Page 214

que eu flertava com ele, prometendo uma noite quente. Não tinha voltado para mim, nem mesmo para dormir no apartamento ao lado. E ele não gostava de ficar longe de mim. A menos que estivesse sofrendo. E envergonhado. A porta do elevador se abriu, e ele foi invadido por um heavy metal pulsando no último volume. Fiz uma careta e cobri as orelhas. O som que vinha dos alto-falantes embutidos no teto era tão alto que machucava meus ouvidos. Dor. Fúria. A violência colérica da música me tomou de assalto. Meu peito ardia com uma pontada profunda. Eu sabia. Entendia. Aquela música era uma manifestação sonora do que Gideon sentia por dentro e não era capaz de extravasar. Ele era controlado demais. Contido. Suas emoções eram tão reprimidas quanto suas memórias. Vasculhei a bolsa em busca do celular e acabei deixando cair tudo no chão do elevador e do hall. Deixei as coisas onde estavam, pegando apenas o telefone e abrindo o aplicativo que controlava o sistema de som. Coloquei uma música mais calma e baixei o volume. A cobertura ficou em silêncio pelo que pareceu uma eternidade, então os acordes suaves de “Collide”, de Howie Day, começaram a soar pelos alto-falantes. Senti Gideon se aproximando antes de vê-lo, o ar estalando com a energia violenta de uma tempestade iminente. Ele despontou no corredor que vinha dos quartos. Perdi o fôlego. Estava descalço e sem camisa, a cabeleira desgrenhada roçando os ombros. Usava uma calça preta de moletom de cintura baixa, o que realçava os músculos rijos em seu abdome. Estava com as costelas e um dos ombros machucados, sinais de luta que intensificavam a aparência de cólera e ferocidade fortemente contidas. Minha escolha de música destoou da emoção que emanava dele. Meu lindo, selvagem e elegante guerreiro. Amor da minha vida. Tão atormentado que sua simples visão me trouxe lágrimas ardentes aos olhos. Gideon parou de repente ao me ver, fechando as mãos em punho ao lado do corpo, com um brilho louco nos olhos e as narinas pulsando. O celular escorregou da minha mão e bateu no chão. “Gideon.” Ele inspirou fundo ao ouvir minha voz. Algo se alterou nele. Vi a

Profile for Atâna Araújo

Livro 4 somente sua sylvia day  

Gideon me chama de anjo, mas ele é o milagre em minha vida. Meu lindo, guerreiro ferido, tão determinado a matar meus demônios enquanto se r...

Livro 4 somente sua sylvia day  

Gideon me chama de anjo, mas ele é o milagre em minha vida. Meu lindo, guerreiro ferido, tão determinado a matar meus demônios enquanto se r...

Advertisement