituto Nacional de Estatística.

Consultado

a

9

abril

2018.

Disponível

em

http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=ine_censos_publicac o_det&contexto=pu&PUBLICACOESpub_boui=156651739&PUBLICACOES modo=2&selTab=tab1&pcensos=61969554 Demografia - Câmara Municipal de Lisboa. Consultado a 1 abril 2018. Disponível em http://www.cm-lisboa.pt/municipio/demografia Dinheiro Vivo (2017, 10 de outubro). “O estudo da ACEPI revela que em 2025 as compras online dos portugueses poderão ascender a 8,9 mil milhões.” Disponível

em https://www.dinheirovivo.pt/economia/portugal-digital/

DN (2017, 9 de Abril). “Vício da internet já atinge 25% dos jovens”. Disponível em https://www.dn.pt/sociedade/interior/vicio-da-internet-ja-atinge-25-dos-jovens5783779.html DN (2017, 27 de abril). “População portuguesa diminui pelo oitavo ano consecutivo”. Consultado

a

9

abril

2018.

Disponível

em

https://www.dn.pt/sociedade/interior/populacao-portuguesa-diminui-pelooitavoano-consecutivo---ine-6248745.html DN (2017, 9 de junho). “Em 2060, Lisboa vai ter tantos habitantes como a região norte”. Consultado

a

7

abril

2018.

Disponível

em

https://www.dn.pt/sociedade/interior/em-2060-lisboa-vai-ter-tantos-habitantescomo-a-regiao-norte-8549049.html Estatísticas Demográficas – 2016. Instituto Nacional de Estatística. Consultado a 9 abril 2018. Disponível em https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine publicacoes&PUBLICACOESpub_boui=277094583&PUBLICACOESmodo=2 Gonçalves, A. R. A. (2015). M-commerce e o comportamento de compra dos consumidores portugueses (Doctoral dissertation, Instituto Superior de 16


Economia e Gestão). Marketeer (2018, 19 de março). “Portugueses optimistas em relação ao poder de compra”.

Consultado

em

março

de

2018.

Disponível

em

http://marketeer.pt/2018/03/19/portugueses-optimistas-em-relacao-ao-poder-decompra/ Marktest (2013, 6 de agosto). “Em que mudámos nos últimos 5 anos?”. Consultado em março de 2018. Disponível em http://www.marktest.com/wap/a/n/id~1be6.aspx Marktest (2014, 11 de fevereiro). “Smartphone e Tablet continuam em alta!”. Consultado

em

março

de

2018.

Disponível

em

http://www.marktest.com/wap/a/n/id~1cc0.aspx Marktest (2014, 30 de dezembro). “1,3 milhões descarregam Apps grátis para telemóvel.”. Consultado em março de 2018. Disponível em http://www.marktest. com/wap/a/n/id~1e4a.aspx Marktest (2017, 24 janeiro). “Maioria procura promoções, em especial de alimentação e bebidas”.

Em

março

de

2018.

Disponível

em

http://www.marktest.com/wap/a/n/id~21b3.aspx Marktest (2018, 27 março) “Portugueses dizem-se mais poupados”. Em março de 2018. Disponível em http://www.marktest.com/wap/a/n/id~2388.aspx Marktest (2018, 3 de abril). “Um quinto do poder de compra em cinco concelhos”. Disponível em http://www.marktest.com/wap/a/n/id~238c.aspx Observador (2017, 21 de novembro). “Compras online em Portugal representam 8,6% do total”. Disponível em https://observador.pt/2017/11/21/compras-online-emportugal-representam-86-do-total/ Pordata – Base de dados Portugal Contemporâneo. Consultado a 1 abril 2018. Disponível

em https://www.pordata.pt/Portugal

Público (2014, 3 de novembro). “Mais de 70% dos jovens portugueses com sinais de dependência

da

Internet”.

Disponível

em

https://www.publico.pt/2014/11/03/sociedade/noticia/quase-tres-quartos-dos jovens-portugueses-apresentam-sinais-de-dependencia-da-internet-1674907 Público (2017, 14 de julho). “Portugal terá em 2051 menos população do que em 1950”. Consultado a 7 abril 2018. Disponível em https://www.publico.pt/2017/07/14/sociedade/noticia/portugal-tera-em-205117


menos-populacao-do-que-em-1950-1779201 Ribeiro, A., & da Silva, A. R. (2012, setembro). Survey on cross-platforms and languages for mobile apps. In QUATIC '12 Proceedings of the 2012 Eighth International Conference on the Quality of Information and Communications Technology (pp. 255- 260). Wilcox, C., Van Sebille, E. & Hardesty, D. (2015, agosto). Threat of plastic pollution to seabirds

is

global,

pervasive,

and

increasing.

DisponĂ­vel

em

http://www.pnas.org/content/112/38/11899

18


Apêndices Apêndice 1 – Análise SWOT

Análise SWOT Ameaças

Forças

As marcas cada vez mais têm as suas Centraliza todas as app das marcas, próprias apps.

informações, promoções e folhetos.

Fraqueza

Oportunidade

Difícil aceitação por parte dos utilizadores Cada vez existem mais apps para facilitar na utilização dos seus dados, por ser um tarefas. hot topic.

Para as marcas terão acesso aos dados dos utilizadores. Para os consumidores têm numa só app todos os descontos.

Apêndice 2- Conceito criativo da Resize the Box A origem do nome Resize the Box advém da expressão anglo-saxónica think 19rojecto the box. Neste caso, a caixa corresponde ao pensamento humano e o resize surge no sentido de este pensamento e da própria criatividade serem redimensionados. Em suma, a cada novo 19rojecto que surja, a equipa Resize the Box adapta-se ao conceito exposto, de modo a apresentar uma solução que satisfaça as necessidades do cliente. O logótipo do Resize the Box (Apêndice 4, p. 19) é constituído por um quadrado preto invertido com o nome da empresa no seu interior. Prima pela simplicidade e pelo minimalismo, com o intuito de transparecer a adaptabilidade já anteriormente referida. Pretende-se que o cliente compreenda que a equipa Resize the Box tem a capacidade de se moldar a qualquer que seja o 19rojecto, mantendo a criatividade.

19


Apêndice 3- Porta cartões

Apêndice 4- Logótipo da equipa Resize the Box

Apêndice 5 – Apps Concorrentes 1.

2.

Quoty (inscrição com Facebook ou Google, dados sociodemográficos) a.

Folhetos

b.

Cashbacks

c.

Listas de compras

Sapo Promos (Localização) 20


a. 3.

Folhetos (por loja, categoria, favoritos)

Chomper (Localização) a.

Lojas (Mapa, favoritas)

b.

Folhetos

Apêndice 6 – Tem um smartphone? Não 3%

Tem um smartphone?

Sim 97%

Apêndice 7 – Usa apps no seu smartphone?

Não 3%

Usa apps no seu smartphone?

Sim 97%

21


Apêndice 8 – Usa apps de marcas no seu smartphone?

Usa apps de marcas no seu smartphone?

Não 46% Sim 54%

Apêndice 10 – Porque instalaria uma app de descontos?

Porque instalaria uma app de descontos? Para comparar preços 16% Notificações 4% Promoções exclusivas 62%

Amostras 18%

22


Anexos Anexo 1 – Taxas de crescimento efetivo e migratório (%), Portugal, NUTSII, 20112016

Fonte: Estatísticas Demográficas 2016 (INE)

23

Relatório App Buttik  

No âmbito da unidade curricular Publicidade e Relações Públicas, em trabalho de grupo elaborámos uma campanha de comunicação para a aplicaçã...

Relatório App Buttik  

No âmbito da unidade curricular Publicidade e Relações Públicas, em trabalho de grupo elaborámos uma campanha de comunicação para a aplicaçã...

Advertisement