Issuu on Google+

Joรฃo Pedro Azevedo, nยบ17, 5ยบH


Num belo dia, no P贸lo Norte, estavam os duendes a prepararem-se para acordar o Pai Natal e viram que este tinha desaparecido.


Correram, de imediato, a avisar a M達e Natal, que tudo fez para descobrir o paradeiro do senhor de barbas brancas.


Todo o esforço foi em vão, porque não o encontraram.


Os duendes continuaram a fazer as prendas de Natal porque, dali a pouco, era a festa mรกgica e todas as crianรงas tinham feito a sua cartinha com o seu pedido.


A M茫e Natal continuava a procurar com o seu tren贸 e, de repente, viu uma gruta. Cheia de coragem entrou e viu, ao fundo, uma luz branca com brilho dourado.


Aproximou-se, bem devagarinho, e viu que o Pai Natal estava escondido, com medo de um urso polar que barrava a saĂ­da da gruta sem o deixar sair, tambĂŠm nĂŁo conseguia entrar, porque a gruta era estreitinha.


Sorte do Pai Natal!... Se o urso conseguisse entrar bem que o papava!... Faltava pouco para o Natal.


A MĂŁe Natal arranjou forma de espantar o urso, bem para longe, fez uma fogueira no meio da floresta e o urso teve medo e fugiu. RĂĄpidos como um raio, o Pai Natal e a MĂŁe Natal foram para casa.


Quando chegaram, viram os duendes com o saco cheio de prendas. A toda a velocidade, partiram para longe, levando as prendinhas a todas as crianรงas.


Espero que n達o se tenham esquecido de mim e da minha mana!...


O desaparecimento do pai natal