Issuu on Google+

[ECONOMIA] Descontos em produtos oferecidos pelos sites de compras coletivas podem chegar a 90% - Pág.11 CARIRI-AGRESTE

LITORAL Sol e poucas nuvens 32o Máx. 24o Mín.

SERTÃO

Sol , nuvens e chuvas 32o Máx. 18o Mín.

Beleza masculina

Os homens estão cada vez mais vaidosos e contam com linhas de produtos especiais para cuidar do cabelo, corpo e da pele.

Sol , nuvens e chuvas 34 o Máx. 20 o Mín.

Nosso litoral

Jornal de Hontem

Marcos Russo

Fonte: INMET

Evandro Pereira

clima&tempo

Fonte: Marinha do Brasil

O Jardim Botânico de João Pessoa escapou por pouco de se tornar um conjunto habitacional, graças ao professor Lauro Pires Xavier. Página 24

Página 6

MARÉS

A UNIÃO

R$ 1,00 Assinatura anual R$ 160,00

118 ANOS - TERCEIRO JORNAL MAIS ANTIGO EM CIRCULAÇÃO NO BRASIL

www.paraiba.pb.gov.br

H ORA

ALTA baixa ALTA baixa

ALTURA

04h09 10h09 16h24 22h21

2.4m 0.4m 2.4m 0.4m

Twitter > @uniaogovpb

João Pessoa, Paraíba DOMINGO, 3 de abril de 2011

ANO CXVIII - Número 053

Cerca de 226 mil paraibanos são dependentes químicos A Paraíba possui cerca de 226 mil dependentes químicos, segundo dados preliminares, que estão sendo levantados pelo Programa Estadual de Políticas Públicas sobre Drogas. Em todo o Estado, 42 Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) funcionam, de forma gratuita,

Marcos Russo

como porta de entrada para os usuários de entorpecentes que buscam reabilitação e, inclusive, para os familiares, que sonham em vê-los distantes do vício. Também existem 56 clínicas e fazendas de reabilitação que tratam a dependência química. PÁGINAS 9 e 10

>>> GOLPE DE 1964

Mais de 100 pessoas foram indiciadas na PB Relatório elaborado pelo Grupamento de Engenharia durante o Golpe de 1964 revela que na Paraíba foram abertos inquérito contra mais de 100 sindicalistas e políticos paraibanos. No rol dos

perseguidos e fichados, estão Assis Lemos, Ronaldo Cunha Lima, Antônio Augusto Arroxelas, Elizabeth Teixeira e até os jornalistas Adalberto Barreto e João Manoel de Carvalho. PÁGINA 3

SÉRIE MINÉRIOS Pedras encontradas na caatinga são lapidadas e transformadas em joias PÁGINA 12

>>> CAMPEONATO PARAIBANO

AtuaL

Galo e Tigre se enfrentam pela liderança

Foto: Divulgação

A cor vermelha vem com tudo nesta estação. Ela está presente em várias peças, inclusive nas calças e jaquetas

!

As duas melhores equipes do Campeonato Paraibano prometem fazer a prévia de uma possível decisão estadual, com um jogo no qual tudo pode acontecer. O Treze e o Centro Sportivo Paraibano (CSP) se enfrentam neste domingo no estádio Amigão e em disputa está a liderança do Campeonato Paraibano. A “briga” pela ponta da tabela é tão acirrada que a diferença é de apenas um ponto, com o Alvinegro na primeira colocação, com 30, enquanto o time da Capital, vem colado com 29 pontos. PÁGINA 13 Foto: Divulgação Domingos Sávio

Alimento integral: fonte de saúde

I

ncluir alimentos integrais nas refeições é uma opção para quem quer se alimentar melhor. Eles fornecem nutrientes importantes como carboidratos, proteínas, fibras, vitaminas, minerais e antioxidantes. Confira dicas de como preparar os alimentos. PÁGINA 7 ○

Plugado Moeda

Nas baladas o disc jockey cria seus mecanismos de interação com o público

Palco

O DJ e suas ‘trilhas sonoras’

FESTAS ○

DÓLAR > R$ 1,610 (compra) R$ 1,612 (venda) DÓLAR TURISMO > R$ 1,540 (compra) R$ 1,680 (venda) EURO > R$ 2,287 (compra) R$ 2,289 (venda)

MODA Vermelho para esquentar o inverno

PÁGINA 17

jornalauniao.blogspot. com

paraiba.pb gov.br

PÁGINA 5 ○

> ATUAÇÃO - PGE consegue recuperar R$ 143 mil na Justiça do Trabalho > EDUCAÇÃO - Escola de Alagoa Grande recebe Selo de Educação para Igualdade Racial

AUTOSSUSTENTÁVEL >>> DISQUE 115 - A Cagepa disponibiliza ao usuário um Teleatendimento. Você pode solicitar serviços e consertos. Ligue grátis, inclusive de telefone público, em todo o Estado.


Opinião ○

>>>

EDITORIAL

○ ○ ○ ○ ○ ○

Nós estamos tentando conversar com os britânicos, franceses e americanos para encerrar o assassinato do povo. .

2 João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011 ○

}

A UNIÃO

opiniao.auniao@gmail.com

> REDAÇÃO: 83. 3218-6511/3218-6509 ○

Timeline no

Twitter @uniaogovpb

○ ○ ○

Somos do 'BRIC professormelo@yahoo.com

3 ABRIL 2011 Ascelebridadestambémtuitamemuito! Vejaabaixoumaamostrados comentáriosdaúltimasemana.Daniela MercuryfoiemdefesadeMariaBethania e lembrou que os artistas trazem muito dinheiro para as cidades do País e que mereceminvestimentospúblicos. @lapena - helio de la peña Muita gente fica melhor com uma tarja preta no rosto. A revista Caras devia usar mais este recurso. @nando_reis - Nando Reis E... Uau uau uau!!.... Realmente esses dias Ds tem sido de uma intensidade única. As vezes parece até que é sorte. Mas foi por puro acaso. @oceara Ceará - Wellington Quem nunca tentou ultrapassar uma carreta e só depois lembrou que está num 1.0 não sabe o que é desespero! @danielamercury Daniela Mercury Se a nossa vida e arte não têm valor,que pelo menos respeitem o dinheiro do qual säo escravos. @youngporra - fernanda young Sinceramente, acho que aqui tem gente bem interessante. Por isso não vendo o meu espaço. Falo o que quero e gosto de vcs! Até!!! @CARPINEJAR - Fabrício Carpinejar Fácil seduzir com mentiras, o conquistador mesmo seduz com a verdade. @meligeni - Fernando Meligeni Fico imaginando se eu to no match poit e um cara entra e rouba as bolas. acho que eu corro ele até o Afgenistão. Ahhhh eu pego o desgramado.

O final do século XX encerrou a velha dicotomia entre o capitalismo e o socialismo, surgia uma nova era financeira, onde antigos mercados socialistas passariam a ser disputados pelas grandes corporações mundiais. Mas para o Brasil isso passava ao largo da nossa economia, estávamos muito mal avaliados pelo FMI, e por grandes instituições financeiras, tais como o Citigroup e o BNP Paribas. Era o momento de reduzir o déficit público, através de uma política de redução do Estado e reordenação do poder territorial. Estamos nesse momento assistindo as transformações políticas no Oriente Médio e Norte da África, tudo agora é muito rápido, a insegurança no fornecimento de petróleo atrapalha os planos dos Estados Unidos de recuperar-se economicamente, a França lidera os ataques contra a Líbia de Kadafi, um de seus mais importantes fornecedores de petróleo, e que vê no conflito a chance de vender os caças RafaleMarine ao Brasil (aquele da proposta brasileira de investir R$ 7 bilhões), que diante do pré-sal se faz uma excelente justificativa para converter o passivo ambiental em divisas (ou dívidas) tecnológicas para nosso país. Mas as notícias para os brasileiros, que nos anos 1980 e 1990, que cresceram com forte inflação, arrocho salarial, parcos investimentos públicos e privados, é agora bombardeado com as manchetes: "somos uma das nações mais importantes", "estamos entre os mais importantes emergentes." Não foi à toa a visita de Obama, mas o que falar das práticas protecionistas ao mesmo tempo em que o discurso deles é "vamos crescer juntos", "temos mais semelhanças do que mesmo diferenças",

. > E-mail: auniaoredacao@gmail.com > twitter: @uniaogovpb

○ ○

João Pessoa foi a primeira no Brasil a receber esse aporte de revitalização física, social e cultural. Mesmo com desconfigurações visíveis, fruto do descaso privado e lentidão pública, ainda assim o Centro Histórico da capital paraibana conseguiu conservar um amplo e inestimável acervo arquitetônico e ambiental, cujo epicentro de reordenamento pode ser situado nos últimos anos, abrindo a perspectiva para soluções sustentáveis e definitivas para mais uns cinco ou dez anos a frente, o que é quase nada, diante da inércia dos quatro séculos anteriores. Cidade Baixa e Cidade Alta, que já readquirem o brilho ofuscado, serão completamente diferente com a revitalização do Porto do Capim, previsto em projeto do PAC, numa parceria da União, Estado e Município. Mérito da sociedade, um entre tantos protagonistas das ações preservacionistas pode ser destacado como essencial ao processo. Sem o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico da Paraíba, possivelmente não haveria necessidade de ações e investimentos prolongados como os realizados, pois não existiria muito a conservar e reordenar. A sanha e ignorância de setores atrasados da economia já teriam transformado a história em pó. Ao completar 40 anos no último dia 31 de março, o Iphaep não merece apenas aplausos e festejos pela data, mas fundamentalmente reconhecimento por seu árduo, sistemático e pedagógico trabalho. Um patrimônio dentro do patrimônio. Exemplo de paixão e perseverança. Marco da memória.

Demétrio C. de Melo

(EX-PRIMEIRO-MINISTRO DA LÍBIA ABDUL ATI AL-OBEIDI, citado pelo jornal britânico "guardian") ○

Patrimônio do patrimônio João Pessoa é uma das poucas capitais brasileiras a surgir de dentro para fora do continente. Partindo do Rio Sanhauá, subiu picadas, becos e ladeiras até mergulhar no aconchego do Atlântico. Séculos se passaram para que isso acontecesse com a intensidade de configuração urbana, ali por volta dos anos de 1920 a 1950. Deu um tremendo salto no tempo a partir de então. O que antes fora sua principal cidadela, entre o Varadouro e a Lagoa, vai sendo abandonada pelas elites, que corre para o mar em busca dos cenários represados. Ainda hoje belas e sedutoras, dá para imaginar - com o reforço fotográfico de visionários de outras épocas - a placidez e enlevo visual de Tambaú e Cabo Branco de 70, 80 anos atrás. É paixão à segunda vista. O centro antigo, de traçado tipicamente europeu, vai perdendo inquilinos e ganhando problemas. Atropelos econômicos, urbanísticos e fundiários serviriam, no entanto, como anteparo às presumíveis e profundas alterações do seu desenho original, transformando em historicamente positivo o que se configurara desperdício social. Ganha em potencialidade patrimonial. Fica em pé por inércia. Ao perceber essa característica peculiar, o paraibano Celso Furtado, então ministro da Cultura em meados da década de 1980, sela acordo com o governo da Espanha, que investia recursos e tecnologia em cidades americanas que tinham sofrido sua influência colonizadora, a pretexto de comemorar os 500 anos da chegada dos primeiros espanhóis nas Américas, em 1492.

posto dessa forma ou somos muito tolos em pensar que a grande Nação está realmente disposta em compartilhar todas as maravilhas do progresso, ou uma de suas entidades políticas não compreende o sentido de "contraditório", pois o resultado da OMC foi mais uma vez favorável ao Brasil, mas como fazer boicote aos produtos estadunidenses quando precisamos importar tecnologias e capitais e eles nos compram soja, suco, carne bovina... Mas no horizonte há expectativas positivas, o próprio criador do termo BRIC veio recentemente confirmar nossa posição de destaque, ao afirmar que passamos do patamar de economia emergente, ou seja, depois de meio século ensinando nas escolas que o Brasil está emergindo para o tão esperado progresso vem agora o termo "mercados de crescimento", claro, não poderia ser o desejado termo "país desenvolvido", quando os 10% mais ricos do país ficam com mais de 43% de toda a riqueza produzida, não seria de outra maneira a nova classificação. Para Jim O'Niell o nosso crescimento ocorre mais rápido do que ele havia previsto, nos tornamos a sétima economia do mundo com uma década de antecedência, desbancamos toda a América Latina, somos maior economicamente que 35 nações africanas juntas! Entretanto, o FMI semana passada nos chamou a atenção para o crescimento econômico atrelado à oferta farta de crédito na América Latina, o que para nós não é tão perigoso tendo em vista nossa confortável posição de liderança no Mercosul, que completou 20 anos no dia 26 de março, e garantiu grande parte do saldo da balança comercial brasileira. Com o ingresso da Venezuela no Mercosul poderemos rivalizar com o Oriente Médio em fornecimento de petróleo para os Estados Unidos, reduzindo em muito nossa enorme dívida pública... Que venham mais negócios da China!

Domingos Sávio

ARTIGOS & CRÔNICAS Primeiro de abril ○

Carlos Pereira cpcsilva1@globo.com

O dia já passou, foi anteontem e as crianças e os jovens de hoje talvez não saibam, mas essa estória de primeiro de abril é muito antiga. Desde menino, eu ouvia as conversas em torno desse dia que já não tem tanta importância no calendário do povão. Naquele tempo, nos últimos dias de março a gente se preparava para duas coisas: inventar as mentiras mais mirabolantes e não se deixar cair no golpe do 1º. de abril que, nas mais das vezes, terminava em boas risadas. Na venda do meu pai, o velho Mané Pororonga que tomava, todo santo dia, suas lapadas de cana, quando ia chegando o dia, alertava: "cuidado, Seu Benedito que o dia da mentira vem aí e os engraçadinhos já estão de olho..." E, embora todo mundo estivesse prevenido, invariavelmente, alguém caía na esparrela e o resultado não era outro senão a zombaria, acompanhada de tapinhas nas costas e a promessa de que "no ano que vem, vou à desforra". No começo da década de

50, inventaram que tinha caído um avião em Tambauzinho (pra quem não se lembra, ali havia um campo de aviação onde hoje é o Espaço Cultural) e que duas pessoas tinham morrido no acidente. E lá foi um bocado de gente de Jaguaribe pra ver a tragédia: de bicicleta, a pé, de bonde e até nas novas marinetes (que haviam substituído as "sopas"). Mané Pororonga bem que advertiu que aquilo podia muito bem ser uma brincadeira de mau gosto, e que o caso era muito difícil de acontecer. Recordava, a propósito, que a única queda de um avião em João Pessoa havia anos, tinha matado Pajé, o goleiro do Botafogo Mas, ninguém lhe deu crédito e, em verdadeira romaria, fomos em demanda de Tambauzinho, menos o freguês que deu a notícia como verdadeira, que se desculpou por não poder nos acompanhar e escafedeu-se antes do começo da procissão que se formou em direção ao campo. E foi muito bom que ele tivesse sumido, pois brincar com tragédia e morte nunca foi coisa de bom gosto. Ao chegarmos próximos ao campo e saber que tudo

não passava de brincadeira, tivemos o desprazer de ouvir de uns poucos que voltavam e riam às nossas custas: - Vocês também acreditaram? Esqueceram que hoje é primeiro de abril? As respostas (com muitos impropérios), eles não queriam ouvir; partiam em suas bicicletas, às gargalhadas, deixando nós, os trouxas, com ares de paspalhão. Mas, também, havia outras mentiras mais simples, menos onerosas e até mais criativas, como, por exemplo, aquela do aluno que sempre se saía mal nas provas e num primeiro de abril, chegou sorridente em casa, bradando que tinha, finalmente, tirado um dez em matemática com a rigorosa Dona Daura, grande mestra do Liceu. E, ao ser cumprimentado pelos pais, boquiabertos com aquela ótima notícia, caiu na besteira de dizer "é brincadeira, hoje é primeiro de abril". Resultado: recebeu cinco merecidos bolos em cada mão, para aprender a não brincar com coisas sérias e para não esquecer que a soma dos bolos era igual a dez - a nota tão desejada e nunca alcançada. Enfim, para tristeza e raiva dele, os dez bolos que lhe deixaram as mãos doloridas, em verdade, não foram coisa de primeiro de abril...

Os cruéis carroceiros Chico Cardoso

chicocardoso.caldeirao@gmail.com

Depois de uma série de pedidos, resolvi apresentar este trabalho pela segunda vez. As minhas primeiras palavras são no sentido de que esta composição literária não seja considerada apenas uma crônica, e sim um trabalho que abre as cortinas para uma campanha muito séria. Sempre tive firmeza para enfrentar a verdade, seja de que forma ela seja apresentada. Eu sei que não vou ficar sozinho nesse esforço para falar com franqueza. Todas as pessoas de bom coração ficarão solidárias comigo nessa campanha. Começo o meu trabalho falando de Luiz Gonzaga, o famoso compositor da música popular brasileira. "Eu não posso ver ninguém sofrer". E

eu digo com ele: "Eu não posso ver ninguém sofrer, e muito menos os animais, porque eles não falam, não discutem e não sabem de nada". Pois é sobre os animais que pretendo falar, e lançar neste dia a segunda etapa da campanha em sua defesa, especialmente dos burros, jumentos e cavalos. O nosso conhecido Padre Antônio Vieira, escreveu um livro que se tornou famoso no Brasil inteiro, pelo seu título: "O JUMENTO, NOSSO IRMÃO". Quero pedir apenas clemência por todos eles. Porque na família deles não há ninguém com inteligência para encaminhar uma petição ao juiz, ao prefeito, ou recorrer a outras autoridades, no sentido de que um freio sela colocado na mão dos malvados, dos cruéis, dos homens sem coração. Os burros, jumentos e cavalos sofrem calados. Não choram. Não falam. Não pedem nada. Apenas gemem, quando a dor é demais.

Refiro-me, senhores, à crueldade dos carroceiros, que são marcados pela desumanidade. E ninguém me diga que não, pois um cidadão que hoje é deputado estadual, quando foi delegado de polícia proibiu esse tipo de malvadeza contra os brutos. Quem não se lembra do Coronel Luiz de Barros? Durante a sua gestão à frente da Delegacia de Polícia de Sousa fez com que esses desumanos parassem um pouco a sanha violenta contra os animais. A crueldade dos carroceiros é tão grande, que mesmo o pobre animal correndo à toda, com a enorme carga, eles continuam chicoteando. E aqui vai uma ressalva: poucos são os que usam chibatas. A grande maioria usa varas grossas, cacetes, e outros usam até ferro para açoitar os animais. Paciência gente, assim também é demais. É preciso ter piedade, e saber que os animais são feitos de carne e osso.

A UNIÃO

SUPERINTENDENTE Severino Ramalho Leite

DIRETORA DE OPERAÇÕES Albiege Fernandes

SUPERINTENDÊNCIA DE IMPRENSA E EDITORA Fundado em 2 de fevereiro de 1893 no governo de Álvaro Machado

DIRETORA TÉCNICA Beth Torres

EDITORA-GERAL Beth Torres

DIRETOR ADMINISTRATIVO José Arthur Viana Teixeira

EDITORA ADJUNTA Renata Ferreira

BR-101 Km 3 - CEP 58.082-010 Distrito Industrial - João Pessoa/PB PABX: (083) 3218-6500 / ASSINATURA-CIRCULAÇÃO: 3218-6518 Comercial: 3218-6544 / 3218-6526 - REDAÇÃO: 3218-6511 / 3218-6509 www.paraiba.pb.gov.br

Editores setoriais: Damásio Dias, Emmanuel Noronha, Giselle Ponciano, Henrique França, Ivo Marques, José Napoleão Ângelo, Juneldo Moraes, Neide Donato e William Costa. Projeto gráfico: Ricardo Araújo


FOTO: Divulgação

○ ○ ○ ○ ○ ○

Os eleitores dos municípios de Itaperuçu (PR), José Boiteux (SC) e Tracuateua (PA) voltam às urnas hoje para escolher seus novos prefeitos. As eleições suplementares foram marcadas pelos TREs (Tribunais Regionais Eleitorais) dos Estados após a cassação dos eleitos em 2008.

politica.auniao@pb.gov.br

> REDAÇÃO: 83-3218-6511

> EDITOR: Damásio Dias > E-MAIL: damasiodias@gmail.com >TWITTER:@damdias

3 João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011

NOVA ELEIÇÃO

Política A UNIÃO

>>> GOLPE DE 1964 > Relatório revela que o primeiro semestre teve a maior caça às bruxas na ditadura

Mais de 100 foram indiciados na PB > Ademilson José

FOTO:Arquivo

ademilson1956@gmail.com

Os inquéritos abertos contra mais de 100 sindicalistas e políticos paraibanos estão registrados num relatório que o Grupamento de Engenharia realizou nos primeiros seis meses depois do Golpe de 1964, o pior período de caça às bruxas na Paraíba. Foi documentado ainda o indiciamento de dezenas de mulheres, entidades sindicais e movimentos sociais, como o das Ligas Camponesas.

O

relatório, assinado pelo então comandante, general Arthur Duarte Candal Fonseca, é datado de 7 de agosto, e, no rol dos perseguidos e fichados, estão muitas outras figuras conhecidas como é o caso de Assis Lemos, Ronaldo Cunha Lima, Antônio Augusto Arroxelas, Elizabeth Teixeira (viúva de Pedro Teixeira) e até os jornalistas Adalberto Barreto e João Manoel de Carvalho. Em entrevista, alguns deles relembraram um dado que também é novo e, no mínimo, curioso. No período havia, realmente, muitas pessoas com ideologia e até dispostas a enfrentar a luta armada, mas que, no geral, o que existia mesmo era muito exagero do Exército e sobretudo da polícia.

Bastava um estudante passar na porta de uma reunião do PC para ser tido como “perigoso”. “Isso é verdade porque, num outro relatório, disseram até que eu era incendiário, que eu incendiava canaviais na Usina Monte Alegre”, lembra o jornalista João Manoel de Carvalho, ao explicar que, nas visitas de trabalho como funcionário do Instituto do Açúcar e do Álcool, nunca foi além do escritório da empresa. Trazemos nesta edição, alguns textos e imagens, resenhas extraídas do relatório e também opiniões e comentários feitos por alguns dos envolvidos que nesse período de mais um aniversário do golpe puderam ser localizados e ouvidos.

Zé Maranhão: “Essa foi a peça que me cassou” O ex-governador José Maranhão estava abrindo a reunião com as bancadas federal e estadual no último dia 26, quando mostramos as primeiras páginas do relatório e ele fez pausa para melhor observar. “Essa foi a peça que me cassou”, afirmou, assim que olhou para as primeiras páginas do relatório, o ex-governador José Maranhão que encabeça a lista dos marcados para morrer ou para sofrer. Além de afirmar que foi a peça que provocou sua cassação, ele lembrou que, por conta das citações feitas pelo relatório chegou a depor “umas cinquenta vezes no Grupamento de Engenharia em João Pessoa e na 7ª Região Militar do Recife. Foi um período muito difícil e de muita inquietação nas Câmaras, nas Assembleias e no Congresso”, lembrou. O ex-governador comentou também que todos tinham muito medo do que podia acontecer quando eram presos ou chamados para de-

por. Os casos de torturados e desaparecidos não paravam de ocorrer. “Mas sempre que fui depor fui com segurança porque tinha convicções claras das minhas posições”, afirmou. Provocado a fazer uma comparação com a realidade política de hoje, o ex-governador disse que não tem comparação. “A Constituição de 88 mudou todo panorama político e deu um novo fundamento à liberdade e a livre expressão”, comentou ele, ao completar que “a luta hoje é no sentido de que o Brasil continue avançando com a democracia, utilizando-se desse passado somente como história e péssima recordação”. Para José Maranhão, “é muito importante que nesse período alguma coisa sempre seja dita e debatida com a população. É porque, relembrando, a população estará revendo um péssimo momento da vida política nacional que nunca mais deve ser repetido”, concluiu.

Elisabeth se diz uma mulher sem sorte. Além de perder o marido, João Pedro Teixeira, assassinado, perdeu outros filhos nas mesmas condições

Elisabeth Teixeira: a viúva da ditadura “Eu sou uma mulher sem sorte”, lamentou, no começo da entrevista, assim que foi abordada por telefone, Elisabeth Teixeira. No começo da ditadura, ela teve o marido (João Pedro) e dois filhos (José Eudes e João Pedro Filho) assassinados, tragédias seguidas do suicídio de uma filha que sofria com as perseguições, além ainda dos seus dois anos de clandestinidade e mais oito meses de prisão. Hoje mais aliviada, com 86 anos e morando em João Pessoa, ela nem se impressionou com os termos de “subversiva e invasora de terras” que constatou no relatório. “É só palavra. Pior do que isso eram os tiros ao pé do ouvido e os soldados sempre rondando a casa

da gente. Foram essas coisas que levaram uma das minhas filhas ao suicídio”, diz. Ela conta que o assassinato do marido foi um golpe muito duro, mas de certa forma já era esperado porque ele já falava disso quando reunia a família de noite na sala. “E ele dizia que podia ser assassinado, mas sempre afirmando que a luta precisava continuar”, lembra Elisabeth Teixeira. Foi por isso, acrescenta ela, que mesmo não tendo prometido em vida, logo depois da morte do marido ela assumiu o comando do sindicato e intensificou sua participação nas Ligas Camponesas. Naquele período, estava com onze filhos dos quais não podia se distanciar porque, se-

gundo ela, temia que as armas do latifúndio se virassem também contra alguns deles. Mas isso de certa forma acabou sendo inevitável porque, segundo Elisabeth Teixeira, foram as mesmas armas que anos depois também mataram dois dos seus filhos no campo. João Eudes e João Pedro Filho nem tinham atividade política tão intensa quanto o pai, mas, nem por isso, deixaram de ser vítimas de assassinato parecido com o do pai. Perguntada sobre os períodos da prisão e da clandestinidade, ela respondeu que não sabe qual foi o pior. “A prisão no Quinze(15 RI)foi ruim, mas confesso que lá não fui torturada e nem maltratada. O medo da gente era

mais da polícia do que do Exército. A Polícia já chegava atirando, gritando, ameaçando”, lembra. Sobre a clandestinidade, conta que viveu numa cidadezinha do Rio Grande do Norte chamada São Rafael. Lá, segundo ela, foram dois anos como lavadeira e sempre com medo de tudo, até mesmo de conversar com alguém que não conhecia. “As coisas mudaram muito e é por isso que ainda acredito na reforma agrária”, comenta Elisabeth Teixeira, ao acrescentar que tudo isso, todos esses riscos e sofrimentos eram movidos por um único sonho; “Ver o trabalhador do campo sossegado num pedaço de terra”, concluiu.

João Manuel: “A minha subversão era escrever” Além dos exageros que lembra ter havido entre alguns militares que queriam “mostrar serviço”, o jornalista João Manoel de Carvalho faz questão de destacar que, naquele período, a única atividade subversiva que exercia era, na coluna que escrevia no jornal O Norte, defendendo, por exemplo, nome e as ideias de Carlos Prestes. “Mas isso eu não fazia escondido, não. Fazia abertamente na coluna do jornal”, ressalta João Manoel, ao salientar que, por isso, estranhou muito as acusações de incendiário de canaviais. Lembra que só ia, no máximo, no escritório da Usina Monte Alegre, em Mamanguape, mas que a caça às bruxas era tão forte que, seja pela cana, seja pela coluna de jornal, ter-

minou em “cana” três vezes, “uma delas pelo período de quarenta dias ou mais”. Mas a exemplo de Elisabeth Teixeira, ele disse que, no 15 RI, em nenhum momento chegou a ser maltratado ou torturado. “O maior problema era a indiferença e a cara fechada de alguns militares que, inclusive, eram amigos ou conhecidos nossos. Alguns eram legais, mas outros sempre nos causavam medo e preocupação”, afirma o hoje proprietário-editorchefe do jornal Contraponto. Outro ponto onde os relatos de João Manoel e Elisabeth Teixeira se encontram diz respeito à PM. “Na rua, realmente, em face dos exageros e dos abusos de poder, a gente tinha mais medo da Polícia do que do Exército”, concluiu.

José Lacerda: salvo por João Agripino O ex-vice-governador, ex-deputado por vários mandatos e atual secretário de Articulação Política do Governo do Estado, José Lacerda Neto, disse que desconhece esse e todos os demais relatórios nos quais seu nome chegou a ser citado e que deve ter sido “salvo” pelo ex-governador João Agripino. “Sempre falam nisso, principalmente nesse período, mas nunca me interessei em ver

onde me enquadro”, afirma, sorrindo, José Lacerda, ao observar que qualquer dia desses ainda vai arranjar algum tempo para uma pesquisa. No período do golpe ele estava no primeiro mandato de deputado estadual e chegou a ser ouvido várias vezes no Grupamento de Engenharia e na 7ª Região Militar do Recife. Terminou não se complicando demais graças a um habeascorpus preventivo e, segundo

ele mesmo, a João Agripino que era muito amigo do seu pai. “Acho que muito mais que o habeas-corpus, foi João Agripino que me livro de maiores complicações. É porque, um dia que se encontrou comigo, ele alertou que meu nome vinha sendo citado, que ia me ajudar, mas que eu tivesse cuidado”, lembra José Lacerda, cuja ficha neste relatório inclui apoio e contribuição a entidades estudantis e assinatura no

Manifesto da Frente Municipalista Nacionalista. Ele confessa que realmente tinha muita simpatia muito forte e que realmente gostava muito de olhar aquelas manifestações vigiadas por militares, mas que, na verdade, nunca se envolvia completamente. “Eu ficava mais de fora observando a movimentação porque achava bonito aquelas ideias que iam mudar nosso país”.


4 ○

A UNIÃO

Política ○

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011

>>> PROCESSO PENAL > Deputados vão decidir se acabam com o benefício da prisão especial

Câmara aprova artigo que concede redução de pena a preso que estudar > Rodrigo de Luna

FOTOS:Divulgação

erickson_rodrigo@yahoo.com.br

A Câmara dos Deputados vai decidir, nos próximos dias, se aprova reformas no Código de Processo Penal, que, entre outras medidas, pode pôr fim ao benefício das prisões especiais para quem tem curso superior. A aprovação, esta semana, do artigo que dá ao preso o direito de ter um dia a menos na pena para cada 12 horas estudadas é vista por especialistas como um sinal de que os parlamentares querem mudanças.

N

a Paraíba, juristas, advogados e promotores acompanham o debate, com a expectativa de que a reforma traga reforço na segurança pública e melhorias para o sistema prisional, desafogando os presídios. O fim da prisão especial, a monitoração eletrônica do preso, o controle do deslocamento do indiciado e mudanças na atuação da polícia quando da prisão em flagrante são algumas das possíveis mudanças. A prisão especial hoje é aplicada, entre outros casos, aos detentores de mandatos, promotores, delegados de polícia, ministros de Estado, sacerdotes e diplomados com curso superior. Essas pessoas são mantidas em locais diferentes dos presídios ou cadeias, se detidas antes da sentença definitiva do crime pelo qual são acusadas.

Já Eduardo ficou preso separadamente, sendo beneficiado por uma prisão especial. O mesmo aconteceu com Luis Paes de Araújo Neto, indiciado pela morte da jovem Aryane Thays, que estava grávida quando foi encontrada morta. Os três casos tiveram grande repercussão no Estado e levantam ainda mais a polêmica sobre a discussão da reforma do Código Penal. IGUALDADE FORMAL Nesse mesmo quesito, o advogado Eduardo Luna é favorável à reforma. “A prisão especial atende ao cânone constitucional da igualdade formal. Mas, ao meu entender, não tem nenhuma relação com a necessidade de se recolher um preso, cautelarmente, em ambientes especiais durante ou após o fim do processo”, diz. O promotor Edjacir Luna, da Câmara Criminal de João Pessoa, é radical: “Não tem que haver privilégio algum para pessoas que cometeram crimes hediondos”, diz. Já o juiz Adilson Fabrício Gomes Filho, da Câmara Criminal de João Pessoa, prefere ser mais cauteloso. “Eu defendo a prisão especial para o preso provisório, mas não depois que ele for condenado. Muitas vezes, são cometidos erros e o preso pode ser absolvido, por isso, ele tem o direito de não ser exposto”, defende. Apesar da posição contrária a umas das mudanças, o juiz espera ansioso pela reforma. “Muitos problemas deverão ser resolvidos. A justiça poderá ficar mais célere com algumas das modificações que deverão ser adotadas”, pensa o magistrado.

PRISÃO ESPECIAL - O advogado criminalista Abraão Beltrão atua há mais de 25 anos na área e tem opinião formada. “Eu sou absolutamente contra a extinção da prisão especial, que é um direito garantido”, diz, ressaltando que seria necessário um estudo mais aprofundado acerca da matéria para emitir uma opinião sobre os outros pontos da reforma. Entre os casos de atuação do criminalista, estão a defesa de Wagner Soares, acusado de assassinar, à queima roupa, o bancário Everton Belmont, e também do psicólogo Eduardo Paredes, indiciado por provocar o acidente de carro que resultou na morte da defensora pública geral do Estado, Fátima Lopes. Wagner nem chegou a ser preso, se apresentou à polícia poucos dias depois do crime.

Panorama Político ○

Debates na Câmara Federal ainda divide opiniões sobre constitucionalidade da lei que retira o benefício da prisão especial para quem tem curso superior

n ...

Presos podem ganhar mais direitos Apesar do fim da prisão especial ser uma das medidas mais discutidas entre os juristas, os presos podem também ter novos direitos assegurados pelo novo Código Penal. O juiz Adilson Gomes Filho vê com bons olhos, por exemplo, mudanças com relação à estadia do detento no presídio. “Eu sou favorável a qualquer medida que tente recuperá-lo. O contato com marginais, em ambientes como dos presídios brasileiros, dificilmente faz com que ele se ressocialize”, afirma. Uma dessas medidas é a que permite ao preso estudante descontar um dia de pena para cada 12 horas de estudo, em cursos presenciais ou á distância, do ensino fundamental, médio, profissionalizante, superior, de formação ou de requalificação profissional. O Projeto de Lei 7824/10 foi aprovado essa semana. O secretário de Assuntos Le-

> > > LINCOLN PORTELA

>> CNJ na Paraíba

“Precisamos fechar as brechas que permitem que a Justiça exceda sua competência”.

A Ordem dos Advogados do Brasil seccional Paraíba (OAB/ PB) vai receber na próxima terça-feira a visita do conselheiro Jefferson Kravchychyn (do CNJ), que vai tratar, dentre outros assuntos, sobre os altos custos processuais na Justiça. Segundo estimativas da OAB/PB, se paga na Paraíba 10 vezes o segundo valor mais alto dentre os outros 26 estados da federação.

Líder do PR, na Câmara dos Deputados ○

Damásio Dias

Desburocratizando a democracia No dia em que se lembra a instalação de um dos episódios mais odiosos da história brasileira, o Golpe de 1964, o ministro da Justiça teve uma atitude que ventila as dores de quem sofre com a falta de informação sobre parentes e amigos desaparecidos. José Eduardo Cardozo assinou, na noite da última sexta-feira, uma portaria para desburocratizar o acesso a documentos do Arquivo Nacional, subordinado à sua pasta. A medida ainda não é a liberação dos arquivos da Ditadura Militar, porém, abre espaço para a consulta de documentos relacionados ao período de uma forma mais ágil. De acordo com o ministro Cardozo, o Governo está nos limites daquilo que pode fazer, facilitando o acesso à informação. Na verdade, ele deixou claro que espera uma atitude mais forte da Presidência da República no sentido de abrir os documentos secretos que repou-

gislativos da Câmara dos Deputados, Marivaldo Pereira, comemorou a decisão: “A melhoria da formação escolar e da capacitação profissional ajudará o preso a encontrar um emprego e dar início a uma nova vida depois de sair da prisão, afastando as chances de reincidência e beneficiando não apenas o preso, mas toda a sociedade”. Pela redação do texto aprovado, a redução da pena por estudo pode ser aplicada a condenados que cumpram pena em regime aberto, semiaberto, fechado ou em livramento condicional. Caso o apenado cometa falta grave, ele perderá um terço do benefício já concedido. Em caso de reincidência, a perda será integral. Hoje, cerca de 10% da população carcerária do país participa de algum tipo de atividade educacional. A expectativa é que a aprovação da proposta estimule a formação dos presos, já que a maioria possui baixa escolaridade – apenas 7% concluíram o ensino médio e 66 % não completaram sequer o en-

sam na caixa preta do regime militar. Enquanto isso não chega, todos vivem a esperança da aprovação da chamada Lei do Acesso, parada no Senado, que cria mecanismos aperfeiçoados de permitir que todos possam conhecer a verdade sobre os anos em que o país esteve mergulhado nas trevas do autoritarismo. Não podemos, ainda, tornar o momento de liberação do conhecimento numa caça às bruxas, como ocorreu no regime totalitário. Precisamos conhecer os fatos para não permitirmos que volte a existir no nosso país. Da mesma forma, nos colocarmos contra os regimes que desrespeitam a humanidade no mundo. Há quem diga que precisamos olhar para frente e esquecer o passado. Eu defendo que conheçamos o passado para evitar os mesmos erros no futuro.

>> Prazo no TCE Os gestores da administração estadual e municipal devem entregar até o próximo dia 15 de abril as prestações de contas do exercício de 2010 ao Tribunal de Contas do Estado. O prazo para esse encaminhamento terminava na última quartafeira, mas foi prorrogado em atendimento à solicitação feita pelo Conselheiro Regional de Contabilidade.

sino fundamental. “O projeto de lei respeita tanto a Constituição, que define a educação como direito social, quanto a Lei de Execuções Penais, que prevê a reintegração social do condenado. Nessa linha, admitir o estudo como mais uma hipótese de remissão reconhece o esforço do preso que busca no estudo o mais rápido retorno ao convívio social de forma qualificada”, avalia o diretor do Departamento Penitenciário Nacional, Augusto Rossini. O juiz da Vara de Execuções Penais de João Pessoa, Carlos Beltrão, considera salutar a decisão apresentada no novo Código. “Na Capital paraibana, eu já aplico uma medida semelhante que garante ao preso o direito de um dia a menos na pena para cada três dias de estudo, assim como acontece com os dias trabalhados”, explica. Ele também defende medidas que estimulem o preso a progredir. “São medidas assim que garantem a recuperação de um detento”, afirma. Visão compar-

tilhada pelo promotor Edjacir Luna: “são convenientes medidas como essas, para fazer os presos ganharem novas chances”. O novo Código Penal prevê ainda medidas cautelares que podem ser impostas pelos juízes nos casos em que não couber prisão preventiva. Uma delas, já prevista na Lei 12.258/10, é o uso da monitoração eletrônica para acompanhar os condenados em regime semiaberto. “Essa medida pode ser a solução para desafogar os presídios, diminuindo a superlotação. Mas é preciso ter cuidado para garantir o direito a esse monitoramento apenas para os réus primários, com bons antecedentes. Deve haver uma seleção rígida”, defende o juiz Adilson. O promotor Edjacir Luna completa afirmando ser essa “uma garantia a mais da sociedade para que o preso esteja vigiado”.

>> Reunião na CNM >> Sucessão O deputado federal Romero Rodrigues (PSDB) afirmou esta semana que o comando do seu partido deve ficar com o senador sub-judice Cássio Cunha Lima. De acordo com o deputado, que defende uma rotatividade no comanda da legenda, o senador Cícero Lucena deu uma importante e valorosa contribuição ao partido, porém, os tucanos necessitam da força política de Cássio para conquistar mais espaço e continuar crescendo no Estado. Apesar de ser apontado como um nome na corrida pela Prefeitura de Campina Grande, o parlamentar afirma que ainda não pensou no assunto. “Eleições só em 2012”, enfatizou.

Os prefeitos de Cacimba de Dentro, Juru, Rio Tinto e Sumé, na Paraíba, vão participar de um encontro na próxima terça feira, em Brasília, com outras 170 cidades que tiveram perda no Fundo de Participação de Municípios (FPM) por conta do último Censo Demográfico realizado em 2010. Todos foram convocados pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

>> Nomeações O senador Vital do Rego Filho acredita que nesta semana deve ocorrer a definição da nomeação do ex-governador José Maranhão para um cargo do Governo Federal. De acordo com ele, os partidos que apoiam a presidente Dilma na Paraíba já encaminharam a lista com os nomes indicados para ocupar os postos de confiança no Estado.


! AtuaL

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011

Moda & Comportamento

A UNIÃO

5 ○

BLOG!

Joanna Moura tem 27 anos, é publicitária e aficcionada por moda. No início de março ela estreou o endereço Um Ano Sem Zara, onde publica os cliques feitos por seu namorado, que é diretor de cinema. No blog, ela resume a experiência extrema de passar um ano inteiro sem fazer compras, depois de uma dura temporada financeira. O diário de estilo ganhou repercussão e já soma mais de 30 mil visitas. http//:umanosemzara.blogspot.com

Esquente seu guarda-roupa EDITOR: Neide Donato

I

E-MAIL: neidedonato@gmail.com

O vermelho está de volta em roupas e acessórios e promete ser a vedete do inverno > Neide Donato neidedonato@gmail.com

O

vermelho está de volta para esquentar os armários das mulheres durante o inverno. E pelo que os desfiles anteciparam, inclusive em forma de calça comprida. Isso mesmo, por mais que você resista, além de aparecer em várias passarelas entre elas, os

I

TWITTER: @Neidedonato I atual.aunião@gmail.com I REDAÇÃO: 83.3218-6511

desfiles de Isabel Marant, (estilista aclamada pelos críticos por fazer peças que as mulheres desejam ter) Balmain (adorada pela cantora Fergie) e Bottega Veneta, (grife em ascensão no bilionário segmento de luxo) a cor circulou pelas ruas nos meses de frio em cidades como Nova York e Paris. Até a chiquérrima, Glória Kalil já anunciou em seu site que a calça vermelha é a peça da estação fria também no Brasil. Mas será que isso vale para as consumidoras do Nordeste? Afinal, o inverno por aqui não é tão frio assim, então temos que ter cuidado para não fazer feio, querendo imitar as tendências que fazem sucesso no Sul e Sudeste.

Vale sim. É o que garante a produtora de moda, Sarah Falcão que mora em João Pessoa e afirma categoricamente que a cor vermelha será a queridinha da estação. Mas se você não se sente a vontade para apostar em uma calça vermelha, (tem que ter estilo) dá para continuar antenada com acessórios e outras peças de roupa como blusas e bermudas. Para quem gosta de ousar, a calça vermelha é aposta de look atual e moderno no guarda-roupa de inverno. Um jeito de não errar é deixar a peça como a estrela principal da produção, combinando com o preto (ele sempre é básico) e cores terrosas como o caramelo, bege, caqui e outras da mesma cartela.

> > > Outras tendências

Além do vermelho, as atuais tendências de inverno já estiveram presentes em outras estações no seu guarda-roupa. O diferencial aqui é a forma de usar ou os comprimentos. "Para isso, basta você reorganizar seus looks (mudar um pouco a forma como você os combinava), brincar com eles e em alguns momentos até reajustar as silhuetas levando as peças a uma boa costureira. Sabe aquele vestido longo de renda? Por que não transformar numa saia longa para

usar no dia a dia com uma camisa jeans?", aconselha Sarah. Outra dica é organizar seu look por blocos de cores. Por exemplo... Saia e blusa da mesma cor, ou vestido e casaquinho, calça e blazer... Enfim, existem várias formas de fazer isso usando várias peças da mesma cor. "Uma dica é investir em tons neutros e colocar apenas um ponto de cor no look. Exemplo? Uma blusa amarelo abacate combinada com calça, sapato fechado, ca-

Jeans escuro Eles são clássicos e nunca saem de moda. Estão presentes no guarda-roupa de 90% das pessoas do mundo simplesmente por serem práticos e combinarem com quase tudo. "Junto com o jeans, temos os tons de azul que complementam a paleta de cores para essa tendência. Como todo mundo tem uma peça jeans em casa, não preciso nem dizer como combinar ou usar no inverno, não é? O bom e velho tom de jeans azul índigo é o mais em alta. Uma boa é investir em camisas jeans", aconselha Sarah.

Fotos:Divulgação

Aproveite e recicle saqueto e até colar pretos. Fica bastante chic". Se você acha que as tendências sozinhas num look podem ficar exageradas demais, uma boa dica é dar uma misturada e associar a peças básicas também. "Uma saia longa de oncinha fica mais leve com uma camisa branca que todo mundo tem no guarda-roupa. Os acessórios terrosos podem quebrar um pouco o brilho de um look em tecido dourado, etc. O grande lance é brincar com as peças", finaliza Sarah.

Preto A & branco

combinação clássica do preto e branco nos looks, principalmente quando aliados a pérolas, também é algo super atual nesse inverno.

Tons terrosos

O brilho dessa vez vem em tecidos luminosos... Deixe um pouco de lado os paetês e invista em tecidos como o lamê, o sirrê, o lurex... Eles vão estar super em alta. É uma tendência que veio dos desfiles da Balmain, uma coisa meio glam rock. Invista num blazer com brilho para usar à noite, por exemplo. É uma peça de destaque, chama bastante atenção. Ah, mas ainda dá pra usar o paetê das estações passadas!

Rendas Segundo Sarah Falcão, as rendas foram hits na última estação de festas, mas continuam forte nesse inverno. "A ideia é que aqui ela seja aproveitada em detalhes e não usadas no look inteiro. Ah, e por que não ousar, saindo do básico preto e optando por rendas coloridas?", sugere.

Oncinha Estampa de oncinha. Isso é algo que você vai cansar de ver nessa estação - principalmente por ela ter saído dos detalhes e entrado no look inteiro. Então pode ousar com sapato combinando com vestido (e quem sabe até bolsa também), pois isso vai ser febre.

# GASTRONOMIA Ononb nobnobnbonbonbo onoon ognogngon onon gon Alimentos integrais garantem o bom funcionamento do on on on on gon gon gong ogn -gongongog intestino e previnem doenças Página 7 - Página 00

]

Brilho

Os tons terrosos, especificamente o marrom, são cores bastante presentes nessa estação. Peças em couro marrom são uma boa pedida - invista em botas ou coturnos, de cano curto (ankle boot) ao médio.

A calça comprida vermelha é a aposta dos estilistas que deve desfilar nas ruas

De olho na modelagem Os vestidos e saias que farão sucesso estão nos comprimentos midi (abaixo dos joelhos) e longo. As calças mantêm a silhueta mais ajustada, mas não tão apertadas como as skinnys. Os blazers também estão mais sequinhos dando forma a mulher.

# BELEZA Conheça alguns produtos e cuidados para a pele e os cabelos dos homens - Página 6

]

# CARREIRA Marketing pessoal é uma ferramenta que pode alavancar ou prejudicar a carreira - Página 8


! AtuaL

Lucro

O grupo Prada fechou o ano de 2010 com recordes de lucro. As vendas da marca atingiram o patamar de 2 bilhões de euros no ano fiscal que terminou em janeiro de 2011, com lucros em todos os mercados.

Consumo & Afins

Sustentável

6

A gigante do esporte Adidas divulgou novas iniciativas sustentáveis. A marca anunciou que até 2015 deverá usar algodão ecológico em 40% de sua produção. Até 2018, a expectativa é que esse material seja usado em 100% dos produtos da marca. ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

Grife Kate Moss vai usar um biquini brasileiro no verão 2011 do hemisfério norte. Durante a passagem da top inglesa pelo Rio de Janeiro, ela ganhou alguns modelos da coleção de inverno 2011 da estilista Lenny Niemeyer e se apaixonou. ○

Beleza

A UNIÃO

beleza

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011

Homens e produtos de

No mercado de cosméticos mundial, os homens já são 16% dos compradores e em 2010 estima-se que investiram quase R$ 4 bilhões em cosméticos

Foto:EvandroPereira

> Lidiane Gonçalves lidianevgn@gmail.com

C

uidado com o cabelo e com a pele, principalmente a pele do rosto. Essa prática, que era predominantemente feminina está a cada dia conquistando mais homens mundo a fora. Cada vez mais a vaidade deixa de ser característica exclusivamente das mulheres para também ser um costume dos homens. Em todo o mundo o mercado de cosmético para homens cresce, não só em perfumaria, mas também em maquiagem e principalmente em produtos para tratamento. Em cinco anos, a venda de perfumes masculinos saltou de 10% para metade das vendas de perfumes no país. No mercado de cosméticos mundial, os homens já são 16% dos compradores e em 2010 estima-se que investiram quase R$ 4 bilhões em cosméticos. Além disso tudo, os homens são considerados mais fiéis às suas escolhas e por isso não costumam experimentar novos produtos, são objetivos, práticos e diretos. Por causa de tudo isso, há o crescimento acelerado do seguimento de produtos de cuidados para o homem nos setores de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. Esse crescimento possibilita novos investimentos das empresas brasileiras nessas áreas. De olho no crescimento do mercado e objetivando conquistar mais homens e fidelizar os que já costumam usar os produtos, as empresas têm apostado cada vez mais em ações e produtos específicos. São cosméticos criados para

Vitrine

Pesquisa revela que 16% dos homens usam protetor solar no rosto

]

O sabonete e o desodorante são os cosméticos mais usados pelos homens

]

satisfazer as necessidades dos homens, seu tipo de pele e seu estilo de vida. A Associação Brasileira

MODA E COMPORTAMENTO ○

Kit presente

da Indústria de Higiene Pessoa, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC) constatou, através de um estudo de mercado, que o sabonete e o desodorante são os cosméticos mais usados pelos homens, mas que eles usam muito mais coisas. 99% dos homens usam desodorante, 96% usam perfume, 92% usam shampoo e 54% usam gel para cabelo. Esta mesma pesquisa revela que 40% usam hidratante para o corpo, 19% usam protetor solar, 16% usam um protetor específico para o rosto e 10% usam hidratante labial.

Drink ○

Neide Donato

A Phytoderm está com várias novidades para o Dia das Mães, entre elas o conjunto de três deo colônias da linha Água em Verso em formato menor que cabe na bolsa. Cada kit vem com um acessório de acordo com a fragância.

Tratamento A Derma Nail expõe na Hair Brasil, de 2 a 5 de abril, no Expo Center Norte, em São Paulo, sua exclusiva linha de tratamento e embelezamento para as unhas, a primeira no Brasil a seguir o conceito de que não adianta pintar (esmaltar) se não cuidar da saúde das unhas, que é tendência no mercado internacional e vem fazendo a cabeça, mãos e pés das mulheres brasileiras.

O licor Amarula lançou uma embalagem especial ideal para quem gosta de criar novos drinks e brincar com as possibilidades de novos sabores. Acompanhando o tradicional licor, a embalagem traz dois copos shot/twist, perfeitos para misturas entre o Amarula e outros tipos de bebida.

n ... Empresas lançam linhas específicas para homens No país, duas das empresas mais famosas quando se fala em produto de beleza, estão investindo pesado no mercado de produtos exclusivos para homens, tanto o Boticário quanto à Natura, têm linhas que estão a cada dia conquistando mais homens. No final dos anos 70, a Natura apostou em uma linha masculina completa de higiene e tratamento e nos anos 80 lançou uma emulsão condicionadora da pele para atenuar sinais de expressão. No final dos anos 90, procurando atender a esse público masculino receptivo aos tratamentos cosméticos, lançou a Linha Natura Homem com produtos que auxiliam na proteção da pele contra irritações e protege a pele contra o envelhecimento precoce, combatendo os radicais livres. Já o Boticário reformulou toda a linha para homens, para deixá-la mais completa. A empresa promete que as novidades agradarão o público, por causa da tecnologia avançada usada "Estudo realizado pela Research International em 2009, em São Paulo, mostra que quase 40% dos homens consideram muito importante cuidar da beleza. Já 21% dos entrevistados acreditam ser extremamente importante investir nesses cuidados", conta Vanessa Schroeder, gerente de categoria de Cuidados Pessoais. Pensando nisso, a linha Boticário Men apresenta um mix de soluções ainda mais completo. A primeira novidade na reformulação é a fragrância dos produtos, que passa a ser mais suave, mas mantém a mesma nota olfativa. Os consumidores contam também com três novos produtos - Gel de Limpeza Facial, Sabonete em Barra e Tônico Antiqueda -, além de um Estojo de Viagem com miniaturas de quatro itens. Os produtos Azulen - tradicionais entre o público masculino - passam a integrar a linha Boticário Men, o que a torna ainda mais prática e eficiente.

Produtos diferenciados A linha Sr. N, desde 1979 oferece produtos diferenciados e dirigidos ao cuidado e bem-estar do homem, possui produtos para os cuidados do rosto do homem. O Creme de Barbear Espumante e a Espuma de Barbear, com Óleo de Café Verde e Óleo Essencial de Candeia, amaciam a barba e criam uma camada protetora. Com as mesmas características dos anteriores, o Creme de Barbear Não Espumante, é uma boa opção para barba desenhada, pois permite visualizar a área a ser barbeada. O Balm Após Barba contém uma fórmula exclusiva que proporciona secagem imediata, mantendo a pele saudável e auxiliando na hidratação, sem deixá-la oleosa. A Loção Após Barba contém em sua formulação Óleos Essenciais de Cedro e Patchouli, que trazem uma sensação revigorante, refrescante e perfumada. Acompanhando a mesma fragrância a empresa inovou na perfumaria com o lançamento do Desodorante Colônia. Já a linha Natura Homem, possui Sabonete Esfoliante e o Fluido Facial 3 em 1, que possui ação pós-barba, anti-sinais e de controle da oleosidade, além de uma linha completa de perfumaria. A empresa vem ampliando a linha masculina e investe em novas colônias e em embalagens dos produtos, para modernizar design, incluir materiais reciclados e recicláveis e versões com refil. "Os nossos perfumes masculinos fazem sucesso tanto com os homens quanto com as mulheres", afirma Ranato Abramovich, diretor Regional da Natura para Norte e Nordeste.

Rosto, cabelo e corpo > Boticário Men Gel de Limpeza Facial (110 g) Desenvolvido especialmente para os homens. Elimina as impurezas de maneira mais eficiente que os sabonetes comuns. Remove o excesso de oleosidade sem ressecar a pele, deixando-a macia. Por meio de extratos de menta, alecrim e melissa, proporciona a sensação de refrescância para um barbear perfeito. > Boticário Men Sabonete em Barra com 2 unidades Elaborado com base 100% vegetal que produz espuma cremosa que limpa a pele, deixando-a perfumada e com uma agradável sensação de maciez. > Boticário Men Tônico Antiqueda (50 ml) Atua diretamente no couro cabeludo, auxiliando na prevenção da queda e favorecendo o crescimento de novos fios. Com textura não-oleosa, contém ingredientes que, associados ao uso diário, agem no combate à calvície e deixam os cabelos com mais força e vitalidade. > Creme para barbear não espumógeno Contém agentes condicionantes que amaciam os pelos e facilitam o deslizar da lâmina. > Espuma hidratante para barbear Espuma cremosa, rica em propriedades emolientes e umectantes. Permite o deslizar suave e perfeito da lâmina, proporcionando um barbear confortável e seguro mesmo para barbas mais difíceis.

Bottero dá novos ares ao inverno Uma coleção de modelos consagrados ganha ares mais limpos e modernos no outono-inverno 2011 da Bottero. Com uma cartela repleta de tons terrosos, cinzas e preto, a maior fabricante de calçados femininos em couro do mercado interno lança 66 novas linhas para a estação fria. O perfeito equilíbrio surge com a força do bordô, vermelho e ameixa. Botas, oxfords, ankle e sandal boots aparecem em versões lisas e com estampas de onça, ora adornados com tiras, ora com detalhes trabalhados. A marca traz ainda confortáveis sapatilhas em matelassê.

Dicas, sugestões ou comentários para esta coluna: atual.auniao@gmail.com


! AtuaL

Saco é um saco O Ministério do Meio Ambiente lançou três cartilhas da campanha Saco é um Saco. A iniciativa criada em 2009, em parceria com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), visa à redução do uso de sacolas plásticas por consumidores.

Livros & Afins

Campanha

7

Adotar é tudo de bom da Pedigree ajuda cachorros abandonados a encontrar um lar. Cada produto vendido tem parte da renda revertida para ações em favor dos cães.

Gastronomia

A UNIÃO

Site Notícias e vídeos de tecnologia, mobilidade, reviews, downloads, internet, segurança, cloud computing, games você encontra no site. http://olhardigital.uol.com.br/

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011

Saúde no prato Alimentos integrais saciam a fome e ainda ajudam a combater doenças

Fotos:Divulgação

> Neide Donato neidedonato@gmail.com

C

uidar da alimentação não é tarefa fácil nesses dias de muito corre corre e pouco tempo para prestar atenção no que se põe no prato. Conseguir manter uma dieta equilibrada e consumir os alimentos certos às vezes é um desafio, principalmente para quem faz as refeições fora de casa. Incluir alimentos integrais nas refeições é uma opção para quem quer se alimentar melhor e garantir os benefícios que esses alimentos proporcionam ao organismo. Os alimentos integrais, como o próprio nome diz é o grão íntegro é aquele que não teve sua estrutura modificada no processo de industrialização, mantendo todos os seus nutrientes. Segundo a nutricionista Thais Souza, da Rede Mundo Verde, eles devem ser incluídos em todas as refeições, pois fornecem nutrientes importantes como carboidratos, proteínas, fibras, vitaminas, minerais e antioxidantes. Por serem ricos em fibras, esse tipo de alimento ajuda a promover a sensação de saciedade. "Ao entrarem em contato com líquido no interior do estômago formam uma espécie de "gel" que ocupa espaço, auxiliando na redução do apetite. As fibras também aumentam o volume do bolo fecal, com isso melhoram o funcionamento do intestino" comenta Thais Souza. Além de fazerem bem para a digestão e ajudar a 'matar a fome', os alimentos integrais são aliados da saúde, pois auxiliam no controle das taxas de colesterol e glicose. "Os cereais integrais são fontes de carboidratos, nutriente que atua fornecendo energia ao organismo, além disso, as vitaminas e minerais ajudam a aumentar a disposição e possuem ação antioxidante" diz a nutricionista. Em geral estes alimentos não possuem contra indicação e podem ser consumidos por pessoas de todas as idades. Vale lembrar que para indivíduos celíacos, que possuem uma intolerância permanente ao glúten, proteína presente no trigo, aveia, centeio, cevada e malte, estes alimentos ou produtos que os contenham como ingredientes não podem ser consumidos. Para estes indivíduos existem produtos sem glúten com composição diferenciada, onde os ingredientes citados acima são substituídos por outros isentos de glúten.

Clube doVINHO ○

Os integrais são fontes de carboidratos, que atua fornecendo energia ao organismo, além disso, as vitaminas e minerais ajudam a aumentar a disposição

# Faça você mesmo >Bolointegraldebananacomlinhaça Ingredientes - 100 gramas de semente de linhaça, de preferência orgânica - 4 ovos orgânicos - 3 bananas d'água, de preferência orgânicas - 1 e ½ xícara (chá) de açúcar mascavo - 1 xícara (chá) de farinha de trigo integral - 1 xícara (chá) de farinha de trigo - ½ xícara (chá) de óleo de coco extra virgem orgânico - 1 colher (sopa) de fermento químico em pó > Preparo Bater no liquidificador as bananas, o óleo de coco, os ovos, o açúcar e a semente de linhaça. Juntar as farinhas aos poucos e bater. Acrescentar o fermento e bater. Transferir a massa para uma assadeira untada e levar ao forno pré-aquecido, por aproximadamente 30 minutos ou até dourar. > Rendimento: 15 porções Valor calórico por porção: 152,6 calorias

> Informativo do Clube do Vinho-PB [clubedovinhopb.blogspot.com ] ○

A certidão de nascimento do Brasil Em quatro edições referentes aos meses de julho e agosto/1999, o Suplemento O Facho de "O Comercio de Vila do Conde" em Portugal, publicou em capítulos os documentos relativos aos Três Únicos Testemunhos do Descobrimento do Brasil contidos no livro de igual título, lançado simbolicamente pela Lacerda Editores em 1999, data da partida de Lisboa 499 anos antes, da frota comandada por Pedro Álvares Cabral que representou uma tentativa inovadora de Paulo Roberto Pereira seu autor, na edição dos três relatos presenciais da descoberta da Terra de Santa Cruz: a Carta de Pero Vaz de Caminha, a Carta do Mestre João Faros e a Relação do Piloto

Anônimo que nessa edição em linguagem atual, procurou preservar os textos de falsas modernizações que desfiguravam o saboroso vocabulário quinhentista. A carta que o escrivão escreveu ao rei D. Manuel na semana em que a armada fundeada em Porto Seguro, antes de continuar a viagem para a Índia; (considerado o primeiro texto literário do Brasil) provavelmente, país nenhum do mundo possui uma Certidão de Descobrimento que contém dia, mês, ano e até as horas em que a região foi avistada e dela se tomou posse pela primeira vez, como fizeram os portugueses da frota comandada por Cabral; constituindo uma

Fonte: Thais Souza - Nutricionista da Rede Mundo Verde > Pão integral com farinha de soja preta Ingredientes 2 xícaras (chá) de farinha de trigo integral 2 xícaras (chá) de farinha de trigo branca 1 xícara (chá) de farinha de soja preta 3 colheres de sopa de fermento biológico 1 colher (sobremesa) de sal marinho 1/2 xícara (chá) de açúcar demerara ½ xícara (chá) óleo de canola 2 e ½ xícaras (chá) de leite desnatado ou extrato de soja (já preparado) > Preparo Em um recipiente, misturar as farinhas, o fermento, o sal marinho e o açúcar demerara. Acrescentar o óleo de canola e o leite desnatado e mexer bem. Sovar a massa até ficar lisa e macia. Deixar descansar por 2 horas. Aquecer o forno a 180ºC. Dividir a massa e colocar as partes em assadeiras próprias para pão de forma untadas com óleo. Peneirar um pouco de farinha de trigo integral por cima dos

crônica-oficial do nascimento do Brasil, redigida em forma de diário sobre os fatos ocorridos e que iam acontecendo, motivando um volumoso número de estudos e edições que ultrapassaram mais de uma centena. Quando o padre Manuel de Casal a publicou pela primeira vez na Coreografia Brasílica e inicialmente identificada por José Seabra, Guarda-mor da Torre do Tombo, da qual mandou tirar copia em 1773; o original desse precioso documento, em sete folhas de papel manuscrito cada uma em quatro páginas, totalizando 27 páginas de texto e mais uma de endereçamento, se encontra guardado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo em Lisboa (na gaveta 8 maço 2 de nº 2). As edições modernas da Carta de Caminha nem sempre respeitaram o original. Cabral ofereceu um texto censurado, em que as descrições das "vergonhas" das nativas são censuradas por excessivo pudor. O documento somente alcançou sua edição consagradora com a de Jaime Cortesão após examinar todas as que lhe antecederam; muito embora tenha substituído muitas vezes quando transcreve expressões que soam familiar

pães e deixá-los crescer por mais 15 minutos. Assar os pães por 1 hora e desenformá-los assim que tirar do forno. > Rendimento: 3 pães médios, aproximadamente 45 fatias. Valor calórico aproximado: 118,94 Kcal por porção. Fonte: Bruna Murta - Nutricionista da Rede Mundo Verde

aos ouvidos brasileiros (mesmo que não esteja claro o seu significado) por vocabulário esmaecido em troca do texto original. Escrita no alvorecer da Renascença em Portugal e enraizada com a grande tradição das narrativas de viagens dos séculos XV e XVI, além do realismo e vivacidade na descrição dos encontros com povos primitivos. O cimelio de Pero Vaz de Caminha reflete a visão que o europeu tinha do mundo naquele momento em que a lição dos antigos era posta em dúvida pelos conhecimentos adquiridos nas novas descobertas marítimas que portugueses, espanhóis e italianos realizaram em direção de terras no Leste e no Oeste do globo. Caminha descreve o panorama da vida material da tribo tupiniquim, com detalhes que nunca foram desmentidos pelos etnólogos. O significado singular desse encontro inaugural do europeu com o nativo americano do qual sua missiva é uma das principais testemunhas, da reformulação de valores no confronto de um com o outro povo, em que se aventou a possibilidade de se confirmar a existência de uma região onde a vida era paradisíaca sem as exigências do mundo dito civilizado.

Carlos Malheiro Dias em sua História da Colonização do Brasil, editada na cidade do Porto em 1923, observou ter Caminha redigido para recreio e divertimento do Venturoso. Foi uma narrativa impressionante em que revela aquela cultura literária tão própria dos portugueses daquela época e uma capacidade de observação aliada a uma imensa faculdade de compreender e descrever judiciosamente que, constituíam naquele tempo e ainda hoje, o mais esplendido encanto dos cronistas que fazem lembrar Paulo Fernando Craveiro, Luiz Augusto Crispim e Carlos Heitor Cony. A personagem central de todo o relato do escrivão é traduzir o indígena em todos os seus gestos e caracterização corporal, a sua alimentação e abrigo, em fim o seu modo de existir, demonstrando o valor da carta narrativa como documento e obra literária. E, para não dizerem que não falamos de vinho neste texto, queremos lembrar que o comandante Cabral ao receber na nau capitania os dois primeiros brasileiros trazidos a bordo por Afonso Lopes, ofereceu-lhes vinho numa taça. Mal lhe puseram a boca; não gostaram nada e, nem quiseram mais...

Dicas, sugestões ou comentários para esta coluna: clubedovinhopb.blogspot.com


8

! AtuaL ○

Mercado de Trabalho ○

}

Aprendemos a voar como os pássaros e a nadar como os peixes, mas não prendemos a arte de conviver como irmãos." Martin Luther King

Sua Carreira

A UNIÃO

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011

Marketing

pessoal Planejar a própria carreira pode render bons resultados. Mas, para isso, é preciso prezar pela ética ao enaltecer os pontos fortes

> Alysson Bernardo alyssonbernardo@gmail.com

C

uidar da aparência. Participar de cursos. Aperfeiçoar habilidades. Destacar o próprio nome no segmento em que atua ou deseja atuar. Planejar e, claro, executar. Essas são premissas fundamentais para o profissional que deseja aparecer para o mercado e conquistar o seu espaço, recorrendo a uma prática cada vez mais comum: o marketing pessoal. Hoje, ele se apresenta como uma das mais eficientes ferramentas para fazer com que os pontos fortes do profissional - como personalidade, habilidades, atitudes - sejam utilizados a favor dele próprio. Contudo, segundo especialistas, para gerir a carreira e crescer de maneira planejada - e segura - é necessário ser transparente e, sobretudo, ético. De acordo com a relações públicas Patrícia Morais de Azevedo, marketing pessoal significa projetar uma imagem de marca em relação a você mesmo, tomando a si próprio como sendo um produto ou serviço. "Todo profissional deve planejar seu posicionamento no mercando, portanto, independente da área, ele deve fazer seu planejamento de marketing pessoal para obter melhor resultado", explica. Em linhas gerais, o marketing pessoal vai estimular o profissional para que, de forma estratégica, ele destaque o próprio desempenho e competência e, com isso, seja visto e reconhecido pelo mercado. Inicialmente, para desenvolver o próprio planejamento de carreira, é preciso que a pessoa se conheça bem, seja confiante de seu potencial e, focada em resultados específicos, se entenda como uma espécie de produto, com marca própria. E, o principal: se venda. Nos conceitos, as coisas parecem ser fáceis.

Mas para desenvolver e executar um plano de marketing pessoal é necessária muita determinação e automotivação. O baiano Marcell Albano, de 26 anos, é um exemplo disso. Há pouco mais de seis meses, ele se mudou para João Pessoa, com o objetivo de iniciar um novo projeto musical. Junto com músicos paraibanos, ele formou uma banda de axé, da qual é vocalista. O talento para a música surgiu ainda quando criança: aos 11 anos, após vencer um concurso, ele cantou em um trio elétrico pela primeira vez. E, de lá para cá, não parou mais. Entretanto, ele sabia que para crescer como cantor, precisava investir nele mesmo. E assim foi feito. "Pelo fato de ter despertado a vontade de ser cantor muito cedo, sabia que precisava me aperfeiçoar. Aos 14 anos, comecei a fazer aula de canto e ser acompanhado por uma fonoaudióloga. Depois ingressei em um grupo de teatro, para trabalhar quesitos como a expressão corporal, que é fundamental para o artista no palco, e até fiz aulas de dança", revela. Em paralelo ao trabalho de formação artística, Marcell passou a cuidar do físico. Inicialmente, por questão de necessidade. "Precisava me condicionar para fazer shows, já que no axé as apresentações são bastante desgastantes. Na academia, descobri que a estética do corpo também agregava valor ao meu trabalho e, assim, me tornei mais vaidoso e preocupado com minha imagem", acrescenta. Hoje, na Capital paraibana, ele continua sendo acompanhado por uma fonoaudióloga afinal, segundo ele, a voz é a coisa mais importante do trabalho dele e,

O cantor Marcell Albano cuida da voz, do corpo e da imagem como forma de agregar valor ao trabalho

por isso, precisa de cuidados frequentes - e praticando atividades físicas cinco vezes por semana, sob orientação de um personal trainer. Além disso, ele investe no próprio visual, atentando para todos os detalhes, como a escolha de figurinos de show. Da Bahia, Marcell trouxe um histórico de participação em várias bandas de axé, empresariadas por grandes nomes do mercado musical baiano. Na Paraíba, por sua vez, em quase cinco meses na estrada, a banda liderada por ele já começa a despontar e alcançar mercados vizinhos como Pernambuco e Rio Grande do Norte. "Me preparei para encarar tudo isso e continuo aperfeiçoando meus atributos, em prol do fortalecimento do meu trabalho e da minha imagem", diz. Batalhando para crescer ainda mais, ele já consegue enumerar lições de tudo o que viveu até aqui, quanto à prática do marketing pessoal. "É preciso saber o que você quer e, a partir daí, traçar um plano de como chegar até lá e conquistar o espaço desejado no mercado. Nisso, é válido destacar as próprias qualidades de maneira estratégica, mas, acima de tudo, sendo verdadeiro". Foto:Divulgação

n ... Exagero na divulgação de habilidades pode ser prejudicial O marketing pessoal é uma prática de estratégias e, sendo desenvolvido e executado de maneira adequada, é sim, uma prática saudável. Contudo, Patrícia Morais atenta que é preciso ter cautela no momento de enaltecer as próprias habilidades. Afinal, segundo ela, tudo que é feito de forma exagerada oferece riscos e, o principal deles, é perder a credibilidade do mercado. "O primeiro passo para que se possa evitar cometer esse tipo de erro é ter um planejamento e estar sempre avaliando o cenário no qual está inserido. Ser estratégico, ter foco e ética profissional é o melhor caminho", garante. Marcell sabe bem disso e destaca que o bom senso é fundamental para se desenvolver um plano de marketing pessoal de maneira adequada. "Não adianta fazer aquilo em que não se acredita, aquilo que não é você. Se não for verdadeiro ou se for exagerado, não convence as pessoas. O trabalho não será erguido em bases sólidas e pode acabar prejudicando o próprio profissional", assegura. Para Patrícia Morais, o diferencial do marketing pessoal é seu foco em pessoas. "Por isso, devemos levar em consideração que há fatores psicológicos, de relacionamentos sociais que irão interferir diretamente em você enquanto marca. Mas isto não deve levar à 'coisificação', afinal, seus concorrentes são instáveis e seu preço é diferenciado de acordo com o resultado que pode oferecer e não apenas com a produção do produto ou serviço que estás vendendo", orienta. Ainda de acordo com ela, é preciso buscar sempre conhecimento, experiência e um comportamento ético, pois, assim, o profissional já terá um bom diferencial para se posicionar no mercado.

n ... Ética é fundamental para obter resultados positivos É possível que, ao tentar desenvolver um plano de marketing pessoal, o profissional acabe se revestindo com o sentimento do "eu sou o melhor" e, consequentemente, esbarrando na falta de etiqueta e até "atropelando" os colegas concorrentes. De acordo com a relações públicas Patrícia Morais, isso acontece algumas vezes e depende muito da índole de cada profissional e da cultura que rege o mercado no qual está inserido. "A eficácia de um plano de marketing pessoal só será possível se houver o cumprimento de um código de conduta que favoreça o resultado positivo para todos. Pode até parecer utópico,

mas no contexto de mercado atual, atrelar a imagem de uma empresa a de um profissional sem ética é comprometer resultados, relacionamentos e novos mercados", orienta. Também segundo Patrícia, o plano de marketing pessoal, por si só, não indica a falta de ética, mas sim as atitudes deste profissional no mercado de trabalho. "Não diria que ele comete 'pecados recorrentes', mas que sofre sérias consequências por seus atos insanos. Ele perde credibilidade, rede de relacionamento, crescimento profissional, renda e fica sujeito a trabalhos que só enaltecem seu potencial antiético.


○ ○ ○

3218-4410

3214-3042

100

0800 285 9020 Defesa Civil

A UNIÃO

Denuncie a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Procon Municipal

SAMU

Casa da Cidadania Tambiá

cotidiano.aunião@gmail.com

Polícia

Cotidiano

Bombeiros

192

190

193

REDAÇÃO: (83) 3218-6511

○ ○ ○ ○ ○ ○

Foi lançada na última sexta-feira, na Capital, a campanha municipal de prevenção às drogas nas escolas. Este ano, a campanha traz como novidade a representação de um mascote, um mico leão dourado, desenhado por um estudante (foto, recebendo um notebook) da 7ª série.

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011

EDITOR: Henrique França I E-MAIL: franca.henrique@gmail.com I TWITTER: @riquefranca

[FOTO&LEGENDA]

9

FOTO: Alberto Franco

> TELEFONES ÚTEIS

>>> ASSISTÊNCIA > Na PB, funcionam 42 Centros de Atenção Psicossocial para tratamento de usuários

Dependentes químicos chegam a 226 mil no Estado, segundo o PEPD FOTOS: Marcos Russo

> Alysson Bernardo alyssonbernardo@gmail.com

Cerca de 226 mil pessoas. Este é o número de paraibanos dependentes químicos, segundo dados preliminares, que estão sendo levantados pelo Programa Estadual de Políticas Públicas sobre Drogas (PEPD-PB). Na realidade, a marca pode ser maior, já que esta se trata de uma projeção, levando em consideração a referência de que seis a cada 100 pessoas no Estado são viciadas em alguma droga - principalmente o crack.

E

m todo o Estado, 42 Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) funcionam, de forma gratuita, como porta de entrada para os usuários de entorpecentes que buscam reabilitação - e, inclusive, os familiares deles, que sonham em vê-los distantes do vício. O número de drogados na Paraíba tem crescido nos últimos anos. Conforme pesquisa realizada pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), da Universidade Federal de São Paulo (Cebrid), em 2004, a relação de dependentes químicos paraibanos era de 4.1 a cada 100 pessoas. Já a estimativa atual foi informada pelo coordenador do PEPD-PB, o pastor João Pereira Gomes Filho, e representa um índice alarmante. Exemplificando, a marca pode ser comparada à quantidade de habitantes do município de Patos, no Sertão paraibano: o número de dependentes corresponde a pouco mais do que o dobro da população da cidade - considerada a quarta mais populosa da Paraíba. Em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o PEPD-PB está realizando um levantamento

O apoio da família é fundamental para as pessoas se livrarem do mundo das drogas, que, para muitos, é considerado um caminho sem volta

]

Eles têm que entender o tratamento e, acima de tudo, nos ajudar

]

para traçar um mapa da presença das drogas no Estado e o perfil dos usuários. Enquanto ele não fica pronto, uma preocupação já é inerente: afinal, para onde podem ser encaminhados os dependentes que almejam a reabilitação? É uma pergunta que muitos se fazem e, na hora do drama, custam a encontrar respostas. Ainda conforme dados preliminares do levantamento que está sendo realizado pelo PEPD-PB, a Paraíba possui 56 clínicas e fazendas de reabilitação, espalhadas do litoral ao Sertão. A maioria delas corresponde a projetos filantrópicos, criados por ONGs e igrejas. Como a pesquisa ainda não foi concluída, o pastor João Filho estima que este número seja bem maior e fique em torno de 100 unidades. Mas enviar a pessoa com dependência diretamente a um desses locais nem sempre é a alternativa mais correta. "Até porque não existem vagas para todos os que precisam, caso isso fosse feito", atenta o

Pág. 11 Compras coletivas se tornam a nova febre na internet e atraem consumidores

pastor. A partir da publicação da Política do Ministério da Saúde (MS) para a Atenção Integral a Usuários de álcool e outras drogas, em 2004, o CAPS passou a se constituir como um mecanismo estratégico para a sua consecução. Os CAPS do tipo "ad" - voltados para atendimento específico a usuários de álcool e drogas - são as principais referências. Na Paraíba, existem nove unidades deles, sendo três em João Pessoa, das quais uma é voltada para crianças e adolescentes. A maior das unidades da Capital está localizada na Rua Sinésio Guimarães, no bairro da Torre, que regionaliza o serviço para a Grande João Pessoa - mas atende a pacientes até mesmo do interior do Estado. De acordo com a diretora da unidade, Marileide Martins, o CAPS recebe demanda espontânea ou encaminhada de outro serviço, já que a ideia é que a assistência aos dependentes químicos funcione em rede, associada a outros dispositivos, como hospitais. Uma equipe multiprofissional, composta por médicos, psicólogos, farmacêuticos, enfermeiros, assistentes sociais, educadores físicos, arte educadores e oficineiros se integram para prestar atendimento no CAPS ad. Nos CAPS ad, como forma de tratamento, são utilizadas propostas a reinserção social, melhor qualidade de vida por programas de redução de danos e apoio familiar no tratamento dos usuários são as principais propostas dos CAPS ad.

Paciente passa por entrevista No CAPS, o dependente químico, inicialmente, passa por uma entrevista, que serve para a equipe multiprofissional tomar conhecimento de qual droga está sendo utilizada por ele e qual é o estado de dependência para, assim, se indicar o tratamento adequado. "Além de saber a condição do paciente quanto ao vício, neste momento pedimos para que seja apontado o que ele deseja para ele mesmo. Afinal, o paciente deve querer ser reabilitado", explica Marileide Martins. Segundo ela, algumas vezes, os pacientes chegam tão envolvidos pelo efeito das drogas, que sequer conseguem falar como estão. Os familiares deles, nestes casos, é quem repassam as informações. Inclusive, a participação da família é primordial para o tratamento dos dependentes. No CAPS ad da Torre, por exemplo, toda segunda-feira existe um grupo de familiares que se reúne com um psicólogo, para compartilharem experiências. "Eles têm que entender o tratamento e, acima de tudo, nos ajudar", destaca Marileide. No CAPS ad, os dependentes químicos são envolvidos em uma programação diária, de segunda a sexta-feira, a maioria delas em grupo. Nelas, eles desenvolvem atividades variadas, como físicas, autocuidados, redução de danos, prevenção de recaída, geração de renda, reciclagem, entre outras, além de oficinas de cerâmica,

+ Cotidiano

A participação da família é primordial para o tratamento dos dependentes. Existe um grupo de familiares que se reúne com um psicólogo, para compartilharem experiências. teatroterapia, arteterapia e mosaico, por exemplo. A ideia, segundo Marileide, é envolver os pacientes na sociedade. "Não queremos isolar completamente as pessoas. Elas precisam aprender a conviver com as drogas e encarar o problema de frente. Afinal, depois do tratamento, ela pode ter uma recaída e voltar tudo outra vez", atenta. Atualmente, o CAPS ad da Torre atende cerca de 200 pacientes, dos quais 30% são do sexo feminino. Lá, cada caso é tratado de maneira separada e o tempo de tratamento será indicado conforme as respostas que o paciente for apresentando. Geralmente, o período de atividade compreende a 15 dias, renováveis por mais 15. "Quando os pacientes continuam transtornados, podemos encaminhá-los a algum centro de reabilitação, como as fazendas. Nestes casos, a debilidade física e mental do dependente são referências . A família autorizando, fazemos o encaminhamento", revela Marileide. No final de abril, o CAPS ad passará a funcionar 24 horas.

Unidades tratam pessoas em crise Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), como dito anteriormente, funcionam como porta de entrada para os dependentes químicos que buscam reabilitação, através do serviço público de saúde. No entanto, nem sempre os centros são os locais para onde os pacientes devem ser encaminhados. Isso porque lá não são feitos atendimentos de urgência e emergência, voltados para viciados que estiverem em processo de crise. Para estes casos, existem serviços específicos em três municípios paraibanos: João Pessoa, Campina Grande e Piancó. Na Capital, um desses locais de apoio é o Pronto Atendimento em Saúde Mental (PASM), que funciona no Ortotrauma, em Mangabeira. Lá, os pacientes são recebidos e permanecem, em média, 72 horas internados. A unidade possui leitos para observação e atendimento diário a pacientes com transtorno psíquico agudo/ grave. A equipe multiprofissional é composta por psiquiatra, clínico geral, assistente social e enfermeiros. "Se o indivíduo está em crise, debilitado, e mora na Capital ou na Grande João Pessoa, o PASM pode ser procurado", indica Shirlene Queiroz de Lima, coordenadora de Saúde Mental, da Secretaria de Estado de Saúde (SES). Ainda em João Pessoa, se o paciente precisa passar apenas por um procedimento de desintoxicação leve, ele pode ser levado ao Hospital Sanatório Clifford, que integra o complexo do Hospital Psiquiá-trico localizado, na Avenida Dom Pedro II. "Lá, existe uma área com 12 leitos específicos para pacientes com transtornos provocados pelo álcool e outras drogas. Contudo, dependendo do quadro clínico apresentado pelo paciente, ele pode ser encaminhado para um hospital geral", complementa Shirlene. Em Campina Grande, o atendimento é realizado na Emergência Psiquiátrica do Hospital Dr. Edglay, localizado na Rua Fernandes Vieira, 659, no bairro José Pinheiro. A Paraíba possui 216 leitos para desintoxicações em hospitais gerais, destinados a pessoas com dependência química. A informação é da coordenadora de Saúde Mental da SES, Shirlene Queiroz de Lima. "Por lei, estes espaços devem receber pacientes em crise, que estejam 'surtados', devido ao efeito das drogas”, explica. CONTINUA NA PÁGINA 10

Pág. 12 Lapidários de Pedra Lavrada exportam pedras preciosas e joias para o exterior


10 ○

A UNIÃO

Geral

Cotidiano ○

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011 ○

>>>PESQUISA REVELA > Uso da droga no Estado só fica atrás do consumo de bebidas alcoólicas

Crack ainda é o maior vilão na PB O crack desponta como a droga mais utilizada na Paraíba, segundo informações do coordenador do Programa Estadual de Políticas Públicas sobre Drogas (PEPD-PB), pastor João Filho. De acordo com ele, o uso do crack, no Estado, só fica atrás do consumo de bebidas alcoólicas. Este dado faz parte dos resultados preliminares da pesquisa que o Programa está desenvolvendo em parceria com a Fiocruz, mapeando a influência da droga no território paraibano. As informações consolidadas pelo levantamento até então já começam a definir um pouco do perfil dos dependentes químicos no Estado. "Já identificamos que eles estão, comumente, na faixa etária de 15 a 30 anos, não completaram o Ensino Fundamental I, e têm nível de renda familiar de um a dois salários mínimos mensais", explica o pastor. Os dados preliminares também apontam que, em João Pessoa, os bairros que concentram o maior número de traficantes são, proporcionalmente, Mandacaru, São José e Rangel. "Em muitos casos, são pessoas que vieram do Rio de Janeiro, mas que não necessariamente nasceram lá. Pelo contrário: muitos são paraibanos ou de outros Estados do

n ...

Fazenda da Esperança: livre e distante de drogas

Na Fazenda da Esperança, os usuários de drogas têm apoio total para se recuperar Nordeste, foram tentar a vida fora, conheceram as drogas, e retornaram para as cidades de origem viciados", acrescenta. Os homens são maioria na dependência química: para cada dez dependentes químicos do sexo masculino na Paraíba, existem

duas mulheres viciadas. "Inclusive, o vício feminino tem aumentado. Conforme pesquisa de 2004, a relação era de uma mulher viciada a cada dez homens. Ou seja, dobrou o número de mulheres dependentes. Parece pouco, mas é preocupante".

Tratamento depende dos usuários Da suposta satisfação ao alimentar o vício até o momento de decidir procurar apoio para reabilitação, existe uma barreira imensa, que quase nunca os dependentes químicos conseguem vencer sozinhos. Para entrar em uma clínica ou uma fazenda com o intuito de se afastar das drogas, os viciados precisam autorizar e receberem o apoio da família. Na Fazenda da Esperança, por exemplo, os dependentes têm que enviar uma carta, mostrando o interesse no tratamento. Saber ao certo quando é o momento de se pedir o apoio é uma incógnita, já que depende da iniciativa de cada um. Contudo, o pedido de socorro, geralmente, só aparece quando o viciado já se vê no fundo do poço. Para Francisco Airton, a decisão de procurar ajuda na Fazenda surgiu quando ele percebeu que estava perdendo a família. "Minha esposa não me queria mais em casa. Saí de lá deixando para trás ela e meus filhos. Fiquei na casa da minha mãe, que também não demorou muito para começar a sofrer com o meu vício. Lembro que, várias vezes, eu chegava drogado em casa, de madrugada, e me deparava com minha mãe rezando, com uma vela acesa, chorando por mim", revela. Segundo ele, em muitos momentos ele chegou a pedir a Deus para morrer, pensando em acabar com aquele sofrimento. "Mas minha mãe me deu forças e um dia me convidou para pro-

Como participar de instituição no Estado

curar o apoio. E aceitei", lembra. Alan César também se via em situação parecida. "Vi que perdia familiares e amigos e que, inclusive, estava perdendo os meus sonhos. Precisava fazer alguma coisa para mudar aquilo", diz, sem entrar em mais detalhes. Eles dois souberam da existência da Fazenda da Esperança através de outras pessoas. Francisco ouviu um testemunho em uma igreja em Cajazeiras, enquanto Alan recebeu a sugestão de um primo, que havia se envolvido com drogas e conseguiu apoio na unidade da Fazenda no município de Garanhuns, em Pernambuco. Agora, já se aproximando o fim do tratamento, os dois se dizem satisfeitos, orgulhosos e com vontade de vencer na vida. "Por causa das drogas, havia perdido a confiança do meu pai. Recentemente recebi uma carta dele, dizendo que hoje confia em mim até o fim. Não vejo a hora de chegar o dia da visita para poder abraçá-lo e agradecer por isso. Quero sair daqui pronto para encarar o mundo lá fora, e dar orgulho a minha mulher, aos meus filhos e a toda a minha família", assegura. Alan, por sua vez, disse que se orgulha do amor e do respeito que compartilha com sua família. "Quero preservar isso e um sonho é sair daqui e me dedicar aos estudos. Penso em fazer vestibular par Psicologia".

Para conseguir uma vaga na Fazenda da Esperança, na Paraíba, segundo o presidente da unidade, Francisco Moraes Júnior, antes de tudo é preciso determinação por parte do dependente. O primeiro passo que o interessado deve dar é procurar o escritório do projeto, na Igreja Santa Júlia, no bairro da Torre, em João Pessoa, ou então telefonar pelo número (83) 3257-1250. Depois do contato inicial, ele participa de, no mínimo, três reuniões em um grupo de autoajuda. Os encontros ocorrem nas noites de terça-feira, na igreja. Caso queiram ir para o tratamento, eles devem fazer uma carta, falando os motivos e mostrando comprometimento com a ideia. "E assim, são recebidos por nós. Caso não haja vagas disponíveis na Fazenda paraibana, tentamos interná-los em uma de nossas unidades nos Estados vizinhos, como Garanhuns, em Pernambuco". Segundo Júnior, a Fazenda da Esperança se mantém através de doações. "Cada interno custa, por mês, cerca de um salário mínimo. Como eles produzem várias coisas na fazenda, como cocadas e produtos de limpeza, todo mês cada um deles prepara uma cesta contendo as próprias produções. A cesta é entregue à família, para que ela venda os produtos e, assim, levante o dinheiro para contribuir com o projeto", explica.

#MartinhoMoreiraFranco ○

MARTINHOMOREIRAFRANCOéjornalistaepublicitário ○

martinhomoreira.franco@bol.com.br

O humor em questão Fiquei intrigado ao ler a conclusão a que chegou um cientista australiano: pessoas malhumoradas possuem inteligência mais afiada, pois o mau humor melhora a capacidade de julgar os outros e aumenta a atividade da memória. Confesso que gelei. Seria por isso que sinto embotada, rombuda, a minha inteligência? Teria piorado a minha capacidade de julgar os outros? A atividade da minha memória estaria ficando cada vez menor? Quem me conhece haverá de entender as razões para a intriga e os motivos para a sensação de ter entrado numa fria. Sou um sujeito

que se considera muito bemhumorado, e que costuma ser assim levado em conta. Já fui até advertido devido a essa postura abusiva: numa aula de Física, no velho Liceu Paraibano, o professor Carlos Pereira de Carvalho virou-se certa vez para mim, que sorria aparentemente sem motivo, e fulminou: - "Seu" Martinho: muito riso, pouco siso! Nem tomando o pito tomei juízo. Continuei de bem com a vida até hoje, sendo raros os meus momentos de rabugice - que os tenho, é verdade, basta que perguntem lá em casa... mas essa é outra história. Daí o estranhamento diante do que disse

à revista Australasian Science o professor Joseph Forgas, da Universidade de Nova Gales do Sul, em Sidney. Ele foi bem mais professoral do que Carlos Pereira: - Nossa pesquisa sugere que a tristeza melhora as estratégias para processar a informação em situações difíceis. As pessoas com um estado de ânimo mais decaído possuem maior capacidade de argumentar suas opiniões por escrito. Não é bom estar sempre de bom humor. Pensem num balde de água fria! O professor Forgas me fez ficar realmente intrigado e ainda me deixou temeroso de perder este

Entre os projetos filantrópicos de reabilitação de dependentes químicos, na Paraíba, está a Fazenda da Esperança, localizada no município de Alhandra, litoral sul do Estado, há cinco anos. O trabalho funciona em duas fazendas - a segunda foi criada há três anos - doadas pela Arquidiocese da Paraíba. Desde a criação, a Fazenda da Esperança paraibana já livrou mais de 200 pessoas do vício das drogas, utilizando-se basicamente de um tripé: convivência, espiritualidade e trabalho. A fazenda mais antiga, que tem espaço para 15 internos, hoje é responsável por receber os novos dependentes. Lá, eles passam cerca de três meses se integrando, até serem encaminhados para a segunda fazenda, que comporta até 20 pessoas. Este número será dobrado, com obras de ampliação a serem inauguradas no segundo semestre. Com elas, a primeira fazenda passará a receber apenas mulheres. No local, os portões permanecem abertos o dia inteiro, para deixar no local quem está determinado a vencer. Exatamente para isso é que o cabeleireiro campinense Alan Ce-

sar, 26, e o vendedor cajazeirense Francisco Airton, 35, permanecem na fazenda há nove e oito meses, respectivamente. Ambos resumiram que conheceram as drogas, se viciaram e, praticamente, destruíram a própria família com o drama que promoveram. Contudo, os detalhes eles preferem não citar, para esquecer o passado. Na fazenda, não há profissionais na equipe: todos os trabalhos são realizados pelos internos, com apoio de líderes espirituais. A rotina na fazenda começa as 6h, quando todos os garotos acordam, tomam café da manhã, rezam e partem para o serviço. Eles plantam, colhem, limpam, cozinham, constroem. Fazem um pouco de tudo, até o final da tarde. Eles participam de celebrações eucarísticas e de oficinas de oração. Também há atividades lúdicas e esportivas, para dinamizar o ambiente. Livres, eles têm a tarde do sábado e o domingo inteiro. Uma vez por mês, em um domingo, eles recebem visitas de familiares e em um sábado mensalmente eles acolhem novos interessados em reabilitação.

O que é CAPS? Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) são destinados a acolher, cuidar e tratar das pessoas com sofrimento psíquico grave, promover sua integração social e familiar. Foram criados para substituir a internação em hospitais psiquiátricos, possibilitando que as pessoas sejam tratadas em sua comunidade, perto de amigos e de familiares. Há diversos tipos de CAPS - como os "ad" -, mas eles vão existir nas cidades em conformidade com o número de habitantes de cada uma delas. Mesmo quando não existe CAPS no município, o paciente poderá procurar apoio junto aos PSFs, que são responsáveis por encaminhar o solicitante a um serviço especializado, caso haja necessidade.

Onde encontrar apoio URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS - João Pessoa PASM - Pronto Atendimento em Saúde Mental No Ortotrauma, em Mangabeira Telefone: (83) 3218-9727 CAMPINA GRANDE Emergência Psiquiátrica do Hospital Dr. Edglay, no José Pinheiro Telefone: (83) 3321-8296 PIANCÓ Unidade de Desintoxicação com Leitos Psiquiátricos Telefone: (83) 3452-2737

emprego n'A UNIÂO. Claro: ele não disse que "pessoas com estado de ânimo decaído possuem maior capacidade de argumentar suas opiniões por escrito"? Então, meus amigos, não devo estar argumentando nada bem nos escritos que assino. Tomara que seja apenas uma piada do professor australiano! PIADA AVULSA O fazendeiro chega à beira do rio com uma manada de bois e pergunta ao menino Joãozinho, que está em cima da cerca: - Esse rio é fundo, meu filho? O menino responde: - Bom, a criação do meu pai passa por aqui com água no peito… O fazendeiro, então, começa a fazer passar a manada de bois. Mas, lá pelo meio do rio, todas as reses se afogam. Desesperado, ele aborda o menino: - Ô, moleque! O seu pai cria o quê? E o menino: - Pato.

CAPS AD - Cabedelo: (83) 3228-1044 - Campina Grande: (83) 3310-6341 - Cajazeiras: (83) 3531-4734 - Guarabira: (83) 3281-5985 - João Pessoa: Torre - (83) 3218-5902 Rangel - (83) 3218-5244 Róger - (83) 3214-6079 - Piancó: (83) 3452-2737/2221 - Sousa: (83) 3525-3044 CENTROS DE REABILITAÇÃO - Fazenda da Esperança: (83) 32571250/ 3244-0770 - Fundação Cidade Viva: (83) 3041-7471

SAIDEIRAS Para fechar a caráter este domingo, rememoro algumas frases coletadas por Ruy Castro para o livro O Melhor do Mau Humor - que, aliás, é muitíssimo bem-humorado: - Amar é... ser a primeira a reconhecer o corpo dele no Instituto Médico Legal. (Ivan Lessa) - Certas mulheres deveriam apanhar regularmente, como os gongos. (Noël Coward) - Um homem pode ser perfeitamente feliz com qualquer mulher - desde que não viva com ela. (Oscar Wilde) - O brasileiro é sueco com a mulher dos outros e mineiro com a própria mulher. (Ronaldo Boscoli) - Quem tem mulher bonita, que vá enviuvar em Belo Horizonte. Mas nunca deixar uma viúva em Ipanema ou no Leblon. (Antonio Maria) - Todos os cafajestes que conheci na minha vida eram uns anjos de pessoas. (Leila Diniz)


João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011 ○

Geral ○

A UNIÃO

Cotidiano ○

11 ○

FOTO:Divulgação

Comprar pela internet é um hábito cada vez mais comum, mas o consumidor precisa ficar atento para não ser enganado ou cair em algum golpe

>>> VANTAGEM > Comodidade e descontos são os principais atrativos

Sites de compras coletivas viram febre e dão descontos de até 90% > CLEANE COSTA cleanec@gmail.com

Os sites de compras coletivas são a febre do momento na internet e a cada dia surgem novos sites desse tipo. A comodidade e os descontos dos produtos oferecidos - que podem chegar até 90% - são os principais atrativos dessa nova forma de comércio.

A

s ofertas, na maioria das vezes, dão preferência a serviços em vez de produtos: estética, pratos na hora do jantar, e espetáculos são destaques. Mas, como em toda e qualquer relação de compra, é preciso que o consumidor esteja atento para não ser enganado ou cair em algum golpe. O princípio das compras coletivas funciona da seguinte forma: assim que uma oferta é anunciada no site (as promoções têm um tempo limite que varia de um a dois dias, geralmente), os internautas são convidados a aderir à promoção do dia, mas esta oferta

só é efetivada com a adesão de um número mínimo de pessoas. A partir daí, a confirmação da compra se dá mediante o pagamento, que, em alguns casos, basta a pré-aprovação da transação no cartão de crédito. Depois disso, os participantes recebem, por e-mail, um cupom ou voucher para apresentar à empresa conveniada. Virgínia Nascimento é uma dessas internautas que já experimentaram sites de compras coletivas. Como vantagens ela apontou o fato de que conseguiu comprar mais barato, com mais comodidade e ainda pode

reunir nove amigos para fazerem, juntos, um passeio no parque Mirabilândia, em Recife. O translado numa Van (de João Pessoa até Recife) e o ingresso saíram pelo preço de R$ 48, enquanto somente o ingresso de acesso ao parque de diversões custava R$ 50. A internauta disse não ter nada a reclamar de toda a transação. "A Van nos pegou na hora combinada e retornou no horário previsto. O acesso ao parque também foi sem problemas", contou. Para ela, a desvantagem das compras coletivas é que, quando vê uma oferta interessante, acaba não resistindo. "A gente nem precisa, mas compra na empolgação do mais barato", comentou. Bruno Gomes também se tornou cliente das compras coletivas. Seu maior interesse é nas corridas de kart. Por duas vezes, conseguiu um desconto de 50% na locação de um kart no Speed Kart Indoor. Na primeira vez, pagou R$ 17,50 quando o valor cobrado era R$ 35; e da outra vez pagou R$ 25 ao invés dos R$ 50 cobrados.

Clube de Acesso tem 60 mil e-mails Daniel Dantas é proprietário da Oxcom, uma empresa de desenvolvimento de sites que apostou na diversificação dos seus negócios para ampliar o número de clientes. E deu certo. Ele desenvolveu um site de compras coletivas - o Clube do Acesso, que já possui mais de 60 mil e-mails cadastrados no seu banco de dados, com 3 mil compradores efetivados. Apesar da explosão dos sites, Daniel não teme a concorrência. Ele disse que oferece um produto diferenciado: enquanto os outros compram prontos os programas dos sites de compras, inclusive os módulos, o Clube do Acesso foi totalmente desenvolvido pela sua empresa. Além disso, ele monitora as redes sociais para saber das sugestões e reclamações dos clientes e promove divulgação das ofertas não apenas de forma digital, mas também de forma impressa, através de panfletagem. Ele concorda que o mercado está apertado, mas acredita que somente se manterá aquele que trabalhar com responsabilidade e tiver compromisso com os seus clientes. "Alguns

superfaturam a oferta dos produtos e só ficará no mercado quem fizer um trabalho decente e atenda bem o cliente", disse, acrescentando que a principal dificuldade é encontrar parceiros dispostos a fazer descontos nos seus produtos. "Os empresários daqui ainda têm a mente fechada e não observam que eles podem perder o lucro em alguns produtos, mas poderá ganhar mais clientes e divulgar sua empresa de uma forma mais abrangente. Nós temos mais de 10 mil acessos por dia", destacou, considerando ser essa uma boa estratégia de marketing. DICAS - A secretária-executiva do Procon-PB, Klébia Ludgério, informou que até agora o órgão não recebeu qualquer reclamação referente aos sites de compras coletivas, mas considerou que essa é uma relação de risco, mesmo quando os consumidores observam alguns cuidados. Por isso, deu algumas dicas de como se comportar antes de efetivar uma compra nestes sites. Para Klébia Ludgério, é fator preponderante que o consumidor saiba dos seus direitos

antes de se decidir por uma compra em sites de compras coletivas. Além disso, aconselha que ele conheça o site onde vai comprar, saber se não existe algum tipo de reclamação, esteja bem informado com relação às condições de contratação, forma de pagamento, validade da oferta, quantidade de pessoas que aderiu à promoção, verificar se os descontos são mesmo reais e, para o caso de produtos estéticos e odontológicos, recomenda observar se a empresa fornecedora possui autorização da Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Outro ponto para o qual a secretária-executiva do Procon-PB chamou atenção foi para a segurança na hora da compra. Ela disse ser fundamental que o consumidor observe se a página eletrônica possui um cadeado no canto inferior direito do vídeo e anotar o código da compra. Os consumidores que se sintam lesados podem fazer suas denúncias ou reclamações, bem como obter informações pelo número 0800 281 1512, do Procon-PB. O número do serviço no Procon-JP é o 0800 083 2015.

Para Eloísa França, a experiência não foi tão boa assim. Apesar de não ter tido prejuízo, não chegou a fazer a sessão de estética oferecida no site Polvo Pirata, porque a empresa fornecedora do serviço não honrou algumas cláusulas do contrato. A própria empresa contratante - no caso a Polvo pirata - avisou a ela da quebra do contrato quando da retirada do cupom e lhe ofereceu imediatamente uma outra oferta no mesmo valor. Apesar do contratempo, Eloísa considera uma comercialização vantajosa, porque as pessoas conseguem realizar compras por menos da metade dos preços praticados no mercado, mas alerta que ela deve ser encarada como qualquer outra transação comercial e aconselha a se fazer pesquisas, conversar com amigos, se informar sobre as ofertas, etc. "Isso é muito encantador e João Pessoa teve uma explosão desses sites, mas a internet tem regras e é bom a gente saber ter um bom comportamento diante dela", observou.

COMO SURGIU Os sites de compras coletivas surgiram nos Estados Unidos, em 2008. No Brasil, no entanto, essa forma de venda chegou através do site de compras Peixe Urbano em março de 2010. Na Paraíba, o pioneiro foi o site Pechincha do Dia que chegou a João Pessoa em outubro do mesmo ano. Dados do site Bolsa de Ofertas apontam que, em fevereiro, o Brasil já tinha 1.025 sites de compras coletivas, contra 405 contabilizados no mês de dezembro, constatando um crescimento de 153% em menos de 60 dias. Entre os sites que promovem ofertas em João Pessoa estão: Nossa Vitrine, Groupon, Polvo Pirata, Nossa chance, Pokinho, Bendita Oferta, Valendo a Pena, Desconto, ClickBamboo, Clube do Desconto, Clube do Acesso, Compra em Rede, Groupalia, MustGo, ClickOn, Tripular, Peixe Urbano e Pechincha do Dia.


○ ○ ○

> Trem-bala

Governo Federal já O admite informal-

ste será o segundo adiaEmento do leilão do

mente adiar por 90 dias o leilão do trem-bala, marcado para o próximo dia 11.

12 João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011

> GIRO ECONÔMICO > Adiamento > Nova data

a semana que vem, a presidenN te Dilma Rousseff se

trem de alta velocidade. Inicialmente, ele ocorreria no dia 16 de dezembro passado.

economia.auniao@pb.gov.br

reúne com técnicos do Governo para acertar detalhes e a nova data do leilão do trem

> REDAÇÃO: 83.3241-1010 ○

EDITOR: Henrique França > E-mail: franca.henrique@gmail.com > twitter: @riquefranca

Economia A UNIÃO

>>> NEGÓCIO > O Japão já se comprometeu em comprar toda a produção dos lapidários da Inpedra

Lapidários do Curimataú exportam pedras preciosas e joias para exterior > Hilton Gouvêa

FOTOS:MarcosRusso

n ...

hiltongouvea@bol.com.br

Dicas sobre uso de diamantes

O Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa na Paraíba (Sebrae-PB) elaborou um projeto especial e firmou uma parceria com a Inpedra - Incubadora de Artefatos de Minérios e Afins, de Pedra Lavrada, no Curimataú paraibano, para a confecção e exportação de joias No centro do Semiárido paraibano, os dias são pontilhados de surpresas, que servem para realçar a beleza das mulheres do mundo. Exagero? Não. Até pouco tempo atrás, pedrinhas encontradas na caatinga eram vendidas como curiosidades nas feiras regionais e transformadas em singelos enfeites por habilidosas moças do interior. Agora, elas são topázios brancos, águas marinhas, ametistas, quartzo de todas as cores (inclusive o fumê), cristais, dolomitas e feldspatos, trabalhados unicamente para adornar os pescoços de brasileiras, chinesas, italianas e francesas. Isto depois de passarem pelas mãos treinadas de lapidários da Inpedra - Incubadora de Artefatos de Minérios e Afins de Pedra Lavrada, município do Curimataú, situado a 227 Km de João Pessoa. O entusiasmo dos lapidários nesta área aumentou depois que o Sebrae firmou com eles um projeto especial, com a finalidade de produzir semijoias para exportação, utilizando minérios locais que até um dia desses eram tidos como entulho. Por enquanto, o Japão é o maior interessado na execução deste projeto, pois se comprometeu a comprar toda

a produção conseguida pelos lapidários da Inpedra. Para fazer este trabalho, a incubadora só dispõe, hoje, de um artesão em minérios, um lapidário e uma artesã - lapidária. Nilza Jorge da Silva, 30 anos, artesã-lapidária da Inpedra, especializou-se na fabricação de pulseiras de trifecita, chaveiros de malacacheta, pulseiras de dolomita vermelha e outras semijoias, cujas matériasprimas são sobras de minérios atiradas a esmo pelas mineradoras que operam em Pedra Lavrada. Submetidas a uma transformação, essas sobras viram pedras atraentes, de cores charmosas, reluzentes, prontas para o uso de quem possui beleza, charme e bom gosto. Ao chegar, em estado bruto, ao laboratório da Inpedra, o minério é classificado segundo sua forma, cor e pureza. Daí segue para a pré-forma e o corte de facetas. O caminho seguinte é o polimento. É aqui que o lapidário deve mostrar toda a sua habilidade. Neste processo, uma simples pedrinha pode ficar sem mancha alguma e, daí, passa a valer alguns bons reais. "Não temos vergonha do nosso trabalho já que a lapidação paraibana precisa de mais divulgação e de empresários que a conduzam por melhores resultados financeiros. Minas Gerais e São Paulo competem conosco de forma desigual, pois

O artesão José Marcos mostra as joias confeccionadas pela Inpedra têm equipamentos bons, embora não possuam, em suas terras, as pedras de boa qualidade que temos na Paraíba", diz Nilza. O lapidário José Marcos de Macena endossa as palavras da amiga e adverte: "não existe mais esta denominação de pedras semipreciosas pois, depois de lapidadas, elas são preciosas mesmo", ensina. As jóias da Inpedra são confeccionadas com quartzo nas cores rosa, branco, fumé, verde e sitrino. No geral, depois de lapidadas elas passam a valer de R$ 25,00 a R$ 200,00 a unidade. O que contribui para aumentar o preço é a tonalidade da pedra, após a lapidação. Uma pedra de quartzo sitrino, de 15 gramas (73 quilates) custa R$ 250,00 no mer-

#Relações de Consumo ○

cado. Chineses e franceses já compraram a Marcos dois painéis dessas pedrinhas, cada um com 170 unidades. Ele não revelou preços, mas admitiu que fez um bom negócio. Das mãos de Marcos e Nilza saem preciosidades que enfeitam braços e pescoços no mundo inteiro. Realmente: da clientela estrangeira que consome as gemas de Pedra Lavrada, cerca de 40% é de mulheres, principalmente orientais, destacando-se as japonesas e chinesas. "Mandei fazer um colar de sitrino e quartzo rosa e pousei com ele, em bailes granfinos, sem provocar constrangimentos", declara, orgulhosa, a paraguaia Delana Herrera y Amor, que gosta de perambular por cidades do Curimataú à cata de gemas.

Kéblia Ludgério ○

Proteção de dados deve ser uma prioridade de cadastros com informações pessoais deve ser comunicada por escrito ao consumidor envolvido. O problema, entretanto, é mais amplo e merece reflexão para a elaboração de uma legislação mais aprofundada que contemple a garantia do sigilo de dados fornecidos de forma mais incisiva e em todos os setores. Da forma como nossa legislação está hoje, existe a possibilidade de intercâmbio de dados pessoais entre as empresas, que podem, inclusive, se aproveitar das informações para estabelecer "grupos de consumidores" que serão

precioso de Pedra Lavrada foram os americanos que, na década de 40, acharam tantalita, berilo e colombita nas caatingas do município. De lá para cá, Pedra Lavrada não parou mais, principalmente agora, no momento em que uma empresa de cosméticos descobriu, em seus laboratórios, que uma lama mineral encontrada nas jazidas de feldspato, serve para fabricar cremes que eliminam rugas e manchas da pele humana. Instalada na área de transição climática do Curimataú-Seridó paraibano, a Inpedra atua num setor mineralógico que conta com mais de 100 garimpos ativos na extração de calcário, feldspato, quartzo-rosa, mica, rubi, berilo, minério preto, talco, tantalita, urânio e calcedônia. Salvo as exceções, muitos desses minérios contribuem para a beleza feminina, seja adornando pulsos, tornozelos e pescoços, seja eliminando rugas na pele ou melhorando a aparência dos cabelos.

A artesã Nilza Jorge seleciona as pedras para serem lapidadas

Países vizinhos dão exemplo ○

procon@procon.pb.gov.br.

Sem uma legislação específica que garanta a proteção de dados fornecidos pelos consumidores às empresas, no Brasil, tornamse urgentes os debates que englobem problemáticas referentes à fragilidade dos consumidores diante da falta de garantias no tocante a suas informações pessoais. É fato que possuímos artigos que regulamentam a proteção de dados setorialmente. No próprio Código de Defesa do Consumidor (CDC), o artigo 43 versa sobre o tema, destacando alguns aspectos que devem ser respeitados e estabelecendo que a abertura

Enquanto Delana improvisa criatividade com pedrinhas do Curimataú paraibano, outras pessoas dão dicas de como se devem utilizar melhor esses diamantes tupiniquins. Nilza sugere utilizar todas as cores do quartzo em forma de botões de casacos, calças compridas e vestidos. Uma senhora esteve na Inpedra e pediu para fazer um bracelete de quartzo branco, seguindo o seu design. Atendida, ela saiu satisfeitíssima. Um empresário de Minas Gerais já anunciou que vai fabricar relógios ornamentais com o quartzo de Pedra Lavrada, recentemente aproveitado por uma rede de restaurantes, na fabricação de pratos, com a logomarca da casa. Exemplo da internacionalidade dessas pedrinhas foi dado pela empresa americana Braspedras, que instalou-se em Pedra Lavrada no ano de 1970. Depois veio a organização francesa Mineração Palmeirense, que explora o quartzo rosa. Mas os pioneiros na descoberta do minério

Tecnologia faz com que legislação seja mais urgente

alcançados por publicidades massivas. A partir da liberação não autorizada ou do fornecimento indevido, é possível traçar verdadeiros perfis, invadindo a privacidade do cidadão. Alguns esforços para mudar esta realidade já estão sendo realizados. O Ministério da Justiça já realiza debates sobre o tema, buscando a elaboração de um projeto de lei sobre o assunto. Para tanto, é importante também realizar debates com a população, para que experiências sejam relatadas e para que a legislação a ser elaborada contemple os aspectos mais diversos.

A ampliação do uso das tecnologias também nas relações de consumo, fazendo com que a internet desponte como uma fonte de compras sem precedentes, possibilitou novas formas de relação de consumo fazendo com que seja ainda mais urgente uma revisão na legislação vigente. A importância de garantir a proteção de dados pessoais se dá, sobretudo, no sentido de evitar a venda ou vazamento deles, para que as informações não sejam utilizadas por pessoas má intencionadas e o consumidor não corra riscos de cair em armadilhas.

Enquanto no Brasil ainda não existe uma legislação específica para a proteção de dados pessoais fornecidos a empresas, países vizinhos já possuem políticas próprias para garantir o sigilo das informações pessoais fornecidas nas relações de consumo. Exemplos de legislação nesta área podem ser encon-

trados em países como Colômbia, Argentina e Uruguai. Ademais, em países da Europa, a legislação de proteção de dados já tem 30 anos de existência, mais antiga inclusive que nosso Código de Defesa do Consumidor (CDC), que já está em vigência há 20 anos.

Notas ...

> Em tempo: Discutir a proteção de dados é o primeiro passo para a elaboração de uma legislação específica que garanta a proteção ao consumidor. Este foi um dos temas abordados durante o I Congresso Internacional de Direitos Humanos na Paraíba, realizado em João Pessoa. Em tempo 2: O Congresso aconteceu nos dias 31/3 e 1/4 e reuniu cerca de 400 pessoas em debates sobre temas relevantes no tocante à legislação que regulamenta as relações de consumo. Em tempo 3: Durante o encontro, juristas de renome internacional proferiram palestras, trazendo experiências de sucesso e contribuindo para a reflexão de melhorias que possam ser aplicadas na defesa do consumidor em âmbito nacional.

INDICADORES [DÓLAR]

VARIAÇÃO

R$ 1,658

0,12%

Comercial

COMPRA: R$ 1,6580>

VENDA: R$ 1,6600

[EURO]

VARIAÇÃO

R$ 2,338 COMPRA: R$ 2,386>

-0,06%

VENDA: R$ 2,3406

[OURO]

R$ 78,8

VARIAÇÃO

-0,6305%

[ÍNDICES ECONÔMICOS] INFLAÇÃO

IPCA 0,80% IGP-M 1,00%

INDICADORES TR 0,13% CDI 11,64% SELIC 11,75%

[BOLSAS] Brasil

EUA Espanha França Japão

| Bovespa

| | | |

Nasdaq Madri CAC 40 Nikkei

[ANOTE] 0,34% 0,24% -0,42% 0,09% 1,07%

SALÁRIO MÍNIMO: R$ 545,00 POUPANÇA: MÊS: 0,5527%

ANO: 6,90%


Esportes A UNIÃO

Twitter

esportes.auniao@gmail.com

@SpiderAnderson

REDAÇÃO: 83.3218-6511

13 ○

Anderson Silva (Lutador de MMA) Imperador no Conringãoooo é isto mesmo?? to vendo na net aqui, que BACANA, sucessso pra nós @claroronaldo

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011

>>> DUELO > Melhores equipes do Campeonato se defrontam hoje

Galo não teme o Tigre no Amigão > Wellington Sérgio wsergionobre@yahoo.com.br

CSP é uma séria ameaça a liderança do Treze neste domingo pelo Campeonato Paraibano. A diferença entre os dois na classificação é de apenas um ponto.

Q

> EDITOR: Ivo Marques > E-MAIL: ivo_esportes@yahoo.com.br > TWITTER: @ivo_marques

uem imaginaria Treze e Centro Sportivo Paraibano (CSP) fazendo um jogo que vale a liderança do Campeonato Paraibano, neste domingo, às 16h, no estádio Amigão, na Serra da Borborema. O "bicho vai pegar" com o Tigre querendo engolir o Galo da

Borborema em seu terreiro, provando que não é a toa que o estreante vem surpreendendo os clubes tradicionais do futebol paraibano. A disputa pela ponta da tabela é tão acirrada, que a diferença é de apenas um ponto, com o Alvinegro na primeira colocação, com 30, enquanto o time da Capital, vem coladinho com 29. A única derrota do azulão foi contra o próprio Treze (2 a 1), no dia 20 de fevereiro, no estádio Leonardo Vinagre da Silveira, a Graça, em Cruz das Armas, em João Pessoa. O time serrano tem nove vitórias e três empates, enquanto o CSP, conta com nove vitórias, dois empates e uma derrota. As duas melhores equipes da competição prometem fazer uma prévia de uma possível decisão estadual, com um jogo imprevisível, onde tudo pode acontecer. Com

uma campanha fantástica no Paraibano, vencer o Treze em seus domínios não será novidade para quem vem obtendo resultados positivos dentro e fora de campo. Um retrospecto que não muda o astral e a confiança do CSP para o desafio na Serra da Borborema. Apesar de não contar com o zagueiro Moisés e o atacante Pingo, que cumprirão suspensão automática, o elenco tem boas opções para mandar a campo. Luís Paulo e Wellington são os prováveis substitutos no grupo que tem um banco com boas opções a disposição da comissão técnica. A possível chance de ocupar pela primeira vez a ponta da tabela não tira a tranquilidade e a seriedade do treinador Ramiro Sousa, que promete não jogar fechado. De acordo com o profissional, o CSP não sabe atuar

desta maneira, mesmo reconhecendo que terá um adversário forte e de qualidade que briga por mais um título da temporada. "Não podemos jamais ficar esperando o Treze pressionar para levar sufoco. Trata-se de um concorrente forte, onde não iremos dar espaço para jogar. Vamos ter tranquilidade e buscar o momento certo para surpreender e buscar a vitória", explicou Ramiro. Já o Treze não deseja ser dominado pela "fera" e vai pra cima para não ser surpreendido em seu terreiro. A grande ausência do time será o meia Doda, que cumprirá suspensa automática. Sem Júlio César, que ainda não tem condições de jogo, Vaninho deve ser o substituto do camisa 10. Os volantes Fábio Oliveira e Werverson, voltam a equipe após cumprirem suspensão automática.

Campanhas TREZE Treze 4x0 Auto Guarabira 0 x 1 Treze Treze 2x1 Esporte CSP 1x2 Treze Treze 2 x 0 Campinense Treze 1x1 Sousa Botafogo 0 x 2 Treze Treze 4x0 Miramar Treze 2x2 Nacional Auto 0x4 Treze Treze 5 x 2 Guarabira Esporte 1 x 1 Treze

CSP Guarabira Nacional CSP CSP CSP CSP CSP Esporte CSP CSP CSP Sousa

1x1 CSP 1x3 CSP 1x0 Sousa 1x2 Treze 4x2 Miramar 1x0 Botafogo 1x1 Auto 2x3 CSP 3 x 2 Campinense 2x1 Guarabira 3 x0 Nacional 2x3 CSP


14 ○

A UNIÃO

Esportes ○

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011 ○

>>>EM PATOS > No José Cavalcante, o Rubro-Negro tenta confirmar a sua boa fase no Campeonato Paraibano

Campinense enfrenta o Nacional > Wellington Sérgio

FOTO: Sales Nascimento

wsergionobre@yahoo.com.br

No jogo de ida, disputado em Campina Grande, a Raposa levou a melhor e venceu por 2 a 0. Hoje, o Nacional busca os três pontos para se aproximar mais dos líderes

N

acional de Patos e Cam pinense é a grande atração do Sertão neste domingo, às 17h, no estádio José Cavalcanti, na Morada do Sol. O árbitro será José Renato, auxiliado por Luís Felipe e Jordane Reis. As duas equipes vem de vitórias na última rodada, com o Nacional derrotando o Auto Esporte (2 a 0), enquanto o Rubro-Negro serrano, goleou o Miramar de Cabedelo (3 a 0). A Raposa ocupa a terceira posição com 25 pontos, diferente do Alviverde, que tem 13 e está na sétima posição. Para este compromisso em seus domínios, o time da Morada do Sol coloca em campo a mesma formação que venceu o Auto. De acordo com o treinador Maurício Santos, o grupo vem evoluindo a cada partida e os resultados estão aparecendo, Para dar prosseguimento a esta nova trajetória de vitórias, o comandante nacionalino aproveitará o mando de campo para vencer a forte equipe do Campinense. Segundo ele, trata-se de um concorrente de qualidade que está no G4 e forte candidato ao título. "Não podemos desmerecer o poderio da Raposa, mas iremos aproveitar o mando de campo. Uma vitória dará moral à equipe que está na briga pela quarta vaga no G4", frisou. A Raposa está de olho na segunda colocação no G4 e vai ao Sertão com um time totalmente modificado. Vários titulares que não atuaram no meio da semana, diante do Miramar de Cabedelo, retornam ao time, entre eles, Pantera (goleiro), Maurício Gaúcho (zagueiro), Iran (lateral direito), Felipinho (lateral esquerdo), que cumpriu suspensão automática, Marcelinho e Samir (meias) e Nilson Sergipano (atacante). Na opinião do treinador Maurício Simões com a volta dos titulares a equipe ficará mis fortalecida em todos os setores para encarar o Nacional. Ele sabe que não será fácil conseguir os três pontos no José Cavalcanti, mas acredita no grupo. "Jogar em Patos é sempre complicado para qualquer equipe paraibana. Com a volta dos jogadores experientes poderemos conseguir um resultado positivo", disse Simões. No jogo de ida, disputado no estádio Amigão, em Campina Grande, o Campinense levou a melhor e venceu o time patoense por 2 a 0. Depois do jogo de hoje, o Rubro-Negro voltará a se exibir fora de seus domínios, uma vez que na próxima quartafeira, dia 6 de abril, fará jogo diante do Botafogo, no estádio Almeidão, um confronto adiado da sexta rodada em função do time da Capital estar disputando a Copa do Brasil. Como o Botafogo foi excluído por conta de irregularidade do atacante Edmundo, a Federação remarcou novamente a partida.

O Campinense faz o seu segundo jogo em Patos. O primeiro foi na abertura do Campeonato, quando venceu o Esporte por 3 a 2 e hoje o adversário será o Nacional no José Cavalcante FOTO: Edônio Alves

Os jogadores do Auto querem reviver as duas vitórias na competição

Com novo técnico, o Auto busca reabilitação O fantasma do rebaixamento assusta Auto Esporte e Miramar de Cabedelo, que jogam neste domingo, às 16h, no estádio Leonardo Vinagre da Silveira, a Graça, em Cruz das Armas, na Capital. Gutemberg Pereira será o árbitro, que terá as bandeiras de Milton Atanásio e Damião Santos. O desespero toma conta das equipes, com o time portuário na pior situação, carregando a lanterna, com apenas dois pontos ganhos, enquanto o Clube do Povo, tem nove, na oitava posição. A grande novidade automobilista será a estreia do treinador Chicão, que foi contratado na última quinta-feira, após a saída de Reginaldo Sousa, que não suportou as fracas atuações da equipe na disputa. O novo técnico Alvirrubro chega para salvar o time de uma possível "degola" para a Segundona de 2012. Ele terá vários problemas de ordem médica para a formação da equipe, entre eles, o experiente Maia, o lateral direito Overlan, o meia Amaral e o atacante Lee, que ainda não está fisicamente em ordem. Um velho conhecido da torcida, que retorna ao time de

Mangabeira, após uma boa passagem em 2009. Consciente do desafio que terá pela frente, Chicão acredita que o Auto não será rebaixado, apostando na motivação do grupo que acredita na reação. Segundo ele, uma vitória contra o Miramar será de fundamental importância para melhorar o astral dos atletas para os próximos compromissos. "Iremos levantar a autoestima da rapaziada e tirar o Auto desta péssima situação. Acredito na união de todos para buscar as vitórias que o time precisa", frisou Chicão. Já o Miramar continua sua via-crusis na buscar de uma possível reação na competição. Na última posição, sem vencer e com a pior defesa do paraibano, com 35 gols tomados, o Tubarão continua sendo forte candidato a Segundona, ao lado da Desportiva Guarabira. O treinador Tassiano Gadelha deve mexer novamente no time, já que tem todos os jogadores a disposição. Ele acredita que, enquanto existir esperança o grupo não pode "jogar a toalha", mas tentar até a última rodada. "Sabemos que a situação não é boa, mas não podemos desistir", comentou.

Desportiva tenta a primeira vitória no Certame Estadual A Desportiva Guarabira terá mais uma chance de conseguir a primeira vitória no Estadual, neste domingo, às 16h, contra o Esporte de Patos, no estádio Sílvio Porto. O árbitro do encontro será Jeferson Nolete, auxiliado por Daniel Félix e Kleber Camelo. Forte candidato a Segundona do próximo ano, o representante brejeiro, ainda vive o drama da penúltima posição, com 4 pontos ganhos, atrás do lanterna Miramar de Cabedelo, com 2. Com oito derrotas e apenas quatro empates o Espantalho do Brejo, tem outra oportunidade de vencer a primeira e buscar o sonho de evitar a degola na competição. O time pode sofrer mudanças na es-

calação, em relação ao grupo que perdeu para o Botafogo (2 a 0), na última quarta-feira, em seus domínios. O treinador brejeiro, Luís Oliveira, espera um melhor rendimento contra o Patinho, acrescentando que os jogadores falharam na marcação contra os botafoguenses. Segundo ele, o objetivo é corrigir os erros e tentar o primeiro resultado positivo no Estadual. "Espero que o time tenha uma melhor postura para surpreender o adversário. Vamos aproveitar o mando de campo para conquistar os três pontos", frisou. O Esporte que está na sexta posição, com 13 pontos ganhos e corre por fora para alcançar a tão sonhada quarta

vaga. O treinador Marcos Nascimento gostou do time no empate contra o Treze (1 a 1) e pretende manter a base para o compromisso no Brejo. Na avaliação do experiente técnico patoense, o problema é que a equipe não vem escalando a mesma equipe por causa de contusões e suspensões, prejudicando o trabalho que vem sendo executado. "Infelizmente os problemas estão atrapalhando o bom andamento do time na disputa. Contra o Treze tivemos a chance até de ganhar, mas faltou pontaria aos jogadores. Vamos buscar forças para conseguir os três pontos e continuar na luta pela quarta vaga", explicou Marcos. FOTO: Sales Nascimemto

Desportiva e Esporte empataram no jogo em Patos e hoje voltam a se enfrentar agora no estádio Sílvio Porto


A UNIÃO

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011 ○

Esportes ○

15 ○

FOTOS: Federação Paraibana de Basquete

As fotos acima registram os momentos da decisão entre Paraíba e Pernambuco do Campeonato Brasileiro de Basquete Sub-19, que foi realizado nas últimas semanas, em Campina Grande. A Paraíba foi medalha de prata

>>> AVALIAÇÃO > Técnicos das Seleções Masculina e Feminina da Paraíba avaliam as conquistas em CG

Basquete paraibano em alta > Horácio Roque rdohelyos@hotmail.com

Após as disputas do Brasileiro Sub-19 da região Nordeste, os técnisco Eduardo Schafer e Adriano Lucena comentam o desempenho dos paraibanos nas disputas.

D

e 15 a 26 de março, Campina Grande sediou as edições masculinas e femininas do Campeonato Brasileiro de Basquete Sub-19 da região Nordeste. Elas serviram como uma espécie de seletiva para o novo Nacional da modalidade, que, a partir do próximo semestre, será disputado por divisões e não mais por regiões. Como o time feminino ficou em terceiro lugar, elas disputarão a Segunda Divisão desta nova competição. Já a equipe masculina, após ter sido vice, estará na elite do basquete brasileiro no próximo semestre. O resultado das meninas frustrou algumas expectativas, principalmente as do técnico Adriano Lucena. Enquanto as equipes femininas Sub-17 e Sub-15 da Paraíba disputam as primeiras divisões, ele também esperava que elas conseguissem a classificação para a divisão de elite deste novo formato, até por causa do histórico recente de conquistas deste grupo. "Acho que tínhamos potencial para sermos campeões. Não é desrespeito ao tra-

balho que Pernambuco fez contra a gente na semifinal. Elas mereceram ganhar, mas nossa equipe era muito forte. Todos falavam isso", declarou o técnico da equipe, Adriano Lucena. Na semifinal da competição, as meninas amargaram uma derrota para a seleção de Pernambuco por 67 a 50. Enquanto a Paraíba vinha de um retrospecto bastante positivo na fase de grupos, sem perder um tempo sequer e após vencer o Rio Grande do Norte (considerado um forte candidata ao título) por 38 pontos de diferença, as pernambucanas sofreram bastante para se classificarem para as semifinais (perderam para Alagoas e venceram por um placar apertado a equipe cearense, por 47 a 44). O favoritismo das paraibanas era evidente para o confronto. Na partida entre as duas equipes, as meninas da Paraíba chegaram a estar vencendo por 28 a 3 no primeiro tempo, mas caíram de rendimento e cederam a virada. Inacreditável para a equipe com melhor desempenho da primeira fase e que jogava em casa. "Acho que elas subestimaram demais as pernambucanas. Talvez as meninas tivessem entendido que Pernambuco fosse um time mais fácil e não foi. Elas jogaram muito bem. A gente não estava preparado psicologicamente, não jogamos uma partida sequer atrás no placar e contra as pernambucanas sim. O jogo não encaixava, mudamos a defesa e nada. As adversárias fizeram uma marcação em Érica muito boa", explicou Adriano. Apesar do resultado adverso, o treinador ressaltou pontos positivos do confron-

to. Entre eles, a revelação de um jovem talento: a atleta Marcela Rocha, de apenas 15 anos. "Temos que ressaltar o desempenho de uma garota de 15 anos, a Marcela Rocha, que foi muito bem. Ela assumiu a responsabilidade de jogar com meninas mais velhas, não sentiu a pressão e foi surpreendente. No ano passado, em um Campeonato Brasileiro Sub-15, ela recebeu propostas para jogar em clubes de fora. Quem sabe ela não pode ir para uma Seleção Brasileira, assim como outras jogadoras do grupo, como a Érica Prado e a Helena Piuvezan?", comentou Adriano Lucena. Agora, a equipe feminina Sub-19 da Paraíba direciona o foco para o novo Brasileiro. Mesmo na Segunda Divisão, o time prevê confrontos complicados e, por isso, mantérá a rotina de treinos para a disputa que ainda não foi agendada. "Mantivemos o nosso nível de sempre entrar em uma competição para disputar medalha. Foi uma surpresa o resultado, pois agora somos a única categoria feminina em que estamos na Segunda Divisão. Não esperávamos isso, mas vamos tentar subir. Nossa equipe será praticamente a mesma, então temos um grupo forte para isso. À frente da gente, encontramos São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Paraná. Mas estamos em pé de igualdade com as demais", declarou Adriano. "Já estamos treinando. Por enquanto, duas vezes por semana, em um horário alternativo por causa dos trabalhos e dos estudos delas. É de 22h às 00h. Quando chegar mais perto, aumentamos a frequência", completou.

n ...

Time masculino supera expectativas e garante prata em Campina Grande

Já o time masculino chegou para a disputa não tão badalado quanto as meninas. Sem um histórico de grandes conquistas anteriores, esse grupo só tinha em seu currículo uma quarta colocação no Brasileiro da região Nordeste em 2008. Mas eles surpreenderam. "A equipe correspondeu dentro de quadra a tudo o que tínhamos treinado. Eu não digo que foi um cala boca aos críticos, digo que o basquete paraibano evoluiu bastante. O fator primordial para chegar ate a final foi a união, pois pareceu que eles jogam juntos desde a escolinha, desde os oito ou dez anos", declarou Eduardo Schafer, técnico do time masculino. A campanha paraibana começou por um confronto bastante acirrado contra Alagoas (80 a 71). Depois, ainda na fase de grupos, vitórias sobre Ceará (62 a 50) e Piauí (113 a 29). Na semifinal, eles venceram a Bahia por 62 a 51. Mas foi a final que reservou a maior emoção deste Campeonato Brasileiro, seja no naipe masculino ou no feminino. Paraíba e Pernambuco se enfrentaram em um jogo bastante tumultuado. Nenhuma das duas equipes conseguiu abrir uma vantagem significativa no placar sobre o adversário. Tanto que, faltando 15 segundos para o fim do confronto, eles empatavam em 49 a 49. Este foi o momento mais significativo. A comissão técnica paraibana reclama de um erro de arbitragem em favor dos adversários que resultou na cesta e, consecutivamente, na vitória pernambucana. Após a Paraíba empatar o jogo, um jogador de Pernambuco teria recuado com a bola para o campo de defesa - o que se configuraria uma infração no basquete. O time paraibano teria parado e esperado a sinalização da arbitragem, o que acabou não acontecendo. Aproveitando o momento, os pernambucanos fizeram a cesta que deu a vitória para eles: 51 a 49.

"No nível em que foi, muito alto e equilibrado, somente os detalhes para decidir. Tanto que perdemos por apenas dois pontos de diferença. E um desses detalhes foi o erro da arbitragem, porque a Paraíba parou, o ginásio cobrou a falta e o árbitro não apitou a violação. Foi o lance que decidiu o confronto", declarou Eduardo. Apesar do resultado, o técnico Eduardo Schafer comemora o resultado. O time paraibano começou a se preparar para a competição há cerca de dois meses. A equipe contou até com um reforço especial do ala Felipe Oliveira, que joga pelo Palmeiras, de São Paulo. "Eu acreditava que o grupo poderia chegar a final, a despeito de todos que disseram o contrário. Isso foi tema de várias palestras e preleções. Eu sempre soube do potencial que o time tem, cuja base joga junta desde 2007. Desde essa época, houve uma evolução muito grande. Tínhamos uma cobrança pelo o que as meninas conquistavam, agora isso diminui. O resultado foi fruto do trabalho de todos os treinadores que trabalharam cada atleta deste grupo", dedicou Schafer. "Além de Felipe, Ian e Alisson me surpreenderam muito. Contribuíram muito, tanto no ataque quanto na defesa, que foi muito forte e foi o foco do nosso trabalho", completou. O time masculino deve figurar na elite do basquete brasileiro, mas ainda não confirmação. Inicialmente, apenas o primeiro colocado da disputa da região Nordeste iria para a elite, mas uma nova distribuição da Confederação Brasileira daria outra vaga ao grupo e, com isso, a Paraíba pode disputar a divisão especial. "Vamos começar a nos preparar. Iremos reconvocar o grupo e colocar o time Sub-19 para jogar o Paraibano adulto. Vamos buscar o melhor, sempre buscando representar melhor", disse o treinador.

As meninas da Paraíba tropeçaram apenas para Pernambuco na disputa feminina do Campeonato Brasileiro. Durante a fase de grupos, elas obtiveram o melhor desempenho. Foco é no novo formato do Campeonato Brasileiro.


16 ○

Esportes ○

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011 ○

>>> RECUPERADO > Atacante não sente mais dores e participa do clássico com o Palmeiras

FOTOS:Divulgação

A UNIÃO

Neymar confirmado

Jogadores do Santos, que treinaram ontem pela manhã no CT Rei Pelé, estão otimistas para a partida de hoje, às 16h, no estádio da Vila Belmiro, contra o Palmeiras. Neymar, que treinou, teve escalação confirmada

A

pós deixar o treino de quinta-feira amparado pelos médicos, o jovem participou de toda a atividade santista na manhã de ontem no CT Rei Pelé sem reclamar de dores no local, e teve a escalação garantida, no clássico contra o Palmeiras, hoje às 16h, na Vila Belmiro, por Marcelo Martelotte. "Foi só um susto. Uma pancada no fim do treino, não teve problema na atividade de hoje (ontem), e vai para o jogo.

A contusão de Neymar no joelho direito não passou de um susto

Está motivado pela seleção, pelo momento que vive, e tem presença garantida no domingo", avisou Martelotte. Neymar realizou alongamento no início da atividade com o restante do grupo, efetuou embaixadinhas logo depois, e percorreu a beira do gramado, perto dos cinegrafistas, demonstrando não apresentar resquícios da contusão sofrida no joelho. No treinamento com bola, nenhum problema foi apresen-

tado. Neymar participou do treinamento técnico, em campo reduzido, com dois times formados por cinco jogadores cada, e terminou a atividade com treino de finalização. "Conversamos antes do treino, e ele me disse que foi mesmo só uma pancada. Nos treinos, a gente sempre corre esse risco de até torcer tornozelo, joelho, mas o importante é que ele está firme e forte com a gente para nos ajudar", destacou Edu Dracena.

PALMEIRAS

Valdivia e Marcos não vão enfrentar o Santos na Vila [>>>]

O Palmeiras não terá Valdivia e Marcos no clássico contra o Santos, hoje, às 16h, na Vila Belmiro. O técnico Luiz Felipe Scolari confirmou que os dois ainda não têm condições de jogo e estão vetados. A expectativa é que o meia entre em campo no duelo contra o Grêmio Prudente no sábado, dia 9. Valdivia já se recuperou de lesão no adutor da coxa direita, mas segue fazendo trabalhos específicos de fortalecimento comandados pelo preparador físico Anselmo Sbragia."O Valdivia não tem condições, vamos ver se após uma semana ele está pronto para o próximo jogo", disse Felipão. No caso de Marcos, era esperado que ele não entraria

edonio@uol.com.br

em campo. Ele participou de seu primeiro coletivo após um mês apenas na quarta-feira. O goleiro não entra em campo desde o dia 6 de fevereiro e não treinava com o restante do grupo desde o dia 17 do mesmo mês, quando sentiu as dores na perna. Neste período, o camisa 12 ainda enfrentou problemas particulares e seguiu com o tratamento específico para a artrose no joelho esquerdo.

Edonio Alves

Valdivia só deve jogar contra o Grêmio Prudente, no sábado, dia 9

Uma arbitragem que deu orgulho Dentre os elementos constituintes do universo do futebol, a arbitragem é talvez o setor mais controverso. E é assim justamente por causa das suas especificidades e funções que, no conjunto, se resumem todas num objetivo bem prático: administrar a justiça em campo, observando as regras que regulamentam a prática do esporte e fazer com que o jogo comece e termine sendo precisamente isso e não mais do que isso: simplesmente um jogo. Um jogo em que sempre haverá um vencedor e um perdedor ou

- coisa não menos costumeira - nem uma coisa nem outra com as equipes em disputa empatando e ficando os contendores em situação rigorosamente igual ao início de tudo. Ou seja: empatados. Digo isso porque no meio dessa semana - precisamente a quarta-feira tive uma oportunidade rara em minha vida profissional de cronista de futebol. Assisti a uma partida pela Copa do Brasil envolvendo dois clubes de fora do meu estado (ABC e Vasco da Gama) e pude ver em ato e em pleno desenvolvimento

Mesmo com as boas atuações do início da temporada, Fellipe Bastos não conseguiu se firmar no time titular do Vasco. "Vítima" de uma formação mais ofensiva armada pelo técnico Ricardo Gomes, o jogador acabou saindo da equipe. Agora, com o iminente desfalque de Eduardo Costa (incômodo muscular na coxa direita) para a partida contra o Bangu, hoje, em São Januário, o volante pode ter nova chance e espera não desperdiçar. "É claro que não gostaria

de ter saído do time, mas entendi a opção do treinador e continuei trabalhando para buscar meu espaço. Vou mostrar o bom futebol e a disposição de sempre. Além das mudanças entre os volantes, o Vasco terá outras novidades. O meio-campo Felipe e o lateral-esquerdo Ramon, recuperados de dores musculares, estarão à disposição da comissão técnica e podem aparecer no time titular. O lateraldireito Fagner, com uma lesão no ligamento do joelho direito, segue fora da equipe.

Loco Abreu vai enfrentar o Resende no Engenhão

[>>>]

Fellipe Bastos deve ser escalado contra o Bangu

[BOTAFOGO]

SCOLARI confirmou que os dois ainda não tem condições de jogo

Coisas de futebol ○

[VASCO]

(ao Vivo e a cores) uma arbitragem paraibana dirigindo os destinos de outrem, ou seja, sendo alvo da avaliação e julgamento de outros torcedores alheios a nossa realidade desportiva e cultural. É que precisei ir a Natal para fazer a defesa da minha tese de doutorado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (tese essa justamente sobre o tema do futebol na literatura brasileira) e não resisti em dar uma esticadinha até o Frasqueirão para ver ABC e Vasco se duelarem pela Copa do Brasil.

Bom! Mas o mais importante de tudo é o que vou contar agora. Alheio a disputa dos dois times em campo (porque não nutro relação alguma por nenhum dos dois clubes), restou-me ficar torcendo nas arquibancadas pelo sucesso da arbitragem da Paraíba que mediava a disputa. Os árbitros são velhos conhecidos nossos: João Bosco Sátiro era o árbitro principal e Griselildo de Sousa Júnior junto com Felipe Gonçalves Correia, os seus auxiliares diretos nas laterais do campo. Como estavam ali envolvidas de certa maneira as cores da minha Paraíba, fiquei a observar a reação dos torcedores do ABC, o time local, em relação ao trio de árbitros aqui da terrinha. Achei que essa era a maneira mais adequada para que eu

Como era esperado, Loco Abreu voltou a treinar pelo time titular do Botafogo no coletivo que foi realizado sexta-feira. O uruguaio retornou aos treinos na quinta após servir à seleção uruguaia nos amistosos contra Eslovênia e Irlanda. Sua presença deverá ser a única novidade na equipe que enfrenta o Resende, hoje, às 18h30, no Engenhão, pela Taça Rio, segundo turno do Campeonato Carioca.

Arévalo, que também integrou a seleção uruguaia, participou da atividade na equipe reserva. Sendo assim, o Botafogo deverá ser escalado com a seguinte formação: Jefferson, Alessandro, Antônio Carlos, Márcio Rosário e Márcio Azevedo; Rodrigo Mancha, Marcelo Mattos, Somália e Everton; Herrera e Loco Abreu. O Botafogo é o 2º do grupo B com 10 pontos. Quem lidera a chave é o Olaria com 12.

fizesse um julgamento mais preciso do desempenho dos meus conterrâneos ao final da partida. Esse foi, portanto, o método que usei - aliado ao acompanhamento da opinião dos jornalistas da Rádio Globo de Natal e da TV Globo do Rio de Janeiro, que transmitiram a partida - para dar a avaliação que passo a vocês, leitores dessa coluna, sobre a nossa arbitragem naquele jogo. De parte da torcida do ABC, pude comprovar o julgamento de que o nosso João Bosco Sátiro foi um árbitro que se houve bem em todos os quesitos da sua arbitragem. Soube impor disciplina aos atletas, já que fez um primeiro tempo sem mostrar nenhum cartão amarelo aos jogadores; soube julgar em cima do lance as jogadas irregulares de ambas as partes, já que demonstrou excelente

preparo físico em campo; soube comunicar para dentro e fora das quatro linhas as suas decisões com gesticulações precisas (uma de suas melhores características como árbitro) e, por fim, soube impor sua autoridade dentro do campo sem que tal gesto demonstrasse a intenção de um protagonismo desavisado para as câmeras de TV, uma vez que a partida teria transmissão nacional pela Rede Globo de televisão. A despeito de um xingamento aqui e ali de alguns torcedores do ABC (naturalíssimos, nesses casos), o veredito das arquibancadas foi o seguinte: uma arbitragem segura e sem comprometer o resultado do jogo. Isso foi, no geral, o que também ouvi da crônica potiguar e carioca. Enfim, uma arbitragem paraibana que deu orgulho!


LIVROS

Lucas Figueiredo aborda a “corrida do ouro” no Brasil

Página 20

17 ○

A UNIÃO ○

I

E-MAIL: wpcosta.2007@gmail.com

Palco ○

I cultura.aunião@gmail.com I REDAÇÃO: 83 3218-6511

Cultura & Diversão

o blog Notas Musicais, do crítico de música Mauro Ferreira, e fique por dentro das BLOG! Visite notíciasdomercadofonográfico.Oendereço: blognotasmusicais.blogspot.com.

Domingos Sávio

EDITOR: William Costa

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011

Para ele, a vida fica mais colorida com uma boa "trilha sonora"

Nesta edição

respeitados de João Pessoa, o DJ Vilarim, nome conhecido desde a década de 80 nas rádios e estações musiciais pessoenses. Na avaliação de Vilarim, é preciso dar um sentido melódico aos timbres. Do contrário, a mixagem se transformará em barulho. "O verdadeiro sentido do DJ é o improviso. Ele capta a emoção das pessoas e cria a sequência das músicas. Nos anos 70, ao contrário do que muita gente faz hoje, uma

> Isabella Araújo

Nas pistas, o DJ cria seus próprios mecanismos de interação com o público e mexe com o sentimento das pessoas

isabellaag@gmail.com

T

alvez nenhum outro profissional acredite tanto que, para dar um colorido especial à vida, é preciso uma boa "trilha sonora", como um DJ. Um disc jockey (dee jay, ou simplesmente DJ) é responsável por animar a noite em muitas pistas de inúmeras festas que são promovidas numa cidade. Nas horas em que toma a frente o repertório musical da noite, com mixagens e batidas geradas, o DJ cria seus mecanismos de interação com o público, mas, mais do que isso, mexe com a emoção das pessoas, podendo transformar aquelas horas de "agito" num simples momento de descontração e liberação de energias, ou numa noite inesquecível. A despeito das tecnologias, hoje acessíveis e que facilitam o trabalho do DJ, a atividade desse profissional é marcada pelo improviso e pela sensibilidade em captar a emoção do público. Pelo menos é essa a concepção de um dos profissionais mais ○

# MÚSICA O DJ espanhol Juan Diaz lança, no dia 16 deste mês, em João Pessoa, o terceiro volume do CD Pacha Brazil - Página 18

música que vinha na sequência de outra contava uma história. Isso era prática dos grandes DJs americanos. Então, ele contava uma história. Havia um sentido nisso. Hoje está meio solto. Com o aparato eletrônico, todo mundo pode fazer música com o computador. A coisa hoje é só um barulho. Mas há DJs que dão sentido melódico a timbres", analisa. Vilarim apresenta uma visão mais poética para a função. "O DJ não sabe cantar, mas traduz isso nos timbres que escolhe", expressa o profissional, que começou a tocar aos 14 anos, influenciado pela musicalidade presente na vida familiar e pelas novelas da década de 70, como Dancing Days e

repertório musical eletrônico, esclarece que cada festa tem uma sintonia, e que cabe ao DJ proporcionar o que ele chama de "comunicação sonora": "Para isso é preciso ouvir um pouco de tudo, desde rock, jazz, bossa nova, funk, anos 70... todos esses estilos entram na caldeira da música eletrônica, que é um segmento como outro qualquer, em que há uma comunicação sonora", defende. Uma das melhores festas para o DJ Rodrigo ocorreu esse ano e, por incrível que pareça, foi durante o Carnaval do Recife Antigo, em que ele participou num espaço dedicado à música eletrônica, na festa ‘Putz, que festa sem loção é essa?’. A festa foi reconhecida como revelação e a noite para ele e para o público pode ser considerada "inesquecível". Para o DJ Vilarim, mesmo com o improviso, alguns hits se tornam recorrentes ao público, em artistas como Mickael Jackson, Glória Gaynor, ABBA e Bee Gees. "Toco dos anos 50 aos dias de hoje. O mais popular vem dos anos 70. É de onde veio tudo. Há, inclusive, quem toque essas músicas na versão rave. O que é bom permanece", afirma o DJ, acrescentando que, em toda festa, a alegria é o que vai dar o tom da noite: "O comando da massa sempre é excitado por um. A alegria contagia. Você faz uma pessoa ficar feliz e os outros se perguntam, por que eu não estou ali? Então, tem que ter sensibilidade".

Marrom Glacê. Ele afirma que há um poder psicológico sendo exercido sobre as pessoas, numa festa: "É como uma marionete. As pessoas ficam sob o seu comando. A música excita, acalma, acelera corações, apaixona. A música certa para a pessoa certa faz a diferença. Descobrir o que você quer ouvir, quando nem você mesmo sabe. Esse é o grande barato", argumenta. Por sua vez, o também DJ Rodrigo Cabral teve as primeiras experiências com a música eletrônica em 2006, quando foi ao Arizona (EUA) e começou a experimentar as primeira batidas. Rodrigo, que depois retornou para João Pessoa, onde mantém um famoso bar em que toca um Divulgação

# MÚSICA O grupo Acorde lança hoje, no Teatro Paulo Pontes, o primeiro DVD de sua carreira, iniciada há 17 anos - Página 19

# MÚSICA O Projeto Demotape, cujo objetivo é promover bandas paraibanas, está com inscrições abertas - Página 19


18 ○

A UNIÃO

Palco ○

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011

wpcosta.2007@gmail.com

Ononbonbonb ob

Maria do Mar Por que quer saber? Nasci na praia da Penha, ali, pertinho do rio do Cabelo, dizem, numa casinha tão pobre que se esqueceram da cor de suas portas e paredes e do dia em que desabou e misturou-se às coisas do mangue. Acho que não suportou o peso dos cupins, das plantas e da chatice daqueles dois fantasmas bêbados, que ainda brigavam mesmo depois que o tempo passou. Tudo culpa de dona Lourdes, a mulher de seu Paulo, gente do Rio de Janeiro, sei lá. Me dava banho, me botava um vestido, e me ensinava a ler e escrever. Dizia coisas bonitas que eu não entendia, mas ficava boiando na memória, uma maré de pensamentos. Aprendi muitas coisas, mas quis esquecer. Não nasci pra isso. Antes de morrer, ela disse rindo: Você não tem jeito! Tinha mesmo, não. Maria da Lua, isso é nome de gente? É nome de doido! Sim, eu era meio aluada, sempre tive pouco juízo, minha mãe dizia, mas do que eu gostava mesmo era de mar. De banho de mar, pra dizer melhor. Ave Maria, tudo gente ruim. Por que não botaram Maria do Mar? Desse eu iria gostar, ah, iria sim! Mas da Lua? A Lua lava ninguém. O mar, sim, o mar me lava, por dentro e por fora. Ninguém sabe do meu primeiro choro, menina ainda, um ardor danado entre as pernas, coisa do meu pai, que não vou contar de jeito nenhum, as lágrimas mais salgadas que as do mar. O mar chora, não sabia? Basta prestar atenção. É bem cedinho, antes do sol, quando ele respinga o choro dele no rosto da gente. Não sei que tristeza é essa, a do mar, mas que ele chora, disso nunca duvidei. Gostei dele desde aquele dia em que sangrei, e ele me lavou por dentro, levando toda sujeira. Fazia das ondas uns bichos enormes e matava todos eles a tapa. Os bichos ruins do mundo, hahahah! As mãos ficaram vermelhas - à noite doeram muito -, mas eu ria que quase me acabava. Depois imaginei o mar como meu namorado, as ondas eram as suas mãos, e elas me tocavam, hummm! Eu tinha vergonha de ser Luzia, de ser Luísa, de ser Fátima, de ser Ana Lúcia, de ser qualquer nome que um homem me chamasse. Cresci como Maria da Lua. Me pegaram no mato, nos maceiós e nos barracos como Maria da Lua. Virei puta como Maria da Lua. Fui expulsa de casa como Maria da Lua. Fiquei bêbada como Maria da Lua. Fui presa e apanhei como Maria da Lua. Só ele sabe as oito letras do meu segredo. De manhãzinha, quando me toca e me lava, ele, chorando, sopra nos meus ouvidos, bem baixinho, o nome que ninguém diz, porque ninguém conhece, ou lembra mais. E eu deixo que suas mãos borbulhantes acariciem o meu rosto, os meus seios, o meu ventre e me arrepio toda. E me deixo ficar ali, indo e vindo, ao sabor de suas marés. Eita, que Maria da Lua hoje tá doida! Tá doida, não, doida ela já é, ela tá é bêbada! É o que pensam e o que dizem os homens daqui, quando me veem assim, nos braços do meu namorado. Não sabem eles da felicidade que sinto nessas horas, horas em que sou gente, sou mulher. A tristeza? A tristeza do mundo fica lá com eles, as suas taras e mentiras, tanta covardia. Maria da Lua senta em todos os bares e entra em todos os barracos, ora! Onde há pobreza, estou em casa. Estou velha, eu sei, só um ou outro bêbado, os das antigas, ainda olha para mim com aqueles olhos de cachorro, quando vê carne. Uns me empurram e xingam. Outros me dão uns trocados, ou fingem que não me veem. As mulheres deles me dizem tanta coisa, sabe, e não é coisa boa. Às vezes dá uma vontade danada de rir, sabe. Eu não sei de onde vem essa alegria, porque quem tem uma vida como a minha não devia sorrir. Mas eu acho que sou mais feliz que essa gente toda que mora por aqui. Sei de cada coisa, já disse! Pra falar a verdade, nunca fui na igreja, o padre até me chamou um dia, mas acho que Deus gosta de mim. Se faço algum mal é a mim mesma. Mas não acho que faço mal a mim, sabe. Primeiro fizeram de mim o que quiseram, depois eu fiz o que quis de mim, e hoje acho que tanto faz, que tudo é a mesma coisa. Então, não reclamo de nada. Só quando me batem. Se ninguém me der pancada, não estou nem aí. E quando fico triste, sei o remédio, corro pros braços do meu namorado. Um dia ele me carregará pra sempre, eu sei. Ninguém nunca mais vai me ver. Talvez sintam saudades - quem sabe!? -, lembrando de tudo de ruim que fizeram, e de tudo de bom que eu fiz. Ainda bem que não tive filhos. Não quero deixar nada neste mundo. Um dia vão dizer: Ela foi pro mar, e sumiu! Desapareci, mas não morri. Disso pode ter certeza. Vamos, meu amor?...

Horóscopo

l Cheia > 18 /ABR 02:43, Áries l Ming. > 25/ABR 02:46, Sagitário ○

Áries (21/03 a 20/04)

Libra (21/09 a 20/10)

● O sol está em contato astrológico desafiador com plutão, sinalizando a importância de reconhecer o que precisa ser transformado. Você está num processo de mudanças e de renascimento, ariano.

● Velhas atitudes de mártir e de vítima não tem mais sentido em sua evolução, libriano. Hoje podem chegar ao final certas situações envolvendo o trabalho e os interesses cotidianos. Muito em breve você sentirá que tem mais poder de ação.

Touro (21/04 a 20/05) ● Ainda há uma sensação de estar à mercê de questões maiores, sem muito poder de ação. Em breve você tende a se sentir mais confiante para acabar de vez com certas situações, taurino.

Gêmeos (21/05 a 20/06) ● Ainda há situações que precisam ser resolvidas? Hora de acertar essas pendências. Este é um momento muito especial da história humana, em que teremos de recriar a realidade.

Câncer (21/06 a 20/07) ● Você está hoje numa postura mais contemplativa, absorvendo importantes ensinamentos. Aproxima-se o momento de uma grande virada, que depende das lições que absorveu. Hoje pode sentir que algo definitivamente se encerra.

Leão (21/07 a 20/08) ● Momento de grandes lições espirituais, em que muitas situações podem estar chegando ao final. Está percebendo aspectos sutis da realidade e a importância dos sentimentos e da fé. Os momentos finais da lua minguante valorizam a contemplação e a reflexão, leonino.

Virgem (21/08 a 20/09) ● Hoje é um dia muito significativo, em que você sente que algo chega ao final nos relacionamentos. Aprenda as lições que a vida tem lhe ensinado sobre o real sentido das relações humanas.

Juan Diaz lança Pacha Brazil Foto: Divulgação

Evento acontece no próximo dia 16, na Casa Roccia, em João Pessoa > Guilherme Cabral guipb_jornalista@hotmail.com

U

ma festa de luxo, que estimula toda a fantasia e sedução. Quem quiser sentir esse clima, o dia certo para isso será o dia 16 deste mês, quando o top DJ internacional espanhol Juan Diaz - residente no Club Pacha Ibiza - comandará, às 23h, na Casa Roccia, localizada no bairro de Tambauzinho, em João Pessoa, a animação da turnê de lançamento do CD Pacha Brazil - Volume 3, num evento exclusivo para apenas 500 participantes. As entradas estão à venda na Loja Ellus, no Manaiíra Shopping, em até 12 vezes, nos cartões, pelo site www.showdeingressos.com.br/ pacha. No evento, que também terá participações dos DJs brasileiros Romero B, Nando Du B e Iceberg - todos pernambucanos - e do potiguar Melson Diniz, a seleta plateia terá a oportunidade de conferir toda a magia da ilha mais badalada e sofisticada do mundo. Para que os espectadores se sintam como se estivessem no próprio clube espanhol, os empresários cuidarão de decorar o ambiente da Casa Roccio com as famosas e conhecidas "Cerejinhas" da Marca Pacha e, ainda, garantir uma grande estrutura com telões de led, moving heads e lasers. Projeto itinerante da griffe, o lançamento do CD - cujas faixas foram escolhidas e mixadas pelo próprio DJ - traz toda a ousadia da Pacha Ibiza, seguindo os padrões visuais do Clube, pois mantém a qualidade e a identidade da casa, para que a atmosfera original auxilie na criação de um ambiente sofisticado e inusitado, totalmente luxuoso. Depois de consolidar seu nome e grande reputação na

Juan Diaz selecionou e mixou ele mesmo todas as faixas do terceiro volume do CD Pacha Brazil Espanha, o DJ Juan Diaz - residente do Clube em Ibiza, onde se localiza a matriz do grupo Pacha e convidado para animar o evento em João Pessoa - percorreu o mundo representando a Pacha, quando teve a oportunidade para tocar em países como Portugal, Holanda, Malásia, América do Norte e na Itália. Residente no Pacha Ibiza desde 2005, Juan Diaz já foi eleito o melhor DJ da Espanha, na conferência de música de inverno em Miami, e, também, o melhor DJ de house em Barcelona, o que atesta seu talento com as pickups. Durante a festa, a animação será reforçada pelos DJs Romero B, residente do mega clube recifense Nox; Nando Du B, considerado um dos melhores e sempre requisitado para grandes eventos; Melson Diniz, destaque do House Potiguar, e o DJ Iceberg, famoso no cenário techno nacional, que aproveitará o evento em João Pessoa para mostrar o seu novo trabalho, tocando as vertentes da House Music. A GRIFFE "PACHA" - Em

1967, época em que se vivia sob a influência do movimento Hippie e sequer ainda a palavra discoteca fazia parte do vocabulário dos jovens, surgiu o primeiro Clube Pacha, na Praia de Sitges, em Barcelona, na Espanha. Idealizado pelo catalão Ricardo Urgel - também um apaixonado pelo mar - que desejava criar algo único e inédito, o estabelecimento terminou mudaria o conceito da própria noite espanhola. Com o passar do tempo, a Pacha transformou-se em símbolo de glamour e sofisticação, sendo utilizada como ponto de encontro de ricos e famosos nas décadas de 70 e 80. No entanto, foi na meca da música eletrônica, em Ibiza, que a casa ganhou status e passou a ser uma das mais conhecidas do mundo. Posição de liderança que vem sendo mantida até agora, com um line-up artístico refinado, produzindo festas para o público high profile. Por existir há mais de 40 anos, a Pacha é considerada a "mãe" de todos os nights clubs, oferecendo

uma programação diferenciada, em comparação as outras casas de música eletrônica, o que a faz a principal referência do gênero, no cenário mundial. O Grupo Pacha possui, hoje, 23 estabelecimentos espalhados em países como a Espanha, Inglaterra, Estados Unidos, Alemanha, Argentina, além do próprio Brasil. Para se ter uma ideia, somente em Ibiza são três restaurantes, duas lojas exclusivas da grife de roupa e merchandising, um hotel-boutique, inaugurado em 2004, como também a casa matriz do empreendimento.

# SERVIÇO >Evento:LançamentodoCDPacha Brazil - Vol. 3 > Local: Casa Roccia, em Tambauzinho, João Pessoa > Data: 16 de abril > Horário: 23h > Obs: Open bar > Informações: www.festacdpachajp.com.br/ Twitter: @festacdpachajp

# Roteiro de Cinema

“Ingresso de Marte em Áries A LUA E SEU ASTRAL dá impulso às iniciativas e l Nova > 03/ABR agiliza mudanças necessári- 14:32, Aquário as a revitalizações. Eletricidade no ar, mas também Crescente > 11/ABR nervosismo.” 12:05, Peixes ○

EM CARTAZ

# Seu Astral ○

>>> MÚSICA > CD/Lançamento

# William Costa

Escorpião (21/10 a 20/11) ● Sentimentalismo e romantismo não devem ser sinônimo de ilusões, escorpiano. Dia com grande potencial afetivo, mas também com possibilidade de não estar enxergando as coisas com clareza.

Sagitário (21/11 a 20/12) ● Vários planetas estão em Peixes e a Lua está finalizando o seu ciclo, nativo de Sagitário. Dia em que você sente que certas situações findam e que isso é parte de um processo de evolução.

Capricórnio (21/12 a 20/01) ● Percepção intuitiva enfatizada. Contatos permeados de grande sensibilidade e afeição. Ttendência a se sentir desmotivado, talvez porque a realidade não corresponda às suas idealizações.

Aquário (21/01 a 19/02) ● Dia com energia voltada para a percepção do que é valioso e sagrado em sua vida. Poderá concluir negócios ou perceber que algo chega ao final, independente de sua vontade.

Peixes (20/02 a 20/03) ● O planeta Marte está finalizando o movimento em seu signo, nativo de Peixes. Hoje você está mais em contato com sua natureza sensível, mas também poderá se sentir desiludido com algo.

# CINEMA FÚRIA SOBRE RODAS (Drive Angry, EUA, 2011) Legendado. Gênero: Ação. Duração: 105 min. Classificação: 16 anos. Direção: Patrick Lussier, com Nicolas Cage, Amber Heard, William Fichtner, Billy Burke. Milton, um criminoso que sai da prisão para uma última chance de redenção. Milton tem a missão de acabar com um culto de magia negra liderado por Jonas King, que assassinou sua filha. Milton tem três dias para detê-los antes que também sacrifiquem sua neta em uma noite de lua cheia. CinEspaço 4: 14h40, 17h, 19h20 e 21h40. Manaíra 1: 13h45, 16h, 18h15 e 20h30. Manaíra 6/3D: 14h45, 17h, 19h15 e 21h30. Tambiá 6/3D: 14h50, 16h50, 18h50 e 20h50. AS MÃES DE CHICO XAVIER (Brasil, 2011). Gênero: Drama. Duração: 108 min. Classificação: 12 anos. Direção: Glauber Filho e Halder Gomes, com Nelson Xavier, Vanessa Gerbelli, Via Negromonte, Tainá Muller, Caio Blat. Três mães têm a vida transformada. Ruth, cujo filho adolescente, Raul, enfrenta problemas com drogas; Elisa, que tenta suprir a ausência do marido dando total atenção ao filho, Theo, e Lara, professora que enfrenta o dilema de uma gravidez não planejada. Elas buscam conforto junto a Chico Xavier. CinEspaço 3: 14h, 16h30, 19h e 21h30. Manaíra 5: 14h20, 16h40, 19h e 21h20. Manaíra 7: 13h20, 15h40, 18h e 20h20. Tambiá 5: 14h10, 16h15, 18h20 e 20h30. COMO ESQUECER (Brasil, 2010). Gênero: Drama. Duração: 102 min. Classificação: 14 anos. Direção: Malu di Martino, com Ana Paula Arósio, Murilo Rosa e Natália Lage. Julia é uma professora de literatura inglesa que luta para reconstruir sua vida depois de viver uma intensa e duradoura relação amorosa com a enigmática Antonia. Uma trama instigante que fala sobre pessoas comuns,

que enfrentam os desafios de supera as dores do passado e buscar uma nova chance de ser feliz. CinEspaço 1: 21h. Pré-estreia neste sábado.

de um espírito maligno. Manaíra 3: 15h20, 17h20 e 21h40. Tambiá 3: 16h40 e 20h40.

VIPS (Brasil, 2011) Gênero: Drama. Duração: 98 min. Classificação: 12 anos. Direção: Toniko Melo, com Wagner Moura, Gisele Fróes, Juliano Cazarré, Jorge D'Elia. Marcelo assume várias identidades. Com nomes diferentes convive nos mais variados meios e aplica seguidos golpes. Um dos mais conhecidos é quando finge ser filho de um empresário do setor de aviação, num Carnaval no Recife. CinEspaço 2: 14h, 16h, 18h, 20h e 22h. Manaíra 4: 14h15, e 18h50.

VOVÓ...ZONA 3 - TAL PAI, TAL FILHO (Big Mommas: Like Father, Like Son, EUA, 2011). Gênero: Comédia. Duração: 107 min. Dublado. Classificação: Livre. Direção: John Whitesell, com Martin Lawrence, Jessica Lucas, Brandon T. Jackson, Emily Rios e Michelle Ang. Trent testemunha um assassinato e, junto com o padrasto Malcolm, precisa encontrar um pendrive para botar o criminoso na cadeia, mas o arquivo está escondido numa escola de artes cênicas somente para garotas. . Manaíra 2: 14h10, 16h30, 18h55 e 21h15. Tambiá 1: 14h45, 16h45, 18h45 e 20h45.

SEM LIMITES (The Dark Fields, EUA, 2011) Gênero: Ação. Duração: 105 min. Legendado. Classificação: 12 anos. Direção: Neil Burger, com Robert De Niro, Bradley Cooper. Há anos sofrendo um bloqueio criativo, o escritor Eddie Morra usa um remédio revolucionário e passa a usar 100% do seu cérebro. Ele consegue lembrar de tudo que já leu, ouviu ou viu e se torna o rei de Wall Street. CinEspaço 1: 14h30 e. Manaíra 4: 16h35 e 21h. SUCKER PUNCH - MUNDO SURREAL (Sucker Punch, EUA/Canadá, 2011). Gênero: Ação. Duração: 110 min. Legendado. Classificação: 12 anos. Direção: Zack Snyder, com Emily Browning, Abbie Cornish, Jena Malone. Garota que vive em um hospício usa os sonhos como única saída para sua difícil realidade. Desligada dos limites de tempo e espaço, ela está livre para ir onde sua mente levar, mas essas aventuras trazem consequências trágicas. CinEspaço 1: 16h50 e 21h20. Manaíra 3: 13h e 19h20. Tambiá 3: 14h40 e 18h80. ATIVIDADE PARANORMAL TÓQUIO (Paranômaru Akutibiti: Dai-2-Shô - Tokyo Night, Japão, 2010). Gênero: Suspense. Duração: 90 min. Legendado. Classificação: 12 anos. Direção: Toshikazu Nagae, com Aoi Nakamura, Noriko Aoyama. Depois de uma temporada nos Estados Unidos, uma estudante volta ao Japão com as pernas quebradas e muito atormentada com o acidente que a deixou sem poder andar. Em casa, ela e o irmão, começam a sentir a presença

As Mães de Chico Xavier [Drama]

INVASÃO DO MUNDO: BATALHA DE LOS ANGELES (Battle: Los Angeles, EUA, 2011). Gênero: Ação. Duração: 113 min. Legendado. Classificação: 12 anos. Direção: Jonathan Liebesman, com Aaron Eckhart, Michelle Rodriguez, Michael Peña e Bridget Moynahan. Depois de registros constantes de aparições OVNIs, a Terra é atacada por forças desconhecidas. As grandes cidades do mundo caem, mas Los Angeles resiste e se torna o último posto para a humanidade numa batalha inesperada. Tambiá 2: 13h40, 16h, 18h20 e 20h40. ESPOSA DE MENTIRINHA (Just go with it, EUA, 2011). Gênero: Comédia Romântica. Duração: 116 min. Legendado. Classificação: 10 anos. Direção: Dennis Dugan, com Jennifer Aniston, Adam Sandler e Nicole Kidman. Danny Maccabee finge ser casado para atrair mulheres. Quando se apaixona por uma mulher, ele diz que está se divorciando e pede à melhor amiga para se passar por sua esposa. Manaíra 8: 13h40, 16h10, 18h40 e 21h10. Tambiá 4: 14h10, 16h20, 18h30 e 20h40.

Divulgação

# Preços BOX Cinema Manaíra - Segunda-feira: R$ 8 e R$ 4. Quarta-feira: R$ 8 e R$ 4. Terça e quinta-feira: R$ 10 e R$ 5. Sexta, sábado, domingo e feriados: R$ 14 e R$ 7 (até às 17h. Após às 17h: R$ 16 e R$ 8). Salas 3D Segunda a quinta-feira: R$ 20 e R$ 10. Sexta, sábado, domingo e feriados: R$ 22 e R$ 11. Informações: 3268-5454/2106-6311. MULTIPLEX Tambiá - Segunda e quarta-feiras: R$ 7 e R$ 3,50. Terça e quinta-feira: R$ 9 e R$ 4,5. Sexta, sábado, domingo e feriados: R$ 12 e R$ 6. Sala 3D - Segunda e quarta-feira: R$ 14 e R$ 7. Terça e quinta-feira: R$ 12 e R$ 6. Sexta, sábado, domingo e feriados: R$ 17 e R$ 8,50. Informações: 32144020. CINESPAÇO Mag Shopping - Sexta-feira a domingo e feriados: R$ 17 e R$ 8,50. Segunda, terça e quarta (exceto feriados): R$ 12 e R$ 6. 5ª Cinematográfica (exceto feriados): R$ 7 (preço único). Sala 3D - Sexta a domingo e feriados: R$ 24 e R$ 12. Segunda, terça e quarta (exceto feriados): R$ 20 e R$ 10. 5ª Cinematográfica (exceto feriados): R$ 10 (preço único). Informações: 3048-1140.

SE LIGUE! Mudanças de última hora na programação são de responsibilidade exclusiva dos exibidores.

SERVIÇO

l Funesc [3211-6280] l Mag Shopping [3246-9200] l Shopping Tambiá [3214-4000] l Shopping Iguatemi [3337-6000] l Shopping Sul [3235-5585] l Shopping

Manaíra (Box) [3246-3188] Sesc - Campina Grande [3337-1942] l Sesc - João Pessoa [3208-3158] l Teatro Lima Penante [3221-5835 ] l Teatro Ednaldo do Egypto [3247-1449] l Teatro Severino Cabral [33416538] l Bar dos Artistas [3241-4148] Galeria Archidy Picado [3211-6224] l Casa do Cantador [3337-4646]

l


19

A UNIÃO João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011 ○

>>> MÚSICA > "MPB Cristã"

Acorde lança primeiro DVD Fotos: Divulgação

Show do grupo será realizado hoje, às 19h, no Teatro Paulo Pontes do Espaço Cultural

O

grupo Acorde vai comemorar os seus 17 anos de existência com um show musical e lançamento de seu primeiro DVD, neste domingo, às 19h, no Teatro Paulo Pontes do Espaço Cultural José Lins do Rego, em Tambauzinho. A banda já lançou sete CDs, intitulados: Laços de Família, Tempo de Regeneração, Quem Somos, Juntos no Amor de Cristo, Acorde Meditando (instrumental), O Tom da Paz e Especialmente para Você (mensagens para reflexões). O repertório do grupo Acorde, que varia numa espécie de "MPB Cristã" à meditação, embalada por canções singelas, que tocam diretamente a alma de quem o escuta, já chegou a ser conhecido até na Europa. Numa sintonia perfeita de parceria e identificação, o grupo conta com as participações especiais do cantor e compositor Nando Cordel, em algumas canções, além das cantoras Marinês e Samantha Bonzer.

O grupo Acorde tem a missão de “cantar a mensagem do Cristo, de forma libertadora”

Cantar a mensagem do Cristo, de forma libertadora, para as criaturas compreenderem o evangelho no real sentido. Foi com esta proposta musical, que surgiu a iniciativa de jovens da Federação Espírita Paraibana integrarem-se num ideal de compor um conjunto, em 1987, que mais tarde transformou-se no grupo Acorde. A semente de tudo foi Laços de Família, em junho de 1994. Primeiro em fita k-7 e anos depois em CD. Em 1995 foi lançado o CD Tempo de Regeneração, cantando a mensagem de um novo tempo. Três anos depois foi a vez do CD Quem Somos. E eis a indagação básica para todos aqueles que buscam o conhecer a si mesmo. No ano de 1998 o grupo Acorde lançou Juntos no Amor de

Cristo. Em 2000 foi a vez do Acorde Meditando, este totalmente instrumentalizado. Já em 2006 foi a vez de O Tom da Paz e o último trabalho foi em 2008, com o CD Especialmente para Você.. A composição atual do grupo Acorde é de 11 integrantes: Maestro Betinho Muniz (teclado), Beto Melo (voz), Almir do Valle (sax tenor), Ednaldo Quipapá (trompete), Júnior Dias (voz/bateria), Luciana Rodrigues (voz), Marco Lima (voz/violão), José Ricardo Cavalcante (baixo) e conta, ainda, com as participações especiais de Jr. Max (teclado), Arnaud (flauta/sax alto) e Riquinho (percussão). Para o show musical de lançamento do DVD, hoje, o grupo escolheu o seguinte repertório: 'A Prece', 'Acorde', 'Alma Gêmea',

'Laços de Família', 'Amor Imenso', 'Reflexões', 'À Procura do Rei', 'Cantiga de Paz', 'O Alvo é o Amor', 'Tributo a Chico Xavier', 'Anjos', 'Terra', 'Planeta Esperança', 'Conquista' e 'Limiar'. O grupo Acorde serviu, inclusive, de inspiração para que alguns centros espíritas criassem outros grupos musicais do gênero, além de grupos de teatro, que vêm somar-se ao universo de divulgação espírita, através da arte. E como previu o próprio Allan Kardec, o codificador da Doutrina Espírita, que a arte espírita atingiria o apogeu na aceitação da Humanidade, o que observamos é que a atração e busca do público por esta escalada suave e introspectiva já começa a aproximar-se do ponto culminante, rumo à concretização do objetivo neste milênio. Enfim, é a arte espírita que transcende e evolui da condição de casulo à borboleta!

> Guilherme Cabral

Mostrar a produção ao público e a agentes culturais de João Pessoa. Estas são oportunidades oferecidas para as bandas novas de João Pessoa pelo Projeto Demotape, cujas inscrições para a quarta edição continuam abertas até o dia 8 deste mês, podendo ser feitas através do site http:// toquenobrasil.com.br/eventos/ demotape4. O evento - um show -

ocorrerá no dia 17 deste mês, no Espaço Mundo, localizado no Centro Histórico de João Pessoa. A entrada será gratuita. Organizado e conduzido pelo Coletivo Mundo, com o apoio do Circuito Fora do Eixo, para participar do Projeto Demotape 4 os interessados devem atender aos seguintes critérios: os artistas da área musical que possuem trabalho autoral para inscrever devem residir na cidade de João Pessoa e ter um perfil de 'banda nova'. De acordo com o Coletivo Mundo, entidade que promove

eventos de cunho alternativo e é a responsável pela curadoria do Projeto Demotape, entende-se como conceito de 'banda nova' qualquer artista que - apesar do tempo em que está em atividade ainda não tenha conseguido forte inserção no cenário de música independente em João Pessoa, sendo um nome desconhecido tanto do público como dos agentes culturais que atuam na cidade. Além das apresentações dos artistas considerados novos na cena musical pessoense, o projeto prevê a realização de um debate sobre alguns temas que fazem par-

#Cena Aberta

Palco

cultura.auniao@gmail.com

Patativa do Assaré inspira espetáculo

#

A Companhia do Tijolo, vencedora do Prêmio Shell 2009 na categoria Música com a peça Concerto de Ispinho e Fulô, realizará uma apresentação especial deste espetáculo no próximo dia 6, às 19h30, na área de lazer do Sesc Centro, localizado na Rua Desembargador Souto Maior, 281, Centro, em João Pessoa, como atração do VIII Festival de Poesia Encenada, promovido pela entidade, cujas inscrições foram encerradas ontem. Dirigido por Rogério Tarifa, o Concerto de Ispinho e Fulô é uma homenagem musical ao poeta popular cearense Patativa do Assaré. Com esse espetáculo, a Cia. está celebrando a vida e a obra de Patativa, enaltecendo, segundo a produção, seu universalismo poético, que, de maneira lírica, retratou as agruras do povo sertanejo.

As Aventuras do Didi, hoje na Globo

Além da Linha Vermelha, hoje na Band

# BAND 05h45 - Espaço Vida Vitoriosa 07h00 - Mac Steel (Desenho) 07h30 - Catdog 08h00 - Malcon 08h40 - Viver Bem 09h00 - Lugar Certo (Reprise) 09h30 - Don & Juan (Reprise) 10h00 - Auto Motor Vrum (Reprise) 10h30 - Brasil Caminhoneiro 11h00 - Infomercial 12h00 - Auto+ 12h45 - Band Esporte Clube 13h00 - Fórmula Truck: Etapa do Rio de Janeiro 14h30 - Magazine Da Liga Uefa 15h00 - Band Esporte Clube(continuação) 15h30 - Futebol 2011: Campeonato Carioca 18h00 - Terceiro Tempo 20h00 - V.I.P. - Segurança Especial 21h00 - Domingo no Cinema: Além da Linha Vermelha 22h50 - Acerto de Contas 23h30 - Canal Livre 00h30 - Entrevista Coletiva (Reprise) 01h00 - Show Business (Reprise) 01h45 - Cine Band: O Retorno de Sweetback 03h45 - Espaço Vida Vitoriosa

07h15 - Desenhos Bíblicos 08h00 - Record Kids 09h00 - Record Kids 09h30 - Viver Bem 09h50 - PB Tem 10h20 - Correio Cidades 11h00 - Correio Espetacular 12h00 - Tudo É Possível 16h00 - Programa do Gugu 20h00 - Domingo Espetacular 23h00 - Tela Máxima 00h00 - Programação IURD OBS. Programação sujeita à mudança

Sílvio Santos apresenta programa no SBT

# SBT 05h59 - Abertura 06h00 - Aventura Selvagem (Reprise) 07h00 - Pesca Alternativa 08h00 - Vrum

#

A programação do Palco Giratório do Sesc Centro, em João Pessoa, vai oferecer outra atração da Companhia do Tijolo. Trata-se do espetáculo Uma Toada para João e Maria - O Amor Segundo Chico Buarque, que será apresentado na quinta-feira (7), às 19h30, na área de lazer da entidade, na Rua Desembargador Souto Maior, 281, Centro. A montagem, dirigida por Rogério Tarifa, não apenas conta, mas canta a história de um casal desde a primeira troca de olhares, passando pelo ciúme, a separação e a saudade, até chegar ao recomeço. Na trilha sonora, músicas de Chico e citações de poetas como Drummond.

ESTUDO SOBRE QUADRINHOS

te do cenário musical independente, nos âmbitos local e nacional. O resultado final - devem ser selecionados quatro candidatos - será divulgado até o dia 11 deste mês, no site do Coletivo Mundo e no perfil da entidade, no Twitter (@coletivomundo). Embora não haja cobrança de ingresso ao público, nenhum dos artistas receberá cachê - ou qualquer outra contrapartida financeira por sua apresentação no evento. Mais informações podem ser obtidas pelo site, através do e-mail coletivomundo@gmail.com, ou pelo telefone (83) 8828 2222.

08h30 - Ganhe Mais Dinheiro com Jequiti 09h00 - Centavos da Sorte 09h30 - Criadores e Cia 10h00 - Cantos e Contos 11h00 - Domingo Legal 15h00 - Eliana 19h00 - Roda a Roda Jequiti 19h45 - Programa Sílvio Santos 00h00 - De Frente com Gabi 01h00 - Série: Arquivo Morto 02h00 - Série: Desaparecidos 03h00 - Série: Nip/Tuck/Estética 04h00 - Encerramento

# REDE TV 07h00 - Deus Te Quer Sorrindo 08h00 - É Notícia 09h00 - Centavos da Sorte 09h30 - Viver Bem 09h50 - TV Kids 10h00 - PB Clip 11h00 - Manhã da Gente 11h50 - Clip Especial 12h00 - Se Liga no Pida 13h00 - Bola da Vez 14h00 - Primitivo Sem Limites 15h00 - Campeonato Italiano 17h00 - Olhar Digital 17h30 - Clip Especial 18h15 - Ritmo Brasil 18h45 - Belas na Rede 20h00 - Último Passageiro 21h00 - Pânico na TV 23h30 - Dr. Hollywood 00h30 - É Notícia 01h30 - Bola na Rede 02h00 - Rede Verdade (Reprise) 02h45 - Cidade em Ação (Reprise) 04h00 - Rede

#

Nos dias 29 a 31 de julho será realizado, no Centro de Convenções da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o Encontro Nacional de Estudos Sobre Quadrinhos. Mas a inscrição para o evento já está aberta, podendo ser feita até o dia 14 deste mês. Trabalhos submetidos por alunos (cursos de Graduação e Pós-Graduação), professores e profissionais são admitidos. Mais detalhes a respeito estão disponibilizados no site www.encontrohq.blogspot.com.

Livro adaptado de filme é novidade

#

Adaptar um livro para o cinema é bastante comum, mas a escritora Diana Peterfreund faz um caminho inverso e transformou um filme em livro. Uma Manhã Gloriosa (Record), é a adaptação do roteiro do longametragem homônimo dirigido por Roger Michell, com Harrison Ford e Diane Keaton e conta a história de Becky Fuller, produtora de um programa de televisão numa emissora local de Nova Jersey.

Estacine exibe filme de Paulo Thiago

O filme Orquestra dos #comMeninos, de Paulo Thiago, Murilo Rosa, Priscila

Fantim e Othon Bastos, está em cartaz hoje, às 18h30, na sala de audiovisual da Estação Cabo Branco - Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano. A entrada é aberta ao público, mas é importante acrescentar que meia hora antes de cada sessão será distribuída senhas, pois a sala tem capacidade apenas para 38 pessoas.

l Funesc [3211-6280] l Mag Shopping [3246-9200] l Shopping Tambiá [3214-4000] l Shopping Iguatemi [3337-6000] l Shopping Sul [3235-5585] l Shopping

Manaíra (Box) [3246-3188]

l Sesc - Campina Grande [3337-1942] l Sesc - João Pessoa [3208-3158] l Teatro Lima Penante [3221-5835 ] l Teatro Ednaldo do Egypto [3247-1449] l Teatro Severino Cabral [3341-6538] l Bar dos Artistas

[3241-4148] Galeria Archidy Picado [3211-6224] l Casa do Cantador [3337-4646]

Fotos: Divulgação

O Informante tem Al Pacino e Russel Crowe como protagonistas

> > > O INFORMANTE - Ex- vice-presidente da indústria do taba-

co deu entrevista bombástica ao programa jornalístico "60 Minutos", afirmando que os diretores da empresa em que trabalhou sabiam da capacidade viciadora da nicotina e também aplicavam aditivos químicos ao cigarro para aumentar esta característica. A emissora não transmitiu a entrevista. Baseado nesta história real, o filme narra a trajetória do executivo Jeffrey Wigand e do produtor Lowell Bergman. SE LIGUE: Hoje, às 19h57, no HBO2

> > > DAMAGES - Sam é uma jovem que leva uma vida muito chata sob as rígidas ordens de sua madrasta até que conhece seu príncipe encantado pela internet, transformando sua existência num conto de fadas. SE LIGUE: Hoje, às 21h, no AXN > > > O MELHOR DE VENEZA - Programa mostra Veneza, cidade dos gondoleiros e canais, magníficos palácios e cafés chiques. Por séculos esta romântica cidade italiana tem capturado a imaginação dos que a visitam. SE LIGUE: Hoje, às 16h, no Discovery Travel

> > > O JOGADOR - Executivo de Hollywood ppressionado por série de

SE LIGUE! Mudanças de última hora na programação publicada nesta AGENDA são de responsibilidade exclusiva dos exibidores e organizadores dos eventos.

SERVIÇO

>Show: GrupoAcorde > Data: Hoje, às 19h > Local: Teatro Paulo Pontes (Espaço Cultural) > Ingressos: R$ 10 (preço único) > Vendas: Livraria da Federação Espírita Paraibana e bilheteria do teatro > Informações: 8824-9369/88049427

>>> DESTAQUES A CABO

05h45 - Santa Missa com Padre Marcelo 06h47 - Sagrado 07h00 - Paraíba Comunidade 07h30 - Pequenas Empresas 08h00 - Globo Rural 08h55 - Auto Esporte 09h30 - Esporte Espetacular 12h40 - Aventuras do Didi 13h15 - Os Caras de Pau 14h00 - Temperatura Máxima: Shrek 15h40 - Futebol 2011h Campeonato Carioca: Vasco x Bangu 18h00 - Domingão do Faustão 20h45 - Fantástico 23h05 - Batendo Ponto 23h40 - Domingo Maior: Lara Croft 02h05 - Sessão de Gala: Borat 03h30 - Corujão

Chico também motiva a Cia. Tijolo

# Roteiro de TV # RECORD

Ononbonbonb ob

GUIA

# GLOBO

# SERVIÇO

Projeto Demotape valoriza bandas musicais guipb_jornalista@hotmail.com

fracassos de bilheteria consecutivos começa a receber ameaças anônimas. Obcecado com as mensagens, ele mata um roteirista que acredita ser o responsável e tenta driblar as investigações policiais. SE LIGUE: Amanhã, às 15h30, no Megapix


20 ○

A UNIÃO

Palco ○

Lado b ○

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011 ○

>>> LIVROS > Lançamento

Sob o signo da cobiça Quando a esquadra de Pedro Álvares Cabral se desviou à direita do continente africano, era a ganância sua bússola

O

jornalista e escritor Lucas Figueiredo demorou seis anos reunindo informações para contar a saga do ouro no Brasil. Percorreu quatro países (além de muita pesquisa no Brasil), teve acesso a arquivos intocados e, para temperar, usou mais uma vez seu estilo cativante de escrever para oferecer este Boa Ventura! A Corrida do Ouro no Brasil - 1697 a 1810 - A Cobiça que Forjou um País, Sustentou Portugal e Inflamou o Mundo (Editora Record), obra fundamental tanto para o leitor brasileiro quanto para a historiografia nacional. Chuva na cabeça, sol na nuca, peste, fome, feras, canibais. Traições, intriga e corrupção. Esses são os ingredientes dessa aventura. A história da primeira loucura a varrer o solo brasileiro: a corrida do ouro que ajudou a forjar a nação. Quando a esquadra de Pedro Álvares Cabral se desviou à direita do continente africano, era a cobiça sua bússola. Cravo e canela podiam render um bom dinheiro no Velho Mundo, mas eram as esperanças de ouro e prata que incendiavam o coração lu-

Foto: Divulgação

Lucas Figueiredo aborda a corrida do ouro que forjou o Brasil e bancou a corte portuguesa sitano. E as cortes européias. Lucas nasceu em Belo Horizonte-MG em 1968. Trabalhou na Folha de S. Paulo, Estado de Minas e O Estado de S. Paulo, além de revistas como Rolling Stone, Caros Amigos e Nossa História. Recebeu três vezes o Prêmio Esso. São de sua autoria os livros-reportagem Morcegos Negros, Ministério do Silêncio, O Operador e Olho por Olho. Na entrevista a seguir, o autor revela mais detalhes acerca de Boa Ventura! e comenta importantes episódios históricos relacionados a Brasil e Portugal. Quanto tempo você levou e que caminhos percorreu para escrever Boa Ventura!? Comecei a pesquisa no final de 2004, sob a orientação da professora Júnia Ferreira Furtado, uma das maiores historiadores do Brasil. Em 2005, viajei para Portugal, França, Inglaterra e Benin, onde encontrei acervos riquíssimos e farta documentação sobre a corrida do ouro. Terminei a pesquisa em 2010, depois de me debruçar sobre algumas dezenas de livros e quilos de documentação.

]

Quem acabou conseguindo extrair mais ouro de suas colônias: Portugal ou Espanha? Portugal, sem dúvida. Em pouco mais de 100 anos, de 1.697 a 1.810, o Brasil produziu aproximadamente 1.000 toneladas de ouro, quantidade jamais vista até então em todo o mundo.

Portugal não pretendia criar uma nação aqui, mas apenas lucrar com as riquezas da colônia.

]

Por que a Europa vivia uma "fome de ouro" à época do descobrimento do Brasil? Na virada do século 15 para o 16, estávamos na transição da economia feudal para o que viria a ser o capitalismo. Esse capitalismo nascente demandava a circulação de uma grande quantidade de metal precioso, sobretudo ouro, que valia como dinheiro vivo em qualquer lugar na Europa. A Europa, contudo, produzia pouco ouro, e a produção da África já não atendia à demanda desse capita-

Durante 200 anos, de 1.500 a 1.700, Portugal procurou ouro incessantemente no Brasil, mas nada encontrou. No mesmo período, a Espanha se fartou com o ouro dos astecas e dos maias e com a monumental mina de prata de Potosí , na Bolívia.

O jornalista Lucas Figueiredo ganhou três vezes o Prêmio Esso

lismo nascente. Foi essa "fome e ouro" que levou portugueses e espanhóis ao Novo Mundo, batizado posteriormente de América. É verdade que os primeiros colonizadores portugueses no Brasil foram "gente de quinta categoria", presos não julgados, assassinos condenados, vadios e batedores de carteira, além de órfãos e cristãos novos perseguidos pela Inquisição? Por quê? Sim. Portugal não pretendia criar uma nação aqui, mas

apenas lucrar com as riquezas da colônia, sobretudo metais preciosos. A ideia era ganhar o máximo de ouro possível e depois abandonar a terra. Por isso, Portugal mandava ao Brasil a escória humana, gente que vinha muitas vezes obrigada ou em troca de nada ou quase nada. Em um primeiro momento, após a descoberta, parecia que as graças divinas estavam destinadas somente aos espanhóis, não?

Seiscentos e noventa gramas foram obtidos na primeira vez em que se achou ouro no Brasil, no episódio da expedição de Brás Cubas. O pequeno montante desanimou a coroa portuguesa? Portugal procurava grandes minas de ouro no Brasil, o que era um erro. Naquela época, o metal precioso de fácil extração não estava em minas, mas no leito dos córregos (era o chamado ouro de aluvião, que se desprende do veio e sai rolando). Assim, nas primeiras descobertas do ouro no Brasil, que precisou ser catado grão por grão, os portugueses acreditaram que a colônia não daria uma grande produção do metal precioso. Estavam redondamente enganados, como eles próprios descobriram algumas décadas depois.

# Hildeberto Barbosa Filho O mundo era a bola! É possível: do mesmo jeito que um escritor, sobretudo um escritor/poeta, joga com as palavras na tessitura do seu texto, o jogador de futebol, sobretudo o jogador/ craque, tece frases e imagens com a bola na consecução da jogada. Se um joga, com sentido criativo e pleno domínio técnico na manipulação da bola no tapete verde do gramado, o outro também joga, com as armas da sintaxe e da semântica inteiramente submetidas à sua competência, com o apelo dos vocábulos no campo branco da página. Um faz da palavra um corpo dúctil, móbil, volátil, plenamente recheiado de sentidos, surpreendente e estranho em seus mágicos efeitos estéticos; o outro, por sua vez, faz desse corpo dúctil, móbil e volátil que é a bola uma complexa metáfora enriquecida de ressonâncias simbólicas as mais imprevistas e também tributária de sintomas poéticos memoráveis. O escritor joga com a palavra/bola ou com a bola/ palavra; o jogador joga com a bola/poema ou com o poema/ bola. Um, num estádio completamente solitário, sem os alardes da torcida e sem as galas nutrientes dos grandes espetáculos, num combate mudo ou numa "guerra sem testemunhas", para me valer da feliz expressão de Osman Lins, perfeito meia-armador de belíssimos lances ficcionais: o outro, num estádio que é uma festa e uma arena onde se encenam e dramatizam múltiplas narrativas em que a dor e a alegria convivem entrelaçadas numa dialética de linguagens que demarca os limites e deslimites da própria vida.

Se este investe no puro jogo suas forças e seus sonhos, atingindo, se craque, se gênio da bola, resultados que beiram a mais rica estesia, aquele, a seu turno, investe seu suor e seu sangue na posse da palavra, e se poeta, se gênio do verbo, consegue transformar o barro comum da linguagem numa pepita de ouro, cujo lume brilha e rebrilha com mais intensidade a cada toque provocado. Se este pode ser um Flaubert, que fez da palavra a espessura emblemática de sua própria existência de escritor, aquele pode ser um Garrincha, para quem "o mundo era a bola", segundo imagem cunhada por Edônio Alves Nascimento, em defesa pública de Tese de Doutorado, na UFRN, intitulada A Esfera como Metáfora: Representações do Futebol no Campo da Literatura, da qual fui humilde arguidor. Pois bem: é possível, sim, estabelecer elos fecundantes, no contexto da literatura comparada, entre o esporte/ jogo e, principalmente, o esporte/arte, com a literatura, a literatura/jogo, a literatura/ arte. É possível, sim, e tal deve ser feito, esgarçando-se, assim, os espaços de pesquisa desse trabalho original, pois na área da teoria literária ou mesmo na teoria da comunicação, o setor me parece quase inexplorado. O mesmo não diria, visto o esforço de muitos escritores criativos, nas laterais e diagonais dos gêneros literários, assim como não diria também da sociologia, da antropologia e sobretudo da história social. Especulando, portanto, o futebol como narrativa, isto é,

como mímesis, mathesis e simiose, conforme refere Roland Barthes, em sua famosa Aula, em consonância com a ficção, sobremaneira o conto brasileiro sobre futebol, sobretudo enquanto jogo de linguagens que possui suas regras, Edônio Alves, um dos colunistas da Casa, dá como o que o pontapé inicial nessa partida teórica, espécie de grande decisão que nunca acaba. Ele, que sempre foi meu titular no imbatível Sagarana Futebol Clube, escrete de velhos professores universitários que, numa semanal perfomance lúdica, unia a bola à bebida; ele, que é professor, jornalista, ensaísta, poeta e escritor, sabe como poucos que entrar num campo é deliciosamente doloroso como entrar numa página; que driblar, fintar, fazer corta-luz, gol de letra ou gol de placa, folha seca e elástico é tão difícil e raro quanto a alquimia de uma pedra de toque com a palavra, uma fabulação mágica, uma imagem translúcida e definitiva, especialmente se queremos dar o melhor de nós mesmo e obviamente alcançar os objetivos, isto é, sair com um resultado positivo, os três pontos, a vitória e, se Deus quiser, vencer o campeonato. O campeonato da bola e o campeonato da palavra. Enfim, o melhor é que nossas universidades, com A esfera como Metáfora, ganha mais um doutor e passa a ocupar um lugar privilegiado na tabela do conhecimento científico. Primeiro, a UFPB, em seu curso de Comunicação, habilitação em Jornalismo; segundo, a velha universidade da antiga e sempre nova A União. > hildebertobarbosa@bol.com.brI


Geral

A UNIÃO

○ ○ ○

○ ○ ○ ○ ○

À luz dos lampiões > Hilton Gouvêa

hiltongouvea@bol.com.br

Um ano após a Independência do Brasil, os paraibanos passaram a contar com o serviço de iluminação pública

D

> EDITOR: Neide Donato > E-MAIL: neidedonato@gmail.com > TWITTER:@Neidedonato

ez de abril de 1823. Estamos numa época de guerras. A cidade de Parahyba do Norte, um dos sustentáculos do governo imperial, é palco de disputas bélicas entre nacionais e portugueses. Motivo: o sentimento nativista atiça as lutas igualitárias, pois apesar de D. Pedro I ter declarado a Independência do Brasil seis meses e 18 dias antes, os lusos ainda ocupam cargos estratégicos no governo central e nas províncias. Mas, por volta das 10h, a Junta Governativa Paraibana acionou estratégia, que agradaria a todos: dotar a capital de um sistema de iluminação pública, uma novidade para aqueles tumultuados dias. O pedido da Junta, feito diretamente ao Imperador, incluía autorização para se utilizar uma décima urbana da arrecadação da Capital, na implantação deste serviço. A iluminação a lampiões funcionaria apenas 18 noites por mês, compreendendo aquelas entre a quarta da lua cheia e a sexta da lua nova. O pedido, mesmo tendo se perdido na burocracia do Império - a resposta nunca veio -, deu ensejo a um aviso imperial, originado em 1829, respondendo a uma solicitação do povo paraibano, cujo as-

Ilustração/DomngosSávio

> REDAÇÃO: 83.3218-6511

21 João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011 ○

auniaoredacao@gmail.com

sunto versava em torno da iluminação pública. A iluminação da Capital, finalmente autorizada pelo agente imperial José Clemente Pereira, em 2 de maio de 1829, constava de 50 lampiões alimentados com azeite de mamona (rícino ou carrapateira). O serviço, contratado com o industrial Antônio Henrique do Carmo, custou 750$000 (setecentos e cinquenta mil réis), elevado no ano seguinte para um conto e cento e oito mil réis, pelo novo contratante, Cláudio Victor de Lima. Na quarta cláusula do contrato havia obrigações interessantes, a serem cumpridas pelo contratante: " ...Fica obrigado a manter acesos os cinquenta lampiões da cidade alta e baixa todas as noites que forem de escuro, desde as sete horas da noite até as cinco da manhã. E nas noites que não forem inteiramente de lua, quando esta começar a sair às nove horas se acenderão e continuará assim até ao sair da lua. Se a lua recolher às nove horas os lampiões serão acesos às mesmas horas. E se continuar pela hora em diante que a lua for recolhendo. Para isto ficarão três pessoas na cidade alta e duas na cidade baixa, encarregadas de tratar das luzes, a fim de que não haja falta em acendê-las nas horas determinadas e conservá-las acesas no seu devido tempo". Três dias de luzes acessas em 1840 Vinte e um anos depois (1850), segundo atestam os anais históricos do Estado, apenas 11 lampiões restavam dos 50 originais. O poder público mandou implantar mais sete. Nesse ínterim,

houve iluminações especialmente festivas. Como a de 1840, quando os lampiões permaneceram acesos três dias consecutivos, porque os paraibanos se regozijaram com a notícia de que D. Pedro II, afinal, havia assumido suas funções imperiais. Coube ao governador João da Maia Gama (1851), a proeza de mandar fabricar 100 lampiões em Recife, pelo preço de dois contos cento e sessenta mil réis. Mas, como o preço do azeite subiu muito, os lampiões ficaram sem instalação, já que não apareceu nenhum contratante interessado. Um novo contrato foi assinado em 1854, com Manoel da Silva Neves, ficando, cada lampião, com a manutenção individual de 55 mil 954 réis ao ano. Em 1856, um surto de cólera atingiu a Paraíba e matou cerca de 30 mil pessoas, número muito próximo da população da Capital. Como o óleo de mamona se tornou caro, por ser também utilizado em poções para a cura do mal, o governo suspendeu seu uso na iluminação pública. Lampiões, com este produto, ficaram restritos ao Palácio do Governo, quartéis e cadeias. Veio o período da escuridão, que se estabeleceu entre 1856 e 1885. Providencialmente, por volta de 1860 aparece o querosene. Duas leis foram baixadas, no sentido de iluminar a Parahyba do Norte. As leis de números 77 de 11 de agosto de 1862, e 138 de 29 de agosto de 1864, autorizavam, respectivamente, empregar a quantia de 11 contos de réis e a incorporar uma Companhia Industrial com capital aproximado de 200 contos de réis, cujo objetivo era iluminar a cidade com o novo combustível. Essas leis

caíram no vazio. Ninguém apresentou propostas. Em 1885 o coronel José Ferreira Neves Bahia firmou contrato com o governo para iluminar a cidade com querosene. Nos anos seguintes, a iluminação pública sofreu acréscimos: Doze lampiões foram instalados na Praça Comendador Felizardo (atual João Pessoa). Cinco anos depois o Largo de São Francisco acabou contemplado com seis lampiões. E depois - em 1894 e 1897mais oito peças foram colocadas no Jardim Público. Em 1899 o mesmo contratante alterou o preço do serviço para 1 conto, 274 mil, 492 réis., estendendo o benefício para a fixação de lampiões na Praça Coronel Bento da Gama (atual Pedro Américo). Em 1902, a ilumInação pública de Parahyba do Norte já contava 246 lampiões a querosene e atendia a 65 ruas, seis pátios, 11 becos e duas travessas. Custava um conto, 392 mil e 62 réis ao erário. A partir de 1903 outros tipos de iluminação pública foram usados em órgãos do governo. O Correio utilizou acetileno e a Imprensa Oficial, a Escola de Aprendizes Marinheiros e o Teatro Santa Roza, o álcool. Em 1908,Cláudio Caminha implantou a iluminação a acetileno no Palácio do Governo. Há notícias de que a iluminação pública na Capital iniciou, timidamente, em 1822, quando o governo instalou 20 lampiões de azeite na cidade alta. Antes, este tipo de iluminação só existia nos conventos, portas de quartéis, igrejas e na Casa da Guarda do Palácio do Governo Provincial. Algumas famílias de maior poder aquisitivo também possuíam este meio de iluminação.


Resgate

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011 ○

22

A UNIÃO

Geral ○

>>>INDIRETAMENTE > Em julho de 1970, Garrastazu Médici formalizou o nome de Sátyro como governador

Ernani Sátyro, um dos escolhidos Fotos:Arquivo

> Hilton Gouvêa hiltongouvea@bol.com.br

A

ida de Ernani Sátyro para o Supremo Tribunal Militar foi saudada por seus adversários como o fim de sua carreira política. Poucos meses depois ele se aposentou do cargo de ministro do STM. O processo de escolha indireta dos governadores, instalado no Governo Militar, fez renascer a esperança dos correligionários de, um dia, verem o amigo velho governador da Paraíba. As especulações foram várias. Finalmente, em julho de 1970 o presidente Emílio Garrastazu Médici anunciou os três últimos nomes de uma longa lista daqueles que seriam os governantes dos estados brasileiros: Ernani Sátyro (PB), Raimundo Padilha (RJ) e Rondon Pacheco (MG). Formalizada a eleição pela Assembléia Legislativa, Ernani preocupou-se com a escolha do secretariado. A situação econômica do Estado levou-o a fazer uma elaboração de plano de governo, fruto de suas cogitações e cuidados com o cargo para o qual fora escolhido. "(...) Sei que daqui poderão sair críticas, divergências, talvez até ataques enérgicos. Nunca, porém, me faltará - disto também estou certo -, a inspiração, o apoio, o voto para tudo quanto seja do interesse do povo". Ernani falou assim em seu discurso de posse, realizada no dia 15 de março de 1971. Ao reportar-se ao movimento militar de 1964, ao qual sempre emprestou aberto apoio, do início até o fim, Ernani declarou: "Serei fiel à revolução de 31 de março de 1964. Qualquer que sejam os seus erros, ela nos salvou da destruição e do caos. Sou partidário de uma democracia orgânica, dinâmica, capaz de defender-se e não de uma democracia estática, anêmica e suicida. É necessário - já o disse à imprensa - não confundir a força com a violência. Não há poder que se sustente sem o apoio da força, empregada com oportunidade e comedimento. Não há regime que se sustente na violência, que é a hipertrofia da força"... Biógrafos e admiradores admitem que Ernani cumpriu em seu governo o que propôs no discurso de posse, realizando uma administração operosa e proba. Poucas administrações na Paraíba fizeram tanto quanto a dele: manteve o pagamento dos servidores em dia. E também dos fornecedores de bens, prestadores de serviços e empreiteiros de obras. Ao concluir o mandato, que cumpriu integralmente, contabilizou um número considerável de obras, de inegável valia para a Paraíba. E, apesar da plena vigência do AI-5, nunca se respirou clima tão sutil de democracia e tolerância, em relação às críticas dirigidas ao governo, fossem pela Assembleia Legislativa, fossem pela imprensa. Comentando a conduta do então governador da Paraíba, o ex-ministro Fernando Nóbrega assim se manifestou: "Exerceu o mandato durante quatro anos e nunca perseguiu um adversário. Jamais praticou ou permitiu a violência. Realizou uma obra eficiente e discreta na Paraíba. A marca indelével de seu governo foi a honradez pessoal".

Formalizada a eleição pela Assembléia Legislativa, Ernani preocupou-se com a escolha do secretariado

Ao concluir o mandato de governador, que cumpriu integralmente, contabilizou um número considerável de obras, de inegável valia para o Estado

n ...

O final de governo e a sucessão Ao deixar o governo em 15 de março de 1975, Ernani passou a lutar pela indicação do seu candidato, o ex-deputado Ivan Bichara Sobreira, o que acabou acontecendo, com endosso do novo presidente brasileiro, Ernesto Geisel, sucessor de Garrastazu Médici. Após confirmar a indicação do nome de sua preferência para governador, Sátyro enfatizou a necessidade da união do Partido Governista, proferindo o seguinte discurso: "É natural e justo este entusiasmo, principalmente partindo daqueles que estiveram sempre ao meu lado em todo este episódio. Mas eu tenho o dever de pedir a meus amigos uma palavra de serenidade, uma atitude de compreensão. Porque, se me bati com todo o meu esforço pela indicação de Ivan Bichara para governador, fui também o primeiro a compreender que ele pertence não somente a nós, mas a toda a família arenista da Paraíba"... Embora sem mandato, Ernani jamais deixou de assistir, politicamente, a seus amigos e correligionários. E de participar de todos os movimentos em torno da política paraibana. Aproximando-se, mais uma vez, o problema sucessório, Sátyro apoiou o chamado "Acordo de Brasília", que indicava o deputado Antônio Mariz para o Governo do Estado. Por este acordo, Ernani seria o candidato a senador, pela via indireta (a imprensa anunciava que o amigo velho "aceitaria o cargo de senador biônico" e ele não se importava), cabendo a vaga pela eleição direta ao governador Ivan Bichara, que estava prestes a cumprir o mandato. A maioria dos convencionais da Arena não aceitou os termos do "Acordo de Brasília". E o resultado que saiu foi um irrestrito apoio à indicação de Tarcísio de Miranda Burity para governador, de Ivan Bichara para o senado, pela via direta e da reeleição de Milton Cabral ao Senado, pela via indireta. Ernani, contrariado em suas pretensões, optou por candidatar-se a deputado federal. Surgiu seu sétimo mandato, com 28.959 votos. Neste e no oitavo mandato - o último de sua vida política e ambos pelo PDS - Partido Democrático Social, ao qual se filiara após a extinção do bipartidarismo -, Ernani obteve destacada atuação, demonstrando a sua capacidade de luta, e uma tenacidade em defesa de ideias e princípios, sem incomodar-se com as críticas dos opositores.


23 ○

Geral ○

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011 ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

>>>DISCURSO > Em dezembro de 1961, o governador ressalta as boas relações

Amizade com o vizinho Uruguai O

Sr. Ernani Sátyro: (Lê o seguinte discurso) - Sr. Presidente do Congresso Nacional, Senhor Presidente Eduardo Victor Haedo. Não explorarei nestas palavras de saudação os lugares comuns do sentimentalismo, sublinhando os clássicos traços de amizade que unem os nossos dois povos. O irmão não precisa proclamar o sentimento da fraternidade, antes tem que vivê-lo e praticá-lo. E é vivendo-o e praticando, como nós o temos feito, que melhor se definem as nossas aspirações fraternas. Da parte de V. Exa., Sr. Presidente Haedo, não é esta a primeira vez que manifesta o seu interesse por nós. Já nos visitara há um quarto de século, quando o Rio Grande do Sul comemorava o centenário da Farroupilha. E então, tendo sentido quanto aquele choque de armas e de almas, por instantes separadas, veio afinal fortalecer o anseio brasileiro de unidade, V. Exa. pronunciou em nome do seu país, da Argentina e do Paraguai, uma oração em que alargava as perspectivas de unidade cultural e sentimental das Américas. Anos depois, voltava a ver-nos, presidindo a Missão Intelectual do Uruguai ao Brasil. E manifestou a mesma curiosidade em melhor nos conhecer e o mesmo empenho em cada vez nos aproximar. De nossa parte, não tem sido menor o carinho com que sempre nos voltamos para a terra de V. Exa., como aí estão a registrar inúmeros episódios, que já se incorporaram à crônica do nosso passado como iluminações históricas. E não só o país, como a pessoa de V. Exa. nos é, sob vários aspectos, também familiar. Seus estudos em matéria de política internacional, seus conhecimentos especializados sobre os partidos, sua atividade jornalística de toda a existência, pois começara ainda menino, sua atuação, enfim, de homem público e intelectual, voltado para todos os problemas de interesse fundamental do homem - ciência, letras, artes, organização social, de tudo nos chegavam, de vez em quando, as repercussões, ainda quando não concordávamos, inteiramente, com as suas ideias. E vale a pena citar um ou dois exemplos. Quando o Uruguai, através dos órgãos constitucionais competentes, resolveu entrar na segunda grande conflagração universal, declarando guerra à Alemanha e ao Japão, V. Exa., interpretando a vontade do seu partido, o Partido Nacional, ao qual tem sido rigorosamente fiel, ergueu a palavra, ao lado de outras palavras autorizadas, contra a participação na luta. O problema era da economia interna do seu país e da sua agremiação, não nos cabendo mesmo agora apreciá-lo em termos de crítica. Mas o que não pode ser esquecido, antes deve ser relembrado sempre, é que no vigoroso discurso proferido então no Senado, V. Exa. declarava, como congressista e como patriota, que cumpriria resolutamente a decisão proferida contra o seu voto e contra o voto unânime do seu partido, obedientes um e outro ao sentimento de pátria, que ninguém pode impunemente destruir, sob qualquer pretexto ou a serviço de qualquer solução. Também no que diz respeito às suas ideias e concepções panamericanas, marcadas, como as do partido com que sempre se identifica, por um extremo vigor e independência, que não cabe, ainda agora, discutir, bem claro tem ficado em seus livros, discursos, conferências e artigos de jornal, que não preocupa o homem universal e sim o homem de sua Pátria, de seu povo, de seu Continente. E que, opondose a um imperialismo igualmente se opõe a outro. Daí ter proclamado em publicação oficial do seu partido, que o maior inimigo da coletividade nacionalista, o seu inimigo nato, é o comunismo internacio-

Fotos: Arquivo

Resgate

A UNIÃO

Sátyro salientou os pontos de afinidade entre Brasil e Uruguai durante discurso que proferiu em homenagem ao presidente Eduardo Victor Haedo nal, (palmas) que não a poupa, segundo aquele documento, em suas mentiras, na consciente adulteração dos fatos, na calúnia e na difamação sistemática. Por aí se vê, Sr. Presidente Haedo, como é difícil e incompreendida a posição dos que se colocam entre os extremos, fiéis a si mesmos, ao seu povo, à sua pátria. Sim, difícil e incompreendida posição, porque, parecendo cômoda e equidistante, é a que sofre o combate dos dois lados opostos. Mas isso pouco importa. O que importa é atacar os problemas do povo, esquecido dos "ismos" de qualquer natureza. Atacá-los com vigor e honestidade. Não visando apenas à paz social que seria uma atitude de acomodação, e sim à justiça social que é um ato de compreensão humana. Não legislando com precipitações, porque não se salva um povo desorganizando um país, não também, mas também não disfarçando as soluções com a máscara dos estatutos anódinos. Não fazendo, por exemplo, uma reforma agrária para contentar o comunismo, porque este, como todos os abismos, a este nunca ninguém deu o bastante. Mas, fazendo a reforma justa, possível e honesta, que atenda às necessidades do povo e aos interesses da Nação. Certa vez, V. Exa. declarou, Sr. Presidente Haedo, num de seus discursos interpretativos do ideal panamericanista, que em verdade este ideal ainda se trata de uma ficção, de tal modo nos desconhecemos, tão pouco nos comunicamos, tão raramente nos abrimos uns aos outros. Ainda assim, acrescentava V. Exa., longe de levar ao abandono da ideia, esta verificação nos deve excitar a cultivá-la com maior obstinação, porque a ela nos impulsionam até as vozes dos instintos. E nessa oração, embora sublinhando, como era natural, os laços mais profundos de identidade entre os povos de origem espanhola, que tiveram os mesmos colonizadores e têm o mesmo idioma, V. Exa. envolveu também o Brasil, num só abraço de afeto e confiança. Pois é este o Brasil, Sr. Presidente, que V. Exa. vem ver mais uma vez e que, portanto, já conhecendo, apenas identifica nos mesmos sentimentos de carinho e nos mesmos anseios de compreensão. E basta vê-lo, basta tocar-lhe para perceber que estamos aqui, como de resto, talvez, no resto do mundo, com a tonalidade própria das condições locais, hipersensibilizados pelas

grandes interrogações que perseguem a humanidade. Interrogações que seria truísmo sequer mencionar, mas talvez não seja inoportuno salientar, que tanto mais desafiantes se tornam, quanto os homens se dividem, entre os que lhes querem dar resposta prática e honesta e os que pretendem, sob o pretexto de responder-lhes, transformá-las em novas e irrespondíveis indagações. Muitos e muitos pontos de afinidade poderia salientar entre o Brasil e o Uruguai. Igualmente, algumas das diversificações ou dissonâncias - porque também estas, bem compreendidas, analisadas e respeitadas, contribuem para unir os povos, na sugestão dos exemplos recíprocos e no encanto das emulações salutares. Mas nada disso é necessário. Baste-nos a consciência, que neste momento a nós ambos assiste, de nossas responsabilidades perante o mundo, as Américas e principalmente perante o ser humano. Não foi inadvertidamente que a Constituição do seu país inscreveu, num de seus artigos, ao lado do já hoje clássico princípio de igualdade perante a lei, o reconhecimento de que não há outra distinção, a não ser aquela resultante dos talentos e das virtudes. Distinção romântica, talvez ingenuamente individualista, numa época em que se procura esmagar a pessoa sob o peso da sociedade, dando, assim, consequência real a uma já velha concepção filosófica. Mas, em todo o caso, um grito de advertência em favor daquilo que, no moral e no espiritual, deve escapar aos excessos do material e do econômico. Romântica talvez seja, também, aquela outra disposição que proíbe se trate aos acusados como réus. E a que veda a funcionários públicos, no trabalho, e com os instrumentos que o Estado lhes dá, o exercício de atividades políticas. Somos, realmente, povos que fazem leis repletas de disposições românticas, ao lado das determinações de caráter prático e objetivo. Mas estamos constituídos assim. Ninguém extirpará o que é imanente à nossa própria natureza. As Constituições modernas, a partir da Primeira Grande Guerra, como que perderam a gravidade e a austeridade. Às vezes se confundem não apenas com as leis ordinárias, mas com os regulamentos e as portarias. Pouco importa se isso as afeia, deforma, se as compromete na configuração, se as afeta para tomar todas as liber-

dades com o gênio e a volubilidade da língua - se as afeta na sua arquitetura, revelam, no entanto, o sopro de generosidade, as inspirações de ternura e os anseios de solidariedade e fraternidade, nem sempre possíveis, mas sempre aspiradas, sentimento sem os quais nem compreenderiam que os povos se organizassem em nação. Não foi sem razão, Sr. Presidente Eduardo Victor Haedo, que a lei fundamental do seu país colocou logo em seguida à seção que trata da Nação e sua soberania, aquela que disciplina os direitos e deveres individuais onde se encontra a advertência permanente de que não podemos esquecer na sociedade cujas injustiças devemos corrigir, nos países cuja grandeza desejamos promover, nas regiões cujo desenvolvimento econômico precisamos realizar, não se pode esquecer em nada, em parte alguma, sob qualquer alegação, aquilo a que se chama o homem: o homem, sim, V. Exa. e eu, todos nós aqui reunidos, criados por Deus, para ter meios de subsistência, conforto, educação, mas sem prejuízo da liberdade e da dignidade. (palmas) Com estas palavras, em que não há preocupação de novidade, mas antes em que, acima dos conceitos do novo ou do velho, existe a inspiração do atual, do que se está sentindo e do que se está vivendo, apresento a V. Exa., Sr. Presidente Haedo, as saudações afetuosas da Câmara dos Deputados, com os votos de que nesta nova visita, já agora investido nas funções mais elevadas do governo do seu país, possa V. Exa. confirmar e ver confirmadas as aspirações de convívio leal, solidário e pacífico que irmanam o Uruguai e o Brasil. (Muito bem; muito bem. Palmas. O orador é cumprimentado)

]

Não tem sido menor o carinho com que sempre nos voltamos para a terra de V. Exa.

]


Resgate

João Pessoa > Paraíba > DOMINGO, 3 de abril de 2011 ○

24

A UNIÃO

>>>JORNAL DE HONTEM

Geral ○

# Fernando Moura

fernandomoura.pb@gmail.com Fotos:Divulgação/Arquivo

Fragmentos de um gigante ambiental

O

Jardim Botânico de João Pessoa só existe por que ele viveu. Na década de 60, o Governo pretendia construir um grande conjunto habitacional na área, mas a autoridade científica e moral do professor Lauro Pires Xavier consegue reverter a intenção, nos legando um tesouro ambiental de valor imensurável. Percorreu e monitorou todos os recantos do Estado - e do Nordeste - na ânsia de conhecer tudo o que brotou da terra, na busca por conhecimento, contemplação e conservação. Foi nosso maior ecologista, quando Ecologia era considerada uma disciplina exótica e em choque com o desenvolvimento. Nascido em Areia, em 1905, fez-se água a regar parques e jardins até 1991, quando virou adubo. Hoje descansa sob a sombra de uma árvore, numa perfeita simbiose entre o homem e a natureza. Pesquisava outro assunto nas páginas de A União, ligado à última visita à Paraíba do então presidente Ernesto Geisel, em 1978, quando me deparo com uma entrevista feita pelo jornalista Arlindo Almeida, em 8 de outubro, tentando extrair do emérito professor ângulos ainda não explorados do seu lúcido e contundente pensamento. Humilde, relutou de início. Após mais de 30 anos de estudos à época, com emissão de conceitos e estabelecimento de paradigmas, "Laurinho" - como lhe chamavam os amigos mais chegados - achava ter esgotado seu manancial de reflexões: "Todos já me conhecem e não tenho nada mais a dizer", registaria Almeida, na abertura da matéria. Fico pensando se não tivesse! A entrevista de 1 página, em letras minúsculas, está recheada de impressões e lições que podemos aproveitar até pra muito depois de hoje. Numa homenagem à lucidez do mestre e senso jornalístico do repórter, transcrevemos trechos relacionados ao "espírito verdejante" do pessoense, cujo santuário ecológico, a Lagoa, passava por uma ampla reforma, sob a batuta do então prefeito Hermano Almeida e responsabilidade técnica do secretário de Planejamento, Antonio Augusto Almeida. Com a palavra, o mestre Lauro Xavier, nossa melhor e mais duradoura semente de consciência. A União - Como o senhor classificaria, do ponto de vista ecológico, o comportamento do pessoense? Lauro Xavier - Bem, acho que o pessoense já é um cidadão de consciência ecológica. Na Paraíba, a ecologia já tem um sentido prático e defensivo; conservacionistas hoje, não especialistas em ecologia, mas que defendem o meio ambiente de modo geral. Devo lhe dizer que os estudantes tinham um conhecimento e uma dedicação a respeito da conservação da natureza muito maior do que hoje, pois recebiam lições com os antigos agrônomos que aqui estiveram. Havia um bacharel em Direito, Diorgenes Caldas, verdadeiro agrônomo, sabia muito de agronomia e só estudou Direito por uma

questão de status. Ele fazia excursões no antigo horto Simão Lopes, hoje agregado ao Parque Arruda Câmara. Ali, Diorgenes fez inúmeras pesquisas com os meninos daquele tempo, inclusive com muitos escoteiros (eu fui escoteiro), sobretudo para os alunos do único grupo escolar da época, o Tomás Mindello. Mas todos os meninos frequentavam o horto e conheciam grande plantio de roseiras e foi lá que ele introduziu o primeiro coqueiro anão na Paraíba. Hoje esse coqueiro não existe mais, porque foi feita uma reforma na Bica e não souberam poupar o coqueiro. Por isso somos hoje um povo sem memória. Como você vê, a espontaneidade do pessoense em plantar não é àtoa, porque de qualquer forma há uma tradição, um resto de memória. Isso fica. A Paraíba foi o primeiro Estado que comemorou a Semana da Árvore. Arara, jé em 1892, realizava a primeira semana da árvore do Brasil. Itabaiana, de acordo com Sabiniano Maia, idem. Guedes Pereira foi um grande prefeito em João Pessoa, arborizou a capital, foi ele quem instalou realmente o Parque Arruda Câmara, homenageando o nosso grande botânico. Depois, tivemos Carlos Dias Fernandes, jornalista, aberto a todas as pesquisas da época. Um grande sujeito. Outro paraibano que soube conservar a Paraíba foi Castro Pinto. Ele restaurou em seu governo a Praça João Pessoa, que já vinha desde 1879, plantou as primeiras palmeiras imperiais em João Pessoa vindas do Rio de Janeiro. Ele remodelou o Jardim Público, como era chamado na época a Praça João Pessoa, mas anteriormente chamada de Comendador Felizardo. Veja a evolução desse aspecto. Depois do governo de Castro Pinto, tivemos o governo de Camilo de Holanda que, além de paisagista, tinha muita experiência na Europa, de muito bom gosto. Foi ele quem construiu a Praça Venâncio Neiva, a balaustrada da Rua das Trincheiras, infelizmente hoje abandonada; fez a Praça Aristides Lobo... A Praça da Independência foi o prefeito Guedes Pereira. A Praça Pedro Américo, uma das mais antigas - antes mesmo da Praça João Pessoa - inicialmente construída por Otacílio de Albuquerque, em 1908, e sofreu nova remodelação com o governo de Suassuna, de João Maurício e de Oswaldo Pessoa. De modo que toda essa memória levaria inevitavelmente ao que temos hoje, sobretudo devemos mencionar a Festa da Árvore aqui em João Pessoa, a 21 de setembro. A União - Dr. Lauro, o jornalista Gonzaga Rodrigues, que lançou recentemente o livro de sua autoria "Notas do Meu Lugar", sugere em uma crônica "Verdelins", na qual propõe "um abatimento no imposto predial para quem plantar árvores em terrenos baldios". O senhor acha isso um sonho puramente ficcional? Lauro Xavier - Eu admiro muito a inteligência do jornalista Gonzaga Rodrigues, pois sou leitor dele. Um bom cronista. Gostaria de abrir um parêntese e pedir a ele que faça uma crônica defendendo uma árvore que existe lá no lugar dele, Alagoa Nova, uma bela pirauá, maior em tamanho na Paraíba. Eles querem derrubá-la. Quanto à ideia de Gonzaga Rodrigues não é ficção, uma mera ilusão, porque em São Paulo, por exemplo, o governo estimula quem planta nesses terrenos soltos, diminuindo o imposto predial. Acho louvável a atitude dele porque não deixa de ser uma preocupação com a ecologia, mas gostaria de dizer que na Paraíba está acontecendo exatamente o contrário do que ele propõe na crônica Verdelins. Acho que o poder público deveria estimular esses proprietários, porque criaríamos o hábito de plantar, não é mesmo? A União - Dr. Lauro, como foi que, historicamente, surgiu a Lagoa? A Lagoa seria o cartão-postal de João Pessoa, no dizer de Gonzaga Rodrigues?

A Lagoa surgiu de uma depressão que sempre existiu ali

Lauro Xavier - A Lagoa surgiu de uma depressão que sempre existiu ali, eu mesmo, no tempo de meni-

Em 1937, 38, Burle Max vem à Paraíba e acha a Lagoa uma coisa encantadora, admirável

no, conheci a Lagoa e é como se fosse pântano. Não havia aquele depósito d´água. Dr. Guedes Pereira foi quem resolveu dar uma utilidade à Lagoa, aproveitando-a para área de lazer. A Prefeitura fez várias desapropriações de fundos de quintais. Todas aquelas fruteiras que lá existem ainda é desse tempo, se não estou enganado: pitombeiras, mangueiras pertenciam aos fundos de quintais. Depois, João Mauríucio plantou aquelas palmeiras imperiais, que já devem ter pelo menos uns 50 anos. Em seguida, o governador Argemiro de Figueiredo, com o apoio de Ítalo Jorge e Clodoaldo Gouveia, arquiteto, puseram o calçamento, e a modificação parece que custou 99 mil contos de réis. Em 1937, 38, Burle Max vem à Paraíba e acha a Lagoa uma coisa encantadora, admirável, inclusive foi motivo de uma entrevista no Jornal do Comércio, do Recife. Ele achava que a Lagoa e o Cassino davam uma conformidade ambiental sem par. A União - O senhor acha que a Lagoa deveria ser alterada, como consta no atual projeto em execução da Prefeitura? Lauro Xavier - Acho que a Lagoa não deve ser alterada, modificada. Por outro lado, não acredito que o velho se aproveite da Lagoa, em suas tardes de folga: ele tem a Praça João Pessoa, já de tradição. Esse costume já vem desde a Praça Pedro Américo, na Cidade Baixa. Quanto aos jovens já tem o seu ponto: a Praia de Tambaú, isto é, a orla marítima. O pessoense gosta de contemplar a Lagoa, seus jardins, penetrar nas folhagens, no bucólico do ambiente, derramar seus sonhos. A União - O que representa a Lagoa para o senhor? Lauro Xavier - Ela representa tudo. A Lagoa é um equilíbrio ecológico. Recebeu hoje o que se chama arboredo, é um equilíbrio natural. Lá tem plantas que só um especialista sabe distinguir, como a subipiruna, que deveriam estar plantadas em toda a Epitácio Pessoa. Felício é outra árvore rara e muitas outras estão ali dentro da Lagoa, inclusive uma pororoca, muito curiosa. Há as carnaubeiras, as palmeiras imperiais. A Lagoa é um monumento intocável. A União - Se os velhos preferem a Praça João Pessoa à Lagoa, se os jovens conversam nas calçadas da orla marítima, então para que serve a Lagoa, para os turistas? Lauro Xavier - A Lagoa é, como diz o jornalista Gonzaga Rodrigues, o cartão-postal de João Pessoa, eu diria que uma "sala de espera", algo assim. A Lagoa existe para caracterizar uma área de Estado com aquela depressão natural, a Lagoa é um marco. A União - O senhor não acha que é perfeitamente compatível a exploração comercial no Parque Solon de Lucena, na velha Lagoa, isso tem algum mal? Lauro Xavier - Por que essa atividade econômica? Por que a Prefeitura não faz um parque, inclusive com a iniciativa comercial, aproveitando a balaustrada das Trincheiras, para servir às populações dos bairros de Cruz das Armas e de Jaguaribe, por exemplo? É um lugar que deve ser aproveitado economicamente, aquele lugar tem uma visibilidade esplendorosa, um horizonte fabuloso. Já a Lagoa é diferente. Já existe comércio por toda aquela área. Hoje ninguém mora perto da Lagoa, o barulho é muito grande. Por que não se aproveita o projeto da Praça da Independência? A lagoa deve ser como é, um monumento paisagístico. * * * Para Agnaldo Almeida e Paula Frassinete.


Jornal A UNIÃO