Page 1

Produção e geração de renda com bambu junto ao assentamento rural Horto de Aimorés Marco Antonio dos Reis Pereira (Unesp) pereira@feb.unesp.br Dharana Grassi Pereira (Unesp) dadagrassi@hotmail.com

Resumo: Este trabalho está inserido num conjunto de atividades do projeto de extensão intitulado “Implantação do Projeto Bambu no Assentamento Horto de Aimorés” Convênio UNESP-UNISOL/Santander em desenvolvimento na UNESP/Bauru desde o ano 2010. O foco principal do projeto tem sido a capacitação e o desenvolvimento técnico dos agricultores participantes, bem como a confecção de produtos artesanais e processados e a conseqüente geração de renda para a comunidade do assentamento, através da participação em eventos como feiras, mostras e convênios periódicos ou não ao longo do desenvolvimento do projeto. O objetivo principal deste trabalho foi o de organização das participações ocorridas nos diversos eventos em termos de vendas e produtos, buscando quantificar a geração de renda ocorrida. Foram analisadas as participações nos diversos eventos, a geração de renda ocorrida e os produtos de maior aceitação. Os resultados obtidos permitem verificar a capacidade de geração de renda, por evento e por produto podendo auxiliar no planejamento da produção. Palavras chaves: Produção, Geração de renda; Bambu; Produtos. Income generation with bamboo for the rural community of the Horto de Aimorés settlement Abstract: This work is part of a set of activities of a extension project with bamboo in development in the rural comunity of the Horto de Aimores settlement. The main objetive is the training and income generation for the community. Among the many possibilities of the bamboo uses, the confection of craft products was initially adopted due it to be ease of implementation and to use little equipment. As a methodology four craft bamboo products were used, a large spoon, a teaspoon, a little spatulaand a big spatule to show how many products and related income can begenerate by a culm. Such products are already being made by farmers and sold at fairs with periodic assistance and supervision of students. Twenty culms of the Dendrocalamus giganteus espcies were analized in terms of the dimensions diameter, height and wall thickness. By a medium stem obtained was determined the production and in come generation for a culm. The results led to confirmation of potential of bamboo and its viability as a source of income for farmers. Keywords: Design; Income generation; Bamboo; Handcrafted Products.

1. Introdução O termo sustentabilidade remete à exploração de áreas e recursos mundiais, sejam eles de origem natural ou não, de forma a minimizar o desequilíbrio entre o meio


ambiente, os seres humanos e todas as formas de vida existentes. O desenvolvimento sustentável procura equilibrar crescimento econômico, preservação ambiental e desenvolvimento social, a fim de promover uma melhor qualidade de vida para a geração atual e garantir a continuidade desta melhoria para as gerações futuras. Nos dias de hoje, com a crescente exploração dos recursos naturais e florestais, a busca por materiais renováveis tem aumentado significativamente, sendo uma prioridade mundial neste século. O bambu se enquadra neste cenário, uma vez que é um vegetal de rápido crescimento e produção anual de colmos, sendo um ótimo substituto para a madeira na construção civil, de mobiliários e no artesanato. Suas características físicas e mecânicas, sua bela forma ao natural ou processado, e sua alta velocidade de crescimento e renovação o tornam uma planta de grande interesse para estudos e aplicações. A utilização do bambu é reconhecida no oriente desde os anos 1600 a 1100 a.C, de acordo os mais antigos caracteres chineses. Na história ocidental, o bambu aparece como primeiro filamento utilizado em uma lâmpada por Tomas Edson e também na estrutura do modelo Demoiselle, um dos primeiros aviões de Santos Dumont. No entanto foi no século XX, a partir da década de 30, que o bambu passou a ser utilizado industrialmente. (PEREIRA & BERALDO, 2007). Jaramillo (1992, apud PEREIRA & BERALDO, 2007), comenta ser o bambu o recurso natural que menos tempo leva para ser renovado, não havendo nenhuma espécie florestal que possa competir em velocidade de crescimento e aproveitamento por área. Suas propriedades estruturais, tomadas pelas relações resistência/massa específica e rigidez/massa específica, superam as da madeira e do concreto, podendo ser comparadas as do aço (JANSSEN, 2000). Possui grande potencial agrícola por ser uma cultura tropical, perene, renovável e produzir colmos anualmente sem a necessidade de replantio. É um excelente seqüestrador de carbono, podendo ser utilizado em reflorestamentos, mata ciliar e como protetor e regenerador ambiental. Os aumentos da escassez e da valorização dos produtos florestais madeireiros contribuem para que sejam direcionadas pesquisas visando o uso do bambu em diversas aplicações. Segundo Liese (apud CASAGRANDE ET AL, 2003), o bambu representa o sustento de mais de um bilhão de pessoas, principalmente nas áreas rurais pobres de países em desenvolvimento da Ásia, América do Sul e Central. É também gerador de emprego e renda em alguns países asiáticos nas áreas de alimentação, artesanato, mobiliário, decoração interior, dentre outras aplicações. E devido a esta capacidade de atuar como fonte de geração de renda, o bambu vem sendo utilizado como matéria prima para a comunidade do assentamento Rural Horto de Aimorés, na confecção de produtos artesanais e processados, e como principal objeto de estudo no Projeto de Extensão em desenvolvimento pela Unesp junto a comunidade do assentamento rural Horto de Aimorés. A Extensão é uma via de mão dupla, com trânsito assegurado à comunidade acadêmica, que encontrará, na sociedade, a oportunidade da elaboração da práxis de um conhecimento acadêmico. No retorno à Universidade, docentes e discentes trarão um aprendizado que, submetido à reflexão teórica, será acrescido a aquele conhecimento. Este fluxo, que estabelece a troca de saberes sistematizados – acadêmico e popular -, terá como conseqüência: a produção de conhecimento resultante do confronto com a realidade brasileira e regional, a democratização do conhecimento acadêmico e a participação efetiva da comunidade na atuação da Universidade (TAVARES, 2001).


O projeto de extensão “A implantação do Projeto Bambu no Assentamento Rural Horto de Aimorés” em desenvolvimento na Unesp, atua junto à comunidade do Assentamento desde o ano 2010. Localizado na divisa dos municípios de Bauru e Pederneiras, distante 15 km de Bauru possui aproximadamente 350 famílias assentadas pelo INCRA desde o ano de 2007. Seu objetivo além de repassar os conhecimentos técnicos envolvendo a cadeia produtiva do bambu é o de conscientizar esse grupo da fonte de renda que é possível ser gerada a partir da produção e confecção de produtos com bambu (PEREIRA & CARNEIRO, 2009). Assim, neste trabalho são abordadas estratégias para auxiliar na organização das vendas e da produção, assim como o controle do estoque e do caixa, advindos da participação em eventos, sendo ressaltada a importância de se contabilizar os produtos vendidos, a renda obtida nos eventos, as encomendas, dentre outras atitudes que irão ajudar o grupo a organizar de maneira eficaz sua produção futura. 2. Objetivos 2.1 Gerais Capacitar à comunidade com respeito à organização e administração de vendas dos produtos. 2.2 Específicos - Organizar e quantificar a geração de renda advinda da participação do projeto em eventos. - Analisar os dados obtidos sobre a produção a fim de classificar os produtos mais vendidos e os eventos em que houve maior geração de renda. 3. Metodologia A partir da produção do grupo e de sua participação nos diversos eventos serão definidos e quantificados os produtos de maior aceitação e os eventos com maior potencial de geração de renda, no período de janeiro de 2010 até junho de 2011. 3.1 Produção do grupo Será feito um levantamento dos produtos já existentes e incorporados no projeto, classificando-os em artesanais ou processados, bem como da quantidade vendida no período analisado. 3.2 Eventos de geração de renda Será feito um levantamento dos eventos que o projeto participa, envolvendo feiras, mostras e convênios, de acordo com sua periodicidade, localização e o público alvo. 3.3 Geração de renda


A partir dos dados de venda nos eventos será feita uma classificação dos produtos e dos eventos pelo potencial mostrado na geração de renda. Será também determinada a renda bruta e renda média mensal apresentada pelo projeto durante o período de desenvolvimento. 4. Resultados 4.1 Produtos Os produtos artesanais são aqueles cuja confecção não altera a forma natural do bambu; a matéria prima é trabalhada de modo a se obter o formato desejado, mas sem a necessidade de processamento. Os produtos processados são aqueles confeccionados através do BLC (bambu laminado colado), em que os colmos são processados originando as ripas, que então são coladas e prensadas formando o material composto. A lista de produtos confeccionados pelo grupo inclui os dois tipos, entretanto são em maioria artesanais. Foram listados um total de 41 diferentes produtos, sendo 39 artesanais e 2 processados, e também a quantidade vendida de cada produto. Saliente-se que neste momento não se está analisando a possível interação entre quantidade e preço. O Quadro 1 apresenta a relação de produtos e quantidades vendidas até o momento. Quadro 1 – Produtos e quantidade vendida Produto Avião Brincos Brinquedo reco-reco Caneca para chopp Cesta Chaveiro Cinzeiro Coçador Colher de cabo curto Colher de cabo longo Colherzinha Concha Copinho de cachaça Copo Cuia Descanso para panela Espátula de cabo curto Espátula de cabo longo Espátula para patê Fruteira

Classificação Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Processado Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal

Quantidade vendida 2 7 4 2 2 1 71 73 18 3 45 17 11 4 9 21 68 5


Garfo Kit caipirinha Kit comida japonesa Kit masserador Libélula Luminária Masserador Pegador de pimenta Pegador de salada/macarrão Petisqueira Porta cerveja Porta jóias Porta talher Porta treco Porta vinho Pote Pote para saquê Pulseira Rashi Tábua de carne Vaso

Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Artesanal Processado Artesanal

12 5 1 3 19 3 1 15 30 8 4 2 1 1 29 6 5 13 6 2 16

O Quadro 1 mostra que a maioria dos produtos confeccionados pelo grupo é artesanal, sendo apenas a tábua de carne e o descanso para panela produtos processados. É possível observar também que diversos produtos tiveram boa aceitação, com destaque para as colheres de cabo longo e curto. 4.2 Eventos O grupo participou de diversos eventos na região, dentre eles: feiras, mostras e convênios. Alguns eventos não tiveram suas vendas contabilizadas, e, portanto, a análise foi feita apenas sobre os eventos contabilizados. Foi verificado um total de 23 participações contabilizadas em 8 diferentes eventos ao longo de 18 meses, sendo 17 deles em eventos periódicos, como nos eventos do Pão de Açúcar e nas feiras de Ubá e os demais em eventos são de periodicidade anual, com apenas 1 participação até o momento. O Quadro 2 apresenta os eventos em que houve participação.

Quadro 2 – Eventos que o grupo participou. Evento

Gênero

Periodicidade

Público alvo

Localização


Anual

População agricultores População

Piratininga

Feira

Anual

População

Pederneiras

Feira

Três vezes ao mês

População

Bauru

Convênio

Bimestral

População

Bauru

Feira

Anual

População

Bauru

Feira

Anual

População

Bauru

Feira

Anual

População

Jaú

AGRIFAN

Feira

Anual

Ecorreto Feira das Nações

Feira

Feira de Ubá Feira do Pão de Açúcar Feira Internacional Festieco e II FIMAB Virada ambiental

Agudos

O Quadro 2 mostra que dentre os 8 eventos que o grupo participou, 6 são de periodicidade anual, sendo apenas o eventos das Feiras do grupo Pão de Açúcar e das Feiras de Ubá os de maior periodicidade. Todos os eventos ocorreram no estado de São Paulo, na cidade de Bauru e região e são abertos de forma geral a toda a população. 4.3 Renda gerada Através da análise do Quadro 1 é possível classificar, dentre os 41 diferentes produtos produzidos pelo grupo, aqueles com maior aceitação, ou seja, maior número de vendas. A Figura 1 mostra o gráfico contendo os 10 produtos mais vendidos nos eventos.


Figura 1 – Ranking dos 10 produtos mais vendidos. A Figura 1 mostra que as colheres, de cabo curto e longo, são as de maior venda, seguidas pela espátula para patê e o copinho de cachaça, seguidos com uma quantidade um pouco menor de vendas pelo pegador de macarrão/salada, o porta vinho, a espátula de cabo longo, a libélula, a colherzinha e por fim o copo. Com base nos dados sobre os 8 eventos que o grupo participou, foi determinada a renda obtida em cada evento. O Quadro 3 permite visualizar os eventos de maior potencial de geração de renda. Quadro 3 – Renda obtida nos eventos. Evento

Renda

AGRIFAN

R$ 1.331,00

Ecorreto

R$

126,00

Feira das Nações

R$

550,00

Feira de Ubá

R$ 1.147,00

Feira do Pão de Açúcar R$ 1.081,00 Feira Internacional

R$

353,00

Festieco e II FIMAB

R$

267,00

Virada ambiental

R$

176,00

O Quadro 3 mostra que a AGRIFAM (Feira da Agricultura Familiar e do Trabalhador Rural), a Feira de Ubá e a Feira do Pão de Açúcar foram as 3 feiras em que houve maior geração de renda, sendo a AGRIFAM uma feira anual de maior porte/público e as demais embora de maior periodicidade são de menor porte/público. Com respeito à renda bruta total apresentada pelo grupo, foi determinada a renda auferida pelo projeto mês a mês, durante os 18 meses analisados. O Quadro 4 fornece a renda obtida em cada mês, e a renda bruta obtida pelo grupo advinda da participação em eventos ao longo dos 18 meses de desenvolvimento do projeto. Quadro 4 – Renda do grupo em cada mês Mês Janeiro Fevereiro Março Abril

Renda R$ 280,00 -


Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Total

R$ 142,00 R$ 184,00 R$ 217,00 R$ 2.229,00 R$ 90,00 R$ 522,00 R$ 39,00 R$ 934,00 R$ 443,00 R$ 5.080,00

. A análise do Quadro 4 mostra que nos meses de agosto e outubro de 2010 e maio de 2011 a renda obtida foi maior, devido a participação em vários eventos ou então em eventos com grande potencial de geração de renda, como a AGRIFAN, que ocorreu em agosto de 2010. Há meses em que o grupo não participou de eventos, ou então que os eventos não foram contabilizados, e, portanto, apresentam renda nula. A renda média mensal foi obtida dividindo-se a renda bruta total pelos 18 meses em que as vendas foram contabilizadas. Adotando-se as seguintes variáveis: RM = Renda média mensal RT = Renda bruta total T = Período (em meses) Através da equação RM = RT/Q é possível obter a renda média mensal. Para uma renda bruta total de R$5.080,00, e um período de 18 meses, tem-se: RT = 5.080,00/18 RT = 282,22 Portanto, a renda média mensal obtida durante os 18 meses de desenvolvimento do projeto, considerando-se apenas os eventos contabilizados, foi de R$282,22. No entanto, considerando-se efetivamente apenas os meses em que de fato houve participação em feiras a renda média mensal se torna de R$508,00. 5. Conclusões Analisando os produtos confeccionados é possível observar que a maior quantidade comercializada esta associada a utensílios de cozinha como colheres, espátulas e copinhos, seguidos por porta-vinho e libélulas que tem função decorativa. Entretanto a maioria dos produtos foi comercializada.


Em relação aos eventos, observa-se que as feiras/eventos de maior porte/público como a AGRIFAM, embora de periodicidade anual, são geralmente as de maior geração de renda. No entanto as feiras de menor porte/público, mas de maior periodicidade como as do grupo Pão de Açúcar e Ubá também apresentaram renda significativa. A renda bruta observada no período para todos os eventos contabilizados foi de R$ 5.080,00, o que representa uma média de R$ 508,00 ao mês, considerando apenas os meses de ocorrência de eventos. Trata-se ainda de uma renda pequena para um grupo, entretanto o aprimoramento das técnicas e do design dos produtos, a confecção de novos produtos, o aumento gradual das parcerias e do número de eventos em que participa assim como a divulgação do projeto tendem gradativamente a aumentar esta geração. Sobre o projeto em geral, conclui-se que o trabalho do grupo na confecção dos produtos e sua participação nos eventos são uma forma de explorar a utilização bambu como fonte de geração de renda, e ao mesmo tempo incentivar outras pessoas da comunidade a aderirem ao projeto. Aplicações comerciais com bambu ainda são pouco exploradas no Brasil, e, portanto, o trabalho do grupo serve de exemplo para mostrar à sociedade o grande potencial que o vegetal apresenta, tanto por ser um material sustentável, quanto por ser uma ótima fonte de geração de renda. 6. Referências Bibliográficas CASAGRANDE JR., E. F., UMEZAWA, H. A., Takeda, J. Arranjo Produtivo Local Sustentável: Estudo de caso para o uso do potencial do bambu na geração de emprego e renda no Paraná. XXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção - Ouro Preto, MG, Brasil, 21 a 24 de out de 2003. JANSSEN, J.J.A. Designing and building with bamboo. International Network for Bamboo and Rattan (INBAR). Beijing, China: Technical report. Nº. 20. 2000. PEREIRA, M. A. dos R. & BERALDO, A. L. Bambu de corpo e alma. Canal 6 editora. Bauru, SP 2007. PEREIRA, M.A. dos R. & CARNEIRO, R.R. Desenvolvimento de produtos em bambu laminado colado e a passagem das informações para o assentamento rural Terra Nossa. In: Simpósio de Engenharia de Produção. Bauru, S.P. anais...2009. TAVARES, M. G. M. Os múltiplos conceitos de extensão. Construção conceitual da extensão universitária na America Latina. Brasília: Universidade de Brasília - UnB. p. 73 – 83, 2001

Artigo SIMPEP 2011 Dharana  

O termo sustentabilidade remete à exploração de áreas e recursos mundiais, sejam eles de origem natural ou não, de forma a minimizar o deseq...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you