Issuu on Google+

ANO XXII • Nº 477 • 01 A 15 DE ABRIL DE 2014 • SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE CRÉDITO NO ESTADO DE PERNAMBUCO

Relaxe e jogue! O

Sindicato vem investindo na promoção de atividades esportivas. É mais do que incentivo à práticas saudáveis. Por meio do lazer, da arte e dos esportes, o bancário se permite ser mais que um trabalhador. Atividades deste tipo permitem que cada um se reconheça enquanto cidadão, que tem família, amigos, lazer e vida social. Nos dias 26 e 27, os III Jogos dos Bancários abrem espaço para a confraternização e alegria. Participe!

LEIA TAMBÉM Delegados sindicais tomam posse no dia 25

Atos e seminários lembram 50 anos de Golpe

Censo da Diversidade vai até o dia 25

Página 3

Página 4

Página 5

WWW.BANCARIOSPE.ORG.BR

Transtornos psíquicos crescem 65% em um ano Página 7


2 EDITORIAL

Tema livre

Somos bem mais que trabalho!

Marco Civil

O trabalho ocupa um espaço imenso em nossas aumentaram 65%, passando de 71 casos para 117. Estes números, no entanto, são muito maiores. vidas. Se levarmos em conta a jornada do bancário, sem horas extras, passamos um quarto de nossos O transtorno psíquico ainda é tabu. Reconhecer dias trabalhando. Ou seja, quando o trabalho vai que a mente adoeceu é dificuldade ainda maior que reconhecer que o corpo já mal, a vida inteira se contaminão aguenta. A maioria prefere na. O sono, o lazer, a formaNos jogos, ção, a família... todos sofrem o no passeio ciclístico, guardar para si o esgotamento nervoso. Sofre sozinho, ou meefeito. O corpo cansa, a mente na corrida, no também. futebol... o bancário lhor, com a família e com os amigos. E quanto mais guarda Quando um bancário, como se reconhece para si este mal, mais ele cresqualquer profissional, passa a enquanto gente, não ce, se alastra, se apossa da vida. desgostar de seu serviço, o traapenas trabalhador. O bancário, como todo trababalho vai mal. Quando ele se A mente percorre lhador, precisa ter consciência sente forçado a vender produnovos caminhos, de que sua vida vale mais que tos que os clientes não neceso trabalho. Ano após ano, o sitam, quando precisa empurrar se reencontra na Sindicato e o movimento sinos usuários menos favorecidos brincadeira e dical bancário tem lutado para para fora das agências, quando na amizade. melhorar as condições de trabaprecisa escolher qual é o cliente que ele tem que tratar bem, quando ele deixa de lho - combater o assédio moral e o abuso de metas, acreditar em sua própria função... o trabalho vai mal. garantir mais contratações, reduzir as demissões e Quando um bancário, como qualquer profissio- rotatividade. Mas é preciso que cada um se perceba nal, não sente seus esforços serem valorizados e como sujeito e como cidadão cuja dimensão é bem recompensados, quando dá tudo de si para cumprir maior que o ofício que exerce. Neste sentido, o estímulo às atividades espormetas que jamais se atinge, quando vê o emprego transformar-se em eterna competição, quando não tivas e artísticas, bem como momentos de lazer e consegue se dobrar às regras de um sistema que confraternização, adquirem função essencial. Nos exige que você humilhe e massacre... o trabalho jogos, no passeio ciclístico, na corrida, no futebol... o bancário se reconhece enquanto gente, não vai mal. E quando o trabalho vai mal, a vida inteira se apenas trabalhador. A mente percorre novos camicontamina. O corpo cansa, a mente também. Em nhos, se reencontra na brincadeira e na amizade. Pernambuco, as Comunicações de Acidente de Nos próximos dias 26 e 27, haverá uma boa oporTrabalho emitidas, somente pelo Sindicato, entre tunidade para isso: são os III Jogos dos Bancários. 2012 e 2013 mostram que as doenças psíquicas Participe!

Acompanhe o Sindicato nas redes sociais! twitter.com/bancariospe

facebook.com/bancariospe

DIRETORIA EXECUTIVA Presidenta: Jaqueline Mello Secretário-Geral: Fabiano Félix Comunicação: Anabele Silva Finanças: Suzineide Rodrigues Administração: Epaminondas França Assuntos Jurídicos: Justiniano Junior Bancos Privados: Geraldo Times Bancos Públicos: Daniella Almeida

Cultura, Esportes e Lazer: Adeílton Filho Saúde do Trabalhador: Wellington Trindade Secretária da Mulher: Sandra Trajano Formação: João Rufino Ramo Financeiro: Flávio Coelho Intersindical: Renato Tenório Aposentados: Luiz Freitas

01 a 15 de abril de 2014

A Câmara dos Deputados aprovou, no último dia 25 de março, por quase unanimidade (só o PPS votou contra), o marco civil da internet. Criado de forma colaborativa, o projeto disciplina direitos e deveres dos usuários da internet, mantendo a liberdade e democracia na rede, protegendo os dados dos usuários de espionagens e impedindo que as empresas de telecomunicações discriminem usuários, ao limitar a velocidade de acesso para os que contratarem os pacotes mais populares.

Cotas

para negros

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou proposta que reserva aos negros, por um período de 10 anos, 20% do total de vagas oferecidas em concursos públicos da administração pública federal e das autarquias, fundações públicas, empresas públicas e sociedades de economia mista controladas pela União. A proposta segue agora para votação em plenário.

Protestos

de abril

No próximo dia 9, as centrais sindicais realizam manifestações em defesa da Pauta da Classe Trabalhadora: fim do Fator Previdenciário; Jornada de 40 horas semanais, sem redução salarial; fim do PL 4330, que amplia a terceirização; regulamentação da Convenção que garante negociação no setor público; ratificação da Convenção que proíbe demissões sem motivo; correção da tabela do Imposto de Renda na fonte, entre outras reivindicações.

Comunicação

A CUT realizou, no final de março, o VII Encontro Nacional de Comunicação. O objetivo é fortalecer e ampliar a rede de comunicação independente que se consolida através dos meios criados e difundidos pelos movimentos sociais e por profissionais e intelectuais progressistas. A luta por uma nova lei das comunicações, o papel das redes sociais e comunicação pública foram alguns dos temas em pauta.

Informativo do Sindicato dos Bancários de Pernambuco Circulação quinzenal Redação: Av. Manoel Borba, 564, Boa Vista, Recife Telefone: 3316.4233 / 3316.4221. Correio Eletrônico: imprensa@bancariospe.org.br Sítio na rede: www.bancariospe.org.br Jornalista responsável: Fábio Jammal Makhoul. Conselho Editorial: Jaqueline Mello, Anabele Silva, Geraldo Times e João Rufino. Redação: Fabiana Coelho, Fábio Jammal Makhoul e Wellington Correia. Diagramação: Studio Fundação Design & Editorial. Fotos: Beto Oliveira e Ivaldo Bezerra. Impressão: NGE Tiragem: 11.000 exemplares


3 BANCO DO BRASIL

Sindicato apoia a Chapa 1 nas eleições para a Cassi

NOTAS

Congresso Fetrafi-NE

D

e 9 a 22, quatro chapas disputam parte da diretoria e dos conselhos deliberativo e fiscal da Cassi – Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil. O Sindicato, assim como a Contraf-CUT (Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) e boa parte do movimento sindical, apoia a Chapa 1, encabeçada por William Mendes - coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB e secretário de Formação da Contraf-CUT. O secretário-geral do Sindicato, Fabiano Félix, é candidato ao Conselho Deliberativo. Entre os princípios defendidos pela Chapa está a manutenção da solidariedade no plano, segundo a qual todos devem ter acesso ao mesmo atendimento, independente de idade, função ou número de dependentes. O grupo defende ainda a Cassi para todos, sem privilégios

ou discriminações, e o redirecionamento do foco de atuação para a saúde do trabalhador, com implementação de políticas que promovam a saúde e o bem-estar nos locais de trabalho. A direção da caixa de assistência é compartilhada. O BB indica o presidente, o diretor de administração e finanças, quatro dos oito conselheiros deliberativos e três dos seis conselheiros fiscais. Os

associados elegem o diretor de Saúde e Rede de Atendimento, o diretor de Planos de Saúde e Relacionamento com Clientes e a metade dos conselhos deliberativo e fiscal. A votação acontece por meio dos terminais SISBB disponibilizados pelo Banco do Brasil. Já o voto dos aposentados será colhido nos terminais de autoatendimento do banco.

BANCOS PÚBLICOS

Delegados sindicais tomam posse no dia 25 Tomam posse, no próximo dia 25 de abril, os delegados sindicais eleitos nos dias 26, 27 e 28 de março pelos funcionários da Caixa, Banco do Brasil, BNB, Banrisul e BNDES. Até o dia 31 de março, tinham sido contabilizados 86 representantes – oito a mais que no ano passado. Mas algumas cidades do interior ainda estavam enviando os registros dos resultados das eleições. “A gente percebe que existe um interesse, que as pessoas sabem o valor que tem um delegado sindical. Eu espero que o pessoal que está chegando venha com garra, com muita vontade de contribuir”, afir-

ma a secretária de Bancos Públicos do Sindicato, Daniela Almeida. Ela acrescenta que, embora a programação do seminário de formação, que ocorre junto com a posse, ainda não esteja definida, a discussão sobre o papel de um delegado sindical será um dos focos. “Ele é uma ponte entre a diretoria do Sindicato e o trabalhador, em seu ambiente de trabalho. Mas é muito mais: é um agente de mobilização e de sensibilização dos colegas”, diz a dirigente. O crescimento no número de delegados se deve à participação dos trabalhadores da Caixa, onde até

esta data tinham sido informadas a escolha de 33 titulares e seis suplentes. O aumento foi expressivo sobretudo nas áreas meio e nas novas unidades. “São agências pequenas, com poucos funcionários e muito volume de trabalho. Ou seja, a presença dos delegados sindicais nestas unidades é fundamental para que se garanta melhores condições de trabalho”, opina Daniella. No BNB, foram 11 titulares e três suplentes. No Banco do Brasil, 31 delegados sindicais. Banrisul e BNDES, que só possuem uma unidade no estado, escolheram, cada um, um representante sindical de base.

Acontece, no próximo dia 12, o Congresso da Fetrafi-NE (Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro no Nordeste). Em assembleia realizada no Sindicato dia 27 de março, uma única chapa se candidatou e foi escolhida por aclamação para compor a delegação. Pernambuco participa com cinco delegados natos e 36 eleitos. Há, ainda, 30% de suplentes.

Organização

O presidente da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), Carlos Cordeiro, esteve no Sindicato no dia 17 de março, para discutir os desafios da organização dos trabalhadores e da Campanha Nacional. Em pauta, questões como empregabilidade, condições de trabalho, adoecimento e remuneração.

Lucro da Caixa

A Caixa Econômica Federal obteve lucro líquido recorde de R$ 6,7 bilhões em 2013, com crescimento de 19,2% em comparação ao ano passado e, na contramão do que vem praticando os bancos privados, com ampliação do crédito, geração de empregos e abertura de agências. Foram criados 5.272 postos de trabalho entre 2012 e 2013 e 420 novas agências foram inauguradas.

01 a 15 de abril de 2014


4 DITADURA NUNCA MAIS!

Atos e seminários lembram 50 anos do Golpe Militar

D

esde março, uma série de atividades em todo o país marca os 50 anos do golpe militar. No dia 1º, o Sindicato participou de de ato no Monumento Tortura Nunca Mais, organizado pelo Comitê Memória, Verdade e Justiça Dom Hélder Câmara. Promovido pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, o ciclo “Para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça” percorre 16 cidades, de doze estados, com mostras de cinema, inauguração de monumentos, atos e homenagens, caravanas da Anistia, seminários, exposições, programas de TV, entre outras ações. A programação foi traçada em conjunto com mais de 50 entidades da sociedade civil. Em Recife, um seminário internacional foi realizado entre 10 e 14 de março. Em foco, a nova agenda da justiça de transição do país. Para a Organização das Nações Unidas, justiça de transição “é o conjunto de estratégias para enfrentar o legado de violência do passado, atribuir responsabilidades, exigir a efetividade do direito à memória e verdade, fortalecer as instituições com valores democráticos e garantir a não repetição das atro-

01 a 15 de abril de 2014

“PARA QUE NÃO SE ESQUEÇA, PARA QUE NUNCA MAIS ACONTEÇA” ATIVIDADES DE ABRIL SEMINÁRIO: “Memória e compromisso: relembrar o papel dos cristãos no processo de anistia política e na reconstrução democrática do Brasil no período de 1964 a 1988” Dias 04 e 05: das 14 às 17 horas no Colégio Marista São Luís Parceria: Comissão Brasileira Justiça e Paz da CNBB, Pastoral da Juventude e Levante Popular da Juventude EXPOSIÇÃO: “Anistia e democracia: para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça” Dias: 7 a 11, em Salgueiro 22 a 25, em Santa Cruz do Capibaribe e Limoeiro

cidades”. Para o diretor do Sindicato Expedito Solaney, que também é secretário de Políticas Sociais da CUT (Central Única dos Trabalhadores) e coordenador da Comissão Nacional Memória, Verdade e Justiça da Central, a transição para a democracia no Brasil permanece incompleta. “Em outros países, garantiu-se a punição dos que cometeram crimes no regime militar. Aqui, não houve ruptura, não houve governo eleito, mas um governo indicado por um colégio eleitoral. A Comissão da Verdade só foi instituída vários anos depois e nenhum

dos criminosos foi punido”, diz. Ele acredita que a impunidade dos militares criminosos é fator determinante na persistência da tortura em favelas e penitenciárias, bem como na forma como é tratada a população pobre e negra. “Nossa Polícia Militar seguiu com a mesma política, da Escola Superior de Guerra, segundo a qual qualquer civil é suspeito e as informações devem ser extraídas mediante a tortura”, opina. TRIBUNAL SIMBÓLICO EXIGE PUNIÇÃO PARA

TORTURADORES

No dia 18 de março, um julgamento simulado condenou a interpretação oficial da Lei da Anistia. O alvo foi o parágrafo primeiro do primeiro artigo da lei, que iguala os que combateram o regime aos torturadores e estende o perdão aqueles que, sob o manto do Estado, cometeram crimes de lesa-humanidade. Foram três horas de julgamento, realizado no Teatro da Universidade Católica de São Paulo – o Tuca. No júri, representantes da CUT, da UNE (União Nacional dos Estudantes), OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo e classe artística. Testemunhas e vítimas da repressão também foram ouvidas. Ao final do julgamento, cópias da sentença foram entregues ao padre Júlio Lancelotti, com a incumbência de fazê-la chegar ao papa Francisco e à psicanalista e escritora Maria Rita Kehl, integrante da Comissão Nacional da Verdade, com o compromisso de incluir a decisão no relatório final da comissão, no final do ano.


5

Pesquisa revela face cruel do machismo no Brasil

65% dos entrevistados pelo Ipea concordam, total ou parcialmente, que mulheres que mostram o corpo devem ser atacadas

U

ma enquete do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revela uma face chocante do machismo no Brasil. À pergunta “Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”, 42,7% dos entrevistados disseram sim e 22,4% concordaram parcialmente. Além disso, 58,5% concordaram (35,3% totalmente e 23,2% parcialmente) com a frase “Se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros”. Para a secretária de Finanças do Sindicato, Suzineide Medeiros, a pesquisa revela o quanto ainda se precisa avançar no combate ao machismo. “É inaceitável esta tendência de culpabilizar as vítimas de estupro, como se os homens fossem

incapazes de refrear seus apetites sexuais. Fruto de uma visão que nega à mulher sua posição como sujeito”, afirma Suzi. Os dados fazem parte da pesquisa Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) - Tolerância social à violência contra as mulheres, que consultou 3.810 pessoas. A pesquisa também revelou que a sociedade está menos condescendente com a violência doméstica: a maioria absoluta dos entrevistados acha que homem que bate na esposa tem que ir para a cadeia. “Acredito que a Lei Maria da Penha, que endurece as punições para o agressor, contribuiu para minimizar a tolerância à este tipo de violência”, afirma a responsável pela Secretaria da Mulher do Sindicato, Sandra Trajano.

Participação das mulheres Censo da Diversidade na política é tema de vai até 25 de abril debate no Sindicato

Para as várias mulheres que participaram, no dia 31 de março, do debate sobre a Presença das Mulheres na Política, a participação nos espaços de decisão é essencial para a elaboração de políticas públicas de combate ao machismo. As discussões fecharam a programação dedicada ao Mês da Mulher e contaram com palestra da deputada federal Érica Kokay. Apesar de representarem 51,95% do

eleitorado no país, o percentual de mulheres no Congresso Nacional não chega a 10%, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Por exemplo, dos 513 deputados federais, 9% são mulheres; dos 81 senadores, 13 são mulheres - o que significa um percentual de 16%. Nas Prefeituras, elas ocupam menos de 10% dos assentos e, nas Câmaras Municipais, são cerca de 12% dos vereadores.

Bancários e bancárias têm até 25 de abril para participarem do II Censo da Diversidade. O censo, conquistado na Campanha Nacional 2012, vale para todos os bancários que estão na base de cadastro da RAIS , inclusive os licenciados por motivos de saúde, maternidade e mandato sindical. “Quanto maior o número de participantes, melhor se desenhará o perfil da categoria, para que se possa combater as desigualdades”, afirma a presidenta do Sindicato, Jaqueline Mello.

O tempo previsto para responder as perguntas é em torno de 8 e 10 minutos. O sistema conta com um programa de segurança e as respostas serão sigilosas e confidenciais. O último censo foi realizado em 2008 e já revelou uma série de desigualdades. A novidade deste segundo é a inclusão de pergunta sobre orientação sexual. Para responder o censo, acesse: http://www.febraban-diversidade.org.br/. Ou por meio do banner que fica no site do Sindicato: www.bancariospe.org.br/. 01 a 15 de abril de 2014


6 NOTAS

Autoatendimento

O secretário de Formação do Sindicato, João Rufino, alerta que os casos de assalto tipo “saidinha de banco” estão migrando para o autoatendimento. “A colocação dos biombos reduziu este tipo de prática, mas é preciso que se invista na proteção da área de autoatendimento”, opina. Ele acrescenta que, em muitos casos, os assaltantes estudam a rotina das vítimas antes de efetuar os assaltos, ampliando a importância de garantir segurança em todas as áreas do banco.

Mortes

Em 2013, foram registrados 65 assassinatos em ataques a banco, média de 5,4 vítimas fatais por mês, um aumento de 14% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registradas 57 mortes. As maiores vítimas foram os clientes, seguido de vigilantes, transeuntes e policiais. Dois bancários também foram mortos.

BB Agamenon

O Banco do Brasil da Agamenon foi a quarta agência assaltada este ano, além de outras duas tentativas. A ocorrência foi no dia 17 de março, quando cinco homens invadiram a agência. Um funcionário do estacionamento foi feito de refém. Como a porta detectora de metais travou, os assaltantes usaram uma marreta para quebrar os vidros. Dois vigilantes foram agredidos. Quinze dias depois, um empresário foi morto, após reagir a um suposto assalto. O assassinato ocorreu na saída do BB da Agamenon, depois que ele efetuara um saque de R$ 8 mil. 01 a 15 de abril de 2014

SEGURANÇA BANCÁRIA

Reunião avalia avanços e limitações do projeto-piloto de segurança bancária

O

s representantes dos bancários se reuniram, no dia 18 de março, com a Fenaban (Federação Nacional de Bancos), para avaliar o projeto-piloto de segurança bancária, implantado em Recife, Olinda e Jaboatão dos Guararapes. Foi a primeira reunião de acompanhamento nacional. Segundo o secretário de Formação do Sindicato, João Rufino, que representa a Fetrafi-NE (Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro no Nordeste), os primeiros resultados revelam queda nos assaltos a bancos em Pernambuco e redução nas ocorrências de “saidinha de banco” nas três cidades, na comparação entre 2012 e 2013, conforme estatísticas da Secretaria de Defesa Social (SDS). Nos meses de janeiro e fevereiro deste ano houve em Recife uma

diminuição de 30 para 22 casos de “saidinha de banco” em relação ao ano passado, uma queda de 27%. O número caiu também em Olinda no mesmo período de 9 para 6 ocorrências, o que representa uma redução de 33%, mas subiu em Jaboatão de 1 para 4 registros, um aumento de 300%. Conquistado nas negociações da Campanha Nacional 2012, o protocolo foi assinado em 14 de maio do ano passado, na capital pernambucana, estabelecendo um prazo de 90 dias para instalar os equipamentos previstos, o que ocorreu. O período de vigência do projeto-piloto é de um ano, ou seja, até 14 de agosto deste ano. Os bancos implantaram equipamentos em 209 agências, como portas giratórias com detectores de metais, câmeras internas e externas, biombos em frente aos caixas, guar-

da-volumes e cofres com retardo. “A implantação do projeto reduziu as ocorrências, mas os números ainda são preocupantes e precisam ser melhor estudados, a fim de identificar os problemas”, afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro). Há também várias limitações. Nem todos os estabelecimentos bancários foram abrangidos. “Já ocorreram assaltos a agências de shopping e postos de atendimento, que não foram incluídos pela Fenaban e se encontram desprotegidos das medidas do projeto-piloto”, aponta João Rufino. Segundo ele, as agências de negócios do Itaú e os postos de atendimento avançado do Bradesco, também não integram o projeto-piloto e não possuem equipamentos de segurança.

Ataques a bancos crescem 16,36% e chegam a quase 3 mil ocorrências Os ataques a bancos aumentaram 16,36% em 2013 e alcançaram 2.944 ocorrências em todo país, uma média assustadora de 8,06 por dia. Desses casos, 859 foram assaltos, consumados ou não, o que representou uma elevação de 11,99% em relação ao ano anterior, e 2.085 foram arrombamentos de agências, postos

de atendimento e caixas eletrônicos, um crescimento de 18,26%. Os dados são da 6ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos, elaborada pela Contraf-CUT, Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) e Federação dos Vigilantes do Paraná (Fetravisp), com apoio técnico do Dieese (Departamento Intersindical

de Estatísticas e Estudos Sócio-econômicos). Conforme estudo do Dieese, com base nos balanços de 2013, os quatro maiores bancos (Itaú, BB, Bradesco e Santander) lucraram R$ 49,5 bilhões e aplicaram R$ 2,5 bilhões em despesas com segurança e vigilância - uma média de apenas 5%.


7

Rumo à 4º Conferência Nacional de Saúde do Trabalhador

Os bancários participaram, nos dias 21 e 22 de março, do Seminário Setorial com as Centrais Sindicais e Organizações Sociais, realizado pelo Conselho Nacional de Saúde. O secretário de Saúde do Sindicato, Wellington Trindade, foi um dos representantes da categoria. O evento é um dos seminários preparatórios para a 4ª Conferência Nacional de Saúde do Trabalhador. Outros encontros do tipo, além das conferências estaduais e municipais, devem ocorrer até o mês de junho. Para Wellington, há que se des-

tacar a importância da Conferência Nacional, como espaço para a conquista de políticas públicas de proteção à saúde do trabalhador. “A última conferência foi realizada em 2005. Temos um hiato de quase dez anos. Ou seja, as dificuldades são imensas, mesmo em um governo democrático popular”, ressalta o dirigente. A Conferência está prevista para novembro. No entanto, antes, haverá as etapas estaduais e municipais. A de Recife ainda não tem data marcada, mas precisa acontecer até

o final de maio. A estadual será realizada nos dias 04, 05 e 06 de junho. A CUT (Central Única dos Trabalhadores) também já agendou um seminário preparatório para o final de abril. Durante o último seminário, estavam presentes todas as grandes centrais sindicais e organizações sociais. Entre as discussões, estava a Portaria nº 1823, de 23 de agosto de 2012, do Ministério da Saúde, que institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora.

NOTAS

Na contramão

A rotatividade no sistema financeiro contrasta com a do conjunto da economia brasileira. Em outros setores, a remuneração média dos trabalhadores desligados nos dois primeiros meses do ano correspondeu a 94% da recebida pelos admitidos. A redução de empregos nos bancos também contraria o movimento da economia do país, que gerou 302.190 postos de trabalho em janeiro e fevereiro.

Só para alguns

No Itaú, cada diretor recebeu, em média, R$ 9,05 milhões em 2012, o que representa 191,8 vezes o piso salarial. No Santander, cada diretor embolsou, em média, R$ 5,62 milhões no mesmo período, o que significa 119,2 vezes o salário do caixa. E no Bradesco, que pagou, em média, R$ 5 milhões no ano para cada diretor, a diferença para o salário do caixa foi de 106 vezes.

Lei das filas

VÍTIMAS DE ACIDENTE DE TRABALHO

Transtornos psíquicos se multiplicam e bancos fecham postos de trabalho No mês em que se comemora o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho, o foco, para os bancários, é a saúde psíquica. Em Pernambuco, as estatísticas são assustadoras. Entre 2012 e 2013, o número de CATs (Comunicações de Acidente de Trabalho) emitidas pelo Sindicato por conta de transtornos psíquicos subiu 65%. Foram 71 casos, em 2012, e 117, em 2013. Na base destes números, a organização do trabalho: carência de funcionários, demissões, rotatividade, metas inalcançáveis. A Pesquisa de Emprego Bancário

(PEB), divulgada no dia 25 de março, revela que os bancos fecharam 1.864 postos de trabalho nos dois primeiros meses de 2014. A pesquisa é feita em parceria pela Contraf-CUT e Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos). O saldo de demissões só não é pior porque a Caixa Econômica

Federal abriu 826 vagas no mesmo período. Os dados mostram, ainda, que o salário médio dos admitidos pelos bancos no primeiro bimestre do ano foi de R$ 3.229,33 contra o salário médio de R$ 5.407,33 dos desligados. Ou seja, os trabalhadores contratados recebem, em média, 59,7% da remuneração dos que saíram.

O Procon de Jaboatão interditou, entre os dias 26 e 31 de março, cinco agências do município: o Itaú em Jaboatão Velho e em Candeias, o Santander e o Banco do Brasil da Bernardo Vieira de Melo e o Bradesco de Prazeres. As unidades foram autuadas por descumprimento da Lei das Filas - que garante atendimento em, no máximo, quinze minutos. Segundo o diretor do Sindicato, Carlos Alberto, a média de tempo para espera por atendimento nas agências de Jaboatão é de uma hora, uma hora e meia, em dias comuns. 01 a 15 de abril de 2014


8

Inscreva-se nos III Jogos dos Bancários

A

gende-se: os III Jogos do Sindicato acontecem nos dias 26 e 27 de abril. A exemplo do ano passado, as disputas acontecem em várias modalidades: natação, vôlei de areia, tênis de mesa, xadrez, sinuca, dominó, canastra e atletismo, com corrida rústica e de velocidade. As novidades deste ano são as disputas no queimado e spiriball.

As competições serão abertas, também, aos dependentes dos bancários sindicalizados, diretores e funcionários do Sindicato, ampliando o entrosamento entre todos. “Os jogos criam um ambiente agradável de confraternização. Além de tudo, é um estímulo à prática de exercícios físicos”, afirma a presidenta do Sindicato, Jaqueline Mello.

Aposentados participam de passeio ao Instituto Brennand no mês de maio

Associados do Sindicato já podem se hospedar na Pousada Asfabe Garanhuns

Estão abertas as inscrições para os aposentados que quiserem participar do Passeio ao Instituto Brennand. A atividade será realizada no mês de maio, em substituição ao tradicional Café da Manhã. Os interessados devem vir à sede do Sindicato e procurar a Secretaria-geral até o dia 10 de abril. “Precisamos desta antecedência para poder ter ideia da quantidade de ônibus necessária, bem como

O Sindicato firmou parceria com a Asfabe (Associação dos Funcionários Aposentados do Bandepe) e, a partir de agora, os bancários associados já podem usufruir da pousada Asfabe de Garanhuns, no agreste pernambucano. A pousada dispõe de sete chalés, compostos por duas suítes, sala, varanda e cozinha americana. As unidades têm capacidade para receber até seis pessoas e são totalmente

para efetuar as reservas”, explica a secretária de Aposentados em exercício, Maria José Leódido. O passeio será realizado sem custos para os associados do Sindicato. Quem quiser levar convidados, paga a taxa exigida pelo local, de R$ 20 (inteira) ou R$ 10 (meia). A data do passeio ainda não foi definida, mas a saída está prevista para 14 horas.

Abertas as inscrições para os chalés do Clube de Campo em maio e junho Quem quiser concorrer a uma vaga no Clube de Campo dos Bancários nos meses de maio e junho deve ficar atento. As inscrições estão abertas a partir do dia 1º de abril e vão até o dia 15. O sorteio será realizado no dia 17 e o resultado será divulgado no site do Sindicato. Os interessados devem entrar em contato com Vera Vasco pelo telefone 3316-4233, das 14h30 às 18h. Ao todo, são dez chalés mobiliados e equipados, com dois quartos, banheiro, sala e cozinha conjugados. A hospedagem para o final de semana custa R$ 70. 01 a 15 de abril de 2014

mobiliadas e equipadas, inclusive com roupa de cama, rede e toalhas de banho. Já as áreas comuns dispõem de chuveirão, campo de futebol, área de jogos, parque infantil, fruteiras, jardins e um amplo espaço ao ar livre para caminhadas e pedaladas. Tudo isso por diárias bem acessíveis: R$ 70 reais para o casal, R$ 100 para três pessoas e R$ 200 para seis ocupantes.

Adeus, seu Irineu Faleceu, no dia16 de março, Irineu Antônio do Nascimento, último sócio-fundador do Sindicato que ainda vivia. Depois de lutar durante sete meses contra uma pneumonia, ele foi embora, aos 99 anos. Levou consigo um orgulho que costumava celebrar onde quer que fosse: o de ter sido bancário e de ter participado da vida sindical. Mesmo depois de passados os noventa anos, ele ainda costumava visitar o Sindicato e participar de algumas atividades. Seu Irineu ainda era menor quando começou a trabalhar no Citibank. Quando decidiu se filiar ao Sindicato, teve que aguardar um tempo para oficializar a filiação – já que a lei exigia maioridade para sindicalizados. Foram 35 anos de Citibank e o mesmo tempo de atividades sindicais.


Jornal dos Bancários - ed. 477