Issuu on Google+

Ano 8 nº 88 Curitiba - PR

junho - 2011

Distribuição Dirigida

Publicação mensal direcionada aos taxistas e usuários

Taxistas do Terminal Boa Vista preocupados com a possível transferência do ponto

• • • •

Som Alarme Xenon Insulfilm Vidro Elétrico

FONE: 3019-3344 Rua: Nilo Peçanha, 258 - Prox. Praça do GGaúcho

Foto: André Rodrigues

CARBON AUDIO

O motivo alegado para a transferência do ponto é o estacionamento em fila dupla, atrapalhando o usuário do terminal. Página 03

Comissão especial vai verificar licenças de táxi

Página

11

Taxistas do Hauer agradecem comerciantes e moradores da região

Página

06

Proposto ônibus para percorrer circuito de bares e restaurantes

Página

04

Colpani é lider em audiência nas tarde do rádio curitibano

Página

13

Senado aprova regulamentação de taxistas

Página

05

• Cortes feminino e masculino • Penteados • Coloração • Mechas • Tratamentos Capilares • Depilação • Manicure e Pedicure • Estética Facial e Corporal Cuid ! a • SPA para pés e mãos ando e ez promovendo sua bel www.carlamazeto.com.br • Dia da noiva/noivo

3363-2111 3053-2081


Curitiba, junho 2011

02

Um Mundo tecnológico

À

s vezes paramos e nos perguntamos: Até onde a tecnologia está presente em nossas vidas?? Nem sempre a resposta é unanime. Alguns se dizem escravos da tecnologia enquanto outros aversos de carteirinha. Entretanto, meus amigos, no mundo em que vivemos a tecnologia nunca é algo tão distante para ser somente acessível aos grandes pensadores científicos ou então aos "Nerds", aqueles cyber maníacos, sentados babando na frente de seus computadores de última geração com seus grossos óculos, pelo contrário, ela está em quase tudo do nosso dia a dia e nem nos damos conta. Para entendermos um pouco melhor tudo isto, vamos recorrer ao dicionário Aurélio, que reza que o significado da palavra tecnologia vem do grego e quer dizer "estudo do ofício" e que este termo envolve o conhecimento técnico e científico e as ferramentas, processos e materiais criados e/ou utilizados a partir de tal informação. Ufa! Traduzindo: tecnologia nada mais é que a aplicação de ferramentas e métodos científicos para facilitar as atividades corriqueiras que permeiam nosso cotidiano. Melhor né! Vamos aos exemplos práticos e bem reais. Quantas vezes você estava fazendo aquela caminhada, fazendo compras, na fila do banco ou até naquele momento inoportuno no seu carro, onde esse aparelhinho

não poderia estar ligado, e de repente vibra ou toca em seu bolso... o seu "Celular". Pois é! Atualmente este aparelho está tão presente em nossa sociedade que é considerado o recurso tecnológico mais acessível por grande parte da população. Todo mundo tem! A telefonia móvel tomou conta de nosso dia a dia e por mais absurdo que possa parecer, o celular está perdendo o seu intuito, ou seja, o da comunicação falada, passando assim a compor uma nova forma de comunicação (acessar a Internet, SMS, Twittar, Facebookar, Orkutar). E por que não falar de outras tecnologias bem visíveis em nossas casas tais como a nossa querida televisão ou o inseparável computador. Hoje vamos a uma loja e compramos uma TV ou um computador com tamanha facilidade que nem mais reparamos a parafernalia de altíssima tecnologia que estamos levando para casa. Um avanço tecnológico que passa despercebido inúmeras vezes em nosso cotidiano. Parece slogan de loja, mas é a pura verdade. Portanto, mesmo aquela pessoa que não sabe manusear o computador ou que nunca entrou na internet por não ter acesso ou simplesmente por não gostar, vive em um mundo recheado de tecnologias que seguem um único princípio: facilitar a nossa vida! Se cumprem o que prometem, isto é assunto para outros artigos. Permita-me um conselho, caro leitor: "Não seja um analfabeto

digital, viva a tecnologia e tire o máximo proveito do que ela pode oferecer a você!” E é sobre isto que esta coluna se propõe. Trazer referências, dicas de segurança, informações úteis (e

algumas inúteis mas extremamente interessantes também) para que a tecnologia passe a ser um item a mais em seu dia a dia. Só que agora, a seu favor!


Curitiba, junho 2011

03

Taxistas do Terminal Boa Vista preocupados com a possível transferência do ponto

Fotos: André Rodrigues Matéria: Fernando Cruz

Segundo informações o motivo alegado é o estacionamento em fila dupla dos táxis

Taxistas estão preocupados com a notícia de que o ponto será transferido de local.

T

axistas do Terminal Boa Vista estão bastante preocupados. Isso porque circula o boato de que, devido a reclamações, o ponto será transferido. Segundo os taxistas, se isso realmente acontecer, os profissionais e os usuários serão prejudicados. O ponto fica bem ao lado do terminal, numa via anexa à Rua João Havro e em frente a alguns estabelecimentos comerciais. Com classificação semilivre, os táxis podem parar em fila dupla. Porém, justamente nessa via destinada ao ponto, no lado oposto aos táxis, a placa de proibido estacionar não é respeitada. Carros particulares e, para piorar, até os próprios taxistas, estacionam

no local. Isso gerou a informação de que o ponto pode ser transferido de lugar. Waldomiro Marciano de Souza, carro 505, associado da Sereia, diz que os colegas de profissão que vão ali ‘piranhar’ não respeitam e param no lado proibido e isso complica a circulação da rua. Mas, os que abusam mesmo são os particulares. “Os carros particulares incomodam demais”, reclama. Para o taxista falta fiscalização. Olhando bem ao redor, difícil identificar um lugar para o ponto. Na rápida (via), impossível, afinal as quatro faixas são usadas. Na João Havro, talvez do outro lado da rápida, em frente a um pequeno comércio. Porém, a rua de duas faixas terá o fluxo

prejudicado. Entretanto, há a hipótese de colocar o ponto numa saída utilizada pelos ônibus do terminal. Comentário suspeito já que prejudicaria a saída dos coletivos. Os taxistas são unânimes. Se a mudança ocorrer sairão prejudicados e a população também. “O passageiro vai ter que ir à rápida (caso seja lá). Aqui é mais fácil”, diz Otávio Klingesfuss, carro 724. “Gostaria que ficasse aqui.” Claudio Marcelo Alberti, carro 1994, ressalta que esse imbróglio só está acontecendo porque o ponto está mal sinalizado. Onde é proibido estacionar, sequer tem uma placa. A sinalização horizontal indicativa do ponto está gasta. Claudio diz que, caso tirem o ponto dali, o problema com carros estacionando de forma irregular continuará. Opinião Segundo Edison Moreno, proprietário de um estabelecimento comercial bem ao lado do ponto, se houver a mudança e o local fi car livre, vai fi car pior porque deixará de atender a população oriunda do terminal. “O taxista é o que menos incomoda”, opina. Urbs A equipe do Jornal Bandeira UM procurou a URBS

para saber sobre a situação do ponto Boa Vista e recebeu do gerente do serviço de táxi José Carlos, a informação de que os taxistas do ponto 139 podem ficar sossegados, pois vão ficar onde estão. Inclusive será feita a ma-

nutenção (pintura de faixa, placa, etc.) do ponto, o que já está sendo providenciado, e que também enviarão equipe de fiscalização para observar a questão de veículos particulares estacionados no ponto.

Carros particulares não respeitam a placa de proibido estacionar e estão prejudicando os táxis do ponto.

Otávio Klingesfuss afirma que se o ponto mudar de local todos serão prejudicados.


Curitiba, junho 2011

04 A Câmara Municipal de Curitiba Informa:

Proposto ônibus para percorrer circuito de bares e restaurantes O presidente da Câmara de Curitiba, vereador João Cláudio Derosso (PSDB), protocolou um requerimento à prefeitura para que seja

criada uma linha de ônibus para percorrer o “Circuito dos Bares”. Nela estariam inclusos os principais pontos gastronômicos e de

Foto: Andressa Katriny

entretenimento do município. O ônibus ficaria em funcionamento das 20h às cinco da manhã. Para o parlamentar, a medida, além de incrementar a economia local, contribuiria para que mais pessoas deixassem o carro em casa e não voltassem alcoolizadas dirigindo. “Muitas pessoas procuram bares, restaurantes e demais pontos turísticos da cidade no período da noite, quando ocorrem muitos acidentes de trânsito, assaltos, furtos e brigas de gangues, pois Presidente fez um requerimento à prefeitura para a criação neste período há uma redução do número dos da nova linha.

meios de transporte públicos, para o acesso da população e dos turistas a estes espaços de lazer”, argumenta Derosso. Segundo ele, é preciso criar alternativas para que a população local e os turistas usufruam melhor do segmento produtivo do lazer, gastronomia e entretenimento. Números Um levantamento da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) revela que o setor gera 6 milhões de empregos no país, com uma participação de 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB).

Reivindicados semáforos para disciplinar o trânsito Ahu. Jairo Marcelino solicitou a colocação de semáforos para conter a violência do trânsito. “Queremos prevenir a ocorrência de acidentes de qualquer natureza. Embora os índices oficiais tenham demonstrado redução no número, muitos locais da cidade registram perigo, como este da Rua Alberto Foloni”, explicou. Educação É sabido que a segurança no trânsito depende de uma série de fatores, que incluem maior conscientização de motoristas e pedestres, fiscalização e a engenharia de tráfego possível a cada local. Entretanto, o vereador Jairo Marcelino defende um trabalho permanente de educação para o trânsito nas ruas, escolas e empresas, com a instalação, inclusive, de lombadas eletrônicas e adequação contínua da

malha viária da cidade, com intervenções diárias voltadas a melhorar a segurança e a fluidez no tráfego, onde também se incluem os semáforos. “Melhor que a redução no número de acidentes, o ideal seria que não existissem”, comentou o parlamentar, ao pedir a inclusão de um destes equipamentos, com temporizador de três tempos, para dois cruzamentos: o da Rua Tomazina com vereador Washington Mansur e desta com a Avenida Anita Garibaldi, no bairro Ahu. Outra reivindicação feita por Jairo Marcelino, em nome de moradores e pessoas que se dirigem ao Cemitério Municipal, se refere ao trecho do portão lateral, localizado na Rua Desembargador Benvindo Valente. ”Grande número de pessoas tem se queixado da dificuldade de atravessar a rua e, por isso, estamos

solicitando a implantação de uma travessia elevada com sinalização indicativa, a fim de preservar a segurança dos transeuntes e moderar a velocidade dos veículos”, reiterou. A criação do Comitê Técnico Operacional de Trânsito em 2010 tem mostrado algumas alterações positivas, segundo Jairo Marcelino. O

terceiro-secretário considera que a iniciativa, a partir da elaboração constante de relatórios sobre acidentes de trânsito do BPTRAN em parceria com a Urbs, “significa um passo bastante importante para ampliar a segurança nesta área. Somente a junção de esforços trará a tranquilidade almejada por todos”, concluiu.

Foto: Andressa Katriny

O

crescimento contínuo do fluxo de veículos em Curitiba é um dos fatores de preocupação do terceiro-secretário da Câmara Municipal, vereador Jairo Marcelino (PDT), quanto à segurança no trânsito. Nesta semana, o parlamentar reiterou pedidos anteriores para implantação de semáforos em vias de alguns bairros da capital. Na região Norte, levando em consideração a passagem de pedestres e o tráfego de veículos em cruzamentos considerados perigosos, o vereador ressaltou a necessidade de disciplinar a preferência ao pedestre. Em ofício à diretoria de trânsito da Urbs, empresa que gerencia o setor na cidade, o vereador apontou os cruzamentos das ruas São Sebastião com Marechal Mallet e Alberto Foloni com Ricardo Lemos, no bairro

Na capital paranaense, este mercado vem crescendo, principalmente por conta do turismo. Em 2010, Curitiba recebeu cerca de 3,4 milhões de visitantes, cerca de 8,8% a mais que em 2009. Neste mesmo período, o gasto médio do turista por dia aumentou de US$ 80,86 para US$ 91,15, cerca de 12% a mais. “Este público acaba gerando milhares de empregos, desenvolvendo o turismo e o comércio e aumentando a arrecadação de impostos no município”, complementou o presidente.

Jairo Marcelino pede mais semáforos para disciplinar o trânsito da capital.


Curitiba, junho 2011

05

Piraquara também tem uma mulher trabalhando no serviço de táxi A taxista conta que o começo foi difícil. O machismo imperava na profissão, ainda mais numa cidade pequena da região metropolitana. Segundo ela, para piorar, o “preconceito” nem partia dos colegas e sim de outras mulheres. Ela lembra que era comum frase como “opa, entrei no carro errado” ou “desculpa, não sabia que o carro tava ocupado”. O tempo passou e a desconfiança de ter uma mulher na direção ficou para trás. “Isso está superado”, enfatiza. Hoje ela explica que há quem prefira pegar o táxi com ela, principalmente mulheres, que ficam mais à vontade, pessoas com problemas de saúde e quem precisa de atenção redobrada, como os idosos. Neucy enfrentou esse e outros problemas, mas superou e orgulha-se em

Neucy Aparecida Biscaia Lourenço foi a primeira mulher a dirigir um táxi na cidade de Piraquara.

A taxista Neucy Aparecida Biscaia Lourenço, carro 45, dirige seu táxi em Piraquara, região metropolitana de Curitiba, há pelo menos 16 anos. Sua família praticamente ajudou a fundar um dos pontos referência da cidade. E ela foi a primeira mulher a dirigir um táxi na cidade.

A história de dirigir um táxi começou por causa do padrasto Manoel Alexandre. Entre uma crise de saúde e outra, Neucy assumia a direção. Com idade avançada e a situação de saúde delicada, Alexandre passou o táxi de vez para Neucy, que está até hoje.

ser a mulher pioneira a atuar no serviço de táxi da cidade de Piraquara. Para isso se realizar, destaca que foi importante o apoio que recebeu, principalmente da família. Marido, fi lho e enteado foram fundamentais para ela continuar na profissão de taxista. Atualmente a taxista luta

pela melhoria do sistema de táxi na cidade. Participa ativamente na discussão dos problemas e propostas para o serviço da cidade e defende a permanência do carro na cor branca, por acreditar que é uma forma de homenagear seu padrasto que ajudou a edificar o serviço de táxi na cidade.

Com um jeito especial de atender os clientes Neucy sempre é solicitada para corridas.

Foto: Fernando Cruz

Senado aprova regulamentação de taxistas

Em Brasília os taxistas estão em alta e a regulamentação da profissão está prestes a acontecer.

Segundo notícias veiculadas na imprensa, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ)

aprovou, por unanimidade, o parecer do senador Eunício Oliveira (PMDBCE), que trata do projeto de lei. O texto será encaminhado à Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e depois de examinado será encaminhado à presidente Dilma Rousseff. Os taxistas serão classificados como autônomos, empregados, auxiliares de condutor autônomo e locatários. A partir disso, os taxistas empregados terão direito a piso salarial que será acordado conforme resolução do sindicato da

E-mail: bandeiraum@jornalbandeiraum.com.br

categoria e à aplicação caso de morte do titular, das normas da Consolida- a autorização do condutor ção das Leis do Trabalho de táxi será transmitida (CLT) e do Regime Geral para o cônjuge e herdeida Previdência Social. ros que passam a ter os Haverá contrato entre mesmos direitos e devecondutores e autônomos res do titular. O projeto e auxiliares. Deverão proíbe a penhora ou leilão constar as condições e da autorização. requisitos para a prestaO ex-deputado Conção de serviços, prazo de fúcio Moura, autor da validade, as obrigações proposta e atualmente e requisitos para ambas governador de Rondônia, as partes. disse que “causa estraEntre os requisitos nheza o fato de a propara ser taxistas, está o fissão de taxista não ser de ser segurado pelo Ins- ainda regulamentada”. tituto Nacional do Seguro Ele destacou que se trata Social (INSS) e possuir de uma proposta antiga carteira de trabalho. No da categoria.


06

Curitiba, junho 2011

Taxistas do terminal do Hauer agradecem comerciantes e moradores da região pelo uso do serviço de táxi

fruir do banheiro quando necessário. Basicamente a única reclamação fica por conta de quem trabalha no período da noite. Segundo os taxistas do ponto, a iluminação na rua está deixando a desejar. E para ajudar, no lado oposto do ponto, há um estabelecimento que está desativado e virou um estacionamento particular sem autorização do proTaxistas que passam pela região acabam parando no ponto prietário. “A noite fica tudo do Hauer. escuro. Não tem lâmpadas, Os taxistas do ponto da porte coletivo, que ao sair não tem nada”, reclama Rua Alcino Guanabara com do terminal pegam o táxi, Claudio Faria, carro 1728. Avenida Marechal Floriano lojistas da região, trabalhaOutra solicitação dos Peixoto, bem pertinho do dores do HSBC e morado- taxistas é a pintura da faixa Terminal Hauer afirmam res da região. A maioria das indicadora do ponto. Tal que o ponto segue de “ven- corridas geralmente são como explicou o taxista to em popa”. Só tem que sentido bairro e algumas Siomar Budal, carro 1647, para o centro. agradecer. com a mudança de local “Não é excelente” diz De acordo com Jefer- do ponto, que antes ficaRaimundo Ribeiro, carro son Chacharski, carro va ao lado do terminal, o 1845 em tom de brincadeira. 1883, o relacionamento local atual é numa via de “Mas entre o que tem por ai é entre eles é 100%. Com três faixas o que às vezes os lojistas também não complica. A movimentação bom, ele fica com o bom.” Com uma média de 15 é diferente. Os taxistas é grande e o ponto acaba corridas, os taxistas aten- aproveitam para tomar um virando estacionamento de dem os usuários do trans- café na lanchonete e usu- carros particulares.

Fotos: André Rodrigues Matéria: Fernando Cruz

O taxista Siomar Budal agradece os comerciantes e moradores da região pela confiança no trabalho da classe.

Raimundo Ribeiro trabalha no ponto todos os dias e afirma ser um local ótimo para o trabalho.

CURSO DE RECICLAGEM

O

curso de reciclagem para condutores Infratores tem sido tema de discussão. Diariamente recebo vários contatos questionando o número de vagas e a demora em abrir novas turmas. Os apressadinhos no trânsito têm pressa em recuperar a habilitação! O condutor que recebeu a notificação de suspensão e entregou a CNH (Carteira Nacional de Habilitação), por várias razões

distintas, precisa agora passar por este processo disciplinar. Mas a falta de vagas tem sido um problema. Os sete locais onde são ofertados os cursos em Curitiba contam com até três turmas abertas e disponibilizam de 35 a 70 vagas. Mesmo com a quantidade de cadeiras, nenhum deles tem vagas até o dia 20 de junho, e segundo o DETRAN, o condutor tem que “ficar de olho aberto” para conseguir uma.

O curso tem carga horária de 30 horas, divididos em quatro temas: • Legislação de trânsito; • Direção defensiva; • Primeiros socorros e; • Relacionamento interpessoal. A inscrição pode ser feita pessoalmente ou pelo site do DETRAN (www.detran.pr.gov.br), opção habilitação/ outros serviços/ curso de reciclagem/ inscrição. Lembre-se que a habilitação é

uma concessão do Estado, portanto preencha todos os requisitos para manter a sua! Serviço Central de Atendimento DETRAN 0800-643-7373 Dra. Sonia Inglat é advogada especialista em trânsito e apresentadora do quadro “Dicas de Trânsito” do Programa 190. soniainglat@yahoo.com.br - Twitter @soniainglat


Curitiba, junho 2011

07


08

Curitiba, junho 2011


09

Curitiba, junho 2011

Monitoramento de táxi em Curitiba Segurança e economia para um mercado de mais de dois mil veículos na capital paranaense

A

frota de táxis em Curitiba (PR) é hoje formada por 2.252 veículos, para cerca de 1,8 milhões de habitantes. Tendo em vista este número, a Link Monitoramento – empresa paranaense especializada em rastreamento de veículos, pessoas e objetos – passa a focar seus negócios nestes novos clientes potenciais. “Com os serviços da Link Monitoramento é possível saber onde o objeto rastreado está em um determinado momento; limitar o espaço onde pode circular, por meio de rotas pré-estabelecidas

ou cerca eletrônica; definir limites de velocidade; calcular distâncias percorridas e informar o cliente de três em três minutos sobre o que está sendo monitorado”, explica Sílvio Torres, presidente da Link. “Para taxistas, nossos serviços podem significar segurança e economia”, completa Torres.

Além de táxis, carros, motos, frotas, caminhões, embarcações, bens e objetos de valor; enco-

mendas por correio ou transportadora; tratores

ou outros veículos também estão no expertise de rastreamento da Link, que oferece produtos com Foto: Divulgação as tecnologias GSM / GPRS e GPS. Pioneirismo e diferencial: A Link Monitoramento – com sede em Curitiba e mais de 50 franquias espalhadas pelo país - é considerada a primeira empresa do ramo a conquistar o selo da Associação Brasileira de Franchising (ABF)

neste segmento. “Com a abertura de franquias e a descentralização das operações, os franqueados e os nossos clientes só têm a ganhar. A presença da empresa em diversas regiões reflete-se na eficiência dos serviços prestados, com a assistência técnica pontual realizada por funcionários próprios, treinados, qualificados e comprometidos com o cliente", detalha Torres. Mais informações sobre a Link Monitoramento podem ser obtidas pelo site www.linkmonitoramento. com.br ou pelo telefone (41) 3023-4009 - Franquia PR-022 (Curitiba-PR).


10

Curitiba, junho 2011


11

Curitiba, junho 2011

Taxista aproveita hora de folga para voltar ao banco universitário Formado em História taxista optou por uma pós em educação especial

T

axistas estão cada vez mais espertos e fazendo o possível para se diferenciar no serviço de táxi de Curitiba. Buscar conhecimento técnico ou específico é uma opção. E, é isso que o taxista Joaquim Eugênio de Gouveia, carro 130, RT 378 fez. O colega está cursando uma pósgraduação. Joaquim é formado em História. E há muito tempo não sentava numa sala de aula. Criou coragem e resolveu encarar uma pós-graduação no Grupo Educacional Uninter. O curso escolhido é ‘educação especial’. Como é segundo motorista, a intenção do taxista é ter outra alternativa profissional. Joaquim pretende ser profesJoaguim exibe com muito orgulho um dos livros que está lendo; Talento Problema sor. “A idéia é que o curso possa abrir outras portas no ou Solução.

mercado de trabalho”, diz. No entanto, Joaquim acredita que poderá usar o conhecimento adquirido no curso especializado em educação especial como um diferencial no atendimento no táxi. Segundo ele, é comum o taxista ter que lidar com pessoas portadoras de necessidades especiais e nem sempre o profissional sabe fazer isso. Além disso, ele enfatiza que só o fato de estar aprendendo algo novo já é válido. “Todo conhecimento que você adquire, sempre vai ter utilidade”, disse. “Mesmo no táxi, como professor ou em qualquer outra profissão.” E a família está dando o maior apoio na nova empreitada de Joaquim Eugênio de Gouveia. “Todos eles me incentivaram a voltar”, destacou Joaquim, em relação a retornar

aos estudos. Os filhos Igor, de 13 e Raissa, de 8 anos, também deram a maior força. Joaquim Eugênio contou que no começo foi meio complicado, afinal, anos sem estudar demanda adaptação. Mas com o apoio e compreensão dos professores e da prática da atualização, através de muita leitura, o novo aluno está indo bem, e espera em breve estar fazendo uso de sua pós graduação seja no táxi ou, quem sabe, numa sala de aula. A equipe do Jornal Bandeira UM parabeniza o taxista Joaguim Eugênio por esta iniciativa e quem sabe esta matéria possa incentivar outros taxistas a buscarem mais conhecimentos.

Foto: André Rodrigues Matéria: Fernando Cruz

Comissão vai verificar licenças de táxi da capital

Foto: Andressa Katriny

habitantes. Uma média de um táxi para cada 758 habitantes. “É preciso saber como está esta proporção em outras cidades, como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Buenos Aires, na Argentina. O limite aceitável seria de um táxi para cada 600 habitantes”, afirmou Jair Cézar. Segundo ele, além do número ser baixo, existem licenças que não estão Jair Cézar propôs, juntamente com Algaci Tulio, a criação da sendo utilizadas. “Alguns comissão. táxis têm licença, mas A Comissão Especial propôs sua abertura, diz não circulam e queremos para analisar o serviço que a ideia é averiguar saber se esta concessão de táxi em Curitiba está as condições gerais des- está sendo usada somente como investimento”, em processo de forma- te serviço. ção. O vereador Jair Atualmente, segundo ressaltou. A lei que criou o serviço Cézar (PSDB), que junto a Urbs, existem 2.252 com Algaci Túlio (PMDB) táxis para 1,7 milhão de de transporte individual de

passageiros é de 1970 (nº 3812/70). A última licitação que aconteceu para a concessão de táxis em Curitiba foi em 1975 e, por isso, requer atualizações. “Vamos propor um estudo da lei com a procuradoria jurídica do município, a Urbs e o sindicato da categoria. Caso seja necessário, iremos propor uma adequação ao momento atual”, disse. De acordo com o vereador, é necessário o envolvimento de todos os profissionais do setor na discussão, para que se chegue a um resultado relevante para a cidade. “Durante todo este processo, a comissão deve

trabalhar também com o apoio dos taxistas, sejam eles associados, sindicalizados ou autônomos”, complementou o parlamentar. Copa O debate também é de interesse para a Copa de 2014, quando haverá uma grande circulação de turistas que utilizarão este transporte. Ao mesmo tempo, devemos estar atentos, pois, logo após o evento, cai novamente o uso de táxi na capital. A discussão na Câmara pretende ser equilibrada para atender ao evento e não prejudicar os profissionais posteriormente, com um mercado inflado.


Curitiba, junho 2011

12

Ponto SESC da esquina excelente para corridas

C

om espaço para seis carros e livre para três, o ponto Sesc, na Rua Visconde de Rio Branco, esquina com a Augusto Stellfeld e Rua Prof. Fernando Moreira, agrada “gregos e troianos”. Ou seja, quem tem rádio

e carecas. De acordo com os taxista do ponto, 90% de quem para ali é de alguma central. O local é estratégico e rende boas corridas. E quem assina em baixo é o taxista Ildio Souza, carro 838, RT 236. “O ponto é bom

Carros de centrais ou não, aproveitam a localização do ponto para atender os clientes.

pro rádio”, destaca. Ronaldo Altair Zeni, carro 1731, RT 116, também elogia o ponto e diz que a banca também funciona. O comércio local, os eventos no Sesc e moradores ajudam a manter o ponto funcionando.

Reclamação Mas nem tudo são mil maravilhas. Para carecas ou colegas com rádio, a bronca fica por conta da retirada de duas vagas pertencentes ao ponto. Segundo os taxistas, a faixa delimitadora do

Para o taxista Ildio Souza, o local é estratégico e rende boas corridas.

ponto foi diminuída e transformada em espaço para carga e descarga. No entendimento dos taxistas houve prejuízo tanto para o profissional quanto ao serviço. “Tiraram o espaço do nosso ponto”,

reclama Zeni. Quando vem para o ponto, Zeni diz que muitas vezes tenta parar e não tem vaga. Dessa forma é preciso rodar e tentar novamente ou ir para outro ponto. Fotos: André Rodrigues Matéria: Fernando Cruz

Ronaldo Altair Zeni elogia o ponto pelas corridas que ali fazem.

Prefeito J. Camargo, Presidente da Câmara Onéias Ribeiro e Secretários são recepcionados por autoridades federais em Brasília Foto: Divulgação

Gonçalves, e da Fazenda, Maria Amélia Camargo também participaram do encontro. Ao chegarem na capital do país, as autoridades do município foram recepcionadas pelo Deputado Federal, Ângelo Vanhoni, que os acompanhou até o IPEA. Fórum Com o tema “Transformando o presente, pensando o futuro”, o I Fórum MuO prefeito J. Camargo I Fórum Municipal de De- nicipal de Desenvolvimento foi a Brasília na última senvolvimento, que será de Colombo terá como semana, convidar o presi- realizado na cidade nos objetivo oportunizar debadente do Instituto de Pes- dias 18 e 19 de agosto. O tes sobre temas inerentes, quisa Econômica Aplicada presidente do Legislativo, concretos e fundamentais (IPEA), Marcio Pochmann, Onéias Ribeiro, o procura- à realidade local, para proe o Ministro das Comuni- dor geral, Alexandre Mar- mover o desenvolvimento cações, Paulo Bernardes, tins, e as secretárias mu- planejado, popular e suspara visitarem Colombo nicipais de Administração, tentável, das áreas sociais, e serem palestrantes do Rita de Cássia Camargo estruturais, culturais, eco-

nômicas e ambientais da cidade. “Este Fórum será um importante momento para definirmos com a sociedade colombense, a Colombo que queremos para o futuro. Temos nos preocupado muito com a adoção de políticas estruturantes que preparem a nossa cidade para o desafio de atender demandas futuras. Será um espaço democrático para todos opinarem responsavelmente” destacou o Prefeito. Serviço O Fórum será realizado nos dias 18 e 19 de agosto das 8 às 17 horas no auditório da Regional Maracanã. Entre os temas que serão abordados nas oficinas estão: Políticas

Públicas de Abrangência Social; Programas Governamentais e o município de Colombo; Geração de emprego e renda; Desafios do desenvolvimento sustentável em um território de preservação ambiental; Desafios do desenvolvimento sustentável em um território de preservação ambiental; Segurança – Dever do Estado e as ações locais; Transporte público e mobilidade; Desafio do desenvolvimento urbano no município de Colombo; O modelo agrícola de Colombo; Colombo no contexto da região metropolitana de Curitiba; Cultura e Expressão Artística; “O Colombense” – Uma abordagem psicosociológica.


Curitiba, junho 2011

13

Colpani é lider em audiência nas tarde do rádio curitibano Do interior para o sucesso na cidade grande

lega radialista Paulo Ubiratan promoveram muitas brincadeiras no rádio. Na Independência atuou até 1998. De lá rumou para a Banda B e em março de 1999 assume os microfones oficialmente, onde está até hoje. Orgulha-se de sua trajetória, principalmente por ter aprendido com um grande time de radialista da velha guarda. ConsideColpani com seu jeito descontraido de fazer rádio. ra a década de 1980, como a era áurea do rádio na dmar Colpani, mais rezava”, brinca Colpani. conhecido como Em 1979, na sua me- capital. Enumera nomes Colpani, atualmen- ninice dos 18 anos, juntou como Luiz Carlos Martins, te empresta sua voz à as malas e aventurou-se Algaci Túlio, Mario Celso, Rádio Banda B. O estilo para Curitiba. Na capi- Antônio Pascoal, Zé do engraçado também esteve tal procurou emprego de Pito, William Barbosa, em outras ondas, pois acu- office-boy e afins, pois não Alcides Vasconcelos, Valmula 35 anos de carreira. acreditava ter experiência ter Schimidt, Laís Mann, Como ele mesmo gosta de ou competência para atu- Fernando César, Airton dizer, fez parte da “melhor ar numa rádio da cidade Cordeiro, Raul Mazza, Gilberto Fontoura, Augusequipe de rádio da história grande. do Paraná”. E foi através de uma to Mafuz, Jota Agostinho, Âncora do Tarde Total, carta de recomendação, entre outros baluartes. Programa apresenta um programa do cantor Pedro Ramirez, Colpani, ao lado dos com mix de informação e com ajuda do seu comentretenimento, através do prade, Valdemar Ramos companheiros “Peludo”, estilo irreverente e pitadas Ascari, que chegou à Rá- “PP” e Vargas, promovem de bom humor. Não es- dio Independência, onde uma tarde de descontraqueceu suas origens e da começou como sonoplas- ção para quem sintonizar experiência de uma rádio ta. Em meados de 1981, na Banda B - AM 550. O radialista começa a do interior aproveitou o jei- conhece Luiz Carlos Marse esquentar das 11h20 às to direto e simples de fazer tins. Acompanha o radiarádio, para mesclar com o lista enquanto trabalhou 12h30, horário que entra estilo FM do rádio. na Rádio Colombo, Rádio no ar com suas famosas Perfil Atalaia, Rádio Clube. Em fofocas. O quadro, intiRadialista que se presa, 1990, os dois retornam tulado “As rapidinhas do passa em todos os setores para a Rádio Independên- Colpani”, é abre-alas para de uma emissora. Com cia. Nessa época Colpani o Programa Tarde Total. No Tarde Total, proColpani não foi diferen- já soltava as suas “fofograma formado por quate. Em 1976, começou a cas”, em pequenas partidros como “A hora do trabalhar na rádio Vicente cipações. Palotti, em Coronel Vivida, A oportunidade real riso”, a radionovela “A interior do Paraná. Fazia veio quando Luiz Carlos marca de uma história” de tudo um pouco, de Martins se afastou para – narrada por Vargas, radialista a parte adminis- ser candidato a deputado e “Desvendo o sonho”, trativa. “Até rezar no ar eu estadual. Ao lado do co- tem ainda, um quadro

E

Fotos: André Rodrigues Matéria: Fernando Cruz

de utilidade pública com sugestões de emprego e a participação do público no ar. Família Casado com Roseli Machado há 27 anos e pai de três filhos, ganhou de lambuja uma “concorrente” no rádio. A filha Francielle Colpani desde pequena acompanhou o pai, brincou de jornalista, cantou. Isso resultou em mais uma radialista na família. Francielle atualmente trabalha como jornalista na rádio Band News Curitiba. A outra filha, Jaqueline, seguiu para o Direito. E o filho Luiz Vinicius esta cursando o ensino médio. Projetos Conquistar espaço no rádio em Curitiba foi um grande desafio, mas Colpani quer mais. O radialista pretende se candidatar e pleitear uma vaga na Câmara Municipal. Os motivos, além de pessoal, estão ligados à profissão. A proximidade do radialista com a popu-

lação possibilita enxergar os vários problemas que a população passa. Colpani cita como exemplo a região do São Braz, que segundo ele, está carente e precisa de ajuda. A televisão também está nos planos de Colpani. Com uma passagem rápida pela rede RIC, o radialista não desconsidera a possibilidade de voltar futuramente com um programa na TV. Taxistas Colpani diz ter uma admiração e um carinho especial pela classe dos motoristas de táxi, pois sempre estão ligados dando uma carona nos seus carros ouvindo a programação da rádio Banda B. Tenho muitos amigos taxistas e sempre que tenho oportunidade estou conversando com eles nos pontos. Programa Tarde Total Apresentação: Edmar Colpani e Vargas De segunda a sexta das 12h20 às 15h.

Colpani ao lado do comunicador Vargas, promovem uma tarde de descontração para os ouvintes da Banda B - AM 550.


Curitiba, junho 2011 13

14

De taxista a psicólogo tudo acontece no ponto da Justiça do Trabalho Taxista que estaciona no ponto Ministério do Trabalho, bem em frente ao Fórum do Trabalho, na Rua Vicente Machado, centro de Curitiba, além de cumprir a tarefa de levar o passageiro, também faz o papel de psicólogo, inclusive ouvindo desabafo de quem perdeu ou

ganhou a causa. Quem trabalha ali também tem que ter discrição e bons modos, além de “jogo de cintura” para lidar com situações diversas, pois os usuários são de todo tipo. De trabalhador ao senhor juiz. “Nível classe ‘a’ e ‘b’” como salienta um taxista. “O atendimento tem

Um ponto de alta rotatividade e de boas corridas durante o horário comercial.

que ser de nível”, reforça Luis Inoue, carro 1056, RT 286. O pessoal do ponto tem muita história para contar. Segundo eles, quem estaciona o carro ali precisa ter o dom de saber lidar com as pessoas, pois o taxista se depara com passageiro estressado, após perder

a sua causa e até figurão que estaciona o carro no ponto e quer dar a famosa “carteirada”. Do local de trabalho, eles não têm do que reclamar. O pessoal classifica o ponto como ‘muito bom’. Inoue, com seus 11 anos de profissão, diz que o ponto é de alta rotatividade e

Márcio Luis diz estar satisfeito com o número de clientes que buscam o ponto.

que rende boas corridas. Mas é preciso ter paciência com os ‘canivetes’,(corridas curtas) pois, há corridas para cartórios que ficam bem próximos. Márcio Luis, carro 1567, também diz que o ponto é bom. Explica que o movimento fica mais intenso a partir das

13 horas. O atendimento não está restrito apenas ao pessoal do Fórum, tem os que trabalham na Secretaria de Segurança, os moradores da região, estudantes, usuários do hospital, entre outros. Fotos: André Rodrigues Matéria: Fernando Cruz

Segundo Luis Inoue, quem trabalha no ponto tem que ter muito jogo de cintura para atender os clientes.

Taxista de 62 anos executado a tiros no bairro Pilarzinho

O

taxista Justino Walter Mikosz, 62 anos, associado da Ligue Táxi, foi assassinado na última terça-feira quando estacionava seu carro na garagem da sua residência localizada no Jardim Cosmos no bairro Pilarzinho. Suspeitos foram detidos horas depois pela Polícia Militar. Segundo informações noticiadas no jornal Tribuna do Paraná, com dados da Polícia Militar (PM), o motorista foi surpreendido por dois indivíduos encapuzados. O taxista levou diversos tiros e nenhum objeto foi roubado.

No entanto, a polícia não descarta a possibilidade de assalto. Parentes disseram que o taxista chegou em casa por volta das 20 horas, tomou banho e foi a um churrasco. Envolvimento com tráfico O delegado Cristiano Quintas dos Santos, ouvido pela reportagem do Jornal Tribuna, disse que o taxista puxou cadeia há 15 anos por tráfico de drogas e já não devia mais nada à Justiça. Cristiano salientou que não há como afirmar se o caso há relação com o tráfico.

Suspeitos Os polícias do 13º Batalhão prenderam dois indivíduos, na noite de terça-feira, em uma abordagem policial no Tatuquara. Os detidos, que eram irmãos, portavam uma pistola ponto 40, um colete balístico e máscaras (balaclava). Os suspeitos foram detidos e autuados por porte ilegal de arma Como o taxista Justino foi alvejado por pistola de mesmo calibre, o delegado Cristiano dos Santos, da Homicídios, solicitou

uma perícia na arma, para verificar se foi a mesma arma usada no assassinato. Os rapazes confes-

saram estar indo matar uma pessoa e que a suposta vítima deveria agradecer a polícia por não ter morrido. Foto: Fabio Alexandre/O Estado

Nenhum pertence foi levado do taxista, mas mesmo assim a polícia não descarta a hipótese de latrocínio.


Curitiba, junho 2011

15

A Copa do Mundo está chegando! Você está preparado(a) para receber os turistas? Ainda há tempo! SPEAK, READ AND LEARN WITH ENGLISH CLASS! (você entendeu?) Hoje não existe mais desculpa em relação ao preço para quem quer aprender inglês. Os cursos tradicionais continuam tendo um valor bastante elevado, especialmente nas grandes cidades. Mas o acesso a cursos de inglês de aprendizagem rápida vem sendo cada vez mais uma opção que, além de diversas outras vantagens, é mais barata. Agora é importante não confundir preço baixo com qualidade baixa. Curitiba será uma das cidades sedes da Copa do Mundo de 2014, esse evento trará uma grande demanda para pessoas que falem inglês fluentemente. Se olharmos a África do Sul, onde a maioria das pessoas já falavam inglês e outros idiomas, já possuíam a habilidade de se comunicar e nós iremos fazer “feio”? Está constantemente sendo trabalhado pela mídia, não só aqui, mas em todo o país. Tudo o que for feito para esses eventos, irá ficar, seja para o bem ou para o mal. Por exemplo: os hotéis estão construindo vários novos leitos, estes servirão para a Copa, mas depois irão ficar. Será que o investimento terá reflexos positivos no futuro? O mesmo vale para a qualificação da mão-de-obra. Se você ensinar inglês e espanhol para 30 mil pessoas em Curitiba, este conhecimento irá ficar. A Copa irá acabar, mas você continuará tendo 30 mil pessoas mais bem qualificadas, promovendo a cidade e recebendo melhor os mais de 2 milhões de turistas que nos visitam anualmente. Falar inglês pode aumentar seu salário em até 30%. Diria que não existe dúvida. Não há dúvidas sobre essa ne-

cessidade de aprender inglês. Enviar um currículo sem constar ao menos “Inglês Intermediário” poderá significar que seu currículo não será sequer lido pelo recrutador. A dúvida hoje é se é melhor aprender Espanhol ou Mandarim. Não se discute mais se é importante aprender Inglês, pois isso é obviedade no mercado. O mercado de trabalho está competitivo e você precisa fazer a diferença! Para isso, falar inglês é fundamental, e por incrível que pareça, falar inglês fluente é mais fácil que parece, você sabia? Pois no mercado hoje existem métodos onde você fala desde o primeiro dia. Ler, entender, escrever, falar, enfim, se comunicar, fazer-se entender com intencionalidade é o que nos faz humanos, é o que nos diferencia dos demais animais. Uma proposta séria com profissionais engajados e preparados para desenvolver no aluno a capacidade de ler, interpretar, elaborar textos, operar os instrumentos de trabalho, como as máquinas, computadores, elaborar relatórios, cartas, pedidos, recibos, etc. Portanto, não só o inglês instrumental ou memorização de regras gramaticais, mas desenvolver nos alunos a capacidade de comunicação da língua inglesa com pronúncia adequada e termos utilizados no dia a dia. Agregando novos vocabulários a cada aula trabalhada, despertando a necessidade de envolvimento e engajamento num mundo onde dominar a língua inglesa é uma necessidade básica a qualquer um que queira entrar ou se manter no mercado de trabalho.


16

1ª Edição, vai ao ar de Segunda a Sexta dás 08h00 às 09h00

Curitiba, junho 2011

2ª Edição, de Segunda a Sexta dás 11h30 às 12h30 pelo Canal 6 - CNT Curitiba


Jornal Bandeira UM - junho/2011