Page 27

Dona rica Ó dona rica, quando vês uma pessoa

Dona rica, que pensas amigas ter,

necessitada,

mas se delas vieres a precisar,

finges, em frente dos outros, ajudar,

vais ver que o dinheiro não te irá ajudar.

mas, depois, passas ao lado sem para trás olhar.

Passas pelos outros e desatas a rir,

Passas na rua e desatas a rir,

pode ser que um dia sejas tu a pedir.

pode ser que um dia sejas tu a pedir.

Ai dona rica, que tudo finges ter, finges ter amor e altruísta ser, quando, no fundo, nada tens a valer. Passas na rua e desatas a rir, pode ser que um dia sejas tu a pedir.

Poesia trovadoresca. Poetas contemporâneos  

Alunos das turmas do 10.º ano de Línguas e Humanidades e de Ciências Sociais e Económicas foram desafiados pela sua professora de Português,...

Poesia trovadoresca. Poetas contemporâneos  

Alunos das turmas do 10.º ano de Línguas e Humanidades e de Ciências Sociais e Económicas foram desafiados pela sua professora de Português,...

Advertisement