Page 105

eu sou avianca

Viver para voar POR CAMILA BALTHAZAR FOTO ACERVO PESSOAL

N

o dia do seu aniversário de 22 anos, Sergio Falcão recebeu o telefonema do departamento de Recursos Humanos da Avianca. Ele havia sido aprovado no processo seletivo para comissário de voo. Isso aconteceu há pouco tempo, no dia 9 de setembro de 2013. Mas a história de Sergio com a aviação é antiga, e muito provavelmente também comemora seus 22 anos. Ainda bebê, quando viajava com frequência de Belém a Macapá para visitar o pai, o voo era uma festa. É a mãe quem lembra esse fato, mas os anos passaram e a paixão só aumentou.

Sua entrada para a companhia foi sem dúvida o melhor momento de 2013. Para o ano de 2014, Sergio conta que o objetivo é continuar estudando para se aprimorar cada vez mais e ajudar para que a Avianca continue sendo a companhia aérea preferida dos passageiros. “Dedicação e amor pelo que faço é o que me faz acordar cinco dias seguidos às 3 horas da manhã. Esperei a vida toda para estar aqui. Acordo sorrindo. Sonho com o dia que vamos começar a voar pra Belém. Para mim será um grande prazer participar do voo inaugural”, conclui.

“Quando criança eu adorava ter contato com as aeronaves, ver o desempenho dos comissários. Eu já sabia que era aquela profissão que queria para a vida”, afirma Falcão, natural de Belém do Pará e agora com endereço na capital paulista – ao lado do aeroporto de Congonhas, na cabeceira da pista. Com 18 anos, ele avisou a mãe sobre o desejo de ser comissário. Ouviu um “já sabia” como resposta, seguido de todo apoio e incentivo. Poucos anos depois veio a mudança para São Paulo, já com o curso de comissário concluído em sua cidade natal. “Priorizei minha formação. Em um ano em São Paulo me formei em espanhol e libras (linguagem para surdos), e alcancei o nível avançado de francês”, afirma Sergio, que já havia finalizado o curso de inglês em Belém. A decisão de trabalhar na Avianca também fora tomada há anos. Desde 2009, ele acompanhava o crescimento da companhia aérea e identificava-se com a filosofia da empresa. Quando chegou a hora de buscar emprego, as visitas ao escritório da Avianca passaram a ser frequentes. “Eu levava meu currículo a cada duas semanas. Fiz até amizade com as recepcionistas”, diverte-se. Hoje sua rotina é voar. “A melhor coisa do mundo é entrar na aeronave, receber os passageiros e tratá-los da melhor forma possível. Essa é a forma de mostrar o quanto eles são importantes pra mim e pra empresa”, conta o comissário, que esquece qualquer contratempo da vida a partir do momento em que entra na aeronave. “Sou muito feliz na Avianca e não a troco por nenhuma empresa. Temos o melhor clima de trabalho”.

avianca em revista

jan.14

· 105

#42 - Antonio Fagundes