Issuu on Google+

ANO XVX • Nº 394 • 1 a 15 DE ABRIL DE 2011 • SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE CRÉDITO NO ESTADO DE PERNAMBUCO

De volta às negociações

O Sindicato e os bancos retomaram as negociações em quatro mesas temáticas, que vão discutir as reivindicações dos bancários para saúde, segurança, igualdade de oportunidades e terceirização. A primeira reunião ocorreu em março e a intenção do Sindicato é solucionar uma série de problemas antes do início da Campanha Nacional, no segundo semestre. Leia mais nas páginas 4 e 5

LEIA TAMBÉM Começam os preparativos para a Campanha Nacional Página 8

Santander começa onda de demissões em massa Página 6

Sindicato garante vitória contra 7ª e 8ª horas no BB Página 7

www.bancariospe.org.br


Página 2

2

EDITORIAL

Tema livre

Lutar e conquistar O primeiro trimestre de 2011 acabou e a par- cional 2010, construímos a maior greve dos tir de agora os bancários começam a se preparar últimos vinte anos. E o resultado não poderia para a Campanha Nacional deste ano. No últi- ser diferente: arrancamos dos bancos o melhor mo dia 31, o Comando Nacional dos Bancários acordo em duas décadas. Mas o Sindicato não vive só de lutar pelos se reuniu para definir o calendário e as estratébancários. Nos últimos anos, temos brigado com gias da Campanha (confira na página 8). o governo e a Justiça para Mas, antes do início efetivo da acabar com o imposto sindiCampanha, os bancários querem cal, criado há quase um séresolver uma série de pendên- Nos próximos culo e que serve para manter cias nas mesas temáticas de nemeses, o Sindicato sindicatos de fachadas (veja gociação, cujo os debates comevai aplicar uma matéria na página 3). çaram em março com os bancos. pesquisa para Como se vê, o segundo Em pauta, questões relacionadas trimestre começa cheio para à saúde, segurança, igualdade de verificar os anseios dos bancários. os bancários e para o Sindioportunidades e terceirização. cato. E a luta, este ano, só As mesas temáticas são uma Ela deve balizar está no início. A partir de conquista da Campanha Nacio- as discussões e agora, os funcionários já denal de 2009. Desde então, os se transformar vem começar a debater com bancários conseguiram muitos em pauta de os colegas nos bancos as reiavanços, como o acordo inédito reivindicações. Aí é vindicações que a categoria no Brasil que garante mecanislutar e conquistar quer ver contempladas para mos de prevenção e combate ao a Campanha Nacional 2011. assédio moral nos bancos (leia Nos próximos meses, o Sindicato vai aplicar mais nas páginas 4 e 5). Vale lembrar, que para conquistarmos mais uma pesquisa para verificar os anseios dos banavanços em nossas reivindicações, a mobiliza- cários de Pernambuco. Ela deve balizar as disção dos bancários será fundamental. Todos os cussões dos encontros estadual e regional e se direitos que garantimos foi com muita luta, a transformar em pauta de reivindicações na Conexemplo do ano passado. Na Campanha Na- ferência Nacional. Aí é lutar e conquistar.

Humor

LIBÓRIO MELO

Carga

tributária

O debate sobre a reforma tributária está na agenda do país. A CUT e os sindicatos defendem que a estrutura tributária deve ser progressiva. O que quer dizer, simplesmente, alterar seu formato atual e passar a cobrar mais impostos de quem tem patrimônio e renda altos e menos de quem trabalha e tem apenas o salário como forma de sustento.

Carga

tributária

2

Com essa proposta, a CUT e os sindicatos deixam claro que não defendem a redução da carga tributária, já que isso não interessa à maioria que depende dos serviços públicos de saúde, educação, segurança, seguridade social e outros.

Imposto

de

Renda

O Diário Oficial da União publicou no último dia 28 a medida provisória (MP) que reajusta a tabela do Imposto de Renda Pessoa Física em 4,5%. Com a correção, a faixa de isenção do IR para os ganhos de 2011 passa de R$ 1.499,15 para R$ 1.566,61 por mês. A medida provisória também estabelece uma regra fixa de correção do Imposto de Renda até 2014.

Informativo do Sindicato dos Bancários de Pernambuco Circulação quinzenal

Redação: Av. Manoel Borba, 564, Boa Vista, Recife Telefone: 3316.4233 / 3316.4221. Correio Eletrônico: imprensa@bancariospe.org.br Sítio na rede: www.bancariospe.org.br Jornalista responsável: Fábio Jammal Makhoul Conselho Editorial: Anabele Silva, Geraldo Times, Tereza Souza e Jaqueline Mello. Redação: Fabiana Coelho, Fábio Jammal Makhoul e Wellington Correia. Diagramação: Bruno Lombardi. Impressão: NGE Tiragem: 9.000 exemplares

DIRETORIA EXECUTIVA Presidenta Jaqueline Mello

Secretário-Geral Fabiano Félix Comunicação Anabele Silva

Saúde do Trabalhador João Rufino

Finanças Suzineide Rodrigues

Secretaria da Mulher Sandra Albuquerque

Administração Epaminondas França

Formação Tereza Souza

Assuntos Jurídicos Alan Patricio Bancos Privados Geraldo Times Bancos Públicos Daniella Almeida

01 a 15 de abril de 2011

Cultura, Esportes e Lazer Adeílton Filho

Ramo Financeiro Elvis Alexandre Intersindical Cleber Rocha Aposentados Luiz Freitas


Sindicato em ação

3 Justiça

Sindicato é contra o imposto sindical A CUT é a única central que luta contra esta cobrança

T

odos os trabalhadores brasileiros que têm carteira assinada tiveram no mês passado um dia descontado na folha de pagamento. É o chamado imposto sindical, criado em 1939 pelo presidente Getúlio Vargas. O desconto é compulsório e não é possível evitar esta cobrança, garantida por lei. O Sindicato dos Bancários de Pernambuco é contra o imposto sindical e há anos vem lutando pelo fim dessa cobrança. “Nós somos um Sindicato forte e queremos nos manter com as mensalidades pagas pelos bancários associados. Por isso somos terminantemente contra o imposto sindical. A CUT tem lutado em diversas frentes - na Justiça, no Congresso Nacional e com a presidenta Dilma - para acabar com esse imposto, mas até agora não

conseguimos”, comenta a diretora do Sindicato, Anabele Silva. O movimento sindical bancário já conseguiu, inclusive, uma liminar na Justiça que isentava os trabalhadores do imposto sindical. A liminar, garantida pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, durou mais de uma década, mas foi cassada pela Justiça em 2005. A mais recente cartada da CUT para acabar com o imposto sindical aconteceu no último dia 11 de março. Em reunião com a presi-

denta Dilma Rousseff, a Central entregou uma cópia do acordo assinado em 2008 entre diversos sindicatos cutistas pedindo o fim do imposto sindical. “Vale destacar que, de todas as centrais, só a CUT defende o fim do imposto sindical. Nós consideramos que, para um sindicato ser forte, é preciso de sócios. Não podemos ficar dependendo de um imposto criado há quase um século para manter sindicatos de fachadas”, conclui Anabele.

Descaso

Bancos são multados por falta de plano de segurança A Polícia Federal multou no dia 30 passado a Caixa Econômica Federal, o HSBC, o Santander, o Itaú Unibanco, o Bradesco e o Banco do Brasil em R$ 1,173 milhão por descumprimento de leis e normas de segurança. As punições foram aprovadas no julgamento de 104 processos, durante a 89ª reunião da Comissão Consultiva para Assuntos de Segurança Privada (CCASP), em Brasília. O Sindicato participou da reunião. As principais infrações dos bancos foram a ausência de plano de segurança aprovado pela Polícia

Federal, número insuficiente de vigilantes, transporte ilegal de valores feito por bancários e alarme inoperante, dentre outros itens. Uma agência do Itaú foi interditada. No ano passado, a Polícia Federal multou os bancos em R$ 9,58 milhões por descumprimento das leis e normas de segurança. O Santander foi o campeão, com R$ 1,95 milhão em multas, seguido do Bradesco e Itaú Unibanco que empataram com R$ 1,85 milhão. O Banco do Brasil ficou em quarto lugar com 1,45 milhão. A CCASP é um fórum tripartite

do Ministério da Justiça, composta por representantes do governo, trabalhadores (bancários e vigilantes) e empresários (bancos e empresas de vigilância, transportes de valores e centros de formação de vigilantes).

Hoje, os bancos não têm os equipamentos mínimos de segurança

NOTAS

Assinado acordo com BNDES

O Sindicato assinou no último dia 22 um acordo com o BNDES para o pagamento da Participação nos Resultados dos empregados. Cada funcionário receberá três salários, mesmo quem se afastou do trabalho efetivo em razão de licença remunerada, licença maternidade, cessão, 15 primeiros dias da licença médica em virtude de doença ou acidente de trabalho. O acordo celebrado significa mais um importante passo na valorização do quadro de funcionários da empresa e do trabalho do Sindicato.

Bancários do BB recebem PCR A direção do Banco do Brasil pagou aos funcionários as diferenças salariais geradas pela aplicação, no mês de março, do Plano de Carreira e Remuneração (PCR) conquistado na Campanha Nacional 2010. Os valores são retroativos à setembro do ano passado.

Sistema financeiro mais justo Sindicatos do mundo inteiro devem se unir para lutar por um sistema financeiro mais justo. A decisão foi tomada na Conferência da UNI Finanças, uma central sindical mundial, da qual o Sindicato é filiado. “No momento em que as empresas agem organizadamente e em escala mundial, é fundamental que os trabalhadores se solidarizem e trabalhem de forma unida”, disse Carlos Cordeiro, presidente da Contraf, durante o evento, realizado no mês passado, em Portugal. Outro ponto abordado durante a conferência foi o nível de terceirização existente em todo o sistema atualmente.

01 a 15 de abril de 2011


Mesa temática

Nova tempo de negocia 4

Jailton Garcia

O Sindicato e os bancos retomaram no mês de março as negociações das quatro mes igualdade de oportunidades e terceirização. O objetivo é garantir os avanços reivindi

A mesa sobre saúde foi retomada no dia 25 passado e a reunião foi marcada pelo intenso debate entre o Sindicato e a Fenaban em torno das metas abusivas

E

stá aberta a nova temporada de negociações entre o Sindicato e os bancos. Desta vez, os debates se darão em quatro mesas temáticas para discutir saúde, segurança, igualdade de oportunidades e terceirização. A presidenta do Sindicato, Jaqueline Mello, destaca que as mesas temáticas foram conquistadas pelos bancários na Campanha Nacional de 2009. “Desde então, garantimos uma série de avanços que seriam muito difíceis de serem discutidos durante as negociações das campanhas nacionais”, explica.

01 a 15 de abril de 2011

O mais recente avanço conquistado na mesa temática foi o acordo inédito assinado em janeiro que garante mecanismos de prevenção e combate ao assédio moral nos bancos. Fruto de muito debate na mesa temática sobre saúde, o acordo já virou referência para outras categorias. Já na mesa de igualdade de oportunidades, uma das principais conquistas foi a aplicação da pesquisa intitulada “Mapa da Diversidade”. “Graças ao Mapa, o Sindicato confirmou suas denúncias de que há discriminação nos bancos contra negros, mulheres e portadores de deficiência. Sabendo os detalhes, pudemos apre-

sentar uma série de reivindicações para solucionar o problema da desigualdade”, diz Jaqueline. A abertura das negociações

A primeira mesa temática a ser retomada foi a de segurança, no dia 16 de março. Durante a negociação, o Sindicato apresentou para a Fenaban uma proposta de isenção das tarifas de transferência de recursos (DOC, TED, ordens de pagamento, etc) para ajudar a combater o crime de “saidinha de banco”. As instituições financeiras ficaram de analisar a reivindi-

cação e o assunto foi pautado, junto com a divulgação pela Fenaban dos dados estatísticos semestrais de assaltos, para a próxima reunião, agendada para o dia 29 de abril. Já a mesa sobre saúde foi retomada no dia 25 passado. A primeira reunião foi marcada pelo intenso debate entre o Sindicato e a Fenaban em torno das metas abusivas. Entre as propostas dos bancários estão a participação de todos os trabalhadores nas estipulações e na aferição das metas, que devem ser coletivas e definidas de acordo com a realidade do departamento ou da agência, além


orada iação 5

Mesa temática Bancos usam rotatividade para achatar salários

sas temáticas, que vão discutir saúde, segurança, icados antes do início da Campanha Nacional 2011 Principais reivindicações nas mesas temáticas SAÚDE * Fim das metas abusivas * Combate ao assédio moral * Proteção contra os riscos de acidente de trabalho ou doença ocupacional * Programa de Reabilitação Profissional * Prevenção de adoecimento e promoção da saúde da mulher * Assistência médica, hospitalar, odontológica e medicamentosa SEGURANÇA * Ampliação dos equipamento de prevenção * Assistência médica e psicológica às vítimas de assaltos, sequestros ou extorsões * Adicional de risco de vida de 30% para agências, postos e tesouraria * Proibição de transporte de valores e guarda das chaves pelos bancários

de acabar com a meta para o caixa. A mesa de terceirização foi retomada no dia 31 de março. A discussão definiu a primeira área em que serão aprofundados os debates sobre a possibilidade de reversão do processo de terceirização: call center. A próxima reunião foi pré-agendada para o dia 6 de maio. A negociação sobre igualdade de oportunidades estava marcada para o dia 29 de março, mas foi adiada a pedido dos bancos. Nova data deve ser marcada nos próximos dias. Embora o encontro com os bancos tenha sido adiado, no mesmo dia a Contraf-CUT lançou, com a participação do Sindicato, um caderno sobre igualdade de oportunidades para balizar as discussões.

* Estabilidade provisória para vítimas de assaltos, sequestros e extorsões TERCEIRIZAÇÃO * Fim da terceirização * Contratação de todos os terceirizados * Garantia de emprego (Convenção 158 da OIT) * Ampliação do número de funcionários * Qualificação dos empregados IGUALDADE DE OPORTUNIDADES * Ampliar a contratação de mulheres, negros e pessoas com deficiência * Garantir igualdade nas promoções internas, valorizando a diversidade * Incluir o tema “orientação sexual” na próxima edição do Mapa da Diversidade * Garantir a cota mínima de 5% dos empregos para pessoas com deficiência

Os bancos que operam no Brasil criaram 24.032 novos empregos em 2010. Mas, segundo a Pesquisa de Emprego Bancário (PEB) realizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) em parceria com o Dieese, a rotatividade continua alta nos bancos. Em 2010, o sistema financeiro contratou 57.450 trabalhadores e desligou 33.418. A remuneração média dos desligados foi de R$ 3.506,88, valor 37,57% superior ao salário médio de R$ 2.188,43 dos admitidos. O saldo positivo de emprego nos bancos em 2010 está concentrado nas faixas salariais até três salários mínimos. Acima do valor equivalente a quatro salários mínimos, o saldo de emprego é negativo em todas as faixas de remuneração. O estudo revela também que 49,08% dos desligados pediram demissão. Mulheres já entram ganhando menos

Jaqueline Mello, presidenta do Sindicato

Na comparação de gênero, a pesquisa mostra que os salários das mulheres são inferiores tanto na contratação quanto no desligamento. As bancárias desligadas em 2010 recebiam salário médio de R$ 2.887,21, valor 28,71% inferior à remuneração média de R$ 4.049,92 dos homens. Na admissão, as mulheres foram contratadas com salário médio de R$ 1.833,35, contra R$ 2.534,52 dos trabalhadores masculinos - uma diferença de 27,66%. 01 a 15 de abril de 2011


Seu banco

6

Santander

Nove demissões em um só dia em Pernambuco

O

Santander deu início a uma onda de demissões em massa em todo o Brasil. Em Pernambuco, somente no dia 31 de março, o Sindicato recebeu 11 trabalhadores deste banco para homologação de demissões. Dois pediram demissão e nove foram dis-

pensados pelo banco. O Sindicato vai procurar o superintendente Carlo Mantovani que havia garantido, quando o banco perdeu a folha de pagamento do estado para o Bradesco, que não haveria demissões no estado e que os planos eram, inclusive, de abertura de novas agências.

O secretário de Administração do Sindicato, Epaminondas França, viaja no dia 4 de abril para São Paulo, onde participa de reunião da Comissão de Organização dos Empregados e também trata do assunto com a direção do banco. “A situação já está dramática por conta do

desastroso processo de integração tecnológica e o banco ainda quer demitir? Não vamos aceitar isso”, afirma Epaminondas. Nacionalmente, as informações que já circulavam eram de que o banco planejava milhares de cortes, sobretudo em São Paulo.

Bradesco

Bancários pressionados e clientes insatisfeitos

Suzineide Rodrigues

Insatisfação e desrespeito. Essa é a melhor definição para a situação vivida por clientes usuários e, principalmente, bancários nas agências do Bradesco nos últimos dias de março. O caos registrado no primeiro dia de pagamento dos servidores estaduais, no final de fevereiro, deu lugar à extrapolação de jornada, reclamação e insegurança. “O que nós podemos deduzir é que o Bradesco venceu a licitação para operar a folha de paga-

ITAÚ

mento do funcionalismo estadual mas não se preparou adequadamente para atender a demanda gerada por eles. Conclusão, o que mais vimos nas agências que o Sindicato visitou foi o pessoal insatisfeito com a qualidade do serviço e o bancário tendo que fazer malabarismo para dar conta da situação”, comenta a diretora do Sindicato e empregada do banco, Suzineide Rodrigues. O problema não ocorre apenas com os trabalhadores do Recife.

Em Camaragibe, e em várias outras cidades da região metropolitana e do interior, o mesmo descaso. Em Ipojuca, por exemplo, o Bradesco foi o único banco a abrir a agência na última quarta-feira, 30, dia do aniversário de emancipação da cidade e feriado municipal. E o mais grave: está se negando a pagar hora extra. Diante de tal situação, o Sindicato está solicitando uma reunião com a diretoria regional do banco para cobrar soluções.

HSBC

Sindicato quer explicações Justiça reintegra sobre o convênio médico superintendente Após cobrança dos bancários, aconteceu no último dia 28 uma negociação entre o Sindicato e o Itaú sobre o reajuste de até 24,61% do convênio médico efetuado na folha de pagamento sem qualquer comunicação prévia. Os trabalhadores cobraram da empresa a apresentação detalhada do balanço do convênio, com a discriminação clara da parte dos funcionários nas receitas do plano. O banco, no entanto, trouxe apenas dados superficiais, insuficientes para uma 01 a 15 de abril de 2011

avaliação correta sobre o reajuste. O acordo que unificou os convênios médicos, construído ao longo de um intenso processo de negociação entre as partes e assinado em 24 de fevereiro de 2010, prevê um reajuste definido pela sinistralidade e outros dados do convênio, o que não está sendo seguido pelo banco. Além disso, ficou acertado que qualquer modificação com o plano de saúde deveria ser previamente anunciado aos trabalhadores e movimento sindical, o que não aconteceu.

O HSBC terá, não apenas que restituir o emprego do superintendente Sílvio dos Santos Souza Filho (foto), como também pagar indenização por danos morais. A sentença, da juíza Ana Maria Aparecida de Freitas, da 22ª Vara do Trabalho, garante justiça para um trabalhador que dedicou 29 anos de sua vida ao banco, galgou todos os cargos até chegar ao posto que ocupava, e foi

demitido por justa causa, acusado injustamente de fraude.


Seu banco

7 BANCO DO BRASIL

Sindicato garante vitória na Justiça contra a 7ª e 8ª horas Ao todo, o Sindicato tem nove ações pelo cumprimento da jornada no BB horas no Banco do Brasil. A ação dos assistentes de negócios deu entrada em setembro do ano passado. Há outras oito ações que já obti-

veram vitórias, algumas já em fase de cálculo ou execução”, explica o secretário de Assuntos Jurídicos do Sindicato, Alan Patrício.

Bancários do BB são humilhados pela Superintendência de Varejo

O

Sindicato conquistou uma importante vitória na Justiça para os assistentes de negócios do Banco do Brasil contra a sétima e oitava horas de trabalho. No último dia 25, o juiz André Luiz Machado, da 11ª Vara do Trabalho, não apenas reconheceu a legitimidade do Sindicato para

substituir os trabalhadores na ação, como também proclamou que o cargo em questão não se trata de função de confiança, mas de função técnica. Portanto, a jornada devida é a mesma da categoria: seis horas. “Esse foi o processo mais recente movido pelo Sindicato para cumprimento da jornada de seis

O Sindicato recebeu uma série de denúncias contra a Superintendência de Varejo do Banco do Brasil, que estaria pressionando e humilhando funcionários das agências da região metropolitana do Recife que não cumpriam as metas. No último dia 28, o Sindicato levou as denúncias ao BB. De acordo com o banco, o gestor já foi aconselhado a rever sua postura e discurso.

Conquista da campanha salarial, Carreira de Mérito é implantada Uma das principais conquistas da última campanha salarial, a Carreira de Mérito será implantada a partir de abril pelo Banco do Brasil. As novas regras devem beneficiar, de imediato, até 20 mil funcionários, agregando valor às funções e mais remuneração para os que estão em cargos comissionados nos últimos cinco anos. Com o novo plano, alguns bancários podem receber reajustes de até 15,6%. Leia mais e veja como fica sua situação em www.bancariospe.org.br

CAIXA

Chapa 1, apoiada pelo Sindicato, vence com folga a eleição na Fenae

Anabele é PE na Fenae

A Chapa 1, apoiada pelo Sindicato, foi eleita para comandar a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) na gestão 2011/2014. O resultado final foi divulgado no dia

29 de março. A Chapa 1 conquistou 16.619 votos, o que corresponde 67,56% do total de votos válidos, enquanto que a Chapa 2 teve 7.979 votos (32,44%). Em Pernambuco, a Chapa 1 ganhou com folga: 595 votos contra 141. A Chapa 1, encabeçada pelo presidente Pedro Eugenio Leite, era a única que com uma representante do estado entre os candidatos: a diretora do Sindicato, Anabele Silva, que vai para o Conselho Fiscal. “A Fenae é um espaço fundamental para que a gente seja ouvido em nossa demandas e especificidades”, diz Anabele Silva.

Mais de 94% dos empregados são promovidos A Caixa Econômica Federal encerrou o processo de Promoção por Mérito referente a 2010. Segundo informações da empresa, a mudança na metodologia de avaliação conquistada pelos bancários na Campanha Nacional 2010 aumentou significativamente o número de trabalhadores promovidos. Receberam dois deltas 9,5% dos empregados promovíveis, enquanto 85,1% receberam um delta e apenas 5,4% permaneceram no mesmo estágio da carreira do PCS. Os resultados serão pagos aos bancários na folha de

pagamento de março, retroativamente a janeiro de 2011. Isso não seria possível no modelo fixado em 2008, que tinha percentuais fixos em cada unidade: 30% dos bancários promovíveis recebia dois deltas, 50% apenas um e 20% ficaria sem nenhuma movimentação. Criticado desde o princípio pelo movimento sindical, o modelo foi alterado em 2010 para um método de linha de corte, em que todos os bancários que recebem avaliação igual ou superior a uma nota pré-determinada recebem pelo menos um delta.

01 a 15 de abril de 2011


Sindicato em ação

8

Mobilização

Comando Nacional aprova calendário da Campanha 2011 Jailton Garcia

Ficou marcada para os dias 30 e 31 de julho a 13ª Conferência Nacional dos Bancários, que definirá a pauta de reivindicações que será entregue aos bancos

A presidenta do Sindicato, Jaqueline Mello, ajudou a coordenar a mesa durante reunião do Comando Nacional dos Bancários

O

Comando Nacional dos Bancários aprovou no último dia 31, em reunião ocorrida em São Paulo, a organização da Campanha Nacional 2011, definindo temas prioritários e o calendário de atividades. Ficou marcada para os dias 30 e 31 de julho a 13ª Conferência Nacional da categoria, que definirá a pauta de reivindicações que será entregue aos bancos. A presidenta do Sindicato de Pernambuco, Jaqueline Mello, que participou da reu-

nião em São Paulo, conta que o Comando Nacional definiu quatro grandes temas para a Campanha deste ano. “É claro que as reivindicações sobre emprego e remuneração estarão no centro dos debates. Mas nós temos uma pauta extensa, que vai muito além da questão financeira. Por isso queremos também discutir saúde e condições de trabalho, segurança bancária e até mesmo sobre o Sistema Financeiro Nacional, que não contribui em nada para o desenvolvimento do Brasil”, diz.

Jaqueline destaca que a Conferência Nacional é o maior e mais importante fórum de deliberações da categoria. “Mas, antes, vamos realizar as conferências estaduais e regionais, além dos congressos nacionais dos bancos públicos federais. Assim todos os bancários poderão participar da elaboração da pauta de reivindicações, de maneira democrática. Tenho certeza que vamos construir uma grande e vitoriosa Campanha, com muita mobilização e conquistas, como foi no ano passado”, comenta Jaqueline.

Confira o calendário Até 3 de julho - Encontros estaduais dos funcionários do BB, da Caixa e do BNB 9 e 10 de julho - Congressos do Banco do Brasil, da Caixa e do BNB Até 24 de julho - Conferências regionais 30 e 31 de julho - 13ª Conferência Nacional dos Bancários Até 6 de agosto - Assembleias para aprovação da pauta de reivindicações 9 ou 10 de agosto - Entrega da pauta de reivindicações à Fenaban

Agenda cultural Deus Polêmico O quadrinista Rafael Campos Rocha, de São Paulo, apresenta no Mamam do Pátio sua mostra mais polêmica: a “exposição para ninguém ver”. Entre os quadrinhos e vídeos, Deus é um dos personagens: um Deus mulher, bissexual, negra, fumante e afeiçoada a be-

01 a 15 de abril de 2011

bidas alcoólicas. No Pátio de São Pedro, Casa 17.

Vídeo Mapping

Estão abertas as inscrições para a Oficina de Vídeo Mapping com o VJ Pixels - Primeiro visual jockey do Brasil a tocar com softwares livres. Trata-se de técnica de projeção em que as imagens não se limitam às

duas dimensões da tela. A oficina acontece de 25 a 30 de abril. Inscrições na NAVE - Núcleo de Artes Visuais e Experimentos. Acesse: www.e-nave.com.br/.

Voragem

O grupo de teatro Magrÿkory, do Sesc Santa Rita, põe em temporada seu primeiro espetáculo: “Vora-

gem”. Aos sábados, 19 horas, no Teatro Marco Camarotti - Sesc Santo Amaro.

Seis

e

Meia

Yamandu Costa e grupo Saracotia se apresentam no projeto Seis e meia, dia 08. Agora, no Teatro Santa Isabel, 19 horas. Ingressos: R$ 30 e R$ 15.


Jornal dos Bancários 394