Issuu on Google+

Revista

Ano I - Nº3 - Março/Abril 2013

HERÓIS DE QUATRO PATAS As corporações utilizam rottweilers, pastores alemães e labradores para ajudar no policiamento ostensivo e fazem desse trabalho uma parceria de muita amizade

Revista AVIPEC | 1


EDITORIAL

ÍNDICE

A Revista Avipec é um produto jornalístico voltado para a informação. Mais uma vez queremos agradecer aos leitores e José Antônio colaboradores Diretor-Presidente que nos apóiam da Avipec nesse projeto. A Revista se consolida no segmento pet e entre criadores de grandes animais. O nosso objetivo é trazer para o público leitor um material atualizado e diversificado, com novidades sobre esse mercado. Nesta terceira edição, vamos mostrar o trabalho desenvolvido nas corporações pelos cães. Rottweilers, pastores alemães e labradores, animais que são treinados para participar de operações de busca, captura, patrulha e faro de entorpecentes e explosivos. No Corpo de Bombeiros, o emprego de cães nas corporações de resgate está diretamente associado à procura de pessoas desaparecidas em diversas situações de risco, como vítimas soterradas por escombros urbanos, em casos de desabamentos de estruturas, e ocultação de cadáveres. Segundo especialistas, exercícios e comandos positivos estabelecem a comunicação do homem com o animal para a realização das mais variadas e importantes ações para garantir a segurança da sociedade. Nas próximas páginas, você vai saber ainda como esse trabalho fortalece, ao mesmo tempo, o vínculo afetivo entre o cão e seu policial. Você vai ver também uma reportagem especial sobre a síndrome de Cushing, doença que é mais comum do que se imagina. As novidades relacionadas aos melhores produtos e serviços exclusivos para animais são destaques na seção de eventos nesta edição. A Revista Avipec também traz um artigo sobre nutrição animal. Boa leitura!

3 Eventos

2 | Revista AVIPEC

Treinamento Insetimax e Lançamento Vetoryl

4 Capa

Heróis de quatro patas: As corporações utilizam rottweilers, pastores alemães e labradores para ajudar no policiamento ostensivo e fazem desse trabalho uma parceria de muita amizade.

6 Artigo: Keila Regina de Godoy Obesidade: um desafio para proprietários de cães e gatos

34º ANCLIVEPA 7 Síndrome de Cushing Destaque

EXPEDIENTE

Kong Gatos

AVIPEC COMERCIAL NORMANDIA LTDA. Presidente: José Antônio Rebouças de Freitas (jantonio@avipec.com.br) Direção administrativa: Meibe Freitas (meibe@avipec.com.br) Assistente da Gerência Comercial: Caroline Pedrosa (caroline@avipec.com.br) Analista de vendas/suporte: Raul Maia (raul@avipec.com.br) REVISTA AVIPEC

Textos: Julião Júnior MTB 2381/CE (juliao_junior@yahoo.com) Mirelle Costa MTB 2440/CE (mirellecosta.jorn@gmail.com) Editor responsável: Julião Júnior MTB 2381/CE (juliao_junior@yahoo.com) Diagramação: Rafael Salvador (contato@rafaelsalvador.com) Arte: Rafael Salvador Impressão: Grafam - Gráfica e Editora América Tiragem: 2.000 exemplares Para anunciar, entre em contato conosco: (85) 3535.5022 / revista@avipec.com.br


EVENTOS Treinamento Insetimax Um dos maiores compromissos da Avipec é dar aos clientes um serviço de qualidade. Para isso, nada melhor que capacitar os colaboradores. No dia 14 de fevereiro, os vendedores de telemarketing e consultores exclusivos da linha Insetimax receberam um treinamento sobre a aplicabilidade dos produtos no combate aos mais diversos tipos de pragas, como cupins, formigas, pulgas e baratas. A Insetimax traz uma nova tendência em produtos, que é viabilizada por ingredientes sofisticados, resultantes de tecnologia e processos químicos avançados.

Lançamento Vetoryl O Vetoryl foi apresentado aos médicos veterinários de Natal-RN e de Fortaleza-CE, nos dias 27 e 28 de fevereiro. O evento contou com uma palestra da Dra. Flávia Tavares, que é responsável pelo setor de endocrinologia da Clínica Vet Care, sócia-fundadora e vice-presidente em exercício da Associação Brasileira de Endocrinologia Veterinária (ABEV). A Dra. Cinthia Nacamura, Médica Veterinária e Gerente de Comércio Exterior da Bioctal, também participou das explanações sobre o medicamento. Outros produtos também foram apresentados como o Ocucan 360ml e gotas, Audican, linha Tropiclean Fresh Breath e Linha de Ômegas. Revista AVIPEC | 3


CAPA

Heróis de quatro patas

As corporações utilizam rottweilers, pastores alemães e labradores para ajudar no policiamento ostensivo e fazem desse trabalho uma parceria de muita amizade.

E

les não usam farda, mas por toda a bravura, merecem o mesmo respeito da sociedade. Heróis que não esperam promoções, reconhecimento, nem recompensas. Apenas cumprir o dever de soldado. Os cães são empregados como suplementação da atividade policial desde meados da Segunda Guerra Mundial, mas há registros do uso desses animais desde as legiões romanas. Segundo o Major da Polícia Militar do Ceará, Franklin Oliveira de Araújo, atualmente as missões mais desenvolvidas pelos cães dentro do ambiente policial são busca, captura, patrulha e faro de entorpecentes e explosivos: “O animal de busca e captura localiza a trilha traçada pelo procurado através de partículas de odor, somente perceptíveis aos cães, que têm de 125 a 325 milhões de células olfativas, enquanto o ser humano possui apenas cerca de cinco milhões”. Já no Corpo de Bombeiros, o emprego de cães está diretamente associado à procura de pessoas desaparecidas em diversas situações de risco, como vítimas soterradas por escombros em casos de desabamentos de estruturas e ocultação de cadáveres. Segundo Lino Filho, Major do Corpo de Bombeiros do Ceará, há também a utilização do cão em terapias ofertadas pelo CBMCE para crianças com necessidades diversas.

4 | Revista AVIPEC

Outra instituição que conta com o apoio canino em suas ações é a Polícia Rodoviária Federal. Segundo Alex Júlio Lima de Oliveira, fundador do canil da PRF no Ceará, o Grupo de Operações com Cães da Polícia Rodoviária Federal surgiu em 2006: “Começamos por dois labradores espertos, uma cadela da raça pastor alemão, descartada das pistas de estrutura e conformação e um labrador velho de guerra, já treinado para o faro de drogas, quase aposentado. Depois vieram outras duas cadelas”. E os resultados não demoraram a chegar. Logo aos onze meses de idade, uma delas fez a primeira grande apreensão. “Foram 145 kg de maconha escondidos em bagagens de um ônibus que vinha do Sudeste para Fortaleza”, explica Alex. Segundo Duarte Pires, do canil central do departamento de Polícia Rodoviária Federal, no ano passado foram realizados 142 flagrantes, com quase duas (1,9) toneladas de drogas apreendidas pelos 38 cães em todo o Brasil. A  Copa das Confederações e o Mundial de Futebol no Brasil vão receber um apoio de peso. A PRF  iniciou a preparação para os eventos internacionais há quase cinco anos: “A previsão é que se possa operar com 24 binômios (homem X cão) de cães farejadores de explosivos, munições e ar-

mas de fogo na Copa das Confederações e cerca de 100 binômios de explosivos, munições e armas de fogo para a detecção de drogas até a abertura da Copa do Mundo em 2014”, conta Duarte. Treinamento Para exercer com maestria missões tão importantes, o trabalho dos animais começa desde cedo. O Batalhão de Polícia do Exército de Brasília treina os filhotes a partir dos 45 dias de vida: “Nessa fase, são estimulados os impulsos de caça dos animais, aumentando a avidez aos brinquedos, como bolinhas e rabichos de mordida. Também são ensinados alguns comandos (senta e deita) que serão utilizados na detecção passiva. Quando os cães já estão muito focados nos brinquedos, começamos então a enxertá-los com odores de drogas ou explosivos”, explica o Capitão de Paula, veterinário e chefe da Seção de Cães de Guerra do Batalhão de Polícia do Exército de Brasília. Segundo o Coronel Montefusco, chefe da seção de Comunicação Social da 10ª Região Militar de Fortaleza, o cão de polícia, quando indica algo ao seu condutor, normalmente o faz de duas maneiras: de forma ativa (latindo, mordendo, arranhando o local onde se encontra a fonte do odor) ou de modo passivo (sentando


Soldados dos Bombeiros e da PRF em ação

ou deitando). O mondioring também faz parte do programa de treinamento: “Uma modalidade esportiva que surgiu na Europa e foi introduzida no Brasil, que consiste em preparar cães para obediência, saltos e proteção. Já no Corpo de Bombeiros, um cão de busca e resgate leva em torno de 24 meses para ficar pronto para atuação. “Nesse tempo são apresentados os odores humanos aos quais o cão fará uso nas buscas, para que o animal possa sempre dar uma indicação verdadeira de onde o ser humano pode se encontrar, além de uma série de outras atividades que objetivam melhorar ao máximo o desempenho do cão de busca, como adaptação a estampidos”, explica Lino Filho, Major do Corpo de Bombeiros do Ceará. Trabalho x Diversão Apesar do ambiente tenso das abordagens e operações policiais, para os cães farejadores tudo é uma grande brincadeira. Segundo Ana Veríssimo, especialista em comportamento animal, o treinamento com uma metodologia científica, focada em motivação e recompensa, está em ascensão no trato de cães policiais. “Uma das grandes vantagens é que diminui bastante o nível de estresse do cão, ajudando com sua saúde e facilitando no apren-

Cão dos Bombeiros em terapia com crianças

dizado, além de desenvolver uma relação de maior confiança entre o cão e seu treinador. Essa metodologia desenvolve um cão “pensante”, que quer aprender e acertar para ser premiado. Um tipo de recompensa muito usada pela policia militar mundialmente é o brinquedo de borracha fabricado nos Estados Unidos, chamado KONG. Ele desperta o instinto natural de caça dos cães, tornando-se uma recompensa muito desejada. Assim, o comportamento não fica limitado apenas ao que ele aprendeu, mas se estende na capacidade de entender opções e tomar decisões”. Apesar de todos os desafios ensinados a eles, não se sabe quem aprende mais nessa troca diária. Amizade, interação e cumplicidade desenvolvidas pelo homem e seu cão são laços eternos: “Não sabemos de fato como ocorre, mas passamos a conhecer tão bem um ao outro que muitas vezes nem precisamos falar ou latir, basta um olhar ou um pequeno gesto e está estabelecida a perfeita comunicação. Muitas vezes assimilamos as características e as “manias” mútuas. Da admiração, nasce um grande respeito da corporação por esses defensores implacáveis da sociedade”, explica Alex Júlio Lima de Oliveira, inspetor da PRF, fundador do Canil no Ceará.

Apreensão de drogas feita pelo cão farejador da PRF

Cães passam por treinamentos constantes

Revista AVIPEC | 5


ARTIGO Obesidade: um desafio para proprietários de cães e gatos por Keila Regina de Godoy Gerente do Departamento de Desenvolvimento e Capacitação Técnica – PremieR Pet Durante as duas últimas décadas, a obesidade aumentou de forma drástica. O problema atinge humanos e também animais de estimação. Estudos mostram que entre 25% e 40% dos cães e gatos adultos também são obesos. Apesar da crescente oferta de produtos e serviços voltados à prevenção e tratamento do problema, os clínicos veterinários frequentemente enfrentam desafios para promover mudanças de hábitos que devem atingir diretamente não só a rotina do animal, mas do dono também. O novo papel do pet na sociedade e sua íntima convivência com o ser humano o torna vulnerável ao estilo de vida e hábitos do proprietário. Estudos científicos comprovam que existe uma relação positiva entre Petisco

donos obesos e pets também obesos, principalmente no caso dos cães. Quanto aos gatos, esta correlação é menos frequente devido à independência de seus hábitos, como as eventuais saídas à rua para passeio sem o acompanhamento do proprietário. Devemos lembrar, no entanto, que é crescente o número de gatos que vivem em apartamentos, castrados e com grande oferta de alimentos. Assim, a prevenção da obesidade deve começar no dia a dia e é fator primordial para conter o avanço do problema. Falar sobre como prevenir a obesidade com o veterinário desde a consulta pediátrica é o primeiro passo. Informe-se sobre o peso máximo ideal que seu pet deverá

Homem 70 kg (2000 kcal/dia)

Cão 5 kg (318 kcal/dia)

atingir na idade adulta de acordo com a raça e porte. Caso ele seja de uma raça com predisposição genética à obesidade, redobre a atenção! É importante, também, sempre seguir as quantidades de alimento indicadas pelo fabricante no rótulo das embalagens e dividir a porção diária em pequenas refeições ao longo do dia. Além disso, demonstrar amor na forma de companhia, brinquedos, brincadeiras e passeios contribuirá para a educação e socialização do seu amigo. Não estimule, assim, somente o uso de petiscos como forma de recompensa ou carinho. A obesidade é uma doença que pode ter uma evolução grave, porém, é uma das poucas cuja prevenção depende exclusivamente de você!

Cão 12 kg (613 kcal/dia)

Gato castrado 5 kg com sobrepeso (248 kcal/dia)

1 fatia de presunto

1%

6%

3%

7%

1 bolacha recheada

4%

23%

12%

-

1 biscoito canino pequeno (9g)

1,4%

9%

5%

-

1 bifinho canino (8,2g)

1,3%

8%

4%

-

6 unidades de petiscos recheados para gatos (2,3g)

0,5%

-

-

4%

CAPACITAÇÃO Já é grande a expectativa para o 34º Congresso Brasileiro da Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais, a Anclivepa, que acontece em Natal-RN, de 8 a 11 de maio de 2013. Esta edição vai contar com a presença de palestrantes renomados como Max Gehringer (O Conciliador – Rede Globo) e Alexandre Rossi (Dr. Pet – Discovery Channel). O presidente do congresso, Alex Freitas, faz um convite especial aos leitores da Revista Avipec: “Aos colegas Médicos Veterinários do Ceará, convido a vir a Natal, investir em suas profissões e em vocês, pois serão quatro dias de troca de conhecimentos, reencontros, confraternizações, negócios e cultura. Esperamos todos de braços abertos”. 6 | Revista AVIPEC

Na próxima edição Você vai saber tudo sobre o Campeonato Cearense de Canários, promovido pela União Cearense de Ornitologia


SÍNDROME DE CUSHING U

ma das maiores felicidades para quem tem um bichinho de estimação é vê-lo comendo bem, naturalmente. Porém, o aumento no apetite e na ingestão de água podem ser os primeiros indícios de uma doença que poucos ainda conhecem: A Síndrome de Cushing. Segundo a médica veterinária Cinthia Nacamura, o problema pode ter três causas, entre elas uma alteração em uma glândula do cérebro, chamada hipófise, ou na adrenal, que fica acima dos rins. O outro motivo está relacionado à administração indiscriminada de medicamentos à base de corticoide. “Essa forma é muito comum em cães que apresentam algum problema de pele, e o proprietário administra, por conta própria, aquela pomadinha que faz o animal parar de se coçar”, explica Cinthia. Em uma etapa mais avançada da síndrome, o animal começa a perder parte dos pelos, apresenta inchaço abdominal por conta do acúmulo de gordura, afinamento da pele e perda de musculatura. “Com o avançar da doença, o cão ou o gato fica apático e corre o risco de desenvolver diabetes e hipertensão, o que pode acarretar problemas renais, cardíacos e oftálmicos, além de deixar o organismo suscetível a qualquer tipo de infecção”, conclui a médica veterinária. O Tratamento Caso a Síndrome de Cushing tenha sido adquirida por meio medicamentoso, basta diminuir progressivamente a quantidade de corticoide administrado, e o animal também terá os seus sinais clínicos diminuídos até desaparecerem. Quando a causa da doença é natural, a forma de tratar muda. “Nos casos em que há uma alteração na adrenal, é

Pré-tratamento

Após 3 meses de tratamento

Após 9 meses de tratamento

possível pensar em uma cirurgia para cura do animal, quando o tumor for operável - por exemplo, quando o tumor ainda não invadiu a veia cava. No entanto, essa é uma cirurgia difícil e há poucos profissionais no país que a realizam. Nos casos em que há uma alteração na hipófise, a cirurgia não é uma opção que está disponível no Brasil”, afirma Cinthia. Diante dessas dificuldades, há uma opção de tratamento com um medicamento veterinário chamado Vetoryl. Ele controla os sinais clínicos do animal, permitindo uma alta qualidade de vida. De acordo com a médica veterinária Flávia Tavares, “o Vetoryl foi o primeiro fármaco veterinário registrado na Europa para o tratamento da Síndrome de Cushing. Atualmente, já chegou ao Brasil. Ele é considerado um dos medicamentos mais eficazes e seguros no tratamento da doença e deve ser administrado diariamente”. O tratamento dura cerca de seis meses, porém, o animal precisará de acompanhamento veterinário por toda a sua vida, fazendo testes de monitoração da doença a cada três meses. Com todos esses cuidados, ele poderá seguir uma vida normal, com muita disposição.

DESTAQUE Kong Gatos Kong é o lendário brinquedo que milhões de gatos adoram. Proprietários e treinadores o elogiam por sua incomparável durabilidade e versatilidade. Os brinquedos Kong tornaram-se a ferramenta mais recomendada por veterinários e treinadores na prevenção e tratamento de problemas comportamentais, entre eles tédio e estresse. Os brinquedos estimulam os instintos naturais dos gatos, como perseguir e caçar coisas. Kong inova com uma bolsa reutilizável para manter o catnip – planta que deixa a maioria dos felinos entretidos, num misto de euforia e êxtase - sempre fresquinho. O diferencial, é que quando o cheiro do catnip começa a desaparecer, basta adicioná-lo para mais uma rodada de diversão! O brinquedo é lavável e pode ser armazenado no congelador para ajudar a manter a frescor e a praticidade da higienização.

Revista AVIPEC | 7


Tecnologia a favor do abraço: um antipulgas bioativo

SEU AMIGO LIVRE DAS PULGAS

E PRONTO PARA O ABRAÇO!

O único antipulgas no mercado com a tecnologia de bioativação Proteção para cães e gatos de forma segura e eficiente.

activyl® é o único produto no mercado eficaz no tratamento contra pulgas em cães e gatos com a tecnologia de bioativação, na qual os animais são minimamente expostos ao ingrediente ativo. Ao contrário dos antipulgas disponíveis, a ação inseticida de activyl® acontece no interior da pulga, o que torna o produto ainda mais seguro para animais e proprietários.

• Tecnologia de última geração • Mais eficaz que fipronil* • Controle ambiental • Convenientes apresentações • Eficaz após o banho* • Sem perfume • Seguro para cães e gatos *

SAC 0800 - 70 70 512 www.msd-saude-animal.com.br A orientação do Médico Veterinário é fundamental para o correto uso dos medicamentos. MSD Saúde Animal é a unidade global de negócios de saúde animal da Merck & Co, Inc.

8 | Revista AVIPEC

Referências Internas

A ciência para animais mais saudáveis


Revista AVIPEC 03