Issuu on Google+

4

FIQUE POR DENTRO

Por Ednalva Coêlho

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: VOCÊ SABE O QUE FAZER?

Violência é todo ato praticado contra a vontade, a liberdade de alguém, através da opressão, da intimidação, do medo ou terror. Um assunto que muitas vezes é deixado de lado é a violência contra a mulher. As raízes dessa violência estão na situação de desigualdade e opressão das mulheres, e as mudanças nessas relações sociais não dependem apenas das criações de leis, como a Lei Maria da Penha, mas, sobretudo, da mudança de mentalidade e de comportamento da nossa sociedade, que sempre dá vez aos homens. A mulher sempre foi tida como auxiliar do homem, e por isso, sempre foi colocada em segundo lugar. Daí para a aceitação da violência contra as mulheres, tudo é justificado. Muitas vezes até nos indignamos ao saber que o marido bate na mulher, mas nada é feito, afinal “Não é da nossa conta!” Mas é aí que deve entrar a nossa consciência. Denunciar a violência contra a mulher também é um ato cristão. É preciso trabalhar a educação e a conscientização da sociedade para que se comprometa com a construção de relações igualitárias entre homens e mulheres, onde o respeito possa prevalecer. Se temos conhecimento de alguma mulher da nossa família ou uma parenta ou amiga que sofre violência do esposo ou companheiro, devemos denunciar, pois só assim poremos um fim a esse mal vergonhoso. Existem vários tipos de armas utilizadas

na violência contra a mulher, como: a lesão corporal que é a agressão física com socos, pontapés, chutes, bofetões; o estupro ou violência sexual, feita por ameaça ou meio de força física; a ameaça de morte, etc. Mas nem todos os tipos de violência deixam marcas físicas. As ofensas verbais e morais causam dores diferentes, mas não menos humilhantes. A tortura, o abandono, são também violências difíceis de superar. Mas a situação está mudando, e para melhor. Agora, as mulheres ou seus parentes não precisam mais ter medo de se esconder. A Lei nº 11.340 de 07 de agosto de 2006 torna mais rigorosa a pena contra quem agride mulheres. Propõe medidas preventivas, assistenciais, punitivas, educativas e de proteção à mulher e aos seus filhos. Essa lei foi chamada Maria da Penha, nome de uma farmacêutica de Brasília que sofria agressões do marido, que por duas vezes tentou assassiná-la, deixando-a paralítica. A Lei Maria da Penha garante a adoção de mecanismos de proteção física e moral que colocam a mulher a salvo do agressor. Por isso, devemos denunciar sem medo, pois essa lei, entre outras ações: • Aumenta de um para três anos de detenção a pena máxima para agressões; • Permite a prisão em flagrante do agressor; • A pena pode ser aumentada em um terço se o crime for contra mulher portadora de deficiência; Se você presenciar algum tipo de violência contra a mulher, ajude, oriente-a a procurar a delegacia. Lá o delegado ou policial fará um Boletim de Ocorrência e o agressor será preso em flagrante. Se for necessário, a mulher agredida poderá receber proteção especial da justiça. O importante é não se calar. Vamos, juntos, por um fim a esse mal.

SANTO DO MÊS Por Rosinilde Tavares

31 de Maio - Visitação de Nossa Senhora

31 de maio sempre é tido como o dia da Coroação de Nossa Senhora. Nos mais simples vilarejos e nas mais deslumbrantes catedrais essa tradição acontece em todo o mundo católico. Mas neste dia a Igreja celebra a Visitação de Nossa Senhora a sua prima Isabel. É uma festa da Igreja em que nos alegramos com a presença de Maria na vida dos cristãos católicos como a Mãe de Jesus Nosso Senhor e nossa Mãe: "Como posso merecer que me venha visitar a mãe do meu Senhor?" (Lc 1, 43). Que data tão bela para celebrarmos aquela que visita os seus. A Virgem Maria, ao saber pela boca do anjo Gabriel que Isabel, já idosa, estava grávida, não mediu esforços e foi ao seu encontro, ficando lá e auxiliando Santa Isabel nos últimos dias de sua gravidez. Nós sabemos que Maria Santíssima nunca foi causa de afastamento da Pessoa de Jesus com relação aos filhos da Igreja, pois dizem os santos marianos, que assim como o Cristo só sabe levar os homens para o Pai, também Maria somente sabe levá-los para Jesus. Sua visita a Isabel é sinal de que nós também devemos ajudar os que necessitam de auxílio. Por isso proclamamos: "Tu és

bendita entre todas as mulheres; bendito é o fruto do teu ventre!" (Lc 1, 42). "Assim como o ar é sinal de vida no corpo, também ter Maria na alma é sinal de vida espiritual", ensina-nos São Luís Maria de Montfort. Isto nós reconhecemos como verdade, porque a própria festa de hoje levanos a contemplar a ação do Espírito Santo na vida da prima Isabel, e de São João Batista, que ficaram cheios do Espírito Santo diante de Nossa Senhora. A Virgem Maria se mostrou sempre peregrina, tanto assim que para ir de Nazaré até a casa de Isabel percorreu, com Jesus ainda no ventre, cerca de 100 Km. Resultado visível da visitação foi o conhecido Magnificat, rezado por Maria, em que demonstrou quem é o Autor da devoção das multidões para com Ela: “Minha alma exulta o Senhor e meu espírito se encheu de júbilo por causa de Deus, meu Salvador, porque Ele pôs os olhos sobre a sua humilde serva. Sim, doravante todas as gerações me proclamarão bem-aventurada." Nossa Senhora da Visitação, Bem-aventurada, coroada como nossa Mãe e Rainha, rogai por nós!

Boletim informativo da Igreja de Nossa Senhora da Piedade do Espírito Santo

ANO I – N° 05 ESPÍRITO SANTO/RN, DEZEMBRO DE 2008

É ASSIM TODO MÊS DE MAIO: SAUDADES! Por Marcelo Santos

Quando vai chegando o mês de maio, o coração da gente se prepara para sentir saudades. Não se sabe como isso ocorre, nem o motivo. Mas deve ser pelo vento frio, pelas noites claras, ou os dias de céu azul brilhante... Talvez pelo cheiro das rosas da coroação, quem sabe pelo cheiro do incenso nas bênçãos do Santíssimo, pela invocação constante de Maria que neste mês adquire especial sentido. Tradicionalmente o mês de maio é considerado o mês de Maria. Esse costume vem da Europa, pois neste continente maio é mês da primavera e com ela vêm as flores com sua beleza. Tudo colorido, alegre, lembrando Maria. É como se a natureza homenageasse a Mãe do Senhor. É um mês feminino, pois também homenageia as mães e as noivas. O culto de Maio fixou-se mais na alma do povo, devido à veneração medieval da rainha de maio, pois na origem do nome, MAIO vem de MAIA, deusa greco-romana da fecundidade e da proteção da energia vital, representante da virgindade e da fertilidade das mulheres. Após o frio inverno, as pessoas, na chegada da primavera, vestiam roupas claras e flutuantes, e saiam dançando em campos verdejantes ao som das flautas. Usavam flores nos cabelos, nos pulsos, na cintura. Florália era o nome desse festival das flores. Os antigos festejos de primavera celebravam não só o regresso do calor, mas eram um louvor que se fazia para garantir boas colheitas. A piedade cristã católica fomentou a dedicação do mês de maio ao louvor de Nossa Senhora. O registro mais antigo desta prática remonta ao princípio do século XVIII, devido ao empenho e devoção do Pe. Ansaloni, S.J (1641-1713). Relatam os seus biógrafos que, nos anos últimos de sua vida, ele ia todas as tardes de maio à Igreja de Santa Clara, em Nápoles, Itália, para conduzir cantos em louvor à Virgem e dar a benção do Santíssimo Sacramento. Hoje qualquer cristão sabe qual é o mês de Maria, mesmo que, nos livros litúrgicos não exista tal designação. Quanto a origem do Rosário, que é rezado nas noites de louvor a Maria nas igrejas e casas, deve-se saber: Chama-se terço (5 dezenas) porque é a terça parte do rosário (15 dezenas). O rosário teve suas origens na Irlanda, no século IX. Naquela época, os 150 salmos de Davi eram uma das formas mais usadas de oração entre os monges. Os leigos, não sabendo ler, contentavamse em ouvir a recitação dos Salmos. Por volta do ano 800, começou a surgir o costume, entre os leigos, de recitarem 150 “Pai-nossos” (texto bíblico). No início os devotos usavam uma bolsa de couro com 150 pedrinhas para CATEQUESE - O SACRAMENTO DA CRISMA: COM ELE CONFIRMAMOS A NOSSA FÉ RECEBIDA NO BATISMO. Pág. 2

contar as vezes que repetiam a oração. Mais tarde começou a ser usado um cordão com 50 pedacinhos de madeira. É a origem do instrumento que chamamos de terço. Durante o Sec. XIII apareceu o costume de se recitar 150 louvores a Maria (breves pensamentos lembrando as virtudes e glórias de Nossa Senhora). Neste período apareceu a palavra rosarium que significa buquê de rosas. Por volta de 1365, Henrique Kalkar agrupou as 150 saudações angélicas em dezenas, intercalando um PaiNosso em cada grupo de 10 Ave-Marias. Os dominicanos foram os grandes propagadores desta forma simples de oração. A cada uma das 150 Ave-Marias correspondia um pensamento bíblico. Ao celebrar 24 anos de pontificado, no dia 16/10/2002, o Papa João Paulo II assinou a carta apostólica Rosarium Virginis Mariae em que acrescenta ao rosário os cinco Mistérios da Luz, inspirados na vida pública de Jesus. O terço nos coloca diante da Santíssima Trindade e de Maria, e é também uma oração inspirada na Bíblia, como podemos observar: reza-se 5 vezes o Pai-Nosso (ensinado por Jesus) e 50 vezes a Ave-Maria (que contém a saudação do anjo Gabriel e de Santa Izabel a Maria Santíssima). A oração central do terço é Jesus. Não se trata de repetição mecânica de palavras. O grande segredo do terço está na meditação dos mistérios de nossa redenção, vividos por Jesus e Maria. Os grandes Santos rezavam o terço. O Papa reza. A Igreja recomenda a todos. A Bíblia não se opõe em aspecto nenhum com relação ao terço, aliás, rezar o terço é ler a Bíblia, pois ele está escrito lá. Outrora, nos falava o saudoso Papa Paulo VI que: "No mês de Maio, consagrado a Maria Santíssima pela piedade dos fiéis, o Foto:e Cedida nosso espírito exulta ao pensar no espetáculo comovente de fé de amor que é oferecido em todas as partes da terra em honra da Rainha do céu. Na verdade, é um mês em que, nos templos e entre as paredes domésticas, sobe dos corações dos cristãos até Maria a homenagem mais ardente e afetuosa da prece e da veneração. E é também o mês em que mais copiosos e mais abundantes descem até nós, do seu trono, os dons da misericórdia divina". Também em Espírito Santo o mês de maio enche de hinos, anjos, flores e louvores à Virgem Maria a vida dos cristãos. Este antigo costume dos nossos antepassados deve ser preservado, pois demonstra o amor com que celebramos a memória da Mãe de Jesus. Confiantes em sua intercessão elevemos a ela nossos louvores, pois certamente, como diz aquele antigo hino mariano, Nossa Senhora: Ouve estes hinos que na terra ecoam e que ressoam na mansão feliz! Nossa Senhora da Piedade, rogai por nós.Amém. FIQUE POR DENTRO - A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: COMO COMBATER ESSE MAL? Pág. 3


2

3

CATEQUESE

IGREJA EM ATUALIDADE

Por Assis Lima

O SACRAMENTO DA CRISMA – CONFIRMAÇÃO DA FÉ Juntamente com o Batismo e a Eucaristia, o sacramento da Crisma ou Confirmação constitui o conjunto dos Sacramentos da iniciação cristã . Nós cristãos devemos saber que este sacramento é necessário para a consumação da graça batismal. Pelo sacramento da Crisma "os fiéis" são unidos mais perfeitamente à Igreja, enriquecidos da força do Espírito Santo, e assim se tornam verdadeiras testemunhas de Cristo. Durante a primeira vinda de Cristo à Terra, Ele prometeu aos seus apóstolos o Paráclito (advogado, defensor). Jesus também promete o Espírito Santo para nós, e Ele nos é concedido através do Sacramento da Confirmação, como também é chamado este Sacramento, pois através dele confirmamos o nosso Batismo que recebemos, na maioria das vezes, quando criança. Confirmar o Batismo é muito importante, pois quando criança, não temos a consciência do Sacramento. Já na Crisma, não são os nossos parentes que escolhem se queremos ou não receber a Crisma, mas sim nós mesmos. A Igreja ensina que este Sacramento deve ser buscado a partir dos 14 anos, pois é a idade em que começa o amadurecimento da pessoa, e ela já pode, conscientemente, escolher se realmente deseja assumir a fé que recebeu no Batismo. Tendo o jovem esta liberdade, ele escolhe livremente ser cristão e servir à Igreja de Jesus Cristo. Para isso, no sacramento da Crisma recebemos os 7 dons do Espírito Santo: Sabedoria, Entendimento, Conselho, Fortaleza, Piedade, Ciência e Temor de Deus. Eles são dons que nos aproximam de nossa vocação: a Santidade. Quando recebemos o Espírito Santo e nos abrimos inteiramente à graça sacramental, não agimos em nós, mas sim o próprio Deus nos usa de instrumento e age em nós. Por isso o crismado é uma pessoa com grandes responsabilidades. Veja: No Batismo recebemos o Espírito Santo e nos transformamos de criaturas de Deus para Filhos de Deus. Já na Crisma dizemos com consciência: Quero ser Filho de Deus e assumir a minha missão de evangelizar, de tornar este mundo um lugar melhor, como Jesus ensinou, com mais amor, paz e justiça social. É, pois, um Sacramento de compromisso com Jesus e de comprometimento com o Seu Reino. O mesmo Espírito Santo que os apóstolos receberam no dia de Pentecostes é o que recebemos no Sacramento da Crisma, por isso a autoridade que eles tinham ao anunciar a Palavra de Deus é a mesma que possuímos. O dia em que nos crismamos é sem dúvida o dia de nosso Pentecostes, quando o Espírito Santo nos é enviado para nos transformar e santificar. As transformações do Espírito Santo são nitidamente vistas na Bíblia. Observe: Vamos dar o exemplo do apóstolo Pedro. Antes do dia de Pentecostes era um pescador de pouca instrução, medroso, incrédulo e infiel. No cenáculo, ao receber o Espírito Santo que desceu sobre os apóstolos e Maria, ele realizou um discurso que prova o poder do Espírito Santo (At 2, 14-41). Foi a partir daí que a Igreja nasceu e se firmou. Vejamos: se somos também Igreja, é através do Sacramento da Crisma que firmamos em nós o "tijolo" eclesial que somos. A matéria do Sacramento da Crisma é o Santo Crisma, o óleo da oliveira (azeite), misturado com um bálsamo perfumado e abençoado solenemente pelo Bispo na quinta-feira Santa em todas as catedrais. Essa matéria é usada pelo Bispo na cerimônia da Crisma, junto com a imposição das mãos sobre a cabeça do crismando, quando o Bispo traça o Sinal da Cruz com o Santo Crisma na fronte do crismando, dizendo: “Recebe por este sinal o Espírito Santo, o dom de Deus”.

Por Maria Luiza

Com a Crisma recebemos o aumento da graça santificante. Recebemos de modo novo e especial o Divino Espírito Santo, com seus sete dons sagrados. Este sacramento imprime em nós o caráter de Soldados de Cristo. A crisma, como o Batismo e a Ordem, imprimem caráter, ou seja, marcam de modo indelével (que nunca se apaga) a nossa alma, de modo que nunca mais perdemos a marca de crismados. Por essa razão não podemos receber a Crisma mais de uma vez, como também o Batismo e a Ordem. Embora o Sacramento da Crisma não esteja implicitamente escrito na Bíblia, sabemos que foi o próprio Cristo quem o instituiu pois os Apóstolos administraram este Sacramento, como aparece nos Atos dos Apóstolos (Atos, 8, 14) e porque a Igreja sempre ensinou esta verdade. Vejam o que já ensinava S. Cripriano, Bispo martirizado no ano 258: “Os batizados serão conduzidos aos Bispos, a fim de, por sua oração e imposição das mãos, receberem o Espírito Santo, e pelo selo do Senhor, serem perfeitos.” Como no caso do Batismo, é bom termos Bento XVI abençoa o óleo do Crisma pais espirituais que nos apresentem à Igreja nesta ocasião tão importante, nos aconselhem nas lutas da vida, e rezem por nós. Por isso os padrinhos da Crisma devem ser bons católicos, terem sido crismados, tendo já idade suficiente para aconselhar seus afilhados. O ministro ordinário que preside o Sacramento da Crisma é o Bispo, pois esta tradição vem desde as origens da Igreja, mas em casos de necessidade este pode transmitir esta função a um presbítero (padre). Para terminar, devemos considerar que a Crisma é o Sacramento que aumenta o Amor de Deus em nosso corações. Aos sairmos da cerimônia da Crisma, como soldados de Cristo, temos nossos corações dilatados, abertos para muitas novas graças, capazes de amar a Deus com muito mais forças. É a ação do Divino Espírito Santo que realiza isso em nós. Devemos estar atentos em deixáLo agir em nós, pois Ele vai nos guiar pelos difíceis caminhos da vida, vai nos encher o coração com muitas alegrias espirituais, com o gosto pela oração, com as forças para vencer as tentações. Só assim poderemos estar cada dia mais próximos do Coração de Nosso Senhor, para servi-Lo, testemunhá-Lo e amá-Lo para sempre. EXPEDIENTE VOZ DA PIEDADE Boletim Informativo da Igreja de N. S. da Piedade

Rua da Matriz, SN – Espírito Santo/RN CEP-59180000 – Fone: (84) 3249-2023 e-mail: vozdapiedade@hotmail.com

Conselho Editorial Pe. Luiz Martins de Carvalho Ednalva Mª Coelho de Souza Francisco de Assis de Lima Marcelo dos Santos Bezerra Mª Luiza de Lima Teixeira Rogério Felinto da Silva

Tiragem: 1000 exemplares Distribuição gratuita Diagramação: José Robério (totalimpressos@hotmail.com) Impressão: Natal Gráfica – 32115108 Revisão: Assis Lima

2009 – ANO CATEQUÉTICO NACIONAL. A Igreja Católica no Brasil dedicou o ano de 2009 a Catequese. Com isso a CNBB - Confederação Nacional dos Bispos do Brasil, deseja celebrar o cinqüentenário do primeiro Ano Catequético em nosso país, que ocorreu em 1959. O tema do Ano Catequético Nacional é: “Catequese, caminho para o discipulado” e o lema: “Nosso coração arde quando Ele fala, explica as Escrituras e parte o pão” (cf. Lc 24,32.35); passagem essa que nos remete ao encontro de Jesus com os discípulos de Emaús e do desejo de anunciar a notícia do Cristo Ressuscitado a todos. A Arquidiocese de Natal, dentro das celebrações do centenário da diocese, dedicou o ano de 2009 à Catequese, com o tema: “A Igreja continua na história a testemunhar o Ressuscitado” e o lema:“Eis que estou convosco todos os dias” (Jo 15,14), enfocando a importância da Catequese na vida e na missão de cada cristão. A história da Catequese no Brasil deu passos significativos na fé e ao longo de sua missão evangelizadora. O 1º Ano Catequético Nacional teve o intuito de destacar a formação cristã integral do catequizando. Em 1968, a Catequese tomou outros rumos a partir da Conferência Episcopal de Medellín, que criou as Escolas Catequéticas. Em 1983 a CNBB lançou um documento chamado Catequese renovada, orientações e conteúdo, com a intenção de renovar o conteúdo da Catequese. O objetivo geral deste Ano Catequético Nacional é dar novo impulso à Catequese como serviço eclesial e como caminho para o discipulado. Sendo este um tempo de repensar nossa Catequese, para torná-la mais bíblica, evangelizadora e encarnada na realidade local, ou seja, anunciar Jesus a partir dos acontecimentos na vida da nossa comunidade. O Diretório Nacional de Catequese nos propõe ainda PASCOM APRESENTA SITE DE N. S. DA PIEDADE A Pastoral da Comunicação – PASCOM, está lançando um site – página na Internet, sobre a Igreja de Nossa Senhora da Piedade. Nele podemos encontrar a história da devoção a Nossa Senhora da Piedade, Todas as Pastorais e Movimentos da nossa Igreja, o Boletim Voz da Piedade, as leituras bíblicas do dia com uma homilia diária, o santo daquele dia, além das últimas novidades da Igreja no mundo, como a palavra do Papa. Além disso, podemos encontrar a Bíblia completa, e escolher o livro e capítulo que queremos ler. Tem também uma seção com fotos e vídeos dos acontecimentos da nossa Igreja. Os meios de comunicação são recursos que devem ser utilizados para a evangelização. A Igreja incentiva que se use a Internet para levar a mensagem de Jesus às pessoas, e o Papa Bento XVI ressalta

alguns desafios: Criar maior unidade na pastoral catequética; formar catequistas como comunicadores de experiências de fé; fazer da Bíblia o texto principal da Catequese; realizar a interação fé e vida; Suscitar nos catequistas e catequizandos o valor da celebração litúrgica, a importância da Santa Missa; e motivar catequistas e catequizandos para o compromisso missionário e social da fé (não adianta catequizar, evangelizar, se isso não gerar um c o m p ro m i s s o d e d e s e j o d e transformação da nossa sociedade, pois foi isso o que Jesus ensinou: promover a pessoa como indivíduo que é filho de Deus, e, portanto, herdeiro da vida em abundância). Desejamos que neste Ano Catequético haja uma nova primavera em toda a Igreja do Brasil, na nossa Arquidiocese e em nossa comunidade. Lembrando que Catequese não é uma ação restrita aos catequistas, mas é tarefa de todo cristão batizado que realmente assume sua fé. E o catecismo que hoje é ensinado para nossas crianças, adolescentes e jovens é a base, o alicerce da fé que esses pequenos cristãos levarão para a vida. Essa fé, no entanto, não depende somente dos catequistas, mas dos pais e padrinhos que são os primeiros responsáveis pela educação da fé dos filhos. Só depois é que os pais devem zelar para que seus filhos sejam encaminhados para fazer o catecismo. A importância que os nossos bispos dão para a catequese demonstra que ela tem um lugar de destaque na vida de fé dos cristãos. Imitemos então os discípulos de Emaús, acolhendo Jesus e o levando conosco. que “estas tecnologias são um verdadeiro dom para a humanidade: por isso devemos fazer com que as vantagens que oferecem sejam postas ao serviço de todos os seres humanos”. Para acessar o site de Nossa Senhora da Piedade basta digitar:

www.vozdapiedade.org.br.

TESTEMUNHOS Por Rogério Felinto

José Nascimento da Silva é um adolescente de 12 anos, que reside na cidade de Canguaretama/RN. Ainda bebê, José teve landras por todo o pescoço e a família não tinha condições para comprar os medicamentos para a cura. Sua mãe fez um voto a Nossa Senhora da Piedade para que ele fosse curado. Quando o menino começou a andar a graça aconteceu. Ele foi curado por completo. Quando adolescente sofreu um acidente em um ônibus, mais uma vez sua mãe recorreu a intercessão da Virgem da Piedade e o garoto passou por uma cirurgia com ótima recuperação.

Severino Dionísio da Silva é motorista a 17 anos. Tem 54 anos e reside em Canguaretama/RN. A 8 meses sofreu um acidente no carro que dirigia. Desempregado, ele já não sabia mais o que fazer. Então, pediu a Nossa Senhora da Piedade que o ajudasse a comprar um ônibus para trabalhar por conta própria. E de fato, a graça aconteceu na vida do senhor Severino que esteve na Igreja da Virgem da Piedade para pagar uma promessa e agradecer pela sua intercessão.


VOZ DA PIEDADE - MAIO 2009