Page 17

LIVROS

Lançada edição dos 50 anos de Ardil 22, de Joseph Heller

Página 20

17 ○

A UNIÃO ○

EDITOR: William Costa

I

E-MAIL: wpcosta.2007@gmail.com

Palco ○

I cultura.aunião@gmail.com I REDAÇÃO: 83 3218-6511

João Pessoa > Paraíba > TERÇA-FEIRA, 30 de agosto de 2011

Cultura & Diversão

DICA!

Acesse o p ortal Cartaz de Cinema, dedicado à produção audiovisual no Nordeste,que traz informações sobre estreias e festivais. O endereço é ww.cartazdecinema.com.br Foto: Divulgação

Homo Bestiale

Na foto acima, Eulâmpio trabalha em uma das esculturas da mostra Transgressões Capitais

Em Transgressões Capitais, Eulâmpio denuncia e faz refletir sobre a violência contemporânea Nova exposição do escultor será aberta quinta-feira, na Estação Cabo Branco

humanas maléficas que o homem faz com o seu semelhante. A mostra é instigante, vai incomodar e quem a observar não vai ficar insensível. É a primeira que faço em tom de denúncia, pois me sinto incomodado com o que acontece por causa da bestialização humana", explicou Eulâmpio, em entrevista para A União. Ele contou que, a exemplo dos sete pecados capitais, optou por representar 10 transgressões: além da chacina, pedofilia, estupro e tráfico - que pode ser, por exemplo, o de drogas ilícitas como o de influência - a clausura, inclusive a que resulta de sequestro, violência doméstica contra a mulher, preconceito, fome, etc. Transgressões Capitais é realizada sob patrocínio do Fundo Municipal de Cultura (FMC), da Prefeitura de João Pessoa, através da aprovada em Edital. As esculturas - com dimensões médias de 70 centímetros de comprimento por 1m30 de altura, pesando entre 70 quilos a 200 kg - começaram a ser criadas em novembro do ano passado até o início deste mês de agosto. Para confeccioná-las, fez cada peça original diretamente em argila, tirou a forma em gesso e, depois, preencheu com o cimento. As obras foram esculpidas mantendo, incrivelmente, uma riqueza de detalhes na reprodução das figuras humanas e de órgãos. Eulâmpio justificou que essa fidelidade é consequência de um "dom natural". Mas admitiu que os conhecimentos advindos pelo fato de ministrar aulas de anatomia também contribuem para confeccionar as peças com esmero.

Guilherme Cabral guipb_jornalista@hotmail.com

U

ma exposição, no mínimo, intrigante. E o próprio autor, o artista plástico pernambucano e professor de Anatomia Humana da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Eulâmpio - nome artístico de Eulâmpio José da Silva Neto - não esconde a intenção de chocar o público, mas no sentido de leválo à reflexão sobre temas fortes e atuais na sociedade brasileira, num caráter educativo, mas de denúncia. A referência é para a individual intitulada Transgressões Capitais, que será aberta na quinta-feira (1/9), às 19h, na Estação Cabo Branco Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano, em João Pessoa. A mostra - que permanecerá aberta à visitação até o dia 20 de setembro, sob curadoria de Lúcia França - é composta por 11 obras: 10 esculturas em cimento, representando ações violentas como o estupro, a pedofilia, o tráfico e a chacina. A outra obra deve ser "uma surpresa", mas o escultor antecipou que haverá uma performance que ele fará na ocasião, resultando num desenho que simboliza um assassinato. "O título da exposição significa as interações

Nesta edição

# MÚSICA O grupo feminino Choro das 3 será a próxima atração do Sabadinho Bom, no dia 3 de setembro - Página 18

No catálogo da exposição Transgressões Capitais, o escultor afirma que "as várias formas de violência são uma das piores facetas da humanidade. Elas estão representadas por atos maléficos dos mais diferentes tipos e graus de severidade. Por mais que tenhamos galgado patamares elevados na compreensão do mundo e de nós mesmos, ainda pairamos no círculo de atrocidades cometidas aos nossos semelhantes". "A referida temática dá continuidade ao meu trabalho e à minha visão do artista plástico, sendo este não apenas um artesão do belo, mas, e muito mais, um filósofo da forma, cuja capacidade de ver e sentir o mundo é demonstrada por imagens que mostram/denunciam as atrocidades e aberrações sociais, não podendo, de modo algum, ficar calado ou fechar os olhos para a realidade que nos cerca", acrescenta Eulâmpio. Já o escritor e artista plástico W. J. Solha, que assina o texto de apresentação da mostra, destaca que o escultor cria um diferencial com cada uma das obras esculpidas. "Eulâmpio sabe como nos expor a essas suas formas tão densas quanto trágicas. O engradado de umas costelas, uma quina de curra, o esmagamento de que é capaz uma cruz de pedra sobre uma frágil vítima de opressão, tudo foi concebido da melhor forma para explorar ao máximo o rendimento da sombra e o chamado "sentimento da pedra", indispensáveis nessa arte. Tudo com modelado poderoso e extraordinária economia de meios", diz ele. ○

# HUMOR O grupo pernambucano Stand Up Comedy - Os Ideais da Comédia apresenta-se na cidade de Areia - Página 18

n ...

SOBRE O ARTISTA Natural de Recife-PE, Eulâmpio José da Silva Neto, 49 anos, mora na Paraíba há quase três décadas.. Em 2008, realizou a exposição A Dor Mental, no Zarinha Centro de Cultura, em João Pessoa, onde mostrou esculturas em argila. Ele adiantou que o próximo projeto é promover uma individual com base na abstração do corpo, partindo de pequenas estruturas - entre 2 a 3 centímetros - para, depois, fazê-las maiores, criando parte de órgãos humanos.

# SERVIÇO > Exposição: Transgressões Capitais Artista: Eulâmpio Abertura: Quinta-feira, às 19h Local: Estação Cabo Branco, em João Pessoa Período: Até 20 de setembro

# CINEMA O filme A Idade do Ouro, de Luis Buñuel, será exibido hoje em mostra do Sesc Centro, na Capital - Página 19

JORNAL A UNIÃO  

30/08/2011

Advertisement