Issuu on Google+

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO – UFMT MBA EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL

TEREZA DE JESUS ALVAREZ

ASSOCIAÇÃO JUNIOR ACHIEVEMENT DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

Vitória-ES 2011


TEREZA DE JESUS ALVAREZ

ASSOCIAÇÃO JUNIOR ACHIEVEMENT DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Desenvolvimento Regional Sustentável da Universidade Federal do Mato Grosso, como requisito para obtenção do grau de especialista em Desenvolvimento Regional Sustentável Orientador: Msc. Rogério de Oliveira e Sá

Vitória-ES 2011


AGRADECIMENTOS Ao meu orientador Rogério de Oliveira e Sá pelas valiosas contribuições no decorrer da elaboração desta pesquisa. A Andressa Abreu, diretora executiva da Junior Achievement no Espírito Santo, pela colaboração na coleta de dados, a disponibilização de material e vídeos e apoio na credibilidade do meu trabalho. A minha família pelo apoio incessante na realização desta pesquisa e em especial aos meus filhos, Paula, Patricia, Priscila e Paulo, razão da minha vida.


A verdadeira prosperidade é uma conseqüência natural da qualidade de desenvolvimento dos três grandes instrumentos de que o ser humano foi dotado para viver nesse planeta: os poderes Mental, Emocional e o poder de Ação. Paulo Raful


RESUMO No estado do Espírito Santo tem-se 18,5% de jovens fora da escola. Esse desinteresse reflete a insuficiência da demanda por educação. Nesse cenário, a Junior Achievement, uma organização não governamental, tem como foco de atuação, a educação, o empreendedorismo, a geração de emprego e renda e o desenvolvimento sustentável. O objetivo do trabalho foi analisar os aspectos que sensibilizam a participação das empresas como mantenedoras do programa “As Vantagens de Permanecer na Escola”, visando à ampliação do número de empresas participantes. A pesquisa é exploratória e consiste na aplicação do questionário, composto por dez questões, e em referencial teórico, que embasa o tema redes, alianças e parcerias. Com base no questionário aplicado pode-se afirmar que a maioria das empresas espera despertar nos jovens, a vontade de planejar o futuro, investindo em ações sociais de geração de emprego e renda e acredita que a aplicabilidade dos programas desenvolvidos pela empresa Junior Achievement possibilita aos estudantes reflexões sobre planejamento de carreira. A captação de recursos para uma Instituição do Terceiro Setor é uma atividade crucial para a sua sustentabilidade. A Junior Achievement é uma ONG de grande credibilidade e expertise o que contribui positivamente na captação de recursos.

Palavras-chave: parceria; sustentabilidade; educação; terceiro setor; ONG; Junior Achievement


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ............................................................................................

08

2 REDES, PARCERIAS E ALIANÇAS ...........................................................

12

3 DESCRIÇÃO DO CAMPO EMPÍRICO ........................................................ 21 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS OBTIDOS .................................................. 26 5 CONCLUSÃO .............................................................................................. 32 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .................................................................... 35 APÊNDICE ..........................................................................................................

36


LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 – Motivação da empresa para ingressar como parceira da Junior Achievement 28 Figura 2 – Principal motivação da empresa em participar de um projeto educacional 28 Figura 3 – Crença na cultura do empreendedorismo

28

Figura 4 – Ações sociais que as empresas parceiras investem

29

Figura 5 – Benefícios para a empresa com a sensibilização dos estudantes para a continuidade dos estudos 29 Figura 6 – Avaliação da empresa sobre a aplicabilidade dos programas desenvolvidos pela Junior Achievement 30 Figura 7 – Avaliação da empresa à respeito das dinâmicas e trabalhos utilizados 30 Figura 8 – Respostas das empresas mantenedoras quanto à contribuição da participação dos colaboradores como voluntários 30 Figura 9 – Avaliação da expertise da empresa Junior Achievement pelas empresas mantenedoras 31 Figura 10 – Satisfação da empresa com o atendimento prestado pela Junior Achievement 31


8

1 INTRODUÇÃO A cada ano, centenas de adolescentes em idade escolar, abandonam os estudos para trabalhar, ou até mesmo por falta de interesse e objetivos futuros. De acordo com a pesquisa elaborada e publicada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em Abril de 2009, coordenada pelo chefe do Centro de Pesquisas Sociais da FGV, Marcelo Neri, a falta de interesse dos alunos pelos estudos é a principal causa de evasão escolar no Espírito Santo e no Brasil. A pesquisa indicou que 17,8% dos jovens entre 15 e 17 anos estão fora da escola. No Estado, esse número é um pouco maior, de 18,5%. A pesquisa também mostrou que no Espírito Santo a média de anos de estudos dos jovens entre 15 e 24 anos é de 6,9. Dos jovens entrevistados no Brasil, 40% disse não ter interesse em frequentar a escola, sendo esse o principal motivo da evasão escolar, superando até mesmo o número de alunos que deixam a escola para trabalhar. Entre os adolescentes em conflito com a lei no Estado, o perfil dos internos que cumprem medida sócio-educativa mostra que a sala de aula fez falta: apenas 9% chegaram à 8ª série e 26,5% atingiram a 5ª série. O desinteresse do jovem pela escola reflete a falta de demanda por Educação, é o que o coordenador da pesquisa acredita. “O que a pesquisa está mostrando é que não basta garantir o acesso ou criar programas de transferência de renda para assegurar que esse jovem permaneça na escola, é preciso torná-la mais atrativa, interessante e cativante. As políticas públicas somente terão sucesso se ocorrer concordância e a participação dos pais e alunos, de acordo com a opinião do pesquisador. Marcelo Neri afirma que deve haver a informação e conscientização dos jovens sobre os benefícios trazidos pela educação e atraí-los à escola. Segundo Wanda Engel o jovem tem que se dar conta de que a educação é um investimento necessário. “Conseguir o diploma do Ensino Médio é essencial para entrar na vida adulta”, afirma. Para ela, o problema precisa ser solucionado em três níveis: criar as condições mínimas para que esse jovem frequente a escola; melhorar a qualidade da escola; e fazer um trabalho para que esse jovem readquira a sua capacidade de sonhar com o futuro. “Os gestores públicos precisam conhecer o fenômeno, avaliar na sua própria realidade o que pesa mais desses três níveis e desenvolver estratégias específicas para cada um”, explica.


9

A associação Junior Achievement é uma organização não governamental (ONG) fundada no mundo em 1919, no Brasil em 1973 e no Estado do Espírito Santo em 2001. Presente em mais de 123 países do mundo e em todos os Estados Brasileiros e no Distrito Federal. A Junior Achievement do Estado do Espírito Santo possui sua sede dentro do SENAI, onde pode contar com toda a logística do Centro Técnico. A sede está adequada

às

atividades

administrativas

desenvolvidas

pela

JAES.

o

desenvolvimento dos projetos é realizado nas dependências das escolas atendidas. O foco de atuação da Junior Achievement é a educação, empreendedorismo, geração de emprego e renda, desenvolvimento sustentável. O programa é pautado nos três pilares da educação propostos pela UNESCO: aprender a conhecer, aprender a ser e aprender a fazer. Sua filosofia é “A vida é um caminho, não um destino, e você é o arquiteto do seu caminho” e sua missão é levar o empreendedorismo através de programas ministrados por orientadores, treinados pela instituição, possibilitando aos alunos visão empreendedora de futuro, tornandoos pessoas mais preparadas para um mercado de trabalho competitivo, formando assim uma geração de jovens engajados, capazes de transformar sua realidade. Especificamente no programa “As Vantagens de Permanecer na Escola” o objetivo principal da iniciativa é incentivar alunos de escolas públicas a investir nos estudos, buscando novas perspectivas de futuro. Além deste programa, a Junior Achievement desenvolve outros programas visando atender o atendimento dos adolescentes. Os Projetos são desenvolvidos através de parcerias de sucesso com grandes empresas

brasileiras,

visando

expandir,

com

excelência,

a

educação

empreendedora, beneficiando um número cada vez maior de jovens. São desenvolvidos

em

escolas

públicas

e

particulares

em

todo o País, tendo na rede pública 83% de suas ações. Os Programas beneficiam alunos do 5º ano do Ensino fundamental até o Ensino Médio e, para cada série, desenvolvem um Programa específico de acordo com a faixa etária. Tendo em vista a importância da sensibilização dos jovens para continuidade dos estudos e da visão empreendedora nos mesmos, os objetivos deste estudo são: •

Identificar o perfil das atuais empresas mantenedoras do projeto “As

Vantagens de Permanecer na Escola”; •

Investigar qual a motivação das empresas em investir em projetos

ligados a ações sociais;


10

Identificar qual a metodologia utilizada pela Junior Achievement do

ES na captação de empresas mantenedoras para o projeto ”As Vantagens de Permanecer na Escola”; •

Investigar qual o perfil, esperado pelas empresas, dos alunos

atendidos pelo projeto “As Vantagens de Permanecer na Escola”. Partindo-se desse ponto, tem-se como problematização: Como sensibilizar novas empresas a participarem da iniciativa como mantenedoras do projeto "As Vantagens de Permanecer na Escola"? Hipótese: A ampliação da qualificação e participação da iniciativa em seleções através de editais promove o aumento do número de empresas mantenedoras. A justificativa deste trabalho é a necessidade de analisar os aspectos que sensibilizam a participação das empresas como mantenedoras do programa “As Vantagens de Permanecer na Escola”, visando à ampliação do número de empresas participantes. A Junior Achievement possui aproximadamente 45 empresas parceiras, porém nem todas contribuem com recursos financeiros para a execução dos projetos. Esse número ainda é pequeno visto que a entidade atua em todo território nacional. Além do mais, esta ONG é a única que atua na conscientização dos jovens a permanecer na escola buscando novas perspectivas de futuro. A Junior Achievement está a mais de 27 anos atuando no Brasil, possui aproximadamente 2 milhões de alunos beneficiados, 12 mil escolas atendidas e mais de 74 mil voluntários. O estudo consiste de uma pesquisa exploratória. O questionário foi composto por 10 questões de múltipla escolha com quatro alternativas cada uma, onde a empresa poderia marcar apenas uma (Apêndice A). A aplicação do questionário aconteceu no período de 02/02/2011 a 10/02/2011. O universo de pesquisa foi indicado pela Junior Achievement e compreende 10 empresas parceiras no projeto “As Vantagens de Permanecer na Escola”. O questionário foi aplicado em 09 delas, apenas em 01 não foi possível aplicá-lo, pois a pessoa responsável pelo relacionamento da empresa com a Junior Achievement estava viajando com previsão de retorno em abril/2011. Com a aplicação do questionário pretendeu-se compreender quais as razões que levam uma empresa a contribuir com a Junior Achievement na execução de projetos e ações sociais.


11

A possibilidade de contribuição da pesquisa visa à ampliação do campo de atuação da Junior Achievement no Estado do Espírito Santo, pois com o aumento do número de empresas mantenedoras o raio de abrangência da entidade se amplia. De um modo geral observa-se uma grande mudança comportamental no grupo atendido pelos programas. Para os alunos esses programas oferecem oportunidade de vivenciar um conteúdo fora do ensino tradicional e regular, além de resgatar a auto-estima. Eles aprendem a estabelecer metas para o futuro e a descobrir, canalizar e investir em suas habilidades pessoais. Para as empresas mantenedoras os aprendizados gerados são inúmeros, entre os quais pode-se citar: o desenvolvimento do voluntariado corporativo; aproximação e interação com o público beneficiado pela empresa e; maior cooperativismo e entrosamento entre os colaboradores. Essas contribuições são muito importantes visto que essas empresas são responsáveis por garantir a disseminação da semente do empreendedorismo. Para os voluntários dentre os aprendizados gerados pode-se citar: a experiência de gestão em ambientes não convencionais; desenvolvimento da capacidade de trabalhar com diferentes culturas e opiniões. Esses voluntários são os coadjuvantes da transformação social: executivos, empresários e profissionais, que acreditam e se comprometem a capacitar os jovens para que se tornem agentes do futuro. Neste trabalho será tratado o referencial teórico que embasa o tema redes, alianças e parcerias; a Junior Achievement será apresentada de forma mais detalhada e; serão apresentados os resultados obtidos com a pesquisa exploratória, as vivências apuradas e as conclusões.


12

2 REDES, PARCERIAS E ALIANÇAS O século XX foi a era das grandes simplificações. De um lado, a visão da propriedade estatal, com regulação através do planejamento, e com a base política constituída pela classe trabalhadora. De outro lado, a visão da propriedade privada, com regulação através do mercado, e a base política centrada no empresariado. Na primeira versão, expulsou-se o mercado e os empresários; na segunda, o planejamento e a participação social. A primeira nos deu políticas sociais interessantes, mas sem base econômica para sustentá-las; a segunda, uma base econômica dinâmica e políticas sociais e de renda que pode-se qualificar de obscenas. Não se pode esperar que através da eficiência econômica naturalmente decorra a justiça social ou o respeito ao meio ambiente. Os objetivos econômico, social e ambiental precisam ser articulados pelas empresas, pelo Estado e pela sociedade, somente dessa forma, através da formação de redes, parcerias e alianças essa equação pode dar certo. Nenhuma organização pode sobreviver isoladamente, há de se relacionar, fazer parte, se aliar, a era é de formação de redes, alianças e parcerias. Ressalta-se a importância de redes de parcerias, que a partir do campo teórico da sociologia econômica, destaca que as ações econômicas são determinadas pelo modo como se dão as relações sociais entre os agentes aí envolvidos. Essas relações sociais e econômicas estão “imersas” em redes de relações sociais, fundamentadas no poder estabelecido pela confiança recíproca, tanto para o desenvolvimento das interações de mercado quanto para o estabelecimento das interações sociais mais abrangentes. Essa “imersão” reforça o papel das relações sociais na geração de confiança e no desencorajamento da malversação, ao mesmo tempo em que faz predições de ordem universal, assumindo que os detalhes de cada estrutura social são determinantes para a análise de cada situação. Para tratar desse assunto se faz necessário que se possa ter o conceito de redes e parcerias bem sedimentado: a Rede liga pessoas; é de adesão livre, sem qualquer limitação; é distribuída e caótica, promovendo fluxo de todos com todos; inclui qualquer nível e grau de participação segundo a vontade de cada um; tem um propósito geral para os seus membros, sem objetivos específicos; não tem duração


13

limitada e evolui de forma orgânica. A Parceria liga organizações; é de adesão contratualizada;

é

coordenada

por

pilotagem;

a

parceria

pressupõe

um

comprometimento; tem missão e objetivos específicos para todos os envolvidos; obedece estratégias concretas, ainda que negociadas. A construção das redes, parcerias e alianças deve ser parte integrante da nova sociedade, pois os processos culturais e de comunicação estão no centro para a construção de uma política de progresso social organizado.

Para que a

informação chegue de forma pública e gratuita é necessário que se assegure uma multiplicidade e riqueza de fontes diversificadas e descentralizadas de informação. Coerente com o conceito de redes a Internet aponta para paradigmas renovados de organização social. A informação, a comunicação, e a transparência constituem os instrumentos por excelência da presença da sociedade civil no processo político, e o elemento essencial da coerência do conjunto. No Brasil e em outros países observa-se a multiplicação de experiências no campo

econômico associadas

a

princípios

de autogestão, cooperação e

solidariedade. Porém, nos bastidores encontra-se a crise estrutural do mercado de trabalho, com os agravantes das políticas sociais recessivas, que geraram processos de fragmentação e de exclusão social. No Brasil, muitos se viram compelidos a criar suas próprias oportunidades de trabalho e sobrevivência visto que se encontravam abandonados pelas políticas sociais em recuo. De acordo com Singer (2002), o florescimento das práticas de solidarismo econômico deve-se à atuação mobilizadora de movimentos sociais, frações do sindicalismo e inúmeras entidades civis, à oferta e impulsão desses agentes mediadores, na direção de soluções coletivas, por sua vez respaldadas pelo efeito demonstrativo das primeiras iniciativas bem sucedidas. As redes e parcerias são importantes, pois proporcionam soluções organizacionais flexíveis necessárias para o desenvolvimento de projetos, principalmente os de cunho social, onde diversos atores estão envolvidos na sua condução.

Segundo Monteiro (2005), as redes são entendidas como sistemas

abertos, constituídos por conjuntos de pessoas e/ou organizações, orientados por uma visão e valores partilhados que imprimem um sentido de pertencimento e de comunidade. Ainda segundo o autor citado acima, as características mais relevantes que podem ser destacadas em qualquer parceria são: a necessidade de uma permanente abertura; a complexidade decorrente da sua permanente abertura; a


14

complexidade decorrente da sua permanente interdependência e diferenciação dos seus participantes; a finalidade que se propõe alcançar através da sua missão; o seu funcionamento assente em entradas, permanência e saídas; a criação de sinergia decorrente de a sua globalidade ser maior que a soma das partes participantes; o fluxo permanente de informação através dos canais de comunicação; a regulação através da capacidade de decisão descentralizada e orientada pelos objetivos; a retroação da informação, negativa ou positiva; o equilíbrio resultante da necessária estabilidade dinâmica e orgânica e a entropia relacionada com a inexorável, a seu tempo, desagregação do sistema. O conceito de estrutura organizacional participante ativa de redes, parcerias e alianças é produtor de uma nova cultura democrática, que respeita as diferenças e contribui direta ou indiretamente para a disseminação do conhecimento e da informação e por consequência do desenvolvimento da humanidade. As parcerias podem ser conceituadas como uma forma de colaboração estável entre dois ou mais atores, de curta ou longa duração que visam aumentar quantitativamente ou qualitativamente a sua capacidade de intervenção conjunta na comunidade. As organizações e/ou conjunto de pessoas que buscam parcerias são orientadas pelas necessidades e interesses comuns e pela cooperação, ao invés da competição e da concorrência. Além disso, a parceria está centrada em princípios como comprometimento, confiança, comunicação e principalmente respeito pelos interesses particulares de todos os participantes. Um ponto muito importante a ser destacado na atual formação de redes, parcerias e alianças é o peso das dimensões éticas. Nos mais diversos enfoques possíveis a ética é vista como ponto chave de todo o debate. Existem hoje inúmeros projetos políticos que buscam valorizar a generosidade do ser humano, utilizando um discurso centrado na tolerância, na solidariedade, no respeito, valorização das diferenças e na justiça social. Essas dimensões fazem com que as pessoas se sintam valorizadas e construam uma nova visão da sociedade, gerando novos referenciais transformadores de governabilidade. A construção de uma imagem ética atualmente perpassa por declarações e publicidade empresarial, posicionamentos dos meios de comunicação, dos mais variados tipos de associações. A população mundial está percebendo a dimensão ética com novos olhos. Uma pesquisa nacional de opinião realizada nos Estados Unidos sobre as corporações constatou que a maioria esmagadora da população


15

acredita que a empresa além de buscar o lucro e dividi-lo entre os acionistas, deve assumir responsabilidades sociais e ambientais. A construção de alianças é mais do que uma questão ética de lutar por uma sociedade mais justa, é uma opção racional de construir inteligentemente a economia. Naturalmente a sociedade busca soluções simples frente ao momento de perplexidade com relação às mudanças, ao desemprego e ao aumento da violência, mas em resposta a esta inquietação está a complexidade de construir o desenvolvimento regional sustentável que busca uma sociedade economicamente viável, socialmente justa e ambientalmente sustentável. Neste contexto, é imperioso que se busque a articulação entre Estado, empresa e sociedade. Como exemplo, pode-se citar o acordo da empresa Carrefour com o governo do Rio Grande do Sul, em que a empresa destinou parte do seu espaço para pequenos comerciantes, evitando assim o desemprego, além do abastecimento parcial do setor de hortifrutigranjeiros ser realizado diretamente com pequenos produtores rurais locais. Isso não se trata de caridade empresarial e sim de bom senso na articulação de objetivos econômicos, ambientais e sociais. Com essa atitude a empresa ganhou nome e simpatia, o poder público ganhou visibilidade e a sociedade garantiu empregos e fomentou atividades econômicas. O chamado Terceiro Setor, que é constituído por instituições com preocupações e práticas sociais e sem fins lucrativos, aparece como uma alternativa de organização que pode, ao se articular com o Estado e assegurar a participação cidadã, trazer respostas inovadoras. As empresas privadas ultrapassam a visão do assistencialismo, para assumir a responsabilidade que lhe confere o poder político efetivo que têm. Passa-se assim do simples marketing social, para uma atitude construtiva onde o setor privado pode ajudar a construir o interesse público. Redes,

Parcerias

e

Alianças

são

extremamente

importantes

para

sustentabilidade dos projetos desenvolvidos pelo Terceiro Setor. O Terceiro Setor depende de recursos captados através de força e estratégia própria, utilizando para isso a sensibilização em prol de causas sociais extremamente nobres. Esse setor busca preparo técnico para desenvolver suas atividades, porém ainda necessita intensificar a busca por conhecimento aprofundado em captação de recursos, visto que esses recursos são fundamentais para a sustentabilidade de suas ações. Esse Setor necessita assumir sua posição profissional de empreendedor social e pulverizar sua capacidade de captar recursos como qualquer empreendimento de


16

sucesso faz: planejando, pesquisando e promovendo sua marca, também contando com apoio público. O processo de captação de recursos sólido e estruturado demanda médio e longo prazo de trabalho duro e específico, com o mínimo de conhecimento de mercado e fontes de recursos. O planejamento é necessário e as redes e parcerias fundamentais para que a instituição obtenha sucesso na captação de recursos de forma profissional. Atualmente a maioria das instituições integrantes do Terceiro Setor busca recursos através de projetos, porém os projetos prevêm recursos certos e limitados para uma ação com começo, meio e fim. Captar recursos de forma profissional engloba: - Realizar parcerias; - conhecer mercado; - pesquisar; - criar e desenvolver estratégias; - utilizar ferramentas de marketing direto e indireto; - fidelizar doadores; - fazer marketing institucional; - prestar contas publicamente. E na maioria das ONGs não há plano de ação de como dar continuidade nesse projeto se ele der certo ou se ele precisar de uma continuidade. Não há um fundo de reserva monetário caso nenhum financiador seja conquistado para continuidade de uma segunda fase de projeto. A captação de recursos para Instituições do Terceiro Setor exige conhecimentos e metodologia diferenciados: seleção, recrutamento e treinamento de captadores de recursos; desenvolvimento de planejamento de captação de recursos e marketing da Instituição e a implantação de um plano de ação para a captação de recursos. O Terceiro Setor Brasileiro deve ter consciência que independente dos projetos, sempre existirá uma estrutura de suporte necessária e que dentro dessa estrutura deve estar encaixado o departamento de captação de recursos e marketing como um custo operacional e que vai criar formas de captação de recursos para que mensalmente recursos sejam captados, e assim um fundo de reserva criado, e uma independência financeira construída.


17

Para Putnam (2000) toda discussão sobre alianças e parcerias, dão mais certo em determinado contexto e menos em outros. Putnam nos traz esta compreensão ao estudar o capital social diferenciado no Sul da Itália, onde predomina uma cultura política verticalista e autoritária, e nas regiões centrais, onde se desenvolveram tradições de cooperação e de articulação horizontal. No Brasil, por exemplo, a dinâmica de parcerias se desenvolveu com força particular no Rio Grande do Sul e na região do Grande ABC de São Paulo, ambas regiões de tradições de organização operária, e com fortes raízes de movimentos comunitários trazidos por imigrantes italianos e outros. O conceito de desenvolvimento está centrado na articulação de diversos atores sociais interessados, na construção de aproximações de interesses aparentemente diferenciados e na clara exposição desses diferentes interesses. Pode-se ilustrar isto com o exemplo de Campos Altos, em Minas Gerais, Brasil: sob pressão da Secretária Municipal de Educação, os fazendeiros se comprometeram a não mais utilizar trabalho infantil, a prefeitura se comprometeu a assegurar lugar e merenda na escola, os pais se comprometeram a não tirar as crianças da escola. O resultado prático foi que os pais, que diziam precisar da renda dos filhos, trabalharam bem melhor ao ter o sossego dos filhos na escola, e ganharam mais dinheiro; os fazendeiros lucraram porque a colheita foi mais eficiente; o prefeito ganhou visibilidade política; e as crianças ganharam um futuro. Parece óbvio, mas foi preciso articular economia, educação, política, serviço social, em torno do mesmo problema, e elaborar um consenso onde cada ator social encontrou o seu papel e o seu interesse. O óbvio não é generalizado: no Brasil, onde as políticas são fatiadas, ainda se espera que a educação resolva, sozinha, os problemas da transição para uma sociedade do conhecimento. É nesse espaço que iniciativas como a da Junior Achievement encontram respaldo e apoio da iniciativa privada, pois oferece a oportunidade de sensibilizar os alunos e os pais para a permanência no processo educacional. A credibilidade no trabalho desenvolvido pela Instituição gera expectativas positivas para todos os envolvidos no projeto, tanto alunos, como pais, Escola e empresas mantenedoras. A sociedade civil tem um papel central no processo de construção de parcerias. Primeiro, porque parcerias entre Governo e o setor empresarial têm obviamente resultado em bons negócios, mas nem sempre em boa política social. Não é viável se assegurar que surjam políticas sociais adequadas sem que os


18

beneficiários tenham uma voz forte relativamente ao que é necessário, e sobre como os recursos são utilizados. Segundo, porque afinal a sociedade civil constitui o próprio objetivo de toda a atividade política, econômica e social. Não é apenas a beneficiária, é a proprietária legítima do processo. Por isso quando a ONG Junior Achievement está desenvolvendo os seus projetos ela busca o envolvimento dos pais, pois só assim a sensibilização pode surtir efeitos. Além disso, há a evolução do nível organizado de acordos tradicionalmente vistos como parcerias, para dinâmicas mais difusas e mais amplas de cooperação em rede. A geração de um ambiente de rede, onde as diversas organizações possam participar de maneira flexível, sem perder as suas identidades e formas particulares de ação – condição vital para que as ações casem de maneira muito próxima com a diversidade cultural das comunidades – ainda constitui um desafio onde estão todos aprendendo. É importante lembrar que é uma área onde uma ação eficiente pode partir de um grupo que reúne jovens em torno de qualquer atividade, e não necessariamente em torno de uma agenda social formal (DRUCKER,1998). Ao se lançar mão de uma rede de cooperação cria-se um ambiente rico em informações, com transparência generalizada e uma cultura de solidariedade. Apesar de se conhecer racionalmente o potencial de colaboração que as redes de trabalho permitem, a cultura existente ainda leva a trabalhar de forma muito tradicional, com sobrecarga de tarefas individuais e busca de hierarquias tradicionais. Segundo Lévy (1993) “Os procedimentos de decisão e de avaliação em uso foram estabelecidos para uma ecologia da comunicação simples. A informática é hoje de natureza torrencial ou oceânica. O hiato entre o caráter diluviano dos fluxos de mensagens e os modos tradicionais de decisão e de orientação se faz cada vez mais amplo. A administração recorre em geral à gestão clássica – lenta e rígida – através da escrita estática. Apóia-se em geral na informática com o objetivo de racionalizar e de acelerar o funcionamento burocrático, raramente para experimentar formas

de

organização

ou

de

tratamento

da

informação

inovadoras,

descentralizadas, mais flexíveis e interativas. O tratamento cooperativo e paralelo das dificuldades exige a concepção de ferramentas de filtragem inteligente dos dados, de navegação na informação, de simulação de sistemas complexos, de comunicação transversal e de localização mútua de pessoas e de grupos em função das suas atividades e dos seus saberes”.


19

Com relação às novas tecnologias ainda há um misto de entusiasmo e desconfiança. As desconfianças podem ser plenamente justificadas, quando constata-se a que ponto estas tecnologias serviram até agora para reforçar a concentração de renda entre e dentro dos países, para a dominação das dinâmicas financeiras de especulação. Mas as tecnologias avançam, goste-se ou não, e pode representar um potencial de inclusão extremamente importante. Trata-se de inverter o sinal político do uso presente das novas tecnologias, e buscar as formas de transformá-las em instrumentos de inclusão social. Apesar de entender e valorizar as novas tecnologias e tudo que elas proporcionam, como por exemplo, a velocidade e a conectividade, isso não significa que deve-se substituir as reuniões, assembleias ou os contatos diretos entre as pessoas e as organizações, pelo contrário, num ambiente de parcerias, alianças e redes, se faz necessário e imprescindível a presença e a participação ativa dos atores envolvidos. De acordo com o local onde se pretenda empreender uma articulação entre atores com perfis diferenciados, devem ser estudadas as condições específicas, a cultura empresarial nos diversos setores e subsistemas econômicos, e construir gradualmente as aberturas. Atualmente a sociedade é complexa, e o mundo empresarial não escapa a esta extrema diversificação. As parcerias e alianças podem ser formadas tanto com grandes empresas, até mesmo multinacionais como com uma rede de pequenas empresas locais ou com microempresas isoladamente. O mundo empresarial já percebeu que para sobreviver é necessário que esteja atento ao mercado. O mercado atual se move em direção à sustentabilidade, ou seja, à viabilidade econômica, à preservação ambiental e ao desenvolvimento social. Portanto, as empresas estão em busca de redes, parcerias e alianças com o intuito de permanecerem no mercado, proporcionando não somente o lucro, mas também desenvolvimento social sustentável, com ética e transparência. Encontrar formas adequadas de gestão dos sistemas complexos e diferenciados de relacionamentos que envolva as alianças e parcerias se constitui um desafio importante, pois altera os paradigmas tradicionais de controle e avaliação burocráticos. Em particular, fatores difusos, como entusiasmo, confiança, clima de busca dinâmica de resultados, são essenciais. A organização é muito importante, mas o combustível é essencialmente afetivo e moral, e a arte da boa gestão, no caso, consiste na construção de um equilíbrio adequado entre controle


20

burocrático e desenvolvimento de um sentimento de solidariedade na ação. O ser humano é o fator primordial na articulação das redes, parcerias e alianças, pois a área produtiva, as redes de infraestrutura, os serviços de intermediação funcionarão cada vez melhor se houver investimento no ser humano, na sua saúde, na sua formação, na sua informação e no seu lazer. A dimensão social do desenvolvimento passa a ser componente essencial do conjunto da reprodução social. Toda parceria envolve um ônus em tempo administrativo, correspondências, reuniões. É natural tentar concentrar os esforços num número limitado de parcerias que obedecem ao critério de maior efeito multiplicador. Isto não impede de abrir um leque muito maior de ações ao promover parcerias entre terceiros: por exemplo, um órgão financiador pode privilegiar projetos ou programas que envolvam parcerias, de maneira a intensificar a construção de capital social. Em outro nível, uma instituição pode se articular com diversas forças sociais e políticas no sentido de promover um ambiente

que

favoreça

o

surgimento

de

parcerias

como

estratégia

de

desenvolvimento. O importante é entender que formar uma parceria com uma instituição envolve um tipo de esforço de gestão, com planejamento cuidadoso, reuniões sistemáticas, divisão de trabalho, intercâmbio intenso em diversos níveis, visando inclusive um investimento de médio ou longo prazo, o que torna este tipo de parceria mais próximo do que pode-se chamar de uma aliança estratégica. Promover parcerias, por sua vez, envolve um trabalho de articulação entre forças que pouco conversam entre si, exige chamar diversos atores sociais para a elaboração conjunta de projetos, e pode passar pela utilização intensa de entidades intermediárias, que podem ser igrejas, governos locais, associações de ONGs e assim por diante. Gerar um ambiente propício às parcerias e à construção de capital social, por sua vez, implica numa visão ampliada, ou seja, não se trata apenas de uma forma de tornar um programa determinado mais eficiente, ao associar diversos parceiros, mas de promover um clima político e cultural que facilite o surgimento de um novo tipo de pacto social. Esta visão está apoiada numa outra compreensão, a de que o resultado que se busca pode ser o melhoramento das condições de trabalho de todos, mas que este resultado passa por uma regeneração do tecido social no sentido mais amplo, e pela construção de novos ambientes de solidariedade.


21

3 DESCRIÇÃO DO CAMPO EMPÍRICO A associação Junior Achievement é uma organização não governamental (ONG) fundada no mundo em 1919, no Brasil em 1973 e no Estado do Espírito Santo em 2001. No Brasil essa associação está presente em todos os Estados Brasileiros e no Distrito Federal. Além do Brasil, está presente em mais de 123 países do mundo. O território de atuação da Junior Achievement no Espírito Santo é composto por onze municípios capixabas: compreendendo a região metropolitana da capital (Vitória, Vila Velha, Serra e Cariacica); a maior cidade do sul capixaba (Cachoeiro de Itapemirim); cidades litorâneas que estão em franco processo de desenvolvimento econômico, como por exemplo, a instalação de pólo siderúrgico (Anchieta, Guarapari e Piuma); cidade portuária e pólo de celulose (Aracruz); pólo de confecção do norte do Estado (Colatina); e região serrana com grande desenvolvimento do agroturismo (Domingos Martins). A Associação Junior Achievement do Estado do Espírito Santo é uma instituição sem fins lucrativos, mantida por empresas capixabas. No Estado do Espírito Santo, a Associação inaugurou sua sede no dia 10 de setembro de 2001 e iniciou seus trabalhos em março de 2002. Atualmente a Junior Achievement do Estado do Espírito Santo conta com 130 escolas parceiras e beneficia por ano cerca de 13 mil alunos e desde a fundação foram 77 mil alunos. No Espírito Santo possui sua sede dentro do SENAI, onde pode contar com toda a logística do Centro Técnico, como auditórios, salas para treinamentos, recepção, dentre outras. As instalações possuem cinco computadores, duas impressoras, acesso a internet, fax e duas linhas telefônicas. O espaço físico é composto de um almoxarifado, uma sala de reuniões, uma sala ampla onde funciona a recepção e a gestão administrativa e uma sala exclusiva da Diretora Executiva. A sede está adequada às atividades administrativas desenvolvidas pela JAES. Já o desenvolvimento dos projetos é realizado nas dependências das escolas atendidas. Há uma estrutura organizacional formal em que o organograma da Junior Achievement prevê a existência de 03 conselhos: o Conselho Consultivo, o Conselho Diretor e o Conselho Fiscal. A estrutura organizacional da sede da Junior Achievement é composta por: 01 diretora executiva, 01 gestor administrativo, 01


22

gestora de ensino fundamental, 01 gestora de ensino médio e 03 assistentes de gestão (02 estagiários e 01 funcionário contratado). As decisões são tomadas pelos conselhos em diferentes estágios da seguinte forma: •

Conselho Consultivo - órgão com a função de deliberar sobre planos,

diretrizes e projetos da Associação apresentados pelo Conselho Diretor; captar novos mantenedores e parceiros para expandir a entidade e decidir sobre os casos omissos no estatuto da Associação. É composto de no mínimo três membros, pessoas físicas ou jurídicas, associados da Junior Achievement ou representantes legais de pessoas jurídicas associadas da Junior Achievement, residentes no País, os quais permanecerão nos cargos por prazo indeterminado, sendo um Presidente e um Vice-Presidente, escolhidos dentre os seus membros para cumprirem um mandato de dois anos nesses cargos, podendo ser reeleitos por igual período. Se reúne duas vezes ao ano e é responsável pela eleição do Conselho Diretor e do Conselho Fiscal. O Conselho Consultivo é quem planeja e aprova as prioridades de ação. O Presidente do Conselho Consultivo atualmente é Alexandre Nunes Theodoro (FAESA). •

Conselho Diretor - órgão deliberativo responsável por cumprir e exigir o

cumprimento do Estatuto Social; decidir, por maioria, sobre o licenciamento da marca Junior Achievement; estabelecer estratégias, metas e diretrizes para o funcionamento da entidade; supervisionar as atividades de todas as associações regionais e estaduais; criar comissões para atender as necessidades específicas da Associação, indicando seus membros e respectivas funções e aprovar critérios para a divulgação das atividades da instituição. É composto de no mínimo três membros, eleitos pelo Conselho Consultivo, residentes no País, exercendo validamente seus mandatos até que sejam empossados seus sucessores, podendo ser reeleitos para servir, no máximo, até dois mandatos sucessivos de dois anos. O Conselho Diretor é responsável por captar novos mantenedores e parceiros para expandir a entidade. Essa atividade de captação de novos mantenedores normalmente é realizada pelo Diretor Executivo através de indicação do conselho. É responsável pelo operacional, se reúne de 02 em 02 meses, é composto por 10 pessoas (Presidente do Conselho Diretor e membros do Conselho Diretor).


23

Conselho Fiscal - órgão com competência para opinar sobre os

relatórios de desempenho financeiro e contábil e sobre as operações patrimoniais realizadas, emitindo os respectivos pareceres (Lei nº 9.790, art. 4º, III). Esse Conselho tem ampla competência para fiscalizar todos os atos praticados pelos órgãos de administração, tendo acesso a todos os documentos necessários à verificação da regularidade de aplicação dos recursos da Associação. É composto de três membros, eleitos na Assembléia Geral de Constituição da Associação para mandato de dois anos, podendo ser reeleito por igual período. É composto por 03 membros. Para por em prática seu trabalho, a Junior Achievement busca parcerias com empresas mantenedoras que contribuem com cotas mensais que variam de R$ 1.000,00 a R$ 1.200,00. As empresas que não contribuem financeiramente, realizam a prestação de serviços como por exemplo a divulgação da ONG na mídia. O

objetivo

da

Junior

Achievement

é

disseminar

a

semente

do

empreendedorismo entre os jovens brasileiros ainda na escola, estimulando o seu desenvolvimento pessoal, proporcionando uma visão clara do mundo dos negócios e facilitando o acesso ao mercado de trabalho. Especificamente no programa “As Vantagens de Permanecer na Escola” o objetivo principal da iniciativa é incentivar alunos de escolas públicas a investir nos estudos, buscando novas perspectivas de futuro. Outro objetivo da iniciativa é apresentar as diversas profissões e o nível de escolaridade exigido para cada uma, levando os alunos a entender a relação entre escolaridade e média salarial. Os Projetos Nacionais são desenvolvidos através de parcerias de sucesso com grandes empresas brasileiras, visando expandir, com excelência, a educação empreendedora, beneficiando um número cada vez maior de jovens. São desenvolvidos

em

escolas

públicas

e

particulares

em

todo o País. Os recursos para realização dos projetos são gerados através do pagamento mensal de cotas das entidades mantenedoras e sua destinação é o pagamento dos funcionários contratados e a aquisição de todo o material utilizado nos programas. As escolas atendidas pela Instituição não colaboram com recursos, a contribuição delas se dá pela disponibilização do espaço para a realização do programa e também do envolvimento da equipe pedagógica para sensibilização dos alunos e a realização das pesquisas (marco zero, iniciais com os alunos e as posteriores com os mesmos alunos e com os pais).


24

O programa “As Vantagens de Permanecer na Escola” foi desenvolvido a partir de uma demanda das escolas públicas. Esta tecnologia social tem sido uma importante ferramenta na mudança de comportamento dos nossos estudantes. Em 2009 mais de 5 mil alunos foram impactados com o conteúdo do Programa. Esse Programa apresenta aos alunos os benefícios da escola através de cinco momentos que incluem um jogo de tabuleiro, análise de gráficos, elaboração de um orçamento, planejamento de carreira e um debate. Este programa é apresentado por orientadores com vivência de negócios treinados pela Junior Achievement. É desenvolvido em sala de aula, através de 5 períodos de 50 minutos. Os períodos consistem nas atividades descritas abaixo. Na atividade “O Jogo das Grandes Decisões”, os alunos descobrem a relação entre educação, opções de carreira e o alcance de metas, participando do jogo de tabuleiro. Com esta atividade espera-se desenvolver conceitos e habilidades tais como: êxitos pessoais, educação, opções de carreira, renda e oportunidades educacionais. Na atividade “As Estatísticas mostram as Vantagens de Permanecer na Escola”, através de gráficos, os alunos visualizam os níveis de renda em relação ao nível de educação formal das pessoas. Aprendem a visualizar os custos e as vantagens de estudar. Espera-se, com esta atividade, desenvolver os conceitos e habilidades de renda média, escolaridade, custos de oportunidade e custos financeiros. Na atividade “Desenvolvendo meu próprio orçamento” os estudantes vivenciam as dificuldades de viver e se sustentar independentemente, possuindo uma baixa escolaridade. Esta atividade busca desenvolver os conceitos e habilidades de custo de vida, orçamento mensal, uso dos classificados, salários e encargos. Na atividade “Projetando-se para o futuro” os estudantes realizam um planejamento de carreira e se preparam para uma entrevista de emprego. Nesta atividade espera-se desenvolver os conceitos e habilidades de análise de habilidades pessoais e como se portar em uma entrevista para emprego. Na atividade “Debatendo sobre nossos problemas” os estudantes trabalham em grupos para levantar argumentos e debater sobre a evasão escolar. Escrevem uma carta a um amigo que esteja pensando em abandonar a escola e, com essa


25

atividade, espera-se desenvolver os conceitos e habilidades de argumentação e trabalho em equipe. Além deste programa, a Junior Achievement desenvolve outros tais como: Cartilha de Desenvolvimento Sustentável – para alunos do 4º e 5º anos; Nossa Região – para alunos do 5º e 6º anos; Nossos Recursos – para alunos do 5º ano; Introdução ao Mundo dos Negócios – para alunos do 5º e 6º anos; Nosso Mundo – para alunos do 7º ano; Economia Pessoal – para alunos do 8º ano a 2ª série do Ensino Médio; Empresa em Ação – 8º e 9º anos; Miniempresa – para alunos do Ensino Médio; Liderança Comunitária – para alunos do Ensino Médio; Programa Empresário Sombra Por Um Dia – para alunos do Ensino Médio; Atitude pelo Planeta – para alunos do Ensino Médio; Vamos Falar de Ética – para alunos do Ensino Médio e Nexa – para alunos da 3ª série do Ensino Médio e Universitários. Todos os programas possuem um acompanhamento pela equipe da Junior Achievement, seja através da emissão de relatórios ou de visitas in loco; o técnico de programas é responsável pela aproximação com a escola, pela sensibilização dos docentes, alunos e pais envolvidos. Ao término de cada programa há uma avaliação, realizada com os alunos, pais, equipe pedagógica, pelo técnico, acerca das atividades desenvolvidas, na qual são colhidas informações tais como participação e envolvimento, relacionamento interpessoal, organização, identificação com a Junior Achievement, contribuição no crescimento da escola, dentre outras. Tal controle estimula processos de discussões, o que consequentemente possibilita um melhor retorno e modificação de ações, propiciando sempre um trabalho de qualidade. No programa “As Vantagens de Permanecer na Escola” o investimento por aluno fica em torno de R$ 19,42, além de custos reduzidos, esta importante tecnologia social pode ser implantada e desenvolvida em várias escolas. Os resultados comprovados com a ação refletem a eficiência do Programa e garantem confortavelmente sua reaplicabilidade. A cada ano, centenas de adolescentes em idade escolar, abandonam os estudos para trabalhar, ou até mesmo por falta de interesse e objetivos futuros. De acordo com pesquisas realizadas sobre o assunto, a falta de interesse dos alunos pelos estudos é a principal causa de evasão escolar no Espírito Santo e no Brasil e quase 20% dos jovens entre 15 e 17 anos estão fora da escola. Por esse motivo, optou-se pela escolha do programa “As Vantagens de Permanecer na Escola” como


26

foco analítico. Além do mais, a Junior Achievement é uma Instituição muito valorizada pelo Estado do Espírito Santo, uma vez que a política estadual está focada na melhoria da educação. Como estratégia de sustentabilidade a Junior Achievement do ES possui uma constante política de captação recursos. Todos os anos o Conselho Consultivo, decide dentro do planejamento estratégico as empresas que serão abordadas como mantenedoras na implantação e continuidade das ações. Atualmente 10 empresas apóiam a instituição especificamente no Programa “As Vantagens de Permanecer na Escola”. Muitas outras empresas apóiam a instituição, através de permuta ou serviços prestados, como é o caso da Findes que cede o espaço para a sede da Junior Achievement, ou ainda a empresa Aquatro, responsável pela criação de todo material de divulgação da instituição, ou, através de recursos financeiros que possibilitam manter toda a estrutura logística e pessoal de apoio ao desenvolvimento dos Programas. O questionário aplicado junto às empresas mantenedoras do programa “As Vantagens de Permanecer na Escola” buscou investigar a motivação e os fatores determinantes para a escolha da Junior Achievement como parceira dessas empresas no desenvolvimento de ações sociais no Estado do Espírito Santo.

4 ANÁLISE DOS RESULTADOS OBTIDOS Tendo em vista a missão da Junior Achievement “Levar o empreendedorismo através de programas ministrados por orientadores, treinados pela instituição; possibilitando aos alunos uma visão empreendedora de futuro, tornando-os pessoas mais preparadas para um mercado de trabalho competitivo, formando assim uma geração de jovens engajados, capazes de transformar sua realidade” , pode-se dizer que é essa a visão que as empresas que se tornam parceiras da instituição compartilham. Os resultados construídos, a partir da aplicação do questionário, possibilitam a compreensão das razões que levam uma empresa a ser parceira da Junior Achievement para execução de projetos e ações sociais. O investimento por parte das empresas em ações de geração de emprego e renda, mesmo que indiretamente, como é o caso do programa “As vantagens de Permanecer na Escola”, geram num futuro bem próximo a possibilidade de contratação de


27

colaboradores mais qualificados e preparados para o mercado de trabalho. As empresas investem agora nos adolescentes/jovens, aproximando a empresa da comunidade onde ela está inserida, para no futuro contratar pessoas mais qualificadas. Foi muito enriquecedor conhecer e observar de perto as razões cidadãs que impulsionam uma entidade como a Junior Achievement a promover ações sociais tão bem estruturadas. Os programas oferecidos pela Junior estimulam o desenvolvimento pessoal trabalhando conceitos como liderança, ética, respeito, auto-estima, atitude e persistência, enfim empreender forças em si, traçar metas e objetivos para sua vida a curto e longo prazo; mostrando que educação e empregabilidade caminham juntos; conscientizando os alunos da importância de investir nos estudos, combatendo de forma incisiva um dos maiores problemas de nosso país: a evasão escolar. Os projetos são implementados de forma objetiva e muito profissional o que me surpreendeu, pois a minha experiência anterior apontava para uma gestão de ações sociais amadoras. A aplicação dos programas da Junior Achievement está em constante processo de evolução. A métrica das várias pesquisas e avaliações realizadas pela entidade busca aprimoramento das ações pois são realizadas com os alunos, com os pais, com os voluntários, enfim com todos os envolvidos nos programas. No campo profissional, a realização da residência social com a Junior Acheivement proporcionou-me a participação no comitê Caixa ODM, pois a Junior foi a entidade escolhida pela Caixa para receber verbas para o projeto “As Vantagens de Permanecer na Escola”. Acredito que, como um dos objetivos da Estratégia PIAR é “aumentar a presença da Instituição no financiamento do desenvolvimento social e econômico nacional em escala regional”, a minha contribuição enquanto acadêmica oportuniza o alcance desse objetivo. O instrumento de coleta de dados exploratórios utilizado foi um questionário, composto por 10 questões de múltipla escolha com quatro alternativas cada uma, onde a empresa poderia escolher apenas uma. Com base no questionário aplicado às empresas mantenedoras da Junior Achievement pode-se afirmar que: •

56% das empresas esperam despertar nos jovens a vontade de

planejar o futuro (Figura 1);


28

Figura 1 – Motivação da empresa para ingressar como parceira da Junior Achievement

Para 67% das empresas, a principal motivação em participar de um

projeto educacional é a transformação social (Figura 2);

Figura 2 – Principal motivação da empresa em participar de um projeto educacional

44% conhecem casos de sucesso que envolve a cultura do

empreendedorismo, além disso 22% acreditam que empreendedorismo é o futuro e outros 22% acreditam que para vencer é necessário empreender (Figura 3);

Figura 3 – Crença na cultura do empreendedorismo


29

56% investem em ações sociais de geração de emprego e renda

(Figura 4);

Figura 4 – Ações sociais que as empresas parceiras investem

78% acreditam que os benefícios para a empresa com a sensibilização

dos estudantes para a continuidade dos estudos é a formação de possíveis colaboradores qualificados (Figura 5);

Figura 5 – Benefícios para a empresa com a sensibilização dos estudantes para a continuidade dos estudos

67% acreditam que a aplicabilidade dos programas desenvolvidos pela

Junior Achievement possibilita aos estudantes reflexões sobre planejamento de carreira (Figura 6);


30

Figura 6 – Avaliação da empresa sobre a aplicabilidade dos programas desenvolvidos pela Junior Achievement

67%

acreditam

que

os

programas

desenvolvidos

pela

Junior

Achievement são adequados aos objetivos propostos (Figura 7);

Figura 7 – Avaliação da empresa à respeito das dinâmicas e trabalhos utilizados

89%

acreditam

que

a

promoção

do

engajamento

de

seus

colaboradores como voluntários/participantes de ações sociais abre novas percepções da realidade (Figura 8);

Figura 8 – Respostas das empresas mantenedoras quanto à contribuição da participação dos colaboradores como voluntários

89% avaliam a expertise da Junior Achievement como entidade sólida

e com experiência comprovada (Figura 9) e;


31

Figura 9 – Avaliação da expertise da empresa Junior Achievement pelas empresas mantenedoras

78% consideram o atendimento prestado pela Junior Achievement

satisfatório realizado com credibilidade e confiança (Figura 10).

Figura 10 – Satisfação da empresa com atendimento prestado pela Junior Achievement

o

A percepção dessa solidez por parte das empresas parceiras abre possibilidade de indicação da Junior Achievement para outras empresas como sinônimo de entidade séria para investimento em ações sociais. Como sugestão de melhoria no processo de aplicação dos recursos em ações sociais, por parte das empresas, pode-se citar a publicação de editais onde há a possibilidade de investir os recursos em instituições comprometidas e capacitadas, como é o caso da Junior Achievement, com projetos específicos, com cronograma e orçamento definidos. A Junior Achievement sempre captou recursos junto às entidades privadas, porém há uma tendência entre as grandes empresas de migrar o modo atual de investimento em projetos sociais para a utilização de editais. A participação da


32

entidade na captação de recursos através de editais é algo novo e como tudo que é novo necessita de conhecimento e pesquisa. Para isso é necessário o treinamento especializado de uma pessoa para cuidar da elaboração de projetos, visto que cada agente financiador tem a sua regra para concessão e utilização dos recursos, bem como a sua execução, inclusive financeira, pois há muitas oportunidades em editais, inclusive a fundo perdido. O treinamento desse colaborador deve prever muita pesquisa de como funciona cada etapa dos editais para que a entidade esteja capacitada para a execução dos projetos conforme as exigências do agente financiador. Como fonte de pesquisa pode-se sugerir o site da Associação Brasileira de Captadores de Recursos – ABCR, onde pode ser encontrado, de forma centralizada, vários editais abertos e dicas valiosas para a participação nos mesmos. O campo de atuação da entidade em captação de recursos através da participação em editais é vasto, atualmente pode-se citar como agentes financiadores que utilizam editais: Fundação Kellogg, UNESCO, BNB, Petrobras, FINEP, CNPq, CAPES, a Caixa Econômica Federal, a Fundação Estadual de Pesquisa do Estado do Espírito Santo, dentre outras.

5 CONCLUSÃO A captação de recursos para uma Instituição do Terceiro Setor é uma atividade crucial para a sua sustentabilidade. A Junior Achievement é uma ONG de grande credibilidade e expertise o que contribui positivamente na captação de recursos. Segundo dados apurados na aplicação do questionário junto às empresas mantenedoras, pode-se afirmar que elas investem nos projetos desenvolvidos pela AJAES devido à aderência aos objetivos propostos e pelo grau de comprometimento da Instituição na realização dos projetos com a constante avaliação e reavaliação dos processos visando melhoria contínua. Atualmente a Junior Achievement capta recursos através da indicação de empresas para visitas realizadas pelas próprias empresas mantenedoras. Para uma eficaz gestão da captação de recursos, a pessoa responsável por essa tarefa deve estar atualizada, ler jornais e revistas, realizar pesquisas via Internet, visitar empresas potenciais buscar entender o seu funcionamento, acompanhar editais do


33

Governo e de empresas, ficar por dentro de legislação e acompanhar novas leis. Tem que ter consciência de que existe uma divisão de entrada e saída de recursos: recursos para manutenção operacional, que engloba os custos fixos e recursos para realização de projetos, que são alocados de acordo com o objetivo social e a missão da instituição, o que permeia a sua busca por recursos muitas vezes de forma diferenciada. Redes, alianças e parcerias são essenciais a essa atividade. A profissionalização e o avanço das tecnologias forçam a especialização desse profissional, pois só assim ele conseguirá credibilidade e argumentos para uma ação eficaz. No cenário atual as empresas investem em instituições que realmente cumprem o que prometem e, assim, credibilidade e transparência são palavraschave do momento. Além disso, para ser eficiente o captador de recursos deve conhecer profundamente a instituição em que trabalha; a causa defendida; o mercado em que atua e, principalmente, se inteirar sobre o mercado onde pretende atuar; desenvolver um planejamento que englobe manutenção operacional e projetos; contribuir na elaboração de projetos tornando-os atraentes em termos de marketing e visibilidade; agregar valor à imagem da Instituição, através de parcerias estratégicas; representar a instituição em eventos, congressos e reuniões sociais, fortalecer vínculos e abrir novas parcerias para a continuidade e manutenção do trabalho da instituição; criar novas maneiras de interesse do mercado pela instituição; administrar os recursos captados até sua prestação de contas, passando pelo acompanhamento do investimento e monitoramento das ações anteriormente propostas; manter-se informado sobre o mercado, economia e ações sociais, identificando oportunidades e ameaças às atividades da ONG; pensar grande e começar pequeno; planejar, traçar metas e suas estratégias. As empresas mantenedoras da Junior Achievement são sérias e idôneas, constituídas de grandes, médias e pequenas empresas, com importante participação no mercado onde atuam. Essas empresas estão preocupadas com a transformação social da comunidade onde estão inseridas e, o empreendedorismo é o elo comum entre elas e a Junior Achievement. Como a filosofia da Junior Achievement é a aplicação dos projetos através da sensibilização de voluntários, principalmente entre as empresas mantenedoras, as empresas acreditam que esse incentivo abre novas formas de perceber a realidade e promove o crescimento de seus colaboradores.


34

O mercado de trabalho atual requer colaboradores mais bem preparados e aptos para o mercado, investindo em ações que visam à melhoria da escolaridade e da visão empreendedora dos jovens as empresas esperam que no futuro possam ser beneficiadas pela contratação de colaboradores mais bem preparados para o mercado. Como sugestão de melhoria no processo de aplicação dos recursos em ações sociais, por parte das empresas, pode-se citar a publicação de editais onde há a possibilidade de investir os recursos em instituições comprometidas e capacitadas, como é o caso da Junior Achievement, com projetos específicos, com cronograma e orçamento definidos. Há uma tendência das empresas em selecionar os projetos sociais através da publicação de editais. A proposta de aumentar a captação de recursos da Junior Achievement através da participação em editais se respalda nessa tendência. Para que isso ocorra é necessária uma conscientização sobre as tendências do mercado, sobre legislação e pesquisa a respeito dos editais abertos, além de preparação através da participação em cursos, seminários e palestras.


35

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DRUCKER, P. F. Emerging partnerships: New Ways in a New World - The Peter F. Drucker Foundation for Nonprofit Management – New York, 1998. Disponível em: <http://www.pfdf.org>. Acesso em: 07 jun. 2011. LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993. MONTEIRO, A. J. Redes & Parcerias: Uma opção estratégica. Revista CultDigest, Lisboa, n.8, 2005. PUTNAM, R. Bowling Alone: the Collapse and Revival of American Community. New York: Simon & Schuster, 2000. SINGER, P. A recente ressurreição da economia solidária no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.


36

APÊNDICE A – Instrumento da coleta de dados - Questionário Programa “As Vantagens de Permanecer na Escola” Esta pesquisa tem o objetivo de analisar os aspectos que sensibilizam a participação das empresas como mantenedoras do programa “As Vantagens de Permanecer na Escola”, com vistas a ampliar o número de empresas participantes. A sua colaboração tem o objetivo de melhorar a atuação da Junior Achieviment na sensibilização de novos parceiros para esse programa. Responda a todas as perguntas individualmente. Para a maioria das perguntas não existe certo ou errado, o objetivo é saber a sua opinião. 1 ( ( ( (

Indique qual a motivação que o fez ingressar como mantenedor do programa “As Vantagens de Permanecer na Escola”: ) Sensibilizar jovens para a inserção no mercado de trabalho ) Realizar um trabalho humanitário ) Melhorar a vida das pessoas que residem nas proximidades da empresa ) Despertar nos jovens a vontade de planejar o futuro

2 ( ( ( (

Qual a principal motivação da empresa em participar de um projeto educacional? ) filantrópica ) transformação social ) interesse futuro em recrutar pessoas qualificadas ) fomentar o empreendedorismo

3 Você acredita na cultura do empreendedorismo porquê: ( ) Você conhece casos de sucesso, onde pessoas de realidade sociais diversas se destacaram através do nível de escolaridade e da qualificação profissional. ( ) Você é protagonista de um caso de sucesso onde o nível de escolaridade e a qualificação profissional foram determinantes para o seu sucesso. ( ) O empreendedorismo é o futuro ( ) Para se vencer na vida é necessário empreender 4 ( ( ( (

Em que tipo de ações sociais sua empresa costuma investir? ) pontuais ) assistencialistas ) geração de emprego e renda ) não há investimento em ações sociais

5

A sensibilização dos estudantes para a continuidade dos estudos beneficia as empresas porquê: ) Possibilita a formação de possíveis colaboradores mais qualificados ) Permite maior visibilidade à empresa ) Permite maior aproximação da empresa com a comunidade ) Contribuir com o poder público no combate a evasão escolar

( ( ( ( 6

Qual a sua avaliação em relação à aplicabilidade do programa “As Vantagens de Permanecer na Escola”? ( ) Possibilita aos estudantes reflexões sobre um planejamento de carreira.


37

( ) Os estudantes aprendem a visualizar os custos e as vantagens de estudar. ( ) Compreender o conceito de empregabilidade ( ) Relacionar a educação com o desenvolvimento de talentos pessoais. 7 ( ( ( (

Em relação ao programa “As Vantagens de Permanecer na Escola” qual a sua avaliação à respeito das dinâmicas e trabalhos em grupo utilizados? ) Adequados aos objetivos propostos ) Parcialmente adequado aos objetivos propostos ) Inadequados aos objetivos propostos ) Não possuo parâmetros para avaliar

8

Você considera relevante para a empresa mantenedora promover o engajamento dos seus colaboradores como voluntários/participantes de ações sociais como a proposta pelo projeto “As Vantagens de Permanecer na Escola”? ( ) Sim, porque contribui para a melhoria do clima de colaboração entre os membros da equipe. ( ) Sim, porque o voluntariado está na moda. ( ) Sim, porque abre novas possibilidades de percepção da realidade para os membros da equipe. ( ) Não, porque a participação voluntária deve partir exclusivamente da vontade do colaborador. 9 Como você avalia a expertise da Junior Achievement? ( ) A Junior Achievement é uma entidade sólida e possui experiência comprovada. ( ) A Junior Achievement inspira segurança e credibilidade. ( ) A Junior Achievement é para mim a melhor forma que os jovens das escolas têm para se capacitar para o mercado de trabalho ( ) A Junior Achievement é uma entidade jovem. 10 Qual a sua satisfação em relação ao atendimento prestado pela Junior Achievement? ( ) O atendimento prestado pelos funcionários da Junior Achievement é satisfatório porque a comunicação é muito boa. ( ) O atendimento prestado pelos funcionários da Junior Achievement é satisfatório porque possui clareza nas informações prestadas. ( ) O atendimento prestado pelos funcionários da Junior Achievement é satisfatório porque passam credibilidade e confiança. ( ) O atendimento prestado pelos funcionários da Junior Achievement é insatisfatório porque a comunicação é ruim.


Associação Junior Achievement do Espírito Santo