Page 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

Curso EFA – S -Tipo C Ficha de Trabalho n.º 3 Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência UFCD: Redes de Informação e comunicação (STC – 5) Data: 16/04/2013 Nome: João Barradas nº:12 Nome: André Martins nº:3

Fotografia Digital 1. Explique o que é a fotografia digital. 2. Refira as vantagens e desvantagens da fotografia digital relativamente à fotografia analógica. 3. Indique que tipos de máquinas fotográficas digitais existem e refira as suas diferentes características técnicas.

4. Dê a sua opinião sobre o seguinte texto: “Hoje em dia qualquer pessoa tem uma máquina fotográfica, mas quem gostar de fotografar mais a sério tem de se esforçar mais para compreender tanto a máquina como as técnicas fotográficas. É ai que reside o problema, com a facilidade em fotografar com as máquinas digitais, começou a surgir uma ideia errada que se traduz nisto: tendo uma boamáquina fotográfica podemos fazer boas fotografias.” 5. Encontre 10 páginas/blogues sobre fotografia digital e refira-os usando a webgrafia.

6.

Pesquisar sobre programas de tratamento/edição de fotografia digital. André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013


ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

Designa-se por fotografia digital a fotografia tirada com uma câmara digital ou determinados modelos de telemóveis, resultando num arquivo de computador que pode ser editado, impresso, enviado por email ou armazenado em websites ou emdispositivos de armazenamento digital. Dispensa, assim, o processo de revelação.

A visualização da imagem pode ser feita no ato, através dos recursos da câmara digital (normalmente, um ecrã de LCD) e a manipulação da imagem pode ser feita num computador, recorrendo-se a softwares de edição de imagem como o Photoshop, GIMP, entre outros.

André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013


ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

A câmara ou câmara digital, seja ela máquina fotográfica ou de cinema, revolucionou o processo de captura de imagens, contribuindo para a popularização da fotografia ou da técnica cinematográfica digital. Ao invés de utilizar a película fotossensível (filme) para o registo das imagens, que requer, posteriormente a aquisição das imagens, um processo de revelação e ampliação das cópias, a câmara digital regista as imagens através de um sensor que, entre outros tipos, pode ser CMOS ou CCD, armazenando as imagens em cartões de memória. Uma câmara pode suportar um só ou vários tipos de memória, sendo os mais comuns: CompactFlash tipos I e II, SmartMedia, MMC e MemorySticke SD (sendo estes os dois mais usados). Câmaras digitais: Pontos positivos Tamanho e peso – Ser capaz de levar uma câmara no bolso é uma característica muito boa , com modelos cada vez mais finos e pequenos, o queé ótimo para diversas situações. Preço – Em termos gerais, as câmaras mais baratas são as compactas. Claro, que se podem os tops de linha por um preço tão alto como ode uma DSLR, mas a maioria encontra-se numa faixa de preço muito mais acessível. Câmaras digitais: Pontos negativos Qualidade de imagem – As compactas têm sensores de imagem pequenos, o que significa que a qualidade do que produzem é geralmente mais baixa. Esta característica tem vindo a ser alterada lentamente em alguns pontos, mas em comparação com as DSLR, ainda têm um longo caminho a percorrer. Caso não se pretenda fazer grandes ampliações importantes ou aplicações profissionais, a qualidade de imagem das compactas poderá ser suficiente. Velocidade – As compactas sempre foram conhecidas pela sua lentidão, especialmente devido ao atraso do obturador (o tempo que decorre entre André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013


ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

pressionar o botão e o momento em que a fotografia é tirada) e a sua focalização. Também tem havido progressos no que diz respeito a este aspecto, mas ainda nãose conseguiu uma rapidez semelhante à de uma DSLR. Controles manuais limitados – A maioria dos modelos apenas opera de forma totalmente automática, embora haja alguns que trazem a possibilidade de se controlar certos factores, como tempo a exposição ou a abertura do diafragma. Mas estes ajustes são muito limitados.

Comercialmente, a primeira câmara digital foi a Kodak DCS 100, lançada em 1990, no entanto não conquistou o mercado devido ao seu custo elevado. Apesar do fracasso inicial, em dez anos a fotografia digital conquistou o mercado, deixando para trás o mercado analógico. A facilidade de armazenamento (e-mail, pen-drive, CD-Rom, etc.), do fluxo das imagens e a dispensa de revelação forma uma grande mais-valia, aliada à diminuição do custo. Actualmente, as câmaras digitais são extremamente comuns e podemos encontra-las em computadores e telemóveis. O funcionamento da fotografia digital dá-se a partir da sensibilização de um sensor electrónico (CCD ou CMOS) que converte a luz captada em código electrónico digital e armazena este código num cartão de memória. As imagens armazenadas no cartão podem ser vistas imediatamente através do visor da câmara, geralmente de LCD, ou num computador, através da transferência de dados do cartão para este ou até mesmo impressas directamente, pois existem no mercado impressoras que imprimem imagens de cartão de memória dispensando a intermediação do computador. O mecanismo de captura de imagens é praticamente o mesmo que na fotografia analógica, mas em vez de um filme fotossensível, há uma superfície electrónica que recebe a informação luminosa convertendo-a em código digital. A fotografia analógica perdeu o mercado para a fotografia digital, e só não entra em extinção graças aos poucos profissionais adeptos da forma tradicional, que mantêm laboratórios particulares de revelação. André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013


ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

Telemóvel Atualmente não podemos de deixar de falar dos famosos acessórios que se tornaram os telemóveis, os mais antigos tinham as câmaras com resolução VGA, possuíam uma tecnologia simples usada em webcams e com baixa resolução. Hoje podemos adquirir telemóveis com câmaras com uma tecnologia bem semelhante à das câmaras ultracompactas. A geração atual, por exemplo, já possui modelos com mais de 05 mega pixels.

Câmaras intermediárias Também designadas por super zoom, são câmaras de transição, que fazem a ponte (bridge) entre as amadoras e as profissionais. As câmaras intermediárias representam uma transição entre as compactas e as DSLR. Não permitem a troca de lentes, mas normalmente a sua lente fixa dispõe de um zoom incrível, com modelos de até 36X, sendo muito versáteis!

Geralmente oferecem controlos manuais completos, similares às DSLR, excepto um range menor de sensibilidade ISO devido à dimensão mais reduzida do seu sensor de imagem. Em tamanho e peso, são comparáveis às menores DSLR.

André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013


ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

Para um entusiasta que procura uma boa câmara que lhe permita ter controlo manual sobre as fotografias, mas não deseja gastar dinheiro futuramente na compra de lentes e outros acessórios, esta pode ser uma ótima opção. Um modelo bastante conhecido é a Nikon P100. Com recursos excelentes e com um super-zoom de 26X.

Intermediárias: Pontos positivos Controlos manuais – Alguns modelos oferecem controlo manual, que permitem ter poder sobre o resultado final da fotografia. Qualidade de imagem – Com sensor maior que as da compacta e menor que a DSLR. Adaptabilidade – Alguns modelos têm a capacidade de troca de lentes e um grande leque de outros acessórios flashes, filtros, etc. Visor – Pode optar-se pela utilização do visor ou do LCD. Intermediárias: Pontos negativos Preço – Mais caras que as compactas, e bem próximas dos modelos de entrada (como a Canon T2i, a Nikon D5000), que são as mais baratas. Tamanho e peso – Por terem tamanhos maiores também se tornam mais pesadas e carregá-las durante muito tempo torna-se incomodativo, principalmente quem anda com outras lentes na mochila.

DSLR ou reflex André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013


ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

DSLR significa, em inglês: Digital Single LensReflexCameras utilizadas por profissionais e por amadores mais avançados. Nestes modelos, a imagem vista no visor óptico é vinda da lente e refletida internamente por um sistema de espelhos (ao contrário das compactas, que utilizam um visor com imagem separada da lente). A DSLR caracteriza-se, também por possuir lentes removíveis e intercambiáveis.

O visual das DSLR é inconfundível, pois quase todas têm uma “corcunda” no meio do corpo. Cada uma das principais marcas de câmaras oferece DSLRs e uma linha de objetivas que só encaixam em suas próprias câmaras, sendo incompatíveis com as da concorrência. Assim, escolher uma marca de SLR implica na escolha de uma gama fechada de objetivas. As câmaras SLR possibilitam a troca das lentes, atendendo às exigências do fotógrafo em diversas situações diferentes.

Aqui têm uma referência a câmara de entrada, avançadas ou semiprofissionais e profissionais, o que é muito relativo à utilização da câmara, considera as de entrada tem aproximadamente 10 megapixels, exemplos: a Canon EOS Rebel XTi e XSi, Sony Alpha 350, Nikon D40 e D60. E semiprofissionais ou avançadas exemplos: Canon EOS 40D, Olympus E-3, Pentax K20D e Nikon D300 e Nikon D7000. Exemplos de SLRs profissionais: Nikon D3 e Canon EOS-1Ds Mark III.

DSLR: Pontos positivos Qualidade de imagem – Devido às grandes dimensões dos sensores de imagem das DSLR, estas geram muito menos ruído nas fotos se comparadas às compactas. Assim, somos capazes de utilizar altos valores de ISO sem haver um compromisso tão grande face à qualidade final da fotografia, possibilitando também o uso de tempos de exposição menores. André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013


ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

Adaptabilidade – A capacidade de troca de lentes abre um mundo de possibilidades: dependendo do que estiver a fotografar, pode-se utilizar lentes que vão desde uma grande angular até uma tele de longo alcance. Este aspecto, aliado a um grande leque de outros acessórios (flashes, filtros, etc.) permite que uma DSLR possa ser adaptada a diversas situações. Velocidade – DSLR são máquinas muito rápidas quando se trata de assuntos como inicialização, foco, atraso do obturador, etc. Controles manuais – Embora alguns modelos compactos também ofereçam algum tipo de controlo manual, as DSLR permitem-lhe total controlo sobre o resultado final da fotografia. Mantém seu valor – As DSLR mantêm o seu valor no mercado por muito mais tempo, pois não são actualizadas tão frequentemente como as compactas (que às vezes podem ser atualizadas duas vezes por ano). Além disso, as lentes que forem comprar para a câmara actual serão compatíveis com outros modelos, caso se faça um upgrade futuramente (desde que sejam da mesma marca). Ou seja, o investimento em lentes não será desperdiçado ao longo dos anos.

DSLR: Pontos negativos Preço – Geralmente são muito mais caras que as compactas, até mesmo os modelos de entrada (como Canon T2i, Nikon D5000), que são as mais baratas. Tamanho e peso – Por terem tamanhos maiores, chama muito a atenção das pessoas em volta. Por este motivo, pode ser mais vantajoso utilizar uma compacta em determinadas situações. Além disto, por serem mais pesadas, carregá-las durante muito tempo torna-se incomodativo, principalmente para quem anda com outras lentes na mochila. André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013


ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

Complexibilidade – Como são projetadas para o uso manual, isto significa que você deve saber como usar as ferramentas que lhe oferecem. À primeira vista, para quem nunca teve contato com este tipo de câmara, tirar uma simples fotografia poderá parecer uma tarefa impossível. Mas com a prática e a aprendizagem, este factor deixa de ser um ponto negativo.

André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013


ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

4 “Hoje em dia qualquer pessoa tem uma máquina fotográfica, mas quem gostar de fotografar mais a sério tem de se esforçar mais para compreender tanto a máquina como as técnicas fotográficas. É ai que reside o problema, com a facilidade em fotografar com as máquinas digitais, começou a surgir uma ideia errada que se traduz nisto: tendo uma boa máquina fotográfica podemos fazer boas fotografias.”

R: Nós não concordamos com esta afirmação, pois para se tirarem boas fotografias são necessárias técnicas eficazes em termos de capturadas imagens e posições correctas ao fotografar. Como é obvio ter uma máquina com boa qualidade de imagem ajuda muito a criar uma fotografia fantástica, mas o segredo está na experiência de fotografar e não só na qualidade da imagem. Fotografar, na nossa opinião, é como desenhar, é uma arte.

André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013


ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

Adobe Photoshop é um software caracterizado como editor de imagens bidimensionais do tipo raster (possuindo ainda algumas capacidades de edição típicas dos editores vetoriais) desenvolvido pela Adobe Systems. É considerado o líder no mercado dos editores de imagem profissionais, assim como o programa de facto para edição profissional de imagens digitais e trabalhos de pré-impressão. Sua mais recente versão é apelidada como Adobe Photoshop CS6 (sigla cujo significado é Creative Suite 6, correspondente à sua décima terceira edição [13.0] desde seu lançamento), disponível para os sistemas operativos Microsoft Windows e Mac OS X. Pode ser rodado também no Linux, através da camada de compatibilidade Wine. Algumas versões anteriores foram lançadas também para IRIX, mas o suporte a esta versão foi descontinuado após a versão 3.0.

André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013


ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

www.tumblr.com

www.instagram.com

http://o-meu-olhar-fotografia.blogspot.pt/

http://www.reifison.com.br/blog/melhores-blogs-de-fotografia/

http://momentoseolhares.blogs.sapo.pt/

http://fotografia.blogspot.pt/

http://www.instantefotografia.com/blog/

http://www.dicasdefotografia.com.br/ André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013


ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE

http://camilaferraz.com/blog/

http://www.lorotadigital.com.br/2011/11/o-quem-voce-consegue-ou-epossivel.html

André Martins Nº3 João Barradas Nº12 STC-7 16/04/2013

foto  

fotografia digita