Page 9

Campanha de vacinação contra a gripe deve imunizar 31,3 milhões de pessoas em abril Página 10

A UNIÃO

João Pessoa, Paraíba - QUARTA-FEIRA, 27 de março de 2013

Ovo de Páscoa

Chocolate é benéfico à saúde mas exige cautela FOTO: Arquivo

Nádya Araújo Especial para A União

O chocolate é um doce secular que se aprimorou ao longo dos anos. Segundo o historiador Rafael Virgínio, as lendas dos chocolates vêm tradicionalmente dos povos Maias e Astecas, além de algumas civilizações mais contemporâneas. A lenda mais famosa do cacau é a que diz que há anos existia uma deusa Maia, que tinha os frutos dos cacaueiros em seus cabelos. Então, veio o deus do vento e com um furacão espalhou estes frutos. Assim teriam surgido as árvores de cacau. Ainda segundo Rafael Virgínio, existem registros que, por volta de 600 anos A.C., os Maias ofereciam ao deus Ek Chuach uma bebida escura e amarga chamada chocolate. Nessa mesma época o povo Maia estabeleceu as primeiras plantações de cacau em Yucatan e na Guatemala. Até cerca de 500 anos atrás, o chocolate não possuía o sabor adocicado que conhecemos hoje. Os espanhóis foram os responsáveis por acrescentar açúcar ao cacau, e assim , criaram o divino sabor que só se aperfeiçoou com o passar do tempo. Hoje, existe uma variedade enorme de marcas, formatos e sabores. E na Páscoa, onde existe a tradição de presentear com ovos de chocolates, a oferta é bem maior do que nos demais períodos do ano. Porém, a alegria de muitos, é a tristeza de alguns. De acordo com o nutricionista Leopoldo Alencar, a intolerância a lactose ocorre pela má digestão da lactose em pessoas, geralmente, de todas as faixas etárias. No entanto ela acontece com mais frequência com o avanço da idade e a má digestão. Vilão ou mocinho O chocolate é rico em gordura, carboidratos e altamente calórico. De acordo com a Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO), uma porção de gramas de chocolate ao leite contém 540 kcal; uma barra

Chocolate agiliza o raciocínio, melhora o humor, combate o estresse, ansiedade, hipertensão e a depressão e não é aconselhável para quem deseja emagrecer

que contém em média 130g terá o equivalente a 702 kcal. Para o nutricionista Leopoldo Alencar, o chocolate é inimigo para quem deseja emagrecer e um amigo para agilizar o raciocínio, melhorar o humor, combater estresse, ansiedade, hipertensão e depressão, além de ser afrodisíaco. O chocolate é um alimento benéfico à saúde, porém, deve-se ficar atento ao consumo e não exagerar. “Os ansiosos e apaixonados sempre encontram alívio no chocolate, que tem a capacidade de elevar os níveis de serotonina e endorfina causando sensação de bem-estar, promovendo

disposição e evitando a depressão. O chocolate também possui flavonóides, antioxidantes, que impedem o colesterol (LDL), ou seja, o mau colesterol, de acumular nas artérias e combate os radicais livres que provocam o envelhecimento precoce. Porém, existem pessoas que possuem sensibilidade aos componentes do chocolate, que pode se manifestar na forma de eczemas, insônia e enxaquecas, além de diarreia em razão do alto teor de gordura e açúcar. Para os que apresentam os sintomas, a solução é limitar o consumo ou eliminá-lo da dieta” acrescenta o nutricionista. O consumo regular de produ-

Alimento tem alto teor de gordura e caloria Por ser um alimento de alto teor de gordura e açúcar simples, com o consumo abusivo pessoas correm o risco de desenvolver problemas nutricionais. Deve haver critério no consumo, pois na fabricação final do chocolate existe a adição de leite, geralmente integral, o que aumenta a presença de outras gorduras saturadas e colesterol alimentar, que podem elevar o colesterol sanguíneo. O alerta também é válido para quem possui intolerância à lactose - açúcar do leite; uma boa opção para ambos os casos são os chocolates feitos à base de pó de soja. O chocolate também deve ser consumido com moderação devido ao seu alto teor calórico. Essa recomendação vale também para os chocolates dietéticos, pois apresentam apenas restrição de açúcar, mas, muitas vezes, a quantidade de gordura e calorias é maior do que no produto tradicional. Por isso é importante ficar atento aos rótulos e à composição nutricional presente nas embalagens. Para que ele seja de boa qualidade, é necessário adicionar mais manteiga de cacau. O chocolate branco não contém pasta de cacau, somente manteiga de cacau, açúcar, leite em pó e gorduras do leite. O cacau é

usado com bebida e é uma fonte excelente de vários nutrientes, especialmente quando adicionado ao leite. A fruta também é composta de proteína e gordura, sendo uma boa fonte de potássio e tanino. O consumo de cerca de 30g diárias de chocolate amargo, por exemplo, como parte de uma alimentação saudável, pode trazer benefícios ao organismo. Mas é preciso ter cautela no consumo. Intolerância à lactose É a incapacidade parcial ou total de digerir a lactose, o açúcar do leite. A doença ocorre porque o indivíduo nasce sem uma enzima que quebra a lactose ou porque deixa de produzi-la ao longo da vida, seja pelo envelhecimento ou por lesões no intestino. “A lactose é formada por dois carboidratos menores, monossacarídeos, a galactose e a glicose, desempenhando assim o papel de suprir combustível para o corpo. A deficiência ou ausência da enzima lactase, produzida no intestino delgado para de decompor e absorver o açúcar, é a causa da intolerância.”, explica Leopoldo. Ao ingerir um pedaço de queijo, chocolate, ou um simples copo de leite, a pessoa sente

náusea, gases, inchaço, diarreia e assadura na região anal. A gravidade dos sinais, que podem aparecer logo após a ingestão destes alimentos ou depois de horas, depende da quantidade ingerida e de quanta lactose cada pessoa é capaz de suportar. Joseth Costa, que sofre de intolerância a lactose há alguns anos, diz que já passou por maus bocados. “O maior problema é por que eu não me abstenho de comer alimentos com lactose. Como chocolate, leite condensado entre outros. Mas, a pior parte é quando os sintomas chegam. Muitas dores na região do abdômen e enjoou. Mas, a pior parte é a zoação dos amigos, que comem chocolate na minha frente para passar vontade”, desabafa. Não há tratamento para aumentar a capacidade de produzir lactase, mas os sintomas podem ser controlados por meio de dieta e medicamentos. Pessoas que sofrem de intolerância à lactose devem evitar: leite de vaca ou de cabra, queijo fresco, manteiga, requeijão, creme de leite, iogurtes, bolachas bolos e pudins e adoçantes em pó. As opções do que comer, então, são: Leite com baixa lactose, leite de soja ou de arroz, queijo brie, camembert, roquefort, chedar, parmesão.

tos ricos em cacau, como o chocolate amargo, pode ter um efeito benéfico sobre a redução da pressão sanguínea em indivíduos hipertensos a curto-prazo. Porém, é questionável se este mesmo consumo seria eficaz a longo-prazo. Leopoldo explica que os polifenóis, em particular os flavonóides, contidos nos produtos, como o cacau, parecem aumentar a formação de óxido nítrico do endotélio, o que promove a vasodilatação e, consequentemente, pode diminuir a pressão sanguínea, sendo assim, a ingestão de cacau é uma aliada na função cardíaca. A tensão pré-menstrual (TPM) é um distúrbio caracterizado por sinto-

mas físicos e psicológicos manifestados durante o período lúteo do ciclo menstrual e termina logo que se inicia a menstruação, de modo que efeitos fisiológicos comprometem o humor a partir de neurotransmissores. “Como dito anteriormente, o chocolate é rico em triptofano, um aminoácido precursor da serotonina. Estudos indicam também que o triptofano é a substância responsável pela promoção da sensação do bem-estar, o qual em doses controladas trará alívio, nesse caso, porém, deve-se frisar em doses controladas e não consumidas de qualquer forma”, acrescenta Leopoldo.

Alana Gandra

grandes redes já têm pedidos dos lojistas há mais de três meses”. Segundo o professor da FGV, os ovos mais caros são os que custavam no ano passado em torno de R$ 20, R$ 30 e R$ 40. Na Páscoa deste ano, esses ovos terão os preços ampliados para R$ 22 a R$ 23, R$ 35 e R$ 45, respectivamente. Do mesmo modo, os ovos menores, cujo preço variava entre R$ 3 e R$ 5 em 2012, sofrerão aumentos na mesma proporção. Considerando os ovos acima de R$ 20, ele acrescentou que a previsão dos comerciantes é queda nas vendas. “Por isso, eles compraram menos. Há probabilidade de faltar ovos grandes porque os comerciantes estocaram pouco. Eles não querem que tenha sobras, para evitar prejuízo. Os comerciantes não querem correr esse risco”. Por essa razão, Daniel Plá estimou que é preferível haver falta de ovos grandes e maior venda de ovos de menor tamanho. A situação de mercado que se apresenta para os consumidores é ter preços maiores e redução do tamanho dos ovos, ressaltou.

Produto mais caro deve prevalecer Da AgÊncia Brasil

Os consumidores de ovos de chocolate durante o período da Páscoa vão encontrar um produto mais caro, de tamanho menor e com baixo estoque nas lojas. A avaliação é do professor de varejo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Daniel Plá. “As grandes redes estão com um cuidado para que não sobrem ovos mais caros, que são os maiores, porque houve um aumento grande no preço dos ovos de Páscoa. Os fabricantes repassaram o aumento de custos e ainda colocaram um pouco mais em cima disso. Então, isso está criando essa anomalia no mercado”, disse Daniel Plá. Segundo o professor, ao mesmo tempo em que a nova classe média está comprando mais ovos de menor peso, as pessoas de maior renda estão adquirindo ovos menores para presentear na data. A Páscoa constitui a segunda melhor data para a indústria de chocolate no Brasil, suplantando inclusive o Dia dos Namorados, declarou Daniel Plá. “É o grande natal da indústria dos chocolates e as

Saiba Mais

Para saber se tem intolerância à lactose, é só fazer dois testes. No primeiro, que é feito pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o paciente recebe uma dose de lactose em jejum e, depois de algumas horas, são colhidas amostras de sangue que indicam os níveis de glicose. Se não houver alteração, a pessoa é intolerante à lactose. Há também um exame respiratório que custa cerca de R$ 120 e monitora a quantidade de hidrogênio nos gases exalados após a ingestão da lactose.

Jornal A União  

Edição 27.03.13

Jornal A União  

Edição 27.03.13

Advertisement