Page 68

E queria que Kline soubesse que eu estava por perto antes que encontrasse Eva. Estava marcando meu território, por assim dizer, e escolhi fazer isso vestindo a calça e a camiseta com que me encontrei com Yimara. Tudo o que dizia respeito a Eva era assunto pessoal, não negócios, e eu queria que isso ficasse bem claro para Kline assim que pusesse os olhos em mim. Passei pelo palco e entrei no caos. Havia um monte de mulheres drogadas ou bêbadas amontoadas no corredor estreito. Dezenas de homens tatuados e perfurados de piercing desmontavam e embalavam equipamentos, uma tarefa que executavam com eficiência e precisão. Música pesada emanava de alto-falantes ocultos, em conflito com sons que escapavam dos camarins individuais. Abri caminho pelo pandemônio à procura de cabelos espetados e descoloridos. Uma figura loira dolorosamente familiar saiu por uma porta aberta alguns metros à ente, com os cabelos caídos sobre os ombros, um corpo cheio de curvas e uma bela bunda. Desacelerei o passo. Meu coração disparou. Kline apareceu logo em seguida, com uma cerveja em uma mão e a outra estendida para ela, que a segurou e o puxou pelo corredor. Eu conhecia a delicadeza daquela mão, a maciez da pele. A firmeza da pegada. Já tinha sentido aquelas unhas cravadas nas minhas costas, e aqueles dedos agarrando meus cabelos enquanto ela gozava com a boca colada à minha. A eletricidade do toque. O instinto primitivo que despertava. Fiquei paralisado, com um nó no estômago. Ela estava perto demais de Kline. Seu ombro quase roçava a parede. Ela remexia os quadris provocativamente, e seus dedos passeavam de forma sugestiva pela barriga de Kline. Ele abriu um sorrisinho presunçoso e malicioso, passando a mão em seu braço em um movimento de pura intimidade. Qualquer um que os visse juntos acharia que eram amantes. A fúria tomou conta de mim. Comecei a irradiar uma escuridão doentia. Dor. No fundo da alma. Perdi o fôlego e o controle. Um braço de mulher me agarrou pelo ombro. Ela enfiou uma mão dentro da minha camiseta para tocar meu peito, enquanto com a outra pegava meu pau. O cheiro de perfume invadiu minhas narinas, e eu me livrei do toque de forma abrupta enquanto uma morena magra e alta com olhos azuis carregados de maquiagem tentava me

Profile for Atâna Araújo

Livro 4 somente sua sylvia day  

Gideon me chama de anjo, mas ele é o milagre em minha vida. Meu lindo, guerreiro ferido, tão determinado a matar meus demônios enquanto se r...

Livro 4 somente sua sylvia day  

Gideon me chama de anjo, mas ele é o milagre em minha vida. Meu lindo, guerreiro ferido, tão determinado a matar meus demônios enquanto se r...

Advertisement