Page 1

DANIELLE CARCAV portif贸lio


PINTURAS


UMA FLOR PARA HERBÊNIA - acrílica s/ tela - 156cm x 148cm - 2011 FOTO: PEDRO VICTOR BRANDÃO


PARA ESQUECER, ESCURECER. PARA CLAREAE, LEMBRAR - acrílica s/ tela - 140cm x 140cm - 2009


OBRIGADO PELA FESTA SURPRESA - acrílica s/ tela - 140cm x 140cm - 2009


BOA NOITE E FIM - acrílica s/ tela - 140cm x 140cm - 2010


QUANDO EU GRITAR, ME ACORDE - acrílica s/ tela - 117cm x 146cm - 2009


AQUARELAS


Série “ AUSÊNCIA DE CULPA: APROVEITE” #1 aquarela e guache sobre papel 40cm x 32cm 2010


Série “ AUSÊNCIA DE CULPA: APROVEITE” #2 aquarela e guache sobre papel 40cm x 32cm 2010


Série “ AUSÊNCIA DE CULPA: APROVEITE” #3 aquarela e guache sobre papel 40cm x 32cm 2010


ELE DISSE QUE VEIO EM PAZ aquarela e guache sobre papel 30cm x 30cm 2011


VOCÊ NÃO VAI PERGUNTAR? aquarela e guache sobre papel 30cm x 30cm 2011


QUAL É A BOA DO DIA? aquarela e guache sobre papel 40cm x 32cm 2010


CEM MENTIRAS = CEM VERDADES

aquarela e guache sobre papel 100cm x 70cm 2010


O TÉDIO MATA aquarela e guache sobre papel 30cm x 24cm 2010


O CHEIRO QUE O MEDO TEM aquarela e guache sobre papel 30cm x 24cm 2010


COMO SE FAZ PARA ACREDITAR aquarela e guache sobre papel 30cm x 24cm 2010


COMO SE PREPARA UM FRANGO ASSADO aquarela e guache sobre papel 24cm x 30cm 2010


SÉRIE EX OU NADA #3 - aquarela , guache e stencil de carbono s/ papel - 26cm x 17cm - 2010


SÉRIE EX OU NADA #5 - aquarela , guache e stencil de carbono s/ papel - 26cm x 17cm - 2010


SÉRIE EX OU NADA #4 - aquarela , guache e stencil de carbono s/ papel - 26cm x 17cm - 2010


AQUARELAS DA INSTALAÇÃO “AQUI JAZ: AUSÊNCIAS” local: amarelonegro arte contemporânea aquarelas pintandas frente e verso, penduradas dentro de gaiolas de passarinho. diâmetro 20cm 2010 CURADORIA E TEXTO: FERNANDA PEQUENO


“A memória é a gaveta dos guardados. (...) No meu andarilhar de pintor, fixo a imagem que se me apresenta no agora e retorno às coisas que adormeceram na memória, que devem estar escondidas no pátio da infância. (...) No andar do tempo, vão ficando as lembranças: os guardados vão se acomodando em nossas gavetas interiores”. Iberê Camargo Em diferentes lugares do mundo há pessoas interessadas e empenhadas em colecionar pássaros. No Brasil, a prática é bastante difundida, tanto em pequenas, quanto em grandes cidades. Encarcerar essas aves pode parecer cruel e mesmo politicamente incorreto, pois tolher a sua liberdade, retirando-as de suas ações naturais pode soar desumano. Entretanto, essa prisão se dá por amor ao bicho, pelo conhecimento de sua espécie, de suas características e peculiaridades, e também por admiração. O ímpeto colecionador se traduz, então, pela tentativa de posse dessa beleza, já que os pássaros são aprisionados para serem cuidados, olhados, passando a ser alimentados e apreciados diariamente. É nesse sentido que Danielle Carcav cultiva, em Aqui jaz: ausências, aquarelas dentro de gaiolas. Como um plantio que requer cuidado constante, os desenhos e pinturas sobre papel que habitam essas grades de madeira são conservados pela artista. O título nos dá indícios de que a instalação trata do esquecimento como uma espécie de morte, bem como da organização de lembranças fragmentadas. Neste sentido, não é à toa que os personagens das composições sejam anônimos, tendo suas expressões faciais indefinidas, diferentemente das imagens dos animais, que são claramente representados. Da mesma maneira, seu aspecto escorrido e lavado enfatiza o caráter onírico e a temática infantil – mas não pueril - que cria uma fricção interessante com a rusticidade da madeira. A instalação que Danielle Carcav expõe na Galeria Amarelonegro Arte Contemporânea aprisiona e perpetua recordações. Suas aquarelas – alimentadas por lembranças, sonhos e imaginação - ganham vida ao serem aprisionadas dentro de grades. A artista entende a memória como um confinamento e as gaiolas, assim como as gavetas, como objetos que costumam encerrar coisas e mesmo relegá-las ao esquecimento. Entretanto, ambas também armazenam e protegem cartas, documentos e tantos outros objetos valiosos e de apreço. Dessa forma, o processo artístico desencadeado, ao invés de tolher, dá vida a essas reminiscências, garantindo a sua existência e sobrevivência. Nas palavras de Deleuze e Guattari: “A memória intervém pouco na arte. (...) É verdade que toda obra de arte é um monumento, mas o monumento não é aqui o que comemora um passado, é um bloco de sensações presentes que só devem a si mesmas sua própria conservação, e dão ao acontecimento o composto que o celebra. O ato do monumento não é a memória, mas a fabulação. Não se escreve com lembranças de infância, mas por blocos de infância, que são devires-criança do presente”1. Dessa maneira, Carcav não tenta reconstituir fielmente uma recordação – isso seria impossível – mas utiliza a sua capacidade fabulativa para rememorar lugares, pessoas, brincadeiras que ficaram para trás, perdidas em um passado distante. A operação da artista [sim, porque trata-se de um preciso cálculo poético] de mistificação e ficcionalização desse passado não visa perpetuá-lo em uma atmosfera de brumas, mas torná-lo presente, passível de ser sentido, experimentado através dos sentidos, enfatizando que essas reminiscências possuem cheiro, gosto e cor peculiares. Cor essa que muitas vezes salienta uma atmosfera psicológica pesada, repleta de aflições, medos e - por que não? – pesadelos infantis. Em nada inocentes, essas aquarelas apresentam curiosa e interessante ambigüidade. Da mesma forma, essas gaiolas - muito mais do que aprisionar ou encerrar – dão vida às lembranças: as árvores repletas desses objetos ocupam quintais e as aves, mesmo quando libertas, retornam para esses lares, ninhos que embora artificiais, são aconchegantes. Forma-se, então, a imagem de um quintal conciliador de espaços imaginários que, por sua vez, guardam, mas não escondem, apenas zelam. Sendo assim, a artista nos faz perceber que para cada tipo de pássaro, há uma gaiola específica e que uma estrutura grande e reforçada não necessariamente significa uma prisão mais árdua. Ao contrário, pode sugerir uma maior proteção, já que alguns pássaros se tornam grandes e é preciso espaço para que dêem pequenos vôos, não esquecendo do que é mover-se e sustentar-se no vento. Se viver ao ar livre - embora um desejo comum na infância -seja conflitante, é porque implica em correr, parar, cair, sorrir, chorar, viver, morrer, sentir, fome ou medo, imaginar, machucar-se. Talvez por isso, nos trabalhos de Danielle Carcav, as figuras infantis se confundam com bichos. Mas esse imaginário de morar ao relento pode soar tão dúbio e assustador quanto habitar gaiolas, sejam elas reais ou fantasiosas. No fim das contas, “viver é muito perigoso”, seja em que circunstância for. Fernanda Pequeno, Novembro de 2010. DELEUZE & GUATTARI, O que é a filosofia?. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.


DETALHES DA INSTALAÇÃO “AQUI JAZ: AUSÊNCIAS” MONTADA NA GALERIA AMARELONEGRO, RJ, 2010. fotos: Odir Almeida


CURRICULO


Danielle Carcav Nasceu em Natal, RN. Vive e trabalha no Rio de Janeiro desde 2008. Formação 2011 UFF - Universidade Federal Fluminense - Engenharia Ambiental - Cursando 2009 Escola de Artes Visuais do Parque Lage , Rio de Janeiro/RJ. Pintura Contemporãnea (João Magalhães E Walter Goldfarb) Arte Contemporânea (Pedro França) Módulo Avançado de Pintura (Suzana Queiroga/2009 e Ivair Reinaldim-Daniel Senise/2010) Serigrafia (Evany Cardoso). Arte e Crítica de arte: anos 70 e 80(Ivair Reinaldim) Exposições selecionadas 2011 ABRE ALAS 7, A Gentil Carioca, Rio de Janeiro, RJ. 2010 XIII SAMAP, Casarão 34, João Pessoa, PB “AQUI JAZ; AUSÊNCIAS”, instalação, Galeria Amarelonegro, Rio de Janeiro, RJ. MOSTRA POP UP, Galeria Motor, Espaço Crânio, Rio de Janeiro, RJ. ALÉM DO HORIZONTE(paisagens contemporâneas), Amarelonegro Arte Contemporânea, RJ. 19º ENCONTRO DE ARTES PLÁSTICAS DE ATIBAIA, C. C. Victor Brecheret, Atibaia, SP. (Menção honrosa pela série de aquarelas “AUSÊNCIA DE CULPA: APROVEITE”) SALÃO DE ARTES 2010, Museu de arte Contemporânea, Campo Grande, MS.(PRÊMIO DE AQUISIÇÃO) CONVERGING TRAJECTORIES, Modified Arts, Phoenix, Arizona USA RETROSPECTIVA, Amarelonegro Arte Contemporãnea, Rio de Janeiro, RJ NOVÍSSIMOS, Galeria Ibeu, Rio de Janeiro, RJ 38º. SALÃO LUIZ SACILOTTO, Santo André, São Paulo/SP 9º. SALÃO ELKE HERING, Museu de Artes de Blumenau,Blumenau/SC.


2009 [SÓ VOCÊ E OS OUTROS PASSAM], EAV Parque Lage, Rio de Janeiro/RJ. [SÓ VOCÊ E OS OUTROS PASSAM], Largo das Artes, Rio de Janeiro/RJ. 9º. SALÃO DE ARTES VISUAIS DE GARULHOS, Centro Cultural Prof. Adamastor, SP. 16º. SALÃO DE ARTES PLÁSTICAS DE TERESINA, Casa da Cultura, Teresina/PI. XV SALÃO UNAMA de pequenos formatos, Galeria de Arte Graça Aranha, Belém/PA. Galerias representantes no Brasil Amarelonegro Arte Contemporânea - RJ www.amarelonegro.com Dumaresq Galeria de Arte - PE www.dumaresq.com.br Galeria Motor - SP www.galeriamotor.com.br Belizário Galeria de Arte - MG www.belizariogaleria.com Contato Email: danielle.carcav@gmail.com Webpage: http://daniellecarcav.blogspot.com

DANIELLE CARCAV  

DANIELLE CARCAV portifólio PINTURAS UMA FLOR PARA HERBÊNIA - acrílica s/ tela - 156cm x 148cm - 2011 FOTO: PEDRO VICTOR BRANDÃO PARA ESQUECE...