Issuu on Google+

Dunga recebe apoio de crítico de futebol

esporte

O comentarista da SporTV e colunista do Globo.com, Lédio Carmona, não viu surpresas na lista do técnico Dunga. Ele não abriria mão daqueles que sempre estiveram ao seu lado, acredita. Para Carmona, se não vencer a Copa, o técnico gaúcho será cobrado por todos pela falta de jogadores mais talentosos como Ronaldinho Gaúcho, Neymar e Ganso.

21 Babélia n Unisinos n Junho 2010

(Gabriel Pereira dos Reis / Redação Jornalística I)

Time do Cerâmica, de Gravataí, conta com o incentivo da torcida para brilhar dentro de campo e para realizar o sonho de subir para a primeira divisão do futebol gaúcho

Seis décadas de história e amor à camisa Beatriz Mross

GIOVANA PEINADO GUILHERME MÖLLER NATACHA OLIVEIRA

Opinião

Redação Jornalística II

N

o ano em que comemora seu 60° aniversário, o Cerâmica Atlético Clube, encheu de orgulho os torcedores ao disputar a primeira competição nacional. Devido ao vice-campeonato da Copa RS de 2008, o time ganhou uma vaga na Copa do Brasil 2010 e, mesmo eliminado pelo Paraná Clube na primeira fase da competição, deixou a torcida mais apaixonada pelo seu futebol. O atual presidente do clube de Gravataí, Décio Vicente Becker, há sete anos na direção, explica que, quando assumiu, tinha experiência de muitos anos como conselheiro do Grêmio e iniciou as atividades no Cerâmica com o planejamento desejado, tanto em termos de realização de obras, quanto de melhoria na estrutura. “Nosso principal objetivo agora é subir para a primeira divisão, para estarmos entre os grandes clubes gaúchos. Posso afirmar que, no momento em que nós subirmos, não vamos cair mais, ficaremos na 1ª divisão, porque estaremos preparados para enfrentar qualquer desafio”, ressalta Becker. Leonardo Gomes, 18 anos, é um dos fundadores da torcida Guerreiros da Aldeia. Ele afirma que os torcedores seguem o estilo Barra Brava, conhecido por incentivar as equipes com cantos intermináveis. Formada principalmente por jovens, os integrantes demonstram amor incondicional pelo time, não deixando de apoiá-lo em todos os momentos. “O povo gostou da ideia de ter um clube da cidade. Na Guerreiros da Aldeia, por exemplo, começamos com três pessoas e, na última partida que eu fui, éramos mais de 30”, lembra o jovem. Mas engana-se quem pensa que a torcida do Cerâmica é composta em sua maioria por jovens. Grande parte dos torcedores é de pessoas que viram o clube crescer aos poucos e, agora, torcem pelo elenco profissional. Os amigos Paulo Fialho, 55 anos, e Paulo Matos, 50 anos, não perdem nenhum jogo em Gravataí. Fialho, o mais fanático, faz coleção dos ingressos das partidas. Para ele, as pretensões do clube têm de ser grandes. “Um dia nós vamos para Libertadores”, acredita ele. Quando assumiu a presidência do time, Napoleão Lagranha registrou o clube em

Do coração de Gravataí para o Brasil ellen mattiello Redação Jornalística III

Símbolos de vitória: clube exibe com orgulho os prêmios conquistados até hoje

cartório e, em abril de 1950, nasceu então o Cerâmica Atlético Clube (CAC). Durante alguns anos, a equipe ficou sem sede fixa em Gravataí, dividindo-se entre áreas emprestadas, e aluguéis. Só com a ajuda do secretário de obras da época, Inedino Fonseca, que o time encontrou um lugar para se instalar, o qual permanece o mesmo até hoje. Em 1992, o campo foi batizado com o nome do primeiro dirigente do clube, Antônio Vieira Ramos. Porém, a construção do estádio só começou em 2007, a partir da profissionalização do clube. Com capacidade de público para 6mil pessoas, a média de presença de torcedores nos jogos durante as finais da segunda divisão no ano passado superou 7mil pessoas. Atualmente, o Cerâmica possui aproximadamente mil sócios. Entre os planos mais recentes, está acolher alguma seleção na Copa do Mundo de 2014. Para isso, o clube está implementando algumas ações e melhorias, entre elas, a conclusão do centro de treinamento com capacidade para cinco campos de futebol e

a ampliação do estádio. No dia 19 de abril de 1950, os funcionários da Cerâmica de Gravataí, fundaram o Cerâmica Atlético Clube. Inicialmente, o clube era um espaço popular para a prática do futebol, e o time disputava seus jogos numa área doada pelo proprietário da Indústria de Conservas Farrapo Ltda. A empresa, dividida em três setores: tipografia, conservas e louças de barro, deu nome ao time, devido ao setor de produção de cerâmica. No início, o futebol era amador, sendo mantido com recursos dos próprios jogadores. Em seus primeiros anos, a equipe conquistou títulos regionais de pouca expressão. O primeiro campeonato municipal foi conquistado em 1955, cinco anos depois da fundação, sendo campeão do mesmo torneio nos anos de 1966, 1987 e 1988. Nos últimos anos, o time passou a ambicionar maior reconhecimento no esporte. Em 2008, conseguiu o melhor resultado em torneios estaduais, foi vicecampeão da Copa RS, a Lupi Martins.

“Cerâmica time de valor / És nosso guerreiro tricolor”. Os primeiros versos do hino retratam o valor da equipe para Gravataí. Nos sessenta anos de existência, o Cerâmica Atlético Clube trouxe visibilidade ao município e conseguiu o que parece impossível: reunir gremistas e colorados em uma só arquibancada. É grande a paixão dos gravataienses pelo clube. O Estádio Vieirão lota a cada partida. A tranquilidade característica da cidade dá lugar aos gritos de incentivo dos torcedores, mesmo que o time esteja em má fase. A torcida é uma das principais virtudes do Cerâmica. Aguerrida e O Cerâmica onipresente, certamente é conseguiu o que um dos pontos mais fortes parece impossível: do grupo em relação às dereunir gremistas e mais equipes. Desde a sua profissiocolorados em uma só nalização, há três anos, arquibancada o time é cada vez mais reconhecido e o otimismo cresce a cada dia. O investimento do clube em melhorias e na busca de grandes patrocinadores permite que os torcedores vislumbrem um futuro de grandes conquistas. Participar da Série A do Campeonato Brasileiro e conquistar o título da Libertadores da América pode parecer difícil, mas se depender da força de vontade do Cerâmica e do apoio dos gravataienses, a meta será atingida. Ter mais de meio século e ser visto como motivo de orgulho para um município é para poucos. Certamente, essa é a maior vitória do Cerâmica. Esse é apenas o começo de um ciclo de grandes conquistas que estão por vir. A garra e a persistência estão presentes dentro e fora de campo. Afinal, nada é impossível para o Cerâmica e os seus torcedores.


babélia - 13 - pagina29