Page 1

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE RIO TINTO

Sair da escola, em visitas de estudo ou “passeios”, na boca dos alunos, também é aprender, constituindo experiências muito enriquecedoras para todos, porque, sem a escola, um número significativo de alunos não teria possibilidade e

oportunidade de contactar com realidades culturais que, apesar de tão próximas, estão muito afastadas do seu quotidiano.

Março 2010

Ano XVII—Nº42 Nesta edição:

AVERT EM MOVIMENTO O AVERT está de boa saúde, jovem e dinâmico, saltitando a um ritmo alucinante para poder participar nas inúmeras actividades que são realizadas dentro da escola, bem como fora dela, deslocando-se, fre q ue nte mente, às instituições que promovem eventos e com os quais a escola estabelece parcerias, prejudicando o menos possível os tempos lectivos dos alunos e professores.

AVERT-VIRA A PÁGINA

fessores. Por isso, o seu interesse, empenho e, acima de tudo, o seu respeito são a melhor recompensa que podem dar àqueles que passam

A efectividade da escola no afecto

2

2010-Ano Internacional da Biodiversidade

3

Concursos no Avert 5

Novo Acordo Ortográfico

16

Música para quê?

22

A importância da Educação Artística

30

O Carnaval

47

Pontos de interesse especiais: • Projecto Educação Para a Saúde (pág.6)

Assim, é a pensar neles, nos alunos, e para eles que tudo é feito, porque eles são a razão de ser de uma escola, não devendo eles, os alunos, esquecer que também têm de retribuir àqueles dos quais depende o seu percurso escolar, os pro-

mais tempo útil com eles do que a própria família. Profª Cristina Vieira

• Comemorações do 1º Centenário da Implantação da República (pág.9)

• O que pensam os Pais e Encarregados de Educação (pág. 42)

• A celebração da “passagem”/”mudança” (pág.48)


A EFECTIVIDADE DA ESCOLA NO AFECTO Vai sair um novo número do nosso jornal. O jornal deve reflectir o nosso trabalho, deve dar uma imagem do que somos, de quem somos, do que fizemos e do que ainda gostaríamos de fazer. Deve ser, também, um momento de partilha dentro e para fora do Agrupamento. Devemos todos participar e colaborar na execução do jornal mas também na sua divulgação, de forma a aumentar o número dos que nos conhecem e do conhecimento do trabalho que desenvolvemos. Este período temos muitos motivos para festejar! De uma maneira geral os alunos tiveram um bom comportamento, do aproveitamos depois falaremos! A participação dos alunos do Agrupamento em vários projectos, concursos e actividades, levou a que conseguissem vencer os jogos municipais de protecção civil, que fossem eleitos em termos distritais como representantes à Assembleia da República, e também que conseguissem obter o terceiro lugar no 6º Campeonato Nacional de Jogos matemáticos, entre outras situações. Parabéns aos alunos e aos professores envolvidos! A Escola é um lugar para aprender, e nesse sentido, a medida do nosso e do vosso trabalho aparece nas notas que com o vosso empenho e interesse podem e devem melhorar muito mais. A Escola é também um lugar para aprender a ser CIDADÃO e, nesse âmbito, ainda temos todos

Página 2

muito trabalho a desenvolver. O respeito pelo outro, o respeito por nós próprios, a capacidade de aceitar e ajudar ainda tem que percorrer, em cada pessoa desta comunidade, um longo caminho. Neste contexto, os mais velhos têm mais obrigações quanto aos seus comportamentos e a obrigação de assumirem isso mesmo, mas também com o seu exemplo e acompanhamento ensinarem e orientarem os que de novo chegam. Daí a importância das atitudes de todos, pois é com o exemplo que mais se aprende e daí, também, a importância das equipas de apoio e vigilância. Ainda neste contexto, o pessoal não docente deste agrupamento tem o seu papel preponderante. Estão presentes, diariamente, nas aprendizagens dos que ainda percorrem as salas de aula. Dão o exemplo e fazem-no com respeito e dignidade. A eles também o muito obrigado pelo empenho no desenvolvimento dos nossos cidadãos responsáveis. A Escola, a Nossa Escola, é ainda e muito um lugar de afectos, e como diz o ditado (mil anos de saber) “ quem dá o pão dá a razão”, e, por isso, a Direcção não se abstém de intervir para elogiar e apoiar os alunos, mas também para intervir quando a situação assim o exige. Nos casos mais problemáticos é pugnado pelo envolvimento dos Pais e Encarregados de Educação, para além do habitual, sendo que só da acção conjunta e concertada podem ser esperados efeitos

positivos para os nossos alunos. Muitas coisas temos de bom, muitas outras temos vindo a melhorar mas ainda há um longo caminho conjunto a percorrer, para alcançar o melhor para todos. O Agrupamento promove inúmeras actividades que implicam o envolvimento e tempo dos docentes e não docentes e que só fazem sentido se os alunos nelas participarem. Assim, compete a cada um divulgar o que mais gosta junto dos colegas, como os clubes, o teatro, o centro de recursos, etc. Todos juntos podemos fazer mais e melhor, podem contar connosco, como quero poder contar convosco. O próximo ano ainda vai exigir mais de nós pois vamos ter obras para uma nova escola. E a Escola Nova não será só feita de tijolo e betão, mas de gente boa que quer ser melhor! A Directora: Aurora Vieira


FIM DO 1º PERÍODO EM FESTA O primeiro período terminou em alegria, com a Festa de Natal, de cujo programa constaram actividades musicais de canto e instrumentos; apresentação de um power point subordinado ao tema «Ecoescola», com o objectivo de sensibilizar toda a comunidade educativa para as questões ambientais, tendo sido apresentadas, também, actividades já dinamizadas e a desenvolver futuramente; nesse sentido, Os alunos e professores da E.B. 1 de Cabanas participaram no

concurso “O Verde na Nossa Árvore de Natal”, promovido pela Junta de Freguesia de Rio Tinto, tendo sido uma das escolas vencedoras, alcançando o 3º prémio. Seguidamente, subiu ao palco uma representação teatral «A família Gripe», adaptação de Lígia Bastos; seguiu-se a entrega de diplomas de mérito, por parte da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Avert, aos três melhores alunos das turmas do 6º ao 8º anos do ano lectivo de 2008/09, assim como a entrega de prémios aos alunos vencedores de vários concursos já realizados; houve ainda declamação de poemas e apresentação de números de dança.

Árvore Natal EB1 de Cabanas

2010—ANO INTERNACIONAL DA BIODIVERSIDADE

A Assembleia Geral da ONU declarou o ano de 2010 como o Ano Internacional da Diversidade Biológica, sendo o dia 22 de Maio o Dia Internacional da Biodiversidade. A campanha mundial de sensibilização para a salvaguarda da biodiversidade teve início em Montreal, no Canadá, com o tema “A biodiversidade é a vida. A biodiversidade é a nossa vida” – destacando o “papel crucial da natureza no apoio à vida na Terra, incluindo a nossa”. No âmbito desta iniciativa, a cidade de Montreal criou um Cen-

AVERT-VIRA A PÁGINA

tro de Investigação sobre a Biodiversidade, no Jardim Botânico, e um parque natural de 23 hectares no Monte Royal.

Em Setembro de 2010, haverá uma Assembleia Geral das

Segundo a ONU, a campanha pretende “celebrar a diversidade da vida na Terra e contrariar a perda da biodiversidade no mundo”, também Stavros Dimas, Comissário Europeu do Ambiente, diz que «Parar a perda de biodiversidade é uma absoluta prioridade para a UE e um objectivo essencial para a Humanidade».

Página 3


Nações Unidas, cujo tema será a biodiversidade, e que preparará a Cimeira da Biodiversidade de Nagoya, em Outubro de 2010, onde os governos definirão os objectivos e as etapas para contrariar a perda da biodiversidade. O ano terminará em Kanazawa, no Japão, em Dezembro de 2010 com uma cerimónia que marca o início do Ano Internacional das Florestas 2011. Os principais objectivos do plano de acção a nível internacional visam reforçar a importância de conservar a biodiversidade, tanto para o bem-estar do Homem como

para o desenvolvimento da economia, e consciencializar o maior número de pessoas possível.

dentro de cada espécie, entre as espécies e dos ecossistemas".

O que é a biodiversidade? Biodiversidade pode ser definida como a "variabilidade entre os organismos vivos de todas as origens, incluindo os ecossistemas terrestres, marinhos e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos dos quais fazem parte; compreende a diversidade

Principais ameaças à biodiversidade •

Mudanças na utilização dos solos, que fragmentam, degradam e destroem os habitats. Esta mudança de afectação deve-se, principalmente, ao crescimento demográfico e ao aumento do consumo por habitante, dois factores que irão intensificar-se no futuro e gerar maiores pressões.

Alterações climáticas, que destroem certos habitats e organismos, perturbam os ciclos de reprodução, obrigam os organismos móveis a deslocar-se, etc.

Outras pressões importantes são a sobreexploração dos recursos biológicos; a difusão de espécies alóctones invasi-

vas; a poluição do ambiente natural e dos habitats; a mundialização, que aumenta a pressão, devido ao comércio, e a má g o v e r n a ç ã o (incapacidade de reconhecer o valor económico do capital natural e dos serviços ecosistémicos).

PALESTRAS “RESÍDUOS URBANOS SÓLIDOS

No início do 2º período, realizaram-se as palestras “Resíduos urbanos Sólidos” para as turmas do 8º ano, no âmbito da disciplina de CFQ, dinamizadas pelas técnicas do Pelouro do Ambiente da C.MG. Esta entidade irá, no 3º período, desenvolver esta actividade nas turmas do 6º ano. Nas turmas do 7º e 9º anos serão também realizadas estas palestras pelos professores de CFQ. Profª: Alice Bertolo

Página 4


CONCURSOS NO AVERT Concurso “Reutilizar com imaginação” As turmas do 8º ano, no âmbito da disciplina de Ciências Físico-Químicas e as turmas do 6º ano, no âmbito de EVT, construíram trabalhos a partir da reutilização de materiais, visando temáticas ambientais, com o objectivo de realizar uma exposição com os melhores trabalhos e participarem no concurso promovido pela C.M.G que terminou a 26 de Fevereiro. A apresentação, na escola, destes trabalhos decorreu entre os dias 22 e 26 de Fevereiro, numa exposição realizada no CRE. Os

melhores trabalhos, um por turma, foram enviados para a C.M.G, para serem expostos a nível do Concelho, no auditório de Gondomar.

Profª:Alice Bertolo

Concurso “Escola Electrão” - Projecto Escola Electrão - Recolha de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE) O Concurso Escola Electrão tem como objectivo primordial sensibilizar e envolver professores, alunos, funcionários, pais e comunidade em geral, no esforço global da reciclagem e valorização dos resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE). As professoras Alice Bertolo e Belita Almeida dinamizaram este concurso que teve início a 19 de Janeiro e terminou a 5 de Fevereiro.

AVERT-VIRA A PÁGINA

No dia 26 de Janeiro, foi colocado o ponto escolaelectrão m e tálico para recolher os REEE de maiores dimensões. Terminado o período de participação, na vertente dinâmica do projecto Escola Electrão do Grupo A (existem três grupos), onde a nossa escola se insere, a escola conseguiu, com a colaboração da comunidade educativa, juntar a quantidade de 330 kg de REEE. A todos os colaboradores um muito obrigado pela participa-

ção. Ago r a aguardem o s p e l o s resultados, para saber se a escola será contemplada com prémios, já que serão distribuídos 11 prémios por cada Grupo (3 grandes prémios absolutos, 3 grandes prémios per capita e 5 prémios de incentivo). A revelação das escolas vencedoras e a atribuição dos prémios acontecerá em Junho de 2010, em dia a anunciar. Profª:Alice Bertolo Página 5


CONCURSO “FAZ PORTUGAL MELHOR” 2009/2010

Faz Portugal Melhor é um concurso organizado pelo jornal Ciência Hoje e pela Ciência Viva para o ano lectivo 2009-2010. Trata-se de um desafio aos jovens com vista ao desenvolvimento de projectos para melhorar a realidade escolar e social.

tuição de caridade, o Lar Evangélico Português, que colaborarão na distribuição de vestuário e de livros. Decidiu-se incluir livros na recolha dos bens, porque não só de pão vive o homem e para alertar para a importância da leitura como fonte de prazer e como fonte de cultura. É importante que cada criança reconheça o papel dos livros numa sociedade civilizada e solidária.

Assim, como a Escola E.B.2,3 de Rio Tinto se insere num meio económico-social desfavorecido, recebendo crianças oriundas de famílias desestruturadas e com carências económicas e afectivas e como a escola tem projecto aprovado para um novo edifício, foi considerada como prioritária a temática do voluntariado e da solidariedade, pelo que, as energias do agrupamento foram canalizadas para combater as necessidades básicas mais prementes, como a alimentação, o vestuário e a leitura.

Numa primeira fase, procurou-se desenvolver o projecto através de parcerias para dar um maior sentido ao mesmo e para ter uma maior visibilidade.

Para levar a cabo o projecto procurou-se sensibilizar todos os alunos, os professores e os funcionários da escola, estabelecendo algumas parcerias, nomeadamente com a Câmara Municipal de Gondomar que ajudará na distribuição de bens alimentares, com a Associação de Pais do AVERT e com uma insti-

Numa segunda fase, procedeu-se à angariação de vestuário e de livros, alertando para a necessidade de estes estarem em bom estado. Com a ajuda de todo o Agrupamento e da Associação de Pais, realizou-se uma pequena “Feira”, aberta a toda a comunida-

As professoras Alice Bertolo e Agostinha Gomes, juntamente com os alunos do Clube Comenius, organizaram uma acção de recolha de bens alimentares não perecíveis, que decorreu de 18 a 23 de Janeiro de 2010, para entregar às famílias mais carenciadas. A colaboração de professores, funcionários e alunos foi preciosa.

de, no dia 9 de Março, onde cada um dos visitantes pôde escolher o que mais lhe convinha, entre os bens recolhidos. Esta actividade pretendeu mostrar que aquilo que deixa de servir a cada um pode ser útil ou do agrado de outra pessoa, promovendo a partilha entre todos, podendo contribuir para colmatar algumas necessidades da “pobreza escondida”.

Os bens que não foram escolhidos serão doados ao Lar Evangélico Português. O produto final será um documentário sobre todas as acções realizadas, com algumas entrevistas à comunidade escolar. Concluindo, o sentido do projecto traduz-se na frase «Ser solidário é ter um gesto amigo para todos». Profªs:Alice Bertolo e Agostinha Gomes

Avert solidariza-se com os madeirenses Entre os dias 3 e 11 de Março, sob a coordenação da professora Alice Bertolo, responsável pelos Projectos de Desenvolvimento Educacional, decorreu uma campanha de recolha de roupa de cama, fraldas, edredão, entre outros, para Página 6

ajudar a população madeirense, em parceria com os CTT. Encheram-se onze sacos pretos, com cerca de 50 Kg, que foram entregues na estação dos correios de Rio Tinto pela professora Alice Bertolo e pela auxiliar da acção educativa Elisabete.

Agradece-se a todos os que colaboraram nesta campanha: professores, auxiliares da acção educativa, funcionários administrativos, encarregados de educação e alunos. Profª:Alice Bertolo


CONCURSO “AO SEPARAR, VAMOS TODOS GANHAR” Decorre desde o mês de Outubro o Concurso de separação de resíduos com o objectivo de aumentar a quantidade de resíduos enviados para reciclagem.

No final do ano lectivo, a escola que mais contribuir com papel e embalagens/por aluno terá direito a um prémio definido no Regulamento do Concurso. O con-

curso termina a dia 21 de Maio. Nas salas de aula existem contentores azuis e amarelos para realizar a separação de resíduos. Participa! Profª:Alice Bertolo

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA

Realizou-se no dia 15 de Dezembro, ao nível da escola, a 3ª edição do Concurso Nacional de Leitura que contou com a participação de dezanove alunos, tendo havido três vencedores: Sofia Moura Pinto Coelho do 8ºA, Ana Marta da Silva Bessa Brito do 8ºD, Sandra Inês Ribeiro Correia do 8ºC, que receberam como prémios livros. Todos os alunos participantes receberam também uma pequena lembrança e um certificado de participação. Os alunos vencedores participaram na Fase Distrital, organizada pela Biblioteca Municipal Almeida Garrett do Porto, onde estiveram presentes, no dia 3 de Março, para realizarem a prova escrita subordinada às obras seleccionadas para o efeito e que foram Os da Minha Rua de Ondjaki e Raparigas de Agustín Fernandéz Paz. «Desastroso, um dia desastroso! Será que este ano lectivo não acaba de uma vez por todas? Nunca

AVERT-VIRA A PÁGINA

desejei tanto que chegassem as férias, para poder fazer uma espécie de borrão e conta nova, e começar o novo ano de uma maneira diferente. Porque agora a única coisa que me agradaria era meter-me na cama, tapar-me bem com os lençóis e não acordar durante vários dias; fazer como se o sol não nascesse e eu pudesse estar aqui, na cama-refúgio, até me sentir bem comigo mesma. Mas não é possível. Amanhã terei que voltar às aulas e ver o Miguel a derreter-se com a Milena, sorriso para cá, sorriso para lá como se fossem passarinhos.» Da contracapa

Quem é Agustín Fernandéz Paz? Agustín Fernandéz Paz é um autor galego que nasceu em 1947, em Vilalba, Lugo, na Galiza, licenciado em Ciências da Educação, gostando de ouvir histórias dos livros, das salas de cinema e dos teatros ou da televisão. Os livros tiveram uma presença decisiva, no percurso do autor, desde a sua infância, considerando que as palavras têm a for-

ça necessária para mudar o mundo e que os livros são imprescindíveis para ajudar o homem a sonhar e a viver. Embora prefira ler o que os outros escrevem, Agustín também gosta de inventar histórias e contálas, escrevendo-as, por isso já tem uma lista de 50 obras publicadas, havendo apenas quatro livros seus traduzidos em português: O Laboratório do Doutor Nogueira, O Centro do Labirinto, Raparigas e Só resta o Amor. Agustín Fernandéz ganhou o Prémio Nacional de Literatura Infantil e Juvenil de Espanha, em 2008. Há espaços que são sempre nossos. E quem os habita, habita também em nós. Falamos da nossa rua, desse lugar que nos acompanha pela vida. A rua como espaço de descoberta, alegria, tristeza e amizade. Os da Minha Rua tem nas suas páginas tudo isso. Ondjaki Página 7


Quem é Ondjaki? Ondjaki é o pseudónimo literário de Luís Bernardo Honwana, jovem Ndalu, que significa «aquele que enfrenta desafios». O autor lusófono nasceu em Angola, em 1977, tendo-se licenciado em Sociologia, em Lisboa. Este jovem escritor descreve, como ninguém, a geração nascida após a independência do seu país, sendo também um ficcionista

e poeta, com participação em antologias internacionais (Brasil, Uruguai e Portugal) e vencedor de vários prémios literários em Portugal e Angola, integra, também, a União de Escritores Angolanos. Ondjaki é ainda um artista plástico, na área da pintura, tendo realizado já duas exposições individuais, em Angola e no Brasil, e interessa-se, também, pela representa-

ção teatral, tendo feito teatro amador durante dois anos e um curso profissional de interpretação teatral, em Portugal.

3º CAMPEONATO CONCELHIO DE ORTOGRAFIA DAS ESCOLAS DE GONDOMAR Realizou-se, no dia 26 de Janeiro, a segunda prova do Campeonato de Ortografia, cujo exercício principal foi um ditado, com a participação de 10 alunos, que receberam um certificado de participação. Os três primeiros classificados foram a aluna Marlene Sofia Sousa Santos, da Escola Secundária de Gondomar, o aluno Rui Nuno Fonseca, da Escola EB 2/3 de Rio Tinto e a aluna Joana Ferreira Tei-

xeira, da Escola EB 2/3 de Frei Manuel da Santa Inês, respectivamente. Os alunos vencedores receberam como prémio um dicionário da língua portuguesa da Porto Editora e um livro. Depois de Terra Sonâmbula estas estórias fazem regressar o imaginário moçambicano pela mão de Mia Couto. Se o romance deste autor moçambicano nos transportou para o universo trágico da guerra, estas breves

histórias são flagrantes do renascer do país, depois da assinatura do Acordo de Paz. Reúnem-se aqui contos, alguns já publicados em jornal, em que se inscreve o mesmo estilo e a mesma capacidade de sonhar já consagrados em anteriores obras…da contracapa

CAPITAL MUNDIAL DO LIVRO A iniciativa cultural Capital Mundial do Livro, lançada pela Unesco em 2001, tem como objectivo promover o livro, a leitura e combater a iliteracia. As cidades que acolhem o evento a partir do dia 23 de Abril de cada ano, dia em que se celebra o Dia Mundial do Livro, são escolhidas pela Unesco, pela União Internacional de Editores, pela Federação Internacional de Livreiros e pela Página 8

Federação Internacional das Associações de Bibliotecários e Bibliotecas. Para este ano, 2010, foi escolhida a capital da Eslovénia Liubliana

Unesco, "o desafio da candidatura de Lisboa foi assumido após a ideia ter sido bem acolhida pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) e pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL)".

Por sua vez, a cidade de Lisboa é candidata a Capital Mundial do Livro da UNESCO para 2013. Segundo Manuel Maria Carrilho, embaixador português junto da

A candidatura prevê a elaboração de um programa extenso de actividades para o ano de 2013, associadas à promoção do livro e da leitura.


INÍCIO OFICIAL DAS COMEMORAÇÕES DO 1º CENTENÁRIO DA IMPLANTAÇÃO DA REPÚBLICA EM PORTUGAL No dia 31 de Janeiro, no Porto, teve início a abertura oficial das comemorações do Centenário da República que decorrerão a partir da referida data até à celebração do centenário da primeira Constituição republicana, em Agosto de 2011. Com estas comemorações pretende-se evocar, historicamente, os acontecimentos que levaram à implantação do regime republicano, honrar a memória de todos aqueles que por ele lutaram, promover o aprofundamento e a divulgação de conhecimentos sobre a história da República, contribuir para uma maior consciencialização das práticas cívicas e de aproximação entre os cidadãos e a política.

desenvolvimento de projectos no âmbito das comemorações do Centenário da República.

A evocação e a celebração da primeira revolta republicana em Portugal, que ocorreu em 31 de Janeiro de 1891, foi uma das actividades do preenchido e diversificado programa da Comissão Nacional para as Comemorações do 1º Centenário da Implantação da República, do qual constavam também inauguração de exposições, concertos de música, representações teatrais, palestras, entre outras, tendo estado presente o Senhor Presidente da República.

Recorde-se que o tema aglutinador do Projecto Educativo do Avert para o presente ano lectivo é As Comemorações do Centenário da República. Assim, nesse âmbito, continuaram a desenvolver-se algumas actividades no decorrer do 2º período. O Grupo de História do 3º Ciclo evocou duas datas históricas relacionadas com este período tão importante da História de Portugal, recorrendo a dois folhetos explicativos dirigidos às turmas do 2º e 3º ciclos: “ A revolta de 31 de Janeiro de 1891” e “O assassinato do rei D. Carlos, em 1 de Fevereiro de 1908”.

A Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República lançou um site Web para a comunidade escolar em http:// centenariorepublica.pt/escolas, disponibilizando informação histórica da I República e do republicanismo, assim como sugestões para o

Os alunos do Clube de História do 3º ciclo expuseram no Centro de Recursos alguns trabalhos relacionados com personagens relevantes da política e cultura da época. Os alunos partiram também para a descoberta de aspectos importantes do ambiente sócio-

AVERT-VIRA A PÁGINA

económico e cultural do período republicano, valorizando-se a pesquisa através de várias fontes históricas. Está prevista a realização de outras actividades com a participação de diversos Grupos Disciplinares e outras Escolas do Agrupamento que mostraram disponibilidade para se associarem a estas celebrações, partilhando conhecimentos e experiências. A mensagem fundamental a transmitir diz respeito à herança plena de valores e ideais que a República nos deixou e que perdurou até aos nossos dias. A defesa desses valores continua a ser imprescindível na nossa sociedade actual e é condição necessária para o desenvolvimento pessoal dos nossos jovens. Grupo História-3ºCiclo

Página 9


A REVOLTA DE 31 DE JANEIRO DE 1891 No dia 31 de Janeiro de 1891, na cidade do Porto registou-se um levantamento militar. Este foi o primeiro movimento revolucionário que teve por objectivo a implantação do regime republicano em Portugal. Os participantes manifesta-

Paz dos Reis, Sampaio Bruno, Basílio Teles, entre outros.

objectivo de tomar a estação de Correios e Telégrafos.

A revolta tem início na madrugada do dia 31 de Janeiro, quando o Batalhão de Caçadores nº9, liderados por sargentos, se dirige para o Campo de Santo Ovídio.

No entanto, o festivo cortejo foi bruscamente interrompido por uma forte carga de artilharia e fuzilaria da Guarda Municipal, posicionada na escadaria da igreja de Santo Ildefonso, no topo da rua, vitimando indistintamente militares revoltosos e simpatizantes civis.

Os revoltosos descem a Rua do Almada, até à Praça de D. Pedro, onde, em frente ao antigo edifício da Câmara Municipal do Porto, ouviram Alves da Veiga proclamar o governo provisório da República, e hastear uma bandeiravermelha e verde.

vam-se contra as cedências do governo e da Coroa ao Ultimatum Inglês. As figuras cimeiras da "Revolta do Porto" foram o capitãoLeitão, o alferes Malheiro, o tenente Coelho, o dr. Alves da Veiga, o actor Verdial e Santos Cardoso, além de vultos eminentes da cultura como João Chagas, Aurélio da

Com fanfarra, foguetes e vivas à República, a multidão decide subir a Rua de Santo António, em direcção à Praça da Batalha com o

MATARAM O REI 1 de Fevereiro de 1908 A 1 de Fevereiro de 1908, no regresso de mais uma estadia em Vila Viçosa, o rei D. Carlos e o príncipe herdeiro D. Luís Filipe, são assassinados em pleno Terreiro do Paço. De um só golpe, Costa e Buiça, decapitavam a monarquia portuguesa, deixando o trono nas mãos do pouco preparado D.

Página 10

Manuel, sem capacidade nem margem de manobra para gerir uma situação política explosiva que culminaria com a queda da monarquia e a implantação da República a 5 de Outubro de 1910. Grupo História-3ºCiclo

Os revoltosos foram julgados por Conselhos de Guerra, a bordo de navios de guerra, ao largo de Leixões. Para além de civis, foram julgados 505 militares. Seriam condenados a penas entre 18 meses e 15 anos de prisão mais de duzentas pessoas. Em memória d e s t a revolta, logo que a República foi implantada em Portugal, a então designada Rua de Santo António foi rebaptizada para Rua 31 de Janeiro.


A ESCOLA VAI AO TEATRO contracção e maior animação.

Auto da Barca do Inferno em Perafita

No dia 1 de Fevereiro, as turmas do 9º Ano assistiram à peça Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, encenada pela companhia de teatro O Sonho, com a duração de uma hora e quinze minutos. Na minha opinião, a encenação do texto foi bem conseguida. Os actores eram bons, não se notando que, por vezes, um actor fazia mais do que uma personagem. O cenário, embora simples, era representativo da história, pois, tal como esperava, apenas estavam

representadas as duas barcas, o Anjo, o Diabo e as restantes personagens. Notei diferença na ordem de entrada, em cena, das personagens, embora tal não tenha influenciado a acção, pois, tal como no texto original, a peça iniciou-se com a entrada do Fidalgo, após o companheiro, e terminou com os Quatro Cavaleiros. Quanto ao som e ao vestuário, achei que estavam adequados, apontando como momento alto a interacção dos actores com o público, momento de grande des-

Concluindo, acho que a ida ao teatro contribuiu para uma melhor compreensão da obra e para um aprofundamento da relação entre colegas e entre os professores e os alunos. Luís Pedro Soares, Nº15, 9ºA

Falar Verdade a Mentir de Almeida Garrett No passado dia 5 de Fevereiro, realizei uma visita de estudo, no âmbito da disciplina de Língua Portuguesa, em que assisti à encenação da obra de Almeida Garrett Falar Verdade a Mentir, representada pela companhia de teatro O Sonho. O espectáculo teve uma duração de cerca de uma hora e quinze minutos. A representação da obra acima referida agradou-me bastante, uma vez que correspondeu, na totalidade, à ideia que criara ao ler a obra. Gostei do trabalho de todos os actores, no entanto, aquele que mais me agradou foi o que representou a personagem de Duarte, porque representou, na perfeição, o papel de mentiroso que Almeida Garrett expôs na sua obra original.

AVERT-VIRA A PÁGINA

Também me agradou bastante a interacção dos actores com elementos do público. Achei divertido e espontâneo o improviso dos actores. Tenho de salientar, igualmente, a qualidade dos cenários e do vestuário dos actores. Tanto uns como outros fizeram-nos transpor para a época em que se desenrolou a história encenada. Esta visita de estudo contribuiu imenso para o meu enriquecimento pessoal e suscitou-me uma vontade acrescida de repetir a

experiência e voltar a ver este tipo de espectáculos. João Pedro Alves,nº12, 8ºA

Página 11


O CAVALEIRO DA DINAMARCA DE SOPHIA DE MELLO BREUNER ANDRESEN

No dia 21 de Janeiro de 2010, as turmas do 7º ano da Escola E.B. 2/3 de Rio Tinto foram ao teatro ver “O Cavaleiro da Dinamarca”. Nessa quinta-feira estávamos todos ansiosos para assistir ao espectáculo. Partimos à 13:30min. A viagem no autocarro foi muito agradável: ouvimos música, contámos anedotas e rimo-nos das palhaçadas de alguns alunos. Passado algum tempo, chegámos a Perafita e saímos do autocarro muito apressados, porque queríamos apanhar bons lugares! Entrámos no teatro e vimos um elemento da companhia «O

Sonho» em cima do palco. Ele deunos algumas informações importantes. De seguida, apagaram-se as luzes. Entraram três actores a correr, foi muito gira a entrada! Acenderam-se as luzes e… os “Scapino

“entraram em acção. Eles apresentaram-se e narraram a história. Houve momentos muito engraça-

dos! Eu gostei principalmente deles, pois foram mesmo divertidos. Os “Scapino” eram actores da Comédia Dell’ Arte; eles e outros actores deram vida à história. Depois de 1h 30 minutos de pura diversão, tivemos que sair da sala, pois a peça tinha acabado. Cá fora, enquanto esperávamos pela camioneta, ouviram-se muitos comentários; uns bons e outros menos bons, mas, na minha opinião, foi muito boa a peça. Resumindo e concluindo foi uma tarde em cheio! Cristiana Alves nº5 7ºB

O RAPAZ DE BRONZE DE SOPHIA DE MELLO BREUNER ANDRESEN

No dia 29 de Janeiro de 2010, fui a uma visita de estudo com a minha turma, 6ºD. Fomos ao teatro Sá da Bandeira, no Porto, ver a peça “No jardim do Rapaz de Bronze”, representada pela companhia de teatro Actus. Fomos de camioneta pela marginal do rio Douro. Passámos por cinco pontes: a Ponte do Freixo, a Ponte S. João, a Ponte D. Maria Pia, a Ponte do Infante e a Ponte D. Luís. À entrada do túnel da Ribeira, observámos o painel de azulejos “Ribeira Negra” feito por Júlio Resende. Finalmente, chegámos ao teatro Sá da Bandeira. Enquanto esperávamos, observámos o café Brasileira.

Página 12

Quando o teatro abriu, fomos para a sala. Era uma sala muito antiga com muitos pormenores decorativos; as cadeiras eram em pele e as paredes eram douradas e brancas. O cenário da peça não tinha muitos pormenores, mas os actores estavam muito bem caracterizados, conforme a sua personagem. A parte de que eu mais gostei foi quando houve a festa e as flores entraram numa grande dança até ao nascer da manhã. O público delirou. Gil Castro,Nº9, 6ºD Andreia Pinto, 6ºD


A HISTÓRIA DO RAPAZ DE BRONZE A obra “ O Rapaz de Bronze “ foi escrita por Sophia de Mello Breyner Andresen e ilustrada por Júlio Resende.

clareira, à noite, tinha música, dança, uma orquestra, muita decora-

Eu gostei desta história, porque fala de flores muito bonitas que falam, e de uma estátua feita de bronze.

ção… Foi uma grande festa! Quando começou a amanhecer, a festa acabou e a as flores voltaram para os seus sítios habituais e o rapaz de bronze levou a Florinda até ao seu quarto. Recomendaria este livro, porque é uma história interessante e inspiradora com imagens muito bonitas.

Uma vez, uma flor teve a ideia de dar uma festa e convidarem todas as flores, o rapaz de bronze e a Florinda, a filha do jardineiro da quinta. Fizeram a festa na

Pedro Miguel, Nº 18, 6ºD

E Ainda o Rapaz de Bronze... “Rapaz de Bronze” é uma obra da autoria de Sophia de Mello Breyner Andresen. Uma escritora que relembra, da sua infância e juventude, a importância das casas e aplica essa lembrança nas suas obras. Também na obra “Rapaz de Bronze” é referida uma casa lindíssima, com um jardim enorme que é o local onde se passa a narrativa. Um jardim onde existem variadíssimas e belas plantas que têm vida e

personalidades diferentes que é, na minha opinião, o que torna a história divertida. É uma obra bastante interessante e que nos ensina várias curiosidades e permite partir da realidade para a imaginação. Por outro lado, da imaginação voltamos à realidade, pois a sua semelhança com o mundo dos homens é incrível! Isa Sousa, Nº 10, 6º D

Exposição A Menina do Mar Com o objectivo de encerrar o estudo da obra do PNL «A Menina do Mar» de Sophia de Mello Breyner Andresen, realizou-se uma exposição, no polivalente da nossa Escola, de 23 de Fevereiro a 2 de Março. Os trabalhos realizados pelos alunos das turmas: 5ºA, B, C, D, F, G e H e duas turmas do 1º Ciclo de Escola de Alto de Soutelo

AVERT-VIRA A PÁGINA

foram apresentados em powerpoint e afixados num placar. Complementou-se esta exposição com a utilização de materiais reais ( areia, conchas …) e animais marinhos elaborados pelos alunos, assim como a audição de ambientes sonoros aquáticos. Foi possível esta concretização, articulando as actividades desenvolvidas nas disciplinas de Língua Portuguesa, Ciências da

Natureza, Educação Musical e Educação Visual e Tecnológica. Desta exposição ainda fizeram parte cartazes alusivos à visita de estudo à ELA- Estação Litoral da Aguda e ao Projecto «Ciência Viva – ecossistemas marinhos». Profªs: Natália Correia e Odete Gandarela

Página 13


As nossas opiniões sobre a Menina do Mar e algumas adivinhas Gostei muito desta história, porque achei interessante a amizade que a menina do mar estabele-

A mim, o que mais me impressionou foram os sentimentos que o menino foi demonstrando ao longo desta história, nomeadamente os sentimentos demonstrados do excerto em que o menino sacrificou a sua vida para salvar a menina dos polvos que a queriam levar de volta para as profundezas do oceano.

Ora adivinha lá!

Vivo no mar mas tenho irmãs no céu . Quem sou eu? R: Sou a Estrela. Adoro brincar, correr e saltar. Nada mais sei fazer , mas sou o melhor amigo da menina do mar. Quem sou eu? R: Sou o Peixe.

ceu com um humano, o rapaz, uma vez que estava habituada a conviver com elementos do seu meio. Gostei desta história porque retrata dois sentimentos comuns aos humanos: a saudade e amizade, presentes nas personagens principais: a menina e o rapaz.

5ºA

Joana Moreira, 5ºC

Rafaela Pinto,5ºC

RESUMO DA HISTÓRIA Era uma vez um rapaz que vivia numa casa à beira-mar. Ele gostava muito de brincar nos rochedos e de sentir o cheiro das algas. Numa certa noite, houve uma enorme tempestade, mas, no dia seguinte, o tempo estava muito calmo. Então o menino resolveu ir passear junto das poças de água e ouviu, de repente, umas risadas. Assim descobriu a Menina do Mar, o peixe, o polvo e o caranguejo. Passado algum tempo eles tornaram-se grandes amigos e encontravam-se todos os dias, no mesmo rochedo, conversando

Página 14

sobre coisas da terra e do mar. Quando a Raia descobriu, castigou a Menina e levou-a para muito longe. Entretanto o rapaz sentia uma grande tristeza, mas um dia encontrou uma gaivota, enviada pelo Rei do Mar, que o ajudou e um golfinho que o levou até à gruta, onde estava a Menina e os seus três amigos. Todos ficaram muito felizes. Finalmente houve uma grande festa, no fundo do mar, e a Menina dançou melhor do que nunca. O rapaz ficou a viver para sempre junto dos seus amigos, tornando-se assim o Menino do Mar.

Alunos do 5.ºA


XXVIII Olimpíadas Portuguesas de Matemática A 2ª eliminatória das XXVIII Olimpíadas Portuguesas de Matemática realizou-se no dia 11 de Novembro de 2009, nesta escola. O vencedor da categoria A foi o aluno João Pedro Nogueira, nº 10, da turma D, do 8º ano, tendo sido convocado para a 2ª eliminatória desta

competição, que se realizou no Externato Camões, em Rio Tinto, no dia 13 de Janeiro de 2010. A prova da 2ª eliminatória foi difícil, mas estivemos muito bem representados. Agora só temos de aguardar para saber se o João vai à final. Esta realizar-se-á de 25 a 28

de Março de 2010, na Escola Básica de 2º e 3º Ciclos Santa Clara, em Évora. Boa sorte, João! Profªs: Gracinda Lima e Isabel Silva

Concurso de “Cartas Tio Papel” O Concurso de “Cartas Tio Papel”, realizou-se no dia 18 de Dezembro de 2009, das 9h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30, na Sala de Matemática, sob a vigilância das professoras Gracinda Lima e Isabel Silva. Cada turma pode inscrever 3 alunos. Com os alunos inscritos de cada uma das turmas, formaram-se grupos do mesmo nível de escolaridade que disputaram o respectivo jogo de cartas. Participaram nesta actividade 46 alunos, distribuídos pelos cinco jogos: Tabuada da Multiplicação, Expressões Numéricas, Fracções Equivalentes, Números Negativos, e

Polinómios, destinados a alunos dos 5º, 6º, 7º, 8º e 9º anos, respectivamente. O João Pereira, do 5º D, o José Santos, do 6º A, a Joana Barbosa,

Todos os alunos participantes receberam um certificado de participação e o vencedor de cada ano recebeu um pequeno prémio oferecido pela Porto Editora.

do 7º D, a Sandra Correia, do 8º C, e o João Ferreira, do 9º B, foram os grandes vencedores.

Silva

Profªs: Gracinda Lima e Isabel

Educação Física—Desporto Escolar—Actividade Interna Realizaram-se até ao momento os seguintes torneios, com os resultados que se seguem nas respectivas finais: VOLEIBOL -9º ano Fem. - 9ºA-9ºB: 2518 VOLEIBOL- 9º ano Masc. 9ºD 9ºB: 25-11 VOLEIBOL -8º ano Fem. 8ºA-8ºC: 25-08 VOLEIBOL -8º ano Masc. 8ºE-8ºD:25-22 BASQUETEBOL-7ºano Fem.7ºG- 7ºF:1606; 7ºF-7ºD: 30-10; 7ºG-7ºD: 28-10 (campeão 7ºG)

AVERT-VIRA A PÁGINA

BASQUETEBOL-7ºano 20-02

Masc.7ºG-7ºF:

VOLEIBOL - 6º ano Fem. 6ºE-6ºF: 25-15 VOLEIBOL- 6ºano Masc. 6ºB-6ºD: 25-13 * A negrito, as turmas campeãs. * Ainda no 2º período realizam-se os torneios de Futebol Feminino e Masculino para o 5º ano. * Aproveitamos para apelar a todos os participantes nos torneios inter-turmas (alunos atletas/alunos público), que cumpram as regras do espírito despor-

tivo e do fair-play, aplaudindo todas as equipas (arbitragem incluída) e aceitando os resultados desportivos, uma vez que todos são importantes para a sua realização. Bom trabalho; bons resultados escolares e desportivos. Saudações desportivas Prof. Francisco Carvalho

Página 15


ENTRADA EM VIGOR DO NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO COM LUZ AO FUNDO DO TÚNEL Portugal e o Brasil têm revelado, desde o início do século XX, intenção de uniformizar e simplificar a ortografia de ambos os países, sem, contudo, chegarem a consensos simultâneos. Andando a reboque um do outro, vão sendo promulgadas alterações, ora em Portugal ora no Brasil, com o objectivo de reduzir as divergências ortográficas existentes entre as normas dos dois países. Assim, aquilo que está em vigor é o Acordo Ortográfico de 1945, sem ter entrado em vigor, no Brasil, que continuou a reger-se pelo Formulário Ortográfico de 1943, com as várias alterações que foram introduzidas em 1971 e 1973, para o Brasil e Portugal, respectivamente. Em 1990, a Academia Brasileira de Letras e a Academia das Ciências de Lisboa, elaboram a base do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa que deveria entrar em vigor a 1 de Janeiro de 1994, após a ratificação por parte de todos os países de língua oficial portuguesa, sete à data, Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, Contudo, em 1995, apenas três países ratificam o acordo, Portugal, Brasil e Cabo Verde, pelo que, em 1998, na cidade da Praia é assinado o Protocolo Modificativo do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa do qual se retira a data de implementação, mantendo-se a obrigatoriedade do mesmo ser ratificado por todos os membros da CPLP (Comunidade de Países de Página 16

Língua Portuguesa). Com a independência de Timor-Leste, em 2002, este passa a integrar a CPLP. Em 2004, os ministros da Educação dos vários países da CPLP reúnem-se em Fortaleza, no Brasil, para aprovarem o Segundo Protocolo Modificativo do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, segundo o qual, bastava a ratificação de três membros para que o Acordo Ortográfico entrasse em vigor. Assim, em 2006, Brasil, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe ratificam o documento e em 2008 o Acordo Ortográfico de 1990 é aprovado por Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe, Brasil e Portugal, sendo esperada a sua implementação no início de 2010. No Brasil, o Acordo Ortográfico entrou em vigor em 2009, não tendo sido ratificado ainda por Angola nem por Moçambique. Em Portugal, foi anunciado recentemente pela Ministra da Educação que o mesmo entraria em vigor no ano lectivo de 2011-2012.. O texto do Acordo Ortográ-

fico de 1990 unifica, ortograficamente, cerca de 98% do vocabulário geral da língua. As alterações de conteúdo afectam, sobretudo, o caso das consoantes mudas ou não articuladas, o sistema de acentuação gráfica, especialmente das esdrúxulas e a hifenização. Acrescente-se ainda que em relação à ortografia portuguesa se privilegiou mais o critério fonético (ou da pronúncia) em detrimento de um critério etimológico (origem da palavra). Aliás, é o critério da pronúncia que determina a supressão gráfica das consoantes mudas. Para dar a conhecer estas e outras alterações previstas no Acordo Ortográfico, a equipa da BE/CRE, através das professoras Agostinha Gomes e Benedita Bruxela, dinamizou, no passado dia 26 de Janeiro, uma acção de formação subordinada ao referido acordo, para todos os docentes do Departamento de Línguas.


DIA EUROPEU DA INTERNET SEGURA Assinalou-se, no passado dia 9 de Fevereiro, o Dia Europeu da Internet Segura. Este dia é organizado anualmente pela rede de cooperação internacional Insafe que tem como principal objectivo promover e consciencializar para uma utilização mais segura da Internet. Quer estejamos a dar ainda os primeiros passos na Internet, quer já estejamos há muito habituados a utilizá-la, enquanto navegamos na Internet, apesar de mantermos uma atitude consciente, podemos ser alvos fáceis a atingir se não tomarmos as devidas precauções e se não estivermos informados. Hoje em dia é bom estarmos atentos a pequenos gestos que podem fazer a diferença no mundo virtual. Com o objectivo de comemo-

rar este dia, a nossa escola participou num desafio lançado pela Direcção Regional de Educação do Norte. Neste desafio os participantes deram continuidade e desenvolveram uma narrativa a partir de um caso concreto, em que estava implícita uma situação eventualmente insegura. As histórias criadas pelos nossos alunos já estão publicadas em livros digitais e podem ser consultadas em http://w3.dren.minedu.pt/gm/. Paralelamente, durante a semana de 8 a 12 de Fevereiro, a equipa do projecto Seguranet lançou outro desafio, tendo como ponto de partida a análise e reflexão

em torno de seis alertas (chat e anti-vírus; e-mail com anexos; pesquisas na Net; encontros presenciais; vídeos no telemóvel; e toques grátis). Este desafio foi proposto a algumas turmas, na aula de TIC. O objectivo foi colocar os alunos perante situações reais que ocorrem com alguma frequência, quando usam o computador e a Internet e, depois de reflectir, responder à questão: “O que farias?”. Com estas iniciativas, preten-

deu-se proporcionar um espaço de reflexão e uma tomada de consciência das potencialidades e possíveis riscos na utilização da Internet. Profª Joana Moreira

AS BIBLIOTECAS DIGITAIS E LER NA INTERNET

A Biblioteca Nacional Digital, um departamento da Biblioteca Nacional de Portugal, disponibiliza já cerca de 10500 títulos em formato electrónico (http: //purl.pt/) e irá colocar on-line, durante este ano, todo o espólio de Fernando Pessoa. A BND disponibiliza documentos dos espólios de José Saramago, Antero de Quental, Camilo Pessanha, Camilo Castelo Branco, Alexandre Herculano e Eça de Queirós.

AVERT-VIRA A PÁGINA

O site do Clube de Leituras ( www.e-livros.clube-de-leituras.pt) disponibiliza uma biblioteca de livros digitais interactivos.

Através deste site, as crianças podem começar a desenvolver, desde tenra idade, o gosto pessoal pela literatura

Os livros seleccionados prendem-se com princípios e valores fundamentais para a formação pedagógica. Cada livro é acompanhado de áudio de forma a que as crianças que ainda não sabem ler possam ouvir as histórias.

Página 17


CELEBRAÇÃO DO AMOR—14 FEVEREIRO Se a tradição já não é o que era, o amor, esse continua a ser celebrado e, uma vez mais, ele foi enaltecido através das três línguas leccionadas na escola: português, inglês e francês. A língua portuguesa evocou a tradição dos “lenços dos namorados” através da realização de quadras que foram ilustradas à semelhança dos referidos lenços, tendo sido ainda realizados outros trabalhos que versavam o amor e a amizade.

se o início de uma ligação amorosa.

HISTÓRIA DOS “LENÇOS DOS NAMORADOS” OU “LENÇOS DE PEDIDOS”

A tradição dos “lenços de namorados” é uma tradição minhota de celebração ao amor e paixão que tinha como fim a conquista do namorado. A sua origem remonta, provavelmente, aos lenços senhoris do século XVII/XVIII, adaptados pelas mulheres do povo, conferindo-lhes um aspecto popular característico. Estes lenços faziam parte do trajo feminino e, para além da

função decorativa, serviam, também, para conquistar o namorado. Quando a moça estava em idade de casar, confeccionava o seu lenço bordado, geralmente quadrado, de linho ou de algodão, aproveitando os seus conhecimentos de ponto de cruz. Depois de bordado, o lenço ia ter às mãos do “namorado” ou “conversado” e em função deste o usar ou não publicamente, decidia-

La saint valentin A língua france- ceses, alusivas sa marcou o dia amor, a cargo com a distribui- alguns alunos. ção de frases escritas em francês e respectiva tradução, de autores franPágina 18

ao de

Inicialmente, em vermelho e preto, foram dando origem a uma grande quantidade de cores e com elas novos motivos decorativos se impuseram, tornando-se ainda mais expressivos, acompanhados de quadras de gosto popular dedicadas àquele a quem era dirigida, o amado. Nestes lenços destaca-se a incorrecção da escrita, fruto do reduzido grau de instrução, porque muitas bordadeiras não sabiam ler nem escrever, limitando-se a copiar as letras e as palavras de marcadores previamente elaborados e já copiados de outros.


ST.VALENTINE’S DAY Quanto à língua inglesa, foram realizados trabalhos individuais e colectivos sobre o amor: alunos do 5º ano pesquisaram e seleccionaram algumas das mais belas letras de canções de amor em inglês; as turmas de 6º ano e do 3º ciclo produziram rimas sobre esta festividade, “St. Valentine’s Day”. Os melhores trabalhos ficaram expostos no átrio de entrada da escola, tendo os restantes sido afixados nas salas de aula.

data, tendo elaborado uma das his-

Também o Clube de Inglês se associou à comemoração desta

tórias que explicam esta tradição. Nessa versão, esta tradição relaciona-se com um festival dedicado ao deus Lupercus e à deusa do amor, Juno, também conhecida como deusa das mulheres e do casamento. O feriado de 14 de Fevereiro era dedicado a Juno e no dia seguinte começava o “Festival de Lupercalia”. Os meninos tiravam à sorte, de um vaso, um nome de menina, tornando-se parceiros durante o festival. Estes pares dançavam e brincavam juntos e, às vezes, acabavam por casar.

O AMOR NA BE/CRE

A BE/CRE não esqueceu, também, o Amor nem a Amizade, realizando uma exposição com As mais belas frases das canções de amor que foram seleccionadas pelos alunos, tendo convidado os docentes a ouvir algumas das

mais belas canções de amor, acompanhadas pela projecção de imagens sugestivas; foram elaborados ainda marcadores com algumas das frases mais apelativas das letras ouvidas.

A Amizade Amizade a sério, há muito que não tinha. Maravilhosa é a amizade que eu sinto por outras pessoas. Imagino-me num mundo onde a amizade não exista. Zangada sigo as pegadas que vocês deixaram em mim. Amigos foi o que tive e gosto de ter. De onde estes vieram, espero que venham muitos mais. Encontro-me agora com todos aqueles que me deixaram seguir os meus sonhos. Rita da Silva nº 24 7ºC

AVERT-VIRA A PÁGINA

Página 19


O INVERNO VISTO PELOS ALUNOS O Inverno é como uma pessoa vestida de branco. A neve que cobre as casas tem algumas vantagens: fazemos bonecos de neve e batalhas de bolas de neve. É muito divertido! Mas também tem desvantagens: há muito frio e não conseguimos ir a quase lado nenhum! Às vezes pode ser um aborrecimento…

O que tem de bom é que ficamos em frente à lareira ou ao aquecedor, muito confortáveis e quentinhos.

Não podemos ficar à chuva porque ficamos constipados, ou engripados, mas também é muito giro ver a água a cair no chão. E a música que faz… É pena anoitecer tão depressa e ficar tanto frio, por-

que assim não podemos ir para a rua brincar com os nossos amigos.

O Inverno é para mim,

Cheio de magia,

Uma estação divertida,

Ele vai ficar,

Pois põe uma criança,

Pois o Natal,

Alegre e extrovertida.

Está a chegar.

Alegre e extrovertida,

Com o Natal a chegar,

Ela vai estar,

A coisas a preparar,

Porque na neve,

Comprar os presentes,

Poderá brincar.

Para muita emoção entregar.

Brincando na neve,

Acabando o Natal,

Com uma enorme satisfação,

Há outra coisa para celebrar,

Ela irá sentir,

Ano Novo, vida nova,

Calor humano no seu coração.

É o que está a dar!!!

Num coração quente, A transbordar de alegria, Logo vai gelar, Com um Inverno cheio de magia.

Página 20

Tiago Daniel nº26 7ºD

No Inverno há dois festejos muito felizes, o Natal e a passagem do ano, são os dois passados com a família e com os amigos. Também há as férias de Natal, acabam as aulas, mas logo a seguir começam, mas mesmo assim são duas semanas que parecem uma eternidade. O Inverno é belo, tem algumas vantagens e desvantagens, mas é mesmo muito bonito! Daniela, nº 6, 7ºD


3º ENCONTRO DE LINGUÍSTICA DE GONDOMAR FESTA DA(S) LÍNGUA(S) MATERNAS(S) À VOLTA DO TEXTO: CONSTRUIR SENTIDOS

Decorreu, nos dias 19 e 20 de Fevereiro, na Escola Secundária de Gondomar e no Auditório da mesma cidade, respectivamente, o 3º Encontro de Linguística de Gondomar, com o objectivo de celebrar o Dia Internacional das Línguas Maternas (21 de Fevereiro), subordinado ao tema À Volta do Texto: construir sentidos, cuja organização é da responsabilidade do Clube Oficina de Língua da Escola Secundária de Gondomar, destinando-se a toda a comunidade educativa do concelho de Gondomar. Na terceira edição deste evento, a nossa escola voltou a marcar presença, primeiro, no dia

Leandro, Rei da Helíria de Alice Vieira, com um elenco excepcional, constituído por alunos do 7º e 8ºE. Recorde-se que esta é uma das obras de leitura integral obrigatória no 7ºano.

19, com uma comunicação, da professora Cristina Vieira, subordinada ao tema Da necessidade dos neologismos ao seu carácter distintivo no discurso linguístico, depois, no dia 20, com o Clube de Teatro, sob a orientação das professoras Alice Rêgo e Aldina Pereira, coadjuvadas pelo professor António Morgado, na parte técnica, que levou à cena

Esta peça de teatro para crianças e jovens (com um enredo em muitos aspectos semelhante ao de "Rei Lear", de Shakespeare) foi buscar a sua base a uma narrativa popular. Um pai decide repartir o reino pelas filhas e põe-nas à prova, acabando, contudo, por deserdar a mais nova. Esta vem a revelar-se, afinal, a única que era merecedora da sua generosidade. Vítima do próprio orgulho e castigado pela sua cegueira, o rei expia as culpas mergulhando na miséria, até ser finalmente salvo e perdoado pela filha mais nova entretanto reencontrada. (A partir dos 11/12 anos.) Da contracapa.

VISITA À BIBLIOTECA VERGILIO FERREIRA No dia 18 de Fevereiro, a minha turma e as restantes do 7ºano, foram a uma visita de estudo à Serra da Estrela.

to de árvores e arbustos, fazendo labirintos. Havia baloiços, escorregas e comboios que coloriam o espaço. Foi muito divertido, pois conversámos, partilhámos o almoço, tirámos fotografias (para mais tarde recordar) e divertimo-nos nos escorregas e baloiços.

Depois de uma longa viagem de camioneta, chegámos à biblioteca “Vergílio Ferreira”, em Gouveia. Aí, sentámo-nos, no chão ou em cadeiras, e ouvimos a biografia do autor, contada por um senhor muito dedicado à leitura. Depois, levaram-nos para uma sala, onde estavam expostos os livros, o violino e a máquina de escrever de Vergílio Ferreira. De seguida, fomos almoçar a AVERT-VIRA A PÁGINA

Na viagem, todos nos interrogávamos se haveria neve. E todos ficámos muito entusiasmados, quando surgiram as primeiras montanhas cobertas com um enorme manto branco. Estávamos ansiosos por senti-la nas nossas mãos. um parque. O parque estava replePágina 21


O encanto pela neve... Finalmente parámos junto à torre. A neve era branca como o leite e fria como a chuva. Divertimo-nos muito, rebolámos, deslizámos e atirámos neve uns aos outros. Foi um dia inesquecível. Podia haver mais visitas de estudo assim! Inês Queirós, nº12, 7ºB

MÚSICA PARA QUÊ? Justificar a inclusão da Música nos programas escolares é uma tarefa cada vez mais fácil, devido aos avanços da ciência, nomeadamente, a Musicoterapia, que adoptou esta arte como objecto de trabalho. Hoje, está provado e comprovado que a actividade musical ajuda a melhorar a capacidade de concentração e a memória, trazendo benefícios ao processo de alfabetização e ao raciocínio matemático. "A música estimula áreas do cérebro não desenvolvidas por outras linguagens, como a escrita e a oral. É como se tornássemos o nosso 'hardware' mais poderoso" (Maria Lúcia Cruz Suzigan, especialista no ensino de música para crianças). Mas para além da visão “utilitária” da Música, como meio de preparação para outras áreas, não podemos esquecer que mais nenhuma disciplina se aproxima tanto do mundo intuitivo da sensibilidade humana e das emoções. Poderá uma escola consciente dei-

Página 22

xar este “mundo” à mercê dos media? Terá a escola a ilusão de que, só com palavras, textos e algarismos consegue cumprir o seu papel na “formação integral de um indivíduo”? Todas as potências culturais valorizam ou valorizaram o ensino da Música. Atente-se ao volumoso número de horas efectivas que a Música ocupa nos programas escolares da Alemanha, Inglaterra, EUA, … Analise-se a obrigatoriedade com que a Grécia antiga, mãe da democracia, encarava a disciplina de Música na educação. Admire-se a bem sucedida luta contra a exclusão social que o Ministério da Educação da Venezuela encetou há mais de 30 anos, através do programa “El Sistema”, que atravessou regimes políticos e se está a expandir a outros países; consiste na distribuição de instrumentos musicais às camadas mais pobres da população para constituição de orquestras profissionais(!); a prática musical

regular entre estas crianças temlhes permitido aumentar a autoestima, melhorar os resultados escolares e tem-nas protegido das actividades marginais; para além disso, os familiares destes novos músicos passaram naturalmente a frequentar em massa as salas de concerto, anteriormente reservadas a uma elite… É por isso que quando se aborda a questão “Música para quê?” se deve colocar outra, ainda mais importante: “Escola para quê?” Prof. Música:Pedro Almeida Mais do que pensam Uma simples canção Serve também de Inspiração para Cativar a Atenção. Ana Sofia, nº1, 7ºC


ACTIVIDADES DO NÚCLEO EDUCATIVO—NAE O trabalho desenvolvido pelo Grupo de Educação Especial, durante o primeiro trimestre de 2010, continuou a basear-se, essencialmente, no conceito de escola inclusiva, interventiva, personalizada e diferenciada, tendo como princípio teórico o conceito de um ensinoaprendizagem funcional e preparatório para uma futura vida activa. Destarte, descrevemos, de seguida, de forma sumária, algumas das mais relevantes actividades que levámos a cabo: •

Produção e afixação de trabalhos textuais e icónicos alusivos a algumas datas festivas, nomeadamente: Dia de Carnaval, Dia dos Namorados;

Afixação de fotografias das visitas de estudo;

Confecção de algumas produtos culinários, nomeadamente: bolachas de chocolate, gelatina, arroz-doce, leitecreme, panquecas, bolo de iogurte, mousse de chocolate e sopa de legumes – com a estimável e pronta colaboração pecuniária por parte da Direcção do AVERT;

Realização de uma actividade lúdico-pedagógica intitulada «A Hora do Conto», em todas as escolas do Agrupamento, destinada a todas as crianças com NEE; Dinamização de uma Acção de Formação, no dia 23 de Março, intitulada «Educação Especial – Uma visão sistémica – A Dislexia – problemas

AVERT-VIRA A PÁGINA

de Leitura e de Escrita», contemplada no PAA do Agrupamento; •

Realização de cinco visitas de estudo:

21 de Janeiro, à Casa da Juventude onde os alunos tiveram a oportunidade de participar na actividade “Ao sabor das letras” e numa oficina de expressão plástica

11 de Fevereiro, à Fábrica de Bolachas e Biscoitos Paupério em que os alunos, através de uma visita guiada, ficaram a conhecer alguns aspectos relacionados com a confecção de bolachas e biscoitos;

18 de Fevereiro, ao Museu Nacional da Imprensa, durante a qual os nossos alunos puderam fazer parte integrante e activa de um atelier de Expressão Plástica de âmbito Carnavalesco;

11 de Março, às Águas do Douro e Paiva, onde os alu-

nos participaram num atelier de Educação Ambiental, alusivo à poluição; •

24 de Março, ao Museu de Stª Maria de Lamas, para visionamento de uma peça de teatro intitulada «A Menina do Mar».

Gostaríamos de partilhar a nossa alegria e satisfação pelo facto de, no âmbito da nossa participação no Projecto «A Casa via à Casa», promovido pela Casa da Música, os elementos responsáveis terem seleccionado o cartaz elaborado pelos nossos alunos para ser afixado nas instalações da Casa da Música. Agradecemos, a todos os docentes, funcionários e encarregados de educação deste agrupamento toda a colaboração e disponibilidade que nos têm vindo a oferecer de forma tão cordial e altruísta. Prof. José Fernando

Página 23


PROJECTO “A CASA VAI A CASA” Em Janeiro a nossa salinha da U.I.E. e a sala de apoio da escola E.B.2/3 da Rio Tinto iniciou um projecto, em colaboração com a Casa da Música, intitulado a “A Casa vai a Casa”.

Como se vê na imagem, vários temas foram trabalhados nestas cinco sessões, tais como o Jardim Zoológico, o espaço e o mar, desenvolvendo sons ritmos e canções relacionados com estes temas.

Daí o nosso interesse em mostrar o trabalho desenvolvido na sala e estando receptivos a outras propostas.

Este projecto foi dirigido a alunos com Necessidades Educativas Especiais, no sentido de desenvolverem actividades de Expressão Musical.

Somos da opinião que este projecto teve excelentes resultados, tendo em conta o entusiasmo e a grande aceitação por parte do grupo de alunos e adultos.

Agradecemos a simpatia e empenho dos professores da Casa da Música, que realizaram um trabalho excelente com estes alunos. Professora: Sónia Almeida

A VEIA POÉTICA DOS ADULTOS

Mar

Terra

Mar que albergas a solidão e o desejo

Sem medos, sem fraquezas, sem dor,

Terra redonda

Ouve a minha voz,

Apenas um sorriso,

Terra linda

O meu canto,

Um olhar vazio,

A minha prece.

Uma imensa solidão de azul.

Terra bela Terra de lindos lírios Terra de muita cor Terra com muita água Terra com muito azul

Escuta o que mais ninguém tenta ouvir; Sente o que os outros não querem sentir; Conta-me os teus tesouros; Mostra-me a tua beleza.

Página 24

Vem até mim,

Terra de Deus

Leva-me para junto de ti,

Terra de ninguém

Eu e tu, unidos,

Terra abençoada

Tornar-nos-emos amigos. Isaura B3

Terra de muita gente Aida, EFA B3


A INSPIRAÇÃO CONTINUA... Juventude Quando eu era menino Já em idade escolar, Alguém me deu ensino De uma maneira singular. Éramos muitos rapazes, Vivíamos num grande casarão, Ali nos tornámos capazes De enfrentar a solidão. Tínhamos tudo controlado: As horas de brincar, Também as de estudar E os tempos de meditar. Os anos foram passando E a gente sempre a aprender. Enquanto íamos estudando Éramos homens a crescer. Aquilo não era só um casarão. Apesar do seu aspecto, Tínhamos sempre uma lição Para trilharmos o caminho certo.

Estou quase um homem feito, Graças ao grande casarão. Aos que ensinaram eu aceito E agradeço aos que lá estão. Bem hajam os que lá deixei E que bem me formaram. Felizes dias esses que lá passei Que saudades me deixaram. Lá fui muito feliz, Tudo me ensinaram. A vida tudo me diz, Um homem eles formaram.

Mas não aprendi só a ler, Naqueles anos que lá passei. Uma profissão tive que escolher, Nos anos que lá andei. Para o mundo fui atirado Com ou sem dificuldades. Eu fui sendo confrontado Com várias realidades.

Escondia-me de ti, Do teu olhar penetrante.

Se eu fosse o teu amor Beijava sem parar Teus lábios vermelhos Que me fazem sonhar.

Se eu fosse a esperança Esperança te daria.

Já agora que me lembre Muito obrigado eu digo. Sou agora um bom membro Deste mundo amigo.

Um dia nós os dois Beijávamo-nos em pleno dia. Dulce Paula Correia, EFA B3

E agora para acabar Me vou despedir; A todos quero abraçar Até um dia se vos vir. Manuel, EFA B3

Já mais crescido, E depois de muito estudar, Tinha compreendido Que na vida tinha de avançar.

Se eu fosse a Lua

Se eu fosse

Se fosse algo Se eu fosse algo… Seria um deus Para que as pessoas que amamos

Se eu fosse o sol.

Nunca fugissem do nosso coração,

Aquecia o teu corpo

Nunca nos abandonassem

Que tanto me inspira.

Em alturas de aflição.

Se eu fosse o Mar

Se eu fosse algo…

Navegavas nos meus braços

Seria o Amor

Ao som das ondas.

Para entrar no coração De quem anda perdido no mundo,

Se eu fosse as estrelas Iluminava-te à noite

E confortá-las com paixão. Fátima Soares EFA B2

Com o meu brilhar.

AVERT-VIRA A PÁGINA

Página 25


CLUBE PROTECÇÃO CIVIL O Clube da Protecção Civil na nossa escola é composto por alunos do 8ºE.

Também tu poderás participar se te inscreveres atempadamente no início do próximo ano lectivo. Já temos logótipo e somos conhecidos em Gondomar! Vais já saber porquê!

ro, teve lugar a abertura oficial no Auditório Municipal, que contou com a presença de diversas entidades, nomeadamente da nossa Directora, Dra Aurora Vieira, que teve oportunidade de visitar a Exposição Temática onde constavam muitos trabalhos do nosso Agrupamento (cartazes, maquetes e fatos alusivos às forças da PC, dos alunos da EB1 de S.Caetano2). Se não tiveste oportunidade de visitar esta exposição, poderás ainda fazêlo na Junta de Freguesia de Rio Tinto, em data a anunciar. No sábado, dia 27 de Fevereiro, teve lugar um Seminário Técnico sobre Catástrofes, em que participaram as professoras responsáveis pelo Clube da Protecção Civil da nossa escola – rofessoras Alice Bertolo e Belita Almeida.

Neste clube existem várias iniciativas, como investigação e debates, trabalhos de grupo, elaboração de cartazes e maquetes, até visitas de estudo aos diferentes agentes da Protecção Civil. Este ano o Clube já foi à PSP e ao INEM. Também recebemos na nossa escola algumas iniciativas da PSP que nos vieram esclarecer sobre Catástrofes: prevenção e salvamento. Ainda temos planeadas visitas aos Bombeiros e ao Quartel de Regimento de Artilharia nº5 da Serra do Pilar no 3º período. No âmbito das Comemorações do Dia Nacional da Protecção Civil, a Câmara Municipal de Gondomar promoveu diversas iniciativas. Sexta-feira, dia 26 de Feverei-

Página 26

encarregados de educação e Cube da PC) estava entusiasmado. Vestiram-se a rigor, compareceram a horas e estiveram presentes neste encontro, que iniciou com um desfile às 13h30, desde o Campo da Feira até ao Pavilhão e continuou com jogos e outras actividades. Foi um dia muito longo e cansativo, mas a nossa claque estava alerta e animada e puxou muito pela equipa de alunos e de Encarregados de Educação. No final do dia, e apesar do cansaço evidente, a explosão de alegria foi bastante fotografada quando anunciaram que, de todos os agrupamentos presentes, neste evento, o 1º prémio nos foi atribuído! Quando nos empenhamos e trabalhamos em equipa, este é o resultado! Parabéns, Clube da Protecção Civil! Parabéns, AVERT! A Coordenadora do Plano de Prevenção e Emergência do AVERT Profª: Belita Almeida

No dia 6 de Março, chegou a vez dos II Jogos da Protecção Civil, no Multiusos. O nosso Agrupamento (alunos, professores, pais e


CLUBE DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS O Clube de Ciências FísicoQuímicas, “Laboratórios em acção”, é um espaço onde se pretende desenvolver nos participantes o gosto pela aprendizagem da Física e da Química. Um ensino das ciências, que se pretenda renovado, passa pela valorização experimental, de forma a desenvolver competências nos alunos, que promovam o pensamento crítico e a resolução de problemas. Os alunos inscritos realizam actividades laboratoriais no contexto da disciplina, de acordo com os recursos existentes na escola nesta área. Tem-se realizado experiências bastante diversificadas, com a finalidade de despertar e desenvolver o interesse por estas ciências; mostrar que a Física e a Química estão presentes no nosso quotidiano;

contribuir para a divulgação do conhecimento científico nesta área. Para além de proporcionar uma ocupação e outros conhecimentos fora do horário lectivo, este projecto visa também criar um conjunto de actividades complementares,

que imprimam uma maior dinâmica à escola e permitam minimizar carências no âmbito do ensino experimental das ciências. No dia 8 de Junho, os alunos irão demonstrar algumas das actividades realizadas ao longo do ano lectivo e apresentar alguns dos seus trabalhos, mostrando, também que a Química e a Física podem ser divertidas. Profª: Sandra Domingues

CLUBE DE LÍNGUA PORTUGUESA O PRAZER NAS PALAVRAS O clube O Prazer nas Palavras, orientado pelas docentes Palmira Ferreira, Clarinda Sofia e Cristina Vieira, continuaram a dinamizar

actividades práticas orientadas para a leitura e expressão escrita, uma vez que alguns alunos que estão a frequentar o clube fazem-no não apenas na sua vertente lúdica, mas também para superar as dificuldades, sobretudo ao nível da expressão escrita. Assim, são realizados trabalhos na área da pesquisa biobliográfica de autores, cartazes com expressões certas e erradas, reconto de histórias tradicionais à luz do século XXI, criação de histórias invulgares, como os casamentos gramaticais improváveis do cigarro e da cigarra, resumo de obras atra-

AVERT-VIRA A PÁGINA

vés de imagens legendadas e foi ainda divulgado um Jogo da Língua Gestual Portuguesa, elaborado pelos alunos, na sequência de uma actividade realizada no 1º período, acerca desta temática.

Página 27


O LOBO E OS SETE CABRITINHOS NO SÉCULO XXI Certo dia, uma cabra supermoderna, vestida com umas leggins pretas e uma túnica bordada a lantejoulas, no alto das suas botas de tacão e cano alto, pegou na mochila para ir às compras, mas, antes de sair de casa, fez algumas recomendações aos seus cabritinhos:

o lobo, acabadinho de comprar.

Quando chegaram à casa do suposto Cabritinho Manuel, bateram à porta e ouviram uma voz: - Abram! A porta está encostada!

- Meus adorados cabritinhos, escutem bem a vossa mãe. Hoje há umas promoções fantásticas, no shopping. Assim, combinei tomar um café com a vossa tia Chiba e fazer umas compritas, por isso, é possível que chegue tarde a casa. Tenham cuidado! Não abram a porta a ninguém, a ninguém mesmo, ouviram bem? - Ok, mãe! – Disseram os sete cabritinhos em coro. O senhor lobo, que passava nas proximidades, reparou que a mãe cabra estava de saída. Então, decidiu meter conversa com os cabritinhos no MSN. Quando o lobo iniciou a sessão, com o nome de Cabritinho Manuel, logo se pôs à conversa com os miúdos. Eles, pensando que estavam à conversa com um jovem cabrito, aceitaram ir a casa do lobo jogar uma partida na playstation com um jogo, segundo

Página 28

Eles assim fizeram. Mas, logo depois de a fecharem, apareceu-lhes um grande e feio lobo, com uns dentes afiados e brilhantes e com um ar esfomeado. -Socorro! Ajudem-nos! Socorro! – Gritaram, aflitos, os cabritos. Infelizmente, dois dos pequenitos não tiveram sorte, foram comidos pelo, agora, saciado lobo, tendo escondido os outros. A mãe cabra, chegando a casa, deu pela falta dos seus filhotes e reparou que o MSN estava ligado, tendo lido a última conversa entre os sete cabritinhos e o «Cabritinho Manuel». Como desconhecia aquele nome e estranhando a ausência dos filhotes, ficou bastante preocupada, ligando de imediato para a polícia. Quando chegaram os polícias, a mãe cabra disse-lhes o que acontecera e eles foram ao histórico do computador dos cabritinhos,

descobrindo a morada do lobo. Os polícias dirigiram-se à residência do lobo e encontraramno deitado num sofá azul e amarelo, de barriga cheia e ar descontraído. Este, quando reparou que as autoridades estavam dentro de sua casa, levantou-se, sobressaltado, tentando fugir pela janela. Contudo, para seu azar, os polícias agarraram-no e obrigaram-no a confessar o que tinha acontecido. O lobo tinha comido dois cabritinhos e fechado os outros cinco na despensa, para os comer mais tarde. Então, os polícias algemaram-no e libertaram os cabritos da despensa. A partir daquele fatídico dia, a mãe cabra nunca mais deixou os seus filhotes sozinhos, nem por um instante. Quanto ao lobo, este foi obrigado a fazer trabalho comunitário durante toda a vida e, ao que parece, terá aprendido a lição. A partir de então, os cabritinhos da vila nunca mais se atreveram a desobedecer às suas mães, pois a história do lobo era-lhes contada com muita frequência. Ana Catarina Luís, Nº2, Ana Margarida Vieira, nº4, 8ºA


O CIGARRO E A CIGARRA Era uma vez um cigarro chinês, que estava de férias em Espanha. O jovem Cigarro caiu do maço de tabaco de um senhor, num jardim relvado. Enquanto descansava nesse jardim, encontrou uma cigarra. Ele apanhou uma flor para lhe oferecer. Quando chegou junto dela, viu que esta estava magoada com alguma coisa: o seu namorado tinha-a traído com a sua melhor amiga.

Depois disso o cigarro ajudou-a a passar por esse sofrimento. Todos os dias estavam juntos, para tentar esquecer as coisas más da vida. Passaram a ser os melhores amigos, sentindo um fraquinho um pelo outro. Cada dia que passavam juntos, o amor aumentava. O Cigarro atrevido beijou-a e ela ficou surpreendida com o que aconteceu. Algo transtornada, foi para casa a correr, chorando de alegria,

mas, no dia seguinte, foi ter com ele e perguntou se aquele beijo tinha sido verdadeiro. Ele disse que sim e beijaram-se novamente. Mais tarde, casaram-se e construíram uma família numerosa.

Mariana Sousa, Nº15 , Pedro Azevedo Nº19 – 7º A

SENTIR A VIDA, PELOS ADULTOS... Mil palavras doces

O que sinto por ti O que sinto por ti é: Mais belo que a serra da Leba, Mais raro que a Palanca Negra, Mais forte que as quedas de Kalandula, Mais chocante que o deserto do Namibe, Mais espectacular que a fenda da Tundavala, Mais histórico que a nossa independência. O que sinto por ti é: AMOR!

Se eu fosse o sol… Nos dias frios te aquecia. Nos dias mais tristes Teu coração de enchia de alegria.

A mim me dizias

Se eu fosse a lua Teu caminho iluminava, Todas as noites escuras, Enquanto caminhavas.

Meu amor é eterno

Se eu fosse um jardim… Dava-te uma flor Para te ver feliz assim, Crescer sem qualquer dor. Arnaldo, EFA B2

Risos, suspiros onde quer que fosses Ir contigo ou não ir Apenas eu vou decidir

Amar é constante Retirar-te do passado Querer-te a cada instante Um dia a chorar E outro a sorrir Saber como te descobrir

Meninos dos sonhos Anjos do olhar

Amo-te Angola…. Emília, EFA B3

Sentir adolescente

Apoiar Leais e fiéis

Se eu fosse….

Se eu fosse um rio Ao mar ia desaguar. Nas minhas margens e praias Os pés podias molhar.

Guardados para me

Amar é sofrer

Horas a passar

Dormir sem sonhar

Ainda sem ti

Rir sem pensar

Eu começo a pensar

Ir sem rumo

Se contigo vou estar

A nenhum lugar Não querer crescer

Adriana Magalhães,Nº1,7ºA

Aconteça o que acontecer

AVERT-VIRA A PÁGINA

Página 29


A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO ARTISTÍCA "O que transforma o mundo é o

conhecimento. (...) Só o conhecimento é capaz de mudar o mundo, deixando-o, ao mesmo tempo como ele é. Quando olhamos para o mundo com conhecimento, concluímos que as coisas são imutáveis e, contudo, em perpétua transformação. (...) Do casamento entre o belo e o conhecimento nasce algo (...) a que as pessoas chamam arte." Yukio Mishima, "O Templo Doirado”

A sala de aula deve ser o espelho do atelier do artista ou do laboratório do cientista. No trabalho criativo, o aluno utiliza e aperfeiçoa processos que desenvolvem a percepção, a imaginação, a observação, o raciocínio, o controle gestual, capacidades psíquicas e intelectuais que influem na aprendizagem. No processo de criação, ele pesquisa a própria emoção, liberta-se da tensão, ajusta-se, organiza pensamentos, sentimentos, sensações e forma hábitos de trabalho.

Por isto a Educação Visual e Artística tem um importante papel no processo formativo dos alunos, pois procura, através da expressão individual, encaminhar a formação do gosto, estimula a inteligência e contribui para a formação da personalidade do indivíduo, sem ter como única preocupação a formação de futuros artistas, mas também, e talvez, sobretudo, futuros fruidores da Obra de Arte.

lustração da Obra “Dentes de Rato” Sandra Isabel Silva, 8ºD

A arte deve, por isso, fazer parte das suas vidas para ter um sentido, deixando de ser aquela coisa incompreensível, elitista e distante da realidade. Professora de EV: Alice Fernandes

Ilustração da Obra “Dentes de Rato” Daniela Sousa, 8ºE

Página 30

Liliana, 9ºE e Beatriz,9º F(2008/09)


SEMANA(S) DA LEITURA A Semana da Leitura, promovida e organizada pela Equipa da Biblioteca, no âmbito do Plano Nacional da Leitura (PNL), decorreu no AVERT, entre os dias 1 e 12 de Março, com inúmeras actividades desenvolvidas por alunos e professores. Ao longo destes dias, esteve patente na BE/CRE uma exposição permanente de trabalhos do PNL: Papiros (2ºCiclo), Caixas que falam de histórias (3º Ciclo), onde foram colocados trabalhos realizados pelos alunos a partir das obras do contrato de lei-

Emília e o Chá de Tília de Alexandra Pinheiro.

Houve ainda um peddy paper, alusivo ao Centenário da República, que se realizou na Biblioteca Municipal de Gondomar, no âmbito da Semana Concelhia da Leitura, com a participação do 6ºE. Foi ainda feita uma exposição denominada Mulheres escritoras para comemorar o Dia Internacional da Mulher.

tura; painel de Escritas temáticas, Um jardim que gera histórias– Buddha Éden; trabalhos em cartolinas (pré-escolar). Durante a primeira semana, decorreu a Hora do conto, para os alunos das escolas EB1 de S. CaetanoNº1 e Nº2, pela professora Cristi-

Margarida e Sofia do 8ºA. Ao longo dos dias, decorreu a actividade intitulada Entrevista à Personagem Principal dos livros do PNL lidos, que percorreu todas as turmas, realizadas pelos alunos repórteres/ leitores das várias turmas ( grupo de trabalho do CRE); realizou-se, também, a Estafeta do conto, por alunos do 6º ano. A música acompanhou as leituras, tendo havido um concerto de música clássica, orientado pelo professor Pedro Almeida, pelos alunos do 9ºB.

Os intervalos grandes decorreram com leituras levados a cabo pelos alunos Ana Catarina, Ana

na Vieira, que contou a história

AVERT-VIRA A PÁGINA

Página 31


OS 100 ANOS DO DIA INTERNACIONAL DA MULHER Os dias internacionais têm sempre uma razão de existirem e, como não podia deixar de ser, o Dia Internacional da Mulher, celebrado no passado dia 8 de Março, também tem uma história ou lenda, pois não há certeza de que seja verdade aquilo que se conta. Diz-se que as operárias de uma fábrica têxtil de Nova Iorque, no ano de 1857, entraram em greve, ocupando a fábrica, para reivindicarem a redução do horário laboral de dezasseis horas por dia para dez, recebendo também menos de

O Programa Parlamento dos Jovens, tal como já deves ter conhecimento do Vira a Página do 1º período, é da responsabilidade da Assembleia da República, do Ministério da Educação (DREN) e do IPJ e este ano lectivo, o tema em debate pelas escolas EB 2/3 é “A Educação Sexual”. Os alunos da nossa escola, depois de várias iniciativas no 1º período que os esclareceram sobre a temática, organizaram-se em duas listas de 10 elementos e prepararam um projecto de recomendação com a sua opinião. Durante uma semana, em Janeiro, essas duas listas fizeram campanha eleitoral e no dia 18 foi dia de eleições, tendo ganho a lista B, composta por dez alunos da turma E do 8º ano. Nessa mesma semana teve lugar a Sessão Escolar, em que ambas as listas expuseram os seus Página 32

um terço do salário em relação aos homens. Entretanto, terá deflagrado um incêndio na fábrica, impedindo que essas mulheres saíssem, acabando por morrer queimadas cerca de 130. Em 1910, na Dinamarca, em Copenhaga, realizou-se a II Conferência Internacional de Mulheres e Clara Zetkin propôs que fosse celebrado a 8 de Março o Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, como forma de homenagear aquelas mulheres. Assim, celebrou-se este ano os 100 anos da proclama-

projectos de recomendação e, juntos, os reconstruíram para apresentar um único que espelhasse o desejo dos alunos da nossa escola. Ainda nesta sessão, os deputados elegeram os dois efectivos e um suplente à Sessão Distrital: Daniela Sousa (8ºE), Cláudia Alves (9ºB) e Gonçalo Gomes (9ºB), respectivamente. No dia 9 de Março teve lugar a Sessão Distrital, no Auditório Municipal de Gondomar, onde estivemos presentes com mais 38 escolas, a representar o Distrito do Porto. A presidir a Mesa esteve a Sra. Deputada Margarida Almeida. Depois de muitas e muitas horas de trabalho, troca de ideias, debate e votações, finalmente chegou a hora de eleger as 5 escolas representantes do círculo deste Distrito, que irão apresentar a Recomendação final sobre o tema na Sessão Nacio-

ção daquele dia, tendo, desde 1975, as Nações Unidas decidido consagrar o 8 de Março como Dia Internacional da Mulher. O Dia Internacional da Mulher pretende, pois, chamar a atenção para o papel e a dignidade da mulher e levar a uma tomada de consciência do valor da pessoa e do seu papel na sociedade, contestando e lutando contra preconceitos e limitações que são impostas às mulheres.

nal, a realizar nos dias 24 e 25 de Maio de 2010, na Assembleia da República. Os ânimos estavam ao rubro e quando disseram o nome da nossa escola, saltámos de emoção! Não esqueçamos que na Assembleia da Republica somente estarão presentes 120 deputados, de todo o país, pelo que um deputado eleito para a Sessão Nacional tem de ser mesmo um verdadeiro representante da sua Escola e do seu distrito (ou Região Autónoma)! É uma honra ser eleito e vale a pena trabalhar para isso! Agora resta-nos preparar com muito cuidado e empenho a nossa participação na Assembleia Nacional. Nos dias em que estaremos na Assembleia, poderás acompanhar-nos em directo no canal Parlamento (ARtv). Profª Coordª Proj.Belita Almeida


PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE No dia 5 de Janeiro teve lugar uma palestra sobre Educação Sexual dirigida especificamente às turmas do 8ºE e 9ºB, já que estas turmas tinham elementos que se encontravam envolvidos num outro projecto “Parlamento dos Jovens”.A temática deste projecto, ao qual a escola concorreu este ano, é a Educação Sexual, pelo que houve a necessida-

PALESTRAS PARA ALUNOS de da enfermeira do centro de Saúde de Rio Tinto, Sílvia Barbosa, esclarecer e debater alguns dos aspectos da legislação em vigor relativa ao regime de aplicação da educação sexual em meio escolar (lei nº60/2009 de 6 de Agosto), bem como debater algumas dificul-

dades que podem surgir na sua implementação. Os alunos consideram esta palestra extremamente importante, tendo em conta o trabalho que estavam a desenvolver conjuntamente com a professora Belita Almeida.

ÁREA DE PROJECTO-8ºC Palestra sobre orientação sexual No dia 2 de Fevereiro, terçafeira, na sala C4, na aula de Área de Projecto, o 8º C assistiu/participou numa palestra sobre “Orientação sexual” dinamizada pela psicóloga escolar Drª Fátima Pinto. Esta palestra realizou-se no âmbito do trabalho de grupo de alunos da turma e serviu de esclarecimento de dúvidas aos mesmos. A turma considerou esta actividade bastante produtiva, positiva e esclarecedora, isto, porque, ante-

anónimas pelos alunos e professora da disciplina às quais a psicóloga respondeu ao longo desta sessão.

riormente, foram feitas perguntas

ÁREA DE PROJECTO-8ºC Palestra sobre crimes sexuais No dia 9 de Março, terçafeira, na sala C4, na aula de Área de Projecto, o 8º C assistiu/participou numa palestra sobre “Crimes Sexuais” dinamizada pela Dra Marlene Castro. Esta palestra realizou-se no âmbito do trabalho de grupo de alunos da turma e serviu de esclarecimento de dúvidas aos mesmos. A turma considerou esta actiAVERT-VIRA A PÁGINA

vidade bastante produtiva, positiva e esclarecedora. Isto porque anteriormente foram feitas perguntas anónimas pelos alunos e professora da disciplina às quais a advogada respondeu ao longo desta sessão. No geral, os alunos consideraram muito interessante a parte em que a Dra Marlene apresentou casos verídicos.

Página 33


PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE No dia 19 de Fevereiro, pelas 21 horas, decorreu a palestra “O papel dos pais na educação sexual dos filhos” dinamizada pelo Projecto Educação para a Saúde em parceria com a enfermeira Sílvia Barbosa do Centro de Saúde de Rio Tinto. Esta palestra era dirigida a pais, Encarregados de Educação, mas também com convi-

PALESTRA PARA PAIS te extensível a todos os docentes do Agrupamento. Estiveram presentes cerca de 40 participantes que demonstraram interesse, tendo participado activamente, colocando dúvidas e partilhando experiências, tendo alguns pais relatado experiências vivenciadas com os próprios filhos e as dificuldade por eles sentidas no que se refere à profundidade dos temas a abordar com os filhos e os momentos mais adequados.

Embora a Educação Sexual seja abordada na escola, os pais não devem desperdiçar a oportunidade de falar com os seus filhos, tendo em conta a fase etária em que eles se encontram. As principais questões levantadas foram no domínio da contracepção, IST, orientação sexual, início da vida sexual nos jovens e gravidez na adolescência. No final, os encarregados de educação mostraram-se bastante satisfeitos e consideraram positiva a iniciativa apresentada.

ÁREA DE PROJECTO-7ºC Dicionário De Sexualidade Somos alunas do 7ºC, Camila Montinho, Catarina Almeida, Filipa Gomes e Sofia Vidal, e decidimos nas aulas de Área de Projecto elaborar um pequeno dicionário de “SEXUALIDADE”. Ao longo da sua elaboração foi possível esclarecermos algumas das dúvidas que tInhamos acerca da temática. A título de exemplo, apresentamos alguns termos que fazem parte do dicionário e o seu significado. Esperamos que gostem!!

Acne – perturbação de aparente evidenciada sobretudo na face mas podendo aparecer noutras regiões do corpo que se manifesta por pequenas borbulhas. Está certamente relacionada com desequilíbrios hormonais frequentes na adolescência.

infecciosas que se transmitem essencialmente (porém não de forma exclusiva) pelo contacto sexual.

Afecto – atributo psíquico que dá valor e representação à realidade. Os afectos valorizam tudo aquilo que está fora de nós, como os factos e os acontecimentos.

Preservativo -é um método contraceptivo do tipo barreira que impede o contacto entre as mucosas genitais.

... ... DST – designação pela qual é conhecida uma categoria de patologias antigamente conhecidas como doenças venéreas. São doenças

Página 34

... ... Menstruação – libertação do óvulo que não sofreu fecundação juntamente com sangue e restos de mucosa uterina, em intervalos de 4 semanas, aproximadamente, e de duração média de 4-5 dias. ... …

Puberdade - é um período em que ocorrem mudanças biológicas e fisiológicas. O corpo desenvolve-se fisicamente e mentalmente tornando-se maduro e o adolescente fica capacitado para gerar filhos.


PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

Somos alunos do 7ºC, Paulo Cardoso, Isabel Silva e Rita Marcelino e realizámos um inquérito com algumas questões ligadas à “SEXUALIDADE”, tema trabalhado por alguns grupos em Área de Projecto. Os inquéritos foram passados a três alunos de cada uma das turmas de 7º,8º e 9º Anos da escola. Após tratamento das respostas obtidas, os resultados encontram-se na tabela.

PERGUNTAS do INQUÉRITO Quais são os órgãos sexuais externos masculinos e femininos? Quais são as células sexuais masculinas e feminina? Onde são reproduzidas as células sexuais? Quais são os caracteres sexuais secundários comuns aos rapazes e raparigas? Quais são os caracteres sexuais secundários exclusivamente femininos? Tomando a pílula pode engravidar? A pílula têm efeitos secundários? A pílula pode ser tomada por todas as mulheres?

RESPOSTA CORRECTA Pénis e vulva. Espermatozóides e óvulos. Testículos e ovários. Aparecimento dos pêlos na púbis e nas axilas. Crescimento dos seios Pode, mas é muito raro. Sim Não

Percentagem de respostas CerErratas das 33%

66%

60% 62%

40% 37%

75%

11%

82%

8%

71% 64% 46%

28% 35% 53%

Pelos resultados obtidos parecenos que ainda existem alguns alunos muito confusos

AVERT-VIRA A PÁGINA

Página 35


PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Em parceria com o 9ºano, “foram muito do Jogos Tradicionais nos Jardins de Infância agrado dos meninos” do Projecto Educação para a Saúde, os alunos da turma JI de Areias e JI da Portedo 9ºB organizaram e dinamizaram montado e orientado todos os linha nº2. Segundo esta, os jogos Jogos Tradicionais na tarde do pas- jogos, aproveitaram também para tradicionais, com dinamização présado dia 19 de Fevereiro, com as brincarem com as crianças afirman- via das docentes, cumpriram o crianças dos Jardins de Infância da do ter sido uma experiência “super objectivo de retratar a época antePortelinha 2 e das Areias. O objecti- divertida” e garantido que “não se rior à República e estavam de acorvo era efectuarem uma actividade importavam nada de vim todas as do com as potencialidades das física com as crianças, mas também semanas, brincar com eles!”. crianças que têm idades compreendar a conhecer algumas formas de Depois deste convívio e didas entre os três e seis anos. Estes lazer da população portuguesa, à para compensar todo o cansaço, jogos estiveram bem organizados, data da Implatação da República, crianças e jovens, lancharam anima- mantiveram os alunos sempre em pelo que organizaram um circuito damente, tendo comido bolo feito acção, motivados e interessados, constituído por oito jogos tradicio- pelas crianças com a ajuda das suas interagindo com os alunos da E.B.2/3 que os apresentaram de nais. educadoras. forma apelativa. Salientou igualForam depois entregues a mente que o grupo de alunos do 9º todas as crianças certificados para B, demonstrou maturidade, responmais tarde recordarem da tarde sabilidade e empenho na forma divertida que passaram!! como desenvolveu a actividade e Cláudia Alves, 9ºB lidou com o grupo de crianças.

As crianças aderiram às actividades com bastante entusiasmo e os jovens, que além de terem

A representante do Projecto Educação para a Saúde nos Jardins e também coordenadora do Jardim-de-Infância de Areias, Maria da Conceição Soares, referiu que os jogos promovidos pelos alunos do

Yoga nos Jardins de Infância Tiveram lugar ao longo das duas primeiras semanas de Março aulas de Yoga nos vários Jardins de Infância do AVERT, com o objectivo de divulgar uma actividade física alternativa e que tantas vezes associamos a relaxamento. As aulas que foram dinamizadas pela professora convidada, Susana Gandarela, tendo decorrido com normalidade e

Página 36

com a participação de todos os alu-

nos, inclusivé das crianças com NEE. As crianças gostaram muito da actividade, colaboraram de forma activa com a professora e estiveram motivados para a realização das tarefas propostas que se desenrolaram sob a forma de um “conto” e numa perspectiva lúdica. A professora teve uma postura acessível e agradável com as crianças, facilitan-


PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE do a interacção num ambiente descontraído e sereno. De uma forma geral, a actividade foi do agrado de todos os Jardins envolvidos na actividade. Representante do Proj.Ed.para a Saúde nos Jardins, Mª da Conceição Soares

Os aditivos alimentares são substâncias adicionadas aos alimentos e que se destinam sempre a alterar as suas características. Por exemplo, conferir-lhe uma maior durabilidade ou agradabilidade sensorial, para que se torne mais apetecível ao consumidor. Esta manipulação pode ser feita em qualquer fase de obtenção, tratamento, acondicionamento, transporte ou armazenagem de um género ali-

mentício. A procura dos consumidores e o desenvolvimento das ciências e tecnologias alimentares têm conduzido a um aumento generalizado e diversificado da utilização de aditivos alimentares assegurandose assim que o produto chega ao consumidor com um aspecto atractivo.

mento devem ser obrigatoriamente discriminados na sua embalagem, incluídos na lista de ingredientes utilizados na sua elaboração. A regulamentação dos aditivos alimentares exige que o produto alimentar seja rotulado de forma adequada, fornecendo toda a informação sobre a denominação e finalidade do aditivo.

Os aditivos utilizados na produção de um determinado ali-

Como reconhecer os aditivos nas embalagens ou rótulos? Pelo código único composto de um número antecedido p e l a letra"E" (de Europa), fórmula fixada pela União Europeia (ex: E320).

AVERT-VIRA A PÁGINA

Ou pelo nome, por vezes extenso e complicado por se tratar muitas vezes de compostos químicos sintéticos Muitas são ainda as dúvidas que surgem relativamente aos aditivos que podem ou não ser consumidos com segurança. Embora não haja ainda estudos exaustivos sobre

todos eles, há já algumas certezas que obrigam a União Europeia a criar e fazer cumprir, nos estadosmembros, normativas que assegurem a saúde do consumidor. Por esse facto, a lista de substâncias permitidas como aditivos alimentares foi já substancialmente reduzida.

Página 37


PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE A segurandemaça ou toxicidade O consumo de aditivos alimentares causa problemas de saúde? siado para o organisprocesmo, decorrente do consumo de adi- problemas gastrointestinais, episó- sados e dar preferência aos produtivos alimentares, dependem sobre- dios de asma brônquica, problemas tos frescos. tudo das quantidade consumidas. cutâneos, dores de cabeça e alguns Sabe-se que há algumas substâncias serem potencialmente cancerígesusceptíveis de provocar alergias, nos. Será prudente evitar alimentos

Apesar de autorizados, os alimentos que contêm aditivos devem ser consumidos com moderação e, quanto mais processados forem, maior é a probabilidade de os conterem.

Antes de comprar qualquer produto, vejam bem a sua composição lendo atentamente os rótulos e escolha os alimentos simples e pouco processados industrialmente.

Os alimentos frescos são muito melhores.

LEVE PARA CASA UM CARRINHO DE COMPRAS CHEIO DE SAÚDE!! Página 38


PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE QUINZENA DA SAÚDE A,

ao contrário de outros anos que tinha lugar em Novembro, este ano decorreu entre os dias 1 e 12 de Março com um programa composto por diversas actividades direccionadas a diferentes anos de escolaridade: Palestra “Interacções no Namoro - respeito/violência”, para alunos de 8º e 9º Anos Palestra “Efeito do sono na vida diária”, para alunos de 5º, 6º e 7º Anos Põe-te a mexer!! – aula livre de

nos a quem se dirigiu e as mensagens fundamentais transmitidas atingiram o alvo pretendido, prova disso são as opiniões manifestadas pelos alunos e que apresentamos a título de exemplo:

(violência no namoro). Os jovens, hoje em dia, são expostos a todo o tipo de acontecimentos e enriquece-nos darem-nos estas experiências da vida.” Diogo Figueiredo 9ºB

“... falar deste tema foi muito importante e fiquei impressionado com as estatísticas – 1 em cada 4 relações tem violência.” André 8ºE

“Foi muito útil darem-nos a conhecer linhas telefónicas de apoio às mais diversas situações de violência, bem como dizerem-nos os direitos e deveres dentro de uma relação amorosa”. Rute 9ºB

“ A palestra em si foi muito educativa e mostrou de uma forma bastante real os acontecimentos do nosso

“... ficamos a perceber que peque-

dia a dia. (...) os namorados antes de se tratarem mal mutuamente deveriam pensar que não gostam de estar no lugar da vítima. Tudo o que foi dito foi com intenção de causar grande impacto nos alunos para que estes sintam o problema e não cometam o erro de mal tratar os seus parceiros.” Ana Reis 9ºB

nos actos que existem numa relação, um pouco esquisitos, podem ser sinais de que mais tarde surgirá a violência. (...) os actos de violência podem levar as vítimas a isolamento social, a depressão e até mesmo à morte. Devemos ajudar e apoiar as vítimas destas relações de controlo e agressão para poderem ser normais e felizes como todos nós!” Mariana 8ºE

“... estamos a entrar numa fase de maior maturidade e temos de estar preparados para estas adversidades

Relativamente à palestra “Efeito do sono na vida diária”, quem não esteve a dormir foram os

Olimpíadas da Saúde -2ª etapa do concurso, para alunos do 1º, 2º e 3º ciclos As temáticas escolhidas para as palestras tinha como objectivo informar e sensibilizar os alunos para uma situação preocupante que é a violência no namoro e a falta de importância dada ao tempo dedicado ao sono. As propostas das palestras foram apresentadas ao responsável pelo pelouro da Saúde na Câmara de Gondomar, que indicou para o efeito as psicólogas Tatiana Cosme e Raquel Monteiro, bem como a enfermeira Sílvia Barbosa do Centro de Saúde de Rio Tinto, para as dinamizar junto das turmas envolvidas. A palestra “Interacções no Namoro - respeito/violência”, parece ter sido do agrado dos alu-

AVERT-VIRA A PÁGINA

Página 39


PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE alunos das diferentes turmas que assistiram, pelo que achamos pertinente registar alguns dos seus comentários: “Achamos a palestra interessante: aprendemos a importância do sono no nosso crescimento. Na nossa idade devemos dormir entre 9 a 10 horas por dia. Enquanto dormimos produzimos hormonas do crescimento. Também aprendemos que há consequências negativas se não dormirmos as horas necessárias, como por exemplo: ficamos cansados e não aprendemos o suficiente; não temos muita criatividade no desempenho das nossas tarefas; ficamos sonolentos e irritados.” 5ºG “Falamos sobre os distúrbios do sono como o sonambulismo, bruxismo, insónias, apneia, síndrome das pernas inquietas. Também aprendemos as vantagens de um bom sono …. e a relação entre a obesidade e as poucas horas de sono. Falamos ainda sobre os factores que prejudicam o sono: a presença de computador, telemóvel, televisão, no quarto de dormir, bem como a temperatura e a luminosidade que se deve verificar no mesmo. Gostamos sobretudo da parte em que falamos dos distúrbios do sono.” 6ºF “... fomos convidados assistir à palestra Efeito do sono na vida diária, integrada na quinzena da saúde e como toda a gente sabe, ter uma boa saúde requer ter um bom sono. A enfermeira Sílvia Bar-

Página 40

bosa explicou a todos os alunos que se encontravam no polivalente que existiam dois tipos de sono: o sono Rem e o sono não Rem. Colocaramse logo no início várias dúvidas, mas tudo ficou bem explícito. (...) Existem alguns factores que interferem com o sono como a luz, a temperatura e o ruído porque criam desconforto no ser humano. (...). Foi apresentado em powerpoint um quadro dividido em idades e com as horas necessárias que cada pessoa deve dormir (...), no caso dos adolescente tinham que dormir em média 9h a 10h por dia. (...) A enfermeira mencionou que existem vários distúrbios do sono, falando dos mesmos e apresentando o seu significado. Achamos a palestra muito didáctica e interessante, tendo em conta que ficamos esclarecidos e retiramos algumas dúvidas”. Juliana Matos, 7ºC A organização das actividades, Põe-te a mexer!! e as Olimpíadas da Saúde, foi da exclusiva responsabilidade da equipa do Projecto Educação para a Saúde da escola. A actividade “Põe-te a mexer!!”, tal como já tinha acontecido no ano anterior, voltou a ter o ginásio muito animado, com grande adesão por parte dos alunos participantes, mas também de público interessado em observar as modalidades de Step, Body Jump e Hip Hop. Num dos lados do ginásio estava a professora convidada Sílvia Silva, que ao som de música anima-

da e muita energia no Step, conseguiu contagiar todos aqueles que queriam seguir o ritmo

dos exercícios sem se enganar. No outro extremo do ginásio, estavam as alunas do 9ºD, Tatiana e Andreia, que ensinavam alguns passos básicos de Hip Hop para que no final os alunos pudessem aprender uma pequena coreografia. Seguidamente, e só para os que ainda tinham alguma energia, foi a vez de experimentarem o Body Jump, que tal como o nome indica temos muitos saltos, associados a exercícios, em pequenas camas elásticas. Para finalizar, a Tatiana, a Andreia e a Filipa apresentaram uma pequena coreografia surpresa de Hip Hop aos

nossos “atletas” completamente exaustos.


PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE As Olimpíadas da Saúde, são um concurso dirigido a alunos do 1º, 2º e 3º ciclos do agrupamento e têm como objectivos promover: o conhecimento e o interesse pela temática da Saúde nas suas múltiplas vertentes; o espírito crítico face aos comportamentos que comprometem o bem estar geral e a saúde. As Olimpíadas são compostas por de 3 etapas não eliminatórias, em que os alunos em equipas, representantes de cada uma das turma, responde a um conjunto de questões que abrangem temáticas no âmbito da Saúde individual e comunitária, alimentação, actividade física, consumo de substâncias psicoactivas, sexualidade/infecções sexualmente transmissíveis,

ambiente e saúde e conteúdos das disciplinas de Ciências da Natureza e Ciências Naturais. 1ª Etapa do concurso já teve lugar em 2009, no dia 18 de Dezembro e as diferentes turmas responderam a um conjunto de questões de escolha múltipla, tendo obtido as melhores pontuações por ano: 5ºC com 22 pontos, 6ºB com 22 pontos, 7ºA com 23 pontos, 8ºD com 24 pontos e 9ºC com 17 pontos. A 2ª etapa decorreu no dia 9 de Março e mais uma vez as equipas mostraram entusiasmo e empenho em acertar no máximo possível de questões, porque de saúde eles é que sabem!! Apesar da prova ser um pouco mais difícil, mesmo assim, as equipas deram o seu melhor e as

turmas com mais pontos foram: 5ºC com 36 pontos, 6ºB com 40 pontos, 7ºD com 35 pontos, 8ºA com 39 pontos e com igual pontuação 9ºB e D com 25 pontos. Ainda nada está decidido!! Os vencedores de cada ano das Olimpíadas da Saúde só serão conhecidos após a 3ª e

ter-

última etapa no final do ceiro período.

Quem anda à chuva, molha-se!

Era uma vez um rapaz cretino e despreocupado, que passava o dia-a-dia na fanfarra. Não estudava, não trabalhava, nada fazia de útil. Apenas gostava da vida boa da noite. Todos os dias, de Janeiro a Dezembro, o rapazinho ia para discotecas engatar garinas. Dito e feito… conseguia o que queria e depois deixava-as abandonadas. Tudo lhe corria bem, até ao dia em

AVERT-VIRA A PÁGINA

que uma delas tinha sida. Como não usou preservativo, foi contagiado pela terrível doença.

o erro é prejudicial deve-se ter cuidado e pensar com consciência. Inês Malta, nº14 8ºB

A partir daí, nunca mais foi o mesmo. Deixou a má vida e destinado à morte, decidiu ajudar os mais pobrezinhos. A porcaria estava feita, e ele sofreu as consequências. Mas agora, ele queria remediá-la com toda a sua força… (pelo menos era a forma como pensava). Errar é humano, mas quando

Página 41


O QUE PENSAM OS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Antes de mais, deixem–me agradecer o amável convite feito pela Dra. Cristina Vieira à “Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica EB 2/3 de Rio Tinto” para colaborarmos com o jornal escolar “Vira a Página”. Este meio de comunicação do Agrupamento é já uma referência na nossa comunidade ao longo dos anos e espelha a qualidade e prestígio do que acontece e tem sido realizado. Quanto ao papel das associações de pais e encarregados de educação, é fundamental para o sucesso do processo educativo dos nossos filhos e educandos. Para construir uma associação mais representativa e forte, é fundamental que as famílias colaborem, activamente, quer através da sua participação como associadas, quer através da sua participação activa em todos os eventos que a associação organiza, quer ainda através da participação nos próprios órgãos sociais. Esta associação realizou já alguns eventos (Quadro de Honra, Cantar das Janeiras, etc..) e tem ainda previsto um conjunto muito importante de actividades, que pode ser encontrado no plano de actividades afixado no nosso placard da entrada da escola, e para as quais gostaria de chamar a atenção de toda a comunidade escolar. Gostaria de destacar particularmente a “III Caminhada” no dia 16 de Maio (mês do coração), com o rastreio de tensão arterial, medição do índice de massa gorda, glicose,

Página 42

entre outras. Continuaremos a ser a voz de todos os alunos, pais e encarregados de educação nas reuniões com os órgãos da escola e para tal estamos sempre disponíveis no atendimento personalizado aos pais e encarregados de educação aquando das nossas reuniões mensais ou ainda por contacto via email, telefónico e correio. Na nossa opinião, a actividade da associação não fica confinada ao desenvolvimento das actividades propostas e nunca deverá o papel da associação limitar-se a exercer actividades lúdicas. Qualquer associação deste tipo terá, sempre, como maior objectivo, a concretização de uma melhor educação na escola. Para isso é preciso que toda a comunidade escolar compreenda esse objectivo estratégico e que se envolva em todos os passos necessários para que se concretize. Quer isto dizer que é preciso que os alunos, os pais e encarregados de educação, os auxiliares de educação e os professores estejam todos identificados com este objectivo, concretizando-o todos os dias nas suas actividades profissionais e académicas e nos órgãos de gestão que a comunidade escolar tem o dever e o direito de gerir. Tivemos já uma intervenção muito importante em diversos assuntos de interesse global para a escola, marcando as nossas intervenções pelo objectivo estratégico de construir uma melhor escola para os nossos filhos, mais justa, mais racional e com os melhores recursos humanos e materiais. Des-

tacam-se as nossas intervenções nos órgãos em que temos representatividade e também nos inúmeros contactos informais com a gestão pedagógica e administrativa da escola. Destaca-se ainda a colaboração nas comunicações formais à comunidade escolar e local. Esta capacidade de intervenção alargada, detectando problemas e antecipando as suas soluções, só é viável com uma equipa de trabalho coesa e com forte espírito de equipa. São assim os elementos dos órgãos sociais da associação e é um privilégio fazer parte desta fantástica equipa. Sendo assim, tenho que dizer que “A sua presença é importante e que contamos consigo”. Todos, temos uma palavra a dizer relativamente à educação dos nossos filhos, educar é ter esperança no futuro, vamos assumir a sua educação, não se omita desta tarefa, pois a educação é uma responsabilidade de todos. Junte-se a nós, participe nas actividade desta Associação de Pais, dênos a sua opinião, colabore para que a Escola dos nossos filhos seja um espaço de ensino de qualidade, aprendizagem efectiva, formação cívica, crescimento saudável e de desenvolvimento integral, bem estar e protecção. Bem hajam! Carlos Monteiro Presidente da Mesa da Assembleia da APEE


FINAL DO 6º CAMPEONATO NACIONAL DE JOGOS MATEMÁTICOS O AVERT esteve presente na final do 6º Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos, que se realizou no dia doze de Março de dois mil e dez, no Centro Nacional de Exposições, em Santarém. Estiveram presentes neste evento os alunos do 1º ciclo, Vasco Moreira, da turma D, do terceiro ano, para o jogo OURI, e Rute Freire, da turma B, do quarto ano, para o jogo KONANE, ambos da Escola E.B. 1 da Ponte, os alunos do 2º ciclo, Débora Dias, da turma C, do quinto ano, para o jogo OURI, Francisco Torre, da turma D, do sexto ano, para o jogo HEX, e Artur Mateus, da turma C, do quinto ano, para o jogo KONANE, e os alunos do 3º ciclo, Joana Lima, da turma C, do sétimo ano, para o jogo OURI, André Ribeiro, da turma C, do sétimo ano, para o jogo HEX, e Sandra Correia, da turma C, do oitavo ano, para o jogo RASTROS, da Escola E.B. 2,3 de Rio Tinto. Estes alunos foram acompanhados pelas professoras Gracinda Lima, Isabel Silva e Sílvia Tavares. A aventura começou na escola às sete horas, deslocando-se de autocarro até Santarém, partilhado com alunos e professores da Escola Secundária de Rio Tinto, Escola Secundária de Valbom e Escola E.B. 2,3 da Sobreira.

AVERT-VIRA A PÁGINA

À chegada, os alunos receberam um saco com o lanche da manhã, um cartão de identificação, uma senha de almoço, um certificado de participação, uma t-shirt e um lápis. Durante a manhã, os oito alunos participaram na Final do 6º Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos. Ganharam alguns jogos e perderam outros. Podemos dizer que tiveram uma boa prestação, tendo em conta que estavam na final 2146 alunos de todo o país e distribuídos pelos vários jogos. Na parte da tarde, enquanto o Artur Mateus, da turma C, do quinto ano, disputava a final do KONANE, os outros sete alunos envolveram-se em várias actividades que decorreram no Centro Nacional de Exposições. Assistiram ainda à sessão de encerramento no Auditório do Centro Nacional de Exposições, pois o Artur ficou classificado em terceiro lugar a nível nacional no jogo KONANE. PARABÉNS ARTUR!

receber o seu prémio das mãos da Secretária de Estado presente. O Artur recebeu outro certificado, a Diciopédia 2010 da Porto Editora, uma impressora HP e ainda uma pasta com um livro e outros brindes. Antes de sair de Santarém, foram comer a um restaurante de fast-food do agrado dos alunos e voltaram para a escola fazendo o trajecto contrário. Chegaram à escola às vinte e duas horas. Foi um dia em cheio. Os alunos portaramse lindamente e adoraram a experiência., embora estivessem muito cansados.

Gracinda Lima, Isabel Silva, Sílvia Tavares

Foi com muito entusiasmo que se bateram palmas ao Artur, quando este subiu ao palco para Página 43


VISITA AOS MUSEUS DAS CALDAS DA RAINHA As professoras do 3º ciclo das Áreas Curriculares Disciplinares de Educação Visual e História organizaram uma visita de estudo às Caldas da Rainha, visitando os Museus José Malhoa e Cerâmico de Rafael Bordalo Pinheiro, no dia 10 de Março, destinada às turmas do 8º ano de escolaridade, no âmbito das Comemorações do Centenário da 1ª República Portuguesa, bem como inserida nalguns conteúdos programáticos relativos às duas disciplinas. Em relação ao Museu José Malhoa, as diversas turmas foram divididas em grupos de alunos que atentamente seguiram as explicações pertinentes da guia do Museu. Os alunos foram motivados para a pintura da época do romantismo e naturalismo, apresentada por diversos pintores, através da observação directa e realização de uma ficha de exploração. No Parque D. Carlos I, teve lugar o piquenique tão tradicional, onde a alegria e convívio foram contagiantes, em que os alunos apreciaram a paisagem quase primaveril envolvente, pois o tempo estava convidativo para o passeio. Depois do almoço, todos

Título do bloco in terior

NA MINHA OPINIÃO...

Na minha opinião, há vários tipos de adultos: responsáveis, irresponsáveis, meigos, severos divertidos,

foram visitar o Museu Cerâmico que guarda peças valiosas da cerâmica de Rafael Bordalo Pinheiro e outros ceramistas. Sem dúvida que a personagem do Zé Povinho criada por Rafael Bordalo Pinheiro foi uma das mais apreciadas. Quarenta Alunos foram seleccionados para um atelier, podendo moldar também as suas próprias criações artísticas. Para a visita de estudo, cada aluno recebeu um folheto explicativo, completado, posteriormente, com as impressões mais marcantes recolhidas por cada um.

As professoras organizadoras agradecem a todas as professoras que acompanharam os alunos, pois sem a sua preciosa colaboração a visita não seria possível.

aborrecidos (entre muitos outros tipos variados). Os adultos não são muito compreensíveis com as crianças ou adolescentes, não ouvem as opiniões sobre os assuntos ou pensamentos dos mais novos. Para os adultos, os adolescentes vivem no mundo da

fantasia, o que é verdade para alguns, mas há outros que não vivem nesse mundo, mas sim no mundo em que os adultos deveriam ser mais justos, compreensíveis e mais “companheiros”.

Esta actividade foi bastante enriquecedora, na medida em que os alunos foram motivados para a aquisição de conhecimentos, podendo consolidar outros através do contacto directo com a realidade exterior. Salienta-se, igualmente, o convívio salutar, proporcionado por esta actividade.

Catarina Taveira, 9º A Página 44


OS ADULTOS VISTOS PELOS ADOLESCENTES O mundo dos adultos é um mundo bastante diferente do nosso. Na verdade, todas as crianças e adolescentes são “revoltados” contra o que os pais ou avós lhes dizem ou fazem. Na minha opinião, os adultos

vivem muito os seus problemas de trabalho e financeiros com os filhos. Quando o dia lhes corre mal, chegam a casa e descarregam todos os problemas nos filhos. Naquele momento, o problema com a criança em questão pode até nem ser grande, mas torna-se um bicho-desete-cabeças.

Os adultos deveriam saber distinguir os problemas familiares dos problemas económicos. Marta Alexandra Oliveira, Nº21, 9ºB

OS ADULTOS...

Cada um é consoante aquilo que foi ensinado; os princípios e as maneiras de pensar mudam de pessoa para pessoa. Os adultos civilizados e bem formados têm respeito pelas crianças e pela sociedade em geral, compreendem e sabem o que elas necessitam, mas nem sempre, no quotidiano das pessoas, isso é possível, contudo, não é motivo para as tratar mal, são seres vivos como eles e se não tiverem esses mimos e educação necessários não terão respeito pelo próximo e serão frus-

trados. Apesar disso, algumas dessas crianças, “renegadas” pelos pais, acabam por agir da mesma maneira com os seus filhos, quando os tiverem. Há famílias que até dão tudo com conta peso e medida e os filhos não demonstram essa educação e o que eles dizem “entra a cem e sai a duzentos”, mas, pelo menos, o papel dos pais foi cumprido. De um modo geral, pensando agora no meu caso particular, noto que os meus pais me dão demasiada

protecção, tanta que me sinto presa; dizem que não tenho idade para fazer nada nem para ir onde quero, mas eu até já tenho idade. Andam sempre “em cima” de mim, perguntam-me todos os dias como correu a escola, quais as novidades. Isso enerva-me totalmente, depois, dizem que ando sempre malhumorada, que não os respeitos e etc. Só sabem exigir e estão sempre a aborrecer-me. Sónia Ramos 9ºA

COMO FAZER UM BOM CIDADÃO Ingredientes:

Grau de dificuldade: Fácil

200gr de boa atitude

2kg de bom comportamento

Modo de preparação:

20 gr de inteligência

250gr de preocupação

500gr de felicidade

1 colher chá de boa educação

200gr de boa postura

Numa tigela, junte 20gr de inteligência, 250gr de preocupação, 1 colher de chá de educação e misture tudo muito bem. Depois de juntar tudo, polvilhe com 2kg de bom comportamento. Leve a preparação

AVERT-VIRA A PÁGINA

ao forno a 250°c e espere durante 50 minutos. Ao fim desse tempo, tire a preparação e junte à cobertura 200gr de boa atitude, 500gr de felicidade e 200gr de boa postura. Desfrute! Bom Apetite! Rui Lopes, Nº21,8ºA

Página 45


O CARNAVAL AO LONGO DOS TEMPOS O termo “carnaval” vem da expressão “carne vale” que significa “adeus carne”, isto é, nela está implícita a ideia de afastamento dos prazeres da carne, antecedendo o período de quaresma, um período de jejuns e de privações. O carnaval dura três dias, sendo o principal a terça-feira, terça-feira gorda, e acabando na quarta-feira de cinzas, do ponto de vista cristão. Todavia, o carnaval é uma festa popular bastante antiga, de origem grega, entre 600 e 500 a.C, cujo objectivo era agradecer aos deuses a fertilidade do solo e o sucesso das colheitas, no início da Primavera, comemorando-se o regresso da luz e da abundância. Os egípcios dedicavam a festa a Isis e a Apis, os atenienses dedicavam as suas «festas de Bacanais» a Dionísio, os Romanos a Saturno, protector da agricultura e das sementeiras. A moda das máscaras e dos cortejos de rua iniciou-se durante o Renascimento, em Itália, nos séculos XV e XVI, destacando-se o Carnaval de Veneza, que é hoje sinónimo de charme e de classe, mas que na época significava libertinagem sem limites. No resto da Europa, a quadra também se comemorava,

Título do bloco in terior

Página 46

mas de forma mais pobre e mais espontânea. Em Portugal, uma das épocas de maior projecção do Carnaval foi durante o reinado de D. João V, dado que o ouro proveniente do Brasil proporcionava um grande luxo.

da estava presa a um cordel que se puxava no momento preciso. Das janelas faziam-se novas brutalidades. Despejavam baldes de água sobre quem passava e atiravam sobre os transeuntes tudo o que encontravam no caixote do lixo: folhas de couve, cascas de batata, ossos, espinhas, etc.»

A espontaneidade, desorganização e até violência marcavam esses dias, de tal forma que, no início do século XVII, D. Filipe III viu-se obrigado a proibir as «laranjadas e Carnaval termina com "enterro do João" brigas de Entrudo». Foi com o surgir do liberalismo que o Carnaval ganhou um novo estatuto, surgindo com uma forte carga de crítica social, simbolizada no «xexé», máscara que caricaturava os miguelistas. «Os divertimentos eram diabólicos, como passamos a narrar: entrava-se em casa da vizinhança com as mãos cheias de cal e empoava-se o cabelo de toda a gente, estragando os fatos sem piedade. Besuntavam-se as escadas de sabão e os trambolhões eram certos. Quem quisesse apanhar uma moeda de prata do chão arriscavase a grande vexame, porque a moe-

Em Rio Tinto, as comemorações carnavalescas terminaram com o já típico "enterro do João", uma tradição secular com origem na zona da Triana, em Rio Tinto. Foram vários os "enterros" realizados (um ritual com um velório simulado com um boneco em palha chorado pela viúva e amantes, e que é queimado, depois de percorrer várias artérias e lido um testamento de sátira popular e de maledicência), com particular destaque para os organizados pela ADR Ponte de Rio Tinto, pela Banda S. Cristóvão de Rio Tinto e pelos moradores da Triana.


Jogos e curiosidades É o símbolo do , mas trabalha sem descanso bombeando, num adulto, mais de 10 000 litros de sangue por dia e efectuando durante a vida mais de 2500 milhões de batimentos.

O número de vezes que o teu coração bateu, desde que nasceste; A quantidade de sangue que passa pelo teu coração num minuto; Quantos litros de sangue bombeou na tua vida

Para os cálculos, utiliza os seguintes valores médios: Ritmo cardíaco = 80/minuto Volume de sangue expulso em cada batimento = 75 ml

1º Observa a expressão do rosto da esquerda, com atenção. 2º Seguidamente, observa o rosto invertido, à direita. Nada de anormal? 3º Vira a folha ao contrário e verifica as características do rosto que, nessa posição, fica à esquerda. Que observas? Na primeira observação que fizeste, o teu cérebro fixou-se em certas características do rosto, que admitiu estarem correctas no rosto invertido. No entanto, verifica-se que essas características não estão correctas neste último. As figuras seguintes permitem contactar que o cérebro se apercebe de formas inexistentes, como, por exemplo, o triângulo negro da figura 1 e o quadrado branco da figura 2. Os contornos ilusórios destas formas são reduzidos por um raciocínio automático. Relativamente à figura 3, ela mostra que uma habilidade de perspectiva, falseia a percepção; os dois paralelogramas são perfeitamente iguais, embora pareçam muito diferentes.

AVERT-VIRA A PÁGINA

Página 47


Naquela água límpida vi o teu rosto, Agrupamento Vertical de Escolas de Rio Tinto

Sorri por ver o teu sorriso, Mas quando voltei a olhar não Passavas de um suposto sonho.

Endereço Escola EB 2/3 de Rio Tinto R.Dr.Cancelas 4435-212 Rio Tinto Tel: 224890590 Fax: 224896556

Sara Costa, nº20,9ºD Cada lágrima derramada, Fez o meu lago encher, Uma história inacabada,

VIRA A PÁGINA

Fez o meu amor viver. Cátia Cardoso,nº8,9ºD

Correio electrónico: jornalavertvirapagina@gm ail.com Profª Coordenadora Cristina Vieira

A CELEBRAÇÃO DA “PASSAGEM”/”MUDANÇA”

Diz-se que as mudanças decorrem de momentos conturbados e catastróficos, constituindo uma renovação, um renascimento, isto é, a reconstrução do que foi destruído. A confirmar tal ideia estão as últimas tragédias que assolaram o mundo inteiro, desde o terramoto do Haiti, em Janeiro, os desabamentos de Angra dos Reis, no Brasil, em Janeiro, o terramoto/tsunami no Chile, em Fevereiro, os nevões ocorridos nos E.U.A e o quase dilúvio na ilha da Madeira. Todos sabemos que para essas reconstruções é fundamental a solidariedade de todos, traduzida nos actos e palavras daqueles que prestam apoio às vítimas. Todavia, este não é só o

momento de reconstruir o que foi destruído, é, também, um momento de “passagem”, porque a Páscoa está a chegar. Não se zanguem os incrédulos, pensando que vou falar de alguma crença religiosa pascal, seja ela qual for. Não! Vou falar do significado da palavra “páscoa”, regra geral, associada à religião. A palavra “Páscoa” vem do hebreu “pessah” e significa “passagem”, “mudança”, isto é, a passagem de um tempo escuro e triste para um momento iluminado, de vida nova, na Natureza, sendo uma espécie de renascer. A Páscoa, antes de ser uma festa cristã, era uma celebração da Primavera, representando o fim do Inverno e a chegada da Primavera. Nesta estação do ano, os antigos povos pagãos europeus

homenageavam Ostera, que era a Deusa da Primavera, que segurava um ovo na mão, simbolizando a chegada de uma nova vida. Esta celebração era marcada com a decoração de ovos, costume este que surgiu em Inglaterra, no século X, espalhando-se um pouco por todo o mundo e significava o desejo de boa sorte, fertilidade, amor e fortuna. Estes são também os meus votos para toda a comunidade educativa do AVERT, apesar das adversidades que vão semeando a vida de cada um. Haja força, coragem e espírito empreendedor para avançar e percorrer o caminho que temos pela frente! Profª Cristina Vieira

ViraPagina03-10  

Jornal do AVERT - Rio Tinto

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you