Page 1

#75 2017 NOVEMBRO/DEZEMBRO

RECORDAR É VIVER! Em época de retrospectivas, resgatamos as conquistas do Conselho Nacional nos últimos quatro anos, com Carlos Rigolino Júnior (vice-presidente) e Paulo Nemer (presidente) à frente da ABLA

ABLA trouxe ao setor novos benefícios de montadoras, bancos e fornecedores Criação da UNIABLA foi iniciativa para garantir qualificação Frentes de comunicação com o associado ganharam força


2


Conselho Gestor

Muito mais do que meros espectadores “Integração entre conselheiros, diretores e entre nossos familiares foi importante para dedicação de cada um em benefício de todos”

sobre a importância da harmonia e da boa convivência para a melhoria da produtividade dos trabalhos para os associados. Aqueles que, como nós, tiveram a chance de participar da caminhada ao lado de Paulo Nemer e, assim, de contribuir para que a ABLA atingisse seu atual patamar, podem se sentir gratificados pela jornada. Tivemos, de fato, a chance de atuar de maneira decisiva para o sucesso dos diversos projetos que o atual Conselho Gestor se propôs a implantar. As demandas foram muitas. Da definição de um novo planejamento estratégico, amplo e moderno, até a renovação representada por iniciativas como a criação da ABLA Jovem, nossa caminhada se refletiu em um quadriênio bastante intenso, mas recompensador. Desejamos que, daqui para frente, a ABLA continue trilhando essa estrada plena de realizações. Tanto a atual gestão como as bem sucedidas administrações anteriores fizeram valer uma importante máxima: um setor forte só é feito a partir de uma associação cada vez mais forte.

AO ASSUMIR A RESPONSABILIDADE de ser o vice-presidente na gestão de Paulo Nemer no Conselho Nacional, eu tinha plena certeza de estar entrando em um dos mais produtivos, eficazes e eficientes ciclos de gestão da história da ABLA, para dar sequência às ótimas administrações anteriores. Parceiro de antigas lutas em prol do fortalecimento da locação de veículos no Brasil, eu conhecia de antemão a índole propositiva do presidente Paulo Nemer, assim como sua liderança incentivadora e o seu comportamento focado em resultados. Foi assim que tudo ocorreu durante esses quatro anos. A integração e o relacionamento entre os conselheiros, diretores e também entre os nossos familiares foi importantíssima. Isso colaborou para o fortalecimento e para a dedicação de cada participante da gestão em benefício de todos os demais. Passamos juntos, por exemplo, pela grande alegria de podermos comemorar os 40 anos da associação. Essa data nos proporcionou mais uma inesquecível oportunidade para refletir

Carlos Cesar Rigolino Jr. Vice-presidente do Conselho Nacional na gestão 2014-2017 3


Ano XIII – No 75 – novembro/dezembro 2017

14 Entrevista

Presidente Paulo Nemer faz retrospectiva positiva da gestão

08 História

A comemoração dos 40 anos da ABLA em grande estilo

10 Linha do Tempo

30 Salão ABLA

20 Gestão

32 Negócios

Relembramos os destaques dos últimos quatro anos

O planejamento estratégico da governança e seus objetivos

22 Mãos no Associado

Aproximação com as locadoras teve ação inédita “one by one

26 Fórum Nacional

Novo modelo do evento foi decisão marcante da atual gestão

Locadoras na maior vitrine automotiva da América Latina

As parcerias comerciais com montadoras, bancos e fornecedores

35 Entidades

Mensagens e parabéns da Anfavea, Fenabrave e Fenauto

38 Comunicação

Novos canais para atualizar e ouvir os associados 4

40 Estatísticas

A crescente evolução da coleta dos números do setor

42 Revista Locação

Reformulação de temas, do visual e aumento de páginas da publicação

43 Fórum Jurídico

Os quatro encontros entre os advogados do setor em Brasília

44 Serviços

Mais opções para consultas de crédito em novos bancos de dados


Use o leitor QR Code do seu smartphone para acessar o site da ABLA

63 38

54

54 Rent a Car

A criação do novo Código de Conduta da ABLA

Seguro Diário foi apresentado durante o mais recente Fórum Nacional

63 Ao Volante

47 Conselho Consultivo

56 Conselho Fiscal

66 Fenaloc

46 Estatuto

A contribuição dos ex-presidentes para o sucesso da gestão

48 Capacitação

Criação da UNIABLA deu impulso aos cursos gratuitos de capacitação

50 Convenções

Conselheiros e diretores regionais a serviço dos associados

O trabalho dos guardiões das finanças da associação

57 ABLA Jovem

Novo comitê para sucessores das locadoras também surgiu na atual gestão

Relembre os lançamentos das montadoras que chamaram a atenção

Federação das locadoras obteve concessão do registro sindical

68 Fim de Papo

Consultora Cecília Lodi conta o que viu sobre a evolução da ABLA

58 70 Diretorias Regionais Homenagem Depoimentos de diretores mostram importância de todos os estados 5

Raimundo Teixeira permanece em nossos corações


Expediente CONSELHO GESTOR Paulo Nemer (Presidente do Conselho Nacional), Carlos César Rigolino Jr. (Vice-Presidente do Conselho Nacional), Carlos Faustino, Célio Fonseca, Flavio Nabhan, Marcelo Fernandes, Marconi Dutra, Nildo Pedrosa, Paulo Eduardo Sorge, Paulo Miguel Jr., Saulo Fróes e Simone Pino.

PUBLICIDADE Jorge Pontual e Francine Evelyn (11) 5087-4100. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS LOCADORAS DE AUTOMÓVEIS – ABLA www.abla.com.br email: abla@abla.com.br

CONSELHO GESTOR (SUP LENTES) Amadeu Oliveira, Bernard da Costa Teixeira, Cleide Brandão Alvarenga, Gustavo do Carmo Azevedo, Leonardo Soares, Luís Olavo Nezello, Luiz Carlos Lang,Lusirlei Albertini, Márcio Castelo Branco Gonçalves, Nilson Oliveira Filho, Otávio Meira Lins e Tércio Gritsch.

São Paulo: Rua Estela, 515 – Bloco A – 5º andar – CEP 04011-904 – (11) 5087.4100. Brasília: SAUS Quadra 1 – Bloco J – edifício CNT sala 510 – 5º andar – Torre A – CEP 70070-010 – (61) 3225-6728.

CONSELHO FISCAL Alberto Faria, Alvani Laurindo, Eduardo Correa, Jacqueline Moraes de Mello, Marco Aurélio Gonçalves Nazaré e Ricardo Gondim Espírito Santo.

COORDENAÇÃO EDITORIAL Em Foco Comunicação Estratégica E-mail: emfoco@emfoco.net | (11) 3816.0732 Editor: Nelson Lourenço Textos: Nelson Lourenço, Ana Cândida Pena, Victória Bernardes Aurea Figueira e Kaiqui Macaulay

CONSELHO FISCAL (SUPLENTES) Aleksander Rangel, Eládio Paniágua Jr., Márcio Campos Palmerston, Marco Antonio de Almeida Lemos, Miguel Ferreira Júnior e Rodrigo Selbach.

Arte: Estúdio Mirador Direção de Arte: Leandro Cagiano

CONSELHO CONSULTIVO Adriano Donzelli, José Zuquim Militerno e Paulo Gaba Jr. ABLA JOVEM Claudio Schincariol Neto, Daniel Huss, Jaqueline Denadai, Maytê Rangel, Paulo Ricardo, Rafael Maciel, Rodrigo Reda e Saulo Fróes Júnior.

Tiragem: 3.500 exemplares Impressão: Duograf A Revista Locação não se responsabiliza pelas opiniões emitidas nos artigos assinados. Permitida a reprodução das matérias, desde que citada a fonte.

COORDENAÇÃO GERAL Marconi Dutra, Jorge Machado e Olivo Pucci. 6


Editorial

Uma grande retrospectiva! CAROS LEITORES, É com a sensação de alegria que fechamos 2017 e anunciamos esta edição especial da Revista Locação, em que destacamos as realizações dos últimos quatro anos da ABLA. Essas foram muitas, e as mais significativas mereceram o destaque a elas reservado nas próximas páginas. Pelas seções da Revista Locação os associados puderam acompanhar a evolução de projetos importantíssimos para o setor, como a criação da UNIABLA, a primeira universidade corporativa dedicada à qualificação do profissional das locadoras de veículos; as novas e rigorosas metodologias de captação de dados para o Anuário Brasileiro do Setor de Locação de Veículos, introduzidas a partir da parceria com o Serpro; e a aproximação da entidade com instituições financeiras, montadoras e fornecedores, gerando benefícios de grande monta para os associados. A própria Revista Locação é exemplo das mudanças levadas a efeito pela gestão de Paulo Nemer (2014-2017), que agora se encerra. A publicação ficou maior, mais informativa e dedicada aos assuntos que realmente interessam aos associados. Ganhou novo projeto gráfico e passou a receber colaborações importantes de especialistas e parceiros do setor, tornando-se uma referência para quem atua na locação de veículos. Nos últimos anos, a Revista Locação também procurou trazer para o leitor a realidade distinta das diferentes regiões do país, entrevistando os Diretores Regionais da ABLA, que assim puderam mostrar as características de cada estado, fazendo da publicação um veículo de informação ainda mais plural e representativo. Os assuntos mais polêmicos e passíveis de reflexão estiveram presentes nessa nova fase, muitas vezes em pautas sugeridas pela nova geração da ABLA, sempre incentivada pela gestão Nemer e Rigolino e cada vez mais ativa na busca de modelos de negócios sintonizados com seu tempo. E é com esse espírito renovado que nos sentimos prontos para retratar os desafios da ABLA e do setor de locação de veículos na próxima gestão. Por enquanto, brindemos a todos esses avanços, desejando uma excelente leitura e também um final de 2017 e começo de ano repleto de sucesso e realizações. Voltaremos na edição de janeiro/fevereiro de 2018! Os Editores 7


História

40 anos da ABLA resgataram a história

“Evento com foco no mercado ajudou a ampliar a representatividade do setor junto a montadoras, bancos, fornecedores e entidades de classe”

Aniversário de 40 anos de fundação da ABLA foi evento marcante da gestão, reunindo os ex-presidentes.

anos da ABLA, foram convidados somente os conselheiros, diretores e ex-presidentes da associação. “Inclusive para manter os esforços que estavam sendo feitos para administrar a ABLA durante os mais complicados anos da economia nacional”, destaca Nemer. O ponto alto foi a homenagem aos ex-presidentes da associação. “As experiências e os resultados desses empresários foram se somando e ajudaram a levar a ABLA para uma maturidade plena, conquistada por meio de contínuas gestões focadas na responsabilidade administrativa”, relembra Paulo Nemer. “Foi um orgulho poder agradecer, naquele jantar, a vários dos meus antecessores por terem conduzido esse imenso navio até o porto seguro em que a ABLA aportou hoje”. Nesses 40 anos, além de Paulo Nemer, vale recordar que já presidiram a ABLA, Alberto de Camargo Vidigal, Alberto Moraes de Barros Filho, Antonio Claudio Resende, Francisco José da Silva, José Adriano Donzelli, José Zuquim Militerno, Josef Kurc, Nicolau Rezé, Paulo Gaba Júnior, Udo Stellfeld e Vitório D’Amico.

A ATUAL GESTÃO DA ABLA promoveu muitos e diferentes eventos e atividades abertos para todos os associados, entre eles as edições de 2015 e 2017 do Fórum Nacional do Setor de Aluguel de Automóveis; e também a distribuição de convites gratuitos para cada associado participar do Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, nas edições de 2014 e 2016. Alinhada à responsabilidade administrativa, para marcar o aniversário de 40 anos da ABLA o Conselho Gestor optou por um evento com foco diferente. A data foi aproveitada para a realização de um jantar voltado para o mercado. “Naquela noite de 29 de março de 2017, nós pudemos trabalhar para ampliar a representatividade do nosso setor junto a montadoras, bancos, fornecedores de produtos, de serviços, entidades de classe automotivas e do segmento do turismo nacional”, lembra Paulo Nemer, presidente do Conselho Nacional. “Isso certamente também gerou benefícios diretos e indiretos para todos os associados da ABLA”. Para receber os parceiros comerciais e institucionais do setor no evento específico dos 40 8


9


Linha do Tempo

Marconi Dutra

Quatro anos passaram

10


Linha do Tempo

Carlos Faustino

Paulo Nemer e Carlos Rigolino

2014

2015

 VIII Convenção Nacional: Conselheiros e Diretores Regionais apresentaram demandas dos associados, estabelecendo a base para o novo Planejamento Estratégico.  Anuário 2014: lançamento da publicação anual do setor movimentou o mercado no primeiro trimestre do ano.  I Fórum Jurídico: é retomado o projeto que reuniu advogados e assessorias jurídicas da ABLA, dos SINDLOCS e das locadoras associadas, em Brasília (DF).  XII Fórum Nacional: pela primeira vez, o evento é realizado dentro do Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, no Pavilhão do Anhembi.  Revista Locazção: publicação passa por remodelação da linha editorial, do visual e ampliação do número de páginas.  Jantar Corporativo: Marconi Dutra, da Bahia, recebe do conselheiro Alberto Faria a placa de Diretor Regional do Ano de 2014.

 IX Convenção Nacional: parceria com o governo da Turquia proporciona troca de conhecimentos com o setor de locação europeu.  Anuário 2015: com o diretor comercial Jorge Pontual na apresentação, lançamento marca nova metodologia de apuração das estatísticas.  II Fórum Jurídico: aperfeiçoamento natural da primeira edição, com ampliação de temas, debates e mais participantes.  XIII Fórum ABLA: realizado com formato inovador, nos moldes da Auto Rental Summit dos EUA, com painéis, palestras e mesas de negócios.  Eleição: Chapa com Paulo Nemer (presidente) e Carlos Rigolino (vice) é reeleita para a direção do Conselho Nacional.  Jantar Corporativo: Carlos Faustino, de São Paulo, é homenageado como o melhor Diretor Regional de 2015. 11


Linha do Tempo

2016

 X Convenção Nacional: Conselheiros e Diretores se debruçaram sobre a Governança Corporativa da ABLA, para acerto dos projetos, ajustes e aperfeiçoamentos.  Anuário 2016: pela primeira vez, apuração das estatísticas contou com a validação de uma empresa especializada em pesquisas, a LAFIS Informação de Valor.  XIII Fórum Nacional: na sequência da parceria com a Reed Exhibitions Alcântara Machado, ABLA volta a realizar o evento dentro do Salão Internacional do Automóvel, desta vez no novo São Paulo Expo.  III Fórum Jurídico: evento dos advogados e assessorias jurídicas do setor se consolida como a principal oportunidade para debates dos temas legislativos.  ABLA Jovem: comitê realiza seu primeiro evento de porte, retratando “Cases de Sucesso do Setor” com apoio da AUDI.  Jantar Corporativo: com inspiração na Olimpíada, três diretores regionais ganham homenagens pelo trabalho em prol do setor: Leonardo Soares (MG), Márcio Gonçalves (ES) e Amadeu Oliveira (MT).

12


Linha do Tempo

2017

 Novo Portal ABLA: www.abla.com.br passa a ser 100% responsivo, com conteúdo atualizado, layout moderno e com facilidade de navegação.  40 anos da ABLA: jantar comemorativo reúne e faz homenagem aos ex-presidentes, sendo prestigiado por líderes das montadoras, dos bancos, fornecedores e entidades setoriais.  Anuário 2017: lançado no mesmo evento dos 40 anos. Publicação ganhou o aval do Serpro, principal empresa pública de tecnologia da informação do mundo.  XI Convenção Nacional: Conselho Gestor implanta o inovador modelo de “World Café” para temas e debates sobre o futuro do setor.  UNIABLA: começam os primeiros cursos da Universidade Corporativa do Setor de Locação de Veículos, em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina, SEST/SENAT e CNT.  XIII Fórum Nacional: com a quebra do recorde de participantes, evento consagrou o modelo iniciado em 2015, com painéis, palestras e ainda mais mesas de negócios.  ABLA Jovem: comitê realiza a segunda edição dos “Cases de Sucesso do Setor”, agora no moderno Digital Building, em São Paulo.

13


Entrevista

Missão cumprida “ABLA oferece a possibilidade de comprar automóveis mais baratos, mas a maior parte dos associados já enxerga além”

APROXIMAR A ABLA de seus associados e torná-la cada vez mais relevante para quem atua no setor de locação de veículos. Paulo Nemer sempre deixou claro que essa seria sua grande missão à frente do Conselho Nacional da ABLA, desde o primeiro mandato, iniciado em 2014, com direito à reeleição, em 2016. Ao longo desses quatro anos, mesmo enfrentando uma das maiores crises econômicas do Brasil – “o país estava ´bipolar´, anoitecia de uma forma e amanhecia de outra” –, ele conseguiu ampliar o respeito que a associação inspira, não apenas entre os associados, mas também entre outros segmentos, como a indústria automotiva, de transportes, serviços e turística, além de entidades governamentais e empresariais. Na entrevista a seguir, Nemer faz um balanço de sua gestão e revela como conduziu a entidade a partir de um modelo participativo, de forma objetiva, com metas, cobranças e afagos à equipe, que mereceu, de sua parte, os melhores elogios.

14


“Enfrentamos a bipolaridade no Brasil, quando a situação do país anoitecia de uma forma e amanhecia completamente diferente”.

15


Entrevista

“Procurei cobrar de maneira positiva, no sentido de estimular as pessoas a pensarem juntas”.

Nesses quatro anos, qual foi o seu momento mais difícil? Logo que assumimos, em 2014, começava a grande crise política, jurídica e econômica no Brasil, o que fez com que nossos parceiros comerciais também recuassem em seus investimentos. Tudo isso agravado pela queda de aproximadamente 50% da atividade da indústria automobilística, nossa principal parceira. A crise quase inviabilizou, logo de início, grande parte dos projetos que a nossa gestão tinha planos de realizar. Como você agiu para enfrentar essa crise? O Conselho Gestor teve que refazer o dever de casa. E daquele grande limão, fizemos uma limonada. Cortamos gastos, ajustando nossa realidade a valores mais compatíveis com o momento do mercado e, ao mesmo tempo, priorizamos as ações para chegar mais perto dos associados. Na nossa convenção nacional de 2014, ouvimos os diretores regionais e montamos projetos de governança com foco em

redução de custos e resultados. Separamos cada projeto dentro das diferentes áreas do planejamento estratégico e, a partir dessa divisão das ações em áreas bem definidas, distribuímos a coordenação entre os conselheiros gestores. Isso tudo foi fundamental para a ABLA enfrentar a crise do país.

“O melhor de tudo isso foi que eu me cerquei de boas pessoas” Os associados responderam bem a essas ações? Sim. Fizemos um trabalho one by one [veja mais na página 22] com cada associado e tivemos a percepção de que a representativa maioria hoje reconhece os méritos da ABLA que implantamos. Fizemos esse grande ajuste na conduta do que a gente queria para 16

essa nova ABLA, como nós a chamamos, e meu júbilo é exatamente o reconhecimento da maior parte dos associados. A ABLA hoje é mais vista por sua diversidade de serviços. A associação oferece a possibilidade de comprar automóveis mais baratos, mas a maior parte dos associados já enxerga além. Claro, em uma entidade com grande número de afiliados, é impossível agradar a todos. Nunca se atinge 100% de satisfação, mesmo com os novos benefícios implantados, sempre vai ter quem não esteja satisfeito. Isso não nos preocupa. A ABLA pode melhorar ainda mais nos próximos anos? Como? Entendemos que a ABLA funciona como uma corrida de bastão. Não é possível achar que chegamos a um lugar e que podemos ficar ali parados. As evoluções têm que ser constantes, com as melhorias dos processos, do relacionamento e dos produtos e serviços que estamos entregando para os associados. As novas gestões devem multiplicar e reproduzir o que foi feito pelas gestões anteriores, para que todo o trabalho não seja em vão. Cada gestão aprende com a anterior? Isso mesmo. Por isso, espero que o próximo Conselho Gestor aperfeiçoe ainda mais o que nós já fizemos. Durante quatro anos, nós ‘suamos a camisa’, criamos procedimentos e conseguimos mostrar a que viemos. Desejo que o


Entrevista

“Não vejo, no curto prazo, um carro autônomo rodando sem motorista pelas ruas não pavimentadas que temos por aqui”. novo presidente e seus conselheiros também tenham esse pensamento, essa dedicação, melhorando o que estamos deixando e que é, sem dúvida, a ABLA em uma situação bastante confortável. O que você não faria de novo? Acho que me candidatar a presidente! (risos). Bem, falando sério, não sei o que não faria de novo. Mais fácil dizer que, ao presidir a ABLA, eu continuaria não pensando no ‘eu’, mas de novo no conjunto, no coletivo. Nós colocamos foco na ABLA e eu nunca priorizei nomes. Sempre a entidade veio em primeiro lugar e faria isso de novo. Você acredita que essa sua forma de liderar fez diferença no Conselho Gestor? “Líderes fazendo gestão de líderes”, como diz a consultora Cecilia Lodi, é sempre complicado. Reconheço que sou rigoroso e exigente naquilo que me proponho a fazer. Se você faz parte da gestão, tem cadeira no conselho ou na diretoria regional, e combinamos o que você teria de entregar para a ABLA, ao final você tem a responsabilidade de entregar! Tivemos uma comunicação transparente e intensa, com as decisões tomadas em comum acordo. Procurei cobrar de maneira positiva, no sentido de estimular as pessoas a pensarem juntas. A intenção sempre foi que todos sentissem que apenas ter posição na diretoria significaria pouco, ou quase nada mesmo, sem a contrapartida do trabalho e da entrega.

“Espero que as pessoas O quanto isso favoreceu a integração? Não temos só conselheiros e diretores, nós temos um grupo de empresários baseado em amizade. A construção desse sentimento tornou nossa ligação mais afetiva e creio que deixa a ABLA mais leve e humanizada. Nas convenções nacionais, nos eventos, nos cursos, enfim, você convive com as pessoas dentro e fora da associação e o trabalho fica mais suavizado. Com isso, mais propício a atingir metas. Acredito que consegui fazer muito com esse meu jeito mais duro, porém sempre objetivo. Espero que as pessoas tenham entendido que tudo foi feito para o bem da associação. O relacionamento com o mercado e com segmentos próximos da locação de veículos funcionou como você queria? Trabalhamos na relação com as principais entidades nacionais correlatas à ABLA. Temos cadeira na Confederação 17

tenham entendido que tudo foi feito para o bem da associação” Nacional do Transporte, que inclusive patrocinará cursos de educação a distância da UNIABLA. A ABLA está no Conselho do SEST-SENAT e também tem cadeira no Conselho Nacional de Turismo, que é um órgão do próprio Ministério. Fazemos parte da Confederação Nacional do Comércio. Temos cadeira no Conselho do Departamento Nacional de Trânsito. Seguimos próximos da Anfavea, Fenabrave, Fenauto e trouxemos o Serpro para dar aval aos dados estatísticos do setor. Isso é muito relevante. Ao lado da Fenaloc, essa questão da representatividade não ficou esquecida durante a atual gestão.


Entrevista

“Os estrangeiros ainda não têm a noção real do tamanho do mercado brasileiro de locação”. Unidos, e esse nosso trabalho internacional ajudou a divulgar as locadoras brasileiras para entidades e empresários de fora do país. Isso beneficia os associados, ajuda a projetar a imagem do setor e eu me orgulho de dizer que mostramos a todos os segmentos de mercado, no Brasil e no exterior, a que viemos.

E no exterior? Houve relacionamento, por meio da ABLA, fora do Brasil? Também, e muito. Estivemos nas reuniões da Câmara Interamericana de Transportes e em feiras e salões fora do país. Nos Estados Unidos, nos aproximamos da American Car Rental Association, que é a ‘ABLA norte-americana’, participando de salões do setor em Miami e Las Vegas. Além disso, atendendo convite da montadora Audi, representamos as locadoras do Brasil no Salão do Automóvel de Frankfurt. Também fomos recebidos pela TOKKDER, que é a associação turca das locadoras de veículos e trocamos mensagens, convites e notícias com a associação portuguesa, que é a ARAC. Nessas oportunidades, como sentiu a reação dos estrangeiros em relação ao setor de locação no Brasil? Sempre surpreendemos os estrangeiros. Esses players ainda não têm a noção real da importância e do tamanho do mercado brasileiro de locação de veículos. Somos o segundo maior mercado das Américas, atrás somente dos Estados

As novidades que estão surgindo poderão surpreender as locadoras e a ABLA? O setor está “antenado para o futuro”? Tem um ditado que diz que o futuro a Deus pertence. Não sou de sofrer por antecipação, tem muita novidade acontecendo e particularmente eu acredito que as coisas vão mudar, mas não tão rápido e nem de modo radical. Não concordo com o desespero que muita gente repete por aí, achando que o apocalipse do aluguel de veículos estaria próximo. Não é isso. Nosso país é muito deficiente em infraestrutura e não conseguiremos absorver mudanças com a mesma velocidade com que elas ganham espaço lá fora. Alguns aspectos vão mudar, mas não vejo no curto prazo, por exemplo, um carro autônomo rodando sem motorista pelas ruas não pavimentadas que ainda temos por aqui. Qual será o maior legado de sua gestão? Os resultados como um todo. Não destaco uma conquista específica, mas tudo o que foi feito e que se interliga, desaguando no respeito dos associados. Isso passa pelas amizades construídas, com empresários se tratando como 18

iguais com foco para melhorar o nosso setor. A ABLA é um todo, com associados, com o presidente, os conselheiros, diretores, equipes internas. Isso me deixa muito feliz. Com todas as dificuldades que tivemos, conseguimos fazer todos os eventos com excelente conteúdo e com soluções do ponto de vista financeiro para reduzir os custos. E sua relação com a gestão que assumirá em 2018? Conforme o estatuto da ABLA, eu posso integrar agora o Conselho Consultivo de ex-presidentes, que funciona para ajudar o Conselho Gestor. Adianto que aceitarei esse convite. Mas o novo presidente do Conselho Nacional certamente estará muito à vontade para tomar suas atitudes e caminhar do seu jeito no próximo biênio. O que vai mudar ao voltar a ser “apenas” empresário e não mais, ao mesmo tempo, presidente da ABLA? Nesses quatro anos, além de ter me realizado por conseguir entregar muito do que eu idealizava desde que me associei, em 1982, aconteceram fatos importantes na minha vida. Em 2014, eu me casei novamente e agora, em 2017, nasceu meu filho Arthur. Também nasceram meus dois primeiros netos durante esse período em que fui presidente da ABLA. Quero dizer com isso que esses quatro anos foram motivadores para mim e isso foi essencial para somar ao meu trabalho. Não é simples administrar uma associação de dimensão nacional, com associados em todo o Brasil, sedes em São Paulo e em Brasília, estando eu sediado no Espírito Santo. Meu negócio ficou um pouco prejudicado, mas o melhor de tudo isso foi que eu me cerquei de boas pessoas. Foram muitas realizações e fico feliz com a forma que tomou essa ótima etapa da minha vida.


19


Gestão

Projetos de Governança foram definidos

COM FOCO EM REDUÇÃO de custos e em resultados, a atual gestão da ABLA reuniu as ações necessárias do planejamento estratégico de sua governança em projetos com áreas de atuação bem definidas. A coordenação de cada área foi dividida entre os conselheiros gestores, com ações de curto e médio prazos, visando o me-

lhor atendimento dos associados. Paulo Nemer e Carlos César Rigolino Jr., respectivamente presidente e vice do Conselho Nacional, participaram, orientaram e supervisionaram todas as ações das diferentes áreas do planejamento da governança, que também contou com a organização da consultora Cecília Lodi. Relembre. 20


Gestão

COMUNICAÇÃO Sob a coordenação dos conselheiros Alberto Faria e Raimundo Teixeira (no mandato de 2014-2015) e de Marconi Dutra e Paulo Miguel Jr. (entre 20162017), envolveu a avaliação das tecnologias de comunicação como o SMS, linha 0800, e-mail marketing; aprimoramento do conteúdo (linha editorial) das publicações e apresentações impressas da ABLA, das redes sociais e do novo website; aperfeiçoamento dos contatos com a imprensa; e avaliação de produção de audiovisuais e de planos de mídia (investimentos em publicidade). EVENTOS Com foco em reduzir custos e aperfeiçoar conteúdos, com o conselheiro Saulo Fróes na coordenação, a área cuidou da presença da ABLA no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo – Salão ABLA; do novo modelo do Fórum Nacional; dos jantares empresariais de final de ano e da comemoração dos 40 anos da ABLA; nos lançamentos de cada nova edição do Anuário Brasileiro do Setor de Locação de Veículos; e das Convenções Nacionais da associação.

NOVOS PRODUTOS A área criada para reunir as demandas referentes a pesquisas (levantamento de números e de comportamentos do setor) assim como para avaliar e identificar iniciativas de segurança viária e mobilidade para apoio e/ou inclusão da ABLA. A coordenação ficou a cargo do conselheiro Nildo Pedrosa.

CAPACITAÇÃO Sob a coordenação de Emanuel Trigueiro (no mandato de 2014-2015) e de Carlos Faustino (entre 2016-2017), o trabalho da área resultou na criação da UNIABLA, a primeira universidade corporativa do setor de locação de veículos. O projeto envolveu buscar e estabelecer parcerias para viabilizar as ações de capacitação, o mapeamento de demandas de temas, a ampliação da adesão dos associados e organização dos materiais de cursos já realizados.

PROCESSOS INTERNOS Com o conselheiro Paulo Miguel Jr. (entre 2014 e 2015) e Célio Fonseca (2016-2017), teve a missão de definir os processos determinantes para o bom funcionamento da associação. O trabalho passou pela avaliação dos sistemas financeiro, cadastral, de telefonia, internet e a rotina dos escritórios da ABLA em São Paulo e Brasília, incluindo a adequação e o perfil dos funcionários e dos prestadores de serviços.

DIRETORIAS REGIONAIS E JUVENTUDE Com Adriano Donzelli (entre 2015-2016) e Flávio Nabhan (2016-2017), a área teve como objetivos desenvolver a ABLA Jovem, aperfeiçoar a estrutura de apoio ao trabalho dos diretores regionais, o mapeamento de suas funções e aproximar o elo entre diretores e conselheiros. Foi aperfeiçoada a avaliação dos diretores regionais, por meio de um novo Check-List para acompanhamento das ações em cada estado.

ESTATUTO SOCIAL Área responsável por cuidar do cumprimento do Estatuto Social, assim como de revisá-lo e, sempre que necessário, sugerir aperfeiçoamentos. Com a coordenação de Simone Pino, proporcionou a criação de um novo Código de Ética e de Conduta para a ABLA e também ajustes no Estatuto, aprovados pelos associados em assembleia e que permitiram a criação da inédita diretoria comercial da ABLA.

COMERCIAL Outra área de grande importância para os associados, responsável pelas parcerias de negócios que proporcionam condições comerciais diferenciadas para compras de veículos, financiamentos bancários, produtos e serviços para reduzir os custos e aumentar os lucros das locadoras. Sob a coordenação do conselheiro Marcelo Fernandes, a área avaliou os convênios, programas de fidelização de concessionárias, patrocínios, prospecção de novas oportunidades comerciais para os associados.

REPRESENTAÇÃO JURÍDICA Com a concessão do registro sindical à Fenaloc (veja na página 66) a área que envolve a defesa dos direitos legislativos do setor foi transferida para os cuidados da federação das locadoras, com apoio da ABLA para suas ações. A coordenação é de Paulo Gaba Jr., atual presidente da Fenaloc e conselheiro consultivo da ABLA. 21


Mãos no Associado

Prospecção de locadoras teve ação inédita

perc

93%

“Com a ação, entre as locadoras suspensas 16% retornaram imediatamente e/ou demonstraram interesse em voltar para a ABLA” “Expressivos 95% dos associados indicariam a ABLA para locadoras que ainda não fazem parte do quadro associativo”

vidá-los a retornar; e, por fim, telefonemas para a base de associados, no sentido de divulgar a percepção de valor e fidelização que a ABLA possui. Os resultados foram importantes para ajudar a manter e ampliar o número de locadoras no quadro associativo. Entre as locadoras que estavam suspensas, por exemplo, 16% retornaram imediatamente e/ou demonstraram interesse em voltar a fazer parte da ABLA. “Já na época do projeto piloto que fizemos, durante um mês, antes de implantar a ação em escala, identificamos que o prazo médio para filiação de novos associados gira em torno de dois meses, contando desde o primeiro contato até a finalização do processo de ingresso na ABLA”, diz Andréa Ozeki. Mariana França, também diretora da One by One, conta ainda que os associados foram, em geral, muito receptivos à ação e reagiram positivamente quando a empresa compartilhava os benefícios que eles possuem por serem associados da ABLA. “Observamos que as locadoras de pequeno e médio porte valorizam bastante a proximidade e o auxílio da associação”, complementa Mariana. “Isso sem dúvida gera uma percepção de valor que vai muito além dos descontos que existem na ABLA para a compra de veículos, produtos e serviços”.

A PROXIMIDADE COM os associados certamente pode ser considerada um dos principais diferenciais e uma das significativas conquistas da gestão da ABLA nos últimos quatro anos. Pela primeira vez na história, foi executada a ação de entrar em contato direto não apenas com praticamente 100% dos atuais associados, mas também com locadoras suspensas temporariamente do quadro e, até mesmo, com as empresas que um dia já fizeram parte da ABLA e que haviam deixado a associação. Para isso, o Conselho Gestor autorizou a área comercial a viabilizar a contratação de uma empresa especializada em gestão de relacionamentos, a One by One, que auxiliou a associação a “tocar nas mãos do associado”. Andréa Ozeki e Mariana França, diretoras da empresa, começaram pela geração de percepção de valor junto aos empresários que se associaram à ABLA recentemente, por meio de contato por telefone para mostrar os benefícios que estão à disposição das locadoras. A etapa seguinte envolveu os associados suspensos, contatados com o intuito de entender a situação atual, divulgar os benefícios e convidá-los a retornar. Além disso, houve aproximação direta também com os ex-associados (aqueles desligados nos últimos três anos), com o objetivo de con22


Mãos noouvidas Associado em cada região centual de locadiras recém-associadas

ABRANGÊNCIA NACIONAL percentual de locadoras recém-associadas ouvidas em cada região

85% 83%

93% 92% 23


Mãos no Associado Região Norte características dos associados

REGIÃO NORTE características dos associados  99% abrem os comunicados por e-mail enviados pela ABLA  64% acessam o Portal ABLA (www.abla.com.br)  43% têm conhecimento do 0800 ABLA telefone gratuito para associados de fora da Grande São Paulo. Região Centro-Oeste  50% conhecem o beneficío de acesso aos bancos de dados com informações comerciais e cadastrais para consultas de crédito. características dos associados  86% já utilizaram ou ouviram sobre os cursos de capacitação da ABLA.

em os comunicados por e-mail enviados pela ABLA

ssam o Portal ABLA (www.abla.com.br)

m conhecimento do 0800 ABLA telefone gratuito para associados de fora da Grande São Paulo.

REGIÃO CENTRO-OESTE

hecem o beneficío de acesso aos bancos de dados com informações comerciais e cadastrais para 93%consulabrem os comunicados por e-mail enviados pela ABLA édito.

64% acessam o Portal ABLA (www.abla.com.br) características dos associados

tilizaram ou ouviram sobre os cursos de capacitação da ABLA.

29% têm conhecimento do 0800 ABLA telefone gratuito para associados de fora da Grande São Paulo.

 93% abrem os comunicados por e-mail enviados pela ABLA 29% conhecem o beneficío de acesso aos bancos de dados com informações   64% acessam o comerciais PortaleABLA (www.abla.com.br) cadastrais para consultas de crédito.   já29% têm conhecimento do 0800 ABLA telefone gratuito para 50% utilizaram ou ouviram sobre os cursos de Região Nordestecapacitação da ABLA. associados de fora da Grande São Paulo. características dos associados  29% conhecem o beneficío de acesso aos bancos de dados com informações comerciais e cadastrais para consultas de crédito.  50% já utilizaram ou ouviram sobre os cursos de capacitação da ABLA.

REGIÃO NORDESTE

96% abrem os comunicados por e-mail enviados pela ABLA

características dos associados

91% acessam o Portal ABLA (www.abla.com.br)

30% têm conhecimento do 0800 ABLA telefone  96% abremdeos gratuito para associados foracomunicados da Grande São Paulo.

Região Sudeste características dos associados

por e-mail enviados pela ABLA  91% acessam o Portal ABLA (www.abla.com.br) 39% conhecem o beneficío de acesso aos  de 30% têm conhecimento bancos dados com informações comerciaisdo e 0800 ABLA telefone gratuito para cadastrais para consultas de crédito. associados de fora da Grande São Paulo. 70% já utilizaram ou ouviram sobre os cursos de  39% conhecem o beneficío de acesso aos bancos de dados com capacitação da ABLA. informações comerciais e cadastrais para consultas de crédito.  70% já utilizaram ou ouviram sobre os cursos de capacitação da ABLA.

REGIÃO SUDESTE

87% abrem os comunicados por e-mail enviados pela ABLA

características dos associados

60% acessam o Portal ABLA (www.abla.com.br)

20% têm conhecimento do 0800 ABLA telefone gratuito para associados de fora da Grande São Paulo.

 87% abrem os comunicados por e-mail enviados pela ABLA  60% acessam o Portal ABLA (www.abla.com.br) 25% conhecem o beneficío de acesso aos bancos de dados com informações e cadastrais 20% têm conhecimento do 0800 ABLA telefone gratuito para comerciais para consultas de crédito. associados de fora da Grande São Paulo. 53% já utilizaram ou ouviram sobre os cursos de capacitação da ABLA.  25% conhecem o beneficío de acesso aos bancos de dados com informações comerciais e cadastrais para consultas de crédito.  53% já utilizaram ou ouviram sobre os cursos de capacitação da ABLA.

24


Mãos no Associado

Região Sul características dos associados

REGIÃO SUL características dos associados

92% abrem os comunicados por e-mail enviados pela ABLA 66% acessam o Portal ABLA (www.abla.com.br)

 92% abrem os comunicados por e-mail enviados pela ABLA  66% acessam o Portal ABLA (www.abla.com.br) 25% conhecem o beneficío de acesso aos bancos de dados informações comerciais e cadastrais para do 0800 ABLA telefone gratuito para com  25% têm conhecimento consultas de crédito. associados de fora da Grande São Paulo. 50% já utilizaram ou ouviram sobre os cursos de capacitação da ABLA.  25% conhecem o beneficío de acesso aos bancos de dados com informações comerciais e cadastrais para consultas de crédito.  50% já utilizaram ou ouviram sobre os cursos de capacitação da ABLA. 25% têm conhecimento do 0800 ABLA telefone gratuito para associados de fora da Grande São Paulo.

92%

ASSOCIADOS QUE INDICARIAM A ABLA (EM%) 2% NÃO QUESTIONADO 2% NÃO INDICARIA

‘ANTÍDOTO’ PARA A CRISE

A AÇÃO DA ABLA, por meio da contratação da empresa One by One, se mostrou fundamental para a manutenção e até elevação do quadro associativo, principalmente porque foi realizada durante os mais difíceis anos de crise econômica do Brasil. Nos anos de 2015 e 2016, o país viveu uma de suas maiores recessões, que acabou trazendo consequências também para as locadoras. “Com esse trabalho de relacionamento que fizemos e tendo todo o respaldo e confiança do Conselho Gestor, mostramos para muitas empresas que voltar para a associação ou mesmo continuar fazendo parte da ABLA, as ajudaria a enfrentar a crise”, relembra Andréa Ozeki, diretora da One by One. Paralelamente, foi interessante e positivo notar que, entre os associados, uma altíssima porcentagem (95%) afirmou que indicaria a ABLA para as locadoras que ainda não fazem parte do quadro associativo. “Na época dos contatos, somente 2% responderam que não fariam esse tipo de indicação caso fossem consultados por outros empresários do setor”, acrescenta Mariana França, também diretora da One by One. Assim, diante dos impactos da economia (que obrigou boa parte das locadoras a reduzir suas frotas, por exemplo), a ação de

1% NÃO RESPONDEU

95% INDICARIA

“Com esse trabalho de relacionamento que fizemos e tendo todo o respaldo e confiança do Conselho Gestor, mostramos para muitas empresas que voltar para a associação ou mesmo continuar fazendo parte da ABLA, as ajudaria a enfrentar a crise” aproximação e contato direto realizada pela ABLA ganhou ainda mais importância. “Embora a gestão de relacionamento requeira acompanhamento constante, o timing escolhido pela ABLA para implantar a ação certamente foi um fator decisivo para o sucesso da iniciativa”, finaliza Andréa Ozeki.

25


Fórum

Novo formato do Fórum foi decisão arrojada ex-presidente do Banco Central, Gustavo Franco; e o médico Drauzio Varella, entre outros destaques daquela edição, com Anfavea, Fenabrave e Fenauto participando dos painéis temáticos. Nas mesas de negócios, 12 parceiros comerciais da ABLA investiram no evento de 2015, no novo formato inspirado no Auto Rental Summit, dos Estados Unidos. Dois anos depois, comprovando o acerto, o XIII Fórum já contava com 22 mesas de negócios no Holiday Inn Anhembi, quase o dobro de mesas em relação à edição anterior. Entre os palestrantes de destaque da edição de 2017 estiveram o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Paulo Skaf; o escritor e velejador Amyr Klink; e a empresária Luiza Trajano, presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza.

DURANTE A ATUAL GESTÃO, foram realizadas duas edições do Fórum Nacional do Setor de Locação de Veículos, com inovações bem-recebidas pelos associados e pelo mercado. A edição de 2017 estabeleceu, inclusive, um novo recorde com mais de 500 participantes em cada um dos dois dias de evento, entre associados e convidados dos parceiros comerciais. Antes, no XII Fórum, o Conselho Gestor aplicou as mudanças mais representativas em relação ao antigo modelo, que até então reunia o Fórum e o Salão do setor em um único evento. Foi na edição de 2015, no Estanplaza International Convention Center, que pela primeira vez o Fórum foi realizado em separado do Salão Nacional do setor (veja matéria na página 30). Em 2015, os associados puderam ouvir o 26


Fórum

2015 1

2

1 LUIZ MOAN, então presidente da Anfavea, na abertura do XII Fórum em 2015.

2 Ex-presidente do BC, GUSTAVO FRANCO alertava em 2015 sobre a crise econômica que viria a afetar também as locadoras.

3

4 27

3 ALARICO ASSUMPÇÃO JR., presidente da Fenabrave, durante o XII Fórum em 2015.

4 DRAUZIO VARELLA E CARLOS CÉSAR RIGOLINO JR. (ABLA): o renomado doutor fez a apresentação de encerramento do XII Fórum.


Fórum

2017 1

1 PAULO NEMER (ABLA) e LUIZA TRAJANO (Magazine Luiza), na palestra que a empresária fez no XIII Fórum, sobre sucesso nos negócios.

2 2 PAULO MIGUEL JÚNIOR (ABLA), ao centro: novo formato favoreceu participação de novos parceiros de negócios, como a Yamaha.

3

4 28

3 AMYR KLINK, no XIII Fórum: com emoção, o velejador deu exemplos de superação de desafios para os empresários da locação.

4 CARLOS CÉSAR RIGOLINO JR. (ABLA), PAULO SKAF (FIESP) E PAULO NEMER (ABLA), na abertura do XIII Fórum em 2017.


Fórum

Jorge Pontual, Paulo Nemer e Saulo Froes, da ABLA: “Patrocínios e vendas de mesas fizeram com que os eventos praticamente se pagassem”.

CUSTO-BENEFÍCIO MUITO POSITIVO A decisão de desmembrar o antigo modelo, quando o Fórum e o Salão do Setor eram realizados em um só evento, trouxe benefícios para a ABLA e para os associados. “Essa sugestão, que partiu do presidente Paulo Nemer e foi aprovada por unanimidade no Conselho Gestor, transformou o fórum em um evento extremamente econômico, tanto para os patrocinadores e apoiadores, como para a própria ABLA”, relembra Saulo Froes, conselheiro gestor e responsável pela área de eventos do planejamento de ações da ABLA. As empresas puderam divulgar suas marcas, produtos e serviços nas mesas de negócios, sem a necessidade de fazer grandes investimentos para a montagem de estandes. “Dessa forma, a área comercial ganhou um importante argumento de vendas”, acrescenta Jorge Pontual, diretor comercial da associação. “Em ambas as edições, os patrocínios e as mesas fizeram com que o evento praticamente se pagasse, inclusive com as inscrições totalmente gratuitas oferecidas a todos os associados”. n

“Novo formato transformou o fórum em um evento extremamente econômico”

29


Salão ABLA

Locadoras na maior vitrine da América Latina “Mudança de formato do Salão foi fundamental, inclusive para economia de recursos físicos e financeiros para associação” “ABLA aumentou a presença de empresários do setor de locação no Salão do Automóvel, com convites gratuitos para todos os associados”

NUMA AÇÃO OUSADA, a atual gestão da ABLA conseguiu fazer duas edições consecutivas do Salão Nacional do Setor de Locação Veículos dentro do maior evento da indústria automotiva da América Latina: o Salão Internacional do Automóvel de São Paulo. Em 2014, o presidente do Conselho Nacional da ABLA, Paulo Nemer, propôs diretamente ao então presidente da Reed Exhibitions Alcantara

Machado, Juan Pablo de Vera, uma parceria inédita e ótima para os associados da ABLA, assim como ótima também para o Salão Internacional do Automóvel. “Solicitamos ao presidente da Reed, que é a empresa organizadora daquele evento, a concessão de um espaço 100% gratuito para a ABLA montar um estande próprio no pavilhão”, relembra Nemer. 30


Salão ABLA

Estandes próprios da ABLA em 2014 e 2016: o início da parceria inédita com o Salão Internacional do Automóvel.

Com o estande, a ABLA conseguiu aumentar a presença de empresários do setor de locação no Salão do Automóvel, oferecendo convites gratuitos para a visitação de todos os associados. “Essa foi uma importante contrapartida para a Reed”, diz Nemer. “Como nosso setor é o maior cliente das montadoras, a presença maciça de empresários da locação foi muito bem vista exatamente pelos principais expositores do evento da Reed, que são as montadoras”. O resultado foi o acesso completo e gratuito dos associados da ABLA às novidades, tecnologias, funcionalidade e segurança do Salão Internacional do Automóvel, “como se estivessem dentro de um Salão organizado pela própria ABLA”, acrescenta Saulo Froes, conselheiro gestor responsável pela área de even-

Empresários do setor de locação foram recebidos nos estandes das principais montadoras.

tos do planejamento estratégico. “Essa mudança de formato do nosso salão foi fundamental, inclusive em termos de economia de recursos físicos e financeiros para associação”. Durante todo o Salão Internacional do Automóvel, tanto em 2014 como em 2016, o estande da ABLA se transformou 31

em uma central de informações para as locadoras, com conselheiros e diretores regionais se revezando durante todos os dias para receber associados da ABLA, dirigentes das montadoras e outros líderes dos demais fornecedores de produtos e serviços presentes no evento. n


Comercial

Montadoras e bancos ficaram mais próximos Marcelo Fernandes: “Demos o passo inicial para ajudar os associados com a captação de recursos e compra de veículos, ainda mais no período de crise”.

EM TEMPOS DE CRISE, como a verificada a partir do final de 2014, cresceu a importância dos empresários em ficarem atentos a todas as possibilidades que, além de diminuir os custos, também pudessem proporcionar liquidez no caixa. Nesse sentido, durante os últimos anos a área comercial da ABLA manteve relacionamento praticamente diário com montadoras, bancos e demais fornecedores de produtos e serviços para locadoras, com o compromisso de buscar para os associados os melhores preços e taxas para os financiamentos. “A essência do trabalho foi minimizar custos e ampliar a lucratividade das associadas”, sintetiza Marcelo Ribeiro Fernandes, conselheiro gestor e responsável pela área comercial do planejamento estratégico de ações. As negociações comerciais com fornecedores de itens essenciais para

o funcionamento das locadoras incluiu, além das montadoras e dos bancos, as parcerias com corretoras de seguros, fabricante de pneus, desenvolvedoras de softwares de gestão de frotas, empresas de rastreamento, de manutenção e de desmobilização de veículos, entre outras. Marcelo Fernandes lembra que principalmente as parcerias realizadas com montadoras e bancos foram extremamente intensas. “Para as locadoras associadas, a atuação comercial da ABLA representou uma ampliação do leque de possibilidades para captação e utilização de recursos financeiros”, avalia. Isso porque os descontos nos veículos e as taxas negociadas pela ABLA junto aos bancos normalmente já garantiam diferenciais em relação às “tabelas cheias”. Conforme Fernandes, as parcerias visaram assegurar exatamente um 32


Comercial

patamar inicial competitivo para todas as associadas. “A atuação da ABLA é sempre o passo inicial para as empresas que precisam captar recursos e comprar veículos, ainda mais no período de crise, quando o crédito esteve escasso e ainda hoje permanece assim”, avalia o conselheiro gestor.

para pagamento da 1ª Parcela, até o leasing tradicional e o com residual. Além disso, as instituições financeiras parceiras também foram importantes para financiar as necessidades de capital de giro, para alavancar possíveis novos negócios, para qualificar e ampliar o quadro de pessoal, para adaptar e blindar veículos, enfim, os financiamentos obtidos puderam ajudar as locadoras a aproveitarem mais as oportunidades.n

“Bancos se aproximaram da ABLA para o apoio ao financiamento das frotas das locadoras associadas”

ABLA DAY Ao longo dos últimos quatro anos, a ABLA buscou condições de financiamento customizadas, geralmente já com taxas mais baixas que as oferecidas normalmente pela maioria dos bancos. Os produtos que obtiveram taxas diferenciadas para associadas foram desde o CDC tradicional, passando pelo CDC com carência

A locadora frente a frente com o fornecedor do veículo. Para encurtar o caminho das associadas para a renovação ou aumento da frota, durante a atual gestão foi criado o ABLA DAY. Como a necessidade de comprar veículos é permanente para as associadas, a área comercial da associação passou a disponibilizar uma sala na sede da ABLA, em São Paulo, na qual vendedores – da montadora ou concessionária parceira – recebem as locadoras pessoalmente ou as atendem durante um dia inteiro por telefone, oferecendo condições de fato diferenciadas e especiais de preço, prazo e formas de pagamento para compra de veículos.

VISÃO COMERCIAL MODERNA

Não por coincidência, nesses quatro anos em que os empresários do setor de locação tiveram de continuar cumprindo o seu papel, gerando e mantendo empregos e, de alguma maneira, continuar a “fazer a roda girar”, os créditos disponibilizados para locadoras pelos bancos se tornaram ainda mais essenciais, assim como os descontos iniciais garantidos junto às montadoras. “Procuramos parcerias com montadoras e com bancos que demonstraram visão comercial mais moderna”, confirma Jorge Pontual, diretor comercial da ABLA. “Com o desconto inicial nos preços dos veículos e taxas de financiamento competitivas, somadas com a flexibilidade no desenho das operações, as negociações da ABLA permitiram uma melhor adequação das necessidades dos associados”. O trabalho desenvolvido pela área comercial da ABLA foi importante, indiretamente, para fomentar e auxiliar o escoamento da produção de veículos, pois durante o último quadriênio as locadoras seguiram como as principais compradoras dos modelos fabricados no Brasil.

MELHORES OFERTAS

Desde 2016, a ABLA passou a promover mensalmente junto aos associados somente as melhores ofertas em cada grupo de veículos. Para isso, a cada mês passou a recolher os preços efetivamente praticados (e não somente as porcentagens de descontos) oferecidos para as locadoras em cada um dos veículos de cada uma das marcas. Com todos os preços em mãos, a ABLA divulga aos associados somente o melhor preço de cada categoria, ou seja, o modelo mais barato dentro do grupo B (econômico com ar); o melhor preço do grupo F (sedan compacto); o mais barato do grupo L (picapes pequenas), do G (SUV com câmbio manual) e também do grupo Q (veículos executivos automáticos).

33


Negócios

Diretoria Comercial é novidade na ABLA Jorge Pontual: “Trabalhamos para estruturar soluções que proporcionassem mais oferta de produtos e serviços”

PELA PRIMEIRA VEZ na história da ABLA, foi durante a atual gestão que houve a contratação de um profissional exclusivo para cuidar de questões comerciais – principalmente parcerias para descontos em veículos, produtos e serviços aos associados, além da busca por patrocínios e anúncios em publicações da associação. Essa novidade ajudou a ABLA a se tornar o “braço comercial do setor”, com a chegada, em 2015, de Jorge Pontual como novo diretor comercial. “Desde o primeiro momento, trabalhamos para estruturar soluções que proporcionassem mais oferta de produtos e serviços e que, ao mesmo tempo, fizessem com que as locadoras pudessem ampliar suas receitas ou reduzir custos”, relembra Pontual. A criação do novo cargo partiu do princípio que havia e há espaço para crescer e gerar mais benefícios diretos para os parceiros de negócios e para as locadoras. A diversificação dos parceiros colaborou muito para esse objetivo, com Jorge Pontual,

“Parcerias geram descontos em veículos, produtos e serviços aos associados” que tem formação em Administração de Empresas e em Direito, com pós-graduação em Marketing e mestrado em Gestão Empresarial, também buscando aproximação com nichos de mercado que antes estavam distantes do setor de locação. Antes de vir para a ABLA, o diretor comercial teve experiência de mais de 20 anos como executivo de vendas no Brasil e na América Latina. Pontual prestou consultoria corporativa nas áreas de gestão de vendas, planejamento estratégico e comercial, liderança e gestão de pessoas, para empresas como Vivo, Nadir Figueiredo, Itaú, Grupo Votorantim, Santander e BR Foods. n 34


Entidades

MENSAGENS DOS PARCEIROS ANFAVEA: GRANDES OPORTUNIDADES “Assim como a indústria automobilística, o setor de locação também está passando por um momento de transição. Afinal, a transformação acelerada da sociedade vai alterar significativamente a maneira de pensar a mobilidade. Neste contexto, a economia compartilhada está abrindo um grande leque de oportunidades em que a locação de veículos pode mudar e ampliar sua atuação. Exatamente por este motivo, a sinergia entre Anfavea e ABLA torna-se cada vez mais forte. São setores intrinsicamente ligados e que se relacionam há 40 anos, desde a fundação da ABLA”.

Antonio Megale, presidente da Anfavea

— Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores

FENABRAVE: A FAVOR DA MOBILIDADE “Concessionárias e locadoras desempenham importante papel como provedoras de solução de mobilidade. Por esta razão, Fenabrave e ABLA mantêm relacionamento positivo, entendendo que suas atividades são complementares e importantes para a sociedade. Essa parceria se estende, também, nas oficinas das concessionárias autorizadas em todo o país, que efetuam a manutenção dos veículos das locadoras. Em nome de todo o Setor da Distribuição Automotiva, parabenizo a atual gestão da ABLA e, à nova diretoria, desejo sucesso para o futuro da associação”.

Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave — Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores

FENAUTO: PARCERIA DURADOURA “A ABLA é uma entidade que responde por um importante segmento da economia. Seu trabalho é muito respeitado e sua postura proporcionou um relacionamento conosco que já dura muitos anos. Os resultados obtidos pela gestão dos últimos quatro anos refletem as metas desejadas pela categoria e serão, com sucesso, preservados e continuados pela nova gestão. A Fenauto cumprimenta os profissionais que estão à frente dessa entidade, pelo trabalho desenvolvido, desejando sucesso nos novos desafios que deverão ser enfrentados pela nova diretoria”.

Ilídio dos Santos, presidente da Fenauto

— Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores

35


Eventos

36


Eventos

37


Comunicação

E-MAIL MARKETING GANHOU PRECISÃO

Informação bem recebida é útil para o lucro!

Desde meados de 2016, as locadoras associadas passaram a ter mais facilidade para o recebimento e para a identificação de todos os e-mails enviados pela ABLA – inclusive os comunicados com ofertas comerciais garantidas pelos parceiros para compras de veículos, produtos e serviços. A ABLA começou a enviar os e-mails exclusivamente para os titulares (sócios) de cada empresa associada. Esse novo procedimento ofereceu mais precisão, segurança e eficácia para a comunicação de informações que auxiliam a melhorar as receitas e reduzir os custos das empresas associadas. De imediato, o envio de e-mails diretamente para os sócios também evitou o risco de eventual sobrecarga nas caixas de entrada dos diversos contatos de cada locadora cadastrados no sistema da ABLA.

NESTES ÚLTIMOS QUATRO ANOS, a ABLA ampliou e aperfeiçoou muito o leque de instrumentos de comunicação para ouvir e falar com os associados. Por meio de telefones, e-mails, portal na internet e também via mensagens para os smartphones, a associação valorizou e pôs em prática o conceito de que “informação bem recebida é informação útil para os lucros das locadoras”.

38


Comunicação

TUDO NA TELA DO SMARTPHONE

Acompanhando as tendências de comunicação, que mostram o uso crescente das trocas de mensagens de texto por smartphones, a ABLA implantou o envio de SMS para todos os associados. A iniciativa estimulou e facilitou para as locadoras conferirem as informações sobre descontos em veículos, produtos e serviços oferecidos pelos parceiros comerciais, assim como datas de eventos e inscrições para cursos de capacitação, entre outras ações divulgadas por essa moderna ferramenta. Além disso, também visando evitar o risco de

eventual sobrecarga nas caixas de entrada dos diversos contatos das locadoras cadastrados no sistema da ABLA, a associação envia SMS somente para os celulares dos titulares (sócios). Para que tudo funcionasse da melhor forma, as locadoras que desejaram substituir o endereço de e-mail e/ou o número do celular do titular pelo de outros profissionais, puderam fazê-lo. E, aquelas que optaram por inserir, além dos titulares, outros profissionais para receberem os SMS, também puderam fazê-lo rapidamente.

FACILIDADE DE NAVEGAÇÃO NO NOVO PORTAL

 Esclarecimento de dúvidas;  Notícias do setor de locação e da indústria automobilística;

A atual gestão colocou no ar um novo portal da ABLA na internet (www.abla.com.br), 100% adequado ao que é feito de mais moderno e interativo em websites no Brasil e no exterior. Com a novidade, os associados passaram a contar com ainda mais facilidade e precisão para encontrar todas as informações que viessem a precisar, em rápidos e poucos cliques:

Importante! A visualização de todo o conteúdo também mudou. Com o novo portal, passou a ser possível navegar a partir de vários dispositivos diferentes, tais como computadores pessoais, notebooks, Tablets e smartphones, conforme a conveniência e preferência de cada associado. O resultado gerou mais rapidez no carregamento das informações, além da total segurança em ambiente web garantida às locadoras associadas.

 Condições comerciais diferenciadas para compra de produtos e serviços, inclusive veículos;  Atualização cadastral;  Emissão de segunda via de boletos;  Consultas de crédito;

‘0800 ABLA’ POSSIBILITOU LIGAÇÕES GRATUITAS A ABLA inovou em relação ao contato por telefone com os associados. Durante a atual gestão, criou o 0800 777 4200, um número fácil, gratuito e exclusivo para os associados solicitarem serviços, tirarem dúvidas e consultarem todos os benefícios que têm direito na associação. Desde o lançamento do inédito serviço, as ligações puderam ser feitas pelos associados de segunda a quinta-feira, entre as 9h e 18h e, nas sextas-feiras, entre 9h e 17h. O serviço atendeu chamadas de todas as regiões do Brasil, desde

que feitas exclusivamente a partir de telefones fixos (com exceção do DDD 11 – Grande São Paulo). Na prática, a novidade garantiu mais eficiência ao trabalho de atendimento e contribuiu para a comodidade das locadoras associadas, que desde então sequer precisam pagar tarifas de ligações interurbanas para fazer contato com a ABLA. Para as locadoras da Grande São Paulo e para as ligações feitas de todo o Brasil a partir de telefones celulares, a ABLA seguiu atendendo via seu PABX – (11) 5087-4100.

39


Estatísticas

Serpro deu aval às estatísticas do setor “Com aval do Denatran, Diário Oficial publicou documento autorizando o Serpro a fornecer números para a ABLA” mento que autorizou o Serpro a fornecer dados de frota para a ABLA”. Nildo Pedrosa, conselheiro gestor e responsável pela área de novos produtos do planejamento estratégico de ações, lembra também que em 2015 a atual gestão já havia dado o primeiro passo para contar com o aval e assinatura de uma empresa independente para as estatísticas do setor. “Naquele ano, tivemos a parceria da Lafis Informação de Valor”, relembra. “Foi uma experiência importante, que depois nos ajudou a caminhar para esse excelente acordo com o Serpro já no ano seguinte”. Ao longo de 52 anos de atividades, o Serpro virou referência desenvolvendo tecnologias usadas por órgãos do setor público brasileiro e, mais recentemente, também por agentes do setor privado. A sede fica em Brasília, com regionais e escritórios em mais 28 localidades.

EM 2016, a atual gestão da ABLA conseguiu acertar uma parceria importantíssima para avalizar os números e estatísticas do setor em relação à frota nacional das locadoras de automóveis. Por meio de permuta, ou seja, sem custos para associação, o Serpro (maior organização pública de tecnologia da informação do mundo) passou a ser o principal fornecedor dos dados publicados no Anuário Brasileiro do Setor de Locação de Veículos. Paulo Nemer, presidente do Conselho Nacional, lembra que o acordo foi firmado durante o Salão Internacional do Automóvel, no estande próprio da ABLA (veja mais na página 30), quando o Conselho Gestor recebeu os dirigentes do Serpro e iniciou as tratativas para viabilizar o acordo de cooperação técnica. “A partir daí, com aval do Denatran, obtivemos êxito inclusive com a publicação no Diário Oficial da União do docu40


Estatísticas

“DIVISOR DE ÁGUAS”

Na atual gestão da ABLA, as estatísticas divulgadas no Anuário Brasileiro do Setor de Locação de Veículos marcaram o início de uma nova série histórica sobre os números do setor. Com a chegada do Serpro, a publicação ganhou mais um respaldo como a melhor e mais confiável radiografia da atividade no Brasil, auxiliando as estratégias e propor-

cionando plataformas de informação consistentes aos associados. Como benefício, todas as edições do Anuário continuaram sendo distribuídas gratuitamente às locadoras que fazem parte do quadro associativo. Para baixar as três edições publicadas pela atual gestão, os associados podem acessar www.abla.com.br e ir até a seção “Publicações” do Portal ABLA.

ANUÁRIO GANHOU MAIS NÚMEROS

O trabalho de apuração de estatística começou pelas quantidades de locadoras enquadradas nas seguintes Classificações Nacionais de Atividades Econômicas (CNAE): 7711-0/00 (locação de veículos sem motorista) e 4923-0/02 (locação de veículos com motorista), com CNPJ ativo na Receita Federal e frota de pelo menos um veículo registrado em sua propriedade nos órgãos competentes de Trânsito. “O Serpro separou as locadoras com frota ativa superior a nove veículos, daquelas com frota ativa com frota inferior a essa quantidade”, diz Jorge Machado, gerente administrativo da ABLA. “Pela primeira vez, pudemos divulgar as estatísticas do setor com esse grau de detalhamento”.

Também pela primeira vez, a ABLA conseguiu publicar as estatísticas referentes à frota de veículos conforme a Unidade da Federação em que os carros foram emplacados. “Incluímos a inédita apresentação segmentada de caminhões, ônibus e motocicletas pertencentes às locadoras, o que não seria possível sem o apoio do Serpro”, acrescenta Machado. Outra novidade marcante foi a apresentação minuciosa da participação de cada montadora na frota do setor. Além da participação de cada uma nas compras feitas pelas locadoras, o Anuário passou a mostrar também a participação de cada uma na frota total das locadoras. n

41


Revista

Revista Locação foi 100% reformulada “Missão foi tornar a publicação muito mais voltada para os interesses diretos dos associados”

A ATUAL GESTÃO DA ABLA implantou uma reformulação completa na publicação bimestral da associação, que é distribuída gratuitamente a todo o quadro associativo. Conforme decisão do Conselho Gestor, a Revista Locação ganhou muito mais páginas, com conteúdo focado em prestação de serviços para as locadoras. A área de comunicação do planejamento de ações, coordenada por Alberto Faria e Raimundo Texeira, entre 2014 e 2015, e depois por Marconi Dutra e Paulo Miguel Jr., deu o aval para a troca de fornecedor de conteúdo e de diagramação. Alberto Faria lembra que a missão dada foi “tornar a revista muito mais voltada para os interesses diretos dos empresários e dos profissionais que trabalham nas locadoras associadas”. O fornecedor escolhido para executar essa iniciativa foi a Em Foco Comunicação, que implantou um novo projeto editorial e gráfico. A revista ficou mais adequada à dimensão da ABLA e do setor, registrando novidades, orientações e conquistas, além dos mais atuais temas que im-

pactam o aluguel de veículos no Brasil. “A intenção foi a de passar a divulgar tudo o que merece ser dividido entre os associados”, acrescenta Marconi Dutra. Paulo Miguel Jr. lembra que as mudanças também foram ao encontro do desejo da diretoria comercial da ABLA, na medida em que as edições saltaram de 36 páginas para 60 e depois para 68, “abrindo mais espaço também para patrocinadores e anunciantes”, relembra. O jornalista Olivo Pucci, que presta serviços de comunicação para a ABLA, acrescenta ainda que, “dentro da intenção de refletir cada vez mais os interesses dos associados, a publicação também passou a ser aberta para que os empresários e profissionais das locadoras enviassem suas sugestões, ideias, críticas e comentários”. A reformulação foi inaugurada na edição número 60, em maio de 2015. Desde então, com essa que você agora tem em mãos, já foram publicadas e distribuídas aos associados e parceiros de negócios 15 edições no novo formato. n 42


Fórum Jurídico

Fórum Jurídico teve quatro edições “Foram quatro encontros abordando as questões imediatas da área legal, sempre ligadas ao setor de locação”

A cada edição, cresceu o número de advogados e assessores jurídicos de locadoras presentes no fórum.

NO ÚLTIMO QUADRIÊNIO, as assessorias e o corpo jurídico que prestam serviços para as locadoras e para os SINDLOCS tiveram oportunidades anuais para se reunir e trocar experiências, em função da criação do novo Fórum Jurídico do Setor de Locação de Veículos. A iniciativa foi colocada em prática já a partir de 2014 (numa parceria entre a ABLA e a FENALOC) e teve sequencia nos três anos seguintes. No total, as quatro edições aconteceram em Brasília (DF), sempre no auditório do edifício da Confederação Nacional do Transporte (CNT), que também abriga as sedes da ABLA e da FENALOC na capital federal. A cada ano, no mês de agosto, o evento foi organizado com dois dias de trabalho e encerrado com um jantar de confraternização entre os participantes. “Foram quatro encontros técnicos desde 2014 até esse ano, abordando sob os diversos ângulos as questões imediatas da área legal, sempre ligadas ao setor de locação”, relembra o Dr. Adriano Castro, assessor jurídico da ABLA, da FENALOC e do SINDLOC/MG, especializado no setor de locação de veículos. Para aqueles que quiseram contribuir com a programação do evento, nos próprios formulários de inscrição já havia espaço para sugestões de temas que estavam, a cada ano, afetando o ambiente de negócios do setor. “O diagnóstico auxiliou na elaboração de políticas de atuação jurídica, além de

permitir priorizar os pontos de interesse a serem debatidos em cada momento”, acrescenta Castro. Conforme o advogado, que conduziu os trabalhos nas quatro edições, a ideia de reunir advogados com experiência no setor de locação, promovendo uma rica troca de informações entre eles, se mostrou muito positiva. “Tenho certeza que os resultados de cada encontro foram importantes e acabaram contribuindo para que os advogados pudessem aperfeiçoar suas atuações em busca de seguir garantindo os direitos da atividade de locação”, complementa Adriano Castro.

INSCRIÇÕES SEMPRE GRATUITAS Nas quatro edições realizadas pela atual gestão da ABLA, referentes ao Fórum Jurídico do Setor de Locação de Veículos, as vagas foram limitadas e os interessados em aproveitar essas oportunidades somente tiveram de arcar com os investimentos de viagem de seus participantes até Brasília (DF). Com isso, o resultado foi uma aproximação proveitosa e excelente custo-benefício aos profissionais jurídicos de diversas regiões do país, com vivências completamente diferentes. A ideia deu espaço para que esses advogados pudessem, a cada nova edição, compartilhar suas experiências individuais como profissionais do Direito na defesa das locadoras. n

43


Serviços

Consulta de crédito ficou mais barata e mais completa Célio Fonseca: “Conselho Gestor identificou que seria possível oferecer aos associados economia real de mais 50% nas consultas de crédito”

PARA REDUZIR O CUSTO das consultas de crédito feitas pelas locadoras associadas, a atual gestão da ABLA estruturou e obteve orçamentos junto a duas empresas fornecedoras desse serviço, com foco em novas e melhores condições para oferecer consultas muito mais completas, objetivas e personalizadas. Célio Fonseca, conselheiro gestor responsável pela área de Processos do planejamento estratégico da ABLA, relembra que, “atento aos custos e ao então muito difícil momento econômico do País, o Conselho Gestor se viu na obrigação de buscar alternativas e identificou que seria possível oferecer uma economia real de mais 50% nas consultas de crédito em relação aos valores cobrados pelo antigo fornecedor”.

“Locadoras associadas começaram a ter novas e melhores opções para suas consultas sobre disponibilização de crédito” Com preços e em condições comerciais únicas no mercado, devido à parceria firmada pela ABLA com a SPC Brasil/CDL, as locadoras associadas então começaram a acessar os bancos de dados – base nacional – do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC e Serasa). 44


Serviços

Jorge Machado: “Transição do antigo fornecedor para os dois novos foi feita sem qualquer interrupção das consultas dos associados”

Dessa forma – e levando em consideração que outro contrato de parceria da ABLA com a Boa Vista SCPC também passou a vigorar, as locadoras associadas começaram a ter novas opções para suas consultas, com os três bancos de dados existentes no Brasil à disposição. “Tratamos de garantir para as locadoras que fazem parte da ABLA o benefício de escolher o fornecedor que melhor conviesse às suas necessidades”, explica Célio Fonseca. A ABLA efetivou as melhores condições negociadas possíveis e, com isso, isentou as locadoras associadas do pagamento de mensalidade para fazer suas consultas de crédito. Obteve também a inclusão dos serviços de negativação e o benefício da cobrança ser feita somente em relação às consultas realizadas.

ATENDIMENTO SEM INTERRUPÇÕES

Com um custo significativamente mais baixo em comparação aos preços do antigo fornecedor, a contratação de novos fornecedores para esse serviço se deu após diversas tentativas, visando reduzir os custos praticados até então. Porém, a empresa que prestava esse serviço demonstrou rigidez e inflexibilidade para oferecer descontos em benefício dos associados e, ao contrário, inclusive sugeriu para a ABLA aumentar os valores das consultas para as locadoras que fazem parte do quadro associativo. Dessa forma, no início de 2016, a ABLA decidiu rescindir o então contrato de distribuição, obedecendo rigorosamente às condições contratuais da carência. “Importante notar que a associação não deixou as locadoras associadas, sequer por um dia, sem opção para consultas de crédito”, relembra Jorge Machado, gerente administrativo da ABLA que conduziu as negociações, conforme as definições do Conselho Gestor. Ao final do mês de janeiro de 2016 foram concluídos os últimos detalhes e escolhidos os novos fornecedores pelo Conselho Gestor, “de forma a garantir que a transição fosse feita no prazo correto, sem dificuldades operacionais e sem qualquer interrupção das consultas”, ressalta Jorge Machado. n

“Não há obrigação em comprar qualquer tipo de ‘pacote’, com número mínimo de consultas, para garantir os preços diferenciados” Isso significou a não obrigação das locadoras em comprar qualquer tipo de ‘pacote’, com número mínimo de consultas, para garantir os preços diferenciados. O resultado foi que o serviço de consultas para disponibilização de crédito, que é um dos mais importantes prestados pela ABLA para as locadoras associadas, ficou muito mais completo e também mais barato. Hoje, as empresas que fazem parte do quadro associativo são as únicas do setor com a possibilidade de acesso, com preço diferenciado, aos três bancos de dados disponíveis no Brasil para tais consultas. 45


Estatuto

Novo Código de Ética e Conduta Simone Pino, conselheira gestora da ABLA “O alinhamento de conduta e de práticas éticas é um grande benefício para as locadoras associadas”

DURANTE A ATUAL GESTÃO, foi criado e lançado mais um importante instrumento de apoio às locadoras associadas, proporcionado gratuitamente pela ABLA em benefício da livre iniciativa, da concorrência leal e do aperfeiçoamento das condições de trabalho no setor. Trata-se do novo código de ética e conduta da associação, que está disponibilizado para todas as locadoras associadas no Portal ABLA (www.abla.com.br). Simone Pino, conselheira responsável pela área de aperfeiçoamento dos Estatutos da ABLA, diz que se tornou imprescindível a atualização do antigo código de ética da associação. “Nesses últimos quatro anos, houve uma rápida mudança das condições econômicas, sociais, políticas e culturais da sociedade brasileira”, afirma. “A adequação do nosso código a esse novo momento do Brasil e do mundo se tornou essencial”. Para Simone, a atual gestão da ABLA se viu diante de um período de amplo reordenamento das organizações empresariais, inclusive no setor de locação de veículos, “e isso fez com que as normas de conduta ganhassem ainda mais relevância para as empresas e para o desenvolvimento sustentável do nosso setor”, acrescenta. O trabalho também atendeu a uma exigência do Estatuto Social, que estabelece a necessidade de existência de um Código de Conduta a ser observado e seguido por todas as locadoras associadas. “Os pilares de sustentação da ABLA

são exatamente os associados”, diz Simone. “Por isso o alinhamento de condutas e de práticas éticas foi um grande benefício para nortear e ser a referência para decisões que surgem no cotidiano das empresas”. As normas morais, éticas, comportamentais e técnicas são fatores diretamente ligados à reputação das locadoras de veículos. Nesse sentido, no novo código há orientações para o relacionamento das empresas com a própria ABLA, com o mercado, com fornecedores, imprensa e até com o governo. Para tornar o Código ainda mais completo, Simone Pino conta que foram incluídos itens sobre conflitos de interesses, registros contábeis, doações e aspectos para proteger as empresas da corrupção, entre outros. O novo Código foi implantado a partir de janeiro de 2017 e também está sendo apresentado a cada novo associado no momento da admissão. “Dessa forma, a empresa que estiver ingressando na ABLA pode assumir o compromisso de cumprir as diretrizes propostas já no momento de admissão”, complementa Simone Pino. As disposições também se aplicam a todos os integrantes do Conselho Nacional, Gestor, Fiscal e Consultivo da ABLA, assim como para as Diretorias Regionais, ABLA Jovem, fornecedores, funcionários e prestadores de serviços que mantenham relacionamento com a associação. n 46


Conselho Consultivo

José Zuquim Militerno: gestões entre 1998 e 2001.

Paulo Gaba Jr.: presidente entre 2010 e 2013.

José Adriano Donzelli: à frente da ABLA entre 2006 e 2009.

Ex-presidentes a serviço dos associados “Ex-presidentes do Conselho Nacional ganharam mais espaço para avaliar e defender interesses dos associados”

DIANTE DA EXPERIÊNCIA e do conhecimento dos ex-presidentes da ABLA, mantê-los exercendo funções executivas no Conselho Gestor significaria a possibilidade de deixar de aproveitar, da melhor maneira, as contribuições que podem oferecer em benefício da associação e do setor. A partir dessa constatação, no final de 2015 foi criado e aprovado o novo Conselho Consultivo de Ex-Presidentes da ABLA. Atualmente, já fazem parte do novo conselho os ex-presidentes José Adriano Donzelli, José Zuquim Militerno e Paulo Gaba Jr. Simone Pino, conselheira responsável pela área de aperfeiçoamento estatutário do planejamento estratégico, conta que os ex-presidentes do Conselho Nacional, após seus mandatos de presidentes concluídos, serão convidados a integrar o novo conselho. “É um órgão com funcionamento permanente, que funciona como um importante órgão auxiliar de consulta e aconselhamento para a ABLA”, explica. “Em ato contínuo a cada solenidade de posse do Conselho Nacional, o atual presidente formalizará convite ao ex-presidente imediatamente anterior para compor o conselho consultivo”.

Assim, os ex-presidentes ganharam mais espaço para avaliar e opinar sobre providências para a proteção dos interesses dos associados e, a partir disso, sugerir ações ao Conselho Gestor e ao Conselho Fiscal. O Conselho Consultivo também participa, com direito a voto, do conselho de ética da ABLA, dos eventos realizados pela associação e recebem as atas de reuniões do Conselho Gestor e do Conselho Fiscal. Entre os aspectos definidos para a composição do grupo há o limite de 70 anos de idade para encerramento do mandato. “Esse limite foi mantido como forma de garantir a renovação dos quadros”, acrescenta Simone Pino. “A função de membro permanente do conselho consultivo é indelegável e aceitar tomar parte é opção exclusiva a ser dada a todos os ex-presidentes do Conselho Nacional”. Com reuniões periódicas, no mínimo, a cada seis meses, o novo Conselho entrou em operação no primeiro dia de 2016, ad referendum até que seja avaliada e aprovada sua inclusão no Estatuto Social, em futura Assembleia Geral Extraordinária a ser convocada para alteração estatutária. n 47


Capacitação

Cursos de capacitação entraram no Estatuto Carlos Faustino: “Identificamos características importantes para formatar as qualificações oferecidas”.

A CAPACITAÇÃO DAS PESSOAS que trabalham nas locadoras associadas esteve entre as prioridades da atual gestão da ABLA, que em quatro anos levou cursos e qualificações para todas as regiões do Brasil. Em 2015, o Conselho Gestor propôs, e teve aprovada pelos associados em assembleia, a inclusão da capacitação como obrigação estatutária da ABLA. Os esforços nessa área foram concentrados e organizados sob o nome de UNIABLA – Universidade Corporativa do Setor de Veículos, com cursos de capacitação de forma perene. “No caso da educação corporativa, o ideal é a qualificação contínua, para que haja sempre profissionais preparados para atender demandas de um mercado cada vez mais competitivo”, diz Carlos Faustino, conselheiro gestor e responsável pela área de capacitação do planejamento de ações da ABLA.

“Conselho Gestor propôs e assembleia dos associados aprovou inclusão da capacitação no Estatuto Social da ABLA” A atual gestão contou com parceiros importantes nessa empreitada: CNT (Confederação Nacional do Transporte), SEST/SENAT (Serviço Social do Transporte/Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte) e FEPESE (Fundação de Estudos e Pesquisa Socioeconômicos). Todas possuem um histórico de atuação conjunta com a ABLA e reeditaram parcerias durante a atual gestão. 48


Capacitação

Segundo Faustino, a UNIABLA chegou com a experiência de milhares de horas/aula já realizadas nos anos anteriores, o que proporcionou aos organizadores do projeto um aprendizado bastante útil para a atualização dos conteúdos. “Nós identificamos características importantes para formatar as qualificações oferecidas”, conta ele. “Chegamos à conclusão, por exemplo, de que os cursos tinham originalmente uma duração excessiva, o que poderia provocar desistências, e passamos então para 40 horas regulares adotadas no âmbito atual do ensino a distância”, conta o conselheiro da ABLA. Apenas no modelo EAD (ensino a distância), existe um potencial para se formar mais de cinco mil pessoas por ano, de acordo com estimativas da ABLA e da FEPESE.

“ABLA reuniu instrutores do SEST/SENAT de todo o país para treinamento sobre as características da locação de veículos”

FEPESE deu aval ao projeto “Já havíamos realizado uma parceria em qualificação a distância com a ABLA muito exitosa e com grande aceitação”, lembra o superintendente da Fundação de Estudos e Pesquisas Sócio–Econômicos (FEPESE), Altair de Melo. Essa fundação foi escolhida pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), por licitação, para realizar toda a parte estrutural dos cursos voltados ao setor de locação de veículos. Altair explica a fundação é responsável por toda a tecnologia nos novos cursos à distância, “incluindo desenvolvimento, conteúdo e produção das aulas em vídeo”. Vale dizer que a FEPESE é uma fundação de direito privado, sem fins lucrativos e de utilidade pública, reconhecida por sua tradição e competência. A sede está no Campus Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis. “A fundação trabalha desde 2003 com educação a distância e vem se aprimorando ano após ano para atender a demandas que surgem, como o uso do smartphone no aprendizado”, acrescenta Altair de Melo. “Estamos sendo parte de uma história inovadora, pioneira no Brasil, e estamos muito honrados em fazer parte do projeto de capacitação da ABLA”.

SEST/SENAT hospeda os cursos O Serviço Social do Transporte e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SEST/SENAT) ficaram com a parte operacional, hospedando os cursos na plataforma EAD (ensino a distância) e também pelo acompanhamento dos participantes ao longo das atividades. Os custos do EAD são absorvidos pela Confederação Nacional do Transporte, que adotou o projeto da UNIABLA como parte de sua ampla política de qualificação profissional dedicada à área de transportes. Durante a atual gestão da ABLA, os instrutores do SEST/SENAT de todo o país (27 localidades) se reuniram em Brasília para realizarem treinamento com a ABLA sobre as características da locação de veículos. Eles puderam conhecer melhor o universo das locadoras, e muitos complementaram o aprendizado em empresas de aluguel de veículos em suas respectivas regiões. O encontro fez parte da preparação dos cursos da UNIABLA e foi essencial para a implantação do projeto da associação. n

49


Convenções

Em 2014, trabalhos voltados para a criação do novo planejamento estratégico de ações.

Conselheiros, diretores regionais e parceiros comerciais na VIII Convenção Nacional.

Integração com foco em resultados “Partimos do princípio de não abrir mão da economia de recursos, dos trabalhos técnicos e da integração”

ASSIM COMO É FEITO por todas as entidades de renome que promovem convenções, a ABLA também reuniu seus conselheiros e diretores regionais com a realização de uma convenção nacional a cada ano, entre 2014 até 2017. Nesses encontros, foram atualizadas as demandas e as respectivas ações para atendimento das necessidades dos associados, assim como para o desenvolvimento da própria ABLA. “Nas quatro convenções, partimos do princípio de que não po-

deríamos abrir mão da economia de recursos, de termos trabalhos técnicos com foco em resultados e de promovermos a integração”, relembra Paulo Nemer, presidente do Conselho Nacional. Os conselheiros e diretores regionais dedicaram grande parte de seu tempo ao setor e às locadoras associadas. Assim, criaram-se as bases para o relacionamento duradouro e, ao mesmo tempo, a valorização das melhores práticas de governança corporativa. 50


Convenções

Intercâmbio com a associação turca da locação de veículos fez parte dos trabalhos em 2015.

Grupo de participantes da IX Convenção Nacional, em 2015.

PRIMEIRO PASSO DO PLANEJAMENTO

INTERCÂMBIO COM OUTROS MERCADOS

Na VIII Convenção Nacional em 2014, divididos em cinco times de trabalho, conselheiros e diretores regionais trabalharam nos seguintes temas:

Na IX Convenção Nacional da ABLA, em 2015, os trabalhos foram focados em como a ABLA pode colaborar para a profissionalização e para a perenidade do setor, incluindo exemplos do mercado europeu. A agenda de trabalho debateu:

 Relação e convivência entre ABLA e SINDLOCS;  Demandas dos associados e dificuldades para atendê-las;  Parcerias comerciais – avaliação e sugestão de novos convênios;  Envolvimento da locação em segmentos atrelados à economia;  Como aproximar o setor da academia (universidades e faculdades);  O que fazer para a capacitação de colaboradores e de gestores;  Curso Preço Justo ABLA: as dificuldades de aplicabilidade;  Conquistas e boas práticas implantadas nos estados  Copa do Mundo e o mercado de locação durante o evento;  Anuário do Setor de Locação, Portal ABLA e Revista Locação;  Perfil do negócio: quais os novos nichos (além de terceirização, turismo de negócios e turismo de lazer);  Estatísticas do setor: projeto piloto, importância, viabilidade, recursos financeiros e conteúdo.

 Os modelos de organização e de profissionalização de associações e empresas europeias de locação;  Passos para garantir a continuidade das empresas de locação;  Como harmonizar educações e valores diferentes em locadoras;  Como superar conflitos que podem surgir entre os familiares;  Quais as bases e contrapartidas para a negociação entre as gerações;  Quais a funções de um Conselho Consultivo;  Qual a visão de futuro a respeito da locação de veículos;  Quais os cenários de risco que as locadoras terão;  Quais as oportunidades escondidas nestes cenários de risco?  As perspectivas econômicas e consequências para o setor;  Casos de empresas que desapareceram por praticar tarifas predatórias;  Quais medidas a serem tomadas no combate a essa prática. 51


Convenções

Em 2016, conselheiros e diretores regionais que participaram da X Convenção Nacional.

Em grupos de trabalho, foram apresentadas sugestões para maior integração entre empresários de todos os estados.

 Governança Corporativa: apresentação da consultora Cecília Lodi;  Pré-Convenção: conclusões sobre questões enviadas previamente a cada participante;  Visão ABLA 2020 e as 10 ações prioritárias para isso acontecer;  A chegada da nova geração do setor na ABLA;  Como colaborar com a relação entre ABLA e fornecedores locais para descontos em produtos e serviços aos associados;  Como participar para o sucesso dos cursos de capacitação;  O que fazer para viabilizar calendários regionais de reuniões e eventos;  O que fazer para estimular a presença das locadoras em eventos;  Quais as pesquisas e estatísticas necessárias para o setor?  O que fazer para integrar a ABLA Jovem e os Diretores Regionais  O que fazer para se comunicar melhor com as locadoras em cada estado.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NOS ESTADOS Na X Convenção Nacional, em 2016, o objetivo foi levantar meios, formas e ações práticas para a melhor inclusão dos diretores regionais na execução dos projetos do planejamento estratégico de ações da ABLA.

52


Convenções

Pela primeira vez, em 2017, foi utilizado o modelo de “World Café” para os trabalhos da Convenção.

Participantes da XI Convenção Nacional da ABLA, em 2017.

 Como incorporar avanços tecnológicos das montadoras nas locadoras;  As novas formas de compartilhamento de veículos;  O futuro dos carros híbridos, elétricos e autônomos;  Aplicativos que sinalizam mudanças de comportamento;  Aluguel de veículos direto entre pessoas físicas;  Como se darão as vendas de locação no futuro;  A exigência de tarifas muito reduzidas será ou não realidade;  Viabilidade para pequenas e médias locadoras nos canais online;  Proibição de veículos à combustão será ou não realidade no Brasil;  Limitação de circulação em centros urbanos e suas consequências;  Fusões e aquisições no futuro do setor;  O futuro dos fundos de investimentos nas locadoras;  Onde enxergar oportunidades para aumento do ticket médio.

PREPARADOS PARA DESAFIOS DO SETOR Em 2017, na XI Convenção Nacional, foi testado um modelo inédito de trabalho, de forma que conselheiros e diretores circularam entre diferentes mesas temáticas, conectando as ideias. Confira a programação:

53


Rent a Car

Seguro diário chegou com força

“Objetivo foi prover a regularização das coberturas nas locações diárias, conforme determinação da SUSEP”

A cobertura diária para o casco, por exemplo, contempla valores de prêmio e de franquia com base no preço de mercado do veículo alugado: carros de até R$ 60 mil têm um determinado valor para o prêmio e para a franquia, enquanto carros com preço superior têm outros valores. Conforme explica William, a contratação é simplificada e o faturamento é mensal para as locadoras. A cobertura diária para o casco e seus acessórios, nos casos de furto, roubo, incêndio e colisão, implica em indenização de 85% do valor de tabela FIPE do veículo alugado. Já na cobertura diária para terceiros, os limites são de R$ 100 mil para danos corporais, assim como de R$ 100 mil para danos materiais. Os danos morais são limitados a R$ 10 mil e os acidentes pessoais a R$ 5 mil por passageiro. n

O SEGURO DIÁRIO COMPREENSIVO, um produto importante para as empresas que atuam com o aluguel diário, foi apresentado ao setor de locação durante a atual gestão da ABLA, especificamente em setembro de 2017, no XIII Fórum do Setor de Locação de Veículos. O objetivo foi prover a regularização das coberturas de seguros nas locações diárias, conforme determinação do órgão que regulamenta o mercado de seguros (SUSEP). Inicialmente, a contratação desse novo seguro diário será disponibilizada exclusivamente aos associados da ABLA. Dessa forma, as locadoras poderão oferecer aos clientes as coberturas de risco para o veículo e a cobertura para terceiros, agora feitas por dia. Trata-se de um seguro completo, “com a opção de não serem contratadas todas as coberturas, caso essa seja a opção do cliente”, explica William Nemer, especialista no mercado segurador e diretor da corretora Fleet. “O diferencial é que o seguro diário é voltado exclusivamente para veículos de locadoras e, por isso, não há inclusão do perfil do condutor para efeito de cálculo dos prêmios e das franquias”. Por meio da integração segura entre sistemas (locadora x corretora x seguradora), a operação de contratação torna-se simplificada, pois o modelo adotado permite a contratação do seguro direto no balcão, no ato da venda da locação. “O cliente sai da locadora com apólice emitida e a sua baixa é automática após a devolução do carro alugado”, acrescenta William.

REDUÇÃO DE CUSTOS OPERACIONAIS No caso do seguro diário, é importante ressaltar a questão da redução de despesas operacionais. Atualmente, a locadora normalmente precisa manter um departamento de acompanhamento e pagamento de oficinas para a regulação dos sinistros próprios e de terceiros. Com a aquisição do seguro diário, a seguradora assume as despesas operacionais de regulação e pagamento dos sinistros, permitindo à locadora focar esforços em sua principal atividade de aluguel de veículos. 54


B3. INTEGRAMOS PARA POTENCIALIZAR. Empresa de infraestrutura de mercado de classe mundial, a B3 nasce para integrar o mercado e potencializar negócios. B3. Somos Brasil. Somos Bolsa. Somos Balcão. B3: o resultado da combinação entre a BM&FBOVESPA e a CETIP. Saiba mais em B3.COM.BR

55


Conselho Fiscal

Conselho Fiscal foi “braço direito” da gestão NESSES QUATRO ANOS da atual gestão, o Conselho Fiscal da ABLA teve papel importante para o controle e para os rumos da associação. O grupo analisou minunciosamente os processos, as finanças, os atos administrativos e também elaborou sugestões estratégicas para avaliação do Conselho Gestor. Formado por representantes de associados de diversas regiões do País, o colegiado foi mais um dos diferenciais da atual gestão da ABLA, trabalhando pela construção de uma entidade mais eficiente e respeitada. Com seis membros titulares e reuniões trimestrais ao longo do último quadriênio, esse conselho analisou todos os balancetes da ABLA, checando o cumprimento das prerrogativas legais e estatutárias, assim como o bom andamento dos contratos em vigor. O conselheiro Eduardo Correa da Silva explica que, com um grupo qualificado, foi possível sugerir estratégias para controle de custos e despesas, além da checagem legal dos documentos. “Nós também dedicamos grande atenção aos contratos, se estavam sendo cumpridos e se havia possibilidade de reduzir despesas de alguma forma”, relembra. “O objetivo também foi proporcionar melhorias nos processos de compra, pois tudo que é controlado e acompanhado de perto se torna eficaz e sólido”, acrescenta a conselheira Jaqueline Mello. O também conselheiro fiscal Ricardo Gondim Espírito Santo explica que inicialmente as reuniões do Conselho Fiscal serviram para decidir metas e as formas institucionais de fiscalização. “Iniciamos fazendo recomendações aos departamentos financeiro e administrativo da associação e, naquele momento, já conseguimos trabalhar

também em cooperação com o Conselho Gestor para propor procedimentos que colaboraram com a total transparência das práticas de gestão”. Já Marco Aurélio Nazaré detalha como o trabalho no Conselho Fiscal permitiu que seus 20 anos de experiência à frente de uma locadora pudessem ser usufruídos pela ABLA. “Poucas vezes tivemos a oportunidade de contar com um trabalho tão refinado e cheio de detalhes como o realizado pelo Conselho Fiscal”, avalia. “Há pouco tempo para realizar este trabalho em nossas próprias nossas empresas, mas aqui sentimos o reconhecimento e a gratidão por termos sido ‘guardiões’ das contribuições dos associados”, complementa o conselheiro Alberto Faria. n

AUDITORIA REFORÇOU TRANSPARÊNCIA O conselheiro Alvani Laurindo explica que todo investimento realizado durante os últimos quatro anos foi amplamente debatido pelo grupo. “Não só checamos se a montagem de um processo estava correta, mas também se os valores eram coerentes e justos, se havia sido possível negociar descontos e ainda se um serviço contratado poderia ser resolvido internamente”, lembra. Alvani acrescenta que a utilização de uma auditoria externa se mostrou uma ação de gestão de ponta, e não um gasto. “A importância do Conselho Fiscal se reforçou com a percepção externa que a auditoria conseguiu trazer, já que não é fácil para quem está no operacional da administração observar e realizar uma análise crítica de seu próprio trabalho”. 56


ABLA Jovem

Trabalho pela perenidade Integrantes da ABLA Jovem estão engajados em várias frentes de atuação

Foram escolhidos jovens determinados, bem intencionados, comprometidos e interessados em começar a trabalhar e a fazer mais pelo setor. “Gente disposta a doar seu tempo, seu esforços, conhecimentos e vontade em benefício do coletivo”, lembra Saulo Froes Jr., desde o início participante do comitê. O tema da renovação tem sido presente nas ações propostas pela ABLA Jovem, que tem participado da discussão de alguns dos assuntos que mais impactam o futuro da atividade de locação. Na edição de 2017 do Fórum Nacional do Setor, a ABLA Jovem promoveu um painel especial sobre startups de sucesso e, antes, no Fórum de 2015, trouxe o palestrante Gustavo Caetano para falar sobre inovação aos associados. A comissão também promoveu duas edições do evento “Cases de Sucesso”, também aberto a todos os associados, que se propôs a mostrar exemplos bem-sucedidos dentro do setor e que ajudem a apontar os novos caminhos para a locação. n

ENTRE OS PILARES das políticas voltadas para a perenidade do setor e da ABLA, o Conselho Gestor aprovou a criação do comitê ABLA Jovem, idealizado para apoiar os projetos de governança e principalmente para preparar novas lideranças setoriais. Os integrantes foram envolvidos, ao lado de “padrinhos” do Conselho Gestor, nas ações do planejamento estratégico da governança da ABLA. A ideia surgiu em fevereiro de 2015, em encontro do presidente Paulo Nemer com o conselheiro gestor Saulo Froes, o conselheiro fiscal Eduardo Correa, seu filho Bruno Mazzei e os diretores regionais do Espírito Santo e de Minas Gerais, respectivamente Márcio Gonçalves e Leonardo Soares.

“Projeto nasceu para aproximar os sucessores das locadoras associadas” Desses incentivadores nasceu o projeto de trazer para a ABLA os sucessores e as sucessoras das locadoras associadas, a partir da nítida visão do quão essencial também é preparar sucessores para que a associação se renove e perdure no futuro.

Atualmente, fazem parte da ABLA Jovem Cláudio Schincariol, Daniel Ribeiro Huss, Jaqueline Denadai, Maytê Rangel, Paulo Ricardo, Rafael Maciel, Rodrigo Reda e Saulo Froes Jr. 57


Regional

Diretores também próximos dos associados COM A CRIAÇÃO de um novo Check-List, a atual gestão da ABLA organizou e acompanhou mais de perto as ações dos diretores regionais no atendimento das demandas dos associados em cada estado do Brasil. Coube a esses diretores identificar locadoras que ainda não faziam parte do quadro associativo e trabalhar para associá-las, verificar e aprovar os processos de admissão, participar de reuniões e encontros com locadoras de suas regiões e dar apoio para os cursos da UNIABLA realizados em seus estados.

Além de tudo isso, os diretores regionais estiveram presentes nos eventos do setor, como os Fóruns Nacionais de 2015 e 2017, assim como trabalhando na recepção de associados e parceiros comerciais no estande da ABLA, nas edições de 2014 e 2016 do Salão ABLA – Salão Internacional do Automóvel de São Paulo. As atividades dos diretores em seus estados resultaram em maior aproximação da ABLA com os associados, conforme relatam, a seguir, os próprios diretores regionais. Confira. 58


Regional

“As mudanças nos últimos quatro anos trouxeram mais embasamento para exercermos a função de diretor. Nós tivemos mais contato com os associados, proporcionados pelos cursos da UNIABLA e ações comerciais como o ABLA Day, por exemplo. Ficou mais fácil se comunicar e passar para os associados os benefícios que a ABLA oferece. Os diretores regionais ganharam mais autonomia”. Otavio Meira Lins, de Sergipe.

“O papel do diretor regional ficou bem definido: precisamos estar perto do associado. A comunicação da ABLA nos ajudou bastante e, com a criação da UNIABLA, tivemos mais um canal fundamental para profissionalizar o setor. Um esforço constante foi feito aqui para a participação nos eventos locais junto ao Conselho de Turismo do Distrito Federal, aproximando o nosso setor das possibilidades que a capital do país oferece nesse segmento”. Nilson Oliveira, do Distrito Federal.

“A ABLA procurou aumentar o leque de parcerias e benefícios, a fim de atrair mais empresas ao quadro associativo. Aqui no Sul, procuramos divulgar os benefícios por meio do contato direto com os associados e a parceria com o Sindloc/RS propicia o corpo a corpo com esse público. Além dos eventos da ABLA, tivemos no sindicato eventos mensais, muitas vezes com parceiros da associação. A gestão atual foi muito boa e temos uma associação mais forte”. Rodrigo Selbach da Silva, do Rio Grande do Sul.

“As atribuições do diretor regional cresceram bastante em responsabilidade a cada ano, na medida em que também a ABLA está crescendo. Com capilaridade por todo o país, a nossa associação adotou a figura do diretor regional como o principal bastião avançado de todas as suas ações. Somos os interlocutores, pois estamos próximos dos anseios dos empreendedores do aluguel de carros, por todos os cantos da nação”. Celio Fonseca, de Roraima. 59


Regional

“A atual gestão valorizou o relacionamento, com uma comunicação muito mais eficiente, e acabou nos aproximando de nossos associados. Procuramos escutar as necessidades locais e muitas delas acabaram solucionadas com os cursos de qualificação e com novas parcerias comerciais. Foi com alegria e amor ao negócio que aqui em Santa Catarina nós dedicamos nosso tempo e trabalho para o desenvolvimento do setor.” Ricardo Zamuner, de Santa Catarina.

“Atualmente o diretor regional tem o seu papel bem definido, sendo também sua responsabilidade melhorar a atuação da ABLA junto ao associado. Nos últimos dois anos, nós conseguimos um feito importante, que foi o avanço e crescimento de associados no Norte do Brasil. Aqui, nós dobramos o número de associados em Rondônia”. Miguel Alves Ferreira Jr., de Rondônia e Acre.

“A ênfase na aproximação entre Conselho Gestor e Diretorias Regionais foi benéfica, pois assim foi possível direcionar as atividades e responsabilidades dos diretores. Acredito que entre os pontos altos da atuação regional estiveram o apoio aos cursos da UNIABLA e o trabalho de representação institucional do setor, que aqui realizamos perante o mercado e entidades da cadeia produtiva do turismo e dos transportes, em parceria com o Sindloc/MG”. Leonardo Soares, de Minas Gerais. “Nossa atuação foi marcada pela presença nos conselhos de Turismo, do estado e do município, de maneira constante, além do atendimento aos associados ABLA em nosso estado. Destaque ainda para o apoio e a participação do conselheiro padrinho da região, Nildo Pedrosa, sempre atento às demandas regionais da entidade.” João Regueira, de Pernambuco. 60


Regional

“Destaco a criação do Check-List, pelo qual nós passamos a registrar as atividades desenvolvidas, além de manter o Conselho Gestor informado a respeito das ideias, sugestões e dos retornos dos associados. A figura do conselheiro padrinho também foi muito importante, pois isso se transformou em mais um canal para suporte aos diretores. E os cursos oferecidos pela UNIABLA nos estados, que trouxeram os associados para perto dos diretores regionais, também viraram uma ótima oportunidade de networking”. Tercio Gritsch, do Paraná. “Ocupamos nosso espaço. Aqui no Tocantins, o lançamento do Anuário de 2016 foi um marco, quando reunimos empresários dos mais diversos setores, inclusive de várias revendedoras de veículos, os representantes classistas, imprensa e o próprio prefeito de Palmas. Oportunidades como essas foram importantes para ressaltar a importância de nosso setor para a economia do estado”. Cleide Brandão, do Tocantins. “Tivemos o total respaldo do Conselho Gestor para fazer a aproximação com os associados ABLA do Maranhão e também com novos empresários da área de locação de veículos aqui no estado. Um dos pontos altos foi a interação expansiva dos companheiros. Outro aspecto positivo foi a realização dos cursos gratuitos da UNIABLA, uma atividade que aprimorou os conhecimentos de quem atua no setor durante esses últimos quatro anos”. Romero Rosa, do Maranhão. “A chamada Nova ABLA foi essencial para o fortalecimento da associação. O ponto alto de nossa atuação foi o relacionamento. Aqui no Mato Grosso do Sul, incluímos a ABLA no resgate e reorganização do Convention Bureau, atuando como diretor vice-presidente e participante da elaboração do Plano Municipal de Turismo. E os cursos oferecidos pela UNIABLA, proporcionaram a maior aproximação do associado com a nossa entidade”. Marco Antonio Lemos, do Mato Grosso do Sul. 61


Regional

“O papel do diretor regional ganhou maior preponderância. A definição clara de tarefas e a cobrança sistemática fizeram com que o trabalho ficasse mais aparente. Acredito que, além dos eventos, os pontos altos foram os cursos ministrados nos estados, com o apoio fundamental dos diretores regionais. A qualificação teve uma receptividade enorme e ótimas avaliações, fazendo a diferença para os associados”. Marcio Gonçalves, do Espírito Santo.

“Foi um período de novidades benéficas, no qual estivemos mais em contato com os associados e atentos às suas necessidades. Os diretores regionais apresentaram mais respostas e soluções objetivas, até orientando e incentivando os gestores das locadoras e seus colaboradores a participarem mais dos eventos do setor e, principalmente, dos cursos promovidos pela UNIABLA”. João Bosco da Silva, do Rio Grande do Norte

“As ações definidas para as diretorias regionais vieram alavancar uma nova era de procedimentos, definidos com o objetivo de unir, reunir e juntar ainda mais o setor em cada estado. E isso foi e continua sendo benéfico. Os pontos altos de nossa atuação passaram pela defesa dos direitos do setor, junto a órgãos públicos e junto à iniciativa privada; e pela qualificação, confraternização e união dos associados da ABLA”. Rogéria Vianna Alencar, da Bahia

“Conseguimos ter um contato mais próximo com os associados. Agora, quem busca a ABLA para se associar já começa a fazê-lo indo além da busca de descontos para compra de veículos. A capacitação, com todos os cursos que a UNIABLA fez, foi outro destaque, assim como a comunicação entre a entidade e seus associados também melhorou, seja por e-mail ou telefone.” Bernard Teixeira, do Amazonas. 62


Ao Volante

Indústria Automotiva também se renovou EM 2014, primeiro ano da atual gestão da ABLA, a luta pela liderança no mercado geral de venda de veículos no Brasil foi acirrada, com o Fiat Palio à frente com menos de mil unidades a mais que o VW Gol. Foi nesse cenário que a Chevrolet lançou o Spin Activ. Já a Renault também aproveitou o momento para oferecer o Fluence com modernizações alinhadas com as que estavam sendo oferecidas no mercado europeu em 2014. O Fiat Uno, que figurou entre os cinco mais vendidos, apresentou sua versão 2015, que trouxe ao mercado brasileiro pela primeira vez o sistema start-stop, que desliga o motor em paradas rápidas para economizar combustível. Em 2015, a Ford anunciou que o EcoSport passaria por modificações estéticas e de motorização para reafirmar seu lugar de destaque no mercado de SUV, que ganhava força naquele ano. Entre as melhorias na motorização do EcoSport estiveram o novo motor de 1.6, câmbio automático de dupla frenagem e o aumento de 13 cavalos de potência no motor.

63


Ao Volante

“Utilitários, esportivos e a volta do VW Polo foram destaques em 2017 Ainda naquele ano, a Nissan se preparava para oferecer ao mercado o New March. Já a Honda, seguia importante com seu HR-V, seu líder de vendas. Foi no ano seguinte, em 2016, que o Brasil recebeu a primeira fábrica da Jaguar Land Rover, em Itatiaia (RJ). A unidade foi projetada para fabricar os dois modelos mais vendidos da marca no Brasil naquele momento: o Range Rover Evoque e o Discovery Sport. No mesmo ano, o Corolla da Toyota comemorou cinco décadas. Lançado em 1966 no Japão, o modelo sempre apresentava design inovador e recursos modernos, se tornando o carro mais vendido do mundo em 1997. Após 11 gerações, a Toyota lançou uma edição especial, comemorativa e limitada a oito mil unidades. Segmento muito aquecido nos últimos anos, o mercado de SUV seguiu com grandes novidades, como a edição limitada do Mercedes GLE, que conta com o Pacote Night. As rodas de liga 64


Ao Volante

leve, predominantemente pretas com a face diamantada, contêm aros de 21 polegadas e raios múltiplos. Agora, durante este ano de 2017, a Volkswagen apresentou a terceira geração do Polo no Brasil. Produzido em São Bernardo do Campo (SP), o hatch compacto chegou às lojas em novembro. E a Peugeot anunciou mais uma versão limitada do 208, o Urbantech, equipada com a caixa automática de seis velocidades, mais esportiva, com rodas de 17 polegadas. Já a Citroën entregou nas suas concessionárias o utilitário Jumpy. Graças à sua modularidade, o modelo permite levantar o assento lateral do passageiro contra a divisória e, assim, abrir espaço para transportar objetos de até 4 metros no assoalho plano. Enfim, época de muitos lançamentos e novidades, que fizeram do último quadriênio um período importante também para as principais montadoras. n 65


Fenaloc

Frentes jurídica e legislativa ganharam impulso “FENALOC ficou com a representação setor para assuntos jurídicos e legislativos, enquanto ABLA assumiu as missões comerciais e de capacitação” “Com frentes definidas para ABLA e FENALOC, aumentaram possibilidades do setor para atingir mais objetivos com eficácia, eficiência e rapidez”

FOI DURANTE a atual gestão da ABLA que o setor de locação de veículos conquistou uma das principais vitórias nos últimos anos no Brasil: a publicação, no Diário Oficial da União, em fevereiro de 2015, da concessão do registro sindical à FENALOC – Federação Nacional das Empresas Locadoras de Veículos Automotores. Com a conquista dessa carta federativa, o Conselho Gestor da ABLA pode direcionar as ações das áreas jurídica e legislativa diretamente para a FENALOC, dentro da sua filosofia de definição de responsabilidades para que todas as frentes do planejamento estratégico pudessem ser ainda melhor executadas. A FENALOC assumiu de fato e de direito o papel de representante legal do setor para todos os assuntos jurídicos e legislativos, para que a ABLA pudesse se concentrar, por exemplo, em suas missões comerciais e de capacitação para os empresários e profissionais. “Essa definição de frentes combinou o trabalho por condições comerciais apropriadas no âmbito de atuação da ABLA, com a defesa de um ambiente legislativo que preserve os direitos do setor sob os

cuidados da FENALOC”, explica Paulo Gaba Jr., presidente da federação e integrante do atual Conselho Consultivo da ABLA. A oficialização da FENALOC proporcionou à federação se concentrar nos esforços de combate às imprecisões jurídicas e legislativas e o apoio incondicional da Confederação Nacional do Transporte (CNT) só veio a reforçar essa tendência. “Ficou mais claro para o mercado, para as autoridades e para as próprias locadoras que, com essa definição clara de frentes de trabalho entre ABLA e FENALOC, o nosso setor ganhou um novo impulso para lutar pelos ajustes necessários à sobrevivência das empresas”, acrescenta Paulo Gaba Jr. “Não deixaremos de atuar em cada situação que aparecer ou que possa ferir os nossos direitos”. Em tempos de conectividade e economia compartilhada, o setor de aluguel de veículos precisou ser mais ágil do que jamais foi, com ABLA e FENALOC agindo em conjunto, mas cada uma com suas missões. “Assim aumentaram as possibilidades para atingirmos todos os nossos objetivos com ainda mais eficácia, eficiência e rapidez”, completa o presidente da FENALOC. 66


Fenaloc

A concessão da Carta Federativa à FENALOC (veja abaixo reprodução da publicação no Diário Oficial), em fevereiro de 2015, foi uma significativa e inédita ampliação da representatividade do setor de locação de veículos, que já possui cadeira no DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito), no Conselho Nacional do Turismo e em diversos outros órgãos de importância econômica e política. “Nossos imensos agradecimentos a todos os empresários que, durante anos, desde o lançamento da ideia da criação de uma federação para o setor, dedicaram seu tempo, seu conhecimento, seus esforços e sua experiência em benefício da criação da FENALOC”, relembra Paulo Gaba Jr., atual presidente da federação. Para todas as empresas locadoras do Brasil, parabéns por essa grande conquista, que certamente foi um dos fatos marcantes ocorridos durante a atual gestão da ABLA.

Nº 42,

quarta-feira, 4 de março de 2015

ISSN 1677-7042

pág.39

DESPACHO DO CHEFE Em 26 de fevereiro de 2015 O Chefe de Gabinete do Ministro de Estado do Trabalho e Emprego, no uso de suas atribuições legais, com fundamento na Portaria 186, publicada em 14 de abril de 2008; c/c artigos 50 e 51 da Portaria 326 de 11 de março de 2013 e na Nota Técnica 164/2015/CGRS/SRT/MTE, resolve ARQUIVAR as impugnações 46000.000052/2014-91, 46000.000070/2014-72, 46000.000071/2014-17, 46205.000156/201407, 46031.000018/2014-59, 46000.000091/2014-98, 46000.000092/2014-32, 46000.000104/2014-29, 46000.000150/2014-28, 46000.000170/2014-07 e 46000.000248/2014-85, nos termos do art. 10, inciso V, da Portaria 186/2008; e CONCEDER o registro sindical (RES) à FENALOC - Federação Nacional das Empresas Locadoras de Veículos Automotores, processo 46206.013953/2012-74 (SC13850), CNPJ 12.454.959/0001-86, para congregar os associados da categoria econômica das empresas locadoras de veículos automotores, com abrangência nacional. OBS: As entidades de grau superior coordenam o somatório das entidades a elas filiadas. Entidades Fundadoras e/ou Filiadas: 1) SINDLOC-PE - Sindicato das Empresas Locadoras de Veículos Automotores do Estado de Pernambuco, processo de pedido de registro sindical 46000.001607/2001-05, CNPJ 03.797.215/0001-73; 2) SINDLOC - Sindicato das Empresas Locadoras de Veículos Rodoviários do Estado do Pará, processo de pedido de registro sindical 46000.002456/97-20, CNPJ 34.690.784/0001-49; 3) SINDLOCMT - Sindicato das Empresas Locadoras de Veículos Automotores, Equipamentos e Bens Móveis do Estado de Mato Grosso, processo de pedido de registro sindical 35087.011985/91-63, CNPJ 36.910.313/0001-24; 4) SINDLOC-ES - Sindicato das Empresas Locadoras de Veículos Automotores do Estado do Espírito Santo, processo de pedido de registro sindical 46010.006301/97-34, CNPJ 39.616.628/0001-51; 5) SINEL - Sindicato das Empresas Locadoras de Veículos Automotores dos Estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo, processo de pedido de registro sindical 24000.006918/91-12, CNPJ 68.575.216/0001-19. ANDRÉ ROBERTO MENEGOTTO

67


Fim de Papo

Abrindo as portas do futuro Por Cecilia Lodi

mais uma vez o privilégio de auxiliar na organização de todas as ideias e apresentá-las ao novo Conselho. Foi neste momento que conheci, de fato, quem era Paulo Nemer. Nemer tinha um objetivo. Aproximar a associação de cada um de seus associados. Isto não era, para ele, apenas uma bandeira. Era a razão de seu mandato. Um princípio legítimo que, em muitas outras instituições como a ABLA, é frequentemente esquecido. Ele entendia que liderança era serviço e estava disposto a servir bem aos interesses do segmento. No seu mandato, ampliou os espaços para os associados se capacitarem, promoveu a aproximação com locadoras de todos os portes, deu voz às diversas regiões através de debates, muitas vezes acirrados, entre representantes tão diferentes.

TIVE O PRIVILÉGIO de trabalhar pela primeira vez com a ABLA em 2012. Ela estava começando a abrir as portas para uma nova fase quando decidiu iniciar um Programa de Capacitação para a Governança. Os Conselheiros queriam ampliar horizontes e se profissionalizar, trazer para dentro da associação as melhores práticas de gestão e representação de empresas. Uma responsabilidade e tanto. O Conselho, na época, levou a contento este desafio e se preparou para a tomada de decisão num ambiente nacional que entrava na tempestade. Com o término de uma gestão e o início de outra, a associação resolver dar um passo a mais. Durante a Convenção de 2014, um volume enorme de intenções estratégicas tinha sido levantado, e o presidente Paulo Nemer queria atender a estas importantes expectativas. Tive 68


Fim de Papo

Baseado em seu próprio exemplo, incentivou o serviço à associação. Cobrou intensamente o trabalho de todos os membros, alinhando-os a um Bem Comum. Nunca demonstrou cansaço a ninguém que pedia sua ajuda ou atenção. Diversas vezes o assisti, ao final de uma Convenção ou de um Fórum, exausto mas alerta a uma nova necessidade a ser atendida, a uma nova pessoa a ser ouvida, a um conselho ou orientação. Eu tinha sempre a certeza de que ele tinha dado o melhor de si. Outra característica que conheci em Paulo Nemer foi a franqueza. Novamente, uma qualidade nem sempre comum em ambiente representativo. A franqueza trouxe luz durante os momentos difíceis que o Brasil passava e que, de uma maneira ou de outra, respingava na associação e seus associados. Se Nemer não estava confortável com alguma coisa, se queria mais empenho dos colaboradores, se necessitava de maiores resultados, falava sobre isto de maneira direta, lembrando-nos sempre de nosso dever. Aproximou o Conselho Gestor das diversas Diretorias Regionais, de forma a melhorar o atendimento a todo o país. Ouviu e falou. Lembrou aos diretores o papel para que foram eleitos, e orientou procedimentos para dar mais apoio a eles na execução de suas missões. Esta era uma demanda antiga que ele buscou atender. A gestão de Paulo Nemer abriu oportunidades. Durante os últimos dois Fóruns, ele e os demais membros do Conselho Gestor aprimoraram as rodadas de negociação, e aproximaram associados e fornecedores do segmento, criando maior diálogo, sinergia e espaço para outras vantagens comerciais que não apenas a do preço dos veículos. Mesmo dentro da maior crise econômica das últimas décadas, o segmento teve a oportunidade de abrir novas frentes comerciais, como o ingresso na locação de luxo, de caminhões ou motocicletas. Estas novas ideias foram apresentadas e aprofundadas depois dos debates promovidos em convenções e nos dois fóruns. A gestão Nemer também reconheceu a necessidade de abrir o debate para a reinvenção do segmento, trazendo especialistas para discutir inovação e criando a ABLA Jovem. Com ela, a ABLA empossou o futuro. Criou as bases para a renovação, sabendo ser responsável por abrir espaço ao novo. Ao jovem. Ao transformador. Nemer sempre esteve próximo e orientou a ABLA Jovem para buscar soluções aos diversos impasses de sobrevivência num futuro automobilístico muito diferente do que se apresenta agora. Entendeu que sua geração provavelmente não seria capaz de se reinventar. Mas a busca de resposta sobre o amanhã não se limitou ao estímulo ao jovem. Em sua gestão, Nemer ampliou o programa de capacitação das

“Mesmo com a maior crise econômica das últimas décadas, o segmento teve a oportunidade de abrir novas frentes comerciais” “A gestão Nemer reconheceu a necessidade de abrir o debate para a reinvenção do segmento” locadoras, intensificando seu trabalho regional. Escolheu líderes capazes para esta execução, e deu espaço para que eles pudessem mostrar o melhor. Esta é outra qualidade de Paulo Nemer, ele dá espaço aos talentos. Dá voz àqueles que querem contribuir para o desenvolvimento da associação. Nestes últimos anos, assisti à maturidade de uma organização que poderia ter sucumbido pelo ingresso de novas formas de mobilidade. Mesmo com todas as dificuldades de enxergar as tendências que criarão o futuro, a ABLA está nadando bravamente para levar seus associados a um porto seguro. Em sua governança, em seu diálogo, no alinhamento de suas diferenças internas, na dedicação à sua razão de ser. Nestes últimos anos, acreditei que todo o Saber Coletivo, nas mãos de uma boa liderança, pode trazer bem-estar, desde que o propósito de servir esteja vivo. Ao final de cada missão dada a mim, saí mais energizada, pois sabia que estava participando de algo maior. De um propósito real. De um sonhar. Foram tempos para acreditar que existem pessoas que, voluntariamente, se dedicam a construir um mundo melhor para aqueles que os elegeram. n 69


Homenagem

Raimundo Nonato de Castro Teixeira Raimundo Teixeira: conselheiro fez parte da atual gestão e era responsável pela área de Comunicação da Governança Corporativa da ABLA

Além disso, Raimundo realizou uma intensa atividade associativa ligada a essa especialidade, sendo Diretor Regional da Associação Brasileira de Franchising (ABF) e membro do Conselho de Franchising da Associação Comercial de Minas Gerais. Ainda na área associativa, teve um longo histórico de colaboração com o setor de locação de veículos. No SINDLOC de Minas Gerais, por exemplo, exerceu os cargos de Presidente e de Diretor Financeiro. E, na ABLA, foi Diretor Regional, membro do Conselho Fiscal e integrante do Conselho Gestor, eleito na chapa que estará encerrando esse atual mandato em 31 de dezembro de 2017. Raimundo deixou esposa, Nancy Soares Teixeira, e três filhos: Maria Fernanda, Ana Luíza e João Marcelo. Os conselheiros e diretores da ABLA, amigos e amigas ainda hoje lembram com carinho e admiração a personalidade de Raimundo Teixeira, que sem dúvida foi uma das lideranças do setor no Brasil. Raimundo participou ativamente da atual gestão e, dessa forma, tem muitos méritos em relação a uma boa parte das conquistas da ABLA retratadas nessa edição. Fica aqui mais uma homenagem do setor de locação de veículos à sua brilhante carreira. n

O GRUPO DE EMPRESÁRIOS do setor que compôs a atual direção da ABLA, entre os anos de 2014 e 2017, sofreu uma perda muito significativa no Conselho Gestor, precisamente no dia 27 de maio de 2015. Naquela manhã, a ABLA perdia o conselheiro Raimundo Nonato de Castro Teixeira, um dos mais queridos integrantes do Conselho Gestor da ABLA e que estava, na época, como responsável pelos projetos de comunicação com os associados. Raimundo Teixeira vivia em Belo Horizonte (MG). Era engenheiro de formação, com especialização em engenharia econômica pela PUC mineira. Após atuar na construção civil, foi gerente de divisão do Centro de Assistência Gerencial de Minas Gerais (CEAG), instituição dedicada ao fomento da pequena e média empresa. Ele ingressou no setor de locação como diretor de franchising de rede, antes de abrir sua própria empresa, em sociedade com outros empreendedores. Franchising, aliás, era uma de suas especialidades. Durante 13 anos, foi professor da cadeira dessa matéria no curso de pós-graduação em Marketing da Fundação Mineira de Educação e Cultura (FUMEC), também em Belo Horizonte. 70


71


72

Revista Locação Ed. 75  
Revista Locação Ed. 75  
Advertisement