Issuu on Google+

1€

de papel ANO XXV

Nº52

DEZ. 2011

Revista escolar do Agrupamento de Escolas Domingos Capela - Espinho

ISSN 2182-1194

r a l c i c Re

a n m e d r o e d a r v a l a p nova a l e p a C s o g n i m o D Vilas-Boas

um “mister” da escrita


Recorda as nossas capas - I

nºar0. 11987

m

nºar0. 16991

nuºn0. 19893 j

nuºn0. 19994

nºar1. 11996

nuºn1. 19296

nºar1. 13997

nuºn1. 19497

nºar1. 15998

nuºn1. 19698

nºar1. 17999

nºai1. 20800

nºar1. 29001

nºai2. 20001

nuºn2. 20101

1ªs edições feitas em fotocópias. Formato 297x210 mm.

nbºr0. 19792 a

nuºn1. 19095 j

j

m

nºar0. 14989

m

m

m

m

j

j

m

m

j

m

m

j


sumário Recorda as nossas capas - I | pág. 2 almirantado | pág. 3 Editorial - 1 de março de 1987

cais de embarque | pág. 4 Foi assim que tudo começou

diário de bordo | pág. 5-7

Fomos à Biblioteca Jose´Marmelo e Silva Cinanima Outono S. Martinho

escotilha aberta| pág. 8 Milho

médico de bordo | pág. 9

Dia da Alimentação Escola Segura em ação contra as drogas

rumo certo| pág. 10-11

Alunos da Domingos Capela investem na recolha de óleo alimentar Campanhas 2011 CEF de Eletricidade apresenta projeto na Exponor

linha d’água | pág. 12 Postais de Natal | Estudos do 5ºA

arca de noé | pág. 13 Clube Hedera helix em ação!

EMITOR | destacável do Curso Profissional de Comunicação Professor António Sá: 9 meses de mandato Um jornal de e para todos

1 de março de 1987

Q

uando no dia 1 de Março de 1987 um grupo de alunos escreveu o editorial para o número 1 do “Barquinho de Papel”, certamente não imaginavam que as palavras deles, passados 25 anos, continuariam tão atuais.

A aluna Susana do 6ºD de então escreveu: Navegar, navegar ao vento… Sonhar, sonhar com o sol-posto… Irás enfrentar tempestades e marés altas, mas nunca percas esse teu jeito tão carinhoso e modesto. Vai! Cumpre a tua missão. Comunica, desenvolve a cultura às crianças, aos adultos, a toda a gente. MAS NUNCA PARES!!! O “Barquinho” ao longo de um quarto de século, querida Susana, fez tudo o que pediste: navegou por Portugal fora. Não se limitou a ancorar em Espinho. Cresceu, deixou de ser só “nosso”, passou a ser de todos. Encontrou portos de abrigo e algumas (poucas) tempestades no caminho que percorreu. Pequenos rombos na embarcação, mas nunca sufucientes para que o “Barquinho” se afundasse. Pediste, querida Susana, que o nosso “Barquinho” continuasse carinhoso e modesto. Apesar do seu vasto currículo, nunca deixou de o ser.

todos a bordo | pág. 14-15

Querida Susana, prometo-te que ao longo deste quarto de século o “Barquinho” comunicou com as crianças e adultos. É feito pelos alunos e para os alunos, alunos de todas as idades, desde o ensino pré-escolar até ao ensino secundário.

barcaça da leitura | pág. 16-17

Por fim, exiges que o “Barquinho” nunca pare. Não te preocupes. Ao longo destes anos, o nosso “Barquinho” conquistou demasiados amigos e admiradores para que possa cair no esquecimento ou que possa parar. Há-de existir sempre um marujo que virará comandante e continuará a navegar pelos rios, oceanos e mares.

12ºB na Aldeia SOS Crianças Um amigo especial Um dia de susto Agradecimento - campanha de solidariedade 2011 - Ano dos Morcegos Feiras do Livro simultâneas na Sede e EB1/JI Marinha Vilas-Boas: um “mister” da escrita!

águas internacionais | pág. 18-19 Já conhecem o eTwinning? Projeto “EUrope”

porão| pág. 20

Como vês, querida Susana, tudo o que pediste em 1987, foi-te concedido.

farol | pág. 20-21

Não sei quem és, onde vives, quantos anos tens, nem sei se irás ler estas linhas. Mas se porventura as leres… põe um sorriso nos lábios e pensa que tudo o que desejaste para o “Barquinho” se concretizou.

europa à vista | pág. 22

A todos as tripulações e comandantes que já passaram, segundo o Jornal “Público”, pelo melhor jornal escolar de Portugal, um muito obrigado pelo vosso contributo.

Tesouros no porão - edições antigas Desporto Escolar Clubes e Salas de Estudo Horário de atendimento aos EE Calendário Escolar Prémio Nacional eTwinning 2011

fora de bordo | pág. 23

Fomos à Biblioteca e ouvimos histórias!

António Sá Diretor

almirantado DEZEMBRO 2011

3

barquinho de papel


nºar0. 19187 m

F

oi assim que tudo começou. Nevava em Espinho (!), era março, e saía o primeiro número do Barquinho de Papel. Hoje é dezembro, caem as folhas das árvores, e publicamos o nosso 52º número! É deste modo que iremos comemorar os 25 anos de existência - ativa e ininterrupta - do nosso jornal, analisando o que então se fazia, comparando com o que agora escrevemos. Tentaremos perceber o quanto evoluímos desde aquele singelo Barquinho nº1, posto a navegar num remoto 1987.

Trabalhos de Sofia Azevedo, Pedro Pinheiro e Ana Beatriz Martinho, 3º ano | EB1 Qta. Seara

barquinho de papel

4

DEZEMBRO 2011

cais de embarque


Fomos à Biblioteca José Marmelo e Silva

V

ou contar-vos a visita de estudo que fiz à biblioteca José Marmelo e Silva.

Eu e a minha turma fomos na terça-feira, dia 18 de outubro, a Espinho, de autocarro, à biblioteca municipal. Visitámos todo o espaço da biblioteca, lanchámos e assistimos à hora do conto. Gostei muito de ouvir a história “Dragões Rabugentos”. A maior surpresa que tive foi mesmo escutar a história!!! Mas não gostei de ter estado tão pouco tempo!!! Gostaria de lá voltar para participar num atelier. Achei muito interessante! Foi um dia espetacular!! Texto conjunto, 2ºano | EB1/JI Marinha

F

omos à Biblioteca Municipal de Espinho no dia 4 de outubro.

Lá, apresentámo-nos à senhora bibliotecária que se chama Sandra Vieira e nos mostrou a Biblioteca inteira. Também nos mostrou uma sala onde estavam adultos a ler. Depois levou-nos à sala das crianças onde podemos brincar quando formos com os nossos pais. Estivemos também numa sala de ver filmes. Por fim, fomos ao jardim, onde lanchámos. Logo que acabámos de lanchar, fomos para a sala da Hora do Conto e Sandra Vieira contou-nos a história dos camelos que transportavam livros. Gostei de lá ter ido e queria lá voltar mais vezes! Catarina Costa, 4º ano | EB1/JI Marinha

Momentos de diversão não faltaram, mais uma vez, na visita ao cinanima. | EB1 Calvário

diário de bordo

DEZEMBRO 2011

5

barquinho de papel


Trabalhos de Pedro Lopes, Vitor Santos, sem nome e Luciana Serra, 3º ano | EB1 Qta. Seara

Outono

A Fada das Folhas Está vento… O vento faz voar as folhas, As folhas dançam à volta da menina, A menina tem na mão um pau, O pau fez um truque mágico. O mágico transformou o pau em varinha mágica. A varinha mágica fez aparecer asas à menina. A menina com o vento ficou com o corpo coberto de folhas e transformou-se em fada das folhas. A fada foi ao cabeleireiro para cortar o cabelo. O cabelo ficou bonito e bonita foi para a festa. Grupo de 3, 4 e 5 anos | JI Marinha

Para mim uma folha de árvore é… um pássaro livre… um avião no céu… um anjo do presépio… uma estrela de Natal… uma estrela do mar… uma tartaruga… um peixe do oceano… uma prancha de surf… um barquinho… uma banana deliciosa… uma fruteira de frutos… um espantalho alegre… uma árvore com flores… simplesmente, uma árvore de outono! Alunos do 3º ano | EB1 Quinta Seara

Trabalhos de sem nome, sem nome e Bruna Oliveira, 3º ano | EB1 Qta. Seara

EB1 Qta. Seara

E porque há tradições que não se perdem… não podiam faltar as castanhas quentes… quentinhas… e muita alegria no ar! | EB1 Calvário

nºar1. 19598 m

barquinho de papel

6

DEZEMBRO 2011


S. Martinh ... com Quadras... Escalão A 4ºano / 5ºano

Escalão D Professores

Rui Pedro e Salomé Bóia, 5ºD

Delfina Casalderrey, História

Ouriço, estás a esconder A esconder lindas castanhas Abre-te e deixa comer E para com tuas manhas!

Ó meu rico São Martinho, Onde é que isto vai parar? Já me sinto um tolinho, Acho que vou rebentar!

Escalão B 6ºano / 3º ciclo / CEF / PIEF

Valha-nos a alegria E a vontade de cantar, Que isto não está pra folias, Não vale a pena chorar.

Turma PIEF 2A

Ó meu rico São Martinho, Dá-me cá um belo xaile. Anda, meu rico santinho, Vamos lá todos ao baile!

E valha-nos o Capela, Com todo o seu santo humor. Com uma piada singela Para levar este andor.

Ó meu rico São Martinho, Neste onze de Novembro, És um grande amiguinho, E de ti sempre me lembro.

Escalão E Funcionários

Ó meu rico São Martinho, Anda lá, traz as castanhas. Mas será que trazes vinho? Ai, não te ponhas com manhas.

Vinho novo e água-pé, Com castanhas a estalar. Ai que bom que isto é, A folia que vai dar!...

Ó meu rico São Martinho, És mesmo bem divertido. E mesmo tão pobrezinho, Lá cumpres o prometido

Escalão C Secundário Não houve participantes

Escalão F Pais / Encarregados de Educação

Maria de Fátima Moreira Prémio de participação

Conceição Menezes, Secretaria

Coordenação

As crianças divertiram-se e, escutaram o som produzido pelas folhas secas, amachucando-as com as mãos e com os pés. | EB1/JI Marinha

... Magustos... 4ºano | EB1 Marinha

E

u vou falar sobre o magusto da minha escola. No dia 13 de novembro houve o magusto da minha escola, que foi nos Leões Bairristas.

Maria Ernestina, Departamento de Línguas Sónia Couto e Margarida Ramos, Biblioteca Beatriz Gomes, Clube Hedera helix-PROSEPE

Lá joguei à roda tonta, matrecos e comi pão com chouriço.

Aos 206 participantes deste concurso e aos professores que o tornaram possível, o nosso agradecimento. Para os vencedores, as nossas felicitações.

Também vi uma banda de três músicos e três homens a assar castanhas que às vezes tocavam.

Os vencedores deste Concurso foram premiados no dia 18 de Novembro, na Biblioteca.

(mãe da Catarina e da Inês, do 6ºB)

... e Almoço requintado!

O que eu gostei mais foi de jogar matrecos e o que não gostei foi de ir embora porque a minha mãe veio chamar-me. Eu gostava que todos os anos se fizesse um magusto na minha escola. Rodrigo Gomes, 4º ano | EB1 Marinha

V

ou falar sobre o magusto da minha escola…

No domingo, dia 13 de novembro, realizou-se o magusto da minha escola na sede dos Leões Bairristas, porque estava a chover. Brinquei um pouco e depois fui comer. Quando acabei continuei a brincar com o Ricardo e a Rita. Vi três homens a cantar, que eram de um grupo musical muito bom. Do que mais gostei foi comer castanhas. Foi pena não gostar de algumas músicas. Queria ter ouvido mais músicos, porque foram poucos. A surpresa foi o sorteio de rifas em que me saíram vários prémios como tapetes, louças, jogos… Em conclusão, eu gostei muito do magusto da minha escola e queria repeti-lo. Mariana Folha, 4º ano | EB1 Marinha

Almoço de S. Martinho servido pelos alunos do Curso de Mesa e Bar, M8 | EB/S Domingos Capela Entrada | Sopa seca de castanhas

Prato | Lombo assado com castanhas

Sobremesa| Mousse de castanhas

DEZEMBRO 2011

7

barquinho de papel


EB1 Qta Seara

Em outubro, no nosso jardim de infância, aprendemos a preservar os usos e costumes do nosso povo. Fizemos uma desfolhada!

EB1/JI Monte

JI Marinha

Milho

Na nossa escolinha, desfolhamos as espigas de milho. Aprendemos que o milho é amarelo, é duro, serve para comer, fazer farinha e para fazer o pão.

O Padeiro veio à nossa Escola! No Dia Mundial da Alimentação fizemos pão na nossa Unidade Educativa. Para nos ajudar, convidamos o pai de um aluno da escola, que é padeiro. Juntamos os ingredientes todos e fizemos pão como faziam as nossas avós. Todos nós pudemos aprender, amassamos e fizemos as bolinhas de pão.

Depois de cozer o pão comemos as fatias barradas com a marmelada que também fizemos na nossa escola. No fim do dia ainda levamos pãezinhos para casa para os nossos pais também se deliciarem! Gostavámos de agradecer a colaboração do pai padeiro José António Tavares e da padaria Pica Pão.

Há diferentes qualidades de milho: para fazer pipocas, para fazer o pão e para utilizar na comida. No dia seguinte, fizemos pipocas para o lanche!

barquinho de papel

8

DEZEMBRO 2011

escotilha aberta


A nossa horta!

Escola Segura em ação contra as “Drogas”

“D

rogas” foi o tema de uma sessão de esclarecimento orientada pelo agente Ferreira, da Escola Segura, na Domingos Capela, no passado dia 27 de outubro. Dirigindo-se aos alunos da turma M8, o agente Ferreira falou sobre vários tipos de drogas como o tabaco, o álcool e outras substâncias.

Na sua explicação, aquele agente referiu que o tabaco contém alcatrão e outros agentes cancerígenos, fenol, metanol, naftalina, níquel, pireno, acroleina, acetona, vensopireno, arsénico, nicotina e uma planta originária da América. Quanto ao álcool, foi referido que é a droga mais conhecida e socialmente mais aceite. É uma substância orgânica obtida da fermentação de açúcares e hidratação. Provoca loquacidade, euforia, comportamentos agressivos, impulsos sexuais e descontrolo total. Em geral, as drogas são substâncias naturais ou sintéticas que se introduzem no organismo e modificam as suas funções. O consumo destas substâncias é proibido e ilegal. As drogas naturais são obtidas através de uma determinada planta, de animais e/ou de alguns minerais, como por exemplo a cafeína (do café) ou a nicotina (presente no tabaco). Os alunos da turma estiveram bastante atentos, colocaram muitas questões, esclareceram algumas dúvidas e apreciaram principalmente curiosidades relacionadas com esta temática. Ana e Jessica, M8

Já dizia o poeta Fernando Pessoa “O Homem sonha e a obra nasce!” Pois é … esta é a nossa horta, que começa agora a dar os primeiros rebentos. Nós sonhamos e deitamos mãos à obra. É das mais belas e das mais saudáveis! | EB1 Calvário

Dia da Alimentação

Neste dia deliciamo-nos com um lanche muito saudável. Tomate… ovo… queijo… fiambre! Foi só escolher e colocar no pão. Que delícia!!! | EB1 Calvário

Dia da

Alimentação Dia 17 de outubro, festejamos o Dia da Alimentação. Vimos um PowerPoint da história “Os Frutos” e fizemos o jogo “Vamos brincar com os frutos”. Com as maçãs que trouxemos de casa, fizemos doce de maçã para o lanche e aprendemos muitas coisas: as maçãs têm cores diferentes, comparamos a maçã inteira com a maçã cortada, descobrimos que a maçã crua é dura e a maçã cozida é mole. | JI Marinha

médico de bordo

DEZEMBRO 2011

9

barquinho de papel


Alunos da Domingos Capela investem na recolha de óleo alimentar

O

PROJETO RECÓLEO na Domingo s C a pela surgi u p a ra sensibilizar os alunos e a restante comunidade para a valorização dos resíduos, entre eles o óleo alimentar usado, com o qual se pode produzir biodisel e sabão. A vantagem consiste na diminuição da pegada carbónica de cada um dos participantes, uma vez que se vai colocar o resíduo

no OLEÃO e depositar as garrafas plásticas no ecoponto amarelo. Numa primeira fase, no início do primeiro período efetuaram-se três sessões teórico-práticas dinamizadas por um técnico da Lipor, para a s t u r m a s : 10ºA, E8, 8º e 9º anos. Numa segunda fase, um grupo alunos do nono ano elaborou um desdobrável, com informações e questionário, sobre o destino

Inserido no Projeto Europeu da Redução de Resíduos (EWWR), o grupo do Prosepe identificou garrafinhas de água (Queres ser um ASe? – Ambientalista Saudável e económico) e construiu, com cápsulas de café, a árvore de Natal dos Desejos da Biblioteca Municipal Dr. José Marmelo e Silva, no passado dia 23 de novembro. | Clube Hedera helix - PROSEPE

Os alunos, professores e funcionários do nosso Agrupamento estão de parabéns! Conseguimos recolher 410 quilos de resíduos do Ecoponto Amarelo durante o mês de Novembro, graças a uma das tarefas da Gincana Rock In Rio. O Planeta agradece e nós agradecemos a preciosa colaboração do Ecocentro de Silvalde, na pessoa do Sr. Engenheiro Joaquim Sá. | EB/S Domingos Capela

barquinho de papel

10

DEZEMBRO 2011

destes resíduos. Foi distribuído pelos cafés e snack-bares de Silvalde, Paramos, Cortegaça e Maceda, verificandos e que nestes já é feita a recolha por empresas da área. Paralelamente, foram colocadas no interior da escola caixas de cartão, decoradas pelos alunos, para deposição das garrafas plásticas. Foram ainda afixados cartazes para divulgação da recolha do óleo usado, que será futuramente depositado no OLEÃO. Os alunos do 10ºA produziram no laboratório amostras de sabão e biodisel. No Clube de Artes, grupos de seis alunos das turmas dos oitavos anos e E8, acompanhados pelos professores, trabalharam incansavelmente na construção dos elementos decorativos para o JARDIM RECÓLEO, etapa que envolve a reutilização das garrafas plásticas. A inauguração

do JARDIM RECÓLEO decorreu no dia aberto à comunidade escolar “Rumos”, e causou grande impacto visual nos visitantes. Perspetiva-se após a instalação do OLEÃO, que está para breve, a promoção do concurso “Recolhe o óleo e ganha pontos”, onde cada turma atinge uma pontuação mediante a quantidade d e ó l e o e n t re g u e a o s assistentes operacionais, que fazem parte da equipa Recóleo. Professoras de Físico Química

s a h n a p am

C 2011

O ambiente é a nossa preocupação, então toca a trabalhar!!! Vamos separar para reciclar!!! | EB1 Calvário

rumo certo


“Por uma Escola mais Ecológica”

CEF de Eletricidade apresenta projeto na Exponor

A

iniciativa “Ciência na Escola”, promovida pela Fundação Ilídio Pinho, deu origem ao projeto “Por uma Escola mais Ecológica”, que se desenvolveu na nossa escola, com o intuito de tornar a EB/S Domingos Capela energeticamente mais eficiente. Os alunos do E9 (CEF de Eletricidade) realizaram um estudo, onde foram implementadas algumas soluções, que surgiram da necessidade de melhorar o sistema de iluminação da sua sala e consequentemente da sua Escola, e com isto combater o desperdício de energia elétrica e sensibilizar a população escolar para a problemática da poupança de energia. Para efetuar o estudo, o E9 contou com o apoio de duas empresas nacionais, que diariamente contactam com a importância da eficiência energética: a Spectrolux, Iluminação S.A, sediada em Aveiro, um dos fabricantes nacionais que tem estado envolvido nos atuais projetos de modernização da Parque Escolar, desenvo l ve ndo soluções de iluminação que vão de encontro às necessidades de redução de consumos energéticos. E a Ramos Ferreira, Engenharia, S.A., empresa de instalações ligada a algumas obras da Parque Escolar, empresa que apoiou na análise de resultados e onde a experiência dos seus técnicos foi uma mais-valia. No p assado dia 28 de outubro, na Exponor, teve lugar a mostra de projetos e

a cerimónia de entrega dos prémios Fundação Ilídio Pinho “Ciência na Escola”, referentes à 9ª edição, ano letivo 2010/2011.

Alunos do curso E9 preparam a exposição.

Apesar de não ter sido premiada, a Domingos Capela foi apurada para a segunda fase do concurso, que obteve um financiamento de 500 euros. De realçar que para a segunda fase foram apenas selecionadas 351 escolas de um total de 701 projetos. Na cerimónia que decorreu na Exponor, cada participante vencedor (1º, 2º, 3º prémios e menções honrosas de cada escalão) expôs o seu projeto no espaço que lhe era reservado.

Prof. Belchior Duarte com aluno do E9 montam o ‘stand’ da Domingos Capela.

A Domingos Capela esteve representada pelos professores de Eletricidade, Belchior Duarte e Sérgio Oliveira, e pelos alunos Carlos Pinhal, Joel Cunha, Rui Oliveira e Tiago Moreira, alunos do curso E9. Na mesa de honra marcaram presença várias individualidades: Ilídio Pinho, a secretária de Estado da Educação, Isabel Leite, o diretor da DREN, o coordenador dos prémios da Fundação Ilídio Pinho e um representante do BES (parceiro desta iniciativa).

Prof. Sérgio Oliveira explica a Ílidio Pinho e à secretária de Estado o projeto da Dmingos Capela.

Isabel Leite, na sua intervenção de encerramento, anunciou o tema da próxima edição: “Serão premiados os projetos que integrem uma visão multidisciplinar e que valorizem os recursos n a t u ra i s e l o c a i s p a ra s o l u ç ã o d e p ro b l e m a s concretos”. Sessão de entrega de prémios.

DEZEMBRO 2011

11

barquinho de papel


Postais de Natal estudos | 5ºA

Edgar, 5ºA | EB/S Domingos Capela

Maria, 5ºA | EB/S Domingos Capela

Maria, 5ºA | EB/S Domingos Capela

Bruno Leite, 5ºA | EB/S Domingos Capela

Soraia, 5ºA | EB/S Domingos Capela

Maria, 5ºA | EB/S Domingos Capela

Maria João, 5ºA | EB/S Domingos Capela

Bruna, 5ºA | EB/S Domingos Capela Luís Pinto, 6ºD | EB/S Domingos Capela

Leonardo, 5ºA | EB/S Domingos Capela Bruno Leite, 5ºA | EB/S Domingos Capela

barquinho de papel

12

DEZEMBRO 2011

linha d’água

Miguel, 5ºA | EB/S Domingos Capela


Clube Hedera helix em ação!

arca de noé

DEZEMBRO 2011

13

barquinho de papel


12ºB na Aldeia SOS Crianças Família diferente, amor igual

O

12ºB, no dia 24 de outubro, no âmbito da disciplina Área de Integração, visitou a Aldeia SOS Crianças, em Gulpilhares.

A visita foi aí coordenada por uma educadora social, que explicou toda a história da fundação e sua organização. A Aldeia acolhe crianças dos 5 aos 21 anos, que, depois de entrarem na instituição ficam ao cuidado de uma mãe social, dispõem de uma casa que partilham com irmãos sociais. Estas crianças têm uma família e amor como qualquer outra.

Um amigo especial!

O

amigo que eu vou descrever tem 11 anos. Eu conheci-o no café Nice. A cara dele é oval, ele usa óculos e tem olhos castanhos. O cabelo é castanho liso e curto, também tem os dentes direitos e branquinhos. Além disso, é alto em estatura. Ele é especial: alegre, simpático, brincalhão, paciente, curioso, meigo, educado e risonho. Eu penso que ele tem uma personalidade forte porque apesar das dificuldades que tem consegue fazer tudo o que os outros meninos fazem. É um amigo muito especial e fixe! Quem é? Autor: Diogo Ferreira Texto registado pelo Juliano Monteiro

Os alunos da Domingos Capela fizeram uma visita rápida pelos espaços exteriores, para ficarem a conhecer minimamente as instalações. Por fim, puderam ver uma série de fotos de atividades realizadas pelos meninos da instituição. Esta foi uma saída interessante e importante, na medida em que levou os visitantes a refletir sobre os diferentes tipos de família e de vida(s). Neste sentido, os alunos do 12ºB sentiram-se mobilizados para angariar donativos e dessa forma contribuírem para o bem estar das crianças da Aldeia SOS. Assim, está prevista uma ação de recolha de bens alimentares, a anunciar brevemente.

Agradecimento No decurso da iniciativa levada a cabo para ajudar os alunos mais carenciados deste agrupamento de escolas, vimos agradecer a generosa contribuição dos que aderiram à nossa solicitação. Por essa razão, aqui deixamos expressa a todas estas empresas a nossa gratidão e reconhecimento pelo vosso gesto.

Um Dia de Susto

O

Halloween também chegou à nossa escola. Alguns meninos vieram fantasiados: houve bruxas, vampiros e até esqueletos. Foi muito divertido, até nos pintaram a cara! A “Bruxa Mimi” também nos visitou. Com doces e travessuras nos assustou. As abóboras iluminadas que fizemos enfeitaram a escola e assustaram todos os que passavam na rua.

A

17 de outubro, apelando à solidariedade de todos, foi realizada uma campanha de angariação de alimentos e roupas, para serem distribuídos pelos mais carenciados, no âmbito da comemoração do Dia da Erradicação da Pobreza. Estiveram presentes elementos da Conferência Vicentina, que manifestaram o seu agrado pela actividade realizada, apelando que a mesma não deve ser somente feita nos dias eleitos para o efeito. As crianças aderiram com satisfação à atividade desenvolvida. | EB1/JI Qta Seara

A Direção

CharterBus Flôr do Norte Impala Joaquim Alberto Pinto da Rocha, Lda. Jornal de Notícias JPM & Abreu, Lda. Padaria ZEFATI Papelaria ABC PINOLIM STAEDTLER Portuguesa, Lda. Supermercado Estrelinha Throttleman barquinho de papel

14

DEZEMBRO 2011

EB1/JI do Monte

todos a bordo


Algumas curiosidades sobre os únicos mamíferos que voam:

os morcegos! N A imagem mais antiga de um morcego foi encontrada numa parede, no Egito, e tem 3800 anos! N Os morcegos são essenciais na manutenção do equilíbrio dos ecossistemas, devendo, por isso, proteger-se os seus abrigos. N Os dejetos (guano) dos morcegos são um excelente fertilizante, sendo também uma fonte de salitre usada para fazer pólvora. N Os morcegos têm um sistema de ecolocação (emitem ultrassons impercetíveis ao ser humano que regressam ao animal, em forma de eco recebido pelo ouvido), a que se associa, em geral, orelhas grandes e complexas e, nalgumas famílias, folhas nasais). N Em geral, a gestação pode durar de 40 dias a 5-6 meses. A maioria das espécies tem apenas uma cria por ciclo, a qual tem um desenvolvimento rápido (cerca de um mês e meio) até poder voar. N A sua curiosa característica de dormirem de cabeça para baixo, permite-lhes poupar espaço e energia no início do voo. N Também entram em letargia nas épocas frias do ano, facto que também lhes permite uma grande economia energética. N Algumas espécies efetuam migrações para zonas com maior disponibilidade de alimento. N Os morcegos hematófagos (que se alimentam de sangue) têm na saliva uma substância anticoagulante mais eficaz que os fármacos produzidos para o mesmo efeito, no tratamento de AVC. Na Grã-Bretanha, está a desenvolver-se um novo medicamento que utiliza uma proteína presente na saliva dos morcegos-vampiros para dissolver coágulos de sangue no cérebro, potencialmente perigosos, que atua duas vezes mais depressa que qualquer outra forma de substância de uso clínico conhecida. N Os morcegos insetívoros são excelentes controladores de pragas agrícolas, florestais e vetores de doenças, sendo os consumidores mais eficientes de insetos noturnos e, como tal, o melhor inseticida natural conhecido. N Os morcegos frugívoros (que comem frutos) no Novo Mundo foram reconhecidos como um fator vital para a regeneração da floresta, nomeadamente após operações de desflorestação, uma vez que são dispersores de sementes de espécies de árvores autóctones. N Os morcegos frugívoros e nectarívoros são dos veículos mais importantes, e por vezes até exclusivos, de polinização de variadíssimas plantas e de dispersão das suas sementes.

2011 Ano dos Morcegos

A

comunidade científica mundial conhece atualmente 1200 espécies de morcegos – que correspondem a cerca de um quinto de todos os mamíferos – metade das quais está ameaçada de extinção. Os mais pequenos têm o tamanho de uma abelha, enquanto os maiores chegam a atingir o tamanho de uma lebre. Uns são insetívoros, outros frugívoros, piscívoros, havendo três espécies de morcegos-vampiros, na América Latina, mas apenas uma se alimenta de sangue de mamíferos. Em Portugal conhecem-se atualmente 27 espécies de morcegos, todos insetívoros, seis das quais com o estatuto “criticamente em perigo” (Morcegode-ferradura-mediterrânico, Morcegode-ferradura-mourisco, Morcegorato-pequeno, Morcego da Madeira, Morcego dos Açores e populações na Madeira do Morcego-orelhudocinzento). O declínio de muitas espécies de morcegos levou ao lançamento do Ano do Morcego, a celebrar nos anos de 2011 e 2012, através do Programa do Ambiente das Nações Unidas e pelo Acordo sobre a Conservação das Populações de Morcegos Europeus. Em Portugal foi oficialmente inaugurado no dia 2 de março de 2011, numa cerimónia que decorreu na Lapa da Canadá, em Nascentes do Alviela, Alcanena, com uma visita ao abrigo

dos morcegos. Esta iniciativa pretende mostrar “como são fantásticos” os morcegos, principalmente, às “pessoas que nunca os viram ou se viram pensam que são todos iguais”. Os morcegos são mamíferos extraordinários, desconhecidos para a maior parte das pessoas, que associam a estes seres noturnos, de voo rápido, histórias fantasiosas e fantasmagóricas, com crenças e superstições absurdas, que fazem dele um animal mal amado e até temido. Quem não se lembra dos filmes do Conde Drácula que criaram o vampirismo? E de terem ouvido aos mais idosos que os morcegos se emaranham nos cabelos compridos, que comem chouriços nos tetos das cozinhas? A ignorância, o medo, a perseguição deliberada, a destruição do seu habitat e o uso de pesticidas têm levado ao decréscimo de populações de morcegos em todo o planeta. S e re s p e i tá s s e m o s a n a t u re za , deixaríamos a estes mamíferos a benéfica tarefa de controlarem os insetos prejudiciais e, deste modo, reduziríamos significativamente os inseticidas e pesticidas, que tantos problemas ambientais e de saúde criam. Os morcegos insetívoros comem, por dia, cerca de metade do seu peso destes invertebrados que tantos prejuízos criam aos agricultores e jardineiros. Isto representa uma tonelada de insetos para uma colónia de média dimensão. Maria Dalila Reis | Prof. de CN e cooperante no Clube Hedera helix (PROSEPE)

Para saberes mais sobre MORCEGOS, consulta:

www.wix.com/anodomorcego/icnb

DEZEMBRO 2011

15

barquinho de papel


Dia das bruxas

D

ecorreu na biblioteca da escola sede, em simultâneo com a EB1/JI da Marinha, a já tão esperada FEIRA DO LIVRO. Esta teve lugar entre os dias 28 de novembro e 2 de dezembro. Desta vez, além da livraria/ papelaria ABC, em Espinho, esteve também representada a editora LEYA, o que muito contribuiu para a diversidade de escolhas/ofertas desta Feira. No dia 30 de novembro, o horário da biblioteca da escola sede foi alargado com o intuito de permitir aos pais/Encarregados de Educação estarem presentes e poderem “saborear” o gosto pelos livros. Foi uma semana muito concorrida o que vem, mais uma vez, comprovar que na nossa escola os livros circulam e fazem sonhar os nossos alunos transportando-os para mundos que estão para além da realidade!... Fica a promessa de que para o ano haverá mais e (quem sabe?!) melhor …

Feiras do livro simultâneas

na sede e EB1/JI Marinha

E

ra uma vez um menino que andava perdido no meio da floresta. De repente apareceu uma bruxa que lhe perguntou: - Sabes que hoje é o dia das bruxas, meu rapaz? - O menino muito assustado fugiu. Depois de muito andar, começaram a acontecer coisas demasiado estranhas e assustadoras! Repentinamente anoiteceu. As árvores transformaram-se em verdadeiros monstros. De cada ramo saíam milhares e milhares de morcegos em direção ao menino, e ele cada vez estava mais amedrontado! Ao fundo da floresta havia um enorme castelo assombrado. Sem saber o que o esperava, o menino, que tentava livrar-se de tantos morcegos e outras criaturas que o atormentavam, entrou naquele sítio arrepiante. Qual não foi o seu espanto, quando se deparou com um cenário aterrorizador. Centenas de bruxas voavam nas suas vassouras, acompanhadas dos seus assanhados gatos pretos. Aranhas gigantes teciam teias que cobriam todo o castelo. Esqueletos dançantes alegravam aquela noite.

Momentos musicais e largada de balões com a mensagem “Biblioteca Escolar | Saber. Um poder para a vida.” no decorrer da Feira do Livro 2011. Esta iniciativa contou com o apoio da Associação de Pais e Direçao do Agrupamento Domingos Capela e a colaboração de professores do 1º ciclo.

N

j barquinho de papel

16

DEZEMBRO 2011

o âmbito da visita da escritora Luísa Ducla Soares, as turmas do 1º ciclo trabalharam os livros “História da Papoila”, “O Sultão Solimão” e “O Criado Maldonado”, obras desta autora de livros juvenis. No encontro, os alunos fizeram algumas perguntas a que a escritora respondeu com satisfação visível.

Foi nesse preciso instante que o menino descobriu que tudo aquilo não passava da tão popular festa do dia das bruxas. E, como por magia ou bruxaria, o pequeno transformou-se num fantasma que passou o resto da noite em doçuras e travessuras. O texto “Dia das Bruxas” foi elaborada no âmbito de uma oficina de escrita realizada com o 4º ano da EB1 do Calvário, a qual inclui 2 alunos especiais. Quinzenalmente os dois alunos trabalham uma história que depois é desenvolvida em diferentes vertentes, com a restante turma. Esta atividade integra o “Plano Nacional de Leitura”.

N

o Dia Mundial dos Animais, a professora Rita veio à nossa sala contar uma história «O escuro e o gato».

i

Eu gostei mais do gato e da parte do escuro porque o escuro não tinha olhos e depois fez magia…

barcaça da leitura

JI Marinha


Vilas-Boas: um “mister” da escrita! O Agrupamento Domingos Capela investe continuamente na melhoria das aprendizagens dos seus alunos. Há já vários anos que os professores de português implementam oficinas de escrita nas suas aulas. E uma oficina é um local de trabalho, implica o uso de ferramentas, do pensamento, e entrega às tarefas. Uma oficina de escrita funciona dessa forma. A diferença é que as ferramentas são as palavras.

T

odos os alunos têm de escrever em bom português em todas as disciplinas (excetuando as línguas estrangeiras), pelo que o desenvolvimento desta competência é determinante no seu aproveitamento escolar. Assim, a escola conta com a colaboração do professor Vilas-Boas, reconhecido especialista a nível nacional da didática da escrita. Com ele, professores e alunos de

Uma oficina de escrita consiste norm a l m ente num conjunto de dois a três blocos de aulas de 90 minutos. A primeira é sempre mais demorada: há que explicar o funcionamento e objetivos do trabalho. As oficinas seguintes gastam sempre menos tempo.

todo o Agrupamento têm vindo a melhorar os seus desempenhos nesta área. O professor Vilas-Boas trabalha com os professores na área da didática e coloca em prática “o seu método” diretamente com os alunos.

Depois vem a fase mais trabalhosa: textualização. Isto é, transformam-se os tópicos da planificação em texto. E este processo é acompanhado pelo professor. À medida que o aluno vai escrevendo, tem

De forma muito simples, começa-se por aprender a planificar um texto: selecionar os assu nto s q u e poderão ser tratados a partir de um tema; ordená-los e dividi-los em parágrafos. Nesta fase decide-se ainda o que poderá ser escrito na introdução e na conclusão, sendo que o desenvolvimento contém o maior número de parágrafos.

Vilas-Boas em oficina de escrita com o 5ºB | EB/S Domingos Capela

o apoio, em tempo real, do professor. Este não corrige: dá indicações de reescrita e é o próprio aluno que faz as suas correções. Só s e u s a c a n e ta ! N ã o h á lápis, borracha ou corretor. Se há engano ou emenda a refazer, risca-se e escreve-se de novo. O importante é que o aluno possa observar como foi melhorando o seu texto! Assim, escrever não é ta re fa d i f í c i l ou aborrecida. Nestas aulas, os alunos estão muito ativos e empenhados no trabalho. À medida que vão terminando, divulga m a o s c o l e ga s os seus textos e todos levam palmas.

que se juntará brevemente a EB1 do Calvário. No terceiro ciclo e secundário, esta forma de trabalhar já vinha sendo implementada, até para dar melhor res-

posta às exigências do novo programa de português.

Neste momento, o professor Vilas-Boas está a trabalhar diretamente com uma turma da EB1 da Marinha, o 5ºB da EB/S Domingos Capela a DEZEMBRO 2011

17

barquinho de papel


o Selo de Qualidade Nacional, ganhámos em Portugal o prémio de melhor projeto eTwinning 2011 (3º ciclo)!

Olá pessoal!

Já conhecem o eTwinning? eTwinning é um projeto europeu que envolve várias escolas; trocam-se ideias, informações sobre costumes e modos de vida, etc. e desenvolvem-se trabalhos sobre os mais variados temas. A professora Manuela Correia, de Educação Musical, é a principal responsável aqui na escola. É um projeto em que a Domingos Capela está em grande: após conseguirmos

E, este ano, já temos outra vez o Selo de Qualidade Europeu, o que é um bom sinal… porque podemos concorrer aos Prémios Europeus 2012.

O que fazemos?

Bem, parece complicado mas é muito simples. O TwinSpace é muito parecido com outras redes sociais. É uma plataforma online onde desenvolvemos o projeto e falamos com os nossos parceiros dos outros países. “EUrope” é o projeto deste ano, cujo lema é «Music is like a rope: it links people!»

(A música é como as cordas: liga as pessoas!). E é mesmo disso que se trata: estarmos ligados a jovens da nossa idade de outros países (Espanha, Polónia, República Checa, Noruega e Finlândia) e conhecermo-nos melhor! Até agora, o 8º ano tem estado, por exemplo, a fazer “EUrings”, ringtones baseados em sons conseguidos a partir de cordas que cada turma gravou e manipulou nas aulas de Educação Musical. Também lançámos desafios para sabermos mais uns sobre os outros, como pedir para cantarem canções tradicionais, mostrar fotos do país, da localidade e da escola, explicar as disciplinas que há na escola de cada país, o tipo de avaliação, etc.

Se gostas de pertencer a uma equipa dinâmica, de fazer parte de algo com sucesso, experimenta falar com a prof. Manuela Correia: ela explica-te como podes participar neste projeto! Assim, quando recebermos mais prémios, saberás que fazes parte desta equipa! Não gostas que a tua equipa vença? ´Bora lá: aparece! Na sala 249, às quintas-feiras, das 13h45 às 15h15. Vais divertir-te! O mundo torna-se cada vez mais pequeno: podemos ser amigos de pessoas que moram bem longe… (e esquecer a crise!…) Mariana Patela | 8ºB aluna Administradora eTwinning

U

m projeto eTwinning envolve sempre diversas atividades. No projeto “EUrope”, no âmbito do módulo “Música e tecnologia”, os alunos do 8º ano exploraram sons produzidos com cordas, gravaram e manipularam os sons conseguidos no computador, usando para isso o programa opensource Audacity. Aqui fica o registo na primeira pessoa de alguns dos participantes. Rui Leite, 8ºB

P: Estás a gostar deste projeto? Rui: Sim, estou a gostar. P: De que mais gostaste até agora? Rui: De trabalhar com o programa (Audacity) e de manipular os sons para obter um bom resultado final. P: E trabalhar com este programa como é? Rui: É fácil e acho que vou ter um bom trabalho. Acho, não. Tenho a certeza! P: Vais usar o toque que estás a fazer no teu telemóvel? Rui: Claro. Vai ser o meu toque.

João Amorim, 8ºB

P: Estás a gostar deste projeto? barquinho de papel

18

DEZEMBRO 2011

João: Sim. P: De que mais gostaste até agora? João: De fazer experiências com as cordas. P: E trabalhar com este programa como é? João: É muito bom e engraçado. P: Vais usar o toque que estás a fazer no teu telemóvel? João: Sim e não. Se eu gostar do toque, sim.

Diogo Martins, 8ºB

P: Estás a gostar deste projeto? Diogo: Posso dizer que sim. P: De que mais gostaste até agora? Diogo: De trabalhar com o Audacity.

8ºB | EB/S Domingos Capela

P: E trabalhar com este programa como é? Diogo: O programa é engraçado e interessante. P: Vais usar o toque que estás a fazer no teu telemóvel? Diogo: Com o trabalho que estou a ter, claro que sim.

Mariana Patela, 8ºB

P: Estás a gostar deste projeto? Mariana: Bastante, está a ser muito divertido. É um projeto bastante interessante onde se pode aprender muita coisa sobre as culturas dos outros países, outros estilos, etc… Acho que neste projeto dá para melhorarmos o nosso inglês ao falarmos com as pessoas dos

outros países. P: De que mais gostaste até agora? Mariana: Se calhar de poder aprender sobre outras culturas, outras línguas. Estes tipos de música, poder ser “DJ”... P: E trabalhar com este programa como é? Mariana: Acho que é muito divertido. Acho que é giro fingirmos que somos “DJ” e é bom termos aulas diferentes das que costumamos ter. P: Vais usar o toque que estás a fazer no teu telemóvel? Mariana: Ai, ainda não sei, mas digamos que sim. Acho que não sou talentosa a fazer toques... Entrevistadoras Lisete Silva e Diana Santos, 8ºB | EB/S Domingos Capela

águas internacionais


rma virtual ‘TwinSpace’ - platafo

o onde é desenvolvido

projeto.

elcome ing.net/web/p57077/w new-twinspace.etwinn gspot.com/ europe-etwinning.blo

‘Quem somos’ - trabalho de identificação pessoal realizado na disciplina de Inglês.

7ºB envia postais de Natal para as escolas parceiras.

7ºD executa um ostinato rítmico.

7ºB e 7ºC cantam ‘Frère Jacques’ em diversas línguas estrangeiras.

Alunos do 8º ano tentam extrair sons das cordas.

Manipulação dos sons no Audacity. 7ºA elabora ‘Glogsters’ (posters digitais) sobre instrumentos, danças e canções tradicionais.

Brincadeiras!

Lisete Silva e Diana Santos, 8ºB | EB/S Domingos Capela

Brincadeiras matemáticas (?!) DEZEMBRO 2011

19

barquinho de papel


Porão

E

sta nova rubrica assinala a comemoração dos 25 anos do Barquinho. Fomos ao porão recuperar alguns dos tesouros das edições que traçaram a nossa rota. Vamos partilhá-los neste e nos próximos números. São milhas e milhas percorridas em que veio à tona o espírito de grupo que sempre caracterizou a brava tripulação que é a nossa comunidade educativa. E já levantamos ferro rumo a novos portos. Zarpamos continuamente contando sempre com todos a bordo.

nºn.019994 ju

nºar0. 19691 m

nºar1. 19196 m

1993-1994

1995-1996 Carla, Conceição e Susana, 6ºC | Catarina, Iolanda e Vera, 6ºC | Turma B e Rui, 6ºB 1990-1991

Lúcia Mafalda, 6ºC | Paulo, 5ºF | Pedro Orlando, 5ºH

Tesouros?!... mas onde é que estão os tesouros?...

Bruno, 6ºD | Carla Marina, 5ºG | Luís Filipe, 6ºD

Desporto Escolar Ano Letivo 2011-2012

Treinos Modalidade

TODAS

Prof. Responsável

José Manuel Sá

Escalão

Todos

Escalões Infantis A

Infantis B

Iniciados

barquinho de papel

1999/2000

20

DEZEMBRO 2011

1997/1998

Horas

3ª feira

das 14:30 às 15:15

5ªfeira

das 11:55 às 12:45

5ª feira das 14:30 às 15:15

Juvenis

Júniores

FUTSAL

1994/ anteriores

FUTSAL

Fernanda/Miguel

3ª feira

das 14:30 às 17:15

6ª feira

das 16:15 às 17:00

3ª feira

das 14:30 às 15:15

6ª feira

das 13:45 às 15:15

Infantis/ 2ª feira Iniciados Masculino 5ª feira

das 16:15 às 17:00

Iniciados Masculino 4ª feira

das 13:45 às 15:15

Juvenis Masculino 4ª feira

das 15:30 às 17:00

Iniciados Feminino

atletas nascidos em: 2001/2002

Dia

1995/1996

porão

Manuel Barbosa

TÉNIS DE MESA

Carlos M. Costa

VOLEIBOL

Cristina Baptista

Iniciados Masculino

das 14:30 às 17:00


Calendário Escolar Ano Letivo 2011-2012

Clubes e Sala de Estudo Horas

2ª feira

3ª feira

Cantinho do Português

Cantinho do Português

Cantinho do Português

Prof. Marisa Ferreira

Prof. Sílvia Brandão

Prof. Carmo Reuter

Dias

12:40-13:25

Sala 216

4ª feira

5ª feira

Sala 216

6ª feira

Sala 216

Cantinho da Matemática Sala 216

Clube de Artes

Prof. Cristina Arteiro

Sala 125

Cantinho da Matemática

13:45-14:30

Prof. Filomena Bilber

Clube da Proteção Civil

Sala 216

eClub

Sala 245

Prof. Manuela Correia

Sala 110

Prof. Ana Guedes

Prof. Fátima Lopes

Sala de Estudo

Sala de Estudo

Prof. Aida Aleixo (FQ) Prof. Helena Barros (CN)

Prof. Aida Aleixo (FQ) Prof. Ana Paula Reis (Ing)

Sala 224

Clube de Artes Sala 125

Prof. Filomena Bilber

Sala de Estudo

2º Período de 3 janeiro a 23 março 2012

Sala 224

Prof. Carla Reis (Mat) Prof. Eugénia Pinto (LP)

Prof. Pilar Gomes

eClub

Sala 245

Sala de Estudo

Prof. Manuela Correia

Prof. Fátima Silva (FQ) Prof. Cristina Costa (LP) Prof. Eugénia Pinto (LP)

PROSEPE

Sala 224

3º Período

Sala 172

de 10 abril a 8 junho de 2012

Prof. Dalila Reis

15:30-16:15 16:15-17:00

1º Período de 15 setembro a 16 dezembro 2011

Sala de Estudo

Prof. Pilar Gomes

Sala 245

Períodos Letivos

Sala 224

Sala 224

Sala 249

Clube de Música

Sala 216

Prof. Cristina Arteiro

Prof. Aida Aleixo (FQ) Prof. Ana Henriques (Ing) Prof. Cristina Arteiro (Mat) Prof. Cândido Lima (Hist)

Clube de Música

14:30-15:15

Cantinho da Matemática

para o 6º, 9º, 11º e 12º anos de escolaridade

PROSEPE

PROSEPE

Sala 172

Sala 172

Prof. Beatriz Gomes

Prof. Beatriz Gomes Prof. Dalila Reis

PROSEPE

PROSEPE

Prof. Beatriz Gomes Prof. Dalila Reis

Prof. Beatriz Gomes Prof. Dalila Reis

Sala 172

de 10 abril a 15 junho de 2012

para o 1º, 2º, 3º, 4º, 5º, 7º, 8º e 10º anos de escolaridade

Sala 172

Interrupções Letivas

nºar0. 19187 m

Natal

de 19 dezembro 2011 a 2 janeiro 2012, inclusive

Carnaval

de 20 a 22 fevereiro 2012, inclusive

Páscoa

de 26 março a 9 abril 2012, inclusive

Horário de Atendimento dos Diretores de Turma aos Encarregados de Educação

turma 5ºA 5ºB 5ºC 5ºD 6ºA 6ºB 6ºC

diretor turma Eugénia Pinto Delfina Casalderrey Rosa Oliveira Beatriz Gomes Carlos Sousa Paula Bóia Miguel Pinheiro

dia

horário atendimento

turma

2ª 3ª 4ª 4ª 5ª 3ª 6ª

10H15 – 11H00

9ºA 9ºB AC8

Marisa Rocha

M8

Gorete Leite

6ºD

Lígia Oliveira

7ºA 7ºB 7ºC 7ºD 8ºA 8ºB 8ºC

Isabel Barrias

6ª 4ª 4ª 3ª 3ª 2ª 3ª

Ester Lemos Nelma Patela Albertina Silva Sílvia Brandão Filomena Bilber Paulo Cunha

11H00 – 11H45 11H55 – 12H40 11H00 – 11H45 12H40 – 13H25 9H15 – 10H00 17H00 – 17H45 9H15 – 10H00 13H45 – 14H30 12H40 – 13H25 9H15 – 10H00 11H55 – 12H40 11H55 – 12H40 10H15 – 11H00 11H55 – 12H40 10H15 – 11H00

E9 F9 M9 10ºA 10ºB 11ºA 12ºA 12ºB Pief A Pief B

diretor turma Lia Lopes Cristina Arteiro

Alexandra Cruz Isabel Bessa Carla Granja Carmo Reuter Eunice Vilarinho Ana Henriques Alzira Rocha Cândido Lima Maria Pilar Gomes Angelina Moreira

dia

horário atendimento

3ª 3ª 4ª 2ª 5ª 3ª 2ª 4ª 2ª 2ª 3ª 4ª 5ª 4ª 5ª

11H00 – 11H45

Pré-Escolar de 8 setembro 2011 a 6 julho 2012

11H00 – 11H45 11H55 – 12H40 14H30-15H15 9H15 – 10H00 10H15 – 11H00 10H15 – 11H00 11H55 – 12H40 10H15 – 11H00

Natal

entre 19 e 30 dezembro 2011

Carnaval

de 20 a 22 de fevereiro 2012, inclusive

11H00 – 11H45 11H55 – 12H40

Páscoa

10H15 – 11H00 9H15 – 10H00 10H15 – 11H00

entre 26 março e 9 abril 2012, inclusive

11H00 – 11H45

farol

DEZEMBRO 2011

21

barquinho de papel


a t s i v à a p o r eu Música: núcleo temático dos projetos

Prémio Nacional eTwinning 2011 WaterRings foi o melhor projeto

À

semelhança do ano passado, os projetos eTwinning do Agrupamento mereceram várias distinções. Os projetos “Celebrations in Comeniusland”, “European Glossary of Music” e “WaterRings” receberam o Selo de Qualidade Nacional e os dois últimos o Selo de Qualidade Europeu entre centenas de projetos ativos no espaço europeu, o que atesta a sua relevância pedagógica e educativa. Os selos de qualidade permitem o acesso aos prémios eTwinning, pelo que os dois projetos correm o risco de serem premiados. “WaterRings” já recebeu o prémio de melhor projeto do 3º ciclo a nível nacional, relativo a 2011. Este é o reconhecimento da excelência do trabalho que neste âmbito se faz na escola. A responsável por estes projetos, professora Manuela Correia, recebeu em Évora, no passado dia 15 de outubro, o troféu nacional, na companhia da professora Almira Pinto, em representação da Direção do Agrupamento. Aquela docente sublinhou que o prémio resulta da colaboração e espírito de equipa entre os vários particpantes, quer sejam alunos, quer sejam professores. Além dos prémios, assinale-se que o nome da Domingos Capela é já referência a nível nacional. Daí que não seja por acaso que a professora Manuela Correia tenha sido convidada pela embaixadora nacional eTwinning para uma ação de divulgação e sensibilização da valia destes programas. A docente da Domingos Capela esteve ainda na Universidade de Aveiro, onde deu uma palestra a professores estreantes nestas andanças. Professoras Almira Pinto e Manuela Correia com troféu “Prémio Nacional eTwinning 2011”.

barquinho de papel

22

DEZEMBRO 2011

De referir que, embora diferentes, ambos os projetos partiram da música para alcançar os seus objetivos. O “European Glossary of Music” propôs-se elaborar um glossário de termos musicais nas 28 línguas dos países que o integraram. Os alunos criaram ainda trechos ao estilo “hiphop” e cartões de Natal eletrónicos musicais, entre outras atividades. Te n d o c o m o fo n te a música clássica, “WaterRings” foi desenhado para desenvolver a criatividade e a imaginação, bem como a capacidade para pesquisar assuntos relacionados com a água. Tratou-se de um projeto Manuela Correia e Almira Pinto junto ao cartaz do projeto. interdisciplinar que contou com a participação de toda a comunidade escolar do 1º ao 3º ciclo, passando pelos cursos CEF, PIEF e Encarregados de Educação.

Novos projetos

A onda eTwinning tem alastrado. No momento, a professora Delfina Casalderrey dirige o projeto “CastleLand”, que tem por objetivo pesquisar e divulgar castelos de cada um dos países participantes. No caso português, os castelos de Santa Maria da Feira, Guimarães e Aljustrel serão os cabeças-de-cartaz. “EUrope” é outro projeto ativo, que divulgará a música, compositores e cultura musical portuguesas e seus ícones. EU refere-se à União Europeia e “rope” é a palavra inglesa que significa corda e que aqui se assume como elo de ligação a vários níveis. Assim, os países farão a sua divulgação musical, enriquecendo culturalmente todos os participantes e realizaram atividades criativas e/ou recreativas envolvendo cordas.

Projetos encerrados - links

Celebrations in Comeniusland new-twinspace.etwinning.net/web/p42436/welcome

European Glossary of Music www.europeanglossaryofmusic.webs.com europeanglossaryofmusic.blogspot.com/ new-twinspace.etwinning.net/web/p28439/welcome

WaterRings www.waterrings.webs.com new-twinspace.etwinning.net/web/p39957/welcome


Fomos à Biblioteca e ouvimos histórias!

Ana Rita, 2º ano | EB1/JI Marinha

Íris, 2º ano | EB1/JI Marinha

Mariana Reis, 2º ano | EB1/JI Marinha

Isabel, 2º ano | EB1/JI Marinha

2º ano | EB1/JI Marinha

Catarina, 2º ano | EB1/JI Marinha

Mariana Sofia, 2º ano | EB1/JI Marinha

Lara, 2º ano | EB1/JI Marinha PROPRIEDADE Agrupamento Domingos Capela ESPINHO

COORDENAÇÃO/EDIÇÃO/PAGINAÇÃO Manuela Correia barquinhodepapel@gmail.com

REDAÇÃO/APOIO À EDIÇÃO Cristina Costa Comunidade escolar

IMPRESSÃO Empresa Gráfica Paramos PARAMOS

TIRAGEM

1000 exemplares

ISSN

2182-1194


EMITOR CURSO

PROFISSIONAL

DE

COMUNICAÇÃO

EMITOR .WORDPRESS.COM

PROFESSOR ANTÓNIO SÁ

9 MESES DE MANDATO Os primeiros meses do mandato como Diretor, o espírito de entreajuda, a oferta formativa e a importância dos cursos de via profissionalizante. Grande Entrevista

EMITOR é um suplemento da edição de Dezembro/2011 d’O Barquinho de Papel e não pode ser adquirido separadamente. Foi concebido, editado e paginado pelos alunos das duas turmas do 3.º ano do CURSO PROFISSIONAL DE COMUNICAÇÃO, sob coordenação do prof. Albano Assunção (CGA).

PROF. MANUELA CORREIA E O 25.º ANIvERsáRIO d’O BARQUINHO dE PAPEL


Professor António sá, Diretor Do AgruPAmento

“estAmos no bom cAminho” Em entrevista ao EMITOR, o professor António Sá faz um balanço dos primeiros meses do seu mandato como Diretor do Agrupamento Domingos Capela, salientando o espírito de entreajuda que reina em toda a comunidade escolar. Fala de dificuldades mas também da união entre professores e pessoal não docente, enaltece a variedade da oferta formativa do agrupamento e sublinha a importância dos cursos de via profissionalizante. Entrevista de Nádia Pereira, Renata Sona (textos) e Wilson Ferreira (fotos)

ii Emitor O BARQUINHO DE PAPEL | DEZEMBRO DE 2011

F

oi professor de inglês, vice-presidente do Conselho Executivo e subdiretor. Desde março de 2011 é diretor do agrupamento – como tem sido a adaptação a este novo cargo? Acima de tudo, tem sido uma adaptação gradual, às vezes complicada porque, como vocês todos sabem, a nossa diretora era a Dr.ª Adelina, que fazia tudo, era uma “super-mulher”. Foi considerada a professora do ano e, portanto, esta foi uma herança complicada: há muitos campos que eu tive de aprender a gerir, a saber resolver, e por vezes ainda preciso de tempo para poder inteirar-me de algumas situações. Nesta fase estamos ainda numa situação de delegação de competências, pois havia muita coisa em cima dos meus ombros que estou a tentar passar para as minhas colegas [da Direção, professoras Almira Pinto, Fernanda Marques e Georgina Dias]. Às vezes, tem sido complicado. Tem havido imenso trabalho e muitas situações que exigem mesmo alguma ponderação e ajuda da Dr.ª Adelina, da restante Direção, dos professores, dos alunos e do pessoal não docente. E como é que tem decorrido o mandato? O mandato tem tido uma coisa boa: os professores e o pessoal não docente é um corpo unido. Todos eles têm-me ajudado muito. Mas há uma série de situações complicadas como, por exemplo, a seleção dos professores das AEC [Atividades de Enriquecimento Curricular], que nos ocupou muito tempo. Depois, todos os dias e todas as semanas são-nos pedidos dados para a DREN… Sistematicamente tem havido muito trabalho. E, vocês sabem-no, a Direção está cá todos os dias desde as 8h30 até às 17h. Nem eu nem as minhas colegas gozámos as férias todas. E tem sido um trabalho desgastante.


Mas, ao mesmo tempo, tem sido reconfortante verificar que estamos no bom caminho. Tivemos muito melhores resultados do que nos exames externos, bons resultados a Português e a Matemática, bons resultados no 9.º ano e, pela primeira vez, houve alunos de um Curso Profissional a entrar na universidade. Portanto, tudo isso nos dá ânimo para continuarmos um trabalho que tem sido árduo e desgastante. Mas vale a pena por vocês, alunos. O número de membros da Direção passou de cinco para quatro. É mais difícil trabalhar assim… É mais complicado porque nós tínhamos cá a Dr.ª Adelina e, além dela, éramos mais quatro. Não foi só o facto de a Direção ter sido reduzida de cinco para quatro pessoas, foi também o facto de a Dr.ª Adelina ter ido embora… Depois, há uma coisa muito importante: o agrupamento tem turmas desde o Ensino Pré-escolar até ao Secundário, incluindo CEF tipos 2 e 3 e os EFA (este ano não estão a funcionar porque não tivemos alunos suficientes), que exigem muito da direção. Como é que tem sido gerir o agrupamento em tempos de crise e austeridade? Estamos a tentar poupar. Não sei se vocês repararam, mas estamos a montar novas torneiras no ginásio, fizemos um investimento grande que a curto/médio prazo começará a dar bons resultados. Vamos poupar na água, na eletricidade, nos telefones e vamos ver como é que se pode poupar mais numa ou noutra situação. Estamos a fazer as compras públicas a que somos obrigados e a tentar rentabilizar o material que existe na escola. Mas é bom dizer o seguinte: até hoje ainda não faltou nada aos alunos e aos professores, vamos apenas ter de cortar no plano anual de atividades, nomeadamente nas visitas de estudo; mas terão sempre o mínimo de condições para desenvolverem um bom trabalho. Qual é a importância dos cursos de via profissionalizante? Quando os cursos profissionais arrancaram, há quatro anos, a primeira preocupação do agrupamento foi dar uma saída aos nossos alunos que terminavam o 9.º ano, o que acabou por projetar ainda mais a imagem da nossa escola. Estes cursos vieram dar a hipótese a dezenas de alunos terminarem o 12.º ano no agrupamento e nós sabemos que hoje em dia não vale a pena – desculpem a minha sinceridade – toda a gente pensar em ir para uma universidade ou para uma instituição de ensino superior. O país tem muita falta de mão de obra qualificada – muitas vezes, diz-se: “Eu quero um eletricista e não arranjo, quero um canalizador e não consigo, precisamos de uma pessoa que faça esses serviços e não se encontra!”

“Tivemos muito melhores resultados do que nos exames externos, bons resultados a Português e a Matemática, bons resultados no 9.º ano e, pela primeira vez, houve alunos de um curso profissional a entrar na universidade” Um curso profissional é uma saída válida. Exato! Estou convencido de que acaba por ser uma saída muito válida para os nossos alunos. Se atentarmos na percentagem de pessoas licenciadas no desemprego, ela é muito elevada; e, se olharmos à nossa volta, a Domingos Capela tem tido a estratégia de criar cursos profissionais que tenham saída efetiva, como o primeiro, que era de Restauração, ou o segundo, que era de Turismo. Ora, Espinho (e Porto, e Aveiro) tem muitos restaurantes, tem turismo. Nem sempre os alunos ficam a trabalhar na área do curso profissional que concluíram, mas muitas das vezes só não ficam porque não querem. É muito

importante que isso também seja dito porque, muitas vezes, não querem trabalhar à sexta-feira, à noite, ao sábado… E quanto ao Curso Profissional de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade, o que se lhe oferece dizer? O vosso curso é um daqueles que irá dar-vos saída profissional. Nós temos de pensar que, hoje em dia, tudo anda à volta da imagem, da publicidade, da forma como nos é apresentada uma ideia… Vocês têm ótimos trabalhos. E eu sou sincero: sou fã dos trabalhos que vocês fazem com os professores que vos acompanham. Este curso não caiu do céu, foi muito pensado, pois é exatamente o que era necessário hoje em dia. Se vocês forem ao mundo da Internet, da publicidade ou do marketing, ganham coisas fabulosas... e os nossos alunos tem muita imaginação, vocês têm muita imaginação. Agora, têm de saber aproveitar essa imaginação para o vosso bem. Estou convencido de que vocês, do Curso Profissional de Comunicação, se realmente se empenharem conseguem ter uma saída profissional já este ano e não só no curso superior. l

“o melhor jornal do país” Também fez parte da equipa de “O Barquinho de Papel”. Numa altura em que se comemoram os 25 anos do jornal, que balanço faz deste símbolo do agrupamento? O Barquinho é uma imagem de marca da escola. Temos o melhor jornal escolar do país – não é o melhor de Espinho, é o melhor jornal escolar do país de acordo com um concurso do jornal “Público”. Acho que era altura de as pessoas olharem para o Barquinho como um símbolo desta escola. Ele vai continuar a ser produzido durante os próximos anos e eu faço questão de que continue a sair três vezes por ano [letivo]. Tenho pena de que ele ainda não tenha chegado a toda a comunidade espinhense; aliás, nem sempre é acarinhado pelos nossos alunos como deveria ser. Ou não leem, ou não compram, ou não participam. Se todos vocês participassem mais no Barquinho, este seria um jornal mais rico em relação à informação, às vossas opiniões… Eu próprio fiz parte do Barquinho. Neste momento, a responsável é a professora Manuela Correia, que tem feito um trabalho fabuloso, e, se contabilizarmos os prémios que ganhámos nos últimos anos, acho que todos nós temos de estar orgulhosos. l

“se contabilizarmos os prémios que ganhámos [com ‘o Barquinho de papel’] nos últimos anos, todos nós temos de estar orgulhosos”

O BARQUINHO DE PAPEL | DEZEMBRO DE 2011 Emitor iii


COORDENADORA DO BARQUINHO DE PAPEL REALÇA A IMPORTÂNCIA DA PUBLICAÇÃO

UM jORNAL DE E PARA TODOs D.R.

A professora Manuela Correia, que coordena a equipa d’O Barquinho de Papel há oito anos, faz um retrato de um jornal que agora celebra o 25.º aniversário

O

Barquinho de Papel comemora 25 anos neste ano letivo. Como é chegar a esta marca? É um orgulho! Não é fácil encontrar uma publicação escolar com uma vida tão longa. O Barquinho começou como era prática na altura – recorte, colagem e fotocópias –, evoluiu para jornal e é agora uma revista. Está vivo e recomenda-se. O jornal tem ganho muitos prémios. Qual o segredo deste sucesso? A consistência. E a unidade. “Todos a bordo” é o nosso lema e o Barquinho é desde há muito uma publicação para todos os elementos do agrupamento. Quais as maiores dificuldades na feitura de cada edição? A luta contra o tempo. Há muito poucas pessoas a cumprir os prazos estabelecidos. E também a falta de apoios. Exceptuando o ano passado, em que obtivemos o apoio da Solverde, e uma ou outra contribuição pontual em anos anteriores conseguida por intermédio da Associação de Pais, nunca pudemos contar com a ajuda das instituições oficiais. O Barquinho é o único jornal escolar do concelho que se tem mantido ativo ano após ano, a sua qualidade tem sido reconhecida a nível nacional, sendo por isso um motivo de orgulho não só para o nosso agrupamento como para o concelho, pelo que talvez já devesse ser merecedor de uma

Manuela Correia (ao centro) com a comitiva que foi receber mais um prémio (Braga/2011) maior atenção por parte das entidades oficiais ou outras. Qual a importância do Barquinho na promoção das atividades do agrupamento? Num agrupamento que luta diariamente contra o estigma de “escola de periferia” e “de vareiros”, é muito importante darmos conta do muito (e bom!) que por aqui se faz. Os alunos gostam de ver o que fizeram e os professores têm oportunidade de mostrar o seu trabalho. Não temos uma equipa jornalística a trabalhar para nós. Todos colaboram. Todos mesmo, do pré-escolar ao 12.º ano, passando pelos EFA e PIEF. Todos os artigos são tratados com igual rigor e imparcialidade e reunidos na rubrica onde o assunto é abordado, quer sejam do 1.º ou do 10.º anos, por exemplo. Acho que é isso que torna o nosso jornal tão rico, o facto de todos saberem que o seu trabalho será publicado (desde que tenha qualidade, claro, e caiba). Quais foram os momentos mais marcantes ao longo destes 25 anos? Eu só coordeno a equipa há oito anos. Mas

Por um Natal mais feliz A turma 12.º B levou a efeito, em parceria com o grupo de EMRC, uma campanha de solidariedade a favor das famílias carenciadas do Agrupamento Domingos Capela e da Aldeia de Crianças SOS de Gulpilhares. Foram angariados bens alimentares, vestuário, brinquedos, material escolar e produtos de higiene pessoal. visita ao museu NacioNal soares dos reis No âmbito das disciplinas de Português e História da Cultura e das

iv Emitor O BARQUINHO DE PAPEL | DEZEMBRO DE 2011

D.R.

penso que posso enumerar alguns desses momentos. Por exemplo, a criação do jornal há 25 anos, claro. O nome singelo que lhe deram (por ser feito por meninos oriundos maioritariamente do Bairro Piscatório na então Escola n.º 2 de Espinho, o que já não é verdade hoje). O primeiro prémio conseguido a nível nacional pela equipa liderada pelo professor António Sá. A comemoração dos 25 anos da escola e a consequente transformação em revista… A colaboração de alunos nossos no suplemento P2 do jornal Público. O Prémio Especial (prémio atribuído ao melhor dos jornais premiados na edição anterior do Concurso de Jornais Escolares Público na Escola) obtido no ano passado. E, como não podia deixar de ser, o primeiro número que fiz, o n.º 28, em dezembro de 2003! Ainda hoje não sei como o consegui! Gostaria de aproveitar a oportunidade para agradecer à minha colega Cristina Costa, que tem sido o meu braço direito (e esquerdo!...) ao longo dos anos. E à Direção, atual e anterior, por acreditarem neste projeto e tudo fazerem para que ele perdure. l

Artes, as turmas A e B do 3.º ano do Curso Profissional de Comunicação realizaram, no dia 17 de novembro, uma visita de estudo ao Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto. A iniciativa teve como propósito promover um melhor conhecimento da temática do modernismo, quer na perspetiva literária, quer na perspetiva artística. uma tarde Na aldeia de criaNÇas sos O 12.º B visitou em outubro, no âmbito da disciplina de Área de Integração, a Aldeia de Crianças SOS

de Gulpilhares. A visita foi aí coordenada por uma educadora social, que explicou toda a história da fundação e sua organização. A Aldeia acolhe crianças dos 5 aos 21 anos, que, depois de entrarem na instituição, ficam ao cuidado de uma mãe social e dispõem de uma casa que partilham com irmãos sociais. ciclo de ciNema Os professores Cândido Lima e Sandra Salgado promoveram, em outubro e novembro, um ciclo de cinema sob o tema “Filmes baseados em histórias verídicas”.


BP52_2011